Sun Software Exemplo de um caso Real Empresa nome fantasia CICLO DIÁRIO Preparado para a empresa 23/10/2005

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sun Software Exemplo de um caso Real Empresa nome fantasia CICLO DIÁRIO Preparado para a empresa 23/10/2005"

Transcrição

1 Exemplo de um caso Real Empresa nome fantasia CICLO DIÁRIO Preparado para a empresa 23/10/2005

2 ÍNDICE RESUMO EXECUTIVO... 3 O BAS - SERVIÇO DE ANÁLISE BATCH... 4 RECOMENDAÇÕES GERAIS... 5 EXPANSÃO DO BUFFER VSAM... 5 TROCA DE ADDRESS SPACE... 5 MUDANÇAS NA SCHEDULAGEM... 5 FITA PARA DASD... 6 ESPERA POR INITIATOR... 6 ANÁLISE DAS CHAMADAS AO DB ISOLAMENTO DO DATASET... 6 RECUPERAÇÃO E CPU... 6 MUDANÇA NO PROCESSO... 6 CASE DE UM CICLO BATCH DIÁRIO... 7 CAMINHO CRÍTICO - CICLO TERMINANDO COM O JOB J217922D... 9 RECOMENDAÇÕES DE PERFORMANCE - CICLO TERMINADO COM O JOB J217922D MELHORA TOTAL PROJETADA - CICLO TERMINANDO COM O JOB J217922D CICLO BATCH DIÁRIO DESTE CASE CAMINHO CRÍTICO - CICLO TERMINANDO COM O JOB J111794D RECOMENDAÇÕES DE PERFORMANCE - CICLO TERMINANDO COM O JOB J111794D MELHORIA TOTAL PROJETADA - CICLO TERMINANDO COM O JOB J111794D RESUMO DAS RECOMENDAÇÕES POR AÇÃO - CICLO TERMINANDO COM O JOB J217922D RESUMO DAS RECOMENDAÇÕES POR AÇÃO - CICLO TERMINANDO COM O JOB J111794D Caso Prático 2 de 70

3 Resumo Executivo A ATRI foi contratada para executar o Serviço de Análise Batch - BAS, onde era envolvida a SY1 LPAR. A análise foi preparada utilizando-se os dados coletados de 10 de abril de 2000 até 14 de abril de A análise foi executada numa empresa privada em um ciclo de um dia e os pontos de término deste ciclo foram identificados pelo pessoal de programação de aplicação da empresa. A análise dos pontos de término resultou na identificação de dois ciclos. O primeiro ciclo terminado com o JOB J217922D. O segundo ciclo terminado com o JOB J111794D. Um resumo do que foi encontrado para cada ponto de término é apresentado a seguir. Ciclo terminando com o JOB J217922D 32% de redução A redução de 2 horas e 26 minutos resultará da Mudança da Schedulagem (1 hora e 25 minutos), Atrasos de Alocação (23 minutos), Reestruturação do JOB (12 minutos), Mudança no Processo (11 minutos), Eliminação de Troca (10 minutos), Bufferização VSAM BLSR (7 minutos), Isolamento de Arquivo (4 minutos), Espera por Initiator (2 minutos) e Fita para Disco (2 minutos). Ciclo Terminando com o JOB J111794D 51% de redução A redução de 2 horas e 16 minutos resultará da Espera por Initiator (54 minutos), Atrasos de Alocações (34 minutos), Mudança do Processo (34 minutos), Reestruturação do JOB (14 minutos) e Eliminação de Troca (10 minutos). Caso Prático 3 de 70

4 O BAS - Serviço de Análise Batch O Serviço de Análise Batch é um exame minucioso do processamento batch executado no mainframe IBM MVS. Ele faz uso de ferramentas de análises avançadas, que permitem a identificação de oportunidades para melhoria de desempenho no caminho crítico do processamento batch. Todas as melhorias são identificadas com projeções de economia e com o nível relativo de dificuldade. A implantação destas mudanças resultará numa redução da janela batch, permitindo a obtenção dos melhores resultados com a quantidade mínima de tempo. O tempo do pessoal e as operações diárias da empresa foram minimamente impactados. Utilizando-se os dados do JOB coletados no mainframe, o processo de análise é focado nas aplicações na SY1 LPAR. Criando-se um mapa PERT para este projeto de ciclo diário, o qual incluem os tempos de cada task, identificamos o caminho crítico. Este mapa nos leva a identificar os pontos importantes de término. Cada passo no processo que leva aos pontos de término é examinado em detalhe. Tudo isto determina os itens de ação para reduzir o tempo do caminho crítico. Assim que cada recomendação de melhoria é formulada, o efeito projetado no caminho crítico é modelado no mapa do projeto. Desta forma, o efeito final das mudanças resultantes no caminho crítico pode ser previsto com precisão. Caso Prático 4 de 70

5 Recomendações Gerais Expansão do Buffer VSAM Alguns arquivos VSAM têm executados sobre eles centenas de milhares de EXCPs durante o ciclo batch. Tanto as Técnicas de Bufferização Nativa como a Shared Resources (BLSR) podem diminuir esta quantidade de EXCPs. Uma limitação da bufferização VSAM Nativa é que a mesma só permite a bufferização dos componentes Índices do VSAM para o processamento randômico. A técnica que permite a bufferização tanto do componente Índice como Dados é a BLSR. Uma descrição completa da técnica BLSR pode ser encontrada na publicação IBM GC OS/390 U2R5.0 MVS Unlicensed Bookshelf IEA1BK51 MVS Batch Local Shared Resources IEA5J600 - GC A implementação da BLSRI para datasets específicos dentro do caminho crítico poderá reduzir significantemente o ciclo batch. A BLSR pode ser implementada por atualizações nas bibliotecas de JCLs. Troca de Address Space Uma observação chave que afeta todos os ciclos batch é a troca dos JOBs que estão no caminho crítico. Genericamente falando, com os atuais sistemas MVS executando MVS/ESA ou MVA/XA, a troca do serviço batch não é um caminho eficiente de se controlar a utilização dos recursos do sistema, exceto em casos críticos de falta de memória real no sistema.quando os JOBs são swapados out, nenhum trabalho pode ser executado nestas tasks. O Dispatcher do MVS executa um bom trabalho de controlar o uso do processador, utilizando as especificações de prioridades de dispatching locais. Não é necessário, e quase sempre é prejudicial, tentar controlar o acesso ao processador, através de swapping, para um trabalho batch. O processamento de um batch crítico deverá utilizar um grupo especial de performance. Este grupo de performance deverá ser designado para a mais alta prioridade de dispatching que qualquer outro serviço batch. O número de programas permitido para executar neste grupo de performance, Nível de MPL, deverá ser um valor alto bastante para permitir todo o processamento paralelo para usar a vantagem deste recurso de prioritização. Neste CASE que estamos apresentando há por volta de 12 JOBs J216*02D" executando em paralelo. Mudanças na Schedulagem Há momentos específicos no CASE que agora estamos trabalhando nos quais diversos JOBs de diversas divisões de processamento são schedulados para executar serialmente. O schedule desta aplicação deverá ser revisto durantes estes períodos de tempo. A mudança na schedulagem deverá ser feita para permitir que estes JOBs sejam executados em paralelo. Isto irá reduzir o ciclo total do CASE que estamos estudando. Caso Prático 5 de 70

6 Fita para DASD Há diversos dataset seqüenciais, usados em muitas aplicações, que estão alocados em fita. Estes arquivos são bem pequenos e são lidos várias vezes durante o ciclo batch. Se os arquivos chaves identificados neste documento fossem alocados para DASD ao invés de fita, o tempo do caminho crítico para as aplicações batch poderia ser reduzido. Espera por Initiator Diversos JOBs no caminho crítico esperam por Initiators para poderem começar. Estes JOBs no caminho crítico poderiam ser designados para uma classe de JOB que tenha mais Initiators disponíveis. Uma outra opção poderia ser a de termos mais Initiators disponíveis para todos JOBs batch. Análise das Chamadas ao DB2 Há diversos jobsteps DB2 de longa duração sendo executados. Estes jobsteps consomem poucos recursos no address space do programa. Todo o processamento do banco de dados é executado na região do DB2. A análise do resultado do monitor de performance do DB2 detalhando a atividade no banco de dados deverá ser executada. Exemplos de monitores de performance são o DB2 PM, MainView, ou STROBE. Mudando-se o buffer pool do sistema DB2 poderá se reduzir o tempo de execução destes jobsteps. As modificações também poderão ser feitas no programa SQL para reduzir o consumo de recursos do sistema. Uma análise do comando EXPLAIN para um Plano deverá ser executada. para um DB2 de longa duração. Isolamento do Dataset Datasets chaves são alocados em volumes DASD os quais estão mostrando uma resposta muito grande na fila IOS e tempos e respostas desconectadas. Esta é uma indicação de que outros datasets estão alocados e ativos no mesmo volume DASD. Este isolamento inclui a colocação dos componentes Índice e dados do VSAM em diferentes volumes físicos. Recuperação e CPU Há diversos programas que executam durante o ciclo batch CRIS. A quantidade de CPU consumida no address space do programa é muito alta. Uma análise do uso de CPU por uma ferramenta apropriada poderia identificar as áreas dentro do programa que são muito ineficientes. Mudanças simples no código da aplicação que são fornecidas para o pessoal de aplicação podem recuperar quantidades significantes de ciclos de CPU. Estas mudanças nos códigos poderiam reduzir o tempo do ciclo batch e recuperar recursos de hardware. Mudança no Processo Há diversos jobsteps no caminho crítico do ciclo batch que criam fitas de backup dos arquivos. Os arquivos não são atualizados no ciclo batch. O backup dos arquivos poderia ser criado nos JOBs que executam em paralelo com o processamento do caminho crítico. Modificações detalhadas para mudanças específicas nestas áreas são apresentadas neste documento. Caso Prático 6 de 70

7 Case de um Ciclo Batch Diário Terminando com o JOB J217922D 12 de abril de 2000 O caminho crítico do Case de um Ciclo Diário no qual estamos trabalhando terminando com o JOB J D começa às 6 horas com a liberação do JOB J277300D no dia 12 de abril de Ele termina com o JOB J217922D às 1h e 40 m do mesmo dia 12. O tempo total do ciclo é de 7 horas e 40 minutos. Este ciclo forma a base para as observações nesta análise. Tempo base do Ciclo: 7 horas e 40 minutos Segue o mapa da aplicação: Caso Prático 7 de 70

8 Caso Prático - 8 de 70

9 Caminho Crítico - Ciclo Terminando com o JOB J217922D O ciclo termina com o JOB J217922D cujo caminho crítico é mostrado em vermelho no mapa da aplicação. Componentes do caminho Crítico Este caminho crítico da aplicação é composto por 18 JOBS. Os JOBS do caminho crítico desta aplicação são listados abaixo juntamente com os tempos de execução a partir do início em 12 de abril: J217922D minutos J217662D minutos J217969D minutos J217930D minutos J217921D minutos Atraso entre JOB s -- 1 hora e 25 minutos J217610D minutos J216610D minutos J215610D minutos J215150D minutos J215A28J minutos J215128D -- < 1 minuto J215126D -- < 1 minuto J216Z02D minuto J216J02D horas e 3 minutos J216002D -- < 1 minuto J216015D minutos J217002D minutos J277300D minutos Total: 7 horas e 40 minutos Caso Prático - 9 de 70

10 Recomendações de Performance - Ciclo Terminado com o JOB J217922D JOB: J217922D Job Step: F Mudança do Processo O jobstep F cria uma cópia backup do dataset V207.DBXXXXXX.F O último acesso a este dataset foi um processo de carga. O OB esperou 1 minuto para a alocação. A espera pode ter sido por falta de unidades de fita. O tempo de execução para o procesamento do backup foi acima de 1 minuto.. Caso Prático - 10 de 70

11 Recomendação: O processamento de backup executado no step PDVSBKUP poderia ser eliminado. O jobstep 135 deverá ser eliminado do JOB. Se um recovery ou um back out deste arquivo for necessário, então o step F deverá ser reexecutado. Economia projetada: 2 minutos Caso Prático - 11 de 70

12 JOB: J217662D (continuação) Reestruturação do JOB O JOB J217662D executa no caminho crítico de um ciclo batch. Do step 31 até o step 54 são executados processos que não deveriam estar no caminho crítico. Estrutura atual do JOB (25 minutos o caminho crítico) J217622D J217922D Estrutura Proposta para o JOB (23 minutos) J217622D Steps 1-31 J217922D J217622D Steps Recomendação: os steps de 31 até o 54 deverão ser removidos do caminho crítico do ciclo batch. Estes jobsteps deverão ser transferidos para um JOB diferente. Este novo JOB poderá executar em paralelo com o JOB J217922D. Esta mudança reduzirá o ciclo batch em 2 minutos. Economia Projetada: 2 minutos Caso Prático - 12 de 70

13 JOB: J217930D Procedure Step: PMUPDATE Isolamento do Arquivo O caminho crítico determina para o PMUDATE que é o tempo de DASD I/O para o volume PRDLXD. Mais de 70% do tempo de I/O foi registrado como tempo DISCONNECT. Uma das causas do alto tempo de DISCONNECT é que diversos arquivos estão ativos em um volume individual. Recomendação: Os componentes Índice e Dados destes datasets deverão ser alocados em volumes físicos DASD separados. Designando-se diferentes STORAGE GROUPS para o componente Índice e Dados a separação pode ser atingida. A separação reduzirá o tempo de DISCONNECT que ocorre durante o processamento da atualização do arquivo. Economia Projetada: 2 minutos Caso Prático - 13 de 70

14 JOB: J217930D (continuação) Procedure Step: P207962D Isolamento de Arquivo O caminho crítico determina para o jobstep P207962D que o tempo de I/O em DASD estava no volume PRD030. Mais de 66% do tempo estava registrado como DISCONNECT e tempo de IOS Queue. A causa do alto tempo de DISCONNECT como também do tempo de IOS Queue mostra que há diversos datasets ativos neste volume. Os arquivos seqüenciais de entrada e de saída utilizados neste JOB foram ambos alocados neste volume DASD. Recomendação: Os arquivos seqüenciais de entrada e de saída deverão ser alocados para indexar volumes físicos separados de DASD. Designando-se diferentes STORAGE GROUPS para estes datasets esta separação pode ser atingida. A separação reduzirá o DISCONNECT e o tempo IOS Queue que ocorre durante o processamento da atualização do dataset. Economia Projetada: 2 minutos Caso Prático - 14 de 70

15 JOB: J217921D Reestruturação do JOB O JOB J217921D executa no caminho crítico do ciclo batch. Do step 83 ao step 97 executa processos que não deveriam estar no caminho crítico. É o processamento de manutenção do arquivo V207.D0XXXXXX.ITCDBL00. Este arquivo não é requerido até a execução do JOB J217922D ao final do ciclo. Estrutura Atual do JOB (58 minutos no caminho crítico) J217921D J217930D Estrutura proposta do JOB (48 minutos) J217921D Steps 1-82 J217930D J217921D Steps Recomendação: do step 83 ao step 97 todos deverão ser removidos do caminho crítico do ciclo batch. Estes jobsteps deverão ser transferidos para um outro JOB batch. Este novo JOB poderá ser executado em paralelo com o JOB J217930D. Esta mudança reduzirá o ciclo batch em 10 minutos. Economia Projetada: 10 minutos Caso Prático - 15 de 70

16 JOB: J217921D (continuação) Mudança na Schedulagem O JOB J217921D está schedulado para iniciar às 0 h e 15 min. Durante cada um dos 4 ciclos batch este JOB é iniciado as 0 hora e 15 min em cada madrugada. Recomendação: A schedulagem deverá ser modificada para liberar este JOB depois do término do JOB J217610D. Isto reduzirá o ciclo batch em mais de 1 hora e 25 minutos. Com a mecanização do início deste JOB o tempo do ciclo batch poderá ser recuperado. Este tempo recuperado permitirá a flexibilização na schedulagem do ciclo batch. Economia Projetada: 1 hora e 25 minutos Caso Prático - 16 de 70

17 JOB: J217610D Atrasos por Alocação O primeiro step do JOB J217610D espera por alocação por mais de 3 minutos. Esta espera poderia ser atribuída à alocação de dispositivo. Um exemplo disto poderia ser a espera por uma unidade de fita ficar disponível. Uma outra causa, poderia ser uma espera por alocação de um dataset individual. O dataset poderia ter sido migrado fora do DASD para a memória de nível 2. O jobstep poderia estar esperando por uma chamada do HSM. Recomendação: Uma identificação do recurso que está causando a espera deve ser completada. O log do JES poderá ter a mensagem se o recurso for um equipamento. Esta mensagem poderia ser por espera de drives de fita. Se o jobstep está esperando por um recall do HSM então deverá haver uma mensagem no log do HSM. Depois que o dataset que estiver causando o recall for identificado ele deverá ser designado para uma classe de gerenciamento que poderia fazer com que causasse uma retenção mais longa do DASD principal. Esta mudança poderia eliminar o atraso por espera de alocação para este jobstep. Economia projetada: 3 minutos Caso Prático - 17 de 70

18 JOB: J216610D (continuação) Atrasos por alocação O primeiro step do JOB J216610D fica esperando por alocação por mais de 2 minutos. Esta espera pode ser atribuída à alocação de dispositivo. Um exemplo poderia ser a espera por alocação de um drive de fita disponível. Ou poderia ser também uma espera por alocação de um arquivo individual. O arquivo poderia ter sido migrado para fora do DASD para a memória nível 2. O jobstep poderia estar esperando por um recall do arquivo HSM. Recomendação Uma identificação do recurso que está causando a espera deve ser completada. O log do JES conterá a mensagem se o recurso for um equipamento. Esta mensagem poderia ser a espera por unidades de fita magnética disponíveis. Se o jobstep estiver esperando por um recall num arquivo uma mensagem estaria presente no log do HSM. Depois que o dataset que esta causando o recall for identificado ele deverá ser designado para uma classe de gerenciamento que faria uma retenção mais longa do DASD principal. Esta mudança eliminaria a espera por atraso de alocação neste jobstep. Economia Projetada: 2 minutos Caso Prático - 18 de 70

19 JOB: J215610D (continuação) Atrasos por Alocação O primeiro step do JOB J215610D espera por uma alocação por aproximadamente 3 minutos. Esta espera pode ser atribuída à alocação de dispositivo. Um exemplo o poderia ser uma espera por uma unidade de fita se tornar disponível. Um outro exemplo parecido para esta causa seria a alocação de um arquivo individual. O arquivo poderia ter sido retirado do DASD para memória de nível 2. O jobstep poderia estar esperando por um recall do HSM. Recomendação: Uma identificação do recurso que esta causando a espera necessita ser completada. O log do JES conterá uma mensagem se o recurso for um equipamento. Esta mensagem poderia ser uma espera por uma unidade de fita. Se o jobstep esta esperando por um recall do arquivo uma mensagem estará no log do HSM. Depois de identificado o arquivo que está causando o recall o mesmo deverá ser designado para uma classe de gerenciamento que causará uma retenção mais longa do DASD principal. Esta mudança eliminaria a espera por demora de alocação neste jobstep. Economia Projetada: 3 minutos Caso Prático - 19 de 70

20 JOB: J215150D Atrasos por Alocação O primeiro step do JOB J215150D fica em espera por alocação por mais de 4 minutos. Esta espera pode ser atribuída por alocação de dispositivo. Um exemplo poderia ser a espera por uma unidade de fita se tornar disponível. Outra situação parecida que causaria a espera poderia ser a alocação de um arquivo individual. O dataset poderia ter sido migrado do DASD para a memória nível 2. O jobstep poderia estar esperando por um recall do arquivo HSM. Recomendação: A identificação do recurso que está causando a espera necessita ser completada. No log do JES poderá ter uma mensagem se o recurso for equipamento. Isto poderia ser uma espera por uma mensagem de drive de fita. Se o jobstep estiver esperando por um recall de arquivo uma mensagem poderá ter sido criada no log do HSM. Após o dataset que causou o recall ser identificado ele deverá ser designado para uma classe de mensagem que cause uma retenção mais demorada do DASD principal. Esta mudança eliminaria a espera pelo atraso da alocação para este jobstep. Economia Projetada: 3 minutos Caso Prático - 20 de 70

21 JOB: J215150D (continuação) Espera por Initiator O JOB J215150D está no caminho crítico do ciclo batch. Este JOB esperou por mais de 2 minutos para um Initiator se tornar disponível. Recomendação:: O JOB A215150D deverá iniciar a execução depois de terminada a série de JOBS J215A28x. Esta mudança irá encurtar o ciclo batch em 2 minutos. Economia Projetada: 2 minutos Caso Prático - 21 de 70

22 JOB: J215150D (continuação) Job Step: SORT1, SORT2 e SORT3 Fita para Disco Os jobsteps SORT1, SORT2 e SORT3 criam arquivos em fita. Estes arquivos são menores que a capacidade de uma fita (cartucho) inteira. Três fitas (cartuchos) inteiras e três operações de montagem de fita foram requeridas para este processamento. Recomendação: Este processamento está no caminho crítico do processamento batch. Alocando-se os arquivos em disco será removido o overhead de ter estes arquivos em fita magnética neste processamento batch. Tendo estes arquivos gerenciados pelo HSM a capacidade das fitas também seria recuperada por outros serviços. Economia Projetada: 2 minutos Caso Prático - 22 de 70

23 JOB: J215J28D Atrasos na Alocação O primeiro step do JOB J215J28D espera por uma alocação por mais de 11 minutos. Esta espera poderia ser atribuída por alocação de dispositivo. Um exemplo poderia ser a espera por uma unidade de fita magnética se tornar disponível. Uma outra causa parecida poderia ser a espera por alocação de um arquivo individual. O arquivo poderia ter sido migrado do DASD para a memória nível 2. O jobstep poderia estar esperando por um recall do dataset pelo HSM. Recomendação: A identificação do recurso que está causando a espera deverá ser completada. O log do JES conterá uma mensagem se o recurso causador for equipamento. O motivo poderia ser uma mensagem por espera de unidades de fitas disponíveis. Se o jobstep estivesse esperando por um recall de dataset a mensagem respectiva estaria no log do HSM. Após o dataset que causou o recall ter sido identificado ele deverá ser designado para uma classe de gerenciamento a qual poderia causar uma retenção mais longa do DASD principal. Esta mudança eliminaria a espera por atraso de alocação para este jobstep. Economia Projetada: 12 minutos Caso Prático - 23 de 70

24 JOB: J125I28D Espera por Initiator O JOB J125I28D está no caminho crítico do ciclo batch. Este JOB esperou aproximadamente por 6 minutos para um Initiator se tornar disponível. Recomendação: O JOB J216I28D deverá iniciar sua execução após o término do JOB J216Z02D. Economia Projetada: É necessário manter este JOB fora do caminho crítico do ciclo batch Caso Prático - 24 de 70

25 JOBs: J215A28D, J215B28D, J215C28D, J215D28D, J215E28D, J215F28D, J215G28D, J215H28D, J215I28D e J215J28D Job Step: P205103D Bufferização VSAM BLSR Este jobstep executa um número grande de EXCPs em um arquivo VSAM. Os arquivos VSAM são listados abaixo. Estes arquivos são compartilhados por este programa em todos os JOBs listados acima. No ciclo batch há mais de 500,000 milhões de EXCPs executados nestes arquivos. O tamanho dos arquivos é 4 Mega Recomendação: Nas recomendações gerais existe a referência à facilidade BLSR. Nós recomendamos um total combinado de buffers no mínimo de 1,250 BLSR (10 megabytes) e 1,000 BLSR buffers de Índice (2 megabytes) para estes componentes VSAM. Até que o BLSR seja aplicado em sua forma Nativa a bufferização VSAM deverá ser aplicada para estes arquivos. Buffers nativos são especificados no JCL e irão reduzir a quantidade de EXCPs para estes jobsteps. Economia Projetada: 2 minutos Caso Prático - 25 de 70

26 JOBs: J217A89D, J217B89D, J217C89D, J217D89D, J217E89D, J217F89D, J217G89D, J217H89D, J217I89D, J217J89D, J217K89D e J217L89D Programa: P207292D Recuperação de CPU O programa executado neste jobstep consome uma grande quantidade de CPU. Todos os JOBs listados acima executam este programa em paralelo. Este programa tem seu maior impacto no uso da CPU do complexo de processadores. Caso Prático - 26 de 70

27 Como este programa é executado em paralelo uma grande quantidade do recurso CPU é consumida durante esta série de JOBs. A tabela abaixo resume este consumo de CPU. Data 4/11/00 4/12/00 4/13/00 4/14/00 Job CPU Tempo MM:SS CPU Tempo MM:SS CPU Tempo MM:SS CPU Tempo MM:SS J217A89D 4:02 3:04 7:38 2:59 J217B89D 8:42 7:58 8:42 9:22 J217C89D 13:51 12:36 13:45 12:27 J217D89D 11:55 12:05 13:40 11:56 J217E89D 11:50 10:14 11:32 9:29 J217F89D 9:25 9:25 12:11 10:16 J217G89D 9:58 10:38 12:12 9:54 J217H89D 9:34 9:38 11:15 9:50 J217I89D 10:16 10:28 12:10 10:27 J217J89D 9:37 9:31 11:50 9:52 J217K89D 12:17 11:58 12:28 11:08 J217L89D 11:32 12:05 13:40 11:42 Total 2:08 2:00 2:21 2:00 HH:MM HH:MM HH:MM HH:MM Recomendação: O programa P207292D contabilizou um uso de mais de 2 horas e 21 minutos de CPU durante o ciclo de 13 de abril de Esta quantidade de CPU foi consumida através do uso do complexo de processadores por 1 hora e 40 minutos de tempo relógio parede. Este consumo de CPU afetou toda a carga de trabalho que estava em execução nos processadores naquele momento. Durante o ciclo de 11 de abril de 2000 mais de 2 horas e 8 minutos de CPU foram consumidos em 1 hora e meia de tempo relógio parede. Uma maior atenção deveria ser dada a este programa para recuperar ciclos de CPU. Para recuperar o recurso CPU e mais, reduzir o ciclo batch deste CASE que estamos analisando, o programa fonte de aplicação juntamente com a documentação da ferramenta de medida de uso da CPU poderiam ser enviados para a ATRI para análise. Exemplos destas ferramentas de medida do desempenho de aplicações são o OMEGAMON Inspect e o STROBE. Economia Projetada: Informação adicional requisitada. Caso Prático - 27 de 70

28 JOBs: J217A89D, J217B89D, J217C89D, J217D89D, J217E89D, J217F89D, J217G89D, J217H89D, J217I89D, J217J89D, J217K89D e J217L89D (continuação) Job Step: P205103D Bufferização BLSR VSAM Este jobstep executa um grande número de EXCPs em vários arquivos VSAM. Alguns destes arquivos VSAM estão listados abaixo. Estes arquivos são compartilhados por este programa em todos os JOBs listados acima. No ciclo batch há mais de 1 milhão de EXCPs executados nestes datasets. Caso Prático - 28 de 70

29 Recomendação: Nas recomendações gerais há uma referência à facilidade BLSR. Nós recomendamos o uso de uma combinação total de buffers de Dados (10 megabytes) e de BLSR buffers de Índice (2 megabytes) para estes componentes VSAM. Até que a BSLR seja implementada deve-se utilizar a bufferização VSAM Nativa para estes datasets. Buffers Nativos são especificados no JCL e reduzirão a quantidade de EXCPs para estes jobsteps. Economia Projetada: Deve-se manter este JOB fora do caminho crítico deste ciclo batch. Caso Prático - 29 de 70

30 JOBs: J217A89D, J217B89D, J217C89D, J217D89D, J217E89D, J217F89D, J217G89D, J217H89D, J217I89D, J217J89D, J217K89D e J217L89D Programa: P205103D Recuperação de CPU Este programa executado neste jobstep consome uma grande quantidade de CPU. Todos os JOBs listados acima executam este programa em paralelo. Este programa tem um grande impacto na CPU do complexo de processadores. Caso Prático - 30 de 70

31 Como este programa é executado em paralelo uma grande quantidade do recurso CPU é consumida durante a execução desta série de JOBs. A tabela abaixo resume o consumo de CPU pelo programa P205103D. Data 4/11/00 4/12/00 4/13/00 4/14/00 Job CPU Tempo MM:SS CPU Tempo MM:SS CPU Tempo MM:SS CPU Tempo MM:SS J217A89D 3:41 3:16 9:45 3:01 J217B89D 7:16 7:06 7:46 8:14 J217C89D 11:12 11:23 13:06 11:06 J217D89D 11:00 11:08 12:56 11:08 J217E89D 10:21 10:56 12:47 10:26 J217F89D 10:04 10:32 13:25 11:13 J217G89D 10:36 11:27 13:35 11:01 J217H89D 10:21 11:03 13:31 11:09 J217I89D 11:03 11:54 14:06 11:51 J217J89D 10:56 11:15 14:21 11:44 J217K89D 12:15 12:40 14:32 12:45 J217L89D 12:06 12:41 14:52 12:39 Total 2:01 2:06 2:35 2:07 HH:MM HH:MM HH:MM HH:MM Recomendação: O programa P205103D contabilizou por mais de 2 horas e 35 minutos de CPU durante os ciclos dia 13 de abril de Esta quantidade de CPU foi consumida através do complexo de processadores em mais de 40 minutos de hora relógio parede. O consumo desta quantidade de CPU afetou toda a carga de trabalho que estava executando nos processadores naquele momento. Durante os ciclos do dia 11 de abril de 2005 mais de 2 horas e 1 minuto de tempo de CPU foram consumidas sobre 1hora e meia de hora relógio parede. Atenção deverá ser dada para este programa a fim de recuperar ciclos de CPU. Para recuperar o recurso CPU e reduzir o ciclo batch que estamos analisando neste CASE, o programa fonte da aplicação juntamente com os relatórios de uma ferramenta de medida do desempenho de aplicações deverá ser enviado a ATRI. Exemplos destas ferramentas temos o OMEGAMON Inspect e o STROBE. Economia Projetada: Informação adicional requerida Caso Prático - 31 de 70

32 JOBs: J215A32D, J215B32D, J215C32D, J215D32D, J215E32D, J215F32D, J215G32D, J215H32D, J215I32D, J215J32D, J215K32D e J215L32D Programa: P207240D Recuperação de CPU O programa executado neste jobstep consome uma grande quantidade de CPU. Todos os JOBs listados acima executam este programa em paralelo. Este programa tem um grande impacto no uso da CPU do complexo de processadores. Caso Prático - 32 de 70

33 Como este programa é executado em paralelo uma grande quantidade do recurso CPU é consumida durante esta série de JOBs. A tabela abaixo resume este consumo de CPU para o programa P207240D. Job 4/11/00 4/12/00 4/13/00 4/14/00 CPU Tempo MM:SS CPU Tempo MM:SS CPU Tempo MM:SS CPU Tempo MM:SS J215A32D 6:41 5:46 6:33 5:57 J215B32D 17:15 15:43 16:56 19:23 J215C32D 27:34 25:51 27:56 25:44 J215D32D 25:01 24:14 26:58 24:30 J215E32D 23:31 23:40 23:30 22:30 J215F32D 21:16 22:14 25:47 24:46 J215G32D 23:17 24:53 26:02 23:17 J215H32D 21:24 21:55 23:03 22:50 J215I32D 24:00 25:34 26:44 25:10 J215J32D 21:53 22:30 25:52 22:46 J215K32D 25:55 25:03 25:31 25:19 J215L32D 23:09 22:38 26:04 22:54 Total 4:21 4:20 4:41 4:25 HH:MM HH:MM HH:MM HH:MM Recomendação: O programa P207240D contabilizou mais de 4 horas e 41 minutos de tempo de CPU durante o ciclo do dia 13 de abril de Esta quantidade de tempo foi consumida através do complexo de processadores e levou mais de 1 hora e 30 minutos de tempo relógio parede. Este consumo de CPU afetou toda a carga de trabalho que estava sendo executada naquele momento nos processadores. Durante o ciclo do dia 11 de abril de 2000, mais de 4 horas e 21 minutos de CPU foram consumidas contra 1 hora e meia de relógio parede. Atenção deverá ser dada para este programa a fim de recuperar ciclos de CPU. Para recuperar o recurso CPU e reduzir o ciclo batch que estamos analisando neste CASE, o programa fonte da aplicação juntamente com os relatórios de uma ferramenta de medida do desempenho de aplicações deverá ser enviado a ATRI. Como exemplos destas ferramentas têm o OMEGAMON Inspect e o STROBE. Economia Projetada: Informação adicional requerida Caso Prático - 33 de 70

Juntas, a Sun Software e a ATRI, disponibilizam ao mercado brasileiro o serviço de Batch Analysis System BAS.

Juntas, a Sun Software e a ATRI, disponibilizam ao mercado brasileiro o serviço de Batch Analysis System BAS. APRESENTAÇÃO A Sun Software Comércio e Representações Ltda, cujo foco principal, ao longo dos 20 anos de atuação no mercado brasileiro, tem sido à busca de soluções para os principais problemas enfrentados

Leia mais

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo 4 PROCESSOS Os primeiros sistemas operacionais permitiam que apenas um processo fosse executado por vez. Dessa maneira, este processo tinha todo o sistema computacional a sua disposição. Os atuais sistemas

Leia mais

Introdução aos Sistemas

Introdução aos Sistemas Introdução Introdução aos Sistemas Operacionais 1 2 3... n Ambientes Operacionais Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Compilador Editor de texto Browser Programas

Leia mais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Sistema Operacional Processo e Threads Introdução a Processos Todos os computadores modernos são capazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Enquanto executa um programa do usuário, um computador pode

Leia mais

Dino SMART Production. Monitoração de Jobs da produçao do ambiente mainframe IBM

Dino SMART Production. Monitoração de Jobs da produçao do ambiente mainframe IBM Dino SMART Production Monitoração de Jobs da produçao do ambiente mainframe IBM Portfolio - Dino Explorer Suite - Componentes Dino Smart Monitoração: Aplicações Serviços Jobs (Online e Batch) SLA s Reengenharia;

Leia mais

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress. Sistemas Operacionais Aula 3 Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.com Nunca cone em um computador que você não pode jogar pela janela.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerenciamento de Memória Norton Trevisan Roman Marcelo Morandini Jó Ueyama Apostila baseada nos trabalhos de Kalinka Castelo Branco, Antônio Carlos Sementille, Paula Prata e nas transparências

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 4 SUPORTE AO SISTEMA OPERACIONAL Prof. Luiz Gustavo A. Martins Sistema Operacional (S.O.) Programa responsável por: Gerenciar os recursos do computador. Controlar a execução

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Processos. Paulo Sérgio Almeida 2005/2006. Grupo de Sistemas Distribuídos Departamento de Informática Universidade do Minho

Processos. Paulo Sérgio Almeida 2005/2006. Grupo de Sistemas Distribuídos Departamento de Informática Universidade do Minho Paulo Sérgio Almeida Grupo de Sistemas Distribuídos Departamento de Informática Universidade do Minho 2005/2006 Conceito de processo Operações sobre processos Conceito de processo Conceito de processo

Leia mais

2. Introdução aos Sistemas Operacionais

2. Introdução aos Sistemas Operacionais 2. Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? 1 Compilador 2 Editor de texto 3 Browser Aplicativos... Sistema Operacional (infraestrutura) Hardware n Quake No passado, a eficiência

Leia mais

Módulo 4: Processos. Conceito de Processo. Diagrama de Estados de Processos. Estados de Processo

Módulo 4: Processos. Conceito de Processo. Diagrama de Estados de Processos. Estados de Processo Módulo 4: Processos Conceito de Processo Conceito de Processo Escalonamento de Processos Operações com Processos Processos Cooperativos Comunicação entre Processos Um sistema operacional executa uma variedade

Leia mais

Módulo 4: Processos. Conceito de Processo. Escalonamento de processos Operações sobre processos Processos cooperantes Comunicação entre processos

Módulo 4: Processos. Conceito de Processo. Escalonamento de processos Operações sobre processos Processos cooperantes Comunicação entre processos Módulo 4: Processos Conceito de Processo Escalonamento de processos Operações sobre processos Processos cooperantes Comunicação entre processos 4.1 Conceito de Processo Um Sistema Operacional executa uma

Leia mais

Estruturas do Sistema de Computação

Estruturas do Sistema de Computação Estruturas do Sistema de Computação Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Estruturas do Sistema de

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operacionais

Introdução aos Sistemas Operacionais Introdução aos Sistemas Operacionais Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Tópicos O que é um Sistema

Leia mais

14/09/2008. Curso Superior de Tecnologia em Bando de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/09/2008. Curso Superior de Tecnologia em Bando de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Bando de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 2.2 1 2 Material usado na montagem dos Slides Bibliografia

Leia mais

Gerência de Entrada/Saída

Gerência de Entrada/Saída Gerência de Entrada/Saída Prof Clodoaldo Ap Moraes Lima 1 Princípios básicos de hardware Periférico é um dispositivo conectado a um computador de forma a possibilitar sua interação com o mundo externo

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA 8 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA A porta paralela, também conhecida por printer port ou Centronics e a porta serial (RS-232) são interfaces bastante comuns que, apesar de estarem praticamente

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais 7 Sistemas Operacionais 7.1 Fundamentos da ciência da computação Cengage Learning Objetivos 7.2 Compreender o papel do sistema operacional. Compreender o processo de inicialização para carregar o sistema

Leia mais

*O RDBMS Oracle é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional.

*O RDBMS Oracle é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional. Arquitetura Oracle e seus componentes Hoje irei explicar de uma forma geral a arquitetura oracle e seus componentes. Algo que todos os DBA s, obrigatoriamente, devem saber de cabo a rabo. Vamos lá, e boa

Leia mais

Usuários. Aplicativos e programas dos usuários. Kernel gerenciamento de processos, memória, sistema de arquivos, I/O, etc.

Usuários. Aplicativos e programas dos usuários. Kernel gerenciamento de processos, memória, sistema de arquivos, I/O, etc. 1 1.0 Kernel O kernel (núcleo) representa o coração do Sistema Operacional. Atribuições do kernel: - gerenciamento dos arquivos em disco; - inicializar programas e executá-los; - alocar e gerenciar memória

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Introdução É preciso conhecer a estrutura de um sistema de computação antes que possamos explorar os detalhes de sua operação.

Leia mais

Atualização De Mapas GPS Apontador. 1º Acessar site: www.naviextras.com 2º Selecione o Idioma para Português no seu canto direito.

Atualização De Mapas GPS Apontador. 1º Acessar site: www.naviextras.com 2º Selecione o Idioma para Português no seu canto direito. Atualização De Mapas GPS Apontador 1º Acessar site: www.naviextras.com 2º Selecione o Idioma para Português no seu canto direito. 3º Clique na Opção Registrar 4º Selecione o Dispositivo Apontador e o Modelo

Leia mais

ESTRUTURA DE SERVER 2008. Lílian Simão Oliveira

ESTRUTURA DE SERVER 2008. Lílian Simão Oliveira ESTRUTURA DE ARMAZENAMENTO SQL SERVER 2008 Lílian Simão Oliveira O Banco de Dados SQL Server mapeia um banco em um conjunto de arquivos do sistema operacional As informações de log e de dados nunca ficam

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O conceito de concorrência é o princípio básico para o projeto e a implementação dos sistemas operacionais multiprogramáveis. O sistemas multiprogramáveis

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e saída Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Foco na Arquitetura e Organização internas da Cleo Modelo Von Neuman Circuito combinacional Circuito

Leia mais

AULA 13 - Gerência de Memória

AULA 13 - Gerência de Memória AULA 13 - Gerência de Memória omo sabemos, os computadores utilizam uma hierarquia de memória em sua organização, combinando memórias voláteis e não-voláteis, tais como: memória cache, memória principal

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Introdução Um sistema operacional é um programa que atua como intermediário entre o usuário e o hardware de um computador. O propósito

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 13 Gerência de Memória Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso Sumário

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Prof. André Dutton

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Prof. André Dutton ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Prof. André Dutton EMENTA: Conceitos fundamentais e histórico da ciência da computação; Histórico dos computadores, evolução e tendências; Modalidades de computadores

Leia mais

Sistemas Operacionais. INTRODUÇÃO Prof. Rafael Alberto Vital Pinto FACSUL/CESUR

Sistemas Operacionais. INTRODUÇÃO Prof. Rafael Alberto Vital Pinto FACSUL/CESUR Sistemas Operacionais INTRODUÇÃO Prof. Rafael Alberto Vital Pinto FACSUL/CESUR 1 Introdução O que se espera de um sistema de computação? Execução de programas de usuários Permitir a solução de problemas

Leia mais

Gerência de Memória RAM em Computadores com Mais de 4GB O sistema Windows x86 (32bits) não tem capacidade de reconhecer, fisicamente, mais que 3,X GB de RAM, a não ser que seja ativado, manualmente, o

Leia mais

Organização de arquivos

Organização de arquivos Organização de arquivos Por que ver sistema de arquivos? O sistema de arquivos é quem realmente se responsabiliza por guardar os dados que um aplicativo ou mesmo o banco de dados gerencia. Não é tarefa

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV Arquitetura de Computadores Sistemas Operacionais IV Introdução Multiprogramação implica em manter-se vários processos na memória. Memória necessita ser alocada de forma eficiente para permitir o máximo

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Sistemas Operacionais Conteúdo retirado de: SOsim: SIMULADOR PARA O ENSINO DE SISTEMAS OPERACIONAIS Luiz Paulo Maia

Leia mais

Aula 2 Arquitetura Oracle

Aula 2 Arquitetura Oracle Aula 2 Arquitetura Oracle Instancia Oracle Uma instância Oracle é composta de estruturas de memória e processos. Sua existência é temporária na memória RAM e nas CPUs. Quando você desliga a instância em

Leia mais

Resumo até aqui. Gerenciamento Proteção Compartilhamento. Infra-estrutura de Software

Resumo até aqui. Gerenciamento Proteção Compartilhamento. Infra-estrutura de Software Resumo até aqui Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como uma máquina estendida abstrações SO como um

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Marcelo Sabaris Carballo Pinto Gerencia de Processos 4.1 Introdução aos Processos Gerenciamento de Processos Processo -Definição: É uma abstração do sistema

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores MemóriaVirtual Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Gerência de memória convencional Divide um programa em unidades menores Partes

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 02: Introdução (Cont.), Visão Geral Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com O QUE É UM SISTEMA OPERACIONAL? Um programa que atua como um intermediário entre

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Professor: João Fábio de Oliveira jfabio@amprnet.org.br (41) 9911-3030 Objetivo: Apresentar o que são os Sistemas Operacionais, seu funcionamento, o que eles fazem,

Leia mais

Máquina de estados UNIX O

Máquina de estados UNIX O Estruturas Processos de Controle (Aula 5) Aula Interrupções Profa. Patricia Gerência fluxo, execução D. O Abstração passada Criação podendo de gerar hw e transição sw (mudança de CostaLPRM/DI/UFES que

Leia mais

Sistemas Operacionais. Escalonamento de Processo. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira

Sistemas Operacionais. Escalonamento de Processo. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Escalonamento de Processo Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Quando um computador é multiprogramado, ele muitas vezes tem variados processos que competem pela CPU ao mesmo tempo; Essa

Leia mais

Máquina de estados UNIX O. Sistemas Operacionais 2008/1Profa. Patricia S.O. computação: recursos D. S.O S.O. controla eventos no sistema de

Máquina de estados UNIX O. Sistemas Operacionais 2008/1Profa. Patricia S.O. computação: recursos D. S.O S.O. controla eventos no sistema de Estruturas Processos de Controle (Aula 5) Aula Interrupções Profa. Patricia Gerência fluxo, execução D. O Abstração passada Criação podendo de gerar hw e transição sw (mudança de CostaLPRM/DI/UFES que

Leia mais

Tópicos Avançados em Banco de Dados Visão Geral de Tópicos Avançados em Banco de Dados I. Prof. Hugo Souza

Tópicos Avançados em Banco de Dados Visão Geral de Tópicos Avançados em Banco de Dados I. Prof. Hugo Souza Tópicos Avançados em Banco de Dados Visão Geral de Tópicos Avançados em Banco de Dados I Prof. Hugo Souza Iniciaremos nossos estudos sobre os tópicos avançados sobre banco de dados recapitulando o histórico

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO TOOLBOX.

GUIA DE INSTALAÇÃO TOOLBOX. GUIA DE INSTALAÇÃO TOOLBOX. Como instalar a ferramenta Naviextras Toolbox? Antes de baixar o instalador da página de Downloads, por favor, verifique se seu computador se encaixa nos requisitos mínimos

Leia mais

Memória Virtual. Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto

Memória Virtual. Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Memória Virtual Prof Dr José Luís Zem Prof Dr Renato Kraide Soffner Prof Ms Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Tópicos Introdução Espaço de Endereçamento Virtual

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS GERÊNCIA DE TAREFAS

SISTEMAS OPERACIONAIS GERÊNCIA DE TAREFAS SISTEMAS OPERACIONAIS GERÊNCIA DE TAREFAS 2012 1/11 Conteúdo INTRODUÇÃO...3 OS CONCEITOS...3 ESTADOS E ESTÍMULOS DAS TAREFAS...4 O AGENDAMENTO DE TAREFAS...8 ALGORITMOS DE AGENDAMENTO...8 ALGORITMO FCFS

Leia mais

Sistemas Operacionais. Processos. Edeyson Andrade Gomes. edeyson@uol.com.br

Sistemas Operacionais. Processos. Edeyson Andrade Gomes. edeyson@uol.com.br Sistemas Operacionais Processos Edeyson Andrade Gomes edeyson@uol.com.br Roteiro da Aula Conceitos Estados do Processo Controle de Processo Escalonamento Criação e Término de Processos 2 Definição Processo

Leia mais

Organização de Arquivos

Organização de Arquivos Classificação e Pesquisa de Dados Aula 2 Organização de s: s Sequenciais e s Sequenciais Indexados UFRGS INF01124 Organização de s Propósito Estudo de técnicas de armazenamento e recuperação de dados em

Leia mais

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br)

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Sistemas Operacionais Entrada / Saída Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Tópicos Princípios do hardware de E/S Princípios do software de E/S Camadas do software

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Processos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 02-002 Processos

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Processos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 02-002 Processos Processos Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007 1 Processos Programa em execução: processos do próprio sistema (SYSTEM no gerenciador de tarefas); processos do usuário; Sistemas multiprogramáveis: muitos

Leia mais

TRANSAÇÃO. Reconstrução ( recovery ) BANCO DE DADOS 2. Tipos de falhas (1) Tipos de falhas (2) Princípios

TRANSAÇÃO. Reconstrução ( recovery ) BANCO DE DADOS 2. Tipos de falhas (1) Tipos de falhas (2) Princípios BANCO DE DADOS TRANSAÇÃO Reconstrução ( recovery ) Idéia básica Em algum momento no tempo, todo sistema computacional apresentará uma falha. Prof. Edson Thizon O SGBD deve incorporar mecanismos de proteção

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais O que se espera de um sistema de computação? Execução de programas de usuários Permitir a solução de problemas Sistema Operacional (SO) é um programa colocado entre o hardware do

Leia mais

Sistemas Operativos. 4ª Geração (a partir de 70 )

Sistemas Operativos. 4ª Geração (a partir de 70 ) Introdução 4ª Geração (a partir de 70 )! Aparecimento dos microprocessadores Processadores totalmente contidos em um chip (possível devido à evolução dos CI, através da integração de componentes em muito

Leia mais

Atualizando do Windows XP para o Windows 7

Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizar o seu PC do Windows XP para o Windows 7 requer uma instalação personalizada, que não preserva seus programas, arquivos ou configurações. Às vezes, ela

Leia mais

Barramentos ISA, EISA, VLB, PCI e AGP

Barramentos ISA, EISA, VLB, PCI e AGP Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Extensão em Arquitetura de Computadores Pessoais Barramentos ISA, EISA, VLB, PCI e AGP 1 8 bits

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 4 Tipos de SO Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br SO - Prof. Edilberto Silva Os Sistemas Operacionais podem ser assim classificados: SO - Prof. Edilberto Silva

Leia mais

Evaristo Wychoski Benfatti Fernando Nunes Bonifácio ARMAZENAMENTO EM DISCO, ESTRUTURAS BASICAS DE ARQUIVOS E HASHING

Evaristo Wychoski Benfatti Fernando Nunes Bonifácio ARMAZENAMENTO EM DISCO, ESTRUTURAS BASICAS DE ARQUIVOS E HASHING Evaristo Wychoski Benfatti Fernando Nunes Bonifácio ARMAZENAMENTO EM DISCO, ESTRUTURAS BASICAS DE ARQUIVOS E HASHING CONTEÚDO Introdução Armazenamento de dados Dispositivo de armazenamento Buffering de

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informação Hardware: Dispositivos de Entrada, Processamento e Saída

Fundamentos de Sistemas de Informação Hardware: Dispositivos de Entrada, Processamento e Saída Fundamentos de Sistemas de Informação Hardware: Dispositivos de Entrada, Processamento e Saída Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Introdução O uso apropriado da tecnologia pode garantir

Leia mais

2 Trabalhos Relacionados

2 Trabalhos Relacionados 2 Trabalhos Relacionados Nesse capítulo, apresentamos os trabalhos relacionados ao GridFS, entrando em mais detalhes sobre os sistemas citados durante a introdução e realizando algumas considerações sobre

Leia mais

Sistemas Operativos. Gestão de memória. Rui Maranhão (rma@fe.up.pt)

Sistemas Operativos. Gestão de memória. Rui Maranhão (rma@fe.up.pt) Sistemas Operativos Gestão de memória Rui Maranhão (rma@fe.up.pt) Gestão de memória idealmente a memória seria grande rápida não volátil contudo, na realidade existem limitações físicas! Portanto... hierarquia

Leia mais

Dispositivos de Armazenamento. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes

Dispositivos de Armazenamento. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Dispositivos de Armazenamento Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Conteúdo 1. Discos 2. Fitas magnéticas 3. CD-ROM Capítulo: 2 (APOSTILA). Dispositivos de Armazenamento Armazenamento permanente Custo menor

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Suporte do Sistema Operacional Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Objetivos

Leia mais

Processos. Estruturas de Controle

Processos. Estruturas de Controle Processos Estruturas de Controle Processos e Recursos (1) LPRM/DI/UFES 2 Processos e Recursos (2) O S.O. gerencia recursos computacionais em benefício dos diversos processos que executam no sistema. A

Leia mais

QUESTIONAMENTOS ACERCA DO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 10/2015 - BNDES. Em resposta aos questionamentos formulados, o BNDES esclarece:

QUESTIONAMENTOS ACERCA DO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 10/2015 - BNDES. Em resposta aos questionamentos formulados, o BNDES esclarece: QUESTIONAMENTOS ACERCA DO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 10/2015 - BNDES Prezado(a) Senhor(a), Em resposta aos questionamentos formulados, o BNDES esclarece: 1.Termo de Referência, item 4.12.5. Considerando

Leia mais

Gerenciamento de memória

Gerenciamento de memória Na memória principal ficam todos os programas e os dados que serão executados pelo processador. Possui menor capacidade e custo maior. S.O buscam minimizar a ocupação da memória e otimizar sua utilização.

Leia mais

Arquitetura de Computadores - Revisão -

Arquitetura de Computadores - Revisão - Arquitetura de Computadores - Revisão - Principais funções de um Sistema Operacional Componentes básicos da Arquitetura Barramentos Registradores da CPU Ciclo de Instruções Interrupções Técnicas de E/S

Leia mais

Entrada e Saída. Interface entre periféricos, processador e memória. Fonte: Minho - Portugal 1

Entrada e Saída. Interface entre periféricos, processador e memória. Fonte: Minho - Portugal 1 Entrada e Saída Interface entre periféricos, processador e memória Fonte: Minho - Portugal 1 Ligação Processador/Memória - Periférico Processador Memória Controlo Dados Controlador Fonte: Minho - Portugal

Leia mais

BARRAMENTO DO SISTEMA

BARRAMENTO DO SISTEMA BARRAMENTO DO SISTEMA Memória Principal Processador Barramento local Memória cachê/ ponte Barramento de sistema SCSI FireWire Dispositivo gráfico Controlador de vídeo Rede Local Barramento de alta velocidade

Leia mais

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II Armazenamento Secundário SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II Discos Qual o principal gargalo? 2 Discos Discos são gargalos Discos são muito mais lentos que as redes ou a CPU Muitos processos são

Leia mais

Chamadas de Sistema e Processo

Chamadas de Sistema e Processo Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Chamadas de Sistema e Processo Estrutura do Computador Sistemas Operacionais Estrutura do Computador Sistemas Operacionais Modos de Acesso ao S.O.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Professores autores Vicente Pires Lustosa Neto Roberta De Souza Coelho Aula 11 - Gerenciamento de memória Apresentação Na última aula, aprendemos mais sobre os processos e como gerenciá-los.

Leia mais

Windows 7. 1.1. Barra de Tarefas 1.1.1. Botão Iniciar e Menu Iniciar Lista de Saltos: apresenta lista de arquivos recentemente acessados

Windows 7. 1.1. Barra de Tarefas 1.1.1. Botão Iniciar e Menu Iniciar Lista de Saltos: apresenta lista de arquivos recentemente acessados Windows 7 1. Área de Trabalho ou Desktop 1.1. Barra de Tarefas 1.1.1. Botão Iniciar e Menu Iniciar Lista de Saltos: apresenta lista de arquivos recentemente acessados Noções de Informática Henrique Sodré

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento

BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento 1 Gerência de espaço em disco Cópia de segurança do sistema de arquivo Roteiro Confiabilidade Desempenho

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I Introdução 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Introdução Conceituação de SO Funções Básicas Breve Histórico Tipos de SO Fundamentos

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Ivanovitch Medeiros Dantas da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação DCA0800 - Algoritmos e

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Estrutura do Sistema Operacional Principais Funções do Sistema Operacional Tratamento de interrupções e exceções Criação e

Leia mais

A SOLUÇÃO MAIS DETALHADA E EFICIENTE PARA DOCUMENTAÇÃO TOTAL DA INFORMAÇÃO DA EMPRESA E ANÁLISE DE IMPACTO NA INSTALAÇÃO EM AMBIENTE OS/390 OU zos

A SOLUÇÃO MAIS DETALHADA E EFICIENTE PARA DOCUMENTAÇÃO TOTAL DA INFORMAÇÃO DA EMPRESA E ANÁLISE DE IMPACTO NA INSTALAÇÃO EM AMBIENTE OS/390 OU zos A SOLUÇÃO MAIS DETALHADA E EFICIENTE PARA DOCUMENTAÇÃO TOTAL DA INFORMAÇÃO DA EMPRESA E ANÁLISE DE IMPACTO NA INSTALAÇÃO EM AMBIENTE OS/390 OU zos O DOCET é uma solução que integra toda a informação obtida

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC. Prof. Almeida Jr

ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC. Prof. Almeida Jr ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC Prof. Almeida Jr Processos Conceitos Básicos Nomes Tipos Batch: jobs CPU-bound T.Sharing: Tarefas/Processos

Leia mais

Infra-Estrutura de Software. Introdução. (cont.)

Infra-Estrutura de Software. Introdução. (cont.) Infra-Estrutura de Software Introdução (cont.) O que vimos Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como

Leia mais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais Introdução Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Hardware Provê os recursos básicos de computação (CPU, memória, E/S,etc.) Programas (aplicações) Definem as maneiras

Leia mais

SW DE E/S INDEPENDENTE DE DISPOSITIVO

SW DE E/S INDEPENDENTE DE DISPOSITIVO SOFTWARE AO NÍVEL DO USUÁRIO SOFTWARE INDEPENDENTE DE DISPOSITIVOS ACIONADORES DE DISPOSITIVOS (DRIVERS) TRATAMENTO DE INTERRUPÇÕES HARDWARE FUNÇÕES: INTERFACE UNIFORME PARA OS DRIVERS USO DE BUFFERS INFORMAÇÃO

Leia mais

Pós-Graduação, Maio de 2006 Introdução aos Sistemas Operacionais. Prof. Dr. Ruy de Oliveira CEFET-MT

Pós-Graduação, Maio de 2006 Introdução aos Sistemas Operacionais. Prof. Dr. Ruy de Oliveira CEFET-MT Pós-Graduação, Maio de 2006 Introdução aos Sistemas Operacionais Prof. Dr. Ruy de Oliveira CEFET-MT O que é um Sistema Operacional? Um software que abstrai as complexidades do hardware de um usuário/programador

Leia mais

Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4

Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4 Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4 Relatório elaborado sob contrato com a EMC Corporation Introdução A EMC Corporation contratou a Demartek para realizar uma avaliação prática do novo

Leia mais

Manual Sistema MLBC. Manual do Sistema do Módulo Administrativo

Manual Sistema MLBC. Manual do Sistema do Módulo Administrativo Manual Sistema MLBC Manual do Sistema do Módulo Administrativo Este documento tem por objetivo descrever as principais funcionalidades do sistema administrador desenvolvido pela MLBC Comunicação Digital.

Leia mais

Atenção! Não está autorizada a reprodução deste material. Direitos reservados a Multilaser.

Atenção! Não está autorizada a reprodução deste material. Direitos reservados a Multilaser. 1 INTRODUÇÃO O sistema Multisync de GPS tem como finalidade atualizar os mapas para a última versão e resolver problemas relacionados a localização e navegação de endereços. Para isso selecione a opção

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Modelo cliente e servidor Slide 2 Nielsen C. Damasceno Modelos Cliente - Servidor A principal diferença entre um sistema centralizado e um sistema distribuído está na comunicação

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 03 Conceitos de Hardware e Software parte 01. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 03 Conceitos de Hardware e Software parte 01. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 03 Conceitos de Hardware e Software parte 01 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed.

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I 18/9/2009 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé Prof. Aux. Simone Markenson Pech 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Conceituação de SO Funções Básicas Breve Histórico Tipos

Leia mais

Sistema Operacional. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Sistema Operacional. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sistema Operacional Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Tipos de Sistemas Operacionais; Escalonamento; Gerenciamento de Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos 2/25 Introdução

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Fundamentos de Arquivos. SCC203 Algoritmos e Estruturas de Dados II

Fundamentos de Arquivos. SCC203 Algoritmos e Estruturas de Dados II Fundamentos de Arquivos SCC203 Algoritmos e Estruturas de Dados II Arquivos Informação mantida em memória secundária HD Disquetes Fitas magnéticas CD DVD 2 Discos X Memória Principal Tempo de acesso HD:

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

Técnicas de Manutenção de Computadores

Técnicas de Manutenção de Computadores Técnicas de Manutenção de Computadores Professor: Luiz Claudio Ferreira de Souza Placa Mãe Dispositivos (Onboard) São aqueles encontrados na própria Placa Mãe. Ex: Rede, Som, Vídeo e etc... Prof. Luiz

Leia mais

Estudo de Caso 2: Windows Vista

Estudo de Caso 2: Windows Vista Faculdades Integradas de Mineiros Curso de Sistemas de Informação Sistemas Operacionais II Estudo de Caso 2: Windows Vista Grupo 4 Helder / Wagner / Frantyeis Junho/2010 O Windows usa uma estratégia Just-In-Time

Leia mais