Direito à Cidade no Horizonte Pós-Fordista

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Direito à Cidade no Horizonte Pós-Fordista"

Transcrição

1 LUGAR COMUM Nº27, pp Direito à Cidade no Horizonte Pós-Fordista Alexandre Fabiano Mendes Do fordismo ao pós-fordismo: a revolução do capitalismo A partir de meados da década de setenta, podemos afirmar, grosso modo, que o capitalismo sofre profundas transformações na direção de uma era pósindustrial, marcada por uma veloz transformação das modalidades produtivas centradas na fábrica. Reformas econômicas, mudanças na administração empresarial, novas tecnologias, novos mercados e formas de trabalho abalam a estrutura do capitalismo industrial, baseada na organização hierárquica e divisão funcional do chão fabril, bem como no papel do Estado-Nação como impulsionador de um desenvolvimento nacional. A articulação entre um estado nacional forte e a fábrica como espaço de fixação coercitiva dos indivíduos produziu, no funcionamento das economias industrializadas, um assustador esvaziamento dos direitos democráticos, impossibilitando qualquer relação social fundada na liberdade e na igualdade. Michel Foucault, durante suas análises dos anos 70, descreveu minuciosamente as características do que chamou de sociedade disciplinar, investigando o envolvimento recíproco entre a soberania jurídico-estatal das democracias constitucionais e o regime disciplinar-fabril, in verbis: Em outras palavras, os sistemas jurídicos, sejam as teorias, sejam os códigos, permitiram uma democratização da soberania, a implantação de um direito público articulado a partir da soberania coletiva, no mesmo momento, na medida em que e porque essa democratização da soberania se encontrava lastreada em profundidade pelos mecanismos da coerção disciplinar. De uma forma mais densa, poderíamos dizer o seguinte: uma vez que as coerções disciplinares deviam ao mesmo tempo exercer-se como mecanismos de dominação e ser escondidas como exercício efetivo de poder, era preciso que fosse apresentada no aparelho jurídico e reativada, concluída, pelos códigos judiciários, a teoria da soberania (FOUCAULT, 2002, p. 44). Análise similar é realizada por André Gorz, que define por despotismo de fábrica o tipo de relação travada no sistema fabril entre a casta de diretores reputados oniscientes e os empregados, submetidos coercitivamente à hierarquia funcional. No âmbito público, a administração do Estado reproduz o ruído

2 126 DIREITO À CIDADE NO HORIZONTE PÓS-FORDISTA industrial, buscando criar uma sociedade-máquina totalmente burocratizada, racionalizada, funcionalizada, na qual cada indivíduo funciona como uma engrenagem, sem compreender o sentido (se é que há algum) da tarefa parcial que executa. (...) (GORZ, 2007a, p. 56). Todo esse sistema político-econômico (estatal, desenvolvimentista, nacionalista e fabril) passa a ser, no final dos anos 60 e por toda a década de 70, objeto de críticas cada vez mais demolidoras. Nenhum outro evento pode traduzir melhor essa onda de contestações que os acontecimentos de Inaugura-se um ciclo de lutas em que todas as bases da sociedade disciplinar são questionadas de forma explosiva, fazendo ruir a legitimidade social da ordem fabril. No Brasil e em outros países da América Latina (México, Argentina, Chile etc.), inúmeras lutas se disseminam - da fábrica à universidade - formando movimentos de contestação à relação salarial e aos regimes autoritários que se espalham pelo continente. Na Europa, o maio de 68 francês é somente o mais conhecido episódio de revolta que toma efusivamente as ruas, fábricas e universidades. Poucos anos antes, o movimento dos direitos civis contra a segregação racial esquenta as relações sociais e políticas americanas, contestação que se generaliza quando a guerra do Vietnã se torna um fato intolerável. Por sua vez, o movimento feminista adensará o leque de contestações sociais, colocando a centralidade política das questões de gênero. No leste europeu, os exemplos de Praga e Berlim demonstram a amplitude desse ciclo de insurreições. No âmbito das bases políticas e materiais do capitalismo, torna-se evidente a necessidade de modificar e reestruturar completamente o sistema disciplinar e fabril. Nas economias centrais, a nova formatação inicia-se na própria década de 70, enquanto nas economias periféricas a transformação começa na década de 80. Segundo o cientista político Giuseppe Cocco (2008), in verbis: Nesse período, à medida que os movimentos sociais não paravam de multiplicarse e expandir-se, o capital investia em sua própria reestruturação: investia na difusão social da produção em direção ao pós-fordismo. Não se tratava mais de subordinar a esfera da reprodução ao pacto produtivo entre capital e trabalho e a sua cidadania, mas de capturar as dimensões produtivas da própria circulação, aceitando a perda da centralidade disciplinadora do chão da fábrica, organizando o trabalho diretamente nas redes sociais... para onde o trabalho já havia realizado o seu êxodo! (p. 75).

3 Alexandre Fabiano Mendes 127 São as redes sociais, as diversas formas de cooperação, a criatividade, a comunicação, as novas tecnologias, os afetos, os bens imateriais e culturais que passam a formar a dimensão produtiva e valorativa do capitalismo pós-fordista. A new economy é desenvolvida mais como resposta ao ciclo de lutas descrito acima que por um avanço técnico ou progresso súbito das relações sociais e econômicas. O acento é colocado no que se convencionou chamar de trabalho imaterial (cf. NEGRI e LAZZARATO, 2001) e o capitalismo se torna cada vez mais cognitivo 82, isto é, ligado à produção de conhecimento e à informação. Segundo o filósofo Antonio Negri (2005), se o fordismo buscava criar os meios da vida social, o pós-fordismo investe na própria vida social, através da produção de idéias, imagens, conhecimentos, comunicação, cooperação e relações afetivas. Não é à toa que uma importante corporação da economia digital questiona diariamente: Qual é a sua tribo?. A pergunta tem duplo-objetivo: ao mesmo tempo em que investiga nossas formas de vida social, tenta definir ela mesmo a produção de nossa subjetividade, de nossa maneira de se expressar no mundo e produzir interações. Por outro lado, o trabalho imaterial tende sempre a escapar das formas de controle, expropriação e governança. Nesse sentido, há um aspecto sempre incomensurável, desmedido e escorregadio do trabalho no pós-fordismo. Se a tarefa da economia política consistia em mensurar o valor, seja para avaliar o sobre-valor do trabalho (mais-valia) ou para avaliar os custos da produção, no pós-fordismo é a economia política, como ciência da medida, que se encontra em crise. Por isso, multiplicam-se as instâncias de análise da confiabilidade dos mercados, do viés dos índices econômicos, do comportamento da economia, ao mesmo tempo em que as empresas investem em sua auto-imagem, seja através da responsabilidade social, seja com recursos cada vez mais inovadores de marketing e publicidade. Essa tentativa constante de integração entre a empresa e a vida social, entre os fluxos produtivos e o território, entre o capital e a vida, pode ser bem compreendido através da idéia de fabrica social ou fábrica difusa, apontada por Negri em seu seminal artigo para a revista Futur Antérieur, de No texto, o pensador italiano recorre aos Grundisse, escritos por Marx, para compreender as mutações do fordismo, quando, segundo o filósofo alemão, o produto cessa 82 Ver em COCCO, GALVÃO & SILVA. Capitalismo Cognitivo: trabalho, redes e inovação. Rio de Janeiro: DP&A, Ver também o esforço teórico de caracterização do capitalismo cognitivo realizado por Yann Moulier-Boutang em Le capitalisme cognitif, La nouvelle Grande Transformation, Paris: Editions Amsterdam, 2007.

4 128 DIREITO À CIDADE NO HORIZONTE PÓS-FORDISTA de ser o produto do trabalho isolado imediato e é, ao contrário, a combinação da atividade social a apresentar-se como produtor (MARX apud NEGRI e LA- ZZARATO, 2001, p. 28. O grifo é nosso). Não podemos concluir essa breve síntese sobre a centralidade do imaterial no capitalismo contemporâneo sem avaliar os impactos na situação política e social latino-americana e brasileira. É que, como se sabe, não tivemos um padrão de desenvolvimento industrial e das formas-estado comparável aos modelos europeu e americano. A industrialização plena, a integração a uma sociedade salarial e a construção de um sistema de Welfare (proteção social) não chegaram nem perto de uma realização substancial. Isso cria, paradoxalmente, um grave quadro político-social, mas também uma esperança de avanço democrático: se por um lado, o incremento do pósfordismo na América Latina (em geral) ocorre de forma predatória e ultra-violenta (justamente pela ausência de produção social da cidadania e padrões mínimos de igualdade), por outro, os países do eixo-sul são potenciais locais de produção de uma radicalização democrática livre da coerção disciplinar, da máquina administrativo-burocrática e da exploração do trabalho subordinado, ao mesmo tempo em que possuem uma vivência imediatamente criativa, inovadora e viva que desafia constantemente a governança pós-industrial. O desafio é, justamente, avançar na direção da democracia através das inúmeras mobilizações de acesso aos direitos, serviços, cultura, renda e lazer, reforçando as relações de cooperação social e produção da cidadania. É nesse contexto que o debate sobre a cidade deve ser colocado: como produzir uma cidade radicalmente democrática? Da fábrica-prisão à fábrica social: a produção nos territórios O sistema estatal-fordista não pode ser concebido somente em seus aspectos econômicos e sociais. O aparecimento da fábrica e demais instituições disciplinares provocaram uma verdadeira remodelagem das cidades e dos territórios industrializados. Acentuou-se em regra o aspecto funcionalista e concêntrico da cidade: o desenvolvimento de subúrbios-dormitórios e zonas industriais altamente poluidoras; a construção de vias longas de acesso, com ênfase no automóvel como meio de transporte; acentuação das desigualdades regionais; a forte imigração urbana; o papel do Estado no planejamento urbano e na implantação de equipamentos públicos voltados à produção industrial, entre outros. Voltemos, então, a Michel Foucault, que no curso Securité, territoire, population (2004), dedica a primeira aula para expor e investigar o nascimento, já

5 Alexandre Fabiano Mendes 129 no início da industrialização, de um biopoder no âmbito da cidade. O biopoder - o controle sobre a vida - se constitui notadamente na atividade permanente de um poder administrativo (poder de polícia), amplo e regulamentar que incide sobre o novo objeto emergente na modernidade: a população. Segundo Foucault, a população, como campo de intervenção, possui uma mobilidade ínsita que é preciso regular. Ao contrário da rigidez formal dos conceitos inerentes à justiça e à soberania, a população é dotada de uma fluidez que reivindica uma técnica de governo particular, apta a dar conta dessa permanente flexibilidade. O aspecto cotidiano, detalhista e permanente da polícia é coerente com as características de seu espaço de intervenção. Novas ciências do século XIX, como o urbanismo, a economia política, a higiene social, a demografia, a estatística, a medicina social, entre outras, encontram seu regime de verdade no domínio aberto por uma prática de governo que busca regular a população citadina e conhecer, em todos os detalhes, os diversos elementos do território. Em A história da sexualidade, livro que trata da biopolítica em seu último capítulo, o pensador francês afirma: Este biopoder, sem a menor dúvida, foi elemento indispensável ao desenvolvimento do capitalismo, que só pôde ser garantido à custa da inserção controlada dos corpos no aparelho de produção e por meio de um ajustamento dos fenômenos de população aos processos econômicos. (...) Se o desenvolvimento dos grandes aparelhos de Estado, como instituições de poder, garantiu a manutenção das relações de produção, os rudimentos de anátomo e de biopolítica, inventados no séc. XVIII como técnicas de poder presentes em todos os níveis do corpo social e utilizadas por instituições bem diversas (a família, o Exército, a escola, a polícia, a medicina individual ou a administração de coletividades), agiram no nível dos processos econômicos, do seu desenrolar, das forças que estão em ação em tais processos e os sustentam; operaram, também, como fatores de segregação e de hierarquização social; (...) o ajustamento da acumulação dos homens à do capital, a articulação do crescimento dos grupos humanos à expansão das forças produtivas e a repartição diferencial do lucro, foram, em parte, tornados possíveis pelo exercício do biopoder com suas formas e procedimentos múltiplos (FOUCAULT, 1988, p.133). Se o fordismo buscou gerir as populações fixando-as em torno da fábrica e promovendo através do Estado uma produção nacional, o pós-fordismo tende a realizar um movimento totalmente distinto. Cada vez mais, as cidades aparecem como nós de redes globais, integradas por sistemas de informática, telecomunicações, transportes de grande velocidade e redes tecnológicas. A produção en-

6 130 DIREITO À CIDADE NO HORIZONTE PÓS-FORDISTA contra no espaço aberto da cidade a possibilidade de criação de valor e tende a constituir pólos metropolitanos integrados e espalhados pelo mundo afora. A cidade concêntrica dá lugar à cidade policêntrica e a região industrial é sistematicamente desmontada em prol de metrópoles globais. Os vazios urbanos causados pela desindustrialização aparecem em todas as cidades, chegando a atingir, em alguns casos, sua totalidade. O espaço urbano industrial, estriado, áspero, definido pelos muros das fábricas, manicômios, escolas, casernas, hospitais etc., é gradualmente substituído por um espaço liso, onde os fluxos de produção circulam rapidamente pelos diversos centros. Aliás, os novos fluxos dispensam até mesmo o próprio espaço físico urbano. Giuseppe Cocco, citando Frederic Jameson 83, utiliza o conceito de hiperespaço para definir a não limitação físicotemporal da cidade contemporânea (COCCO, 2001, p. 66). Para um operador do mercado financeiro, Londres pode estar mais perto que um bairro distante da periferia de sua própria cidade. Já Baudouin e Collin (2006), pesquisando os efeitos do pós-fordismo na França, observam que: Por um lado, o papel cada vez mais importante das fi rmas globais diminui consideravelmente os poderes da empresa tradicional, enquanto, por outro, a institucionalização dos mercados em escala continental (União Européia, Mercosul, Nafta) é acompanhada de uma federalização dos poderes soberanos dos Estados-nação. Esse questionamento dos dois espaços fundamentais do capitalismo industrial, a fábrica para a produção e o Estado-nação para o mercado, pode então ser observado como uma desaparição do espaço na produção moderna (...) (p. 202). É claro que o espaço liso produz suas próprias interdições, coerções, violências e censuras. Gilles Deleuze já apontava, em seu surpreendente artigo Sobre as sociedades de controle 84, as sofisticadas formas de gestão, controle e exercício de violência no contexto pós-industrial. Se o poder disciplinar atuava intra-muros, isto é, no interior das instituições disciplinares, o controle contem- 83 Trata-se do livro: JAMESON, Fredric. Postmodern, or The Cultural Logic of Late Capitalism. Durham, USA: Duke UP, In verbis: O homem não é mais o homem confinado, mas o homem endividado. É verdade que o capitalismo manteve como constante a extrema miséria de três quartos da humanidade, pobres demais para a dívida, numerosos de mais para o confinamento: o controle não só terá que enfrentar a dissipação das fronteiras, mas também a explosão dos guetos e favelas (DE- LEUZE, 1992).

7 Alexandre Fabiano Mendes 131 porâneo se desenvolve extra-muros, buscando se difundir em todos os meandros da vida social e urbana. Por isso, podemos afirmar, com Deleuze, que as periferias metropolitanas e globais se encontram na centralidade da política no mundo pós-fordista. O que fazer com a colorida e diversificada população de trabalhadores informais e flexíveis, de empregados marginais e jovens, de migrantes e trabalhadores nômades que vivem radicalmente a era da mobilidade, da dispersão e da fragmentariedade? Como gerir os movimentos? Como transformá-los em valor pela expropriação? Como se realiza a reprivatização dos espaços abertos e públicos da cidade imaterial? Como controlar a liberdade de expressão e produção advindas das novas tecnologias de comunicação e cultura (ex: internet, home studio, downloads etc.). Com efeito, a derrocada do fordismo e de suas instituições de fixação dos indivíduos não só geram novas formas de controle, mas também permitem a construção e o aprofundamento de espaços de liberdade e cooperação dos novos sujeitos. A radicalização do controle e das técnicas de violência (em especial contra as periferias e favelas urbanas) é correlata à possibilidade de radicalização da democracia e da cidadania em âmbito global. Existe sim, algo que liga as revoltas da periferia francesa contra a violência policial às inquietações e aos movimentos das periferias dos países pobres do mundo, verbis: A flexibilidade pode e deve assim, ser apreendida como espaço e dinâmica de reorganização do comando, mas também como produto e eixo de avanço das lutas sociais. Por um lado é um produto das lutas, da fuga da fábrica, da potência livre das forças universalizadoras dos espaços públicos que perpassaram o fordismo e sua crise. Por outro, ela é recuperada na lógica do comando pelos mecanismos de fragmentação e das segregações, isto é, pela desuniversalização dos bens públicos que a classe produziu apesar e além do corporativismo fordista. (...) Ao mesmo tempo, a segregação espacial faz com que o espaço liso de mobilidade se torne um território estriado de guetos e condomínios fechados. A velha clivagem morro-asfalto atualiza-se e afirma-se como horizonte metropolitano universal (COCCO, 2001, p. 75). O gradual esvaziamento dos arranjos fordistas, portanto, possibilita a construção de novos espaços comuns e democráticos, justamente pela potência livre que surge a partir da derrubada dos muros da sociedade disciplinar-fabril. Um novo horizonte de lutas pela universalização dos direitos, da cidade e dos territórios encontra sua condição de possibilidade, paradoxalmente, na emergência do mundo pós-industrial. No ocaso da sociedade fabril, literalmente, um outro mundo se torna possível.

8 132 DIREITO À CIDADE NO HORIZONTE PÓS-FORDISTA Na cidade do Rio de Janeiro, o controle dos fluxos, da mobilidade, da liberdade, da expressão social, da resistência, da produção de direitos, democracia e cidadania é evidenciado pelo círculo vicioso formado pela atividade violenta da polícia, do tráfico de drogas e, recentemente, da milícia. É possível argumentar que a condição de possibilidade para a proliferação das milícias, por exemplo, é justamente a gestão dos territórios e espaços lisos da cidade, realizada através de uma governança autoritária que envolve o fornecimento de serviços de segurança, gás, água, energia, comunicação, tecnologia e imobiliários. O controle e a violência crescem onde a democracia ainda não se aprofundou, seja pelo amplo e irrestrito acesso aos serviços e bens públicos, seja pelo acesso à moradia, lazer, cultura, transporte, etc. No capitalismo imaterial, na cidade sem muros visíveis, a questão do controle dos acessos se torna fundamental. Enquanto o controle impõe restrições, a democracia luta para liberar e universalizar os acessos. A construção de condomínios fechados, a colocação de cancelas nas vias públicas, o primado do transporte individual e o cercamento dos espaços públicos nos bairros ricos da cidade representam um fenômeno simétrico à gestão violenta dos territórios periféricos, afastados e pobres. Em ambos os casos, trata-se de fechar os acessos. Num contexto onde as interdições são flexíveis e estão em constante modulação é preciso pensar o direito à cidade como, justamente, direito aos acessos. Isso impõe à reflexão jurídica um dinamismo que não é tradicional ao pensamento e exercício do direito, ora preso à maquinaria-estatal, ora limitado à idéia de indivíduo. Antonio Negri refere-se a um direito ao comum 85, para além do direito público e do privado, produzido pela atividade constituinte dos novos sujeitos, se opondo tanto ao individualismo possessivo, como ao controle absoluto do Estado. O direito à cidade é também direito ao comum: ao que pode ser compartilhado numa vivência livre das amarras disciplinares e fabris. O direito à cidade Já foi visto que o ciclo de lutas ocorrido nos anos 60 e 70 derrubou a legitimidade do sistema disciplinar e fabril vigente no capitalismo industrial. Inserido 85 Precisamos começar a imaginar uma estratégia e um arcabouço jurídicos alternativos: uma concepção de privacidade que expresse a singularidade das subjetividades sociais (não a propriedade privada) e uma concepção do público baseada no comum (não o controle do Estado) poder-se-ia dizer uma teoria jurídica pós-liberal e pós-socialista. As concepções jurídicas tradicionais do privado e do público são evidentemente insuficientes para esta finalidade (NEGRI e HARDT, 2005, p. 265).

9 Alexandre Fabiano Mendes 133 na ampla gama de reivindicações políticas, econômicas e culturais que marcaram essa época, aparece então o chamado direito à cidade. No próprio ano de 1968, em meio às conturbadas agitações francesas, Henri Lefebvre (2001) escreve o livro Droit à la Ville, dedicado a acentuar o aspecto político e fundamental do direito à vida urbana, condição, segundo ele, para a própria renovação da democracia. Importante sublinhar, que Lefebvre apresenta uma visão interessante do direito à cidade, ligando-o à vida urbana como um lugar de encontros, trocas e exercício de outros direitos, tal como o direito à educação, à saúde, ao lazer, à vida etc. In verbis: Em condições difíceis, no seio dessa sociedade que não pode opor-se completamente a eles [os miseráveis do habitat] e que, no entanto, lhes barra a passagem, certos direitos abrem caminho, direitos que defi nem a civilização (na, porém frequentemente contra a sociedade pela porém frequentemente contra a cultura ). Esses direitos mal reconhecidos tornam-se pouco a pouco costumeiros antes de se inscreverem nos códigos formalizados. Mudariam a realidade se entrassem para a prática social: direito ao trabalho, à instrução, à educação, à saúde, à habitação, aos lazeres, à vida. Entre esses direitos em formação figura o direito à cidade (não à cidade arcaica mas à vida urbana, à centralidade renovada, aos locais de encontros e de trocas, aos ritmos de vida e empregos do tempo que permitem o uso pleno e inteiro desses momentos e locais, etc.) (p. 143). A concepção de Lefebvre sobre o direito à cidade permite-nos, de certa forma, pensá-lo como direito aos acessos, ou mais precisamente, direito ao comum da cidade. Ao colocar o direito à vida urbana como o acesso ao uso pleno de momentos e locais de encontros, assim como do tempo e ritmos de vida na cidade, o autor francês foge da tradicional abordagem privatista dos direitos civis para enfatizar o aspecto público, comum, difuso, social e dinâmico do direito à cidade, que também aparece como direito à mobilidade no território. André Gorz (2007b), seguindo a mesma linha, assevera que a política das cidades deve conceber a arquitetura, os equipamentos coletivos e os transportes, de maneira a impulsionar as auto-atividades, as trocas, a criação, o trabalho livre e a cooperação social. Buscando valorizar as possibilidades, em termos de liberdade e igualdade, criadas pelo desmonte do sistema fabril, o autor imagina uma cidade voltada ao espaço comum, dinâmico e público, em detrimento de uma organização urbana ligada ao controle e à hierarquização social. In verbis: A reconstituição de um mundo vivido e vivível supõe cidades policêntricas, inteligíveis, onde cada bairro ou vizinhança ofereça locais acessíveis a todos, a toda

10 134 DIREITO À CIDADE NO HORIZONTE PÓS-FORDISTA a hora, para as auto-atividades, as auto-produções, as auto-aprendizagens, as trocas de serviços e de saberes; uma profusão de creches, de jardins públicos, de locais de reunião, de quadras de esporte, de ginásios, ofi cinas, salas de música, escolas, teatros, bibliovideotecas; imóveis dotados de espaços de circulação e de moradia, salas de jogos para crianças, cozinhas restaurantes para idosos ou deficientes etc. (p. 115). Portanto, mais do que um direito subjetivo ou individual, o direito à cidade aparece como o exercício efetivo de uma série de direitos relacionados à cultura, à educação, à mobilidade, à moradia, à renda e ao acesso a serviços não somente essenciais/básicos, mas também a serviços de ponta, tecnológicos e informacionais. Se a cidade controlada estabelece senhas, restrições, impedimentos e condições ao exercício dos direitos, a cidade do comum estabelece o livre acesso como condição para a vida social. A partir dos anos 70, o chamado direito à cidade e a questão urbana tornam-se objeto de intensos debates nacionais e internacionais. O primeiro documento internacional sobre a cidade é elaborado na ocasião da I Conferência da ONU sobre Habitat, dando origem a Declaração de Vancouver sobre Assentamentos Urbanos, em que o direito à moradia é considerado um direito humano fundamental. Mesmo preso ao ideário industrial 86, o documento estabelece o direito à mobilidade no território e ao acesso a serviços como forma de promoção do direito à moradia adequada. No Brasil, a década de 1980 foi rica em mobilizações e debates sobre o tema da cidade. Os anos que acompanharam a abertura democrática pós-ditadura e o posterior processo constituinte brasileiro ficaram marcados pela luta por uma cidade mais justa e igualitária. O resultado mais expressivo desse amplo movimento foi a alteração do texto original do projeto da Carta Magna. No âmbito jurídico, como relata Bethânia Alfonsin: uma Emenda Popular da Reforma Urbana consolidou as reivindicações, propostas e instrumentos urbanísticos que se pretendia contemplar na Nova Carta a fim de intervir no caos social em que haviam se transformado as cidades brasileiras (ALFONSIN, 2003, p. 168). Assim, a Constituição promulgada em 1988 passa a ter um capítulo próprio de política urbana, no qual a função social da cidade e da propriedade é privilegiada, rompendo com a visão individual/liberal do ordenamento civilista brasileiro. 86 O documento apela constantemente para as políticas de pleno emprego (e não de renda) e soberania jurídico-nacional.

11 Alexandre Fabiano Mendes 135 Organizados para resistir às remoções violentas sistematicamente colocadas em prática nos anos 60 e 70, os movimentos populares conquistaram também a inclusão da função social da propriedade no rol dos direitos fundamentais elencados no artigo 5 o da CRFB. A exigência constitucional de que o proprietário cumpra, no exercício de seu direito, uma série de requisitos sociais, ambientais e administrativos foi uma importante conquista jurídico-política, ainda a ser concretizada. Vale registrar também que a Constituição inaugurou instrumentos jurídicos fundamentais para o processo de regularização fundiária, como a usucapião constitucional e a previsão expressa da concessão de uso para casos de bem público. Na década de 1990, o Brasil ratifica uma série de tratados internacionais sobre direitos humanos e sociais, aderindo ao sistema global de proteção desses direitos. Cabe destacar o ano de 1992, em que, além da adesão aos principais pactos internacionais, a Agenda 21 é assinada no Rio de Janeiro por 178 países, estabelecendo diretrizes para a promoção e manutenção do que se convencionou chamar desenvolvimento sustentável. Esse conceito, não muito feliz, tem sido utilizado com imprecisão e abstração, a partir de uma vaga idéia de harmonizar o desenvolvimento econômico e a necessidade de proteção ao meio ambiente, além de incluir temas genéricos como justiça social, participação social, solidariedade e erradicação da pobreza. Decerto, esse último é o que mais se aproxima diretamente e concretamente com os esforços de radicalização democrática nas cidades. A idéia, por exemplo, de associar programas de renda mínima garantida e gestão das cidades ainda não foi objeto de discussão. André Gorz defende, insistentemente, a política de distribuição direta de renda como forma de mobilizar produtivamente e socialmente os habitantes da cidade pós-fordista, favorecendo o desenvolvimento de espaços abertos e múltiplos na cidade. In verbis: É preciso compreender a garantia de uma renda social básica e a extensão do tempo disponível não como redutores, mas como multiplicadores de atividade; não como a possibilidade de não fazer nada, mas, ao contrário, como a possibilidade aberta a todos de desenvolverem mil outras atividades individuais e coletivas, privadas e públicas que não precisam ser mais rentáveis para serem realizadas. (...) Uma política da cidade pode dar impulsos decisivos a essa fermentação de auto-atividades, nas quais toma corpo e consciência o projeto de uma outra sociedade (GORZ, 2007b, p. 113).

12 136 DIREITO À CIDADE NO HORIZONTE PÓS-FORDISTA Com relação à participação social, é preciso pensar, diferentemente do que em regra estabelecem os documentos internacionais, para além das instâncias de mera representação. O orçamento participativo, concebido através de várias gestões municipais no sul do Brasil, pode ser apontado como uma iniciativa bem-sucedida no sentido da atividade concreta da população. 87 No Rio de Janeiro, recentemente foi criado o Conselho Popular, espaço que pretende promover a participação direta da população nas políticas da cidade. O Conselho tem se apresentado como alternativa política à representação de algumas associações de moradores, hoje controladas pelo tráfico de drogas e milícias. No plano internacional, em 1996 o governo brasileiro assume compromissos globais durante a Segunda Conferência das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos Habitat 02, realizada na cidade de Istambul, Turquia. A Agenda Habitat é o documento aprovado por consenso pelos países participantes daquela Conferência, pelo qual todos se comprometem a implementar os resultados do seu Plano Global de Ação, sendo que na mesma oportunidade os países manifestaram politicamente suas intenções na Declaração de Istambul. A Declaração esclarece que os dois objetivos principais do Habitat 02 são prover Uma moradia adequada para todos e o Desenvolvimento de assentamentos urbanos sustentáveis em um Mundo em Urbanização. Após o estabelecimento de uma série de metas e princípios para o desenvolvimento sustentável e qualitativo dos assentamentos urbanos, o documento internacional estabelece as seguintes metas: a) moradia adequada para todos; b) assentamentos humanos sustentáveis; c) habilitação e participação; d) igualdade de gênero; e) financiamento de habitações e assentamentos humanos; f) cooperação internacional; g) avaliação dos progressos. Dentre os compromissos adotados no Pacto Global de Ação, cabe destacar alguns diretamente ligados à democratização da cidade, in verbis: Promover o acesso de todas as pessoas a água potável, esgoto sanitário e outros serviços, equipamentos e áreas de lazer básicas, principalmente para as que vivem na pobreza, mulheres e outros integrantes de grupos desfavorecidos e vulneráveis; Erradicar e garantir proteção legal contra discriminação no acesso à habitação e aos serviços básicos, sem distinção de qualquer tipo, como raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou outra, origem nacional ou social, proprie- 87 Ver Genro e Souza, 1997.

13 Alexandre Fabiano Mendes 137 dade, nascimento ou outro status; proteção similar deve ser garantida contra discriminação com base em defi ciências ou idade; Melhorar o acesso ao trabalho, bens, serviços e áreas de lazer, dentre outras coisas, por meio da promoção de sistemas de transportes mais efi cientes, ambientalmente seguros, acessíveis, silenciosos e que sejam mais econômicos em termos de energia, e da promoção de padrões de desenvolvimento espacial e de políticas de comunicação que reduzam a demanda por transporte (...); Garantir a disponibilidade de educação para todos e apoiar a pesquisa e o desenvolvimento de capacidade local para a provisão de moradia adequada para todos e o desenvolvimento de assentamentos humanos sustentáveis, uma vez que a solução de problemas relativos aos assentamentos humanos depende cada vez mais da ciência e da tecnologia. A partir dos compromissos citados, podemos estabelecer alguns pontos fundamentais para a produção do direito à cidade, mesmo reconhecendo a insuficiência dos documentos internacionais e nacionais no trato do tema, já que ainda refletem, de alguma maneira, o ambiente estatal-fordista. De qualquer forma, no primeiro compromisso a questão da importância do acesso aos serviços fica evidenciada, com ênfase no oferecimento de equipamentos público voltados à cultura e ao lazer. Numa sociabilidade cada vez mais voltada ao trabalho imaterial, os espaços culturais tornam-se estratégicos pontos de expressão comunitária, social e política. Podemos, rapidamente, tomar como exemplo o papel do Hip Hop na periferia de São Paulo e na zona norte do Rio de Janeiro (principalmente em Madureira) no desenvolvimento de novas formas de expressão e vivência social, produzindo uma importante rede de cultura, educação e esporte. 88 Na cidade imaterial, esses espaços devem ser privilegiados e atingidos por políticas públicas que potencializem, na multiplicidade, esses novos sujeitos culturais e políticos. No segundo compromisso, podemos acentuar a importância de pensar a cidade a partir das políticas de inclusão racial e social. Isso porque a experiência política demonstra que somente o suprimento das questões básicas ligadas à cidade (moradia, infra-estrutura, transporte etc.) não é suficiente para romper o ciclo de violência e ausência de cidadania relacionada à cor da pele e à po- 88 Sobre a história do Hip Hop internacional e nacional consultar: MACHADO LEAL, Sergio José. Acorda Hip Hop: despertando um movimento em transformação. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2007

14 138 DIREITO À CIDADE NO HORIZONTE PÓS-FORDISTA breza 89. No Brasil, a estratificação e a desigualdade social são, em grande parte, produzidas pela cor da pele e não o contrário, como afirma o pensamento liberalconservador. 90 O racismo na atualidade cumpre justamente o papel de controlar e gerir autoritariamente as populações das cidades brasileiras. O racismo interdita os acessos, constrói muros invisíveis, interrompe a mobilidade e possibilita o exercício de violência modulada pela cor da pele. A diferenciação social pelo tom da pele, no Brasil, é o principal alicerce do biopoder. Daí a importância de mobilizar o território e os equipamentos urbanos no sentido de favorecer as atividades ligadas à promoção do acesso dos negros aos serviços e instituições sociais. Como exemplo, podemos citar a utilização de escolas públicas municipais pelos movimentos de pré-vestibulares para negros e pobres, negada pela prefeitura do Rio de Janeiro. Além do apoio aos pré-vestibulares, o apoio às ações afirmativas para negros e pobres revela-se essencial para o acesso às instituições de ensino e para a democratização do conhecimento 91. No terceiro compromisso, coloca-se a questão da mobilidade no espaço urbano, realizada através de transporte público, eficiente e seguro. Vimos que na cidade e no mundo pós-fordista, cada vez mais flexível e dinâmico, a circulação dos fluxos e pessoas torna-se, paradoxalmente, uma necessidade para a new economy e um objeto de controle e gestão pelo poder. A centralidade do problema dos imigrantes pobres e não-brancos no mundo tem demonstrado exatamente os contornos desse impasse político e econômico. 89 O relatório Emprego, Desenvolvimento Humano e Trabalho Decente A Experiência Brasileira Recente, divulgado no dia pela Organização das Nações Unidas (ONU) aponta que mulheres e negros ainda são discriminados na área profissional. O estudo foi elaborado em conjunto por três agências da ONU: Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), Organização Internacional do Trabalho (OIT) e Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal). A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicíilios (Pnad), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE), demonstra que, em 2006, o rendimento médio real das mulheres não-negras era de R$ 524,6, enquanto o das negras era de R$ 367,2. Já os homens negros receberam um rendimento médio de R$ 451,1, contra a remuneração de R$ 724,4 obtida pelos homens não-negros. 90 Esta é a hipótese desenvolvida pelo jornalista conservador Ali Kamel no livro Não somos racistas: uma reação aos que querem nos transformar numa nação bicolor. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, Sobre o tema ver: Afirmando direitos: acesso e permanência de jovens negros na universidade. GOMES, L.N.; MARTINS, A. A. (orgs). São Paulo: Autêntica, Sugere-se também consulta aos textos do Prof. Alexandre do Nascimento, disponíveis no site: sites.uol.com.br/textos4.htm. Acesso em

15 Alexandre Fabiano Mendes 139 A mobilidade no espaço urbano, portanto, deve ser enfatizada na direção do rompimento das barreiras, interdições, modulações e coerções estabelecidas contra o fluxo indesejável de pessoas e bens. O exemplo clássico, ocorrido na cidade do Rio de Janeiro, refere-se ao momento em que as linhas de ônibus e metrôs chegaram à zona sul e aos bairros ricos da cidade, provocando protestos (muitas vezes racistas!) e boicotes dos moradores desses locais. Contra essa posição, é preciso desenvolver modalidades de transporte que democratizem o espaço urbano, permitindo o acesso, o uso e a fruição de todas as áreas da cidade, não somente para o trabalho, mas também para o lazer, cultura e esporte. O último compromisso que mencionamos coloca dois temas fundamentais: a democratização do conhecimento e o desenvolvimento tecnológico nos assentamentos. O primeiro, remete-nos diretamente ao conceito de capitalismo cognitivo, no qual a expropriação do conhecimento e da comunicação social torna-se central para o ciclo de produção pós-fordista. O segundo, coloca a relação entre cidade e tecnologia, ampliando o espaço físico urbano tradicional na direção de um espaço global e virtual. A luta pelo livre acesso ao conhecimento, no capitalismo atual, travase como oposição direta à expropriação e utilização privada dos saberes, conhecimentos e expressões culturais. O terreno digital e cultural softwares livres, creative commons, sistema copyleft, P2P, downloads gratuitos, quebra de patentes e direitos autorais, criação de saberes compartilhados, produção musical em home studio, distribuição gratuita pela internet etc. apresenta trincheiras cada vez mais acentuadas. Nesse sentido, uma agenda pela democratização do conhecimento está no coração das lutas por um espaço múltiplo, comum e público de vivência. A utilização do espaço urbano como forma de realizar essa agenda é indispensável, exigindo uma multiplicação de locais de aprendizagem, de comunicação, de universalização do saber e de expressão cultural, como já acentuavam Lefebvre e Gorz. O aparecimento de milhares de rádios comunitárias, e a constante criminalização das pessoas envolvidas, exemplifica bem a constituição desses novos espaços de mídia, cultura e comunicação. Na mesma linha, o desenvolvimento de mídias específicas de vários segmentos sociais - trabalhadores urbanos (motoboys, camelôs, trabalhadores precários, etc.), moradores das periferias, das favelas, das ocupações, MCs, artistas autônomos, esportistas etc.- forma uma rede dinâmica e inovadora que favorece a livre circulação da linguagem, dos conteúdos, da informação e, também, das pessoas.

16 140 DIREITO À CIDADE NO HORIZONTE PÓS-FORDISTA Uma das propostas mais interessantes, que relaciona diretamente tecnologia, assentamento urbano e conhecimento, é a transformação das favelas em hotspot (pontos de acesso) de internet, ou seja, em centros públicos e gratuitos de acesso à internet sem fio (WI-FI). Outro exemplo de inclusão digital pública é a tentativa de estabelecer conexão gratuita à internet em alta velocidade nas escolas públicas de ensino médio e fundamental urbanas do país, abrangendo 86% dos estudantes da rede oficial, até Voltando brevemente ao comentário jurídico, em 2001 houve a promulgação do Estatuto da Cidade, lei /2001, que estabeleceu diretrizes, princípios e instrumentos jurídicos supostamente capazes de intervir no espaço urbano para o cumprimento das funções sociais da cidade e da propriedade urbana. A primeira diretriz estabelecida é a garantia do direito a cidades sustentáveis, entendido como o direito à terra urbana, à moradia, ao saneamento ambiental, à infra-estrutura urbana, ao transporte e aos serviços públicos, ao trabalho e ao lazer, para as presentes e futuras gerações. Além disso, podemos enfatizar o princípio da gestão democrática por meio da participação da população e de associações representativas dos vários segmentos da comunidade na formulação, execução e acompanhamento de planos, programas e projetos de desenvolvimento urbano e a oferta de equipamentos urbanos e comunitários, transporte e serviços públicos adequados aos interesses e necessidades da população e às características locais. O Estatuto também procura evitar a utilização inadequada dos imóveis urbanos, promovendo uma justa distribuição dos benefícios e ônus decorrentes do processo de urbanização e a adequação dos instrumentos de política econômica, tributária e financeira e dos gastos públicos aos objetivos do desenvolvimento urbano, de modo a privilegiar os investimentos geradores de bem-estar geral e a fruição dos bens pelos diferentes segmentos sociais. Nosso objetivo não é, no entanto, apresentar cada instituto jurídico referente à cidade ou à da Lei /2001, mas sim apontar para as bases materiais e políticas nas quais as normas jurídicas estão envolvidas, devendo ser articuladas naquilo que Foucault chamava de jogo do poder. Até porque atualmente os instrumentos do direito à cidade já estão, em grande parte, colocados à disposição dos atores sociais. Falta-nos, ainda, uma mobilização política efetiva, inovadora e constituinte que potencialize os movimentos e as redes que constroem, na liberdade e na igualdade, o comum da cidade. Que promova aquilo que Antônio 92 Disponível em Acesso em

17 Alexandre Fabiano Mendes 141 Negri denomina de grande potência de cooperação do trabalho imaterial, isto é, a potência dos novos sujeitos em ação, do poder constituinte, do comunismo, entendido aqui em sua acepção imediata, como potência de produção do comum. O direito à moradia O direito à moradia foi incorporado ao texto da Constituição Federal como direito social fundamental em seu art. 6º. No entanto, já podíamos encontrar a proteção à moradia em outras normas, por exemplo, sobre a competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios no sentido de promover programas de construção de moradia e a melhoria das condições habitacionais e de saneamento básico (art. 24, inc. IX). Da mesma forma, em seu artigo 7º, inciso IV, a CFRB definiu o salário mínimo como aquele capaz de atender às necessidades vitais básicas do trabalhador e de sua família, incluindo entre elas, a moradia. No plano internacional, a Declaração Universal dos Direitos do Homem (1948) 93 representa um dos mais antigos reconhecimentos do direito à moradia adequada, verbis: Artigo XXV: I) Todo o homem tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e à sua família saúde e bem estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em caso de desemprego, doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda de meios de subsistência em circunstâncias fora de seu controle. Contudo, à época ainda não havia uma preocupação específica com o detalhamento do que constituiria uma moradia adequada, limitando-se a declaração em estabelecer o direito humano à moradia. A mesma característica pode ser encontrada no Pacto Internacional de Direitos Sociais, Econômicos e Culturais 94, que em seu artigo 11, estabeleceu: Artigo XI (1): Os Estados signatários do presente Pacto reconhecem o direito de todos a um adequado padrão de vida para si e sua família, incluindo alimentação adequada, vestuário, habitação, e ao contínuo progresso às condições de vida. Os Estados signatários tomaram as medidas necessárias para garantir a realização desses direitos, reconhecendo para a sua efetividade a importância essencial da cooperação internacional baseada no livre consenso. 93 O Brasil ratificou a declaração em O Brasil ratificou o Pacto em

18 142 DIREITO À CIDADE NO HORIZONTE PÓS-FORDISTA Na década de 90, foi realizado um valioso esforço com relação à proteção do direito à moradia, bem como à reprovação dos despejos ilegais e violentos. Nesse sentido, foi editado o comentário geral n o 4 do Comitê das Nações Unidas de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, que se tornou o principal instrumento de interpretação desses direitos. Vale citar a lição de Nelson Saule Junior (2004): A partir do Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, os direitos previstos no artigo XXV, da Declaração Universal, passam a ter um tratamento específico.(...) O artigo 11 deste Pacto contém o principal fundamento do reconhecimento do direito à moradia como um direito humano, do qual gera, para os Estados-partes signatários, a obrigação legal de promover e proteger esse direito, sendo este o principal fundamento para o Estado Brasileiro ter essa responsabilidade, uma vez que o Brasil ratificou não somente esse Pacto, mas também o de Direitos Civil e Políticos no ano de 1992 (p. 91). Segundo o Comentário do Comitê das Nações Unidas, o primeiro elemento fundamental do direito à moradia, diretamente ligado ao direito à cidade, é a segurança jurídica da posse, garantida através da seguinte redação: todas as pessoas devem possuir um grau de segurança de posse que lhes garanta a proteção legal contra despejos forçados, expropriação, deslocamento e outras ameaças. Além da ênfase na questão possessória, o Comitê acertadamente considera a moradia a partir de uma política de acessos. Estabelecendo as seguintes diretrizes: a) disponibilidade de serviços e infra-estrutura, descrito da seguinte forma: acesso ao fornecimento de água potável, fornecimento de energia, serviço de saneamento e tratamento de resíduos, transporte e iluminação pública ; b) custo da moradia acessível: adoção de medidas para garantir a proporcionalidade entre os gastos com habitação e a renda das pessoas (...) ; c) acessibilidade: constituir políticas habitacionais que contemplem os grupos vulneráveis (...) ; d) localização: moradia adequada significa estar localizada em lugares que permitam o acesso às opções de emprego, transporte público eficiente, serviços de saúde, escolas, cultura e lazer ; e) adequação cultural: respeito à produção social do habitat, à diversidade cultural, aos padrões habitacionais oriundos dos usos e costumes das comunidades e grupos locais. Outro Comentário do Comitê extremamente relevante é o n o 07, que trata somente dos despejos forçados, demonstrando a preocupação internacional com essa violação ao direito à moradia. Nele, os compromissos adotados no Comentário n o 04 são reafirmados, incluindo recomendação expressa aos Estados signatá-

19 Alexandre Fabiano Mendes 143 rios para que tomem todas as medidas necessárias para que não haja nenhuma violação ao direito de moradia adequada, em especial através de despejos ilegais. Além disso, o Comentário enfatiza a importância do devido processo legal em casos de despejo legal, principalmente pelo número de direitos fundamentais envolvidos. O Comitê expressamente afirma que considera que o procedimento adequado aos litígios relativos à moradia envolve: a) uma oportunidade de consulta para ouvir todos os envolvidos; b) prévia e adequada intimação para todas as pessoas, informando a data agendada para o despejo; c) informação sobre o despejo proposto e, quando cabível, sobre a futura utilização da terra; d) especialmente onde há grupos de pessoas envolvidas, a presença de autoridades governamentais ou de seus representantes para presenciar o desalijo; e) a identificação de todos que executarão o despejo; f) os despejos não poderão ocorrer à noite, ou com o tempo desfavorável, a não ser que todos concordem; g) previsão de remédios para os doentes; h) previsão judicial de ajuda para os necessitados, sob responsabilidade das autoridades judiciárias. Em outro ponto, o Comitê afirma que os despejos, mesmo quando legítimos, não podem deixar os desalijados na condição de sem-teto, ou em situação de vulnerabilidade com relação aos direitos humanos, devendo os Estados signatários providenciar todas as medidas necessárias para ofertar uma moradia alternativa, o reassentamento ou o acesso à terra produtiva. No que tange ao Plano Global de Ação, além de inúmeras recomendações, o reconhecimento da posse da terra como forma de garantir o direito à moradia é motivo de preocupação especial, sendo enfatizada a importância da regularização fundiária, verbis: Para facilitar o acesso e a garantia de posse da terra a todos os grupos socioeconômicos, os Governos devem, em todos os níveis apropriados, incluindo autoridades locais: (a) Adotar um marco legal e regulatório favorável, baseado em maior conhecimento, compreensão e aceitação das práticas existentes e mecanismos de distribuição de terras, que estimule parcerias com as empresas privadas e setores comunitários, especifi cando as formas reconhecidas de posse da terra e determinando procedimentos para sua regularização, quando pertinente (grifamos). 95 Decerto, no pós-fordismo, o acesso à terra deve ser combinado com outras medidas que permitam a ampliação de todos os acessos e a universalização 95 A Agenda Habitat está disponível no site do IBAM, no seguinte endereço: ibam.org.br/publique/media/agendahabitat.pdf

20 144 DIREITO À CIDADE NO HORIZONTE PÓS-FORDISTA dos direitos, pela obtenção dos serviços públicos essenciais, acesso ao crédito, distribuição direta de renda (um benefício direto para quem regulariza a posse, p.ex.), valorização da moradia, intervenção urbanística, modernização tecnológica, etc. Na declaração sobre cidades, que acompanha a Declaração de Istambul, fica clara a relação entre a pobreza e a falta de segurança jurídica à posse. É inquestionável a necessidade de alternar políticas de regularização fundiária com distribuição direta de renda, rompendo o ciclo que mantém a pobreza como pano de fundo da insegurança da posse, verbis: A despeito dos esforços de Governos e seus parceiros da Agenda Habitat para cumprir seus compromissos, a pobreza disseminada continua a ser o principal obstáculo, e as condições ambientais precisam ser signifi cativamente aprimoradas em muitos países. Criticamente, a maioria das pessoas que vivem em condição de pobreza ainda não tem garantia jurídica de posse de suas moradias, enquanto outras sequer possuem um teto básico. Assim, ainda persistem sérios empecilhos ao desenvolvimento de assentamentos humanos sustentáveis. Vale comentar que para implementar a Agenda do Habitat, a ONU lançou, em 1999, a Campanha das Nações Unidas pela Segurança da Posse. De acordo com a campanha: A segurança da posse advém do fato de que o direito ao acesso e uso da terra e propriedade é subscrito por um conjunto de regras e que esse direito pode ser protegido juridicamente. A posse pode ser afetada por diversas formas, dependendo do arcabouço constitucional e legal, das normas sociais, dos valores culturais e, de alguma maneira, da preferência individual. Em resumo, uma pessoa ou família terá a segurança da posse quando eles estiverem protegidos contra a remoção involuntária de suas terras ou residências, exceto em situações excepcionais, e somente pelos meios de um conhecido e acordado procedimento legal, o qual deve ser objetivo, equitativamente aplicável, contestável e independente. Em 2001, como já foi visto, entrou em vigor o Estatuto da Cidade que estabeleceu uma série de instrumentos para a garantia do direito à moradia através da regularização fundiária, como a usucapião especial do imóvel urbano, individual e coletiva, a desapropriação, o direito de superfície, a instituição de zonas especiais de interesse social (ZEIS), o plano diretor, entre outros. Além disso, dentre as diretrizes apontadas no artigo 2 o do Estatuto, com o objetivo de orientar o pleno desenvolvimento das funções sociais da cidade e da propriedade, temos o inciso XIV, com a seguinte redação:

Regularização Fundiária. Rosane Tierno 02 julho -2011

Regularização Fundiária. Rosane Tierno 02 julho -2011 Regularização Fundiária Rosane Tierno 02 julho -2011 Parte I - Informalidade fundiária Imagem interna de um cortiço Regularização Fundiária Por que?? INFORMALIDADE FUNDIÁRIA URBANA MUNICÍPIOS POR FAIXA

Leia mais

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014 45ª Semana de Serviço Social OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade 14 a 16 de maio de 2014 Na Copa, comemorar o quê?. É com este mote criativo e provocativo que o Conjunto

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ANÁLISE DO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR PDDU/2006 LEI Nº 6.586/2004 Regulamenta a Lei Orgânica do Município nos Título III, Capítulos I e II, artigos 71 a 102, Título

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro

População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro Caroline dos Santos Santana caroline_santana@ymail.com Escola de Serviço Social 10 período Orientadora:

Leia mais

Políticas de moradia: entre o direito e a violação de direitos humanos. Demian Garcia Castro

Políticas de moradia: entre o direito e a violação de direitos humanos. Demian Garcia Castro Políticas de moradia: entre o direito e a violação de direitos humanos Demian Garcia Castro Hipótese central: a nova rodada de mercantilização da cidade vem ampliando os processos de segregação socioespacial

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

Observatório das Metrópoles

Observatório das Metrópoles Direito à Cidade e a Segregação Residencial: desafios do Estatuto da Cidade Prof. Luiz César de Queiroz Ribeiro Observatório das Metrópoles A aprovação do Estatuto da Cidade marca nova etapa na política

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

VII CONGRESSO NACIONAL DE DEFENSORES PÚBLICOS DEFENSORIA PÚBLICA: PASSAPORTE ESSENCIAL À CIDADANIA

VII CONGRESSO NACIONAL DE DEFENSORES PÚBLICOS DEFENSORIA PÚBLICA: PASSAPORTE ESSENCIAL À CIDADANIA VII CONGRESSO NACIONAL DE DEFENSORES PÚBLICOS DEFENSORIA PÚBLICA: PASSAPORTE ESSENCIAL À CIDADANIA MEDIAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONFLITOS POSSESSÓRIOS NO RIO DE JANEIRO CATEGORIA: PROPONENTES: Defensores

Leia mais

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993 CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993 DECLARAÇÃO DE VIENA E PROGRAMA DE ACÇÃO Nota do Secretariado Em anexo encontra-se o texto da Declaração de Viena e do Programa

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro, Brasil - 21 de outubro de 2011 1. Convidados pela Organização Mundial da Saúde, nós, Chefes de Governo, Ministros e representantes

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

III Fórum Mobilize! Transformações urbanas e os megaeventos:

III Fórum Mobilize! Transformações urbanas e os megaeventos: oportunidade para uma metrópole sustentável? III Fórum Mobilize! Transformações urbanas e os megaeventos: Sergio Myssior Arquiteto e Urbanista, diretor da MYR projetos sustentáveis, Conselheiro CAU/MG,

Leia mais

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Módulo IV Política Habitacional e as políticas urbanas Política Habitacional: o papel dos estados e municípios Regina Fátima

Leia mais

Aspectos culturais e relações de gênero 1

Aspectos culturais e relações de gênero 1 Aspectos culturais e relações de gênero 1 Objetivo da Aula A questão de gênero realiza-se culturalmente por ideologias que tomam formas específicas em cada momento histórico e, tais formas, estão associadas

Leia mais

Inteligência coletiva e função social da propriedade

Inteligência coletiva e função social da propriedade Apresentação As transformações no modo de produção capitalista rumo a um regime de acumulação global e flexível traduzem-se na fuga para adiante em relação aos aspectos materiais, fixos e territoriais

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA João Sotero do Vale Júnior ¹ a) apresentação do tema/problema: A questão ambiental está cada vez mais presente no cotidiano da população das nossas cidades, principalmente

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios

Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios A seguir inclui-se o texto completo da Declaração de Princípios assinada pelos os Chefes de Estado e de Governo que participaram da Primeira

Leia mais

Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Salvador

Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Salvador Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Salvador O Plano Diretor é uma lei aprovada na Câmara de Vereadores de cada município, com a participação ativa da comunidade. Mas do que isto, o Plano Diretor

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A QUESTÃO 16 O Capítulo II das Entidades de Atendimento ao Idoso, da Lei nº 10.741, de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso, coloca no Parágrafo Único

Leia mais

Plano de lutas PLENO EMPREGO

Plano de lutas PLENO EMPREGO Plano de lutas PLENO EMPREGO a) Impulsionar, junto com as outras centrais sindicais, a campanha nacional pela redução constitucional da jornada de trabalho sem redução de salários; b) Exigir a restrição

Leia mais

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. 1.1 Até 2030, erradicar a pobreza extrema para todas as pessoas em todos os lugares, atualmente medida como pessoas vivendo com

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR Rosiane Costa de Souza Assistente Social Msc Serviço Social/UFPA Diretora de Assistência Social Secretaria de Estado de Assistência Social do Pará

Leia mais

Mesa Redonda: Beijing+20: perspectivas y desafíos Eleonora Menicucci

Mesa Redonda: Beijing+20: perspectivas y desafíos Eleonora Menicucci Mesa Redonda: Beijing+20: perspectivas y desafíos Eleonora Menicucci Ministra de la Secretaría de Políticas para las Mujeres del Brasil XII Conferência Regional sobre a Mulher da América Latina e Caribe

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

Planejamento Urbano Governança Fundiária

Planejamento Urbano Governança Fundiária Planejamento Urbano Governança Fundiária Instrumentos de Gestão, Conflitos Possibilidades de Inclusão Socioespacial Alexandre Pedrozo agosto. 2014 mobiliza Curitiba...... de antes de ontem...... de ontem......

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

Trabalho e Serviço Social na era pós fordista

Trabalho e Serviço Social na era pós fordista LUGAR COMUM Nº23-24, pp.239-245 Trabalho e Serviço Social na era pós fordista Marina Bueno Thais Mazzeo Este artigo foi pensado a partir do debate em curso sobre as transformações do trabalho, com base

Leia mais

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução RH NA ÁREA Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net Resumo: Considerando a necessidade de orientação das pessoas para o aproveitamento de vagas disponíveis

Leia mais

LIMITES E POSSIBILIDADES DO PLANO DIRETOR DO RIO DE JANEIRO PARA O ACESSO À MORADIA E A TERRA URBANIZADA

LIMITES E POSSIBILIDADES DO PLANO DIRETOR DO RIO DE JANEIRO PARA O ACESSO À MORADIA E A TERRA URBANIZADA Curso de Capacitação e formação de agentes sociais, lideranças comunitárias e conselheiros(as) municipais de habitação para a elaboração, monitoramento e acompanhamento do PLHIS LIMITES E POSSIBILIDADES

Leia mais

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE UFMG, BELO HORIZONTE, BRASIL 16 a 19 de setembro de 2007.

Leia mais

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo?

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo? Gostaríamos de iniciar a resposta a este questionário com uma nota prévia relativamente às questões que nos foram colocadas: as questões da discriminação e do racismo constituem, desde o surgimento desta

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA.

DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA. DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA. Movimentos sociais e populares, sindicatos, povos, organizações da

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012 Princípios Gerais Política Nacional de Saúde Integral da População Negra PORTARIA Nº 992, DE 13 DE MAIO DE 2009 Profª Carla Pintas A Constituição de 1988 assumiu o caráter de Constituição Cidadã, em virtude

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

Grandes Investimentos e seus impactos no acesso à moradia

Grandes Investimentos e seus impactos no acesso à moradia Grandes Investimentos e seus impactos no acesso à moradia Copa, Olimpíadas e Porto Maravilha Observatório das Metrópoles Profs. Mauro Santos e Erick Omena Megaeventos e planejamento A lógica do empreendedorismo

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL Autonomia econômica das mulheres Autonomia econômica das mulheres se refere à capacidade das mulheres de serem provedoras de seu próprio sustento,

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL

CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA PÓLOS DE CIDADANIA CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL MIRACY BARBOSA DE SOUSA GUSTIN MARIANNA VIEIRA

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

Educação popular, democracia e qualidade de ensino

Educação popular, democracia e qualidade de ensino Educação popular, democracia e qualidade de ensino Maria Ornélia Marques 1 Como se poderia traduzir, hoje, o direito de todas as crianças e jovens não somente de terem acesso à escola de oito anos, mas

Leia mais

Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil

Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil LUGAR COMUM Nº30, pp. 95-100 Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil Alexandre do Nascimento Políticas de ação afirmativa são medidas

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Serviços técnicos do Serviço Social na área da família e infância nos processos do Fórum de União da Vitória O Serviço

Leia mais

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial Introdução Este documento foi elaborado e aprovado pela Equipe de País do Sistema das Nações Unidas no Brasil em resposta ao interesse

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL TRANSFORMAR ASSENTAMENTOS IRREGULARES EM BAIRROS Autor(es): Gabriel Carvalho Soares de Souza, Alexandre Klüppel, Bruno Michel, Irisa Parada e Rodrigo Scorcelli Ao considerar a Favela como um fenômeno que

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA BR/2001/PI/H/4 EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA Os Ministros da Educação da América Latina e do Caribe, reunidos a pedido da UNESCO, na VII Sessão do Comitê Intergovernamental Regional do Projeto

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996.

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. Doe, EOOCAC'~ 1-fJ~ Tõ~-5. - " ~ 9qr;, ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. EDUCAÇÃO PARA TODOS: ATINGINDO O OBJETIVO

Leia mais

EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte)

EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte) EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte) Saiba quais são as Recomendações das Conferências Internacionais na emancipação política das mulheres, as quais já foram assinadas pelo governo brasileiro

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Andréa Bolzon Escritório da OIT no Brasil. Salvador, 08 de abril de 2013

Andréa Bolzon Escritório da OIT no Brasil. Salvador, 08 de abril de 2013 Andréa Bolzon Escritório da OIT no Brasil Salvador, 08 de abril de 2013 Fundada em 1919 (Tratado de Versalhes) Mandato: promover a justiça social e o reconhecimento internacional dos direitos humanos e

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO DA DISCIPLINA PLANEJAMENTO URBANO. CURSO: CST GESTÃO PÚBLICA REFERÊNCIA: Planejamento Urbano 1ª Edição 2012 (Intersaberes)

ESTUDO DIRIGIDO DA DISCIPLINA PLANEJAMENTO URBANO. CURSO: CST GESTÃO PÚBLICA REFERÊNCIA: Planejamento Urbano 1ª Edição 2012 (Intersaberes) ESTUDO DIRIGIDO DA DISCIPLINA PLANEJAMENTO URBANO CURSO: CST GESTÃO PÚBLICA REFERÊNCIA: Planejamento Urbano 1ª Edição 2012 (Intersaberes) MÓDULO A 2015 FASE II Nesta Rota de Aprendizagem destacamos a importância

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Presidência da República Federativa do Brasil Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial A SEPPIR CRIAÇÃO A Seppir (Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial)

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Considerando a ratificação do Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, que reconhece o direito de todos a um adequado nível de vida, incluindo alimentação adequada,

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo Geografia urbana Costa, 2002 1 PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO! As porções do território ocupadas pelo homem vão desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo uma nova definição. As noções de

Leia mais

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos 1 Fatores geradores dos conflitos fundiários urbanos Reintegração de posse de imóveis públicos e privados, em que o processo tenha ocorrido em desconformidade

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Direitos Fundamentais i

Direitos Fundamentais i Direitos Fundamentais i Os direitos do homem são direitos válidos para todos os povos e em todos os tempos. Esses direitos advêm da própria natureza humana, daí seu caráter inviolável, intemporal e universal

Leia mais

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL 2002 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando seu compromisso com a plena realização dos direitos

Leia mais

- NOTA PÚBLICA MORADIA É DIREITO, NÃO PRIVILÉGIO!

- NOTA PÚBLICA MORADIA É DIREITO, NÃO PRIVILÉGIO! - NOTA PÚBLICA MORADIA É DIREITO, NÃO PRIVILÉGIO! Recife, 12 de Dezembro de 2014. Prezado cidadão e cidadã de Pernambuco, Nós, diferentes coletivos de militantes de direitos humanos, estudantes, profissionais

Leia mais

Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013. Ensinar e Aprender para o Desenvolvimento

Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013. Ensinar e Aprender para o Desenvolvimento Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013 Panorama Ensinar e Aprender para o Desenvolvimento O Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013 demonstrará porque

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

Projeto. Amigos da Rede

Projeto. Amigos da Rede PREFEITURA MUNICIPAL DE MAUÁ e Ribeirão Pires Projeto Amigos da Rede Mauá Dez/2009. 1. APRESENTAÇÃO O município de Mauá, que integra a Região metropolitana de São Paulo, realizou sua emancipação a partir

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Todos pela Equidade Organização Mundial da Saúde Conferência Mundial sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro Brasil De 19 a 21 de Outubro de 2011 Declaração Política do Rio sobre Determinantes

Leia mais

Proposta de Programa do PCB para o Município de Manaus

Proposta de Programa do PCB para o Município de Manaus Proposta de Programa do PCB para o Município de Manaus. Os sucessivos governos de direita ou de corte social-liberal investem nos programas maquiadores da administração pública, por meio de projetos milionários

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados DEAP/SNAPU/MCIDADES Maio/2015 Contexto brasileiro Necessidade de obras públicas para requalificação e reabilitação

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 Inquérito Civil Público nº 1.22.000.002106/2010-13 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por intermédio do Grupo de Trabalho Intercameral Habitação de Interesse,

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE MEJORAMIENTO DE BARRIOS México - 29 e 30 novembro/2004 Programa Habitar Brasil/BID Governo Federal Processo de Urbanização Brasileiro Crescimento da

Leia mais

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE Marcia Vasconcelos - OIT Reunión de Especialistas Género, Probreza, Raza,

Leia mais

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 Débora Aparecida Tombini* Marcos Aurélio Saquet** INTRODUÇÃO Desde o surgimento da vida humana na Terra até o início do século XIX, a população cresceu em ritmo lento

Leia mais

Propriedade intelectual e políticas de comunicação

Propriedade intelectual e políticas de comunicação 1 Fórum Para entender os eixos focais Propriedade intelectual e políticas de comunicação Graça Caldas O texto do prof. Rebouças oferece uma importante revisão histórica sobre os conceitos que permeiam

Leia mais

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA Ana Lia Ferreira Mendes de Carvalho liafmc@yahoo.com.br Geografia Bacharelado - UNIFAL-MG INTRODUÇÃO O presente

Leia mais