Pedagógico para o efeito, também os seus membros se mostraram contrários à realização de um projecto de TEIP3 na Escola, por uma ampla maioria dos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pedagógico para o efeito, também os seus membros se mostraram contrários à realização de um projecto de TEIP3 na Escola, por uma ampla maioria dos"

Transcrição

1 Conselho Geral Acta Aos trinta dias do mês de Outubro de dois mil e doze, reuniu o Conselho Geral da Escola Secundária de Odivelas, em sessão ordinária, com a seguinte ordem de trabalhos: Ponto um: Período de Antes da Ordem do dia (AOD); Ponto dois: Informações; Ponto três: Documento enviado ao Presidente do Conselho Geral pelo professor desta escola João Manuel Alves Lima; Ponto quatro: Aprovação de alterações ao Regulamento Interno da Escola; Ponto cinco: Apreciação do Projecto TEIP3; Ponto seis: Período de Depois da Ordem do Dia (DOD). Estiveram presentes os conselheiros que constam da lista de presenças. A reunião deste Conselho iniciou-se com a leitura e aprovação da acta do Conselho Geral anterior que foi aprovada com cinco votos a favor e seis abstenções de membros que tinham estado ausentes da sessão. No ponto AOD foi dada a conhecer pelo Presidente do Conselho Geral a solicitação do Director para que fosse aprovada a inclusão dos Critérios para a Elaboração de Horários no Projecto Educativo da Escola, a qual foi sugerida pelo corpo de Inspecção que visitou a Escola durante o mês de Outubro. Tal procedimento foi aprovado pelo Conselho Geral por unanimidade. A conselheira Célia Croca, representante da autarquia local, deu a conhecer a atribuição do prémio Rainha Santa Isabel, instituído pelo Município de Odivelas, à aluna desta Escola Patrícia Gomes, no âmbito da disciplina de Português. O prémio será entregue no Centro Cultural Malaposta, no próximo dia de dezanove de Novembro, em cerimónia pública comemorativa do décimo quarto aniversário do Município de Odivelas, pelo que a conselheira convidou os membros da Escola a estarem presentes. No ponto dois da Ordem de Trabalhos, o Presidente deu as seguintes informações: i) no decorrer desta sessão será necessário proceder à criação de várias comissões eventuais de trabalho para dar resposta às actividades do Conselho Geral durante este ano lectivo, de que destacou as Propostas para as linhas gerais do Orçamento do próximo ano, a recondução ou eleição de um novo Director e a eleição de um novo Conselho Geral; ii) por indicação do órgão da tutela, a escola procedeu e vai ainda proceder a diversas alterações no que diz respeito aos horários de funcionamento e dieta alimentar dos bares de alunos e professores, bem como ao acesso às máquinas de venda de produtos alimentares, de modo a restringi-lo, já que até agora tem sido universal. Tais procedimentos serão dados a conhecer a toda a comunidade escolar; iii) por imperativo de resposta em tempo útil, o Presidente deu a conhecer a sua decisão de autorizar a alteração das férias do Director, por solicitação do mesmo Director, e colocou à discussão do Conselho Geral a ratificação da sua decisão. O Conselho foi do parecer, através de proposta da conselheira Carla Ganhão que, não havendo uma comissão eventual eleita para o efeito, deveria o Presidente, em casos urgentes, proceder do modo como procedeu, submetendo depois a sua decisão à ratificação de todos os conselheiros;

2 iiii) o Director informou o Conselho sobre os resultados da Inspecção Escolar que decorreu na Escola durante o mês de Outubro. Foram solicitadas respostas da Escola a vinte e seis questões levantadas, muitas das quais já se encontram resolvidas, prevendose a resolução de outras resolvidas durante o mês de Novembro. Realçou o problema da atribuição de seis segmentos na disciplina de Espanhol, em vez de sete, problema que já se encontra resolvido. No ponto três da ordem de trabalhos, o Presidente deu a conhecer um documento recebido através de correio electrónico, no dia dezasseis de Setembro, enviado pelo professor desta Escola João Manuel Alves Lima. Informou também que deu resposta a esse documento, a qual foi enviada ao referido professor no dia dezassete por correio electrónico, e posteriormente por correio oficial. Os dois documentos foram ainda enviados aos conselheiros, para que todos tomassem conhecimento e para que sobre eles fosse feita uma análise demorada no Conselho Geral ordinário mais próximo das datas acimas referidas. Considerou que não tinha convocado uma reunião extraordinária do Conselho Geral, como era solicitado pelo professor João Manuel Alves Lima, por lhe parecer que o documento não configurava um recurso, conforme o previsto no artigo 13º do Despacho número 75/2008. Decidiu depois solicitar ao Director da Escola informações sobre a eleição dos Coordenadores de Departamento e bem assim sobre toda a documentação que se lhe referisse, designadamente em forma de actas ou outros. Em consequência, foram-lhe enviadas as actas, ainda não aprovadas, das reuniões em que decorreram as eleições de Coordenadores de Departamento e, ao mesmo tempo, uma contestação dirigida pelo professor João Manuel Alves Lima ao Director Regional de Lisboa e Vale do Tejo. Informou ainda o Presidente que, da consulta das actas, verificou que em nenhum Departamento se referia qualquer anomalia na eleição dos respectivos Coordenadores, com excepção do Departamento de Matemática e Ciências Exactas, onde o professor João Manuel Alves Lima se considerava desvinculado de qualquer compromisso para a sua eleição como Coordenador, embora tivesse sido nomeado pelo Director para o efeito, de acordo com a legislação em vigor. Por fim, o Presidente, considerou ainda que no documento que lhe foi dirigido pelo professor João Manuel Alves Lima não são apresentadas as razões da sua contestação, ficando a matéria referenciada pela expressão factos ocorridos, o que não configura qualquer anomalia no processo de eleição dos Coordenadores de Departamento. Estes factos são bem explicitados na contestação que o professor João Manuel Alves Lima dirigiu ao Director Regional de Lisboa e Vale do Tejo. Porém, tal contestação decorre os seus trâmites legais e administrativos, não podendo nem devendo o Presidente ou o Conselho Geral pronunciar-se sobre ela. Na sequência desta apresentação do problema, o conselheiro Álvaro Marçal foi do parecer que tinha sido feito tudo o que poderia ser feito para responder à pretensão do professor João Manuel Alves Lima, mas que considerava que deveria o Conselho comunicar ao professor que se encontrava à sua disposição para acompanhar, dentro do seu âmbito de acção, todos os ulteriores desenvolvimentos que o processo venha a apresentar. A conselheira Célia Croca considerou que lhe parecia não poder o Conselho Geral pronunciar-se sobre assuntos não explicitados no documento enviado pelo professor ao Presidente do Conselho Geral e muito menos sobre o documento que foi enviado ao Director Regional de Lisboa e Vale do Tejo. A conselheira Carla Ganhão considerou que devia o Conselho Geral pronunciar-se da forma mais isenta que lhe fosse possível, não devendo ater-se aos aspectos formais do problema. A conselheira Célia Tomás considerou que não tinham sido apresentados factos concretos na exposição apresentada ao Presidente do Conselho Geral, pelo que o documento não

3 deveria merecer mais atenção do que aquela que lhe foi dispensada. A conselheira Olga Pinto fez menção de corrigir um ponto do documento da resposta enviada pelo Presidente ao professor João Manuel Alves Lima, a saber, o facto referido de as actas das reuniões de Departamento já terem sido aprovadas nos respectivos órgãos, quando na verdade tal ainda não tinha acontecido. Na consequência destas considerações, o Conselho Geral deliberou encarregar o seu Presidente de proceder às alterações propostas e de enviar uma resposta ao professor João Manuel Alves Lima, fundada no texto que lhe havia sido enviado no dia dezassete de Setembro, com as devidas alterações. Essa resposta constará desta acta como anexo um. No ponto quatro da Ordem de Trabalhos, o Conselho abordou os documentos enviados, com alterações propostas pelo Conselho Pedagógico, referentes à recomposição do Conselho Pedagógico, às Medidas Disciplinares Correctivas e Sancionatórias e aos Deveres dos Alunos, de acordo com as alterações introduzidas pela nova legislação m vigor. O Presidente do Conselho Geral enquadrou as novas alterações num contexto de carácter transitório, tanto mais que lhe parece ser consensual o facto de ser necessário fazer uma profunda adaptação do Regulamento Interno da Escola, tendo em vista a sua leitura mais fácil e acessível a toda a comunidade. A conselheira Carla Ganhão fez considerações sobre a substância das novas alterações referentes à recomposição do Conselho Pedagógico, que excluíram a representação dos Pais e Encarregados de Educação e os Alunos, fazendo questão de vincar para a acta o seu desagrado pelo facto, como representante da Associação de Pais no Conselho Geral. O Director justificou a recomposição do Conselho Pedagógico a que procedeu, com base na legislação em vigor e no seu próprio juízo sobre o assunto. O conselheiro Álvaro Marçal considerou que lhe parecia que se tornava necessário, mais do que produzir alterações formais ao Regulamento Interno, conseguir formas práticas para a sua cabal consecução, quer através de uma maior divulgação quer através de uma maior participação de toda a comunidade escolar na interiorização e cumprimento das normas existentes. O conselheiro Hélder Gomes recordou que existe um conjunto importante de informação referente à Escola e disponibilizado na sua Página Intranet. O Presidente considerou que esta é uma matéria que deve exigir uma maior atenção da Direcção bem como de toda a comunidade escolar e que lhe parecia que a próxima revisão do Regulamento Interno, prevista para os tempos próximos, deveria ter todas estas recomendações em conta. Sobre as Medidas Disciplinares Correctivas e Sancionatórias, a conselheira Carla Ganhão considerou que lhe parecia que, no que toca ao previsto no ponto , a saber, o apoio de entidades externas na consecução de medidas correctivas, só a existência de protocolos, celebrados entre a Escola e outras entidades, poderia dar cabal solução na tal medida. Apreciadas as alterações propostas pelo Conselho Geral, foram as mesmas aprovadas por unanimidade, com treze votos a favor. No ponto cinco da Ordem de Trabalhos o Presidente deu a conhecer o convite que foi feito à Escola para integrar um projecto de TEIP3, de acordo com o previsto no Despacho 20/2012 de vinte e cinco de Setembro. Deu ainda a conhecer todas as acções que foram desencadeadas na Escola para apreciar o projecto em causa, designadamente a consulta que foi feita através de uma Reunião Geral de Professores e em reuniões de todos os Departamentos. Informou ainda o Presidente que, da consulta feita aos Departamentos, resultou uma recusa generalizada dos professores consultados, tendo sido aprovada uma moção no Departamento de Ciências Sociais e Humanas que aponta para a elaboração de um plano de autonomia da Escola. Reunido o Conselho

4 Pedagógico para o efeito, também os seus membros se mostraram contrários à realização de um projecto de TEIP3 na Escola, por uma ampla maioria dos seus membros. A conselheira Carla Ganhão mostrou a sua perplexidade perante a rejeição da maioria do corpo docente da Escola, tendo o Director intervindo para esclarecer as circunstâncias em que tal proposta foi rejeitada, acrescentando ainda que lhe parecia que tinha sido elaborado um projecto por um grupo de trabalho, tendo em conta os dados estatísticos que esclarecem a situação da Escola e do seu corpo discente quanto a absentismo e abandono escolar, sucesso e indisciplina, para além de terem sido elencadas várias propostas de melhoria pedagógica. O Presidente do Conselho Geral, tendo feito parte deste grupo de trabalho, considerou que estava em condições de avaliar esse projecto, considerando-o um estudo prévio muito incompleto que nunca deveria ser enviado ao Ministério enquanto tal, pois lhe faltava rigor estatístico e um plano financeiro e de meios humanos e materiais indispensáveis para que pudesse ser considerado como tal. Nesse sentido, o Presidente deu a conhecer o teor da proposta de contrato de autonomia, aprovada em Departamento de Ciências Sociais e Humanas, a qual lhe parece ser a que melhor pode responder à situação actual da Escola. A conselheira Carla Ganhão reforçou a sua posição inicial, pois lhe parecia que a Escola não poderia recusar o apoio material e em infraestruturas que uma intervenção especial poderia trazer. A conselheira Paula Martins interviu para considerar que os danos materiais existentes nas instalações e equipamento são, em larga medida, da responsabilidade única dos alunos, que não mostram uma conduta responsável, nem são responsabilizados. O conselheiro João Ramalho considerou que não via como um projecto que foi massivamente recusado pelo corpo docente da Escola podia alguma vez ser implementado e ter sucesso, para além de que lhe parecia que o TEIP3 não traria assim tantos benefícios materiais para os edifícios e equipamento escolar. O conselheiro Hélder Gomes considerou que a Escola tem vivido uma situação difícil nos últimos anos, reflexo das substanciais mudanças sociais que ocorreram na comunidade envolvente, com uma faixa muito significativa da população oriunda de outros sistemas educativos e de meios sociais desfavorecidos. Daí que a leitura dos rankings devessem ter em conta esta realidade, para não resultarem em leituras demolidoras e erradas. A conselheira Sílvia Silva enfatizou a necessidade de conhecer com rigor a situação da escola, por modo a que os planos de melhoria sejam elaborados à medida das necessidades e não comprometam a Escola com objectivos inatingíveis. Passado o período de discussão, o conselheiro Álvaro Marçal propôs que fosse solicitado ao Ministério um alargamento do prazo, de modo a que pudesse elaborar-se um plano de melhoria devidamente fundamentado a todos os níveis, ao mesmo tempo que concordava com o envio de uma proposta da Escola em que se solicitava ao Ministério da Educação a elaboração contratualizada de um projecto de autonomia que visasse dar atenção especial aos problemas já enunciados atrás, respeitando a opinião maioritária da Escola e tendo em especial atenção o interesse dos alunos. Lido o documento a apresentar ao Ministério da Educação, o qual constará como anexo dois a esta acta, foi o mesmo posto à votação e aprovado por unanimidade. Finalmente, no ponto seis da Ordem de Trabalhos, foi decidido constituir as seguintes comissões de trabalho temporárias: para a apreciação do Relatório de Actividades da Escola referente ao ano lectivo transacto e, em simultâneo, para a apreciação do Plano Anual de Actividades para o ano lectivo corrente, as conselheiras Célia Tomás, Olga Pinto e Luísa Sousa; para a comissão temporária encarregada de propor as linhas de orçamento para o próximo ano económico o presidente do Conselho Geral e a

5 conselheira Carla Ganhão; para a preparação do processo eleitoral do Director os conselheiros Hélder Gomes e João Ramalho. Foi ainda recomendado por alguns conselheiros que fosse prevista a convocação de um Conselho Extraordinário destinado a discutir assuntos diversos que, por falta de tempo, ficam normalmente esquecidos. Finalmente, a conselheira Célia Croca solicitou o envio das actas aprovadas do Conselho Geral para o Município de Odivelas. Nada mais havendo a tratar, deu-se por encerrada a reunião dela se tendo lavrado a presente acta que, depois de lida e aprovada, vai ser assinada pelo Presidente e por mim que a secretariei. Luís Farinha (Presidente) Paula Martins (Secretária)

Regimento do Conselho de Escola

Regimento do Conselho de Escola Regimento do Conselho de Escola da Escola de Psicologia Março 2010 Índice Artigo 1º Objecto 3 Artigo 2º Competências 3 Artigo 3º Composição do Conselho de Escola 3 Artigo 4º Presidente do Conselho de Escola

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

COMISSÃO EXECUTIVA. c) Um docente por cada Unidade Orgânica, nomeado pelo Presidente do IPC,

COMISSÃO EXECUTIVA. c) Um docente por cada Unidade Orgânica, nomeado pelo Presidente do IPC, REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO DE VOLUNTARIADO SOCIAL DO IPC E DA COMISSÃO EXECUTIVA Artigo 1º (Âmbito) De acordo com o estabelecido no ponto 5 do Artigo 4º do Regulamento de Enquadramento da Rede do

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO PEDAGÓGICO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO PEDAGÓGICO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO PEDAGÓGICO TRIÉNIO 2014/2017 Artigo 1º Princípios Gerais 1. O Conselho Pedagógico é o órgão de coordenação e orientação educativa da unidade orgânica, nomeadamente nos domínios

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos locais de Educação. A Lei 169/99, de 18

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga A lei de bases do sistema educativo assume que o sistema educativo se organiza de forma a descentralizar, desconcentrar e diversificar as estruturas

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Odivelas 2010/2013

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Odivelas 2010/2013 Regimento do Conselho Municipal de Educação de Odivelas 2010/2013 O Decreto-Lei n.º 7/2003, de 15 de Janeiro, tem por objecto os Conselhos Municipais de Educação, regulando as suas competências e composição,

Leia mais

Conselho Municipal de Educação de Barrancos

Conselho Municipal de Educação de Barrancos Conselho Municipal de Educação de Barrancos Regimento Interno (versão consolidada com a 1ª alteração aprovada em 09/10/2008) (Deliberação nº 23/AM/2008, de 15/12, sob proposta aprovada pela Deliberação

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS. Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS. Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Âmbito da Acção e Fins ARTIGO UM

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO ATA Nº 106

CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO ATA Nº 106 CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO ATA Nº 106 (4ª Reunião Extraordinária 03/ Março / 2015) De acordo com a deliberação nº2 do Conselho de Gestão, de 28 de outubro de 2010, o Conselho Técnico-Científico da ESSA

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO. Tecnologia e Design

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO. Tecnologia e Design INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO Tecnologia e Design CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Definição) O Departamento de Tecnologia

Leia mais

REGIMENTO CONSELHO GERAL. Agrupamento de Escolas da Moita

REGIMENTO CONSELHO GERAL. Agrupamento de Escolas da Moita Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita REGIMENTO do CONSELHO GERAL do Agrupamento de Escolas da Moita 2012 1 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza, responsabilidade,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO y Câmara Municipal de Redondo CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO O DL 7/2003, de 15 de Janeiro, que prevê a constituição do Conselho Municipal de Educação, regulou as suas competências

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIEIRA DO MINHO REGIMENTO INTERNO A lei nº 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos

Leia mais

160945 Agrupamento de Escolas de Esgueira ÍNDICE

160945 Agrupamento de Escolas de Esgueira ÍNDICE ÍNDICE Artigo 1.... 4 Finalidades... 4 Artigo 2.... 4 Composição... 4 Artigo 3.... 4 Competências do Conselho Geral... 4 Artigo 4º... 5 Duração do Mandato... 5 Artigo 5º... 5 Perda do Mandato... 5 Artigo

Leia mais

TRIBUNAL JUDICIAL DA COMARCA DE LEIRIA

TRIBUNAL JUDICIAL DA COMARCA DE LEIRIA REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DA COMARCA DE LEIRIA (Aprovado na reunião de 12 de Dezembro de 2014) Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento estabelece as regras de funcionamento interno do conselho

Leia mais

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas Centro de Ciências Matemáticas Campus Universitário da Penteada P 9000-390 Funchal Tel + 351 291 705181 /Fax+ 351 291 705189 ccm@uma.pt Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas I Disposições gerais

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DE CAPARICA REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO GERAL. Acta número nove

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DE CAPARICA REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO GERAL. Acta número nove ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DE CAPARICA REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO GERAL Acta número nove Aos oito dias do mês de Setembro, do ano de dois mil e onze, realizou-se a nona reunião ordinária do Conselho

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL. fevereiro 2014

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL. fevereiro 2014 REGIMENTO DO CONSELHO GERAL fevereiro 2014 Agrupamento de Escolas Monte da Lua Regimento do Conselho Geral Capítulo I Enquadramento Legal Índice Artigo 1º Fundamento legal do Conselho Geral...... 2 Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Artigo 1º Denominação 1. As faculdades são unidades orgânicas da UFP que integram subunidades orgânicas, reúnem grandes áreas científicas

Leia mais

REGIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DA ASSOCIAÇAO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

REGIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DA ASSOCIAÇAO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA REGIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DA ASSOCIAÇAO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA CAPÍTULO I Da Assembleia Geral Artigo 1 Natureza A Assembleia Geral é constituída por todos os associados no pleno gozo dos seus

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE MAFRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. (Objecto)

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE MAFRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. (Objecto) REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE MAFRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Objecto) O presente Regimento Interno tem por objectivo definir o funcionamento e organização do

Leia mais

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO PREÂMBULO A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro) consagrou a interacção com a comunidade educativa local como um pilar fundamental da política educativa. Por essa razão o nº

Leia mais

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento A Lei de Bases do Sistema Educativo assume que o sistema educativo se deve organizar de forma a descentralizar, desconcentrar

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL Artigo 1. Composição A composição do conselho científico do Instituto de Investigação Científica Tropical, I.P., abreviadamente

Leia mais

Conselho Municipal de Educação

Conselho Municipal de Educação 1 Regimento do (CME) do Município de Vila Nova de Paiva A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

Acta da Assembleia Geral Ordinária da Federação Portuguesa de Bridge de 27 de Novembro de 2011

Acta da Assembleia Geral Ordinária da Federação Portuguesa de Bridge de 27 de Novembro de 2011 1 FPB Instituição de Utilidade Pública Acta da Assembleia Geral Ordinária da Federação Portuguesa de Bridge de 27 de Novembro de 2011 Pelas 15 horas e 30 minutos do dia 27 de Novembro de 2011, numa sala

Leia mais

Associação de Estudantes da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto

Associação de Estudantes da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto Associação de Estudantes da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto Regulamento Interno de Direcção Associação de Estudantes da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto Capítulo I

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica DESPACHO DESPACHO /P/51/2010 Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica Considerando que: Nos termos do n.º 4 do artigo 43.º dos Estatutos do Instituto Superior de Engenharia do Porto, homologados

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Artigo 1.º Objecto O Regimento do Conselho Geral da UBI regulamenta a organização e o funcionamento do Conselho Geral da Universidade da Beira

Leia mais

PROPOSTA DA DIRECÇÃO DO SPN

PROPOSTA DA DIRECÇÃO DO SPN PROPOSTA DA DIRECÇÃO DO SPN ESTATUTOS DO SINDICATO DOS PROFESSORES DO NORTE PROPOSTA DE ALTERAÇÃO 24.NOV.2009 TEXTO ACTUAL TEXTO DA PROPOSTA (alterações a vermelho e sublinhadas) Capítulo I - DA CONSTITUIÇÃO,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2

REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2 REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2 O Decreto-Lei n.º 28/2008 publicado em Diário da República, 1ª série, Nº 38, de 22 de Fevereiro de 2008, que criou os agrupamentos de Centros

Leia mais

MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA CÂMARA MUNICIPAL REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIDIGUEIRA

MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA CÂMARA MUNICIPAL REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIDIGUEIRA REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIDIGUEIRA A Lei nº.159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, n.º. 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA PREÂMBULO Designa-se por rede social o conjunto das diferentes formas de entreajuda, praticadas por entidades particulares sem

Leia mais

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I Disposições Gerais Artigo 1º Definição e Âmbito 1. O Conselho Municipal de Educação de Águeda, adiante designado de Conselho é uma instância

Leia mais

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação Dos Alunos do Agrupamento de Escolas de Atouguia da Baleia CAPITULO I

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação Dos Alunos do Agrupamento de Escolas de Atouguia da Baleia CAPITULO I Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação Dos Alunos do Agrupamento de Escolas de Atouguia da Baleia CAPITULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS ARTIGO I A Associação de Pais e Encarregados

Leia mais

-------- Aos três dias do mês de Março do ano de dois mil e três reuniu no Salão Nobre dos Paços do Município, a Câmara Municipal de Vila Pouca de

-------- Aos três dias do mês de Março do ano de dois mil e três reuniu no Salão Nobre dos Paços do Município, a Câmara Municipal de Vila Pouca de -------- Aos três dias do mês de Março do ano de dois mil e três reuniu no Salão Nobre dos Paços do Município, a Câmara Municipal de Vila Pouca de Aguiar, em reunião ordinária para apreciação e deliberação

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL REGIMENTO DO CONSELHO GERAL Janeiro de 2015 PREÂMBULO O presente regimento tem por finalidade regular os procedimentos administrativos e modo de funcionamento do Conselho Geral, garantindo a eficiente

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. 13 de Outubro de 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO EDP Energias de Portugal, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito)

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93)

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL (Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1.

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL. Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL. Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete A construção de um futuro impõe que se considere fundamental investir na capacitação e formação das pessoas,

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL Agrupamento de Escolas Henriques Nogueira Torres Vedras REGIMENTO DO CONSELHO GERAL 2015/2019 abril 2015 ÍNDICE PREÂMBULO 2 CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS 2 Artigo 1º - Natureza 2 Artigo 2º - Composição

Leia mais

CAPITULO I OBJECTIVOS DO REGULAMENTO

CAPITULO I OBJECTIVOS DO REGULAMENTO Preâmbulo: O SIADAP visa contribuir para a melhoria do desempenho e qualidade de serviço da Administração Pública, para a coerência e harmonia da acção dos serviços, dirigentes e demais trabalhadores e

Leia mais

ATA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA 2014

ATA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA 2014 ATA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA 2014 Aos vinte e dois dias do mês de março de dois mil e catorze, pelas quinze horas e dez minutos, reuniu, em segunda convocatória, a Assembleia Geral Ordinária da Confederação

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE AGRICULTORES DO SUL - ACOS

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE AGRICULTORES DO SUL - ACOS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE AGRICULTORES DO SUL - ACOS CAPÍTULO PRIMEIRO Denominação, sede e fins. Artigo Primeiro A associação denomina-se ACOS - Associação de Agricultores do Sul e durará por tempo indeterminado

Leia mais

ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie

ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ntíficodolnegconselhocientífi Científico 2011 12/31/2011 codolnegconselhocientíficod

Leia mais

CONSELHO GERAL. 2013-17 Ata número treze

CONSELHO GERAL. 2013-17 Ata número treze CONSELHO GERAL 2013-17 Ata número treze -------- Aos vinte e nove dias do mês de Abril de dois mil e quinze reuniu, pelas dezoito horas o conselho geral para tratar da seguinte ordem de trabalhos: -----

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001)

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião

Leia mais

Estatutos do Núcleo de Estudos de Ciência Política e Relações Internacionais Título I Disposições Gerais Capítulo I

Estatutos do Núcleo de Estudos de Ciência Política e Relações Internacionais Título I Disposições Gerais Capítulo I Estatutos do Núcleo de Estudos de Ciência Política e Relações Internacionais Título I Disposições Gerais Capítulo I Artigo 1º O Núcleo de Estudos de Ciência Política e Relações Internacionais da Faculdade

Leia mais

ESTATUTOS DA APBA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA BLONDE D AQUITAINE

ESTATUTOS DA APBA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA BLONDE D AQUITAINE ESTATUTOS DA APBA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA BLONDE D AQUITAINE CAPÍTULO I ARTIGO PRIMEIRO (Constituição e denominação) Entre os bovinicultores fundadores da presente associação e os que queiram aderir aos

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19, nº2., alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos Locais de Educação.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÂO SOCIAL DE TORRE DE MONCORVO INTRODUÇÃO

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÂO SOCIAL DE TORRE DE MONCORVO INTRODUÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÂO SOCIAL DE TORRE DE MONCORVO INTRODUÇÃO Sendo hoje consensual que os fenómenos da pobreza e exclusão social são consequência de vários factores e que, tocam

Leia mais

Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa

Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza A Assembleia Geral é o órgão deliberativo máximo do Fórum Académico

Leia mais

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira REGULAMENTO INTERNO INTRODUÇÃO A rede social é uma plataforma de articulação de diferentes parceiros públicos e privados que tem por objectivos combater

Leia mais

----- ACTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DESTA CÂMARA MUNICIPAL DE 28 DE JANEIRO DO ANO DE 2011.---------------------------------------------------------------

----- ACTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DESTA CÂMARA MUNICIPAL DE 28 DE JANEIRO DO ANO DE 2011.--------------------------------------------------------------- ACTA Nº 2/2011 ----- ACTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DESTA CÂMARA MUNICIPAL DE 28 DE JANEIRO DO ANO DE 2011.--------------------------------------------------------------- ----- Aos 28 dias do mês de Janeiro

Leia mais

o 1i2i:ji O Regulamentos Regulamento do Conselho de Gestão da Universidade do Porto CONSELHO DE GESTÃO

o 1i2i:ji O Regulamentos Regulamento do Conselho de Gestão da Universidade do Porto CONSELHO DE GESTÃO CNSELH DE GESTÃ o 1i2i:ji Regulamentos Regulamento do Conselho de Gestão da Universidade do Porto provado em 01 de Julho de 2010 Preâmbulo Lei n. 62/2007, de 10 de Setembro, que consagrou o novo Regime

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SUMOL+COMPAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SUMOL+COMPAL REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SUMOL+COMPAL Incluindo: (I) CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO (II) COMISSÃO EXECUTIVA (III) COMITÉ DE AUDITORIA INTERNA Este regulamento aplica-se à SUMOL+COMPAL considerando

Leia mais

REGULAMENTO DA PARCERIA TERRITORIAL Alentejo Central [2014-2020]

REGULAMENTO DA PARCERIA TERRITORIAL Alentejo Central [2014-2020] REGULAMENTO DA PARCERIA TERRITORIAL Alentejo Central [2014-2020] PREÂMBULO A Parceria Territorial Alentejo Central [2014-2020] resulta da dinâmica do Conselho de Cooperação para o acompanhamento à Iniciativa

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO EM ARTE, DESIGN E SOCIEDADE i2ads.

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO EM ARTE, DESIGN E SOCIEDADE i2ads. FBAUP Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade Av. Rodrigues de Freitas 265 4049-021 Porto T - 225 192 400 F - 225 367 036 office@i2ads.org REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Decreto-Lei n.º xx/2012

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Decreto-Lei n.º xx/2012 Alteração ao Regime de Autonomia, Administração e Gestão dos Estabelecimentos Públicos da Educação Pré -escolar e dos Ensinos Básico e Secundário MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Decreto-Lei n.º xx/2012

Leia mais

C Â M A R A M U N I C I P A L D O S A B U G A L

C Â M A R A M U N I C I P A L D O S A B U G A L C Â M A R A M U N I C I P A L D O S A B U G A L ACTA N. º 3/2009 REUNIÃO ORDINÁRIA DO DIA 06 DE FEVEREIRO DE 2009 PRESIDENTE: Manuel Rito Alves VEREADORES: José Santo Freire Manuel Fonseca Corte Luís Manuel

Leia mais

ACTA N.º 33/2013 CÂMARA MUNICIPAL DE MAFRA 1

ACTA N.º 33/2013 CÂMARA MUNICIPAL DE MAFRA 1 ACTA N.º 33/2013 -- Aos dezanove dias do mês de Março do ano de dois mil e treze reuniram-se, no salão nobre do edifício dos Paços do Concelho, em Mafra, os representantes das entidades que, nos termos

Leia mais

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA 1 REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA ACTA Nº 26/2006 - DEZEMBRO --- DATA DA REUNIÃO: Sete de Dezembro de dois mil e seis. ------------------------- --- LOCAL DA REUNIÃO: Sala

Leia mais

Associação Spin para o Intercâmbio, Formação e Cooperação entre os Povos. Regulamento

Associação Spin para o Intercâmbio, Formação e Cooperação entre os Povos. Regulamento Associação Spin para o Intercâmbio, Formação e Cooperação entre os Povos Regulamento (Com as alterações aprovadas em Assembleia Geral em 06/12/2010 e em 11/03/2015) Capítulo I - Dos Associados Título I

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO Reunião de Câmara: Reunião da Assembleia: Entrada em vigor: CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Lei Habilitante O presente

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE LEIRIA COMUNICADO OFICIAL N.º 051 Data: 2012.09.26 Para conhecimento dos Clubes filiados, Comunicação Social e demais interessados, se comunica: REGIMENTO INTERNO DO Cumprindo

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo da Baixa da Banheira (403234)

Escola Secundária com 3º Ciclo da Baixa da Banheira (403234) CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO REGULAMENTO DO PROCEDIMENTO CONCURSAL PARA A ELEIÇÃO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as regras a observar no procedimento

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO LABORATÓRIO NACIONAL DE ENERGIA E GEOLOGIA, I.P. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Definição e regime

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO LABORATÓRIO NACIONAL DE ENERGIA E GEOLOGIA, I.P. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Definição e regime REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO LABORATÓRIO NACIONAL DE ENERGIA E GEOLOGIA, I.P. CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Definição e regime O Conselho Científico do Laboratório Nacional de Energia

Leia mais

Escola Básica Integrada e Secundária de Velas

Escola Básica Integrada e Secundária de Velas Escola Básica Integrada e Secundária de Velas REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA, E NOVAS TECNOLOGIAS I Constituição do Departamento O Departamento de Matemática e Novas Tecnologias é composto

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 368/2002

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 368/2002 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 368/2002 Institui o Conselho de Cirurgia do Departamento de Medicina e aprova seu regulamento. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MED-144/02, aprovou

Leia mais

ACTA N. 13/XIV. Carlos 1, n. 128. Senhor Dr. Nuno

ACTA N. 13/XIV. Carlos 1, n. 128. Senhor Dr. Nuno 9 icomissão Nacional de Eleições ACTA N. 13/XIV lugar no dia treze de Dezembro de is mil e onze, a sessão número treze da Comissão Nacional de Eleições, na sala de reuniões sita na Av. D. Carlos 1, n.

Leia mais

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000)

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJECTIVOS, ÂMBITO Art.º 1º

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1. (Natureza) O Conselho Nacional para a Economia Social, adiante também identificado como CNES,

Leia mais

Regulamento Interno da Associação dos Bolseiros de Investigação Científica

Regulamento Interno da Associação dos Bolseiros de Investigação Científica Regulamento Interno da Associação dos Bolseiros de Investigação Científica A Associação dos Bolseiros de Investigação Científica (ABIC) rege-se pelos seus estatutos, regulamento eleitoral e por um regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO ÍNDICE Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Trancoso... 1 Preâmbulo... 1 CAPÍTULO I... 2 Parte Geral... 2 Artigo 1º... 2 Lei Habilitante

Leia mais

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas Professor Paula Nogueira

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas Professor Paula Nogueira Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas Professor Paula Nogueira Capítulo I Da denominação, natureza e fins Artigo 1.º Denominação A Associação de Pais e Encarregados

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL Conselho Geral REGIMENTO DO CONSELHO GERAL Página 0 de 6 REGIMENTO DO CONSELHO GERAL PREÂMBULO 1. As escolas são estabelecimentos aos quais está confinada uma missão de serviço público, que consiste em

Leia mais

ACTA N.º 27/2009 REUNIÃO ORDINÁRIA DE CÂMARA DE 25 / 11 / 2009 RESUMO DIÁRIO DE TESOURARIA REFERENTE AO DIA 19 / 11 / 2009

ACTA N.º 27/2009 REUNIÃO ORDINÁRIA DE CÂMARA DE 25 / 11 / 2009 RESUMO DIÁRIO DE TESOURARIA REFERENTE AO DIA 19 / 11 / 2009 CÂMARA MUNICIPAL DE VIANA DO ALENTEJO _ ACTA N.º 27/2009 REUNIÃO ORDINÁRIA DE CÂMARA DE 25 / 11 / 2009 PRESENÇAS PRESIDENTE : BERNARDINO ANTÓNIO BENGALINHA PINTO VEREADORES : JOÃO ANTÓNIO MERCA PEREIRA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

Regulamento. Conselho Municipal de Desporto

Regulamento. Conselho Municipal de Desporto Regulamento Conselho Municipal de Desporto 30.abril.2015 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM CONSELHO MUNICIPAL DE DESPORTO Preâmbulo Considerando que as autarquias, pela sua proximidade com a população, são

Leia mais

Estatutos CAPÍTULO I. Definições gerais ARTIGO 1º. Denominação, natureza e duração

Estatutos CAPÍTULO I. Definições gerais ARTIGO 1º. Denominação, natureza e duração , Estatutos CAPÍTULO I Definições gerais ARTIGO 1º Denominação, natureza e duração 1. A Federação Académica Lisboa, adiante designada por FAL, é a organização representativa das Associações de Estudantes

Leia mais

ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DO DIA 10-11-2011

ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DO DIA 10-11-2011 ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DO DIA 10-11-2011 Presidente - António Fernando Raposo Cordeiro Vereadores - Nina Márcia Pacheco Rodrigues Pinto - Helga Margarida Soares Costa - Rui António Dias da Câmara Carvalho

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Constituição, Denominação e Natureza

ASSOCIAÇÃO TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Constituição, Denominação e Natureza ASSOCIAÇÃO TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Constituição, Denominação e Natureza A Associação Trienal de Arquitectura de Lisboa é uma associação cultural,

Leia mais

Relatório de atividades do Conselho Geral

Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Uma Educação de Qualidade para Construir o Futuro 2009/2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO CONSELHO GERAL (2009-2011)

Leia mais

Regimento interno do Conselho Geral

Regimento interno do Conselho Geral RegimentointernodoConselhoGeral Artigo1º Objecto 1 O presente regimento estabelece o quadro de regras de organização interna e de funcionamento do Conselho Geral do Agrupamento de Escolas de Porto de Mós,

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO PRIMEIRO (Natureza) A Fundação Vodafone Portugal, adiante designada abreviadamente por Fundação, é uma instituição de direito

Leia mais

Estatutos - Hospitais E.P.E.

Estatutos - Hospitais E.P.E. Estatutos - Hospitais E.P.E. ANEXO II ao Decreto-Lei n.º 233/05, de 29 de Dezembro ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Natureza e duração 1 - O hospital E. P. E. é uma pessoa colectiva de

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO Art. 1º Este Regulamento Interno disciplina as normas relativas ao funcionamento da Comissão Própria

Leia mais

ACTA Nº 3/09 SESSÃO ORDINÁRIA DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE ALVAIÁZERE, REALIZADA EM 05.06.09

ACTA Nº 3/09 SESSÃO ORDINÁRIA DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE ALVAIÁZERE, REALIZADA EM 05.06.09 ACTA Nº 3/09 SESSÃO ORDINÁRIA DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE ALVAIÁZERE, REALIZADA EM 05.06.09 ---Aos cinco dias do mês de Junho do ano de dois mil e nove, nesta vila de Alvaiázere, edifício dos Paços do Município,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos)

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos) CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO Artigo 1º (Natureza) O Conselho Municipal de Desenvolvimento Económico e Social (CMDES) é um órgão de reflexão e consulta no domínio

Leia mais

Geral. A cada acção corresponde um voto.

Geral. A cada acção corresponde um voto. ACTA NÚMERO 38 Aos vinte e oito de Maio de dois mil e oito, pelas dez horas, na sua sede social, à Rua General Norton de Matos, 68, R/C., no Porto, reuniu a Assembleia Geral Anual da COFINA, S.G.P.S, S.A.,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO Nº. 073/12-COGEP de 07/12/12 Curitiba

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, PRÍNCIPIOS GERAIS, DURAÇÃO E FINS DO CENTRO DE FORMAÇÃO ARTIGO

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação

Regimento do Conselho Municipal de Educação Considerando que: 1- No Município do Seixal, a construção de um futuro melhor para os cidadãos tem passado pela promoção de um ensino público de qualidade, através da assunção de um importante conjunto

Leia mais

Comissão Nacional do Eleições ATA N. 36/XIV

Comissão Nacional do Eleições ATA N. 36/XIV Comissão Nacional do Eleições ATA N. 36/XIV Teve lugar no dia vinte e nove de maio de dois mil e doze, a sessão número trinta e seis da Comissão Nacional de Eleições, na sala de reuniões sita na Av. D.

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro estabelece, no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os

Leia mais