II Conferência CIDAADS 28, 29 e 30 de Outubro de 2011 Lisboa, Portugal. Conferência A EDS na Sociedade do Conhecimento Resumos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "II Conferência CIDAADS 28, 29 e 30 de Outubro de 2011 Lisboa, Portugal. Conferência A EDS na Sociedade do Conhecimento Resumos"

Transcrição

1 II Conferência CIDAADS 28, 29 e 30 de Outubro de 2011 Lisboa, Portugal Conferência A EDS na Sociedade do Conhecimento Resumos CIDAADS 2011

2 IIConferência CIDAADS 28, 29 e 30 de Outubro de 2011 Lisboa, Portugal Conferência A EDS na Sociedade do Conhecimento Resumos Coordenação: Manuel Carvalho Gomes Edgar Ribeiro Cláudia Cruz 28, 29 e 30, Outubro, 2011 Lisboa, Portugal CIDAADS 2011

3 Organização Parceiro Apoio Oficial

4 Título: Conferência A EDS na Sociedade do Conhecimento: Resumos Autores/Coordenadores: Manuel Carvalho Gomes, Edgar Ribeiro e Cláudia Cruz Esta edição contou com a colaboração de: Todos os oradores e moderadores intervenientes no programa da conferência que são os autores dos resumos que constam desta edição. Design Gráfico: Manuel Gomes ISBN: Comissão Científica da Conferência Nome Ana Noronha Cláudia Cruz Conceição Courela Elizabeth Silva Isabel Raposo Luísa Schmidt Manuel Carvalho Gomes Maria Emília Brederode Santos Marta Pinto Patrícia Joyce Fontes Raquel Soeiro de Brito Teresa Fonseca Valério Contini Instituição Agência Ciência Viva Universidade de Aveiro; Agrupamento de Escolas de Apúlia- Esposende Universidade Aberta CN UNESCO Instituto Nacional da Água Instituto de Ciências Sociais da Univ. Lisboa IGOT-UL/Centro de Estudos Geográfico, Univ.Lisboa; CIDAADS Especialista em Educação para a Cidadania Universidade Católica do Porto Investigadora americana - Luso-descendente Geógrafa Especialista em Educação para os media Universidade de Zaragoza

5 Índice Nota Introdutória 9 Comunicação Inaugural Comunicação Científica e Desenvolvimento Sustentável: Políticas e Dificuldades Christelle de Brito Universidade de Lyon - França Comunicação de encerramento Moderação Ana Noronha Ciência Viva Vamos por os pés no chão Raquel Soeiro de Brito Universidade Nova de Lisboa PainelI Década da EDS: Como estamos? Moderação José Vitor Malheiros UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento DEDS: Onde chegámos Elizabeth Silva CNUNESCO As coisas que nós fazemos em EDS: Comentário dos painéis digitais Manuel C. Gomes CIDAADS CRE.porto: uma experiência de trabalho colaborativo na área da educação acção para o desenvolvimento sustentável Marta Pinto CRE Porto Escola e EDS: uma via para a sustentabilidade, no exercício da cidadania Courela, C. & César, M. Escola Sec. Manuel Cargaleiro e Universidade Aberta Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

6 Painel II Ciência Viva na Sociedade do Conhecimento. Investigação e Comunicação Moderação Luísa Schmidt ICS, Universidade de Lisboa Comunicação de Ciência e Educação Carlos Catalão Ciência Viva O Projecto VITABalance-MED António Rui Leal Fundação Sanitus Investigação colaborativa entre as ciências naturais e sociais na área do ambiente Rita Serra Centro de estudos Sociais Investigação aplicada à conservação Joana Robalo ISPA

7 Painel III Formação e Tecnologias na Sociedade da Informação Moderação João Paulo Monteiro CIDAADS Re(orientar) competências dos professores para a EDS: Web Social na formação contínua de professores Cláudia Cruz Universidade de Aveiro Escola Profissional de Aveiro sem papel: boas práticas em DS Marco Pais Esc. Profissional de Aveiro Cidadania e sustentabilidades nos Açores: Um projecto e um exemplo de e- folio digital Fernanda Dias Escola Básica e Secundária Tomás de Borba Workshop 1 Património como lugar de Aprendizagem Moderação Inácia Oliveira CIDAADS Memórias do operariado. Fábricas, bairros e pessoas no eixo Trancão-Tejo Conceição Macieira e Jorge Aniceto Câmara Municipal de Loures/Rede de Museus e Galerias A importância dos Museus como Lugares de Aprendizagem Joaquim Jorge Câmara Municipal de Loures/Rede de Museus e Galerias Moinhos. Património e tradição Carmo Sequeira Escola Secundária da Lousã Património imaterial, Emigração e Regresso: sons e imagens de narrativas no feminino António J. Saraiva CEMRI Centro de Estudos para as Migrações e Relações Internacionais Porque as boas causas não são causas perdidas e as causas perdidas também se ganham: as falácias e a permeabilidade em ciência Dina Freire da Paz (Esc. Sec. Camões); Isabel Almeida; Mariana Marques; Ivo Santos; Bárbara Marques; Henrique Freire Paz

8 Workshop 2 Histórias Sustentáveis memória a narração para preservar e manter Moderação Filipe Lopes Contador de Histórias 47 Posters 48 Rede Social Virtual na promoção e implementação de projectos e acções no âmbito da EDS Cláudia Cruz Universidade de Aveiro Uma ferramenta ao serviço da EDS e da educação na cidadania, no 3.º ciclo do ensino básico Castro, M. J.; Carrajola, C.; Dias, E., Hilário, T., & Sá, M. Escola Secundária C/ 3.º CEB Manuel Cargaleiro Uma ferramenta ao serviço da EDS e da educação na cidadania, no ensino secundário Castro, M. J.; Carrajola, C.; Dias, E., Hilário, T., & Sá, M. Escola Secundária C/ 3.º CEB Manuel Cargaleiro

9 Nota Introdutória A II Conferência CIDAADS é subordinada ao tema A EDS na Sociedade do Conhecimento, comemorando assim, o sétimo ano da Década das Nações Unidas da Educação para o Desenvolvimento Sustentável (Década), A Conferência é organizada pela Associação CIDAADS e Agência Ciência Viva com a parceria da Câmara Municipal de Loures e terá lugar no Pavilhão do Conhecimento, pretendendo ser um contributo para a monitorização da implementação da Década, bem como dar ênfase às políticas seguidas no âmbito da Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS), promover o intercâmbio e a divulgação de projectos de investigação e divulgar práticas inovadoras. Num contexto de responsabilidade intergeracional a sessão de abertura fica a cargo de Christelle de Brito, uma jovem investigadora e especialista em comunicação em ciência, enquanto a sessão de encerramento será feita pela sua avó, a professora Raquel Soeiro de Brito, geógrafa. Trata-se de um evento que, pelas temáticas em discussão no domínio do desenvolvimento sustentável, reúne académicos, investigadores e profissionais de educação e de outros domínios, proporcionando espaços facilitadores da partilha de experiências e da troca de saberes e preocupações. Não será esquecido o facto do Fado ser candidato a Património Imaterial. Dado o tema proposto para este ano da Década A EDS na Sociedade do Conhecimento/Informação, procura-se que a II Conferência CIDAAS seja uma conferência sem papel (paper less). Assim, todas as informações da preparação e pós conferência serão disponíveis em formato digital a partir da página da CIDAADS. No decorrer da Conferência toda a informação será apresentada em formato digital, incluindo os posters e a programação, e será feita a sua transmissão on-line em directo. Acresce que a Conferência deve ser encarada como um espaço de intervenção no âmbito da Educação para Cidadania com vista à tomada de uma maior consciência crítica que promova uma participação cidadã mais activa e eficaz, ao mesmo tempo que contribui para o desenvolvimento da Educação Ambiental e para a implementação da EDS. O desenvolvimento sustentável é um processo dinâmico que exige a participação de todos, por isso todos devemos reflectir sobre a nossa responsabilidade social face aos desafios do mundo actual. O Presidente da CIDAADS Manuel Carvalho Gomes A Presidente da Agência Ciência Viva Rosália Vargas 9

10 Comunicação Inaugural Comunicação Científica e Desenvolvimento Sustentável: Políticas e Dificuldades Christelle de Brito Universidade de Lyon - Ecole Normale Supérieure de Lyon, França Resumo O desenvolvimento sustentável nasceu da ideia de que o desenvolvimento, tal como o conhecemos, não o é. Os progressos tecnológicos permitiram uma intensificação das actividades humanas, com múltiplas repercussões no planeta, por vezes nefastas. Actualmente, para melhorar as condições de vida dos cidadãos, sem esgotar, em definitivo, a Terra, novas soluções deverão ser encontradas, apoiando-se numa exploração pensada dos nossos recursos. Na procura para este desenvolvimento mais sustentável, que papel caberá aos cientistas? A Investigação Científica está directamente ligada à Sociedade: não é indiferente às novas problemáticas que lhe são colocadas o que inclui, evidentemente, questões postas pelo desenvolvimento sustentável. Actualmente numerosas equipas trabalham em temáticas dependentes: aquecimento do planeta, reciclagem dos desperdícios, preservação da biodiversidade... Este tipo de pesquisa está valorizado por diversos meios e tem permitido descobertas promissoras, visando, ou podendo visar, aplicações concretas e interessantes. Os cientistas desempenham um papel incontestável na procura de novas soluções quanto ao desenvolvimento sustentável. Actualmente, porém, os investigadores são julgados e avaliados sob diversos critérios, particularmente na realização de artigos, quer pela qualidade, quer pela quantidade. Ora, estes artigos, na sua maior parte, destinam-se a revistas da especialidade e, por isso, pouco ou nada acessíveis a neófitos. Para que a informação científica lhes seja acessível, é necessário haver uma interligação, por exemplo, com revistas de divulgação, museus, documentários filmados e/ou televisão que têm objectivos próprios e devem saber escolher as informações que propagam. Assim todas as descobertas cientificas não atingem o grande público. Pela mesma razão, poucas pessoas têm acesso ao conhecimento a experiencias em curso ou a projectos ainda não concluídos. Parece, assim, importante que se encontrem meios para facilitar, a toda a gente, o acesso a dados científicos, pois só com o conhecimento destes ao serviço de todos se poderão encontrar mais rapidamente as soluções necessárias. Palavras-chave: Ciência, Comunicação Científica, Desenvolvimento Sustentável 10

11 Curriculum Vitae Christelle de Brito é Engenheira Agrónoma - Doutora em Biologia. Obteve o diploma de Engenheira Agrónoma pela Escola Normal Superior de Agronomia de Rennes (ENSAR), França e o Grau de Mestre em Ciências, especialidade Bioquímica e Genética, pela Universidade de Rennes, França e o Grau de Doutora em Ciências da Vida, especialidade Imunologia, pela Universidade de Lyon - Escola Normal Superior de Lyon, França. Na sua actividade científica foi Tesoureira do Projecto de Investigação da ENSAR Rizi-piscicultura no Vietname e participou como conferencista no fórum Saúde estudantil, da ENSAR, no período entre 2002 e Participou em vários congressos nacionais e internacionais. Defendeu a tese de Doutoramento, com a menção distinção (máxima) e publicou um artigo no Jounal of Immunology, Revista especializada da American Association of Immunologists, Inc. Recebeu em 2005 a Bolsa da Região Rhônes Alpes (França), para os anos de 2005 a 2008 e em 2009 a Bolsa da Associação para a Pesquisa sobre o cancro. Foi premiada, em 2009, com o prémio da melhor conferencista no Congresso Anual do CFCD (Clube Francófono de Células Dendríticas). 11

12 Comunicação de encerramento Moderação Ana Noronha Ciência Viva Curriculum Vitae Ana Noronha nasceu em 1957, tendo-se licenciado em Física na Faculdade de Ciências de Lisboa em Em 1987 obteve o doutoramento em Física, na área de Sistemas não lineares, no Instituto Superior Técnico. Como professora auxiliar no Departamento de Física do Instituto Superior Técnico, entre 1986 e 1997, publicou diversos artigos em revistas internacionais com peer review. É também co-autora de um livro de Introdução à Física para o ensino universitário e primeiro autor do correspondente livro de exercícios. Ana Noronha desenvolve a sua actividade na Ciência Viva desde 1998, pertencendo à Direcção desde Neste contexto tem contribuído para a criação, coordenação e acompanhamento de projectos de educação e de divulgação científica, em particular nas áreas da Física e das Geociências. Como elemento da Ciência Viva, Ana Noronha pertence ao Advisory Committee on Education da Agência Espacial Europeia (ESA) 12

13 Vamos por os pés no chão Raquel Soeiro de Brito Universidade Nova de Lisboa Resumo A Geografia é uma ciência humana que estuda os fenómenos da superfície da terra e as inter-relações com os homens que a habitam. Procura-se mostrar o interesse pela observação de tais fenómenos, desde os alvores do tempo, e a tentativa da sua representação; as grandes viagens realizadas quer por motivos, religiosos, quer guerreiros ou comerciais, ao mesmo tempo que alargavam as fronteiras do mundo conhecido, deram um contributo importante a esta Ciência. A metodologia da observação directa chegou até aos nossos dias, como demonstram os trabalhos de grandes Mestres; a II Guerra Mundial trouxe mudanças profundas nas actividades humanas, conduzindo a uma urbanização da população e à evolução de misteres, eles próprios provocando múltiplas subdivisões na Geografia. Contudo, a Geografia é una e os seus estudos PODEM/DEVERIAM ser aplicados por quem tem poder decisório Palavras-chave: Geografia, Observação, Trabalho de campo Curriculum Vitae Raquel Soeiro de Brito (Maria Raquel Viegas Soeiro de Brito) Doutor em Geografia, especialidade Geografia Regional, pela Universidade de Lisboa, Professora Catedrática, emérita, da Universidade Nova de Lisboa. Realizou diversas funções, nomeadamente, foi Presidente da Comissão Directiva do ISCSP, UTL no período de 1974 a 76; de 1976 a 80 foi Vogal da Comissão Instaladora da FCSH, UNL. Fundou o Departamento de Antropologia na FCSH, UNL, em 1976 e o Departamento de Geografia e Planeamento Regional na FCSH,UNL, em Foi adjunta das Missões de Estudos de Geografia do Ultramar Português, no Estado da Índia, em todos os territórios ultramarinos, na Missão especialmente constituída para o estudo do vulcão dos Capelinhos. Foi Directora da Revista Geographica, da Sociedade de Geografia de Lisboa, Secretária do Centro de Estudos Geográficos da UL e, é Vice-presidente da Academia de Marinha. Desde 1949 (data da realização, em Lisboa, do primeiro Congresso Internacional de Geografia, depois do fim da Segunda Guerra Mundial, em que colaborou activamente) participação em mais de duas dezenas de Congressos e Reuniões 13

14 científicas internacionais, quase sempre com apresentação de trabalhos de investigação; com relevo especial na apresentação e comentário do filme realizado durante a primeira fase da erupção. Realização de numerosas viagens de estudo, conferências e cursos, tanto em território nacional como no estrangeiro Várias dezenas de direcções e discussões de teses de doutoramentos mestrados e de aptidão pedagógica e capacidade científica, algumas em Universidades estrangeiras. Mais de uma centena de trabalhos publicados sempre de carácter geográfico, incluindo várias regiões e temáticas do Continente; contudo, destacam-se os escritos sobre o vulcão dos Capelinhos e as apresentações filmadas do mesmo fenómeno e os volumosos estudos, sobre S. Miguel (1955,2ª ed revista e actualizada em 2004), a Índia Portuguesa (1966,2ª ed revista e actualizada em 1998) os territórios dos Descobrimentos (no Trilho dos Descobrimentos,1997, que engloba as parcelas fundamentais do percurso dos portugueses no mundo). Recebeu várias distinções honoríficas, nomeadamente, Comendadora da Ordem do Marechal José Pessoa (Brasil); o Prémio Internacional Almirante Gago Coutinho, da Sociedade de Geografia de Lisboa; o Officier dês Palmes Académiques (França); é Membre d Honneur da Sociedade de Geografia de Paris e Grande Oficial da Ordem Militar de San Tiago de Espada e ainda, Cruz Naval de Primeira Classe. 14

15 Painel I Década da EDS: Como estamos? Moderação José Victor Malheiros UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento Curriculum Vitae José Vítor Malheiros é especialista de comunicação de ciência. Foi jornalista durante a maior parte da sua vida profissional, tendo-se dedicado às áreas da ciência, tecnologia, educação, saúde e ambiente. Criou a primeira secção semanal de Ciência no semanário Expresso, a primeira secção diária de Ciência no diário Público e fundou o site web do jornal Público. Mantém uma coluna semanal de opinião no Público, jornal do qual foi um dos fundadores e onde ocupou os cargos de editor de Ciência, director do site Publico.pt, director executivo e editor de Opinião. Além da sua actividade como jornalista tem-se dedicado à área da formação de jornalistas, formação em comunicação de ciência e ensino do jornalismo a nível graduado e pósgraduado. É co-autor do livro "Como falar com jornalistas sem ficar à beira de um ataque de nervos" 15

16 DEDS: Onde chegámos Elizabeth Silva CNUNESCO Resumo A Assembleia-Geral das Nações Unidas, em 2002 (Resolução 57/254), instituiu uma Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável DEDS ( ) e designou a UNESCO como órgão responsável na promoção da DEDS. Desde então, a UNESCO definiu quatro grandes objectivos para a DEDS: promover e melhorar a qualidade da Educação; reorientar e rever os Programas de Ensino; reforçar a formação técnica e profissional; informar e sensibilizar o público em geral, bem como os media para o conceito de Desenvolvimento Sustentável. Neste sentido, em 2005, a Comissão Nacional da UNESCO (CNU) constituiu um Grupo de Trabalho, que elaborou um documento contendo diversos contributos para a dinamização da DEDS, em Portugal. Nesse documento, foram identificadas áreas de intervenção prioritária (junto das escolas e autarquias) de grande efeito multiplicador; propostas de acções transversais (envolvendo os Media, o Sector Privado e, ONG s) para mobilizar vários sectores da Sociedade e, ainda, projectos concretos capazes de dinamizar processos de mudança. Tendo por base os referidos contributos, a CNU desde então, dinamizou múltiplas actividades, activou inúmeras parcerias, criando sinergias favoráveis para a concretização de muitas das propostas apresentadas pelo Grupo. Muitas das actividades desenvolvidas tiveram por base efemérides proclamadas ou apoiadas pela UNESCO, cujo enquadramento foi ou é a DEDS, como por exemplo, os Anos Internacionais referentes ao Planeta Terra ( ), Astronomia (2009), Biodiversidade (2010) e, mais recentemente, às Florestas (2011) e à Química (2011), e nos quais se procurou envolver toda a Sociedade, trabalhando em diversas redes. Neste âmbito, foram organizadas múltiplas actividades, como por exemplo, conferências, seminários, acções de formação, exposições, edições de livros e de artigos científicos, edição de selos, concursos escolares, peças de teatro e de ballet, participação em programas televisivos e radiofónicos, entrevistas para jornais e revistas, mostras, criação de várias plataformas, entre outras. Todas estas actividades provocaram um impacto na Sociedade portuguesa dado o número de pessoas envolvidas, de vários quadrantes, bem como de entidades aderentes, em áreas de intervenção cruciais que permitiram a mobilização de vários sectores da Sociedade, em rede, bem como a realização de projectos concretos que foram capazes de dinamizar processos de mudança que se esperam significativas, no contexto de uma EDS. 16

17 No entanto, passados já seis anos da DESD, salienta-se, ainda, a necessidade de repensar e de reorientar programas e práticas educativas para promover uma literacia científica e estimular a assunção de uma cidadania activa para desenvolvimento sustentável, numa Sociedade do Conhecimento. Palavras-chave: EDS, Sociedade, Parcerias, Redes Curriculum Vitae Elizabeth Silva, nascida na República do Zimbabwe, em 1967, é licenciada em Relações Internacionais, pela Universidade Lusíada de Lisboa e mestranda em Cidadania Ambiental e Participação, na Universidade Aberta ( ). Desde 1994, é responsável pelo Sector das Ciências Exactas e Naturais e Sociais e Humanas da Comissão Nacional da UNESCO (CNU). Desde 2005, é o Ponto Focal para a Década das Nações Unidas da Educação para o Desenvolvimento Sustentável ( ), dinamizando múltiplas actividades nesta área, a nível nacional e internacional. É membro dos seguintes Comités: - Comité Português para o Ano das Florestas, criado sob a égide da CNU e a Secretaria de Estado das Florestas, com o objectivo de dinamizar o Ano Internacional das Florestas (2011), em Portugal; - Comité Português para a Biodiversidade, criado em 2010, sob a égide da CNU, sob proposta da Secretaria de Estado do Ambiente e da Secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros, com o objectivo de dinamizar o Ano Internacional da Biodiversidade (2010) e, posteriormente, a Década das Nações Unidas da Biodiversidade ( ), em Portugal. - Comité Português Planeta Terra, desde 2007,criado sob a égide da CNU, sendo responsável pela dinamização de actividades relacionadas com a divulgação das Ciências da Terra, em Portugal. 17

18 As coisas que nós fazemos em EDS: Comentário dos painéis digitais Manuel C. Gomes CIDAADS Curriculum Vitae Manuel Carvalho Gomes nasceu em Elvas, Portugal, em 1960; Licenciou-se em Geografia na Universidade de Coimbra, em 1984; Fez o Mestrado em Geografia Física e Ambiente no domínio da Educação Ambiental, na Universidade de Lisboa, em 1995; Encontra-se a terminar o doutoramento no Ensino da Geografia, no domínio da Educação para o Desenvolvimento Sustentável, na Universidade de Lisboa; Leccionou geografia nos ensinos básico e secundário entre 1984 e 1997; Foi professor destacado no ME (1997 a 2005) onde representou o Ministério da Educação (ME) nas Direcções Gerais do Ambiente e do Consumo da Comissão Europeia; Integrou as Comissões Nacionais dos Programas Eco-Escolas, Jovens Repórteres para o Ambiente e ECO-XXI; Participou em vários projectos e grupos de trabalho internacionais e nacionais no domínio das temáticas transversais educação ambiental, educação do consumidor, educação para o desenvolvimento sustentável; Nessas temáticas transversais é formador de professores, publicou vários documentos e tem apresentado inúmeras conferências e dinamizado workshops; Foi equiparado a bolseiro pelo ME de 2005 a 2009; Actualmente é assessor do Conselho Nacional de Educação (CNE) e Presidente da Associação CIDAADS Centro de Informação, Divulgação e Acção para o Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. 18

19 CRE.porto: uma experiência de trabalho colaborativo na área da educação-acção para o desenvolvimento sustentável a nível regional Marta Pinto CRE.Porto e Grupo de Estudos Ambientais (Católica.Porto) Resumo Uma das principais conclusões do Plano Estratégico de Ambiente da Área Metropolitana do Porto (PEA-AMP), um plano resultante de um processo de participação pública (informação, auscultação, envolvimento e parcerias) combinado com trabalho técnico que se desenrolou ao longo de seis anos ( ), foi a educação para o desenvolvimento sustentável (EDS) ter sido assumida como uma prioridade regional. Mais três grandes prioridades regionais se somaram à já enunciada: as linhas de água, o ordenamento do território e a mobilidade. O resultado mais evidente da implementação do plano de acção do PEA-AMP na área da educação para o desenvolvimento sustentável foi a constituição do cre.porto - Centro Regional de Excelência em Educação para o Desenvolvimento Sustentável da Área Metropolitana do Porto em O cre.porto é uma plataforma que reúne várias entidades que na Área Metropolitana do Porto desenvolvem actividades de EDS e que tem como objectivo gerar e partilhar conhecimento, criar sinergias e promover a colaboração entre entidades de modo a potenciar os (cada vez mais escassos) recursos disponíveis, estimular a participação dos cidadãos e das organizações na sustentabilidade metropolitana. Esta plataforma que integra diferentes níveis da administração e de ensino, organizações não governamentais, fundações. Na realidade o cre.porto tem funcionado como um laboratório de colaboração regional, de aprendizagem social. De acordo com Reed et al (2010), um processo de aprendizagem social é um processo de mudança social no qual os participantes aprendem uns com os outros de modo a beneficiar os sistemas sócioecológicos mais amplos. Além deste aspecto fundamental o cre.porto tem-se mostrado igualmente um importante núcleo de optimização de recursos. Os vários projectos em curso no âmbito do cre.porto têm servido de exemplo para o que afirmamos ( Era uma vez a Terra, Sustentabilidade nas Escolas, Futuro árvores autóctones na Área Metropolitana do Porto, Curso de Formação Avançada em Compras Públicas Ecológicas, entre outros). Destaca-se, pela sua abrangência e dimensão, o projecto Futuro árvores autóctones na Área Metropolitana do Porto. A semente deste projecto surgiu em 2010 como consequência do debate entre os vários parceiros do cre.porto para definição do plano de actividades para Resultou da análise combinada das prioridades 19

20 para a região (necessidade de aumentar a área de bosques autóctones no espaço metropolitano e da oportunidade gerada pelo Ano Internacional das Florestas. Pretende-se apresentar sucintamente os caminhos seguidos e resultados deste projecto até ao momento e perspectivas para o futuro em termos de colaboração, geração de conhecimento e impacto no território. Palavras-Chave: Centro Regional de Excelência; Sustentabilidade; Aprendizagem Social. Curriculum Vitae Marta Pinto, é licenciada em Biologia (1995) e Mestre em Recursos Marinhos (1999). Desenvolve actividade na área da educação e comunicação ambiental desde É colaboradora da Universidade Católica Portuguesa onde actua na área da participação pública e promoção da sustentabilidade local e regional. Está associada à implementação de processos de Agenda 21 Local de vários municípios da região norte e centro e ao Futuro Sustentável - Plano Estratégico de Ambiente da Grande Área Metropolitana do Porto. É responsável pelos portais das Cidades Sustentáveis e coordenadora científica e docente em cursos de especialização na área da sustentabilidade local e EDS. Coordena o Centro Regional de Excelência em Educação para o Desenvolvimento Sustentável da Área Metropolitana do Porto (cre.porto). 20

21 Escola e EDS: uma via para a sustentabilidade, no exercício da cidadania Conceição Courela Escola Secundária C/ 3º CEB Manuel Cargaleiro e Universidade Aberta Margarida César Instituto de Educação da Universidade de Lisboa Resumo Os currículos do 3.º ciclo do ensino básico recorrente, desenvolvidos pelas escolas em alternativa ao SEUC, para o 3.º ciclo do ensino básico e para o ensino secundário, constituíram uma oferta educativa de segunda oportunidade, adaptada a públicos alvo com insucesso académico no SEUC. A adaptação ocorria a nível dos conteúdos programáticos e das práticas pedagógicas, que podiam incluir o trabalho colaborativo, designadamente no formato de trabalho de projecto. O envolvimento dos participantes numa situação problemática relevante para todos, favorecia o desenvolvimento de uma comunidade de aprendizagem em educação para o desenvolvimento sustentável (EDS), especialmente relevante no contexto da Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável (DEDS). Este trabalho insere-se no projecto Interacção e Conhecimento que, durante doze anos (1994/95 a 2005/06) estudou e promoveu as interacções sociais em cenários de educação formal. Consiste num projecto de investigação-acção, incluindo oito anos de follow up. Adoptámos uma abordagem interpretativa, histórico culturalmente situada, de inspiração etnográfica. Apresentamos um estudo de caso, de um currículo em alternativa ao SEUC, analisando os contributos de um trabalho de projecto colaborativo, denominado A Árvore na Cidade, sobre a importância da árvore em meio urbano, enquanto elemento promotor da sustentabilidade. Este projecto foi desenvolvido na área curricular de Educação Ambiental e proporcionou o desenvolvimento de competências complexas, através da participação na EDS nas comunidades escolar e social. Foram participantes neste estudo os sete estudantes do curso de Auxiliar de Laboratório/Técnico Bibliotecário, a professora/investigadora, que leccionava EA, os professores do conselho de turma, uma técnica da Divisão de Ambiente da Câmara Municipal do Seixal (CMS), as comunidades escolares do concelho do Seixal e a comunidade educativa da Escola Secundária Manuel Cargaleiro (ESMC), no primeiro ano de apresentação do projecto e durante os anos de follow up. Nos instrumentos de recolha de dados destacam-se a observação participante (com recurso a diário de bordo), as entrevistas semiestruturadas, as tarefas de inspiração projectiva e os trabalhos realizados pelos estudantes. 21

22 Os participantes neste estudo assumiram-se como agentes para a sensibilização/educação para o desenvolvimento sustentável, colaborando com a escola e a CMS, no desenvolvimento da ecoliteracia dos participantes e na construção de uma comunidade urbana mais sustentável, onde cada um pode exercer uma cidadania ambientalmente responsável. Desta forma, a Escola, enquanto instância de educação formal de adultos, pode constituir-se como uma via para a sustentabilidade, no exercício da cidadania. Palavras-chave: Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS), Educação Ambiental, Educação de Adultos, Sustentabilidade. Curriculum Vitae Margarida César é professora associada com agregação no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, onde é membro da UIDEF Unidade de Investigação e Desenvolvimento em Educação e Formação. Foi membro do Centro de Investigação em Educação (CIEFCUL) e sua vice-coordenadora ( ). Foi professora convidada na Universidade Paris VIII no 2.º semestre de 2002/03. É licenciada em Psicologia, (1981), doutorada em Educação, especialidade de Psicologia da Educação (1995) e tem a Agregação em Educação (2004). Os seus domínios de investigação são as interacções sociais, nomeadamente as interacções entre pares e o trabalho colaborativo, a educação intercultural, a educação inclusiva, o dialogical self e as representações sociais. Tem vários livros editados, capítulos de livros publicados e artigos publicados nestes domínios. É coordenadora, em Portugal, do projecto FAMA Family Maths for Adult Learners, subsidiado pela UE. Conceição Courela é professora de nomeação definitiva do grupo de recrutamento 520 (disciplinas da área das ciências naturais), na Escola Secundária Manuel Cargaleiro, onde tem leccionado biologia e geologia e desempenhado cargos variados como, por exemplo, coordenadora do Núcleo de Investigação e Desenvolvimento Educacional (NIDE) (2007/08) e do Núcleo de Formação, Avaliação e Investigação (NFAI) (2009 ), subcoordenadora do Departamento de Matemática e Ciências Experimentais (2009 ) e membro do Conselho Pedagógico da escola. É colaboradora externa (professora/tutora) no Departamento de Educação e Ensino a Distância da Universidade Aberta, desde 2008, tendo leccionado: Necessidades educativas Especiais, Metodologia de Investigação, Pedagogia da Formação de adultos, Psicopedagogia Social e Gestão de Conflitos na Escola. Foi membro do Centro de Investigação em Educação da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (2004 a 2008) (CIEFCUL). 22

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Pedro Jorge Richheimer Marta de Sequeira Marília Oliveira Inácio Henriques 1 P á g i n a 1. Enquadramento da Candidatura

Leia mais

APRESENTAÇÃO AEFCUP. Informações. AEFCUP Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

APRESENTAÇÃO AEFCUP. Informações. AEFCUP Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto APRESENTAÇÃO AEFCUP Informações AEFCUP Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Rua do Campo Alegre, 1021 4150 180 Porto GPS: 41º 11'10.25'' N 8º41'25.32''W Tlf. AEFCUP

Leia mais

Prefácio Prefácio Ao fim de uma década de seminários de investigação dedicados à apresentação de trabalhos empíricos e teóricos e à análise de temas específicos de educação matemática como a resolução

Leia mais

Notas Biobibliográficas

Notas Biobibliográficas Guião de educação. Género e cidadania. Notas Biobibliográficas 333 Guião de Educação. Género e Cidadania 3 ciclo 334 Lisboa, CIG, 2009 NOTAS BIOBIBLIOGRÁFICAS Ângela Rodrigues é doutorada em Ciências da

Leia mais

Painel Temático 2: A Educação para o Desenvolvimento Sustentável Sala G4 10H45 12H15 Moderadora: Cristina Gomes Ferreira Relatora: Elizabeth Silva

Painel Temático 2: A Educação para o Desenvolvimento Sustentável Sala G4 10H45 12H15 Moderadora: Cristina Gomes Ferreira Relatora: Elizabeth Silva Painel Temático 2: A Educação para o Desenvolvimento Sustentável Sala G4 10H45 12H15 Moderadora: Cristina Gomes Ferreira Relatora: Elizabeth Silva Apresentação dos seguintes projectos: 1) Câmara de Lobos.

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO AMBIENTE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE O Ministério do Ambiente tem o prazer de convidar V. Exa. para o Seminário sobre Novos Hábitos Sustentáveis, inserido na Semana Nacional do Ambiente que terá

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Exmo. Presidente do município da Murtosa, Joaquim Santos Baptista; - na sua pessoa uma saudação aos eleitos presentes e a esta hospitaleira terra!

Exmo. Presidente do município da Murtosa, Joaquim Santos Baptista; - na sua pessoa uma saudação aos eleitos presentes e a esta hospitaleira terra! Exmo. Presidente do município da Murtosa, Joaquim Santos Baptista; - na sua pessoa uma saudação aos eleitos presentes e a esta hospitaleira terra! 1 Exmo. Diretor-Geral da Educação, em representação do

Leia mais

DEMOCRACIA E GESTÃO AUTÁRQUICA

DEMOCRACIA E GESTÃO AUTÁRQUICA DEMOCRACIA E GESTÃO AUTÁRQUICA DURAÇÃO / COMPONENTE / DIPLOMA CURSO DE FORMAÇÃO AVANÇADA I Edição 2014 30 Horas lectivas / Teórica / Curso de Formação Avançada COORDENAÇÃO Coordenação Científica Prof.

Leia mais

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente PLANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL 2011/2012 CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente 2011/2012 Índice: Introdução Ações de Sensibilização: Ateliers: Datas Comemorativas: Visitas de Estudo: Concursos: Projetos:

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA A Formação no ISQ A actividade de Formação do ISQ tem sido uma forte aposta enquanto factor determinante para o desenvolvimento e melhoria de desempenho dos sectores tecnológicos

Leia mais

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração:

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração: EngIQ Programa de Doutoramento em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química Uma colaboração: Associação das Indústrias da Petroquímica, Química e Refinação (AIPQR) Universidade de Aveiro Universidade

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO O Capítulo 36 da Agenda 21 decorrente da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, declara que a educação possui um papel fundamental na promoção do desenvolvimento

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO F O R M A Ç Ã O A V A N Ç A D A CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FORMAÇÃO ESPECÍFICA PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS ENQUADRAMENTO O CEGE/ISEG é um centro de investigação e projectos do ISEG Instituto

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f)

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f) AVISO Admissão de Pessoal (m/f) A AJITER Associação Juvenil da Ilha Terceira pretende admitir jovens recém-licenciados à procura do primeiro emprego, para estágio no seu serviço, ao abrigo do Programa

Leia mais

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas.

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas. Doc 5. Proposta de Projecto de Lei Sobre a Profissão, a Prática e a Formação do Urbanista A necessidade de implementar uma política consistente de Ordenamento do Território e Urbanismo, tem determinado

Leia mais

XIV Jornadas Pedagógicas de Educação Ambiental Ambiente, Saúde e Qualidade de Vida Lisboa, 26 e 27 de Janeiro de 2007

XIV Jornadas Pedagógicas de Educação Ambiental Ambiente, Saúde e Qualidade de Vida Lisboa, 26 e 27 de Janeiro de 2007 XIV Jornadas Pedagógicas de Educação Ambiental Ambiente, Saúde e Qualidade de Vida Lisboa, 26 e 27 de Janeiro de 2007 Projecto Carta da Terra. Instrumento de Sustentabilidade. Balanço e Perspectivas Manuel

Leia mais

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya Documento em construção Declaração de Aichi-Nagoya Declaração da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Nós, os participantes da Conferência Mundial da UNESCO para a Educação para o Desenvolvimento

Leia mais

Uma conversa entre empresas e professores - os desafios da empregabilidade

Uma conversa entre empresas e professores - os desafios da empregabilidade Uma conversa entre empresas e professores - os desafios da empregabilidade No passado dia 15 de Novembro, a Share Associação para a Partilha de Conhecimento e a Faculdade de Ciências da Universidade de

Leia mais

ANEXO 1 INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO

ANEXO 1 INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO ANEXO 1 INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO De acordo com a alínea b) do n.º 2 do artigo 74.º-A do ECDU, a avaliação dos docentes deve considerar as quatro vertentes de actividade académica: a) Investigação; b) Ensino;

Leia mais

PROGRAMA ECO-ESCOLAS

PROGRAMA ECO-ESCOLAS PROGRAMA ECO-ESCOLAS Programa de Educação Ambiental e/ou Educação para o Desenvolvimento Sustentável PLANO DE AÇÃO 2014/2015 O Eco-Escolas é um Programa internacional, coordenado em Portugal pela Associação

Leia mais

CURRICULUM VITAE JOSÉ GABRIEL PAIXÃO CALIXTO

CURRICULUM VITAE JOSÉ GABRIEL PAIXÃO CALIXTO CURRICULUM VITAE JOSÉ GABRIEL PAIXÃO CALIXTO ECONOMISTA Janeiro, 2006 Rua Marquês de Pombal, Nº 17 7200-389 Reguengos de Monsaraz Telemóvel: +351 964 895 518 jose.calixto@netcabo.pt C URRICULUM VITAE JOSÉ

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Avaliação do Projecto Curricular

Avaliação do Projecto Curricular Documento de Reflexão Avaliação do Projecto Curricular 2º Trimestre Ano Lectivo 2006/2007 Actividade Docente desenvolvida Actividade não lectiva Com base na proposta pedagógica apresentada no Projecto

Leia mais

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP Entidade interlocutora: Identificação do Projecto AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça Nº do projecto: 2001/EQUAL/A2/AD/139 Designação do projecto: Área

Leia mais

Apresentação do Courseware Sere.

Apresentação do Courseware Sere. Apresentação do Courseware Sere. 1. Porquê este Courseware? As Nações Unidas proclamaram 2005-2014 a Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável (DEDS). Segundo a UNESCO, Organização Internacional

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

Agência Portuguesa do Ambiente Apresentação Pública dos Resultados do Inquérito sobre Equipamentos de Educação Ambiental para a Sustentabilidade

Agência Portuguesa do Ambiente Apresentação Pública dos Resultados do Inquérito sobre Equipamentos de Educação Ambiental para a Sustentabilidade Agência Portuguesa do Ambiente Apresentação Pública dos Resultados do Inquérito sobre Equipamentos de Educação Ambiental para a Sustentabilidade Jorge Neves, 19/12/2011, Amadora colocar foto da era ENQUADRAMENTO

Leia mais

Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar Biénio 2015-2017. Lista B. Programa de Candidatura

Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar Biénio 2015-2017. Lista B. Programa de Candidatura Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar Biénio 2015-2017 Lista B Programa de Candidatura Introdução A presente lista candidata à SPTF é composta por um conjunto de colegas ligados pelas ideias que partilham

Leia mais

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão.

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Projecto Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Tempo de escassa encomenda e recursos económicos e consequentemente de alteração de paradigmas sociais e profissionais.

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

Universidade do Algarve. Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente

Universidade do Algarve. Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Licenciatura (1º Ciclo) em Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Directores de Curso: Prof.ª Doutora Maria João Bebianno

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo 22 de Fevereiro 2010 Índice Índice PARTE I SÍNTESE DO 2º FÓRUM PARTICIPATIVO (10 minutos) PARTE II SÍNTESE DA ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal 18 DE FEVEREIRO A 13 DE MARÇO DE 2008 A inducar (http://www.inducar.pt) é uma organização de direito

Leia mais

UMA OFERTA FORMATIVA INOVADORA FORTE COMPONENTE DE TRABALHO DE CAMPO AULAS EM MÓDULOS SEMINÁRIOS TEMÁTICOS TUTORIAS

UMA OFERTA FORMATIVA INOVADORA FORTE COMPONENTE DE TRABALHO DE CAMPO AULAS EM MÓDULOS SEMINÁRIOS TEMÁTICOS TUTORIAS 4 www.estesl.ipl.pt UMA OFERTA FORMATIVA INOVADORA FORTE COMPONENTE DE TRABALHO DE CAMPO AULAS EM MÓDULOS SEMINÁRIOS TEMÁTICOS TUTORIAS PARCERIAS INSTITUCIONAIS PROJETO EM INTERVENÇÃO COMUNITÁRIA E CUIDADOS

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 1 2 EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 3 4 TÍTULO: Empreendedorismo jovem - metodologia

Leia mais

MLM Master in Law and Management

MLM Master in Law and Management MLM Master in Law and Management diploma CONJUNTO novaforum.pt MLM Master in Law and Management Os participantes que completem com aproveitamento a componente lectiva do Programa receberão um Diploma de

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO O Exploratório - Centro Ciência Viva de Coimbra torna pública a abertura de concurso para a atribuição de uma Bolsa de

Leia mais

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos O passado, o presente e o futuro JOAQUIM AZEVEDO 16 MAR 2012 Uma aposta em quê, em particular? Desenvolvimento

Leia mais

Gestão Empresarial. Comércio e Serviços

Gestão Empresarial. Comércio e Serviços Curso de Gestão Empresarial para Comércio e Serviços PROMOÇÃO: COLABORAÇÃO DE: EXECUÇÃO: APRESENTAÇÃO: > A aposta na qualificação dos nossos recursos humanos constitui uma prioridade absoluta para a Confederação

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO Título do projeto: Pensar Global, Agir Global Oito objetivos de Desenvolvimento para o Milénio, Oito Caminhos para mudar o Mundo Localização detalhada da ação (país, província,

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

PROJETO PÓS ZARCO ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO GONÇALVES ZARCO-MATOSINHOS. "Uma Escola de Oportunidades"

PROJETO PÓS ZARCO ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO GONÇALVES ZARCO-MATOSINHOS. Uma Escola de Oportunidades ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO GONÇALVES ZARCO-MATOSINHOS "Uma Escola de Oportunidades" Dossiê de Apresentação do Projeto Pós...Zarco I. O PROJETO PÓS ZARCO No ano letivo de 2005/2006, a Escola Secundária João

Leia mais

Produção Multimédia Interactiva

Produção Multimédia Interactiva Produção Multimédia Interactiva Candidaturas 2012/13 secretaria@ipa.univ.pt http://pmi.ipa.univ.pt www.ipa.univ.pt IPA Instituto Superior Autónomo de Estudos Politécnicos No IPA prosseguimos os seguintes

Leia mais

aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades:

aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades: Enquadramento Desafios: aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades: eficiência dos sistemas agrícolas e florestais gestão sustentável

Leia mais

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Cidade de Guimarães Faixas Etárias do Concelho 65 ou mais 24-64 anos 15-24 anos 0-14 anos 0 20000 40000 60000 80000 100000 População do Concelho 159.576

Leia mais

WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO.

WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO. WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO. Workshop 1 Web 2.0 na educação (dinamizado por Fernando Delgado EB23 D. Afonso III) Os serviços da Web 2.0 têm um enorme potencial para a educação, pois possibilitam

Leia mais

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Proposta de funcionamento e objectivos do Grupo Trabalho Oportunidades Projectos e propostas LNEC 30 Maio 2013 Grupos

Leia mais

PAZ, FRAGILIDADE E SEGURANÇA A AGENDA PÓS-2015 E OS DESAFIOS À CPLP

PAZ, FRAGILIDADE E SEGURANÇA A AGENDA PÓS-2015 E OS DESAFIOS À CPLP PAZ, FRAGILIDADE E SEGURANÇA A AGENDA PÓS-2015 E OS DESAFIOS À CPLP 7 Maio 10 Horas NÚCLEO DE ESTUDANTES DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS ORGANIZAÇÃO: COM A PARTICIPAÇÃO: Paz, Fragilidade e Segurança A A G E

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 Escola de Ciências Universidade do Minho 1. Missão A Escola de Ciências tem como missão gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Exatas e da Natureza e domínios

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

A formação do professorado em Climántica orientada para o protagonismo ambiental dos estudantes

A formação do professorado em Climántica orientada para o protagonismo ambiental dos estudantes A formação do professorado em Climántica orientada para o protagonismo ambiental dos estudantes Francisco Sóñora Luna Director del proyecto Climántica. Consellería de Medio Ambiente e Desenvolvemento Sostible.

Leia mais

CRIAÇÃO DE SISTEMAS DE INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL (Transformação da criatividade individual em inovação) www.apgico.pt

CRIAÇÃO DE SISTEMAS DE INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL (Transformação da criatividade individual em inovação) www.apgico.pt CRIAÇÃO DE SISTEMAS DE INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL (Transformação da criatividade individual em inovação) www.apgico.pt QUEM SOMOS SOMOS ESPECIALISTAS (corpos sociais) Jorge Alves Prof. Catedrático jubilado

Leia mais

Estratégia de Dinamização e de Divulgação

Estratégia de Dinamização e de Divulgação Estratégia de Dinamização e de Divulgação Plano de Ação de 2015 FEVEREIRO 2015 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VISÃO DA BOLSA DE TERRAS... 4 3. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS - LINHAS GERAIS DA ESTRATÉGIA... 5

Leia mais

LABORATÓRIO ABERTO DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: INVESTIGAÇÃO-FORMAÇÃO-INOVAÇÃO NO ENSINO DAS CIÊNCIAS

LABORATÓRIO ABERTO DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: INVESTIGAÇÃO-FORMAÇÃO-INOVAÇÃO NO ENSINO DAS CIÊNCIAS LABORATÓRIO ABERTO DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: INVESTIGAÇÃO-FORMAÇÃO-INOVAÇÃO NO ENSINO DAS CIÊNCIAS MARTINS 1, ISABEL P.; COUCEIRO 2, FERNANDA; RODRIGUES 3, ANA; TORRES 4, ANA CRISTINA; PEREIRA 5, SARA;

Leia mais

Os Cursos de Licenciatura e de Mestrado:

Os Cursos de Licenciatura e de Mestrado: Departamento de Educação Física F e Desporto SEMINÁRIO Educação Física e Desporto O Processo Bolonha, Estágios e Saídas Profissionais 26 de Junho de 2007 Os Cursos de Licenciatura e de Mestrado: Jorge

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE INVESTIGADOR/A DOUTORADO/A EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

CONTRATAÇÃO DE INVESTIGADOR/A DOUTORADO/A EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CONTRATAÇÃO DE INVESTIGADOR/A DOUTORADO/A EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS a. Descrição do Concurso: O Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra, Laboratório Associado (LA) por contrato assinado

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta Floresta Comum, Qual o objectivo principal do Floresta Comum? O objectivo? O Floresta Comum, é um programa de incentivo à reflorestação com a floresta autóctone portuguesa. Para a concretização deste objectivo,

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

SEMANA DA CIÊNCIA 2014

SEMANA DA CIÊNCIA 2014 SEMANA DA CIÊNCIA 2014 ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES 24-28 novembro PROGRAMA DETALHADO 2ª feira, 24 novembro Dia Nacional da Cultura Científica 15 H ABERTURA DA SEMANA PALESTRA

Leia mais

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA?

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA? INVENTARIAÇÃO DE POPULAÇÕES DE AVIFAUNA DA RESERVA NATURAL LOCAL DO PAUL DE TORNADA - Quais os objetivos da tarefa? Manter, incrementar e divulgar os valores naturais da Reserva Natural Local do Paul de

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas ENQUADRAMENTO DO CURSO As escolas são estabelecimentos aos quais está confiada uma missão de serviço público, que consiste em dotar todos e cada um dos

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

3.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA. Das Novas Tecnologias à Eficiência dos Sistemas. 18 de Setembro MUDE Museu do Design e da Moda, Lisboa PARCERIA

3.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA. Das Novas Tecnologias à Eficiência dos Sistemas. 18 de Setembro MUDE Museu do Design e da Moda, Lisboa PARCERIA 3.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA ORGANIZAÇÃO PARCERIA UMA PUBLICAÇÃO Das Novas Tecnologias à Eficiência dos Sistemas 18 de Setembro MUDE Museu do Design e da Moda, Lisboa APRESENTAÇÃO Depois de duas edições,

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 QUEM SOMOS FUNDEC APRESENTAÇÃO HISTÓRIA OBJECTIVOS A

Leia mais

Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água. Ano de 2008/2009

Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água. Ano de 2008/2009 Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água Ano de 2008/2009 Comissão Coordenadora Maria da Natividade Ribeiro Vieira Directora de Curso Vítor Manuel Oliveira Vasconcelos Luís Filipe

Leia mais

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO O Centro Ciência Viva de Constância torna pública a abertura de concurso para a atribuição de uma Bolsa de Gestão de Ciência

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO A actual transformação do mundo confere a cada um de nós professores, o dever de preparar os nossos alunos, proporcionando-lhes as qualificações básicas necessárias a indivíduos

Leia mais

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA UNIVERSIDADE DO PORTO PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA LITERACIA FINANCEIRA DA U.PORTO Outubro de 2012 Enquadramento do programa na Estratégia Nacional de Formação Financeira Plano Nacional de Formação Financeira

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos

Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos Maria João Alves Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional 24 de novembro de 2014 I SIMPÓSIO

Leia mais

Curso de Formação Complementar. Apresentação

Curso de Formação Complementar. Apresentação Curso de Formação Complementar I Apresentação O curso de Formação Complementar destina-se a jovens titulares de cursos de Tipo 2, Tipo 3 ou outros cursos de qualificação inicial de nível 2, que pretendam

Leia mais

Projectos de investigação

Projectos de investigação Teses e Projectos de Investigação 261 Projectos de investigação Software Educativo Multimédia: Estrutura, Interface e Aprendizagem Responsável: Ana Amélia Amorim Carvalho Departamento de Currículo e Tecnologia

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA De acordo com os últimos dados disponíveis do Observatório para a inserção profissional da Universidade Nova de Lisboa, a taxa de emprego dos alunos

Leia mais

[ESCREVA O NOME DA EMPRESA] Agrupamentos de escolas e bibliotecas escolares do concelho de Cantanhede CFAE Beira Mar WEBINARES.

[ESCREVA O NOME DA EMPRESA] Agrupamentos de escolas e bibliotecas escolares do concelho de Cantanhede CFAE Beira Mar WEBINARES. [ESCREVA O NOME DA EMPRESA] Agrupamentos de escolas e bibliotecas escolares do concelho de Cantanhede WEBINARES Planos de 2015 16 Sumário Webinar 1 É ca e uso de recursos digitais... 2 Webinar 2 Iden dade

Leia mais