Administração de recursos de terceiros no Brasil e no mundo: evolução e perspectivas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Administração de recursos de terceiros no Brasil e no mundo: evolução e perspectivas"

Transcrição

1 Robert John van Dijk Diretor Superintendente Administração de recursos de terceiros no Brasil e no mundo: evolução e perspectivas Agosto de 2008

2 Agenda - Administração de recursos de terceiros: no Brasil e no Mundo: evolução e perspectivas A indústria de Fundos mútuos no mundo Fatores que podem explicar o desenvolvimento da indústria de fundos mútuos Fundos Mútuos dos Diversos Países em relação ao PIB Patrimônio dos Fundos Mútuos (como percentual do PIB) e Inflação Arcabouço institucional Portfólios dos Fundos Mútuos dos Diversos Países Portfólios dos Fundos Mútuos no Brasil A despeito da concentração/retorno em renda fixa, a renda variável, no longo prazo, é atrativa Os fundamentos da economia brasileira definem o comportamento dos ativos e a composição dos portfólios Entre 2003 e 2007 houve grande disponibilidade de recursos externos, com conseqüência positiva sobre o preço dos ativos financeiros alternativos aos juros Conclusões

3 A Indústria de Fundos Mútuos no Mundo

4 Fundos Mútuos: Distribuição Geográfica do PL da Indústria Américas dominam a cena 11% 0,3% Distribuição geográfica da indústria de fundos mútuos - mar/08 US$ ,527 mm US$ 2.717,369 mm US$ ,687 mm 36% US$ 8.826,088 mm 53% Américas Europa Ásia e Pacífico África Fonte: ANBID / ICI

5 Fundos Mútuos: Distribuição Geográfica do PL da Indústria- Américas dominam a cena, mas houve leve desconcentração nos últimos anos 60% 57% 53% Distribuição geográfica dos fundos - evolução 50% 40% 30% 20% 10% 0% US$ 7.969,224 mm US$ ,687 mm 33% US$ mm 36% US$ 8.826,088 mm 10% US$ 1,3 tri 11% US$ 2,7 tri dez/03 mar/08 0,2% 0,3% Américas Europa Ásia e Pacífico África Fonte: ANBID / ICI

6 Fundos Mútuos nas Américas: EUA respondem por 89% da indústria 5% Distribuição da indústria de fundos nas Américas - mar/08 R$ 670,565 mm 5% 1% Total das Américas US$ ,687 mm US$ 661,146 mm EUA Brasil Canadá México Outros US$ ,083 mm 89% Fonte: ANBID

7 Fundos Mútuos nas Américas: leve desconcentração Brasil ganha algum espaço em detrimento dos EUA 4,2% 2,2% 0,6% Distribuição da indústria de fundos nas Américas - dez/03 US$ 7.969,224 mm R$ 7.414,1 US$ 7.414,084 mm mm EUA Canadá Brasil outros 93,0% 5% Distribuição da indústria de fundos nas Américas - mar/08 (US$ ,687 mm) 5% 1% Fonte: ANBID / ICI EUA Brasil Canadá México Outros US$ ,1 mm 89%

8 Fundos Mútuos na Europa: 2 terços da indústria se concentra em 4 países dos quais 2 são paraísos fiscais 8,2% 1,5% 1,2%1,2% 1,7% 2,1% 2,1% 4,0% 4,5% US$ mm 9,3% US$ mm 11,2% Europa - distribuição do PL dos fundos por país em março de 2008 (US$ mm) US$ mm US$ mm 23,2% 29,8% Luxemburgo França Irlanda UK Espanha Alemanha Suécia Suiça Belgica Áustria Dinamarca Holanda outros Fonte: ANBID

9 Fundos Mútuos na Europa: quadro quase estático exceção foi o esvaziamento da Itália em detrimento da Holanda 1,1% 1,9% 2,1% 2,0% 1,9% 6,0% 5,6% 10,4% US$ mm 8,6% 7,8% Fonte: ANBID ICI 3,4% US$ mm Europa - distribuição do PL dos fundos por país em dezembro de 2003 (US$ mm) 24,0% US$ mm US$ mm 25,0% Luxemburgo França Irlanda UK Espanha Alemanha Suécia Suiça Belgica Áustria Dinamarca Itália outros 4,0% 4,5% 2,1% 9,3% 8,2% 1,5% 1,2% 1,2% 1,7% 2,1% US$ mm US$ mm 11,2% Europa - distribuição do PL dos fundos por país em março de 2008 (US$ mm) 23,2% 29,8% US$ mm US$ mm Luxemburgo França Irlanda UK Espanha Alemanha Suécia Suiça Belgica Áustria Dinamarca Holanda outros

10 Fundos Mútuos na Ásia e Pacífico: Austrália domina acena apesar do Japão ser a economia dominante da região 2% 12% US$ mm 1% Ásia e Pacífico - distribuição do PL dos fundos por país em março de 2008 (US$ mm) 3% 43% 13% US$ mm US$ mm US$ mm 26% Australia Japão China/ Hong Kong Índia Taiwan Coreia outros Fonte: ANBID

11 Fundos Mútuos na Ásia e Pacífico: Coréia ganha terreno da China e de Taiwan 2,2% 8,9% 5,6% US$ mm 8,8% US$ mm 0,8% US$ mm 25,6% Ásia e Pacífico - distribuição do PL dos fundos por país em dezembro de 2003 ( US$ mm) 38,1% US$ mm Australia Japan Hong Kong / China Índia Taiwan Coreia outros 3% 2% 12% 13% US$ mm US$ mm 1% Ásia e Pacífico - distribuição do PL dos fundos por país em março de 2008 (US$ mm) 43% US$ mm Australia Japan China/ Hong Kong Índia Taiwan Coreia outros US$ mm 26% Fonte: ANBID / ICI

12 Fundos Mútuos na África: indústria só é relevante na África do Sul África - indústria de fundos só é relevante na África dosul África do Sul US$ mm em mar/08 Fonte: ANBID / ICI 100,0%

13 Fatores que podem explicar o desenvolvimento da indústria de fundos mútuos a. Fundos Mútuos dos Diversos Países em relação ao PIB

14 Fundos Mútuos como % do PIB baixa correlação entre PIB e desenvolvimento da indústria Costa Rica Eslovênia Eslováquia Nova Hungria Paquistão Chile Filipinas Romênia Rep. Hong Kong Portugal Finlândia África do Argentina Dinamarca Grécia Taiwan Áustria Polônia Noruega Suíça Suécia Bélgica Turquia Holanda México Coreia Austrália Índia Canadá Brasil Espanha Rússia Itália U.K. França Alemanha China Japão EUA Fonte: ANBID / ICI 0% 5% 7% 6% 10% 9% 3% 1% 0% 4% 0% 2% 3% 8% 7% 9% 9% 11% 10% 9% 13% 15% 15% 14% 14% 17% 24% 28% 28% 29% 29% 29% 33% 32% 40% 37% 43% 41% Fundos mútuos como % do PIB - por ordem decrescente de PIB outliers: Luxemburgo: 4613% e Irlanda: 339% 0% 20% 40% 60% 80% 100% 72% 83% 111%

15 Fundos Mútuos como % do PIB baixa correlação entre PIB desenvolvimento da indústria Argentina Turquia Paquistão Rep. Tcheca Costa Rica Eslováquia Eslovênia Índia Grécia Hungria Polônia México China Alemanha Nova Zelândia Portugal Holanda Noruega Japão Chile Taiwan Itália Espanha África do Sul Finlândia U.K. Dinamarca Bélgica Coréia Áustria Suécia Suíça Brasil Canadá França EUA Austrália 2% 3% 3% 4% 5% 6% 7% 7% 8% 9% 9% 9% 9% 10% 10% 11% 13% 14% 14% 15% 15% 17% 24% 28% 28% 29% 29% 29% 32% 33% 37% 40% 41% 43% Fundos mútuos como % do PIB - por ordem decrescente 72% outliers: Luxemburgo : 4613%, Irlanda: 339% 83% 111% Fonte: ANBID / ICI 0% 20% 40% 60% 80% 100%

16 Fatores que podem explicar o desenvolvimento da indústria de fundos mútuos b. Patrimônio dos Fundos Mútuos (como percentual do PIB) e Inflação

17 Ambientes onde há estabilidade de preços são favoráveis ao desenvolvimento da indústria de fundos, mas arcabouço institucional faz diferença 12 Rússia Patrimônio líquido dos fundos como % do PIB (março 2008) e inflação estimada para China inflação estimada para Chile África do Sul Brasil PL como % do PIB e inflação tendëncia linear Austrália EUA UK França Canadá Japão 0% 20% 40% 60% 80% 100% 120% PL em março 2008 como % do PIB estimado Fonte: ANBID / ICI e FMI

18 Fatores que podem explicar o desenvolvimento da indústria de fundos mútuos c. Arcabouço institucional

19 Grande concentração dos ativos dos fundos em poucos paises Participação no patrimômio líquido da indústria dez/03 mar/08 posição no ranking País % % acumulado País % % acumulado 1 EUA 53% 53% EUA 47% 47% 2 França 8% 61% Luxemburgo 11% 58% 3 Luxemborgo 8% 69% França 8% 66% 4 Austrália 4% 73% Austrália 5% 71% 5 Itália 3% 76% Irlanda 4% 75% 6 UK 3% 79% UK 3% 78% 7 Irlanda 3% 82% Japão 3% 81% 8 Japão 3% 84% Canadá 3% 84% 9 Canadá 2% 87% Brasil 3% 86% 10 Alemanha 2% 89% Itália 2% 88% 11 China 2% 91% Espanha 2% 90% 12 Espanha 2% 92% China 1% 91% 13 Brasil 1% 94% Alemanha 1% 92% 14 Coreia 1% 94% Coreia 1% 94% 15 Belgica 1% 95% Suiça 1% 94% Fonte: ANBID e FMI

20 Grande concentração dos ativos dos fundos em poucos paises posição no ranking País ticket per capita - em mil 1 Luxemburgo $ Irlanda $227 3 Austrália $55 4 EUA $38 5 França $33 6 Suiça $26 7 Canadá $20 8 Suécia $20 9 Dinamarca $19 10 Áustria $16 11 Finlândia $15 12 Noruega $14 13 Bélgica $14 14 U.K. $13 15 Espanha $9 22 Brasil $3 Fonte: ANBID / ICI e FMI

21 Portfolios dos Fundos Mútuos dos Diversos Países

22 Mundo: predominância de equities Patrimônio líquido dos fundos mútuos composição em março de % 40% 35% 30% 25% 43% 23% equities bonds balanceados money market outros 20% 17% 15% 10% 5% 10% 8% 0% equities bonds balanceados money market outros

23 Mundo: predominância de equities Patrimonio líquido dos fundos por ativo em março de % 50% 40% 43% 48% 54% Mundo Americas Europa Ásia e Pacífico África 32% 30% 28% 27% 26% 26% 20% 17% 17% 20% 14% 23% 18% 14% 17% 17% 16% 10% 10% 10% 8% 8% 6% 3% 0% 0% equities bonds balanceados money market outros Fonte: ANBID / ICI

24 Mundo: predominância de equities, mas Brasil se distingue fortemente do perfil Perfil da indústria de fundos mútuos 60% 54% 55% 50% 48% 43% 40% 32% 30% 20% 10% 0% 27% 23% 23% 20% 18% 17% 17% 17% 16% 14% 14% 14% 10% 10% 8% 8% 6% 5% 3% 0% Mundo Américas Europa Ásia e Pacífico Brasil Fonte: ANBID / ICI Equities Bonds Balanced/mixed money market outros

25 Mundo: predominância de equities A do Sul Finländia Suiça Espanha 28% 32% 32% 32,8% Paises onde fundos de ações predominam Luxemburgo Australia Liechtenstein Corea 34% 40% 40% 40% % dos fundos de ações no PL da indústria local Paquistão 41% Canadá 45% Argentina 46% Alemanha 48% Holanda 49% EUA 50% Noruega 51% Eslovënia 61% Belgica 61% Rússia 62% China 64% Suécia 65% UK 68% Japão 83% Fonte: ANBID / ICI 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80%

26 Mundo: predominância de equities, mas Brasil se distingue fortemente do perfil Itália 33% Países onde predominam os fundos bonds Índia Portugal 34% 37% % dos fundos bonds no PL da indústria local Dinamarca 54% Áustria 55% Brasil 55% México 59% Fonte: ANBID / ICI 20% 25% 30% 35% 40% 45% 50% 55% 60%

27 Mundo: predominância de equities França Chile Grécia Taiwan Hungria R. Tcheca Eslováquia Turquia Costa Rica 36% 44% 44% 48% 50% 53% 61% Países onde predominam os fundos de money market 82% 83% % dos fundos de money market no PL da indústria local Fonte: ANBID / ICI 20% 40% 60% 80%

28 Mundo: predominância de equities Nova Zelândia 34% Países onde fundos balanceados predominam participação dos fundos balanceados no PL da indústria local Romênia 37% Polônia 49% 20% 25% 30% 35% 40% 45% 50% 55% Fonte: ANBID / ICI

29 Mundo: predominância de equities, mas Brasil se distingue fortemente do perfil 80% 70% 60% 68% Perfil da indústria de fundos mútuos em países de língua inglesa 64% 50% 50% 45% 40% 30% 30% 36% 40% 34% 27% 20% 10% 0% 19% 20% 15% 9% 9% 8% 6% 1% 1% 0% 3% 7% 5% 5% 0% EUA Canadá UK Austrália China / HK 0% Fonte: ANBID / ICI Equities Bonds Balanced/mixed money market outros

30 Mundo: predominância de equities, mas Brasil se distingue fortemente do perfil Perfil da indústria de fundos mútuos - BRICs 70% 60% 55% 62% 64% Equities Bonds Balanced/mixed money market outros 50% 43% 40% 30% 23% 28% 34% 34% 24% 27% 32% 37% 23% 23% 20% 10% 0% 17% 14% 10% 10% 8% 4% 5% 5% 5% 3% 5% 4% 3% 0% 0% 0% Brasil Rússia Índia China Brics Mundo Fonte: ANBID

31 Mundo: predominância de equities, mas Brasil se distingue fortemente do perfil 90% 80% 82% Perfil da indústria de fundos mútuos com histórica do hiperinflação 70% 60% 55% 50% Equities 40% 30% 20% 14% Bonds Balanced/mixed money market outros 14% 23% 10% 0% 2% 1% 1% 3% 5% Turquia Brasil Fonte: ANBID

32 Mundo: composição dos portfólios Diferenças culturais interferem no desenvolvimento do mercado de equities Mundo: predominância de equities, mas Brasil se distingue do perfil; Aparentemente, razões culturais explicam certas similaridades na composição do perfil dos Fundos: EUA, UK, Austrália, Canadá, África do Sul e China /HK e têm portfólios concentrados em equities.

33 Diferenças culturais interferem no desenvolvimento do mercado de equities Direito Continental Europeu Modelo jurídico no qual se insere o Brasil Se origina no direito romano e se desenvolve sob a égide do catolicismo Construído sobre o preceito da TIPIFICIDADE (1º Define tese)- legislativo Gera pouca flexibilidade e atrasa as atualizações da lei ante às mudanças Meandros da lei permitem ações controversas Common Law Países de língua inglesa Se origina no direito consuetudinário (costume) e se desenvolve sob a égide do protestantismo Vale a jurisprudência (lei é criada pelas decisões dos órgãos judiciais) Mais flexível e adaptável às mudanças, o que não significa menos rigorosa Sniff test: método mais ágil para enquadrar conduta

34 Cenário atual e perspectivas: A desalavancagem afetou indústria de fundos via redução na exposição em equities

35 Evolução do PL da indústria mundial de fundos mútuos como % do PIB 45,0% Patrimônio líquido dos fundos como % do PIB ponderado pela inflação e cambio 40,0% PL em março de 2008 = US$ 24,807 trilhões 40,4% 35,0% 34,8% 37,3% 30,0% 27,6% 29,5% 25,0% 20,0% 15,0% Fonte: ANBID 24,9% 22,5% 22,5% 21,7% 20,5% 18,9% PL dos fundos como % do PIB tendência linear

36 PL da indústria mundial de fundos mútuos como % do PIB desaceleração recente coincide com desalavancagem dos mercados Evolução do PL dos fundos comparada a evolução do PIB - mundo = 100 PL contra PIB real tendência linear % 25% 20% % 10% 5% Desvio em relação a tendência do PL ponderado pelo crescimento real do PIB - % 0% -5% % -15% -20% Desvio em relação a tendencia do PL ponderado pelo crescimento real do PIB Fonte: ANBID

37 PL da indústria mundial de fundos mútuos como % do PIB desaceleração recente coincide com desalavancagem dos mercados Composição do patrimônio líquido da indústria de fundos 50% 40% 43% 45% 47% 49% 51% 44% 30% 20% 10% 0% 23% 24% 23% 22% 21% 20% 18% 17% 9% 9% 9% 10% 11% 8% 10% 4% 4% 5% 5% 5% 5% equity Bond Balanced/mixed money market outros Fonte: ANBID

38 Portfólios dos Fundos Mútuos no Brasil

39 Brasil: Indústria cresceu pari passu com o mundo, mas se descolou recentemente Evolução do PL dos fundos - em US$ mm - (em fim de período, para 2008 o dado é de março) mundo Brasil Mundo Brasil Fonte: ANBID

40 Brasil: Indústria cresceu pari passu com o mundo, mas se descolou recentemente 3% 3% Participação do Brasil no PL da indústria mundial de fundos 2,3% 2,7% 2% 1,7% 1,9% 2% 1,2% 1,4% 1% 1% participação do Brasil no PL da indústria mundial Linear (participação do Brasil no PL da indústria mundial) 0% Fonte: ANBID

41 Brasil: allocation se tornou mais conservador recentemente 80% 70% 70% Composição do patrimonio líquido dos fundos no Brasil 60% 59% 56% 62% 55% 55% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 32% 30% 24% 26% 23% 18% 13% 14% 9% 7% 7% 7% 3% 4% 5% 3% 3% 3% 3% 3% 1% 1% 1% 2% ações bonds balançeados money market outros Fonte: ANBID

42 Portfólios dos Fundos Mútuos no Brasil A despeito da concentração em renda fixa, a renda variável é atrativa no longo prazo

43 Brasil:a aplicação em equities é muito volátil, mas atrativa 300% 250% 200% 150% 100% 50% 0% Retorno acumulado em diferentes prazos (deflacionado pelo INPC) SELIC Ibovespa 43% 4% 2% 12% 28% 98% 59% 239% 1 ano 2 anos 3 anos 5 anos Fonte: ANBID

44 Brasil:a aplicação em equities é muito volátil, mas atrativa 85% Bovespa - variações mensais deflacionadas pelo INPC 65% 45% 25% 5% -15% -35% -55% -75% variações mensais média +desvio média= 2,5%a.m. média - desvio fev-80 fev-82 fev-84 fev-86 fev-88 fev-90 fev-92 fev-94 fev-96 fev-98 fev-00 fev-02 fev-04 fev-06 fev-08 Fonte: Bloomberg

45 Brasil:a aplicação em equities é muito volátil, mas atrativa 85% Ibovespa e Dow Jones - variações mensais deflacionadas pelos preços ao consumidor (INPC e CPI) 65% 45% 25% 5% -15% -35% -55% -75% Ibobespa - média 2,5%a.m. Dow Jones- média 0,5%a.m. fev-80 fev-82 fev-84 fev-86 fev-88 fev-90 fev-92 fev-94 fev-96 fev-98 fev-00 fev-02 fev-04 fev-06 fev-08 Fonte: Bloomberg

46 Brasil: a aplicação em equities é muito volátil, mas atrativa. E enfrenta competidor de peso (RF 85,0% 65,0% Retorno ao mês do Ibovespa e da Selic ambos deflacionados pelo INPC 45,0% 25,0% 5,0% -15,0% fev/80 fev/82 fev/84 fev/86 fev/88 fev/90 fev/92 fev/94 fev/96 fev/98 fev/00 fev/02 fev/04 fev/06 fev/08-35,0% -55,0% -75,0% SELIC - média 0,8%a.m. Ibovespa - média 2,5%a.m. Fonte: Bloomberg

47 Entre 2003 e 2007 houve grande disponibilidade de recursos externos com conseqüência positiva sobre o preço dos ativos financeiros alternativos aos juros, mas a desalavancagem mundial causará conservadorismo nos próximos meses

48 PIB mundial cresce acima do potencial pressiona inflação e gera necessidade de criação de ociosidade 115% 95% 75% 55% 35% 15% 118% 113% 83% 80% 80% 78% Inflação ao consumidor acumulada nos últimos 12 meses X limite superior da meta de inflação 63% 38% 31% 28% 28% 23% 18% 17% 13% 11% 7% -5% -25% -45% -28% -65% Islândia Chile Peru Tailândia Z.Euro Rep.Checa África Sul USA Colômbia Filipinas Noruega Israel México Polônia R. Unido Coréa Suécia Brasil -53% Canadá Fonte: Bloomberg

49 Conclusões

50 Constatações No mundo: Questões institucionais tais como o marco regulatório e a legislação fiscal são fatores determinantes para o desenvolvimento da indústria Existe uma relação indireta entre nível de inflação e tamanho da Indústria de Fundos Mútuos (% do PIB); Nos países onde houve hiperinflação há elevada participação de fundos de renda fixa na Indústria de Fundos Mútuos A concentração em equities na composição dos portfólios guarda forte correlação com questões culturais / institucionais

51 Constatações A Indústria de Asset Management no Brasil tende a crescer ante a consolidação da estabilização A consolidação do processo de estabilização aumentará o apetite por risco, tornando mais atrativas as aplicações em equities e aumentando a disponibilidade e a demanda por títulos de crédito privado. A indústria no Brasil tende a crescer e o perfil de alocação seaproximará do padrão mundial ante: ao processo de internacionalização; à revisão fiscal (exemplos fundos de ações X compra direta de ações e come-cotas)

52 para contato:

Ranking Mundial de Juros Reais Ago/13

Ranking Mundial de Juros Reais Ago/13 Ranking Mundial de Juros Reais Ago/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00%

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00% abr-08 ago-08 dez-08 abr-09 ago-09 dez-09 abr-10 ago-10 dez-10 abr-11 ago-11 dez-11 abr-12 ago-12 dez-12 abr-13 ago-13 dez-13 abr-14 ago-14 dez-14 abr-15 ago-15 dez-15 abr-16 ago-16 dez-16 META DA TAXA

Leia mais

MB ASSOCIADOS. A agenda econômica internacional do Brasil. CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011

MB ASSOCIADOS. A agenda econômica internacional do Brasil. CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011 MB ASSOCIADOS A agenda econômica internacional do Brasil CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011 1 Cenário base 2011 2014 Crescimento mundial deverá ser da ordem de 4,0% a.a. Os países do G7 devem crescer

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.50% 9.00% 10.00% 10.50% 11.00%

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 11.75% 13.00% 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.00% 8.50% 9.00%

Leia mais

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO 11/09/12 11/10/12 11/11/12 11/12/12 11/01/13 11/02/13 11/03/13 11/04/13 11/05/13 11/06/13 11/07/13 11/08/13 11/09/13 11/10/13 11/11/13 11/12/13 11/01/14 11/02/14 11/03/14

Leia mais

Movimento Secular versus Bolha Pedro Bastos, CEO HSBC Global Asset Management - Brasil

Movimento Secular versus Bolha Pedro Bastos, CEO HSBC Global Asset Management - Brasil Setembro de 2008 Movimento Secular versus Bolha Pedro Bastos, CEO HSBC Global Asset Management - Brasil Global Asset Management 1 Conteúdo Integração entre Brasil e Ásia Redução do Home Bias e seus efeitos

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,5%

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,5% abr-08 ago-08 dez-08 abr-09 ago-09 dez-09 abr-10 ago-10 dez-10 abr-11 ago-11 dez-11 abr-12 ago-12 dez-12 abr-13 ago-13 dez-13 abr-14 ago-14 dez-14 abr-15 ago-15 dez-15 META DA TAXA SELIC Cenário básico

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,25%

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,25% mar-08 jul-08 nov-08 mar-09 jul-09 nov-09 mar-10 jul-10 nov-10 mar-11 jul-11 nov-11 mar-12 jul-12 nov-12 mar-13 jul-13 nov-13 mar-14 jul-14 nov-14 mar-15 jul-15 nov-15 META DA TAXA SELIC Cenário básico

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 23/09/11 21/10/11 18/11/11 16/12/11 13/01/12 10/02/12 09/03/12 06/04/12 04/05/12 01/06/12 29/06/12 27/07/12 24/08/12 21/09/12 19/10/12 16/11/12 14/12/12

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 14/06/11 12/07/11 09/08/11 06/09/11 04/10/11 01/11/11 29/11/11 27/12/11 24/01/12 21/02/12 20/03/12 17/04/12 15/05/12 12/06/12 10/07/12 07/08/12 04/09/12

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS TAXA DE JUROS DO TÍTULO DE 10 ANOS DO TESOURO AMERICANO 2006-2013. Fonte: Bloomberg ESTADOS UNIDOS: TAXAS DE JUROS DE 10 ANOS (% a.a.) 03/04/14

Leia mais

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS 29 de março 217 198 9+ 8 8 7 7 6 6 4 4 3 3 2 2 2.. 1.. 1.... 1.. 1.. 2.. + 6 anos Fonte: IBGE (Projeção da População,

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES FEVEREIRO / 215 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4

Leia mais

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS 21/02/14 14/03/14 04/04/14 25/04/14 16/05/14 06/06/14 27/06/14 18/07/14 08/08/14 29/08/14 19/09/14 10/10/14 31/10/14 21/11/14 12/12/14 02/01/15

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais MAR/15

Ranking Mundial de Juros Reais MAR/15 Ranking Mundial de Juros Reais MAR/15 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jul/17

Ranking Mundial de Juros Reais Jul/17 Ranking Mundial de Juros Reais Jul/17 Divulgamos hoje o Ranking Mundial de Juros Reais, o qual após 12 anos renova tanto parte dos países participantes, como a metodologia de cálculo e referenciais nas

Leia mais

CRESCIMENTO SUSTENTADO, JUROS E CÂMBIO

CRESCIMENTO SUSTENTADO, JUROS E CÂMBIO CRESCIMENTO SUSTENTADO, JUROS E CÂMBIO //3 Preocupação do IEDI com o fato de que o Brasil, que registrou o terceiro maior crescimento econômico no séc. XX (1º lugar entre 19 e 1973), nas duas últimas décadas

Leia mais

Estatística e Probabilidades

Estatística e Probabilidades Estatística e Probabilidades Nesse resumo vamos mostrar como a análise crítica de séries estatísticas podem contribuir para uma compreensão mais precisa da realidade. Todos os dias ouvimos falar sobre

Leia mais

Rentabilidade com Preservação de Capital. José Márcio Camargo. Opus Gestão de Recursos Admirável Mundo Novo. Abril 2011.

Rentabilidade com Preservação de Capital. José Márcio Camargo. Opus Gestão de Recursos Admirável Mundo Novo. Abril 2011. Rentabilidade com Preservação de Capital José Márcio Camargo Opus Gestão de Recursos Admirável Mundo Novo Abril 2011 Abril 2011 1 Admirável Mundo Novo 1. Taxas de juros reais negativas em todos os países

Leia mais

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE MEL 2009 a 2014 (NCM 04.09.00.00) ANO 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Meses US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor

Leia mais

Santander Asset Management

Santander Asset Management Santander Asset Management Fundos São Paulo, 08 de novembro de 2006 2 1 2 3 A internacionalização das empresas brasileiras Fundos de Investimento Fundos Multimercados 3 1 2 3 A internacionalização das

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes

Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes ANEXO ESTATÍSTICO Crescimento anual do VTI e VTI per capita, 2005-2015, (em %, em U$ constante 2010). VTI total VTI per capita

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

O Papel da Indústria de Fundos Brasileira na Promoção do Desenvolvimento Econômico Sustentado. São Paulo, 06 de julho de 2006

O Papel da Indústria de Fundos Brasileira na Promoção do Desenvolvimento Econômico Sustentado. São Paulo, 06 de julho de 2006 O Papel da Indústria de Fundos Brasileira na Promoção do Desenvolvimento Econômico Sustentado São Paulo, 06 de julho de 2006 Relação Moedas x Ouro - 01/1999=100 Cotação Ouro (onça-troy) - 100=12/2000 270

Leia mais

Tabelas Anexas Capítulo 1

Tabelas Anexas Capítulo 1 Tabelas Anexas Capítulo 1 Tabela anexa 1.1 População, segundo grandes regiões Brasil e Estado de São Paulo 1980-2007 1-3 Tabela anexa 1.2 Analfabetos e total de pessoas na população de 15 anos ou mais,

Leia mais

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias Bijuterias Principais Países 2010 2011 2012 2013 2014 US$ mil 2014/ 2013 Estados Unidos 5.667 3.828 2.668 3.491 5.006 43 Colômbia 407 800 748 1.112 993-11 França 1.085 931 910 998 969-3 Argentina 2.112

Leia mais

4. Líderes em Sustentabilidade 2017

4. Líderes em Sustentabilidade 2017 . Líderes em Sustentabilidade 207 The Sustainability Yearbook 207 RobecoSAM 33 Anualmente, mais de 3.00 das maiores empresas do mundo são convidadas a participar da Avaliação de Sustentabilidade Corporativa

Leia mais

A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional

A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional 1 Um diagnóstico da educação pública no Brasil 2 Um diagnóstico da educação pública no Brasil Avanços inquestionáveis: 1. Ampliação da oferta de

Leia mais

Prefixos dos destinos internacionais incluídos nos pacotes MEO

Prefixos dos destinos internacionais incluídos nos pacotes MEO País Tipo Destino ALASCA e Móvel ALEMANHA ANDORRA AUSTRÁLIA ÁUSTRIA BÉLGICA CANADA e Móvel CHILE CHINA e Móvel COREIA DO SUL CROÁCIA DINAMARCA ESLOVÉNIA ESPANHA EUA e Móvel FEDERAÇÃO RUSSA FINLÂNDIA FRANÇA

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO. Copyright 2011 by The McGraw-Hill Companies, Inc. All Rights Reserved.

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO. Copyright 2011 by The McGraw-Hill Companies, Inc. All Rights Reserved. CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO McGraw-Hill/Irwin Copyright 2011 by The McGraw-Hill Companies, Inc. All Rights Reserved. O QUE É A MACROECONOMIA? Macroeconomia é o estudo do comportamento da economia como um todo

Leia mais

I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil:

I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil: I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil: Projeções e Reflexões Fonte: FMI G7: EUA. Alemanha, Japão,

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Brasil está quase na lanterna do ranking mundial de crescimento do PIB País ocupa a 31ª posição da lista de 34 nações, que é liderada pela China

Brasil está quase na lanterna do ranking mundial de crescimento do PIB País ocupa a 31ª posição da lista de 34 nações, que é liderada pela China Brasil está quase na lanterna do ranking mundial de crescimento do PIB País ocupa a 31ª posição da lista de 34 nações, que é liderada pela China Matéria publicada em 29 de Novembro de 2014 SÃO PAULO -

Leia mais

BASES TEÓRICAS DE PLANEJAMENTO

BASES TEÓRICAS DE PLANEJAMENTO BASES TEÓRICAS DE PLANEJAMENTO SUMÁRIO 1 - INTRODUÇÃO 2 - DECISÃO 3 - SISTEMAS 4 - PROSPECTIVA / CENÁRIOS 5 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 6 - INDICADORES 7 - CONCLUSÃO A QUALIDADE DA DECISÃO O PROCESSO DECISÓRIO

Leia mais

Detalhamento do Plano

Detalhamento do Plano Plano Básico de Serviço Longa Distância Internacional A. Empresa: DESKTOP-SIGMANET COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA LTDA B. Nome do Plano: Plano Básico de Serviço Longa Distância Internacional C. Identificação para

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 2016 SUMÁRIO Pág. 1 - ANÁLISE 3 2 - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINOS 5 4 - COURO BOVINO POR TIPO 6 5 - DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

Leia mais

PERIGOS DA PERCEPÇÃO PERILS OF PERCEPTION ESTUDO REALIZADO EM 40 PAÍSES PERILS OF PERCEPTION

PERIGOS DA PERCEPÇÃO PERILS OF PERCEPTION ESTUDO REALIZADO EM 40 PAÍSES PERILS OF PERCEPTION PERIGOS DA PERCEPÇÃO 2016 PERILS OF PERCEPTION ESTUDO REALIZADO EM 40 PAÍSES PERILS OF PERCEPTION 2016 1 ESTES SÃO OS RESULTADOS DA NOVA EDIÇÃO DA PESQUISA PERIGOS DA PERCEPÇÃO DA IPSOS. OS RESULTADOS

Leia mais

mensário estatístico - exportação Janeiro 2011 CAFÉ EM GRÃOS

mensário estatístico - exportação Janeiro 2011 CAFÉ EM GRÃOS mensário estatístico - CAFÉ EM GRÃOS CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido, distribuído

Leia mais

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO JOÃO CRUZ REIS FILHO SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Brasília/DF JULHO DE 2015 22 CENÁRIO POPULACIONAL

Leia mais

AMCHAM BRASIL SÃO PAULO OBJETIVOS E METAS DO GOVERNO TEMER PARA O COMÉRCIO EXTERIOR

AMCHAM BRASIL SÃO PAULO OBJETIVOS E METAS DO GOVERNO TEMER PARA O COMÉRCIO EXTERIOR AMCHAM BRASIL SÃO PAULO PALESTRA OBJETIVOS E METAS DO GOVERNO TEMER PARA O COMÉRCIO EXTERIOR JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo, 30 de agosto de 2016 2 EXPORTAÇÕES POR FATOR AGREGADO, EM TONELADAS Em milhões

Leia mais

Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013

Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013 Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013 Qual o impacto do Compliance para o desenvolvimento? Qual o impacto do Compliance para o desenvolvimento? Econômico Como o Compliance das empresas

Leia mais

DECOMTEC ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES IC-FIESP José Ricardo Roriz Coelho

DECOMTEC ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES IC-FIESP José Ricardo Roriz Coelho Departamento de Competitividade e Tecnologia ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES E OS FATORES-CHAVE PARA O BRASIL AVANÇAR EM COMPETITIVIDADE IC-FIESP 2014 José Ricardo Roriz Coelho PARTE I Novembro

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 15/07/10 14/08/10 13/09/10 13/10/10 12/11/10 12/12/10 11/01/11 10/02/11 12/03/11 11/04/11 11/05/11 10/06/11 10/07/11 09/08/11 08/09/11 08/10/11 07/11/11

Leia mais

Planos Voipten Ilimitados

Planos Voipten Ilimitados Planos Voipten Ilimitados Todos os Planos Voipten Ilimitados incluem: - Ligações gratuitas a outros telefones Voipten, bem como de outras operadoras VoIP credenciadas. - Encaminhar Chamadas Encaminhe suas

Leia mais

Detalhamento do Plano

Detalhamento do Plano Plano Básico de Serviço Local A. Empresa: BLUE TELECOMUNICAÇÕES B. Nome do Plano: Plano Básico de Serviço Local BLUE C. Identificação para a Anatel: Plano Básico de Serviço Local BLUE 01/2015 D. Modalidade

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB)

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB) Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2008 Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB) Eloi Martins Senhoras Available at:

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE MEL MAIO. Elaboração: SEBRAE/UAGRO FONTE: MDIC/SECEX

EXPORTAÇÕES DE MEL MAIO. Elaboração: SEBRAE/UAGRO FONTE: MDIC/SECEX EXPORTAÇÕES DE MEL MAIO Elaboração: SEBRAE/UAGRO FONTE: MDIC/SECEX 2 fonte: MDIC / SECEX elaboração: UAGRO / SEBRAE NA 42,23 51,00 2,86 8.243.232,00 23.588.292,00 2,53 25.987.193,00 65.791.416,00 2,38

Leia mais

Animais de estimação. Pesquisa global GfK. Maio 2016 GfK 2016 Animais de estimação

Animais de estimação. Pesquisa global GfK. Maio 2016 GfK 2016 Animais de estimação Animais de estimação Pesquisa global GfK Maio 2016 1 Pesquisa global GfK: Animais de estimação 1 Metodologia 2 3 Resultado global Resultado do Brasil 2 Metodologia 3 Abrangência, metodologia e amostra

Leia mais

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar.

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar. INTERNA Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar. 1 DESAFIOS E INCERTEZAS DO CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO E GLOBAL 2 2 Fabiana

Leia mais

Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas

Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas População portuguesa e de origem portuguesa residente no estrangeiro (estimativa do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Direcção Geral dos Assuntos

Leia mais

Depois do pesadelo. Luís Paulo Rosenberg

Depois do pesadelo. Luís Paulo Rosenberg Depois do pesadelo Luís Paulo Rosenberg 25.11.2008 O Velho Mundo Valor de mercado dos bancos minguando 300 250 200 150 100 50 0 255 36,5 216 115 165 140 116 116 100 43 61 44 Citigroup Bank of America JP

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE AGOSTO 2012 FRANCA 01) População 02) Piso salarial do sapateiro 03) Número de funcionários na indústria de calçados 04) Admissões e demissões do setor calçadista

Leia mais

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF Uma visão geral do processo de reforma da previdência Manoel Pires SPE/MF 1 Estrutura Temas em debate no Fórum da Previdência Impactos Econômicos do realinhamento da política previdenciária 2 Temas do

Leia mais

ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO

ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO Analista de Mercado Élcio A. Bento elcio@safras.com.br ALGODÃO CIF SÃO PAULO R$/@ Preço Mínimo R$ 44,6/@ ALGODÃO CIF SÃO PAULO R$/2 Jul A FORMAÇÃO DE PREÇOS NO MERCADO

Leia mais

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF Uma visão geral do processo de reforma da previdência Manoel Pires SPE/MF 1 Estrutura Temas em debate no Fórum da Previdência Impactos Econômicos do realinhamento da política previdenciária 2 Temas do

Leia mais

Perspectivas para 2012

Perspectivas para 2012 Abiplast Perspectivas para 2012 Antonio Delfim Netto 2 de Dezembro de 2011 São Paulo, SP 1 I.Mundo: Década de 80 e 2010 (% do PIB) 30% 23% 31% 24% 37% 22% 3,7% 3,3% 8% 7% 4,2% 4,0% 1,5% 1,2% Fonte: FMI,

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 11/08/10 10/09/10 10/10/10 09/11/10 09/12/10 08/01/11 07/02/11 09/03/11 08/04/11 08/05/11 07/06/11 07/07/11 06/08/11 05/09/11 05/10/11 04/11/11 04/12/11

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 11/06/11 11/07/11 11/08/11 11/09/11 11/10/11 11/11/11 11/12/11 11/01/12 11/02/12 11/03/12 11/04/12 11/05/12 11/06/12 11/07/12 11/08/12 11/09/12 11/10/12

Leia mais

DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2002

DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2002 DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2002 Nos nove primeiros meses de 2002, a economia brasileira cresceu 0,9% em relação ao mesmo período de. No terceiro trimestre de 2002, o aumento foi

Leia mais

REVISÃO DO MODELO DE TELECOM

REVISÃO DO MODELO DE TELECOM REVISÃO DO MODELO DE TELECOM 45º ENCONTRO TELE.SÍNTESE BRASÍLIA 06 DE SETEMBRO DE 2016 0 A perda da atratividade da concessão vêm sido evidenciada pelos principais indicadores do setor dos últimos anos

Leia mais

Resultados Nacionais no PISA 2012: Desafios da Análise de Dados. Lisboa, 11 de dezembro de 2013

Resultados Nacionais no PISA 2012: Desafios da Análise de Dados. Lisboa, 11 de dezembro de 2013 : Desafios da Análise de Dados Lisboa, 11 de dezembro de 2013 O que é o PISA? O PISA - Programme for International Student Assessment é um estudo internacional que avalia a literacia de jovens de 15 anos

Leia mais

ORGANISMOS MULTILATERAIS TRATADO DE NÃO PROLIFERAÇÃO NUCLEAR SISTEMA BRETTON WOODS

ORGANISMOS MULTILATERAIS TRATADO DE NÃO PROLIFERAÇÃO NUCLEAR SISTEMA BRETTON WOODS ORGANISMOS MULTILATERAIS TRATADO DE NÃO PROLIFERAÇÃO NUCLEAR SISTEMA BRETTON WOODS - Atuação segundo orientações estratégicas - Adotar normas comuns de comportamento político, social, etc. Planejar e concretizar

Leia mais

EIXO 2 ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO

EIXO 2 ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO EIXO 2 ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO Disciplina: D 2.2 Economia Internacional (16h) (Aula 2 - Crise internacional: medidas de políticas de países selecionados) Professora: Luciana Acioly da Silva 21 e 22

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/07/11 02/08/11 30/08/11 27/09/11 25/10/11 22/11/11 20/12/11 17/01/12 14/02/12 13/03/12 10/04/12 08/05/12 05/06/12 03/07/12 31/07/12 28/08/12 25/09/12

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/11/10 05/12/10 05/01/11 05/02/11 05/03/11 05/04/11 05/05/11 05/06/11 05/07/11 05/08/11 05/09/11 05/10/11 05/11/11 05/12/11 05/01/12 05/02/12 05/03/12

Leia mais

LAYOUT DO TÍTULO SUBTÍTULO

LAYOUT DO TÍTULO SUBTÍTULO LAYOUT DO TÍTULO SUBTÍTULO FORÇAS DO TURISMO BRASILEIRO 1 colocado na classificação de Recursos Naturais (Relatório de Competitividade em Viagem e Turismo 2017 Fórum Econômico Mundial) 8 colocado na classificação

Leia mais

Reforma da Previdência

Reforma da Previdência Reforma da Previdência Henrique Meirelles Ministro da Abril, 2017. Evolução do Gasto Primário do Governo Central 2 Gasto Primário do Governo Central (% PIB) 20% 19,3% 19,7% 18% 16% 14,8% 15,9% 16,8% 17,0%

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO ENCONTRO BRADESCO-APIMEC CENÁRIO MACROECONÔMICO 26 DE NOVEMBRO DE 2015 FABIANA D ATRI Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos - DEPEC 1 Ambiente Internacional AMBIENTE INTERNACIONAL Fimdolongociclodecommodities.

Leia mais

Perspectivas do Consumo Mundial de Suco de Laranja Workshop GCONCI Futuro da Citricultura Mundial

Perspectivas do Consumo Mundial de Suco de Laranja Workshop GCONCI Futuro da Citricultura Mundial Perspectivas do Consumo Mundial de Suco de Laranja Workshop GCONCI Futuro da Citricultura Mundial Limeira, 24 de Junho de 2010 Christian Lohbauer www.citrusbr.com O SEGMENTO NÉCTARES, QUE CONTÉM EM MÉDIA

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores. 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores. 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores 1. Iniciativas apoiadas pelo Camões, IP a) número (total): 1071 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas Áreas Geográficas Nº Iniciativas

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro

Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Equipe Técnica Kennya Beatriz Siqueira - Pesquisadora Embrapa Gado de Leite Alziro Vasconcelos Carneiro - Analista Embrapa Gado de

Leia mais

Brasil: A cultura do CDI ainda vai durar Luis Stuhlberger

Brasil: A cultura do CDI ainda vai durar Luis Stuhlberger Brasil: A cultura do CDI ainda vai durar Luis Stuhlberger Maio 2011 Este material foi preparado para a apresentação Brasil: A cultura do CDI ainda vai durar, maio de 2011. Não pode ser copiado, reproduzido

Leia mais

Doingbusiness no Brasil. Penelope Brook PSD/FSD Vice Presidência Grupo Banco Mundial Rio de Janeiro 26 de julho de 2006

Doingbusiness no Brasil. Penelope Brook PSD/FSD Vice Presidência Grupo Banco Mundial Rio de Janeiro 26 de julho de 2006 Doingbusiness no Brasil Penelope Brook PSD/FSD Vice Presidência Grupo Banco Mundial Rio de Janeiro 26 de julho de 2006 1 Indicadores Doingbusiness 2006 2007 2008 Abertura de empresas Registro de propriedades

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS #1 MODELO DE SOLOW

LISTA DE EXERCÍCIOS #1 MODELO DE SOLOW UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO: CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MACROECONÔMICA II [TURMA A] PROF. GIACOMO B. NETO LISTA DE EXERCÍCIOS #1 MODELO

Leia mais

Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas

Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Dezembro, 2015 1 Roteiro sofre de diversos desequilíbrios e problemas de competitividade.

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO ENCONTRO BRADESCO-APIMEC CENÁRIO MACROECONÔMICO 20 DE AGOSTO DE 2015 FABIANA D ATRI Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos - DEPEC 2 Ambiente Internacional AMBIENTE INTERNACIONAL Fim do longo ciclo

Leia mais

ABRIL 2016 RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA FRANCA SÃO PAULO BRASIL. Pág.

ABRIL 2016 RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA FRANCA SÃO PAULO BRASIL. Pág. RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ABRIL 2016 FRANCA População e PIB do município de Franca Piso salarial do sapateiro Estimativa do número de funcionários na indústria de calçados de Franca Dados do

Leia mais

O Desempenho Comparado das Telecomunicações do Brasil Preços dos Serviços de Telecomunicações Utilização de Telefonia Fixa

O Desempenho Comparado das Telecomunicações do Brasil Preços dos Serviços de Telecomunicações Utilização de Telefonia Fixa O Desempenho Comparado das Telecomunicações do Brasil Preços dos Serviços de Telecomunicações Utilização de Telefonia Fixa Documento preparado por solicitação da TELEBRASIL & FEBRATEL São Paulo, Agosto

Leia mais

Relatório sobre solicitações de informação feitas pelo governo

Relatório sobre solicitações de informação feitas pelo governo Relatório sobre de informação feitas pelo governo º de julho a de dezembro de A Apple leva o nosso compromisso de proteger seus dados muito a sério e se esforça para fornecer os produtos hardware, software

Leia mais

Previdência Social Reformar para Preservar

Previdência Social Reformar para Preservar Previdência Social Reformar para Preservar 15 de Fevereiro de 2017 Ministro Eliseu Padilha Ministro-chefe da da Presidência da República Déficit da Previdência e a necessidade da Reforma para não estrangular

Leia mais

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO mensário estatístico - ALCOOL ETILICO CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido, distribuído

Leia mais

Aproveitar a vida agora e preocupar-se com poupança e economia mais tarde

Aproveitar a vida agora e preocupar-se com poupança e economia mais tarde Aproveitar a vida agora e preocupar-se com poupança e economia mais tarde Pesquisa global GfK Abril 2016 1 Global GfK survey: Aproveitar a vida agora e preocupar-se com poupança e economia mais tarde 1

Leia mais

CROs Club Survey LATAM A chave para o desenvolvimento de pacotes competitivos de Remuneração e Benefícios

CROs Club Survey LATAM A chave para o desenvolvimento de pacotes competitivos de Remuneração e Benefícios CROs Club Survey LATAM A chave para o desenvolvimento de pacotes competitivos de Remuneração e Benefícios Consulting. Outsourcing. Investments. CROs Club Survey LATAM A chave para o desenvolvimento de

Leia mais

ESTRUTURA ESCRITORIO SEDE CURITIBA, PR. Matriz

ESTRUTURA ESCRITORIO SEDE CURITIBA, PR. Matriz 1 ESTRUTURA ESCRITORIO SEDE CURITIBA, PR. Matriz 2 ESTRUTURA ESCRITÓRIOS OPERACIONAIS Porto Trombetas Belém Porto Franco Altamira São Luís Parauapebas Floriano Posto da Mata Cofins e Sabará Guarapuava

Leia mais

Indicadores Macro para o Brasil na área de Ciência e Tecnologia

Indicadores Macro para o Brasil na área de Ciência e Tecnologia Instituto Nacional da Propriedade Industrial - INPI Academia da Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimentos ACAD Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Inovação Indicadores Macro para

Leia mais

GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR

GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR GEM 2015 GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR Fevereiro/2016 Objetivo: Estudo da atividade empreendedora no âmbito mundial 60 países em 2015 (83% do PIB mundial) No ano anterior participaram 70 países Criação

Leia mais

QUALIDADE DAS INSTITUIÇÕES E CRESCIMENTO ECONÔMICO

QUALIDADE DAS INSTITUIÇÕES E CRESCIMENTO ECONÔMICO QUALIDADE DAS INSTITUIÇÕES E CRESCIMENTO ECONÔMICO Adolfo Sachsida* 1 INTRODUÇÃO O objetivo deste artigo é mostrar a importância da qualidade das instituições sobre o desenvolvimento e o crescimento econômico.

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL Março/2014 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População

Leia mais

2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência. Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005

2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência. Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005 2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005 Cenário Externo Maior crescimento global em 30 anos. Crescimento do PIB em 2004 - Expectativa Área do

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DA CIÊNCIA E DA PÓS-GRADUAÇÃO: AVANÇOS E DESAFIOS

INTERNACIONALIZAÇÃO DA CIÊNCIA E DA PÓS-GRADUAÇÃO: AVANÇOS E DESAFIOS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS GRADUANDOS II SEMINÁRIO: INTERNACIONALIZAÇÃO DA CIÊNCIA BRASILEIRA INTERNACIONALIZAÇÃO DA CIÊNCIA E DA PÓS-GRADUAÇÃO: AVANÇOS E DESAFIOS Prof. Dr. Joviles Vitorio Trevisol Presidente

Leia mais

Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX

Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX 1 A importância da taxa de câmbio para a economia brasileira A taxa de câmbio é um dos principais preços da economia, pois: Determina

Leia mais