Parecer sobre Estudo de Avaliação de Impacto Ambiental, Social e de Saúde no Bloco 6, São Tomé e Príncipe

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Parecer sobre Estudo de Avaliação de Impacto Ambiental, Social e de Saúde no Bloco 6, São Tomé e Príncipe"

Transcrição

1 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Gabinete da Presidência do governo Regional Direção Regional do Ambiente e Conservação da Natureza Unidade Disciplina Trabalho Parecer sobre Estudo de Avaliação de Impacto Ambiental, Social e de Saúde no Bloco 6, São Tomé e Príncipe Preparado para: Galp e executada pela Empresa Environmental Resources Management Limited (ERM). O mesmo estudo é também aplicável aos blocos 11 e 12 Preliminares No âmbito das obrigações contratuais, as empresas operadoras dos blocos petrolíferos offshore da ZEE de STP, devem levar a cabo Estudos de Avaliação de Impacto Ambiental, Social e de Saúde sobre as áreas pertencentes aos respectivos blocos offshore e zonas circundantes, incluindo zonas costeiras. Os estudos devem incluir aspectos ambientais, sociais e de saúde de todas as espécies vivas e de objectos considerados importantes no perímetro de influência das respectivas actividades petrolíferas, incluindo, mas não se limitando somente a: Saúde e segurança de pessoas e das suas actividades; Actividades humanas, nomeadamente, actividades económicas, actividades sociais, recreativas e outras; Fauna e flora marítima; Aves e outras espécies vivas; Qualidade do ar, da água e de outras substâncias passíveis de serem modificadas pelas actividades petrolíferas. Neste sentido, o relatório preliminar em análise apresenta os resultados do Estudo de Impacto Ambiental, Social e de Saúde (ESHIA) realizado para o trabalho de levantamento sísmico marinho tridimensional (3D) proposto pela GALP para o Bloco 6 em São Tomé e Príncipe. A área de Estudo compreende os 4365 km2 do bloco 6 da ZEE, cuja profundidade da água do mar se situa entre 2000 e 3000 metros. O mesmo estudo é extensível para os bolcos 11 e 12 localizados na vizinhança do bloco 6, como pode ser constatado no mapa1 da figura 1 do anexo. De cordo com as informações apresentadas no relatório, o espaço em estudo (bloco 6), dista em 100 km do Nordeste da ilha de São Tomé, e 63 km da costa Sudeste da ilha do Príncipe, portanto, esta mais próximo da ilha do Príncipe do que de São Tomé Apresentação e Sinopse O estudo levado ao cabo pela empresa ERM começa por apresentar todas as construções legais do Estado Santomense sobre a proteção e cuidados ambientais, saúde e segurança no trabalho, e legislações afins. O relatório faz também uma abordagem sobre o processo de levantamento sísmico, para logo apresentar as informações de referências sobre o clima, 1

2 condições oceanográficas, ecologia marinha, pescas e outros aspectos da vida marítima e costeira. A avaliação como tal dos impactos desenvolvidos pelo estudo considera aspectos como: Operação e as actividades de navio de pesquisa sísmica Operação dos Chase Boats (barco de vigilância e de segurança) e dos navios de apoio/abastecimento Outros eventos pontuais ou acidente não planeados O relatório preliminar reproduz na tabela 0.3 e na 5.2, os resumos das potenciais fontes/origens de impactos, bem como as potenciais áreas ou elementos que se veriam afectados respectivamente. A tabela 0.4 do mesmo relatório apresenta o resumo com a classificação do grau ou nível dos impactos resultantes dos estudados e as avaliações de potenciais impactos identificados e retidos. As medidas de mitigação para cada elemento apresentado como possíveis perturbadores do Ambiente, Saúde e Segurança, são apresentados ao longo do capítulo 5 do relatório e recolhidos numa tabela resumo, a tabela 5.7, (resumo dos impactos potenciais), que recolhe também os aspectos das outras tabelas anteriores. Por fim, é apresentado um Plano de Gestão Ambiental e Social (PGAS) que serve definitivamente como o instrumento de trabalho e um guia orientador para os principais player do projecto de aquisição sísmica e de outras possíveis actividades petrolíferas subsequentes desde que sejam feitas as devidas correcções e actualizações. O Plano de Gestão oferece igualmente aos operadores e executantes das operações petrolíferas, ferramentas para que as medidas de mitigação identificadas, possam ser incorporadas no projecto e implementadas ao longo do mesmo. Importante realçar, um dos objectivos do PGAS enquanto instrumento de monitorização do desempenho ambiental e social do prestador de serviços, com poderes para definir e acionar novas medidas de mitigação quando necessária. Por fim, a tabela 6.1 do documento em análise, apresenta o resumo de medidas de mitigação e de monitorização que devem ser implementadas como parte do PGAS. Considerações e Recomendações 1. A proximidade da zona de intervenção do trabalho sísmico deve ser revista. O relatório faz referência a uma distância de 63 km desde a costa Sudeste da ilha do Príncipe sem fazer referências alguma a distância entre a zona de influência do projecto e a plataforma insular da ilha do Príncipe. Aliás, toda a análise é feita sem considerar a plataforma insular. Faz-se referências à plataforma continental, mais precisamente no capítulo de Descrição da Situação de Referência, sem mencionar a plataforma insular. Como ficou visto no próprio relatório, a plataforma continental não tem influências quase nenhuma sobre a ZEE de STP. Este estudo deveria incluir uma análise detalhada sobre as plataformas insulares das duas ilhas e em particular, a plataforma da ilha do Príncipe que é muito mais extensa do que a da ilha de São Tomé e muito rica em recursos pesqueiros. A observação do mapa sobre a batimetria do offshore da figura 4.5, e os mapas das figuras 4.10 e 4.11, dão uma ideia da extensão das plataformas insulares. 2

3 2. A referência sobre a significância do impacto em relação ao receptor Pesca Artesanal e Comercial como Negligenciável parece ser duvidoso, ou mesmo, pouco correcto. As justificações dadas ao longo do relatório parecem contraditórias, pois, este trabalho sísmico consistirá numa operação que deverá decorrer num período de mais de menos 6 meses (188 dias) em operações de tipo ininterruptas 24/24 horas durante os sete dias de semana e que cobrirá uma vasta área ao longo de, practicamente, de toda a costa Este das ilhas de São Tomé e de Príncipe, como pode ser observado no mapa da figura 4.5, (ou na figura 1 em anexo). O Capítulo dedicado a Descrição do Projecto é omisso em relação a totalidade real da área de trabalho a ser coberta. Os 4365 km2 referenciados, correspondem ao bloco 6 da ZEE. O relatório não faz menção a totalidade nem a dimensão de áreas de intervenção dos 3 blocos, ou seja, bloco 6, bloco 11 e bloco 12. Levantamento sísmico offshore 3D, é uma operação que pela sua natureza, ocupa uma área marítima muito grande durante a sua execução, incluindo o barco sísmico, os barcos de apoios e os cabos sísmicos rebocados ao barco sísmico, que podem atingir os 12 km de cumprimentos a partir do barco sísmico para o mar aberto, e largura dos mesmos pode atingir entre 1 e 2 km, em dependência do número de cabos e do espaçamento entre os mesmos. Portanto, trata-se de se movimentar um enormíssimo conjunto de equipamentos num constante movimento de vai e vem, durante muito tempo. Uma operação desta natureza não deveria ser considerada como sendo Negligenciável para as actividades de pesca, ou mesmo, para outras actividades que têm o mar como seu palco de acção. A figura 2 no anexo, mostra um protótipo de operação sísmica em execução. 3. Este trabalho de Avaliação de Impactos não menciona nem inclui nada sobre um dos grandes problemas que afectam as actividades da pesca artesanal e comercial em STP. Trata-se do desaparecimento muito frequente de pescadores e das suas embarcações nos mares de STP. Considerando o histórico destes tristes incidentes, dever-se-ia analisar as implicações para a vida e a segurança dos pescadores, relativamente aos riscos inerentes a estas situações, inclusive para a segurança das próprias operações de levantamento sísmico. Medidas de contingência e de mitigação deveriam ser consideradas. Este é mais um elemento que deve pesar na reavaliação da significância do impacto em relação ao receptor Pesca Artesanal e Comercial. 4. A ilha do Príncipe tem definido o turismo ecológico como a principal matriz da sua economia. Nesta prespectiva, tanto a pouca referência feita a este sector enquanto receptor de possíveis impactos, bom como a classificação de significância feita, ilustram pouca a importância que o estudo atribui ao turismo. Os incidentes e acidentes numa operação desta natureza acontecem, como reconhece o estudo, mas o relatório parece desvalorizar por completo os possíveis impactos por considerar os mesmos muito distante dos receptores. 5. Existem dúvidas em relação a descarga de água de lastro para além das 200 milhas. Os redactores deste trabalho devem saber que ZEE de STP não tem 200 milhas disponíveis para tais descargas. A ZEE de STP esta limitada a menos de 200 milhas de norte a sul por zonas exclusivas de outros países vizinhos. Pensamos que mais explicações devem ser dadas em relação a este pormenor que aparece na Tabela 5.5 de Estimativa de descargas de líquidas/sólidas e também na tabela Tendo em conta que a Ilha do Príncipe é actualmente Reserva Mundial da Biosfera da UNESCO, deve-se avaliar pormenorizadamente os custos e benefícios dessas actividades para as comunidades locais durante ou mesmo após os estudos. 3

4 Cidade de Santo António, 05 de junho de 2016 Comissão: Equipa técnica da Direcção Regional do Ambiente e Conservação da Natureza e do Serviço de ENAPORT Participantes Instituição Contacto Plácida Lopes da Silva Lima Reserva Biosfera Príncipe da do Josias de brito Umbelina dos prazeres ENAPORT Ana Alice de Pina dos Prazeres Direcção Regional do Ambiente e Conservação da Natureza 4

5 Anexos Figura 1. Mapa 1 5

6 Figura2 6

RESUMO NÃO TÉCNICO. Submetido ao: Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural. Número do Relatório:

RESUMO NÃO TÉCNICO. Submetido ao: Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural. Número do Relatório: CGG SERVICES S.A. PROJECTO DE PESQUISA SÍSMICA 3D EM ALTO MAR, NAS PROVÍNCIAS DE SOFALA E ZAMBÉZIA ESTUDO DE PREVIABILIDADE AMBIENTAL, DEFINIÇÃO DE ÂMBITO E TERMOS DE REFERÊNCIA RESUMO NÃO TÉCNICO Submetido

Leia mais

É a superfície coberta por água o que corresponde a 70% da mesma; Encontrada em: - Oceanos; - Mares; - Águas continentais (rios, lagos e geleiras);

É a superfície coberta por água o que corresponde a 70% da mesma; Encontrada em: - Oceanos; - Mares; - Águas continentais (rios, lagos e geleiras); É a superfície coberta por água o que corresponde a 70% da mesma; Encontrada em: - Oceanos; - Mares; - Águas continentais (rios, lagos e geleiras); - 97,5% é água salgada - 2,5% apenas é água doce Distribuição:

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA TERRA, AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO RURAL DIRECÇÃO NACIONAL DO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA TERRA, AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO RURAL DIRECÇÃO NACIONAL DO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE ------ MINISTÉRIO DA TERRA, AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO RURAL DIRECÇÃO NACIONAL DO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A REALIZAÇÃO DO INVENTÁRIO

Leia mais

Tipos de pesca em Portugal

Tipos de pesca em Portugal Tipos de pesca em Portugal A pesca predominante em Portugal é a constituída por embarcações de pesca local. Podemos considerar que é constituída por: Embarcações de pesca local e costeira, que operam nas

Leia mais

A profundidade do oceano é de 3794 m (em média), mais de cinco vezes a altura média dos continentes.

A profundidade do oceano é de 3794 m (em média), mais de cinco vezes a altura média dos continentes. Hidrosfera Compreende todos os rios, lagos,lagoas e mares e todas as águas subterrâneas, bem como as águas marinhas e salobras, águas glaciais e lençóis de gelo, vapor de água, as quais correspondem a

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Recomendação Técnica n.º 5

Manual do Revisor Oficial de Contas. Recomendação Técnica n.º 5 Recomendação Técnica n.º 5 Revisão de Demonstrações Financeiras Intercalares Janeiro de 1988 Índice Julho de 1993 (1ª Revisão) Parágrafos Introdução 1-3 Justificação 4-5 Objectivos 6-8 Recomendações 9-17

Leia mais

Ilhas Dispersas tesouros no Canal de Moçambique

Ilhas Dispersas tesouros no Canal de Moçambique 1 Ilhas Dispersas tesouros no Canal de Moçambique versão PDF fascículo #1 Ilhas Dispersas tesouros no Canal de Moçambique José Lopes Dezembro 2014 bamboo inc. ISBN 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO 5 (fascículo #1)

Leia mais

Supporting Information I

Supporting Information I Journal of Integrated Coastal Zone Management / Revista de Gestão Costeira Integrada, 16(2):195-206 (2016) http://www.aprh.pt/rgci/pdf/rgci-610_correia.pdf DOI: 10.5894/rgci610 Correia & Pereira (2016)

Leia mais

MARLISCO. Marine Litter in Europe's Seas: Social Awareness and Co-responsibility. Conferência Nacional 14 Dezembro, Lisboa

MARLISCO. Marine Litter in Europe's Seas: Social Awareness and Co-responsibility.  Conferência Nacional 14 Dezembro, Lisboa MARLISCO Marine Litter in Europe's Seas: Social Awareness and Co-responsibility http://www.marlisco.eu/ Conferência Nacional 14 Dezembro, Lisboa OBJECTIVO PRINCIPAL Promover a sensibilização para as consequências

Leia mais

LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA OS RELATÓRIOS DE AVALIAÇÃO

LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA OS RELATÓRIOS DE AVALIAÇÃO LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA OS RELATÓRIOS DE AVALIAÇÃO 2014 FICHA TÉCNICA Título: Linhas de Orientação para os Relatórios de Avaliação Edição: Gabinete de Avaliação e Auditoria Camões, Instituto da Cooperação

Leia mais

Parques Naturais de Ilha dos Açores e a Actividade de

Parques Naturais de Ilha dos Açores e a Actividade de Parques Naturais de Ilha dos Açores e a Actividade de Mergulho II Bienal Turismo Subaquático Graciosa, Açores 2009 Direcção Regional do Ambiente Vanessa Santos Nesta apresentação Áreas Marinhas Protegidas

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO GABINETE DAS ZONAS ECONÓMICAS DE DESENVOLVIMENTO ACELERADO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO GABINETE DAS ZONAS ECONÓMICAS DE DESENVOLVIMENTO ACELERADO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO GABINETE DAS ZONAS ECONÓMICAS DE DESENVOLVIMENTO ACELERADO MODELO DE DESENVOLVIMENTO DA ZETI DE CRUSSE E JAMALI MAPUTO, DEZEMBRO DE

Leia mais

Tecnologias em acústica submarina

Tecnologias em acústica submarina Tecnologias em acústica submarina Cristiano Soares MarSensing Lda. Se parar o seu barco e colocar um longo tubo na água e a outra extremidade no seu ouvido, você ouvirá navios a uma grande distância de

Leia mais

FUNDAMENTOS DA CIÊNCIA PESQUEIRA

FUNDAMENTOS DA CIÊNCIA PESQUEIRA FUNDAMENTOS DA CIÊNCIA PESQUEIRA Aula 03 Conceitos da oceanografia aplicada na pescaria Alguns conceitos importantes envolvendo estoques pesqueiros A pesca no Mundo (contexto atual) João Vicente Mendes

Leia mais

REGULAMENTOS. L 51/2 Jornal Oficial da União Europeia

REGULAMENTOS. L 51/2 Jornal Oficial da União Europeia L 51/2 Jornal Oficial da União Europeia 25.2.2011 REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 176/2011 DA COMISSÃO de 24 de Fevereiro de 2011 relativo às informações a fornecer antes da criação e da modificação

Leia mais

PRINCÍPIOS GERAIS PARA A RECOLHA DE DADOS NOS TERMOS DO QUADRO RELATIVO À RECIRCULAÇÃO DE NOTAS

PRINCÍPIOS GERAIS PARA A RECOLHA DE DADOS NOS TERMOS DO QUADRO RELATIVO À RECIRCULAÇÃO DE NOTAS RECOLHA DE DADOS JUNTO DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO E DE OUTROS PROFISSIONAIS QUE OPERAM COM NUMERÁRIO NOS TERMOS DO QUADRO RELATIVO À RECIRCULAÇÃO DE NOTAS PRINCÍPIOS GERAIS PARA A RECOLHA DE DADOS NOS

Leia mais

O Ser Humano como potencial destruidor do ecossistema marinho. Carlos Bastos

O Ser Humano como potencial destruidor do ecossistema marinho. Carlos Bastos O Ser Humano como potencial destruidor do ecossistema marinho Carlos Bastos Índice 1 - Introdução 2- As actividades marítimas como prática destrutiva do ecossistema marinho 2.1 - Como se caracteriza a

Leia mais

Projeto de Comunicação Social Atividade de Perfuração e Produção de Petróleo e Gás - Campo de Frade

Projeto de Comunicação Social Atividade de Perfuração e Produção de Petróleo e Gás - Campo de Frade Comunicação Social Atividade de Perfuração e Produção de Petróleo e Gás - Campo de Frade - 2017 Este material informativo faz parte do Comunicação Social - PCS - e é uma exigência do licenciamento ambiental

Leia mais

Plano Estratégico Sectorial de Energias Renováveis

Plano Estratégico Sectorial de Energias Renováveis Plano Estratégico Sectorial de Energias Renováveis A nossa visão para o Sector Energético Abastecimento seguro das populações Garantia da qualidade de vida Desenvolvimento empresarial Construir um sector

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA (ServPsi)

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA (ServPsi) REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA (ServPsi) Março de 2011 CAPÍTULO I: DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - Definição O Serviço de Psicologia, adiante designado por Serviço, é uma estrutura de caráter permanente

Leia mais

República de Moçambique Ministério do Mar, Aguas Interiores e Pescas. Pescaria de Atum

República de Moçambique Ministério do Mar, Aguas Interiores e Pescas. Pescaria de Atum República de Moçambique Ministério do Mar, Aguas Interiores e Pescas Pescaria de Atum Moçambique é um país banhado pelo oceano Indico com uma longa costa, 1780 km com uma riqueza incalculável de recursos

Leia mais

PROPOSTA DE FORNECIMENTO DE SERVIÇOS APOIO REMOTO À EXECUÇÃO DA CONTABILIDADE POC-EDUCAÇÃO

PROPOSTA DE FORNECIMENTO DE SERVIÇOS APOIO REMOTO À EXECUÇÃO DA CONTABILIDADE POC-EDUCAÇÃO PROPOSTA DE FORNECIMENTO DE SERVIÇOS (DESIGNAÇÃO DA ESCOLA) dia de mês de ano SNN SERVIÇOS DE GESTÃO APLICADA, LDA ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS... 3 METODOLOGIA E CRONOGRAMA... 5 Metodologia...

Leia mais

Rua Agostinho Barbalho, nº 77, ap 503, bl 2, Madureira, Rio de Janeiro RJ. cep

Rua Agostinho Barbalho, nº 77, ap 503, bl 2, Madureira, Rio de Janeiro RJ. cep PROPAGAÇÃO DE ONDAS NA BACIA DE CAMPOS, FOZ DO RIO PARAÍBA DO SUL: SUBSÍDIOS PARA ESTUDOS DE INCIDÊNCIA DE ONDAS NAS MARGENS NORTE E SUL DO DELTA E EROSÃO COSTEIRA. Souza, R. D. 1 ; Bulhões, E. M. R. 2

Leia mais

Projecto Coastwatch Um olhar crítico sobre o litoral. Uma proposta de educação no ambiente e para o ordenamento do território. Pedro DAMIÃO 1 Associação de Professores de Geografia pdamiao@yahoo.com A

Leia mais

Berlenga caminhos para a sustentabilidade

Berlenga caminhos para a sustentabilidade Berlenga caminhos para a sustentabilidade António José Correia (presidente@cm-peniche.pt) Câmara Municipal de Peniche 1. Arquipélago das Berlengas 2. Contexto atual 3. Caminhos para a sustentabilidade

Leia mais

Ficha de registo de Resíduos Recolhidos

Ficha de registo de Resíduos Recolhidos Ficha de registo de Resíduos Recolhidos Limpeza do Fundo do Mar Local: Ilha: Data da recolha (d/m/a): / / Nº total de participantes: Mergulhadores: Apneia: Terra: Responsável pelo registo: Nº de telefone:

Leia mais

Financiamento para Infraestruturas em África HARMONIZAÇÃO DA ESTRATÉGIASOBRE O TURISMO EM ÁFRICA

Financiamento para Infraestruturas em África HARMONIZAÇÃO DA ESTRATÉGIASOBRE O TURISMO EM ÁFRICA IE18278 131/131/9/10 PRIMEIRA SESSÃO ORDINÁRIA DO COMITÉ TÉCNICO ESPECIALIZADO DA UNIÃO AFRICANA EM TRANSPORTE, INFRAESTRUTURAS INTERCONTINENTAIS E INTER-REGIONAIS, ENERGIA E TURISMO Tema: Financiamento

Leia mais

O seu Parceiro de Negócios

O seu Parceiro de Negócios O seu Parceiro de Negócios Sinopse da Empresa O BNU é o primeiro banco emissor de papel-moeda em Macau, com 115 anos de história, no apoio à comunidade local. Há mais de um século que o BNU é parte da

Leia mais

Projecto de Valorização de Resíduos de Construção e Demolição

Projecto de Valorização de Resíduos de Construção e Demolição 06 de Abril de 2006 Lipor Baguim do Monte Eng.º Paulo Rodrigues Lipor Departamento de Novos Projectos paulo.rodrigues@lipor.pt Área de Influência da LIPOR Lipor Portugal Continental Área: 0.7% 648 km 2

Leia mais

3. COMPILAÇÃO DE DADOS EXISTENTES

3. COMPILAÇÃO DE DADOS EXISTENTES DAER-RS INSTRUÇÕES DE SERVIÇO PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS GEOTÉCNICOS IS-101/94 1. OBJETIVO Os Estudos Geotécnicos tem como objetivo a obtenção dos dados geotécnicos do subleito da rodovia projetada, empréstimos

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DO ANO 2009

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DO ANO 2009 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DO ANO 2009 INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DE CETÁCEOS EM PORTUGAL CONTINENTAL Escola de Mar Investigação, Projectos e Educação em Ambiente e Artes, Lda. CRISTINA BRITO, INÊS CARVALHO

Leia mais

OS RECURSOS PISCÍCOLAS

OS RECURSOS PISCÍCOLAS 1 OS RECURSOS PISCÍCOLAS 16 9,7 12 21,7 27,8 7,8 8,2 6,6 21,1 Contributo do pescado na dieta alimentar (% do total de proteínas animais) Mundo Europa Oriental Europa Ocidental Ásia do sul e sudeste Ásia

Leia mais

MATRIZ ORIENTADORA PARA ANÁLISE DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO/ALERTA/AVISO NACIONAL PREÂMBULO

MATRIZ ORIENTADORA PARA ANÁLISE DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO/ALERTA/AVISO NACIONAL PREÂMBULO MATRIZ ORIENTADORA PARA ANÁLISE DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO/ALERTA/AVISO NACIONAL PREÂMBULO A Matriz Orientadora que se apresenta foi construída pelas Equipas de Projecto Ar e Fenómenos Meteorológicos

Leia mais

2 ABORDAGEM DE AIA 2.1 O PROCESSO DE AIA

2 ABORDAGEM DE AIA 2.1 O PROCESSO DE AIA 2 ABORDAGEM DE AIA Este capítulo descreve a abordagem do processo de AIA, que está em conformidade com os requisitos legais ambientais aplicáveis em Moçambique, conforme descrito no Capítulo 3. 2.1 O PROCESSO

Leia mais

FARFANTEPENAEUS PAULENSIS COMO GERADOR DE RENDA

FARFANTEPENAEUS PAULENSIS COMO GERADOR DE RENDA FARFANTEPENAEUS PAULENSIS COMO GERADOR DE RENDA Marco Aurélio Alves de Souza 1 RESUMO Este artigo tem por objetivo mostrar a importância que o camarão-rosa (farfantepenaeus paulensis) tem para o pescador

Leia mais

Mar: Importância, ameaças e comunidade

Mar: Importância, ameaças e comunidade SEMINÁRIO NACIONAL ECO-ESCOLAS 2011 Teatro Municipal da Guarda 4, 5, 6 de Fevereiro 2011 Mar: Importância, ameaças e comunidade Estrutura de Missão para os Assuntos do Mar Mónica Albuquerque O que é o

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais

Capítulo I Disposições Gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Marco de Canaveses Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, estabelece as bases do enquadramento jurídico do voluntariado, visando promover e

Leia mais

Importância da Pesca, em particular em Portugal

Importância da Pesca, em particular em Portugal ---------------------------------------------------------------------------------------------------------- Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Mestrado em Biologia Marinha

Leia mais

(RSCECE e RCCTE) e a posição ocupada por Portugal no ranking do potencial de crescimento do mercado das energias renováveis

(RSCECE e RCCTE) e a posição ocupada por Portugal no ranking do potencial de crescimento do mercado das energias renováveis As metas ambientais fixadas pela União Europeia para 2020 (aumento da eficiência energética e da utilização de energias renováveis em 20%), a recente legislação criada para o sector dos edifícios (RSCECE

Leia mais

Quem será afectado e como serão afectados pelo Reassentamento?

Quem será afectado e como serão afectados pelo Reassentamento? Quem será afectado e como serão afectados pelo Reassentamento? Em terra Ÿ As famílias que vivem na zona onde as instalações do GNL serão construídas (área de construção) e nas zonas ao redor destas instalações

Leia mais

Propostas projectos Biosfera 1

Propostas projectos Biosfera 1 Propostas projectos Biosfera 1 A Biosfera 1 está a divulgar algumas ideias para projectos de Licenciatura e/ou Mestrado a serem desenvolvidos em colaboração estreita com a Universidade de Cabo Verde e

Leia mais

Colóquio Reservas da Biosfera: Laboratórios de Desenvolvimento Sustentável Assembleia da República, 3 de Julho de 2013

Colóquio Reservas da Biosfera: Laboratórios de Desenvolvimento Sustentável Assembleia da República, 3 de Julho de 2013 Colóquio Reservas da Biosfera: Laboratórios de Desenvolvimento Sustentável Assembleia da República, 3 de Julho de 2013 A Rede Portuguesa de Reservas da Biosfera foi criada pela Comissão Nacional da UNESCO,

Leia mais

PPDA PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33

PPDA PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33 PPDA 2009-2011 PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33 JULHO 2001 PPDA 2009-2011 PARECERES RELATIVOS ÀS MEDIDAS 28, 30 E 33 MEDIDA 28 IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

Leia mais

Consultoria para o planeamento do Sistema de Informação sobre Trabalho e Emprego de Cabo Verde

Consultoria para o planeamento do Sistema de Informação sobre Trabalho e Emprego de Cabo Verde Termos de Referência Consultoria para o planeamento do Sistema de Informação sobre Trabalho e Emprego de Cabo Verde Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Título: Consultoria para o planeamento

Leia mais

Regulamento das Bolsas PARSUK Xperience 2014

Regulamento das Bolsas PARSUK Xperience 2014 Regulamento das Bolsas PARSUK Xperience 2014 1. Parte 1 Objectivos, valor e designação das bolsas 1.1. O programa PARSUK Xperience pretende dar a oportunidade a alunos de licenciatura ou mestrado em Portugal

Leia mais

中 國. As missões empresariais á China

中 國. As missões empresariais á China 中 國 As missões empresariais á China Mantendo-se as actuais taxas de crescimento, em 2041 a China ultrapassaria os EUA, tornando-se na 1ª economia mundial Segundo os economistas da Goldman Sachs, daqui

Leia mais

RIO+20: OCEANOS, MARES E ZONAS COSTEIRAS. Carmen Rachel Scavazzini Marcondes Faria 1 Tarciso Dal Maso Jardim 2

RIO+20: OCEANOS, MARES E ZONAS COSTEIRAS. Carmen Rachel Scavazzini Marcondes Faria 1 Tarciso Dal Maso Jardim 2 RIO+20: OCEANOS, MARES E ZONAS COSTEIRAS Carmen Rachel Scavazzini Marcondes Faria 1 Tarciso Dal Maso Jardim 2 A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, Rio+20, abordará a conservação,

Leia mais

Dossier Promocional. Moradia no Funchal Madeira

Dossier Promocional. Moradia no Funchal Madeira Dossier Promocional Moradia no Funchal Madeira 1 1. Contexto e a Oportunidade 2. Localização do Imóvel 3. Características Gerais do Imóvel 4. Descrição Detalhada 5. Condições de Comercialização 6. Contactos

Leia mais

DOC. 08 DEZEMBRO 2007. ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL Recomendações

DOC. 08 DEZEMBRO 2007. ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL Recomendações DOC. 08 DEZEMBRO 2007 ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL Recomendações DIRECÇÃO-GERAL DO LIVRO E DAS BIBLIOTECAS RECOMENDAÇÕES PARA ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL Introdução O presente documento tem como objectivo fornecer

Leia mais

Deslocando as populações, substituindo suas casas e construções e restabelecendo seus meios de subsistência como parte do Projecto de GNL em

Deslocando as populações, substituindo suas casas e construções e restabelecendo seus meios de subsistência como parte do Projecto de GNL em Reassentamento Deslocando as populações, substituindo suas casas e construções e restabelecendo seus meios de subsistência como parte do Projecto de GNL em Moçambique Uso de Terra em Mocambique A quem

Leia mais

Bolsas asppa+ Regulamento para o ano de 2017

Bolsas asppa+ Regulamento para o ano de 2017 Bolsas asppa+ Regulamento para o ano de 2017 Bolsa asppa+: Suporte financeiro a um Português que, durante um período limitado de tempo, desenvolva um projecto profissional numa empresa ou Instituição alemã,

Leia mais

Fórum sobre Cluster Mar Nota Conceptual

Fórum sobre Cluster Mar Nota Conceptual Fórum sobre Cluster Mar Nota Conceptual 21 22 Julho 2011 Mindelo 1. Enquadramento A importância do Mar para Cabo Verde é amplamente reconhecido e efectivamente, trata-se de um eixo importante na estratégia

Leia mais

Caracterização da Agitação Marítima ao Largo da Baía de Maputo

Caracterização da Agitação Marítima ao Largo da Baía de Maputo UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenharia Cláudia Brunilde Guiloviça Maputo, 11 de Maio de 2012 Conteúdos: 1. Introdução; 1.1. Objectivos; 1.2. Metodologia; 2. Estado da Arte; 2.1. Fontes de

Leia mais

Gestão sustentável dos oceanos e dos recursos marinhos

Gestão sustentável dos oceanos e dos recursos marinhos Gestão sustentável dos oceanos e dos recursos marinhos Trabalho realizado por: -Ana Santos nº1; -Ana Almeida nº2; -Beatriz Silva nº3; -Daniela Fernandes nº6; -Marta Santos nº11. 1 2 Índice Introdução Portugal

Leia mais

FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE ABERTURA DE PROCESSO - FAP EMPREENDIMENTO: EMPREENDIMENTOS MILITARES

FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE ABERTURA DE PROCESSO - FAP EMPREENDIMENTO: EMPREENDIMENTOS MILITARES FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE ABERTURA DE PROCESSO - FAP EMPREENDIMENTO: EMPREENDIMENTOS MILITARES Instruções para acesso ao sistema Acessar Serviços on line no site do Ibama e clicar e cadastro, abre a

Leia mais

PMI-2963 Avaliação de Impactos Ambientais I Prof. Luis Enrique Sánchez Prof. Luís César de Souza Pinto. Caso 8 Mina de calcário

PMI-2963 Avaliação de Impactos Ambientais I Prof. Luis Enrique Sánchez Prof. Luís César de Souza Pinto. Caso 8 Mina de calcário PMI-2963 Avaliação de Impactos Ambientais I Prof. Luis Enrique Sánchez Prof. Luís César de Souza Pinto Trabalho Prático 2. Identificação de impactos e seleção de questões relevantes Caso 8 Mina de calcário

Leia mais

Os principais objectivos do presente relatório EIA são:

Os principais objectivos do presente relatório EIA são: 1. INTRODUÇÃO O presente documento constitui o Estudo de Impacto Ambiental do projecto da Moz Environmental Limitada ( Moz Environmental ), para a construção e operação de um aterro sanitário e industrial

Leia mais

Estado da Arte e Desenvolvimento das energias renováveis marinhas em Portugal

Estado da Arte e Desenvolvimento das energias renováveis marinhas em Portugal WORKSHOP ENERGIAS RENOVÁVEIS MARINHAS E BIODIVERSIDADE Estado da Arte e Desenvolvimento das energias renováveis marinhas em Portugal Energias Renováveis Marinhas e Desenvolvimento Energético Sustentável

Leia mais

A actividade piscatória em Portugal

A actividade piscatória em Portugal A actividade piscatória em Portugal I. Localização dos principais portos de pesca do país Guião do Aluno 1. Abre o Google Earth e na Opção de Viajar escreve Porto de Viana do Castelo e depois clica na

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 17, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 17, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 17, DE 2012 Rio+20: oceanos, mares e zonas costeiras Carmen Rachel Scavazzini Marcondes Faria Tarciso Dal Maso Jardim A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável,

Leia mais

Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde

Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde Rendimento per capita de 2008 foi de US$3.130, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização: 83,8% para adultos e 97% para

Leia mais

Entrevista com Oliveira Sá. Luís Oliveira Sá. Presidente do C. De A. Com quality media press para Expresso / El Economista

Entrevista com Oliveira Sá. Luís Oliveira Sá. Presidente do C. De A. Com quality media press para Expresso / El Economista Entrevista com Oliveira Sá Luís Oliveira Sá Presidente do C. De A. Com quality media press para Expresso / El Economista Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As respostas que aqui

Leia mais

PORTUGAL A CRESCER ECONOMIA DO MAR. Roadshow Portugal Global Setúbal, 2 de março de May 2015

PORTUGAL A CRESCER ECONOMIA DO MAR. Roadshow Portugal Global Setúbal, 2 de março de May 2015 PORTUGAL A CRESCER ECONOMIA DO MAR Roadshow Portugal Global Setúbal, 2 de março de 2016 May 2015 Uma oportunidade económica Área: 92,152 Km 2 (108 º maior país do Mundo) Linha de Costa: 1,859 Km (incluindo

Leia mais

BRASIL NOSSO TERRITÓRIO E FRONTEIRAS MODULO 02 PALMAS - TO

BRASIL NOSSO TERRITÓRIO E FRONTEIRAS MODULO 02 PALMAS - TO BRASIL NOSSO TERRITÓRIO E FRONTEIRAS MODULO 02 PALMAS - TO ESPAÇO GEOGRÁFICO E A AÇÃO HUMANA É o espaço onde os homens vivem e fazem modificações, sendo o resultado do trabalho do homem sobre a natureza.

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROCESSO DE REASSENTAMENTO

DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROCESSO DE REASSENTAMENTO Pen íns ula de gi un Af DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROCESSO DE REASSENTAMENTO Conhecer o contexto Recursos consideráveis de gás natural foram descobertos nas Áreas 1 e 4, na Bacia do Rovuma, ao longo

Leia mais

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves 1. Introdução A energia eólica é a fonte de energia que regista maior crescimento em todo o mundo. A percentagem

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS DECISÃO DA COMISSÃO. de 04-XII-2007

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS DECISÃO DA COMISSÃO. de 04-XII-2007 COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 04-XII-2007 C(2007) 6159 NÃO PUBLICAR DECISÃO DA COMISSÃO de 04-XII-2007 que aprova o programa de desenvolvimento rural de Portugal Continental relativo ao

Leia mais

O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal. (Resumo)

O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal. (Resumo) O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal (Resumo) O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal Um novo domínio estratégico e um factor de afirmação A economia portuguesa está a sofrer uma descontinuidade

Leia mais

Estudo de Avaliação de Impacto Ambiental, Social e de Saúde no Bloco 6, São Tomé e Príncipe. Resumo Não Técnico. Preparado para: Galp.

Estudo de Avaliação de Impacto Ambiental, Social e de Saúde no Bloco 6, São Tomé e Príncipe. Resumo Não Técnico. Preparado para: Galp. Estudo de Avaliação de Impacto Ambiental, Social e de Saúde no Bloco 6, São Tomé e Príncipe Resumo Não Técnico Preparado para: Galp Maio 2016 www.erm.com RESUMO NÃO TÉCNICO Este documento apresenta os

Leia mais

Seminário Energia dos Oceanos

Seminário Energia dos Oceanos Seminário Energia dos Oceanos ENERGIA DAS ONDAS: RECURSO E OPORTUNIDADES M. Teresa Pontes LNEG / INETI, Lisboa, Portugal Câmara Municipal de Peniche 19 Setembro 2008 PORTUGAL - PAÍS PIONEIRO CENTRAL da

Leia mais

1. Definição de Processo Comissionamento

1. Definição de Processo Comissionamento ONS - APIRAC CT 185 - SC1 NP Processo Comissionamento Fase de Construção Apresentação 1. Definição de Processo de Comissionamento, PC 2. Ojectivo e Âmbito da NP 4. Requisitos de Aceitação na Fase de Construção

Leia mais

Dia Regional Norte do Engenheiro 2016

Dia Regional Norte do Engenheiro 2016 Agenda 1. Ponto de Situação 2. O Conceito 3. Construção do Projeto de Portugal 4. Um Mapa de Potenciais Disputas 5. Por um Futuro de Sucesso O Projecto de Portugal A Lista de Espera não Dia Regional Norte

Leia mais

MARITIME SOLUTIONS CENTRE OF EXCELLENCE

MARITIME SOLUTIONS CENTRE OF EXCELLENCE MARITIME SOLUTIONS CENTRE OF EXCELLENCE RICARDO MAIA 2014-03-10 Agenda 1. Contexto 2. O Centro de Excelência 3. Case Studies ADICIONAR TÌTULO DA APRESENTAÇÂO EM CAPS DATA Contexto Portugal tem responsabilidades

Leia mais

Regulamento do Estágio e Projecto Final de Curso

Regulamento do Estágio e Projecto Final de Curso Regulamento do Estágio e Projecto Final de Curso 1. Introdução O presente regulamento refere-se ao Estágio e Projecto Individual, previsto nos planos curriculares dos cursos de licenciatura da Escola Superior

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA DOS DADOS RECOLHIDOS NO ÂMBITO DOS TRABALHOS DE

NOTA EXPLICATIVA DOS DADOS RECOLHIDOS NO ÂMBITO DOS TRABALHOS DE NOTA EXPLICATIVA DOS DADOS RECOLHIDOS NO ÂMBITO DOS TRABALHOS DE IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA A informação disponibilizada na página do Instituto da Água, I.P. (INAG) refere-se aos dados recolhidos

Leia mais

ZA4894. Country Specific Questionnaire Portugal

ZA4894. Country Specific Questionnaire Portugal ZA4894 Flash Eurobarometer 212 (Attitudes towards the planned EU pilot project "Erasmus for Young Entrepreneurs" Young would-be and young existing entrepreneurs) Country Specific Questionnaire Portugal

Leia mais

Requalificação urbana na comunidade de Damba Maria e apoio ao crescimento ordenado da cidade de Benguela

Requalificação urbana na comunidade de Damba Maria e apoio ao crescimento ordenado da cidade de Benguela Componente: Requalificação urbana na comunidade de Damba Maria e apoio ao crescimento ordenado da cidade de Benguela Apresentado por: Development Workshop - Angola Benguela, Março 2011 Conteúdo da apresentação

Leia mais

Fig. 4.2 - Espinho. Paredão parabólico de Espinho que defende directamente a frente oceânica do núcleo urbano. (Foto A. Dias, 2.ABR.

Fig. 4.2 - Espinho. Paredão parabólico de Espinho que defende directamente a frente oceânica do núcleo urbano. (Foto A. Dias, 2.ABR. Fig. 4.1 - Espinho. Aspecto das estruturas de protecção de Espinho, com 2 esporões longos não rectilíneo. É ainda visível um pequeno esporão da anterior geração de obras de defesa. (Foto A. Dias, 13.MAR.90)

Leia mais

1º RELATÓRIO Março/2003. a) identificação de patologias e suas causas; b) definição de acções de reabilitação; c) definição de plano de manutenção.

1º RELATÓRIO Março/2003. a) identificação de patologias e suas causas; b) definição de acções de reabilitação; c) definição de plano de manutenção. Reabilitação Estrutural e Funcional do Pavilhão de Civil do Instituto Superior Técnico 1º RELATÓRIO Março/2003 1. Objectivo Desde a ocupação do Pavilhão de Engenharia Civil do Instituto Superior Técnico,

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA: PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR COMENTÁRIOS REN REDE ELÉCTRICA NACIONAL, S.A.

CONSULTA PÚBLICA: PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR COMENTÁRIOS REN REDE ELÉCTRICA NACIONAL, S.A. CONSULTA PÚBLICA: PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR COMENTÁRIOS REN REDE ELÉCTRICA NACIONAL, S.A. Considerações Gerais: Esta consulta pública, essencialmente centrada nas temáticas associadas

Leia mais

Regulamento do Estágio e Projecto Final de Curso 2º Ciclo da Licenciatura

Regulamento do Estágio e Projecto Final de Curso 2º Ciclo da Licenciatura Regulamento do Estágio e Projecto Final de Curso 2º Ciclo da Licenciatura TOC \o "1-3" \n \h \z \u 1. Introdução 2. Estágio Final de Curso 2.1. Modalidades e objectivos do Estágio a) Trabalho Experimental

Leia mais

Inspecção de Marcas Rodoviárias, com equipamento estático e dinâmico

Inspecção de Marcas Rodoviárias, com equipamento estático e dinâmico , com equipamento estático e dinâmico SAFETRAFFIC / AFESP Coordenador da SC2 / CT 155 As Marcas desempenham um papel fundamental no guiamento dos condutores. Delimitam vias de circulação Separam sentidos

Leia mais

Oportunidades de investimento no sector petrolífero em São Tomé e Príncipe Conferência entre o Governo e os parceiros de Desenvolvimento

Oportunidades de investimento no sector petrolífero em São Tomé e Príncipe Conferência entre o Governo e os parceiros de Desenvolvimento Oportunidades de investimento no sector petrolífero em São Tomé e Príncipe Conferência entre o Governo e os parceiros de Desenvolvimento São Tomé, 10 de Julho 2013 Introdução O objectivo desta apresentação

Leia mais

Disciplina: Geografia. Trabalho realizado por: Mónica Algares nº 17. Turma: B

Disciplina: Geografia. Trabalho realizado por: Mónica Algares nº 17. Turma: B Disciplina: Geografia Trabalho realizado por: Mónica Algares nº 17 Turma: B 1 Índice Introdução... 3 Principais fontes de poluição dos oceanos e mares... 4 Prejuízos irremediáveis... 5 As marés negras...

Leia mais

Monitorização e Reporte (M&R) Objectivos, Processo e Metas

Monitorização e Reporte (M&R) Objectivos, Processo e Metas Monitorização e Reporte (M&R) Objectivos, Processo e Metas Alexandra Fonseca, Ana Luisa Gomes, Ana Sofia Santos, Danilo Furtado, Henrique Silva, Rui Reis Instituto Geográfico Português Tópicos Objectivos

Leia mais

Fundação Serrão Martins Plano de Actividades Plano de Actividades 2009

Fundação Serrão Martins Plano de Actividades Plano de Actividades 2009 1. A Fundação Serrão Martins é uma instituição de direito privado e utilidade pública com sede na Mina de S. Domingos, concelho de Mértola. Tem como membros fundadores a Câmara Municipal de Mértola e La

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XXIV Listas de verificação. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XXIV Listas de verificação. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXIV Listas de verificação um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem

Leia mais

Mário Neves. Formas e Processos Litorais 2007/08. Programa 2007/2008

Mário Neves. Formas e Processos Litorais 2007/08. Programa 2007/2008 Formas e Processos Litorais 2007/08 Mário Neves Programa 2007/2008 1. Introdução 1.1. Os vários conceitos de litoral 2. Os factores gerais da dinâmica litoral 2.1. O condicionamento geomorfológico 2.2.

Leia mais

PLANO INTEGRADO PORTO-CIDADE-PIPC Estudo de Impacto Ambiental EIA-RIMA. Audiência Pública em Ilhabela 08 de dezembro de 2011

PLANO INTEGRADO PORTO-CIDADE-PIPC Estudo de Impacto Ambiental EIA-RIMA. Audiência Pública em Ilhabela 08 de dezembro de 2011 PLANO INTEGRADO PORTO-CIDADE-PIPC Estudo de Impacto Ambiental EIA-RIMA Audiência Pública em Ilhabela 08 de dezembro de 2011 EQUIPE TÉCNICA ENVOLVIDA NOS ESTUDOS EQUIPE TÉCNICA DO EIA 49 profissionais de

Leia mais

Assim sendo, apresenta-se, ao final do presente capítulo, as diretrizes orientadoras de cada um dos programas previstos.

Assim sendo, apresenta-se, ao final do presente capítulo, as diretrizes orientadoras de cada um dos programas previstos. II.7 MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS E PROGRAMAS DE CONTROLE E MONITORAMENTO Com base na avaliação e descrição dos impactos ambientais decorrentes da atividade de desenvolvimento e produção do Campo

Leia mais

é a herança para os nossos filhos e netos com a sua atmosfera rica em oxigénio, permite-nos respirar com a camada de ozono, protege-nos das radiações

é a herança para os nossos filhos e netos com a sua atmosfera rica em oxigénio, permite-nos respirar com a camada de ozono, protege-nos das radiações é a herança para os nossos filhos e netos com a sua atmosfera rica em oxigénio, permite-nos respirar com a camada de ozono, protege-nos das radiações ultravioletas com a água evita a desidratação com as

Leia mais

o presente diploma tem por objecto regulamentar a gestão dos recursos pesqueiros existentes nas águas juridicionais de Angola.

o presente diploma tem por objecto regulamentar a gestão dos recursos pesqueiros existentes nas águas juridicionais de Angola. MINISTÉRIO DAS PESCAS E AMBIENTE Decreto Executivo n." 48/98 de 28 de Agosto Havendo necessidade de estabelecer o ordenamento dos recursos pesqueiros nacionais; No uso da faculdade que me é conferida pela

Leia mais

Avaliação do Impacto Ambiental da Mineração do Oceano Profundo. Nélia Mestre & Maria João Bebianno

Avaliação do Impacto Ambiental da Mineração do Oceano Profundo. Nélia Mestre & Maria João Bebianno Avaliação do Impacto Ambiental da Mineração do Oceano Profundo Nélia Mestre & Maria João Bebianno Recursos minerais no oceano profundo Português Sulfuretos polimetálicos Nódulos polimetálicos Crostas de

Leia mais

RELATÓRIO SIADAP

RELATÓRIO SIADAP UNIDADE ORGÂNICA: DIRIGENTE: DIRECÇÃO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO E ORDENAMENTO LUCIANO COSTA CARVALHO DIAS DATA: 5 DE MARÇO DE 2012 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS OE I - PROMOVER A URBANIZAÇÃO PROGRAMADA E ARTICULADA

Leia mais

As áreas temáticas visadas na construção da síntese de diagnóstico apresentam-se no Quadro 2.77

As áreas temáticas visadas na construção da síntese de diagnóstico apresentam-se no Quadro 2.77 2.7 síntese de diagnóstico A síntese de diagnóstico perspectiva desenhar a realidade insular de Santa Maria materializada em indicadores-chave, permitindo estabelecer a situação de referência no que concerne

Leia mais

[ESBOÇO] Reunião Especial da OMS, FAO e UNICEF. sobre Principais Comportamentos para o Controlo da Gripe Aviária. Resumo e Recomendações da Reunião

[ESBOÇO] Reunião Especial da OMS, FAO e UNICEF. sobre Principais Comportamentos para o Controlo da Gripe Aviária. Resumo e Recomendações da Reunião [ESBOÇO] Reunião Especial da OMS, FAO e UNICEF sobre Principais Comportamentos para o Controlo da Gripe Aviária (de 14 a 16 de Março de 2006) Resumo e Recomendações da Reunião Antecedentes O alastramento

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia 30.4.2004

Jornal Oficial da União Europeia 30.4.2004 L 150/12 PT Jornal Oficial da União Europeia 30.4.2004 REGULAMENTO (CE) N.º 812/2004 DO CONSELHO de 26.4.2004 que estabelece medidas relativas às capturas acidentais de cetáceos no exercício das actividades

Leia mais

GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES

GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES Medidas Propostas Impacto no Município Plano de mobilidade sustentável para os funcionários da autarquia Formação em eco-condução para os gestores de frotas, motoristas

Leia mais

Adaptação com Base na Comunidade Lista de Controlo do Plano de Implementação do Projecto

Adaptação com Base na Comunidade Lista de Controlo do Plano de Implementação do Projecto Adaptação com Base na Comunidade Lista de Controlo do Plano de Implementação do Projecto Contexto do Projecto Contexto Ambiental Descrever as calamidades climáticas presentes (eventos e condições) afectando

Leia mais

ESTRATÉGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA OS OCEANOS

ESTRATÉGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA OS OCEANOS (Versão revista de 20 de Julho de 2009) ESTRATÉGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA OS OCEANOS Da minha língua vê-se o mar Vergílio Ferreira INTRODUÇÃO Os Estados membros da Comunidade

Leia mais