mai 2009 working papers José Rodrigo Rodriguez INVERTER O ESPELHO: O DIREITO OCIDENTAL EM NORMATIVIDADES PLURAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "mai 2009 working papers José Rodrigo Rodriguez INVERTER O ESPELHO: O DIREITO OCIDENTAL EM NORMATIVIDADES PLURAIS"

Transcrição

1 mai 2009 working papers INVERTER O ESPELHO: O DIREITO OCIDENTAL EM NORMATIVIDADES PLURAIS ESTE É UM ARTIGO EM ELABORAÇÃO. PROIBIDO CITAR SEM AUTORIZAÇÃO DO AUTOR / WORKING PAPER. PLEASE DO NOT QUOTE

2 mai 2009 working papers INVERTER O ESPELHO: O DIREITO OCIDENTAL EM NORMATIVIDADES PLURAIS ESTE É UM ARTIGO EM ELABORAÇÃO. PROIBIDO CITAR SEM AUTORIZAÇÃO DO AUTOR / WORKING PAPER. PLEASE DO NOT QUOTE

3 COLEÇÃO DE ARTIGOS DIREITO GV (WORKING PAPERS) A Coleção de Artigos Direito GV (Working Papers) divulga textos em elaboração para debate, pois acredita que a discussão pública de produtos parciais e inacabados, ainda durante o processo de pesquisa e escrita, contribui para aumentar a qualidade do trabalho acadêmico. A discussão nesta fase cria a oportunidade para a crítica e eventual alteração da abordagem adotada, além de permitir a incorporação de dados e teorias das quais o autor não teve notícia. Considerando-se que, cada vez mais, o trabalho de pesquisa é coletivo diante da amplitude da bibliografia, da proliferação de fontes de informação e da complexidade dos temas, o debate torna-se condição necessária para a alta qualidade de um trabalho acadêmico. O desenvolvimento e a consolidação de uma rede de interlocutores nacionais e internacionais é imprescindível para evitar a repetição de fórmulas de pesquisa e o confinamento do pesquisador a apenas um conjunto de teorias e fontes. Por isso, a publicação na Internet destes trabalhos é importante para facilitar o acesso público ao trabalho da Direito GV, contribuindo para ampliar o círculo de interlocutores de nossos professores e pesquisadores. Convidamos todos os interessados a lerem os textos aqui publicados e a enviarem seus comentários aos autores. Lembramos a todos que, por se tratarem de textos inacabados, é proibido citá-los, exceto com a autorização expressa do autor.

4 Inverter o espelho: o direito ocidental em normatividades plurais 1 Envie seus comentários para Sumário 1 Para além da teoria da modernização e de sua crítica Um caso-limite e os modelos de regulação Qual modelo escolher? Princípio democrático e institucionalização...10 Referências bibliográficas Para além da teoria da modernização e de sua crítica O capítulo final de As raízes e o labirinto da América Latina de Silviano Santiago fornece um bom ponto de partida para as questões abordadas neste texto. Neste livro, Silviano lê em conjunto Raízes do Brasil de Sérgio Buarque de Hollanda e O Labirinto de América Latina de Octavio Paz, em suas próprias palavras, à La Derrida, e um dos bons resultados deste empreendimento desconstrucionista é identificar, a partir da obra de Paz, a oscilação de Sérgio entre a valorização e a superação das características ibéricas de nossa modernização. 2 Sérgio, segundo Silviano, mostra que a maior contribuição do Brasil para a civilização mundial, a cordialidade, forma de socialização em que o amor que nasce de laços de sangue ocupa papel central em todos os domínios, estaria sendo ameaçada pela modernização, marcada por padrões exógenos de impessoalidade burocrática. A defesa por Sérgio do funcionário patrimonial, solução de compromisso que visava manter o que havia de positivo tanto no amor iberista quanto nos princípios modernizantes, manifesta-se também em sua oposição ao projeto impessoal e burocratizante do Estado de Direito defendido pelos juristas de sua época e em suas críticas ao Manifesto por uma Escola Nova, que seguia os preceitos pragmatistas de 1 Doutor pelo Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp (IFCH-Unicamp). Coordenador de publicações da DIREITO GV. Editor da Revista DIREITO GV. Pesquisador do Núcleo Direito e Democracia do Cebrap. Agradeço a leitura e as sugestões de Flávia Portella Püschel, Marta Rodriguez de Assis Machado, Maíra Rocha Machado e Ana Carolina Alfinito Vieira, que são responsáveis pelas eventuais qualidades do texto e não por seus defeitos. 2 Silviano Santiago, As raízes e o labirinto da América Latina, Rio de Janeiro, Rocco, 2005, especialmente os capítulos 12 e 13. Não citar/please do not quote 1

5 John Dewey. Na economia interna do livro de Silviano, este momento mostra que a oposição entre Sérgio e Octávio, em certo nível muito radical, tem pontos de contato. Raízes do Brasil não é a valorização do pensamento mitológico de raiz indígena contra o colonizador como O Labirinto da América Latina e por isso não investe na linguagem poética para mimetizar a cosmogonia das populações nativas e falar da posição dos excluídos (ou foracluídos?). A despeito disso, a solução de compromisso entre modernização e iberismo de Sérgio também não abre mão de uma posição crítica diante da modernização ao inverter, ao menos em parte, o espelho da análise para pensar o colonizador a partir do colonizado, procedimento que, muito tempo depois, será radicalizado por Richard Morse em O Espelho de Próspero 3, uma espécie de paródia dos ensaios de interpretação do Brasil e da América Latina. Escrito por um estrangeiro, norte-americano, com o fim de divisar a face de seu país no espelho do Terceiro Mundo, o livro inverte não apenas o espelho, mas o ponto de vista, para interpretar seu país à luz do que ele poderia ter sido num mundo livre de sua hegemonia. O tema é delicado e mereceria mais espaço. No entanto, é importante gastar ao menos algumas linhas com ele, pois o movimento de inversão do espelho é caracterizado por uma perigosa ambigüidade e o projeto deste texto não deixa, em certa medida, de tentar realiza-lo. A ambigüidade deste procedimento está no fato de, ao permitir que se veja o colonizador a partir do ponto de vista do colonizado, abrir espaço para criticar o primeiro em nome do que ele destruiu, revelando a face perversa da modernização capitalista, marcada por objetivos essencialmente mercantis. No entanto, de outro lado, tal procedimento pode abrir espaço para a defesa da manutenção de características culturais essencializadas, por exemplo, na forma de uma nação brasileira, alemã, norte americana etc; expediente favorito de grupos fascistas ao redor do globo 4. Nesse registro, será possível condenar a influência de potências estrangeiras que, supostamente, ameaçariam a preservação das características da nação e, além disso, promover a repressão de indivíduos e grupos dissidentes que destoem desta essência brasileira, alemã etc. Desta forma, a inversão ficaria incompleta com a substituição do padrão ocidental por um anti-padrão colonizado que ocuparia seu lugar como instrumento ideológico. É importante manter estas questões no horizonte, pois meu objetivo, inspirado no motivo da inversão do espelho, é colocar a seguinte questão: O direito ocidental pode ser um instrumento de promoção e defesa da diversidade cultural? Quais são as possibilidades e limites da gramática do Direito ocidental para figurar, reconhecer e proteger a existência e a reprodução da diversidade de culturas, inclusive culturas tradicionais, marcadas por cosmogonias de características mitológicas? Ao realizar a inversão do espelho no campo de pesquisas que tem pensado o papel do direito no 3 Richard M. Morse. O Espelho de Próspero: cultura e idéias nas Américas, São Paulo: Cia das Letras, Ver Franz Neumann, The Rule of Law, Londres: Berg, 1986, livro que demonstra como os regimes fascistas substituíram o estado de direito pela idéia de nação como princípio de legitimação. No mesmo sentido, sem citar Neumann, ver Michael Mann, Fascistas, Rio de Janeiro: Record, 2008 e idem, The Dark Side of Democracy: Explaining Ethnic Cleansing, New York: Cambridge University Press, Não citar/please do not quote 2

6 desenvolvimento dos diversos países, deixa-se de lado o modelo ocidental como padrão a ser seguido por todo o globo e, mais do que isso, é levantada contra ele uma grave suspeita. Trata-se de questionar sua capacidade de respeitar a diversidade de culturas e suas respectivas normatividades; capacidade esta fundamental para a legitimidade do direito ocidental no contexto de sociedades multiculturais. A possibilidade de colocar o problema desta forma resulta da crítica ao etnocentrismo ocidental que atingiu a reflexão sobre as relações entre direito e desenvolvimento, uma crítica interna à cultura ocidental, diga-se. Quando ao direito, seu alvo é a postulação de que o direito racional-formal 5 deva ser um padrão a ser seguido por todo o mundo. No contexto das teorias da modernização em que a diversidade cultural era um valor secundário e desimportante diante da necessidade de emancipar os povos em nome de um padrão de civilização que lhes seria superior, as questões que trato aqui não fariam sentido algum. Apenas depois das críticas ao modelo de direito ocidental e a abertura do campo do Direito e Desenvolvimento à diversidade de culturas e ordens jurídicas é que questões como as que me interessam podem ser legitimamente tratadas. O debate sobre estes problemas data de algumas décadas. O centro do debate é a teoria da modernização e seu esquema de desenvolvimento em etapas, supostamente capaz de ser replicado em qualquer lugar do mundo. 6 Segundo este modo de pensar, há uma fórmula geral capaz de promover o desenvolvimento de todos os países e, por isso, é importante reproduzir por todo o mundo modelos de direito padronizado à imagem do direito ocidental. Este modo de pensar, que transforma a afinidade eletiva 7 entre direito formal-racional e capitalismo 8 identificada por Max Weber, em uma relação de causalidade simplista, tem sido objeto de críticas demolidoras 9, além de desmentidos empíricos evidentes, especialmente com as análises do capitalismo na Ásia 10, a despeito da sobrevida que ganhou no campo do debate ideológico. Quando falamos no registro da ciência, qualquer das ciências humanas, a defesa da modernização torna-se cada vez mais problemática, especialmente diante da ampliação dos horizontes epistêmicos 5 O direito ocidental é formal porque permite decidir conflitos a partir de critérios intrínsecos ao direito e não com base em valores morais, éticos, políticos, econômicos etc. É um direito racional porque remete a justificativas que transcendem o caso concreto e se baseiam em regras claramente definidas. Para uma explicação mais completa, ver, Max Weber, Economia e Sociedade, Brasília, Vol. 2, Editora da Unb, 1999 e David Trubek, O direito e a ascensão do capitalismo, Revista Direito GV, Vol. 3, n. 1, Chantal Thomas, Max Weber, Talcot Parsons and the Sociology of Legal Reform: A Reassessment with Implications for Law and Development, 15 Minnesota Journal of International Law 383, Max Weber, A Objetividade nas Ciências Sociais. São Paulo: Ática, Idem, ob. Cit. 9 David Trubek, ob. Cit.; Laura Nader, Promise or Plunder? A Past and Future Look at Law and Development. In: Global Jurist, Vol. 7, Issue 2 (Frontiers), Article 1, 2007; Chantal Thomas, ob. Cit. 10 Kanishka Jayasuriya, Franz Neumann on the Rule of Law and Capitalism: The East Asian Case, 2(3) J. Asia Pacific Econ. 357, 1997; Albert H. Y. Chen, Rational Law, Economic Development and the Case of China, 8 Social & Legal Studies 97, Não citar/please do not quote 3

7 ocidentais em contatos cada vez mais profundos com outras culturas. 11 Mas as marcas da teoria da modernização ainda são bastante profundas na cultura ocidental, especialmente quando nos referimos a questões que envolvam a relação entre direito e desenvolvimento. A idéia de que possa existir um padrão para as instituições de todo o mundo, capaz de promover o desenvolvimento econômico, marca o debate contemporâneo sobre o tema, ao lado de posições mais críticas ao modelo ocidental, que também permanecem atuantes. Como mostra David Trubek em texto recente sobre o assunto, após os anos 70 e 80, um tempo de críticas e de ceticismo em relação a programas de ajuda aos países em desenvolvimento, assistimos a seu ressurgimento irrefletido. 12 Não iremos especular aqui sobre as razões desta sobrevivência, tema que merece em si estudo separado. Há autores que vêem neste movimento apenas e tão-somente uma ofensiva ideológica voltada a impor um modelo de desenvolvimento neoliberal aos países da periferia. 13 Outros ligam-no a mudanças no capitalismo mundial, marcado por uma fase de predomínio da lógica financeira acompanhada da desregulamentalção do mercado, entregue a sua própria lógica. 14 Seja como for, não resta dúvidas de que é preciso continuar a criticar este modo de pensar que parece ter ressurgido das cinzas com toda a força sob a forma de programas voltados para a implantação do rule of law nos países em desenvolvimento. 15 A despeito da atual vivacidade desta discussão no campo do direito, especialmente nos Estados Unidos, o debate sobre a modernização e as questões a ele correlatas já está consolidado, ou seja, possui um conjunto significativo de teorias e argumentos organizados em pólos que disputam a melhor solução, sempre girando em torno das hipóteses weberianas. Podemos organizar as posições existentes em duas contraposições básicas. A primeira parte do pressuposto de que o desenvolvimento econômico é um objetivo a se perseguir para perguntar: O direito racional-formal favorece o desenvolvimento? 16 A segunda contraposição desatrela o desenvolvimento econômico do conceito de desenvolvimento ocidental e característico dos países 11 Além dos textos já citados, veja-se Stuart Hall, A identidade cultural na pós-modernidade, Rio de Janeiro: DP&A, 2003; Sérgio Costa, Dois Atlânticos: Teoria social, anti-racismo e cosmopolitismo, Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2006 e a coletânea Manuela Ribeiro Sanches (org.) Deslocalizar a Europa: Antropologia, Arte, Literatura e História na Pós-Colonialidade, Lisboa: Edições Cotovia, 2005 com textos de Edward W. Said, Hayden White, Johannes Fabian, James Clifford, Homi K. Bhabha, Nicholas Thomas, Dipesh Chakrabarty, Mary Louise Pratt e Hal Foster. 12 David M. Trubek, The Rule of Law in Development Assistance: present, past and future. In: David M. Trubek; Álvaro Santos, The new law and economic development: a critical appraisal, Cambridge: Cambridge University Press, 2006 (tradução em: (org.), O Novo Direito e Desenvolvimento: Presente, Passado e Futuro. Textos selecionados de David M. Trubek. São Paulo: Saraiva, 2009). 13 P. ex.: João Paulo de Almeida Magalhães, Nova estratégia de Desenvolvimento para o Brasil. Um Enfoque de Longo Prazo, Rio de Janeiro: Paz e Terra, P. ex.: Lídia Goldenstein, Repensando a Dependência, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994 e Colin Leys, The Rise and Fall of Development Theory, Bloomington: Indiana University Press, Álvaro Santos, The world bank s uses of the rule of law promise in economic development, In: David M. Trubek; Álvaro Santos, ob. Cit. 16 Recentemente, Kevin E. Davis e Michael J. Trebilcock organizaram tal contraposição nos pólos otimistas e céticos. V. Kevin E. Davis e Michael J. Trebilcock, The Relationship Between Law and Development: Optimists versus Skeptics, American Journal of Comparative Law, Vol. 57, No. 1, Não citar/please do not quote 4

8 centrais para ampliar sentido e incluir, por exemplo, a possibilidade de escolha livre de sua forma de vida e dos rumos que ela deve tomar. 17 Como conseqüência, as perguntas ligadas a esta posição são mais complexas, pois necessariamente ligadas ao contexto e a realidade concreta dos diversos povos, regiões, nações etc. Nesse registro, de um lado temos a visão padronizante do one size fits all e, de outro, por assim dizer, uma racionalidade de alfaiate, direcionada ao singular. Uma advertência importante: excluo de minha reflexão liminarmente a hipótese de que preservar culturas em sua singularidade e originalidade seja um objetivo possível de se cumprir no mundo de hoje. Não tenho espaço para discutir aqui as críticas filosóficas a uma idéia essencialista de cultura, que as concebe como entes isolados e estanques, passíveis de serem descritos em si mesmos, fora de um ambiente relacional, marcado por um processo constante de construção e reconstrução motivado pelo contato e pelo diálogo. 18 Meu pressuposto é que as culturas existentes podem se encontrar e se chocar, mesmo as mais isoladas e, por este motivo, é necessário construir instituições capazes de lidar com os problemas que decorrem desta realidade. Podem-se imaginar situações em que pode ser necessário quebrar o isolamento de uma cultura com o fim de preservá-la, por exemplo, caso algum fenômeno social ou natural ameace a sobrevivência de seus membros e seja possível salvá-los, mesmo que isso signifique questionar alguma regra que presida seu funcionamento. 19 Do mesmo modo, a formação de uma nova cultura que reivindique ser reconhecida diante da esfera pública coloca problemas de natureza semelhante. Qual o limite para a criação de regras passíveis de serem respeitadas em sua singularidade? Seria possível, por exemplo, admitir que uma cultura nova discriminasse as mulheres e adotasse práticas sexuais consideradas pelo direito ocidental como ofensivas às crianças, em nome do pluralismo jurídico? 20 Não há espaço neste texto para tratar destes problemas. Meu objetivo aqui é apenas construir um instrumental conceitual que permita pensá-los em função do valor da diversidade cultural, compreendida a cultura como um processo dinâmico de construção e reconstrução de valores e instituições. Trata-se de pensá-los, como já dito, no campo do direito ocidental em função dos limites desta gramática. Para fazê-lo, é preciso examinar a relação entre direito e diversidade cultural, tanto no nível do 17 Amartya Sen, Desenvolvimento como Liberdade, São Paulo: Cia das Letras, Iris Young, Inclusion and Democracy, Oxford: Oxford University Press, 2000; Fred Inglis, Culture, Cambridge: Polity Press, Roberto Cardoso de Oliveira & Luis R. Cardoso de Oliveira. Antropologia e Moralidade. Etnicidade e as Possibilidades de uma Ética Planetária, In: Ensaios Antropológicos sobre Moral e Ética, Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, Veja-se o caso recente de uma religião, cujos membros vivem isolados em uma fazenda no interior dos EUA, que foi acusada de tais práticas. Em razão de tal suspeita, 464 crianças foram afastadas de seus pais pelo Poder Judiciário. Ver: Texan sect inquiry find injuries, BBC News, 1 May, 2008, consultado em 18 de Janeiro de Uma decisão posterior devolveu as crianças a seus pais. Ver: Court win for Texas sect parents, BBC News, 29 May, 2008, consultado em 18 de Janeiro de Não citar/please do not quote 5

9 conceito abstrato de Estado de Direito quanto no nível dos diversos modelos de regulação compatíveis com o primeiro. A hipótese que levanto neste texto, resultado preliminar de um projeto mais longo, é justamente a necessidade de realizar estas duas operações. Pretendo mostrar que o problema não se resolve no nível abstrato de conceitos como estado de Direito, rule of law ou democracia, mas que requer um trabalho suplementar, de avaliação de diversas possibilidades de concretização de tais conceitos em modelos institucionais. Uma segunda hipótese, de que não vou tratar aqui, mas que apresento para completar o argumento, é que esta avaliação dos diversos modelos institucionais exige a construção de um critério para avaliar quais seriam aqueles mais ou menos adequados à defesa da diversidade, critério este que deve estar relacionado com os conceitos de democracia e estado de direito, mas que não se resolve neles. Esclareço também que não vou relacionar exaustivamente os modelos abstratos que construirei com ordenamentos jurídicos reais, tarefa necessária para demonstrar cabalmente a utilidade de minha tipologia. Meu interesse maior, neste texto, é mostrar a desvinculação entre a reflexão abstrata sobre a democracia e o estado de direito do problema dos modelos institucionais. 2 Um caso-limite e os modelos de regulação O caso-limite de uma cultura tradicional é particularmente interessante, pois coloca problemas para qualquer concepção ocidental de estado de direito. Partindo-se do pressuposto rousseauniano de que a legitimidade das normas jurídicas depende diretamente da concordância dos afetados por elas, ou seja, que os membros do corpo social devem ser ao mesmo tempo cidadãos e súditos, é de se perguntar se é possível conceber instituições capazes de promover a adesão às normas de humanos que praticam formas de pensamento radicalmente diferentes. 21 O radicalmente da frase anterior deve ser bem compreendido, afinal, pensadores como Lévi-Strauss e Viveiros de Castro têm demonstrado a complexidade do, por assim dizer, pensamento selvagem, e suas semelhanças com o que se pode denominar, na falta de termo melhor, de pensamento ocidental. 22 Não cabe aqui negar a possibilidade de encontrar um terreno comum em que a comunicação entre grupos humanos heterogêneos acorra e, como conseqüência, que esta experiência seja institucionalizada de forma não violenta e participativa. Apesar da complexidade deste problema, vou 21 Rousseau não acreditava em modelos representativos em que os indivíduos alienassem sua soberania a terceiros, portanto, seu modelo de sociedade não seria compatível com a reflexão que farei adiante. A atualização do modelo rousseauniano foi realizada por Jürgen Habermas, Direito e Democracia: entre facticidade e validade, Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1991, a partir de sua reelaboração kantiana. 22 Claude Lévi-Strauss, O Pensamento Selvagem, Campinas: Papirus, Eduardo Viveiros de Castro, A Inconstância da Alma Selvagem, São Paulo: Cossac Naif, Não citar/please do not quote 6

10 tomar esta possibilidade como um pressuposto. 23 A questão aqui é outra e, talvez, mais difícil de perceber e delinear. O problema é: diante da necessidade de resolver conflitos por meio das instituições jurídicas ocidentais é possível conceber desenhos institucionais capazes de manter o respeito à diversidade cultural? 24 O problema abstrato da possibilidade da institucionalização não violenta e participativa ao qual se liga mais diretamente a capacidade, também em abstrato, de compreensão mútua entre os seres humanos, não se confunde e não resolve, em absoluto, a questão da construção de regras e procedimentos jurídicos capazes de resolver conflitos concretos sob o imperativo dos princípios do Estado de Direito, capazes de respeitar a diversidade de culturas. É importante separar com clareza as duas questões para que seja possível seguir a análise. Para tanto, parece útil construir artificialmente um exemplo dos problemas que o direito tem que enfrentar nesse nível, o da decisão inescapável de conflitos apresentados ao aparelho jurisdicional, sempre sujeita a prazos limitados. Em seguida, construiremos, também artificialmente, alguns modelos de regulação que permitiriam dar conta do exemplo que construímos; o que nos permitirá evidenciar como as duas questões a que nos referimos situam-se em planos diversos. O argumento aqui é que a resposta à primeira pergunta não resolve os problemas relacionados à segunda. De um modelo abstrato de democracia não decorre uma conformação institucional específica, ao contrário, há sempre várias possibilidades de desenho institucional, possibilidade não são equivalentes seja lá qual valor seja tomado como referência para a análise. Dito isto, passemos ao exemplo. Imagine-se que seja apresentado o problema seguinte a uma autoridade decisória qualquer: é válido um contrato celebrado entre um humano representante de uma cultura tradicional e um empresário ocidental do ramo farmacêutico por meio do qual foi trocado o conhecimento sobre ervas de valor medicinal por ferramentas como facas e arados, úteis para as atividades de caça e agricultura realizadas pelo primeiro? Sem levar em conta as regras atualmente presentes no direito brasileiro ou em qualquer outro ordenamento jurídico, pode-se imaginar diversas soluções para este problema. Cada uma delas terá como pressuposto uma determinada visão da relação entre as duas culturas e estará baseada em modelos institucionais diferentes; a maioria dele compatível com o pressuposto rousseauniando citado acima. Passemos a elas. A primeira solução considera o representante da cultura tradicional como incapaz de compreender o significado da categoria contrato. Por conseguinte, a contratação em concreto não produziria efeitos. Nesta hipótese, haveria uma regra que afirmaria, por exemplo: Os silvícolas são considerados incapazes, portanto, uma das partes do contrato em exame não teria sido capaz de emitir sua vontade de forma juridicamente 23 Para este nível de análise é importante consultar: Charles Taylor & Amy Gutmann (org.), Multiculturalism, Princeton: Princeton University Press, Esclareço que os modelos apresentados a seguir são uma primeira tentativa de organizar a discussão institucional sobre o tema e que se referem à configuração geral da legislação sobre diversidade sem descer aos detalhes de todos os institutos envolvidos na regulação da questão. Não citar/please do not quote 7

11 relevante, sem prejuízo de seus direitos fundamentais. Este modelo pode ter duas variantes. Pode-se considerar que este o representante da cultura tradicional seja essencialmente incapaz de compreender o significado daquela transação. Nesse caso, ele seria incapaz de conviver com esta cultura e deveria ser isolado dela, seja em um estabelecimento destinado para este fim, seja nos limites de seu meio social. Não é possível afastar esta variante, a que chamarei de modelo de exclusão, do elenco de possibilidades à disposição de uma sociedade democrática, afinal, este é o tratamento que dispensamos, por exemplo, aos doentes mentais graves. A despeito de manter o incapaz isolado ou sob o poder de alguém ele tem direitos que devem ser respeitados: é dever de todos respeitar seu direito à vida e dever dos responsáveis por ele (particulares ou estado) de manter seu bem estar material, sempre sob vigilância e poder de alguém. Claro, pode-se afastar essa possibilidade por meio de argumentos científicos capazes de mostrar que representantes de culturas tradicionais são capazes de compreender nossa cultura e os doentes mentais graves não. No entanto, nada garante que estes argumentos saiam vencedores no debate público e afastem, de fato, a criação de um modelo de exclusão. Mais ainda, não parece razoável classificar como antidemocrático um estado que considere incapazes os representantes de culturas tradicionais, desde que sejam respeitados seus direitos fundamentais. A outra variante desta solução considera o indivíduo oriundo de uma cultura tradicional como dotado de potencial para compreender, ainda que no futuro, as regras de uma cultura diferente da sua, ou seja, considera que ele poderá fazer parte do universo cultural em que a suposta contratação é avaliada. O indivíduo pode ser incapaz em determinado momento e deixar de sê-lo no futuro. Além disso, sua incapacidade comporta graus que variam em função do desenvolvimento de seu potencial. Assim, para julgar casos concretos, será preciso considerar o indivíduo implicado em sua singularidade; não mais como o representante padronizado de uma cultura qualquer. Será necessário, portanto, avaliar, por meio de uma perícia ou outro meio admitido pelo direito, o desenvolvimento de suas capacidades no momento da prática do ato. Por isso mesmo, o indivíduo incapaz pode ser deixado solto, ou ficar isolado durante o tempo de aprendizado, sempre sob a tutela temporária de algum responsável por integrá-lo à cultura ocidental. Denomino esta hipótese de regulação como modelo de tutela que pode ter duas variantes, uma integracionista e outra não-integracionista. Para a primeira, integrar os incapazes será um dever da sociedade e, nesse registro, as regras da cultura tradicional serão vistas como primitivas, sendo necessário erradica-las para desenvolver plenamente as capacidades dos indivíduos. Para a segunda variante, a despeito da possibilidade real de integrar os membros de culturas tradicionais, este não é um objetivo a ser perseguido no nível das políticas públicas. Note-se que também neste modelo temos garantidos os direitos fundamentais dos representantes de culturas tradicionais. Um terceiro modelo, que chamarei de modelo da regra especial, ao contrário, permite que uma cultura alternativa funcione conforme suas próprias regras ao lado da Não citar/please do not quote 8

12 cultura ocidental desde que as mesmas sejam vistas como especiais em relação às normas estatais, gerais e abstratas. 25 Evidentemente, nesta hipótese, será preciso estabelecer regras para os casos em que houver conflitos de normas da cultura tradicional com normas da cultura ocidental, especialmente se houver conflitos que envolvam representantes de duas culturas diferentes. Ficou famoso no Brasil o caso de Paulinho Paiakan, índio caiapó acusado de estupro, que se declarou inocente, pois seu comportamento não seria punível pelas regras de sua tribo. No caso concreto que estamos discutindo, a autoridade decisória deveria examinar as regras das duas culturas antes de decidir se o contrato tem validade, verificando se há incompatibilidades entre as regras especiais e as regras gerais do direito ocidental. Tradicionalmente, o direito ocidental faz prevalecer normas especiais sobre norma gerais, mas trata-se de um princípio interpretativo flexível, sem valor absoluto. Seja como for, é essencial para este modelo a existência de regras para solucionar este tipo de conflito. Finalmente, o quarto modelo, que denomino modelo federativo, vê a cultura tradicional com uma nação dotada de soberania, ou seja, um ente capaz de gerar ordenamento jurídico próprio, como o qual é preciso estabelecer relações como se estabelecem relações entre países. 26 Este modelo depende do reconhecimento, pela cultura ocidental, de um centro de poder independente, muito provavelmente, no interior de seu território; um centro de produção normativa com ampla competência e grande autonomia para gerir seus interesses. Para a decisão do caso que montamos, o representante da cultura tradicional será tratado como estrangeiro e ao contrato serão aplicáveis, entre outras, as regras de direito internacional privado. Esta construção conceitual tentativa, que ainda precisa se testada à luz dos modelos institucionais efetivamente existentes ao redor do globo 27, pressupõe a 25 Neste modelo, haveria o reconhecimento do que Kymlicka chama de group-differentiated rights, direitos especiais garantidos a certos grupos culturais, v. Will Kymlicka, Multicultural Citizenship. Oxford: Clarendon Press, 1996, p. 26. Mais especificamente, haveria o reconhecimento dos assim denominados polyethnic rights, direitos cujo objetivo é: to help ethnic groups and religious minorities express their cultural particularity and pride without it hampering their success in the economic and political institutions of the dominant society. Idem, ibidem, p Neste modelo estariam garantidos todos os polyethnic rights segundo Kymlicka, a saber, self-govenment rights, polyethinic rights e special representation rights, v. idem, ibidem, pp.26 a Para uma descrição das características gerais da regulação brasileira sobre o tema ver: Carlos Frederico Marés de Souza Filho, O Renascer dos Povos Indígenas para o Direito, Curitiba: Juruá, 2006; Antonio Armando Ulian do Lago Albuquerque, Multiculturalismo e Direito à Autodeterminação dos Povos Indígenas, Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris, Para uma discussão mais específica de todos os institutos e temas de que tratam as leis brasileiras sobre índios ver: Luiz Fernando Villares, Direito e Povos Indígenas, Curitiba: Juruá, Grosso modo, o Brasil começou por adotar um modelo de tutela integracionista e evoluiu para um modelo de tutela não-integracionista, até chegar, com a Constituição de 1988, a um modelo de regra especial combinado com o modelo de tutela não integracionista. Claro, é importante notar a diferença entre a letra da lei e a ação dos agentes públicos, que promoveram um amplo extermínio das nações indígenas, especialmente durante o império. Ver: David Treece, Exilados, Aliados, Rebeldes. O movimento indianista, a política indigenista e o estado-nação imperial, São Paulo: Nankin/Edusp, Um modelo que se aproxima do modelo federativo é o adotado nos EUA e na Colômbia que vêm as diversas etnias indígenas como nações. V: Christian W. MacMillen, Making of Indian Law. The Hualapai land case and the birth of Etnohistory, New Haven: Yale University Press, 2007; Rachel Sieder (ed.). Multiculturalism in Latin America: indigenous rights, diversity and democracy. Londres: Palgrave/ILAS, 2002; Cletus Gregor Barié. Pueblos indígenas y derechos constitucionales en América Latina: un panorama. Bolívia: Comisión Nacional para el Desarrollo Não citar/please do not quote 9

13 possibilidade de combinação de modelos, no que eles forem compatíveis. Pode haver, por exemplo, um modelo que combine características, por exemplo, de tutela e regra especial e de tutela e federação: no último caso, será preciso haver uma regra que decida qual dos ordenamentos será competente para regular a capacidade dos envolvidos em conflitos. De qualquer maneira, meu objetivo com esta tipologia é apenas ressaltar a diversidade de possibilidade de regulação do problema que nos interessa; cada uma delas com implicações diversas sobre o respeito à diversidade cultural. Numa análise preliminar, os modelos da exclusão e da tutela, tomados em sua forma pura, implicam na desvalorização da diversidade e, de outra parte, os modelos da regra especial e o federativo abrem espaço para normatividades plurais em convivência com as regras do direito ocidental. Importante dizer que nenhum desses modelos, em si, garantiria o respeito à diversidade cultural, pois, mesmo num modelo federativo, seria possível imaginar que regras nacionais proibissem determinadas práticas a membros da federação. Quando dizemos que o modelo da regra especial e o modelo federativo favorecem a diversidade, estamos nos referindo apenas a um potencial. Em primeiro lugar, será importante examinar detalhadamente a tutela do problema nos pelos diversos institutos jurídicos específicos e a atuação do Poder Judiciário para verificar sua capacidade de concretizar os grandes princípios que orientam a regulação. 3 Qual modelo escolher? Princípio democrático e institucionalização Neste ponto da análise, podemos abordar diretamente o problema que esbocei acima: A opção por qualquer um destes modelos pode ser afastada a priori pelo princípio democrático rousseauniano? À luz do valor da diversidade, a escolha parece ser mais ou menos simples. Do mesmo modo, a lei positiva pode resolver, ainda que aparentemente, o problema: basta criar uma regra que afaste determinadas soluções e adote outra, ponto final. Mas ponto final até quando? Sabemos, as leis podem mudar a qualquer momento. Ademais, se ficarmos apenas com o critério do direito positivo, não termos elementos para criticar nenhuma solução institucional, desde que ela tenha sido positivada. Pois nada impede que as instâncias democráticas existentes venham a optar, por exemplo, pelo modelo da exclusão ou pelo modelo da tutela. Como já dito, o modelo da exclusão encontra paralelo no tratamento dos doentes mentais graves que não têm direito de votar ou de serem votados e, portanto, não participam da sociedade na condição de cidadãos, a despeito de terem seus direitos defendidos e respeitados em função de sua condição de seres humanos. O modelo da tutela, da mesma forma, encontra paralelo no tratamento de doentes mentais e crianças e também de los Pueblos Indígenas/Gobierno de México/Abya Yala/Banco Mundial, 2003; COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA. CEPAL. Pueblos indígenas y afrodescendientes de América Latina y el Caribe: información sociodemográfica para políticas y programas. Santiago: ONU, A Declaração de Direitos dos Povos Indígenas da ONU, assinada em 2007, aponta na direção deste modelo. Ela garante o direito à autonomia e ao autogoverno dos povos em questões relacionadas com seus assuntos internos e locais, destacando o direito a dispor dos meios para financiar suas funções autônomas. Além disso, ela afirma o direito destas populações a decidir, junto com o Estado, sobre os recursos naturais nos seus territórios, e sobre o exercício da justiça comunitária, de acordo com seus valores e tradições ancestrais, legitimando assim suas autoridades locais. Não citar/please do not quote 10

14 mantém a preocupação com a proteção e com o aperfeiçoamento dos indivíduos, visto aqui como a possibilidade e o dever de integrá-los na cultura ocidental. O modelo da regra especial e modelo federativo abandonam a crença na inferioridade da cultura tradicional e, independentemente disso, também são compatíveis com o princípio rousseauniano. Fica claro que, sem aduzir a este debate um critério adicional que permita estabelecer distinções e preferências entre os quatro modelos que delineamos acima, a teoria do direito permanecerá meramente descritiva e a reflexão filosófica, no nível abstrato da democracia como modelo, inútil diante de escolhas institucionais concretas. Mas que critério seria este? A matéria deve ser deixada à pura disputa política; ou seja, a decisão tomada pelos dos cidadãos, movimentos sociais e outros entes deve ficar acima da crítica? Ou trata-se de uma decisão ligada a imperativos de adequação e eficiência: aquele modelo que produzir melhores efeitos ou que funcionar melhor deve ser adotado? Mas como avaliar estes supostos efeitos? Com base em que critério? De que ponto de vista, como desenvolver um instrumental teórico para avaliar qual o melhor modelo institucional para regular a diversidade cultural? 28 Não vou realizar esta tarefa aqui. Meu objetivo foi apenas o de apresentar a questão sem resolve-la. Em trabalho posterior, pretendo examinar os diversos conceitos de diversidade em circulação no debate filosófico a partir dos modelos de regulação que montei aqui. Mesmo sem ter realizado este trabalho, é possível afirmar, tentativamente, que parece difícil resolver esta questão sem fazer referência a uma concepção normativa de diversidade cultural e de sua relação com o estado de direito e com a democracia. Sem partir de um conceito de diversidade, o estudioso se limitará a reconstruir o direito positivo e as demandas sociais sem poder avaliá-las. De outro lado, como fugir da mera opinião, de posições meramente subjetivas? Outro problema, relacionado com esse, é imaginar novos modelos que podem ser capazes de realizar de forma mais efetiva o ideal do respeito à diversidade cultural. Para esta tarefa propositiva, também seria necessário um conceito normativo de diversidade cultural que permitisse fazer a mediação entre a teoria de democracia e os modelos institucionais, além de uma teoria da imaginação instituinte. 29 Referências bibliográficas ALBUQUERQUE, Antonio Armando Ulian do Lago. Multiculturalismo e direito à autodeterminação dos povos indígenas. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris, BARIÉ, Cletus Gregor. Pueblos indígenas y derechos constitucionales en América Latina: un panorama. Bolívia: Comisión Nacional para el Desarrollo de los Pueblos Indígenas/Gobierno de México/Abya Yala/Banco Mundial, Trato da relação entre modelos institucionais e estado de direito no capítulo final e na conclusão de: José Rodrigo Rodriguez, Fuga do Direito. Um estudo sobre o direito contemporâneo a partir de Franz Neumann, São Paulo: Saraiva, Cornelius Castoriadis, A Instituição Imaginária da Sociedade, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995; Roberto Mangabeira Unger, What Should Legal Analisys Become?, London: Verso 1996 e Hans Jonas, The Creativity of Action, Cambridge: Cambridge University Press, Não citar/please do not quote 11

15 CASTORIADIS, Cornelius. A instituição imaginária da sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, CASTRO, Eduardo Viveiros de. A inconstância da alma selvagem. São Paulo: Cossac Naif, CHEN, Albert H. Y. Rational law, economic development and the case of China. Social and Legal Studies. Thousand Oaks: Sage Journals Online, v. 8, n. 1, p , COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA. CEPAL. Pueblos indígenas y afrodescendientes de América Latina y el Caribe: información sociodemográfica para políticas y programas. Santiago: ONU, 2006 COSTA, Sérgio. Dois atlânticos: teoria social, anti-racismo e cosmopolitismo. Belo Horizonte: Editora UFMG, COURT win for Texas sect parents. BBC News. 29 maio Disponível em: Acesso em: 18 jan DAVIS, Kevin E.; TREBILCOCK, Michael J. The Relationship Between Law and Development: Optimists versus Skeptics. American Journal of Comparative Law, v. 57, n. 1, GOLDENSTEIN, Lídia. Repensando a Dependência. Rio de Janeiro: Paz e Terra, HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, INGLIS, Fred. Culture. Cambridge: Polity Press, JAYASURIYA, Kanishka. Franz Neumann on the Rule of Law and Capitalism: The East Asian Case. Journal of Asia Pacific Economy. Abingdon: Routledge,v. 2, n. 3, p. 357, JONAS, Hans. The Creativity of Action. Cambridge: Cambridge University Press, KYMLICKA, Will. Multicultural citizenship. Oxford: Clarendon Press, LÉVI-STRAUSS, Claude. O Pensamento Selvagem. Campinas: Papirus, LEYS, Colin. The Rise and Fall of Development Theory. Bloomington: Indiana University Press, MACMILLEN, Christian W. Making of indian law: the Hualapai land case and the birth of etnohistory. New Haven: Yale University Press, MAGALHÃES, João Paulo de Almeida. Nova estratégia de desenvolvimento para o Brasil: um enfoque de longo prazo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, MANN, Michael. Fascistas. Rio de Janeiro: Record, The Dark Side of Democracy: Explaining Ethnic Cleansing. New York: Cambridge University Press, MORSE, Richard M.. O Espelho de Próspero: cultura e idéias nas Américas. São Paulo: Cia das Letras, NADER, Laura. Promise or Plunder? A Past and Future Look at Law and Development. Global Jurist. Berkeley: The Berkeley Eletronic Press, v. 7, n. 2 (Frontiers), artigo 1, Não citar/please do not quote 12

16 NEUMANN, Franz. The Rule of Law. Londres: Berg, OLIVEIRA, Roberto Cardoso de; OLIVEIRA, Luis R. Cardoso de. Ensaios Antropológicos sobre Moral e Ética. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, RODRIGUEZ, José Rodrigo (org.). O novo direito e desenvolvimento: presente, passado e futuro. Textos selecionados de David M. Trubek. São Paulo: Saraiva, RODRIGUEZ, José Rodrigo. Fuga do direito: um estudo sobre o direito contemporâneo a partir de Franz Neumann. São Paulo: Saraiva, SANCHES, Manuela Ribeiro (org.). Deslocalizar a Europa: antropologia, arte, literatura e história na pós-colonialidade. Lisboa: Edições Cotovia, SANTIAGO, Silviano. As raízes e o labirinto da América Latina. Rio de Janeiro: Rocco, SEN, Amartya. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Cia das Letras, SIEDER, Rachel (ed.). Multiculturalism in Latin America: indigenous rights, diversity and democracy. Londres: Palgrave/ILAS, SOUZA FILHO, Carlos Frederico Marés de. O renascer dos povos indígenas para o direito. Curitiba: Juruá, TAYLOR, Charles; GUTMANN, Amy (org.). Multiculturalism. Princeton: Princeton University Press, TEXAN sect inquiry find injuries. BBC News. 1 maio Disponível em: Acesso em: 18 jan THOMAS, Chantal. Max Weber, Talcot Parsons and the Sociology of Legal Reform: A Reassessment with Implications for Law and Development. Minnesota Journal of International Law. Minneapolis: Minnesota Journal of Global Trade, v. 15, n. 2, p , TREECE, David. Exilados, aliados, rebeldes: o movimento indianista, a política indigenista e o estado-nação imperial. São Paulo: Nankin/Edusp, TRUBEK, David M. Max Weber sobre direito e ascensão do capitalismo. Revista DIREITO GV. São Paulo: DIREITO GV, v. 3, n. 1, p , ; SANTOS, Álvaro. The new law and economic development: a critical appraisal. Cambridge: Cambridge University Press, WEBER, Max. Economia e Sociedade. Vol. 2. Brasília: Editora Unb,. A objetividade nas ciências sociais. São Paulo: Ática, YOUNG, Iris. Inclusion and Democracy. Oxford: Oxford University Press, UNGER, Roberto Mangabeira. What Should Legal Analisys Become? London: Verso VILLARES, Luiz Fernando. Direito e Povos Indígenas. Curitiba: Juruá, Não citar/please do not quote 13

Prisma Jurídico ISSN: 1677-4760 prismajuridico@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil

Prisma Jurídico ISSN: 1677-4760 prismajuridico@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Prisma Jurídico ISSN: 1677-4760 prismajuridico@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Cesarino Pessôa, Leonel; Fernandes, Pádua Reseña de "Sofrimento de indeterminação: uma reatualização da Filosofia

Leia mais

Direitos dos povos e comunidades tradicionais na Constituição Federal como direitos fundamentais

Direitos dos povos e comunidades tradicionais na Constituição Federal como direitos fundamentais Direitos dos povos e comunidades tradicionais na Constituição Federal como direitos fundamentais Paulo Gilberto Cogo Leivas Procurador Regional da República. Mestre e Doutor em Direito pela UFRGS. Coordenador

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros.

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros. INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM Fato Social - Exterioridade (o fato social é exterior ao indivíduo). - Coercitividade. - Generalidade (o fato social é geral). * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

Max Weber e o Direito (1864-1920)

Max Weber e o Direito (1864-1920) 82 Max Weber e o Direito (1864-1920) Fontes: BILLIER, Jean-Cassiere MARYIOLI, Aglaé. História da Filosofia do Direito. Barueri: Manole, 2005. DEFLEM, Mathiew. Sociology of Law. Cambridge: CUP, 2008. RODRIGUES

Leia mais

O Estado como Ordem Jurídica: análise da Teoria Pura do Direito de Kelsen à Luz do Pensamento de Gramsci

O Estado como Ordem Jurídica: análise da Teoria Pura do Direito de Kelsen à Luz do Pensamento de Gramsci Artigos O Estado como Ordem Jurídica: análise da Teoria Pura do Direito de Kelsen à Luz do Pensamento de Gramsci Rommel Madeiro de Macedo Carneiro Advogado da União, Coordenador de Assuntos Administrativos

Leia mais

I. De uma maneira geral, do que trata a sua pesquisa? Qual é a área temática?

I. De uma maneira geral, do que trata a sua pesquisa? Qual é a área temática? 1 SITES GOVERNAMENTAIS ENQUANTO MECANISMOS DE INFORMAÇÃO, TRANSPARÊNCIA E PARTICIPAÇÃO: TEORIA, INSTITUIÇÕES E ATORES Joscimar Souza Silva 1 Mestrando Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) Resumo:

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional Poder e Dominação Segundo Max Weber Poder significa toda oportunidade de impor sua própria vontade, no interior de uma relação social, até mesmo contra resistências, pouco importando em que repouse tal

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO IV. AS FUNDAÇÕES DO PENSAMENTO POLÍTICO, SOCIAL E ECONÔMICO BRASILEIRO.

PROGRAMA DE ENSINO IV. AS FUNDAÇÕES DO PENSAMENTO POLÍTICO, SOCIAL E ECONÔMICO BRASILEIRO. CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS CCHL MESTRADO DE CIÊNCIA POLÍTICA DISCIPLINA: FORMAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA DO BRASIL PROFESSOR: CLEBER DE DEUS CONSULTAS: A COMBINAR COM O PROFESSOR PERÍODO: 2008.1 E-mail:

Leia mais

Seja Bem-vindo(a)! AULA 1

Seja Bem-vindo(a)! AULA 1 Seja Bem-vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Administração Pública que apareceram com mais frequência nas últimas provas. AULA 1 Estado, origens e funções Teoria Burocrática

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FCS/FACE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FCS/FACE UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FCS/FACE Curso: Ciências Econômicas Disciplina: Teoria Política Professor: Francisco Mata Machado Tavares 2o Semestre / 2012 PROGRAMA / PLANO DE ATIVIDADES 1) Ementa da Disciplina:

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

21 de agosto: Apresentação da disciplina e bibliografia; divisão de seminários

21 de agosto: Apresentação da disciplina e bibliografia; divisão de seminários DISCIPLINA: Sistemas de Justiça e Desenvolvimento Profa. Dra. Mônica Teresa Costa Sousa Linha de pesquisa: Direito e Instituições do Sistema de Justiça Carga horária: 60 horas Horário: Quinta-feira, 14:00

Leia mais

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Introdução ao Direito I Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Privado Área: Direito Civil PLANO DE ENSINO EMENTA Acepções, enfoques teóricos

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

PRINCÍPIOS PRÁTICOS DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

PRINCÍPIOS PRÁTICOS DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PRINCÍPIOS PRÁTICOS DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Luiz Carlos Bresser-Pereira Comunicação à Quarta Reunião Anual do Comitê de Especialistas em Administração Pública do Conselho Econômico e Social (Ecosoc) das

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

A FORMAÇÃO DA COMUNIDADE INTERNACIONAL FRENTE AO FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO DO MODELO NORTE-AMERICANO

A FORMAÇÃO DA COMUNIDADE INTERNACIONAL FRENTE AO FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO DO MODELO NORTE-AMERICANO A FORMAÇÃO DA COMUNIDADE INTERNACIONAL FRENTE AO FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO DO MODELO NORTE-AMERICANO Carlos Antônio Petter Bomfá 1 RESUMO: A globalização tem se tornado um elemento de identificação de uma

Leia mais

A VIOLÊNCIA DA NOTÍCIA NA GLOBALIZAÇÃO: AS AGÊNCIAS TRANSNACIONAIS E O COMANDO DOS CÍRCULOS DE INFORMAÇÕES

A VIOLÊNCIA DA NOTÍCIA NA GLOBALIZAÇÃO: AS AGÊNCIAS TRANSNACIONAIS E O COMANDO DOS CÍRCULOS DE INFORMAÇÕES A VIOLÊNCIA DA NOTÍCIA NA GLOBALIZAÇÃO: AS AGÊNCIAS TRANSNACIONAIS E O COMANDO DOS CÍRCULOS DE INFORMAÇÕES André B. Pasti AGB-Campinas pasti@cotuca.unicamp.br INTRODUÇÃO No atual período da globalização

Leia mais

Análise de conflitos entre Direitos Humanos de primeira dimensão: A dignidade da pessoa humana e multiculturalismo

Análise de conflitos entre Direitos Humanos de primeira dimensão: A dignidade da pessoa humana e multiculturalismo 1 Análise de conflitos entre Direitos Humanos de primeira dimensão: A dignidade da pessoa humana e multiculturalismo Aluno: RAFAEL ATANAZIO Orientadora: DANIELA BUCCI UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

RAZÃO E PAIXÃO NO PENSAMENTO WEBERIANO 1

RAZÃO E PAIXÃO NO PENSAMENTO WEBERIANO 1 1 RAZÃO E PAIXÃO NO PENSAMENTO WEBERIANO 1 Rogério José de Almeida 2 No presente trabalho, tem-se por objetivo fazer uma breve análise do aparente conflito na formulação de dois conceitos fundamentais

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org CARTA DE PRINCÍPIOS DO FÓRUM SOCIAL MUNDIAL O Comitê de entidades brasileiras que idealizou e organizou

Leia mais

Enunciação e política de línguas no Brasil

Enunciação e política de línguas no Brasil Enunciação e política de línguas no Brasil Eduardo GUIMARÃES Universidade Estadual de Campinas Considerando o fato de que o Brasil é um país multilingüe, tomo como objetivo específico aqui a reflexão sobre

Leia mais

(PROCURADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL) Excelentíssimo Presidente do Supremo Tribunal Federal,

(PROCURADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL) Excelentíssimo Presidente do Supremo Tribunal Federal, A SRA. JANAÍNA BARBIER GONÇALVES (PROCURADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL) Excelentíssimo Presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministro Gilmar Mendes, na pessoa de quem cumprimento as demais autoridades

Leia mais

Capacitação em Poder Judiciário

Capacitação em Poder Judiciário Capacitação em Poder Judiciário de 09 a 14 de junho Convênio da Escola Judicial do TRT-RS com a Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas do Rio de Janeiro FGV SUMÁRIO 1. Sobre o Curso 2. Objetivos

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO FILOSOFIA

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO FILOSOFIA PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO FILOSOFIA P á g i n a 1 QUESTÃO 1 - Assinalar a alternativa correta: A) Com seu giro linguístico hermenêutico, Gadamer mostra que o processo hermenêutico é unitário,

Leia mais

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011).

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Resenha Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Bruno Ribeiro NASCIMENTO 1 Dominique Wolton costuma nadar contra a corrente: quando os críticos da indústria cultural

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 .. RESENHA Bookreview HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 Gustavo Resende Mendonça 2 A anarquia é um dos conceitos centrais da disciplina de Relações Internacionais. Mesmo diante do grande debate teórico

Leia mais

Poderemos viver juntos? Éticas e filosofias da convivência ambiental Manuel Muñoz

Poderemos viver juntos? Éticas e filosofias da convivência ambiental Manuel Muñoz Poderemos viver juntos? Éticas e filosofias da convivência ambiental Manuel Muñoz 1. Ecoética: do paradigma antropocêntrico ao paradigma biocêntrico. A pergunta que inicia o presente texto também faz parte

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA SOCIOLÓGICA DE MAX WEBER PARA EDUCAÇÃO. Introdução

CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA SOCIOLÓGICA DE MAX WEBER PARA EDUCAÇÃO. Introdução CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA SOCIOLÓGICA DE MAX WEBER PARA EDUCAÇÃO Guilherme Costa Garcia Tommaselli 1 Luis Paulo Santos Bezerra 2 Introdução Este artigo tem como objetivo realizar uma reflexão sobre a educação

Leia mais

HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET

HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET 1 HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET Marlesson Castelo Branco do Rêgo IFPE Doutorando em Ciências Humanas pela UFSC Introdução Em 2004, o governo federal lançou

Leia mais

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Por Agnaldo dos Santos* Publicado em: 05/01/2009 Longe de esgotar o assunto, o artigo Privatização, Terceirização e

Leia mais

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV)

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV) 1 Amigos concurseiros, Tendo em visto a iminência da realização de mais um concurso para a Secretaria de Fazenda do Estado RJ (SEFAZ/RJ), vamos analisar as questões de Administração Pública que caíram

Leia mais

A efetividade das sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos no Brasil

A efetividade das sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos no Brasil IX Salão de Iniciação Científica PUCRS A efetividade das sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos no Brasil Gabriela Bratkowski Pereira, Elias Grossmann (orientador) Faculdade de Direito,

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA NA ESCOLA: DE ONDE VIEMOS E PARA ONDE VAMOS?

GESTÃO DEMOCRÁTICA NA ESCOLA: DE ONDE VIEMOS E PARA ONDE VAMOS? GESTÃO DEMOCRÁTICA NA ESCOLA: DE ONDE VIEMOS E PARA ONDE VAMOS? Isabel Cristina Nonato Universidade Estácio de Sá majorisabel@yahoo.com.br Resumo: O presente artigo trata da questão da gestão democrática

Leia mais

ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013

ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 Atividade: Mesa-Redonda (MR-02) Título: OS POVOS INDÍGENAS E AS DEMANDAS POLÍTICAS NO BRASIL ATUAL Instituição Proponente: ABA Coordenador: Vânia

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

A FILOSOFIA E TECNOLOGIAS: FORMAÇÃO E OPINIÃO PÚBLICA CRÍTICA

A FILOSOFIA E TECNOLOGIAS: FORMAÇÃO E OPINIÃO PÚBLICA CRÍTICA A FILOSOFIA E TECNOLOGIAS: FORMAÇÃO E OPINIÃO PÚBLICA CRÍTICA Elvio de Carvalho Graduado em Filosofia pela UFSM/RS. Membro do projeto Formação Cultural. helviocarvalho@hotmail.com Valmir da Silva Acadêmico

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

O processo de planejamento participativo da unidade escolar

O processo de planejamento participativo da unidade escolar O processo de planejamento participativo da unidade escolar Pedro GANZELI 1 Resumo: Nos últimos anos, com o avanço das políticas educacionais que postulam a descentralização, a gestão da unidade escolar

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

Política de Línguas na América Latina 1

Política de Línguas na América Latina 1 Política de Línguas na América Latina 1 Eduardo Guimarães * Num momento como o atual, em que as relações internacionais vêm mudando rapidamente e que se caracteriza, entre outras coisas, pelo fato político

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB.

I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB. I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB. Tema: Educação Inclusiva. Palestrante: Professor Nivaldo Vieira Santana Inicialmente desejo agradecer aos organizadores

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

SÉRIE PENSANDO O DIREITO

SÉRIE PENSANDO O DIREITO SÉRIE PENSANDO O DIREITO DANO MORAL Convocação 01/2010 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS - FGV Equipe de pesquisa Coordenação Flavia Portella Püschel Pesquisadores Alessandro Hirata André Rodrigues Corrêa Bruno

Leia mais

O PATINHO FEIO E O ROUXINOL E O IMPERADOR DA CHINA DE HANS CHRISTIAN ANDERSEN: A LITERATURA INFANTIL NAS 4ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL.

O PATINHO FEIO E O ROUXINOL E O IMPERADOR DA CHINA DE HANS CHRISTIAN ANDERSEN: A LITERATURA INFANTIL NAS 4ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 949 O PATINHO FEIO E O ROUXINOL E O IMPERADOR DA CHINA DE HANS CHRISTIAN ANDERSEN: A LITERATURA INFANTIL NAS 4ª SÉRIES

Leia mais

PROGRAMA SOCIAL COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE: Experiência da Unidade Móvel do SENAC PE

PROGRAMA SOCIAL COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE: Experiência da Unidade Móvel do SENAC PE PROGRAMA SOCIAL COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE: Experiência da Unidade Móvel do SENAC PE Autor(a): Ivalda Barbosa do Nascimento Mandú Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email:

Leia mais

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa 7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa As críticas ao ensino tradicional de língua portuguesa não são recentes. Nos anos trinta, Olavo Bilac já se posicionava contra o

Leia mais

Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1

Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1 Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1 A mudança na graduação das profissões da saúde segue sendo um tema fundamental para todos aqueles preocupados

Leia mais

1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo

1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo 1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo A Sociologia nasceu como disciplina científica no século XIX, no contexto de formação e consolidação da sociedade capitalista. Tornou-se evidente que as

Leia mais

DIREITO = símbolo da consciência coletiva = função de solidariedade. Émile Durkheim. DIREITO = instrumento de poder = superestrutura Função ideológica

DIREITO = símbolo da consciência coletiva = função de solidariedade. Émile Durkheim. DIREITO = instrumento de poder = superestrutura Função ideológica DIREITO = símbolo da consciência coletiva = função de solidariedade Émile Durkheim Fato social Consciência coletiva Solidariedade Simbólico direito Anomia norma/crime Karl Marx Potencial humano consciência

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho.

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. O propósito dessa aula é reconhecer quais os lugares de onde se originam os direitos trabalhistas, onde procurá-los

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO P á g i n a 1 Questão 1. Émile Durkheim demonstrou por meio de seus estudos a relação entre as manifestações de solidariedade existentes na sociedade

Leia mais

América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio

América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio Cláudio Roberto Ribeiro Martins claudiorrmartins@gmail.com FCT/UNESP - Presidente Prudente Palavras-chave:

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA

NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA Shirlene Marques Velasco * RESUMO: O objetivo do trabalho é abordar alguns questionamentos que se apresentam na relação entre Constituição e democracia.

Leia mais

Palavras-chave: Direito; Ética; Justiça; Moral; Sociedade; Brasil; Kelsen; Adequação Social. 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Palavras-chave: Direito; Ética; Justiça; Moral; Sociedade; Brasil; Kelsen; Adequação Social. 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS O DIALOGISMO ENTRE MORAL, DIREITO, ÈTICA E JUSTIÇA, TENDO COMO BASE OS ESTUDOS DE KELSEN E O PRINCÍPIO DA ADEQUAÇÃO SOCIAL. TÓPICOS DE SUA APLICAÇÃO PELA SOCIEDADE BRASILEIRA 1 Estevão Machado Athaydes

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UNIVERSIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE (UFF) PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA (PPGS) SELEÇÃO DE MESTRADO 2014/2015 PRÉ-PROJETO DE DISSERTAÇÃO LINHA

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE (UFF) PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA (PPGS) SELEÇÃO DE MESTRADO 2014/2015 PRÉ-PROJETO DE DISSERTAÇÃO LINHA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE (UFF) PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA (PPGS) SELEÇÃO DE MESTRADO 2014/2015 PRÉ-PROJETO DE DISSERTAÇÃO LINHA DE PESQUISA: PODER, ESTADO E CONFLITO TÍTULO: AS DISPUTAS

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA Tarciso Dal Maso Jardim 1 A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 Sobre a atuação dos Juízes e Poderes Judiciários Iberoamericanos relativamente à informação, à participação pública e ao acesso à justiça em matéria de meio ambiente

Leia mais

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar?

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar? ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E AS DIFERENÇAS NA ESCOLA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INTEGRAL Rosângela Machado Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis A palestra intitulada Organização Curricular e as

Leia mais

Ficha de unidade curricular. Curso de Licenciatura (1.º Ciclo)

Ficha de unidade curricular. Curso de Licenciatura (1.º Ciclo) Ficha de unidade curricular Curso de Licenciatura (1.º Ciclo) Unidade curricular HISTÓRIA DO PENSAMENTO JURÍDICO Docente responsável e respetiva carga letiva na unidade curricular Professora Doutora Míriam

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça Intervenção do Ministro da Justiça Sessão comemorativa do 30º Aniversário da adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos do Homem Supremo Tribunal de Justiça 10 de Novembro de 2008 Celebrar o

Leia mais

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado Ana Carolyna Muniz Estrela 1 Andreza de Souza Véras 2 Flávia Lustosa Nogueira 3 Jainara Castro da Silva 4 Talita Cabral

Leia mais

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social O Serviço Social é uma profissão de intervenção e uma disciplina académica que promove o desenvolvimento e a mudança social, a coesão

Leia mais

161 FILOSOFIA Prova escrita

161 FILOSOFIA Prova escrita 161 FILOSOFIA Prova escrita PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Duração: 90 min Ano: 2013 1ª fase - Junho 10º/11º anos Grupo I Selecione a alternativa correta: 1. A diferença entre ação e acontecimento

Leia mais

Possibilidade relativa

Possibilidade relativa Page 1 of 7 criticanarede.com ISSN 1749-8457 30 de Setembro de 2003 Metafísica e lógica filosófica Possibilidade relativa Três concepções Desidério Murcho Segundo a concepção de Bob Hale (1997) e Ian McFetridge

Leia mais

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Lições de Cidadania - um Projeto em Construção Área Temática de Direitos Humanos Resumo No presente

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

A importância de ler Paulo Freire

A importância de ler Paulo Freire A importância de ler Paulo Freire Rodrigo da Costa Araújo - rodricoara@uol.com.br I. PRIMEIRAS PALAVRAS Paulo Reglus Neves Freire (1921-1997) o educador brasileiro que via como tarefa intrínseca da educação

Leia mais

Administração e Planejamento em Serviço Social Profa. Edilene Maria de Oliveira

Administração e Planejamento em Serviço Social Profa. Edilene Maria de Oliveira Administração e Planejamento em Serviço Social Profa. Edilene Maria de Oliveira Teoria das Organizações Palavras chave: Planejamento, organização, empresas 1 Teoria das organizações Aula Tema 3 e 4 Gestão

Leia mais

INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA

INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA A Antropologia é o estudo do homem e seu mundo. Como ciência da humanidade, ela se preocupa em conhecer cientificamente o ser humano em sua totalidade. (MARCONI, Marina

Leia mais

A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA

A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA D OLIVEIRA, Marcele Camargo 1 ; D OLIVEIRA, Mariane Camargo 2 ; CAMARGO, Maria Aparecida Santana 3 Palavras-Chave: Interpretação.

Leia mais

INDIVIDUALISMO E EDUCAÇÃO: UM EXAME A PARTIR DA PROPOSTA DE CHARLES TAYLOR

INDIVIDUALISMO E EDUCAÇÃO: UM EXAME A PARTIR DA PROPOSTA DE CHARLES TAYLOR INDIVIDUALISMO E EDUCAÇÃO: UM EXAME A PARTIR DA PROPOSTA DE CHARLES TAYLOR Carlos Eduardo Zinani (UCS) Resumo: O individualismo em que se encontra a sociedade contemporânea começou a se delinear ainda

Leia mais

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial Introdução Este documento foi elaborado e aprovado pela Equipe de País do Sistema das Nações Unidas no Brasil em resposta ao interesse

Leia mais

Estado de Direito! Uma das fórmulas mais felizes da filosofia política e da filosofia do direito ocidentais (Zolo)!

Estado de Direito! Uma das fórmulas mais felizes da filosofia política e da filosofia do direito ocidentais (Zolo)! Estado de Direito! Uma das fórmulas mais felizes da filosofia política e da filosofia do direito ocidentais (Zolo)! Duas tradições jurídicas distintas! Estado de direito teve origem na cultura liberal

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

Bank on Human Rights Uma coalizão para proteção de direitos humanos em financiamento para o desenvolvimento desarrollo

Bank on Human Rights Uma coalizão para proteção de direitos humanos em financiamento para o desenvolvimento desarrollo Bank on Human Rights Uma coalizão para proteção de direitos humanos em financiamento para o desenvolvimento desarrollo Revisão das Salvaguardas do Banco Mundial Uma Questão Crucial para a América Latina

Leia mais