O que é ser humano? O desafio das ciências cognitivas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O que é ser humano? O desafio das ciências cognitivas"

Transcrição

1 O que é ser humano? O desafio das ciências cognitivas 1 1. Introdução: uma nova revolução paradigmática? Alguns autores consideram que as grandes revoluções da era moderna que mudaram a concepção que temos de nós mesmos foram três, associadas a três grandes nomes da ciência: Copérnico, Darwin e Freud. As três revoluções tiveram consequências epistemológicas imediatas, sobre a metodologia científica em diversas áreas, sobretudo em astronomia, física, biologia, psicologia e sociologia. Mas, elas exerceram uma influência, que considero ainda mais importante, sobre a concepção que temos de nós mesmos, das nossas relações sociais, e da nossa relação com o mundo que nos rodeia. A influência mais profunda daquelas três revoluções situa-se, de facto, ao nível das nossas concepções filosóficas e religiosas. É muito possível que estejamos neste momento no início de uma nova revolução paradigmática semelhante às que são associadas àqueles três cientistas, uma revolução provocada pelos rápidos desenvolvimentos das ciências cognitivas que se têm verificado sobretudo a partir de meados do século XX, e cujo fim e implicações não se vislumbram ainda por completo, permanecendo em aberto um vasto leque de hipóteses quanto a desenvolvimentos futuros. Trata-se, em alguns casos, de hipóteses altamente perturbadoras, mas ao mesmo tempo muito estimulantes, já que poderão conduzir a um melhor conhecimento de nós mesmos. São igualmente hipóteses que nos convidam a prosseguir um caminho sem regresso. Georges Vignaux afirma a este propósito que as novas perspectivas paradigmáticas criadas pelas ciências cognitivas podem ainda fazer crer aos cépticos, arreigados aos funcionamentos disciplinares clássicos, que os estudos cognitivos não serão mais do que uma moda, uma etapa na reestruturação dos saberes. Isso não é verdade: os confrontos visíveis são também índices de numerosos intercâmbios invisíveis: estamos perante uma revolução no sentido copernicano, nas formulações dos nossos conhecimentos e dos nossos métodos. 1 O que se pode desde já dizer é que o impacto desta nova revolução operada pelas ciências cognitivas é bastante mais radical que o das revoluções anteriores, já que pretende, em certos aspectos, englobá-las e, ao mesmo tempo, superá-las numa síntese nova e aberta a contínuas e inesperadas novidades. Trata-se sobretudo dos aspectos que se referem à concepção tradicional do ser humano, concepção que continua a sofrer transformações - talvez possamos dizer mesmo, radicais transformações. Estas concepções constituem um movimento cultural e filosófico com início no Renascimento e que parece conhecer agora desenvolvimentos tão decisivos quanto insuspeitados. O fio condutor destas revoluções é, de 1 G. Vignaux, As Ciências Cognitivas : uma Introdução, Lisboa: Instituto Piaget, 1995, p. 10. Referindo-se à revolução que está a acontecer no domínio das ciências cognitivas, Patricia Churchland afirma que na sua capacidade de destruir as verdades eternas do conhecimento do senso comum, esta revolução será pelo menos igual às revoluções Copernicana e Darwiniana. Patricia Churchland, Neurophilosophy. Towards a Unified Science of the Mind/Brain, Cambridge, Mass.: MIT Press, 1986, p Por seu lado, António Damásio crê que os animais não humanos têm comportamentos éticos, facto que pode ser chocante para os que acreditam que o comportamento ético é uma característica especificamente humana. Como se não fosse suficiente que Copérnico nos dissesse que não estamos no centro do universo, que Darwin nos dissesse que temos origens humildes, e que Freud nos dissesse que não somos senhores da nossa própria casa, dizem-nos agora que no campo da ética o comportamento tem origens primitivas. Apesar de tudo, o autor defende que o comportamento ético humano tem características específicas, sobretudo no que se refere à motivação, que não se encontram nos animais não humanos. A. Damásio, The neural basis of social behavior: ethical implications in Steven Marcus (ed.), Neuroethics: Mapping the Field, New York: The Dana Press, 2002, p. 15.

2 2 facto, o da naturalização completa do ser humano, o qual é agora convidado com maior insistência a descer do pedestal da esfera sobrenatural na qual pensara ter sido colocado por Deus no acto da sua criação, e que lhe conferia uma natureza que o distinguia substancialmente de todos os demais seres criados, constituindo-o a única criatura com uma alma espiritual que lhe assegurava a imortalidade. As revoluções atrás referidas tenderam a aproximar tão perigosamente o ser humano dos demais seres vivos, que a sua dignidade parece diminuir progressivamente. O mesmo ser humano poderá estar destinado a desaparecer da face da Terra, dando lugar a uma nova geração de seres vivos radicalmente diferentes: seres que, para alguns, tanto poderão resultar de uma total simbiose homemmáquina como da completa substituição dos seres humanos por máquinas supertinteligentes, ou ainda por uma nove espécie de mamíferos que conduza ao desaparecimento do homo sapiens. 2. As ciências cognitivas e a pergunta: O que é ser humano? As ciências cognitivas têm sido objecto de diversas definições. Para alguns, são o estudo interdisciplinar dos processos cognitivos envolvidos na aquisição, representação e uso do conhecimento humano, incluindo em particular o estudo da linguagem natural, memória, resolução de problemas, aprendizagem, visão e raciocínio 2 Para outros são o conjunto de investigações interdisciplinares que procura explicar a actividade inteligente, quer a que é própria dos seres vivos (especialmente humanos adultos), quer a das máquinas. 3 Muitas outras definições se poderiam apresentar, mas vale a pena sublinhar que praticamente todas elas acentuam a estreita ligação entre cognição ou conhecimento e acção ou comportamento. Este facto deve-se à predominância que a inteligência artificial e a psicologia assumiram no contexto das ciências cognitivas durante várias décadas, desde a sua pré-história, a partir dos anos 30, com a concepção por Alan Turing de uma máquina inteligente, até ao famoso Symposium on Information Theory, realizado em 1956 no não menos famoso Massachusetts Institute of Technology, e ao Encontro de Darmouth, realizado no mesmo ano. O Simpósio marca o nascimento oficial das ciências cognitivas. Os estudos de informática, lógica, linguística e psicologia constituíram desde o início uma aliança que olhou a acção e o conhecimento humanos como algo cujos mistérios poderiam ser plenamente compreendidos a partir da explicação do funcionamento de máquinas inteligentes. Esta corrente, na qual a lógica assumia um papel central, ficou conhecida como cognitivismo. Mas há que ter em conta que as ciências cognitivas só aparentemente se centram no nível epistemológico ou do conhecimento, e da acção ou comportamento. Com efeito, a epistemologia não é dissociável de uma ontologia e, no caso das ciências cognitivas, de uma onto-antropologia. Não se trata apenas de proceder a investigações sobre a questão de saber quais são os mecanismos da acção e do conhecimento humanos e como simulá-los, mas de procurar responder à questão que constitui o título do capítulo introdutivo da obra de Mark Johnson e George Lakoff Philosophy in the Flesh: Quem somos nós? Como a ciência 2 Michael Dawson, Understanding Cognitive Science, Oxford : Blackwell Publishers, 1998, p Robert Audi, The Cambridge Dictionary of Philosophy, Cambridge University Press, Cambridge, 1995, p. 128

3 3 cognitiva reabre questões filosóficas centrais. 4 Segundo os autores, estas questões são reabertas a partir de uma nova abordagem paradigmática da mente e da razão humanas, uma abordagem empírica, corpórea. Johnson e Lakoff consideram que o conceito de razão inclui não apenas a nossa capacidade de inferência lógica, mas também a nossa capacidade para investigar, para resolver problemas, para avaliar, criticar, deliberar acerca do nosso modo de agir, e para chegar a uma compreensão de nós mesmos, das outras pessoas e do mundo. 5 Está feita aqui de um modo explícito a ligação entre epistemologia e onto-antropologia: Uma mudança radical na nossa compreensão da razão, continuam os autores, representa por conseguinte uma mudança radical na compreensão de nós mesmos. 6 Numa tentativa de resposta à questão quem somos nós?, Mark Johnson e George Lakoff pensam poder adiantar já algumas das transformações que as ciências cognitivas estão a provocar na compreensão de nós mesmos como seres humanos. Os autores começam por elencar as principais descobertas destas ciências que parecem estar a mudar radical e definitivamente a nossa concepção do que é ser humano: A mente é por natureza incarnada. O pensamento é na sua maior parte inconsciente. Os conceitos abstractos são largamente metafóricos. Estas são três das descobertas mais importantes da ciência cognitiva. Mais de dois mil anos de especulação filosófica apriorística acerca destes aspectos da razão pertencem já ao passado. Devido a estas descobertas, a filosofia nunca mais será a mesma. 7 Os autores notam, não sem alguma razão, que estas teses das ciências cognitivas introduzem uma ruptura paradigmática com toda a tradição da filosofia ocidental, no que se refere não apenas às correntes metafísicas aristotélico-tomista e kantiana, mas também à tradição analítica, anti-metafísica, e até mesmo às correntes filosóficas pós-modernas. Johnson e Lakoff assumem em relação a estas tradições uma atitude radical. Propõem, nada mais nada menos, que um recomeço a partir do zero. São mais de dois mil anos de pensamento filosófico que se torna necessário arquivar até que a poeira do tempo os acabe por cobrir e nós próprios acabemos por deles nos libertarmos. Quais seriam as consequências de uma atitude tão radical como esta? O que aconteceria se começássemos com estas descobertas empíricas acerca da natureza da mente e elaborássemos a filosofia a partir do zero?, perguntam. E continuam: A resposta é a seguinte: uma filosofia empiricamente responsável exigiria que a nossa cultura abandonasse alguns dos seus pressupostos filosóficos mais profundos Os autores recusam assim qualquer projecto de continuidade com a tradição filosófica ocidental. Contudo, esta posição supõe uma visão dessa tradição que parece desconhecer modificações importantes que se têm verificado na filosofia e na teologia ocidentais, sobretudo ao longo do século XX, especialmente no que se refere à auto-compreensão do ser humano, como veremos mais adiante. Se a natureza da mente e da razão, bem como dos conceitos que utilizamos para pensar, conhecer e decidir, é empírica e não incorpórea, contrariamente ao que a tradição 4 George Lakoff e Mark Johnson, Philosophy in the Flesh. The Embodied Mind and its Challenge to Western Thought, New York: Basic Books, 1999, p Ibid., pp Ibid., p Ibid., p. 3.

4 4 ocidental considerou durante mais de dois mil anos, então a conclusão a tirar é tão óbvia quanto surpreendente: É, de facto, chocante, ainda segundo Johnson e Lakoff, descobrir que somos muito diferentes daquilo que a nossa tradição filosófica nos tem dito. 8 O que de início poderia parecer uma questão meramente epistemológica transformou-se rapidamente numa questão ontológica, não apenas no que se refere à realidade em geral, mas também, e muito mais concretamente, à realidade do ser humano. 3. O impacto das neurociências Esta dimensão onto-antropológica das ciências cognitivas tornou-se mais evidente sobretudo com o recente desenvolvimento das neurociências. Patricia Churchland considera que é precisamente a cada avanço experimental que a neurociência está a moldar a nossa concepção sobre quem somos. A evidência hoje acumulada implica que é o cérebro, e não alguma realidade não física que sente, pensa e decide...isto significa que não existe nenhuma alma que viva a sua eternidade postmortem feliz no Céu ou infeliz no Inferno. 9 Foi de facto com o surpreendente desenvolvimento das neurociências, sobretudo com o aperfeiçoamento das técnicas de estudo do funcionamento cerebral nas décadas de 80 e 90, que a complexidade do comportamento humano, no qual a razão e a emoção interagem constantemente, provocou uma significativa mudança nas ciências cognitivas. A partir de um conhecimento muito mais pormenorizado do funcionamento do sistema nervoso e, em particular, do cérebro humano, cujas conexões sinápticas seguem um esquema de distribuição em paralelo e não em série, ao contrário do que era pressuposto pelos cognitivistas, as máquinas inteligentes começaram a ser pensadas a partir do conhecimento do cérebro humano, e não inversamente, como antes sucedia. Nascia o conexionismo. A partir deste momento, as ciências cognitivas adquiriram um carácter mais filosófico ou, dito de outra maneira, começaram a abordar mais aprofundadamente questões que até então eram consideradas específicas da filosofia e da teologia. Conceitos como os de alma, espírito, mente, auto-consciência, pensamento, liberdade, etc., designam outros tantos problemas de que as ciências cognitivas se apropriaram inteiramente. A vertente ontológica relativa à natureza dos seres que conhecem, acaba por ser compreendida também no mesmo domínio das neurociências, da psicologia cognitiva e da inteligência artificial. Estes três campos de estudo parecem fornecer exaustivamente informações sobre todos os processos cognoscitivos dos seres vivos e, a partir daí, explicar também as actividades que realizam, isto é, os seus comportamentos e, em última análise, a sua própria natureza. Dado que os processos cognoscitivos realizados pelos seres vivos em geral, parecem ter muito em comum, já que têm a sua origem no dinamismo da evolução das espécies, facilmente se conclui que o substracto ontológico desses processos deve ser também basicamente o mesmo. Daqui a facilidade com que se crê nas profundas afinidades entre os seres humanos e os seres vivos em geral, sobretudo os mamíferos. E se é verdade que todos os seres vivos pertencem pura e simplesmente ao mundo natural, a sua estrutura ontológica, aparece despida de qualquer sentido metafísico, transcendente ou sobrenatural. As tradicionais 8 Ibid., p Patricia Churchland, Brain-Wise. Studies in Neurophilosophy, Cambridge, MA: The MIT Press, 2002, p. 1.

5 5 noções de alma, espírito e mente perdem todos os seus mistérios. Para alguns, estes mistérios poderão continuar, quando muito, nas abordagens da filosofia e da religião tradicionais, sobretudo no ocidente. Mas por pouco tempo mais. Dentro em breve, a resposta à pergunta o que é ser humano será esclarecida na sua totalidade pela conjugação de esforços das diversas ciências cognitivas. É para aqui que conduzem, segundo Howard Gardner, os actuais desenvolvimentos interdiscipinares:. Hoje em dia, a maior parte dos cientistas cognitivos são oriundos do campo de disciplinas específicas em particular, da filosofia, da psicologia, da inteligência artificial, da linguística, da antropologia e das neurociências. A esperança é que um dia as fronteiras entre estas disciplinas possam ser atenuadas ou mesmo desaparecer por completo, originando uma ciência cognitiva única e unificada. 10 A expressão ciência cognitiva única e unificada está longe de ser clara, e embora possa ser entendida num sentido algo profético mas não necessariamente apocalíptico, não pode deixar de nos trazer à memória o fracassado projecto neopositivista de unificação das ciências. Nesta mesma linha profética de absorção de todos os grandes domínios do saber pelas ciências cognitivas tendem a pronunciar-se diversos outros autores. Segundo Patricia Churchland, nesta fase da sua história o cérebro e as ciências do comportamento são extremamente excitantes, porque tudo indica que iniciámos um período no qual obteremos uma compreensão científica global da relação mente-cérebro, numa extensão não trivial. Teorias de vasto alcance, do tipo paradigma orientador, ou contexto unificador, estão a começar a emergir, e evoluirão e estruturarão tanto o trabalho de investigação como, indubitavelmente, o nosso modo de pensarmos sobre nós mesmos. E seria de admirar que as novas teorias e as novas descobertas não contivessem surpresas de tal magnitude que venham a constituir uma revolução no nosso modo de entender. (...) Já é evidente que alguns conceitos profundamente centrais da psicologia do senso comum, tais como a memória, a aprendizagem e a consciência, ou estão a fragmentar-se ou serão substituídos por categorias mais adequadas. 11 Que através do desenvolvimento das ciências cognitivas venhamos a obter progressivamente um conhecimento mais profundo do que é ser humano parece claro. Já é menos claro que nova imagem irá emergir dos constantes e por vezes apressados progressos científicos. Na linha de Patricia Churchland, e de um ponto de vista estritamente neurobiológico, Francis Crick crê que se pode dizer a um ser humano: Você não passa de um embrulho de neurónios. Esta é, segundo o autor, uma hipótese espantosa, tão espantosa que a maior parte das pessoas, mesmo as mais cultas, se recusarão a aceitá-la. A Hipótese Espantosa, afirma Crick, é a de que você, as suas alegrias e as suas tristezas, as suas memórias e as suas ambições, o seu sentido de identidade pessoal e de livre arbítrio, não sejam de facto mais do que o comportamento de um vasto conjunto de células nervosas e das suas moléculas associadas.... Esta hipótese é de tal forma estranha às ideias da maioria das pessoas hoje vivas que bem pode ser considerada como espantosa. 12 Para autores como Francis Crick, Patricia Churchland, Mark Johnson e George Lakoff, o movimento de naturalização do ser e do saber humanos parece ter entrado em contradição 10 Howard Gardner, A Nova Ciência da Mente. Uma História da Revolução Cognitiva, Lisboa: Relógio d Água, 2002, p Patricia Churchland, Neurophilosophy, A Neurophilosophical Perspective, Cambridge, Mass: MIT, 1986, p Francis Crick, A Hipótese Espantosa. Busca Científica da Alma, Lisboa: Instituto Piaget, 1998, p. 19.

6 6 insanável com a perspectiva filosófico-teológica do carácter sobrenatural dos elementos característicos da humanidade como, por exemplo, a alma, a mente, a consciência ou o espírito que, segundo a tradição ocidental, especificam o ser humano. É de facto impressionante que grande parte das obras de carácter mais filosófico que hoje são publicadas na área das ciências cognitivas se baseiem numa repetida afirmação da oposição entre as perspectivas natural/sobrenatural e imanente/transcendente. Os autores destas obras parecem ignorar que é possível dispensar tais dualismos sem com isso necessitar de introduzir uma ruptura radical com a reflexão humana amadurecida no ocidente ao longo de mais de dois mil anos. O dualismo corpo-alma é um dos que mais suscita críticas demolidoras. Mas serão elas tão justificadas e destrutivas como parecem? 4. Quem somos nós? Crick e Flanagan sobre a alma humana A questão da existência e da natureza da alma humana constitui actualmente uma das questões mais debatidas pelos autores que desenvolvem a perspectiva filosófica das ciências cognitivas, já que se trata de um conceito no qual converge muito da tradição filosóficoteológica ocidental, e que aparece tradicionalmente associado ao conceito de corpo, criando assim um dualismo hoje posto em causa. Francis Crick, como muitos outros, parece ter ideias claras e definitivas sobre a questão da alma. O autor considera, não sem razão, que, cientificamente falando, se trata de um conceito desnecessário para a compreensão do mesmo ser humano. Um neurobiólogo moderno, afirma ele, não precisa do conceito religioso de alma para explicar o comportamento dos humanos e de outros animais. A afirmação é tão óbvia que quase parece trivial E, evocando as transformações na compreensão do cosmos provocadas pelas descobertas de Galileu, Kepler e Newton, Crick continua: faz lembrar a pergunta que Napoleão fez, depois de Pierre-Simon Laplace lhe ter explicado como é que o sistema solar funcionava: Onde é que Deus entra nisto tudo? Ao que Laplace respondeu: Sire, não preciso dessa hipótese. E prossegue:. Nem todos os neurocientistas acreditam que a ideia da alma seja um mito -Sir John Eccles é a excepção mais notável- mas não há dúvida de que a maioria é dessa opinião. Não é que tenham conseguido provar que a ideia seja falsa. Mais propriamente, tal como as coisas de momento se apresentam, não vêem qualquer necessidade dessa hipótese. E conclui: considerado sob a perspectiva da história humana, o principal objectivo da investigação científica do cérebro não é o de compreender meramente e de curar várias situações clínicas, por muito importante que a tarefa possa ser, mas antes abarcar a natureza real da alma humana. O que se tenta descobrir é se este termo será metafórico ou literal. 13 Devo dizer que julgo altamente improvável que os investigadores que estudam o cérebro humano considerem sua tarefa prioritária esclarecer se o conceito de alma deve ser tomado em sentido literal ou metafórico. Em todo o caso, há quem pareça, segundo Crick, ter já resolvido o problema: Muitas pessoas instruídas, sobretudo no mundo ocidental, também partilham a convicção de que a alma é uma metáfora e que não existe vida pessoal antes da concepção, 13 Ibid., p. 23.

7 7 nem depois da morte. Poderão auto-denominar-se ateus, agnósticos, humanistas ou apenas crentes apóstatas, mas todos eles negam os principais argumentos das religiões tradicionais. 14 Na mesma linha de Crick, Owen Flanagan dedicou recentemente uma obra 15 à questão do conflito que, no que se refere à compreensão do ser humano, parece existir entre a perspectiva das ciências naturais, particularmente a das ciências cognitivas, e a das humanidades tradicionais, particularmente a da filosofia e a da teologia. Um dos pontos em que este conflito surge com maior evidência é segundo o autor a questão da existência ou não de um eu substancial e de uma alma humana em sentido subsistente e imortal. Flanagan considera que a questão da alma é muito mais ampla do que habitualmente se supõe, afirmando que o problema da alma é uma forma abreviada de referência a um conjunto de problemas filosóficos centrais na perspectiva humanista dominante. Estes conceitos incluem, antes de mais, uma mente não física, a liberdade e um self ou alma permanente, subsistente e imutável. Flanagan reconhece com razão que para muitas pessoas estes conceitos estão ameaçados pelo progresso científico, e é esta percepção que causa nessas pessoas uma grande resistência à perspectiva científica, já que daqueles conceitos parece depender definitivamente para eles o próprio sentido da existência humana. Por isso, continua Flanagan, para essas pessoas, uma vez que sem uma mente não física, a liberdade e a alma não são coisas reais mas apenas meras aparências, então, é o fim do mundo pelo menos do mundo tal como o conhecemos. 16.Tocamos aqui de novo o tema da revolução paradigmática copernicana que em muitos aspectos parece estar a levar-nos para um outro mundo conceptual e de auto-compreensão, mas que pode contudo conduzir-nos também a um enorme progresso. Flanagan propõe-se resolver o conflito entre as imagens do ser humano que nos são dadas pelas ciências naturais, por um lado, e as que nos vêm das humanidades, por outro, sugerindo que devemos desistir de acreditar na existência quer de um eu, quer de uma alma, no sentido subsistente que lhes dão as humanidades tradicionais, particularmente a filosofia e a teologia ocidentais, dado não haver qualquer base para uma tal crença. No entanto, o autor evita assumir uma posição demasiado radical. Há que preservar as referências fundamentais que nos têm permitido compreender o sentido da vida. Podemos pois, segundo ele, continuar a utilizar os termos antropológicos fundamentais desde que deixemos de lhes atribuir o sentido substancial tradicional: podemos preservar muito daquilo que queremos significar quando falamos de mente, alma, self e liberdade, sem continuar a atribuir-lhes aqueles aspecto de significado procedentes das suas raízes religiosas e teológicas. 17. Há que aceitar, continua Flanagan, que a nossa dimensão animal é a nossa única dimensão. Somos todos animais e o cérebro é a nossa alma. 18 Mas esta solução do problema da nossa identidade e autocompreensão parece demasiado simples e desfundamentada para poder ser tomada acriticamente Flanagan considera que, não existindo uma alma humana subsistente e imortal, 14 Ibid. 15 Owen Flanagan, The Problem of the Soul, New York: Basic Books, Ibid., p. XI. 17 Ibid., p. XV. 18 Ibid.

8 8 também não terá sentido qualquer discurso sobre um Deus igualmente subsistente e imortal. O autor parte do princípio que a única forma de defender a imortalidade do ser humano consiste em acreditar que existe nele uma alma, e que esta alma é subsistente e imortal. Mas será este pressuposto necessário para se falar da imortalidade do ser humano? Poder-se-á conceber a imortalidade em termos relacionais? 5. O ser humano como relação A concepção substancial do ser humano era sem dúvida, e ainda é, o pressuposto tradicional da filosofia e da teologia cristãs, que continuam a ter um discurso cuja linguagem pertence a um paradigma o paradigma aristotélico-tomista - que em muitos aspectos se afigura cada vez mais inadequado para a compreensão de quem somos nós. Embora sem negar a importância relacional do ser humano, este paradigma baseia-se na categoria de substância como sua trave mestra. Creio porém que num paradigma mais actual, o conceito de relação é muito mais adequado para exprimir aquilo que existe de fundamental no ser humano e que desejaríamos fosse eterno, - a relação com os outros vivida como amor. S. Tomás considera que embora em Deus se deva afirmar que existem relações subsistentes entre as três pessoas divinas, dado que essas relações não poderiam ser consideradas acidentais, no ser humano, pelo contrário, não há relações subsistentes. Mas não poderemos abandonar o dualismo substância/acidente, e considerar que aquilo que nos dá alma, que nos dá vida, é a nossa experiência de relação interpessoal? Para os que acreditam que Deus estabelece uma relação pessoal com cada ser humano, porque não considerar que essa relação é subsistente, isto é, eterna, sem que para isso tenhamos que recorrer necessariamente ao conceito de substância? É evidente que esta nova perspectiva paradigmática onto-epistemológica parte de um pressuposto antropológico muito diferente daquele que nos foi legado não apenas pela tradição aristotélico-tomista mas também pela modernidade. Em ambas as tradições, o ser humano é definido fundamentalmente pela sua estrutura ontológica e pelas suas competências epistemológicas e práticas, isto é, mais como indivíduo autónomo e racional do que como ser de relação. O tema do ser humano como ser-em-relação foi desenvolvido no século XX particularmente pelas correntes existencialistas e fenomenológicas. 19 Mas agora essa abordagem já não é realizada apenas no contexto do pensar filosófico como um domínio separado da ciência. Trata-se de uma abordagem que é hoje realizada no interior das próprias ciências cognitivas. Um novo paradigma emerge. Com efeito, recentes publicações sobre a empatia e a chamada perspectiva da segunda pessoa 20 (distinta quer da perspectiva da primeira pessoa, a da introspecção, quer da perspectiva da terceira pessoa, a científica) têm posto em evidência a importância central da relacionalidade como constituinte do ser humano. O que muda então se se definir o ser humano mais como ser-em-relação, isto é, como ser constituído por relações inter-subjectivas, do que como substância individual? Antes de mais, muda o conceito de corpo, o qual não pode ser considerado apenas na 19 Referi-me com algum desenvolvimento a este tema no ensaio Ética e identidade pessoal na perspectiva das ciências cognitivas in Brotéria 156: 2 (2003) Evan Thompson, Between Ourselves. Second-Person Issues in the Study of Consciousness, Thorverton: Imprint Academic, 2001.

9 9 sua dimensão biológica como se de uma simples substância individual se tratasse. Seria regressar a uma ontologia substancialista que se pretende superar. A dimensão relacional do corpo humano e de todas as suas capacidades, nomeadamente as de natureza neurobiológica, é que permite superar o simples ponto de vista individual e ver o ser humano como pessoa. Nesta perspectiva, domínios como a filosofia, a ética e a religião aparecem não pouco transformados, mas não no sentido proposto pelas ciências cognitivas que são, também elas, substancialistas, já que se baseiam num substancialismo de tipo neurobiológico. Muda também o conceito de alma e o correspondente conceito de imortalidade. Em diálogo com as ciências cognitivas, Warren Brown considera que a alma sendo uma dimensão da experiência humana, emerge da relacionalidade pessoal. 21 Além disso, a capacidade de relacionalidade pessoal pode, por seu lado, ser vista como uma propriedade emergente de determinadas competências cognitivas críticas. 22 Considerar a alma como propriedade emergente não significa necessariamente considerá-la como uma substância espiritual, nem sequer como um princípio substancial do corpo, à maneira de S. Tomás. Isso seria regressar aos dualismos onto-epistemológicos que se pretende hoje superar. É na relação com Deus que o autor vê a possibilidade de falar na imortalidade da alma, e não num seu espiritual de natureza substancial: Enquanto que a cognição contribui para (a emergência de) a alma, é, em última análise, o acto relacional de Deus que cria a alma em cada ser humano. 23 Não deixa de ser curioso constatar que esta perspectiva não é inteiramente nova nem específica do diálogo com as ciências cognitivas. Ela encontra-se, por exemplo, em textos mais alinhados com a tradição filosófico-teológica da Igreja Católica. Joseph Ratzinger, por exemplo, considera que ter alma espiritual significa exactamente ser objecto de um bem-querer especial, de um especial conhecimento e amor de Deus; ter uma alma espiritual denota: ser um ente chamado por Deus para o diálogo eterno e, por isso, estar em condições de conhecer Deus e de responder-lhe. 24 Por conseguinte, a imortalidade concebida pela Bíblia não é fruto da própria capacidade daquilo que, por si mesmo, é indestrutível, mas da participação no diálogo com o Criador... Trata-se de uma imortalidade dialógica. 25 É verdade que Ratzinger não recusa a perspectiva substancialista, mas não deixa de ser significativa a análise que o autor faz da alma e da sua imortalidade em termos relacionais no contexto da historicidade do ser humano, uma perspectiva que para ele parece ser complementar da primeira. 6. As ciências cognitivas contra o ser humano? Depois de tudo o que ficou dito, parece lícito perguntar: estarão as ciências cognitivas contra o ser humano, desenhando um futuro em que a sua dignidade acabará por desaparecer completamente? Patricia Churchland não o crê. Pelo contrário, acredita que estas ciências nos ajudarão a compreender o mesmo ser humano de uma forma mais objectiva e profunda. Os que supõem que a ciência e o humanismo devem estar necessariamente em conflito, afirma a 21 Warren Brown, Cognitive contributions to soul, in Warren Brown et al., Whatever Happened to the Soul? Scientificand Theological Portraits of Human Nature, Minneapolis: Fortress Press, 1998, p Ibid., p Ibid., p Inseri na citação a expressão entre parêntesis. 24 Joseph Ratzinger, Introdução ao Cristianismo, S. Paulo: Herder, 1970, pp Ibid., pp

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

Avaliação em filosofia: conteúdos e competências

Avaliação em filosofia: conteúdos e competências Avaliação em filosofia: conteúdos e competências Desidério Murcho Universidade Federal de Ouro Preto desiderio@ifac.ufop.br 1 Immanuel Kant O jovem que completou a sua instrução escolar habituou- se a

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

A origem dos filósofos e suas filosofias

A origem dos filósofos e suas filosofias A Grécia e o nascimento da filosofia A origem dos filósofos e suas filosofias Você certamente já ouviu falar de algo chamado Filosofia. Talvez conheça alguém com fama de filósofo, ou quem sabe a expressão

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR

ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR Claudio C. Conti www.ccconti.com Congresso Espiritismo 150 de O Evangelho Segundo o Espiritismo ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR Como funcionamos A mente é a ferramenta para compreender questões que transcendem

Leia mais

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA Fernando Pessoa FILOSOFIA FILOSOFIA Se há um assunto eminentemente filosófico é a classificação das ciências. Pertence à filosofia e a nenhuma outra ciência. É só no ponto de vista mais genérico que podemos

Leia mais

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural CONHECIMENTO DA LEI NATURAL Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural O que é a Lei Natural? Conceito de Lei Natural A Lei Natural informa a doutrina espírita é a

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

George Kelly (1905-1967) 11 - Kelly. Ponto de Partida. Kelly. O Realismo de Kelly. Universo de Kelly. Estágio Curricular Supervisionado em Física I

George Kelly (1905-1967) 11 - Kelly. Ponto de Partida. Kelly. O Realismo de Kelly. Universo de Kelly. Estágio Curricular Supervisionado em Física I 11 - Kelly George Kelly (1905-1967) Estágio Curricular Supervisionado em Física I www.fisica-interessante.com 1/33 www.fisica-interessante.com 2/33 Kelly Ponto de Partida formou-se em Matemática e Física

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Como surgiu o universo

Como surgiu o universo Como surgiu o universo Modelos para o universo Desde os tempos remotos o ser humano observa o céu, buscando nele pistas para compreender o mundo em que vive. Nessa busca incansável, percebeu fenômenos

Leia mais

UM JEITO DE AMAR A VIDA

UM JEITO DE AMAR A VIDA UM JEITO DE AMAR A VIDA Maria do Carmo Chaves CONSCIÊNCIA DO MUNDO FICHA TÉCNICA EDIÇÃO: Vírgula (Chancela Sítio do Livro) TÍTULO: Um jeito de amar a vida AUTORA: Maria do Carmo Chaves (escreve de acordo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA CIENTÍFICA A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA CIENTÍFICA ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO Introdução O que é Pesquisa O que é Ciência Definições Ciência e Tecnologia Categorizações Ciência e eu QUAL O CURSO? Diante das várias possibilidades

Leia mais

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA Dado nos últimos tempos ter constatado que determinado sector da Comunidade Surda vem falando muito DE LIDERANÇA, DE ÉTICA, DE RESPEITO E DE CONFIANÇA, deixo aqui uma opinião pessoal sobre o que são estes

Leia mais

Será que doses elevadas de creatina "atrasam o início clínico" da doença de Huntington? Porquê a creatina?

Será que doses elevadas de creatina atrasam o início clínico da doença de Huntington? Porquê a creatina? Notícias científicas sobre a Doença de Huntington. Em linguagem simples. Escrito por cientistas. Para toda a comunidade Huntington. Será que doses elevadas de creatina "atrasam o início clínico" da doença

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO Adriano Duarte Rodrigues Nesta última sessão do nosso curso, vou tentar esboçar algumas das mais importantes implicações

Leia mais

Educação familiar e escolar para o terceiro milênio. nosso tema

Educação familiar e escolar para o terceiro milênio. nosso tema Prefácio As pessoas já têm mil noções feitas bem antigas! com relação à palavra educação. Os pais e a escola têm de ensinar para as crianças, em palavras e só com palavras, quase tudo sobre os conhecimentos

Leia mais

I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS

I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS A principal preocupação de Descartes, diante de uma tradição escolástica em que as espécies eram concebidas como entidades semimateriais, semi-espirituais, é separar com

Leia mais

ÉTICA E CIÊNCIA: CONFLITO OU CONSENSO? Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera 2012

ÉTICA E CIÊNCIA: CONFLITO OU CONSENSO? Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera 2012 ÉTICA E CIÊNCIA: CONFLITO OU CONSENSO? Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera 2012 1 2 USO DE ANIMAIS ESTÁ CERCADO DE : aspectos emocionais questões religiosas dilemas morais aspectos culturais influenciado

Leia mais

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Sumário Introdução 1 Desenvolvimento. 1 1. O Conhecimento.. 2 2. A sensação e percepção... 3 3. Kant e o conhecimento como actividade construtiva

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

Uma globalização consciente

Uma globalização consciente Uma globalização consciente O apelo a uma globalização mais ética tornou se uma necessidade. Actores da globalização como as escolas, devem inspirar por estes valores às responsabilidades que lhes são

Leia mais

ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO

ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO Considera-se como fundador da psicologia moderna Wilhelm Wundt, por ter criado, em 1879, o primeiro laboratório de psicologia na universidade de Leipzig, Alemanha. A psicologia

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento. UNESP de Marília.

Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento. UNESP de Marília. 1 Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento UNESP de Marília. Pontos principais do texto: HJØRLAND, B. Towards a Theory of Aboutness, Subject, Topicality, Theme, Domain, Field,

Leia mais

O QUE É A METAFÍSICA?

O QUE É A METAFÍSICA? Álvaro de Campos O QUE É A METAFÍSICA? O QUE É A METAFÍSICA? Na opinião de Fernando Pessoa, expressa no ensaio «Athena», a filosofia isto é, a metafísica não é uma ciência, mas uma arte. Não creio que

Leia mais

5910224 Evolução dos Conceitos da Física FFCLRP USP Prof. Antônio C. Roque - Origem

5910224 Evolução dos Conceitos da Física FFCLRP USP Prof. Antônio C. Roque - Origem A Origem do Pensamento Científico O ser humano levou milhões de anos para evoluir até o estado atual. Essa evolução levou ao aparecimento de capacidades artísticas, religiosas e científicas na mente humana,

Leia mais

Portadores. Luz. Por Neale Donald Walsch. Autor de Conversando com Deus

Portadores. Luz. Por Neale Donald Walsch. Autor de Conversando com Deus Portadores da Luz Por Neale Donald Walsch Autor de Conversando com Deus Em memória de Francis H. Treon um Futzu (Mestre) em Gohn Dagow (uma clássica, chinesa, suave, monacal forma de autodesenvolvimento)

Leia mais

A Busca. Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas. Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas. encontrar uma trama em comum?

A Busca. Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas. Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas. encontrar uma trama em comum? A Busca Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas em livros e filmes podemos encontrar uma trama em comum? Alguém, no passado, deixouse

Leia mais

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO Unidade I PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO EDAAPRENDIZAGEM APRENDIZAGEM Prof. Wanderlei Sergio da Silva Conceito PDA estudo sobre o crescimento mental do indivíduo, desde o nascimento até a adolescência;

Leia mais

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5)

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA Assim: 9; com ref. às fontes: 12-13 EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Autores: André Sequeira 1º - A1 20110039 João Almeida 1º - A1 20110309

Leia mais

Deus criou o universo do nada! E o ponto de partida é:

Deus criou o universo do nada! E o ponto de partida é: Aula 1 18/02/2015 Deus criou o universo do nada! E o ponto de partida é: No principio, criou Deus os céus e a terra (Gn 1.1) O verbo hebraico bãrã, criou, denota o conceito de iniciar alguma coisa nova.

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

Tipos de Conhecimento

Tipos de Conhecimento Conhecer = incorporação de um conceito novo ou original sobre algo (fato ou fenômeno) CONHECIMENTO surge: de experiências acumuladas na vida cotidiana; de relacionamento interpessoais; de outros instrumentos

Leia mais

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas José Eduardo Borges de Pinho Ecumenismo: Situação e perspectivas U n i v e r s i d a d e C a t ó l i c a E d i t o r a L I S B O A 2 0 1 1 Índice Introdução 11 Capítulo Um O que é o ecumenismo? 15 Sentido

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera

Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera 1 Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera USO DE ANIMAIS ESTÁ CERCADO DE : aspectos emocionais questões religiosas aspectos culturais dilemas morais 2 INFLUÊNCIADO POR: filósofos cientistas protetoras meio

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO Texto: Apocalipse 22:1-2 Então o anjo me mostrou o rio da água da vida que, claro como cristal, fluía do trono de Deus e do Cordeiro, no meio da RUA principal da cidade. De

Leia mais

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin Pesquisa Científica e Método Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin A Pesquisa e o Metodo Cientifico Definir modelos de pesquisa Método, entre outras coisas, significa caminho para chegar a um fim ou pelo qual

Leia mais

Rita FigueiRas * O seu mais recente livro, publicado em 2004, intitula-se Taking Journa- lism Seriously

Rita FigueiRas * O seu mais recente livro, publicado em 2004, intitula-se Taking Journa- lism Seriously Comunicação & Cultura, n.º 4, 2007, pp. 177-183 Entrevista a Barbie Zelizer Rita Figueiras * Barbie Zelizer é uma das mais notáveis investigadoras da actualidade na área do jornalismo e cultura. É professora

Leia mais

Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1

Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1 Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1 Monica Aiub filósofa clínica e-mail: monica_aiub@uol.com.br Vendo o que não se vê, tema do Congresso, suscita, imediatamente, a pergunta: o que se vê e

Leia mais

OS SABERES DOS PROFESSORES

OS SABERES DOS PROFESSORES OS SABERES DOS PROFESSORES Marcos históricos e sociais: Antes mesmo de serem um objeto científico, os saberes dos professores representam um fenômeno social. Em que contexto social nos interessamos por

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica.

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. António Mora PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. Uma metafísica é um modo de sentir as coisas esse modo de

Leia mais

Parece-me importante ter em conta a concomitância destes três factores, mas:

Parece-me importante ter em conta a concomitância destes três factores, mas: CRISE E TRANSFORMAÇÃO INTRODUÇÃO Como indivíduo, sociedade, civilização e ecossistema, estamos em tempos de crise e, portanto, de mudança. Procurando identificar os principais agentes desta mudança actualizo

Leia mais

Na classificação dos sistemas filosóficos...

Na classificação dos sistemas filosóficos... Fernando Pessoa Na classificação dos sistemas filosóficos... Na classificação dos sistemas filosóficos temos a considerar duas coisas: a constituição do espírito e a natureza da ideação metafísica. O espírito

Leia mais

Recomendação Inicial

Recomendação Inicial Recomendação Inicial Este estudo tem a ver com a primeira família da Terra, e que lições nós podemos tirar disto. Todos nós temos uma relação familiar, e todos pertencemos a uma família. E isto é o ponto

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo

O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo 2010 Parece, a muitos de nós, que apenas, ou principalmente, o construtivismo seja a ideia dominante na Educação Básica, hoje. Penso, ao contrário, que, sempre

Leia mais

filosofia contemporânea

filosofia contemporânea filosofia contemporânea filosofia contemporânea carlos joão correia 2015-2016 o 1ºSemestre Pensa que tem livre-arbítrio? Não sei, realmente não sei. E a razão pela qual não sei é que eu não sei o que significa

Leia mais

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO: AUGUSTO COMTE RESUMO. sociologia. Comte, como pai da sociologia positivista adquiriu conhecimento dedicando ao

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO: AUGUSTO COMTE RESUMO. sociologia. Comte, como pai da sociologia positivista adquiriu conhecimento dedicando ao 1 O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO: AUGUSTO COMTE Rosemary Dias Ribeiro Rodrigues 1 RESUMO Desenvolveu o Positivismo corrente sociológico, é um dos fundadores da sociologia. Comte, como pai da sociologia positivista

Leia mais

COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO 1. Artur Polónio CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA

COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO 1. Artur Polónio CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA 1 Artur Polónio Índice 1. O que é um ensaio filosófico? 2. O que se espera que um estudante mostre ao escrever um ensaio? 3. Como escolher o título do ensaio? 4. Como se prepara um ensaio? 5. Como se deve

Leia mais

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado A pesquisa e o tema da subjetividade em educação Fernando Luis González Rey 1 A subjetividade representa um macroconceito orientado à compreensão da psique

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

CRIACIONISMO E EVOLUCIONISMO

CRIACIONISMO E EVOLUCIONISMO CRIACIONISMO E EVOLUCIONISMO INTRODUÇÃO Síntese sobre a Teoria da Evolução Química. Criacionismo (fundamentado na fé e na religião). É a primeira explicação para perguntas sobre a origem do Universo, da

Leia mais

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus 5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus Através do estudo dos evangelhos é possível captar elementos importantes da psicologia de Jesus. É possível conjeturar como Jesus se autocompreendia. Especialmente

Leia mais

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Aula Expositiva pelo IP.TV Dinâmica Local Interativa Interatividade via IP.TV e Chat público e privado Email e rede

Leia mais

Grice, o que é dito e o que é comunicado

Grice, o que é dito e o que é comunicado Grice, o que é dito e o que é comunicado Referências: Grice, Paul, Logic and conversation, in Studies in the Way of Words, Cambridge (Mas.), Harvard University Press, 1989, pp 22-40. Grice, Paul, Meaning,

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Roteiro 31. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas

Roteiro 31. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Roteiro 31 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Objetivos Explicar a abrangência da Teoria dos valores e sua evolução histórica Analisar

Leia mais

A Curva Normal Luiz Pasquali

A Curva Normal Luiz Pasquali Capítulo 3 A Curva Normal Luiz Pasquali 1 A História da Curva Normal A curva normal, também conhecida como a curva em forma de sino, tem uma história bastante longa e está ligada à história da descoberta

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A palavra liderança é uma palavra grávida, tem vários significados. Desde os primórdios dos tempos a humanidade vivenciou exemplos de grandes líderes. Verdadeiros

Leia mais

Ana Paula de Souza João Paulo Gonzaga Kelly Cristina Miquelino Jugeick Educação Matemática

Ana Paula de Souza João Paulo Gonzaga Kelly Cristina Miquelino Jugeick Educação Matemática Ana Paula de Souza João Paulo Gonzaga Kelly Cristina Miquelino Jugeick Educação Matemática Relações/interações que envolvem a triade aluno - professor saber matemático Eixo fundamental : transformação

Leia mais

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados ÁREA A DESENVOLVER Formação Comercial Gratuita para Desempregados Índice 8. Sobre nós 7. Como pode apoiar-nos 6. Datas de realização e inscrição 5. Conteúdos Programáticos 4. Objectivos 3. O Workshop de

Leia mais

Teologia e Prática da Espiritualidade. Unidade 01: Espiritualidade e espiritualidades. Introdução

Teologia e Prática da Espiritualidade. Unidade 01: Espiritualidade e espiritualidades. Introdução Teologia e Prática da Espiritualidade Unidade 01: Espiritualidade e espiritualidades Introdução Esta primeira unidade se trata de uma tentativa de encontrar definições possíveis para a espiritualidade,

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS

KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS Gustavo Leal - Toledo 1 RESUMO Pretende-se mostrar, neste trabalho, que a Exposição Metafísica não depende da Exposição Transcendental nem da geometria euclidiana.

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

Parece claro que há uma, e uma só, conclusão a tirar destas proposições. Esa conclusão é:

Parece claro que há uma, e uma só, conclusão a tirar destas proposições. Esa conclusão é: Argumentos Dedutivos e Indutivos Paulo Andrade Ruas Introdução Em geral, quando se quer explicar que géneros de argumentos existem, começa-se por distinguir os argumentos dedutivos dos não dedutivos. A

Leia mais

Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Conhecimento e Ciência: tipos de conhecimentos Professora: Sueli Andrade Disciplina: Metodologia do Trabalho Científico Ciência e Conhecimento

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Caminhando Com as Estrelas

Caminhando Com as Estrelas Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Com Alessandra França e Jaqueline Salles Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Aula 1 Com Alessandra França Temas: O Reino dos Céus

Leia mais

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão Chegar a acordo sobre definições de qualquer tipo pode ser uma tarefa de pôr os cabelos em pé, e um desperdício de tempo. Normalmente requer compromissos por parte

Leia mais

POR UMA ESCOLA DE QUALIDADE: O DESFAZER DOS MITOS

POR UMA ESCOLA DE QUALIDADE: O DESFAZER DOS MITOS POR UMA ESCOLA DE QUALIDADE: O DESFAZER DOS MITOS Ramiro Marques Portugal tem conhecido, nos últimos 25 anos, um conjunto de inovações educativas de carácter contraditório mas que têm em comum, além de

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

VOLUNTARIADO E CIDADANIA

VOLUNTARIADO E CIDADANIA VOLUNTARIADO E CIDADANIA Voluntariado e cidadania Por Maria José Ritta Presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional do Voluntário (2001) Existe em Portugal um número crescente de mulheres e de

Leia mais

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes:

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes: Teoria Geral de Sistemas Uma introdução As Teorias Clássicas (Administração Científica e Teoria Clássica), a Abordagem Humanística (Teoria das Relações Humanas), a Teoria Estruturalista e a Teoria da Burocracia

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades Como vimos na unidade anterior, é próprio do homem buscar e produzir conhecimento para tentar melhorar sua realidade. Portanto,

Leia mais

Conceitos de Identidade Relação "eu" e "outro" Para Vygotsky

Conceitos de Identidade Relação eu e outro Para Vygotsky FAMOSP - FACULDADE MOZARTEUM DE SÃO PAULO PEDAGOGIA - 1 o SEMESTRE PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO Conceitos de Identidade Relação "eu" e "outro" Para Vygotsky Deyse Maria Souza Almeida Eliete Pereira Nunes

Leia mais

As religiões na escola

As religiões na escola G E R A Ç Õ E S E V A L O R E S Estudos As religiões na escola Se a escola tem por missão colaborar na formação integral do aluno, então não pode ignorar nenhuma das suas dimensões específicas, sob pena

Leia mais

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia Mário Pinto Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia 1. O funcionamento da organização sindical portuguesa é muito frequentemente qualificado de deficiente. Excluindo afirmações de circunstância,

Leia mais

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913 Rudolf Steiner Londres, 2 de Maio de 1913 O Mistério do Gólgota é o mais difícil de se compreender de todos os Mistérios, mesmo para aqueles que alcançaram um estágio avançado no conhecimento oculto. Entre

Leia mais