Algoritmo de Controle de Decolagem e Vôo Pairado. CARLOS RAFAEL DE ALMEIDA SILVA São José dos Campos, SP. Orientador: Alessandro Correa Mendes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Algoritmo de Controle de Decolagem e Vôo Pairado. CARLOS RAFAEL DE ALMEIDA SILVA São José dos Campos, SP. Orientador: Alessandro Correa Mendes"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO ENGENHARIA ELÉTRICA / ELETRÔNICA Algoritmo de Controle de Decolagem e Vôo Pairado CARLOS RAFAEL DE ALMEIDA SILVA São José dos Campos, SP Orientador: Alessandro Correa Mendes São José dos Campos, SP 2013

2 Sumário 1.Introdução Materiais e Métodos Fases do Projeto Objetivo Recursos Hardware Algoritmo de Controle Montagem Mecânica Testes funcionais Resultados e Discussões Resultados dos testes de hardware Resultados testes mecânicos Resultados testes funcionais Conclusão Referências Bibliográficas Anexo Algoritmo de Controle

3 Lista de Ilustrações Figura 2.1-Apresentação do primeiro vôo utilizando automatização Figura 2.2-RQ-4A Global Hawk Figura 2.3-VANT PREDATOR Figura 2.4- Exemplo de um veículo multi rotor Figura 2.5- Arquitetura do sistema da MicroPilot Figura 2.6-Superfícies de controle de um avião Figura Diagrama de blocos do projeto Figura 3.2- Características do motor Figura 3.3-Dados técnicos da hélice Figura 3.4- Setup de testes do HC-SR Figura 3.5- Setup de testes do ESC e do motor Brushless Figura 3.6- Plataforma para realização dos testes funcionais do projeto Figura Diagrama funcional do setup de testes funcionais Figura 3.8- Diagrama elétrico do projeto Figura 3.9-Malha de controle proporcional Figura Fluxograma do algoritmo de controle Figura Interface gráfica do aplicativo Blue Control Figura 4.1- Primeiro modelo mecânico Figura 4.2- Novo modelo de plataforma Figura 4.3- Base móvel Figura 4.4-Dados inseridos do ecalc Figura 4.5- Curva de operação do motor Brushless Figura 4.6- Características de operação do motor Figura 4.7- Detalhes base móvel e cablagem Figura Setup testes funcionais

4 Lista de Abreviaturas VANT GPS P.A AFCS ELAC SEC FAC AFDC PFC MAU ADS FCM ACE CAN NIC ESC PWM Veículo Aéreo Não Tripulado Global Positioning System Piloto Automático Automatic Flight Control System Elevator Aileron Computer Spoiler Elevator Computer Flight Argumentation Computer Autopilot Flight Director Computer Primary Flight Computer Modular Avionics Unit Air Data System Flight Control Module Actuator Control Electronics Computer Area Network. Network Interface Computer Controlador Eletrônico de Velocidade Modulação por Largura de Pulso 4

5 Resumo Uma aeronave autônoma é aquela cuja operação ocorre sem um piloto ou seu controle é efetuado remotamente. Sua vantagem operacional está ligada ao fato de não expor vidas humanas a riscos em operações. Suas dimensões são variadas, limitando-se a aplicabilidade de cada aeronave. Neste trabalho é descrita a metodologia para construção de um algoritmo de controle de estabilidade em decolagens e voos pairados (hover) autônomo embarcado. Será também proposta ao longo do projeto a construção de um sistema que por meio de uma plataforma móvel irá permitir que o usuário altere o valor de referência do controle e observe suas características de estabilidade aplicado no controle de altitude da plataforma móvel. Este sistema é composto de uma arquitetura de software embarcado em um microcontrolador da família MSP430 especifica para a aplicação e hardware dedicado à plataforma móvel para demonstrar a teoria envolvida e sua aplicação. Palavras chaves: VANT, microcontroladores, MSP430, controle Abstract An Unmaned Aircraft is one whose operation occurs without a pilot or control is performed remotely. Its operational advantage is linked to the fact of not exposing human lives at risk in operations. Its dimensions are varied, limiting the applicability of each aircraft. This work describes a methodology for constructing an algorithm stability control autonomous takeoffs and hovered in flight (hover) shipped. Will also be proposed throughout the project to build a system through a mobile platform will allow the user to change the reference value for the control and observe their stability characteristics applied to the altitude control of the mobile platform. This system consists of a software architecture embedded in a MSP430 microcontroller family specifies the application for and dedicated to the mobile platform to demonstrate the theory involved and its hardware implementation. Keywords: UAV, microcontrollers, MSP430, control. 1.Introdução Inúmeras tentativas de construção de veículos aéreos ocorreram ao longo da história devido a estas tentativas estarem ligadas a um dos grandes desafios do homem na história: voar. De várias maneiras, o homem sempre tentou realizar este objetivo e quando realizado utilizou para fins de transporte, bélico, lazer e também acadêmicos. 5

6 A crescente abordagem em artigos de diversos tipos de veículos aéreos autônomos demonstra a importância e aplicabilidade em variadas áreas, a qual fez com que veículos aéreos apresentassem cada vez mais automatização de funções. Aeronaves comerciais e não comerciais possuem atualmente sistemas que auxiliam a automatização de funções durante o vôo, tal sistema é conhecido como piloto automático. Um Veículo Aéreo Não Tripulado (VANT) sem um controle automático de altitude demandaria um controle manual para tal ação. Essa dependência durante o vôo para um ajuste corretivo em resposta a cada ação de uma aeronave apresentaria uma imprecisão de resposta da aeronave, já que dependeria da velocidade de resposta humana, e avaliando que durante o vôo existem diversas variáveis importantes que também demandam atenção do piloto, tornaria-se impraticável e caso ocorresse, seria executado um controle de forma ineficiente seja ele controlado direto ou remotamente. Indefinidamente isso se torna um problema quando variadas aplicações são idealizadas, mas a falta de um automatismo de algumas funções contribui pra ineficiência de tais aplicações. O termo VANT abrange uma variedade de aeronaves que podem ser controladas remotamente ou voar seguindo planos de vôos pré-programados antes de seu lançamento, capaz de executar diversas tarefas, tais como reconhecimento, monitoramento, vigilância, mapeamento e ataque. A primeira vez que utilizou-se o conceito de Veiculo Aéreo Não Tripulado foi durante um ataque do Exército Austríaco à cidade italiana de Veneza em 12 de julho de Durante o ataque, balões foram carregados com explosivos e lançados do navio austríaco Vulcano, com a intenção de precipitarem sobre a cidade e, em seguida, explodir sua carga. Alguns destes balões atingiram seu objetivo, porém outros retornaram às linhas austríacas devido a uma repentina mudança de vento. A mesma técnica dos balões foi usada pelos Exércitos do Sul e do Norte durante a Guerra Civil Americana ( ) e na 1ª Guerra Mundial ( ). [1] Em 1914, Lawrence Sperry, filho de Elmer Sperry apresentou sua invenção na Competição de Segurança de Avião. Utilizando a invenção de seu pai, criou um aparelho estabilizador, acoplando um giroscópio para controlar superfícies e manter o eixo de vôo da aeronave. O primeiro avião 6

7 voando com piloto automático contou em sua apresentação com Sperry e o mecânico Emil Cachin conforme mostrado na Figura2.1. Penduraram-se cada um em uma asa da aeronave fazendo com que ela inclina-se, mas o estabilizador giroscópio imediatamente corrigiu a mudança de altitude e continuou a voar suavemente e realizou um pouso perfeito. [2] Figura 2.1-Apresentação do primeiro vôo utilizando automatização. [12] As primeiras aeronaves autônomas foram desenvolvidas logo após a 1ª Guerra Mundial. Eram utilizadas, inicialmente, como torpedos aéreos ou, na concepção atual, como mísseis de cruzeiro. Este avanço se deu graças ao desenvolvimento do controle remoto empregando giroscópios. [1] No final da década de 90, com o avanço do desenvolvimento tecnológico alcançado nessa época permitiu-se o surgimento de novas famílias de VANT cada vez mais versáteis, letais e com maior autonomia. Como o VANT americano RQ-4A Global Hawk mostrado na Figura 2.2, concebido para missões estratégicas, cujo raio de ação é de km, teto de vôo de pés, capacidade de transporte de kg e autonomia de 36 horas. 7

8 Figura 2.2-RQ-4A Global Hawk. [13] Destacam-se neste contexto os equipamentos utilizados pelos EUA durante a 1ª Guerra do Golfo (1991), Kosovo (1999), Afeganistão (2001). Nesta última, foi realizada a primeira missão de combate de um VANT armado, o PREDATOR com o lançamento do míssil anticarro AGM- 114K Hellfire II é descrito na Figura

9 Figura 2.3-VANT PREDATOR. [14] Desde então, o avanço da pesquisa com a tecnologia VANT no cenário internacional continuou progredindo, como pode ser notado ao observar o número de projetos nessa área dos seguintes países: Argentina: 15; Austrália: 24; Canadá: 14; França: 77; Alemanha: 39; Itália: 37; Irã: 38; Paquistão: 33; Rússia: 59; Coréia do Sul: 25; África do Sul: 16 Suíça: 19; Reino Unido: 65; Japão: 16, Israel: 83, EUA: 386. [3] Outro avanço de tecnologia de VANT são as aeronaves de multi rotores, que é uma aeronave impulsionada por vários motores dispostos em pares. Oposto aos aviões, que têm asas fixas, os multi rotores tem sua levitação garantida por motores independentes. Ela pode ser classificada como um helicóptero, embora diferente dos helicópteros tradicionais, pois possuem diversos motores (multi rotores) e utilizam hélices de lâminas fixas, que não variam enquanto giram. A movimentação do veículo pode ser alcançada variando a velocidade relativa de cada motor e em consequência seu torque. A Figura 2.4 mostra um exemplo de veículo multi rotor. 9

10 Figura 2.4-Exemplo de um veículo multi rotor. [15] Ao falarmos de piloto automático para veículos aéreos que existem hoje, podemos exemplificar sistemas de pilotos automáticos de aeronaves comerciais e sistemas existentes para veículos aéreos autônomos como sistemas criados pelas companhias: AGX Tecnologia, OpenPilot e MicroPilot Inc. Essas empresas oferecem sistemas de piloto automático para veículos aéreos não tripulados de pequeno porte diferenciando cada uma dos serviços oferecidos por elas. A AGX Tecnologia fornece sistemas 100% nacional com alto desempenho e confiabilidade. Vem desenvolvendo sistemas embarcados com ênfase em sistemas de controle e sensoriamento remoto, pilotos automáticos para aeronaves autônomas, estações de controle em terra, sistemas de interpretação automática de imagens, softwares de inteligência computacional aplicada a processamento de imagens e modelagem de softwares para geração de código automático. [4] A MicroPilot Inc. é uma empresa que fabrica, entre outros produtos, pilotos automáticos e se auto intitula líder mundial em pilotos automáticos nesse segmento. Os controles automáticos disponíveis incluem vôo com velocidade constante, vôo com altitude constante, execução de curva coordenada, navegação por GPS, bem como o lançamento e pouso autônomos. [5] A arquitetura do sistema da MicroPilot é descrita na Figura

11 Figura 2.5-Arquitetura do sistema da MicroPilot. [16] OpenPilot é um projeto open source e intitula-se a próxima geração de hardware e software para veículos multi rotores, helicópteros, aviões e outros veículos. Visa oferecer a sociedade acesso a uma poderosa plataforma de piloto automático e estabilização de vôo. A força da OpenPilot esta no desenvolvimento em conjunto, em que os indivíduos contribuem com o seu tempo, esforço e habilidades para que todos possam se beneficiar. Como um programa de código aberto sem fins lucrativos, o projeto tem como objetivo implementar as melhores características de sistemas similares e juntá-las em um único pacote de software e hardware. O sistema da OpenPilot é desenvolvido para ser uma poderosa plataforma para veículos aéreos não tripulados. [6] 11

12 Em se tratando de aeronaves comerciais, em condições normais, os aviadores dificilmente são demandados a utilizar suas habilidades manuais, o que reduziu drasticamente a carga física de trabalho na cabine de comando. Os pilotos tem como principal tarefa a inserção de dados e autorizações ao sistema de vôo automático. Atualmente o piloto automático (P.A) é o principal automatismo presente em aeronaves comerciais. O sistema de P.A moderno possui, geralmente, um computador central, o qual determina o movimento da aeronave. O sensor de posição e/ou movimento determina a posição atual do avião e, de acordo com os dados informados pelo piloto, ou por um computador de navegação, realiza a correção necessária através de servos motores e atuadores. Apesar de existir uma grande diversidade nos sistemas de piloto automático, a maioria pode ser classificada de acordo com o número de peças, ou superfícies, que controla. Para compreender essa explicação, a familiaridade com as três superfícies básicas de controle que afetam a posição de uma aeronave ajuda bastante. A primeira é composta pelos profundores, dispositivos na cauda de um avião que controlam a inclinação (a oscilação de uma aeronave em torno do eixo horizontal perpendicular à direção do movimento). O leme direcional também está localizado na cauda do avião. Quando o leme direcional é inclinado para estibordo (direita), a aeronave muda de direção: gira sobre um eixo vertical naquela direção. Quando o leme é inclinado para bordo (esquerda), a aeronave se desloca na direção oposta. Finalmente, os controles de rolagem (ailerons) nas bordas traseiras de cada asa rolam a aeronave de um lado a outro.[7] Os pilotos automáticos podem controlar qualquer uma ou todas essas superfícies. Um piloto automático de único eixo gerencia apenas um conjunto de controles, geralmente os ailerons. Esse tipo simples de piloto automático é conhecido como "nivelador de asas" porque, ao controlar a rolagem, ele mantém as asas da aeronave niveladas. Um piloto automático de dois eixos gerencia os profundores e os ailerons. Finalmente, um piloto automático de três eixos gerencia todos os três sistemas de controle básicos: ailerons, profundores e leme direcional [7], conforme mostra a Figura

13 Figura 2.6-Superfícies de controle de um avião. [17] Cada fabricante de aeronave adota, de acordo com suas necessidades, uma arquitetura diferenciada de interfaces entre o piloto automático e controles de vôo. No mundo da aviação, o piloto automático é mais precisamente descrito como um sistema de controle de vôo automático (AFCS - Automatic Flight Control System). Um AFCS faz parte dos aviônicos de uma aeronave: os sistemas eletrônicos, os equipamentos e os dispositivos usados para controlar sistemas-chave do avião e seu vôo. Além dos sistemas de controle de vôo, os aviônicos incluem sistemas eletrônicos para comunicações, navegação, prevenção de colisões e condições climáticas. Pilotos automáticos avançados podem fazer muito mais que isso, realizando até manobras altamente precisas, como pousar uma aeronave em condições de visibilidade zero. A empresa Airbus opta por separar os computadores responsáveis pelas leis de controle dos movimentos da aeronave. Desta forma têm-se os ELACs (Elevator Aileron Computer), SEC (Spoiler Elevator Computer) e FAC (Flight Argumentation Computer). No caso do avião A320 os ELAC são dispostos em pares e controlam o profundor e os ailerons e o estabilizador em modo normal. Os SEC são três e controlam os spoilers e o estabilizador em modo stand-by. Já os FAC operam em pares e controlam o leme, o sistema de Yaw Damper, o trim do leme e realizam cálculos para os displays. 13

14 Uma característica marcante da arquitetura da Airbus é que o manche foi retirado da posição tradicional e instalado lateralmente sob a forma de um joystick, chamando-o de sidestick. O sidestick comanda a razão de rolamento e não atua diretamente na superfície. [8] Já o piloto automático da Boeing atua sobre a superfície de comando e move a coluna do manche em correspondência ao comando efetuado. Para o modelo 777 que é dotado de controles de vôo fly-by-wire, o computador que recebe inicialmente os comandos do PA é o AFDC Autopilot Flight Director Computer. A principal característica que diferencia a Boeing das demais é o fato de apresentar o backdrive, que se trata de um comando que movimenta o manche indicando qual foi o comando dado para a superfície de controle pelo Piloto Automático e transmitindo ao piloto uma indicação de como se está atuando nas superfícies de controle. O AFDC possui três processadores (A, B e C). Os processadores A e B recebem comandos de backdrive de outro computador, o PFC Primary Flight Computer, convertendo os sinais de backdrive digitais que recebe para analógicos. O processador C processa as leis de controle do PA e do flight director, trabalhando também na detecção de falhas no sistema. O AFDC controla a corrente do motor para cada atuador do backdrive, o que limita a força que este aplica nas colunas, manche os pedais do leme, porém esta força é suficiente para que o atuador supere o atrito no sistema. Como característica de manejo da aeronave, ela utiliza o tradicional manche, permitindo assim o funcionamento do backdrive. Outros pontos favoráveis a adoção da coluna são: possibilidade de introduzir sensores de força, de posição; permite adição de feel system. Os aumentos da complexidade e do peso são desvantagens ao se adotar esse modo. A EMBRAER optou pela configuração do manche tradicional, entretanto seu sistema de backdrive opera de maneira diferente da adotada pela Boeing. Neste caso o piloto automático atua através de servomotores diretamente na coluna de controle proporcionando assim atuação nos comandos primários da aeronave. Nesta arquitetura existe uma unidade para controle eletrônico denominada MAU (Modular Avionics Unit), que calcula os comandos do Piloto Automático através do módulo AFCS (Automatic Flight Control System) responsável por processar as ordens do PA e enviar comandos 14

15 para o servomotor que aciona a coluna através do Air Data System (ADS), que processa sinais provenientes de sensores da aeronave. O AFCS conta com a presença de dois canais, sendo que em cada um há dois processadores. Assim, um processador envia comandos para o servo, enquanto o outro, monitora os comandos enviados pelo processador e analisa a presença de falhas. Além dos AFCS, existe uma unidade denominada FCM (Flight Control Module), que está relacionada com uma linha digital para controle do ACE (Actuator Control Electronics). A presença do FCM está relacionada a mudança de ganhos na linha digital, tais ganhos devem ser menores com o aumento da velocidade, pois a altas velocidades, as deflexões nas superfícies devem ser menores, de modo a evitar maiores danos à aeronave. No caso de falha no FCM, não haverá influência nos comandos do ACE, sendo estes todos analógicos, ou seja, independentes do FCM. A comunicação entre FCM e ACE é feita através do CAN Computer Area Network. Tem-se o NIC (Network Interface Computer). O NIC é responsável pela comunicação entre os módulos, de modo que sejam levados em consideração aspectos da integridade durante o funcionamento. O AFCS envia um comando para o NIC, que deixa disponível os dados em uma rede para poderem ser utilizados pelos componentes do MAU. Muitos pilotos automáticos modernos podem receber dados de um receptor de Sistema de Posicionamento Global (GPS) instalado na aeronave. Um receptor de GPS pode determinar a posição de um avião no espaço calculando sua distância a partir de três ou mais satélites na rede do GPS. Armado com tais informações de posicionamento, um piloto automático pode fazer mais do que manter um avião voando em linha reta e nivelado: ele pode executar um plano de vôo. 15

16 2 Materiais e Métodos 2.1 Fases do Projeto Na Figura 3.1 é apresentado o diagrama de blocos que contempla a seqüência de atividades desenvolvidas neste projeto. Figura 3.1-Diagrama de blocos do projeto. 16

17 2.2 Objetivo O presente projeto tem como principal objetivo o desenvolvimento de um algoritmo de controle de decolagem e voo pairado autônomo embarcado. O desenvolvimento e testes pretende a implementação de uma plataforma móvel que possibilite o teste e a simulação do algoritmo. O algoritmo de controle será embarcado em um placa de experimentos chamada LaunchPad cujo microcontrolador é o MSP430G2553 da Texas Instruments devido a versatilidade desses microcontroladores. 2.3 Recursos Durante a criação deste projeto foram utilizados os seguinte softwares: - IAR Embedded Workbench for MSP430 version Software que permite realizar a programação, depuração e configurações em geral do microcontrolador MSP430G Blue Control Aplicativo para plataforma Android que fornece uma interface de controle Bluetooth sem fio. -ecalc- RC Calculator Software online que fornece informações teóricas do conjunto utilizado ( ESC + BRUSHLESS + HELICE ) 2.4 Hardware Na fase de pesquisa bibliográfica observou-se entre outras coisas o hardware necessário para a aplicação. Tal aplicação necessitaria de um módulo que permitisse a medição de altitude sem contato e um módulo que realize o controle da velocidade do motor de propulsão. Para que fosse possível medir a altitude da plataforma móvel, foi escolhido o módulo de sensor ultrassônico HC- SR04. Este tipo de sensor pode proporcionar medições de distancia de 2 à 400 cm, com a grande vantagem de ser um tipo de sensor sem contato físico para a medição de distancia. O modulo possui 17

18 transmissor e receptor ultrassônico e um circuito de controle, que vai ditar como o modulo vão trabalhar ao receber os sinais de controle vindo do microcontrolador. Para o controle do motor de propulsão foi escolhido o Controlador Eletrônico de Velocidade (ESC) Turnigy Multistar 30 Amp Multi-rotor Brushless. O ESC tem a finalidade de proporcionar o controle de motores sem escovas (brushless). São constituídos de transistores que ligam e desligam o sinal de uma forma rápida, controlados por uma microcontrolador de alta performance. Em sua entrada é aplicado um sinal do tipo Pulse Width Modulation (PWM) com um Duty Cycle em torno de 1ms a 2ms, gerando em sua saída o proporcional de 0% à 100% de rotação do motor. Utilizou-se o motor D kv Brushless Motor do tipo brushless, pois o mesmo possui a parte física semelhante ao motor brushed (com escova), mas não possui nenhum contato mecânico entre estator e rotor para a transmissão de energia. Possui também um imã na parte externa que gira em torno do seu próprio eixo, girando assim também o rotor. O motor brushless é o mais utilizado em aeromodelismo elétrico devido a possuir alta potência, alto torque, inércia baixa, peso reduzido, alta eficiência além de operar em alta rotação. Esse tipo de motor introduz uma confiabilidade mais elevada, ruído reduzido além de uma vida útil mais longa. [9] As características do motor são descritas na Figura 3.2. Figura 3.2-Características do motor. [19] Utilizou-se no projeto uma hélice que permitiu a elevação da base móvel. Com o aumento da 18

19 velocidade de rotação das hélices obtém-se menor pressão sobre elas surgindo um vetor resultante de força para cima chamado empuxo. Conforme este fica maior, menor ou igual que a força peso a aeronave subirá, descerá ou ficará flutuando respectivamente. [10] Escolheu-se para o projeto a hélice do tipo 1047R Right Hand Rotation que possui um comprimento de 10 polegadas e chega a um deslocamento de 4,7 polegadas numa rotação completa conforme descrito na Figura 3.3. Figura 3.3-Dados técnicos da hélice. [20] 2.5 Algoritmo de Controle Ambos os módulos demandavam um controle específico para seu funcionamento. Para o desenvolvimento do algoritmo de controle desses módulos utilizou-se o software IAR Embedded Workbench. Para cada módulo utilizado no projeto foram desenvolvidas rotinas de testes que permitissem verificar o funcionamento de cada módulo de forma independente. Tal rotina fez uso de periféricos internos de um dos módulos de TIMER do MSP430G2553 da LaunchPad. Configurou-se o sinal de trigger do módulo ultrassônico para permitir o início da lógica de funcionamento interno do mesmo. Desta forma configurou-se o TIMER interno do MSP430G2553 de forma a proporcionar a detecção do sinal de ECHO do ultrassom. Nesta etapa foram necessárias algumas configurações de itens importantes como: Selecionar o modo de captura para capturar as bordas de subida e descida do sinal permitindo a detecção do tempo em nível alto do sinal do ECHO; Escolha do modo de clock para referência de tempo do TIMER Habilitar o sistema de interrupção interna do TIMER. 19

20 Tais configurações possibilitaram meios para o tratamento do sinal de ECHO do ultrassom e o cálculo da distância medida. Para auxiliar nos testes do funcionamento do módulo HC-SR04 foi utilizado o terminal de comunicação serial do computador para podermos acompanhar a distância medida do mesmo em tempo real na tela do computador. Após o microcontrolador realizar todo o processo para gerar o trigger, que dá início ao funcionamento da lógica interna do módulo ultrassônico, adquiria-se a medida de tempo em nível alto do sinal do ECHO e processava-se a distância real enviando essa informação ao computador para acompanharmos na tela a distância medida em centímetro (cm). O setup de testes do HC-SR04 é apresentado na Figura 3.4. Figura 3.4-Setup de testes do HC-SR04. O próximo passo baseou-se no desenvolvimento de uma rotina de controle para o ESC. Para o controle do ESC é necessário um sinal elétrico do tipo PWM (Modulação por Largura de Pulso). Para gerar esse sinal optou-se pela mesma fonte de clock, já utilizada no algoritmo de teste do ultrassom e a configuração do TIMER interno do microcontrolador mais adequada para geração do PWM. Como característica fundamental para o funcionamento e controle do motor brushless o duty cycle do sinal de controle tinha que estar em um range de 1ms à 2ms para possibilitar o controle do ESC de 0 a 100% de velocidade, e consequentemente o controle de velocidade do motor. Nos testes do motor brushless realizou-se a montagem elétrica descrita na Figura

21 Figura 3.5-Setup de testes do ESC e do motor Brushless. 2.6 Montagem Mecânica Esta fase do projeto consiste na construção de uma plataforma móvel no eixo y, onde o movimento vertical neste eixo é realizado através do motor propulsor com uma hélice instalada em seu eixo, possibilitando o controle de altitude do algoritmo. Foi idealizado um modelo que consistia em uma plataforma móvel que se desloca de forma livre verticalmente, tendo como guias para o deslocamento vertical duas barras verticais. Para garantir segurança nas operações um limitador de segurança e uma base fixa foram adicionados ao sistema conforme descrito na Figura 3.6. Figura 3.6- Plataforma para realização dos testes funcionais do projeto. 21

22 Para a construção deste modelo foram utilizados materiais que estavam ao alcance durante a fase de desenvolvimento. Materiais para a base móvel tinham como características necessárias: peso reduzido, boa rigidez mecânica, facilidade de aquisição e preço reduzido. Foram escolhidos para teste materiais como madeira, alumínio e acrílico. O material escolhido para as hastes e a base foram materiais metálicos maciços e pesados, garantindo estabilidade à estrutura. Já os pontos de fixação necessitam de materiais que proporcionam o deslocamento da base móvel através de hastes verticais. Para os pontos de fixação foram utilizados rolamentos lineares e tubos. 2.7 Testes funcionais Distribuindo o módulo de leitura de altitude e o motor brushless no centro da base móvel para obtermos maior estabilidade e uma distribuição de peso uniforme na base móvel. Os itens instalados na base podem ser observados na Figura 3.7. Figura 3.7-Diagrama funcional do setup de testes funcionais. 22

23 Após definição do diagrama funcional, foram realizadas as conexões elétricas necessárias ao funcionamento de cada módulo. Criando uma cablagem elétrica que possibilitou a interligação entre a placa de controle e a base móvel. A Figura 3.8 mostra o diagrama elétrico do projeto. Figura 3.8-Diagrama elétrico do projeto. Utilizou-se para controle de estabilidade uma malha fechada do tipo proporcional descrita na Figura 3.9 para termos uma resposta imediata em relação a cada variação do valor medido em comparação com o valor desejado. O controle é iniciado ao definir um valor de referência para a malha de controle, após isso esse valor passa por um módulo de cálculo proporcional, que é uma equação matemática que relaciona o valor de referência com a altitude lida pelos sensores. Este módulo gera um valor de um sinal PWM proporcional em sua saída em relação a esses valores, alimentando o ESC e fazendo o motor girar. Ao mesmo tempo é medido o valor de altitude, que é enviado para a realimentação da malha. Para um erro maior que 1, o algoritmo interpretava que o valor desejado não foi atingido e em conseqüência disso, aumentava a rotação dos motores proporcionalmente. Caso esse erro fosse menor que 1, o algoritmo interpretava que o valor desejado foi alcançado e assim diminuía a rotação do motor proporcionalmente. [11] 23

24 Figura 3.9-Malha de controle proporcional. O algoritmo de controle precisava fornecer meios para manipular itens importantes para a lógica de controle do projeto. Além de proporcionar ações corretivas para manter a estabilidade, deveria como padrão iniciar a base móvel numa altura mínima de 10 cm. A lógica utilizada no algoritmo de controle pode ser vista na Figura

25 Figura 3.10-Fluxograma do algoritmo de controle. 25

26 Foram utilizadas no algoritmo de controle sistemas de interrupções que auxiliaram na aquisição de dados importantes como o valor de altitude da base móvel. Após isso o algoritmo fazia o tratamento desse valor lido e o convertia para uma relação mais adequada dentro do programa. Com este valor era feito uma comparação com o valor de referência, caso esse valor demonstra-se que a base móvel estava acima ou abaixo do valor de referência, era realizado a correção proporcional para chegar a altitude desejada. Para auxiliar a fase de testes funcionais foi implementado no algoritmo uma rotina para possibilitar a utilização de um módulo Bluetooth permitindo que através de um aplicativo de celular com sistema operacional Android fosse possível variar a altitude desejada. Foi escolhido o aplicativo Blue Control, descrito na Figura 3.11, que proporciona uma interface universal que pode ser usada de acordo com a necessidade de cada projeto. Com esse controle através de um aparelho celular é possível observar as ações de controle inerentes a cada comando dado pelo aplicativo. Cada incremento/decremento proporcionava uma alteração de 1 cm em relação a altitude desejada. Figura 3.11-Interface gráfica do aplicativo Blue Control. [18] 26

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Tópicos Abordados Grupo Moto-Propulsor. Motores para a Competição AeroDesign. Características das Hélices. Modelo Propulsivo.

Leia mais

Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs) no contexto do monitoramento agrícola Lúcio André de Castro Jorge

Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs) no contexto do monitoramento agrícola Lúcio André de Castro Jorge Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs) no contexto do monitoramento agrícola Lúcio André de Castro Jorge lacjorge@gmail.com VANTS NA AGRICULTURA Vantagens sobre aeronaves convencionais e satélites Custo

Leia mais

Servos - Analo gicos e Digitais - Funcionamento, uso e diferenças entre eles!

Servos - Analo gicos e Digitais - Funcionamento, uso e diferenças entre eles! Servos - Analo gicos e Digitais - Funcionamento, uso e diferenças entre eles! É importante lembrar que esta matéria serve para qualquer tipo de servo utilizado em aeromodelismo. Figura 1 Um dos diversos

Leia mais

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Autores: Caio Felipe Favaretto, Henrique Corrêa Ramiro, Rômulo de Oliveira Souza e Marcelo Barboza Silva Professor orientador:

Leia mais

1 06 Com o and n os o d e Voo o, o, Voo o o em C ur u v r a Prof. Diego Pablo

1 06 Com o and n os o d e Voo o, o, Voo o o em C ur u v r a Prof. Diego Pablo 1 06 Comandos de Voo, Voo em Curva Prof. Diego Pablo 2 Comandos de Voo Eixo Vertical Centro de Gravidade Os movimentos do avião se dão em torno de eixos imaginários, que se cruzam no Centro de Gravidade

Leia mais

FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA

FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA 1) INTRODUÇÃO Rio de Janeiro, 05 de Maio de 2015. A equipe desenvolvedora deste projeto conta com: - Prof.

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados?

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? 1. Introdução Alguma vez você já se deu conta que o microondas de sua casa tem uma capacidade computacional maior do que tinha o projeto Apolo, que levou

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE

CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE Roland Yuri Schreiber 1 ; Tiago Andrade Camacho 2 ; Tiago Boechel 3 ; Vinicio Alexandre Bogo Nagel 4 INTRODUÇÃO Nos últimos anos, a área de Sistemas

Leia mais

Controle remoto por Bluetooth

Controle remoto por Bluetooth Controle remoto por Bluetooth Introdução Esse tutorial tem como objetivo, facilitar a montagem do controle e drive de potência voltado a modalidades que necessitam de controle remoto, seja robô sumo de

Leia mais

Funções de Posicionamento para Controle de Eixos

Funções de Posicionamento para Controle de Eixos Funções de Posicionamento para Controle de Eixos Resumo Atualmente muitos Controladores Programáveis (CPs) classificados como de pequeno porte possuem, integrados em um único invólucro, uma densidade significativa

Leia mais

COMANDO-GERAL DE TECNOLOGIA AEROESPACIAL INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA

COMANDO-GERAL DE TECNOLOGIA AEROESPACIAL INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA COMANDO-GERAL DE TECNOLOGIA AEROESPACIAL INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA Medidor de Deslocamento utilizando sensores MEMS Outubro de 2010 Disciplina: EA-291 / 2010

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO O estabilizador portátil de câmera Tedi Cam é um equipamento de avançada tecnologia utilizado para filmagens de cenas onde há a necessidade de se obter imagens perfeitas em situações de movimento

Leia mais

Drone de mapeamento profissional

Drone de mapeamento profissional Drone de mapeamento profissional 4 razões para escolher o ebee 01. Mais mapas e maior precisão O ebee cobre até 12 km 2 (4,6 mi 2 ) em um único voo, enquanto que, voos sobre áreas menores e com baixa

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO TREINAMENTO:

PROGRAMAÇÃO DO TREINAMENTO: PROGRAMAÇÃO DO TREINAMENTO: Página 2 0. Objetivos deste treinamento Quem está fazendo este módulo avançado II é porque já passou pelos módulos anteriores. Portanto não serão abordados aqui os tópicos já

Leia mais

Implementação de Sistema de Aquisição para Ensaios em Voo de um VANT (Veículo Aéreo Não- Tripulado)

Implementação de Sistema de Aquisição para Ensaios em Voo de um VANT (Veículo Aéreo Não- Tripulado) Implementação de Sistema de Aquisição para Ensaios em Voo de um VANT (Veículo Aéreo Não- Tripulado) Glêvson Diniz Franco Prof. Dr. Luiz Carlos Sandoval Góes (Orientador) 1 Roteiro VANTs Definição VANTs

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

Revele a próxima geração de desenvolvedores de sistemas em cursos de controle e mecatrônica. Conheça o myrio. ni.com

Revele a próxima geração de desenvolvedores de sistemas em cursos de controle e mecatrônica. Conheça o myrio. ni.com Revele a próxima geração de desenvolvedores de sistemas em cursos de controle e mecatrônica. Conheça o myrio 4 Como preparamos o engenheiro de 2030? Os sistemas estão por toda parte Tesla Motors Red Bull

Leia mais

CONTROLE DE UM SERVO MOTOR

CONTROLE DE UM SERVO MOTOR CONTROLE DE UM SERVO MOTOR Versão 2014 RESUMO Esta experiência tem como objetivo a familiarização e o projeto de um circuito de controle simples de um servo motor. A parte experimental inclui atividades

Leia mais

Sensores e Atuadores (2)

Sensores e Atuadores (2) (2) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Atuadores São componentes que convertem energia elétrica, hidráulica ou pneumática em energia mecânica. Através dos sistemas

Leia mais

Sistemas Embarcados. Introdução aos sistemas embarcados

Sistemas Embarcados. Introdução aos sistemas embarcados Sistemas Embarcados Introdução aos sistemas embarcados Introdução aos Sistemas embarcados Definição de um sistema embarcado Exemplos de sistemas embarcados Processadores utilizados em sistemas embarcados

Leia mais

Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica

Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Cronograma Introdução a Robótica Estrutura e Características Gerais dos Robôs Robôs e seus Periféricos

Leia mais

BELL 206L4 Conceituado helicóptero capaz de realizar multi-missões com baixos custos operacionais.

BELL 206L4 Conceituado helicóptero capaz de realizar multi-missões com baixos custos operacionais. PORTUGUÊS BELL 206L4 Conceituado helicóptero capaz de realizar multi-missões com baixos custos operacionais. CORPORATIVO ENERGIA O Bell 206L4 foi projetado para ser o local de trabalho em voo ideal. Ele

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

RECEPTOR SERIAL COM DECODIFICADOR 128 BITS PARA ACIONAMENTO/DESACIONAMENTO REMOTO DE CONSUMIDORES

RECEPTOR SERIAL COM DECODIFICADOR 128 BITS PARA ACIONAMENTO/DESACIONAMENTO REMOTO DE CONSUMIDORES RECEPTOR SERIAL COM DECODIFICADOR 128 BITS PARA ACIONAMENTO/DESACIONAMENTO REMOTO DE CONSUMIDORES Cristiane G. Langner (1,2), Juliano João Bazzo (1,3), Ivan J. Chueiri (1,2) (1)LACTEC Instituto de Tecnologia

Leia mais

Quadricóptero, Aspectos Gerais e Análises da Propulsão Elétrica

Quadricóptero, Aspectos Gerais e Análises da Propulsão Elétrica Quadricóptero, Aspectos Gerais e Análises da Propulsão Elétrica Leonam Pecly da Silva leonampecly@msn.com IFF Cedric Salotto Cordeiro salotto@uol.com.br IFF Resumo:Este trabalho tem o objetivo de apresentar

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE OBTENÇÃO DE DADOS PARA CALIBRAÇÃO DE CENTRAIS INERCIAIS

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE OBTENÇÃO DE DADOS PARA CALIBRAÇÃO DE CENTRAIS INERCIAIS DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE OBTENÇÃO DE DADOS PARA CALIBRAÇÃO DE CENTRAIS INERCIAIS Aluno: Pedro Schuback Chataignier Orientador: Mauro Speranza Neto Introdução O projeto, iniciado em 2013, visa desenvolver

Leia mais

PROJETO AERODINÂMICO DE HÉLICES

PROJETO AERODINÂMICO DE HÉLICES PROJETO AERODINÂMICO DE HÉLICES Prof. Dr. José Eduardo Mautone Barros UFMG Propulsão Departamento de Engenharia Mecânica Curso de Engenharia Aeroespacial Apoio técnico Marco Gabaldo Frederico Vieira de

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

0800 709 8000 - www.brasifmaquinas.com.br. Distribuidor exclusivo: Distrito Federal. Espírito Santo. Goiás. Minas Gerais. Paraná

0800 709 8000 - www.brasifmaquinas.com.br. Distribuidor exclusivo: Distrito Federal. Espírito Santo. Goiás. Minas Gerais. Paraná 0800 709 8000 - www.brasifmaquinas.com.br Distribuidor exclusivo: Distrito Federal. Espírito Santo. Goiás. Minas Gerais. Paraná Santa Catarina. São Paulo. Rio Grande do Sul. Tocantins ÍNDICE Confiança

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO LABORATÓRIO DE CONTROLE (PEE/COPPE) RELATÓRIO TÉCNICO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA INTRODUÇÃO AO FUNCIONAMENTO E AO ACIONAMENTO DE MOTORES DC André Euler Torres Orientador:

Leia mais

Mecânica: processos industriais: usinagem, laminação, fundição, solda, prensagem, vapor, gás. Automóveis, suspensão, motor, câmbio.

Mecânica: processos industriais: usinagem, laminação, fundição, solda, prensagem, vapor, gás. Automóveis, suspensão, motor, câmbio. 1 Disciplina de Sistemas de Controle Prof. Luciano Menegaldo e-mail: lmeneg@ime.eb.br home-page: http://lmeneg-aulas.tripod.com Aula 1 Introdução 1. Idéias gerais e exemplos de sistemas de controle - Assunto

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ MANIPULADOR INDUSTRIAL

DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ MANIPULADOR INDUSTRIAL 1 DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ MANIPULADOR INDUSTRIAL Carlos Henrique Gonçalves Campbell Camila Lobo Coutinho Jediael Pinto Júnior Associação Educacional Dom Bosco 1. Objetivo do Trabalho Desenvolvimento

Leia mais

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto Arquitetura CAN 1 Sumário Rede CAN. Arquitetura do Sistema Implementado. Interface SPI. Controlador CAN MCP2510. Transceiver MCP2551. ADuC812. Resultados Obtidos. Conclusões. 2 REDE CAN CAN Controller

Leia mais

PIBIC/PIBITI/IC Jr Relatório das Atividades de Pesquisa 22ª SEMIC - 2013

PIBIC/PIBITI/IC Jr Relatório das Atividades de Pesquisa 22ª SEMIC - 2013 ATIVIDADES EXECUTADAS PELO BOLSISTA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: Do bolsista: Nome: Vinicio Rodrigues Mendes Curso: Engenharia Elétrica com ênfase em Sistemas e Computação Período de vigência da bolsa: de 01/08/2011

Leia mais

Datasheet Componentes Eletrônicos

Datasheet Componentes Eletrônicos Datasheet Componentes Eletrônicos Caixa de Pilhas... 2 LED (mini lâmpada)... 2 Conector INT... 3 HUB... 3 Sensor de Luz... 4 Circuito Relé... 4 Circuito Buzz... 5 Sensor de Ímã... 6 Ponte H com Relés...

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

SISTEMA DE APONTAMENTO

SISTEMA DE APONTAMENTO Introdução SISTEMA DE APONTAMENTO Alunos: Lucas Castro Faria Carolina do Amaral Galhardo Orientador: Hans Ingo Weber Foi feito um estudo para aquisição de dados através da placa NI USB-6229, usando o programa

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO COM ROBÔS LEGO

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO COM ROBÔS LEGO RAYNER DE MELO PIRES ANA PAULA SUZUKI ANDRÉ REIS DE GEUS GABRIELA QUIRINO PEREIRA SALVIANO LUDGÉRIO FELIPE GOMES INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO COM ROBÔS LEGO JULHO DE 2010 SUMÁRIO 1 O que é o NXT?...4 2 Explicando

Leia mais

Exercícios DAC/ADC e Trabalhos

Exercícios DAC/ADC e Trabalhos Exercícios DAC/ADC e Trabalhos Aula 02 - DAC / ADC Heitor Medeiros Florencio 1 heitorm@dca.ufrn.br 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia de Computação

Leia mais

EduBOT: Protótipo de uma plataforma robótica para educação através da Metareciclagem

EduBOT: Protótipo de uma plataforma robótica para educação através da Metareciclagem EduBOT: Protótipo de uma plataforma robótica para educação através da Metareciclagem Carlos S. S. Guimarães, Henrique P. Maurer Departamento das Engenharias e Ciência da Computação Universidade Regional

Leia mais

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO 28 CAPÍTULO 5 INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO Interfaces para periféricos de armazenamento: Periféricos de armazenamento,

Leia mais

tecnologia engenharia aeronáutica y

tecnologia engenharia aeronáutica y tecnologia engenharia aeronáutica y Ilustração mostra uma futura aptidão do novo KC-390: reabastecer aviões militares em pleno voo 62 z novembro DE 2014 Projeto global Embraer desenvolve novo avião militar

Leia mais

SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA.

SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA. SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA. Marco Antonio Souza 1, Milton Benedito Faria 2, Carlos Eduardo Cabral Vilela, Prof. MSc 3. Homero Santiago Maciel, Prof. DR 4. UNIVAP,

Leia mais

Manual do usuário. Braço robótico para educação técnica

Manual do usuário. Braço robótico para educação técnica para educação técnica A T E N Ç Ã O Enquanto o robô Sci-Arm é um computador leve, pode se manejar em altas velocidades e pode causar danos se ele colidir com uma pessoa. Sempre use com extrema cautela.

Leia mais

Eletricidade: acionamento de motores elétricos

Eletricidade: acionamento de motores elétricos Eletricidade: acionamento de motores elétricos A UU L AL A Como se pode converter energia elétrica em energia mecânica? Considere a situação descrita a seguir. Tic-tac, blamp-blump, zuuuummmm... São as

Leia mais

www.siemens.com.br/acionamentos SINAMICS V60 A solução perfeita para aplicações básicas de servo.

www.siemens.com.br/acionamentos SINAMICS V60 A solução perfeita para aplicações básicas de servo. www.siemens.com.br/acionamentos SINAMICS V60 A solução perfeita para aplicações básicas de servo. SINAMICS V60 com servomotores 1FL5 A solução para aplicações básicas de servo A tecnologia servo-drive

Leia mais

Sensores e Atuadores (1)

Sensores e Atuadores (1) (1) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Introdução Sensores Fornecem parâmetros sobre o comportamento do manipulador, geralmente em termos de posição e velocidade

Leia mais

Atualização e Testes de Protótipo de Cadeira de Rodas de Eixo Único Autoequilibrante

Atualização e Testes de Protótipo de Cadeira de Rodas de Eixo Único Autoequilibrante Atualização e Testes de Protótipo de Cadeira de Rodas de Eixo Único Autoequilibrante Instituto Federal de Santa Catarina Campus Chapecó Engenharia de Controle e Automação Disciplina de Projeto Integrador

Leia mais

Modernização do Sistema de Controle e Monitoração da Propulsão e Auxiliares das Fragatas Classe Niterói. Uma Grande Experiência de Engenharia

Modernização do Sistema de Controle e Monitoração da Propulsão e Auxiliares das Fragatas Classe Niterói. Uma Grande Experiência de Engenharia Modernização do Sistema de Controle e Monitoração da Propulsão e Auxiliares das Fragatas Classe Niterói. Uma Grande Experiência de Engenharia Autor: Leopoldo Jorge de Souza, MSEE, Capitão de Mar e Guerra

Leia mais

AERONAVES E SUAS PARTES

AERONAVES E SUAS PARTES AERONAVES E SUAS PARTES Definição de Avião Um avião é definido como uma aeronave de asa fixa mais pesada que o ar, movida por propulsão mecânica, que é mantido em condição de vôo devido à reação dinâmica

Leia mais

Microcontrolador Arduino: Aplicação em controle PI

Microcontrolador Arduino: Aplicação em controle PI Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Cornélio Procópio Coordenação de Eletrotécnica Microcontrolador Arduino: Aplicação em controle PI Autor: Prof. Alessandro N. Vargas

Leia mais

Desenvolvimento de Veículos Autônomos em Escala, Sistemas de Comando, Visualização do Movimento e Aquisição de Dados.

Desenvolvimento de Veículos Autônomos em Escala, Sistemas de Comando, Visualização do Movimento e Aquisição de Dados. Desenvolvimento de Veículos Autônomos em Escala, Sistemas de Comando, Visualização do Movimento e Aquisição de Dados. 1) Introdução: Aluno: Luiz Felipe Helt Santos Orientador: Mauro Speranza Neto Laboratório

Leia mais

Sensor Hall A tecnologia dos Posicionadores Inteligentes de última geração

Sensor Hall A tecnologia dos Posicionadores Inteligentes de última geração Sensor Hall A tecnologia dos Posicionadores Inteligentes de última geração César Cassiolato Gerente de Produtos - Smar Equipamentos Industriais Ltda INTRODUÇÃO É notável o avanço da Física e eletrônica

Leia mais

VANT e fotogrammetria

VANT e fotogrammetria VANT e fotogrammetria Um piscar sobre a tecnologia Emanuele Traversari UFPE - 5 de Julho 2013 1 O que é um VANT O VANT é uma sigla para Veículo Aéreo Não Tripulado: é uma aeronave genérica, criada para

Leia mais

DESCRIÇÃO VALOR UNIDADE Comprimento máximo

DESCRIÇÃO VALOR UNIDADE Comprimento máximo CAPA Na capa da Ficha Técnica devem estar claramente as informações para identificação da equipe, escola, número do carro, semelhante às capas utilizadas nos relatórios de projeto da competição nacional.

Leia mais

OBJETIVOS TECNOLÓGICOS CONTEÚDOS CURRICULARES COMPETÊNCIAS COGNITIVAS COMPETÊNCIAS SOCIOEMOCIONAIS

OBJETIVOS TECNOLÓGICOS CONTEÚDOS CURRICULARES COMPETÊNCIAS COGNITIVAS COMPETÊNCIAS SOCIOEMOCIONAIS 1 o ano Conhecer as peças LEGO do kit 9656. Equilíbrio. Praticar encaixes entre as peças LEGO. Verticalidade. Noções de medidas lineares. Planejar. Programar. Construir montagens estáveis e que se sustentem

Leia mais

SISTEMA INTELIGENTE DE NAVEGAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE ROBÔS MÓVEIS

SISTEMA INTELIGENTE DE NAVEGAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE ROBÔS MÓVEIS SISTEMA INTELIGENTE DE NAVEGAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE ROBÔS MÓVEIS Aluno: Lucas Grativol Ribeiro Orientador: Karla Tereza Figueiredo Leite Introdução As aplicações da robótica fora do contexto industrial têm

Leia mais

Cortina Elétrica com Controle Remoto

Cortina Elétrica com Controle Remoto FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA 1º SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Turma 3111 Trabalho Trimestral de Física Cortina Elétrica com Controle Remoto Arian Müller (03)

Leia mais

Convertendo um servo motor RC em um dispositivo de tração para micro-robôs

Convertendo um servo motor RC em um dispositivo de tração para micro-robôs Convertendo um servo motor RC em um dispositivo de tração para micro-robôs Roberto Fernandes Tavares Filho Centro Tecnológico Para Informática Vice-presidente executivo da FIRA Todos aqueles que já se

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA Gilva Altair Rossi 1 ; José Maria Galvez 2 ; Douglas Iceri Lasmar 3 Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Engenharia

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 5 Fundamentos Básicos sobre o Funcionamento de uma Aeronave

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 5 Fundamentos Básicos sobre o Funcionamento de uma Aeronave Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 5 Fundamentos Básicos sobre o Funcionamento de uma Aeronave Tópicos Abordados Fundamentos Básicos Sobre o Funcionamento de uma Aeronave. Superfícies de Controle.

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

Sensoriamento A UU L AL A. Um problema. Exemplos de aplicações

Sensoriamento A UU L AL A. Um problema. Exemplos de aplicações A UU L AL A Sensoriamento Atualmente, é muito comum nos depararmos com situações em que devemos nos preocupar com a segurança pessoal e de nossos bens e propriedades. Daí decorre a necessidade de adquirir

Leia mais

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP16-4.2A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Seguidor de Linha Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19 Sensor Smart Seguidor de Linha 1. Introdução Os sensores seguidores de linha são sensores que detectam

Leia mais

P2 VATSIM rating. Portugal vacc

P2 VATSIM rating. Portugal vacc P2 VATSIM rating Portugal vacc Maio 2012 Índice Objectivo... 3 Exame P2... 3 Definições... 4 Instrumentos e medidas... 4 Forças... 4 Dispositivos... 5 Movimentos... 5 Planeamento... 6 Considerações...

Leia mais

TÍTULO: BRAÇO MECÂNICO AUTOMATIZADO USANDO UM CONTROLADOR ARDUINO GUIADO POR UM SENSOR DE COR RGB

TÍTULO: BRAÇO MECÂNICO AUTOMATIZADO USANDO UM CONTROLADOR ARDUINO GUIADO POR UM SENSOR DE COR RGB TÍTULO: BRAÇO MECÂNICO AUTOMATIZADO USANDO UM CONTROLADOR ARDUINO GUIADO POR UM SENSOR DE COR RGB CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

5 Sistema Experimental

5 Sistema Experimental 5 Sistema Experimental Este capitulo apresenta o sistema experimental utilizado e é composto das seguintes seções: - 5.1 Robô ER1: Descreve o robô utilizado. É dividida nas seguintes subseções: - 5.1.1

Leia mais

RECEPTOR GPS ME1513 ARM7 LPC2138. 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda

RECEPTOR GPS ME1513 ARM7 LPC2138. 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda RECEPTOR GPS ME1513 ARM7 LPC2138 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda Prefácio Obrigado por escolher o Receptor GPS ME-1513. Este manual mostra o esquema eletrônico, da conexão do microcontrolador

Leia mais

REGISTRADOR DE EVENTOS SISTEMA INTELIGENTE DE AUXÍLIO, SUPERVISÃO E CONTROLE DE TRENS METROVIÁRIOS

REGISTRADOR DE EVENTOS SISTEMA INTELIGENTE DE AUXÍLIO, SUPERVISÃO E CONTROLE DE TRENS METROVIÁRIOS REGISTRADOR DE EVENTOS SISTEMA INTELIGENTE DE AUXÍLIO, SUPERVISÃO E CONTROLE DE TRENS METROVIÁRIOS Resumo O transporte público atualmente vem passando por diversas mudanças e uma delas é a qualidade nos

Leia mais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais BI AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL Sistema Integrado de Teste em Umbilicais Objetivos da Apresentação Demonstrar a Arquitetura de hardware e software da National Instruments utilizada na solução; Discutir

Leia mais

GUINDASTE CONTROLADO POR PC ATRAVÉS DE INTERFACE SERIAL RS- 232

GUINDASTE CONTROLADO POR PC ATRAVÉS DE INTERFACE SERIAL RS- 232 GUINDASTE CONTROLADO POR PC ATRAVÉS DE INTERFACE SERIAL RS- 232 Carlos Renato Borges dos Santos Instituto Federal de Minas Gerais - IFMG Departamento de Engenharia Elétrica Campus Formiga MG carlos.renato@ifmg.edu.br

Leia mais

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP5-1.7A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Drone de mapeamento de nível topográfico

Drone de mapeamento de nível topográfico Drone de mapeamento de nível topográfico 3 motivos para escolher o ebee RTK 01. Precisão do nível topográfico Precisão absoluta do ortomosaico/modelo de elevação digital é de até 3 cm (1,2 polegadas)

Leia mais

Manual Do Usuário ( v1.2 ) Dji Phantom 3 Professional

Manual Do Usuário ( v1.2 ) Dji Phantom 3 Professional Manual Do Usuário ( v1.2 ) Dji Phantom 3 Professional Preparando a Aeronave Removendo a trava do gimbal Remova a trava do gimbal deslizando ela para a direita ( olhando a aeronave de frente ), como mostra

Leia mais

Desenvolvimento de Módulo Wireless para Acionamento de Cargas via Porta Paralela

Desenvolvimento de Módulo Wireless para Acionamento de Cargas via Porta Paralela Desenvolvimento de Módulo Wireless para Acionamento de Cargas via Porta Paralela Pedro H. M. Araújo 1, Renan P. Figueiredo 1, Douglas L. Dias 1, Sandro C. S. Jucá 1 1 Área da Telemática Instituto Federal

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Gilva Altair Rossi gilva@demec.ufmg.br José Maria Galvez jmgalvez@ufmg.br Universidade

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Automação Industrial Porto Alegre, Maio de 2014 Revisão: A Prof Vander Campos Conhecer os princípios básicos do inversor de frequência; Saber interpretar

Leia mais

Lógica Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas

Lógica Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas Francisco Carlos Parquet Bizarria,2 João Mauricio Rosário 3 José Walter Parquet Bizarria Francisco Antonio Visconti Junior 2 fcpb@iae.cta.br

Leia mais

PARA QUE SERVE O QUADRICOPTERO SIRIUS SD4:

PARA QUE SERVE O QUADRICOPTERO SIRIUS SD4: Skydrones, nova empresa gaucha de aviônica, que atua no desenvolvimento de microvants veículos aéreos não tripulados, testa seu protótipo SIRIUS SD4, com novo sistema de telemetria. O produto estará pronto

Leia mais

SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE UM VEÍCULO ELÉTRICO

SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE UM VEÍCULO ELÉTRICO SISTEM DE TRNSMISSÃO DE UM VEÍCULO ELÉTRICO Paulo ntonio dos Santos 1 Francisco José Grandinetti 1 (grandi@unitau.br) Marcio bud Marcelino 2 (abud@feg.unesp.br) Heitor Giovanelli Carlesimo 2 1 Universidade

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial Prof. Daniel Hasse Robótica Industrial Aula 02 - Robôs e seus Periféricos Tipos de Sistemas de Controle Volume de Trabalho Dinâmica e Precisão dos Movimentos Sistemas de Acionamentos Garras Tipos de Sistemas

Leia mais

VANT O Uso na Agricultura de Precisão

VANT O Uso na Agricultura de Precisão VANT O Uso na Agricultura de Precisão Conceituação De acordo com acircular de Informações Aeronáuticas AIC N21/10, do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), define que: É um veículo aéreo projetado

Leia mais

TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS

TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

Prática 8: Comunicação SPI. 8.1 Introdução e objetivos. 8.2 Princípios básicos do protocolo SPI

Prática 8: Comunicação SPI. 8.1 Introdução e objetivos. 8.2 Princípios básicos do protocolo SPI Prática 8: 8.1 Introdução e objetivos Comunicação SPI O protocolo SPI (serial peripheral interface) é um método de comunicação utilizado para interconectar dispositivos ou chips de tal forma que estes

Leia mais

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO.

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. J. A. P. MOUTINHO Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A ELETRONORTE Brasil RESUMO

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE SENSORES DE POSCIONAMENTO GLOBAL E RÁDIO FAROL PARA UMA PLATAFORMA NÁUTICA DE TESTES

IMPLEMENTAÇÃO DE SENSORES DE POSCIONAMENTO GLOBAL E RÁDIO FAROL PARA UMA PLATAFORMA NÁUTICA DE TESTES Anais do XVI Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XVI ENCITA / 2010 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil 20 de outubro de 2010 IMPLEMENTAÇÃO DE SENSORES

Leia mais

Seleção de acionamentos

Seleção de acionamentos ESPECIAL Seleção de acionamentos Augusto Ottoboni Os servo-acionamentos ainda são uma incógnita para muitos profissionais de diferentes segmentos do mercado, trazendo a estes profissionais que se deparam

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE

Leia mais

Seleção de motores em miniatura para os seus dispositivos médicos Avanços recentes aumentam a portabilidade, eficiência e confiabilidade

Seleção de motores em miniatura para os seus dispositivos médicos Avanços recentes aumentam a portabilidade, eficiência e confiabilidade thinkmotion Seleção de motores em miniatura para os seus dispositivos médicos Avanços recentes aumentam a portabilidade, eficiência e confiabilidade A criação de bombas de infusão pequenas e portáteis

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Encoder de Quadratura

Encoder de Quadratura R O B Ó T I C A Sensor Smart de Quadratura Versão Hardware:. Versão Firmware: 2. REVISÃO 2.9 Sensor Smart de Quadratura. Introdução Os encoders são equipamentos utilizados para converter movimentos rotativos

Leia mais

Lista 1 Cinemática em 1D, 2D e 3D

Lista 1 Cinemática em 1D, 2D e 3D UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE ESTUDOS BÁSICOS E INSTRUMENTAIS CAMPUS DE ITAPETINGA PROFESSOR: ROBERTO CLAUDINO FERREIRA DISCIPLINA: FÍSICA I Aluno (a): Data: / / NOTA: Lista

Leia mais

TÍTULO: SENSOR DE ALTITUDE BASEADO EM SONAR PARA UM VANT CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: SENSOR DE ALTITUDE BASEADO EM SONAR PARA UM VANT CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SENSOR DE ALTITUDE BASEADO EM SONAR PARA UM VANT CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO DIVISÃO BRASILEIRA

DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO DIVISÃO BRASILEIRA Manual para Vôo VFR Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. APRESENTAÇÃO... 4 3. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS... 4 3.1. CHECKLIST:... 4 3.2. CHEQUE PRÉ-DECOLAGEM:... 4

Leia mais

Exemplos de aceleração Constante 1 D

Exemplos de aceleração Constante 1 D Exemplos de aceleração Constante 1 D 1) Dada a equação de movimento de uma partícula em movimento retilíneo, s=-t 3 +3t 2 +2 obtenha: a) A velocidade média entre 1 e 4 segundos; e) A velocidade máxima;

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO 0 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PROJETO INTEGRADO: COBERTURA AUTOMATIZADA COM DETECTOR DE CHUVA CURITIBA 2010 1 TAISA DAIANA DA COSTA PROJETO

Leia mais