Resumo. Autoria: Tamara Tebaldi Lajara, Rafael Brinkhues, Antonio Carlos Gastaud Maçada

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resumo. Autoria: Tamara Tebaldi Lajara, Rafael Brinkhues, Antonio Carlos Gastaud Maçada"

Transcrição

1 INVESTIMENTOS EM TI E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL: Através da governança da informação e capacidades de gestão da informação, moderado pelo big data Resumo Autoria: Tamara Tebaldi Lajara, Rafael Brinkhues, Antonio Carlos Gastaud Maçada O impacto dos investimentos de TI no desempenho organizacional permanece controverso. Com base na teoria da agência, o objetivo desse artigo é propor um modelo de pesquisa visando à análise da influência dos investimentos em TI no desempenho organizacional, através do uso de governança da informação e das capacidades de gestão da informação, sendo moderado pelo big data. Assim, esse artigo apresenta uma pesquisa em andamento, que tem como benefícios uma compreensão de elementos ainda incipientes na literatura brasileira, sendo recomendado para acadêmicos e práticos da área de sistemas de informação.

2 1. Introdução Os investimentos mundiais em tecnologias de informação (TI) têm crescido a um ritmo impressionante ao longo das últimas duas décadas (WEBER; KAUFFMAN, 2011). Apesar do crescimento, há divergências sobre o impacto dos investimentos no desempenho da firma. Ada et al. (2012), realizaram uma metanálise e concluíram que investimentos em TI impactam positivamente no desempenho, enquanto que Ramírez-Correa e Alfaro-Pérez (2011), aplicando um modelo DEA em empresas chilenas, não encontraram evidências para suportar essa relação. Essas divergências podem ser causadas pelo método e até pela teoria adotada na pesquisa, dado que algumas apenas buscam controlar as entradas (do investimento em TI) e as saídas (do desempenho organizacional) da relação, sem analisar o como esses investimentos influenciam no desempenho. Como fundamentação teórica da pesquisa, se utilizará a teoria da agência, para analisar como interesses conflitantes na relação entram em equilíbrio para gerar o resultado (JENSEN; MECKLING, 1976). Segundo Brynjolfsson e Hitt (2000) investimentos em TI têm um forte impacto em processos organizacionais, desenvolvimento de capacidades, e na própria estrutura organizacional, resultados que não são considerados em muitas pesquisas, que utilizam apenas indicadores presentes em relatórios financeiros e contábeis. As bases de dados ou técnicas de modelagem inadequadas também são citadas por Dedrick, Gurbaxani e Kraemer (2003) como prováveis origens da discrepância nos resultados de pesquisa. Devido a essa discrepância, a relação entre investimentos em TI e desempenho organizacional permanece como um importante tópico de investigação, tanto para executivos, como para acadêmicos (MITHAS et al., 2012). A atenção com os investimentos em TI aumentou com o big data. Somente em 2012 serão investidos 28 bilhões de dólares em TI no mundo, principalmente, para adequar as soluções atuais às demandas geradas pelo big data (GARTNER, 2012). Investimentos em ferramentas para big data devem ocupar aproximadamente 11% dos gastos de TI nas organizações, em 2020 (VIAJAYAN, 2012). Esses investimentos em TI devido ao big data retomam o debate sobre a relação do mesmo com o desempenho organizacional. Para Manyika et al. (2011), uma empresa varejista pode ter um aumento de 60% em sua margem operacional ao otimizar o uso das informações do big data. Beath et al. (2012) ressaltam que ao realizar investimentos para o big data, as empresas focam em armazenar, proteger e acessar essa grande quantidade de dados, enquanto que deveriam estar focadas em buscar o valor da informação, concentrando-se nas oportunidades para aumentar o valor do negócio. Muitas dessas ferramentas vendidas atualmente para lidar com o big data trazem consigo frameworks de governança da informação (GI) e capacidades de gestão da informação (CGI). No entanto, por serem temas recentes, a literatura de SI não é clara sobre a extensão e o alcance da conexão entre os construtos de investimento em TI, governança da informação, capacidades de gestão da informação, big data e desempenho organizacional. Logo, a questão para guiar essa pesquisa é: Como os investimentos em TI influenciam o desempenho organizacional, através do uso da governança da informação e das capacidades de gestão da informação, moderados pelo big data? Como primeiro passo da pesquisa, o objetivo para esse artigo é propor um modelo de pesquisa visando à análise da influência dos investimentos em TI no desempenho organizacional, através do uso de governança da informação e das capacidades de gestão da informação, sendo moderado pelo big data. Para o desenvolvimento desse artigo, na seção dois se apresenta a teoria da agência, na seção três se realiza uma revisão da literatura de investimentos em TI, governança da informação, capacidades de gestão da informação e big data. Logo após se apresentará o método proposto para a pesquisa, junto com o modelo de pesquisa. Na seção 5 se apresentará as conclusões, com os resultados preliminares. 2

3 2. Teoria da agência Quando se analisa a relação entre investimentos em TI e desempenho organizacional, muitas vezes, se propõe uma análise do tipo caixa preta, em que apenas se observa as entradas e as saídas. É necessário ir além dessa visão sintética, essa pesquisa abrirá essa caixa preta, apresentando as relações entre investimentos em TI, governança da informação, capacidades de gestão da informação e big data no desempenho organizacional. Para isso, o marco teórico utilizado nessa pesquisa é a teoria da agência. Os principais autores da teoria da agência são Jensen e Meckling (1976), que criaram o conceito de problema de agência. Outros autores que realizaram grandes contribuições para a teoria da agência são Alchian e Demsetz (1972), por buscarem abrir a caixa preta da firma através de um estudo sobre o custo de monitorar uma equipe de produção. A teoria da agência busca melhorar o relacionamento de agência, que pode ser definido como um contrato em que uma (ou mais) pessoas, que no caso é chamado de principal, delega autoridade para o agente (outra pessoa) realizar determinada tarefa ou tomada de decisão (JENSEN; MECKLING, 1976). A teoria da agência, segundo Eisenhardt (1989), busca respostas para dois problemas principais: O primeiro é quando se analisa um conflito de interesses entre o principal e o agente; e o segundo é quando principal e agente tomam diferentes posições frente ao risco, mas compartilham esse risco. Assim, para controlar esses problemas de agência, o principal adota mecanismos de monitoramento do processo, como estruturas de governança, visando a mitigar o problema de agência (FREZATTI et al., 2009). Assim, a governança da informação visará mitigar o problema de agência, e ser um mecanismo de monitoramento para as capacidades de gestão da informação e para o big data. 3. Revisão da literatura 3.1 Investimentos em TI Embora pareça óbvio que somente o investimento em tecnologia não é suficiente para que a organização melhore o seu desempenho, executivos ainda acreditam ingenuamente que ao adotarem uma solução baseada em TI sua empresa se tornará mais competitiva (MARCHAND, 2005). Ignora-se que para isso ocorrer são necessárias mudanças comportamentais e culturais significativas na forma como a informação e a tecnologia são utilizadas pelos executivos, devendo também ser acompanhadas de investimentos e ações complementares. Grande parte das análises tradicionais tem investigado apenas o quanto as organizações estão pagando pela tecnologia e não o quanto e como elas estão utilizando-a (SMITH; MCKEEN, 1993; DEVARAJ; KOHLI, 2003). Não se espera que a TI em si mesma aumente a produtividade da empresa, mas a TI disponibiliza oportunidades para organizações. A forma e a extensão com que os benefícios serão alcançados dependerão de como as organizações alinham, gerenciam e utilizam suas tecnologias aplicadas aos negócios (WARD et al, 1996). Para Mithas et al. (2012) investimentos em TI facilitam o crescimento da receita, pois abrem novas possibilidades de agregar valor a empresa, como novas canais de marketing e vendas, além de melhorar a administração da organização. 3.2 Governança da informação (GI) Na área de administração, a governança é associada ao desempenho dos negócios, caracterizando-se pelo estabelecimento de uma série de condições para o bom andamento de qualquer tipo ou tamanho de organização. A governança foca em quem tem os direitos decisórios sobre determinado tema e como esses direitos decisórios poderão ser exercidos, enquanto que a gestão é a implantação das decisões (GRIMSTAD; MYRSETH, 2011). Entre as estruturas mais usuais de governança nas organizações são a governança corporativa e 3

4 governança de TI. Uma estrutura recente, que é cada vez mais crucial para as modernas corporações é a governança da informação que trata sobre como governar a informação no âmbito das organizações. A governança da informação (GI) é definida como o conjunto de normas e controles de responsabilidade que visam ao valor, à qualidade e ao compliance da informação. Sendo que, as dimensões de GI são: valor, qualidade e compliance da informação. A maximização do valor da informação é o objetivo da governança da informação (OTTO, 2011) e segundo Cooney (1991), tanto informação como valor são noções abstratas. Apesar dessa dificuldade em se conceituar, valor da informação pode ser compreendido como uma dimensão subjetiva, em que o usuário, através de seu entendimento da informação, irá valorar a informação. De acordo com Zhao et al. (2008), há uma relação próxima entre valor da informação e qualidade da informação. Essas duas dimensões têm como característica comum serem de difícil mensuração, por serem definidas de acordo com o usuário da informação (COONEY, 1991; LEE et al., 2006). Um dos benefícios de ter um framework de governança da informação instituído nas empresas é que se formaliza um programa de qualidade da informação (WENDE, 2007). Há a necessidade da governança da informação também para assegurar a conformidade da organização com leis e regulamentações pertinentes à informação, dimensão representada pelo compliance da informação (GRIMSTAD; MYRSETH, 2011). A governança da informação (GI) pode ser abordada, então, como uma garantia de que as atividades da empresa estão em conformidade com as normas legais e regulamentares além de conformidade com as melhores práticas e padrões éticos que, frequentemente, podem ir além da conformidade apenas legal (DATSKOVSKY, 2009). Compliance da informação e qualidade da informação são conceitos pertinentes também às capacidades de gestão da informação. As capacidades de gestão da informação são operacionalizadas através das habilidades: de fornecer informações com qualidade da informação adequadas e de fornecer acesso e conectividade na amplitude e grau adequados (sendo são determinados de acordo com leis e regulamentos que a empresa se submete) (MITHAS et al., 2011). Assim, pode-se relacionar governança da informação com as capacidades de gestão da informação. 3.3 Capacidades de Gestão da Informação (CGI) A propriedade de capacidades organizacionais pode constituir uma barreira à entrada, além de fornecer vantagem competitiva sustentável (TEECE, 1992). No contexto estratégico, nove capacidades essenciais de SI são observadas: liderança, visão de sistemas de negócios, construção de relacionamentos, planejamento da arquitetura, operação da tecnologia, compra informada, negociação de contratos, monitoramento de contratos, desenvolvimento de vendedores (FEENY; WILLCOCKS, 1998). Posteriormente, Willcocks et al. (2007) identificaram três mecanismos que alavancam essas nove capacidades: processo, cultura e estrutura. Bharadwaj et al. (2000), concluíram que empresas com capacidades altas de TI tendem a ter um desempenho organizacional superior. Para analisar as capacidades de gestão da informação, necessita-se abordar a própria gestão da informação que, como recurso estratégico para a organização, vem sendo evidenciada desde que McGee e Prusak (2004) declararam que é a informação, e não a tecnologia, é que fornece o maior potencial de retorno para as empresas, sendo a informação a base da competição. O aspecto de sucesso no processo de melhoria é a gestão eficaz da informação, independente da tecnologia da informação utilizada (DAVENPORT; BEER, 1995). Mesmo com essa relevância evidenciada, poucos estudos exploram as capacidades de gestão da informação, inclusive em SI. Uma das poucas exceções é o estudo de Marchand et al. (2000) que descreve as práticas de gestão da informação, sua capacidade de orientação e 4

5 potencial estratégico. Também, Zahai (2003) com foco no desenvolvimento de produtos, investiga o papel das capacidades de gestão da informação. Posteriormente, Zahai e Griffin (2004) investigaram as capacidades de gestão da organização, a partir da aprendizagem de cliente, num contexto estratégico. No estudo da logística, Mentzer et al. (2004) criam uma teoria da logística unificada no contexto do papel estratégico e das capacidades de logística, dentre as quais, capacidade de gestão da informação. Zahai e Handfield (2004) evidenciaram a relevância das CGI, demonstrando que nas organizações não só as capacidades técnicas de automação, mas também a capacidade de aprender e compartilhar informações torna mais provável o sucesso na automatização de seus processos na cadeia de suprimentos. No contexto do varejo na internet, Verchopoulos, Siomkos e Doukidis (2001) elaboram as capacidades de gestão da informação disponíveis pelos modelos de serviços personalizados para os principais atores. Logo, CGI pode ser operacionalizada como a habilidade para (1) fornecer dados e informações para os usuários com os níveis adequados de precisão, pontualidade, confiabilidade, segurança e confidencialidade, (2) fornecer conectividade universal e de acesso com alcance suficiente, e (3) adequar a infraestrutura às necessidades de negócios emergentes (MARCHAND et al., 2000). Analisando o impacto das capacidades de gestão da informação no desempenho organizacional, Mithas et al. (2011) concluem que as capacidades de gestão da informação ajudam a desenvolver outras capacidades para a gestão de clientes, gestão de processos e gestão de desempenho, impactando positivamente no desempenho organizacional. 3.4 Big data O big data não é apenas uma palavra que está na moda (GREENGARD, 2012; BEATH et al., 2012), big data é real e está influenciando desde eleições norte-americanas (TRISH, 2012) a campos distintos como astronomia, efeitos especiais e biologia (LOHR, 2012; SCHLIESKI; JOHNSON, 2012). Na área de sistemas de informação, o desafio do big data está exigindo mudanças no desenvolvimento de tecnologias, processos e mecanismos de governança (DEMCHENKO et al., 2012; GREENGARD, 2012). Existem ainda muitos desafios tecnológicos para gerar benefícios do big data (BEATH et al. 2012; POSPIECH; FELDENS, 2012). Sistemas obsoletos, padrões incompatíveis de dados, excesso de dados não estruturados, muitas vezes impedem a integração dos dados e análises mais sofisticadas (MANYIKA et al., 2011). Mas quando compreendido e enfrentado, esse desafio pode agregar importantes vantagens competitivas às organizações, bem como abrir novas oportunidades de negócios e melhorar a tomada de decisão dos executivos (SANTAFERRARO, 2012; MCAFEE, BRYNJOLFSSON, 2012; GREENGARD, 2012). Ainda não há um consenso sobre a definição de big data (LOPEZ, 2012). Apesar disso, muitos conceitos compartilham pontos em comum (FRANKS, 2012). Entre os pontos principais abordados por muitos autores podem-se citar as dimensões do fenômeno (volume, velocidade, variedade, valor e veracidade), bem como a relação desfavorável entre a quantidade de dados a serem analisados e as tecnologias e ferramentas disponíveis para administrá-los. Para melhor visualização dos conceitos, segue quadro com os autores e conceitos para big data (quadro um). Quadro 1 - Principais conceitos de big data Autor(es) e ano Tema principal do artigo Conceito de big data ARNOLD (2012) BEATH et al. (2012) BEGOLI, HOREY (2012) Explicações sobre o big data : como surgiu, possíveis benefícios e dificuldades além das soluções vendidas pelas principais consultorias. Recomendações para as organizações encontrarem oportunidades na explosão de informações. Apresentar três príncipios para arquitetura de sistemas que auxiliam a lidar com o big data. "Pode ser definido como quantidades massivas de conteúdo armazenado (estruturado ou não) que pode ser facilmente analisado em tempo real (em uma quantidade de tempo razóavel para alcançar uma resposta útil)." p. 32 "Desafios de armazenar, proteger e acessar quantidades massivas de dados." p. 18 "Refere-se a prática de coletar e processar conjuntos muitos grandes de dados e uso de sistemas associados e algoritmos para a análise desses conjuntos massivos de dados." p.215 5

6 BONOMETTI (2012) BUGHIN, CHUI, MANYIKA (2010) CALLEBAUT (2012) CHEN, CHIANG, STOREY (2012) DEMIRKAN, DELEN (2012) FRENCH (2012) GOBBLE (2013) GORDON- MURNANE (2012) GRIFFIN (2012) JACOBS (2009) KRASKA (2013) LOHR (2012) LOPEZ (2012) MADDEN (2012) MANYIKA et al. (2011) Apresentar um modelo para tecnologias no mercado de mídias sociais, tecnologia móveis e aplicações nas nuvens. Relatório demonstrando como executivos podem se beneficiar de 10 novidades tecnológicas. Visão de perspectivas filosóficas para o big data na biologia. Editorial da revista MIS Quartely para uma edição especial sobre BI (Business Intelligence ). Apresentar um modelo conceitual de um sistema de apoio à decisão orientado a serviços (DSS) para a nuvem que possa lidar com o big data. Artigo tratando sobre inteligência artificial, mais especificamente em como os avanços tecnológicos atuais afetariam o Teste de Turing. Demonstrar como o big data pode auxiliar pessoas inovadoras. Recomendações sobre o big data para bibliotecários. Práticas e recomendações para organizações, principalmente financeiras, evitarem fraudes através de benefícios do big data. Quais são os principais problemas enfrentados por sistemas de informação ao lidar com o big data. Discutir os sistemas de informação vendidos no mercado como soluções para o big data. Reportagem do The New York Times sobre o investimento de 200 milhões de dólares pelo governo norte-americano para pesquisas sobre o big data. Recomendações e práticas para empresas se beneficiarem do big data. Explicar o porquê de bases de dados não resolverem o desafio do big data. Como alguns setores econômicos podem se beneficiar com o big data. "A totalidade de fontes de dados estruturados e não estruturados, incluso mídias sociais" p. 209 Inundação de dados "como resultado de maior acesso de dados do consumidor através de fontes públicas, de proprietário e pagas, bem como novas informações advindas de comunidades web e de novas implantações de ativos inteligentes" p. 7 "O grande desafio do big data não é somente de simples escala e amplitude dos novos conjuntos de dados, mas também a crescente complexidade desses." p. 70 "Descreve os conjuntos de dados e técnicas analíticas em aplicações que são tão grandes (de terabytes para exabytes) e complexas (de sensor a dados de mídias sociais) que eles requerem únicas e avançadas tecnologias de armazenamento de dados, administração, análise e visualização." "Desafio de administrar grandes quantidades de dados." p.1 "A disponibilidade de vastas quantidades de dados de todos os tipos e o aumento de velocidade e poder de máquinas para analisar esses dados" p. 75 "Quando são tão grandes [os dados] que od sistemas tradicionais não conseguem lidar." p. 64 "Não é apenas aumento na quantidade e tipos de dados, é também melhores ferramentas para armazenar, agregar, combinar, analisar, e extrair novas idéias." p.31 "É importante notar que big data é muito mais do que mídias sociais. É dados estruturados e não estruturados residindo em bases de dados em múltiplas regiões geográficas. É texto em formulários Web e PDFs, e é e todas as formas de outros documentos." p. 45 "Dados cujo tamanho força-nos a olhar além de métodos comprovados que são predominantes na época." p. 44 "É quando o aplicativo normal da tecnologia atual não permite aos usuários obter no tempo correto, com custo eficaz e com respostas de qualidade a perguntas orientadas por dados." p. 85 "Refere-se à inundação crescente de dados digitais de muitas fontes, incluindo a internet, sensores biológicos e industriais, videos, e redes sociais de comunicação." p. 1 "Existem muitas definições de big data, mas a maioria dos especialistas concordam em três características fundamentais: volume, velocidade e variedade. Outro aspecto chave, frequentemente negligenciado, é custo." p. 18 "Dados que são em grandes quantidades, muito rápidos e muito difíceis para as ferramentas atuais de processamento." p.4 "Conjunto de dados cujo tamanho está além da habilidade de típicas ferramentas de software de base de dados para capturar, armazenar, administrar e analisar." p.1 MARSHALL (2012) Apresentar o que pesquisadores qualitativos precisam "Muito grande para ser observado de perto." p. 213 saber sobre o big data. POSPIECH, FELDENS (2012) Realizar uma revisão da literatura para estabelecer futuras questões de pesquisa. "Um desafio de uma relação desfavorável entre dados disponíveis e tecnologias de informação ou conceitos atuais." p. 2 "Um crescente número de conjunto de dados empresariais de tamanhos PREIMESBERGER Apresentar o big data através das principais colossais e toda a tecnologia necessária para criar, armazenar, cruzar, (2011) empresas que vendem soluções para o big data. analisar, arquivar e recuperar esses dados empresariais." p. 34 ROGERS (2011) Como o big data está alterando a forma que as empresas utilizam seus BI e ferramentas do tipo analytics. "Conjuntos de dados que não podem mais ser facilmente administrados ou analisados com ferramentas, métodos ou infraestruturas tradicionais ou comuns de administração de dados." p. 15 SINGH, SINGH (2012) SMITH et al. (2013) TABUENA (2012) TANKARD (2012) Apresentação do conceito, características e "Conjunto de dados que continuam a crescer tanto que torna difícil de necessidades do big data bem como de soluções administrá-los usando conceitos e ferramentas existentes de administração disponíveis no mercado para as empresas lidarem com de base de dados." p. 1 o big data. Através de uma pesquisa por redes sociais, expor problemas quanto a privacidade dos usuários no big data. Recomendações sobre o big data para auditores. Apresentar problemas quanto a segurança da informação que o big data ocasiona. Problemas em áreas em que "conjuntos de dados que são tão grandes que não se consegue mais lidar efetivamente ou até completamente". p. 1 "Big data não é apenas sobre tamanho. Big data é realmente sobre ferramentas de dados do tipo analytics." p. 32 "Refere-se à quantidade de informações cada vez maiores que as organizações estão armazenando, processando e analisando, devido ao crescente número das fontes de informações em uso." p.5 Fonte: Autores Um dos principais pontos abordados é a discrepância entre o conjunto de dados e as tecnologias ou ferramentas para administrá-los. Uma das razões dessa discrepância é a grande quantidade de dados não estruturados que as empresas buscam analisar e o aumento de 6

7 importância dos mesmos (BEATH et al., 2012). Dados não estruturados são definidos como dados que não estão dispostos no paradigma colunas e linhas (BLAIR, MURPHY, 2011), como por exemplo, s, documentos em PDF e dados de redes sociais como o Twitter. Dados de tais fontes são importantes, mas grande parte das empresas não está preparada para gerir sobre os mesmos. A incapacidade de gerir as informações advindas de dados não estruturados pode ter origem em falhas de governança da informação ou nas capacidades de gestão da informação. Por exemplo, em muitas organizações, de acordo com Jacobs (2009) não se questiona a capacidade dos bancos de dados, já que é relativamente fácil e barato aumentar a memória para os dados entrarem na base da organização, mas a análise dos mesmos não é realizada eficientemente, devido ao excesso de dados e à própria arquitetura das bases de dados. Alguns autores, como Kraska (2013), sugerem que a (impossibilidade da) análise do big data está intrinsecamente conectada com bancos de dados relacionais. Nesse tipo de banco de dados, os dados são dispostos como em uma tabela, o que torna difícil a extração e inserção de grandes quantidades de dados, em formatos distintos de uma tabela e a uma velocidade aceitável (JACOBS, 2009). Porém, banco de dados relacional ainda é um assunto controverso afinal, outros autores, como Collett (2011) defendem que é um mito que esse tipo de banco de dados não possa lidar com o big data. Para Madden (2012) embora algumas bases de dados possam estar relacionadas com uma análise mais eficiente do big data, elas não são a solução, dado que existem outras dimensões importantes. As dimensões mais citadas do big data são volume, velocidade e variedade. Porém, atualmente reportagens em revistas da área de sistemas de informação (PREIMESBERGER, 2011; TAURION, 2012; LUZ, 2012) agregam duas dimensões para o big data: valor e veracidade. Logo, como variáveis do big data serão consideradas as dimensões: valor, volume, velocidade, veracidade e variedade, conforme figura um. Figura 1 - Dimensões do big data Velocidade Tempo real; Por lotes (batch); Stream. Valor Financeiro; Operacional; Organizacion al. Variedade Dados não estruturados; Dados estruturados; Ambos. Big Data Veracidade Dados autênticos. Volume Terabytes; Número de arquivos; Número de transações. Fonte: Adaptado de Singh e Singh (2012) Enquanto que volume trata do tamanho que o conjunto de dados possui, ou seja, a quantidade em terabytes ou em número de tabelas e fotos do conjunto (SINGH; SINGH, 2012), a velocidade segundo McAfee e Brynjolfsson (2012), é a velocidade com que os dados são 7

8 criados. A dimensão de variedade refere-se a diferentes tipos de dados que podem ser administrados por determinada tecnologia, como dados estruturados ou não estruturados (TABUENA, 2012). O valor é uma dimensão que era desconsiderada, mas que se torna evidente com o aumento de projetos voltados ao big data, já que é necessário que as empresas obtenham valor do big data para continuarem com os investimentos (MARCHAND; PEPPARD, 2013). Esse valor é alcançado, por exemplo, através do auxílio do big data para a tomada de decisões mais precisa dos executivos (PREIMESBERGER, 2011), gerando melhorias no desempenho financeiro, organizacional ou operacional da firma. Outro aspecto chave é a veracidade dos dados, ou seja, assegurar que os dados presentes no conjunto são autênticos (TAURION, 2012). Logo, a definição de big data para essa pesquisa é: Os conjuntos de dados que por terem como características um volume, velocidade, variedade, valor e ou veracidade fora do usual exigem tecnologias de informação ou ferramentas além das disponíveis no momento para administrá-los. 4. Método 4.1 Modelo de pesquisa De acordo com a revisão da literatura, apresenta-se o modelo de pesquisa na figura dois. Figura 2 - Modelo de pesquisa Fonte: Autores Apresentam-se também as variáveis de cada construto da pesquisa na figura três. 8

9 Figura 3 - Construtos e variáveis de pesquisa Fonte: Autores Importante ressaltar que as variáveis de governança da informação, capacidade de gestão da informação e big data estão presentes na revisão teórica. As variáveis de desempenho organizacional são variáveis não financeiras, seguindo indicação de Khallaf (2012). Baseando-se nos autores: Melville, Kraemer, Gurbaxani (2004); Hartono et al. (2010) e Priem, Rasheed e Kotulic (1995), obtêm-se essas três variáveis de pesquisa para o construto desempenho organizacional: processo decisório, compartilhamento de informações e flexibilidade As hipóteses de pesquisa, construídas a partir da revisão teórica, são as seguintes (figura 1): H1: Os investimentos em TI impactam positivamente na governança da informação H2: Os investimentos em TI impactam positivamente nas capacidades de gestão da informação. H3: A governança da informação impacta positivamente nas capacidades de gestão da informação. H4: A governança da informação impacta positivamente no desempenho da informação. H5: As capacidades de gestão da informação impactam positivamente no desempenho da informação. H6:Quanto maior o impacto do big data, maior a influência da governança da informação no desempenho organizacional. H7:Quanto maior o impacto do big data, maior a influência das capacidades de gestão da informação no desempenho organizacional. 4.2 Desenho de pesquisa Esta pesquisa utiliza técnicas qualitativas em um procedimento exploratório e, em seguida, passa-se a abordagem quantitativa como um procedimento para confirmação de hipóteses. Os métodos de pesquisa utilizados serão o estudo de casos múltiplos (OLIVEIRA; MAÇADA; GOLDONI, 2009) e survey (LITWIN, 1995). Consequentemente, a pesquisa está dividida em três etapas (figura quatro). 9

10 Figura 4 - Desenho de pesquisa 1ª Etapa Revisão da literatura Entrevista com executivos Aplicabilidade dos constructose do modelo ao contexto de pesquisa 2ª Etapa: Estudode Casos Múltiplos Seleção das unidades de análise Protocolo do estudo de caso Validação do roteiro Realização dos estudos de caso Análise dos resultados parciais 3ª Etapa: Survey Validação do instrumento e constructos (Estudo-piloto) Aplicação do instrumento na amostra (survey) Análise dos resultados parciais Conclusões Fonte: Autores A aplicação e a combinação de métodos de pesquisa e de coletas de dados se fazem necessárias para atender aos objetivos da pesquisa e do processo de refinamento do modelo de pesquisa desta investigação. Na primeira etapa da pesquisa, que já está em andamento, foi realizada a revisão bibliográfica. Estão sendo utilizadas as seguintes fontes: artigos, textos, obras, teses e dissertações de autores nacionais e estrangeiros. Na etapa qualitativa do projeto, que são entrevistas com executivos envolvidos na gestão de TI de bancos, indústrias, serviços, busca-se promover um maior conhecimento, por parte dos pesquisadores, do contexto da pesquisa, além de verificar junto aos especialistas a aplicabilidade das dimensões e variáveis selecionadas para o modelo pesquisa. A realização dessa etapa contribuiu com informações para o ajuste dos protocolos dos estudos de caso, adotados na segunda etapa da pesquisa (estudo de casos múltiplos), bem como a elaboração dos instrumentos de coleta de dados (questionário) utilizados na terceira etapa da pesquisa. A segunda etapa da investigação consiste na realização de estudo de casos múltiplos. As empresas candidatas ao estudo de casos são empresas que possuem uma área de TI estruturada, além de se buscar empresas com diferentes níveis de utilização da informação. Essa seleção por máxima variação ou heterogeneidade, no caso, de setores econômicos, tem como resultado descrições detalhadas de cada caso e descoberta de padrões que atravessem as diferenças entre os casos (PATTON, 2002). Para Yin (2005), essa lógica de seleção é de replicação teórica, em que se conduzem estudos em casos esperando resultados contrastantes. Essa etapa da pesquisa permitirá o entendimento sobre como os investimentos em TI são realizados, como a governança da informação e as capacidades de gestão da informação são utilizadas nas empresas frente às peculiaridades do ambiente econômico e informacional das respectivas empresas, além de relacionar os construtos e hipóteses propostas com base na literatura. Ainda, por meio do estudo de casos múltiplos, visa-se entender como as relações entre os construtos e variáveis propostas nessa pesquisa. Assim, serão incluídas, no questionário da pesquisa survey, questões que validem os resultados obtidos pelo estudo de casos múltiplos. A realização dessa etapa contribui para a elaboração da versão preliminar do instrumento de coleta de dados (questionário) que constitui a terceira etapa da pesquisa. A pesquisa survey tem como meta validar um conjunto de variáveis que auxiliem organizações e executivos no processo de investir em TI. Esse auxílio virá do conhecimento 10

11 sobre as relações do investimento em TI com os diferentes construtos, além de permitir verificar a influência no desempenho organizacional, moderado pelo big data. Destaca-se que esta pesquisa é do tipo corte-transversal ou transeccional, pois os dados serão coletados em um dado momento no tempo (D ANCONA, 1998), sendo levado em conta apenas o momento da pesquisa, sem a preocupação de se traçar a evolução do fenômeno pesquisado. 5. Conclusões Esse artigo apresenta um modelo de pesquisa que une aspectos chaves para o ambiente informacional das organizações, bem como apresenta conceitos novos para esses mesmos aspectos chaves. Os construtos abordados nessa pesquisa são recentes e na literatura brasileira ainda não há artigos relacionando esses construtos. Essa ligação e definição de conceitos, baseando-se na teoria da agência, é uma das contribuições acadêmicas do artigo e da pesquisa. A principal contribuição esperada para gestores com a pesquisa é apresentar benefícios que os investimentos em TI podem resultar, suas conexões e pontos que devem ser cuidados para que esse investimento melhore o desempenho organizacional. Através da revisão da literatura também se confirma a importância da governança da informação, das capacidades de gestão da informação e do big data nas organizações, e outros artigos são esperados no futuro com os resultados da pesquisa. Referências ADA, Serkan; SHARMAN, Raj; BALKUNDI, Prasad. Impact of meta-analytic decisions on the conclusion drawn on the business value of information technology. Decision Support Systems, v. 54, ALCHIAN, A.; DEMSETZ, H. Production, information costs and economic organization. The American Economic Review, v. 62, n. 5, ARNOLD, Erik. The big deal about big data. Information today, v. 29, n. 9, BEATH, Cynthia et al. Finding value in the information explosion. MIT Sloan Management Review, v. 53, n. 4, BEGOLI, Edmon; HOREY, James. Design principles for effective knowledge discovery from big data. In: JOINT WORKING IEEE/IFIP CONFERENCE ON SOFTWARE ARCHITECTURE AND EUROPEAN CONFERENCE ON SOFTWARE ARCHITECTURE, 10 and 6, Helsinki, Proceedings Helsinki, BHARADWAJ, A. S. A resource-based perspective on information technology capability and firm performance: an empirical investigation. MIS Quarterly, v. 24, n. 1, BLAIR, Barclay; MURPHY, Barry. Defining information governance: Theory or action? Results of the 2011 information governance survey. ediscovery Journal, Sep BONOMETTI, Robert J. Technology considerations for competing in the big data Socialmobile-cloud marketing space. Competition forum, v. 10, n. 2, BRYNJOLFSSON, Erik; HITT, Lorin M. Beyond computation: Information technology, organizational transformation and business performance. Journal of Economic Perspectives v. 14, n. 4, BUGHIN, Jacques; CHUI, Michael; MANYIKA, James. Clouds, big data, and smart assets: Ten tech-enabled business trends to watch. McKinsey Quartely, aug CALLEBAUT, Werner. Scientific perspectivism: A philosopher of science s response to the challenge of big data biology. Studies in history and philosophy of biological sciences, v. 43,

12 CHEN, Hsinchun; CHIANG, Roger H. L.; STOREY, Veda C. Business intelligence and analytics: From big data to big impact. MIS Quartely, v. 36, n. 4, COLLETT, Stacy. Why big data is a big deal. Computerworld, 7 nov COONEY, James P. Qual o real valor da informação? Revista Escola de Biblioteconomia UFMG, v. 20, n. 2, D ANCONA, A. C. Metodología Cuantitativa: Estrategias y técnicas de investigación social. Editorial Síntesis, Madrid, DATSKOVSKY, Galina. Information governance. In: LAMM, Jacob. Under control: Governance across the enterprise. New York: Apress, DAVENPORT, T.H, BEER, M.C. Managing information about processes, Journal of Management Information Systems, DEDRICK, Jason; GURBAXANI, Vijay; KRAEMER, Kenneth L. Information technology and economic performance: A critical review of the empirical evidence, ACM Computing Surveys, v. 35, n. 1, DEMCHENKO, Yuri et al. Addressing big data challenges for scientific data infrastructure. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON CLOUD COMPUTING TECHNOLOGY AND SCIENCE IEEE, 4, Taipei, Proceedings, Taipei: DEMIRKAN, Haluk; DELEN, Dursun. Leveraging the capabilities of service-oriented decision support systems: Putting analytics and big data in cloud. Decision Support Systems, 2012, in press. DEVARAJ, S.; KOHLI, R. Performance impacts of information technology: Is actual usage the missing link? Management Sciences, v. 49, n. 3, EISENHARDT, Kathleen. Agency theory: An assessment and review. Academy of management review, v. 14, n. 1, FEENY, D.; WILLCOCKS, L. Core IS capabilities for exploiting IT. Management Review, v. 39, n. 3, 1998, FRANKS, Bill. Taming the big data tidal wave: Finding opportunities in huge data streams with advanced analytics. John Wiley & Sons, New Jersey: FRENCH, Robert M. Moving beyond the Turing test. Communication of the ACM, v. 55, n. 12, FREZATTI, Fábio et al. Controle gerencial: Uma abordagem da contabilidade gerencial no contexto econômico, comportamental e sociológico. São Paulo: Atlas, GARTNER. Gartner says big data will drive $ 28 billion of IT spending in Gartner Press Release, 17 oct GOBBLE, Mary Anne M. Big data: The next big thing in innovation. Research technology management, jan/feb GORDON-MURNANE, Laura. Big data: A big opportunity for librarians. Online, sep/oct GREENGARD, Samuel. Big data unlocks business value. Baseline, jan GRIFFIN, Robert. Using big data to combat enterprise fraud. Financial executive, dec GRIMSTAD, Terje; MYRSETH, Per. Information governance as a basis for cross-sector e- Services in public administration. In: E-CHALLENGES E-2010 CONFERENCE, 2010, Warsaw. Proceedings Warsaw, GROSSMAN, Robert L. What is analytic infrastructure and why should you care? ACM SIGKDD Explorations, v. 11, n. 1, HARTONO, E. et al. The role of the quality of shared information in interorganizational systems use. International Journal of Information Management, v. 30, JACOBS, Adam. The pathologies of big data. Communications of the ACM, v. 52, n. 8,

13 JENSEN, M. C.; MECKLING, William H. Theory of the firm: Managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, v. 3, n. 4, KHALLAF, Ashraf. Information technology investments and nonfinancial measures: A research framework. Accounting forum, v. 36, KRASKA, Tim. Finding the needle in the big data systems haystack. IEEE Internet computing, jan/feb LEE, Yang W. et al. Journey to data quality. Cambridge: MIT Press, LITWIN, M. S. How to measure survey reliability and validity. Thousand Oaks: Sage, The Survey Kit, v. 7, LOHR, Steve. New U.S. research will aim at flood of digital data. The New York Times, 29 mar Disponível em: Acesso em: 12 fev LUZ, Charlley. Big data: você já não vive sem. Webinsider, 24 out Disponível em: Acesso em: 12 fev MADDEN, Sam. From databases to big data. IEEE Internet computing, may/jun Management, v. 30, MANYIKA, James et al. Big data: The next frontier for innovation, competition, and productivity. McKinsey & Company, may MARCHAND, D. A. et al. Information Orientation: People, Technology and the Bottom Line. Sloan Management Review, v. 4, MARCHAND, D. A. Reaping the business value of IT. Business & Economic Review, v. 51, n. 4, MARCHAND, Donald; PEPPARD, Joe. Why IT fumbles analytics. Harvard Business Review, jan/feb MARSHALL, Cathy. Big data, the crowd and me. Information services & use, v. 32, MCAFEE, Andrew; BRYNJOLFSSON, Erik. Big data: The management revolution. Harvard Business Review, out McGEE, J.; PRUSAK, L. Gerenciamento estratégico da informação: aumente a competitividade e a eficiência de sua empresa utilizando a informação como uma ferramenta estratégica. 12. ed. Rio de Janeiro: Campos, MELVILLE, Nigel; KRAEMER, Kenneth; GURBAXANI, Vijay. Review: Information technology and organizational performance: An integrative model of IT business value. MIS Quartely, v. 28, n. 2, jun MENTZER, J.T. et al. Global market segmentation for logistics services. Industrial Marketing Management, v. 33, MITHAS, Sunil et al. Information technology and firm profitability: Mechanisms and empirical evidence, MIS Quartely, v. 36, n. 1, MITHAS, Sunil; RAMASUBBU, Narayan; SAMBAMURTHY, V. How information management capability influences firm performance, MIS Quartely v. 35, n. 1, OLIVEIRA, Mírian; MAÇADA, Antonio Carlos Gastaud; GOLDONI, Vanessa. Forças e fraquezas na aplicação do estudo de caso na área de sistemas de informação. Revista de Gestão, v. 16, n. 1, OTTO, Boris. Data governance. Business & Information Systems Engineering, v. 4, 2011 PATTON, Michael Quinn. Qualitative research & evaluation methods. Thousand Oaks: Sage Publications, POSPIECH, Marco; FELDEN, Carsten. Big Data A state-of-the-art. In: AMERICAS CONFERENCE ON INFORMATION SYSTEMS (AMCIS), 18, Seattle. Proceedings Seattle: PREIMESBERGER, Chris. Big ideas about big data. eweek, 15 aug

14 PRIEM, Richard L.; RASHEED, Abdul M. A.; KOTULIC, Andrew G. Rationality in strategic decision processes, environmental dynamism and firm performance. Journal of Management, v. 21, n. 5, RAMÍRREZ-CORREA, Patricio; ALFARO-PÉREZ, Jorge. El nível de la inversión em tecnologia de información no afecta el rendimiento empresarial: Evidencia empírica de las industrias manufactureras Chilenas, Journal of Technology Management & Innovation, v. 6, n. 4, ROGERS, Shawn. Big data is scaling BI and analytics. Information management, sep/oct SANTAFERRARO, John. Offloading analytics. Business intelligence journal, v. 17, n. 4, SCHLIESKI, Tawny; JOHNSON, Brian David. Entertainment in the age of big data. Proceedings of the IEEE, v. 100, may SINGH, Sachchidanand; SINGH, Nirmala. Big data analytics. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON COMMUNICATION, INFORMATION & COMPUTING TECHNOLOGY (ICCICT), Mumbai, Proceedings, Mumbai: SMITH, H.; MCKEEN, J. How does Information Technology affect Business value? A reassessment and research propositions, Canadian Journal of Administrative Sciences, v. 10, n. 3, SMITH, Matthew et al. Big data privacy issues in public social media. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON DIGITAL ECOSYSTEMS TECHNOLOGIES IEEE (DEST), 6, Campione. Proceedings Campione: TABUENA, José. What internal auditors should know about big data. Compliance week, dec TANKARD, Colin. Big data security. Network security, jul TAURION, Cezar. Você realmente sabe o que é o big data? Blog da IBM, 30 abr Disponível em: https://www.ibm.com/developerworks/mydeveloperworks/blogs/ctaurion/entry/voce_realmen te_sabe_o_que_e_big_data?lang=em. Acesso em: 12 fev TEECE, D. Competition, cooperation and innovation: organizational arrangements for regimes of rapid technological progress. Journal of Economic Behavior and Organization, n. 18, TRISH, Barbara. The year of big data. Campaigns & Elections, nov/dec VERCHOPOULOS, A.; SIOMKOS, G.; DOUKIDIS, G. Internet Shopping Adoption by Greek Consumers. European Journal of Innovation Management, v. 4, n. 3, VIAJAYAN, Jaikumar. Investors are pouring funds into big data. Computerworld, 4 may Disponível em: a. Acesso em: 14 fev Vijayan, J. (2012) VC firms pour money into big-data vendors Computerworld, May 21. WARD, J.; TAYLOR, P.; BOND, P. Evaluation and realization of IS/IT Benefits: an empirical study of current practices, European Journal of Information Systems, v. 4, WEBER, M. D.; KAUFFMAN, R. J. What drives global ICT adoption? Analysis and research directions. Electronic Commerce Research and Applications, WENDE, Kristin. A model for data governance: Organising accountabilities for data quality management. In: AUSTRALASIAN CONFERENCE ON INFORMATION SYSTEMS, 18, 2007, Toowoomba. Proceedings Toowoomba: WILLCOCKS, L. P. et al. Evolving IS capabilities to leverage the external IT services market. MIS Quarterly Executive, v. 6, YIN, Robert K. Estudo de caso: Planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman,

15 ZAHAI, D. Information antecedents of personalization and customization in business-tobusiness service markets. Journal of Database Marketing, v. 10, n. 3, ZAHAI, D. L.; HANDFIELD, R. B. The role of learning and technical capabilities in predicting adoption of B2B technologies. Industrial Marketing Management, v. 33, ZAHAI, D.; GRIFFIN, A.; FREDRICKS, D. Sources, uses, and forms of data in the new product development process. Industrial Marketing Management, v. 33, n.7, ZHAO, Yuyang; et al. High value information in engineering organisations. International journal of information management, v. 28,

BIG DATA TRANSFORMANDO DADOS EM DECISÕES

BIG DATA TRANSFORMANDO DADOS EM DECISÕES BIG DATA TRANSFORMANDO DADOS EM DECISÕES Tiago Volpato 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1, Jaime William Dias 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil tiagovolpatobr@gmail.com, ricardo@unipar.br,

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

Tendências na adoção de Big Data & Analytics: Inovação em tempo real para empresas que precisam de transformação

Tendências na adoção de Big Data & Analytics: Inovação em tempo real para empresas que precisam de transformação Tendências na adoção de Big Data & Analytics: Inovação em tempo real para empresas que precisam de transformação Luciano Ramos Coordenador de Pesquisas de Software IDC Brasil A América Latina enfrenta

Leia mais

MIT CDOIQ Symposium 2014. Os temas mais abordados

MIT CDOIQ Symposium 2014. Os temas mais abordados IV Conferência Internacional em Qualidade da Informação MIT CDOIQ Symposium 2014 Os temas mais abordados Evolução MIT Information Quality Program Pesquisa, Ensino, Publicações, Conferências, Certificação

Leia mais

1. Centros de Competência de BI

1. Centros de Competência de BI Pagina: 1 1. Centros de Competência de BI Originalmente, o termo Centro de competência de BI (conhecido também como BICC Business Intelligence Competence Center) foi utilizado pelo instituto de pesquisa

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais

Sistemas de Informação Gerenciais Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Terceira aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com Maio -2013 Governança

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI

O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI Claudio Gottschalg Duque Professor Departamento de Ciência da Informação Universidade de Brasília (UnB) Brasil Mauricio Rocha Lyra Aluno

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Horton International Brasil Al. dos Maracatins, 992-A 11º andar, conj. 111 e 112 04089-001 São Paulo SP Tel: (+55 11) 5533-0322 www.horton.com.

Horton International Brasil Al. dos Maracatins, 992-A 11º andar, conj. 111 e 112 04089-001 São Paulo SP Tel: (+55 11) 5533-0322 www.horton.com. HORTON INTERNATIONAL EXECUTIVE SEARCH MANAGEMENT CONSULTANTS Horton International Brasil Al. dos Maracatins, 992-A 11º andar, conj. 111 e 112 04089-001 São Paulo SP Tel: (+55 11) 5533-0322 www.horton.com.br

Leia mais

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Adriano Olimpio Tonelli Redes & Cia 1. Introdução A crescente dependência entre os negócios das organizações e a TI e o conseqüente aumento

Leia mais

Borland: Informatizando TI. João Carlos Bolonha jbolonha@borland.com

Borland: Informatizando TI. João Carlos Bolonha jbolonha@borland.com Borland: Informatizando TI João Carlos Bolonha jbolonha@borland.com Software Diferentes Níveis Extrair o Máximo Valor para o Negócio Eficiência Vantagem Competitiva Copyright 2007 Borland Software Corporation.

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

BIG DATA Armazenamento e Gerenciamento de grandes volumes de dados

BIG DATA Armazenamento e Gerenciamento de grandes volumes de dados BIG DATA Armazenamento e Gerenciamento de grandes volumes de dados Carlos Marques Business Development Manager, Data Connectivity and Integration Latin America & Caribbean Market (CALA) O que veremos hoje?

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK

Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can be humorous. Make sure you look at the Notes Pages for more information about how to use the template.

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Convergência TIC e Projetos TIC

Convergência TIC e Projetos TIC TLCne-051027-P1 Convergência TIC e Projetos TIC 1 Introdução Você responde essas perguntas com facilidade? Quais os Projetos TIC mais frequentes? Qual a importância de BI para a venda de soluções TIC (TI

Leia mais

Fator Estratégico para a Governança e a Efetividade da TI

Fator Estratégico para a Governança e a Efetividade da TI Fator Estratégico para a Governança e a Efetividade da TI Introdução Conceituação Transformando a TI: de Operacional para Estratégica Por que implementar Quem implementou Quem está implementando Como Implementar

Leia mais

Resultados da Pesquisa

Resultados da Pesquisa Resultados da Pesquisa 1. Estratégia de Mensuração 01 As organizações devem ter uma estratégia de mensuração formal e garantir que a mesma esteja alinhada com os objetivos da empresa. Assim, as iniciativas

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can

versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can be humorous. Make sure you look at the Notes Pages for more information about how to use the template.

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Gilberto Zorello (USP) gilberto.zorello@poli.usp.br Resumo Este artigo apresenta o Modelo de Alinhamento Estratégico

Leia mais

Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC {aula #1} com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11) 9962-4260 http://rildosan.blogspot.com/

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS João Antônio Bezerra Rodrigues¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa Apresentação da Empresa Somos uma empresa especializada em desenvolver e implementar soluções de alto impacto na gestão e competitividade empresarial. Nossa missão é agregar valor aos negócios de nossos

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Alavancando a segurança a partir da nuvem

Alavancando a segurança a partir da nuvem Serviços Globais de Tecnologia IBM White Paper de Liderança em Pensamento Serviços de Segurança IBM Alavancando a segurança a partir da nuvem O quem, o que, quando, por que e como dos serviços de segurança

Leia mais

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos.

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fundada em 1989, a MicroStrategy é fornecedora líder Mundial de plataformas de software empresarial. A missão é fornecer as plataformas mais

Leia mais

SPED e NF- e Claudio Coli

SPED e NF- e Claudio Coli SPED e NF- e Claudio Coli A MASTERSAF Nossa Visão Missão Negócio Nossa Razão Convergência Promover Ética e Responsabilidade Social deixando um legado que seja motivo de Orgulho para nossos Clientes e Colaboradores

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion Governança de TI Importância para as áreas de Auditoria e Compliance Maio de 2011 Page 1 É esperado de TI mais do que deixar o sistema no ar. Page 2 O que mudou o Papel de TI? Aumento de riscos e de expectativas

Leia mais

Tendências em Qualidade de Software. Robert Pereira Pinto robert@base2.com.br

Tendências em Qualidade de Software. Robert Pereira Pinto robert@base2.com.br Tendências em Qualidade de Software Robert Pereira Pinto robert@base2.com.br Tendências Tecnológicas Computação nas nuvens Análises avançadas para simulação e otimização de processos Aplicações RIA Social

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Sistemas IBM Flex & PureFlex

Sistemas IBM Flex & PureFlex Eduardo (Edu) Pacini Líder Plataforma PureFlex Brasil IBM Systems & Technology Group Sistemas IBM Flex & PureFlex A Tecnologia está liderando as mudanças que impactam os negócios 1 Fatores de impacto:

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil Elicitação de Requisitos a partir de Modelos de Processos de Negócio e Modelos Organizacionais: Uma pesquisa para definição de técnicas baseadas em heurísticas Marcos A. B. de Oliveira 1, Sérgio R. C.

Leia mais

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Análise de Maturidade de Governança

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003 Technology and Security Risk Services Novembro, 2003 1. Por que escrevemos o livro? 2. Objetivo do livro 3. Conteúdo do livro 4. Dúvidas Acesso aos sites financeiros cresceu 199% em dois anos; Os sites

Leia mais

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 a computação na nuvem está presente em todos os lugares e está crescendo 72% das empresas

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Tema: Big Data, Analytics...a Tecnologia a Favor do RH Palestrante: Alberto Roitman

Tema: Big Data, Analytics...a Tecnologia a Favor do RH Palestrante: Alberto Roitman Tema: Big Data, Analytics...a Tecnologia a Favor do RH Palestrante: Alberto Roitman Em que consiste o BIG DATA Tratamento de grande conjuntos de dados cuja coleta, gestão e processamento que supera a

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

Startups e Computação em Nuvem: A Combinação Perfeita

Startups e Computação em Nuvem: A Combinação Perfeita Universidade Federal do Ceará Startups e Computação em Nuvem: A Combinação Perfeita Flávio R. C. Sousa flaviosousa@ufc.br @flaviosousa www.es.ufc.br/~flavio 2013 Introdução 2,7 bilhões de usuários na internet

Leia mais

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa Gestão e Governança de TI e Regulamentações de Compliance Prof. Marcel Santos Silva A consiste: No sistema pelo qual as sociedades são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo o relacionamento

Leia mais

RELATÓRIOS GERENCIAIS

RELATÓRIOS GERENCIAIS RELATÓRIOS GERENCIAIS Com base na estrutura organizacional de uma entidade, a parte gerencial é o processo administrativo, onde se traça toda a estrutura fundamental para elaboração do planejamento da

Leia mais

Framework de comunicação para Webservices 2P2

Framework de comunicação para Webservices 2P2 Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Framework de comunicação para Webservices 2P2 Aluno: Brayan Vilela Alves Neves

Leia mais

fornecendo valor com inovações de serviços de negócios

fornecendo valor com inovações de serviços de negócios fornecendo valor com inovações de serviços de negócios A TI é grande. Tantos bits no universo digital quanto estrelas em nosso universo físico. é arriscada. Dois terços dos projetos de TI estão em risco,

Leia mais

Rumo à transformação digital Agosto de 2014

Rumo à transformação digital Agosto de 2014 10Minutos - Tecnologia da Informação 6ª Pesquisa Anual sobre QI Digital Rumo à transformação digital Agosto de 2014 Destaques O QI Digital é uma variável para medir quanto valor você pode gerar em sua

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

Tecnologia da Informac aõ como aliada. PETRUS, Abril 2014

Tecnologia da Informac aõ como aliada. PETRUS, Abril 2014 Tecnologia da Informac aõ como aliada PETRUS, Abril 2014 Evolução da TI 60 70 80 90 A Era do Processamento de Dados A Era dos Sistemas de Informações A Era da Inovação e Vantagem Competitiva A Era da Integração

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO P-32 /2014 Área Responsável: Auditoria Interna OBJETIVO: Descrever a metodologia do FUNBIO à gestão de riscos, documentar os papéis e responsabilidades da

Leia mais

Governança de TIC. CobiT 4.1

Governança de TIC. CobiT 4.1 Governança de TIC CobiT 4.1 Conceitos Governança: A expressão governar tem origem na expressão navegar... E o que quem navega faz? Ele faz um mapa, dá a direção, faz as regras de convivência. Tomáz de

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos como posso assegurar uma experiência excepcional para o usuário final com aplicativos

Leia mais

Monitoramento de Métricas de Segurança da Informação

Monitoramento de Métricas de Segurança da Informação Monitoramento de Métricas de Segurança da Informação Rafael Seidi Shigueoka¹, Bruno Bogaz Zarpelão¹ 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal 10.011 CEP 86057-970

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI: Uma aplicação referenciada pelo COBIT

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI: Uma aplicação referenciada pelo COBIT Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI: Uma aplicação referenciada pelo COBIT Universidade Federal de Santa Catarina Sistemas de Informação André Luiz Samistraro Santin asantin@inf.ufsc.br

Leia mais

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB)

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB) A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação Maio de 2014 O novo comprador de tecnologia e a mentalidade de aquisição Existe hoje um novo comprador de tecnologia da informação Esse comprador

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

Data Warehousing Visão Geral do Processo

Data Warehousing Visão Geral do Processo Data Warehousing Visão Geral do Processo Organizações continuamente coletam dados, informações e conhecimento em níveis cada vez maiores,, e os armazenam em sistemas informatizados O número de usuários

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Inteligência de Dados

Inteligência de Dados Inteligência de Dados Apoio Master Transformando Dados em Vantagem Competitiva Leonardo Couto Sócio e Diretor Comercial leo.couto@wiseminer.com +55 21 9 7295 1422 Big Data Bang e os desafios da gestão

Leia mais