Sensing Spaces: Architecture Reimagined A Exposição de Arquitetura em Amanda Saba Ruggiero

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sensing Spaces: Architecture Reimagined A Exposição de Arquitetura em 2014. Amanda Saba Ruggiero"

Transcrição

1 Sensing Spaces: Architecture Reimagined A Exposição de Arquitetura em 2014 Amanda Saba Ruggiero

2 Ana Neiva Sensing Spaces: Architecture Reimagined A Exposição de Arquitetura em 2014 Ana Neiva Arquitecta, pela Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto, em 2007, é actualmente assistente convidada da UC de História da Arq. Antiga e Medieval, na mesma instituição. Desenvolve investigação de Doutoramento intitulada Curadoria de Arquitetura Contemporânea. Portugal fora (e dentro) de Portugal, na FAUP. Em paralelo, tem desenvolvido, individualmente e em colaboração, atividade pratica profissional. É jurada do Concurso Madrid Digital Arts Museum Competition. Resumo Na senda do repto lançado pelo IV Seminário Internacional de Museografia e Arquitetura de Museus, pela celebração do centenário de nascimento de Lina Bo Bardi e Lygia Martins Costa, propomos um pequeno contributo à discussão da experimentação museográfica contemporânea realizada especialmente no âmbito da Exposição de Arquitetura. Partindo de duas exposições produzidas e desenhadas por Lina Bo Bardi para o SESC Pompeia Mil brinquedos para a criança brasileira (1982/83) e Entreato para crianças de 1985 procuraremos refletir sobre a recente exposição Sensing Spaces: Architecture Reimagined, patente na Royal Academy of Arts, em Londres, entre 25 de Janeiro e 06 de Abril de A valorização da experiência espacial e o caráter lúdico e interativo que estas exposições encerram é o paralelismo primeiro e mais evidente entre os dois trabalhos de Lina e a exposição que nos propomos escalpelizar. Utilizaremos estes último caso para refletir sobre a relação entre a arquitetura como conteúdo, e a arquitetura do contentor: binómio que não é estranho à condição de Lina nas intervenções referidas. Simultaneamente discutir-se-á a dimensão cultural, em particular evidência nesta última exposição, procurando avaliar os diferentes entendimentos propostas / recepção crítica dos trabalhos apresentadas, relacionando Cultura e Exposições, conexão incontornável na análise que construímos. In the sequence of the change presented by the VI Museology and Museum Architecture International Seminar, celebrating the centenary of the birth of Lina Bo Bardi and Lygia Martins Costa, 2

3 Sensing Spaces: Architecture Reimagined - A Exposição de Arquitetura em 2014 we propose a humble contribution to the discussion of experimentation on modern museology held with special focus on architecture exhibition. Abstract Starting from the two exhibitions produced by Lina Bo Bardi for SESC Pompeia Mil brinquedos para a criança brasileira (1982/83) and Entreato para crianças in 1985 as base points, we will study the recent exhibition Sensing Spaces: Architecture Reimagined, held in the Royal Academy of Arts in London, from the 25th of January to Abril 6th, The value of spatial experience and its interactiveness, as well as ludic aspect of these exhibitions is the most evident and primer parallel between the two Lina Bo Bardi s works and the exhibition we propose to scalp. We will approach these last cases to reflect about the relation between architecture as content and architecture as container: this binomial isn t a strange concept in the mentioned interventions from Bo Bardi. Simultaneously, we will discuss its cultural dimension, and by focusing on this last exhibition, we will seek different perspectives/considerations proposals/critic reception - of the presented works, relating Culture and Exhibitions, which is a unavoidable relationship in our analysis. Metodologia Tomando como central o catálogo da exposição Sensing Spaces: Architecture Reimagined onde encontramos o texto introdutório de Kate Goodwin Curator s Preface, e uma série muito interessante de entrevistas conduzidas pela curadora aos arquitetos participantes, será possível estabelecer relações de proximidade e confronto entre as posições dos sete intervenientes sobre o modo como se expõe arquitetura, a pertinência deste tipo de instalações espaciais, a relação da experiência sensorial com a produção de espaços, etc., trazendo alguma luz a este já longo debate. É neste contexto, controverso, de personagens e posicionamentos divergentes, onde se jogam e se discutem soluções alternativas para os mesmos problemas 1, que procuraremos pesar as razões envolvidas, numa ambiciosa tentativa de formular uma síntese 2 e trazer alguma luz a esta discussão. Partimos das considerações de Paulo Tunhas, na leitura de Fernando Gil, sobre o 1 GIL. Fernando, Mimésis e negação, Lisboa: IN/CM, 1984, p.462 apud TUNHAS, Paulo, Fernando Gil e a controvérsia. Revista Portuguesa de História do Livro e da Edição Ano X, nº19, 2006, p Idem, p

4 Ana Neiva problema da controvérsia, na legitimação do seu contributo não contingente, mas estrutural para a construção do conhecimento 3. Deste modo, identificámos como matéria de análise, além do catálogo já referido, os conteúdos veiculados na imprensa escrita e digital, dentro e fora de portas, que escalpelizaremos do seguinte modo: as notícias produzidas pelo jornalismo associado a publicações generalistas, os artigos de opinião e/ou crítica contidos nas publicações generalistas já apontadas e os textos críticos disciplinares disponíveis em publicações especializadas. A natureza (nacionalidade, formação ou atividade profissional) dos seus autores arquitetos, curadores e críticos de arte, possibilitará desdobrar os vários enfoques sobre o problema, particularmente neste caso em que se identifica uma expressiva diferenciação cultural dos agentes envolvidos. Sensing Spaces and How to Reimagine Architecture Produzida pela curadora Kate Goodwin, a exposição Sensing Spaces: Architecture Reimagined, reúne um conjunto de sete arquitetos do circuito internacional alargado, que embora não sejam representação exaustiva de todos os continentes, aportam consideráveis diferenças culturais que reforçam a diversidade das propostas apresentadas. Do Oriente Asiático chegam Kengo Kuma (Japão) e Li Xiadong (China) e da América do Sul os chilenos Pezo von Ellrichshausem. De África, mais concretamente do Burkina Faso, Diébédo Francis Kéré; ficando a Europa representada por quatro arquitetos: da Irlanda, a dupla Grafton Architects e de Portugal, os Pritzkers, Álvaro Siza Vieira e Eduardo Souto de Moura. A intenção da exposição é clara, tal como é postulado por Christophe Le Brun, presidente do Royal Academy of Arts, no texto que abre o catálogo: redefinir o que é que uma exposição de arquitetura pode ser (...) oferecendo aos visitantes a oportunidade de se envolverem diretamente com a arquitetura, experienciando-a através dos seus corpos e sentidos 4. Este ponto de partida é reforçado no Prefácio da curadora Kate Goodwin onde se acentua o propósito de questionar a capacidade que uma exposição de arquitetura poderá ter no realce das sensações de se habitar um espaço construído 5, indo além da consideração da componente puramente visual e da resolução das questões funcionais, elementos dominantes na disciplina. Além deste envolvimento com os visitantes, Goodwin espera que esta exposição 3 A primacial justificação da controvérsia reside no seu contributo não contingente, mas estrutural para a construção do conhecimento. Idem, p LE BRUN, Christophe President s Foreword, in Sensing Spaces, catálogo da exposição, GOODWIN, Kate (curator), London: Royal Academy of Arts, 2014, p GOODWIN, Kate Curator s Preface, Ibidem, p

5 Sensing Spaces: Architecture Reimagined - A Exposição de Arquitetura em 2014 possa, permitir-nos encontrar mais prazer nos espaços que habitamos e quiçá aumentar a nossa consciência do domínio sensorial da arquitetura e, assim, incentivar a criação de ambientes construídos mais gratificantes 6. Daqui se depreende uma vontade de alcançar um público alargado, através da valorização da experiência e, simultaneamente, contribuir para a discussão e problematização intradisciplinar. Fleur Watson, no seu artigo Beyond Art, The Challenge of Exhibiting Architecture 7, estabelece três estratégias curatoriais que permitem resumir as principais tendências verificadas nas práticas expositivas em arquitetura: Record, Research, Reflect. Não estamos, evidentemente, na presença de um exemplo que proponha Registar (Record) um determinado percurso autoral (individual ou coletivo), ou fixar uma determinada realidade específica, com o objetivo de construir história. Assinalamos, pelo contrário, uma vontade de construir conhecimento, futuro, numa atitude Investigativa (Research), e que parte precisamente do testar de ambientes físicos, construídos, a partir da produção de instalações. Aqui, a discussão disciplinar faz-se à ilharga de questões económicas, sociais ou políticas, debruçando-se particularmente sobre o valor cultural [da arquitetura] e a capacidade [desta] oferecer a possibilidade de uma experiência transcendental 8. Esta experimentação não pode deixar de ser considerada Reflexiva (Reflect) já que convoca um conjunto de arquitetos em torno de um mesmo tema o que, de certo modo, é também o propulsor deste ensaio pela possibilidade de avaliar as contaminações, paralelismos e confrontos das várias respostas. Sensing Spaces é, independentemente das repostas que viriam a dadas, um momento relevante na história das exposições de arquitetura, pela proposição que lhe está na origem. De facto, e apesar de se poder considerar já um século de exposições de Arquitetura tem-se assistdo a uma lenta evolução, particularmente em comparação com o campo da Arte. A passagem do caráter estrito de contentor para uma posição de conteúdo é um território em permanente exploração que questiona continuamente o problema da representação versus a necessidade sine qua non da experiência, em Arquitetura. Esta exposição, em 2014, não sendo absolutamente vanguardista no formato instalação é pioneira em alguns aspetos relevantes. 6 Idem, Ibidem. 7 WATSON. Fleur, Beyond Art, The Challenge of Exhibiting Architecture, disponível em consultado a 01 de Julho de LE BRUN, Christophe, Ibidem. 5

6 Ana Neiva Voltemos um pouco atrás, recuperando outros antecedentes deste tipo de discurso: em 1997, Daniel Libeskind instala a sua exposição monográfica Beyond the Wall 26.36º nas galerias do NAi Netherlands Architecture Institute [Figura.1]. Figura.1 Beyond the Wall 26,36º, Daniel Libeskind (http://static.nai.nl/libeskind/, consultado a 06 de Agosto de 14) A partir de um labirinto que ocupa e altera dramaticamente o hall de entrada do museu, os visitantes são encaminhados em direção às peças expostas ao longo das novas e reconfiguradas, paredes metálicos. A grande diferença passa, aqui, pela redefinição da envolvente em que os ortodoxos instrumentos de representação da arquitetura desenhos, maquetas, processo... são apresentados 9. As paredes brancas e não neutras do museu, são substituídas pela própria concepção espacial do autor o que alterará a legibilidade dos objetos expostos, contextualizando-os e, acreditamos nós, gerando um superior nível de atenção da experiência expositiva. O processo experimental associado a estas intervenções está igualmente presente em exemplos como os pavilhões temporários, presença constante em exposições internacionais de âmbito temático alargado, ou em ações mais específicas como The Serpentine Pavilion, em Londres, desde 2000, que patenteia o exemplo mais relevante deste formato. De facto, neste caso a experiência espacial continua a ser o principal, senão exclusivo, impulso. A exploração laboratorial de aspetos espaciais, formais ou concetuais é fomentada a partir do convite realizado por reconhecidos curadores a arquitetos mundialmente aclamados, que continuamente pressionam os limites da prática arquitetónica e que ainda não tiveram oportunidade de construir um edifício em Inglaterra Wandering through the corridors and paths of this labyrinth the visitor will come across models and drawings, which with the exhibition design itself will give an insight into the way of thinking and working of one of the major architects of the present international avantgarde in consultado a 01 de Julho de architects worldwide acclaim, who continue to press the boundaries of architectural practice and have not completed a building in England at the time of the Gallery s invitation, consultado a 01 de Julho de

7 Sensing Spaces: Architecture Reimagined - A Exposição de Arquitetura em 2014 O caráter experimental e investigativo da proposta da Royal Academy encontra-se aqui igualmente presente, porém com diferenças que podem ser relevantes. Por um lado, o contexto em que tem lugar o Hide Park na proximidade à centenária Serpentine Gallery muito diferente do isolamento das galerias de um museu, por outro, a simultaneidade que uma mostra coletiva garante, permite uma discussão tendencialmente mais densa e reflexiva, que uma sequência anual como a que a Serpentine oferece. And the nominees are... A exposição coletiva de Goodwin convoca sete arquitetos de proveniências distintas, definindo uma matriz que coloca o core da exposição a partir da interação de tês fatores: a natureza física dos espaços, a nossa percepção sobre eles e a sua capacidade evocativa 11. Os seus diferentes entendimentos sobre o modo como a arquitetura pode ir além das preocupações práticas e funcionais, alcançando o espírito humano 12, são explorados a partir das questões levantadas entre os limites entre Arte e Arquitetura, [e] as qualidades humanas do espaço 13 e postos em relação. Deste modo, surgem instalações que se alinham entre propostas objetuais de filiação escultórica -, evocativas e mais simbólicas, e outras que partem do exacerbar de determinados efeitos espaciais ou de releituras do espaço onde se inserem, testando continuamente a interação entre o construído e os visitantes. A partir do hall octogonal da Burlington House, e sem uma sequência de espaços prédeterminada, os visitantes experienciam as diferentes instalações que lhes colocam desafios profundamente variados. A ligação ao espaço da galeria é evidente em todas as propostas. Os projetos são pensados in-situ na relação com as preocupações dominantes no modo de pensar destes arquitetos. Kengo Kuma e Li Xiaodong procuram destacar o lado sensitivo, de tradição cultural oriental, onde o olfato e o tacto são trazidos a uma consciência experiencial maior. Reduzindo a luminosidade ao mínimo, encaminhando os visitantes entre duas salas de aromas libertados por uma leve estrutura de bambu, Kuma [Figura 2] procura mostrar que a arquitetura não é apenas sobre experiência física 11 GOODWIN, Kate, Ibidem. 12 Idem, Ibidem. 13 their work raises intriguing questions about the boundaries between art and architecture, the human qualities of space, traduzido livremente de LE BRUN, Christophe President s Foreword, in Sensing Spaces, catálogo da exposição, GOODWIN, Kate (curator), London: Royal Academy of Arts, 2014, p.33. 7

8 Ana Neiva e efeitos visuais, colocando os outros sentidos em segundo plano 14, e entende esta exposição como uma oportunidade para gerar novas tendências de projeto que façam a arquitetura entrar num modo mais sensual 15. Do mesmo modo Xiaodong [Figura 3] coloca o ênfase no modo como ativamos a consciência da experiência corporal, tornando os sentidos alerta. Figura 2 Instalação de Kengo Kuma (http://www.metalocus.es/content/en/system/files/file-images/metalocus_kengo- Kuma1_09_1024.jpg, consultado a ) Figura. 3 Instalação de Li Xiadong (http://happyfamousartists.com/wordpress/wp-content/uploads/2014/01/sensing- Spaces.jpg, consultado a ) we should be able to show that architecture is no longer just about physical presence and visual effects with other senses as secondary elements. Exhibitions can provide opportunities to hint at the new tide for design and i predict that architecture will soon move into a more sensual mode traduzido livremente de KUMA, Kengo, Interview in Sensing Spaces, catálogo da exposição, GOODWIN, Kate (curator), London: Royal Academy of Arts, 2014, p we should be able to show that architecture is no longer just about physical presence and visual effects with other senses as secondary elements. Exhibitions can provide opportunities to hint at the new tide for design and i predict that architecture will soon move into a more sensual mode traduzido livremente de KUMA, Kengo, Interview in Sensing Spaces, catálogo da exposição, GOODWIN, Kate (curator), London: Royal Academy of Arts, 2014, p

9 Sensing Spaces: Architecture Reimagined - A Exposição de Arquitetura em 2014 Numa proposição contrastante encontramos a proposta dos Grafton Architects, [Figura 4] que explora fundamentalmente a manipulação da luz e da sombra, procurando ativar imaginação e memória e instalando mecanismos capazes de amplificar a variação natural da luz por oposição ao segundo espaço onde a matéria e a gravidade são exploradas numa atitude de escavação contrastantes com a suspensão dos leves painéis do primeiro espaço. Para a dupla de arquitetas irlandesas, Sensing Spaces é uma chance de descrever uma experiência espacial utilizando luz, em vez de palavras 16. Figura 4 Instalação, em duas salas, de Grafton Architects (http://www.beonliest.com/magazine/wp-content/uploads/2014/ 03/ss68.jpg e consultado a ) Vinda do outro lado do atlântico, outra dupla coloca a sua intervenção ao fundo de uma das maiores galerias do museu. Aqui o espaço é lido diferentemente e articula-se, numa mesma peça tal como definido pelos arquitetos. A ambiguidade de um objeto de grande escala, colocado autonomamente no espaço, sem sugerir atravessamento, numa primeira leitura, fazem com que a proposta dos arquitetos chilenos, Pezo von Ellrichshausem [Figura 5], possa ser vista como a mais intrigante. As dualidades exploradas em muitas das salas da exposição, utilizando o contraste como meio de colocar em evidência as diferenças, aqui são interpretadas em corte e implicam a experimentação do objeto para que sejam compreendidas. Através do interior dos quatro grandes pilares que suportam a plataforma quadrangular superior, é possível subir-se ao nível superior do objeto e a partir daí ter uma visão completamente diferente do espaço da galeria. 16 GRAFTON Architects, Interview in Sensing Spaces, catálogo da exposição, GOODWIN, Kate (curator), London: Royal Academy of Arts, 2014, p

10 Ana Neiva As considerações sensoriais, em exploração noutras propostas, como o tacto ou o olfato, são aqui traduzidas pela consciência corporal da subida, realizada num espaço confinado e preenchido pelo intenso odor a madeira que constrói o objeto e que agudiza o suspense para o novo ponto de vista que se terá no final do percurso. Figura 5 Instalação de Pezo von Ellrichshausem (http://image.digitalinsightresearch.in/uploads/imagelibrary/designcurial/sspve072.jpg, consultado a ) O objeto um statement em si mesmo, algo mais próximo da arte do que da ciência ou da tecnologia, na verdade, a sua proposta ambiciona trazer gravidade como um facto arquitetónico, produzir sensações de quietude e nostalgia, na crença de que um edifício é simultaneamente uma construção física e intelectual, através de uma gramática formal que não reconhece referências diretas e que tem como último objetivo uma ideia de intemporalidade 17. Outro manifesto resultante de uma preocupação simbólica maior, do que a mera experienciação sinestésica, será a proposta participada de Diébédo Francis Kéré [fig.6], arquiteto sediado em Berlim e natural do Burkina Faso onde desenvolve grande parte da sua prática arquitetónica. Kéré valoriza o tacto enquanto sensor que se prende com um sentido de substância e confiança e a Arquitetura enquanto espaço de encontro e partilha onde o primordial é o utilizador. O que é suposto acontecer neste espaço? Como posso responder às necessidades dos utilizadores? 18 são as questões que fundamentam as suas propostas arquitetónicas. No RA, propõe uma estrutura que é simultaneamente uma alusão à arquitetura participada, completada através da interação dos 17 PEZO VON ELLRICHSAUSEN, Interview in Sensing Spaces, catálogo da exposição, GOODWIN, Kate (curator), London: Royal Academy of Arts, 2014, p KÉRÉ, Diébédo Francis Interview in Sensing Spaces, catálogo da exposição, GOODWIN, Kate (curator), London: Royal Academy of Arts, 2014, p

11 Sensing Spaces: Architecture Reimagined - A Exposição de Arquitetura em 2014 utilizadores, plus uma oportunidade para testar novos materiais. A referência cultural trazida pelo material utilizado, plástico é outro dos dados surpreendentes desta proposta. Para um arquiteto com uma paleta de materiais autóctones dos espaços onde atua, tendencialmente naturais, o shift que a opção pelo plástico permite, gera um integração que vai além de uma proposta site-specific, na forma, para propor uma interpretação profundamente simbólica. Figura 6 Instalação de Diébédo Francis Kéré (http://www.notanottinghillmum.co.uk/wp-content/uploads/2014/02/img_2691.jpg, consultado a ) Os arquitetos portugueses são entre todos, os mais objetuais, não representando por isso um despreendimento do sítio em que intervêm. A partir de elementos fundamentais da construção vão e coluna - Álvaro Siza e Souto de Moura parecem, ironicamente, em linha com o proposto por Koolhas na edição da Bienal de Arquitetura de Veneza deste ano. A capacidade de reinterpretação do sítio, tão caraterística da nossa especificidade arquitetónica verifica-se aqui de um duplo modo. Souto de Moura [Figura 7], replica dois dos vãos interiores do museu introduzindo uma nova direccionalidade provocada pela rotação; evidencia a pré-existência ao duplica-la e atribui-lhe um sentido contemporâneo ao questionar o material em que se constrói. Mais poético e interpretativo do que à primeira vista pode parecer, num contexto em que a supresa e o inesperado na sucessão espacial é tónica dominante, Soutro de Moura não define a sua instalação como Arquitetura, antes é um reflexo da arquitetura 19, cruzando Clássico e Moderno e colocando no futuro a compreensão das motivações que o terão levado a esta proposta. 19 SOUTO DE MOURA, Eduardo, Interview in Sensing Spaces, catálogo da exposição, GOODWIN, Kate (curator), London: Royal Academy of Arts, 2014, p

12 Ana Neiva A intervenção de Álvaro Siza [Figura 8] surge, como é afirmado por ambos nos textos do catálogo da exposição, pelo diálogo com a proposta de Souto de Moura. Siza, que reforça a ideia de que fazer arquitetura significa começar com o que está no sitio A coluna desconstruída que propõe, em três momentos, no pátio de entrada da Burlington House, é o resultado de uma leitura espacial e de uma intenção de introduzir uma surpresa. A escala [do pátio] é mais doméstica do que monumental, mas a fachada do edifício com o seu pórtico e as suas colunas, mais brancas do que o resto da pedra -, têm uma presença muito forte. A minha primeira reação foi de quase pânico quando pensei no que fazer. Então depois emergiu a ideia da coluna e imaginei que poderia fazer uma instalação que evocasse o nascimento da coluna 20. A cor com que as adjetiva terá surgido do amarelo dos London BUS e a vontade de que os visitantes ativem a memória para procurar uma relação entre ambas as propostas de Siza e Souto é uma intencionalidade expressa. Figura. 7 Instalação de Eduardo Souto de Moura (http://farm8.staticflickr.com/7428/ _da12df6ac4_z.jpg, consultado a ) 20 SIZA, Álvaro, Interview in Sensing Spaces, catálogo da exposição, GOODWIN, Kate (curator), London: Royal Academy of Arts, 2014, p

13 Sensing Spaces: Architecture Reimagined - A Exposição de Arquitetura em 2014 Figura 8 Instalação de Álvaro Siza Vieira (http://static.dezeen.com/uploads/2014/01/sensing-spaces_dezeen_17.jpg, consultado a ) And the winner is... Avaliando as reviews e as reportagens dos principais periódicos e imprensa especializada que dedicou alguns carateres a este evento, é possível medir o pulso à reação do público e dos pares (entre críticos e arquitetos) aos projetos apresentados. A partir da bibliografia enunciada foi permitido determinar alguns padrões, confrontos e a reunião de consensos em torno de algumas propostas. Salientamos antes de tudo uma grande discrepância de sentido crítico e do rigor da escrita entre as reviews de jornais britânicos, quando comparados com o Semanário Sol ou o Jornal Público, em Portugal, ou com o over critic das publicações francesas e espanholas. Como seria espectável, os artigos nacionais votam especial atenção a Álvaro Siza e Souto de Moura, com textos construídos em torno das entrevistas que ambos concederam a Kate Goodwin. Não identificamos textos críticos em publicações especializadas, o que não deixa de ser um dado relevante, e salientamos a omissão crítica relativamente ao conceito expositivo ou aos restantes participantes, contida nos jornais que analisámos. Resumidamente, o Semanário Sol lê a importância do país se fazer representar pelos seus dois Pritzkers, o que torna a exposição relevante para nós é que Portugal é o único país a ter dois representantes, que são também os únicos arquitectos presentes vencedores de prémios Pritzker: Álvaro Siza Vieira e 13

14 Ana Neiva Eduardo Souto de Moura 21, enquanto que o Jornal Público, num artigo de Isabel Salema, se limita a citar continuamente Souto de Moura. As opiniões dos críticos do El Mundo, em Espanha, e do Le Mond, em França, (curiosamente, afins no título) são, à semelhança do que já tinha acontecido a propósito da Trienal de Lisboa Close, Closer, em 2013, as mais ácidas e demolidoras. Mantém um registo opinativo mais evidente do que uma apreciação global e um caráter informativo, o que seria natural em publicações desta natureza. Sobre Siza, Concha Rodríguez escreve: Álvaro Siza, no pátio exterior quase passa despercebido com três colunas amarelas 22. O homónimo jornal francês sintetiza as intervenções minimalistas e simbólicas portuguesas com a seguinte frase, que expressamente citaremos no original: Signification du geste de Siza-Moura? Esotérique, pédante ou nulle 23. A crítica gaulesa é alargada à própria asserção curatorial que, aliás, condena duramente, apontando a total rutura [da arquitetura] com noções de estilo, escola ou tendência, [definindo] um jogo sem regra, sem objetivo e sem função. Mais acrescenta: Doravante, só importa o jogo, feliz ou infeliz. Apenas se impõe o horizonte da escultura como o maior denominador comum. O século XXI começa com um estrondo de puro formalismo. Será necessário um desastre ou um renovado otimismo? 24. Mais informadas e detalhados serão os textos da imprensa britânica, como The Guardian, The Independent ou The Telegraph. Assinados por críticos de arte, colunistas frequentes nestas publicações, estes textos refletem sobre as diferentes propostas apresentadas e, antes disso, sobre a pergunta Como expor Arquitetura?. Para Ellis Woodman (The Telegraph), Sensing Spaces é a mais ambiciosa exposição de arquitetura que a RA produziu até hoje, [e] oferece uma resposta ousada a essa pergunta 25, elegendo como as melhores propostas, aquelas que se relacionam com o edifício. Para a crítica do The Independent, está exposição é sobre o poder da arquitetura moldar inclusive ditar as 21 MIGUEL, Telma Experimentar a Arquitetura em Londres, in Jornal Sol, edição de RODRÍGUEZ, Concha Escala 1:1, in El Mundo, edição de EDELMANN, Frédéric L'architecture, un jeu sans enjeu, in Le Monde, , edição online, disponível em consultado a 01 de Julho de Idem, Ibidem. 25 WOODMAN, Ellis, Sensing Spaces: Architecture Reimagined, Royal Academy, review, in The Telegraph, , edição digital disponível em consultado a 30 de Junho de

15 Sensing Spaces: Architecture Reimagined - A Exposição de Arquitetura em 2014 nossas emoções 26, e Rowan Moore (pelo The Guardian) vai mais longe e adjetiva de heróico o projeto que coloca a experiência no centro das atenções: é um memorando sobre as propriedades fundamentais da arquitetura colocadas em evidência. Sensing spaces têm as suas fragilidades e alguns momentos desajeitados, mas cumpre uma tarefa que é muito importante que se cumpra 27. Para estes três críticos que, de um modo irónico, indicamos como representantes do prémio do público o óscar da categoria Surpresa vai para a dupla de arquitetos chilenos, como a instalação melhor sucedida no aspeto lúdico, de efeito surpresa, levantando questões espaciais, de escala e posicionamento no espaço, de relação com o contexto, que confronta o visitante axialmente mal se entra na galeria (...) transformando-se numa máquina de descobrir espaço 28. No entanto o prémio da categoria Poesia, provavelmente o mais valorizdo, é atribuído à sucessão espacial proposta por Grafton Architects a poética luz/sombra, vazio / matéria conquista os periódicos britânicos: Grafton installation is perhaps my favourite. It is a poetic feat (Zoe Pilger), The best installation is the last one, by Yvonne Farrell and Shelley McNamara of Dublin firm Grafton (Rowan Moore). Surpreendentemente quando analisados, em paralelo, os artigos de título especializados como Architectural Record, Uncube Magazine ou The Architectural Review o prémio do Jurí da Academia, desloca-se dos nomeados anteriores criadores de espacialidades fortes, em grande escala, e onde a surpresa da experiência é expressiva para a valorização dos aspetos simbólicos e evocativos. Por outras palavras, Siza e Souto de Moura, incompreendidos pela imprensa generalista internacional, são agora levados em braços: Nada nesta exibição é tão maravilhoso quanto a African rock carrying sequence nem não sábio quanto a observação codificada de Álvaro Siza (...) o gesto expositivo de Siza: cujo amarelo não se voltará a encontrar no Norte da Europa, uma coluna caída, um fuste, um capitel. Podem chamar-se como se quiser, mas ficarão gravados na mente 29. O 26 PILGER, Zoe Sensing Spaces: Architecture Reimagined, review: 'A terrific show that leaves you at peace, in The Independent, (edição digital disponível em entertainment/art/reviews/sensing-spaces-architecture-reimagined-review-a-terrific-show-that-leaves-you-at-peace html, consultado a 01 de Julho de 2014) 27 MOORE, Rowan Sensing Spaces: Architecture Reimagined review, in The Guardian, , (edição digital, disponível em consultado a 01 de Julho de 2014). 28 PILGER, Zoe, Ibidem. 29 Nothing in this show is as wondrous as the African rock carrying sequence, and nothing so wise as Alvaro Siza s encapsulations of his welll ived observations (...) it was wonderful to walk back into Piccadilly past Siza s expository concrete gesture: a yellow whose equal you will never find in Northern Europe, a fallen column, a post, a lintel, a capital. Call them what you will, but they will stay in your mind s eye, traduzido livremente de WENTWORTH, Richard Sensing 15

16 Ana Neiva particular entendimento de Siza nesta exposição o único arquiteto com uma instalação fora do museu, atingiu o maior objetivo desta exposição : trazer as qualidades experimentais da arquitetura à superfície 30. A premissa colocada por Goodwin, no texto de abertura do catálogo, que justifica a eleição dos sete arquitetos convocados, pelo modo como os seus edifícios se encontram encontrados às paisagens urbanas e naturais onde se inserem e pelas relações que estabelecem com as culturas e tradições que os envolvem 31, encontrou reflexo na construção das suas propostas que, mais além da exacerbação sinestésica e experiencial, não deixaram o seu entendimento sobre o mundo, a história e o passado numa proposição experimental de presente e futuro da arquitetura e da sua comunicação. Spaces at the Royal Academy, in Architectural Review, , (edição digital, disponível em consultado a 01 de Julho de 2014). 30 MORRIS, Ali Exhibition Review: Sensing Spaces at London's Royal Academy of Arts, in ArchRecord, (edição digital disponível em Spaces-at-Londons-Royal-Academy-of-Arts.asp, consultado a 01 de Julho de 2014) 31 GOODWIN, Kate, Ibidem. 16

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

Paula Almozara «Paisagem-ficção»

Paula Almozara «Paisagem-ficção» Rua da Atalaia, 12 a 16 1200-041 Lisboa + (351) 21 346 0881 salgadeiras@sapo.pt www.salgadeiras.com Paula Almozara «Paisagem-ficção» No âmbito da sua estratégia internacional, a Galeria das Salgadeiras

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 associação cultural sem fins lucrativos Rua Roberto Ivens, 582 4450-248 Matosinhos. Portugal T + 351 222 404 663/4 www.casadaarquitectura.pt info@casadaarquitectura.pt RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 ENQUADRAMENTO

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Natureza e Sociedade na parte 1 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Natureza e Sociedade na O eixo de trabalho Natureza e Sociedade

Leia mais

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica João Luiz F. Azevedo Apresentação preparada como parte do processo de seleção do Reitor do ITA São José dos Campos, 23 de outubro de 2015 Resumo da

Leia mais

ARTEBR EXPOSIÇÃO LUGARES

ARTEBR EXPOSIÇÃO LUGARES ARTEBR EXPOSIÇÃO LUGARES A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte e educação,

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC ENTREVISTA MUSEO DE ARTE LATINOAMERICANO DE BUENOS AIRES MALBA FUNDACIÓN CONSTANTINI Entrevista realizada com a educadora Florencia González de Langarica que coordenou o educativo do Malba até 2012, concedida

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

Aula 2: Projeto de pesquisa

Aula 2: Projeto de pesquisa 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 2: Projeto de pesquisa 1 O projeto de pesquisa O projeto de pesquisa é a base da organização do seu trabalho de pesquisa. Ao elaborar o projeto você organiza suas

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA

SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA Gestão de Carreira Gestão de Carreira é um dos temas que mais ganhou destaque nesta última década,

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO 14.6.2014 PT Jornal Oficial da União Europeia C 183/5 Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados Membros, reunidos no Conselho, de 20 de maio de 2014, sobre um Plano de Trabalho

Leia mais

Conceito de pesquisa

Conceito de pesquisa Conceito de pesquisa A pesquisa e uma atividade voltada para a solução de problemas, através do emprego de procedimentos científicos. Seus elementos são: 1. Problema ou dúvida 2. Metodo científico 3. Resposta

Leia mais

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Henrique Innecco Longo e-mail: hlongo@civil.ee.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas Escola de Engenharia,

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO TRIÉNIO 2014-2016

PLANO ESTRATÉGICO TRIÉNIO 2014-2016 PLANO ESTRATÉGICO TRIÉNIO 2014-2016 MENSAGEM INICIAL Assimilar um saber, um conteúdo, uma praxis em Terapia da Fala é uma condição sine quo non para que haja uma base científica. Contudo, esta base de

Leia mais

REGULAMENTO GERAL COMISSÃO ORGANIZADORA PATROCINADOR DE OURO CO-FINANCIAMENTO PATROCINADOR DE PRATA

REGULAMENTO GERAL COMISSÃO ORGANIZADORA PATROCINADOR DE OURO CO-FINANCIAMENTO PATROCINADOR DE PRATA REGULAMENTO GERAL COMISSÃO ORGANIZADORA PATROCINADOR DE OURO CO-FINANCIAMENTO PATROCINADOR DE PRATA PNAM REGULAMENTO GERAL VALORES E NORMAS REGULAMENTARES GERAIS DO 1. ORIGEM, OBJETIVOS E PERIODICIDADE

Leia mais

Capítulo 1. Introdução

Capítulo 1. Introdução Capítulo 1 Introdução 1.1. Enquadramento geral O termo job shop é utilizado para designar o tipo de processo onde é produzido um elevado número de artigos diferentes, normalmente em pequenas quantidades

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

definição de tendências e percepção da arte

definição de tendências e percepção da arte JOSEPH BEUYS definição de tendências e percepção da arte JOSEPH BEUYS DEFINIÇÃO DE TENDÊNCIAS E PERCEPÇÃO DA ARTE JOÃO GASPAR TEORIA E HISTÓRIA DA CRÍTICA DE ARTE II CIÊNCIAS DA ARTE E DO PATRIMÓNIO 2014-15

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

agenda de novembro Feltros do mundo. Arquitecturas de cabeça

agenda de novembro Feltros do mundo. Arquitecturas de cabeça agenda de novembro Feltros do mundo. Arquitecturas de cabeça :: EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS Feltros do Mundo. Arquitecturas de Cabeça Inserida no âmbito das actividades promovidas em S. João da Madeira a propósito

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina

O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina Informação 8 de Fevereiro de 2011 Campanha institucional do grupo Portucel Soporcel arranca hoje O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina Arranca hoje a nova campanha institucional

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL 1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR REGISTO DE OBSERVAÇÃO / AVALIAÇÃO Nome Data de Nascimento / / Jardim de Infância de Educadora de Infância AVALIAÇÃO

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

visão O ICCo acredita na arte como elemento chave transformador da sociedade contemporânea.

visão O ICCo acredita na arte como elemento chave transformador da sociedade contemporânea. visão O ICCo acredita na arte como elemento chave transformador da sociedade contemporânea. Pretende ser um elo de referência entre o artista, o público e importantes instituições nacionais e internacionais.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ COLEGIADO DE BIOLOGIA EaD LICENCIATURA EM BIOLOGIA EaD

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ COLEGIADO DE BIOLOGIA EaD LICENCIATURA EM BIOLOGIA EaD UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ COLEGIADO DE BIOLOGIA EaD LICENCIATURA EM BIOLOGIA EaD ATIVIDADE INTEGRADORA ASSOCIADA A PRÁTICA DE ENSINO Módulo IV Desenvolvimento e Crescimento Estudo do desenvolvimento

Leia mais

Faculdade Campo Limpo Paulista. Projeto Práticas de Letramento 2013

Faculdade Campo Limpo Paulista. Projeto Práticas de Letramento 2013 Faculdade Campo Limpo Paulista Projeto Práticas de Letramento 2013 Fernando Roberto Campos fevereiro de 2013 I Apresentação O projeto Práticas de Letramento é realizado na Faccamp desde 2009, tem como

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE INVESTIGADOR/A DOUTORADO/A EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

CONTRATAÇÃO DE INVESTIGADOR/A DOUTORADO/A EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CONTRATAÇÃO DE INVESTIGADOR/A DOUTORADO/A EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS a. Descrição do Concurso: O Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra, Laboratório Associado (LA) por contrato assinado

Leia mais

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória Vinicius Borges FIGUEIREDO; José César Teatini CLÍMACO Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual FAV/UFG viniciusfigueiredo.arte@gmail.com

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

URBANISMO 2 2012 / 1 TRABALHO PRÁTICO. Tancredo Neves. Resumo bibliografia básica

URBANISMO 2 2012 / 1 TRABALHO PRÁTICO. Tancredo Neves. Resumo bibliografia básica URBANISMO 2 2012 / 1 TRABALHO PRÁTICO Estudo da COHAB Tancredo Neves Resumo bibliografia básica No livro Introdução ao Desenho Urbano no Processo de Planejamento de Vicente Del Rio (1990), o desenho urbano

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

Feiras, pavilhões e exposições

Feiras, pavilhões e exposições Feiras, pavilhões e exposições 2 Experiente e confiável. Estandes de feiras e exposições, pavilhões e eventos temporários -a experiência de inúmeros projetos nos torna parceiros confiáveis, que dá aos

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO

ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO Considera-se como fundador da psicologia moderna Wilhelm Wundt, por ter criado, em 1879, o primeiro laboratório de psicologia na universidade de Leipzig, Alemanha. A psicologia

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO

REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO COMISSÃO ORGANIZADORA PATROCINADOR DE OURO CO-FINANCIAMENTO PATROCINADOR DE PRATA PNAM REGULAMENTO ESPECÍFICO NORMAS REGULAMENTARES DA 3.ª EDIÇÃO DO Nos termos dos Valores e normas

Leia mais

Comunicação à 1ª secção

Comunicação à 1ª secção Comunicação à 1ª secção Denomina-se Ordem dos Advogados a associação pública representativa dos licenciados em Direito que, em conformidade com os preceitos deste Estatuto e demais disposições legais aplicáveis,

Leia mais

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas PENSAR O LIVRO 6 Fórum Ibero-americano sobre o livro, a leitura e as bibliotecas na sociedade do conhecimento Junho 2009 Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA ARTE - TURMA 2015 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DOS CURSOS Arte

Leia mais

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS Constantemente, somos bombardeados por incontáveis conteúdos visuais. Imagens ilustram websites, redes sociais, folders,

Leia mais

TEMPLATE PARA CASO ESTILO EXEMPLO

TEMPLATE PARA CASO ESTILO EXEMPLO TEMPLATE PARA CASO ESTILO EXEMPLO (INSERIR LOGO DA EMPRESA) TÍTULO: Subtítulo Preparado por Insira seu nome aqui, da ESPM-insira aqui a sua unidade SP, RJ ou RS. Recomendado para as disciplinas de: escreva

Leia mais

COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO 1. Artur Polónio CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA

COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO 1. Artur Polónio CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA 1 Artur Polónio Índice 1. O que é um ensaio filosófico? 2. O que se espera que um estudante mostre ao escrever um ensaio? 3. Como escolher o título do ensaio? 4. Como se prepara um ensaio? 5. Como se deve

Leia mais

Lição 5. Instrução Programada

Lição 5. Instrução Programada Instrução Programada Lição 5 Na lição anterior, estudamos a medida da intensidade de urna corrente e verificamos que existem materiais que se comportam de modo diferente em relação à eletricidade: os condutores

Leia mais

REGULAMENTO. Ideias de Pedra. Concurso de Ideias Criativas (de negócios, de produto ou serviço) em Pedra Natural

REGULAMENTO. Ideias de Pedra. Concurso de Ideias Criativas (de negócios, de produto ou serviço) em Pedra Natural REGULAMENTO Ideias de Pedra Concurso de Ideias Criativas (de negócios, de produto ou serviço) em Pedra Natural 1. Âmbito O presente regulamento estabelece um conjunto de normas para a realização do Concurso

Leia mais

Será considerado também: A informação contida no texto de apresentação do trabalho. O relato autobiográfico do autor como informação complementar.

Será considerado também: A informação contida no texto de apresentação do trabalho. O relato autobiográfico do autor como informação complementar. Por favor, leia estas bases antes de iniciar o processo de inscrição. Se necessitar de informação ou esclarecimento adicional nos escreva por meio do endereço: premioroche@fnpi.org 1. Prêmio O é uma iniciativa

Leia mais

Grupo de Trabalho Português para o Investimento Social

Grupo de Trabalho Português para o Investimento Social Grupo de Trabalho Português para o Investimento Social Resumo da primeira reunião da Equipa de Trabalho 2 Capacitação das organizações para o impacto e investimento social Contacto para questões sobre

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

TEMÁRIO PROVISÓRIO ANOTADO

TEMÁRIO PROVISÓRIO ANOTADO Distr. LIMITADA LC/L.3659(CRM.12/2) 2 de agosto de 2013 PORTUGUÊS ORIGINAL: ESPANHOL Décima Segunda Conferência Regional sobre a Mulher da América Latina e do Caribe Santo Domingo, 15 a 18 de outubro de

Leia mais

Press Release 21 de junho de 2013

Press Release 21 de junho de 2013 Press Release 21 de junho de 2013 O Instituto Sacatar tem a satisfação de anunciar a chegada de um novo grupo de seis artistas premiados, cada um, com um período de residência de oito semanas de duração

Leia mais

Sumário executivo. From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento

Sumário executivo. From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento Access the complete publication at: http://dx.doi.org/10.1787/9789264175877-pt Sumário executivo

Leia mais

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI).

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI). A Produção de pesquisas sobre Educação dos Programas de Pós-graduação (Mestrados e Doutorados) cadastrados na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações BDTD. Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI),

Leia mais

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS.

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. Amanda Cristina de Sousa amandita_badiana@hotmail.com E.M. Freitas Azevedo Comunicação Relato de Experiência Resumo: O presente relato trata da

Leia mais

Regulamento Programa de bolsas de residência artística. Escultura Design de equipamento Espaço público. Produção Apoio Estrutura Financiada por

Regulamento Programa de bolsas de residência artística. Escultura Design de equipamento Espaço público. Produção Apoio Estrutura Financiada por Formas e Técnicas na Transição Resgate, Mudança, Adaptação, Construção, Simbiose, Regeneração, Estrutura, Diversidade, Especificidade, Desenvolvimento, Identidade, Informação, Lugar Regulamento Programa

Leia mais

Na introdução o aluno deverá explicar o assunto que deseja desenvolver. Situar o tema dentro do contexto geral da sua área de trabalho

Na introdução o aluno deverá explicar o assunto que deseja desenvolver. Situar o tema dentro do contexto geral da sua área de trabalho PROJETO DE PESQUISA INTRODUÇÃO (O QUE É O TEMA?) Na introdução o aluno deverá explicar o assunto que deseja desenvolver. Desenvolver genericamente o tema Anunciar a idéia básica Delimitar o foco da pesquisa

Leia mais

RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA

RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA Participantes: Dr. Roberto Simões, presidente do CDN (Conselho Deliberativo Nacional) e Dr. Carlos Alberto dos Santos, Diretor Técnico do Sebrae Nacional. Objetivo:

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

ultimate design and technology.

ultimate design and technology. ultimate design and technology. -- Do it or do not. There is no try. yoda, 1980 4 DIGITAL IMPULSE DIGITAL IMPULSE 5 estas são as nossas raízes. -- Quando dizemos que somos de um sítio, o verbo não poderia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A MATERIALIZAÇÃO

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ZERO Instruções REDAÇÃO Você deve desenvolver seu texto em um dos gêneros apresentados nas propostas de redação. O tema é único para as três propostas. O texto deve ser redigido em prosa. A fuga do tema

Leia mais

Entrevista sobre o Programa Pica

Entrevista sobre o Programa Pica Entrevista sobre o Programa Pica Ficha de Identificação Nome: Artur Ribeiro Cargo/Função: Co-Argumenista Programa: Pica Questões 1. Qualidade - Na sua opinião, o que pode ser considerado qualidade em televisão

Leia mais

Resposta à consulta pública ao projecto de decisão sobre preço praticado pela PT Comunicações no âmbito da TDT (MUX A)

Resposta à consulta pública ao projecto de decisão sobre preço praticado pela PT Comunicações no âmbito da TDT (MUX A) Resposta à consulta pública ao projecto de decisão sobre preço praticado pela PT Comunicações no âmbito da TDT (MUX A) Como o blogue TDT em Portugal já afirmou, desde há 20 anos que a televisão portuguesa

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula OFICINA SEMIPRESENCIAL O(S) USO(S) DE DOCUMENTO(S) DE ARQUIVO NA SALA DE AULA ALUNA: Alcinéia Emmerick de Almeida / Núcleo de Ação Educativa - APESP SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula TEMA:

Leia mais

ARTEBR EXPOSIÇÃO DE FERNANDO VILELA CIDADES GRÁFICAS

ARTEBR EXPOSIÇÃO DE FERNANDO VILELA CIDADES GRÁFICAS ARTEBR EXPOSIÇÃO DE FERNANDO VILELA CIDADES GRÁFICAS A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais

Ivo Poças Martins, Fevereiro 2007. Texto da proposta seleccionada do concurso Intervenções na Cidade Trienal de Arquitectura de Lisboa

Ivo Poças Martins, Fevereiro 2007. Texto da proposta seleccionada do concurso Intervenções na Cidade Trienal de Arquitectura de Lisboa Ivo Poças Martins, Fevereiro 2007 Texto da proposta seleccionada do concurso Intervenções na Cidade Trienal de Arquitectura de Lisboa Praça de Espanha www.pocasmartins-seabra.com ( 1 ) ( 2 ) Com a União

Leia mais

O QUE É UMA EXPOSIÇÃO?

O QUE É UMA EXPOSIÇÃO? O QUE É UMA EXPOSIÇÃO? O que torna as exposições diferentes entre si? O que torna as exposições diferentes entre si? Local da exposição? Num parque Sob céu aberto... Num Museu... No corredor de um Shopping...

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. RESUMO Nós, jovens brasileiros, é uma continuidade do conhecido Este jovem brasileiro, sucesso do portal por 6 edições consecutivas.

Leia mais

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo RELATÓRIO DE ARTES 1º Semestre/2015 Turma: 7º ano Professora: Mirna Rolim Coordenação pedagógica: Maria Aparecida de Lima Leme 7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo Sinto que o 7º ano

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa G eoff Rees Be neat h t he re ef, 199 2, s er igr af i a Fot o: Fau st o Fleur y O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Com as proposições didáticas sugeridas, espera-se que os alunos possam

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DO

REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DO REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DO Considerando que Tem estado nas preocupações da COTEC Portugal a promoção de iniciativas que visam activamente a promoção de uma cultura empresarial inovadora;

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

ULisboa celebra 1.º ano da fusão mais "virada para o mundo", mas menos autónoma

ULisboa celebra 1.º ano da fusão mais virada para o mundo, mas menos autónoma ULisboa celebra 1.º ano da fusão mais "virada para o mundo", mas menos autónoma ULisboa celebra 1.º ano da fusão mais "virada para o mundo", mas menos autónoma Um ano depois da fusão, a nova e alargada

Leia mais

Entrevista com BPN Imofundos. António Coutinho Rebelo. Presidente. www.bpnimofundos.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com BPN Imofundos. António Coutinho Rebelo. Presidente. www.bpnimofundos.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com BPN Imofundos António Coutinho Rebelo Presidente www.bpnimofundos.pt Com quality media press para LA VANGUARDIA Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As respostas

Leia mais

Formação, Exercício e Compromisso Social

Formação, Exercício e Compromisso Social Formação, Exercício e Compromisso Social Antonio Francisco de Oliveira 1 Vice-Presidente do CAU/BR Coordenador da CEP-CAU/BR A Arquitetura e Urbanismo é, sem sombra de dúvida, uma das profissões cujo exercício

Leia mais

Como Eu Começo meu A3?

Como Eu Começo meu A3? Como Eu Começo meu A3? David Verble O pensamento A3 é um pensamento lento. Você está tendo problemas para começar seu A3? Quando ministro treinamentos sobre o pensamento, criação e uso do A3, este assunto

Leia mais

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin Pesquisa Científica e Método Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin A Pesquisa e o Metodo Cientifico Definir modelos de pesquisa Método, entre outras coisas, significa caminho para chegar a um fim ou pelo qual

Leia mais

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos INTERAÇÕES EM SALA DE AULA Autor: CARDON, Felipe Raskin Felipe Raskin Cardon 1 Resumo: Neste Estudo Piloto, relacionar-se-ão algumas citações do artigo A construção social da linguagem escrita na criança,

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

COMUNICADO DE IMPRENSA

COMUNICADO DE IMPRENSA COMUNICADO DE IMPRENSA Marketing digital, novo veículo para o spam Para uma onda de spam de conteúdo pornográfico, com mais de 5.000 bots activos, foram criados 250 novos bots por dia. Para algumas campanhas,

Leia mais