II ENCONTRO DE IRRIGANTES POR ASPERSÃO DO RS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "II ENCONTRO DE IRRIGANTES POR ASPERSÃO DO RS"

Transcrição

1 II ENCONTRO DE IRRIGANTES POR ASPERSÃO DO RS 02 de OUTUBRO DE 2014 CRUZ ALTA RIO GRANDE DO SUL

2 O INÍCIO DA IRRIGAÇÃO anos atrás, Egito Antigo; Construção de diques, represas e canais para melhor aproveitamento das águas do Nilo.

3 ISRAEL Sem irrigação, a agricultura seria impossível neste país que possui solos impróprios, escassez de chuvas e pouquíssimas fontes de água. Israel conseguiu suprir suas necessidades e ainda exportar cereais, frutas e laticínios, o que só foi possível devido a tecnologia empregada na agricultura.

4 IRRIGAÇÃO NO MUNDO Europa: 36 mi hectares Américas: 60 mi hectares Ásia: 136 mi hectares 6 África: 48 mi hectares Fonte: FAO, 2009

5 mundo PAIS AREA IRRIGADA MILHÕES /HA % DA AREA IRRIG/CULTIVADA PRECIPITAÇÃO MEDIA ANUAL MM INDIA CHINA EUA ESPANHA 3, BRASIL ISRAEL 0, O IDEAL SEGUNDO A FAO QUE CADA PAIS TENHA 20% DA AREA CULTIVADA SEJA IRRIGADA

6 IRRIGAÇÃO NO BRASIL 2% 22% ,00 28% , ,00 12% , ,00 36% S SE CO NE N Fonte: SENIR M.I.

7 PERSPECTIVAS PARA O BRASIL

8 GERAÇÃO DE EMPREGOS 15 Ha IRRIGADO 1 EMPREGO 150 Ha SEQUEIRO 1 EMPREGO

9 GERAÇÃO DE EMPREGOS 1 HÁ IRRIGADO GERA 10 VEZES MAIS EMPREGOS QUE O NÃO IRRIGADO

10 POR QUE NÃO AVANÇA??? Trâmites lentos para licenças e outorga; impedimentos legais para reservação Energia; (disponibililade e cara) Financeiro Legislação. Cobrança da sociedade pelo USO da agua????

11 CICLO HIDROLÓGICO 97% da água utilizada na irrigação retorna ao ciclo hidrológico! Fonte: Secretaria Nacional da Irrigação, M.I.

12 A ÁGUA NA IRRIGAÇÃO Poluição das Cidades Represas Água Limpa L ha -1 Uso na Agricultura

13 FORMAS DE IRRIGAÇÃO 18% 33% 8% 21% 20% Sulco Localizada Aspersão Pivô Central Inundação

14 OPORTUNIDADES DA IRRIGAÇÃO Novo Código Florestal Lei /12 Art. 8 (Lei /12) A intervenção ou a supressão de vegetação nativa em Área de Preservação Permanente somente ocorrerá nas hipóteses de: UTILIDADE PÚBLICA; INTERESSE SOCIAL; ou, ATIVIDADES DE BAIXO IMPACTO AMBIENTAL. INTERESSE SOCIAL Implantação de instalações necessárias à captação e condução de água e de efluentes tratados para projetos cujos recursos hídricos são partes integrantes e essenciais da atividade; ATIVIDADES DE BAIXO IMPACTO AMBIENTAL Implantação de instalações necessárias à captação e condução de água e efluentes tratados, desde que comprovada a outorga do direito de uso da água, quando couber;

15 FUTURO NECESSIDADE DE PRODUZIR CADA VEZ MAIS ALIMENTOS NA MESMA AREA ECONÔMIA DE AGUA (equipamentos cada vez mais tecnologicos) PRESERVAÇÃO DO AMBIENTE (Redução de Agroquimicos e Não Aumento de Area) SUSTENTABILIDADE FIXAÇÃO DE MÃO DE OBRA NO CAMPO (sucessão familiar) GERAÇÃO DE RENDA QUALIDADE DE VIDA NECESSIDADE DE ORGANIZAÇÃO DO SETOR

16

17 CLUBE DA IRRIGAÇÃO Gestão Pesquisa Irrigação Sistema de Manejo Milho Agricultura de Precisão Soja Fertilização

18 OBJETIVOS Oferecer aos produtores rurais irrigantes um conjunto de ferramentas que possibilitem aumentar a eficiência no campo com sustentabilidade através do aprimoramento das práticas já existentes e da adoção de novas tecnologias visando ao aumento da produtividade em áreas irrigadas, ao aprimoramento técnico constante e à difusão do conhecimento através da troca de experiências. COMPROMISSOS Produzir mais; Conservar mais; Aumentar a renda do produtor rural;

19 REGIÕES DE ATUAÇÃO SANTO AUGUSTO Soja SEBERI Milho/Soja PEJUÇARA Soja CACHOEIRA DO SUL Milho /Soja BAGÉ Milho

20 DESAFIOS MILHO 300 sacos/ha Material Genético - DKB240PRO3 / DKB390PROMAX / DKB290PRO3 / DKB230PRO3 SOJA 120 sacos/ha Material Genético DM6458IPRO / DM5958IPRO / AS3570IPRO / NS5959IPRO / NS5445IPRO / M5917IPRO

21 ATIVIDADES Amostragem de solo e geração de mapas de fertilidade; Correção de solo; Definição de zonas de manejo; Recomendação e manejo da cultura de inverno; Manejo de plantas daninhas; Revisão do sistema de irrigação; Seleção de materiais genéticos uniformes e de alta performance; Semeadura precisa (sistema DPS); Fertilização: SOJA - S % S + micro (Zn, Mn, Cu, B) MILHO - S % S + 0,4 Zn Taxa variada de N utilizando sensor de cultura (N-Sensor); Colheita e geração de mapas de produtividade.

22 RESULTADOS SAFRA 13/14 PRINCIPAIS RESULTADOS SOJA CIDADE ALTITUDE (m) CULTIVAR (INTACTA) Média de Produtividade Testemunha Incremento em relação a testemunha MARCOS BARBIERI SEBERI-RS 516 DM 6458 RSF 80 sc/ha 75 sc/ha 6,6 % AS 3570 IPRO 85 sc/ha 13,3 % CARLOS SPEROTTO STO. AUGUSTO NS 5445 IPRO 73 sc/ha 66 sc/ha 10.6 % JOÃO TELLES PEJUÇARA-RS 460 AS 3570 IPRO 71 sc/ha 58 sc/ha 22,4 % NS 5959 IPRO 70 sc/ha 20,7 % MILHO UDO DAVI STROBEL CIDADE CACHOEIRA DO SUL-RS ALTITUDE (m) HÍBRIDO Média de Produtividade Testemunha 120 DKB 240 PRO sc/ha 225 sc/ha 8,8 % PAULO COSTA BAGÉ-RS DKB 240 PRO sc/ha 170 sc/ha 11,8 % Áreas de interferência do Clube da Irrigação.

23 ESTUDO CEPEA/FARSUL 2013 PROPRIEDADE: município de CRUZ ALTA/RS Característica da Propriedade Área Agricultável ha 175 ha - Área Própria 175 ha - Área Arrendada Área Cultivada ha 280 ha - Soja 70 ha - Milho 93 ha - Trigo (Inverno) Características da Produção Preços (R$/sc 60kg) Soja: R$ 61,50 Milho: R$ 28,60 Trigo: R$ 32,20 Produtividade Soja: 45 sacos/ha Milho: 110 sacos/ha Trigo: 40 sacos/ha

24 SOJA SEQUEIRO X IRRIGADO SAFRA 2012/2013 X SAFRA 2013/2014 Sequeiro Irrigado Soja Safra 2012/2013 Safra 2013/2014 Safra 2012/2013 Safra 2013/2014 Var.(%) Descrição (R$/ha) (R$/ha) (R$/ha) (R$/ha) Var.(%) Insumos (A) R$ 766,99 R$ 1.351,65 76% R$ 1.133,94 R$ 1.516,62 34% Operação mecânica (B) R$ 142,26 R$ 161,24 13% R$ 191,76 R$ 153,91-20% Operações terceirizadas (C) R$ 45,00 R$ 40,00-11% R$ 89,66 R$ 65,00-28% Mão de obra (D) R$ 114,89 R$ 197,17 72% R$ 111,78 R$ 149,19 33% Irrigação (E) R$ 200,00 R$ 250,00 25% Impostos (H) R$ 63,65 R$ 58,51-8% R$ 99,02 R$ 95,08-4% Seguro (I) R$ 26,45 R$ 36,19 37% R$ 28,07 R$ 40,71 45% Assistência técnica (J) R$ 21,38 R$ 35,00 64% R$ 30,15 R$ 37,69 25% Juros de capital de giro (K) R$ 86,98 R$ 129,60 49% R$ 123,39 R$ 139,57 13% CUSTO OPERACIONAL R$ 1.336,79 R$ 2.009,36 50% R$ 2.095,73 R$ 2.447,78 17% CUSTO TOTAL SEM TERRA R$ 1.590,49 R$ 2.334,71 47% R$ 2.476,96 R$ 2.959,40 19% CUSTO TOTAL R$ 2.248,94 R$ 2.972,44 32% R$ 3.102,52 R$ 3.507,97 13% PREÇO MÉDIO R$ 61,50 R$ 63,60 3% R$ 61,50 R$ 63,60 3% PRODUTIVIDADE 45,00 40,00-11% 70,00 65,00-7% RECEITA BRUTA R$ 2.767,50 R$ 2.544,00-8% R$ 4.305,00 R$ 4.134,00-4% LUCRO R$ 518,56 -R$ 428,44-183% R$ 1.202,48 R$ 626,03-48% Fonte: CEPEA-FARSUL

25 MILHO SEQUEIRO X IRRIGADO SAFRA 2012/2013 X SAFRA 2013/2014 Sequeiro Irrigado Milho Safra 2012/2013 Safra 2013/2014 Safra 2012/2013 Safra 2013/2014 Var.(%) Descrição (R$/ha) (R$/ha) (R$/ha) (R$/ha) Var.(%) Insumos (A) R$ 1.517,97 R$ 1.589,21 5% R$ 2.151,12 R$ 2.198,10 2% Operação mecânica (B) R$ 202,10 R$ 205,87 2% R$ 255,06 R$ 210,82-17% Operações terceirizadas (C) R$ 110,00 R$ 120,00 9% R$ 200,00 R$ 200,00 0% Mão de obra (D) R$ 144,72 R$ 198,56 37% R$ 134,43 R$ 165,35 23% Irrigação (E) R$ 200,00 R$ 250,00 25% Impostos (H) R$ 72,36 R$ 66,24-8% R$ 131,56 R$ 110,40-16% Seguro (I) R$ 26,45 R$ 36,19 37% R$ 28,07 R$ 40,71 45% Assistência técnica (J) R$ 39,50 R$ 42,27 7% R$ 54,81 R$ 55,49 1% Juros de capital de giro (K) R$ 120,38 R$ 117,39-2% R$ 170,11 R$ 154,08-9% CUSTO OPERACIONAL R$ 2.359,33 R$ 2.375,74 1% R$ 3.553,96 R$ 3.384,96-5% CUSTO OPERACIONAL TOTAL R$ 2.514,82 R$ 2.551,52 1% R$ 3.797,02 R$ 3.634,81-4% CUSTO TOTAL SEM TERRA R$ 2.659,31 R$ 2.748,24 3% R$ 3.987,87 R$ 3.954,60-1% CUSTO TOTAL R$ 3.317,77 R$ 3.385,97 2% R$ 4.613,43 R$ 4.503,17-2% PREÇO MÉDIO R$ 28,60 R$ 24,00-16% R$ 28,60 R$ 24,00-16% PRODUTIVIDADE 110,00 120,00 9% 200,00 200,00 0% RECEITA BRUTA R$ 3.146,00 R$ 2.880,00-8% R$ 5.720,00 R$ 4.800,00-16% LUCRO -R$ 171,77 -R$ 505,97 195% R$ 1.106,57 R$ 296,83-73% Fonte: CEPEA-FARSUL

26 SOJA SEQUEIRO X IRRIGADO Provisionamento da fazenda Sequeiro Irrigado Var.(%) Itens (R$/ha) (R$/ha) Aviso prévio da M.O fixa R$ 11,32 R$ 10,17-10% Depreciação Sequeiro Irrigado Var.(%) Itens (R$/ha) (R$/ha) Máquinas 42,99 61,61 43% Implementos R$ 47,48 R$ 58,16 22% Benfeitoria R$ 12,59 R$ 67,74 438% Total de depreciação R$ 103,07 R$ 187,50 82% CUSTO OPERACIONAL TOTAL R$ 1.451,18 R$ 2.293,40 58% Rem. do capital investido Sequeiro Irrigado Var.(%) Itens (R$/ha) (R$/ha) Máquinas 73,17 65,75-10% Implementos R$ 34,50 R$ 31,00-10% Benfeitoria R$ 25,50 R$ 78,10 206% Capital próprio R$ 6,13 R$ 8,70 42% Terra R$ 658,46 R$ 625,56-5% CUSTO TOTAL SEM TERRA R$ 1.590,49 R$ 2.476,96 56% CUSTO TOTAL R$ 2.248,94 R$ 3.102,52 38%

27 MILHO SEQUEIRO X IRRIGADO Provisionamento da fazenda Sequeiro Irrigado Var.(%) Itens (R$/ha) (R$/ha) Aviso prévio da M.O fixa R$ 11,32 R$ 10,17-10% Depreciação Sequeiro Irrigado Var.(%) Itens (R$/ha) (R$/ha) Máquinas R$ 73,29 R$ 92,10 26% Implementos R$ 58,29 R$ 73,05 25% Benfeitoria R$ 12,59 R$ 67,74 438% Total de depreciação R$ 144,18 R$ 232,89 62% CUSTO OPERACIONAL TOTAL R$ 2.514,82 R$ 3.797,02 51% Rem. Do capital investido Sequeiro Irrigado Var.(%) Itens (R$/ha) (R$/ha) Máquinas R$ 73,17 R$ 65,75-10% Implementos R$ 34,50 R$ 31,00-10% Benfeitoria R$ 25,50 R$ 78,10 206% Capital próprio R$ 11,31 R$ 15,99 41% Terra R$ 658,46 R$ 625,56-5% CUSTO TOTAL SEM TERRA R$ 2.659,31 R$ 3.987,87 50% CUSTO TOTAL R$ 3.317,77 R$ 4.613,43 39%

28 SEQUEIRO X IRRIGADO Sequeiro Irrigado Var.(%) Quadro de análise (R$/ha) (R$/ha) Preço médio 61,50 61,50 0% Produtividade R$ 45,00 70,00 56% Receita Bruta R$ 2.767,50 R$ 4.305,00 56% Receita Bruta R$ 2.767,50 R$ 4.305,00 56% Lucro R$ 518,56 R$ 1.202,48 132% Sequeiro Irrigado Var.(%) Quadro de análise (R$/ha) (R$/ha) Preço médio R$ 28,60 R$ 28,60 0% Produtividade % Receita Bruta R$ 3.146,00 R$ 5.720,00 R$ 5.720,00 Lucro -R$ 171,77 R$ 1.106,57 -

29 METAS PARA 2014 Consolidar o resultado dos trabalhos iniciados na safra 13/14; Aumentar a produtividade média das áreas de intervenções em 10% e a rentabilidade do produtor; Elevar as zonas de altas produtividades; Ampliar as áreas de intervenções; Desafio SOJA: pontos de produtividade de 120 sacos/ha; Desafio MILHO: pontos de produtividade de 300 sacos/ha.

30 EVENTOS 2013/2014 TOUR AMARELO-MILHO 19/02/14 RALLY à 21/02/14

31 SAFRA 2014/2015

32

33 OBRIGADO PELA ATENÇÃO! João Augusto Telles

Prof. Dr. Telmo Jorge Carneiro Amado Doutorando: Brian S. Trindade

Prof. Dr. Telmo Jorge Carneiro Amado Doutorando: Brian S. Trindade Prof. Dr. Telmo Jorge Carneiro Amado Doutorando: Brian S. Trindade A irregularidade da distribuição da precipitação pluviométrica e, consequentemente, da disponibilidade de água em períodos críticos das

Leia mais

Agricultura de Precisão desafiando produtividades agrícolas

Agricultura de Precisão desafiando produtividades agrícolas Agricultura de Precisão desafiando produtividades agrícolas É fácil identificar na sociedade atual, globalizada, características e hábitos alicerçados no consumismo, na necessidade progressiva de uma maior

Leia mais

Levantamento de Custos de Produção de Castro PR

Levantamento de Custos de Produção de Castro PR Levantamento de Custos de Produção de Castro PR Os produtores de Castro se reuniram no dia 27/06, para realizar o levantamento de custos de produção de grãos para o projeto Campo Futuro, uma iniciativa

Leia mais

Levantamento de Custos de Produção de Cascavel PR

Levantamento de Custos de Produção de Cascavel PR Levantamento de Custos de Produção de Cascavel PR Os produtores de Cascavel se reuniram no dia 29/06, para realizar o levantamento de custos de produção de grãos para o projeto Campo Futuro, uma iniciativa

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM CASTRO-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM CASTRO-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM CASTRO-PR Foi realizado no dia 09 de julho de 2012 em Castro (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação da

Leia mais

Definição de irrigação: Aplicação de água no solo mediante o uso de. total, com o objetivo de suprir as

Definição de irrigação: Aplicação de água no solo mediante o uso de. total, com o objetivo de suprir as Parte 1: Técnicas de irrigação Definição de irrigação: Aplicação de água no solo mediante o uso de técnicas artificiais, de forma complementar ou total, com o objetivo de suprir as necessidades d hídricas

Leia mais

1. Aspectos gerais da cultura

1. Aspectos gerais da cultura CULTURA DO ARROZ 1. Aspectos gerais da cultura Centro de Origem -Asiático -Africano Gênero Oryza 25 espécies dispersas Espécies Sul Americanas Ásia África América do Sul e Central Espécies utilizadas Histórico

Leia mais

CULTIVARES DE SOJA I N D I C A D A S P A R A

CULTIVARES DE SOJA I N D I C A D A S P A R A D E S E M P E N H O D E CULTIVARES DE SOJA I N D I C A D A S P A R A O R I O G R A N D E D O S U L Julho, 2013 RESULTADOS DE 2012 2013 Rendimento e características agronômicas das cultivares, indicadas

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR Foi realizado no dia 10 de julho de 2012 em Guarapuava (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

Base de dados. Assessoría Agrícola. Produtores do grupo de. Área Total de Soja: has.

Base de dados. Assessoría Agrícola. Produtores do grupo de. Área Total de Soja: has. Eng. Agr. Tilio Lucas 30 de Junho 2015 Base de dados Produtores do grupo de Assessoría Agrícola Área Total de Soja: 7514.93 has. Produtividade do Grupo Grupo Agrícola Área total (ha) Produtividade Sc/ha

Leia mais

REPENSANDO A ADUBAÇÃO NPK EM SISTEMAS DE ALTA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS. Álvaro V. Resende

REPENSANDO A ADUBAÇÃO NPK EM SISTEMAS DE ALTA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS. Álvaro V. Resende REPENSANDO A ADUBAÇÃO NPK EM SISTEMAS DE ALTA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS Álvaro V. Resende Araxá, 19/09/2014 Roteiro Contexto dos sistemas soja-milho Repensando a adubação NPK Considerações finais Contexto

Leia mais

De sequeiro aos pivôs centrais: A experiência da Fazenda Sta. Clara

De sequeiro aos pivôs centrais: A experiência da Fazenda Sta. Clara De sequeiro aos pivôs centrais: A experiência da Fazenda Sta. Clara Fabrício Pereira Anizelli Engenheiro Civil UNIOESTE Agricultor a 13 anos Membro comissão de grãos FAEP Participa da Diretoria do Sindicato

Leia mais

Tecnologias da Geoinformação aplicadas a Agricultura de Precisão. EAD CR Campeiro7 Edição 2015

Tecnologias da Geoinformação aplicadas a Agricultura de Precisão. EAD CR Campeiro7 Edição 2015 Tecnologias da Geoinformação aplicadas a Agricultura de Precisão EAD CR Campeiro7 Edição 2015 Fonte - AGCO Como a agricultura de precisão ainda é considerada por muitos no Brasil A agricultura de precisão

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil O DESAFIO DO PAÍS NA ABORDAGEM DO BINÔMIO ÁGUA E ALIMENTO João Martins da Silva Junior Presidente da CNA Fatores que influenciam na produção de alimentos

Leia mais

IRRIGAÇÃO. Importância e Aspectos Técnicos

IRRIGAÇÃO. Importância e Aspectos Técnicos IRRIGAÇÃO Importância e Aspectos Técnicos IRRIGAÇÃO Breve histórico Povos antigos Egito (Rio Nilo) Mesopotâmia (Rios Tigre e Eufrates) Índia (Rio Indo) Século XX Estados Unidos Israel IRRIGAÇÃO Situação

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89)

Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89) Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89) 3562-2274 Efeito do uso dos produtos da linha Celleron no tratamento de semente e na parte aérea, para o aumento do

Leia mais

Preços Baixos X Condução da Lavoura Cafeeira

Preços Baixos X Condução da Lavoura Cafeeira Preços Baixos X Condução da Lavoura Cafeeira DISCUSSÃO E AVALIAÇÃO DE SITUAÇÕES DE SUCESSO Rodrigo Ticle Ferreira Eng. Agrônomo INDICADORES TÉCNICOS E ECONÔMICOS QUE IMPACTAM NA RENTABILIDADE INDICADORES

Leia mais

Manejo da lavoura para altas produtividades com base na agricultura de precisão. Telmo Amado

Manejo da lavoura para altas produtividades com base na agricultura de precisão. Telmo Amado Manejo da lavoura para altas produtividades com base na agricultura de precisão Telmo Amado Situação atual. Eficiência de Uso < 50% N e K, e < 30% de P Eficiência do uso da água Potencial genético subutilizado

Leia mais

ANÁLISE DO MERCADO TRIGO. Análise para 2016

ANÁLISE DO MERCADO TRIGO. Análise para 2016 ANÁLISE DO MERCADO TRIGO Análise para 2016 SOJA MUNDO ANÁLISE DO MERCADO DE TRIGO MUNDO LONGO PRAZO Consumo e Projeção do Consumo Mundial de Trigo (em milhões de toneladas) 900 800 700 600 616 713 741

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CACAU EM GANDU-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CACAU EM GANDU-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CACAU EM GANDU-BA Os produtores de Gandu se reuniram, em 13/05, para participarem do levantamento de custos de produção de cacau para o projeto Campo Futuro, uma

Leia mais

CÁLCULOS DE FECHAMENTO DE FORMULAÇÕES E RECOMENDAÇÃO DE ADUBAÇÃO

CÁLCULOS DE FECHAMENTO DE FORMULAÇÕES E RECOMENDAÇÃO DE ADUBAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO LSO 526 Adubos e Adubação CÁLCULOS DE FECHAMENTO DE FORMULAÇÕES E RECOMENDAÇÃO DE ADUBAÇÃO Prof.

Leia mais

COMPARATIVO DE LUCRATIVIDADE ENTRE O PLANTIO DE MILHO SEQUEIRO/SOJA E O ARRENDAMENTO DA ÁREA

COMPARATIVO DE LUCRATIVIDADE ENTRE O PLANTIO DE MILHO SEQUEIRO/SOJA E O ARRENDAMENTO DA ÁREA COMPARATIVO DE LUCRATIVIDADE ENTRE O PLANTIO DE MILHO SEQUEIRO/SOJA E O ARRENDAMENTO DA ÁREA Mariana S. de Proença 1, Leonel J. Ribeiro 2, Maria C. Ferrari 3, Flavia C. Cavalini 4 1 Graduanda em Agronegócio,

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA Os produtores de Luís Eduardo Magalhães se reuniram, em 08/04, para participarem do levantamento de custos de produção de café

Leia mais

Introdução 31/03/2017 INTRODUÇÃO A IRRIGAÇÃO E DRENAGEM: HISTÓRICO E IMPORTÂNCIA. Centro Universitário do Triângulo.

Introdução 31/03/2017 INTRODUÇÃO A IRRIGAÇÃO E DRENAGEM: HISTÓRICO E IMPORTÂNCIA. Centro Universitário do Triângulo. Centro Universitário do Triângulo INTRODUÇÃO A IRRIGAÇÃO E DRENAGEM: HISTÓRICO E IMPORTÂNCIA Disciplina: Irrigação e Drenagem Curso: Engenharia Agronômica - 6º período Professor: João Eduardo Ribeiro da

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CALAGEM PARA OS SOLOS DO CERRADO

IMPORTÂNCIA DA CALAGEM PARA OS SOLOS DO CERRADO IMPORTÂNCIA DA CALAGEM PARA OS SOLOS DO CERRADO Palestra apresenta no I Seminário alusivo ao Dia Nacional do Calcário, no dia 23 de maio de 2013, no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

AGRICULTURA DE PRECISÃO

AGRICULTURA DE PRECISÃO AGRICULTURA DE PRECISÃO AGRICULTURA DE PRECISÃO A agricultura de precisão C.Vale é uma atividade que tem como objetivo aperfeiçoar o uso dos insumos agrícolas dentro da propriedade. Permite aplicação localizada

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CACAU EM EUNÁPOLIS-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CACAU EM EUNÁPOLIS-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CACAU EM EUNÁPOLIS-BA Os produtores de Eunápolis se reuniram, em 11/05, para participarem do levantamento de custos de produção de cacau para o projeto Campo Futuro,

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO SOJA- MILHO SAFRINHA 1.INTRODUÇÃO

VIABILIDADE ECONÔMICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO SOJA- MILHO SAFRINHA 1.INTRODUÇÃO VIABILIDADE ECONÔMICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO SOJA- MILHO SAFRINHA Alceu Richetti 1 1.INTRODUÇÃO No cenário nacional, o Estado de Mato Grosso do Sul é o terceiro maior produtor de milho safrinha e o quinto

Leia mais

ANÁLISE DO MERCADO DE MILHO. Análise para 2016 e Perspectivas para 2017

ANÁLISE DO MERCADO DE MILHO. Análise para 2016 e Perspectivas para 2017 ANÁLISE DO MERCADO DE MILHO Análise para 2016 e Perspectivas para 2017 MUNDO SISTEMA FARSUL ANÁLISE DO MERCADO DE MILHO MUNDO LONGO PRAZO SISTEMA FARSUL Consumo e Projeção do Consumo Mundial de Milho em

Leia mais

AVALIAÇÃO TÉCNICA E ECONÔMICA DA CULTURA DA CANOLA EM DUAS UNIDADES DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA NA REGIÃO NOROESTE DO RIO GRANDE DO SUL 1

AVALIAÇÃO TÉCNICA E ECONÔMICA DA CULTURA DA CANOLA EM DUAS UNIDADES DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA NA REGIÃO NOROESTE DO RIO GRANDE DO SUL 1 AVALIAÇÃO TÉCNICA E ECONÔMICA DA CULTURA DA CANOLA EM DUAS UNIDADES DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA NA REGIÃO NOROESTE DO RIO GRANDE DO SUL 1 Lúcia Rossato Cembranel 2, Cleusa Adriane Menegassi Bianchi Krüger 3,

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE UMA LAVOURA IRRIGADA E DE SEQUEIRO NO RS

COMPARATIVO ENTRE UMA LAVOURA IRRIGADA E DE SEQUEIRO NO RS COMPARATIVO ENTRE UMA LAVOURA IRRIGADA E DE SEQUEIRO NO RS LEVANTAMENTO REALIZADO POR FARSUL/CEPEA 19/05/2014 PROPRIEDADE TÍPICA: MUINCÍPIO DE CRUZ ALTA Característica da Propriedade: 44 ha Reserva Legal

Leia mais

Desafios e Perspectivas da Agricultura Irrigada. Eng. Agro. Marcos Brandão Braga

Desafios e Perspectivas da Agricultura Irrigada. Eng. Agro. Marcos Brandão Braga Desafios e Perspectivas da Agricultura Irrigada Eng. Agro. Marcos Brandão Braga Fundamentos sólidos para o aumento do consumo de alimentos Crescimento populacional, urbanização e participação dos países

Leia mais

Cultivo do Feijão Irrigado na Região Noroeste de Minas Gerais

Cultivo do Feijão Irrigado na Região Noroeste de Minas Gerais Página 1 de 6 Embrapa Arroz e Feijão Sistemas de Produção, No.5 ISSN 1679-8869 Versão eletrônica Dezembro/2005 Cultivo do Feijão Irrigado na Região Noroeste de Minas Gerais Introdução e Importância Econômica

Leia mais

14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA

14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA 14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA CULTURA DA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar a eficácia dos herbicidas Boral, Classic, e Spider visando o manejo do complexo

Leia mais

Continente asiático maior produtor (80%) Arroz sequeiro perdendo área para milho e soja

Continente asiático maior produtor (80%) Arroz sequeiro perdendo área para milho e soja Alimento de importância mundial Continente asiático maior produtor (80%) Brasil 9º país produtor RS - 70% da produção nacional Arroz sequeiro perdendo área para milho e soja CONAB Nitrogênio é bastante

Leia mais

1. Aspectos gerais da cultura

1. Aspectos gerais da cultura CULTURA DO ARROZ 1. Aspectos gerais da cultura Centro de Origem -Asiático -Africano Gênero Oryza 25 espécies dispersas Espécies Sul Americanas Ásia África América do Sul e Central Espécies utilizadas Histórico

Leia mais

6.3 CALAGEM E ADUBAÇÃO

6.3 CALAGEM E ADUBAÇÃO 6.3 CALAGEM E ADUBAÇÃO 6.3.1 - CALAGEM Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina A quantidade de corretivo de acidez a ser usada varia conforme o Índice SMP determinado na análise do solo e a dose

Leia mais

TÉCNICO EM AGRONEGÓCIO AGRICULTURA I IFSC CÂMPUS LAGES CULTURA DO FEIJÃO

TÉCNICO EM AGRONEGÓCIO AGRICULTURA I IFSC CÂMPUS LAGES CULTURA DO FEIJÃO TÉCNICO EM AGRONEGÓCIO AGRICULTURA I IFSC CÂMPUS LAGES CULTURA DO FEIJÃO 1. IMPORTÂNCIA ECONÔMICA No mercado mundial de feijão circulam, anualmente, cerca de 24 milhões de toneladas da leguminosa. O

Leia mais

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA 18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE MACRONUTRIENTES EM PÓS- EMERGÊNCIA DA CULTURA O objetivo neste trabalho foi avaliar a aplicação de macronutrientes de diversas fontes e épocas de aplicação

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM CASCAVEL-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM CASCAVEL-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM CASCAVEL-PR Foi realizado no dia 11 de julho de 2012 em Cascavel (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15 1 10 EFEITO DE DOSES E FONTES DE ENXOFRE NA CULTURA DA SOJA Objetivo Avaliar o efeito de diferentes doses e fontes de enxofre na cultura da soja em Lucas do Rio Verde-MT na Safra 2014/15. BOLETIM TÉCNICO

Leia mais

PP = 788,5 mm. Aplicação em R3 Aplicação em R5.1. Aplicação em Vn

PP = 788,5 mm. Aplicação em R3 Aplicação em R5.1. Aplicação em Vn Fabiano Andrei Bender da Cruz. Pesquisador/Consultor Fundação Bahia, Eng o. Agr o. Dr. CREA 40620232/MG. Aline Fabris. Estagiária, Acadêmica do Curso de Agronomia, convênio FAAHF/Fundação Bahia. Edimilson

Leia mais

BIOLCHIM EM CAFÉ. Bruno Martins Pereira Hudson G. Cavalcante

BIOLCHIM EM CAFÉ. Bruno Martins Pereira Hudson G. Cavalcante BIOLCHIM EM CAFÉ Bruno Martins Pereira Hudson G. Cavalcante Produtor: Evander Santos Correia Juliano de Oliveira Correia Responsável Técnico: Reinaldo Ferreira Neves Supervisor Agrícola: Sandro Bandeira

Leia mais

PANORAMA DA CAFEICULTURA ARABICA NO BRASIL

PANORAMA DA CAFEICULTURA ARABICA NO BRASIL PANORAMA DA CAFEICULTURA ARABICA NO BRASIL Rodrigo Ticle Ferreira Projeto Educampo Café - Capal/Sebrae Campo Experimental de Café da Capal Triângulo/Alto Paranaíba ALTO PARANAÍBA-MG REGIÕES POLO ALTO PARANAÍBA-MG

Leia mais

Importância do uso de FÓSFORO e NITROGÊNIO em sulco de semeadura na cultura do milho safrinha Consultoria Pesquisa Agricultura de Precisão

Importância do uso de FÓSFORO e NITROGÊNIO em sulco de semeadura na cultura do milho safrinha Consultoria Pesquisa Agricultura de Precisão Importância do uso de FÓSFORO e NITROGÊNIO em sulco de semeadura na cultura do milho safrinha Consultor: Paulo Sérgio de Assunção Daniel Bennemann Frasson OBJETIVO O objetivo do presente foi verificar

Leia mais

Experiências práticas e inovadoras na gestão da água em microbacias. Eng Agr Me Paulo José Alba

Experiências práticas e inovadoras na gestão da água em microbacias. Eng Agr Me Paulo José Alba Experiências práticas e inovadoras na gestão da água em microbacias. Eng Agr Me Paulo José Alba COOPERATIVA AGRÁRIA / FAPA COOPERATIVA AGRÁRIA / FAPA Estado - Paraná Meso Região Centro - Sul Município

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ ARÁBICA NAS MONTANHAS. Engº Agrº MSc. Cesar Abel Krohling INCAPER Marechal Floriano-ES

CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ ARÁBICA NAS MONTANHAS. Engº Agrº MSc. Cesar Abel Krohling INCAPER Marechal Floriano-ES CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ ARÁBICA NAS MONTANHAS Engº Agrº MSc. Cesar Abel Krohling INCAPER Marechal Floriano-ES 1.Estrutura da cafeicultura do ES - ES: 2º lugar na produção de café do Brasil (25%); - Tem

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA ÁGUA MAGNETIZADA PARA A IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO DO CAFEEIRO CULTIVADO NO CERRADO DE MINAS GERAIS 3 SAFRAS

UTILIZAÇÃO DA ÁGUA MAGNETIZADA PARA A IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO DO CAFEEIRO CULTIVADO NO CERRADO DE MINAS GERAIS 3 SAFRAS UTILIZAÇÃO DA ÁGUA MAGNETIZADA PARA A IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO DO CAFEEIRO CULTIVADO NO CERRADO DE MINAS GERAIS 3 SAFRAS André Luís Teixeira Fernandes 1, Roberto Santinato 2, Reginaldo Oliveira Silva

Leia mais

O papel da AGRICULTURA FAMILIAR no

O papel da AGRICULTURA FAMILIAR no O papel da AGRICULTURA FAMILIAR no desenvolvimento do RS e do BRASIL Oportunidades de negócios para a Região Nordeste do Estado do Rio Grande do Sul Ministro Pepe Vargas Agricultura Familiar RS Receitas

Leia mais

Uma rápida visão da cadeia produtiva de hortaliças no Brasil

Uma rápida visão da cadeia produtiva de hortaliças no Brasil II CONFERÊNCIA NACIONAL DEFESA AGROPECUARIA. Uma rápida visão da cadeia produtiva de hortaliças no Brasil Maio 28,2010 ESALQ 1973 CONSULTORIA PROJETO ESPECIAL QUEM É A ABCSEM? - ABCSEM ABCSEM - Defesa

Leia mais

WORKSHOP DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DE PESQUISAS SAFRA 2014/2015 MANEJO NUTRICIONAL E FISIOLÓGICO NA CULTURA DO ALGODÃO

WORKSHOP DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DE PESQUISAS SAFRA 2014/2015 MANEJO NUTRICIONAL E FISIOLÓGICO NA CULTURA DO ALGODÃO FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS MANEJO NUTRICIONAL E FISIOLÓGICO NA CULTURA DO ALGODÃO Dr. Fabiano A. Bender da Cruz Eng. Agro. Consultor/Pesquisador FBA Edimilson Marques Lima Ass. Pesquisa,

Leia mais

CURSO DE AGRONOMIA FERTILIDADE DO SOLO

CURSO DE AGRONOMIA FERTILIDADE DO SOLO CURSO DE AGRONOMIA FERTILIDADE DO SOLO Prof. Leandro Souza da Silva Prof. Carlos Alberto Ceretta Prof. Danilo R. dos Santos Aula 1 Bases conceituais à fertilidade do solo Fertilidade do solo Solo -Sistema

Leia mais

CAFEICULTURA DE PRECISÃO POR AGRICULTURA DE PRECISÃO. R. Santinato MAPA Procafé Campinas - S.P.

CAFEICULTURA DE PRECISÃO POR AGRICULTURA DE PRECISÃO. R. Santinato MAPA Procafé Campinas - S.P. CAFEICULTURA DE PRECISÃO POR AGRICULTURA DE PRECISÃO R. Santinato MAPA Procafé Campinas - S.P. PARTE I AGRICULTURA DE PRECISÃO O inicio => 1.920 (Aplicação / Acre) Conceitos Fundamentais Estação Experimental

Leia mais

DIAGNOSE FOLIAR EM MILHO E SORGO

DIAGNOSE FOLIAR EM MILHO E SORGO I Simpósio Paulista Sobre Nutrição de Plantas Jaboticabal - SP, 15 a 17 de Abril de 2008 DIAGNOSE FOLIAR EM MILHO E SORGO ANTÔNIO MARCOS COELHO ESTRATÉGIAS DE MANEJO PARA ALTA PRODUTIVIDADE João Lorenti

Leia mais

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA 08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA COM TECNOLOGIA INTACTA RR2 PRO EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja disponíveis comercialmente

Leia mais

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE MILHO SAFRINHA, TRANSGÊNICO E CONVENCIONAL NO MUNICÍPIO DE COLINA, ESTADO DE SÃO PAULO, SAFRA 2013

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE MILHO SAFRINHA, TRANSGÊNICO E CONVENCIONAL NO MUNICÍPIO DE COLINA, ESTADO DE SÃO PAULO, SAFRA 2013 AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE MILHO SAFRINHA, TRANSGÊNICO E CONVENCIONAL NO MUNICÍPIO DE COLINA, ESTADO DE SÃO PAULO, SAFRA 2013 Fernando Bergantini Miguel 1, Marcelo Ticelli 2, Ivana Marino Bárbaro 2, Francisco

Leia mais

Concimi Speciali TOMATE. Uso dos Produtos Biolchim em Tomaticultura Jorge Lucas Nunes de Mendonça; Bruno Gherardi

Concimi Speciali TOMATE. Uso dos Produtos Biolchim em Tomaticultura Jorge Lucas Nunes de Mendonça; Bruno Gherardi Concimi Speciali TOMATE Uso dos Produtos em Tomaticultura Jorge Lucas Nunes de Mendonça; Bruno Gherardi 179 Uso dos Produtos em Tomaticultura Jorge Lucas Nunes de Mendonça; Bruno Gherardi 1. Introdução

Leia mais

NOTA TÉCNICA N 01/2012

NOTA TÉCNICA N 01/2012 NOTA TÉCNICA N 01/2012 SAFRA 2011/2012 3º LEVANTAMENTO DO CONSELHO TÉCNICO DA AIBA Barreiras (BA), 25 de Abril de 2012 Entidades Participantes: AIBA, ABAPA, ABACAFÉ, AEAB, Banco do Brasil, Banco HSBC,

Leia mais

Nexo água-alimentoenergia: produzir com sustentabilidade. Brasília, 27 de julho de 2016

Nexo água-alimentoenergia: produzir com sustentabilidade. Brasília, 27 de julho de 2016 Nexo água-alimentoenergia: o desafio de produzir com sustentabilidade Brasília, 27 de julho de 2016 Desafios para produção de alimentos Multifuncionalidade A Agricultura será, cada vez mais, pressionada

Leia mais

Tabela 1. Dados comparativos da safra anterior em relação à atual.

Tabela 1. Dados comparativos da safra anterior em relação à atual. 11º Levantamento da Safra Baiana de Grãos De acordo com o décimo primeiro levantamento (realizado entre os dias 24 a 28 de julho de 2017), estima-se que nessa safra sejam colhidas 8.032,3 mil toneladas

Leia mais

Custos de Produção de Soja e Milho Safrinha em Iguatemi, MS, para a Safra 2016/2017

Custos de Produção de Soja e Milho Safrinha em Iguatemi, MS, para a Safra 2016/2017 220 ISSN 16790472 Janeiro, 2017 Dourados, MS Foto: Júlio Cesar Salton Custos de Produção de Soja e Milho Safrinha em Iguatemi, MS, para a Safra 2016/2017 1 Alceu Richetti Luiz Eliezer Alves da Gama Ferreira

Leia mais

Estimativas de custo de produção de trigo e de aveia - safra 2006

Estimativas de custo de produção de trigo e de aveia - safra 2006 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 186 Foto: Paulo Kurtz ISSN 1517-4964 Dezembro, 2006 Passo Fundo, RS Estimativas de custo de produção de trigo e de aveia - safra 2006 Cláudia De Mori

Leia mais

11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO

11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO 11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO ESTÁDIO R3 DA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar o efeito da aplicação de diferentes fontes de potássio aplicados no estádio

Leia mais

FISIOLOGIA, SECA, NUTRIÇÃO E MANEJO. Ciro A. Rosolem FCA/UNESP

FISIOLOGIA, SECA, NUTRIÇÃO E MANEJO. Ciro A. Rosolem FCA/UNESP FISIOLOGIA, SECA, NUTRIÇÃO E MANEJO Ciro A. Rosolem FCA/UNESP Perda estimada de produtividade de soja por seca Perda, kg/ha Centelhas et al., 2015 16 12 o que temos o que queremos SOJA 2011 2012 > 60 sc/ha

Leia mais

WWW.LAVOURA-PECUARIA.COM.BR SUSTAGRO INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA NO ARENITO DO PARANÁ - PLATAFORMA, EXPERIÊNCIAS, ADOÇÃO PELOS PRODUTORES E DESAFIOS. Sérgio José Alves Renato Watanabe Pastagens degradadas

Leia mais

MILHO PARA SILAGEM E SEU EFEITO SOBRE O MANEJO DO SOLO. Dr. Rodrigo Pizzani

MILHO PARA SILAGEM E SEU EFEITO SOBRE O MANEJO DO SOLO. Dr. Rodrigo Pizzani MILHO PARA SILAGEM E SEU EFEITO SOBRE O MANEJO DO SOLO Dr. Rodrigo Pizzani Cenário atual: desafios para agricultura Alimentar 9 bilhões de pessoas em 2050 Contornar problemas: Fatores-chaves para atingir

Leia mais

Nutrição de Plantas: Técnicas para aumento da produtividade da Soja. Eng. Agr. Dr. Douglas Gitti Pesquisador de Manejo e Fertilidade do Solo

Nutrição de Plantas: Técnicas para aumento da produtividade da Soja. Eng. Agr. Dr. Douglas Gitti Pesquisador de Manejo e Fertilidade do Solo Nutrição de Plantas: Técnicas para aumento da produtividade da Soja Eng. Agr. Dr. Douglas Gitti Pesquisador de Manejo e Fertilidade do Solo Roteiro 1- Ativos Biológicos na Soja: Azospirillum 2- Sais e

Leia mais

.:.J. Estimativa de custos de produção de milho safrinha, em plantio direto na palha, para a região do cerrado de Rondônia, safra 1998

.:.J. Estimativa de custos de produção de milho safrinha, em plantio direto na palha, para a região do cerrado de Rondônia, safra 1998 7045,.:.J Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuiria Centro de Pesquisa Agroflorestal de Rond6nia Ministério da Agricultura e do Abastecimento NQ150, nov./98, p.1-4 Estimativa de custos de produção de

Leia mais

Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo.

Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo. Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo. Eng. Agr. Dr. Douglas de Castilho Gitti Pesquisador Manejo e Fertilidade do Solo (67) 9681-7293 douglas@fundacaoms.org.br Roteiro da Palestra 1. Ambientes

Leia mais

HISTÓRICO E PERSPECTIVAS DA ÁREA, CUSTO E MERCADO DO MILHO SAFRINHA

HISTÓRICO E PERSPECTIVAS DA ÁREA, CUSTO E MERCADO DO MILHO SAFRINHA Reunião Técnica Sobre a Cultura de Milho Safrinha no Estado de São Paulo HISTÓRICO E PERSPECTIVAS DA ÁREA, CUSTO E MERCADO DO MILHO SAFRINHA Alfredo Tsunechiro Instituto de Economia Agrícola Assis (SP),

Leia mais

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA 13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA FOLIAR APLICADOS NA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi testar e avaliar o programa de nutrição foliar recomendado pela empresa Helena

Leia mais

MELHORES PRATICAS DE MANEJO DO ALGODÃO NO BRASIL

MELHORES PRATICAS DE MANEJO DO ALGODÃO NO BRASIL MELHORES PRATICAS DE MANEJO DO ALGODÃO NO BRASIL Eleusio Curvelo Freire - Cotton Consultoria Wat sap 83-981555398 POR QUE USAR MELHORES PRATICAS DE MANEJO NO BRASIL? ASPECTOS TECNICOS Reduzir disparidades

Leia mais

CUSTOS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA

CUSTOS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA CUSTOS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA Os dados e análises deste relatório são de autoria de pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, e fazem parte do projeto Ativos

Leia mais

Curso Técnico em Agronegócio. Análise econômica da propriedade rural

Curso Técnico em Agronegócio. Análise econômica da propriedade rural Curso Técnico em Agronegócio Análise econômica da propriedade rural Introdução Neste material, você terá acesso às informações complementares referentes à Unidade Curricular Administração Rural. Os principais

Leia mais

Manejo da adubação para produção de grãos em solos de fertilidade construída. Álvaro V. Resende

Manejo da adubação para produção de grãos em solos de fertilidade construída. Álvaro V. Resende Manejo da adubação para produção de grãos em solos de fertilidade construída Álvaro V. Resende Roteiro Solo de fertilidade construída: base para produção intensiva Construção de um ambiente de alto potencial

Leia mais

BOLETIM DO MILHO Nº 13

BOLETIM DO MILHO Nº 13 BOLETIM DO MILHO Nº 13 COMERCIALIZAÇÃO O acompanhamento semanal de safras do DERAL indica que foram comercializadas, no Paraná, até o momento, 10,4 milhões de toneladas de milho, o que representa 73% da

Leia mais

A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo;

A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo; A agricultura A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo; Paisagem agrária: É a forma de cultivo e a divisão dos campos; É condicionada por

Leia mais

SOBRE COMERCIALIZAÇÃO DE ARROZ

SOBRE COMERCIALIZAÇÃO DE ARROZ CICLO DE PALESTRAS E DEBATES SOBRE COMERCIALIZAÇÃO DE ARROZ E TRIGO NO BRASIL Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado Federal Flávio Turra Gerente Técnico e Econômico da Ocepar fturra@ocepar.org.br

Leia mais

Produtividade: Interação entre Adubação Fosfatada de Pastagens e Suplementação Mineral

Produtividade: Interação entre Adubação Fosfatada de Pastagens e Suplementação Mineral 0 Produtividade: Interação entre Adubação Fosfatada de Pastagens e Suplementação Mineral Paulo Rodrigo Santos de Souza Zootecnista, Msc. Produção Animal 1 Pecuária Brasileira no Mundo Brasil é o maior

Leia mais

BPUFs na Cultura da Soja. Adilson de Oliveira Junior Embrapa Soja

BPUFs na Cultura da Soja. Adilson de Oliveira Junior Embrapa Soja BPUFs na Cultura da Soja Adilson de Oliveira Junior Embrapa Soja Soja / Fertilidade do Solo e NMP Correção da Acidez do Solo Adubação (N, P, K, Micro) Balanço da Adubação Considerações Finais Altas Produtividades

Leia mais

Avaliação do consórcio de pinhão-manso com culturas alimentares, oleaginosas e produtoras de fibra no Norte de Minas Gerais

Avaliação do consórcio de pinhão-manso com culturas alimentares, oleaginosas e produtoras de fibra no Norte de Minas Gerais Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 7., 2010, Belo Horizonte Avaliação do consórcio de pinhão-manso com culturas alimentares, oleaginosas e produtoras de fibra no Norte de Minas Gerais Alexandre

Leia mais

1) (FGV-SP) Analise o mapa.

1) (FGV-SP) Analise o mapa. Aula ao vivo de geografia 19/03/2014 Revolução Verde e a questão agrária no Brasil 1) (FGV-SP) Analise o mapa. O produto destacado no mapa é: a) a cana-de-açúcar. b) o algodão. c) o café. d) o feijão.

Leia mais

Produtores rurais discutem o custo de produção do eucalipto na região de Eunápolis-BA

Produtores rurais discutem o custo de produção do eucalipto na região de Eunápolis-BA Produtores rurais discutem o custo de produção do eucalipto na região de Eunápolis-BA Produtores de Eunápolis e região se reuniram no dia 08/04, para realizar o levantamento de custos de produção do eucalipto

Leia mais

Manejo sustentável da fertilidade do solo em bananeira. Luiz A. J. Teixeira Centro de Solos/Instituto Agronômico

Manejo sustentável da fertilidade do solo em bananeira. Luiz A. J. Teixeira Centro de Solos/Instituto Agronômico 1 Manejo sustentável da fertilidade do solo em bananeira Luiz A. J. Teixeira Centro de Solos/Instituto Agronômico teixeira@iac.sp.gov.br Tópicos 4 Saúde do solo Sustentabilidade Manejo do solo... Fertilidade

Leia mais

Viabilidade da Irrigação de Salvamento nas Culturas de Verão. Goiânia, 20 a 22 de setembro de 2016

Viabilidade da Irrigação de Salvamento nas Culturas de Verão. Goiânia, 20 a 22 de setembro de 2016 Viabilidade da Irrigação de Salvamento nas Culturas de Verão Goiânia, 20 a 22 de setembro de 2016 Tópicos da palestra Desafios da agricultura e produçao de alimento Irrigaçao e seus desafios Regiões críticas

Leia mais

Questões. Geografia Cláudio Hansen 26/11/2014. #VaiTerEspecífica

Questões. Geografia Cláudio Hansen 26/11/2014. #VaiTerEspecífica Questões 1. Na atualidade, o petróleo é um recurso natural de grande importância para o crescimento econômico, representando uma das principais fontes de riqueza e investimento para os países do mundo.

Leia mais

Novas Tendências da Pecuária Brasileira

Novas Tendências da Pecuária Brasileira VII Seminário ABMR&A da Cadeia Produtiva da Carne Bovina FEICORTE Novas Tendências da Pecuária Brasileira Segmentação Geográfica Cana x Pastagens JOSÉ VICENTE FERRAZ São Paulo, 22 de Junho 2007 DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Fundamentos da Agricultura de Precisão

Fundamentos da Agricultura de Precisão Fundamentos da Agricultura de Precisão O que é Agricultura de Precisão (AP)? Consideração da variabilidade espacial e temporal dos atributos relativos à cultura (solo, sanidade, ataque de pragas, produtividade,

Leia mais

Viabilidade Econômica da Cultura da Soja na Safra 2016/2017, em Mato Grosso do Sul

Viabilidade Econômica da Cultura da Soja na Safra 2016/2017, em Mato Grosso do Sul 211 ISSN 1679-0472 Agosto, 2016 Dourados, MS Foto: Alceu Richetti Viabilidade Econômica da Cultura da Soja na Safra 2016/2017, em Mato Grosso do Sul 1 Alceu Richetti Introdução A determinação dos custos

Leia mais

LEVANTAMENTO DO USO DE TECNOLOGIAS EM LAVOURAS DE TRIGO TECNICAMENTE ASSISTIDAS NO PARANÁ. Claudia De Mori

LEVANTAMENTO DO USO DE TECNOLOGIAS EM LAVOURAS DE TRIGO TECNICAMENTE ASSISTIDAS NO PARANÁ. Claudia De Mori LEVANTAMENTO DO USO DE TECNOLOGIAS EM LAVOURAS DE TRIGO TECNICAMENTE ASSISTIDAS NO PARANÁ Claudia De Mori HISTÓRICO com a colaboração de profissionais de cooperativas e de empresas de assistência técnica,

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA- Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini. UNESP Campus Experimental de Dracena 8200

INTEGRAÇÃO LAVOURA- Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini. UNESP Campus Experimental de Dracena 8200 INTEGRAÇÃO LAVOURA- PECUÁRIA Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini UNESP Campus Experimental de Dracena (18) 3821-8200 8200 lupatini@dracena.unesp.br 1 INTRODUÇÃO Monocultivo de culturas e pastagens; Problemas

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM CASCAVEL/PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM CASCAVEL/PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM CASCAVEL/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

EFEITO DE FONTES E DOSE DE NITROGÊNIO APLICADOS NO MILHO SAFRINHA NA PRODUTIVIDADE DO MILHO SAFRINHA E NA SOJA SUBSEQUENTE 1

EFEITO DE FONTES E DOSE DE NITROGÊNIO APLICADOS NO MILHO SAFRINHA NA PRODUTIVIDADE DO MILHO SAFRINHA E NA SOJA SUBSEQUENTE 1 PARA PESQUISA E DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS AGROPECUÁRIAS ESTRADA DA USINA VELHA KM 2 - CAIXA POSTAL 105 TEL/FAX(067)454-2631 MARACAJU/MS - CEP 79150-000 http://www.sidronet.com.br/fundacaoms E-mail: fundacao@sidronet.com.br

Leia mais

PRODUÇÃO DE MILHO SAFRINHA IRRIGADO, NO MUNICÍPIO DE PEREIRA BARRETO SP: CUSTOS E LUCRATIVIDADE

PRODUÇÃO DE MILHO SAFRINHA IRRIGADO, NO MUNICÍPIO DE PEREIRA BARRETO SP: CUSTOS E LUCRATIVIDADE PRODUÇÃO DE MILHO SAFRINHA IRRIGADO, NO MUNICÍPIO DE PEREIRA BARRETO SP: CUSTOS E LUCRATIVIDADE Rosalina Maria Alves Rapassi (1), Rodrigo Anselmo Tarsitano (2), Ércio Roberto Proença (3) Introdução O milho

Leia mais

Rendimento de arroz RS Fonte:Irga % % % %

Rendimento de arroz RS Fonte:Irga % % % % 1, 1, 1,,,,,, 9 93 9 9 9 97 9 99 1 3 7 3,,, 1, 1,,, Produtividade t/ha Produtividade t/ha Adubação do arroz irrigado como fator de produtividade X ENTEC Eng o. Agr o. Rodrigo Schoenfeld kg/ha 9 3 +7 3%

Leia mais

Mandioca Visão industrial da cadeia de valor

Mandioca Visão industrial da cadeia de valor Mandioca Visão industrial da cadeia de valor 01.10.2012 Conteúdo PARTE I Visão da indústria, do mercado e dos principais desafios para a cultura da mandioca no Brasil PARTE II Estágio do aluno Gabriel

Leia mais

Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial. Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio

Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial. Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio São Paulo, 22 de Setembro de 2015 Parece que estamos decolando ECONOMIA A BRASILEIR Agronegócio - Balança Comercial

Leia mais

B CUSTEIO FIXO IV DEPRECIAÇÕES E EXAUSTÃO V OUTROS CUSTOS FIXOS C CUSTO OPERACIONAL (A + B) VI RENDA DE FATORES D CUSTO TOTAL (C + VI)

B CUSTEIO FIXO IV DEPRECIAÇÕES E EXAUSTÃO V OUTROS CUSTOS FIXOS C CUSTO OPERACIONAL (A + B) VI RENDA DE FATORES D CUSTO TOTAL (C + VI) DEPRECIAÇÃO Método CONAB (padrão) de cálculo do CUSTO FIXO B CUSTEIO FIXO IV DEPRECIAÇÕES E EXAUSTÃO 1 Depreciação de benfeitorias e instalações 2 Depreciaçõesde máquinas 3 Depreciação de implementos 4

Leia mais

Simpósio: Apoio ao uso Balanceado de Potássio na Agricultura Brasileira

Simpósio: Apoio ao uso Balanceado de Potássio na Agricultura Brasileira Simpósio: Apoio ao uso Balanceado de Potássio na Agricultura Brasileira Como criar novos patamares de produtividade na cultura da soja. O que é necessário ser feito para aumentar a produtividade média

Leia mais