Contamos consigo para levar a nossa Energia mais longe...

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contamos consigo para levar a nossa Energia mais longe..."

Transcrição

1 Contamos consigo para levar a nossa Energia mais longe...

2 Responsabilidade Social na Galp Energia

3 Responsabilidade Social na Galp Energia COLABORADORES ESPECIALISTAS PÚBLICO EM GERAL A Galp Energia foi percepcionada, por todos os Públicos, como não tendo uma estratégia integrada de responsabilidade social, apesar de se reconhecer que desenvolve diversas iniciativas e projectos; Na opinião dos Especialistas, a falta de um plano estruturado com objectivos perfeitamente definidos, fez com que a Galp Energia não estivesse a conseguir capitalizar na sua imagem e reputação, apesar do investimento realizado. Aos olhos dos Colaboradores não existia uma centralização desta temática, vista como necessária, numa estrutura, área ou departamento conhecido por todos, dado que os impulsionadores, decisores e gestores das acções se encontravam dispersos.

4 Responsabilidade Social na Galp Energia Responsabilidade Social Integrar e gerir as preocupações de natureza social e ambiental na cultura e actividade da Organização e na interacção com todas as partes interessadas, promovendo e implementando boas práticas e princípios de ética e transparência, boa governança, diálogo com os stakeholders e projectos de Responsabilidade Social, criando valor para o Grupo ao nível da sua reputação e imagem, gerando impactos económicos e sociais positivos, que promovam igualmente o envolvimento efectivo de todos os Colaboradores nos distintos países em que a Empresa actua. VOLUNTARIADO ENVOLVIMENTO EXEMPLO

5 Eixos de Actuação na Responsabilidade Social EDUCAÇÃO AMBIENTE E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SEGURANÇA RODOVIÁRIA SAÚDE

6 Porquê apostar no Voluntariado Empresarial na Galp Energia?

7 Responsabilidade Social na Galp Energia 1. PÚBLICO INTERNO 2. SOCIEDADE 3. NORMAS E CERTIFICAÇÕES 4. RECONHECIMENTO

8 Desafio Lançado aos Colaboradores da Galp Energia Apenas 10% dos Colaboradores que responderam ao questionário eram Voluntários 66% nunca foram!

9 Desafio Lançado aos Colaboradores da Galp Energia Os potenciais Voluntários preferem acções pontuais (72%) ou com carácter regular (28%)

10 Desafio Lançado aos Colaboradores da Galp Energia Mais de 600 Colaboradores pretendem aderir a projectos de Voluntariado Empresarial

11 Benefícios do Engagement com a Comunidade Estudo Europeu da:

12 Que Voluntariado na Galp Energia?

13 Voluntariado Empresarial e Voluntariado Individual Voluntariado Empresarial: Conjunto de acções estruturadas que a empresa empreende para envolver os colaboradores em actividades de voluntariado dirigir e apoiar as actividades da comunidade, em que o objectivo comum é a procura do bem-estar social. (definição Grace e Instituto Ethos) Voluntariado Individual: Conjunto de acções de voluntariado ao serviço da comunidade, realizadas pelos colaboradores fora do seu horário de trabalho.

14 Ajudar os outros Sete Razões para ser Voluntário

15 Fazer o bem de forma desinteressada Sete Razões para ser Voluntário

16 Sete Razões para ser Voluntário Dar um sentido mais social e comunitário à Vida

17 Estreitar a ligação com a Comunidade Sete Razões para ser Voluntário

18 Sete Razões para ser Voluntário Contribuir para uma causa que vise o bem comum

19 Sete Razões para ser Voluntário Colocar as competências ao serviço dos outros

20 Desenvolver competências humanitárias Sete Razões para ser Voluntário

21 O Projecto de Voluntariado na Galp Energia Metodologia Actividades Cronograma Recursos Política de valorização / reconhecimento Visibilidade Parceria AEV Diagnóstico Estratégia Plano de acção Programa/ Bolsa Voluntariado Comunicar Expectativas Potenciais voluntários Possíveis parcerias Possíveis beneficiários Implementação Avaliação Monitorização

22 Tipos de Envolvimento de Colaboradores na Comunidade Destacamentos Voluntariado Competências Orientação e Coaching Participação na Gestão de Organizações Voluntariado em Equipa Actividades On-Job Voluntariado Individual Angariação de Fundos pelos Colaboradores

23 Cronograma da Galp Voluntária

24 Projectos e Acções Galp Voluntária BCSD SANTA CASA MISERICÓRDIA DE LISBOA CNIS FUNDAÇÃO GALP ENERGIA ENTRAJUDA GEBALIS GRACE LEGIÃO DA BOA VONTADE EPIS MAKE A WISH APPACDM ANO INTERNACIONAL DAS FLORESTAS BOLSA DE VALORES SOCIAIS FUNDAÇÃO DO GIL SAIR DA CASCA

25 Primeiros Projectos da Galp Voluntária Legião da Boa Vontade (3) Make a Wish Karingana Wa Karingana 75 Voluntários já inscritos 10 Projectos em curso 195 Voluntários

26 Primeiros Projectos da Galp Voluntária

27 Guia do Voluntário Princípios, Deveres e Direitos A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA GALP ENERGIA A GALP VOLUNTÁRIA O QUE É O VOLUNTARIADO EMPRESARIAL? O QUE É SER VOLUNTÁRIO? TIPOS DE VOLUNTARIADO NA GALP ENERGIA DIREITOS DO VOLUNTÁRIO DA GALP ENERGIA DEVERES E RESPONSABILIDADES DO VOLUNTÁRIO PRESSUPOSTOS PARA A PARTICIPAÇÃO NA GALP VOLUNTÁRIA PARA SABER MAIS SOBRE VOLUNTARIADO

28 Pressupostos para a Participação na Galp Voluntária Responsabilidade Interna No seio da Galp Energia, a área de Responsabilidade Social, inserida na Direcção de Assuntos Institucionais, é o órgão responsável pela operacionalização e dinamização da Galp Voluntária. Livre Adesão Todos os Colaboradores da Galp Energia são livres de aderir à Galp Voluntária, o que implica o compromisso de participarem nos projectos e acções planeadas segundo as suas disponibilidades. Livre Renúncia Os Colaboradores aderentes são livres de, a todo o tempo, se desvincularem da Galp Voluntária.

29 Pressupostos para a Participação na Galp Voluntária Sigilo e Confidencialidade Os dados pessoais e profissionaistransmitidos à Galp Voluntária são considerados sigilosos e mantidos sob total confidencialidade. Acções de Voluntariado Estão previstos dois tipos de acções: As promovidas directamente pela Galp Voluntária; As promovidas por outras entidadesnas quais a Galp Voluntária decida participar; Nota: As acções individuais de Voluntariadodesenvolvidas pelos Colaboradores aderentes, iniciadas antes ou depois da criação da Galp Voluntária, serão consideradas Voluntariado Empresarial apenas quando realizadas no período normalde trabalho ou quando, realizadas fora deste horário, o Voluntário solicite o respectivo registo.

30 Pressupostos para a Participação na Galp Voluntária Encontros e Eventos Para registo das acções atribuíveis à Galp Voluntária contarão as iniciativas de voluntariadodesenvolvidas no âmbito dos Encontros e Actividades de Exterior promovidos pelos Negócios e Direcções da Galp Energia. Processo de Inscrição A Galp Voluntária tem uma área específica no MyGalp Portal do Colaborador (http://mygalp/galpvoluntaria) onde são divulgadas as acções de voluntariado com antecedência. Existe um perfil para cada acção onde consta a caracterização do projecto, a área temática, a organização promotora, a data, o número de horas e o tipo de actuação do Voluntário Galp Energia. Na plataforma da Galp Voluntária existe igualmente um formulário de inscriçãoque deve ser preenchido e submetido, para que o Colaborador seja incluído na base de dados e possa assim ser considerado Voluntário Galp Energia.

31 Pressupostos para a Participação na Galp Voluntária Processo de Selecção dos Voluntários No caso de ser necessário proceder à selecção de Voluntários, por questões de vagas ou por questões relacionadas com o perfil adequado para uma determinada acção, a Galp Voluntária fará essa selecção. Para qualquer acção de voluntariado será sempre dada a preferência a Colaboradores que ainda não tenham participado em qualquer iniciativa, ou cuja participação seja reduzida comparativamente a outros. Consoante o objectivo da acção de voluntariado, o processo de selecção pode envolver uma entrevista pessoal para avaliar o perfil e motivação do Colaborador. A admissão do Voluntário na acção será comunicada formalmente. A participação em qualquer acção deve ser sempre alvo de uma validação pela respectiva Chefia de forma a obstar ao prejuízo das actividades do respectivo Serviço.

32 Pressupostos para a Participação na Galp Voluntária Tempo de Voluntariado Cada Colaborador poderá utilizar um valor máximo de 48 horas anuais para Voluntariado (o equivalente a seis dias de trabalho). Contudo, o tempo a afectar ao Voluntariado dependerá da área de actuação e tipo de envolvimento nas acções de voluntariado. Monitorização As acções de voluntariado serão acompanhadas, na medida do possível, por observadores indicados pela Galp Voluntária e por interlocutores das organizações promotoras. O objectivo deste acompanhamento é garantir a integração e o desempenho adequado da acção de voluntariado. Avaliação No final das acções de voluntariado será sempre feita uma avaliação bipartida, através da qual se procurará apurar as opiniões quer do Voluntário quer da organização promotora. Os resultados destas avaliações serão posteriormente tratados no âmbito do relatório anual de actividades da Galp Voluntária.

33 Objectivos para 2011 Galp Voluntária Objectivo Prazo Grau de Cumprimento Uma acção forte em cada eixo de actuação acções de Voluntariado em funcionamento voluntários activos projectos sugeridos por voluntários 2011 Envolvidos 10 voluntários reformados visitas à plataforma mygalp 2011 Realização de 4 recolhas internas de bens 2011 Publicação do relatório anual da Galp Voluntária 2011 Acções de Voluntariado em todos os eventos internos 2011

34 Plataforma Online Galp Voluntária

35 O Aprendemos com a Galp Voluntária?

36 Os Ensinamentos Galp Voluntária

37 Contamos consigo para levar a nossa Energia mais longe...

Sustentabilidade transversal

Sustentabilidade transversal Galp Voluntária 1 Galp Voluntária A Galp Voluntária é o programa estruturado de voluntariado da Galp Energia que procura facilitar, concretizar e potenciar iniciativas de voluntariado empresarial destinadas

Leia mais

REALIZAR MAIS Sustentabilidade

REALIZAR MAIS Sustentabilidade REALIZAR MAIS Sustentabilidade Grupo Banco Espírito Santo Índice Cultura de cidadania empresarial no modelo de : uma visão integrada para a sustentabilidade ADN Realizar Mais: pioneirismo e profundidade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2012 REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2 de 1 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

Objectivos Específicos Acções Principais Resultados a Atingir

Objectivos Específicos Acções Principais Resultados a Atingir Núcleo Executivo / Secretariado Técnico Rede Social Loures Aprovado na reunião de CLAS de 19.Fevereiro.2009 Objectivo Superior Objectivos Específicos Acções Principais Resultados a Atingir Monitorização

Leia mais

Case study. Stakeholders internos MOBILIZAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL EMPRESA

Case study. Stakeholders internos MOBILIZAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL EMPRESA Case study 2010 Stakeholders internos MOBILIZAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL EMPRESA O grupo Águas de Portugal (AdP) actua nas áreas de abastecimento de água, saneamento de águas residuais e tratamento

Leia mais

CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra

CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra 03.03.2012 PARTICIPAÇÃO EM ACTIVIDADES JUVENIS 1. Realizar inquéritos, a nível local, para averiguar

Leia mais

ÂMBITO. Política de gestão COMPROMISSOS SOCIEDADES

ÂMBITO. Política de gestão COMPROMISSOS SOCIEDADES ÂMBITO Política de gestão COMPROMISSOS SOCIEDADES ÂMBITO Somos uma organização destinada a soluções de mobilidade: rotação,estacionamento ordenado e reboque. ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO (ACTIVIDADES) -

Leia mais

WORKSHOP BUREAU VERITAS 5ªEdição da Semana da Responsabilidade Social - SRS10

WORKSHOP BUREAU VERITAS 5ªEdição da Semana da Responsabilidade Social - SRS10 WORKSHOP BUREAU VERITAS 5ªEdição da Semana da Responsabilidade Social - SRS10 Manual Primeiros Passos Cláudia Cardoso Fundação Cidade de Lisboa 5 de Maio de 2010 Grupo de Reflexão e Apoio à Cidadania Empresarial

Leia mais

A ALER E O SEU PAPEL NO APOIO À REGULAÇÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS

A ALER E O SEU PAPEL NO APOIO À REGULAÇÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS A ALER E O SEU PAPEL NO APOIO À REGULAÇÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS IX Conferência RELOP 5 de Dezembro de 2016 O QUE É E PARA QUE SERVE A ALER PROMOTORA A ALER é uma associação sem fins lucrativos que tem

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO TEMA, NA PERSPETIVA DA ORGANIZAÇÃO E DOS SEUS STAKEHOLDERS

IMPORTÂNCIA DO TEMA, NA PERSPETIVA DA ORGANIZAÇÃO E DOS SEUS STAKEHOLDERS Programa Cuida-T ÍNDICE ENQUADRAMENTO 3 CONTEXTO 3 IMPORTÂNCIA DO TEMA, NA PERSPETIVA DA ORGANIZAÇÃO E DOS SEUS STAKEHOLDERS 3 DESCRIÇÃO 4 ESTRUTURA DO PROJECTO 4 MECANISMOS DE AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS

Leia mais

Unidade de Inserção na Vida Activa UNIVA. Unidade de Inserção na Vida Activa

Unidade de Inserção na Vida Activa UNIVA. Unidade de Inserção na Vida Activa Unidade de Inserção na Vida Activa TEN/PSI Elsa Casal 508 532 crm.univa@emfa.pt Objectivo da Sessão Informar e clarificar sobre o enquadramento legal, a finalidade, os destinatários e os procedimentos

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO TEMA, NA PERSPETIVA DA ORGANIZAÇÃO E DOS SEUS STAKEHOLDERS

IMPORTÂNCIA DO TEMA, NA PERSPETIVA DA ORGANIZAÇÃO E DOS SEUS STAKEHOLDERS Missão POWER UP ÍNDICE ENQUADRAMENTO 3 CONTEXTO 3 IMPORTÂNCIA DO TEMA, NA PERSPETIVA DA ORGANIZAÇÃO E DOS SEUS STAKEHOLDERS 4 DESCRIÇÃO 4 ESTRUTURA DO PROJETO 5 RESULTADOS ATINGIDOS 6 CONCLUSÕES 6 REFERÊNCIAS

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES PARA 2015 ALER PLANO DE ACTIVIDADES

PLANO DE ACTIVIDADES PARA 2015 ALER PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES PARA 2015 ALER PLANO DE ACTIVIDADES 2015 1 OS EIXOS DE ACTUAÇÃO DA ALER CONHECER Relatórios nacionais com informação técnica, económica e regulatória Repositório de informação com

Leia mais

EDITAL 001/2017 DEFINIÇÃO DA EQUIPE COORDENADORA E REPRESENTANTES INSTITUCIONAIS

EDITAL 001/2017 DEFINIÇÃO DA EQUIPE COORDENADORA E REPRESENTANTES INSTITUCIONAIS NUGEEP NÚCLEO GAÚCHO DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Edital 001/017 EDITAL 001/017 DEFINIÇÃO DA EQUIPE COORDENADORA E REPRESENTANTES INSTITUCIONAIS O presente documento dá abertura oficial ao processo

Leia mais

Memórias do trabalho

Memórias do trabalho Universidade Popular do Porto Candidatura de projecto à Porto 2001 SA, Capital da Cultura Memórias do trabalho testemunhos do Porto laboral no sé culo XX Agosto de 1999 (reformulação em Setembro de 2000)

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016 O reitor do Centro Universitário de Brasília UniCEUB, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, torna público que

Leia mais

MANUAL DO VOLUNTÁRIO

MANUAL DO VOLUNTÁRIO MANUAL DO VOLUNTÁRIO Só é voluntário quem se põe ao serviço do OUTRO ÍNDICE 1. Introdução 2. O movimento Pais-em-Rede. 3. Ser voluntário Pais-em-Rede: 3.1 O nosso conceito de voluntariado 3.2 Direitos

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

CÓDIGO de CONDUTA. Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica. Edição: 1 Data:

CÓDIGO de CONDUTA. Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica. Edição: 1 Data: CÓDIGO de CONDUTA do Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica O Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica é a entidade concessionária da Rede Nacional de Transporte

Leia mais

LIGA DOS BOMBEIROS PORTUGUESES CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES E CORPOS DE BOMBEIROS

LIGA DOS BOMBEIROS PORTUGUESES CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES E CORPOS DE BOMBEIROS LIGA DOS BOMBEIROS PORTUGUESES CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES E CORPOS DE BOMBEIROS Comendador da Ordem de Benemerência - 1935 Membro Honorário da Ordem Militar de Cristo - 1980 FUNDADA EM 18 DE AGOSTO DE

Leia mais

PROJECTO FUNDAMENTAÇÃO

PROJECTO FUNDAMENTAÇÃO PROJECTO FUNDAMENTAÇÃO No seguimento das propostas apresentadas por esta Direcção Regional de Educação para o Plano de Acompanhamento dos Centros de Recursos TIC (CRTIC) no ano de 2011, com uma linha orientadora

Leia mais

Programa de Voluntariado edp

Programa de Voluntariado edp Setembro 2011 Versão Portugal Programa de Voluntariado edp Guia do Voluntário edp Anexo Termo de Compromisso do Voluntário EDP Eu,... (nome do colaborador): 1. Aceito de livre vontade colaborar como voluntário

Leia mais

NOTÍCIAS À SEXTA 2013.08.02

NOTÍCIAS À SEXTA 2013.08.02 NOTÍCIAS À SEXTA 2013.08.02 Estatuto das organizações não governamentais das pessoas com deficiência Foi publicado, em Diário da República, o Decreto-Lei n.º 106/2013, de 30 de Julho, que define o estatuto

Leia mais

PROGRAMA DA FORMAÇÃO - PRODUÇÃO E MARKETING DE EVENTOS

PROGRAMA DA FORMAÇÃO - PRODUÇÃO E MARKETING DE EVENTOS DESIGNAÇÃO Nome: Produção e Marketing de Eventos Carga horária total: 250 horas Acreditação profissional: n/a Forma de organização da formação: Presencial Público-alvo: Estudantes ou profissionais com

Leia mais

Projeto de reflexão, investigação e debate: O papel das empresas na comunidade

Projeto de reflexão, investigação e debate: O papel das empresas na comunidade Projeto de reflexão, investigação e debate: O papel das empresas na comunidade Edição 2012 1 ÍNDICE 1. A METODOLOGIA UTILIZADA 3 2. SUMÁRIO EXECUTIVO 4 3. RESULTADOS FINANCEIROS 5 4. PRINCIPAIS CONCLUSÕES

Leia mais

VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS

VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS 1. Objetivo O Comitê de Governança Corporativa e Gestão de Pessoas é um órgão acessório ao Conselho de Administração (CAD) da VIX

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais

Capítulo I Disposições Gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Marco de Canaveses Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, estabelece as bases do enquadramento jurídico do voluntariado, visando promover e

Leia mais

GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO

GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO 1.1 As disposições contidas a seguir foram extraídas de documentos e de deliberações que regulam a atuação da Fundação Banco do Brasil, cuja consulta,

Leia mais

REGULAMENTO Modelo de Gestão de Desempenho da Fundação Fernando Pessoa (FFP) / Universidade Fernando Pessoa (UFP)

REGULAMENTO Modelo de Gestão de Desempenho da Fundação Fernando Pessoa (FFP) / Universidade Fernando Pessoa (UFP) REGULAMENTO Modelo de Gestão de Desempenho da Fundação Fernando Pessoa (FFP) / Universidade Fernando Pessoa (UFP) Grupo Estratégico de Recursos Humanos Cláudia Camelo Cristina Pimentão Pedro Cunha 2 ENQUADRAMENTO

Leia mais

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 1 Curso de Formação Educador Ambiental 2009 Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 2 Curso de Formação: Educador Ambiental Índice: 1 Apresentação da entidade formadora e de Coordenação do Curso 2

Leia mais

ISEL Sessão de Apresentação no ISEL

ISEL Sessão de Apresentação no ISEL ISEL ISEL Sessão de Apresentação no ISEL Manuel Pires Abraços 15 Novembro 2011 Apresentação O Poliempreende é um concurso de ideias e de planos de negócios que tem como objectivo avaliar e premiar projectos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 1 de 10 REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2 de 10 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 5 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7

Leia mais

JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS. José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008

JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS. José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008 JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008 ESTRUTURA FINANCEIRA CONCEPTUAL IDEIAS CHAVE FLEXIBILIDADE na estruturação jurídica Fundos de Participação e

Leia mais

Certificação ISO no

Certificação ISO no Certificação ISO 27001 no Instituto t de Informática, I.P. (MTSS) 30-11-2010 1 Agenda O Instituto t de Informática, I.P.; Sistema de Gestão Integrado (ISO 9001, 27001, 20000) Manutenção da Certificação

Leia mais

Anexo D. Guião de Entrevista. Medição do Grau de Uso das Práticas de. Gestão da Qualidade na Organização

Anexo D. Guião de Entrevista. Medição do Grau de Uso das Práticas de. Gestão da Qualidade na Organização Anexo D Guião de Entrevista Medição do Grau de Uso das Práticas de Gestão da Qualidade na Organização 151 Medição do Grau de Uso das Práticas de Gestão da Qualidade na Organização Guião de Entrevista Organizações:

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA 1. Introdução O Banco Espírito Santo, S.A. (o Banco) desenvolve diversas

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO TEMA, NA PERSPETIVA DA ORGANIZAÇÃO E DOS SEUS STAKEHOLDERS

IMPORTÂNCIA DO TEMA, NA PERSPETIVA DA ORGANIZAÇÃO E DOS SEUS STAKEHOLDERS Projetos Educativos ÍNDICE ENQUADRAMENTO 3 CONTEXTO 3 IMPORTÂNCIA DO TEMA, NA PERSPETIVA DA ORGANIZAÇÃO E DOS SEUS STAKEHOLDERS 4 DESCRIÇÃO 4 ESTRUTURA DO PROJETO 6 RESULTADOS ATINGIDOS 7 CONCLUSÕES 7

Leia mais

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)?

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O Liderança para a Mudança é um programa de aprendizagem activa para o desenvolvimento dos enfermeiros como líderes e gestores efectivos num ambiente

Leia mais

Resultados da Avaliação do Grau de Satisfação das Partes Interessadas 2012

Resultados da Avaliação do Grau de Satisfação das Partes Interessadas 2012 Resultados da Avaliação do Grau de Satisfação das Partes Interessadas 2012 Utentes, Familiares/ Pessoa significativa, Profissionais Voluntários e Entidades Parcerias Março / 2013 Índice 1. Introdução 2.

Leia mais

PACTO DE AUTARCAS. Anexo à carta CdR 29/2008 EN-CP/MS/EP/if/gc.../...

PACTO DE AUTARCAS. Anexo à carta CdR 29/2008 EN-CP/MS/EP/if/gc.../... PACTO DE AUTARCAS CONSIDERANDO que o Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas confirmou que as alterações climáticas são uma realidade e que a utilização de energia relacionada com actividades

Leia mais

Casa de Saúde São João de Deus

Casa de Saúde São João de Deus Casa de Saúde São João de Deus Funchal Outubro 2013 Manuel Freitas CSSJD Funchal Caminho percorrido SGQ- Situação atual CSSJD Funchal CSSJD Inaugurada 10/08/1924 OHSJD Província Portuguesa ISJD Fins de

Leia mais

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO DE APOIO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO DE APOIO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO DE APOIO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA Nota justificativa A Câmara Municipal de Vidigueira assume o papel de agente fundamental na aplicação de políticas de protecção social,

Leia mais

O BCSD Portugal Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável é uma associação sem fins lucrativos, de utilidade pública, que agrega e

O BCSD Portugal Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável é uma associação sem fins lucrativos, de utilidade pública, que agrega e O BCSD Portugal Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável é uma associação sem fins lucrativos, de utilidade pública, que agrega e representa empresas que se comprometem ativamente com a

Leia mais

TORRES INOV-E /// O que é?

TORRES INOV-E /// O que é? TORRES INOV-E /// O que é? Programa de empreendedorismo orientado para o acolhimento de propostas de negócios assentes em ideias novas, diferenciadoras ou capazes de reinventar negócios já existentes aposta

Leia mais

Na União Europeia e países europeus (I):

Na União Europeia e países europeus (I): O princípio da CPD diz-nos que as políticas nos vários setores devem contribuir ativamente para os objetivos de luta contra a pobreza e de promoção do desenvolvimento ou, pelo menos, não prejudicarem esses

Leia mais

Como Comunicar Projectos de Prevenção

Como Comunicar Projectos de Prevenção A Prevenção [redução] na Produção de Resíduos Como Comunicar Projectos de Prevenção Porto, 28 de Novembro de 2008 A Sair da Casca Quem somos Criada em 1994, a Sair da Casca é a primeira empresa de consultoria

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 070 Gabinete de Apoio Jovem Futuro + Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Condições prévias de sucesso para a maioria dos projectos

GESTÃO de PROJECTOS. Condições prévias de sucesso para a maioria dos projectos GESTÃO de PROJECTOS para a maioria dos projectos Gestor de Projectos Luís Manuel Borges Gouveia 1 atitude positiva dos clientes (empresa, alta direcção) inter-relações e empenho geral as fases de definição

Leia mais

Case study. CGD Programa Caixa Carbono Zero EMPRESA ENVOLVIMENTO

Case study. CGD Programa Caixa Carbono Zero EMPRESA ENVOLVIMENTO Case study 2010 CGD Programa Caixa Carbono Zero EMPRESA Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos é o Banco que lidera o maior grupo financeiro Português. Presente em 23 países e 4 continentes, detém

Leia mais

Projecto - TRADITIONS UNITE US

Projecto - TRADITIONS UNITE US Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida COMENIUS Parcerias Multilaterais Projecto - TRADITIONS UNITE US 2012-2014 A- CONDIÇÕES DE MOBILIDADE DE ALUNOS NO ÂMBITO DO PROJETO COMENIUS O Programa Comenius

Leia mais

Sistema de Informação das Estatísticas da Justiça. SIEJ Sistema de Informação das Estatísticas da Justiça

Sistema de Informação das Estatísticas da Justiça. SIEJ Sistema de Informação das Estatísticas da Justiça Sistema de Informação das Estatísticas da Justiça SIEJ Sistema de Informação das Estatísticas da Justiça Estatísticas da Justiça A DGPJ é o serviço do Ministério da Justiça responsável pela informação

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

Regulamento Interno. Centro Ocupacional de São Brás. Capítulo I. Objectivos do Regulamento

Regulamento Interno. Centro Ocupacional de São Brás. Capítulo I. Objectivos do Regulamento Regulamento Interno Centro Ocupacional de São Brás Capítulo I Objectivos do Regulamento 1) O presente regulamento visa definir as regras de organização e funcionamento do Espaço Educacional de São Brás,

Leia mais

COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL

COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL Na última década, o número de pessoas em situação de pobreza e exclusão social em Portugal tem vindo a aumentar significativamente. A este facto preocupante, acresce

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA Título da Posição: TECNICO DE PROMOÇÃO TURÍSTICA Duração: Local: Instituição: RENOVAÇÃO DEPENDENDO

Leia mais

Programa BIP/ZIP de Lisboa

Programa BIP/ZIP de Lisboa Programa BIP/ZIP de Lisboa Objectivos e âmbito O Programa BIP-ZIP Bairros e Zonas de Intervenção prioritária de Lisboa é criado pela Câmara Municipal de Lisboa, no quadro do Programa Local de Habitação

Leia mais

Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos

Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos Gestão de Recursos Humanos Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos Gestão de Recursos Humanos Ref #GRH090 Nº Horas: 48 h Nº de Dias: 8 dias Hora de Início:

Leia mais

O concurso é uma iniciativa da DESTAC em parceria com a DOW Portugal, a SEMA e a Câmara Municipal de Estarreja.

O concurso é uma iniciativa da DESTAC em parceria com a DOW Portugal, a SEMA e a Câmara Municipal de Estarreja. PREÂMBULO O Concurso de Ideias é uma iniciativa promovida pela DESTAC em parceria com a DOW Portugal, a SEMA e a Câmara Municipal de Estarreja, com o objectivo estratégico de promover o Empreendedorismo

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 18/XII Exposição de Motivos Nos últimos anos, os serviços e órgãos da administração directa e indirecta do Estado, bem como as Regiões Autónomas e as autarquias locais, têm, no âmbito

Leia mais

Gostaria de manifestar todo o nosso reconhecimento aos Senhores Ministro da Economia e do Emprego e Secretário

Gostaria de manifestar todo o nosso reconhecimento aos Senhores Ministro da Economia e do Emprego e Secretário SESSÃO DE LANÇAMENTO DO MOVIMENTO PARA O EMPREGO FCG (SALA DIRECÇÕES) - 23.05.2013, 15H30 Senhor Ministro da Economia e do Emprego Senhor Secretário de Estado do Emprego Senhores Deputados Senhor Presidente

Leia mais

EMPRESAS 2.1 2.2 2.3 2.4 2.5 2.6 2.6

EMPRESAS 2.1 2.2 2.3 2.4 2.5 2.6 2.6 II EMPRESAS 2.1 Termo de Adesão 2.2 Formulário de Identificação 2.3 Autorização de uso de imagem organizacional 2.4 Autorização de uso de imagem pessoal 2.5 Questionário 2.6 Diretrizes para o envio de

Leia mais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais APPACDM de Braga 2010 Tendo como pano de fundo a Convenção aprovada pelos Estados membros da ONU sobre os Direitos das Pessoas

Leia mais

ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS

ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS Elaborado por: Délia Ferreira nº3502 Elisabete Santos nº3549 Sara Gerardo nº3453 Mara Cristo nº3395 OBJECTIVOS DO TRABALHO

Leia mais

CENTROS DE INVESTIMENTO

CENTROS DE INVESTIMENTO CENTROS DE INVESTIMENTO UM BANCO QUE O CONHECE Marcado pela experiência e cultura de um líder da banca de investimento, o Grupo BPI é um símbolo de inovação e solidez do mercado financeiro nacional. A

Leia mais

RECRUTAMENTO INTERNO Políticas

RECRUTAMENTO INTERNO Políticas Esta política estabelece diretrizes que serão aplicadas no Morena Rosa Group, cabendo a todas as áreas envolvidas no processo e citadas neste documento a responsabilidade pelo seu cumprimento. RECRUTAMENTO

Leia mais

ALER Manual de Patrocínios 2016 MANUAL DE PATROCÍNIOS 2016

ALER Manual de Patrocínios 2016 MANUAL DE PATROCÍNIOS 2016 ALER Manual de Patrocínios 2016 MANUAL DE PATROCÍNIOS 2016 RAZÕES PARA PATROCINAR Aumentar a visibilidade e reforçar a imagem da sua empresa no sector das renováveis e na lusofonia Tirar partido da extensa

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DA GOLEGÃ

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DA GOLEGÃ REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DA GOLEGÃ PREÂMBULO A Rede Social foi criada pela Resolução do Conselho de Ministros nº197/97, de 18 de Novembro. Pretende-se através deste programa

Leia mais

Concurso de Ideias para a Criação de Empresas EIBTnet

Concurso de Ideias para a Criação de Empresas EIBTnet Regulamento Concurso de Ideias para REGULAMENTO a Criação de Empresas EIBTnet 1 Concurso de Ideias para a Criação de Empresas EIBTnet Artigo 1.º Promotor/Fins/Prazo 1. A NET - Novas Empresas e Tecnologias,

Leia mais

Regulamento Prémio Desafio OUSAR: A minha Ideia, a minha Empresa

Regulamento Prémio Desafio OUSAR: A minha Ideia, a minha Empresa Regulamento Prémio Desafio OUSAR: A minha Ideia, a minha Empresa Artigo 1 Organização e objectivo A AIMinho Associação Empresarial (AIMinho) leva a efeito o Prémio Desafio OUSAR: A minha Ideia, a minha

Leia mais

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis Projecto Vitalidade XXI FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares Conclusões do estudo A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis A Percepção das Partes Interessadas e Apresentação dos compromissos

Leia mais

Pré-requisitos Para integrar o Programa MACAL de Estágio Supervisionado, o candidato precisa atender os seguintes requisitos:

Pré-requisitos Para integrar o Programa MACAL de Estágio Supervisionado, o candidato precisa atender os seguintes requisitos: Prezados Senhores: A MACAL - Soluções em Nutrição, desde 2003 desenvolve o programa de Estágio Supervisionado que consiste em um intensivo programa para a preparação de novos profissionais, tendo como

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2016 EDITAL Nº 02/2016

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2016 EDITAL Nº 02/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO 2016 EDITAL Nº 02/2016 A Empresa Júnior Politech Projetos e Consultoria, da escola Politécnica do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais- UNILESTE comunica a comunidade

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA A Socioambiental (PRSA) substitui a Política Corporativa pela Sustentabilidade (2011), e incorpora a contribuição das partes interessadas

Leia mais

Mestrado em Gestão Industrial

Mestrado em Gestão Industrial Mestrado em Gestão Industrial Disciplina: CONTROLO DE GESTÃO Capítulo 1: Ideias Chave de Controlo de Gestão 1 SUMÁRIO O Valor e a medição da Performance As perspectivas de performance As implicações nos

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO Manual de GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA INCUBADORA TECCAMINHA. Preambulo

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA INCUBADORA TECCAMINHA. Preambulo REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA INCUBADORA TECCAMINHA Preambulo O empreendedorismo é considerado um importante pilar da economia e uma forma de promover o auto-emprego e o desenvolvimento económico.

Leia mais

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão CERTIFICAÇÃO Sistema de Gestão A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) tem implementados e certificados os Sistemas de Gestão da Qualidade, Segurança Alimentar e Ambiente, em alinhamento com as

Leia mais

Fórum Empresarial de Apoio à Cidade de São Paulo. Propostas para 2011

Fórum Empresarial de Apoio à Cidade de São Paulo. Propostas para 2011 Fórum Empresarial de Apoio à Cidade de São Paulo Propostas para 2011 Justificativa A cidade de São Paulo representa um enorme desafio para todos que se empenham pelo desenvolvimento sustentável e justo

Leia mais

O Papel da cidadania na gestão dos recursos hídricos. Carla Graça Coordenadora do Grupo de Trabalho da Água

O Papel da cidadania na gestão dos recursos hídricos. Carla Graça Coordenadora do Grupo de Trabalho da Água O Papel da cidadania na gestão dos recursos hídricos Carla Graça Coordenadora do Grupo de Trabalho da Água Políticas Enquadramento legal A Directiva-Quadro da Água (DQA) Directiva 2000/60/CE, transposta

Leia mais

MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR - INSTRUMENTO PEDAGÓGICO DE MELHORIA CONTÍNUA

MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR - INSTRUMENTO PEDAGÓGICO DE MELHORIA CONTÍNUA MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR - INSTRUMENTO PEDAGÓGICO DE MELHORIA CONTÍNUA Luísa Correia. Modelos e práticas de Auto-avaliação de Bibliotecas Escolares RBE Outubro/Dezembro 2010 Pressupostos

Leia mais

Anexo Único. Estrutura e modelo de funcionamento de Co- Governação para os Gabinetes de Apoio aos Bairros de Intervenção Prioritária

Anexo Único. Estrutura e modelo de funcionamento de Co- Governação para os Gabinetes de Apoio aos Bairros de Intervenção Prioritária Anexo Único Estrutura e modelo de funcionamento de Co- Governação para os Gabinetes de Apoio aos Bairros de Intervenção Prioritária Artigo 1º - Definição Um GABIP é uma estrutura de iniciativa municipal,

Leia mais

SEJA VOLUNTÁRIO! CONTRIBUA PARA O CRESCIMENTO DE UMA NOVA CONSCIÊNCIA SOCIAL

SEJA VOLUNTÁRIO! CONTRIBUA PARA O CRESCIMENTO DE UMA NOVA CONSCIÊNCIA SOCIAL SEJA VOLUNTÁRIO! CONTRIBUA PARA O CRESCIMENTO DE UMA NOVA CONSCIÊNCIA SOCIAL Objectivos: Promover o encontro entre a oferta e a procura de voluntariado; Sensibilizar os cidadãos e as organizações para

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONDICIONADO N.

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONDICIONADO N. EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: Aviso n.º 1/REB/AC REQUALIFICAÇÃO DA REDE ESCOLAR DE 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO E DA EDUCAÇÃO PRÉ- ESCOLAR AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Leia mais

Apontar uma estratégia de comunicação ambiental de um projeto escolar de EAS

Apontar uma estratégia de comunicação ambiental de um projeto escolar de EAS Apontar uma estratégia de comunicação ambiental de um projeto escolar de EAS Seminário Agentes de educação ambiental, contributos de participação e cidadania Lisboa 9 de Maio de 2014 Associação Nacional

Leia mais

Regulamento do Prémio GPA EDIA BOAS PRÁTICAS EM ALQUEVA

Regulamento do Prémio GPA EDIA BOAS PRÁTICAS EM ALQUEVA Regulamento do Prémio GPA EDIA BOAS PRÁTICAS EM ALQUEVA O Green Project Awards em parceria com a Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas do Alqueva (EDIA), institui, para assinalar os 20 anos da

Leia mais

AJUDAR 17 REGULAMENTO

AJUDAR 17 REGULAMENTO AJUDAR 17 REGULAMENTO 2017 Preâmbulo O Ajudar 2017 inclui-se no âmbito mais lato da atuação de caráter social da Fundação INATEL, desenvolvida no sentido de valorizar o papel que muitas entidades, individuais

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA

CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA Ordem dos Médicos / Ministério da Saúde Formação Médica Pós-Graduada: Internatos Médicos CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE

Leia mais

A Pegada de Carbono do Vinho Alentejano:

A Pegada de Carbono do Vinho Alentejano: : Exemplo de valorização da sustentabilidade Colóquio A Sustentabilidade do setor vitivínicola: Que desafios? @ Lisboa Instituto da Vinha e do Vinho 31-01-2012 bcaldeira@consulai.com TEMAS A ABORDAR ENQUADRAMENTO

Leia mais

B-on. Click to edit Master title style. Click to edit Master text styles Second level Third level Fourth level Fifth level

B-on. Click to edit Master title style. Click to edit Master text styles Second level Third level Fourth level Fifth level Click to edit Master title style B-on FCCN, 11 Maio 2011 João Mendes Moreira Gestor da b-on Jmm@fccn.pt Click to edit Master title Agenda style Enquadramento Serviços Indicadores Conclusões Click to edit

Leia mais

ÍNDICE. 1.1 Apresentação do Centro...2. 1.2 Direitos...2. 1.3 - Deveres...3. 1.4 - Organização...3

ÍNDICE. 1.1 Apresentação do Centro...2. 1.2 Direitos...2. 1.3 - Deveres...3. 1.4 - Organização...3 ÍNDICE I - 1.1 Apresentação do Centro...2 1.2 Direitos......2 1.3 - Deveres...3 1.4 - Organização...3 II Voluntariado 2.1 Apresentação do Voluntário...4 2.2 Perfil do Voluntário...5 2.3 Funções...6 2.4

Leia mais

Envelhecimento Ativo: mudar o presente para ganhar o futuro

Envelhecimento Ativo: mudar o presente para ganhar o futuro Envelhecimento Ativo: mudar o presente para ganhar o futuro - Seminário_Murça- Paula Cruz 19 Outubro 2011 Missão da EAPN Portugal Defender os direitos humanos fundamentais e garantir que todos tenham as

Leia mais

COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE

COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE Considerando que a,s.a. ( Sociedade Interessada ) tem interesse em analisar a eventual participação no projecto de da sociedade ( Promotora ), vem a Sociedade Interessada

Leia mais

guia concurso de ideias

guia concurso de ideias guia do concurso de ideias O Projecto LIMACRIA tem como parceiros as seguintes entidades: CEVAL - Conselho Empresarial do Vale do Lima IPVC - Instituto Politécnico de Viana do Castelo SPI - Sociedade Portuguesa

Leia mais

Da Estratégia aos Resultados, a diferença está na Solução.

Da Estratégia aos Resultados, a diferença está na Solução. Apresentação A QIS O Método O Sistema de Gestão Da Estratégia aos Resultados, a diferença está na Solução. 12 Benefícios 4 Razões Referências 1 Consultoria Tecnologia Consultoria Tecnologia Quem somos

Leia mais

Treinamento e Desenvolvimento - T&D. Capacitação e formação dos colaboradores do HSC

Treinamento e Desenvolvimento - T&D. Capacitação e formação dos colaboradores do HSC Treinamento e Desenvolvimento - T&D Capacitação e formação dos colaboradores do HSC Políticas de RH As práticas de Recursos Humanos do Hospital Santa Catarina estão de acordo com as diretrizes apresentadas

Leia mais

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Securitas Portugal O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Agosto de 2016 1 O Sistema de Gestão da Responsabilidade Social A SECURITAS desenvolveu e implementou um Sistema de Gestão de aspetos de

Leia mais

Regulamento de Estágios

Regulamento de Estágios Regulamento de Estágios 01.10.05 Conteúdo Enquadramento... 3 1 Caracterização... 3 2 Candidatura... 3 2.1 Estágios organizados pelos estudantes... 3 2.1.1 Trabalhadores estudantes... 3 3 Colocação... 4

Leia mais

A Vida é a nossa maior inspiração

A Vida é a nossa maior inspiração PLANO ACTIVIDADES & ORÇAMENTO 2018 A Vida é a nossa maior inspiração No ano de 2018, queremos fazer Mais e Melhor! Será um ano marcado pelo arranque do Projecto Escola com Vida, vencedor do Prémio BPI

Leia mais