DEFESA DO CONSUMIDOR. formativo. Editorial A ACRA MELHOR IDENTIFICADA NA TERCEIRA. Tributo ao sentimento de família

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEFESA DO CONSUMIDOR. formativo. Editorial A ACRA MELHOR IDENTIFICADA NA TERCEIRA. Tributo ao sentimento de família"

Transcrição

1 26 anos ao serviço dos consumidores da Região Autónoma dos Açores 1 Tributo ao sentimento de família DEFESA DO CONSUMIDOR Editorial Uma família não é um grupo de parentes; é mais do que a afinidade do sangue, deve ser também uma afinidade de temperamento. Um homem de génio muitas vezes não tem família. Tem parentes. Fernando Pessoa N.º 60 - julho/2014 formativo boletim informativo da acra O centrar da discussão da problemática dos transportes a nível regional naquilo que são as especificidades arquipelágicas da região, tem feito a discussão focar-se quase em exclusivo nas realidades respeitantes aos transportes aéreos e marítimos. Não achamos que seja de descuidar esta vertente de discussão. Porém, o transporte terrestre é outra dimensão daquilo que é a oferta pública de serviço que permite a realização do direito de mobilidade ao cidadão em geral, garantindo os mínimos de igualdade de possibilidades de acesso ao essencial a nível de capacidade de deslocação. O Plano Integrado de Transportes, dado à estampa em fevereiro passado pelo Governo Regional, vai merecer-nos maior e mais detalhada análise. Mas, para já, fica, em jeito de introdução, o estudo que publicamos acerca desta matéria. A nossa técnica na Terceira inicia hoje a publicação de colaboração escrita com o BI que, a par das intervenções das técnicas de São Miguel, na Rádio local, enriquece o contributo da ACRA para a sempre mais importante tarefa de formação do consumidor e para o consumo. Finalmente, atenção às escolas da região para as ações de formação que ACRA se disponibiliza para realizar junto das comunidades educativas. Agradecemos ao Dr. Beja Santos mais uma preciosa colaboração com a recensão que quis partilhar com os leitores do BI da ACRA. A ACRA MELHOR IDENTIFICADA NA TERCEIRA

2 SEGUNDA PÁGINA 2 SUMÁRIO A ACRA EM AÇÃO: Melhor sinalização na Terceira facilita acesso à ACRA... 3 Ações de formação para as Escolas... 4 À ATENÇÃO DO CONSUMIDOR: A ECONOMIA COMPORTAMENTAL: O 6º princípio: As pessoas fazem cálculos errados quando tomam decisões... 5 O 7º princípio: As pessoas precisam sentir-se envolvidas, eficientes e válidas para fazerem uma mudança... 6 PALAVRA AOS TÉCNICOS: Segurança Alimentar e Saúde Pública RECENSÃO: A Primeira República Portuguesa : Finalmente, a reedição da melhor síntese da I República EM ESTUDO: MASSIFICAÇÃO, TRANSPORTES E MOBILIDADE Breve história do transporte e da mobilidade: O princípio: deslocação a pé ou com tração humana e animal...11 Carril: ganho em velocidade, conforto e vida útil dos equipamentos...12 O aparecimento do autocarro com tração mecânica...13 O comboio suburbano e o metropolitano...13 O aparecimento do carro...14 A bicicleta e a motorizada...15 Consequências dos transportes na evolução urbana Os transportes na Europa Os transportes em Portugal...20 Os transportes nos Açores...21 ÚLTIMA PÁGINA Direito a ser esquecido na NET

3 A ACRA EM AÇÃO 3 Melhor sinalização na Terceira facilita acesso à ACRA

4 A ACRA EM AÇÃO 4 Ações de formação para as Escolas SEMELHANÇA DO QUE TEM VINDO A SER FEITO nos anos anteriores, os técnicos da ACRA disponibilizaram-se para, durante o presente ano À letivo, percorrerem as escolas a orientar ações de formação com e para os alunos. Os temas a abordar serão os seguintes: Direitos dos Consumidores; Regime de Garantias; Crédito ao Consumo e sobreendividamento; Compra e Venda, Serviços Públicos Essenciais; Banca e Serviços Financeiros; Vendas à Distância; Higiene e Segurança Alimentar; Alimentação Saudável; Importância da Água; Consumo Ecológico. Deixar para muito tarde o contacto connosco pode significar falta de disponibilidade de agenda para conciliar uma deslocação nossa à sua escola. Por isso, contacte com a ACRA o mais breve possível para que tudo se possa agendar com tempo e a tempo. # Pode fazê-lo de três formas: por telefone, através do número (São Miguel), (Terceira) e (Faial) por , para os endereços ou indicando as datas preferidas imprimindo e preenchendo o formulário abaixo e enviando para a ACRA A Escola: Pessoa a contatar: Telefone / Telemóvel: Localidade: Pretende que sejam desenvolvidas para a sua comunidade educativa campanhas de sensibilização promovidas pela ACRA, apontando para tal como datas preferenciais as seguintes: Temas: ACRA - Associação de Consumidores da Região Açores Rua de São João, 33 1º A PONTA DELGADA

5 5 À ATENÇÃO DO CONSUMIDOR A ECONOMIA COMPORTAMENTAL O 6º princípio: As pessoas fazem cálculos errados quando tomam decisões. Somos naturalmente fracos em calcular algo, especialmente quando são probabilidades, e as nossas escolhas são fortemente influenciadas pelo modo como o problema nos é apresentado. Temos desvios internos de perceção da realidade que são comuns a todos nós: Relevância: nós sobrestimamos as probabilidades de algo que conseguimos facilmente imaginar - especialmente se for particularmente assustador como um acidente de avião ou particularmente excitante como ganhar a lotaria, ou acerca de algum acontecimento acorrido recentemente. Do mesmo modo, subestimamos as probabilidades de coisas que nos acontecem com relativa frequência. Desconto: muitas vezes subestimamos a importância ou relevância de algo que poderá acontecer num futuro distante. As nossas preferências são inconsistentes ao longo do tempo: se nos pedirem para executar uma tarefa maçadora que hoje demora cinco horas e amanhã demorará mais meia hora, nós preferimos adiá-la, ainda que isso nos custe mais trabalho maçador (no entanto se nos tivessem perguntado anteriormente qual a situação que iríamos escolher, optaríamos verbalmente por aquela que demorasse menos tempo). Isto porque as pessoas preferem a gratificação imediata sobre a recompensa no longo-prazo: é por isso que não conseguem fazer dieta ou realizar poupanças para a reforma. Enquadramento: se temos que optar entre duas situações, somos fortemente influenciados pela forma como estas nos são apresentadas: se uma aparenta uma situação de perda e a outra tem uma enquadramento neutro ou de possível ganho, nós evitamos imediatamente a primeira (ainda que as duas tenham um resultado matemático idêntico). Intuição: damos com facilidade respostas por intuição que podem estar erradas, mesmo para questões matemáticas muito simples. Mas se o resultado for realmente importante para nós, então provavelmente seremos mais capazes de assumir o compromisso de avaliar corretamente a situação e encontrar a resposta correta para ela. Erro Fundamental de Atribuição: gostamos de pensar que temos controlo sobre todas as situações, por isso quando acontece algo a alguém, frequentemente atribuímos a culpa do ocorrido a essa pessoa em vez de pensarmos que foi um incidente infeliz que aconteceu por acaso. Preço pode significar valor: em algumas situações, se não houver um preço a pagar, nós não as valorizamos suficientemente: num determinado país foi disponibilizado um curso gratuito sobre empreendedorismo social e ninguém se inscreveu. Três meses mais tarde foram abertas inscrições para o mesmo curso pelo valor de 2.500; foram recebidas vinte inscrições. O que diz a teoria económica neoclássica: As pessoas atuam de forma racional e lógica. Para além de terem à sua disposição toda a informação necessária, são totalmente capazes de efetuar cálculos complexos de forma a realizarem a escolha ótima relativamente às várias opções disponíveis. Por outras palavras, os desvios relativamente à realidade serão pouco significativos. O que diz a teoria da economia comportamental: Os psicólogos há muito que assumiram que as pessoas não fazem escolhas como a economia neoclássica pressupõe. Num estudo efetuado por Daniel Kanheman prémio Nobel em Economia, foi demonstrado que as pessoas utilizam regras simples e práticas para tomarem decisões e esse facto tem como resultado desvios internos relativamente à realidade. Quando se trata de políticas que envolvem incentivos ou desincentivo financeiros, os decisores políticos deverão ter em consideração que as pessoas utilizam a intuição para responder às mais diversas situações e que esse facto tem como resultado uma análise enviesada da realidade. Quando estão em causa punições para o não cumprimento das regras, a informação disponibilizada pelos decisores públicos deverá ir no sentido de despoletar nos transgressor o sentimento de que horror que é ser-se punido. Pelo contrário, se se pretender recompensar quem é cumpridor, deverá ser atribuída grande relevância à informação sobre tal facto; uma dada empresa quis recompensar os trabalhadores que não faltaram durante seis meses ao trabalho colocou os seus nomes num sorteio de um automóvel e de umas férias pagas, e encontrou assim uma forma muito interessante de reduzir drasticamente o absentismo diário.

6 6 À ATENÇÃO DO CONSUMIDOR A ECONOMIA COMPORTAMENTAL O 7º princípio: As pessoas precisam sentir-se envolvidas, eficientes e válidas para fazerem uma mudança. As pessoas detestam sentir-se desamparadas e descontroladas. Quando têm esse tipo de sentimentos sentem-se incapazes de fazer qualquer coisa para alterar a situação. No entanto, se sentirem que estão seguras da situação poderão facilmente ser motivadas para alterarem essa situação para melhor. Isto tem naturalmente implicações sobre as informações, decisões e importância da participação: excesso de informação pode conduzir a um sentimento de desamparo e de inação por exemplo, eu preocupo-me com o planeta e com a alteração climática, mas como é tudo tão complicado de resolver e eu não sei por onde começar, vou continuar a comportar-me como sempre fiz. demasiadas opções de escolha podem ter um efeito contraproducente porque nos sentimos completamente dominados por tanta informação e não sabemos o que escolher, acabando muitas vezes por nada decidir. Mesmo quando escolhemos algo, temos frequentemente um sentimento de insatisfação porque (pensamos nós) provavelmente fizemos a escolha errada. aproximação participativa para resolução de problemas pode ser altamente motivante e eficaz quando se trata de encorajar alterações de comportamento, para além de fazer as pessoas sentirem-se mais satisfeitas. O que diz a teoria económica neoclássica: As pessoas, racionalmente, fazem as melhores escolhas, dadas as suas preferências, independentemente de como estas lhes são apresentadas. Assim, mais informação e várias opções de escolha é sempre considerado eficaz. De acordo com esta teoria, os decisores políticos devem disponibilizar aos consumidores o máximo de informação e opções de escolha. O que diz a teoria da economia comportamental: Excesso de informação e demasiadas opções de escolha podem ter o efeito inverso de levar as pessoas a desresponsabilizar-se e a não tomarem qualquer decisão. Num estudo realizado por A. Bandura em 1977, ele concluiu que as nossas escolhas dependem do esforço que dedicamos à resolução de um assunto, do tempo que conseguimos persistir numa tarefa até desistirmos de a resolver e do modo como nos sentimos. O psicólogo S. Kaplan propôs um modo alternativo para levar as pessoas à resolução dos problemas com que se deparam a abordagem participativa: ele sugere que dizer às pessoas o que devem fazer é desmotivante, reduz a auto-eficiência e gera resistência mas proporcionar às pessoas a possibilidade de compreenderem os assuntos, de os explorarem e de participarem na sua resolução, tem como consequência o desenvolvimento de motivações poderosas como a competência e o sentimento de «se sentir necessário e fazer a diferença». Em síntese, a auto-eficácia das pessoas aumenta tal como a motivação para encontrarem e implementarem soluções i. e. para alterarem os seus comportamentos num sentido desejável. Os decisores políticos devem saber que, ao contrário do que é defendido pela teoria económica standard, demasiada informação ou opções de escolha tem um efeito contraproducente; devem por isso assegurar que os público-alvo de determinada política não são bombardeados com informação ou com extensos manuais de regulamentação. Devem estar conscientes de que os consumidores não querem necessariamente ter muitas opções de escolha mas querem sentir-se parceiros ativos na resolução dos problemas. A ênfase deve ser colocada no apoio às pessoas por forma a apreenderem que têm o poder de alterar os seus comportamentos para um modo mais desejável. As pessoas precisam sentir e interiorizar que os seus comportamentos são importantes e podem fazer a diferença.

7 PALAVRA AOS TÉCNICOS 7 Segurança Alimentar e Saúde Pública Ao longo dos tempos, podemos constatar que o Conceito de Segurança Alimentar (SA) tem vindo a ser alterado. Nos primórdios, a SA era definida como sendo a disponibilidade de alimentos que permitem a sobrevivência do Homem. Por volta dos anos 70, entendia-se por SA como o acesso de toda a população a comida suficiente, de forma a garantir uma vida saudável e produtiva. Posteriormente, esta definição foi alterada pela FAO, passando a incluir-se o valor nutricional dos alimentos e as preferências alimentares dos consumidores, sendo o conceito definido por: a SA existe quando toda a população, em qualquer altura, possui acesso económico e físico a alimentos seguros e nutritivos, e os quais vão ao encontro das suas necessidades de dieta e preferências, de forma a permitir uma vida activa e saudável. Joanna de Vasconcelos Franco Médica Veterinária Gabinete de Higiene e Segurança Alimentar da ACRA Delegação de Angra do Heroísmo (Intencionalmente este artigo não respeita o novo acordo ortográfico) Actualmente, o conceito de SA pressupõe que todos os géneros alimentícios sejam controlados ao longo de toda a cadeia alimentar do prado ao prato, ou seja desde o produtor primário até à venda ou fornecimento de géneros alimentícios. De acordo com o Regulamento n.º 178/2002, define-se por Género Alimentício: Qualquer substância ou produto, transformado ou não transformado, destinado a ser ingerido pelo ser humano ou com razoáveis probabilidades de o ser. Este termo abrange bebidas, pastilhas elásticas e todas as substâncias incorporadas. Não inclui alimentos para animais, animais vivos, plantas antes da colheita, medicamentos, tabaco. Todavia, nos últimos anos, observa-se que a SA passou a ser uma das principais preocupações da Saúde Pública, tanto a nível mundial como também a nível nacional. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), todos os anos milhões de pessoas são afectadas por doenças transmitidas pelos alimentos (DTA). Esta incidência, apesar de ser mais frequente em países em desenvolvimento, também ocorre em países mais ricos e desenvolvidos. Possivelmente devido à globalização do comércio internacional de alimentos e dos movimentos globais de pessoas, à transformação dos hábitos alimentares e de consumo, às alterações demográficas e sociais, bem como à degradação ambiental (Behrens et al., 2010). Assim sendo, a sociedade actual coloca à disposição dos consumidores uma enorme variedade e quantidade de alimentos, grande parte da qual processados industrialmente. Contudo, esta situação leva ao aparecimento de inúmeras preocupações relativas à SA dos produtos consumidos, nomeadamente com a sua contaminação que decorre da responsabilidade dos produtores, como também das técnicas de produção desenvolvidas e da responsabilidade dos consumidores que desconhecem as regras básicas de higiene e segurança na aquisição, conservação e processamento dos alimentos.

8 8 PALAVRA AOS TÉCNICOS Segurança Alimentar e Saúde Pública CONTAMINAÇÕES A QUE ESTÃO SUJEITOS OS ALIMENTOS DESTE MODO, existem diversos tipos de contaminações a que os alimentos podem estar sujeitos e que representam um risco elevado para a saúde pública, tais como (Bernardo, 2006): 1 Novas metodologias de produção animal e vegetal, com a utilização de promotores de crescimento (anabolizantes), cujos resíduos podem chegar a concentrações perigosas nos alimentos. 2 Uso generalizado de pesticidas, antibióticos, fertilizantes orgânicos dos solos ou mesmo aditivos alimentares. A crescente resistência dos microorganismos aos antibióticos (ex: estirpes de Salmonella multirresistentes a medicamentos) e mesmo às condições do meio ambiente podem dar origem a bactérias patogénicas mutantes de maior virulência. ACÇÃO DA ACRA 3 Persistência de parasitismo crónico nos animais camuflados pela utilização de medicamentos (ex: Trichinella; Toxoplasmose; Cisticercose). 4 - Aumento da população de risco e com deficiências no sistema imunitário (idosos, crianças, diabéticos, indivíduos transplantados ou submetidos a tratamentos de quimioterapia, SIDA). 5 A aquisição de novos hábitos de vida levou a que o consumidor tenha pouco tempo para preparar os seus alimentos, recorrendo com frequência aos pré-cozinhados ou prontos a cozinhar e à toma de refeições em unidades de restauração. Assim, uma falha nos cuidados de higiene ou diminuição na vigilância sanitária afecta um maior número de pessoas. TENDO EM conta esta problemática, o gabinete de Higiene e Segurança Alimentar da ACRA - ASSOCIAÇÃO DOS CONSUMIDORES DA REGIÃO AÇORES - tem como um dos seus objectivos a promoção de práticas educativas sobre higiene e SA que possam esclarecer os consumidores sobre os riscos das DTA e as suas consequências a nível de Saúde Pública. Assim sendo, de forma a reduzir os riscos associados às falhas na manipulação dos alimentos nas habitações, torna-se fundamental identificar quais os erros mais frequentes efectuados e, posteriormente, planear estratégias educacionais adequadas para os corrigir, através de programas de educação para a saúde. De igual modo, é necessário informar o consumidor final que, quando adquire um género alimentício, deverá ter a consciência que é o elo final de uma cadeia e como tal, também ele deverá estar alerta, de forma a cumprir com determinados procedimentos que possam contribuir para uma maior segurança no momento do consumo do género alimentício. BOAS PRÁTICAS POR PARTE DO CONSUMIDOR FINAL Assim sendo, o consumidor final deve, entre outros (ASAE, 2009): 1. Cumprir com o estipulado pelo produtor no que concerne à conservação do produto; 2. Armazenar adequadamente o produto, para que o mesmo não possa ser contaminado por outros alimentos e/ou utensílios; 3. Ter em conta a data de durabilidade mínima ou data limite de consumo; 4. Ter uma boa conduta de higiene, nomeadamente ao nível da lavagem das mãos e da higienização dos equipamentos e utensílios que contactam com o género alimentício; 5. Evitar contaminações cruzadas (por exemplo não utilizar a tábua de corte, na preparação dos produtos hortofrutícolas que vão ser consumidos crus, que antes servira para preparar carne e pescado, sem antes a higienizar correctamente); 6. Não utilizar os hortofrutícolas que se encontrem em latas opadas ou deformadas. Referências Bibliográficas: ASAE. (2009). Perfil de risco dos principais alimentos consumidos em Portugal. Autoridade de Segurança Alimentar e Económica. Behrens et al., 2010 Behrens, J. H.; Barcellos, M.N.; Frewer, L.J.; Nunes, T.P.; Franco, B.D.G.M.; Destro, M.T.; Landgraf, M. (2010). Consumer purchase habits and views on food safety: A Brazilian study. Bernardo F. (2006). Perigos sanitários nos alimentos. Revista Segurança e Qualidade Alimentar, (1): 6-8.

9 RECENSÃO 9 A Primeira República Portuguesa Por Beja Santos (Intencionalmente este artigo não respeita o novo acordo ortográfico) FINALMENTE, A REEDIÇÃO DA MELHOR SÍNTESE DA I REPÚBLICA EM BOA HORA se reeditou A Primeira República Portuguesa, um dos mais sugestivos trabalho desse grande historiador que foi A. H. de Oliveira Marques (Texto Editores, 2010). Esta admirável síntese apareceu em 1971, necessariamente que Oliveira Marques a pôde retocar depois do 25 de Abril, na segunda edição. Escreveu então, em 1975: Não se pode precisamente dizer que este livrinho fosse recebido na ponta das espadas, mas pouco faltou para tal. Da extrema-direita como a extrema- -esquerda mereceu as críticas mais demolidoras e ofensivas. Foi publicado um opúsculo exclusivamente consagrado a rebater muitas das suas hipóteses e a destruir algumas das suas conclusões. Numa livraria havida por progressista, o livro chegou a aparecer no painel das obras não recomendadas ao público pelo seu carácter reaccionário. Tudo isto porquê? Essencialmente, porque o livro tinha um carácter de imparcialidade, pouco consentâneo aos extremismos dialécticos da nossa triste época e do nosso pobre país. NÃO É A HISTÓRIA da I República sobre a qual se debruça Oliveira Marques, o que interessa ao historiador são aspectos de bastidor, a análise de estruturas de base e conjunturas menos conhecidas, tudo escrito para ser compreendido por um público medianamente instruído. É um contributo para essa República que durou 16 anos cuja história ainda tem muitas lacunas. MATÉRIAS SOBRE AS QUAIS SE DEBRUÇA O AUTOR VEJAMOS AS MATÉRIAS sobre que se debruça um investigador cujos trabalhos vão desde a Idade Média ao governo de Marcello Caetano. Seríamos cerca de 6 milhões no tempo da República Democrática Portuguesa, população já clivada entre a cidade e o campo, era sobretudo em Lisboa e Porto que o poder de compra e o índice de cultura se podia comparar aos de outros países do mundo civilizado. O autor observa: Isso explica que a história política de Portugal democrático fosse sobretudo a história política de Lisboa e Porto, isto é, a história de pouco de mais de um décimo da população do país dominando ou tentando dominar os outros oito a nove décimos. Houve emigração que durante este período se terá situado na ordem dos 20 a 40 mil. A ESTRUTURA ECONÓMICA de Portugal fundamentava-se na agricultura (vinho, cortiça e frutas). A questão cerealífera continuou momentosa, o rendimento por hectare da área semeada de trigo continuava a ser um dos mais baixos da Europa. A guerra agravou todos os problemas dos abastecimentos, será sempre com base na comida que se irão registar numerosas greves. Diz Oliveira Marques que O número de donos de terras no continente da República andava por , o que queria dizer que mais de metade das famílias portuguesas possuía alguma leira sua. A REPÚBLICA NÃO INTERFERIU na questão agrária, se bem que a problemática da reforma agrária vai estar presente tal como no século XIX que fora enunciada por Herculano e Oliveira Martins. A reforma agrária será defendida por Basílio Teles, Anselmo de Andrade, Ezequiel de Campos, entre outros. A industrialização continua incipiente, o Portugal republicano continuava dependente dos capitais britânicos. Durante a I República o que se desenvolveu no campo industrial deveu-se sobretudo às conservas de peixe. Apareceram igualmente têxteis, indústrias químicas, cimentos e tabacos.

10 RECENSÃO 10 A Primeira República Portuguesa O IMPACTO DAS CRISES ECONÓMICAS MUNDIAIS afectou todo o tecido económico português: a crise internacional de levou ao encerramento de bancos e ao aumento de desemprego. Mais tarde veio a crise de que teve enorme influência na vida portuguesa. Sem perceber a depressão e a inquietação social e política posterior não se pode entender o 28 de Maio. TAL COMO NA MONARQUIA, a questão financeira foi um dos mais candentes problemas da I República sobretudo nos aspectos de que tinham a ver com o equilíbrio orçamental, o montante da dívida pública e a desvalorização da moeda. Só Afonso Costa vai ser bem sucedido no equilíbrio orçamental. A instabilidade governativa influirá no descalabro dos orçamentos e das contas públicas. A BURGUESIA EXPANDE-SE, os grandes burgueses substituem a classe aristocrática tanto no mando como nos negócios. A burguesia no seu conjunto rondará cerca de 1 milhão de almas, vivendo mais de uma terça parte em Lisboa e no Porto. Nota curiosa: Os efectivos da média burguesia mostravam-se, proporcionalmente, maiores em Portugal do que em outros países da Europa. Era o resultado da estrutura do comércio e da indústria, da escassa concentração capitalista, fraccionando-se em pequenas lojas e em pequenas oficinas de propriedade individual ou familiar. País de pequenos e médios proprietários, também Portugal constituía a pátria dos donos de tendas e de fabriquetas, que proliferavam por toda a parte, sobretudo em Lisboa e no Porto. É UMA SÍNTESE que até hoje nenhum estudo ultrapassou. Está ali o essencial sobre a agitação social, a ideologia dos principais partidos, a caracterização da questão religiosa, a inspiração da constituição republicana, o ensino e a cultura, o desenvolvimento colonial. Oliveira Marques, no que ele chama a análise de bastidores, propicia ao leitor a amostragem dos pontos fortes e dos pontos fracos dessa I República ainda hoje tão incómoda porque, sabemos todos, foi a porta que se franqueou ao Dr. Salazar que encontrou nela toda a justificação para a ditadura que só expirou em 25 e Abril de A Primeira República Portuguesa é de leitura obrigatória.

11 EM ESTUDO 11 Massificação, transportes e mobilidade Breve história do transporte e da mobilidade Historicamente três foram as grandes razões para que as pessoas se deslocassem: a busca de alimento (aliada às alterações climáticas), a guerra e as peregrinações. Normalmente tratava-se de deslocações por períodos de tempo mais ou menos longos e que cobriam em geral grandes distâncias. Sair da respetiva aldeia para o trabalho do dia-a-dia não só não era prático como também não era viável, atendendo à inexistência de meios que permitissem a eficaz e rápida deslocação das pessoas. O transporte animal não era acessível a todos e, até para os que tinham acesso ao mesmo, era pouco rápido e não permitia grandes deslocações. Com a revolução industrial e a necessidade de disponibilização de mão-de-obras junto dos grandes centros industriais, começaram as cidades a crescer. O irónico da questão é que o próprio crescimento das cinturas industriais ditaria o início de um dos maiores problemas da pós-modernidade, ou seja, o dos transportes e da mobilidade. O princípio: deslocação a pé ou com tração humana e animal Antes do século XVII, a movimentação das pessoas nas cidades era realizada a pé, ou com recurso a animais. As classes mais abastadas possuíam carruagens próprias. Também havia carruagens de aluguer puxadas por animais. Estas apareceram em Londres, em 1600, e em era realizado por carruagens com oito lugares, puxadas por cavalos e distribuídas em cinco linhas. Em 1826, foi criado em Nantes, França, uma linha de transporte público que ligava a cidade a uma casa de banhos. O veículo utilizado era uma carruagem com comprimento e capacidade superiores aos existentes na época, e que foi denominado omnibus (que em latim significa para todos ). Esse tipo de veículo, referido na época como carruagem longa ou comprida, já havia sido utilizado em Londres muito antes, por volta de 1798, mas foi na França que adquiriu o nome omnibus, pelo qual ficou conhecido, sendo que o termo ainda hoje é usado no Brasil. Nessa época, surgiram veículos de transporte tipo omnibus com capacidade entre 10 e 20 passageiros, operando com rotas predefinidas em diversas cidades: Bordéus, Nova York, Londres, Paris, etc. Paris, em Podem ser consideradas os primeiros serviços de transporte público urbano. Nos anos de 1617, em Paris, e 1634, em Londres, apareceu o transporte por meio de liteiras de aluguer (espécie de cadeira coberta onde se sentava o passageiro, sustentada por dois longos varais e conduzida por dois homens). Somente em 1662, quando Paris já contava com aproximadamente 150 mil habitantes, é que o matemático francês Blaise Pascal organizou o primeiro serviço regular de transporte público: linhas com itinerários fixos e horários predeterminados. O serviço

12 EM ESTUDO 12 Massificação, transportes e mobilidade Breve história do transporte e da mobilidade Carril: ganho em velocidade, conforto e vida útil dos equipamentos O aparecimento quase simultâneo do transporte público em várias cidades decorreu da Revolução Industrial. A produção de bens, até então feita de forma artesanal ou semi-artesanal, nas próprias casas dos trabalhadores e com ferramentas rudimentares, passou a ser realizada com a ajuda de máquinas e ferramentas especiais que ficavam nas fábricas, obrigando os operários a deslocar-se diariamente de suas casas para as fábricas. Ainda na primeira metade do século XIX, em Nova York, surgiram os primeiros veículos de tração animal e que se movem sobre trilhos em aço ou carris. A grande vantagem deste transporte sobre os omnibus era a menor resistência ao movimento e o rodar mais suave propiciado pelo rolamento da roda de aço sobre o trilho de aço. A menor resistência ao movimento permitiu a utilização de veículos de maior tamanho e o desenvolvimento de velocidades maiores (até 7 quilómetros por hora em média, contra os 5 dos omnibus) com o mesmo número de animais de tração. A inexistência de vibrações e solavancos aumentou o conforto dos passageiros e a vida útil dos veículos. Economicamente, a maior velocidade e o aumento da vida útil compensavam o gasto com a implantação dos carris. CARRIS, UMA EMPRESA AO SERVIÇO DA CIDADE DE LISBOA A Fundação A 18 de setembro, é fundada, no Rio de Janeiro, a Companhia Carris de Ferro de Lisboa, a qual pretendia implantar na capital portuguesa um sistema de transporte do tipo americano (carruagens movidas por tração animal e deslocando-se sobre carris). Foi autorizada em Portugal, por Decreto de 14 de novembro do mesmo ano A Primeira Linha A 23 de janeiro, o escritor Luciano Cordeiro de Sousa e seu irmão Francisco, diplomata, obtêm os direitos para a implantação de um sistema de transporte na cidade de Lisboa, denominado Viação Carril Vicinal e Urbana a Força Animal. A 14 de fevereiro, a Câmara Municipal de Lisboa aprova o trespasse para a Empresa Companhia Carris de Ferro de Lisboa. A 17 de novembro, é inaugurada a primeira linha de Americanos. O troço aberto ao público estendia-se entre a Estação da Linha Férrea do Norte e Leste (S. Apolónia) e o extremo Oeste do Aterro da Boa Vista (Santos) Estação de Santo Amaro Em terrenos da velha Quinta do Saldanha, ao Calvário, nasce a Estação de Santo Amaro onde é iniciada a construção de cavalariças, cocheiras, oficinas e celeiros. No final deste primeiro ano de exploração, a Companhia dispunha de metros de linha assente, 54 carros em circulação e 421 cabeças de gado Reconhecimento Em 31 de maio, a CARRIS torna-se exclusivamente portuguesa e é legalmente reconhecida como Sociedade Anónima Estação Arco do Cego A 17 de abril, é adquirida a Quinta do Poço Caído. Aí se constrói uma nova estação, que passou a designar-se do Arco do Cego, calcula-se que por extensão do nome daquela artéria Inicio da tração elétrica A 5 de junho é assinado um contrato entre a Câmara Municipal de Lisboa e a CAR- RIS com vista à substituição do sistema de tração então utilizado. Nele se estipula que...é concedida à Companhia Carris de Ferro de Lisboa autorização para substituir o seu atual sistema de tração, por tração elétrica por condutores aéreos nas linhas que explora e nas que está obrigada a construir A 7 de julho, visando a transformação do sistema, a CARRIS contrata com a firma Wernher, Beit & Co., a cedência, por arrendamento, de todos os seus edifícios, linhas e demais material, obrigando-se esta a cumprir os contratos assinados com a Câmara e a pagar todo o passivo, juros e amortizações da Companhia, bem como um juro de 6% às suas ações. Em 27 de julho, a Wernher, Beit & Co. cede à Lisbon Electric Tramways Limited (L.E.T.L.) todos os direitos e obrigações assumidos por aquele contrato. O relatório desse ano indica que foi acordado entre as duas Companhias que os corpos gerentes da Carris continuariam a ocupar-se da exploração das linhas por conta da L.E.T.L., respondendo esta pelos encargos provenientes da modificação ajustada.

13 13 EM ESTUDO Massificação, transportes e mobilidade Breve história do transporte e da mobilidade O aparecimento do autocarro com tração mecânica Diversas tentativas de movimentar os omnibus com propulsão mecânica foram feitas no século XIX. A utilização de propulsão a vapor foi uma delas. Contudo, nenhuma teve sucesso até, aproximadamente, 1890, quando os primeiros autocarros movidos a gasolina começaram a ser utilizados em inúmeras cidades da Alemanha, França e Inglaterra. Nos Estados Unidos, os primeiros autocarros a gasolina começaram a circular em 1905, na cidade de Nova York. Por volta de 1920, começaram a operar os primeiros autocarros movidos a óleo diesel, inicialmente na Alemanha e posteriormente na Inglaterra. Também nessa época, as rodas dos autocarros deixaram de ser de borracha maciça e passaram a ser de pneus com câmaras de ar que, até então, só eram usadas nas bicicletas e nos automóveis. O comboio suburbano e o metropolitano Outra modalidade de transporte urbano muito importante, no passado e atualmente, é o transporte ferroviário: o comboio suburbano e o metropolitano ou metro. A utilização dos comboios convencionais para o transporte urbano de pessoas começou na segunda metade do século XIX, quando algumas cidades do mundo já eram de grande tamanho. Nessas cidades, passou a ser viável para as empresas ferroviárias transportar passageiros entre as estações localizadas nos subúrbios e as do centro (onde se localizava a maioria dos empregos), sobretudo nos horários de entrada e saída das pessoas do trabalho. Esse tipo de transporte experimentou um crescimento mais acelerado a partir do aparecimento das locomotivas elétricas. A maior potência dessas máquinas permitiu que a distância entre as estações nas regiões suburbanas se tornasse menor e a velocidade dos comboios, maior, trazendo, com isso, maior facilidade para os utilizadores, levando a uma maior ocupação das áreas distantes do centro, gerando, assim, mais viagens. A partir daí, o autocarro passou a substituir o elétrico no transporte urbano devido às suas muitas vantagens: menor custo, pois não necessita de subestações de energia, carris e cabos elétricos; total flexibilidade nas rotas em razão da possibilidade de evitar as ruas bloqueados por motivo de acidentes ou execução de trabalhos; e maior fiabilidade, pois as interrupções no fornecimento de energia elétrica não paralisam todo o transporte. Com o passar do tempo, inovações tecnológicas foram incorporadas aos autocarros, até chegar aos tempos modernos em que mais de 90% do transporte público urbano é realizado por este tipo de veículos. O transporte tipo metropolitano (caminho de ferro subterrâneo ou sobrelevado) começou a ser utilizado no ano de 1863, em Londres, com uma linha subterrânea para aliviar o congestionamento na região central da cidade. Pela mesma razão, Nova Iorque construiu sua primeira linha elevada em Ambos os sistemas eram servidos por locomotivas a vapor, que possuíam um reservatório para o fumo quando andavam em vias subterrâneas, e que era expelido quando a locomotiva voltava a circular à superfície. Com o aparecimento da locomotiva elétrica no final do século XIX, que eliminava os inconvenientes da propulsão a vapor, o metro expandiu-se e se multiplicou-se nas grandes cidades do mundo. Por volta de 1930 já havia metro em praticamente todas as grandes cidades dos países desenvolvidos. Embora tenha custos de implantação bastante elevados, o metro é o sistema de transporte mais indicado para as grandes cidades, já que sem ele é praticamente impossível evitar o colapso do trânsito na superfície.

14 EM ESTUDO 14 Massificação, transportes e mobilidade Breve história do transporte e da mobilidade O aparecimento do carro Os primeiros carros surgiram no final do século XIX e eram veículos bastante rudimentares. Até por volta de 1910, o transporte público era praticamente a única forma de transporte de passageiros nas cidades. Com o surgimento do automóvel no início do século, e o seu aperfeiçoamento, o transporte coletivo foi sendo substituído pelo transporte individual, principalmente nas cidades dos países desenvolvidos. A intensificação do uso do automóvel deve-se às seguintes razões: redução do preço devido ao aumento da produção (economia de escala), permitindo que cada vez mais pessoas pudessem adquiri o seu; total flexibilidade de uso no tempo e no espaço, já que o condutor escolhe o caminho e a hora da partida; possibilidade do deslocamento de porta a porta, sem necessidade de caminhada; conforto, mesmo em condições atmosféricas adversas; privacidade, pois o carro é como se fosse uma casa móvel; e status conferido pela posse do veículo. Nos Estados Unidos, a massificação do uso do automóvel começou a partir de Embora em proporções muito menores e com desfasagem no tempo, esse fenómeno também ocorreu nos outros países desenvolvidos. Já em 1930, eram frequentes os grandes congestionamentos de trânsito em Nova Iorque.

15 15 EM ESTUDO Massificação, transportes e mobilidade Breve história do transporte e da mobilidade A bicicleta e a motorizada Duas outras modalidades de transporte urbano que há muito tempo também vêm sendo utilizadas são a bicicleta e a motorizada. A bicicleta, inventada na Inglaterra em 1839, foi sendo aperfeiçoada ao longo do tempo, chegando a um modelo próximo do atual, inclusive com uso de pneu com câmara de ar, no final do século XIX. Dessa época até a segunda década do século XX, a bicicleta foi bastante utilizada como meio de transporte urbano, devido a seu baixo custo, total flexibilidade de uso no tempo e no espaço e possibilidade de efetuar o transporte de porta a porta. A partir da década de 1930, a utilização das bicicletas passou a ser menor nos países desenvolvidos devido à massificação do uso do automóvel. Em muitos países pobres (Cuba, Índia, China, etc.) e em alguns países ricos do norte da Europa (Holanda, Suécia, Finlândia, Noruega, etc.), a bicicleta continua a ser muito utilizada. Os velocípedes motorizados têm sido utilizados desde o final do século XIX. Atualmente, a motorizada, em razão do baixo preço e custo operacional, vem sendo cada vez mais utilizada nos países pobres dos trópicos, onde o clima é na maior parte do tempo ameno. CIRCULAÇÃO DE BICICLETAS: ALTERAÇÕES DO CÓDIGO DE ESTRADA Foi abolida a discriminação dos velocípedes na regra geral da cedência de passagem: tem prioridade quem se apresenta pela direita num cruzamento não sinalizado, seja um veículo a motor ou um velocípede. Pôs-se fim à obrigatoriedade de circular o mais à direita possível. O ciclista pode reservar uma distância de segurança face à berma. Os condutores de veículos automóveis são obrigados a assegurar uma distância mínima lateral de 1,5 m relativamente ao ciclista e a abrandar a velocidade durante a sua ultrapassagem. É eliminada a obrigatoriedade de os velocípedes circularem nas ciclovias, permitindo ao utilizador da bicicleta optar por circular juntamente com o restante trânsito, quando não considere a alternativa em ciclovia vantajosa em termos de segurança, conforto ou competitividade. Introduz-se a permissão de dois velocípedes circularem lado a lado numa via. Permite a circulação de velocípedes em corredores BUS, quando tal for autorizado pelas câmaras municipais. As passagens para velocípedes são equiparadas às passagens para peões, tendo agora os condutores dos outros veículos que ceder passagem aos condutores de velocípedes, nos atravessamentos em ciclovia. Prevê-se e permite-se o transporte de passageiros em atrelados com crianças e isto em qualquer via. Permite-se (não se obriga) a circulação no passeio por condutores de velocípedes até aos 10 anos de idade.

16 EM ESTUDO 16 Massificação, transportes e mobilidade Consequências dos transportes na evolução urbana LOS ANGELES, AUTO ESTRADA COM 19 FAIXAS DE RODAGEM A história do desenvolvimento dos núcleos urbanos está diretamente relacionada à evolução dos meios de transporte. Os meios de transporte disponíveis exerceram grande influência na localização, no tamanho e nas características das cidades, bem como nos hábitos da população. O crescimento e o desenvolvimento económico e social de um aglomerado humano dependem, em grande parte, da facilidade da troca de informações e produtos com outras localidades. Assim, não é por acaso que as primeiras cidades surgiram à beira do mar e dos grandes rios e lagos, pois o meio de transporte preponderante no passado eram as embarcações. O desenvolvimento de outros meios de transporte (ferroviário, inicialmente, e depois rodoviário e aéreo) é que levou ao aparecimento de cidades distantes das rotas de navegação importantes. Por outro lado, o tamanho das cidades estava condicionado a dois fatores: a capacidade de obter suprimentos (alimentos e combustíveis), por meio de produção própria ou do transporte a partir de outras localidades, e a distância máxima que as pessoas podiam vencer para trabalhar e realizar outras atividades inerentes à vida urbana. Considerando a maioria das viagens tendo como destino a área central, uma velocidade de caminhada de 4 km/h e um tempo máximo de viagem de 20 minutos, a maior distância do centro que, teoricamente, as primeiras cidades poderiam atingir era de aproximadamente 1,3 km. Com o aparecimento dos omnibus, as cidades puderam crescer um pouco mais. Não que a velocidade desses veículos fosse muito maior (era de aproximadamente 5 km/h), mas o fato de não requerer esforço físico permitia viagens mais longas. Supondo ser de 30 minutos a duração máxima aceitável das viagens por omnibus, as cidades poderiam chegar, em teoria, a um máximo de 2,5 km a partir da área central. Os veículos de tração animal sobre carris, que apresentavam velocidades em torno de 7 km/h, mudaram novamente a possibilidade de crescimento das cidades. A distância máxima do centro, teoricamente, poderia chegar a 3,5 km, admitidas as mesmas hipóteses anteriores. O surgimento do elétrico, com velocidade de cerca de 15 km/h, revolucionou definitivamente a possibilidade das cidades crescerem. A distância máxima do centro poderia ser, em teoria, de 7,5 km. Com o surgimento autocarro e do automóvel, que permitiam velocidades maiores, as cidades puderam crescer ainda mais. Também contribuíram para o crescimento das cidades o transporte ferroviário (comboio suburbano e metro).

17 17 EM ESTUDO Massificação, transportes e mobilidade Consequências dos transportes na evolução urbana Também o uso do solo urbano sofreu a influência do tipo de cessidade de transbordo) e o destino que minimizava o tempo médio transporte. das viagens (admitindo o caso comum de rotas radiais). Com o automóvel foi extremamente favorecida a descentralização das atividades. Quando o transporte era feito a pé ou utilizando animais, as cidades eram compactas e bastante densas, devido à impossibilidade do O aparecimento de shopping-centres distantes da área central é consequência do processo de descentralização de atividades proporcionada deslocamento confortável em distâncias maiores. Quando os veículos de tração animal sobre carris eram o transporte preponderante, as cidades de- pelo automóvel e, ao mesmo tempo, a solução para a falta de estacionamento nas regiões centrais de comércio tradicional. senvolviam-se ao longo das linhas dos mesmos, pois as pessoas procuravam morar e ter os seus negócios junto aos carris por maior facilidade de acesso. Os comboios suburbanos geraram ocupação não-uniforme do solo, com a concentração de moradias e atividades próximo das estações. Elevada concentração populacional e de atividades também é observada nas proximidades das estações de metro. O aparecimento do autocarro e do automóvel provocou mudanças na forma de ocupação e uso do solo nas cidades. Por um lado positivas, pois a permeabilidade total do espaço O crescimento do uso do automóvel trouxe, no entanto, uma urbano ao automóvel e ao autocarro possibilitou a ocupação dos vazios série de problemas para as cidades: congestionamentos, acidentes, deixados pelo carris e pelo caminho-de-ferro, permitindo, em tese, um poluição atmosférica, desumanização em virtude das grandes áreas adensamento mais uniforme das cidades. Por outro lado, contudo, o destinadas a estradas e estacionamentos, baixa eficiência económica aparecimento do automóvel levou muitas cidades a expandir a mancha devido à necessidade de grandes investimentos no sistema viário e à urbana de maneira totalmente irracional, provocando baixas densidades de ocupação e, com isso, prejudicando bastante a eficiência eco- A situação dos congestionamentos atingiu níveis alarmantes, a dispersão das cidades, etc. nómica da infraestrutura viária e de serviços públicos, bem como do ponto de a velocidade de deslocação por automóvel ser atualmente, em próprio transporte urbano. muitas cidades grandes, menor do que a velocidade dos transportes de Outro aspeto importante: o transporte público induzia à concentração de atividades comerciais e de serviços na região central, pois era poles, nas horas de ponta, chegando a ser inferior à velocidade de uma tração animal do passado; na área central de algumas grandes metró- aonde os passageiros poderiam chegar com viagens diretas (sem ne- caminhada a pé.

18 EM ESTUDO 18 Massificação, transportes e mobilidade Os transportes na Europa Mais que nunca, a economia mundial gira hoje em torno do conceito da mobilidade. Para além da mobilidade de ideias e de conhecimento, facultada pela Internet e pelas tecnologias de informação e comunicação, a mobilidade de bens e de pessoas que a massificação dos transportes veio permitir, tornando as distâncias mais curtas, alterou formas de fazer comércio e estratégias de negócio, modificou organizações, possibilitou o desenvolvimento de serviços internacionalizáveis como o Turismo e gerou um conjunto de novas oportunidades e desafios, contribuindo para o atual estádio de globalização e interligação das economias. O escrito seguinte baseia-se no documento de trabalho nº 2, Mobilidade, transportes e logística das Jornadas de Reflexão Estratégica da Fundação para a Ciência e Tecnologia, ENEI, Estratégia Nacional de Investigação e Inovação para uma Especialização Inteligente As questões da mobilidade e, designadamente, da mobilidade sustentável, estão no centro das preocupações, sendo fundamentais para o cumprimento das metas da Estratégia Europa 2020, designadamente no que concerne à redução das emissões de gases com efeito de estufa, ao aumento do recurso às energias renováveis e ao aumento da eficiência energética. Dado que os transportes e logística constituem uma importante parcela dos custos das empresas, a aposta em meios e Mover a Europa a partir de uma energia verde. O setor dos transportes envolve os subsistemas rodoviário, ferroviário, marítimo, fluvial e aéreo. Assume um papel de relevo na qualidade de vida dos cidadãos, contribuindo para a coesão territorial e social, e é ao mesmo tempo um poderoso motor do desenvolvimento empresarial e económico. Emprega diretamente cerca de 10 milhões de pessoas e é responsável por cerca de 5% do PIB. Muitas das empresas europeias que operam neste setor são líderes mundiais em infraestrutura, logística, sistemas de gestão de tráfego e de fabricação de equipamentos de transporte. De acordo com os dados do INE, o modo rodoviário é o mais utilizado na União Europeia para o transporte de mercadorias, tendo representado quase 73% da tonelagem total transportada em 2011, seguindo-se os modos marítimo e ferroviário com 18,2% e 8,8% respetivamente, e finalmente, com menor expressão, o transporte aéreo de mercadorias, com apenas 0,1% do redes de transporte mais eficientes e inteligentes constitui um fator de acréscimo de competitividade, podendo também ser uma importante fonte de atração de agentes económicos e de investimentos. O setor dos transportes e armazenagem representava, em 2011, 2,1% das empresas, 4,3% do pessoal ao serviço, 5,2% do volume de negócios e 6,7% do valor acrescentado do total nacional. total. Em termos de transporte de passageiros, é de realçar a dinâmica de expansão que tem vindo a ser observada nos últimos anos, em especial no transporte aéreo₂. As questões ambientais e de eficiência energética são cruciais: trata-se de um setor que depende fortemente do petróleo e dos produtos petrolíferos, que representam cerca de 96% das suas necessidades energéticas, sendo elevadas as suas emissões de CO2. Reduzir esta dependência constitui uma necessidade ecológica de um desafio tecnológico. À semelhança de outras atividades, também nos transportes, os agentes económicos europeus têm vindo a enfrentar um crescente aumento da concorrência mundial. Se os fabricantes europeus de equipamentos de transporte usufruíram uma posição competitiva muito forte, partilhada com os EUA e Japão, neste momento enfrentam uma concorrência significativa oriunda da China.

19 EM ESTUDO 19 Massificação, transportes e mobilidade Os transportes na Europa Mover a Europa a partir de uma energia verde. Ao nível do sistema de transporte aéreo e da sua cadeia de abastecimento, incluindo a indústria aeronáutica de alta tecnologia, não obstante o seu posicionamento de liderança no quadro mundial, as restrições da capacidade existentes na Europa e os investimentos maciços em infraestruturas de transporte aéreo que estão em curso noutras regiões, permitem antever níveis crescentes de concorrência. Ao nível do transporte ferroviário de alta velocidade, os fortes investimentos chineses incentivam a Europa a acompanhar, de forma dinâmica, a evolução tecnológica mundial e a manter a sua vantagem competitiva em indústrias de transporte com elevado valor acrescentado. A abertura do mercado foi particularmente positiva no sector rodoviário e muito em especial no sector da aviação, onde a liberalização Embora a China seja o maior construtor mundial, a Europa possui grupos empresariais líderes mundiais na construção de automóveis, verificada na década de 1990 suscitou um crescimento sem precedentes do número de passageiros e do número de rotas servidas no interior camiões e autocarros convencionais. da União Europeia. A última década foi marcada por um aumento da intensidade da Áreas como a segurança, a qualidade do serviço, a melhoria das atividade de transporte a que correspondeu uma agenda política igualmente intensa no setor. O alargamento da União Europeia e a crescente condições de trabalho, a internacionalização e o estabelecimento da política RTE-T foram trabalhadas de forma intensa na última década, integração dos mercados globais fizeram aumentar os volumes de mercadorias transportadas. tendo sido obtidos resultados positivos. A mobilidade inteligente constitui também uma das etapas em direção às cidades inteligentes, que a Comissão Europeia quer estimular. A Comissão Europeia publicou em Outubro de 2012 a comunicação do lançamento da Parceria Europeia de Inovação das Cidades e Comunidades Inteligentes COM (2012) 4701 que tem por base a Agenda Digital para a Europa e o Livro Branco dos Transportes, com o objetivo de impulsionar o desenvolvimento de tecnologias inteligentes em cidades, tornando-as eficientes do ponto de vista energético e ambiental, fomentando a interseção entre energia, transportes e tecnologias de informação e comunicação, através da realização de projetos de demonstração como forma de acelerar a implementação em larga escala de soluções eficientes, visando aumentar, com recurso à tecnologia e à COMBOIO NO PAQUISTÃO inovação, a qualidade de vida dos cidadãos.

20 20 EM ESTUDO Massificação, transportes e mobilidade Os transportes em Portugal Dado o posicionamento geoestratégico de Portugal, a melhoria da integração nas cadeias europeias e mundiais de transportes assume relevância no desígnio nacional de maior internacionalização da economia. A existência de uma rede de transportes eficiente, bem articulada e intermodal é crucial para garantir o maior volume e valor de exportações e a criação de emprego. O transporte marítimo é responsável por cerca de 80% do tráfego de mercadorias internacional. O porto de Sines (APS) é o principal porto exportador do país, registando a maior quota-parte do tráfego internacional a nível marítimo-portuário (cerca de 5 milhões de toneladas em carga de exportação em 2010). Uma das características da economia portuguesa, muito relacionada com as deficiências existentes ao nível da rede de transportes, designadamente, por via ferroviária, consiste no recurso excessivo ao transporte rodoviário, podendo existir importantes ganhos de eficiência, com uma utilização mais racional e intermodal dos diferentes meios de transporte. O setor dos transportes representa atualmente cerca de um terço do consumo de energia primária em Portugal, sendo por essa via absolutamente essencial reduzir a sua intensidade energética de modo a promover a competitividade, assim como reduzir custos de contexto associados à movimentação de produtos nacionais para os mercados externos de consumo. Nesta dimensão, importa relevar a promoção do veículo elétrico enquanto alternativa à utilização de fontes de energia convencionais permitindo desta forma reduzir a dependência energética externa, aumentar a sustentabilidade ambiental e económica nacional assim como o desenvolvimento e afirmação de um cluster nacional com elevada capacidade tecnológica e potencial exportador. Portugal percorreu já várias etapas neste processo com o desenvolvimento do projeto MOBI.E, projeto este que importa agora reequacionar face à atual conjuntura, de modo a potenciar os investimentos efetuados e o know-how adquirido, valorizando-o e promovendo-o em mercados externos. As questões da mobilidade são especialmente importantes nos grandes centros urbanos e áreas metropolitanas. Da análise dos movimentos pendulares diários, ressalta um claro predomínio do transporte individual, em especial do automóvel particular. Os dados dos Censos de 2011, indicam que 46,5% destes movimentos se fazem por este meio, com as respetivas consequências de poluição, gastos energéticos e congestionamento nas cidades. A gestão da mobilidade, no sentido de uma maior utilização do transporte coletivo, que passa não apenas pela mudança de hábitos mas também pela existência de uma boa rede de transportes (deslocações seguras, confortáveis, com tempos aceitáveis e custos acessíveis), assume-se assim como um desafio. Para promover o aumento da eficiência energética prevê-se também a publicação de legislação específica para os transportes, estabelecendo-se um quadro regulamentar ajustado às necessidades do setor. Espera-se que este novo enquadramento regulamentar aporte para a realidade nacional, abordagens sistemáticas de promoção da eficiência energética numa perspetiva custo eficiente, levando as empresas a adotar processos de melhoria contínua semelhantes àqueles que são perspetivados na ISO Em concomitância, são cada vez mais relevantes a realização de planos de mobilidade, a promoção da ciclovia, a gestão inteligente das frotas de transportes (mercadorias e passageiros) e a implementação de redes semafóricas inteligentes. Só com esta abordagem transversal será possível produzir efeitos cruzados que permitam aumentar de forma significativa a eficiência energética no setor dos transportes, com o consequente benefício para a competitividade e economia nacionais. O desempenho da comunidade científica e empresarial portuguesa destaca-se na área dos transportes, no âmbito dos concursos do 7º Programa Quadro A taxa de sucesso de projetos aprovados por número de candidaturas é de 24%, superior em um ponto percentual à média da União Europeia, sendo Portugal especializado, a nível europeu (UE27), na produção científica na área dos transportes.

A Enquadramento dos setores e potencial estratégico da I&D

A Enquadramento dos setores e potencial estratégico da I&D ESTRATÉGIA NACIONAL DE INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO PARA UMA ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE 2 A Enquadramento dos setores e potencial estratégico da I&D Mais que nunca, a economia mundial gira hoje em torno do

Leia mais

O Mundo industrializado no século XIX

O Mundo industrializado no século XIX O Mundo industrializado no século XIX Novas fontes de energia; novos inventos técnicos: Por volta de 1870, deram-se, em alguns países, mudanças importantes na indústria. Na 2ª Revolução Industrial as indústrias

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES

IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES OS TRANSPORTES IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES Contribui para a correcção das assimetrias espaciais e ordenamento do território; rio; Permite uma maior equidade territorial no acesso, aos equipamentos não

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

Comissão Europeia Livro Branco dos Transportes. Transportes 2050: Principais desafios e medidas-chave

Comissão Europeia Livro Branco dos Transportes. Transportes 2050: Principais desafios e medidas-chave Razões da importância deste sector Os transportes são fundamentais para a economia e a sociedade. A mobilidade é crucial em termos de crescimento e criação de emprego. O sector dos transportes representa

Leia mais

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA: PLANOS DE MOBILIDADE URBANA RENATO BOARETO Brasília, 28 de novembro de 2012 Organização Não Governamental fundada em 2006 com a missão de apoiar a

Leia mais

A maioria da população mundial, europeia e nacional vive hoje em cidades.

A maioria da população mundial, europeia e nacional vive hoje em cidades. 1. As cidades A maioria da população mundial, europeia e nacional vive hoje em cidades. Na União Europeia, mais de 2/3 da população vive em áreas urbanas e 67% do Produto Interno Bruto (PIB) europeu é

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS

PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS Exposição de motivos Existiam 216 milhões de passageiros de carros na UE a 25 em 2004, tendo o número

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

Transporte e Planejamento Urbano

Transporte e Planejamento Urbano Transporte e Planejamento Urbano para o Desenvolvimento da RMRJ Julho/2014 Cidades a maior invenção humana As cidades induzem a produção conjunta de conhecimentos que é a criação mais importante da raça

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

2ª Reunião do National Supporting Group (NSG) - Projecto Ele.C.Tra. Lisboa, 13 de Junho de 2015

2ª Reunião do National Supporting Group (NSG) - Projecto Ele.C.Tra. Lisboa, 13 de Junho de 2015 2ª Reunião do National Supporting Group (NSG) - Projecto Ele.C.Tra Lisboa, 13 de Junho de 2015 EMEL EMEL Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa, E.M. S.A., tem como objecto a gestão

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020

A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020 A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020 Quais os Instrumentos regionais para apoiar as empresas dos Açores? Competir + Apoios contratação de RH

Leia mais

A roda: a maior invenção tecnológica

A roda: a maior invenção tecnológica A roda: a maior invenção tecnológica A roda parece ter sido inventada, há cerca de 6000 anos, na Mesopotâmia. Foi uma invenção de importância extraordinária, não só porque promoveu uma revolução no campo

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro www.regiaodeaveiro.pt PIMT de Aveiro, Aveiro TIS.PT Transportes Inovação e Sistemas, S.A. 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal

Leia mais

Importância geoestratégica de Portugal

Importância geoestratégica de Portugal GRANDE REPORTAGEM CLUBE EUROPEU AEVILELA Importância geoestratégica de Portugal PORTO DE SINES Porta ideal de entrada num conjunto de mercados CIDADE DA HORTA Telegraph Construction and Maintenance Company

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

MEDIDAS DE GESTÃO DA MOBILIDADE PARA ESCOLAS

MEDIDAS DE GESTÃO DA MOBILIDADE PARA ESCOLAS Informação para direções de escola, autoridades locais e nacionais, e associações Ficha Informativa 2 Políticas Públicas MEDIDAS DE GESTÃO DA MOBILIDADE PARA ESCOLAS A campanha Serpente Papa-Léguas jogo

Leia mais

Cidade sem Carros & Fiscalidade Verde Novembro 2014

Cidade sem Carros & Fiscalidade Verde Novembro 2014 Oradores: Cidade sem Carros & Fiscalidade Verde Novembro 2014 - Sousa Campos, diretor da divisão de marketing e vendas da Toyota Caetano Portugal - Mafalda Sousa, da associação ambientalista Quercus -

Leia mais

PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO

PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO 1. MOTIVAÇÕES E PREOCUPAÇÕES Condicionantes à Mobilidade Problemática Específica Articulação entre as decisões urbanísticas

Leia mais

Engenharia de Segurança Viária

Engenharia de Segurança Viária Engenharia de Segurança Viária Transporte sustentável salva vidas Através da promoção do transporte sustentável, a EMBARQ Brasil está trabalhando para reduzir a poluição, melhorar a saúde pública e criar

Leia mais

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram 10 Sumário executivo Conclusões coordenadas pela Deloitte, em articulação com os membros do Grupo de Trabalho da AÇÃO 7 Sumário executivo Em conjunto, as empresas que implementaram estes 17 projetos representam

Leia mais

NOTA ÀS PROPOSTAS CONJUNTAS APRESENTADAS PELO PSD E PELO CDS NO APOIO À FAMÍLIA, À CRIANÇA E À NATALIDADE

NOTA ÀS PROPOSTAS CONJUNTAS APRESENTADAS PELO PSD E PELO CDS NO APOIO À FAMÍLIA, À CRIANÇA E À NATALIDADE NOTA ÀS PROPOSTAS CONJUNTAS APRESENTADAS PELO PSD E PELO CDS NO APOIO À FAMÍLIA, À CRIANÇA E À NATALIDADE A APFN assinala como muito positivo o reconhecimento de que só um conjunto de políticas de família

Leia mais

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015 NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ENQUADRAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DA REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES E DO MECANISMO INTERLIGAR A EUROPA JOSÉ VALLE / CEETVC ORIENTAÇÕES BASE DO PROGRAMA DA CEETVC PARA O

Leia mais

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL Ineficiência energética agrava a crise económica e social em Portugal Pág. 1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL RESUMO DESTE ESTUDO A baixa eficiência como é utilizada

Leia mais

AS REDES DE TRANSPORTE NO TERRITÓRIO PORTUGUÊS

AS REDES DE TRANSPORTE NO TERRITÓRIO PORTUGUÊS AS REDES DE TRANSPORTE NO TERRITÓRIO PORTUGUÊS A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE Rodoviária Ferroviária De Aeroportos De Portos De Energia Uma distribuição desigual Uma rede melhorada Segura

Leia mais

SOBRE OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES AO PLANO

SOBRE OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES AO PLANO No âmbito do procedimento de consulta pública do Plano Estratégico de Transportes 2008-2020 (PET), vem a Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza apresentar o seu parecer. SOBRE OS PRESSUPOSTOS

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhoras e Senhores Membros do Governo O actual momento de crise internacional que o mundo atravessa e que, obviamente, afecta a nossa Região, coloca às

Leia mais

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com o presente trabalho, desenvolver uma rede de percursos cicláveis para todo o território do Município do Barreiro, de modo a promover a integração da bicicleta no sistema de

Leia mais

Uma Chamada para a Ação: 10 medidas chave para conseguir mais pessoas a utilizar a bicicleta com maior frequência na Europa

Uma Chamada para a Ação: 10 medidas chave para conseguir mais pessoas a utilizar a bicicleta com maior frequência na Europa Uma Chamada para a Ação: 10 medidas chave para conseguir mais pessoas a utilizar a com maior frequência na Europa Manifesto da ECF para as eleições para o Parlamento Europeu de 2014 - Versão breve ECF

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA DESENVOLVIMENTO DE LAY-OUT DE PROPOSTA ALTERNATIVA PARA O SISTEMA G DE TRANSPORTE PÚBLICO MULTIMODAL PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

Leia mais

MULTIMODALIDADE ÁREA METROPOLITANA DO PORTO UMA OFERTA INTEGRADA DE QUALIDADE

MULTIMODALIDADE ÁREA METROPOLITANA DO PORTO UMA OFERTA INTEGRADA DE QUALIDADE MULTIMODALIDADE ÁREA METROPOLITANA DO PORTO UMA OFERTA INTEGRADA DE QUALIDADE Enquadramento Comunitário e Nacional Livro Branco Roteiro do espaço único europeu dos transportes, rumo a um sistema de transportes

Leia mais

A MOBILIDADE ELÉCTRICA

A MOBILIDADE ELÉCTRICA A MOBILIDADE ELÉCTRICA Contextualização As significativas alterações climáticas e o aumento do preço dos combustíveis sustentam um dos maiores desafios do século XXI - fiabilidade, segurança e sustentabilidade

Leia mais

MOVIMENTO MENOS UM CARRO PEDALAR NUMA CIDADE COM SETE COLINAS

MOVIMENTO MENOS UM CARRO PEDALAR NUMA CIDADE COM SETE COLINAS GETTYIMAGES MOVIMENTO MENOS UM CARRO PEDALAR NUMA CIDADE COM SETE COLINAS ENQUADRAMENTO > O transporte público e, em especial, o transporte urbano rodoviário, são pouco valorizados pela população em geral

Leia mais

REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE

REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE Com a criação da CEE, as trocas comerciais entre membros sofreram enormes aumentos de tráfego, tendo as empresas a oportunidade de aceder a um mercado muito mais vasto.

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD)

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) Recomenda ao Governo que utilize sistemas de teleconferência e videoconferência em substituição de reuniões presenciais I - Exposição de motivos A proposta de

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA

DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA Fevereiro de 2014 AVISO: Este Documento de Consulta é exclusivamente informativo,

Leia mais

Metro Sul do Tejo. Artigo de Opinião

Metro Sul do Tejo. Artigo de Opinião Metro Sul do Tejo Artigo de Opinião Neste artigo chama-se a atenção para as ineficiências do atual sistema de transportes públicos na zona de Almada, devida à descoordenação entre as carreiras do Metro

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM. Energia sustentável

PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM. Energia sustentável PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM Energia sustentável A ONU declarou 2012 como o Ano Internacional da Energia Sustentável para Todos. Esta iniciativa pretende chamar

Leia mais

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Seminário de Mobilidade Urbana Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Celio Bouzada 23 de Setembro de 2015 Belo Horizonte População de Belo Horizonte: 2,4 milhões de habitantes População da

Leia mais

Combate as alterações climáticas. Reduz a tua pegada e muda o mundo!!

Combate as alterações climáticas. Reduz a tua pegada e muda o mundo!! Combate as alterações climáticas Reduz a tua pegada e muda o mundo!! O dióxido de carbono é um gás naturalmente presente na atmosfera. À medida que crescem, as plantas absorvem dióxido de carbono, que

Leia mais

O que fazemos por si?

O que fazemos por si? O que fazemos por si? PT O que fazemos por si? Nos últimos anos, a Europa tem vindo a sofrer uma crise económica e financeira internacional de uma dimensão sem precedentes. A segurança social, os sistemas

Leia mais

Condução Económica e Ecológica CONDUÇÃO ECONÓMICA E ECOLÓGICA. Maj TTrans Freitas Lopes

Condução Económica e Ecológica CONDUÇÃO ECONÓMICA E ECOLÓGICA. Maj TTrans Freitas Lopes CONDUÇÃO ECONÓMICA E ECOLÓGICA Maj TTrans Freitas Lopes A preocupação com a sinistralidade rodoviária e a intenção de reduzir a sua incidência motivaram, e motivam ainda hoje, a necessidade da prática

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES Opções da União Europeia e posição de Portugal 1 I Parte - O Plano de Acção da EU Plano de Acção para a Mobilidade Urbana Publicado pela Comissão Europeia

Leia mais

Mobilidade com produtividade

Mobilidade com produtividade Curitiba Maio, 2015 > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > Mobilidade com produtividade Wagner Colombini Martins Logit Engenharia Documento confidencial para uso e informação do cliente > > > > > >

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA

ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA 8º CICLO DE SEMINÁRIOS TRANSPORTES & NEGÓCIOS O PAPEL DO SISTEMA AEROPORTUÁRIO NAS SOLUÇÕES LOGÍSTICAS Outubro 2006 Preâmbulo Atendendo ao modelo económico de desenvolvimento

Leia mais

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL MOBILIDADE SUSTENTÁVEL Quem somos TIS A TIS tem como missão a geração de valor na área da mobilidade e transportes para os seus clientes e acionistas, baseado em soluções sustentáveis do ponto de vista

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro. PIMT Região de Aveiro 1 16

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro. PIMT Região de Aveiro 1 16 Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro (CIRA) decidiu desenvolver o Plano Intermunicipal de

Leia mais

ECOXXI 2011/2012 Indicador Mobilidade Sustentável

ECOXXI 2011/2012 Indicador Mobilidade Sustentável ECOXXI 2011/2012 Indicador Mobilidade Sustentável Gabinete de Planeamento Inovação e Avaliação Catarina Marcelino (cmarcelino@imtt.pt) http://www.imtt.pt APA, 14 de Fevereiro de 2012 Índice 1. Conceito

Leia mais

Encontro da Construção e do Imobiliário em Defesa do Setor. Por um setor da construção renovado e ao serviço do País

Encontro da Construção e do Imobiliário em Defesa do Setor. Por um setor da construção renovado e ao serviço do País Encontro da Construção e do Imobiliário em Defesa do Setor Por um setor da construção renovado e ao serviço do País Vítor Cóias (GECoRPA Grémio do Património) É evidente para todos que o setor da construção

Leia mais

Ante projecto de decreto regulamentar que estabelece um regime experimental de circulação «Segway» em espaços públicos.

Ante projecto de decreto regulamentar que estabelece um regime experimental de circulação «Segway» em espaços públicos. Ante projecto de decreto regulamentar que estabelece um regime experimental de circulação «Segway» em espaços públicos. Promover a crescente sustentabilidade ambiental e a eficiência energética das deslocações

Leia mais

ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil

ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil Sistema Ferroviário: Estagnação ou Desenvolvimento? Alberto Castanho Ribeiro Porto, 21 de Maio de 2011 Estrutura 1. Evolução do Caminho de Ferro 2. Desafios

Leia mais

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 A gestão pública brasileira é marcada pela atuação setorial, com graves dificuldades

Leia mais

TEXTO DE APOIO À EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO TEMA

TEXTO DE APOIO À EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO TEMA TEXTO DE APOIO À EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO TEMA TEMA SELECCIONADO A CAMINHO DA ESCOLA IDENTIFICAÇÃO DAS COMPONENTES DA RUA / ESTRADA A Educação Rodoviária é um processo ao longo da vida do cidadão como

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012 Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH Marcelo Cintra do Amaral 20 de novembro de 2012 Roteiro da apresentação: Contexto do PlanMob-BH: prognóstico, caráter de plano diretor, etapas

Leia mais

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia.

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Bem-vindos à Conferência da ANACOM. Antes de mais gostaria de agradecer

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Livro Branco Roteiro do espaço único europeu dos transportes Rumo a um sistema de transportes competitivo e económico em recursos

Livro Branco Roteiro do espaço único europeu dos transportes Rumo a um sistema de transportes competitivo e económico em recursos Seminário de Transporte Rodoviário Livro Branco Roteiro do espaço único europeu dos transportes Rumo a um sistema de transportes competitivo e económico em recursos Isabel Seabra 26-05-2011 O Livro Branco

Leia mais

Inovação TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES

Inovação TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES Inovação EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES DOSSIER 13 JORGE LIZARDO NEVES O futuro é sem dúvida eléctrico Vem aí a Era de motores menos poluentes e mais eficientes. Quem o diz é o Jorge Lizardo Neves,

Leia mais

A Engenharia Portuguesa no Mundo. Internacionalização e Exportação

A Engenharia Portuguesa no Mundo. Internacionalização e Exportação A Engenharia Portuguesa no Mundo Internacionalização e Exportação CARLOS MATIAS RAMOS, Bastonário da Ordem dos Engenheiros Começo por citar um texto da autoria do Eng. Ezequiel de Campos, que consta do

Leia mais

SEGURANÇA VIÁRIA NO TRABALHO. Uma responsabilidade de todos

SEGURANÇA VIÁRIA NO TRABALHO. Uma responsabilidade de todos SEGURANÇA VIÁRIA NO TRABALHO Uma responsabilidade de todos QUEM SOMOS A FUNDACIÓN MAPFRE, instituição criada em 1975 pela MAPFRE, desenvolve atividades de interesse geral na Espanha e em outros países

Leia mais

Gestão dos resíduos e sustentabilidade

Gestão dos resíduos e sustentabilidade 1 INTERVENÇÃO PROFERIDA NO PLENÁRIO Gestão dos resíduos e sustentabilidade Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente, Senhora e Senhores Membros do Governo Ouviu a queixa do rio

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

ANEXO UM CONCEITO PARA OS PLANOS DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL

ANEXO UM CONCEITO PARA OS PLANOS DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.12.2013 COM(2013) 913 final ANNEX 1 ANEXO UM CONCEITO PARA OS PLANOS DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL da COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ

Leia mais

TRANSPORTE INTERMODAL. Os diferentes modos de transporte deverão funcionar como peças de um puzzle, que se encaixam harmoniosamente

TRANSPORTE INTERMODAL. Os diferentes modos de transporte deverão funcionar como peças de um puzzle, que se encaixam harmoniosamente TRANSPORTE INTERMODAL Os diferentes modos de transporte deverão funcionar como peças de um puzzle, que se encaixam harmoniosamente Rui Rodrigues Site: www.maquinistas.org (Ver Opinião) Email rrodrigues.5@netcabo.pt

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

Solução de gestão de frota automóvel

Solução de gestão de frota automóvel Solução de gestão de frota automóvel Gisgeo Information Systems www.gisgeo.pt UPTEC Parque de Ciência e Tecnologia R. Actor Ferreira da Silva, 100 gisgeo@gisgeo.pt 4200-298 Porto +351 220301572 Portugal

Leia mais

PROJECTO DE LEI Nº 581/X ALTERA AS NORMAS PARA VELOCÍPEDES SEM MOTOR DO CÓDIGO DA ESTRADA. Exposição de Motivos

PROJECTO DE LEI Nº 581/X ALTERA AS NORMAS PARA VELOCÍPEDES SEM MOTOR DO CÓDIGO DA ESTRADA. Exposição de Motivos PROJECTO DE LEI Nº 581/X ALTERA AS NORMAS PARA VELOCÍPEDES SEM MOTOR DO CÓDIGO DA ESTRADA Exposição de Motivos A invenção do motor de explosão e do automóvel particular trouxe alterações radicais à nossa

Leia mais

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020 ENCONTRO TEMÁTICO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL 28 de Fevereiro de 2014, Espaço Jovem, Porto de Mós. Grupo de Trabalho Desenvolvimento Urbano Sustentável A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos

Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos Suzana Kahn Ribeiro Programa de Engenharia de Transportes COPPE/UFRJ IVIG Instituto Virtual Internacional de Mudanças Climáticas Estrutura

Leia mais

Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP

Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP Senhores Ministros, É com grande satisfação que venho ouvir as políticas de investimento internacional, a nível das infraestruturas,

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

12. ª GRANDE CONFERÊNCIA DO JORNAL ÁGUA&AMBIENTE. PORTUGAL EFICIENTE NA GESTÃO DE RECURSOS Novos actores, novas políticas

12. ª GRANDE CONFERÊNCIA DO JORNAL ÁGUA&AMBIENTE. PORTUGAL EFICIENTE NA GESTÃO DE RECURSOS Novos actores, novas políticas 12. ª GRANDE CONFERÊNCIA DO JORNAL ÁGUA&AMBIENTE PORTUGAL EFICIENTE NA GESTÃO DE RECURSOS Novos actores, novas políticas 23 de Maio de 2012 Centro de Congressos da Univ. Católica de Lisboa ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Barómetro Anual Travelstore American Express 2012 Um estudo cujas respostas das empresas que participaram gerou uma doação à

Barómetro Anual Travelstore American Express 2012 Um estudo cujas respostas das empresas que participaram gerou uma doação à Barómetro Anual Travelstore American Express 2012 Um estudo cujas respostas das empresas que participaram gerou uma doação à 1. Amostra 2. Caracterização das viagens profissionais 3. Política de viagens

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA.

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. Caro participante, Agradecemos a sua presença no III Megacity Logistics Workshop. Você é parte importante para o aprimoramento

Leia mais

Como a política de transportes pode influenciar a qualidade do ar nas cidades

Como a política de transportes pode influenciar a qualidade do ar nas cidades Como a política de transportes pode influenciar a qualidade do ar nas cidades Gonçalo Homem de Almeida Rodriguez Correia (gcorreia@dec.uc.pt) Professor Auxiliar do Departamento de Engenharia Civil Universidade

Leia mais

A rua como elemento central da mobilidade urbana ciclável

A rua como elemento central da mobilidade urbana ciclável A rua como elemento central da mobilidade urbana ciclável 15 de Fevereiro de 2011 José M. Viegas Susana Castelo Mudança de paradigma Necessidade de : 1. Revisão do modelo de Predict & Provide, já que este

Leia mais

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES

CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES NAS EMPRESAS PLANEAR PARA A REDUÇÃO DE CUSTOS E OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES 19 e 20 Fevereiro 2013 Auditório dos CTT- Correios de Portugal Lisboa Horário Laboral: 09h30

Leia mais

PORTUGAL PRECISA DE DESENVOLVER UMA ESTRATÉGIA PARA O HIDROGÉNIO

PORTUGAL PRECISA DE DESENVOLVER UMA ESTRATÉGIA PARA O HIDROGÉNIO Pág: 9 Área: 22,57 x 29,17 cm² Corte: 1 de 5 PORTUGAL PRECISA DE DESENVOLVER UMA ESTRATÉGIA PARA O HIDROGÉNIO Em Portugal, os especialistas consideram que o hidrogénio poderá ser uma solução para a mobilidade

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 1 9 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 (S00537-201301) Nos termos do Artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei n.º

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Convenção Low Carbon Oeste Sustentável DESAFIOS DO SECTOR ENERGÉTICO E O VALOR DA ECOEFICIÊNCIA

Convenção Low Carbon Oeste Sustentável DESAFIOS DO SECTOR ENERGÉTICO E O VALOR DA ECOEFICIÊNCIA Convenção Low Carbon Oeste Sustentável DESAFIOS DO SECTOR ENERGÉTICO E O VALOR DA ECOEFICIÊNCIA Joaquim Borges Gouveia bgouveia@ua.pt DEGEI UAVEIRO 10 de julho de 2014 Uma Visão: Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA Resumo das principais regras rodoviárias alteradas pela Proposta de Lei n.º 131/XII

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA Resumo das principais regras rodoviárias alteradas pela Proposta de Lei n.º 131/XII 1. Foi criado o conceito de «Utilizadores vulneráveis»: Peões e velocípedes, em particular, crianças, idosos, grávidas, pessoas com mobilidade reduzida ou pessoas com deficiência. (artigo 1.º) Tendo em

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2011

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2011 Sistema de Informações da Mobilidade Urbana Relatório Geral 2011 Dezembro/2012 Relatório Geral 2011 1 Sumário executivo... 3 2 Mobilidade... 28 2.1 Valores para Brasil (municípios acima de 60 mil habitantes)...

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio:

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Mudança de paradigma energético em Portugal, com um implícito Desenvolvimento Sustentável suportado no seu crescimento económico, justiça

Leia mais

Plano de ações para segurança no corredor ferroviário

Plano de ações para segurança no corredor ferroviário Plano de ações para segurança no corredor ferroviário Fase 3 Elaboração das propostas Etapa 3.1, 3.2 e 3.4 Concepção, análise e detalhamento das propostas Página 1 de 10 Sumário 2.5. Plano de ações para

Leia mais

Posicionamento Estratégico e Fundo de Apoio ao Empreendedorismo

Posicionamento Estratégico e Fundo de Apoio ao Empreendedorismo Posicionamento Estratégico e Fundo de Apoio ao Empreendedorismo FUNDAÇÃO AEP Fomentar uma verdadeira cultura de empreendedorismo, da valorização e dignificação do papel social do empresário e da modernização

Leia mais

VELHOS PROBLEMAS NOVOS DESAFIOS: FINANCIAMENTO OU VALORIZAÇÃO

VELHOS PROBLEMAS NOVOS DESAFIOS: FINANCIAMENTO OU VALORIZAÇÃO VELHOS PROBLEMAS NOVOS DESAFIOS: FINANCIAMENTO OU VALORIZAÇÃO Instituto Superior Técnico, Universidade de Lisboa TIS.PT Consultores em Transportes, Inovação e Sistemas, s.a. 1 CONTEXTO DO PROBLEMA A evolução

Leia mais