Palavras-Chaves: Ferro fundido nodular, Tecnologia de produção, Estrutura, Propriedades mecânicas.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-Chaves: Ferro fundido nodular, Tecnologia de produção, Estrutura, Propriedades mecânicas."

Transcrição

1 ESTRUTURA E PROPRIEDADES MEÂNIAS DE UM FERRO FUNDIDO NODULAR APÓS DISTINTOS TEMPOS E TEMPERATURAS DE VAZAMENTO Everton Maick R. Pessanha 1 * (D), Lioudmila A. Matlakhova (Ph.D) 1 ** 1 - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro UENF, ampos dos Goytacazes, RJ, Resumo: O ferro fundido nodular (FFN), caracterizado por apresentar o carbono livre na forma de grafita esferoidal, devido ao tratamento de inoculação e nodulização realizado ainda no estado líquido, apresenta boa ductilidade e elevada resistência mecânica. O presente trabalho consiste em estudar as alterações na estrutura e propriedades mecânicas de um lote de FFN, produzido na empresa PAM Saint-Gobain analizações pela técnica de inserção por sino, no estado inicial (T1-10min e 1398º) e para distintos tempos (T2-15 min a T8-45 min) e temperaturas de vazamento (de 1378 a 1210º). Para tanto, foi realizada a análise de composição química por espectrometria de massa e analisador elementar, bem como análises de estrutura por DRX, microscopia ótica e de microdureza Vickers. Os resultados mostraram que FFN hipereutético apresenta as fases de ferrita, grafita e cementita. Na microestrutura ainda foram observadas regiões características da constituinte perlítica, mais dura, com valores de HV que variaram, com o tempo e temperatura de vazamento, na faixa de 300 a 400 kgf/mm 2. Palavras-haves: Ferro fundido nodular, Tecnologia de produção, Estrutura, Propriedades mecânicas. STRUTURE AND MEHANIAL PROPERTIES OF A NODULAR AST IRON AFTER DIFFERENT TIMES AND TEMPERATURES LEAK Abstract: The nodular cast iron, characterized in that the free carbon as spheroidal graphite because of the inoculation and nodulization treatment also carried out in the liquid state has good ductility and high mechanical resistance. This paper consists of studying the changes in the structure and mechanical properties of a lot of FFN, produced at the company Saint-Gobain PAM Plumbing by inserting technique bell, in the initial state (T1-10min and 1398º) and different times (T2-15 min to min T8-45) and pouring temperatures (1378 to 1210º). For both, we performed chemical analysis by mass spectrometry and elemental analysis, XRD analysis, optical microscopy and Vickers hardness. The results showed that the nodular hypereutectic cast iron present the phases of ferrite, graphite, and cementite. In the microstructure were also observed regions characteristics of pearlitic constituent, harder, with values varying with time and leak temperature in the range of 300 to 400. kgf/mm 2. Keywords: Nodular cast iron, Production technology, Structure, Mechanical properties. Introdução Levando em consideração os distintos tipos de ferros fundidos, destacam-se no presente trabalho os ferros fundidos nodulares (FFN), caracterizados por apresentar o carbono livre na forma de grafita esferoidal devido ao tratamento de inoculação e nodulização, realizado ainda no estado líquido, que consiste na adição de elementos químicos tais como cério, cálcio e magnésio, que promovam a formação de nódulos grafíticos conferindo ao material características de boa

2 ductilidade e elevados limites de resistência. O magnésio e suas ligas correspondem aos nodulizantes mais utilizados [1]. Distintas tecnologias são empregadas no processo de nodulização, utiliza-se no presente trabalho a técnica de imersão por sino, em que o elemento nodulizante é colocado num invólucro na ponta de uma haste presa à tampa da panela que entrando em contato com o metal líquido inicia o processo de nodulização produzindo a grafita sensivelmente esférica [1, 2]. Utiliza-se também o tratamento de inoculação que reduz o super-resfriamento para a solidificação funcionando como substrato para a nucleação da grafita esferoidal e, portanto, aumenta significativamente o número de nódulos de grafita auxiliando na microestrutura final. O FeSi75% é inoculante mais utilizado [2]. O conjunto de boas propriedades mecânicas conferem aos FFN aplicações em vários segmentos industriais, tais como na produção de tubos e conexões para o transporte de água, válvulas e corpos de bomba na indústria de petróleo, e estão correlacionadas com a forma da grafita, bem como com a microestrutura da matriz que pode ser ferrita, perlita, ferrita-perlita, martensítica, bainítica e austenítica [3]. Para tanto, o presente trabalho consiste em estudar as alterações na estrutura e propriedades mecânicas de um lote de FFN produzido na empresa PAM Saint-Gobain analizações (SG) no estado inicial e para distintos tempos e temperaturas de vazamento. Experimental Foi utilizado um lote de FFN produzido na empresa SG pela técnica de imersão por sino. O lote foi obtido de um processo rotineiro de produção na usina, expondo, assim, o material mais próximo das condições reais de fabricação de conexões, tubulações e válvulas da SG. Foram retirados 8 lingotes P Ybloc solidificados em moldes de areia e 8 pastilhas solidificadas em moldes metálicos de cobre eletrolítico para análise química, variando o tempo de vazamento de 10 a 45 min com intervalo de 5 min e temperatura de 1398º à 1210º. A análise de composição química foi determinada na usina SG utilizando os equipamentos Espectrômetro de massa OES-5500 II para análise dos elementos Si, Mn, Mg, P e S e analisador elementar LEO S 200 para análise do teor de carbono. A composição fásica por DRX das amostras de FFN no estado inicial (T1-10 min e 1398º) e após os distintos tempos (de T2-15 min a T8-45 min) e temperaturas (de T2-1378º a T8-1210º) de vazamento foi realizada no difratômetro 7000 Shimadzu, disponível no Laboratório de Materiais Avançados (LAMAV) da UENF, com radiação de u-k, λ=1,54178 Å, 2 entre 0º e 90º e passo de varredura de 0,05º/2s. A identificação das fases foi realizada com o auxílio do JPDS As amostras retiradas de cada lingote de FFN foram preparadas metalograficamente através de técnicas convencionais e atacadas quimicamente com Nital a 2% e analisadas com o auxílio de microscopia ótica utilizando os microscópios Olympus, Jenavert e Neophot-32. Os ensaios mecânicos de microdureza Vickers foram realizados no microdurômetro HMV-2, do fabricante Shimadzu do Brasil. A carga aplicada nos corpos de prova, através do marcador de diamante, foi de 50 g (490,3 mn) durante 10 s. Os ensaios foram realizados em cada amostra de FFN no estado inicial (T1-10 min) e para distintos tempos (T2-15 min a T8-45 min) e temperaturas de vazamento, após a preparação metalográfica, através cinco medições em distintas regiões da amostra levando em consideração as fases presentes. Resultados e Discussão O metal base fundido, 3990 Kg, foi recebido da metalurgia na SG e após o tratamento de inoculação e nodulização as amostras de FFN foram submetidas à análise química, Tabela 1. A composição química identificada está dentro da faixa estipulada pela usina SG com entre 3,3-3,7%p, Si entre 2,2-2,8%p, Mn 0,30%p, P 0,08%p, S 0,010%p e Mg 0,050%p. O pequeno aumento no silício em comparação com o metal base (2,27%p) se deve ao acréscimo do inoculante

3 (311)Fe 3 (301)Fe 3 (212)Fe 3 (122)Fe 3 (131)Fe 3 (121)Fe 3 (200)Fe (240)Fe 3 (051)Fe 3 (211)Fe (104)Fe 3 (110)Fe FeSi75%. Verifica-se também que a porcentagem de carbono equivalente (E) foi determinada como 4,6%p, demonstrando que o material em estudo se trata de um FFN hipereutético. Tabela 1 omposição química dos lingotes de FFN após o tratamento de inoculação e nodulização para distintos tempos e temperaturas de vazamento. Tempo de Temperatura Lote de Ferro Fundido Nodular Amostras vazamento de vazamento omposição química (%p) (min) (º) E Si Mn P S Mg T ,70 4,63 2,67 0,20 0,11 0,007 0,072 T ,71 4,63 2,66 0,20 0,11 0,008 0,069 T ,73 4,63 2,60 0,20 0,106 0,007 0,072 T ,74 4,65 2,63 0,20 0,108 0,008 0,072 T ,72 4,61 2,57 0,20 0,106 0,007 0,066 T ,72 4,63 2,62 0,20 0,103 0,007 0,063 T ,71 4,62 2,63 0,19 0,104 0,008 0,064 T ,73 4,63 2,60 0,19 0,105 0,008 0,061 A análise estrutural do FFN para distintos tempos de vazamentos de T1 (10 min) à T8 (45 min) está apresentada na Fig. 1. Observa-se que a liga apresenta a fase predominantemente ferrítica (Fe-α) com a estrutura com picos de elevada intensidade. Os difratogramas apresentaram ainda o carbono hexagonal ( H ) e o carbono romboédrico ( R ) com picos de baixa intensidade. A fase cementítica (Fe 3 ) com estrutura ortorrômbica, Fig. 1, só foi identificada em maiores ampliações dos difratogramas, pois apareceram com certa dificuldade devido à baixa simetria dos seus planos. T1 (10 min) T2 (15 min) T3 (20 min) T4 (25 min) T5 (30 min) T6 (35 min) T7 (40 min) T8 (45 min) (003) R (002) H (100) H (110) H T8 (45 min) T7 (40 min) T6 (35 min) T5 (30 min) T4 (25 min) T3 (20 min) T2 (15 min) T1 (10 min) Figura 1 Difração de raios X do FFN de T1 (10 min) à T8 (45 min). Observa-se nas micrografias obtidas deste lote de FFN, para distintos tempos e temperaturas de vazamento, após ataque, Fig. 2(a-h), a presença de nódulos de grafita que se distribuem por toda extensão da amostra. À medida que temperatura diminui a grafita cresce em contato com o líquido e a solubilidade do carbono diminui, pois o crescimento subsequente dos nódulos de grafita exige a difusão do carbono do líquido para a grafita. Verifica-se que para o estado inicial (T1-10 min) a 1398º, os nódulos estão distribuídos de forma homogênea na matriz, no entanto, após 5 min de vazamento (T2-15 min), à temperatura de 1378º, ocorre o crescimento dos núcleos de grafita que se aglomeram. Isto ocorre, sobretudo, porque com a redução da temperatura a matriz fica menos rica em carbono e expulsa os novos núcleos formados que se aglomeram.

4 Assim, observa-se que para maiores tempo de vazamento, de T3-20 min à 1349º até T8-45 min à 1210º, Fig. 2(c-h), os novos núcleos de grafita formado foram se aglomerando, enquanto outros cresciam, formando os nódulos pequenos. a) b) c) d) 50 μ e) m f) g) h) 50µm 50µm 50µm 50µm 50µm 50µm 50µm 50µm Figura 2 Microestruturas do FFN para distintos tempos de vazamento, após ataque, observado em campo claro no aumento de 100X. (a) T1 (10 min), (b) T2 (15 min), (c) T3 (20 min), (d) T4 (25 min), (e) T5 (30 min), (f) T6 (35 min), (g) T7 (40 min), (h) T8 (45 min). A microestrutura revelou uma matriz ferrítica com a presença de nódulos de grafita e ainda regiões indicativas da presença de perlita, visualizadas no aumento de 500X, Fig. 3(a-h). Em regiões afastadas dos nódulos de grafita, em condições que não proporcionam tempo suficiente para a difusão do carbono até a partícula de grafita, ocorre à reação eutetóide metaestável resultando a perlita [4]. Isto ocorre porque provavelmente ainda existe carbono na austenita que não migraram por difusão para a grafita e assim ocorre a sua decomposição. a) b) c) d) 10µm 10µm 10µm 10µm e) f) g) h) 10µm 10µm 10µm 10µm Figura 3 Microestruturas do FFN para distintos tempos de vazamento, após ataque químico, observado em campo claro no aumento de 500X. (a) T1 (10 min), (b) T2 (15 min), (c) T3 (20 min), (d) T4 (25 min), (e) T5 (30 min), (f) T6 (35 min), (g) T7 (40 min), (h) T8 (45 min). A Fig. 4 apresenta a variação dos valores médios de microdureza Vickers (HV) dos microconstituintes presentes no FFN, em função do tempo de vazamento. Verifica-se que as variações de HV estão no intervalo de confiança, quando tratados estatisticamente. O aparecimento da perlita resulta em um aumento da dureza da matriz, bem como, interfere diretamente nas propriedades mecânicas elevando a resistência do FFN. Assim, os maiores valores de HV foram encontrados para a perlita que varia de 310,0 ± 52,2 kgf/mm 2, principalmente para maiores tempos de vazamento, T7-40 min e T8-45 min, e estão de acordo com o trabalho de Vélez et al. [5] que encontraram valores de dureza da ordem de 300 HV para a matriz perlítica em FFN. A fase ferrítica apresentou HV variando na faixa de 154,8 ± 50,8 kgf/mm 2, dentro da faixa encontrada nos trabalhos [6, 7] para um FFN com matriz ferrítica com HV igual a 170 kgf/mm 2. Uma carga, aplicada nos ensaios de HV provoca uma deformação no material, deixando uma impressão, neste instante os nódulos de grafita se apresentaram mais frágeis com a microdureza de 60,7 ± 27,2 kgf/mm 2. A microestrutura do FFN analisado apresentou ainda a fase de cementita livre

5 HV (kgf/mm²) (Fe 3 ), principalmente em T8-45 min, como finas lamelas, dificultando as medidas de microdureza, pois o marcador de diamante não deixava a impressão somente nesta fase T1 T2 T3 T4 T5 T6 T7 T Tempo de vazamento (min) HV Perlita HV Ferrita HV Grafita Figura 4 Variação de HV dos microconstituintes no FFN em função do tempo de vazamento. onclusões O FFN hipereutético analisado, após distintos tempos e temperaturas de vazamento (T1-10 min à 1398º até T8-45 min 1210º), apresenta a estrutura composta das fases de ferrita (Fe-α), grafita e Fe 3. Os nódulos de grafita tendem a se aglomerar à medida que aumenta o tempo e a temperatura de vazamento. Após o ataque químico, a microestrutura revelou uma matriz ferrítica com a presença de nódulos de grafita e ainda regiões com a presença da perlita (α + Fe 3 ). A análise de HV da liga apresentou maiores valores para a constituinte perlítica, variando na faixa de 300 a 400 kgf/mm 2 e tendo menores HV no FFN para os tempos T5-30 min e T6-35 min. Os valores médios de HV para as fases de ferrítica e grafita (em nódulos) foram determinados como de 154,8 ± 50,8 kgf/mm 2 e de 60,7 ± 27,2 kgf/mm 2, respectivamente. Agradecimentos Os autores agradecem o apoio à pesquisa concedido pela FAPERJ, NPq e APES, bem como ao apoio técnico oferecido pelo LAMAV/UENF e pela Empresa Saint-Gobain analizações. Referências Bibliográficas 1. V. hiaverini. Aços e Ferros Fundidos: características gerais, tratamentos térmicos, principais tipos. Associação Brasileira de Metalurgia e Materiais, 7ª Ed. Amp. E ver. São Paulo, 2012, p A. B. De S. Santos,. H.. Branco. Metalurgia dos ferros fundidos cinzentos e nodulares. São Paulo, Instituto de Pesquisa Tecnológicas (IPT), 206 p. 3. F. Iacoviello, A. de Santis, D. Iacoviello, O. Di Bartolomeo. Active ontour Segmentation for the Identification of Metallographic and Morphological Elements of Interest in Ductile ast Iron. La metallurgia italiana. Giugno, p , W. L. Guesser, D. G. Hilário. Ferros Fundidos Nodulares Perlíticos. ontribuição ao ONAF 99 - ABIFA, São Paulo,1999, out., 14 p. 5. J. M. Vélez, D. K. Tanak, A. Sinatora, A. P. Tschiptschin. Evaluation of abrasive wear of ductile cast iron in a single pass pendulum device. Wear 251, 2001, p M. J. Dong, G. K. Hu, A. Diboine, D. Moulin,. Prioul. Damage modelling in nodular cast iron. Journal de Physique IV. olloque 7, supplément au Journal de Physique III, Volume 3, novembre 1993, p Y. Nadot, J. Mendez, N. Ranganathan. Influence of casting defects on the fatigue limit of nodular cast iron. International Journal of Fatigue 26, 2004, p

Palavras - chave: Grafita nodular, ferro fundido nodular, tempo e temperatura de vazamento, propriedades mecânicas, analise estrutural.

Palavras - chave: Grafita nodular, ferro fundido nodular, tempo e temperatura de vazamento, propriedades mecânicas, analise estrutural. INFLUÊNCIA DO TEMPO E DA TEMPERATURA DE VAZAMENTO SOBRE A ESTRUTURA DOS NÓDULOS E PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM FERRO FUNDIDO NODULAR NO ESTADO BRUTO DE FUNDIÇÃO Resumo: Douglas F. Vidal¹* (D), Lioudmila

Leia mais

EFEITO DO TEMPO E DA TEMPERATURA DE TRATAMENTO TÉRMICO NA MICROESTRUTURA E NA DUREZA DE UM FERRO FUNDIDO NODULAR

EFEITO DO TEMPO E DA TEMPERATURA DE TRATAMENTO TÉRMICO NA MICROESTRUTURA E NA DUREZA DE UM FERRO FUNDIDO NODULAR EFEITO DO TEMPO E DA TEMPERATURA DE TRATAMENTO TÉRMICO NA MICROESTRUTURA E NA DUREZA DE UM FERRO FUNDIDO NODULAR B. C. M. Ribeiro 1 ; C. Braga 2 ;, A. C. S. Bezerra 2 ; S. C. S. Martins 2 ; R. L. B. Diniz

Leia mais

FERROS FUNDIDOS. Usados em geral para: Resistência ao desgaste Isolamento de vibrações Componentes de grandes dimensões

FERROS FUNDIDOS. Usados em geral para: Resistência ao desgaste Isolamento de vibrações Componentes de grandes dimensões FERROS FUNDIDOS Usados em geral para: Resistência ao desgaste Isolamento de vibrações Componentes de grandes dimensões Peças de geometria complicada Peças onde a deformação plástica é inadmissível FERROS

Leia mais

Ferro Fundido. A.S.D Oliveira

Ferro Fundido. A.S.D Oliveira Ferro Fundido Ferros fundidos Ligas ferrosas contendo 2.1%-4% C e 1%-3% Si - composição torna-os excelentes para fundição - a fabricação de ferros fundidos é várias vezes superior a de qualquer outro metal

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE VAZAMENTO ATÉ 45 MIN E DOS TEORES DE SILÍCIO, FÓSFORO E TITÂNIO NA ESTRUTURA E PROPRIEDADES MECÂNICAS DO FERRO FUNDIDO NODULAR

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE VAZAMENTO ATÉ 45 MIN E DOS TEORES DE SILÍCIO, FÓSFORO E TITÂNIO NA ESTRUTURA E PROPRIEDADES MECÂNICAS DO FERRO FUNDIDO NODULAR INFLUÊNCIA DO TEMPO DE VAZAMENTO ATÉ 45 MIN E DOS TEORES DE SILÍCIO, FÓSFORO E TITÂNIO NA ESTRUTURA E PROPRIEDADES MECÂNICAS DO FERRO FUNDIDO NODULAR EVERTON MAICK RANGEL PESSANHA UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

DIAGRAMAS DE FASES DIAGRAMAS DE FASES

DIAGRAMAS DE FASES DIAGRAMAS DE FASES DIAGRAMAS DE FASES Prof. Dr. Anael Krelling 1 São mapas que permitem prever a microestrutura de um material em função da temperatura e composição de cada componente; Informações sobre fenômenos de fusão,

Leia mais

O teor de C (>2%) está acima do teor que pode ser retido em solução sólida na austenita. " Consequência

O teor de C (>2%) está acima do teor que pode ser retido em solução sólida na austenita.  Consequência 1 FERROS FUNDIDOS - FOFOS É uma liga de Fe-C-Si É considerada uma liga ternária devido a presença do Si Os teores de Si podem ser maiores que o do próprio C O Si influi muito nas propriedades dos fofos

Leia mais

5.3. ANÁLISE QUÍMICA 5.4. ENSAIO DE DUREZA

5.3. ANÁLISE QUÍMICA 5.4. ENSAIO DE DUREZA 35 5.3. ANÁLISE QUÍMICA A composição química dos parafusos foi determinada por Espectrometria de Emissão Óptica. A Tabela 04 apresenta a composição percentual dos elementos mais relevantes. A Norma SAE

Leia mais

XXXIII CONSOLDA Congresso Nacional de Soldagem De 27 à 30 de Agosto de 2007 Caxias do Sul RS

XXXIII CONSOLDA Congresso Nacional de Soldagem De 27 à 30 de Agosto de 2007 Caxias do Sul RS XXXIII CONSOLDA Congresso Nacional de Soldagem De 27 à 30 de Agosto de 7 Caxias do Sul RS Soldagem de rro Fundido Vermicular com Eletrodos Revestidos (Welding Compacted Iron with SMAW) Ricardo André Lovato

Leia mais

FERROS FUNDIDOS. Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível.

FERROS FUNDIDOS. Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível. FERROS FUNDIDOS FERROS FUNDIDOS Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível. FERROS FUNDIDOS FF CINZENTO (Gray iron) FF DÚCTIL ou Nodular (Spheroidal iron) FF BRANCO

Leia mais

Estudo da morfologia e da dureza, por microindentação vickers, do ferro fundido nodular

Estudo da morfologia e da dureza, por microindentação vickers, do ferro fundido nodular CADERNOS UniFOA ISSN: 809-9475 Edição 28 Agosto de 205 e-issn: 982-86 Estudo da morfologia e da dureza, por microindentação vickers, do ferro fundido nodular Study of morphology and toughness in microindentação

Leia mais

Avaliação da microestrutura e da microdureza do ferro fundido cinzento

Avaliação da microestrutura e da microdureza do ferro fundido cinzento CADERNOS UniFOA ISSN: 809-9475 Edição 28 Agosto de 205 e-issn: 982-86 Avaliação da microestrutura e da microdureza do ferro fundido cinzento Avaliation of microstructure and microhardness of gray cast

Leia mais

Otimização dos parâmetros de austenitização de um ferro nodular austemperado a partir da zona crítica

Otimização dos parâmetros de austenitização de um ferro nodular austemperado a partir da zona crítica Otimização dos parâmetros de austenitização de um ferro nodular austemperado a partir da zona crítica doi: 10.4322/tmm.00603004 Eliana Franco 1 César Edil da Costa 2 Joânesson Stahlschmidt 3 Wilson Luiz

Leia mais

Fone(0xx47) , Fax (0xx47)

Fone(0xx47) , Fax (0xx47) DETERMINAÇÃO DA JANELA DE PROCESSO DE UM FERRO FUNDIDO NODULAR AUSTEMPERADO (ADI) SEM ADIÇÃO DE ELEMENTOS DE LIGA ATRAVÉS DE ENSAIOS MECÂNICOS E METALOGRÁFICOS Marcos E. Balzer 1 e C. A. S. Oliveira 2

Leia mais

ESFEROIDIZAÇÃO DO AÇO SAE 1080*

ESFEROIDIZAÇÃO DO AÇO SAE 1080* ESFEROIDIZAÇÃO DO AÇO SAE 1080* Renan Gurgel Pinho 1 Nívea Rodrigues Leite 2 Marcelo José Gomes da Silva 3 Resumo O objetivo deste trabalho é investigar a esferoidização do aço SAE 1080 e os respectivos

Leia mais

Efeito do antimônio na microestrutura e propriedades mecânicas do ferro fundido nodular

Efeito do antimônio na microestrutura e propriedades mecânicas do ferro fundido nodular Efeito do antimônio na microestrutura e propriedades mecânicas do ferro fundido nodular Adriano Luis Koerich adriano_koerich@hotmail. com Instituto Superior Tupy - IST Soceisc Juliano Manoel Mendes Juliano.mendes@ppefios.

Leia mais

ANÁLISE DE ESTRUTURA E PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM FERRO FUNDIDO NODULAR EM PROCESSO DE FUNDIÇÃO PRODUZIDO PELA TÉCNICA DE IMERSÃO DE SINO

ANÁLISE DE ESTRUTURA E PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM FERRO FUNDIDO NODULAR EM PROCESSO DE FUNDIÇÃO PRODUZIDO PELA TÉCNICA DE IMERSÃO DE SINO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO ANÁLISE DE ESTRUTURA E PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM FERRO FUNDIDO NODULAR EM PROCESSO DE FUNDIÇÃO PRODUZIDO PELA TÉCNICA DE IMERSÃO DE SINO DOUGLAS FERREIRA VIDAL Universidade Estadual

Leia mais

Estudo comparativo de ferros fundidos nodulares temperados e austemperados

Estudo comparativo de ferros fundidos nodulares temperados e austemperados doi: 10.4013/ete.2010.63.03 ISSN 1808-7310 Estudo comparativo de ferros fundidos nodulares temperados e austemperados Comparative study of quenched and austempered ductile cast irons Paulo Henrique Sanchez

Leia mais

Efeito da temperatura de tratamento térmico sobre a dureza de um ferro fundido branco multicomponente com alto teor de molibdênio

Efeito da temperatura de tratamento térmico sobre a dureza de um ferro fundido branco multicomponente com alto teor de molibdênio Efeito da temperatura de tratamento térmico sobre a dureza de um ferro fundido branco multicomponente com alto teor de molibdênio T. R. Paula 1, C. R. Serantoni 2, A. V. Correa 1 1 Laboratório de Fundição,

Leia mais

ENDURECIMENTO DO AÇO AISI 1140 POR TÊMPERA*

ENDURECIMENTO DO AÇO AISI 1140 POR TÊMPERA* ENDURECIMENTO DO AÇO AISI 1140 POR TÊMPERA* Géssica Padilha de Souza 1 Adielson Rafael Oliveira Marinho 2 João Henrique Assunção Vieira 3 Torben Ulisses da Silva Carvalho 4 Carlos Vinicius de Paes Santos

Leia mais

FADIGA DE CONTATO DE FERRO FUNDIDO NODULAR NITRETADO POR PLASMA

FADIGA DE CONTATO DE FERRO FUNDIDO NODULAR NITRETADO POR PLASMA Inserir o Logo do Programa Programa de Pós Graduação em XXXX www.xxx.ct.utfpr.edu.br www.utfpr.edu.br II MOPP 2010 II Mostra de Pesquisa e Pós-Graduação da UTFPR 30 de agosto a 03 de Setembro de 2010 Curitiba

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA DE AUTOMATIZAÇÃO DA CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DE FERRO FUNDIDO NODULAR NUMA FUNDIÇÃO DO INTERIOR DO RIO DE JANEIRO

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA DE AUTOMATIZAÇÃO DA CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DE FERRO FUNDIDO NODULAR NUMA FUNDIÇÃO DO INTERIOR DO RIO DE JANEIRO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA DE AUTOMATIZAÇÃO DA CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DE FERRO FUNDIDO NODULAR NUMA FUNDIÇÃO DO INTERIOR DO RIO DE JANEIRO David Alves Lidugerio 1, Rodrigo Silva Oliveira 2,

Leia mais

Ciência dos Materiais - Equilíbrio ferro-carbono /

Ciência dos Materiais - Equilíbrio ferro-carbono / Página 1 de 5 MENU PRINCIPAL CONTEUDO TÉCNICO DOWNLOAD CONTATO ENTRETENIMENTO LOGIN search.... Home PAINEL Ciência dos Materiais Ciência dos Materiais - Equilíbrio ferro-carbono / Ferros fundidos Ciência

Leia mais

NITRETAÇÃO IÔNICA DE FERRO FUNDIDO NODULAR

NITRETAÇÃO IÔNICA DE FERRO FUNDIDO NODULAR NITRETAÇÃO IÔNICA DE FERRO FUNDIDO NODULAR F. S. Silva 1, W. L. Guesser 2, C. E. Costa 3, L. C. Fontana 4 1,2,3 Depto. de Engenharia Mecânica, 4 Depto. de Física, Centro de Ciências Tecnológicas, Universidade

Leia mais

LEVANTAMENTO DA CURVA DE TEMPERABILIDADE E CARACTERIZAÇÃO METALOGRÁFICA DO AÇO SAE-1140-D

LEVANTAMENTO DA CURVA DE TEMPERABILIDADE E CARACTERIZAÇÃO METALOGRÁFICA DO AÇO SAE-1140-D LEVANTAMENTO DA CURVA DE TEMPERABILIDADE E CARACTERIZAÇÃO METALOGRÁFICA DO AÇO SAE-1140-D J. C. M. Oliveira (1), T. U. S. Carvalho (1), P. A. Souza (1), W. S. Silva (1), M. P. A. Mafra (1) (1) Faculdade

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE ALUMÍNIO NA PRODUÇÃO DE TUBOS CENTRIFUGADOS DE FERRO FUNDIDO NODULAR FERRÍTICO*

INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE ALUMÍNIO NA PRODUÇÃO DE TUBOS CENTRIFUGADOS DE FERRO FUNDIDO NODULAR FERRÍTICO* INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE ALUMÍNIO NA PRODUÇÃO DE TUBOS CENTRIFUGADOS DE FERRO FUNDIDO NODULAR FERRÍTICO* Ângelo Siqueira da Silva 1 Lucas Martins Coura 2 Andersan dos Santos Paula 3 Saulo Brinco Diniz 4

Leia mais

PRECIPITAÇÃO DA AUSTENITA SECUNDÁRIA DURANTE A SOLDAGEM DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX S. A. Pires, M. Flavio, C. R. Xavier, C. J.

PRECIPITAÇÃO DA AUSTENITA SECUNDÁRIA DURANTE A SOLDAGEM DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX S. A. Pires, M. Flavio, C. R. Xavier, C. J. PRECIPITAÇÃO DA AUSTENITA SECUNDÁRIA DURANTE A SOLDAGEM DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX 2205 S. A. Pires, M. Flavio, C. R. Xavier, C. J. Marcelo Av. dos Trabalhadores, n 420, Vila Santa Cecília, Volta Redonda,

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO 3/3 Período: de 05/08/2009 a 04/02/2010 WHIRLPOOL S/A UNIDADE COMPRESSORES

RELATÓRIO DE ESTÁGIO 3/3 Período: de 05/08/2009 a 04/02/2010 WHIRLPOOL S/A UNIDADE COMPRESSORES Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Mecânica Coordenadoria de Estágio do Curso de Engenharia Mecânica CEP 88040-970 - Florianópolis - SC - BRASIL www.emc.ufsc.br/estagiomecanica

Leia mais

Estudo da morfologia e da dureza por microindentação Vickers do ferro fundido branco hipoeutético e hipereutético

Estudo da morfologia e da dureza por microindentação Vickers do ferro fundido branco hipoeutético e hipereutético CADERNOS UniFOA ISSN: 809-9475 Edição 32 Dezembro de 206 e-issn: 982-86 Estudo da morfologia e da dureza por microindentação Vickers do ferro fundido branco hipoeutético e hipereutético Study of morphology

Leia mais

Tratamentos Térmicos 032905

Tratamentos Térmicos 032905 Tratamentos Térmicos 032905 Prof. José Eduardo Spinelli Técnico: Rover Belo Instável Transformação Normal + Fe 3 C TÊMPERA Transição REVENIDO Programa Analítico 1) Fornos e atmosferas, medidas e controle

Leia mais

ANÁLISE DE SIMILARES: ESTUDO DE PARAFUSOS M10 CLASSE 8.8*

ANÁLISE DE SIMILARES: ESTUDO DE PARAFUSOS M10 CLASSE 8.8* ANÁLISE DE SIMILARES: ESTUDO DE PARAFUSOS M10 CLASSE 8.8* Vagner Machado Costa 1 Marcelo Moussalle Macedo 2 Vanessa Fischer da Silveira Fischer 3 Anderson Kramer Pelufa 4 Afonso Reguly 5 Resumo O presente

Leia mais

AÇOS E FERROS FUNDIDOS AÇOS E FERROS FUNDIDOS

AÇOS E FERROS FUNDIDOS AÇOS E FERROS FUNDIDOS AÇOS E FERROS FUNDIDOS Prof. MSc: Anael Krelling 1 2 AÇOS Aços são ligas Fe-C que podem conter outros elementos Propriedades mecânicas dependem da % C. % C < 0,25% - baixo carbono. 0,25% < % C < 0,60%

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA RAFAEL MARCIO OLIVEIRA INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE COBRE E MANGANÊS NAS PROPRIEDADES DE FERROS FUNDIDOS NODULARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA RAFAEL MARCIO OLIVEIRA INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE COBRE E MANGANÊS NAS PROPRIEDADES DE FERROS FUNDIDOS NODULARES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA RAFAEL MARCIO OLIVEIRA INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE COBRE E MANGANÊS NAS PROPRIEDADES DE FERROS FUNDIDOS NODULARES FLORIANÓPOLIS 2005 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA

Leia mais

Alterações microestruturais e de microdureza causadas por tratamento térmico e deformação plástica em aço para tubos API 5CT

Alterações microestruturais e de microdureza causadas por tratamento térmico e deformação plástica em aço para tubos API 5CT Alterações microestruturais e de microdureza causadas por tratamento térmico e deformação plástica em aço para tubos API 5CT Mayara de Oliveira Alves Graduando em Arquitetura e Urbanismo FATEA Marcelo

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Engenharia de Materiais/Ponta Grossa, PR. Engenharias, Engenharia de Materiais e Metalúrgica

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Engenharia de Materiais/Ponta Grossa, PR. Engenharias, Engenharia de Materiais e Metalúrgica ESTUDO DA CARACTERÍSTICA MORFOLÓGICA DO AÇO API 5L X-70 PROCESSADO POR LAMINAÇÃO CONTROLADA Igor Fabian de Goes Lopes (outros/uepg), André Luís Moreira de Carvalho (Orientador), e-mail: andrelmc@uepg.br.

Leia mais

INFLUÊNCIA DA PRESSÃO DE NITRETAÇÃO A PLASMA NA RESISTÊNCIA AO DESGASTE MICROABRASIVO DO AÇO API 5L X70

INFLUÊNCIA DA PRESSÃO DE NITRETAÇÃO A PLASMA NA RESISTÊNCIA AO DESGASTE MICROABRASIVO DO AÇO API 5L X70 INFLUÊNCIA DA PRESSÃO DE NITRETAÇÃO A PLASMA NA RESISTÊNCIA AO DESGASTE MICROABRASIVO DO AÇO API 5L X70 Henver Effgen Ludovico Ramos¹; Adonias R. Franco Jr¹; Estéfano A. Vieira henvereffgen@hotmail.com

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DO AÇO API 5L X80 EM AMOSTRAS SUBMETIDAS A DIFERENTES ATAQUES QUÍMICOS

CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DO AÇO API 5L X80 EM AMOSTRAS SUBMETIDAS A DIFERENTES ATAQUES QUÍMICOS CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DO AÇO API 5L X80 EM AMOSTRAS SUBMETIDAS A DIFERENTES ATAQUES QUÍMICOS Cirino J.A. (1); Cavalcanti B.N.P. (1); Lima Junior D.R. (1); Urtiga Filho S.L. (1) Av. Prof. Morais

Leia mais

Eng Metalúrgico e de Soldagem, Msc, Especialista em Soldagem, Primetals Brasil Ltda. 2

Eng Metalúrgico e de Soldagem, Msc, Especialista em Soldagem, Primetals Brasil Ltda. 2 CARACTERIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PROCESSO PARA RECUPERAÇÃO DIMENSIONAL EM MANCAIS DE ENCOSTO (FABRICADOS EM FERRO FUNDIDO NODULAR CONFORME ASTM A 536 grau 60-40-18) de LAMINADORES DE TIRAS A QUENTE E DE TIRAS

Leia mais

AÇOS E FERROS FUNDIDOS AÇOS E FERROS FUNDIDOS

AÇOS E FERROS FUNDIDOS AÇOS E FERROS FUNDIDOS AÇOS E FERROS FUNDIDOS Prof. Dr. Anael Krelling 1 2 AÇOS Aços são ligas Fe-C que podem conter outros elementos Propriedades mecânicas dependem da % C. % C < 0,25% - baixo carbono. 0,25% < % C < 0,60% -

Leia mais

Diagramas de Fase. Os diagramas de equilíbrio relacionam temperaturas, composições químicas e as quantidades das fases em equilíbrio.

Diagramas de Fase. Os diagramas de equilíbrio relacionam temperaturas, composições químicas e as quantidades das fases em equilíbrio. Diagramas de Fase Os diagramas de equilíbrio relacionam temperaturas, composições químicas e as quantidades das fases em equilíbrio. Diagramas de Fase Definições: Componentes: São elementos químicos e/ou

Leia mais

3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Capítulo 3 38 3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 3.1 - Material O material utilizado para este estudo foi um ferro fundido nodular ferrítico, classificado segundo a norma ASTM A 536 [22] como do tipo

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA DEPES/DEPMC

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA DEPES/DEPMC CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA DEPES/DEPMC GMEC7301 - MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA Prof.: Luís Felipe 7 a Lista de Exercícios. (Ciência e Tecnologia de Materiais) 1)

Leia mais

Material conforme recebido (CR) e/ou metal base (MB)

Material conforme recebido (CR) e/ou metal base (MB) 85 5.5 ANÁLISES MICROESTRUTURAIS As micrografias obtidas na seção transversal do material nas condições: como recebido e pós-soldagem com tratamentos de revenido e niretação estão apresentadas nas Figuras

Leia mais

EFEITO DO ANTIMÔNIO NA MATRIZ E PROPRIEDADES MECÂNICAS DO FERRO FUNDIDO NODULAR

EFEITO DO ANTIMÔNIO NA MATRIZ E PROPRIEDADES MECÂNICAS DO FERRO FUNDIDO NODULAR EFEITO DO ANTIMÔNIO NA MATRIZ E PROPRIEDADES MECÂNICAS DO FERRO FUNDIDO NODULAR Adriano Luis Koerich 1, adriano_l_koerich@embraco.com.br Juliano Manoel Mendes 2, juliano.mendes@ppefios.com.br Guido Warmling

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX G. S. Machado 1, M. L. N. M. Melo 1, C. A. Rodrigues 1. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá gustavosouza_unifei@yahoo.com.br

Leia mais

Microestrutura dos aços [5] Ferro δ (CCC) Ferro γ (CFC) Ferro α (CCC)

Microestrutura dos aços [5] Ferro δ (CCC) Ferro γ (CFC) Ferro α (CCC) [5] Alotropia do ferro puro: Líquido 1538 C 1394 C Ferro δ (CCC) Cúbico de corpo centrado 912 C 770 C Ferro γ (CFC) Ferro α (CCC) a o = 2,93 Å (δ) a o = 2,86 Å (α) Cúbico de face centrada Temperatura ambiente

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO SAE 4140 COM ESTRUTURA BIFÁSICA

ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO SAE 4140 COM ESTRUTURA BIFÁSICA ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO SAE 4140 COM ESTRUTURA BIFÁSICA Marcos Antônio de Carvalho Rocha Sérgio Souto Maior Tavares Maria da Penha Cindra Fonseca Juan Manuel Pardal Viviane Florido

Leia mais

FORMAÇÃO DA MICROESTRUTURA DOS FERROS FUNDIDOS. diagrama de fases sequência de transformações

FORMAÇÃO DA MICROESTRUTURA DOS FERROS FUNDIDOS. diagrama de fases sequência de transformações FORMAÇÃO DA MICROESTRUTURA DOS FERROS FUNDIDOS diagrama de fases sequência de transformações Composições Químicas Básicas % carbono : 2,7 a 3,8% % silício : 1,5 a 2,6 % carbono equivalente: %Si=1/3 %C

Leia mais

UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO

UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO Anderson Fanchiotti da Silva, Deyvson Martins Fanti, Diego Serra, Everton Moreira Chaves, Fabiano Botassoli, Hedylani N. F. Corsini, Patrik Mantovani de Oliveira,

Leia mais

Sistema Fe-C C ou Fe-Fe

Sistema Fe-C C ou Fe-Fe DIAGRAMA DE FASE Fe-Fe Fe3C TRANSFORMAÇÃO ALOTRÓPICA Sistema Fe-C C ou Fe-Fe 3 C e microestruturas que se formam no resfriamento lento 1 CCC CFC CCC DIAGRAMA DE FASE Fe-Fe Fe3C TRANSFORMAÇÃO ALOTRÓPICA

Leia mais

ENDURECIMENTO SUPERFICIAL A LASER EM FERRO FUNDIDO CINZENTO. Tecnológicas, Rua Paulo Malschitzki, Joinville -

ENDURECIMENTO SUPERFICIAL A LASER EM FERRO FUNDIDO CINZENTO. Tecnológicas, Rua Paulo Malschitzki, Joinville - ENDURECIMENTO SUPERFICIAL A LASER EM FERRO FUNDIDO CINZENTO M.de Rossi* 1, W.L.Guesser 1, M.S.F.de Lima 2. 1 Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC, Centro de Ciências Tecnológicas, Rua Paulo Malschitzki,

Leia mais

Tecnologia dos Materiais IV DIAGRAMA DE EQUILÍBRIO FERRO- CARBONO

Tecnologia dos Materiais IV DIAGRAMA DE EQUILÍBRIO FERRO- CARBONO Tecnologia dos Materiais IV DIAGRAMA UNIDADE DE EQUILÍBRIO FERRO- CARBONO 1 CONTEÚDO DESTA UNIDADE Introdução. Definições: Aços Carbono. Aços Liga. Ferro Fundido Diagrama de Equilíbrio Fe-C: Reações na

Leia mais

CEMENTAÇÃO A PLASMA EM BAIXA TEMPERATURA DE UM AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO AISI 304

CEMENTAÇÃO A PLASMA EM BAIXA TEMPERATURA DE UM AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO AISI 304 CEMENTAÇÃO A PLASMA EM BAIXA TEMPERATURA DE UM AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO AISI 304 W. T. Mota welber.tmota@gmail.com F. D. Ramos R. C. Rocha M. V. Barcelos M. A. Barcelos RESUMO A utilização industrial

Leia mais

Ferro nodular austemperado a partir da zona crítica 1

Ferro nodular austemperado a partir da zona crítica 1 Ferro nodular austemperado a partir da zona crítica 1 Wilson Luiz Guesser 2 Eliana Franco 3 Clarissa Lussoli 4 Cesar Edil da Costa 5 Resumo Os ferros nodulares austemperados apresentam excelente combinação

Leia mais

O irmão do aço. Obtendo o ferro fundido

O irmão do aço. Obtendo o ferro fundido O irmão do aço Na segunda aula deste módulo, quando nós estudamos a classificação dos materiais, você aprendeu que eles são divididos em dois grupos: os materiais ferrosos e os materiais não-ferrosos.

Leia mais

Tratamentos térmicos dos aços

Tratamentos térmicos dos aços Tratamentos térmicos dos aços Recozimento Aquecimento a Trec., seguido de arrefecimento lento Rec. relaxação de tensões Rec. esferoizidação Rec. completo Normalização Rec. após deformação plástica Têmpera

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Disciplina: Materiais de Construção Mecânica Assunto: Diagrama de equilíbrio de fases Professor: Jorge Teófilo de Barros Lopes 1) Determine a composição e a quantidade relativa de cada fase presente em

Leia mais

Microestrutura (fases) Parte 5

Microestrutura (fases) Parte 5 Microestrutura (fases) Parte 5 DIGRM DE FSES DO SISTEM Fe - DIGRM DE FSES DO SISTEM Fe Ferros Família dos aços Família dos ferros fundidos Soluções sólidas: Ferro δ ustenita Ferrita omposto estequiométrico:

Leia mais

DESGASTE ABRASIVO DE FERRO FUNDIDO NODULAR USADO EM ENGRENAGENS

DESGASTE ABRASIVO DE FERRO FUNDIDO NODULAR USADO EM ENGRENAGENS V CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA V NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 25 a 28 de agosto de 2008 Salvador Bahia - Brasil August 25 28, 2008 - Salvador Bahia Brazil DESGASTE ABRASIVO

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CAMINHO DE AQUECIMENTO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO 1020 TEMPERADO A PARTIR DE TEMPERATURAS INTERCRÍTICAS

INFLUÊNCIA DO CAMINHO DE AQUECIMENTO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO 1020 TEMPERADO A PARTIR DE TEMPERATURAS INTERCRÍTICAS INFLUÊNCIA DO CAMINHO DE AQUECIMENTO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO 1020 TEMPERADO A PARTIR DE TEMPERATURAS INTERCRÍTICAS C.G. Guimarães, C.A.Siqueira, A. L. M. Costa* Faculdade de Engenharia de

Leia mais

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO AÇO 1045 NITRETADO A PLASMA: COM E SEM TRATAMENTO DE REVENIMENTO

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO AÇO 1045 NITRETADO A PLASMA: COM E SEM TRATAMENTO DE REVENIMENTO ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO AÇO 1045 NITRETADO A PLASMA: COM E SEM TRATAMENTO DE REVENIMENTO N.T.B. Machado 1 ; M.L.M. dos Passos 1 ; A.A.C. Recco 2 ; J.C. Riani 1 Rua Paulino de Jesus, 33, Vila

Leia mais

Estudo de falha do eixo de correia transportadora de Minério

Estudo de falha do eixo de correia transportadora de Minério Estudo de falha do eixo de correia transportadora de Minério Santos, R.C.S. (1) Badaró, J.P (2); Silva, A.S. (3); Reis, R.C.S.(4); Griza, S.(5); (1) Graduando em Engenharia de Materiais, Departamento de

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA INTERCRÍTICA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E TRIBOLÓGICAS DE UM AÇO 0,2%C-1,5%Mn-1,35%Si MUTICONSTITUÍDO COM EFEITO TRIP

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA INTERCRÍTICA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E TRIBOLÓGICAS DE UM AÇO 0,2%C-1,5%Mn-1,35%Si MUTICONSTITUÍDO COM EFEITO TRIP INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA INTERCRÍTICA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E TRIBOLÓGICAS DE UM AÇO 0,2%C-1,5%Mn-1,35%Si MUTICONSTITUÍDO COM EFEITO TRIP M. H. A. Gomes 1 ; A. G. Vieira 1 ; F. A. R. Campos 2, I.

Leia mais

DEFINIÇÃO DE PARÂMETROS DE TRATAMENTO QUE TORNEM O PERFIL DE DUREZAS DO AÇO SAE 4140 SIMILAR AO DE UM FERRO FUNDIDO NODULAR TEMPERADO E NITRETADO

DEFINIÇÃO DE PARÂMETROS DE TRATAMENTO QUE TORNEM O PERFIL DE DUREZAS DO AÇO SAE 4140 SIMILAR AO DE UM FERRO FUNDIDO NODULAR TEMPERADO E NITRETADO DEFINIÇÃO DE PARÂMETROS DE TRATAMENTO QUE TORNEM O PERFIL DE DUREZAS DO AÇO SAE 4140 SIMILAR AO DE UM FERRO FUNDIDO NODULAR TEMPERADO E NITRETADO Lucas Biazon Cavalcanti [Bolsista Fundação Araucária] 1,

Leia mais

56º Congresso anual da ABM

56º Congresso anual da ABM Adalberto Bierrenbach de Souza Santos - Membro da ABM, engenheiro Metalurgista, Mestre em Engenharia Metalúrgica e doutor em Engenharia. Diretor da Metal Consult Ltda., Joinville (SC). Ricardo Mery - Membro

Leia mais

Soldagem Unilateral com Suporte Cerâmico de Cordierita

Soldagem Unilateral com Suporte Cerâmico de Cordierita Soldagem Unilateral com Suporte Cerâmico de Cordierita (One-Sided Welding with Cordierite Ceramic Backing) Luciana Lezira Pereira de Almeida 1, Luiz Cláudio Soares Tatagiba 1, Ruben Rosenthal 1, Ronaldo

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE PROPRIEDADES MECÂNICAS E MICROESTRUTURAS DE UM AÇO DE MÉDIO CARBONO ESFEROIDIZADO DESTINADO A ESTAMPAGEM

CORRELAÇÃO ENTRE PROPRIEDADES MECÂNICAS E MICROESTRUTURAS DE UM AÇO DE MÉDIO CARBONO ESFEROIDIZADO DESTINADO A ESTAMPAGEM CORRELAÇÃO ENTRE PROPRIEDADES MECÂNICAS E MICROESTRUTURAS DE UM AÇO DE MÉDIO CARBONO ESFEROIDIZADO DESTINADO A ESTAMPAGEM Marcio Roberto da Rocha 1, Carlos Augusto Silva de Oliveira 2 Universidade Federal

Leia mais

INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA INICIAL PARA A CINÉTICA DE REAÇÃO DE ESFEROIDIZAÇÃO EM UM AÇO SAE1080.

INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA INICIAL PARA A CINÉTICA DE REAÇÃO DE ESFEROIDIZAÇÃO EM UM AÇO SAE1080. INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA INICIAL PARA A CINÉTICA DE REAÇÃO DE ESFEROIDIZAÇÃO EM UM AÇO SAE1080. Arthur Araújo Almeida (A. A. Almeida) Jackson Gurgel Martins (J. G. Martins) Marcelo José Gomes da Silva

Leia mais

AÇO-CARBONO AÇO-LIGA ALOTROPIA DO FERRO

AÇO-CARBONO AÇO-LIGA ALOTROPIA DO FERRO AÇO-CARBONO Aço é a liga ferro-carbono contendo geralmente 0,008% ate aproximadamente 2,11% de carbono. AÇO-LIGA Aço que contem outros elementos de liga ou apresenta os teores residuais acima dos que são

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

EXERCÍCIOS SOBRE TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS EXERCÍCIOS SOBRE TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS 1. Em que consiste, de uma maneira geral, o tratamento térmico? R: Alterar as microestruturas das ligas metálicas e como conseqüência as propriedades

Leia mais

NITRETAÇÃO POR PLASMA DE AÇO ABNT 1020: INFLUÊNCIA DA RELAÇÃO N 2 /(N 2 +H 2 ) SOBRE AS PROPRIEDADES DA CAMADA NITRETADA

NITRETAÇÃO POR PLASMA DE AÇO ABNT 1020: INFLUÊNCIA DA RELAÇÃO N 2 /(N 2 +H 2 ) SOBRE AS PROPRIEDADES DA CAMADA NITRETADA NITRETAÇÃO POR PLASMA DE AÇO ABNT 1020: INFLUÊNCIA DA RELAÇÃO N 2 /(N 2 +H 2 ) SOBRE AS PROPRIEDADES DA CAMADA NITRETADA Marley Anuciação Magella Ingeborg Kühn-Arroyo Universidade Federal de Santa Catarina,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA USINABILIDADE DO FERRO FUNDIDO VERMICULAR CLASSE 350 ATRAVÉS DO PROCESSO DE FRESAMENTO FRONTAL

AVALIAÇÃO DA USINABILIDADE DO FERRO FUNDIDO VERMICULAR CLASSE 350 ATRAVÉS DO PROCESSO DE FRESAMENTO FRONTAL Revista SODEBRAS Volume 9 N 98 FEVEREIRO/ 2014 AVALIAÇÃO DA USINABILIDADE DO FERRO FUNDIDO VERMICULAR CLASSE 350 ATRAVÉS DO PROCESSO DE FRESAMENTO FRONTAL Resumo - Atualmente trabalha-se muito na melhoria

Leia mais

Nos gráficos 4.37 a 4.43 pode-se analisar a microdureza das amostras tratadas a

Nos gráficos 4.37 a 4.43 pode-se analisar a microdureza das amostras tratadas a Nos gráficos 4.37 a 4.43 pode-se analisar a microdureza das amostras tratadas a 800ºC. Gráfico 4.37: Perfil da dureza em função da distância da superfície após envelhecimento a 800ºC por 1 min. Gráfico

Leia mais

Aula Teórica 21. Materiais em Engenharia. Metais ferrosos. Arlindo Silva Ano Lectivo 2011/2012

Aula Teórica 21. Materiais em Engenharia. Metais ferrosos. Arlindo Silva Ano Lectivo 2011/2012 Aula Teórica 21 Metais ferrosos Arlindo Silva Ano Lectivo 2011/2012 As imagens constantes nestas transparências foram retiradas maioritariamente da bibliografia recomendada MATERIAIS METÁLICOS FERROSOS

Leia mais

Soldagem Unilateral com Suporte Cerâmico de Cordierita

Soldagem Unilateral com Suporte Cerâmico de Cordierita Soldagem Unilateral com Suporte Cerâmico de Cordierita (One-Sided Welding with Cordierite Ceramic Backing) Luciana Lezira Pereira de Almeida 1, Luiz Cláudio Soares Tatagiba 1, Ruben Rosenthal 1, Ronaldo

Leia mais

ESTUDO DA SOLDAGEM DE RECUPERAÇÃO DO FERRO FUNDIDO VERMICULAR ATRAVÉS DO PROCESSO OXIACETILÊNICO ANDERSON JUNIOR CANALE

ESTUDO DA SOLDAGEM DE RECUPERAÇÃO DO FERRO FUNDIDO VERMICULAR ATRAVÉS DO PROCESSO OXIACETILÊNICO ANDERSON JUNIOR CANALE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS ESTUDO DA SOLDAGEM DE RECUPERAÇÃO DO FERRO FUNDIDO VERMICULAR ATRAVÉS DO PROCESSO OXIACETILÊNICO DISSERTAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Disciplina: Materiais de Construção Mecânica Assunto: Diagrama de equilíbrio de fases Professor: Jorge Teófilo de Barros Lopes 1) Determine a composição e a quantidade relativa (proporção) de cada fase

Leia mais

PRODUÇÃO DE FERRO E AÇO FERROS FUNDIDOS. Ciência e Engenharia dos Materiais I Profa. Dra. Lauralice Canale

PRODUÇÃO DE FERRO E AÇO FERROS FUNDIDOS. Ciência e Engenharia dos Materiais I Profa. Dra. Lauralice Canale PRODUÇÃO DE FERRO E AÇO FERROS FUNDIDOS Ciência e Engenharia dos Materiais I Profa. Dra. Lauralice Canale Recursos - Minerais Recursos - Minerais Recursos - Minerais Recursos - Minerais Recursos - Minerais

Leia mais

Diagramas de Fases. Rui Vilar Professor Catedrático

Diagramas de Fases. Rui Vilar Professor Catedrático Diagramas de Fases Rui Vilar Professor Catedrático 1 Definições Fase: porção de matéria física e quimicamente homogénea, com composição e estrutura cristalina próprias. As diversas fases de um sistema

Leia mais

PROPRIEDADES DOS AÇOS RÁPIDOS AISI M3:2 PRODUZIDOS POR METALURGIA CONVENCIONAL E TÉCNICAS DE METALURGIA DO PÓ

PROPRIEDADES DOS AÇOS RÁPIDOS AISI M3:2 PRODUZIDOS POR METALURGIA CONVENCIONAL E TÉCNICAS DE METALURGIA DO PÓ PROPRIEDADES DOS AÇOS RÁPIDOS AISI M3:2 PRODUZIDOS POR METALURGIA CONVENCIONAL E TÉCNICAS DE METALURGIA DO PÓ O. O. Araujo Filho (1), O. C. S. Ribeiro (1), R. A. Nogueira (1), M. D. M. Neves (1), L. F.

Leia mais

Caracterização microestrutural do aço ASTM-A soldado por GMAW.

Caracterização microestrutural do aço ASTM-A soldado por GMAW. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO USP ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA Caracterização microestrutural do aço ASTM-A516-10-60 soldado por GMAW. Alunos: Alexandre Dutra Golanda Guilherme Souza Leite Paulo Ricardo

Leia mais

Ferro Fundido. A.S.D Oliveira

Ferro Fundido. A.S.D Oliveira Ferro Fundido Ferros fundidos Ligas ferrosas contendo comumente de 2.1%-4% C e 1%-3% Si Ferros fundidos com mais de 4%-4.5%C não são interessantes comercialmente devido à alta fragilidade; São considerados

Leia mais

Caracterização de Uma Junta Dissimilar entre Aço Carbono e Inconel 625 Obtida por Soldagem por Explosão

Caracterização de Uma Junta Dissimilar entre Aço Carbono e Inconel 625 Obtida por Soldagem por Explosão Soldagem & Inspeção. 2017;22(1): 2-13 http: //dx.doi.org/10.1590/0104-9224/si2201.02 Artigos Técnicos Caracterização de Uma Junta Dissimilar entre Aço Carbono e Inconel 625 Obtida por Soldagem por Explosão

Leia mais

ANÁLISE DE FALHA EM VIRABREQUIM DE MOTOR V8

ANÁLISE DE FALHA EM VIRABREQUIM DE MOTOR V8 Jornadas SAM - CONAMET - AAS 2001, Septiembre de 2001 773-778 ANÁLISE DE FALHA EM VIRABREQUIM DE MOTOR V8 T. Renck a, R.A.Hoppe b, S.Pecantet b, S.Griza c e T.R.Strohaecker d a UFRGS, Graduando em Engenharia

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA GUILHERME SCHRODER COMIN

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA GUILHERME SCHRODER COMIN UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA GUILHERME SCHRODER COMIN ESTUDO DO EFEITO DO COBRE E DO ESTANHO NA FORMAÇÃO DA PERLITA E NAS PROPRIEDADES

Leia mais

Ciência dos Materiais Lista de Exercícios Diagrama de fases

Ciência dos Materiais Lista de Exercícios Diagrama de fases 1. Qual é a diferença entre os estados de equilíbrio de fases e de metaestabilidade? 2. Uma liga cobre-níquel com composição de 70 %p Ni-30 %p Cu é aquecida lentamente a partir de uma temperatura de 1300

Leia mais

FERRO FUNDIDO VERMICULAR OBTENÇÃO, MICROESTRUTURAS E PROPRIEDADES MECÂNICAS.

FERRO FUNDIDO VERMICULAR OBTENÇÃO, MICROESTRUTURAS E PROPRIEDADES MECÂNICAS. Adalberto Bierrenbach de Souza Santos. Contribuição Técnica a ser apresentada no XXXIV Congresso Anual da ABM, Porto Alegre (RS), julho de 1979. Pedro Henrique Carpinetti Costa. Membro da ABM, Engenheiro

Leia mais

Transformações de fase em aços [15]

Transformações de fase em aços [15] [15] Diagrama de equilíbrio transformações muito lentas divergências devido ao processamento industrial Reações / transformações em condições realísticas: resfriamento isotérmico (T-T-T) diagramas resfriamento

Leia mais

TRATAMENTOS TERMOQUÍMICOS A PLASMA EM AÇOS CARBONO PLASMA TERMOCHEMICAL TREATMENTS ON CARBON STEELS

TRATAMENTOS TERMOQUÍMICOS A PLASMA EM AÇOS CARBONO PLASMA TERMOCHEMICAL TREATMENTS ON CARBON STEELS TRATAMENTOS TERMOQUÍMICOS A PLASMA EM AÇOS CARBONO A. J. Abdalla (1) (*) e V. H. Baggio-Scheid (1) trabalho submetido em Agosto de 2005 e aceite em Junho de 2006 RESUMO Foram utilizados neste trabalho

Leia mais

TRATAMENTO SUPERFICIAL DE AÇOS UTILIZANDO DEPOSIÇÃO DE CARBONO E ARCO ELÉTRICO

TRATAMENTO SUPERFICIAL DE AÇOS UTILIZANDO DEPOSIÇÃO DE CARBONO E ARCO ELÉTRICO TRATAMENTO SUPERFICIAL DE AÇOS UTILIZANDO DEPOSIÇÃO DE CARBONO E ARCO ELÉTRICO Lucídio Vanderlei Kunrath Universidade Federal de Santa Maria, Departamento de Engenharia Mecânica lucidio@mail.ufsm.br Aleir

Leia mais

3 MATERIAIS E MÉTODOS

3 MATERIAIS E MÉTODOS 40 3 MATERIAIS E MÉTODOS 3.1 MATERIAL O material utilizado para realização dos ensaios necessários para suportar este trabalho foi o aço baixa liga 2.1/4Cr 1Mo temperado e revenido, conforme especificação

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROPRIEDADES MECÂNICAS DE LIGAS NANOCRISTALINAS DO SISTEMA Ti-Mo-Fe-Sn

AVALIAÇÃO DE PROPRIEDADES MECÂNICAS DE LIGAS NANOCRISTALINAS DO SISTEMA Ti-Mo-Fe-Sn AVALIAÇÃO DE PROPRIEDADES MECÂNICAS DE LIGAS NANOCRISTALINAS DO SISTEMA Ti-Mo-Fe-Sn M.O.A Rocha 1*,A.L Vidilli 1, C.R.M Afonso 1, 1 Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, SP, Brasil *e-mail

Leia mais

USINABILIDADE DE PERFIS CONTÍNUOS DE FERROS FUNDIDOS NODULARES DAS CLASSES FE-45012 E FE-50007

USINABILIDADE DE PERFIS CONTÍNUOS DE FERROS FUNDIDOS NODULARES DAS CLASSES FE-45012 E FE-50007 USINABILIDADE DE PERFIS CONTÍNUOS DE FERROS FUNDIDOS NODULARES DAS CLASSES FE-4512 E FE-57 Wilson Luiz Guesser; Dilço C. Júnior Fundição Tupy e FEJ/UDESC Rua Albano Schmidt, 34 8926-9 - Joinville - SC

Leia mais

A Tabela 2 apresenta a composição química do depósito do eletrodo puro fornecida pelo fabricante CONARCO. ELETRODO P S C Si Ni Cr Mo Mn

A Tabela 2 apresenta a composição química do depósito do eletrodo puro fornecida pelo fabricante CONARCO. ELETRODO P S C Si Ni Cr Mo Mn 3 Materiais e Procedimentos Experimentais 3.1 Materiais Utilizados Com o objetivo de se avaliar o efeito do Mn no comportamento do metal de solda depositado, foram produzidos experimentalmente pela CONARCO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO SECRETARIA DE PÓS-GRADUAÇÃO-LATO SENSU

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO SECRETARIA DE PÓS-GRADUAÇÃO-LATO SENSU UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO SECRETARIA DE PÓS-GRADUAÇÃO-LATO SENSU EFEITO DO CARBONO EQUIVALENTE NO NÚMERO DE NÓDULOS EM FERROS FUNDIDOS NODULARES PRODUZIDOS

Leia mais

ANÁLISE MICROESTRUTURAL DE UM CORDÃO DE SOLDA SOBRE CHAPA DE AÇO BAIXO CARBONO SUBMETIDO AO PROCESSO DE BORETAÇÃO

ANÁLISE MICROESTRUTURAL DE UM CORDÃO DE SOLDA SOBRE CHAPA DE AÇO BAIXO CARBONO SUBMETIDO AO PROCESSO DE BORETAÇÃO ANÁLISE MICROESTRUTURAL DE UM CORDÃO DE SOLDA SOBRE CHAPA DE AÇO BAIXO CARBONO SUBMETIDO AO PROCESSO DE BORETAÇÃO Edilson Nunes Pollnow, edilson.pollnow@hotmail.com 1 Douglas Bezerra de Araújo, douglas_ba@yahoo.com.br

Leia mais

Fundição Continua RSCP/LABATS/DEMEC/UFPR

Fundição Continua RSCP/LABATS/DEMEC/UFPR RSCP/LABATS/DEMEC/UFPR Fundição contínua O processo de fundição contínua consiste em fundir e conformar o produto final numa única operação, eliminando tempos intermediários de esfriamento em moldes, garantindo

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO ESTRUTURAL DAS LIGAS Ti-18Si-6B E Ti-7,5Si-22,5B PROCESSADAS POR MOAGEM DE ALTA ENERGIA E PRENSAGEM A QUENTE 1

CARACTERIZAÇÃO ESTRUTURAL DAS LIGAS Ti-18Si-6B E Ti-7,5Si-22,5B PROCESSADAS POR MOAGEM DE ALTA ENERGIA E PRENSAGEM A QUENTE 1 CARACTERIZAÇÃO ESTRUTURAL DAS LIGAS -18Si-6B E -7,5Si-,5B PROCESSADAS POR MOAGEM DE ALTA ENERGIA E PRENSAGEM A QUENTE 1 Bruno Bacci Fernandes 1,, Alfeu Saraiva Ramos 1, Carlos de Moura Neto, Francisco

Leia mais

Estudo da microestrutura e da microdureza dos aços 1020 e 1060 Study of microstructure and microhardness of steels 1020 and 1060

Estudo da microestrutura e da microdureza dos aços 1020 e 1060 Study of microstructure and microhardness of steels 1020 and 1060 39 Estudo da microestrutura e da microdureza dos aços 020 e 060 Study of microstructure and microhardness of steels 020 and 060 Luciano Monteiro Rodrigues Carlos Henrique Reis dos Santos Rodrigo Ribeiro

Leia mais