Artigo de opinião (autor: Lúcio Neto Amado) A Geração Bisneiros

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Artigo de opinião (autor: Lúcio Neto Amado) A Geração Bisneiros"

Transcrição

1 Artigo de opinião (autor: Lúcio Neto Amado) A Geração Bisneiros Torna-se por vezes, suspeito, falar-se de geração, entendida como acto ou efeito de alternância devido ao facto dessa designação suscitar, quase sempre, motivos de comparação, pouco pacífico, por um lado e salutar por outro lado. Regra geral, atribui-se aos indivíduos de uma determinada geração, um tempo de vida que é suposto um Homem viver, desde o período de gestação, ao período de nascimento, passando à fase consagrada ao crescimento, até que ele encomenda a alma ao Criador. Estas diversas etapas da vida que correspondem, grosso modo, à infância, à adolescência, à vida adulta, ao envelhecimento e à morte, constituem a passagem efémera que cada um de nós traz para mundu sé mintxila 1. Naturalmente que nem todos os indivíduos conseguem chegar aos 90 anos de idade. Atingir os 100 anos é uma proeza de muito poucos. Em princípio, tudo isso tem a ver com os princípios que regem os índices e os pressupostos que têm a ver com a esperança de vida que é suposto haver em cada país. Falar de geração pressupõe sempre a existência em todas as sociedades, sem excepção, de uma geração, escalonada como se segue, de acordo com o nosso ponto de vista [logo discutível]: - mais velha (a dos nossos avós) conotada, geralmente (in)justamente(?) como conservadora e retrógrada, por excelência; - outra a seguir (a dos nossos pais) vista como, disciplinadora, rígida, e altamente conservadora; - outra ainda (que é a nossa) considerada mais arejada e actual, ou seja aquela que supostamente se libertou de tabus e outros estigmas comportamentais e sociais; - finalmente a última (a dos nossos filhos e netos) que é aquela que, pretensiosamente, tenta defender valores contrários aos dos seus pais. São vanguardistas quanto baste, são irreverentes e não «curtem» quase nada daquilo que os kotas dizem. Esses kotas que fazem questão de azucrinar-lhes, constantemente a cabeça, com princípios e regras do tempo, por eles considerado do homem primitivo. O que caracteriza, em certa medida, toda essa panóplia de fases geracionais é, em princípio o conflito. Daí falar-se em conflitos de gerações, sempre que haja problemas, aparentemente, insanáveis, entre indivíduos de uma e de outra geração. Um conflito que, como tudo na vida, tem aspectos positivos e aspectos negativos, aspectos bons e aspectos menos bons. 1 Mundu sé mintxila é uma expressão da língua nacional forro, que significa, na língua portuguesa, este mundo da mentira [tradução à letra]. Em São Tomé e Príncipe, utiliza-se, habitualmente, esta expressão como forma de distinguir o mundo dos vivos, do mundo dos mortos. O mundo dos vivos está, grosso modo, associado, à falsidade, à mentira, ao ódio e a outras formas adjectivadas do «mal». Contrariamente ao mundo desconhecido dos mortos, que é suposto ser um local, onde impera, a verdade, a pureza, e é, geralmente associado ao «paraíso». Esta é uma crença popular, antiga burilada entre a religiosidade cristã e outra(s) cultivada(s) pelos autóctones. 1

2 Os positivos são mais que muitos. Logo a partida, salta à vista, a orientação educacional, transmitida no seio familiar, nesses (poucos) kintés espalhados pelo designado país «real». A conduta, a moral, o sentido de responsabilidade, o civismo, a solidariedade, o respeito pelos mais velhos, etc., etc., são transmitidos e incutidos paulatinamente, aos indivíduos, como forma de um tirocínio para integrar a sociedade. A escola e o sistema educativo complementam essa aprendizagem da geração do futuro. Um futuro que de acordo com os parâmetros estabelecidos se quer são e equilibrado, em todos os sentidos. Ela [a escola] é acompanhada nesse percurso por um grupo de pressupostos dos quais sobressaem, o comportamento positivo de uma franja considerada de cidadãos; um grupo de indivíduos que funcionem como modelos e exemplos a seguir; a postura e o carácter, entre outros. Os aspectos negativos são atitudes que revelam comportamentos conotados como desviantes, ou seja, os indivíduos adoptam atitudes que os identificam como nãoalinhados. Assumem e vivem constantemente a provocar os preceitos préestabelecidos na sociedade. Esses preceitos passam, desde logo, por práticas pouco recomendáveis, como por exemplo, insultar outros cidadãos, o uso sistemático de procedimentos entendidos como anti-sociais, a adopção de comportamentos considerados de risco, como o uso excessivo do álcool e de temperos [leia-se substâncias associadas a estupefacientes]. Os aspectos bons passam pelo equilíbrio que deve existir na passagem do testemunho de uma geração para a outra. A da chamada velha guarda para a outra que, imediatamente se lhe segue. Os aspectos menos bons giram à volta dessa conflitualidade latente em quase todas as sociedades, em que os mais jovens entendem, que detém, supostamente, as rédeas de uma sociedade que se quer moderna, e os da velha guarda julgam que são os donos e senhores de toda a verdade. Aprende-se sempre até morrer! Esta expressão ou frase que os nossos antepassados utilizavam no seu quotidiano espelha de facto essa aprendizagem, feita ao longo da vida do Homem. Nenhum de nós pode, em momento algum, arvorar-se no sacrossanto princípio, de que «sabemos tudo», logo, não precisamos de aprender mais nada. Indo de encontro a esse aforismo popular aprende-se sempre até morrer é de salientar que numa das línguas nacionais são-tomenses, o forro, costuma-se dizer que mundu sé sa xikola, migu muê, a ka xina, bila xina, migu muê 2. No kinté, esse grande e esplendoroso espaço onde continua a residir parte da nossa memória colectiva, ainda se ouve este tipo de recomendações. A resistência ainda é feita embora, timidamente, ao poder incomensurável da televisão, com as suas telenovelas demolidoras, com os seus filmes intencionais; das rádios com as suas músicas, consumidas de uma forma exacerbada por um número significativo de cidadãos. 2 Mundu sé sa xikola, migu muê, a ka xina, bila xina, migu muê. Tradução livre, este mundo em que nos encontramos é uma autêntica escola, aprendemos sempre até morrer. 2

3 A geração bisneiros Antes de mais convém definir o que significa, na nossa opinião, a palavra bisneiros, introduzida no falar das gentes são-tomenses. Bisneiros surge como um «estrangeirismo» utilizado na nossa língua oficial que é a portuguesa. É, por conseguinte, uma expressão cuja derivação grosseira provem de uma palavra de origem inglesa, business que quer dizer negócios. Os negócios aqui são muitos e de origem bastante variado. Qual o retracto em adjectivos de um bisneiro? Para se fazer o retracto de um bisneiro temos que recorrer, eufemisticamente, a uma máquina fotográfica, das antigas, aquela que, no tempo dos nossos pais, fazia fotos a preto e branco; tinha rolos; tinha uma caixa quadrada, onde o operador escondia a cabeça, tapando-a; ela assentava num tripé como suporte e possuía um flash que mais parecia um relâmpago, etc., etc. Isto quer dizer que não é fácil retractar-se com exactidão essa espécie que se vê em quase todas as esquinas, becos e quarteirões das duas maiores cidades, fundadas há muitos seculos, ou seja, ainda nos tempos de antanho. Com certeza, que as coisas não são, exactamente iguais numa e noutra cidade, devido as características e funções de cada uma delas. Desde logo, convém referir que a da ilha do Príncipe não tem a mesma dimensão, nem territorial, nem social, nem económica, que a da sua congénere de São Tomé. Mas, no fundo, os problemas são muito semelhantes. Contudo, os procedimentos na cidade capital têm outras nuances, começando, desde logo, pelo poder de compra dos cidadãos, que é diferente; pelas oportunidades que são, obviamente, outras; pelos contactos que são diferentes; pela mentalidade que também difere, naturalmente de pessoa para pessoa, de grupo para grupo. A profissão bisneiro devia corresponder, à partida, a de empresário, seguindo à letra a tradução de business, que a língua do mais famoso dramaturgo britânico 3 nos oferece. A ideia é justamente essa, tentar estabelecer um padrão dessa nova forma de estar na nossa, mais que permeável e influenciada, sociedade. A figura de bisneiro corresponde a de um indivíduo que, em princípio, vive de negócios, de acordo com a sua categorização no estabelecido patamar social em que se encontra inserido. A profissão de bisneiro é uma profissão que nas Ilhas, se pode considerar de territórios, de fronteiras, de espaços, de espírito de negócio, de preconceitos, de paisagens, de exaltação, de prazer, mas também de escolhas e de decisões. Esses territórios residem nos locais e nas zonas onde é suposto haver grande volume de negócios. Assim, pode-se entrar em territórios da construção civil, de bebidas, de motos, de táxis, de móveis, de comida, de biscateiro, etc. Os territórios podem funcionar como autênticas ilhas de negócio. 3 Esse famoso e grande dramaturgo que a Grã-Bretanha deu ao mundo chama-se William Shakespeare ( ). 3

4 Os espaços são delimitados pela capacidade de volume de negócios que o candidato possui. O espírito de negócio retracta a visão e a capacidade que o indivíduo tem para se insinuar em negócios que não são propriamente, do seu «campeonato». O risco constante faz parte desse espírito. Os preconceitos revelam a falta de audácia por parte dos indivíduos. Mesmo que tenham traquejo para ombrear com o tubarão [leia-se indivíduos com maior capacidade financeira] deixam-se ficar por sentirem receios (in) justificados. A paisagem tem um pouco a ver com os locais [que podem ser, no continente africano, no Brasil ou na Europa] onde se vai adquirir os produtos de venda. A exaltação passa pela visibilidade social, que o candidato usufrui. O prazer é o maior e o principal motivação, do bisneiro. Ele consegue curtir a vida durante quase toda a semana, frequentando festas e ambientes afins, quer seja nas discotecas que proliferam por tudo quanto é canto, quer seja em ambientes improvisados. O prazer constitui, também, o calcanhar de Aquiles, da maior parte de bisneiros que [seguindo uma velha tradição (?) são-tomense] gastam, quase tudo aquilo, que recebe, em farras, em mulheres e em copos. As escolhas residem nas opções de negócio, pelo qual o candidato a bisneiro pretende enveredar. As decisões é que definem o sucesso ou o insucesso do bisneiro. Um passo em falso pode, em alguns casos, significar a ruína total do projecto e do volume de negócio. A categorização de bisneiro no patamar social Existem várias categorias de bisneiros, a saber: a) Bisneiro da classe alta. Existem na classe alta, três categorias distintas de bisneiro que convivem, no mercado dessa nossa cosmopolita cidade. Os discretos, os ostentadores e os sonhadores. Os discretos são bisneiros que parecem encarnar uma dupla personalidade na sociedade. Alguns parecem ser originários de altos cargos do aparelho de Estado e de empresas estrangeiras privadas que operam no país. Têm «prestígio» e uma postura que lhes dá alguma margem de manobra para negociarem tranquilamente sem serem incomodados. Parecem possuir um gestor de confiança, que funciona como testa de ferro de todo o seu tranquilo e próspero business. Isto permite-lhes funcionar sem nunca darem a cara. O seu lema principal parece residir no princípio segundo o qual, o segredo é a alma de negócios. Têm um bom nível de vida, auferindo, limpos, entre 2 mil e 4 mil euros mensais. São, no fundo, uma espécie de homens sem rosto, que conseguem, na tranquilidade do seu «lar», controlar e manipular os cordelinhos, sem sobressaltos e a seu bel-prazer. Os ostentadores, por sua vez, são bisneiros da classe alta, que se deslocam em carros de grande cilindrada, com vidros fumados, acelerando sempre, ignorando os buracos que existem nas maltratadas estradas, do nosso eixo rodoviário. Esses buracos 4

5 parecidos com crateras [do nosso contentamento] que surgem nas estradas, nas ruas e nos caminhos de todo o arquipélago, não os assustam. Ele cria, involuntariamente, alguns «postos de trabalho», pondo jovens, preferencialmente do sexo masculino, a lavar e a brilhar as suas máquinas nalgumas zonas da periferia da cidade, nomeadamente no Lucumi, em Santo António e na zona, logo a seguir. O ostentador é um bisneiro que circula, à noite, com os máximos acesos e, utiliza, geralmente os faróis de nevoeiro para aclarar e «ver» melhor. Os outros condutores têm que fazer uma grande ginástica pericial de visão nocturna, quando se cruzam com esses conterrâneos, que vivem a democracia, a sua maneira e à dimensão da sua gloriosa máquina voadora. Usa roupa de marca, trajando calças de bom corte, camisa de manga punho, sapatos impecáveis. Nas discotecas «finas» e nos outros espaços de diversão, destaca-se sempre, pois faz-se notar, sem se por em bico dos pés. A opulência e a ostentação fazem parte do seu dia-a-dia. Alguns ostentam títulos como aqueles que o artista e cantor Airton Dias identifica no seu último C.D 4. Os sonhadores são bisneiros da classe alta que vivem e convivem com o sonho de chegarem, um dia ao grande volume de negócios. Têm alguma visibilidade social, mas ninguém lhes dá crédito por falta de firmeza, de agressividade negocial. Frequentam meios «empresariais», usam telemóveis de último modelo, utilizam uma linguagem cuidada e uma agenda para impressionar. Insinuam-se, desesperadamente, mas ninguém lhes liga, importância nenhuma. São uns eternos sonhadores. b) O bisneiro da classe intermédia não se assume como tal. Há uma primeira versão [internacional] e uma segunda versão [mais doméstica], ou seja existem duas categorias de bisneiro, nessa classe. Eles têm, no entanto, uma coisa em comum, ou seja, ambos, vão fazendo pela vida, como podem. A primeira versão foge dos motoqueiros 5 como o diabo da cruz. Ele considera um desprestígio andar e ser visto atrás de uma moto. O seu negócio é vender produtos, cuja origem, são por vezes desconhecidos. Têm, regra geral, «empregados», ou seja, geram, também, alguns «postos de trabalho» e são mais discretos. Alguns desses compatriotas são trabalhadores por conta de outrem gravitam a volta da função pública, ou de empresas privadas e fazem este expediente como forma de aumentar os seus parcos rendimentos. Procuram não navegar em águas profundas [ou seja, negócios de grande dimensão] que supostamente pertence aos seus superiores hierárquicos. Procuram fugir sempre da zona tempestuosa e da conflitualidade. 4 O artista em questão faz uma crítica social ao comportamento de uma parte significativa dos nossos compatriotas, citadinos, que se arvoram e ostentam o título de doutor e de engenheiro, sem o serem. Este artista é cáustico e mordaz na abordagem que faz, não poupando esses nossos compatriotas que se fazem passar, em algumas circunstâncias, por aquilo que não são. 5 Motoqueiros são indivíduos cuja profissão é de moto táxi. Proliferam como cogumelos em quase todos os recantos das Ilhas. Alguns indivíduos da população, são unânimes e peremptórios a dizer que uma parte destes motoqueiros possui outras profissões, como pedreiro, marceneiro, canalizador Isto significa, na opinião deles, que os ditos motoqueiros preferem ter uma profissão menos «pesada». Ser braçal traz, em princípio, complicações que mexem com o físico. 5

6 A vida não lhes corre mal. Safam-se bem, falam bem, sobretudo, quando pretendem impressionar, seja quem for. Fazem esforços para comprar um carrito que é estimado como se fosse um avião a jacto particular. Abastecem o carrito, no lusco-fusco, com a gasolina(?) vendida nesses inseguros(!) postos de combustível de bairro. O rádio do carro transmite a música, em altos berros, como forma de impressionar e chamar a atenção. Os da segunda versão são mais exibicionistas e, por vezes, têm a pretensão de concorrer em pés de igualdade com os bisneiros da classe acima da sua. Usam geralmente, ao fim de semana, camisolas «partis cornos» 6, calções até aos joelhos e chinelos tipo «facilita» 7, óculos escuros acima da cabeça [quer seja de noite, quer seja de dia], exibem fio de ouro grosso, mostrando os pelos do peito e trazem, um anel tipo «cachucho», igualmente de ouro. O volume do rádio dos seus carritos fazem lembrar os consertos de música feitos ao ar livre. c) O bisneiro da classe baixa é, de todos, o mais malabarista, o mais criativo e com o maior espírito de desenrascanço da praça. O seu modus vivendi tem como lema principal, o imediato. Pertence, provavelmente, à camada menos desfavorecida da sociedade. Grosso modo, é jovem que parece, não ter atingido, ainda, os vinte anos 8 de idade e que vive de expedientes e daquilo que lhe aparece na ocasião. Todo o produto seja ele de origem duvidosa ou não, é sempre negociável. Uma parte significativa desses cidadãos costuma a ser, «clientes» assíduos das esquadras da polícia. O seu nível de escolaridade é baixíssimo e não aparenta possuir grande autoestima. Nunca beneficiou de qualquer programa que inclua um pacote que contemple a afectividade, seja ela no seio da família, da [efémera passagem] escola, no seio de amigos, ou outra. Possui, contrariamente às outras categorias, algum sentido de solidariedade e espírito de entre ajuda entre os seus pares 9. Veste-se, normalmente, tentando imitar alguns «ídolos» que consome da televisão e alguns estrangeiros que visitam o país. Utiliza indiscriminadamente, tatuagens feitas de traços preocupantemente duvidosos. Os ténis [sapatilha] e as mochilas ostentam as etiquetas originais; usam brincos; as calças andam abaixo da cintura; o corte de cabelo, tem, por vezes uma crista e outros adereços que bebe como ninguém através da televisão e de cartazes oriundos do continente. d) O bisneiro silencioso é aquele que, na maior parte das vezes, quase ninguém consegue dar por ele. Movimenta-se no seio das pessoas como se de uma sombra se tratasse. Frequenta, sorrateiramente, os corredores das escolas, usando, por vezes, 6 Camisolas sem mangas do tipo, camisolas que o homem usa no interior, debaixo da camisa. 7 Chinelos que se utilizam em São Tomé e Príncipe, no dia-a-dia por quase toda a camada populacional mais desfavorecida. Daí a designação «facilita». 8 Registe-se que 44% da população africana tem menos de 15 anos; a esperança média de vida em África é de 40 anos. In África 21, nº. 69, Novembro de Esta solidariedade parece ir de encontro à síndrome do escravo libertado, de acordo com o ponto de vista de alguns autores sociais. 6

7 uniforme de estudante, e o seu forte é sacar telemóveis, MP3, dinheiro, e bicicletas aos jovens estudantes. Anda quase sempre à caça de computadores portáteis e produtos de venda fácil. Nada, aparentemente o preocupa, a não ser a sua sobrevivência. Vive o dia-a-dia e, se necessário for, vive hora a hora. Tenta safar-se como pode. Não tem residência fixa. Vive aqui e ali O seu verdadeiro nome, está nos segredos dos deuses e na Cédula, quando existe. Alguns desses jovens fazem parte do «batalhão» de crianças que não são registadas à nascença. Usa frequentemente pseudónimos. Conhece, como ninguém o nome, as horas e os locais das discotecas de todo o país, quer sejam discotecas móveis, discotecas «clássicas», terraços do «sagode poeira 10» e locais de festas particulares. A política e o futebol Curiosamente, estas duas categorias de bisneiros [enquadrados nas alíneas c) e d)] são os que aparentam ter uma postura híbrida, ou seja, não são, pasme-se, nem carne nem peixe. Poderiam ter nascidos em São Tomé e Príncipe como noutro local qualquer. Esses concidadãos aparentam, nada ter a ver com o que se passa no país real. Eles pertencem, provavelmente, à uma nova categoria de são-tomenses. Despreocupados, assumindo-se como «cidadãos do mundo», e parece não terem a mesma construção mental dos restantes habitantes, da geração do antes e pósindependência. Eles fazem parte da terceira geração dessa independência proclamada no segundo quartel do século que marcou indelevelmente, a queda do muro de Berlim 11 [9 de Novembro de 1989]. A política para eles parece servir, em princípio, só para resolverem os seus problemas do imediato. Este desiderato surge sempre que existam eleições, quer sejam presidenciais, legislativas ou autárquicas, através dos inqualificáveis, fenómenos do «banho» e da «boca de urna». Fogem, aparentemente, das querelas da política e da governação. Mas, no entanto, não é bem assim. Eles estão atentos a todo o género de situações que a sociedade vai experimentando, neste desnorteado esquema geométrico da política do nosso burgo. Não se deve subestimar, em momento algum, esses indivíduos. Em momentos cruciais de eleição, os seus votos parecem desequilibrar a balança da lógica, trocando as voltas, a todo o tipo de sondagem. O sentido dos seus votos parece ser dirigido criteriosamente, de acordo com a sua «convicção» e da leitura que fazem do quotidiano da sua existência, enquanto cidadãos que mantém uma luta titânica pela sobrevivência. 10 «Sagode poeira», em vez de sacode poeira. Esta expressão é tradução do forro sagudji. 11 Data que marca o esboroar dos regimes políticos existentes na Europa de Leste. Foi o claudicar de todo um sistema político, social e económico, consolidado a partir do pós-guerra [ ]. 7

8 Cidadãos de corpo inteiro (?) Grande parte dos cidadãos do país, com destaque para os políticos, os governantes e uma certa elite, não sabem quem eles são, como é que pensam, nem como actuam. O futebol parece ser a sua única «religião» e o calendário dos jogos da Champions, a sua Bíblia. Pertencem ao Futebol Clube do Porto ou ao Benfica de Portugal e ao Real Madrid ou ao Barcelona, de Espanha. O Manchester United e Chelsea do campeonato inglês, também os seduzem. Consomem sem pruridos nenhuns, todos os jogos de futebol realizados, sobretudo na Europa, conhecem quase todos os jogadores e treinadores de topo, do velho continente. Com efeito, numa das megamanifestações feitas nas ruas de São Tomé, no ano de 2012, apareceu uma bandeira de grande dimensão do Futebol Clube do Porto e uma miniatura de bandeira do Benfica. Sintomático e sem comentários! Aparentemente, essas duas bandeiras foram empunhadas por elementos pertencentes ou com fortes ligações, aos bisneiros. A política e o futebol parecem ter no seu entendimento uma relação pura de vasos comunicantes, tal como aprendemos nos tempos de Liceu, na disciplina de Físico- Química. O autismo, não é, contudo o seu entendimento em relação à política. Não poemos perder de vista que toda essa panóplia de cidadãos com uma tendência forte para bisneiros convive, tranquilamente, nestas Ilhas, onde uma parte significativa de indivíduos tem menos de 25 anos de idade. A política e a governação A política e a governação, em todo o território de São Tomé e Príncipe, ainda não conseguiram assertar o passo. Continuam a dar aos cidadãos, motivos muito fortes, de desconfiança, que levam à crispação da sociedade. Esta crispação da sociedade funciona como um fenómeno novo que acontece no país, conhecido como «microclimas». Se chove na zona do Riboque, a praia de São Pedro [que dista cerca de 400 metros do Riboque] mantém-se seca, sem uma única gota de chuva. Fenómenos da natureza, originado pela desmesurada ambição do ser humano, principal «predador» do Ambiente. Fundamentalmente, porque ( ) os decisores políticos devem conhecer não apenas os indicadores objectivos da vida do país, mas também a forma como os cidadãos experienciam as suas vidas, a vida da comunidade e constroem consensos sobre o que é moral e imoral, aceitável e inaceitável 12. Essa contradição, profunda parece ser um disparatado, paradoxo, que leva alguns cidadãos a discutir o «país», de dedo em riste, a partir de pressupostos que identifica outros cidadãos, que têm um pensar diferente, umas vezes como sendo nguê butizadu [ cristãos novos ] e outras vezes como pekadô gintxi [ ateus ]. Temos todos, quer sejamos cidadãos residentes no país, quer sejamos não residentes agora pomposamente, apelidados de são-tomenses da Diáspora continuar a 12 Jorge Vala, Psicólogo Social, in REVISTA (Jornal Expresso)

9 envidar esforços sérios, responsáveis, sem complexos, a fim de podermos deixar aos nossos vindouros um país, estável, com mais justiça, mais tranquilo, mais solidário, sem exclusão [principalmente dos cidadãos portadores de deficiência, dos pobres, dos idosos, das crianças] seja de quem for. 9

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Página 1 de 60 Plano de Acção

Leia mais

Os Direitos do Consumidor:

Os Direitos do Consumidor: DIREITOS E DEVERES Segundo a legislação, consumidores são todas as pessoas que compram bens para uso pessoal, a alguém que faça da venda a sua profissão. A Lei n.º 24/96, de 31 de Julho estabelece os direitos

Leia mais

PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015

PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015 PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015 1/10 PROJECTO 1 - Curso de Preparação para a Parentalidade Adoptiva Depois de tudo te amarei Como se fosse sempre antes Como se de tanto esperar Sem

Leia mais

Midas. Toque de. [entrevista]

Midas. Toque de. [entrevista] [entrevista] Toque de Midas Tem 29 anos, nasceu no Porto e é apostador profissional. Pelo menos, para o Estado inglês onde está colectado, porque para as finanças nacionais não passa de um indivíduo com

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 MENSAGEM DE ANO NOVO Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 Portugueses No primeiro dia deste Novo Ano, quero dirigir a todos uma saudação amiga e votos de boa saúde e prosperidade. Penso especialmente

Leia mais

Algumas Noções sobre Desconto e Capitalização

Algumas Noções sobre Desconto e Capitalização Algumas Noções sobre Desconto e Capitalização Introdução O desconto é um dos mais importantes, e também dos mais difíceis, conceitos em economia. Através das taxas de juro, as questões do desconto atravessam

Leia mais

MÓDULO 2 // ORÇAMENTO FAZ O EQUILÍBRIO A PARTIR DE 18 ANOS

MÓDULO 2 // ORÇAMENTO FAZ O EQUILÍBRIO A PARTIR DE 18 ANOS MÓDULO 2 // ORÇAMENTO FAZ O EQUILÍBRIO A PARTIR DE 18 ANOS MÓDULO 2 // BATE-BOLA FINANCEIRO O Bate-Bola Financeiro é um videogame educacional desenvolvido para ajudar estudantes a entenderem melhor os

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

Vamos fazer um mundo melhor?

Vamos fazer um mundo melhor? Vamos fazer um mundo melhor? infanto-junvenil No mundo em que vivemos há quase 9 milhões de espécies de seres vivos, que andam, voam, nadam, vivem sobre a terra ou nos oceanos, são minúsculos ou enormes.

Leia mais

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Senhora Presidente da CIG, Caras parceiras e parceiro de mesa, Caras senhoras e caros senhores, É com grande

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

TOTAL DE RESPONDENTES: 698 entrevistados. DATA DE REALIZAÇÃO: 30 de maio e 01 de junho, nas ruas do centro do Rio de Janeiro.

TOTAL DE RESPONDENTES: 698 entrevistados. DATA DE REALIZAÇÃO: 30 de maio e 01 de junho, nas ruas do centro do Rio de Janeiro. Enquete Um estudo feito por matemáticos da Universidade de Vermont, nos Estados Unidos, mostrou que o dia preferido pelas pessoas é o domingo. Os pesquisadores analisaram 2,4 milhões de mensagens pela

Leia mais

Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Regional Senhora e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Regional Senhora e Senhores Membros do Governo Intervenção sobre cabo de fibra óptica Flores, do Deputado António Maria Gonçalves Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Regional Senhora e Senhores

Leia mais

Motivação para a. Virtude do Bem Comum. AINOR LOTÉRIO Eng.agr, M.Sc em Gestão de Políticas Públicas www.ainor.com.br

Motivação para a. Virtude do Bem Comum. AINOR LOTÉRIO Eng.agr, M.Sc em Gestão de Políticas Públicas www.ainor.com.br Motivação para a AINOR LOTÉRIO Eng.agr, M.Sc em Gestão de Políticas Públicas www.ainor.com.br E-mail: contato@ainor.com.br (47)3365-0264; (47)99675010 (47) 97772863 Virtude do Bem Comum Escola de Governo

Leia mais

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste LEITURA DA ENTREVISTA 2 E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste trabalho que estou a desenvolver. Como lhe foi explicado inicialmente, esta entrevista está

Leia mais

ESTUDO DE RECEPÇÃO DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES (ISCTE/ERC) A CRIANÇA/ADOLESCENTE DO ESTUDO E A FAMÍLIA

ESTUDO DE RECEPÇÃO DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES (ISCTE/ERC) A CRIANÇA/ADOLESCENTE DO ESTUDO E A FAMÍLIA ESTUDO DE RECEPÇÃO DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES (ISCTE/ERC) Questionário Pai / Mãe / Encarregado/a de Educação Nota: Não deve escrever o nome e/ou morada em nenhuma das páginas deste questionário

Leia mais

Metodologias de intervenção:

Metodologias de intervenção: Metodologias de intervenção: Algumas estratégias de intervenção Na intervenção directa com as crianças tenta-se reflectir o clima institucional da Casa da Praia. A dinâmica do funcionamento em Equipa,

Leia mais

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião Família Qual era a profissão dos seus pais? Como eles conciliavam trabalho e família? Como era a vida de vocês: muito apertada, mais ou menos, ou viviam com folga? Fale mais sobre isso. Seus pais estudaram

Leia mais

Microcrédito Damos Rumo à Vida

Microcrédito Damos Rumo à Vida Microcrédito Damos Rumo à Vida 1 Microcrédito no Millennium bcp O Microempreendedor e o seu perfil Empreendedorismo Dar Rumo à Vida Resultados Conclusões 2 Microcrédito no Millennium bcp Responsabilidade

Leia mais

TRANQUILIDADE FAMILIAR. www.viveresaber.com.br

TRANQUILIDADE FAMILIAR. www.viveresaber.com.br TRANQUILIDADE FAMILIAR www.viveresaber.com.br OFERECIDO POR: www.viveresaber.com.br Desenvolvido por: ADELINO CRUZ Consultor, Palestrante e Diretor da Viver e Saber; Bacharel em Comunicação Social; Foi

Leia mais

(Parceria: EBEN - European Business Ethics Network PT)

(Parceria: EBEN - European Business Ethics Network PT) Ética nos Negócios, Confiança e Redes de Valor (Parceria: EBEN - European Business Ethics Network PT) 4º FÓRUM RSO E SUSTENTABILIDADE Estamos a construir REDES DE VALOR Centro de Congressos de Lisboa 21

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados Introdução Tendo explicado e descrito os instrumentos e procedimentos metodológicos utilizados para a realização deste estudo, neste capítulo,

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

Governo lança campanha de prevenção dos riscos do consumo de bebidas alcoólicas Resultados das pesquisas:

Governo lança campanha de prevenção dos riscos do consumo de bebidas alcoólicas Resultados das pesquisas: Governo lança campanha de prevenção dos riscos do consumo de bebidas alcoólicas O Ministério da Saúde lançou, nesta sexta-feira (10) no Rio de Janeiro (RJ), uma campanha publicitária alertando sobre os

Leia mais

Nome do animador: B / INFORMAÇÕES ECONOMICAS. Fontes de rendimento da família: o beneficiário, o conjunto, os filhos, o apoio da família, etc.

Nome do animador: B / INFORMAÇÕES ECONOMICAS. Fontes de rendimento da família: o beneficiário, o conjunto, os filhos, o apoio da família, etc. SEGUNDA ENTREVISTA VISITA EM CASA E/OU NO LOCAL DE TRABALHO Objectivo : Conhecer em detlahes a situação familiar economica e social do beneficiario, a actividade economica jà implementada e fornecer uma

Leia mais

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Geografia A * Análise de Notícias Natureza das notícias: socio-económica Localização temporal: actualidade Localização espacial: Europa Jornal: Expresso Data de edição:

Leia mais

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS!

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! FINISPORTUGAL! PRIVATIZAÇÕES. (Publicado em 20 Dezembro 2012) 1- Conceito Estratégico de Defesa Naciona

Leia mais

CONSULTORIA POSITIVA

CONSULTORIA POSITIVA O consultor é uma pessoa que, pela sua habilidade, postura e posição, tem o poder de influenciar as pessoas, grupos e organizações, mas não tem o poder directo para produzir mudanças ou programas de implementação.

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

Agenda IGUALAÇORES 2010. Projecto Jovens Açorianos 20 Estratégias pela Igualdade MANIFESTO REGIONAL

Agenda IGUALAÇORES 2010. Projecto Jovens Açorianos 20 Estratégias pela Igualdade MANIFESTO REGIONAL Agenda IGUALAÇORES 2010 Projecto Jovens Açorianos 20 Estratégias pela Igualdade MANIFESTO REGIONAL Numa altura em que a crise económica é tema predominante e em que Portugal surge como o segundo país com

Leia mais

Prefeitura Municipal de Bom Jardim da Serra/SC Processo Seletivo Edital 002/2015 Cargo: Tratorista Agrícola CONHECIMENTOS GERAIS 5 QUESTÕES

Prefeitura Municipal de Bom Jardim da Serra/SC Processo Seletivo Edital 002/2015 Cargo: Tratorista Agrícola CONHECIMENTOS GERAIS 5 QUESTÕES CONHECIMENTOS GERAIS 5 QUESTÕES 1. Segundo o Estatuto do Servidor Público Municipal de Bom Jardim da Serra, servidor público é a pessoa que: a. Presta serviço remunerado ao município, seja do Poder Executivo,

Leia mais

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha Existe um facto para o qual também devemos dar atenção: o agressor poderá estar numa posição de solidão. Poucos serão os agressores que terão a consciência do problema que têm, a agressividade que não

Leia mais

FASCÍCULO IV OS PRINCIPAIS CONCEITOS PARA A COMPREENSÃO DA IGUALDADE DE GÉNERO

FASCÍCULO IV OS PRINCIPAIS CONCEITOS PARA A COMPREENSÃO DA IGUALDADE DE GÉNERO OS PRINCIPAIS CONCEITOS PARA A COMPREENSÃO DA IGUALDADE DE GÉNERO Com a colaboração de: No âmbito dos estudos de género e das políticas de igualdade têm vindo a ser definidos inúmeros conceitos com vista

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00 HORAS DE 01.01.13 --- Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2013 --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00

Leia mais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais PESTANA, Nuno Nóbrega (2003), Cadernos de Emprego e Relações de Trabalho n.º 1, MSST/DGERT, Lisboa, pp. 321. Susana Graça 1 A obra

Leia mais

Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal

Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal Aese Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal Quando o Fórum para a Competitividade me convidou para esta intervenção, na qualidade de empresário, já se sabia que não haveria Orçamento de Estado

Leia mais

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO Vanessa Petró* 1 Introdução O presente artigo tem o intuito de desenvolver algumas idéias acerca de comportamentos desviantes

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO JUNTA DE FREGUESIA DE S. JOÃO DO CAMPO EDITORIAL SUMÁRIO ANO 7 BOLETIM Nº 27 2012 JULHO AGOSTO SETEMBRO EDITORIAL

BOLETIM INFORMATIVO JUNTA DE FREGUESIA DE S. JOÃO DO CAMPO EDITORIAL SUMÁRIO ANO 7 BOLETIM Nº 27 2012 JULHO AGOSTO SETEMBRO EDITORIAL ANO 7 BOLETIM Nº 27 2012 SUMÁRIO BOLETIM INFORMATIVO EDITORIAL JULHO AGOSTO SETEMBRO A Rua principal, a Dr Jaime Cortesão tem estado cortada EDITORIAL MANIFESTAÇÃO EM LISBOA POSTO MÉDICO ao trânsito, devido

Leia mais

Estudo sobre Comportamentos de Risco

Estudo sobre Comportamentos de Risco quadernsquadernsanimacio.netnº10;julhode2009animacio.netnº10;julhode2009 quadernsanimacio.net nº11;janeirode2010 EstudosobreComportamentosdeRisco ResultadosdeInquéritonumaPerspectiva depromoçãodasaúde

Leia mais

INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT

INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT Desde já, agradecemos a sua participação nesta nova etapa do Projecto de Tutoria a Estudantes ERASMUS versão OUT. Com este inquérito, pretendemos

Leia mais

ENTREVISTA Coordenador do MBA do Norte quer. multiplicar parcerias internacionais

ENTREVISTA Coordenador do MBA do Norte quer. multiplicar parcerias internacionais ENTREVISTA Coordenador do MBA do Norte quer multiplicar parcerias internacionais entrevista novo mba do norte [ JORGE FARINHA COORDENADOR DO MAGELLAN MBA] "É provinciano pensar que temos que estar na sombra

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Abril de 2011. Ana Cristina Carvalhal anaccarvalhal@ua.pt Sandra Sequeira sandrasequeira@ua.pt

Abril de 2011. Ana Cristina Carvalhal anaccarvalhal@ua.pt Sandra Sequeira sandrasequeira@ua.pt Abril de 2011 Ana Cristina Carvalhal anaccarvalhal@ua.pt Sandra Sequeira sandrasequeira@ua.pt Educação Financeira pessoal é saber como ganhar, gastar, poupar e investir o seu dinheiro para ter melhor qualidade

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A visão dos brasileiros O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água Dezembro, 2006 METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para

Leia mais

RELATÓRIO CHEFE DE MISSÃO AOS JOGOS OLÍMPICOS

RELATÓRIO CHEFE DE MISSÃO AOS JOGOS OLÍMPICOS RELATÓRIO DO CHEFE DE MISSÃO Missão Portuguesa aos Jogos Olímpicos de Inverno - Sochi 2014 RELATÓRIO CHEFE DE MISSÃO AOS JOGOS OLÍMPICOS SOCHI 2014 2 INTRODUÇÃO A vigésima segunda edição dos Jogos Olímpicos

Leia mais

Laicidade I. DOCUMENTOS DIVAS & CONTRABAIXOS http://divasecontrabaixos.blogspot.com/

Laicidade I. DOCUMENTOS DIVAS & CONTRABAIXOS http://divasecontrabaixos.blogspot.com/ Laicidade I Dave April, Alternative Thinking Étíenne Pion é o presidente da CAEDEL - Centre d'action européénne démocratique et laïque, e está neste momento a fazer um conjunto de conferências por todo

Leia mais

Dados Pessoais. Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - E - mail: Outros contactos:

Dados Pessoais. Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - E - mail: Outros contactos: Errata Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E - mail: Outros contactos: 1 Edição Instituto da Segurança Social, I.P. Coordenação e Supervisão Técnica Departamento

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade 1 de 5 Princípios de conduta, de igualdade e equidade OBJECTIVO: Assumir condutas adequadas às instituições e aos princípios de lealdade comunitária. Competência e critérios de evidência Reconhecer princípios

Leia mais

As exigências e transformações do mercado de trabalho neste novo milênio

As exigências e transformações do mercado de trabalho neste novo milênio As exigências e transformações do mercado de trabalho neste novo milênio 1) - Quais as transformações efetivas que estão ocorrendo no mundo dos negócios e como tais mudanças interferem no movimento do

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros O que o brasileiro pensa sobre a conservação e o uso da água no Brasil METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para subsidiar o planejamento

Leia mais

Poder: Jornal Fortuna

Poder: Jornal Fortuna Aqui você enriquece sua leitura Jornal Fortuna Volume 1, edição 1 Data do boletim informativo Nesta edição: Poder: Há vários tipos de poder, poder militar, poder da natureza, poder político, o poder da

Leia mais

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C CONTEÚDOS DO EXAME Líderes religiosos, Motivação e Liderança Convivência com o grupo; Amizade e sentido de grupo Os projetos Solidários; O que é um projeto? Olhares sobre

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI

Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI 1 Com muita honra e responsabilidade, falo uma vez mais em nome da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

Relatório de Intercâmbio

Relatório de Intercâmbio Relatório de Intercâmbio 1. Dados de identificação: Informações pessoais e acadêmicas: Aline Vieira de Lima +55 83 9986 1705 aline.vieira@gmail.com Programa: PIANI Universidade anfitriã: Instituto Superior

Leia mais

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão Chegar a acordo sobre definições de qualquer tipo pode ser uma tarefa de pôr os cabelos em pé, e um desperdício de tempo. Normalmente requer compromissos por parte

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com 5Passos fundamentais para Conseguir realizar todos os seus SONHOS Autora: Ana Rosa www.novavitacoaching.com O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza dos seus sonhos! Eleanor Roosevelt CONSIDERA

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

ISSN: 1981-3031 A EDUCAÇÃO E A FAMÍLIA

ISSN: 1981-3031 A EDUCAÇÃO E A FAMÍLIA ISSN: 1981-3031 A EDUCAÇÃO E A FAMÍLIA Nivan ferreira de lima 1 Sandra da silva soares 2 RESUMO: Este artigo tem como objetivo trazer questionamentos a cerca da educação e a família, em como a família

Leia mais

Marca Pessoal e Carreira Profissional

Marca Pessoal e Carreira Profissional O MERCADO Marca Pessoal e Carreira Profissional Managing Partner da Stanton Chase international Vivemos tempos difíceis! Tempos em que muitos passam por situações de desemprego, alguns têm que aceitar

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO A Carta Europeia do Desporto do Conselho da Europa é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto. A Carta Europeia do Desporto

Leia mais

InfoProduto Já. Qual Sua Marca? Você Sabe Vender Sua Imagem? *Sheila Souto

InfoProduto Já. Qual Sua Marca? Você Sabe Vender Sua Imagem? *Sheila Souto Qual Sua Marca? Você Sabe Vender Sua Imagem? *Sheila Souto Um Marketing Pessoal bem arquitetado pode alavancar de maneira decisiva seus negócios ou carreira, pois como dizem por aí: A primeira impressão

Leia mais

MANUAL DE FOTOGRAFIA

MANUAL DE FOTOGRAFIA MANUAL DE FOTOGRAFIA 1. A máquina fotográfica. Breve história As primeiras fotografias tiradas, datam de 1826, mas só em 1870, é que foi possível obter um sistema que permitisse a comercialização de chapas

Leia mais

REGRAS. 1 - Introdução. 2 - Nº de jogadores e objectivo do jogo. 3 - Peças do jogo

REGRAS. 1 - Introdução. 2 - Nº de jogadores e objectivo do jogo. 3 - Peças do jogo REGRAS 1 - Introdução Este jogo tem como principal objectivo demonstrar como poderemos utilizar o nosso carro de uma forma mais responsável face ao ambiente, através da partilha do nosso meio de transporte

Leia mais

Gung Ho! Numa organização ideal todos têm objectivos individuais, relacionais e organizacionais Will Shutz

Gung Ho! Numa organização ideal todos têm objectivos individuais, relacionais e organizacionais Will Shutz Gung Ho! Imagem de http://jpn.icicom.up.pt/imagens/educacao/estudar.jpg Numa organização ideal todos têm objectivos individuais, relacionais e organizacionais Will Shutz GUNG HO Gung Ho é a expressão chinesa

Leia mais

Pluralidade dos Mundos Habitados. Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF

Pluralidade dos Mundos Habitados. Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF Habitados Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF Jesus referiu-se em algum momento de suas pregações à existência de outros mundos habitados? Qualquer pessoa que pensa, ao

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

Os Recursos Humanos na Distribuição

Os Recursos Humanos na Distribuição Os Recursos Humanos na Distribuição Tudo assenta nas pessoas. Também o sangue vital da Distribuição assenta nas pessoas, empregados ou consumidores, na medida em que uns vendem os produtos e os outros

Leia mais

O Movimento de Jesus

O Movimento de Jesus O Movimento de Jesus Tudo começou na Galiléia Quando Jesus começou a percorrer a Palestina, indo das aldeias às cidades, anunciando a Boa Nova do Evangelho, o povo trabalhador ia atrás dele. A fama de

Leia mais

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01 Janeiro de 1995, quinta feira. Em roupão e de cigarro apagado nos dedos, sentei me à mesa do pequeno almoço onde já estava a minha mulher com a Sylvie e o António que tinham chegado na véspera a Portugal.

Leia mais

Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops

Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops Workshop1 Voluntariado na área social e humanitária nacional Dinamizadores: Vo.U Associação de Voluntariado Universitário

Leia mais

HUMILDADE- A VERDADEIRA GRANDEZA

HUMILDADE- A VERDADEIRA GRANDEZA HUMILDADE- A VERDADEIRA GRANDEZA Ministério de Mulheres Aulas: 1 - Abertura - Tudo começa na Mente 2- Considerações gerais sobre a humildade 3- Manifestações Orgulho 4- Orgulho - personagens bíblicos 5-

Leia mais

Acesse nosso blog: www.abmeseduca.com

Acesse nosso blog: www.abmeseduca.com Realização: Apoio: Acorda Pessoal!!! Pela primeira vez na história: a próxima geração terá menos oportunidades do que seus pais; a crise ecológica dificultará a sobrevivência das gerações futuras; O aquecimento

Leia mais

Respostas não definitivas em uma sabatina sobre drogas

Respostas não definitivas em uma sabatina sobre drogas Respostas não definitivas em uma sabatina sobre drogas Gerivaldo Neiva * - Professor, mas o senhor não acha que um mundo sem drogas seria melhor para todos? - Definitivamente, não! Um mundo sem drogas

Leia mais

Intervenção O Voluntariado Isabel Jonet

Intervenção O Voluntariado Isabel Jonet Intervenção O Voluntariado Isabel Jonet Conferência "Compromisso Cívico para a Inclusão" Santarém, 14 de Abril de 2007 1 O relevo atribuído pelo Senhor Presidente da Republica ao combate à exclusão social

Leia mais

Cap 1 A teoria e a prática da Educação. Ramiro Marques

Cap 1 A teoria e a prática da Educação. Ramiro Marques Cap 1 A teoria e a prática da Educação Ramiro Marques Aristóteles dedica um espaço importante de A Política ao tema da educação, preocupando-se com a discussão de vários assuntos: fim pacífico da Educação,

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado.

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado. 1 O que é Ética? Definição de Ética O termo ética, deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade.

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL Gabinete do Presidente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL Gabinete do Presidente Diário da Sessão n.º 070 de 18/03/03 Presidente: Passamos ao ponto seguinte da nossa ordem de trabalhos Proposta de Decreto Legislativo Regional que aplica à Região Autónoma dos Açores o Decreto-Lei nº

Leia mais

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?)

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ação nº41/2012 Formadora: Madalena Moniz Faria Lobo San-Bento Formanda: Rosemary Amaral Cabral de Frias Introdução Para se contar histórias a crianças,

Leia mais

Departamento das Educação Pré-escolar

Departamento das Educação Pré-escolar Departamento das Educação Pré-escolar A melhoria da qualidade das aprendizagens, a avaliação implica, no quadro da relação entre o jardim-de-infância, a família e a escola, uma construção partilhada que

Leia mais

Senador Pedro Taques Discurso Manifestações

Senador Pedro Taques Discurso Manifestações Senador Pedro Taques Discurso Manifestações Senhor presidente, Senhoras senadoras, senhores senadores Amigos das redes sociais que também estão nas ruas Estamos em época de competição de futebol. Nosso

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM Roteiro para curta-metragem Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM SINOPSE José é viciado em drogas tornando sua mãe infeliz. O vício torna José violento, até que

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG Um cacique kaingang, meu amigo, me escreveu pedindo sugestões para desenvolver, no Dia do Índio, o seguinte tema em uma palestra: "Os Valores Culturais da Etnia Kaingáng".

Leia mais

Avaliação do Programa Cidadania em Trânsito ALUNOS Novembro / 2013

Avaliação do Programa Cidadania em Trânsito ALUNOS Novembro / 2013 Avaliação do Programa Cidadania em Trânsito ALUNOS Novembro / 2013 1 INDICE: METODOLOGIA:... 3 PERFIL DOS RESPONDENTES:... 4 CIDADANIA EM TRÂNSITO... 5 A Gidion é uma empresa que:...5 Você sabe se tem

Leia mais

PARECER N.º 5/2004 I - OBJECTO

PARECER N.º 5/2004 I - OBJECTO PARECER N.º 5/2004 ASSUNTO: Parecer prévio ao despedimento da trabalhadora..., nos termos do art.º 24.º do anexo ao Decreto-Lei n.º 70/2000, de 4 de Maio, e do art.º 10.º do Decreto-Lei n.º 230/2000, de

Leia mais

Entrevista sobre o Programa Pica

Entrevista sobre o Programa Pica Entrevista sobre o Programa Pica Ficha de Identificação Nome: Artur Ribeiro Cargo/Função: Co-Argumenista Programa: Pica Questões 1. Qualidade - Na sua opinião, o que pode ser considerado qualidade em televisão

Leia mais

São grandezas que para que a gente possa descrever 100%, basta dizer um número e a sua unidade.

São grandezas que para que a gente possa descrever 100%, basta dizer um número e a sua unidade. Apostila de Vetores 1 INTRODUÇÃO Fala, galera! Essa é a primeira apostila do conteúdo de Física I. Os assuntos cobrados nas P1s são: Vetores, Cinemática Uni e Bidimensional, Leis de Newton, Conservação

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais