Governança Corporativa de Empresas Familiares. Migrando do Conselho para os níveis operacionais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Governança Corporativa de Empresas Familiares. Migrando do Conselho para os níveis operacionais"

Transcrição

1

2 Governança Corporativa de Empresas Familiares Migrando do Conselho para os níveis operacionais

3 O que é "empresa familiar"? A família detém o controle societário

4 Empresas Familiares no Mundo Fonte: Consultoria Bernhoeft, 2005/Neubauer e Lank, 2004 País ou Região Participação (N o. de empresas) Oriente Médio 95% Itália 95% Suécia 90% Suiça 85% Brasil 85% Espanha 80% EUA 80% Inglaterra 75% Portugal 70% França 60%

5 Participação da família na gestão da empresa Sentido Maioria do Capital Votante Restrito Família Família Gestão da Empresa Misto Família Família e Externa Amplo Família Externa

6 Empresas Familiares nos EUA 36,5 milhões de empresas Fonte: Consultoria Bernhoeft, 2005/Neubauer e Lank, % 70% 60% 50% 40% 30% Sentido Restrito Sentido Misto Sentido Amplo 20% 10% 0% % Empresas % PIB USA % População trabalhadora % Novos postos de Trabalho

7 A grande função objetivo empresarial Perpetuação Crescimento Desenvolvimento

8 Fases de Desenvolvimento da Empresa Fase 1 PIONEIRA Características desta fase Centralização no fundador Poder centralizado Múltiplas responsabilidades: familiograma Comunicação informal Processos não formalizados e flexíveis Relações com o mercado Atuação em nichos Espírito de guerrilha: topa qualquer parada Tende a gerar conflitos entre vendas x produção e vendas x finanças

9 Fases de Desenvolvimento da Empresa Fase 2 - GESTÃO FAMILIAR Características desta fase - Afirmação no Mercado, Diferenciação Disputa entre ramos familiares, cada qual defendendo seus valores e percepções. Despertar de interesses entre herdeiros: trabalhar na empresa ou fora dela Necessidade de regras, formalização de normas e procedimentos, organograma prestigiando família Conflito de gerações pela sucessão

10 Fases de Desenvolvimento da Empresa Fase 3 - INTEGRAÇÃO FAMILIAR Características desta fase - Maturidade Identificação de interesses convergentes entre empresa e família Identificação de polaridades entre negócio/família razão/emoção participativo/individual Fase de estruturação mais ampla Qual a NOSSA visão de mundo? O que vamos construir juntos? O que queremos deixar como legado?

11 Fases de Desenvolvimento da Empresa Fase 4 - FAMÍLIA EMPRESÁRIA Características desta fase - Maturidade Plena Plena conscientização da família como geradora de negócios e oportunidades. Clareza na identidade empresarial, prestigiando relacionamentos harmônicos e convergentes. Líderes familiares se preocupam com a capacitação dos membros da família.

12 Por que morrem as empresas familiares?

13 As espécies que sobrevivem não são as mais fortes, nem as mais inteligentes, e sim aquelas que se adaptam melhor às mudanças. Charles Darwin

14 Falta de Planejamento Estratégico Principais causas do desaparecimento das empresas familiares no Brasil Pesquisa SEBRAE 2009

15 Falta de liderança educadora e planejamento sucessório Principais causas do desaparecimento das empresas familiares no Brasil Pesquisa SEBRAE 2009

16 Declínio do ciclo de vida de produtos/serviços Principais causas do desaparecimento das empresas familiares no Brasil Pesquisa SEBRAE 2009

17 Empresas Familiares desafios adicionais Como estabelecer e regular o relacionamento da família com o negócio? Como administrar eventuais disputas e conflitos familiares para não interferir no negócio e comprometer o funcionamento da organização? Como evitar que estas questões gerem perdas de resultado e até prejuízos para os negócios?

18 E o que isso tem a ver com GOVERNANÇA CORPORATIVA?

19 Sistema de empresas familiares - esferas SOCIEDADE Sócios fora da família e da empresa FAMÍLIA Membros da família fora da sociedade e da empresa Sócios da família que não trabalham na empresa Sócios da família que trabalham na empresa Membros da família que trabalham na empresa e fora da sociedade Sócios fora da família que trabalham na empresa EMPRESA Funcionários fora da família e da sociedade

20 Sistema de empresas familiares - conflitos A heterogeneidade das pessoas gera conflitos. Não existe empresa sem conflitos. A qualidade do relacionamento pode gerar conflito. Como desenvolver a visão positiva sobre conflitos.

21 Governança Corporativa propósitos Diminui conflitos que, normalmente, surgem na relação entre a família, a sociedade e a empresa Permite alinhamento das informações existentes entre a gestão e os detentores da propriedade e de interesses relevantes (stakeholders) na organização. É estruturado e moldado para cada empresa, respeitando sua filosofia e sua cultura.

22 Governança Corporativa - propósitos Herdeiros têm direitos como proprietários, mas isso não lhes confere, automaticamente, o direito de ser gestores. Gestão requer competências que não se transferem por laços consanguíneos. A família deve organizar seu relacionamento com a empresa através de processos disciplinados.

23 Governança Corporativa - fundamentos Transparência: abrir informações além da exigência legal. Equidade: dar tratamento justo às partes interessadas (acionistas, investidores, colaboradores, clientes, fornecedores...) Prestação de contas: prestar contas de sua atuação e responder por seus atos e omissões perante a sociedade. Responsabilidade corporativa: zelar pela perpetuidade da organização, por meio de práticas sustentáveis para o meio ambiente e para a ordem social em seus negócios.

24 Governança Corporativa - Resultado As boas práticas de governança corporativa transformam princípios em recomendações e ações objetivas, no sentido de otimizar o valor da organização, visando... Perpetuação Crescimento Desenvolvimento

25 Governança Corporativa na Empresa Familiar SOCIEDADE CONSELHO DE SÓCIOS ACORDO DE ACIONISTAS CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO FAMÍLIA EMPRESA CONSELHO DE FAMÍLIA ACORDO DE FAMÍLIA Escritório de Família GESTÃO EMPRESARIAL

26 Governança Corporativa Plena Fonte IBGC Instituto Brasileiro de Governança Corporativa Governança Corporativa Conselho de Família Sócios Auditoria Independente Conselho de Administração Conselho Fiscal Auditoria Interna Comitê Auditoria Comitês específicos Diretor Presidente Diretores Gestão Empresarial Administradores

27 Governança Corporativa - conselhos e órgãos Conselho de Administração Define estratégia de sustentabilidade para longo prazo Protege e valoriza a organização em relação a seus objetivos sociais e filosofia empresarial Busca equilíbrio de interesses entre os diversos agentes de governança e parceiros empresariais (stakeholders), conforme seu envolvimento e riscos assumidos na organização.

28 Governança Corporativa - conselhos e órgãos Conselho de Família Organiza expectativas da família em relação à organização, pelo desenho do Acordo de Família. Define a visão da organização como fator de agregação da família e de perpetuidade do negócio. Planeja o processo de sucessão.

29 Governança Corporativa - conselhos e órgãos Conselho Fiscal Fiscaliza e monitora as ações da Gestão Empresarial por delegação do Conselho de Administração. Emite pareceres sobre demonstrações financeiras. Recomenda práticas da administração em relação a contabilidade e finanças.

30 Governança Corporativa - conselhos e órgãos Auditoria Independente Em tese, toda organização deve ter auditoria independente Emite pareceres apontando irregularidades bem como medidas de aperfeiçoamento do ambiente de controle.

31 Governança Corporativa - conselhos e órgãos Gestão Empresarial Executiva Formada pelo presidente e diretores. Responde pelo cumprimento da estratégia definida pelo Conselho de Administração. Responde pelo resultado da organização.

32 Governança Corporativa - conselhos e órgãos Conselho Superior Formado pelo membros da família que compõem o Conselho de Administração. Trata de situações específicas da organização, sendo convocado episodicamente.

33 Governança Corporativa - conselhos e órgãos Conselho Consultivo Formado pela velha guarda da família e pessoas de notável saber em produtos e processos, assessora a Gestão Executiva Recomenda formas de superação de dificuldades, estratégias de mudança, apoio a decisões mais críticas, orientação sobre posturas e atitudes. Conselho de Sócios Quando não há Conselho de Administração, formado pelos sócios que decidem estratégia e políticas da sociedade.

34 Gestão Empresarial - subsistemas Governança Corporativa Conselho de Administração INSTITUCIONAL Informação Humanocomportamental Gerencial Comunicação Operacional Organizacional Gestão Empresarial

35 Gestão Empresarial - subsistemas Institucional - a razão de ser da empresa Define a filosofia empresarial e retrata sua missão, seus propósitos, seus princípios e valores. Precisa ser objetiva e compreensível para todos. A equipe precisa sentir que faz parte da identidade da empresa.

36 Gestão Empresarial - subsistemas Informação - a produção de dados e informações Informação também é recurso, tanto como é o recurso humano e o material. Cria ferramentas que permitem conhecer a evolução de resultados e tomar as decisões necessárias para a manutenção do objetivo empresarial. Produz de indicadores econômicos (quantitativos) e de prosperidade (qualitativos).

37 Índices de Desempenho características Administrável pessoas podem influenciar Relevante reflete objetivos estratégicos Impactante faz diferença Importante orienta esforços Desafiador expande limites

38 Gestão Empresarial - subsistemas Gerencial - o que fazer Define a visão de futuro pela identificação de produtos e serviços em cada mercado alvo, suas tecnologias específicas, níveis de investimento e margens. O que o mercado quer e quem é seu cliente? Que valores entregamos e que demandas atendemos? Define a estratégia para o que fazer com ferramentas de planejamento, direção e controle.

39 Gestão Empresarial subsistemas Organizacional - quem faz o quê Define a divisão de tarefas e responsabilidades para a entrega de resultados (eficácia) dentro dos parâmetros de prazo, custo e qualidade estabelecidos (eficiência). Seu organograma reflete a empresa atual? Inovação impõe organograma flexível. A chave está na garantia da integridade e responsabilidade dos resultados, com motivação das equipes

40 Gestão Empresarial - subsistemas Operacional - o como fazer Mais fácil de ver quando não funciona. É acionado por reclamações. Define processos, metodologia e infraestrutura necessários para executar as operações empresariais. Identifica tarefas que não agregam valor ao processo. Define com clareza responsabilidades e autoridades.

41 Gestão Empresarial subsistemas Humano-comportamental - a atração e retenção das pessoas Organizações são formadas pessoas para atender pessoas. Crescimento, além da segurança do sustento e do patrimônio, envolve autorealização pessoal e identificação com a identidade da empresa. Cria ferramentas de motivação e crescimento profissional com foco na produtividade. Reter talentos é mais barato do que formar novos talentos.

42 Gestão Empresarial - subsistemas Comunicação - a integração das equipes Promove a interação entre os agentes empresariais para alcançar seus objetivos. Tem que ser aderente à filosofia empresarial (Institucional), clara e objetiva. Envolve as pessoas. Os quatro componentes: transmissor-receptorconteúdo-meio. Para o receptor, a informação precisa impactar o sentir para acionar o pensar e, somente, então, desencadear o fazer.

43 Em resumo... Estrutura de Governança Corporativa Como? Humano Comportamental Estratégia O Que? Quem?

44 Um alerta para o Conselho...

45

Público Alvo: Critérios de admissão para o curso: Investimento:

Público Alvo: Critérios de admissão para o curso: Investimento: Com carga horária de 420 horas o curso de MBA em Gestão de Projetos é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos diversos pólos,

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA A Socioambiental (PRSA) substitui a Política Corporativa pela Sustentabilidade (2011), e incorpora a contribuição das partes interessadas

Leia mais

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72 Política de Responsabilidade Social Dezembro de 2011 1 PREÂMBULO O IPSPMP-PIRAPREV, sendo uma

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS Atualizado em 27/10/2015 CONCEITOS BÁSICOS Administração, em seu conceito tradicional, é definida como um conjunto de atividades, princípios, regras, normas que têm

Leia mais

NÃO EXISTE GESTÃO SEM COMUNICAÇÃO DANIEL COSTA

NÃO EXISTE GESTÃO SEM COMUNICAÇÃO DANIEL COSTA NÃO EXISTE GESTÃO SEM COMUNICAÇÃO DANIEL COSTA O que é engajamento? Engajamento no trabalho é uma forma de agir em que o indivíduo, motivado por uma causa, expressa sua vontade e predisposição de fazer

Leia mais

Veja a seguir, o que é Coaching, para quem é Coaching e quem pode trabalhar com Coaching formal ou informal:

Veja a seguir, o que é Coaching, para quem é Coaching e quem pode trabalhar com Coaching formal ou informal: FORMAÇÃO Laboratório prático e teórico de poder pessoal, liderança, auto desenvolvimento e desenvolvimento de equipes, foco em resultados acelerados e processos assertivos. A Instituição High Level Coaching

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Mintzberg Define planejamento estratégico como sendo processo gerencial que possibilita ao executivo estabelecer o rumo a ser seguido pela empresa, com vistas a obter um nível

Leia mais

GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO

GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO 1.1 As disposições contidas a seguir foram extraídas de documentos e de deliberações que regulam a atuação da Fundação Banco do Brasil, cuja consulta,

Leia mais

GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DE ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA

GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DE ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DE ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA INÍCIO ESCRITÓRIO DEFINIÇÃO DOS SÓCIOS OBJETIVOS DA SOCIEDADE CRESCIMENTO E CONTRATAÇÃO ELABORAÇÃO DAS POLÍTICAS GESTÃO DEFINIÇÃO DE CARGOS E FUNÇÕES DIFERENCIAL

Leia mais

Melhores Práticas de Governança Corporativa

Melhores Práticas de Governança Corporativa Melhores Práticas de Governança Corporativa 27.11.2014 Melhores Práticas de Governança Corporativa A. Propriedade B. Conselho de Administração C. Gestão D. Auditoria Independente E. Conselho Fiscal F.

Leia mais

Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.) Este é o capítulo 13 do PMBoK e é uma área muito importante para o PMI, pois antes de levar em consideração o cumprimento dos prazos, orçamento e qualidade,

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

Ementário EMBA em Gestão de Projetos

Ementário EMBA em Gestão de Projetos Ementário EMBA em Gestão de Projetos Grade curricular Disciplina MATEMÁTICA FINANCEIRA - N FUNDAMENTOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E GERENCIAMENTO DE ESCOPO - N GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS GESTÃO

Leia mais

GLOSSÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

GLOSSÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO GLOSSÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO AÇÕES ESTRATÉGICAS Ações que objetivam, basicamente, o aproveitamento das oportunidades, e potencialidades, bem como a minimização do impacto das ameaças e fragilidades.

Leia mais

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz Objetivos Abrangência Diretrizes...2

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz Objetivos Abrangência Diretrizes...2 Rede D Or São Luiz Sumário 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz...2 1.1. Objetivos...2 1.2. Abrangência...2 1.3. Diretrizes...2 Diretriz Econômica...2 Diretriz Social...3 Diretriz Ambiental...4

Leia mais

HOME OFFICE MANAGEMENT CONTATO. Telefone: (11) A MELHOR FORMA DE TRABALHAR

HOME OFFICE MANAGEMENT CONTATO. Telefone: (11) A MELHOR FORMA DE TRABALHAR HOME OFFICE MANAGEMENT A MELHOR FORMA DE TRABALHAR www.homeoffice.com.br CONTATO Telefone: (11) 4321-2204 E-mail: contato@homeoffice.com.br /homeofficemanagement /homeofficemanagement /homeofficemanagement

Leia mais

SOBRE A EQUIPE. SOBRE A I9Gestão

SOBRE A EQUIPE. SOBRE A I9Gestão SOBRE A EQUIPE A equipe da I9Gestão é formada por consultores experientes, altamente qualificados e apaixonados pelo que fazem. SOBRE A I9Gestão A I9Gestão Consultoria & Treinamento é especializada na

Leia mais

DESAFIOS DAS EMPRESAS FAMILIARES

DESAFIOS DAS EMPRESAS FAMILIARES PARCERIA PARA O DESENVOLVIMENTO DE ACIONISTAS PDA DESAFIOS DAS EMPRESAS FAMILIARES Volnei Pereira Garcia 2009 FUNDADORES VIVOS 35% 31% 19% 15% Nenhum Um Dois Três ou mais Fonte: Folha São Paulo INTEGRANTES

Leia mais

Marli de Oliveira Macedo¹, Michele Rodrigues². Introdução

Marli de Oliveira Macedo¹, Michele Rodrigues². Introdução 99 BALANCED SCORECARD COMO FERRAMENTA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Marli de Oliveira Macedo¹, Michele Rodrigues² Resumo: O planejamento estratégico é o processo administrativo que estabelece a melhor direção

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE

MENSAGEM DO PRESIDENTE MENSAGEM DO PRESIDENTE A Ética sempre se fez historicamente presente no ambiente corporativo da Schulz S/A, gerando relações exitosas e, por isso, duradouras entre clientes e fornecedores. A elaboração

Leia mais

Boas Práticas de Governança Corporativa. Treinamento Palestra para a ANS 06/02/2013. Gilberto Mifano

Boas Práticas de Governança Corporativa. Treinamento Palestra para a ANS 06/02/2013. Gilberto Mifano Boas Práticas de Governança Corporativa Subtítulo Agregam Valor ou Módulo de Treinamento Palestra para a ANS 06/02/2013 Gilberto Mifano O que é Governança Corporativa? Conflitos entre sócios? A defesa

Leia mais

Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável

Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Geral Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável Indicador 1 - Compromisso Fundamental 1. A empresa, por meio de sua alta administração,

Leia mais

Agosto 2012. Gestão Social Estratégia para Gerar Resultados

Agosto 2012. Gestão Social Estratégia para Gerar Resultados Agosto 2012 Gestão Social Estratégia para Gerar Resultados Objetivo Compartilhar com o grupo uma postura de planejamento positiva para que a regionais da FEMAMA consigam atingir o seu objetivo, e desta

Leia mais

2015 se foi, mas a ressaca... 12,00%

2015 se foi, mas a ressaca... 12,00% 2015 se foi, mas a ressaca... 12,00% 10,00% 8,00% 6,00% 4,00% 2,00% PIB INFLAÇÃO DESEMPREGO 0,00% -2,00% 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016-4,00% -6,00% Se olharmos as notícias... O que fica parecendo:

Leia mais

17 de novembro de Como a Controladoria pode melhorar a performance da empresa: insights da prática e das pesquisas

17 de novembro de Como a Controladoria pode melhorar a performance da empresa: insights da prática e das pesquisas 17 de novembro de 2016 Como a Controladoria pode melhorar a performance da empresa: insights da prática e das pesquisas Agenda Nossa missão Estrutura Processo Orçamentário Orçamento Matricial Despesas

Leia mais

Lições sobre Performance de Conselheiros: como medir o desempenho? 10º Congresso Brasileiro de Governança Corporativa Painel C

Lições sobre Performance de Conselheiros: como medir o desempenho? 10º Congresso Brasileiro de Governança Corporativa Painel C Lições sobre Performance de Conselheiros: como medir o desempenho? Herbert Steinberg 10º Congresso Brasileiro de Governança Corporativa Painel C Missão do Conselho de Administração: Proteger e valorizar

Leia mais

Gestão de Vendas Como administrar a sua empresa para transformá-la em uma máquina de vender

Gestão de Vendas Como administrar a sua empresa para transformá-la em uma máquina de vender Gestão de Vendas Como administrar a sua empresa para transformá-la em uma máquina de vender DICAS Para a sua leitura: Os itens do índice são clicáveis, então sinta-se à vontade para ler o conteúdo que

Leia mais

Enterprise Risk Management (ERM) Gestão de Riscos Corporativos Pesquisa sobre o estágio atual em empresas brasileiras

Enterprise Risk Management (ERM) Gestão de Riscos Corporativos Pesquisa sobre o estágio atual em empresas brasileiras KPMG Risk & Compliance Enterprise Risk Management (ERM) Gestão de Riscos Corporativos Pesquisa sobre o estágio atual em empresas brasileiras Conteúdo 1. Contexto geral 6. Estrutura e funcionamento do Conselho

Leia mais

RENDA VARIÁVEL. Novembro / 2011

RENDA VARIÁVEL. Novembro / 2011 Novembro / 2011 Acreditamos no Investimento em Renda Variável O mercado americano é um exemplo de consistentes e elevados retornos no longo prazo 2 A Bolsa Brasileira também Apresenta Sólidos Resultados

Leia mais

O que é governança corporativa?

O que é governança corporativa? O que é governança corporativa? Diante das necessidades impostas por cenários de instabilidade econômica e níveis de concorrência cada vez mais acirrados, é natural que as empresas e seus modelos organizacionais

Leia mais

Auditoria e o Fator de Sucesso. Luciano Medeiros

Auditoria e o Fator de Sucesso. Luciano Medeiros Auditoria e o Fator de Sucesso Luciano Medeiros O Mercado de Auditoria No Brasil há cerca de 360 auditores PJ registrados na CVM; Há, também, por volta de 70 auditores PF com registro na CVM; Por outro

Leia mais

Política de Sustentabilidade do Grupo Neoenergia

Política de Sustentabilidade do Grupo Neoenergia Política de Sustentabilidade do Grupo Neoenergia 1 Índice: 1. Introdução 2. Objetivo 3. Abrangência e público-alvo 4. Referências 5. Valores 6. Princípios de Sustentabilidade 7. Responsabilidades 8. Atualização

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA

GOVERNANÇA CORPORATIVA GOVERNANÇA CORPORATIVA AULA 2 Prof. Wellington www.maestrocarreira.com.br A Sociedade Anônima regida pela Lei 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das SA) possui o capital dividido em partes iguais chamadas

Leia mais

TRANSFORMANDO SONHOS E IDEIAS EM REALIDADE. Ative-se!

TRANSFORMANDO SONHOS E IDEIAS EM REALIDADE. Ative-se! TRANSFORMANDO SONHOS E IDEIAS EM REALIDADE Ative-se! Desenvolvimento Humano e Consultoria Empresarial Personalizada Atendimento com Técnicas de Coaching e Neurolinguística # COACHING PERSONAL & EXECUTIVE

Leia mais

Contabilidade: oportunidade de trabalho e importância nos negócios

Contabilidade: oportunidade de trabalho e importância nos negócios Contabilidade: oportunidade de trabalho e importância nos negócios Presidente do Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro O profissional necessita de um novo perfil / postura Apresentação

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI 1.1. A PREVI, para o cumprimento adequado de sua missão administrar planos de benefícios, com gerenciamento eficaz dos recursos aportados, buscando melhores soluções para assegurar os benefícios previdenciários,

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

Governança a Corporativa

Governança a Corporativa Governança a Corporativa Governança a Corporativa Rosely Gaeta Notas de Aula 01 e 02 todo conjunto de mecanismos que investidores não controladores têm à disposição para limitar a expropriação ão. Estes

Leia mais

GUIA SOBRE CONTROLADORIA ESTRATÉGICA

GUIA SOBRE CONTROLADORIA ESTRATÉGICA GUIA SOBRE CONTROLADORIA ESTRATÉGICA SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 AFINAL, O QUE É UMA CONTROLADORIA ESTRATÉGICA? 6 COMO ELA FUNCIONA NA PRÁTICA? 10 O QUE FAZ UM CONTROLLER? 14 COMO FAZER UMA CONTROLARIA DA MELHOR

Leia mais

Gestão de Ativos e a sua importância nas Empresas

Gestão de Ativos e a sua importância nas Empresas Gestão de Ativos e a sua importância nas Empresas Webinar, 12 de Junho de 2017 João Ricardo Lafraia Agenda 1. Introdução - Como eu vim parar aqui? - Como vocês vieram parar aqui? 2. Questões Atuais do

Leia mais

José Geraldo Loureiro Rodrigues

José Geraldo Loureiro Rodrigues Governança Aplicada Autodiagnóstico de Maturidade em Governança de TI José Geraldo Loureiro Rodrigues Diretor de Sistemas e Informação Controladoria-Geral da União Analisar-se se-á os três níveis: n Governança

Leia mais

Governança Corporativa e Governança Governamental no Contexto do Poder Judiciário

Governança Corporativa e Governança Governamental no Contexto do Poder Judiciário Governança Corporativa e Governança Governamental no Contexto do Poder Judiciário Prof. Dr. J. Souza Neto, CGEIT, CRISC Universidade Católica de Brasília Vice-Presidente do Capítulo Brasília da ISACA Agenda

Leia mais

Desenvolvimento de Negócios. Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal

Desenvolvimento de Negócios. Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal Desenvolvimento de Negócios Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal Gestão Estratégica Para quê? Por Quê? Para fazer acontecer e trazer

Leia mais

ANEXO I SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO NO ESTADO DE GOIÁS SESCOOP/GO

ANEXO I SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO NO ESTADO DE GOIÁS SESCOOP/GO ANEXO I SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO NO ESTADO DE GOIÁS SESCOOP/GO PROCESSO SELETIVO 00/0 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA PERFIL DO CARGO Cargo: Coordenador

Leia mais

Relacionamento com Cliente. Case Unimed VS ISABEL SCHARDONG CONSULTORIA ATENDIMENTO AO CLIENTE OUTUBRO/2013

Relacionamento com Cliente. Case Unimed VS ISABEL SCHARDONG CONSULTORIA ATENDIMENTO AO CLIENTE OUTUBRO/2013 Relacionamento com Cliente Case Unimed VS ISABEL SCHARDONG CONSULTORIA ATENDIMENTO AO CLIENTE OUTUBRO/2013 Sobre a Unimed VS ÁREA DE AÇÃO: 984,6 KM² HABITANTES: 652.348 Nº CLIENTES: 70.000 (PP) COOPERADOS:

Leia mais

Princípios de Finanças MBA Estácio 13/07/2017

Princípios de Finanças MBA Estácio 13/07/2017 Princípios de Finanças MBA Estácio 13/07/2017 Prof. Lucas S. Macoris PLANO DE AULA Princípios de Finanças Aula 1 Boas vindas e Introdução Aula 5 Contabilidade Gerencial Aula 2 Conceitos de Contabilidade

Leia mais

UNOPS e a Excelência em Gestão de Projetos nas Nações Unidas. 15 Encontro de Gerenciamento de Projetos PMI-DF

UNOPS e a Excelência em Gestão de Projetos nas Nações Unidas. 15 Encontro de Gerenciamento de Projetos PMI-DF UNOPS e a Excelência em Gestão de Projetos nas Nações Unidas 15 Encontro de Gerenciamento de Projetos PMI-DF 16 /10/ 2015 UNOPS - áreas principais e serviços Em 2010, a Assembléia Geral e a ONU reafirmaram

Leia mais

Gestão do clima organizacional - Prof. Ms. Marco A. Arbex

Gestão do clima organizacional - Prof. Ms. Marco A. Arbex Gestão do clima organizacional: Introdução Prof. Ms. ORGANIZAÇÃO A Organização pode ser definida como a união de pessoas com objetivos em comum. Exemplos de organizações: Escolas Hospitais Família Exército

Leia mais

Alves Queiroz Longo & Filippo

Alves Queiroz Longo & Filippo Alves Queiroz Longo & Filippo Em 2010, após anos atuando junto às maiores bancas de advocacia do país, os sócios do Alves & Queiroz se uniram com a finalidade de prestar serviços jurídicos especializados

Leia mais

Administrando Organizações & Negócios através de Indicadores (KPIs)

Administrando Organizações & Negócios através de Indicadores (KPIs) KPIs? KPIs? KPIs? KPIs? Administrando Organizações & Negócios através de Indicadores (KPIs) Uma nova visão de gestão, controle e crescimento organizacional A nova dinâmica dos Negócios Em um cenário que

Leia mais

Tiago Terra Apex-Brasil. Por que exportar?

Tiago Terra Apex-Brasil. Por que exportar? Tiago Terra Apex-Brasil Por que exportar? Apex-Brasil A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos, atua há anos para promover os estudos e serviços brasileiros no exterior e atrair

Leia mais

Aqui você escolhe o curso que deseja fazer de acordo com o seu momento empreendedor e as necessidades de sua empresa.

Aqui você escolhe o curso que deseja fazer de acordo com o seu momento empreendedor e as necessidades de sua empresa. Aqui você escolhe o curso que deseja fazer de acordo com o seu momento empreendedor e as necessidades de sua empresa. Aprender a Empreender Objetivo: Desenvolver conhecimentos, habilidades e atitudes sobre

Leia mais

CÂMARA BRITÂNICA DE INDÚSTRIA E COMÉRCIO NO BRASIL TELETRABALHO CONCEITOS, PROPÓSITOS E PRÁTICAS DE IMPLANTAÇÃO

CÂMARA BRITÂNICA DE INDÚSTRIA E COMÉRCIO NO BRASIL TELETRABALHO CONCEITOS, PROPÓSITOS E PRÁTICAS DE IMPLANTAÇÃO CÂMARA BRITÂNICA DE INDÚSTRIA E COMÉRCIO NO BRASIL TELETRABALHO CONCEITOS, PROPÓSITOS E PRÁTICAS DE IMPLANTAÇÃO 12 de setembro 2013 Álvaro Melo / Cleo Carneiro OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO Demonstrar a contribuição

Leia mais

Nossas soluções para o setor sucroenergético

Nossas soluções para o setor sucroenergético www.pwc.com.br Nossas soluções para o setor sucroenergético Centro PwC Brasil de Excelênca em Agribusiness Serviços PwC para o setor sucroenergético Agrícola Gestão de fornecedores de cana Revisão da estrutura

Leia mais

Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação

Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação A prática de remuneração variável e gestão por competências no setor público brasileiro Agenda

Leia mais

Política Institucional Comitê de Sustentabilidade. Política de Sustentabilidade. Código: PI.HPEG.CSUST.001 Versão: 001 Página: 1/6

Política Institucional Comitê de Sustentabilidade. Política de Sustentabilidade. Código: PI.HPEG.CSUST.001 Versão: 001 Página: 1/6 Código: PI.HPEG.CSUST.001 Versão: 001 Página: 1/6 SUMÁRIO 1. Apresentação... 02 2. Objetivo... 02 3. Princípios... 02 4. Documentos de Referencias... 03 5. Diretrizes... 03 6. Compromissos e Prestação

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA (RSC)

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA (RSC) RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA (RSC) Caroline Pinto Guedes Ferreira ANTECEDENTES Revolução industrial Processo rápido r e intenso de urbanização Uso intenso e indiscriminado dos recursos naturais

Leia mais

Estilo de Trabalho. Cada etapa é embasada, assegurando ao cliente maior assertividade e velocidade nos resultados.

Estilo de Trabalho. Cada etapa é embasada, assegurando ao cliente maior assertividade e velocidade nos resultados. Ano/ 2017 Estilo de Trabalho A Libbra Consultoria apoia seus clientes a obterem resultados superiores em seus mercados a partir de uma metodologia exclusiva, baseada em pesquisa, inteligência, gestão e

Leia mais

Estilo de Trabalho. Cada etapa é embasada, assegurando ao cliente maior assertividade e velocidade nos resultados.

Estilo de Trabalho. Cada etapa é embasada, assegurando ao cliente maior assertividade e velocidade nos resultados. 06/03/2017 Estilo de Trabalho A Libbra Consultoria apoia seus clientes a obterem resultados superiores em seus mercados a partir de uma metodologia exclusiva, baseada em pesquisa, inteligência, gestão

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Declaração Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável das áreas onde atuamos e das

Leia mais

Holding Familiar Planejamento Sucessório.

Holding Familiar Planejamento Sucessório. Holding Familiar Planejamento Sucessório. XXXI Ciclo de Estudos Contábeis Londrina - 2012 1 Apresentação: João Alberto Borges Teixeira - Sócio-Diretor da Almada & Teixeira Consultoria Empresarial; - Sócio-Diretor

Leia mais

A ATUAÇÃO DO CONSELHEIRO. Romildo Gouveia Pinto CURITIBA, 6 DE JULHO DE 2016

A ATUAÇÃO DO CONSELHEIRO. Romildo Gouveia Pinto CURITIBA, 6 DE JULHO DE 2016 A ATUAÇÃO DO CONSELHEIRO Romildo Gouveia Pinto CURITIBA, 6 DE JULHO DE 2016 Fundado em 27 de novembro de 1995, o IBGC associação de âmbito nacional, sem fins lucrativos é uma organização exclusivamente

Leia mais

Contabilidade - Conceitos e Objetivos

Contabilidade - Conceitos e Objetivos Contabilidade - Conceitos e Objetivos Contabilidade é, objetivamente, um sistema de informação e avaliação destinado a prover seus usuários com demonstrações e análises de natureza econômica, financeira,

Leia mais

EFICIÊNCIA OPORTUNIDADES NO EAD. Roberto Valério

EFICIÊNCIA OPORTUNIDADES NO EAD. Roberto Valério EFICIÊNCIA OPORTUNIDADES NO EAD Roberto Valério Gestão da Eficiência Modelo de Gestão de Rede Etapas de Análise, Planejamento e Desenvolvimento da Rede de Polos 1 2 3 4 Análise e Identificação de Oportunidades:

Leia mais

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A Junho /2010 PI.034.00000001 Rev. A SUMÁRIO 1. SUSTENTABILIDADE : ESSÊNCIA DA CAB AMBIENTAL 2. MISSÃO 3.VISÃO 4. OBEJTIVO 5. SUSTENTABILIDADE NA PRÁTICA 6. COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO CHAVES PARA O SUCESSO

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA Coordenadoria de Economia Mineral Diretoria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral Premissas do Desenvolvimento Sustentável Economicamente

Leia mais

PDE - Fundição. Programa de Desenvolvimento Empresarial

PDE - Fundição. Programa de Desenvolvimento Empresarial PDE - Fundição Programa de Desenvolvimento Empresarial PDE - Fundição Bem-vindos ao Programa de Desenvolvimento Empresarial 1) Apresentação da Equipe 2) Dinâmica de Trabalho 3) Conteúdos 4) Metodologia

Leia mais

Ementas. Certificate in Business Administration CBA

Ementas. Certificate in Business Administration CBA Ementas Certificate in Business Administration CBA Agosto 2012 Módulo Fundamental Administração Financeira EMENTA: Disciplina desenvolve a capacidade de contribuição para as decisões gerenciais aplicando

Leia mais

A empresa quantifica aspectos socioambientais nas projeções financeiras de:

A empresa quantifica aspectos socioambientais nas projeções financeiras de: Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Econômica Critério I - Estratégia Indicador 1 - Planejamento Estratégico 1. Assinale os objetivos que estão formalmente contemplados no planejamento

Leia mais

Razões para omissões

Razões para omissões ÍNDICE GRI 2014 CONTEÚDOS PADRÃO GERAIS Conteúdos Padrão Gerais Número da página (ou Ligação) Omissões identificadas Razões para omissões A informação relacionada com Conteúdos Padrão requerida pelas opções

Leia mais

Consultor: Caio Polizel

Consultor: Caio Polizel Consultor: Caio Polizel Tópicos principais Reestruturação Societária; Processos Sucessórios; Readequação e Profissionalização da Estrutura Organizacional; Conflitos de Relacionamento; Modelos de Governança

Leia mais

A Mongeral Aegon é a seguradora mais antiga do Brasil em atividade contínua;

A Mongeral Aegon é a seguradora mais antiga do Brasil em atividade contínua; QUEM SOMOS A Mongeral Aegon é a seguradora mais antiga do Brasil em atividade contínua; Especializada em Vida e Previdência, possui portfólio completo para assegurar nossos clientes e seus familiares dos

Leia mais

Governança Corporativa Transparência e Sustentabilidade

Governança Corporativa Transparência e Sustentabilidade FECOMERCIO - 21/11 SÃO PAULO Governança Corporativa Transparência e Sustentabilidade LUIZ DE LUCA Coordenador Comissão GC em Saúde - IBGC Superintendente Corporativo Hospital Samaritano Governança Corporativa

Leia mais

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC)

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Título Norma de Responsabilidade Socioambiental Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Abrangência Agências, Departamentos, Empresas Ligadas e Unidades no Exterior Sinopse Diretrizes

Leia mais

MAIS DO QUE OLHAR PARA O FUTURO, AQUI VOCÊ APRENDE A CRIÁ-LO.

MAIS DO QUE OLHAR PARA O FUTURO, AQUI VOCÊ APRENDE A CRIÁ-LO. MAIS DO QUE OLHAR PARA O FUTURO, AQUI VOCÊ APRENDE A CRIÁ-LO. F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo Coordenadora Nacional Prof a. Miriam Moreira Longa experiência como

Leia mais

Estratégia e governança [G4-34]

Estratégia e governança [G4-34] 19 Estratégia e governança [G4-34] Aos 45 anos, a Unimed-BH é uma cooperativa médica que responde por um amplo sistema de saúde. São dois focos de negócio: a operação de planos de saúde e a Rede Própria

Leia mais

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade...

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade... ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS Folha 1/8 ÍNDICE 1. Objetivo...2 2. Abrangência...2 3. Definições...2 4. Diretrizes...3 5. Materialidade...7 Folha 2/8 1. Objetivos 1. Estabelecer as diretrizes que devem orientar

Leia mais

Teoria da Contabilidade (aula 4) Prof. Dr. Felipe Ramos

Teoria da Contabilidade (aula 4) Prof. Dr. Felipe Ramos Teoria da Contabilidade (aula 4) Prof. Dr. Felipe Ramos Com base na aula 2 e na situação problema... O propósito inicial da contabilidade foi a de atender as necessidade do gestor/proprietário de tomar

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Novembro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Finalizar o conteúdo da Disciplina Governança de

Leia mais

A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PARTES INTERESSADAS

A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PARTES INTERESSADAS A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PARTES INTERESSADAS Antonio de Pádua Matheus Julho de 2013 Partes Interessadas, do inglês stakeholders, são grupos que interferem ou podem sofrer interferência do trabalho de organizações.

Leia mais

JOGOS EM PROCESSOS DE TREINAMENTOS

JOGOS EM PROCESSOS DE TREINAMENTOS JOGOS EM PROCESSOS DE TREINAMENTOS AULA 02 1 Professora Ms Karen Reis 2012 JOGOS DIGITAIS Atividade em sala de Aula Globalização e a Evolução Tecnológica Mitos e Verdades SWOT Tecnologias de Visualização

Leia mais

4º Período Ciências Contábeis Aulas 05 e 06 18.02.2014 Semana 3. Contabilidade e Responsabilidade Socioambiental

4º Período Ciências Contábeis Aulas 05 e 06 18.02.2014 Semana 3. Contabilidade e Responsabilidade Socioambiental 4º Período Ciências Contábeis Aulas 05 e 06 18.02.2014 Semana 3 Contabilidade e Responsabilidade Socioambiental 1 AS QUATRO DIMENSÕES DA RSE Empresa cidadã Fazer o certo e evitar danos Obedecer as leis

Leia mais

Por Carolina de Moura 1

Por Carolina de Moura 1 O desenvolvimento sistemático para a gestão de risco na empresa envolve um processo evolutivo. Nos últimos anos tenho testemunhado um forte interesse entre organizações, e as suas partes interessadas,

Leia mais

Múltiplas soluções para securitização

Múltiplas soluções para securitização Múltiplas soluções para securitização Uma equipe preparada para cuidar da sua carteira e também do seu cliente. Oferecer alternativas para construir sólidas parcerias. Base consolidada com qualificação

Leia mais

Claudia Malschitzky. Diretora executiva do Instituto HSBC Solidariedade Superintendente executiva de Sustentabilidade Corporativa INTERNAL PÚBLICO

Claudia Malschitzky. Diretora executiva do Instituto HSBC Solidariedade Superintendente executiva de Sustentabilidade Corporativa INTERNAL PÚBLICO Claudia Malschitzky Diretora executiva do Instituto HSBC Solidariedade Superintendente executiva de Sustentabilidade Corporativa Sustentabilidade Um conceito que saiu do papel Sustentabilidade Sustentabilidade

Leia mais

Política de investimentos sociais 3M

Política de investimentos sociais 3M Política de investimentos sociais 3M 1. Objetivos A presente política tem por finalidade estabelecer os critérios para investimento em projetos sociais com recursos próprios visando: Estabelecer os princípios

Leia mais

TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL. Gestão da Qualidade Aula 09 Prof. Ms. Claudemir Claudino Alves

TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL. Gestão da Qualidade Aula 09 Prof. Ms. Claudemir Claudino Alves TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Gestão da Qualidade Aula 09 Prof. Ms. Claudemir Claudino Alves Principios da Qualidade: I. Foco no Cliente; II. Liderança; III. Engajamento das pessoas; IV. Abordagem por

Leia mais

Comitê Científico do Enangrad

Comitê Científico do Enangrad Comitê Científico do Enangrad Administração Pública Empreendedorismo e Governança Corporativa Ensino, Pesquisa e Formação Docente em Administração Finanças Gestão da Sustentabilidade Gestão de Informações

Leia mais

(esforço). Competência entendida segundo três eixos:

(esforço). Competência entendida segundo três eixos: em Gestão de Projetos Prof. Roberto Paixão Introdução Competência = com (conjunto) + petere (esforço). Competência entendida segundo três eixos: Características da pessoa; Formação educacional; Experiência

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Agosto de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Apresentação do Programa Introdução a Governança

Leia mais

Acordo de Acionistas. do Grupo CPFL Energia. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. do Grupo CPFL Energia. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. Acordo de Acionistas Política de da Investimento CPFL Energia Social S.A. do Grupo CPFL Energia Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. 1 Sumário 1. Introdução 3 2. Objetivo 4 3. Âmbito

Leia mais

Por que exportar? Tiago Terra Supervisor de Competitividade Apex-Brasil

Por que exportar? Tiago Terra Supervisor de Competitividade Apex-Brasil Por que exportar? Tiago Terra Supervisor de Competitividade Apex-Brasil Apex-Brasil A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos, atua há anos para promover os estudos e serviços brasileiros

Leia mais

REALIZAR MAIS Sustentabilidade

REALIZAR MAIS Sustentabilidade REALIZAR MAIS Sustentabilidade Grupo Banco Espírito Santo Índice Cultura de cidadania empresarial no modelo de : uma visão integrada para a sustentabilidade ADN Realizar Mais: pioneirismo e profundidade

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Agosto de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Continuação do Domínio de Processos PO (PO4, PO5

Leia mais

POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS

POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS Política de Continuidade de Ne POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS 11/08/2017 INFORMAÇÃO PÚBLICA SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIAS... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

desenvolva e utilize seu pleno potencial de modo coerente e convergente com os objetivos estratégicos da organização. Dentro da área de gestão de

desenvolva e utilize seu pleno potencial de modo coerente e convergente com os objetivos estratégicos da organização. Dentro da área de gestão de Gestão de Pessoas Hoje a sociedade busca desenvolver trabalhos para aprimorar o conhecimento das pessoas em um ambiente de trabalho. A capacitação e o preparo que uma organização deve ter para com os seus

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA 36/2017 INSTITUCIONAL

CHAMADA PÚBLICA 36/2017 INSTITUCIONAL CHAMADA PÚBLICA 36/2017 INSTITUCIONAL A Gerência de Soluções do SEBRAE/RS convida as empresas credenciadas para prestação de serviços de instrutoria e consultoria, através do Edital de Credenciamento nº

Leia mais

Disciplina:OS&M Prof Ms Keilla Lopes Assunto: ORGANIZAÇÃO ( Estrutura Organizacional) AULA 4 II parte

Disciplina:OS&M Prof Ms Keilla Lopes Assunto: ORGANIZAÇÃO ( Estrutura Organizacional) AULA 4 II parte Disciplina:OS&M Prof Ms Keilla Lopes Assunto: ORGANIZAÇÃO ( Estrutura Organizacional) AULA 4 II parte MONTAGEM DE UMA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 1. COMPONENTES 2. CONDICIONANTES

Leia mais

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos de Lucratividade e a importância para existência e sucesso das empresas. Proporcionar aos participantes

Leia mais

VERSÃO 1 RESPOSTAS PROVA DE FINANÇAS

VERSÃO 1 RESPOSTAS PROVA DE FINANÇAS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PROCESSO SELETIVO MESTRADO-EDITAL FEA-RP-PPGAO

Leia mais