Programação 2009/2010 MEEC - MEAer Laboratório 5 Semana de 26 de outubro de 2009

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programação 2009/2010 MEEC - MEAer Laboratório 5 Semana de 26 de outubro de 2009"

Transcrição

1 Programação 2009/2010 MEEC - MEAer Laboratório 5 Semana de 26 de outubro de 2009 Ao desenvolver os seguintes programas tenha em atenção o bom uso dos comentários, o uso da indentação e o correcto nome das variáveis!!!!! Bom trabalho! 1. Desenvolva e implemente um programa que lê a informação contida num ficheiro de dados do projecto (por exemplo flock_77.data). O programa deverá ler do teclado o nome de uma população (uma única palavra) e um inteiro e, com base no nome da população e no inteiro lido, abrir o ficheiro de dados correspondente: NOME_VALOR.data em que NOME deverá ser substituído pela palavra lida e VALOR substituído pelo inteiro. Por exemplo, se o utilizador escrever flock e 54 o ficheiro a ser lido chamar-se-á flock_45.data. Cada linha do ficheiro conterá as coordenadas de um elemento da população, devendo o programa imprimir no ecrã os valores lidos ou a indicação de erro (valores em falta ou caracteres estranhos). Os ficheiros com dados deverão existir na directoria onde é criado o executável. Para um projecto chamado lab5 os ficheiros de dados deverão estar na directoria lab5/debug/src. Para realizar este exercício leia com atenção o anexo Função sprintf. 2. Altere o programa realizado anteriormente de modo a mostrar numa janela gráfica a localização dos diversos membros da população lida. Cada coordenada lida correctamente do ficheiro deverá ser assinalada numa janela com as dimensões 1024x768 (1024 linhas por 768 colunas). Antes de iniciar a leitura deverá criar uma janela usando a biblioteca G2 (ver funções mais à frente). Se o ficheiro não existir a janela não deverá ser criada. À medida que os valores (x e y) vão sendo lidos, deverá ser desenhado na janela um ponto, ou caracter (por exemplo o), na posição correspondente às coordenadas lidas. Para este exercício necessitará de usar funções da biblioteca G2, que estão descritas nas próximas páginas. 3. Altere o exercício 1 da semana 4, dividindo-o em funções. Implemente as funções que calculam o factorial e verificam se o número é primo e invoqueas a partir do programa principal. 1 / 6

2 Função sprintf Para a realização deste exercício e do projecto é necessário ler ficheiros cujo nome é composto por partes fixas (a extensão) e partes variáveis (o nome da população e o instante). Por esta razão o nome do ficheiro que se irá abrir não pode ser constante, devendo ser construído durante a execução da aplicação a partir de dados pré existentes. As funções printf e fprintf fazem parte do que se pretende: constroem uma string a partir do valor de uma constante e de várias variáveis e escrevem-na no ecrã (ou num ficheiro). Por exemplo o seguinte código x = 0.5; n = 14; printf("valor1 %f valor2 %d", x, n); escreverá no écran valor valor2 14. Mas não faz o que desejamos, visto, por exemplo, querermos usar a string produzida no fopen. Existe, no entanto, uma terceira função com funcionamento parecido ao do printf e fprintf: o sprintf. Esta função, em vez de escrever para o écran (ou para um ficheiro), escreve a sequência de caracteres construída para uma variável do tipo string. Por exemplo: i = 200; sprintf(nome_imagem, "movie_%d.png", i); O primeiro argumento é o nome da variável onde será armazenada a string construída com base nos argumentos seguintes. Os argumentos seguintes (neste exemplo "movie_%08d.png" e i) têm o mesmo formato e utilidade que num printf. Neste exemplo será armazenado na variável chamada nome_imagem a string correspondente a movie_%08d.png com o %08d substituído pelo valor de i (neste exemplo movie_200.png). Tal como no printf, pode-se também usar %s, %c e %f. 2 / 6

3 Biblioteca G2. O seguinte programa lê o nome de um ficheiro do teclado, cria uma imagem com esse nome (tipo png) e dimensões Este programa desenha então várias linhas a partir do canto inferior esquerdo e do canto superior direito. Cada linha será desenhada com uma cor diferente (entre 0 e 26). #include <stdio.h> #include <stdlib.h> #include <g2.h> #include <g2_gd.h> int main(int argc, char *argv[]){ char nome_file[100]; int i; int id_imag; int cor; printf("nome do ficheiro: "); fgets(nome_file, 100, stdin); id_imag = g2_open_gd(nome_file, 640, 480, g2_gd_png); i = 0; while(i < 480){ g2_line(id_imag, 0, 0, 640, i); g2_line(id_imag, 640, 480, 0, i); Nos ficheiros g2.h e g2_gd.h encontram-se as declarações das funções necessárias à criação de imagens. A variável id_imag conterá o identificador do ficheiro de imagem criado. É a variável equivalente à retornada no fopen. Para abrir a imagem usamos a função do G2 chamada g2_open_gd. Esta função recebe o nome do ficheiro, a dimensão (640 colunas e 480 linhas) e o tipo de imagem (g2_gd_png). A função g2_line recebe o ficheiro anteriormente aberto e as coordenadas dos extremos da linha: Ficheiro (aberto pelo g2_open_gd), X1, Y1, X2 e Y2 cor = (cor +1) %27; g2_pen(id_imag, cor); i = i+1; A função g2_pen muda a cor usada para desenhar, o primeiro parâmetro corresponde ao ficheiro, o segundo corresponde à cor. Os valores associados a cada cor são apresentados de seguida. g2_close(id_imag); return EXIT_SUCCESS; A função g2_close fecha o ficheiro e escreve-o no disco O segundo programa desenha o mesmo padrão, mas numa janela: #include <stdlib.h> #include <g2.h> #include <g2_x11.h> Nos ficheiros g2.h e g2_x11.h encontram-se as declarações das funções necessárias à abertura da janela e criação de imagens. int main(int argc, char *argv[]){ int i; int id_imag; int cor; id_imag = g2_open_x11(640, 480); i = 0; while(i < 480){ g2_line(id_imag, 0, 0, 640, i); g2_line(id_imag, 640, 480, 0, i); cor = (cor +1) %27; A variável id_imag conterá o identificador da janela criada. É a variável equivalente à retornada pelo fopen. Para abrir a janela usamos a função do G2 chamada g2_open_x11. Esta função só recebe o nome a dimensão (640 colunas e 480 linhas) da janela. A função g2_line recebe o identificador da janela e as coordenadas dos extremos da linha. 3 / 6

4 g2_pen(id_imag, cor); i = i+1; getchar(); g2_close(id_imag); return EXIT_SUCCESS; A função g2_pen muda a cor usada para desenhar, o primeiro parâmetro corresponde ao dispositivo (janela), o segundo corresponde à cor. A função g2_close fecha a janela. Para usar as funções da biblioteca G2 é necessário efectuar uma configuração semelhante àquela que se faz para usar a funções matemáticas: é necessário dizer ao compilador quais as bibliotecas que vão ser adicionadas ao programa. Siga os passos descritos no documento Guia para uso de bibliotecas no KDevelop e, para além da adição da opção lm, adicione o seguinte: -lg2 (menos lê guê dois) -lgd (menos lê guê dê) -lx11 (menos lê xis maiúsculo um um) Em caso não conseguir compilar estes exemplos, verifique se instalou todos os pacotes de software listados na página da cadeira na secção Software. Funções da biblioteca G2 int g2_open_gd (const char * filename, int width, int height, enum g2_gd_type gd_type) Cria um dispositivo (imagem bitmap) filename nome do ficheiro width largura height altura gd_type tipo de ficheiro (g2_gd_jpeg para jpeg g2_gd_png para png g2_gd_gif para gif) Retorno: Identificador do dispositivo int g2_open_x11(int width, int height) Cria um dispositivo (janela) width largura height altura Retorno: Identificador do dispositivo void g2_close (int dev) Fecha um dispositivo (janela ou ficheiro) 4 / 6

5 void g2_pen (int dev, int color) Muda a cor que será usada para desenhar as figuras. color cor a usar: um dos seguintes valores void g2_line (int dev, double x1, double y1, double x2, double y2) Desenha uma linha entre (x1, y1) e (x2, y2). x1 coordenada x do 1º extremo y1 coordenada y do 1º extremo x2 coordenada x do 2º extremo y2 coordenada y do 2º extremo void g2_plot(int dev, double x, double y) Desenha um ponto x coordenada x y coordenada y void g2_rectangle (int dev, double x1, double y1, double x2, double y2) Desenha um rectângulo (não preenchido) especificado por dois cantos opostos. x1 coordenada x do 1º canto y1 coordenada y do 1º canto x2 coordenada x do 2º canto y2 coordenada y do 2º canto void g2_string (int dev, double x, double y, const char * text) Escreve uma string numa determinada posição x coordenada x do início do texto y coordenada x do início do texto text string com o texto a escrever void g2_set_font_size (int dev, double size) altera o tamanho do texto a ser escrito size novo tamanho das letras Mais informações acerca da biblioteca G2 podem ser encontradas em 5 / 6

6 Para o projecto poderão ser usadas outras funções da biblioteca G2 (g2_poly_line) que só poderão ser bem percebidas após se aprenderem os vectores. void g2_poly_line (int dev, int N_pt, double * points) Desenha uma polilinha (segmentos de recta entre os vários pontos. N_pt numero de pontos (Nota: não é o comprimento do vector!!) points vector de coordenadas: x1, y1, x2, y2,... 6 / 6

Programação 2012/2013 1º Semestre MEEC Laboratório 2 Semana de 22 de Outubro de 2012

Programação 2012/2013 1º Semestre MEEC Laboratório 2 Semana de 22 de Outubro de 2012 Programação 2012/2013 1º Semestre MEEC Laboratório 2 Semana de 22 de Outubro de 2012 1. Implemente os programas cujos fluxogramas foram definidos na aula de problemas da semana passada: Exercício 7- Calculo

Leia mais

Programação. MEAer e LEE. Manipulação de ficheiros de texto. Bertinho Andrade da Costa. Instituto Superior Técnico. 2010/2011 1º Semestre

Programação. MEAer e LEE. Manipulação de ficheiros de texto. Bertinho Andrade da Costa. Instituto Superior Técnico. 2010/2011 1º Semestre Programação MEAer e LEE Bertinho Andrade da Costa 2010/2011 1º Semestre Instituto Superior Técnico Manipulação de ficheiros de texto Programação 2010/2011 IST-DEEC Manipulação de Ficheiros 1 Sumário Ficheiros

Leia mais

Faculdade de Computação

Faculdade de Computação Faculdade de Computação Programação Procedimental 1 o Laboratório de Programação C Prof. Cláudio C. Rodrigues 1. Introdução O objetivo desta aula prática é exercitar o uso de variáveis de vários tipos

Leia mais

Outline. 33. Manipulação de arquivos DIM

Outline. 33. Manipulação de arquivos DIM Outline 33. Manipulação de arquivos DIM031 015.1 Leitura e escrita 3 s DIM031 33. Manipulação de arquivos 015.1 1 / 4 DIM031 33. Manipulação de arquivos 015.1 / 4 Arquivo = entidade de armazenamento de

Leia mais

Funções de Entrada e Saída

Funções de Entrada e Saída inicio Escrita no ecrã (Saída de dados) Escrever( introduza o valor do raio ) Raio Leitura do valor do raio S Raio < 0 N O utilizador insere o valor do raio (Entrada de dados do teclado) Escrita no ecrã

Leia mais

Linguagem C Ficheiros Compilação Separada

Linguagem C Ficheiros Compilação Separada Linguagem C Ficheiros Compilação Separada typedef definição de tipos Apontadores para estruturas Ficheiros na bibiloteca standard do C Compilação Separada Definição de novos tipos em C É possível definir

Leia mais

Departamento de Informática - PUC-Rio INF 1005 Programação I P1 22/09/2010 Nota

Departamento de Informática - PUC-Rio INF 1005 Programação I P1 22/09/2010 Nota P1 22/09/2010 Matrícula: Turma: Questão 1) (3,5 pontos) O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é uma medida do bemestar de uma população. Engloba três dimensões: educação (E), longevidade (L) e a riqueza

Leia mais

Entrad Entrada / Saíd a / Saída

Entrad Entrada / Saíd a / Saída Entrada / Saída Entrada e Saída em C Entrada e saída pelo console Funções getchar e putchar Retorna ou escreve na saída padrão 1 caracter Função puts Escreve uma cadeia de caracteres na saída padrão (gets

Leia mais

Linguagem C: Introdução

Linguagem C: Introdução Linguagem C: Introdução Linguagem C É uma Linguagem de programação genérica que é utilizada para a criação de programas diversos como: Processadores de texto Planilhas eletrônicas Sistemas operacionais

Leia mais

Computação II Orientação a Objetos

Computação II Orientação a Objetos Computação II Orientação a Objetos Fabio Mascarenhas - 2014.1 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/java Introdução Esse não é um curso de Java! O objetivo é aprender os conceitos da programação orientada a objetos,

Leia mais

Leitura de Arquivos. Prof. Fabrício Olivetti de França

Leitura de Arquivos. Prof. Fabrício Olivetti de França Leitura de Arquivos Prof. Fabrício Olivetti de França Leitura de Arquivos Na linguagem C temos um tipo especial chamado FILE para trabalhar com arquivos. Abrindo e fechando um arquivo Para abrir um arquivo

Leia mais

Relatório Trabalho Final Reservas de Viagens de Avião

Relatório Trabalho Final Reservas de Viagens de Avião Programação de Microprocessadores 2011/12 Sem. Par Aluno: 34086 Relatório Trabalho Final Reservas de Viagens de Avião Este relatório tem por base o trabalho realizado nesta disciplina sobre Reservas de

Leia mais

Conteúdo programático

Conteúdo programático Introdução à Linguagem C Conteúdo programático Introdução à Linguagem C Estrutura de Programas Variáveis, Constantes Operadores, Entrada e Saída de Dados Estruturas de Desvio Estrutura de Múltipla Escolha

Leia mais

Configuração do KDevelop

Configuração do KDevelop Programação 2008/2009 MEEC - MEAer Doxygen O Doxygen é um sistema que a partir dos comentários de um programa consegue gerar a documentação (em html por exemplo) desse programa. O utilizador deverá seguir

Leia mais

Processing - Imagem 1. Processing. Imagem (PImage) Jorge Cardoso

Processing - Imagem 1. Processing. Imagem (PImage) Jorge Cardoso Processing - Imagem 1 Processing Imagem (PImage) Processing - Imagem 2 Classe PImage Imagem Utilizada para guardar e manipular imagens em memória Processing - Imagem 3 Ficheiros de Imagem Os ficheiros

Leia mais

Introdução à Linguagem C. K&R: Capitulo 1. Introdução IAED, 2014/2015 2

Introdução à Linguagem C. K&R: Capitulo 1. Introdução IAED, 2014/2015 2 Introdução Introdução à Linguagem C K&R: Capitulo 1 Desenvolvida em 1972 por Dennis Ritchie, nos Bell Labs, para utilização no sistema operativo UNIX O standard ANSI C (ISO/IEC 9899:1990) foi adoptado

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a Bitmap Font Writer

Leia mais

Sobre o Visual C++ 2010

Sobre o Visual C++ 2010 O Visual Studio é um pacote de programas da Microsoft para desenvolvimento de software, suportando diversas linguagens como C#, C++, C, Java, Visual Basic, etc. Nesta série de tutoriais vou focar apenas

Leia mais

CAP. IX - MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS Generalidades sobre Arquivos. 9.2 Abertura e Fechamento de Arquivos. Operações com arquivos:

CAP. IX - MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS Generalidades sobre Arquivos. 9.2 Abertura e Fechamento de Arquivos. Operações com arquivos: CAP. IX - MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS 9.1 Generalidades sobre arquivos 9.2 Abertura e fechamento de arquivos 9.3 Arquivos textos e arquivos binários 9.4 Leitura e escrita em arquivos binários 9.5 Procura direta

Leia mais

ESTRUTURAS COMPOSTAS. Variáveis Compostas Unidimensionais VETOR. Baseado nos slides de Rosely Sanches e Simone Senger de Souza

ESTRUTURAS COMPOSTAS. Variáveis Compostas Unidimensionais VETOR. Baseado nos slides de Rosely Sanches e Simone Senger de Souza ESTRUTURAS COMPOSTAS Variáveis Compostas Unidimensionais VETOR Baseado nos slides de Rosely Sanches e Simone Senger de Souza 2 ESTRUTURAS COMPOSTAS Pode-se organizar os dados dos tipos simples em tipos

Leia mais

PIP/CA - Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Computação Aplicada da UNISINOS ALGORITMOS & ESTRUTURAS DE DADOS

PIP/CA - Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Computação Aplicada da UNISINOS ALGORITMOS & ESTRUTURAS DE DADOS PIP/CA - Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Computação Aplicada da UNISINOS Disciplina de Nivelamento - 2000/1: ALGORITMOS & ESTRUTURAS DE DADOS Professor Responsável: Prof. Fernando Santos

Leia mais

Resumo da matéria: - Sintaxe da definição duma função C: - Diagramas sintácticos do if e dos mecanismos de ciclos em C:

Resumo da matéria: - Sintaxe da definição duma função C: - Diagramas sintácticos do if e dos mecanismos de ciclos em C: Aula de PGI 15.4.2014 Exercícios que envolvem ciclos e funções Resumo da matéria: - Sintaxe da definição duma função C: tipovalorretorno nomedafuncao( tipo nomevar, tipo nomevar1 ){ int v; // Aqui consta

Leia mais

Linguagem C: Arquivo-Texto

Linguagem C: Arquivo-Texto Prof. Paulo R. S. L. Coelho paulo@facom.ufu.br Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia GEQ007 Organização 1 Introdução em C 2 3 Organização Introdução em C 1 Introdução em C 2 3 Introdução

Leia mais

INF 1620 P3-29/06/04 Questão 1 Nome:

INF 1620 P3-29/06/04 Questão 1 Nome: INF 1620 P3-29/06/04 Questão 1 Considere um arquivo texto que descreve um conjunto de retângulos e círculos. Cada linha do arquivo contém a descrição de uma figura. O primeiro caractere da linha indica

Leia mais

Material sobre Funções AEDS 1

Material sobre Funções AEDS 1 Material sobre Funções AEDS 1 1 Funções - revisão Funções definem operações que são usadas frequentemente Funções, na matemática, requerem parâmetros de entrada e definem um valor de saída 2 Funções -

Leia mais

Comandos de entrada. e saída. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada.

Comandos de entrada. e saída. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada. e saída Biblioteca stdio.h Comandos Função scanf() Função gets() Função getchar() Material cedido pelo prof. Daniel Callegari scanf() Rotina de entrada que lê todos os tipos de dados. Protótipo: int scanf(const

Leia mais

1 Exercícios com ponteiros

1 Exercícios com ponteiros Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Oitava Aula Prática - 29 de outubro de 2010 O objetivo desta aula prática é exercitar ponteiros e funções. 1 Exercícios com ponteiros

Leia mais

Laboratório de Programação - Exercícios 9, 10 e 11

Laboratório de Programação - Exercícios 9, 10 e 11 Laboratório de Programação - Exercícios 9, 10 e 11 Arrays e strings, Loops João Araujo Ribeiro jaraujo@uerj.br Universidade do Estado do Rio de Janeiro Departamento de Engenharia de Sistemas e Computação

Leia mais

Linguagens de programação. Introdução ao C (continuação)

Linguagens de programação. Introdução ao C (continuação) Linguagens de programação Introdução ao C (continuação) M@nso 2003 Sumário Introdução à programação Linguagem C Repetição de instruções Ciclos com controlo inicial ciclo While ciclo For Ciclos com controlo

Leia mais

Capítulo 6: Arquivos

Capítulo 6: Arquivos Capítulo 6: Arquivos Waldemar Celes e Roberto Ierusalimschy 29 de Fevereiro de 2012 1 Funções de entrada e saída em arquivos Nos capítulos anteriores, desenvolvemos programas que capturam seus dados de

Leia mais

Programação 2010/2011 MEEC

Programação 2010/2011 MEEC Programação 2010/2011 MEEC Code::Blocks Criação de projectos O Code::Blocks é um IDE (ambiente de desenvolvimemnto integrado) que permite a escrita do codigo, compilação, correcção de erros e depuração

Leia mais

Linguagem C Princípios Básicos (parte 1)

Linguagem C Princípios Básicos (parte 1) Linguagem C Princípios Básicos (parte 1) Objetivos O principal objetivo deste artigo é explicar alguns conceitos fundamentais de programação em C. No final será implementado um programa envolvendo todos

Leia mais

Programação Básica. Estrutura de um algoritmo

Programação Básica. Estrutura de um algoritmo Programação Básica Estrutura de um algoritmo Código-fonte Como vimos na aula anterior um algoritmo pode ser representado usando um fluxograma Um algoritmo pode também ser representado usando texto Esse

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2009 / 2010

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2009 / 2010 Departamento de Engenharia Electrotécnica PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2009 / 2010 Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e Computadores 1º ano 2º semestre Trabalho nº 5 Funções e Vectores

Leia mais

Programação 2009/2010 MEEC MEAer

Programação 2009/2010 MEEC MEAer Programação 2009/2010 MEEC MEAer Guia para criação de um projecto no KDevelop O ambiente de desenvolvimento de software (IDE) a usar durante a unidade curricular de Programação é o KDevelop, que se executa

Leia mais

Conceito de procedimentos e funções

Conceito de procedimentos e funções Tópicos Introdução Como funcionam as funções Declaração de funções Exemplo de funções 1 Introdução As funções, são unidades de código desenhadas para cumprir uma determinada tarefa. Até agora, já utilizamos

Leia mais

Algoritmos e Introdução à Programação. Lógica e Linguagem de Programação

Algoritmos e Introdução à Programação. Lógica e Linguagem de Programação Algoritmos e Introdução à Programação Lógica e Linguagem de Programação Prof. José Honorato Ferreira Nunes honoratonunes@softwarelivre.org http://softwarelivre.org/zenorato/honoratonunes Linguagem C Prof.

Leia mais

Linguagem C Entrada/Saída (console)

Linguagem C Entrada/Saída (console) Linguagem C Entrada/Saída (console) Objetivos Nos artigos anteriores foram utilizadas as funções scanf() e printf(), porém não entramos em maiores detalhes. Agora estudaremos essas e outras funções de

Leia mais

Métodos Computacionais. Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados

Métodos Computacionais. Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados Métodos Computacionais Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados Tópicos da Aula Hoje aprenderemos a escrever um programa em C que pode realizar cálculos Conceito de expressão Tipos de

Leia mais

Introdução à Computação II AULA 08 BCC Noturno - EMA896115B

Introdução à Computação II AULA 08 BCC Noturno - EMA896115B Introdução à Computação II AULA 08 BCC Noturno - EMA896115B Prof. Rafael Oliveira olivrap@gmail.com Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP Rio Claro 2014 (Sem 2) O ambiente de execução

Leia mais

Computação II Orientação a Objetos

Computação II Orientação a Objetos Computação II Orientação a Objetos Fabio Mascarenhas - 2016.2 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/java Introdução Esse não é um curso de Java! O objetivo é aprender os conceitos da programação orientada a objetos,

Leia mais

Linguagem e Técnicas de Programação

Linguagem e Técnicas de Programação Linguagem C Função Prof. Edwar Saliba Júnior Fevereiro de 2011 Unidade 07 Função 1 Conceitos As técnicas de programação dizem que, sempre que possível, evite códigos extensos, separando o mesmo em funções,

Leia mais

Introdução à Programação. Introdução a Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes

Introdução à Programação. Introdução a Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes Introdução à Programação Introdução a Linguagem C Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br Resumo da aula Introdução Variáveis Tipos de dados Operadores e Expressões: Operadores

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 6: Cadeias de 28/03/2010

Estruturas de Dados Aula 6: Cadeias de 28/03/2010 Estruturas de Dados Aula 6: Cadeias de Caracteres 28/03/2010 Caracteres Caracteres são representados internamente por códigos numéricos Tipo char (inteiro pequeno ) 1 byte (8 bits) 256 caracteres possíveis

Leia mais

Curso de C. Introdução by Arnaldo V. Moura e Daniel F. Ferber 3/10/ :43 AM

Curso de C. Introdução by Arnaldo V. Moura e Daniel F. Ferber 3/10/ :43 AM Curso de C Introdução 1 Introdução Roteiro: Recordando Algoritmos Linguagem de Programação O computador Instruções de Máquina Níveis de Abstração Compilação 2 Algoritmos Recordando: Algoritmo: conjunto

Leia mais

Manipulação de Arquivos. Técnicas de Programação

Manipulação de Arquivos. Técnicas de Programação Manipulação de Arquivos Técnicas de Programação Agenda do Dia Noções de Manipulação de Arquivos Ponteiros para Arquivos Abrindo Arquivos Fechando Arquivos Exercícios Lendo e Escrevendo em Arquivos Noções

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÓFONA DE HUMANIDADES E TECNOLOGIAS 1º Semestre 2007/2008

UNIVERSIDADE LUSÓFONA DE HUMANIDADES E TECNOLOGIAS 1º Semestre 2007/2008 UNIVERSIDADE LUSÓFONA DE HUMANIDADES E TECNOLOGIAS 1º Semestre 2007/2008 Introdução à Programação em C 28/01/2008 Leia com atenção as perguntas e justifique cuidadosamente todas as respostas 1. Descreva,

Leia mais

Linguagem de Programação C. Arquivos Binários

Linguagem de Programação C. Arquivos Binários Arquivos Binários Cristiano Lehrer Motivação Variáveis int e float tem tamanho fixo em memória: int 2 bytes. float 4 bytes. A representação em texto dos números precisa de uma quantidade variável de caracteres:

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM PASCAL PREFÁCIO

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM PASCAL PREFÁCIO INTRODUÇÃO À LINGUAGEM PASCAL CESAR BEZERRA TEIXEIRA,MSC PREFÁCIO A linguagem C foi desenvolvida no início da década de 70 por dois pesquisadores do Bell Laboratories, Brian Kernihgan e Dennis Ritchie,

Leia mais

1 Exercícios com ponteiros

1 Exercícios com ponteiros Computação para Informática Funções e Ponteiros1 EXERCÍCIOS COM PONTEIROS Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Aula Prática - Funções e ponteiros O objetivo desta aula prática

Leia mais

Introdução à Programação em C (I)

Introdução à Programação em C (I) Introdução à Programação em C (I) IAED Tagus, 2009/2010 Organização de Ficheiros em C Organização Típica de Ficheiros em C Inclusão de bibliotecas de sistema Inclusão de bibliotecas locais Definição de

Leia mais

Faculdade Anglo-Americano Curso de Ciência da Computação Linguagem de Programação. Lista de Exercícios 1

Faculdade Anglo-Americano Curso de Ciência da Computação Linguagem de Programação. Lista de Exercícios 1 Faculdade Anglo-Americano Curso de Ciência da Computação Linguagem de Programação Lista de Exercícios 1 1. O programa seguinte tem vários erros em tempo de compilação. Encontre-os. Main() int a=1; b=2,

Leia mais

LINGUAGEM C: ARRAYS DE CARACTERES: STRINGS

LINGUAGEM C: ARRAYS DE CARACTERES: STRINGS LINGUAGEM C: ARRAYS DE CARACTERES: STRINGS Prof. André Backes DEFINIÇÃO String Sequência de caracteres adjacentes na memória. Essa sequência de caracteres, que pode ser uma palavra ou frase Em outras palavras,

Leia mais

LINGUAGEM C: ARRAYS DE CARACTERES: STRINGS

LINGUAGEM C: ARRAYS DE CARACTERES: STRINGS LINGUAGEM C: ARRAYS DE CARACTERES: STRINGS Prof. André Backes DEFINIÇÃO String Sequência de caracteres adjacentes na memória. Essa sequência de caracteres, que pode ser uma palavra ou frase Em outras palavras,

Leia mais

LINGUAGEM C: ARQUIVOS

LINGUAGEM C: ARQUIVOS LINGUAGEM C: ARQUIVOS Prof. André Backes ARQUIVOS Por que usar arquivos? Permitem armazenar grande quantidade de informação; Persistência dos dados (disco); Acesso aos dados poder ser não seqüencial; Acesso

Leia mais

PROGRAMAÇÃO COM ARQUIVOS PROF. MARCOS QUINET (BASEADO NO MATERIAL ORIGINAL DO PROF. ANDRÉ RENATO) Arquivos binários

PROGRAMAÇÃO COM ARQUIVOS PROF. MARCOS QUINET (BASEADO NO MATERIAL ORIGINAL DO PROF. ANDRÉ RENATO) Arquivos binários PROGRAMAÇÃO COM ARQUIVOS PROF. MARCOS QUINET (BASEADO NO MATERIAL ORIGINAL DO PROF. ANDRÉ RENATO) Arquivos binários VISÃO GERAL Os arquivos binários se diferenciam dos arquivos textos, pois os dados lidos

Leia mais

Disciplina de Algoritmos e Programação

Disciplina de Algoritmos e Programação Disciplina de Algoritmos e Programação Aula Passada Prática com declaração e inicialização de variáveis Capacidade de representação (estouro de representação) Tamanho ocupado pela variável na memória (comando

Leia mais

Subprogramas. (ou Sub-rotinas) em C: Procedimentos e Funções. 2015/1 Programação Básica de Computadores (INF 09325)

Subprogramas. (ou Sub-rotinas) em C: Procedimentos e Funções. 2015/1 Programação Básica de Computadores (INF 09325) Subprogramas (ou Sub-rotinas) em C: Procedimentos e Funções 2015/1 Programação Básica de Computadores (INF 09325) Archimedes Detoni www.inf.ufes.br/~archimedesdetoni archimedesdetoni@inf.ufes.br Programa

Leia mais

Strings. Introdução. Definição de strings. Criação/Declaração de strings. Inicialização de strings. Manipulação de strings. Exemplos.

Strings. Introdução. Definição de strings. Criação/Declaração de strings. Inicialização de strings. Manipulação de strings. Exemplos. Introdução Definição de strings. Criação/Declaração de strings. Inicialização de strings. Manipulação de strings. Exemplos. 1 definições Uma string é uma sequência, um conjunto, ou uma cadeia de caracteres.

Leia mais

Programação. Folha Prática 10. Lab. 10. Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal. Copyright 2010 All rights reserved.

Programação. Folha Prática 10. Lab. 10. Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal. Copyright 2010 All rights reserved. Programação Folha Prática 10 Lab. 10 Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal Copyright 2010 All rights reserved. 1. Revisão. 2. Objectivos. 3. Exercícios LAB. 10 10ª semana

Leia mais

INF 1620 P3-25/11/05 Questão 1 Nome:

INF 1620 P3-25/11/05 Questão 1 Nome: INF 1620 P3-25/11/05 Questão 1 Dizemos que uma matriz quadrada é um quadrado mágico se a soma dos elementos de cada linha, a soma dos elementos de cada coluna e a soma dos elementos de sua diagonal principal

Leia mais

Anhanguera Educacional S.A. Centro Universitário Ibero-Americano

Anhanguera Educacional S.A. Centro Universitário Ibero-Americano O C++ foi inicialmente desenvolvido por Bjarne Stroustrup durante a década de 1980 com o objetivo de melhorar a linguagem de programação C, mantendo a compatibilidade com esta linguagem. Exemplos de Aplicações

Leia mais

Programação. MEAer e LEE. Bertinho Andrade da Costa. Instituto Superior Técnico. Argumentos da linha de comando Funções recursivas

Programação. MEAer e LEE. Bertinho Andrade da Costa. Instituto Superior Técnico. Argumentos da linha de comando Funções recursivas Programação MEAer e LEE Bertinho Andrade da Costa 2010/2011 1º Semestre Instituto Superior Técnico Argumentos da linha de comando Funções recursivas Programação 2010/2011 DEEC-IST Arg. da linha de comando;

Leia mais

Introdução à Programação C

Introdução à Programação C Introdução à Programação C Fabio Mascarenhas - 2014.2 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/introc Vetores Para vários problemas precisamos de uma maneira de representar uma sequência de valores com um número

Leia mais

Arquivos em C Parte 2

Arquivos em C Parte 2 Universidade de São Paulo São Carlos Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Arquivos em C Parte 2 Profa Rosana Braga Material preparado pela profa Silvana Maria Affonso de Lara 1º semestre de

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE TOMAR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA 2005/2006. 0.5 Valores

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE TOMAR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA 2005/2006. 0.5 Valores ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE TOMAR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO (ENG. INFORMÁTICA) COMPUTADORES E PROGRAMAÇÃO I (ENG. ELECTROTÉCNICA) 2005/2006 TRABALHO PRÁTICO Nº

Leia mais

ESTRUTURAS CONDICIONAIS. Baseado nos slides de autoria de Rosely Sanches e Simone Senger de Souza

ESTRUTURAS CONDICIONAIS. Baseado nos slides de autoria de Rosely Sanches e Simone Senger de Souza ESTRUTURAS CONDICIONAIS Baseado nos slides de autoria de Rosely Sanches e Simone Senger de Souza Estruturas de Controle ESTRUTURA SEQUENCIAL ESTRUTURA CONDICIONAL ESTRUTURA DE REPETIÇÃO 2 Estruturas Condicionais

Leia mais

ESTRUTURAS COMPOSTAS VETOR

ESTRUTURAS COMPOSTAS VETOR ESTRUTURAS COMPOSTAS Variáveis Compostas Unidimensionais VETOR slides desenvolvidos pela Profa. Rosely Sanches 2 ESTRUTURAS COMPOSTAS Pode-se organizar tipos simples em tipos mais complexos formando as

Leia mais

Estruturas de Dados. Módulo 15 - Arquivos. 2/6/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1

Estruturas de Dados. Módulo 15 - Arquivos. 2/6/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Estruturas de Dados Módulo 15 - Arquivos 2/6/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Referências Waldemar Celes, Renato Cerqueira, José Lucas Rangel, Introdução a Estruturas de Dados, Editora Campus (2004)

Leia mais

Sub-rotinas. 2014/2 Programação Básica de Computadores (INF 09325) Freddy Brasileiro

Sub-rotinas. 2014/2 Programação Básica de Computadores (INF 09325) Freddy Brasileiro Sub-rotinas 2014/2 Programação Básica de Computadores (INF 09325) Freddy Brasileiro www.inf.ufes.br/~fbrasileiro fbrasileiro@inf.ufes.br Programa / Bibliografia 4. Sub-programas e funções 1. Funções e

Leia mais

Programação de Sistemas Carris

Programação de Sistemas Carris Programação de Sistemas Carris Programação de Sistemas Carris : 1/18 Problema (1) A fim de incentivar os alfacinhas a deslocar na cidade de Volvo, a Carris-Companhia de Carris de Ferro de Lisboa decidiu

Leia mais

Linguagem C (repetição)

Linguagem C (repetição) Linguagem C (repetição) André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Exercício Escrever um programa que conte (mostre na tela) os números de 1 a 100. Comandos aprendidos até o momento: printf, scanf, getchar,

Leia mais

Introdução à Programação em C

Introdução à Programação em C Introdução à Programação em C Tipos e Operadores Elementares Estruturas de Controlo Resumo Novidades em C Exemplo: Factorial Tipos de Dados Básicos Saltos Condicionais: if-then-else Valor de retorno de

Leia mais

Cap Escrever uma função que aceite como parâmetro um número inteiro e retorne o número que corresponde a trocar os dígitos do parâmetro (por exe

Cap Escrever uma função que aceite como parâmetro um número inteiro e retorne o número que corresponde a trocar os dígitos do parâmetro (por exe Cap 1 - Escreva um programa que leia um número real e escreva, separadamente, a sua parte inteira e a sua parte fraccionária. - Escreva um programa que leia um número real e positivo e o converta para

Leia mais

A linguagem C (visão histórica)

A linguagem C (visão histórica) A linguagem C (visão histórica) A linguagem C é uma linguagem de programação desenvolvida no ínício dos anos 70 por Dennis Ritchie, que trabalhava nos laboratórios Bell e que também inciou em paralelo,

Leia mais

1ª Lista de Exercícios

1ª Lista de Exercícios Universidade Federal do Rio de Janeiro Data: 26/04/05 Disciplina: Computação I 1ª Lista de Exercícios 1) Faça um programa, em pseudo-código, que peça ao usuário que informe n números reais e então calcule

Leia mais

Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Terceira Aula Prática - 10 de setembro de 2010

Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Terceira Aula Prática - 10 de setembro de 2010 Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Terceira Aula Prática - 10 de setembro de 2010 1 O comando while Para fazer os exercícios desta aula prática você irá precisar de um

Leia mais

Programação Estruturada I

Programação Estruturada I Programação Estruturada I Introdução a Linguagem C Prof. Thiago Caproni Tavares 1 Prof. Mateus dos Santos 2 1 thiago.tavares@ifsuldeminas.edu.br 2 mateus.santos@ifsuldeminas.edu.br Última Atualização:

Leia mais

TUTORIAL SIMPLIFICADO DE MATLAB

TUTORIAL SIMPLIFICADO DE MATLAB TUTORIAL SIMPLIFICADO DE MATLAB Esse tutorial visa apresentar apenas as funções mais utilizadas pelo grupo. O Matlab suporta várias funções de entrada e saída de arquivos da linguagem C. Tais funções incluem

Leia mais

Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Segunda Prova - 23a de junho de 2008

Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Segunda Prova - 23a de junho de 2008 Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Segunda Prova - 23a de junho de 2008 Nome: Assinatura: 1 a Questão: (2.0 pontos) Números Aleatórios Escreva um programa que gere N números

Leia mais

O que é um apontador em C (type pointer in C)?

O que é um apontador em C (type pointer in C)? O que é um apontador em C (type pointer in C)? Um apontador é uma variável que contém um endereço de outra variável. int x = 10;//variável inteira iniciada com o valor 10 int *px = &x;//variável apontadora

Leia mais

INF1005: Programação 1. Arquivos. 02/05/10 (c) Paula Rodrigues 1

INF1005: Programação 1. Arquivos. 02/05/10 (c) Paula Rodrigues 1 INF1005: Programação 1 Arquivos 02/05/10 (c) Paula Rodrigues 1 Tópicos Principais Motivação Abertura e fechamento de arquivos Leitura com fscanf Escrita com fprintf 08/03/10 (c) Paula Rodrigues 2 Motivação

Leia mais

Programação: Vetores

Programação: Vetores Programação de Computadores I Aula 09 Programação: Vetores José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/62 Motivação Problema Faça um programa que leia

Leia mais

Introdução. Manipulação de arquivos em C. Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza

Introdução. Manipulação de arquivos em C. Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza Introdução Manipulação de arquivos em C Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza Manipulação de Arquivo em C Existem dois tipos possíveis de acesso a arquivos na linguagem C : sequencial (lendo

Leia mais

Aula 16. Ficheiros de texto

Aula 16. Ficheiros de texto Aula 16 Aprender Empreender 1 Ficheiros de texto Ficheiros de texto Nos ficheiros de texto a informação é guardada sob a forma de linhas de texto, separadas por um carácter terminador de linha, '\n' (

Leia mais

Universidade de São Paulo São Carlos Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. Arquivos em C

Universidade de São Paulo São Carlos Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. Arquivos em C Universidade de São Paulo São Carlos Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Arquivos em C 1 Material preparado pela profa Silvana Maria Affonso de Lara 2º semestre de 2010 ROTEIRO DA AULA Arquivos

Leia mais

Variáveis e Comandos de Atribuição

Variáveis e Comandos de Atribuição BCC 201 - Introdução à Programação Variáveis e Comandos de Atribuição Guillermo Cámara-Chávez UFOP 1/47 Estrutura Básica de um programa C I < d i r e t i v a s do pré p r o c e s s a d o r > < d e c l

Leia mais

Apêndice B. Cadeias de Caracteres (Strings)

Apêndice B. Cadeias de Caracteres (Strings) Apêndice B. Cadeias de Caracteres (Strings) Até agora, quando desejávamos indicar o número de elementos existentes em um vetor qualquer, utilizávamos uma variável inteira, digamos tam, para armazenar tal

Leia mais

Licenciatura em Eng.ª Informática Sistemas Operativos - 2º Ano - 1º Semestre. Trabalho Nº 1 - Linux e C

Licenciatura em Eng.ª Informática Sistemas Operativos - 2º Ano - 1º Semestre. Trabalho Nº 1 - Linux e C Trabalho Nº 1 - Linux e C 1. Introdução O sistema Linux e a linguagem C são as ferramentas essenciais de aprendizagem na cadeira de Sistemas Operativos. O sistema Linux é hoje em dia utilizado por milhões

Leia mais

Ficheiros de texto 1. Ficheiros de texto. 1. Implementar um programa que leia uma frase do teclado e a escreva num ficheiro.

Ficheiros de texto 1. Ficheiros de texto. 1. Implementar um programa que leia uma frase do teclado e a escreva num ficheiro. Ficheiros de texto 1 Ficheiros de texto 1. Implementar um programa que leia uma frase do teclado e a escreva num ficheiro. 2. Implementar um programa que procure num ficheiro uma palavra lida do teclado.

Leia mais

Métodos Computacionais. Arquivos

Métodos Computacionais. Arquivos Métodos Computacionais Arquivos Arquivos Um arquivo representa um elemento de informação armazenado em memória secundária (disco) Características: Informações são persistidas Atribui-se nomes aos elementos

Leia mais

Manual do Usuário - JIDOSHA

Manual do Usuário - JIDOSHA Manual do Usuário - JIDOSHA Biblioteca de Software para Reconhecimento Automático de Placas Veiculares Versão 1.5.18 Última atualização: 2015/07 1 Visão Geral 1.1 Condições Gerais 1.2 Licença de software

Leia mais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Programação com linguagem C

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Programação com linguagem C Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Programação com linguagem C 1 Variáveis na linguagem C: tipo char O tipo char representa um caractere ASCII (ocupa só 1 byte) int main(int argc, char **

Leia mais

Ambiente de desenvolvimento

Ambiente de desenvolvimento Linguagem C Ambiente de desenvolvimento Um programa em C passa por seis fases até a execução: 1) Edição 2) Pré-processamento 3) Compilação 4) Linking 5) Carregamento 6) Execução Etapa 1: Criação do programa

Leia mais

O pré-processador executa transformações controladas no arquivo fonte antes da compilação. Os comandos (sentenças) sempre são iniciados por #.

O pré-processador executa transformações controladas no arquivo fonte antes da compilação. Os comandos (sentenças) sempre são iniciados por #. O modificador static Se o modificador static for utilizado na declaração de uma variável local em uma função, essa variável não perderá seu valor entre chamadas à função. void rot1() { static int var1=0;

Leia mais

modificador h instrui a função printf( ) a exibir um short int. Portanto, %hu indica que o dado é do tipo short unsigned int.

modificador h instrui a função printf( ) a exibir um short int. Portanto, %hu indica que o dado é do tipo short unsigned int. modificador h instrui a função printf( ) a exibir um short int. Portanto, %hu indica que o dado é do tipo short unsigned int. O modificador l também pode prefixar os comandos em ponto flutuante de e, f

Leia mais

Capítulo 06: Arquivos

Capítulo 06: Arquivos Capítulo 06: Arquivos INF1004 e INF1005 Programação 1 Pontifícia Universidade Católica Departamento de Informática Funções de entrada e saída em arquivos Motivação: quando um programa precisa processar

Leia mais

Exercícios: Arquivos

Exercícios: Arquivos Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de programação em linguagem C Exercícios: Arquivos 1. Codifique, compile e execute um programa que: (a) crie/abra

Leia mais

4 MDP. void média e dp(int a[],int n,float em,float ed) 7. Variáveis auxiliares 7. Faça ed igual ao desvio padrão 6 }

4 MDP. void média e dp(int a[],int n,float em,float ed) 7. Variáveis auxiliares 7. Faça ed igual ao desvio padrão 6 } 1 MDP INTRODUCÃO 1 1. Introducão. Esta é uma demonstração do sistema CWEB (veja http://www.ime.usp.br/~pf/ CWEB/) de Knuth e Levy. Um programa CWEB, como este que você está lendo, é uma espécie de jogo

Leia mais