LITERATURA E PSICANÁLISE: QUAL A RELAÇÃO? Gilcia Gil Beckel

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LITERATURA E PSICANÁLISE: QUAL A RELAÇÃO? Gilcia Gil Beckel"

Transcrição

1 LITERATURA E PSICANÁLISE: QUAL A RELAÇÃO? Gilcia Gil Beckel O que o canavial ensina ao mar e o que o mar ensina ao canavial? O processo de aprendizagem mútua é o foco central do poema O Mar e o Canavial, de João Cabral de Melo Neto, que nos leva a refletir sobre um aprender e um ensinar constantes que se evidencia nas interações humanas. A exemplo do poeta, podemos também nos perguntar o que a literatura ensina à psicanálise? O que a psicanálise ensina à literatura? Para o poeta, para o escritor, o que de fato importa é o ato de escrever. É sublimar sua pulsão, atendendo a um desejo de expressão. É o brincar com a palavra, fazer dela seu instrumento e seu objeto, envolver-se com ela e por seu intermédio, mostrar-se. É isto o que interessa à psicanálise? Por ser expressão do inconsciente, despertar a livre associação e instigar o imaginário do leitor, a literatura não é apenas a forma que cada um viaja em seu imaginário, não é puro diletantismo para quem lê e lhe aprecia o valor estético, mas alguma coisa que instiga e aguça a curiosidade dos mais atentos. Um leitor que se delicia com um poema, um conto, romance, ou outra qualquer forma de expressão literária, e que busca nas entrelinhas das palavras escritas, aquelas que ficaram ao nível do não dito, assemelha-se ao analista atento que, pinçando os significantes nas histórias de vida que lhe são contadas, capta o que não está sendo enunciado. Como fruto da subjetividade e forma sublimatória da pulsão, a literatura fornece preciosos elementos para análise das manifestações inconscientes. Freud sempre reconheceu o quanto a arte e a literatura anteciparam e confirmavam as descobertas da clínica psicanalítica. A literatura pré-existe à psicanálise. Poderíamos dizer que esta Apresentado na III Jornada de Psicanálise do Fórum Baiano de Psicanálise, em dezembro de 2004, e no Café da Manhã de da ELBA.

2 funda a psicanálise, pois o conceito chave do complexo de Édipo tem como pano de fundo a tragédia de Sófocles. Mas não apenas o autor grego, como Shakespeare, Dotoiévski, Jensen, Leonardo da Vinci, Michelângelo, Goethe, Hoffmann, Diderot e outros povoaram a obra freudiana. Ao longo da construção de sua teoria, o pai da psicanálise buscou interpretar autores, baseando-se em suas obras literárias, buscando conhecer de que fonte o artista retira seu material, material este capaz de nos despertar emoções que desconhecíamos. Em Escritores Criativos e Devaneios, vai buscar na infância os fundamentos do caráter imaginativo do artista. Encontra-os nas atividades favoritas e mais intensas das crianças: os jogos e as brincadeiras. Ele nos diz que o poeta, assim como a criança, cria um mundo de fantasia, leva-o a sério, investe nele grande quantidade de emoção, mas o distingue perfeitamente da realidade. Segundo Freud, ao se tornarem adultas, as pessoas perdem o prazer da infância e param de brincar. No entanto, trocam o brinquedo pelas fantasias, das quais se envergonham e as ocultam, por serem infantis e, muitas vezes, proibidas. Para ele, a obra literária é um substituto do brincar infantil. O artista exprime suas fantasias, torna-as aceitáveis e até prazerosas a outros, realizando assim seus desejos e os alheios. O poeta deixa sua fantasia se evadir pelo uso das metáforas, o romancista, pela criação de histórias, situações e tipos. Da literatura, a psicanálise toma referências, exemplos, extrai características que traçam o perfil de um autor, e por meio dela enriquece a própria teoria. Igualmente, a psicanálise oferece aos literatos a oportunidade de utilizar novas metáforas, de aprofundar o processo de criação, de liberação do inconsciente. Um sujeito em análise, ao contar e recontar a história de que é o protagonista, passa a interpretar com um novo olhar o livro de sua própria vida, dando-lhe outro sentido, ao tempo em que igualmente vai remodelando esse personagem. Um analista é, ao mesmo tempo, um leitor atento. Não um leitor preso à história que lhe narra o protagonista, mas aquele que, por meio de sua atenção flutuante, busca o enunciado na enunciação, o sentido oculto naquilo que lhe está sendo dito. Pela sua presença silenciosa ou pelas intervenções que faz, leva o sujeito a refletir sobre sua própria história e ressignificá-la. Estaria assim na posição de co-autor da nova história? 2

3 O discurso do paciente, assim como um texto literário, demanda interpretação. Existe sempre um sentido manifesto e um sentido latente nos significantes que emergem do dizer do paciente, das suas reticências, esquecimentos e tropeços. Tal sentido revela o caráter ambíguo e equívoco das palavras. A interpretação fornece ao paciente novas significações, como acontece quando se interpreta um texto literário. Mas a psicanálise tanto é um instrumento de que o analista se utiliza para trazer à luz e interpretar o conteúdo inconsciente, quanto pode ser utilizada como lente de aumento para o entendimento em profundidade de uma obra, seja romance, poema, filme, pintura, ou outra forma qualquer de manifestação artística, pois são elas expressão do inconsciente, bem como, para encontrar na obra características da personalidade do sujeito de quem receberam a autoria. Os romancistas e poetas muito nos podem ensinar sobre a subjetividade humana. Um romance nos revela, por meio dos personagens, traços da vida introspectiva do autor. Os grandes romances têm sido referência para os psicanalistas. Muitos fornecem matéria para estudo. Freud se deu conta disto e não foi à toa que usou e abusou de exemplos e referências literárias em toda a sua obra. Para ilustrar nosso trabalho, buscaremos analisar, à luz dos conceitos psicanalíticos, o conto O Espelho, de Machado de Assis. Nesse conto, o personagem principal, Jacobina, narra a alguns amigos um episódio que lhe acontecera quando tinha 25 anos. Aos 25 ele se torna alferes e é assim que passa a ser reconhecido, tanto na família (especialmente por sua mãe, que o chamava meu alferes ) quanto na sociedade, a este significante se identificando e recalcando sua verdadeira identidade. A convite da tia, vai hospedar-se em sua fazenda e é por ela tratado da mesma forma que a mãe o tratava. A tia põe no quarto dele um enorme espelho, uma das peças mais nobres da casa. Certo dia, a tia se ausenta e os empregados, que inicialmente o cortejavam, desaparecem. A solidão e o desamparo deixam Jacobina numa situação de desespero. Frente ao espelho, não se vê, não se reconhece, até o dia em que decide vestir novamente sua farda de alferes. 3

4 De início, o título do conto nos remete à questão da importância do olhar. Do olhar-se e do olhar do outro, do ver-se e do ser visto. Como nos diz Lacan, eu só vejo de um ponto, mas em minha existência sou olhado de toda parte. Em sua narrativa, Jacobina afirmava a existência de duas almas: não há uma só alma, há duas (...) uma que olha de dentro para fora, outra que olha de fora para dentro (...) A alma exterior pode ser um espírito, um fluído, um homem, muitos homens, um objeto, uma operação. (...) as duas completam o homem, que é, metafisicamente falando, uma laranja. Quem perde uma das metades, perde naturalmente metade da existência; e casos há, não raros, em que a perda da alma exterior implica a da existência inteira. Vemos aí a presença de um Outro, representado pela alma exterior. O eu interior, a outra alma, poderíamos entender como o Sujeito do inconsciente? A afirmação de Jacobina sobre a existência de duas almas nos faz pensar que aí está um sujeito dividido. A sala... é agora um mar morto; todos os olhos estão no Jacobina... Escreve Machado de Assis. Mais uma vez a questão do olhar aparece. Se, ao ser abandonado na fazenda, ele não se reconhece, anos depois, alferes assumido, ele é o sujeito que narra aos amigos a própria história, e os olhares estão fixos nele. Diz ele: Tinha 25 anos, era pobre, e acabava de ser nomeado alferes da guarda nacional. (...) Minha mãe ficou tão orgulhosa! Tão contente! Chamava-me o seu alferes! Eis a relação com o Outro materno, a importância do discurso deste Outro, que o nomeia alferes, que lhe imprime este significante. Não é mais o filho, mas o alferes. Continuando sua história, conta Jacobina: Vai então uma das minhas tias, D. Marcolina, (...) Chamava-me também o seu alferes! (...) E sempre alferes; era alferes para cá, alferes para lá, alferes a toda hora. Eu pedia-lhe que me chamasse Joãozinho, como dantes; e ela abanava a cabeça, bradando que não, que era o senhor alferes. Essa tia parece representar a continuidade da mãe. Ambas provocam nele a perda da verdadeira identidade. Para a mãe, não é mais o filho, para a tia, não é mais o sobrinho. Para ambas e os demais, é apenas o senhor alferes. E como afirma o próprio personagem, O alferes eliminou o homem... 4

5 Em outro trecho, ele diz: Aconteceu então que a alma exterior, que era dantes o sol, o ar, o campo, os olhos das moças, mudou de natureza, e passou a ser a cortesia e os rapapés da casa, tudo o que me falava do posto, nada do que me falava do homem. (...) A única parte do cidadão que ficou comigo foi aquela que entendia com o exercício da patente; a outra dispersou-se no ar e no passado. (...)...em que a consciência do homem se obliterava, a do alferes tornava-se viva e intensa. A importância dada pelo social à posição, ao posto, reforçaram o significante. Ele só podia existir dentro da farda. Tomado pela palavra, Jacobina perde sua identidade. O discurso e o olhar do Outro eram o que lhe dava reconhecimento. Olhar do Outro, projetado na imagem do senhor alferes. Ao se ver só, sente-se abandonado, perdido. Abandono que lhe gera um sentimento estranho, que significa aí o confrontar-se com a falta, o corte, a castração. Passa a utilizar então mecanismos de defesa: atividades físicas, trabalhos intelectuais, o sono... para suportar a sensação esquisita de uma não existência, já que não havia agora o olhar nem a palavra do Outro que lhe remetesse a sua identidade. Conforme Lacan, Na medida em que o olhar, enquanto objeto a pode vir a simbolizar a falta central expressa no fenômeno da castração, e que ele é objeto a reduzido... a uma função evanescente ele deixa o sujeito na ignorância do que há para além da aparência. Prosseguindo, diz Jacobina: O sono dava-me alívio... o sono, eliminando a necessidade de uma alma exterior, deixava atuar a alma interior. Nos sonhos, fardavame, orgulhosamente, no meio da família e dos amigos, que me elogiavam o garbo, que me chamavam alferes... (...) quando acordava, dia claro, esvaía-se com o sono a consciência do meu ser novo e único, - porque a alma interior perdia a ação exclusiva, e ficava dependente da outra, que teimava em não tornar... O sono era um mecanismo de fuga que lhe colocava em contato com o desejo de ser alguém. A tal alma interior aparecia apenas nos momentos de vigília e ele não a reconhecia. No seu sonho, ele deseja que as pessoas retornem, que voltem a lhe olhar, a lhe falar, que se acabe a sua solidão. No conteúdo manifesto, aparece a alma exterior. No conteúdo latente, estaria o seu desejo de voltar a existir? 5

6 Sentia-se como um fantasma a vagar pela casa, a procurar o que lhe preenchesse o tempo, o que o livrasse da angústia, da solidão, do desamparo. Passa a ter medo de olhar-se no espelho e não se reconhecer, de não encontrar ali sua própria identidade. Certo dia, toma coragem e olha-se, mas não se vê, não se reconhece diante do imenso espelho. Há um episódio na vida de Freud, em que, viajando num trem, de repente a porta do seu compartimento se abre devido a um solavanco e ele vê um homem estranho entrar em seu vagão. No entanto, o intruso, era sua própria imagem no espelho. Antipatiza com a própria aparência, não se reconhece. Segundo Quinet, Freud é afetado pelo objeto olhar que emerge do espelho, olhar que desfaz a imagem especular impedindo-o de reconhecer-se: ele é o objeto do olhar antipático do Outro. Tem algo de semelhante no que acontece com Jacobina, só que ele não se vê nem simpático nem antipático, mas deformado, inexistente. Ele simplesmente não se vê! Assustado por não se reconhecer diante do espelho, Jacobina lembrou-se de vestir a farda de alferes e então ele consegue se ver. Daí em diante, fui outro, diz ele. A farda lhe restitui a identidade. É ela a metáfora que lhe remete ao significante alferes (seu eu ideal?). A farda o identifica, remete-o à palavra e ao olhar do Outro, dá-lhe existência. Jacobina, tão impregnado estava desse olhar, que já não podia existir por si mesmo. O ver-se depois de pôr a farda é o existir pelo olhar do Outro materno e do Outro social. A análise deste conto nos mostra o quanto a psicanálise enriquece uma interpretação de texto e o quanto um texto literário pode enriquecer a psicanálise. Tanto podemos analisar psicanaliticamente uma criação literária, como podemos enriquecer nosso processo criativo, a partir de reflexões que são frutos de uma análise. Sublimar é desviar o desejo para o campo do simbólico. O sujeito, numa análise, conta a sua própria história, sua verdade. Num romance, num conto, são elementos do inconsciente de um sujeito que permeiam a história que é contada, sua verdade está subjacente à ficção. 6

7 Assim, se um autor pode aprofundar e enriquecer sua obra à luz da teoria psicanalítica ou de um processo analítico a que se submeta, um analista, quanto mais seja um bom leitor, tanto mais entenderá do inconsciente. Para concluir, eu diria que a relação entre a literatura e a psicanálise é uma antiga relação de amor. Um amor que se pretende eterno.... 7

O Escutar através do Desenho

O Escutar através do Desenho 1 O Escutar através do Desenho Neide M.A.Corgosinho 1 RESUMO: O artigo aqui apresentado baseia-se em algumas experiências de trabalho na internação pediátrica do Hospital Militar de Minas Gerais no período

Leia mais

DA INTERPRETAÇÃO À CONSTRUÇÃO DE SIGNIFICADOS NA PSICANÁLISE INFANTIL

DA INTERPRETAÇÃO À CONSTRUÇÃO DE SIGNIFICADOS NA PSICANÁLISE INFANTIL DA INTERPRETAÇÃO À CONSTRUÇÃO DE SIGNIFICADOS NA PSICANÁLISE INFANTIL Guiomar Papa de Morais 1 Breve histórico da técnica de Psicanálise Infantil: Freud desenvolveu um importante corpo teórico a partir

Leia mais

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): STELA FERNANDES

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A comunicação que segue procura pensar algumas especificidades constitucionais do feminino a partir do aforismo lacaniano: Não há relação sexual. Para dizer

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1 FUNÇÃO MATERNA Luiza Bradley Araújo 1 Entendemos por função materna a passagem ou a mediação da Lei que a mãe opera. Nós falamos de uma função e não da pessoa da mãe, função de limite entre o somático

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA

UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA Glenda Duarte 1 glenda_idilios@hotmail.com O principal objetivo deste ensaio é a realização

Leia mais

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL Emanuel Carvalho 2 Prefácio * Edivan Silva Recebi o convite para prefaciar uma obra singular, cujo título despertou e muita minha atenção: Como escrever um livro infantil,

Leia mais

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA Adriana Grosman Pretendo tratar de um caso clinico que coloca em evidencia que não é só a questão fálica que está em jogo na maternidade se não o resto do desejo, algo que escapa

Leia mais

A ARTE E O IMAGINAR: Um dispositivo para a recriação da realidade

A ARTE E O IMAGINAR: Um dispositivo para a recriação da realidade A ARTE E O IMAGINAR: Um dispositivo para a recriação da realidade Ana Paula Pimentel 1 (paulinha_pimentel@yahoo.com.br) Andreia dos Santos Silva² (psiuerj@yahoo.com.br) Ademir Pacelli Ferreira³ (ademirpacelli@uol.com.br)

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

Revista Mal-estar E Subjetividade ISSN: 1518-6148 malestar@unifor.br Universidade de Fortaleza Brasil

Revista Mal-estar E Subjetividade ISSN: 1518-6148 malestar@unifor.br Universidade de Fortaleza Brasil Revista Mal-estar E Subjetividade ISSN: 1518-6148 malestar@unifor.br Universidade de Fortaleza Brasil Holanda Martins, Karla Patricia Reseña de "Freud e a Literatura: destinos de uma travessia" de Leônia

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA COM CRIANÇAS

PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA COM CRIANÇAS PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA COM CRIANÇAS Marien Abou Chahine 1 Resumo Este artigo é resultado da mesa do IV Congresso de Psicologia da Unifil, cujo objetivo foi explanar sobre a prática da Psicanálise com

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O BRINCAR E O JOGO INFANTIL

REFLEXÕES SOBRE O BRINCAR E O JOGO INFANTIL 1 REFLEXÕES SOBRE O BRINCAR E O JOGO INFANTIL Júlia Carolina Bosqui 1 RESUMO: Apresentam-se algumas considerações sobre a importância do brincar para o desenvolvimento infantil a partir da experiência

Leia mais

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior C omo este é o mês das crianças, decidi propor para aqueles que estão em busca de autoconhecimento, alguns exercícios que ajudam a entrar

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica Natália De Toni Guimarães dos Santos O humano só advém a partir de outros humanos. O filho do homem é um ser absolutamente dependente

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas 9 1. PSICANÁLISE DE CRIANÇAS 1.1 Freud: uma criança é abordada Embora a pesquisa original de Freud tenha se desenvolvido a partir da análise de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta Mesa: 4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta OS RISCOS NA CONSTITUIÇÃO PSÍQUICA Autora: CRISTINA HOYER Breve Nota Curricular da Autora -

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

+10 anos GUIA DE LEITURA. Manuela Lapa. Alex Ponto Com Joe Silicone vai à escola. José Fanha Ilustrações de João Fanha

+10 anos GUIA DE LEITURA. Manuela Lapa. Alex Ponto Com Joe Silicone vai à escola. José Fanha Ilustrações de João Fanha GUIA DE LEITURA Manuela Lapa Alex Ponto Com Joe Silicone vai à escola José Fanha Ilustrações de João Fanha +10 anos 2 Apresentação da obra O que terá levado Joe Silicone, personagem virtual, a fugir do

Leia mais

"Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1

Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica. 1 V Congresso de Psicopatologia Fundamental "Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1 Autora: Lorenna Figueiredo de Souza. Resumo: O trabalho apresenta

Leia mais

Uma História que cheira a Café. Não Desprezes os Provérbios. Autor Isabel Vilarinho e Vanda Novais. Autor Abel de Carvalho

Uma História que cheira a Café. Não Desprezes os Provérbios. Autor Isabel Vilarinho e Vanda Novais. Autor Abel de Carvalho Catálogo 2013 Uma História que cheira a Café Isabel Vilarinho e Vanda Novais Não Desprezes os Provérbios Abel de Carvalho Género: Romance N.º Páginas: 112 ISBN: 978-989-20-3065-4 Género: Prosa / Literatura

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães.

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. Autores: DILMA ANTUNES SILVA 1 ; MARCELO NASCIMENTO 2. Modalidade: Relato de experiência.

Leia mais

Poesia A Arte de brincar e aprender com as palavras. Prof. José Urbano

Poesia A Arte de brincar e aprender com as palavras. Prof. José Urbano Poesia A Arte de brincar e aprender com as palavras Prof. José Urbano O que vamos pensar: A Literatura e a Sociedade Funções e desdobramentos da Literatura Motivação Poesia Em hipótese alguma a literatura

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana Fome de quê? Daniela Goulart Pestana O trabalho a seguir fruto de um Cartel sobre sintomas alimentares, propõe a ser uma reflexão dos transtornos alimentares mais comuns de nossa contemporaneidade. O eixo

Leia mais

PROJETO VERSOS COLORIDOS ONDE ESTÁ A POESIA?

PROJETO VERSOS COLORIDOS ONDE ESTÁ A POESIA? PROJETO VERSOS COLORIDOS ONDE ESTÁ A POESIA? TEREZINHA BASTOS (SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE CAXIAS-MA). Resumo VERSOS COLORIDOS ONDE ESTÁ A POESIA? é um projeto de incentivo à leitura e à escrita

Leia mais

A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica

A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica Laureci Nunes A fantasia fundamental, aspecto central da vida psíquica, orienta a clínica

Leia mais

Cinema, imagem e psicanálise

Cinema, imagem e psicanálise Cinema, imagem e psicanálise Coleção PASSO-A-PASSO CIÊNCIAS SOCIAIS PASSO-A-PASSO Direção: Celso Castro FILOSOFIA PASSO-A-PASSO Direção: Denis L. Rosenfield PSICANÁLISE PASSO-A-PASSO Direção: Marco Antonio

Leia mais

Revista Pandora Brasil

Revista Pandora Brasil 54 Revista Pandora Brasil Home Índice Minicurrículos dos autores O fantástico n O Espelho, de Machado de Assis: observações freudianas sobre a dualidade da alma humana Angela Sivalli Ignatti 1 RESUMO:

Leia mais

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia 1 Antologia Raízes Da Poesia 2 Copyrighr 2013 Editra Perse Capa e Projeto gráfico Autor Registrado na Biblioteca Nacional ISBN International Standar Book Number 978-85-8196-234- 4 Literatura Poesias Publicado

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER NO UNIVERSO INFANTIL Ana Maria Martins anna_1280@hotmail.com Karen de Abreu Anchieta karenaanchieta@bol.com.br Resumo A importância do ato de ler no cotidiano infantil é de

Leia mais

Os princípios da prática analítica com crianças

Os princípios da prática analítica com crianças Os princípios da prática analítica com crianças Cristina Drummond Palavras-chave: indicação, tratamento, criança, princípios. As indicações de um tratamento para crianças Gostaria de partir de uma interrogação

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

Sonhos de Angústia. Introdução. Maria Lucía Silveyra

Sonhos de Angústia. Introdução. Maria Lucía Silveyra Sonhos de Angústia Maria Lucía Silveyra Tradução: Paloma Vidal Introdução Hoje, a cem anos do Projeto Freudiano, é um fato que as coordenadas simbólicas nas quais se inscreve a psicanálise têm variado.

Leia mais

Fuga. v_06.02 (julho/2011) Por Laura Barile

Fuga. v_06.02 (julho/2011) Por Laura Barile Fuga v_06.02 (julho/2011) Por Laura Barile laurabarile@gmail.com CENA 1 - EXT. RUA - DIA DORA sai do carro, bate a porta. Usa um vestido sem mangas, de algodão, comprido e leve, o cabelo levemente desarrumado,

Leia mais

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck Publicado na revista eletrônica Tigre Albino Volume 3, Número 3. 2010. ISSN: 1982-9434 Disponível em: http://www.tigrealbino.com.br/texto.php?idtitulo=08f1c7471182e83b619f12bfa4 27e1e0&&idvolume=9a2be2ed7998330d41811b14e9f81f2d

Leia mais

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco REDAÇÃO AULA 5 Professora Sandra Franco DISSERTAÇÃO 1. Definição de Dissertação. 2. Roteiro para dissertação. 3. Partes da dissertação. 4. Prática. 5. Recomendações Gerais. 6. Leitura Complementar. 1.

Leia mais

SIMBOLIZAÇÃO E SUBLIMAÇÃO : REFLEXÕES E CONJECTURAS INTRODUÇÃO

SIMBOLIZAÇÃO E SUBLIMAÇÃO : REFLEXÕES E CONJECTURAS INTRODUÇÃO 1 SIMBOLIZAÇÃO E SUBLIMAÇÃO : REFLEXÕES E CONJECTURAS Cora Sophia Schroeder Chiapello* INTRODUÇÃO Há muitos anos tenho pensado na distância existente entre a descoberta e Freud da presença fundamental

Leia mais

A Sublimação e a Clínica em Lacan. Eliane Mendlowicz

A Sublimação e a Clínica em Lacan. Eliane Mendlowicz A Sublimação e a Clínica em Lacan Eliane Mendlowicz O conceito de sublimação aparece na obra freudiana em 1897, nas cartas a Fliess (manuscrito L), quando Freud se perguntando sobre a histérica, descobre

Leia mais

Por que repetimos os mesmos erros

Por que repetimos os mesmos erros J.-D. Nasio Por que repetimos os mesmos erros Tradução: André Telles Neste livro, eu gostaria de mostrar como a minha experiência de psicanalista me levou a concluir que o inconsciente é a repetição. Normalmente,

Leia mais

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RGS FACULDADE DE LETRAS ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson Disciplina: - Teorias Contemporâneas da Literatura

Leia mais

Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL MENDONÇA, Magda Letícia Bezerra 1 Palavras-chave: Histórias, Educação infantil A presente apresentação refere-se a parte do trabalho

Leia mais

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito interessantes a respeito do acting out, entre elas, que ele é uma mensagem... sempre dirigido

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

A DANÇA DO VENTRE COMO INSTRUMENTO NA PSICOTERAPIA CORPORAL PARA MULHERES Elizabeth Moro

A DANÇA DO VENTRE COMO INSTRUMENTO NA PSICOTERAPIA CORPORAL PARA MULHERES Elizabeth Moro 1 A DANÇA DO VENTRE COMO INSTRUMENTO NA PSICOTERAPIA CORPORAL PARA MULHERES Elizabeth Moro A busca por esse trabalho teve inicio, quando de alguma forma, eu procurava encontrar explicações psicológicas,

Leia mais

IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM!

IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM! IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM! Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história.

Leia mais

imediato, a magia (o âmbito da comunhão) da participação onde se tem a distância.

imediato, a magia (o âmbito da comunhão) da participação onde se tem a distância. A CRIANÇA EM WALTER BENJAMIN E FLORESTAN FERNANDES FLORES, Zilá Gomes de Moraes - UNIJUÍ GT: Educação de Crianças de 0 a 6 anos/ n.07 Agência Financiadora: Não contou com financiamento. Na atualidade muitos

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i

Cao Guimarães: Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i O cineasta mineiro Cao Guimarães, 41, terá seu filme mais recente "Andarilho" (2006) exibido pela primeira vez na Quinzena de Realizadores,

Leia mais

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM Adriana Bragagnolo i ( Universidade de Passo Fundo) 1. NOTA INICIAL O presente texto objetiva socializar reflexões a respeito da literatura infantil no cenário

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

TRANSGREDINDO UMA ESTÉTICA RACISTA: O TRABALHO COM NARRATIVAS E A PRODUÇÃO DA IDENTIDADE NEGRA Juliana Ribeiro PPGEDUC/UFRRJ

TRANSGREDINDO UMA ESTÉTICA RACISTA: O TRABALHO COM NARRATIVAS E A PRODUÇÃO DA IDENTIDADE NEGRA Juliana Ribeiro PPGEDUC/UFRRJ TRANSGREDINDO UMA ESTÉTICA RACISTA: O TRABALHO COM NARRATIVAS E A PRODUÇÃO DA IDENTIDADE NEGRA Juliana Ribeiro PPGEDUC/UFRRJ Resumo O presente trabalho é parte da pesquisa em andamento Pensando fora do

Leia mais

Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book)

Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book) 251 Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book) Autor da resenha Thiago Costa Matos Carneiro da Cunha Psicanalista. Graduado em Psicologia

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2 DAR CORPO AO SINTOMA NO LAÇO SOCIAL Maria do Rosário do Rêgo Barros * O sintoma implica necessariamente um corpo, pois ele é sempre uma forma de gozar, forma substitutiva, como Freud bem indicou em Inibição,

Leia mais

Aplicação Terapêutica das Imagens de Arte e Metáforas

Aplicação Terapêutica das Imagens de Arte e Metáforas Alexa B. Leirner A arte é uma mentira que nos ajuda a perceber a verdade. (Pablo Picasso) 1 Objetivos Conhecer os principais fundamentos que demonstram os benefícios da utilização de imagens de arte e

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO Igor Guterres Faria¹ RESUMO: Este estudo é parte integrante do projeto de pesquisa de iniciação científica

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

UM ROCHEDO EM FLOR: REVIVENDO ENOCH SANTIAGO FILHO

UM ROCHEDO EM FLOR: REVIVENDO ENOCH SANTIAGO FILHO UM ROCHEDO EM FLOR: REVIVENDO ENOCH SANTIAGO FILHO [1]Fabiana dos Santos O escritor, professor, pesquisador e historiador baiano radicado em Sergipe, Gilfrancisco nos presenteia com mais um de seus trabalhos

Leia mais

BIBLIOTECA CIDADÃ JOÃO MARQUES DA SILVA DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PROJETO: LEITORES EM AÇÃO, UM CAMINHO PARA O SABER.

BIBLIOTECA CIDADÃ JOÃO MARQUES DA SILVA DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PROJETO: LEITORES EM AÇÃO, UM CAMINHO PARA O SABER. BIBLIOTECA CIDADÃ JOÃO MARQUES DA SILVA DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PROJETO: LEITORES EM AÇÃO, UM CAMINHO PARA O SABER. BOM JESUS DO SUL MAIO DE 2011 BIBLIOTECA CIDADÃ JOÃO MARQUES DA SILVA DEPARTAMENTO

Leia mais

O brincar no campo transicional: algumas questões para a clínica psicanalítica com crianças

O brincar no campo transicional: algumas questões para a clínica psicanalítica com crianças O brincar no campo transicional: algumas questões para a clínica psicanalítica com crianças Carolina Valério Barros Daniel Kupermann As crianças não brincam de brincar. Brincam de verdade. (Mario Quintana)

Leia mais

Cara Professora, Caro Professor,

Cara Professora, Caro Professor, A olhinhos menina de rasgados Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos um belo livro de narrativa A menina de olhinhos rasgados, do premiado autor mineiro Vanderlei Timóteo.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

Literatura de Monteiro Lobato

Literatura de Monteiro Lobato Literatura de Monteiro Lobato Cléa Coitinho Escosteguy ULBRA Trabalhar com as obras de Monteiro Lobato é fazer emergir a fantasia e a criatividade, já tão esquecidas. Não há, com certeza, na ficção de

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA Connie, a Vaquinha 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S): A Ponte 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio A Ponte faz parte da série Connie,

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA)

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) REDE PRÓ-MENINO ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil CURSISTA: JACKELYNE RIBEIRO CINTRA MORAIS CPF: 014275241-06 ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) Características

Leia mais

Disciplina de Psicologia B 12 o Ano Turma A

Disciplina de Psicologia B 12 o Ano Turma A Disciplina de Psicologia B 12 o Ano Turma A Resolução da Ficha Formativa de Trabalho de Grupo nº1 1 Desde a antiguidade que a psicologia era entendida, morfologicamente, como no estudo da alma e da mente,

Leia mais

CÍRCULOS DE LEITURA: INFLUÊNCIAS NA FORMAÇÃO DO LEITOR PROFICIENTE

CÍRCULOS DE LEITURA: INFLUÊNCIAS NA FORMAÇÃO DO LEITOR PROFICIENTE CÍRCULOS DE LEITURA: INFLUÊNCIAS NA FORMAÇÃO DO LEITOR PROFICIENTE JEANE DA SILVA PASSOS (UEFS), CINTHIA DOS SANTOS SACRAMENTO (UEFS). Resumo Essa comunicação resulta da realização de Círculos de Leitura

Leia mais

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO Resumo Hoje muitas crianças convivem com narrativas audiovisuais na tv, no cinema e na Internet. Como se relacionam

Leia mais

A importância da leitura na fase infantil.

A importância da leitura na fase infantil. EDIÇÃO II VOLUME 3 01/04/2011 A importância da leitura na fase infantil. O desenvolvimento de interesses e hábitos permanentes de leitura é um processo constante, que principia no lar, aperfeiçoa-se sistematicamente

Leia mais

O BRINCAR E A CLÍNICA

O BRINCAR E A CLÍNICA O BRINCAR E A CLÍNICA Christine Nunes (psicóloga clínica, candidata da SPRJ) RESUMO: O presente trabalho, propõe a uma breve exposição do que pensa Winnicott sobre o brincar e a sessão analítica estendendo

Leia mais