ÍNDICE. Prefácio. História. Divisão Política e Administrativa. Dados Gerais 13. População e Habitação. Educação. Economia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE. Prefácio. História. Divisão Política e Administrativa. Dados Gerais 13. População e Habitação. Educação. Economia"

Transcrição

1

2

3 ÍNDICE Prefácio 2 História 5 Divisão Política e Administrativa 9 Dados Gerais 13 Clima 17 População e Habitação 21 Educação Saúde 33 Economia 27 41

4 Angola em Números 2015 Prefácio A ideia de publicar, anualmente, uma edição de bolso que inclua os principais indicadores estatísticos dos sectores económico e social produzidos pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) nasceu da carência de publicações do género em Angola. Publicações de fácil manuseio e sempre disponíveis pelo seu tamanho. Este tipo de publicação torna-se um instrumento de apoio para qualquer momento, em que cada um de nós possa precisar de informação estatística sobre Angola. A publicação Angola em Números, referente ao ano de 2015, tem um carácter especial, pois, para além das informações sobre os Resultados Preliminares do Recenseamento Geral da População e Habitação (RGPH 2014), que continuamos a publicar até que os Resultados Finais sejam publicados, inserimos também o resultado das Contas Nacionais definitivas para o ano de 2013 como principais destaques. O ano de 2015 constituirá, de facto, um marco para o país e para o INE em particular. Para além da esperada publicação dos Resultados Definitivos do RGPH 2014, é o ano em que foi possível alargar o Índice de Preços no Consumidor (IPC) para todo o país, para além de Luanda. De igual modo, deu-se início a melhoria dos processos de recolha de informação estatística através de um método mais prático e eficiente que permite a disponibilidade dos resultados de forma célere. Referimo-nos ao sistema de captura através de dispositivos móveis. Esta ferramenta representa o futuro e garante uma melhor qualidade de informação quer na recolha como na etapa de análise. Contamos, ainda em 2015, dar início a produção e publicação de um dos indicadores macros económicos mais relevantes ou seja o PIB Trimestral através da compilação, produção e publicação das Contas Nacionais Trimestrais. Desta forma, o INE confere à todos os seus usuários a liberdade suficiente para, cada vez mais, em posse de informação relevante, analisarem o estado de situação do país na esfera socioeconómica, monitorando e avaliando o efeito das políticas, programas e projectos públicos sobre o bem-estar da população. Tendo em vista a sua obrigação legal, o INE sentir-se-á no caminho certo quando a maioria dos usuários da informação que produz ver as suas necessidades de informação satisfeitas e, de forma sustentável, poderem criticar ou comparar as informações disponibilizadas. Camilo Ceita Director-Geral do INE 2

5

6

7 Angola em Números

8 Angola em Números 2015 A Independência Nacional de Angola No princípio dos anos 1960, três movimentos de libertação Frente Nacional de Libertação de Angola (UPA/FNLA), Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) e União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) desencadearam uma luta armada contra o colonialismo português. O governo de Portugal (uma ditadura desde 1926), recusou-se a dialogar e prosseguiu na defesa até ao limite do último grande império colonial europeu. Para África foram mobilizados centenas de milhares de soldados. Enquanto durou o conflito armado, Portugal procurou consolidar a sua presença em Angola, promovendo a realização de importantes obras públicas. A produção industrial e agrícola conheceu neste território um desenvolvimento impressionante. A exploração do petróleo de Cabinda iniciou-se em 1968, representando em 1973 cerca de 30% das receitas das exportações desta colónia. Entre 1960 e 1973 a taxa de crescimento do PIB (produto Interno Bruto) de Angola foi de 7% ao ano. Na sequência do derrube da ditadura em Portugal (25 de Abril de 1974), abriram-se perspectivas imediatas para a independência de Angola. O novo governo revolucionário português abriu negociações com os três principais movimentos de libertação (MPLA, FNLA e UNI- TA, o período de transição e o processo de implantação de um regime democrático em Angola (Acordos de Alvor, Janeiro de 1975). No dia 11 de Novembro de 1975, o Alto-comissário e Governador- Geral de Angola, almirante Leonel Cardoso, em nome do Governo Português, proclamou a independência de Angola, transferindo a soberania de Portugal, para o Povo Angolano, de forma efectiva a partir de 11 de Novembro de O controlo de Angola estava dividido pelos três maiores grupos nacionalistas MPLA, UNITA e FNLA, pelo que a independência foi proclamada unilateralmente, pelos três movimentos. O MPLA que controlava a capital, Luanda, proclamou a Independência da República Popular de Angola às 23:00 horas do dia 11 de Novembro de 1975, pela voz de Agostinho Neto dizendo, diante de África e do mundo proclamo a Independência de Angola, culminando assim o 6

9 Angola em Números 2015 périplo independentista, iniciado no dia 4 de Fevereiro de 1961, com a luta de libertação nacional, estabelecendo o governo em Luanda com a Presidência entregue ao líder do movimento. Holden Roberto, líder da FNLA, proclamava a Independência da República Popular e Democrática de Angola à meia-noite do dia 11 de Novembro, no Ambriz. Nesse mesmo dia, a independência foi também proclamada em Nova Lisboa (Huambo), por Jonas Savimbi, líder da UNITA. A proclamação da independência de Angola, não satisfez na totalidade as expectativas de paz do povo angolano, pois esta não marcou o início da paz, mas sim o reacender de uma nova guerra aberta entre o novo governo constituído e os dois movimentos (FNLA e UNITA) que também lutavam pelo controlo do país. Cada um dos envolvidos na guerra tinha o apoio de potências estrangeiras, dando ao conflito uma dimensão internacional. Entretanto, a 10 de Setembro de 1979, morre o presidente Agostinho Neto em Moscovo e é sucedido pelo engenheiro José Eduardo dos Santos, que assume os destinos do país mergulhado numa guerra fratricida e feroz. No fim dos anos 1990, o regime passou para um sistema de democracia multipartidária e uma economia de mercado. UNITA e FNLA aceitaram participar no regime novo e concorreram às primeiras eleições realizadas em Angola, em 1992, das quais o MPLA saiu como vencedor. Não aceitando os resultados destas eleições, a UNITA retomou de imediato a guerra, mas participou ao mesmo tempo no sistema político. Esta guerra durou até 2002 e terminou com a morte, em combate, do líder histórico da UNITA, Jonas Savimbi. Assumindo raramente o carácter de uma guerra regular, ela consistiu no essencial de uma guerra de guerrilha que nos anos 1990 envolveu praticamente o país Logo a seguir a morte do seu líder histórico, a UNITA abandonou as armas, sendo os seus militares desmobilizados ou integrados nas Forças Armadas Angolanas. Tal como a FNLA, passou a concentrar-se na participação, como partido, no parlamento e outras instâncias políticas. Fonte: Ensino de Alfabetização - Módulo 3; 7

10

11

12 Angola em Números 2015 Província Capital Municípios Cabinda Cabinda Buco-zau, Belize, Cabinda, Cacongo (Ex. Lândana) Zaire M banza Congo Soyo, Tomboco, Nzeto, Nóqui, Mbanza Congo, Cuimba. Uíge Uíge Maquela do Zombo, Quimbele, Damba, Buengas, Santa Cruz, Sanza Pombo, Puri, Bungo, Mucaba, Uíge, Negage, Quitexe, Ambuila, Songo, Bembe, Cangola. Luanda Luanda Luanda, Icolo Bengo, Cazenga, Belas, Quissama, Viana, Cacuaco. Cuanza- Norte N dalatando Ndala- Cuanza- Sul Sumbe Bolongongo, Ambaca, Quiculungo, Samba Caju, Banga, Gonguembo, Cambambe, Golungo alto, Lucala, Cazengo. Porto Amboim, Sumbe, Seles, Conda, Amboim, Quilenda, Libolo, Quibala, Ebo, Cela (Ex. Waku Cungo), Cassongue, Mussende. Malanje Malanje Massango, Marimba, Cunda-dia-baze, Caombo, Calandula, Cacuso, Malanje, Kivaba Nzogi, Mucari, Quela, Cangandala, Cambudi-catembo, Luquembo, Quirima. Lunda- Norte Lucapa Xá-Muteba, Cuango, Capenda- Camulemba, Lubalo, Caungula, Cuilo, Chitato, Lucapa, Cambulo. Benguela Benguela Lobito, Benguela, Bocoio, Balombo, Ganda, Cubal, Caimbambo, Baía farta, Chongoroi, Catumbela. Huambo Huambo Tchindjenje, Ukuma, Longonjo, Ekunha, Londuimbali, Bailundo, Mungo, Huambo, Caála, Tchikala-Tcholohanga, Katchiungo. 10

13 Angola em Números 2015 Província Capital Municípios Bié Kuito Andulo, Nharea, Cunhinga, Chinguar, Chitembo, Kuito, Catabola, Camacupa, Cuemba. Moxico Luena Luena, Cameia, Luau, Luacano, Alto Zambeze, Leua, Camanongue, Luchazes, Lumbala Nguimbo (Bundas). Cuando Cubango Menongue Cuchi, Menongue, Cuangar, Nankova, Cuito cuanavale, Mavinga, Calai, Dirico, Rivungo. Namibe Namibe Namibe, Camacuio, Virei, Tombua, Bibala. Huíla Lubango Quilengues, Lubango, Humpata, Chibia, Gambos (Ex. Chiange), Quipungo, Caluquembe, Caconda, Cacula, Chicomba, Matala, Jamba, Chipindo, Cuvango. Cunene Onjiva Cuanhama, Curoca, Cahama, Ombadja, Cuvelai, Namacunde. Lunda-Sul Saurimo Cacolo, Dala, Saurimo, Muconda. Bengo Caxito Ambriz, Nambuangongo, Dande, Bulaatumba, Dembos-Quibaxe, Pango- Aluquem. 11

14

15

16 Angola em Números 2015 Símbolos Nacionais Bandeira Nacional Insígnia Localização Costa ocidental da África austral Coordenadas geográficas 12º 30 S, 18º 30 E Capital Cidade mais populosa Língua Governo Presidente Vice-presidente Govenadores João Marcelino Tyipinge Ernesto Muangala Candida Maria Guilherme Narciso Isaac Francisco Maria dos Anjos Aldina Matilde Barros da Lomba Katembo Graciano Francisco Domingos Norberto Fernandes dos Santos João Bernardo de Miranda Alvaro Manuel Boavida Neto António Didalelwa Kundi Paihama Francisco Higino Lopes Carneiro Luanda Luanda A língua oficial é o português, falado por 85% da população, com maior predominância para a população residente nas áreas urbanas. Angola tem várias línguas nacionais e o Umbundo é o mais falado 29%, seguindose o Kimbundu 10% e O Kikongo 9% (IBEP, 2008/09) Presidencialista - Parlamentar José Eduardo dos Santos Manuel Vicente Províncias Huíla Norte Lunda Sul Benguela Cabinda Luanda Malenje Bengo Bié Cunene Huambo Cuando Cubango Henrique André Junior 14 Cuanza Norte Continuação

17 Angola em Números 2015 Eusébio de Brito Teixeira João Ernesto dos Santos Rui Falcão Pinto de Andrade Paulo Pombolo José Joana André Cuanza Sul Moxico Namibe Uíge Zaize Mais Independência 11 de Novembro de 1975 Área total 1.246,700 km 2 Fronteira W - Oceano Atlântico; N - República do Congo (Brazaville) e República Democrática do Congo (Kinshasa) E - República da Zâmbia e República Democrática do Congo; S - República da Namíbia. Extensão das fronteiras: Total km; Marítima: 1.600km; Terrestre: 4.837km. População Censo Hab. (Anuário Estatístico 1973) Censo Geral 2014 Densidade Populacional Hab. (Resultados Preliminares) 19 hab./km 2 (Resultados Preliminares do Censo 2014) Indicadores Sociais Esperança de vida 48 anos (IBEP ) Mortalidade infantil 112,6/mil nasc. (Projecção da População ) Alfabetização 68,6% (QUIBB 2011) Moeda Fuso horário Cód. internet Kwanza (Akz) WAT (UTC+1).ao Cód. telef +244 Alguns Recursos Naturais Petróleo, diamantes, minério de ferro, fosfatos, cobre, feldspato, ouro, bauxite e urânio. 15

18

19

20 Angola em Números 2015 Clima de algumas cidades Altitude (m) Temperatura média do ar (Cº Temperatura máxima (Cº) Temperatura mínima (Cº) Precipitação (mm) Humidade relativa (%) Mês mais quente Mês mais frio Caconda Cela Lobito Luanda Luena M banza M Banza Congo Ndalatando N Dalatando Porto Amboim Uíge ,0 20,5 24,2 24,4 20,9 21,8 22,8 24,1 22,3 26,3 33,5 35,0 36,1 35,0 37,7 37,0 32,6 34,6 Angola encontra-se na zona intertropical sul (Trópico de Capricórnio, a sul, e Equador, a norte) e é influenciada pelos factores climáticos gerais comuns à zona geográfica de localização (radiação solar, latitude, circulação geral da atmosfera) e pelos factores regionais e locais (Oceano 13,7 5,5 10,4 14,0 2,7 12,0 6,0 12,9 8, Outubro Setembro Abril Março Outubro Março Março Março Abril Junho Junho Julho Julho Junho Julho Agosto Julho Agosto Atlântico, especialmente a corrente fria de Benguela, topografia, exposição, etc.), cujos efeitos, em muitos casos, prevalecem sobre os primeiros. A fronteira marítima, com Km, e a latitude média determinam a existência de duas grandes regiões climáticas, com os seguintes sub-climas: 18

21 Angola em Números 2015 Litoral Clima tropical seco, a norte, e desértico, a sul, engloba uma faixa litoral influenciada pela corrente fria de Benguela, com precipitações anuais que variam entre os 50mm (Namibe) e os 800mm (Cabinda), uma humidade relativa superior a 30% e temperatura média anual superior a 23Cº; Interior Compreende três subzonas: a) Tropical húmido: abrange a zona norte interior e o nordeste, com precipitações abundantes e temperatura elevada; b) Tropical modificado pela altitude, abrange as regiões altas do planalto central e caracteriza-se por temperaturas médias inferiores a 19oC, temperaturas baixas na estação seca e no sudoeste grandes amplitudes térmicas diárias; compreendida entre os 500mm e os 800mm e temperaturas baixas durante o período nocturno da estação seca. c) Semiárido no sudoeste, com uma pluviosidade média anual Fonte: 19

22

23

24

25 Angola em Números 2015 Luanda Huila Benguela Huambo Cuanza Sul Uíge Bié Malanje Cunene Lunda Norte Moxico Cabinda Zaire Cuando Cubango Lunda Sul Namibe Cuanza Norte Bengo Gráfico 1 - Distribuição da população residente por província, RGPH Gráfico 2 - População residente por sexo, RGPH 2014 Mulheres Homens 52% 48% 23

26 Angola em Números 2015 % 60 Gráfico 3 - Distribuição percentual da população residente por província, segundo o sexo, RGPH 2014 Homens Mulheres 50 Angola Cabinda Zaire Cuanza Norte Malanje Moxico Cuando Cubango Namibe Cuanza Sul Bie Huila Huambo Benguela Cunene Uige Luanda Cuanza Norte Cuanza Sul Malanje Lunda Norte Benguela Huambo Moxico Cuando Cubango Gráfico 4 - Índice de masculinidade, segundo a província, RGPH 2014 Lunda Norte 105,7 Zaire 98,8 Bengo 98,4 Lunda Sul 96,7 Uige 96,1 Luanda 96,0 Cabinda 96,0 Namibe 95,4 95,1 94,7 94,5 93,3 93, Bie 90,6 90,3 90,3 89,4 87,6 Huila Cunene Lunda Sul Bengo 24

27 Angola em Números 2015 Gráfico 5 - Densidade demográfica, segundo a província, RGPH 2014 Luanda 347,4 Cabinda 94,4 Huambo 56,9 Benguela 51,9 Cuanza Sul 32,3 Huila 29,9 Uige 22,8 Cuanza Norte 20,9 Bie 18,9 Bengo 17,3 Zaire 13,5 Cunene 12,5 Malanje 11,2 Namibe 8,2 Lunda Norte 8,1 Lunda Sul 6,2 Moxico 3,6 Cuando Cubango 2,

28

29

30

31 Angola em Números 2015 Gráfico 1 - Proporção da população com 5 ou mais anos de idade, segundo o nível de ensino atingido, QUIBB 2011 % ,4 88,1 68,4 63,1 51,9 81,1 Angola Urbana Rural ,1 22,2 17,8 10 5,4 7,4 4,2 9,0 11,9 2,4 2,4 3,9 0,1 0 Alguma vez frequentou a escola Iniciação Ensino primário Ensino Secundário 1º ciclo Ensino Secundário 2º ciclo Ensino superior % Gráfico 2 - Taxa de frequência escolar, segundo o sexo e a idade, QUIBB 2011 Homens Mulheres anos anos anos anos anos anos anos anos anos anos anos 50 ou + anos 29

32 Angola em Números Gráfico 3 - Númeno de professores no Ensino Primário e Secundário , QUIBB Ensino Primário I Ciclo II Ciclo Gráfico 4 - Proporção da população com 15 ou mais anos de idade que sabe ler e escrever, segundo o sexo, QUIBB 2011 Homens Angola 56,6 81,8 Mulheres Urbana 77,3 94,2 Rural 29,7 65, % 30

33 Angola em Números 2015 % 60 53,7 Gráfico 5 - Taxa líquida de frequência no ensino secundário por província, QUIBB , ,1 24,2 Angola Luanda 21,1 20,3 18,8 18,3 18,2 17,5 16,9 16,6 15,3 14,3 13,9 13,5 10,5 10,0 Cabinda Zaire Namibe Malanje Huíla Benguela Cuanza Norte Cuanza Sul Lunda Norte Lunda Sul Cuando Cubango Cunene Bengo Uíge Moxico Huambo Bié 31

34

35

36

37 Angola em Números 2015 % 25 Gráfico 1 - Agregados familiares com pessoas com alguma deficiência, segundo a província, QUIBB ,9 20,0 17,2 17,6 18,0 % Cabinda 12,4 56,4 52,3 14,7 14,9 10,1 Zaire Uíge Luanda Cuanza Norte Cuanza Sul Malange 14,5 7,2 12,5 14,7 Lunda Norte Benguela Huambo Bié Moxico Cuando Cubango Gráfico 2 - População que esteve doente nos últimos 30 dias, segundo o tipo de doença, QUIBB ,1 10,1 8,5 12,1 Namibe Huíla Cunene Lunda Sul Bengo 45,2 9,9 Urbana Rural 40 34, ,5 19,2 8,0 11,9 3,3 3,2 0 Febre ou malária Tosse D Diarreia Brônquio pulmonar Outras 35

38 Angola em Números 2015 Gráfico 3 - Mulheres com anos de idade com filhos nascidos vivos nos últimos 12 meses, segundo o número de consultas de pré-natais feitas durante a última gravidez, QUIBB 2011 % ,4 76,6 92,1 86,8 71,0 71,2 Urbana Rural 60 58, , ou mais consultas 2 ou mais consultase 3 ou mais consultas 4 ou mais consultas % Gráfico 4 - Mulheres com anos que já tiveram filhos por grupo de idade, segundo a área de residência, QUIBB ,5 17,1 27,6 24,0 27,1 22,7 14,7 13,5 12,9 14,4 Urbana Rural 10 7,0 5 3, ou + 36

39 Angola em Números 2015 Gráfico 5 - População que fez consulta nos últimos 30 dias por agente de saúde que consultou, segundo a área de residência, QUIBB 2011 % 80 74, ,8 50,6 Urbana Rural % ,7 13,3 Médico Enfermeiro Agente de Parteira ou saúde da praticante comunidade tradicional 1,2 Outros Gráfico 6 - População que teve febre ou malária, fez consulta e tomou antipalúdicos apropiados nos últimos 30 dias por província, QUIBB ,3 91,5 2,8 6,7 1,4 4, ,8 56,9 72,9 74,5 70,4 63,3 51,4 38,5 72,1 72,9 64,0 59,9 53,4 51,0 46,1 43, Cabinda Zaire Uíge Luanda Cuanza Norte Cuanza Sul Malange Lunda Norte 37 Benguela Huambo Bié Moxico Cuando Cubango Namibe Huíla Cunene Lunda Sul Bengo

40 Angola em Números 2015 Gráfico 7 - População que fez consulta nos últimos 30 dias segundo os problemas apresentados durante as consultas, QUIBB ,9% Falta de medicamentos Muito caro Falta de pessoal 66,3% 16,2% 15,6% 2,4% 6,1% Muito tempo de espera Falta de higiene Nenhum Gráfico 8 - Crianças com 0-4 anos que dormiram debaixo de uma rede de mosquiteiro durante a noite anterior ao inquérito por tipo de rede, segundo a área de residência, QUIBB 2011 % ,7 40,7 53,7 34,6 Urbana Rural 27 23, Tratada com insecticida 4,2 7,8 Não tratada 0,8 3,0 Não sabe se tratada Qualquer tipo de rede 38

41 Angola em Números 2015 Gráfico 9 - GráfCrianças com 6-59 meses de idade que tomaram vitamina A, segunda a área de residência, QUIBB 2011 % ,4 84,2 Urbana Rural ,6 15,8 0 TomaramN Não Tomaram Gráfico 10 - Crianças com 0-4 anos de idade vacinadas contra as doenças infantis por tipo de vacina, segundo a área de residência, QUIBB 2011 % Urbana ,9 Rural 86,7 87,6 89,4 87,5 84,8 81,2 81,3 83,3 80,6 78, ,8 76,3 72,8 73,7 74, Sarampo BCG DTP 1D DTP 2D DTP 3P Pólio 1 Pólio 2 Pólio 3 39

42

43

44

45 Angola em Números 2015 % Gráfico nº 1 - Distribuição de Empresas em Início de Actividade, FUE ,1 21,4 3,3 3,7 46,0 17,9 20,9 3,8 4,4 44,9 16,1 20,2 4,9 5,0 44,2 15,7 20,4 4,6 5,1 45,0 Outros Actividades Imobiliárias, Alugueres e Serviços Prestados às Empresas Transportes, Armazenagem e Comunicações Alojamento e Restauração (Restaurantes e Similares) Comércio por Grosso e a Retalho; Reparação de Veículos Automóveis, Motociclos e de Bens de Uso Pessoal e Doméstico Indústrias Transformadoras Agricultura, Produção Animal e Silviultura 0 3,1 3, ,8 3, ,0 3, ,9 3, Gráfico nº 2 - Número de Empresas Registadas, FUE

46 Angola em Números 2015 % 50,0 Gráfico nº 3 - Percentagem de Empresas Activas, FUE ,9 41,5 37, ,7 34,1 25,0 12,5 0, % 1,40 Gráfico nº 4 - Taxa de Variação Mensal do Índice de Preços no Consumidor Luanda no período ,21 1,25 1,35 1,15 1,22 1,35 1,05 0,70 0,68 0,53 0,73 0,72 0,76 0,63 0,85 0,35 0,00 Out/14 Nov/14 Dez/14 Jan/15 Fev/15 Mar/15 Abr/15 Mai/15 Jun/15 Jul/15 Ago/15 Set/15 Out/15 Taxa de Var. Mensal do IPCT Tendência do IPC 44

47 Angola em Números 2015 % 13,0 Gráfico nº 5 - Variação Homóloga do Índice de Preços no Consumidor Luanda no período ,75 6,50 3,25 0,00 Out/14 Nov/14 Dez/14 Jan/15 Fev/15 Mar/15 Abr/15 Mai/15 Jun/15 Jul/15 Ago/15 Set/15 Out/15 Gráfico nº 6 - Variação nos Preços dos Produtos Nacionais e Importados nos Últimos 12 meses % 6,50 4,88 3,25 1,63 0,00 Set/114 Out/14 Nov/14 Dez/14 Jan/15 Fev/15 Mar/15 Abr/15 Mai/15 Jun/15 Jul/15 Ago/15 Set/15 Var(%) Prod. Nac. Var(%) Prod. Import. 45

48 Angola em Números Gráfico nº 7 - Resultados Globais de Comércio Externo Exportação (FOB) Importação (CIF) Reimportação (Cif) Saldo Gráfico nº 8 - Taxa de Cobertura dos Resultados Globais de Importação e Exportação Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez

49 Angola em Números 2015 Gráfico nº 9 - Principais Parceiros de Importação 2014 Noruega Itália República da Coreia Malásia Japão Índia Bélgica Reino Unido França África do Sul Emiratos Arabes Unidos Brasil Estados Unidos da América Singapura China Portugal Gráfico nº 10 - Principais Parceiros de Exportação 2014 Brasil Itália Portugal França África do Sul Holanda Taiwan Estados Unidos da América Canadá Espanha India China

50 Angola em Números 2015 % 16 Gráfico 11 - Crescimento real do PIB, Contas Nacionais Gráfico 12 - Participação das Actividades no VAB a Preços Básicos, Contas Nacionais ,00 Serviços não Mercantis 16,2 Serviços Mercantis 24,9 Construção 10,8 Produção e Distribuição de Eléctricidade e Água 0,82 Outras Indústrias Extrativas 5,68 36,9 Agricultura, Silvicultura e Pesca 4, % 48

51 Angola em Números 2015 Fontes: Recenseamento Geral da População e da Habitação 2014; Inquérito de Indicadores Básicos de Bem-Estar 2011; Índice de Preços no Consumidor Nacional ; Contas Nacionais ; Estatística do Comércio Externo 2014; Ficheiro de Unidade Empresarial Glossário: PIB - Produto Interno Bruto; VAB - Valor Acrescentado Bruto; IPCN - índice de Preços no Consumidor Nacional; QUIBB - Inquérito de Indicadores Básicos de Bem-Estar; FUE - Ficheiro de Unidade Empresarial; RGPH - Recenseamento Geral da População e da Habitação

52

53

54 Calendário 2016 Feriados Nacionais

55

56

Prefácio. Camilo Ceita Director-geral do INE

Prefácio. Camilo Ceita Director-geral do INE ÍNDICE Prefácio 3 História 5 Divisão Política e Administrativa 11 Dados Gerais 15 Clima 19 Demografia 23 Educação 29 Condições Sociais 35 Saúde 39 Economia 47 Prefácio Esta publicação acresce-se ao leque

Leia mais

RESULTADOS PRELIMINARES

RESULTADOS PRELIMINARES RESULTADOS PRELIMINARES RECENSEAMENTO GERAL DA POPULAÇÃO E HABITAÇÃO - 2014 Resultados Preliminares do Censo 2014 1 FICHA TÉCNICA Director Geral Camilo Ceita Editor Instituto Nacional de Estatística Subcomissão

Leia mais

PRODUTOS ESPECIALMENTE DESENVOLVIDOS PARA ASFALTOS E EMULSÕES EM TODO O MUNDO

PRODUTOS ESPECIALMENTE DESENVOLVIDOS PARA ASFALTOS E EMULSÕES EM TODO O MUNDO PRODUTOS ESPECIALMENTE DESENVOLVIDOS PARA ASFALTOS E EMULSÕES EM TODO O MUNDO Produzido na Alemanha... fazemos melhores estradas C uchi i TECNOLOGIA INOVATIVA ALEMÃ PARA ADITIVOS Lândana Cabinda POR TODO

Leia mais

Recenseamento Geral da População e Habitação (RGPH) 2014

Recenseamento Geral da População e Habitação (RGPH) 2014 Recenseamento Geral da População e Habitação (RGPH) 2014 Resultados Preliminares 16 de Outubro 2014 Estrutura da apresentação 1 2 Contexto Enquadramento metodológico a b Conceitos chave Processo de apuramento

Leia mais

Public Disclosure Authorized E1041. Public Disclosure Authorized. Public Disclosure Authorized. Public Disclosure Authorized CONSULTOR :

Public Disclosure Authorized E1041. Public Disclosure Authorized. Public Disclosure Authorized. Public Disclosure Authorized CONSULTOR : E1041 Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized ANGOLA HAMSET PROJECT Pllano Esttrrattégiico de Gesttão de Resííduos hospiittallarres em Angolla DRAFT 2 Public

Leia mais

Arte Rupestre de Angola

Arte Rupestre de Angola Instituto Politécnico de Tomar (Departamento do Território, Arqueologia e Património da ESTT) Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (Departamento de Geologia) Master Erasmus Mundus em QUATERNÁRIO

Leia mais

Setor Financeiro 2011

Setor Financeiro 2011 Setor Financeiro 2011 PORTUGAL ESPANHA Brasil ANGOLA MOÇAMBIQUE Amorim contribui para o desenvolvimento das economias de Portugal, Brasil, Angola, Moçambique e Espanha. Setor Financeiro Depois de um importante

Leia mais

potência instalada de 60 MW.

potência instalada de 60 MW. ELECTRICIDADE ANEXO CARACTERIZAÇÃO DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO E TRANSPORTE SISTEMA NORTE Principais características A. Hidroeléctricos A. H. de Capanda O empreendimento dispõe de uma potência instalada de

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 4 2. CARATERIZAÇÃO GERAL DO PAÍS... 5

1. INTRODUÇÃO... 4 2. CARATERIZAÇÃO GERAL DO PAÍS... 5 Market Research & Intelligence - Angola 1. INTRODUÇÃO... 4 2. CARATERIZAÇÃO GERAL DO PAÍS... 5 2.1 CONTEXTO HISTÓRICO... 5 2.2 GEOGRAFIA... 6 2.3 PONTOS DE INTERESSE... 7 2.4 TRANSPORTE... 7 2.5 DEMOGRAFIA...

Leia mais

República de Angola Ministério da Juventude de Desportos Instituto Angolano da Juventude

República de Angola Ministério da Juventude de Desportos Instituto Angolano da Juventude República de Angola Ministério da Juventude de Desportos Instituto Angolano da Juventude CONTEÚDOS 1.Sumário do Projecto 3 2. Parceiros & Entidades Implementadoras 3 2.1 Titular do Projecto 3 2.2 Parceiros

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS EM ANGOLA. Por: Manuel Quintino Director Nacional de Recursos Hídricos Luanda, 07 de Fevereiro de 2011

RECURSOS HÍDRICOS EM ANGOLA. Por: Manuel Quintino Director Nacional de Recursos Hídricos Luanda, 07 de Fevereiro de 2011 RECURSOS HÍDRICOS EM ANGOLA Por: Manuel Quintino Director Nacional de Recursos Hídricos Luanda, 07 de Fevereiro de 2011 Área, Precipitação Média Annual, Evaporação Potencial e Escoamento Médio Anual Área

Leia mais

ANEXOS ELECTRICIDADE ÁGUAS ESTIMATIVA DE INVESTIMENTO - ENERGIA E ÁGUAS

ANEXOS ELECTRICIDADE ÁGUAS ESTIMATIVA DE INVESTIMENTO - ENERGIA E ÁGUAS ANEXOS ELECTRICIDADE ANEXO 1 - CARACTERIZAÇÃO DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO E TRANSPORTE ANEXO 2 - CENTRAIS TÉRMICAS DE ANGOLA - Plano de Emergência e de Substituição da Capacidade Alugada ANEXO 3 - NOVAS CENTRALIDADES

Leia mais

DOTAÇÃO ORÇAMENTAL POR ORGÃO

DOTAÇÃO ORÇAMENTAL POR ORGÃO Página : 76 Órgão: 311 - Despesas Com O Pessoal Civil 321 - Contribuições Do Empregador Para A Segurança Social 331 - Bens 332 - Serviços 352 - Transferencias Correntes 411 - Aquisição De Bens De Capital

Leia mais

GUIA DE NEGÓCIOS EM ANGOLA

GUIA DE NEGÓCIOS EM ANGOLA GUIA DE NEGÓCIOS EM ANGOLA FICHA TÉCNICA: Título Guia de Negócios em Angola Autor Gabinete de Advogados António Vilar e Associados António Vilar (Org.) Rua de Ceuta, 118-2º 4050-190 Porto Tel.: 00 351

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 1 INDICADOR: População residente e taxa de variação, 1991 e 2001 População Variação 1991 2001 Portugal 9867147 10356117 5,0 Alentejo 782331 776585-0,7 Alentejo Litoral

Leia mais

ANEXOS FIGURAS E QUADROS Diagnóstico da Situação

ANEXOS FIGURAS E QUADROS Diagnóstico da Situação UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO ANEXOS FIGURAS E QUADROS Diagnóstico da Situação ANÁLISE SWOT 2016 Luanda, Fevereiro de 2016 Índice de Figuras Figura 1. Regiões Académicas do Ensino Superior em Angola....

Leia mais

Uma referência no sector financeiro. SPI Criação da Sociedade Portuguesa de Investimentos. BANCO POPULAR ESPAÑOL Entrada no Banco Popular Español.

Uma referência no sector financeiro. SPI Criação da Sociedade Portuguesa de Investimentos. BANCO POPULAR ESPAÑOL Entrada no Banco Popular Español. Financial Sector Sector Financeiro Américo Amorim é um investidor respeitado no sector financeiro na Península Ibérica e com crescente intervenção em outros mercados internacionais. Para além de Portugal

Leia mais

OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS NO SUB-SECTOR SECTOR DOS DIAMANTES EM ANGOLA JULHO 2012

OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS NO SUB-SECTOR SECTOR DOS DIAMANTES EM ANGOLA JULHO 2012 OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS NO SUB-SECTOR SECTOR DOS DIAMANTES EM ANGOLA JULHO 2012 1 ÍNDICE CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA RELANÇAMENTO DO SUBSECTOR DIAMATÍNFERO APÓS A CRISE 2008 INVESTIR NO SUBSECTOR DIAMANTÍFERO

Leia mais

SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS DO INSTITUTO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS

SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS DO INSTITUTO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS DO INSTITUTO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS Por: Manuel Quintino Director-Geral do Instituto Nacional de Recursos Hídricos 3º Conselho Consultivo do Ministério da Energia e Águas

Leia mais

PROGRAMA DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS DO SECTOR DE ÁGUA E SANEAMENTO DE ANGOLA EM 2009. Apresentado por: Pedro Silva (DNA/SEA) Maio de 2009

PROGRAMA DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS DO SECTOR DE ÁGUA E SANEAMENTO DE ANGOLA EM 2009. Apresentado por: Pedro Silva (DNA/SEA) Maio de 2009 JORNADAS TÉCNICAS SUBSAHARIANAS DE ÁGUA E SANEAMENTO PROGRAMA DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS DO SECTOR DE ÁGUA E SANEAMENTO DE ANGOLA EM 2009 Apresentado por: Pedro Silva (DNA/SEA) Maio de 2009 1-CONSTRUÇÃO

Leia mais

ORÇAMENTO GERAL DO ESTADO 2016 UM OLHAR A PROVÍNCIA DE BENGUELA

ORÇAMENTO GERAL DO ESTADO 2016 UM OLHAR A PROVÍNCIA DE BENGUELA ORÇAMENTO GERAL DO ESTADO 2016 UM OLHAR A PROVÍNCIA DE BENGUELA Por: Belarmino Jelembi Benguela, 14 de Dezembro de 2015 Índice 1. Questões prévias Objectivos da sessão Conceptualização do OGE O processo

Leia mais

Informação útil sobre Angola

Informação útil sobre Angola adso Comunicação Informação útil sobre Angola Este documento e o seu conteúdo são da responsabilidade do autor. A ADSO disponibiliza-o como suporte de informação às potencialidades do mercado angolano.

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO DE AGUAS RESIDUAIS- EXPERIÊNCIA DE ANGOLA,

ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO DE AGUAS RESIDUAIS- EXPERIÊNCIA DE ANGOLA, E ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO DE AGUAS RESIDUAIS- EXPERIÊNCIA DE ANGOLA, 2000-20015 Lucrécio Costa, Katila Ribeiro Direcção Nacional de Águas Ministério de Energia e Águas Governo de Angola Conferência

Leia mais

O SISTEMA ELÉCTRICO ANGOLANO - Uma Visão Complementar -

O SISTEMA ELÉCTRICO ANGOLANO - Uma Visão Complementar - O SISTEMA ELÉCTRICO ANGOLANO Adolfo Steiger-Garção Professor Catedrático FCT-UNL / UNINOVA CTS Francisco Reis Professor ISEL / UNINOVA CTS Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appears e Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Estruturas de Investimento: Angola Catarina Nunes Agenda Introdução 1 Ficha de Angola:

Leia mais

89$ 15% k OGE 15% 100% 123% 12 00% k k 100% %100% 7.5% ANGOLA OVERVIEW 589$ k PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA

89$ 15% k OGE 15% 100% 123% 12 00% k k 100% %100% 7.5% ANGOLA OVERVIEW 589$ k PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA $ MI FMI 15 FMI 89.45 789.45 89.452 789.452 789.45 123% 123% 123% % 00% 00% 300% 300% 300 00% 23% % 15 15 7.5% 7.5%.5% 7.5% 7.5% 7.5% 7.1 9$ 7.1589 7.1589 7.1 123.250 123.250.250 89$ 89$ 10.545k 10.545k

Leia mais

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013 Angola Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 28 e 212 e perspectivas futuras Junho 213 Sumário da apresentação Produto Interno Bruto Inflação Exportações e Reservas Internacionais

Leia mais

e.mail: anip.caf@multitel.co.ao República de Angola

e.mail: anip.caf@multitel.co.ao República de Angola República de Angola 1 FORUM DE NEGOCIOS ANGOLA - ARGENTINA Córdoba, 20 de Mayo de 2010 santprata@hotmail.com 2 Slide 2/2 Quadro Legal sobre o Investimento Garantias ao Investidor Incentivos ao Investimento

Leia mais

ANTÓNIO MANUEL TEIXEIRA

ANTÓNIO MANUEL TEIXEIRA CURRICULUM VITAE A IDENTIFICAÇÃO 1. Nome: ANTÓNIO MANUEL TEIXEIRA. 2. Local e data de nascimento: Longonjo, 16 de Junho de 1961. 3. Filiação: Manuel Maximino Teixeira e Helena da Silva. 4. Estado civil:

Leia mais

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA República de Angola. Risco político: B (AAA = risco menor; D = risco maior) (1 = risco menor; 7 = risco maior)

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA República de Angola. Risco político: B (AAA = risco menor; D = risco maior) (1 = risco menor; 7 = risco maior) % % 789.452 % 789.452 1523% 123% 123% 7.% 123.250 123.250 123.250 589 7.1589$ 7.1589$ 7.1589$ 10545k.545k 00.5 00.5 0.545k 545k 10.545 OGE OGE %12 %12 % OGE OGE OGE 123% % $ 1485645 985 985 7.1589$ 458

Leia mais

ANGOLA Comércio Exterior

ANGOLA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ANGOLA Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

ANGOLA. Como Melhorar o Acesso à Informação em Saúde nos PALOP S. PAULO, BIREME/OPAS/OMS, de Junho de 2007

ANGOLA. Como Melhorar o Acesso à Informação em Saúde nos PALOP S. PAULO, BIREME/OPAS/OMS, de Junho de 2007 SEMINÁRIO e-portuguese Como Melhorar o Acesso à Informação Científica e Técnica T em Saúde nos PALOP S. PAULO, BIREME/OPAS/OMS, 11-15 15 de Junho de 2007 ANGOLA Participantes: Edna Nascimento (Psicóloga)

Leia mais

Republica de Angola Ministério da Agricultura Instituto dos Serviços de Veterinária

Republica de Angola Ministério da Agricultura Instituto dos Serviços de Veterinária Republica de Angola Ministério da Agricultura Instituto dos Serviços de Veterinária REUNIÃO DOS DIRECTORES DE PRODUÇÃO ANIMAL, RECURSOS ANIMAIS EM AFRICA de 14 15 de Abril de 2013 - ABIDJAN, CÔTE D IVOIRE

Leia mais

RELATÓRIO DA SITUAÇÃO

RELATÓRIO DA SITUAÇÃO 4BABAY ZIKA VIRUS RELATÓRIO DA SITUAÇÃO FEBRE AMARELA 2 DE SETEMBRO DE 2016 PRINCIPAIS ATUALIZAÇÕES Informação atualizada sobre a situação epidemiológica em Angola (até 25 de Agosto): o Não há novos casos

Leia mais

RESULTADOS DEFINITIVOS RECENSEAMENTO GERAL DA POPULAÇÃO E HABITAÇÃO

RESULTADOS DEFINITIVOS RECENSEAMENTO GERAL DA POPULAÇÃO E HABITAÇÃO RESULTADOS DEFINITIVOS RECENSEAMENTO GERAL DA POPULAÇÃO E HABITAÇÃO - 2014 FICHA TÉCNICA Director Geral Camilo Ceita Editor Instituto Nacional de Estatística Gabinete Central do Censo Subcomissão de Difusão

Leia mais

www.h3p.pt Um parceiro para o Desenvolvimento de Angola

www.h3p.pt Um parceiro para o Desenvolvimento de Angola www.h3p.pt Um parceiro para o Desenvolvimento de Angola A H3P, UM PARCEIRO PARA O DESENVOLVIMENTO EM ANGOLA APRESENTAÇÃO A h3p, Engenharia e Gestão, S.A., é uma empresa de direito angolana, constituída

Leia mais

Solidário com Angola, o Microcrédito Sol apoia cada vez mais angolanos.

Solidário com Angola, o Microcrédito Sol apoia cada vez mais angolanos. Solidário com Angola, o Microcrédito Sol apoia cada vez mais angolanos. Conheça agora 14 testemunhos reais de pessoas que já beneficiaram da ajuda do Microcrédito Sol. Pessoas que acreditaram em si e nas

Leia mais

MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS

MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS O PNFQ E O MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR Ministério do Ensino Superior é responsável pela formação de quadros superiores altamente especializados

Leia mais

Garantia de qualidade dos produtos farmacêuticos :

Garantia de qualidade dos produtos farmacêuticos : Garantia de qualidade dos produtos farmacêuticos : Controlo de humidade e temperatura para boa conservação dos 07. Outubro 2015, Luanda Irene Diogo Farmacêutica Controlo de humidade e temperatura para

Leia mais

Realizações e Perspectivas de Desenvolvimento da ENE E.P.

Realizações e Perspectivas de Desenvolvimento da ENE E.P. Realizações e Perspectivas de Desenvolvimento da ENE E.P. INTRODUÇÃO Este documento tem como objectivo: Apresentar os principais resultados do processo de transformação da ENE, desenvolvimento das principais

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE REFRIGERAÇÃO (RMP)

PLANO DE GESTÃO DE REFRIGERAÇÃO (RMP) REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE DIRECÇÃO NACIONAL DE GESTÃO DO AMBIENTE UNIDADE NACIONAL DO OZONO PLANO DE GESTÃO DE REFRIGERAÇÃO UNIDADE NACIONAL DO OZONO LUANDA ANGOLA 2010 PLANO DE GESTÃO

Leia mais

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho a) Critérios de Aplicação sector de actividade zonas de desenvolvimento zonas económicas especiais b) Objectivos

Leia mais

458=5 100% 458= $ % % 7.5% 7.5% 7.5% 458=5 458=5 7.5% 123% %12 OGE 100% 100% FMI 15% 458=5 100% 100% 15% 458=5 458=5. 545k. 0.

458=5 100% 458= $ % % 7.5% 7.5% 7.5% 458=5 458=5 7.5% 123% %12 OGE 100% 100% FMI 15% 458=5 100% 100% 15% 458=5 458=5. 545k. 0. % % 789.452 % 789.452 1523% 123% 123% 7.% 123.250 123.250 123.250 589 7.1589$ 7.1589$ 7.1589$ 10545k.545k 00.5 00.5 0.545k 545k 10.545 %12 %12 % 123% % $ 1485645 985 985 7.1589$ 458 45=5 356 2568 256 PERSPECTIVAS

Leia mais

DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE LAS MEJORES PRÁCTICAS EN EL DESARROLLO DE GRANDES CENTRALES HIDROELÉCTRICAS. Carlos Nadalutti Filho

DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE LAS MEJORES PRÁCTICAS EN EL DESARROLLO DE GRANDES CENTRALES HIDROELÉCTRICAS. Carlos Nadalutti Filho DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE LAS MEJORES PRÁCTICAS EN EL DESARROLLO DE GRANDES CENTRALES HIDROELÉCTRICAS 22.11.2011 - Tucuruí,, Brasil Carlos Nadalutti Filho APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE CAPANDA Início:

Leia mais

República de Angola Ministério da Agricultura. Inquéritos Agrícolas

República de Angola Ministério da Agricultura. Inquéritos Agrícolas República de Angola Ministério da Agricultura Inquéritos Agrícolas Resultados da 1ª Época e Estimativas da Campanha Agrícola 2008/ 2009 Índice 1 Introdução...1 1.1 Situação geográfica climática de Angola....1

Leia mais

BOLETIM DE ESTATÍSTICAS DO ORÇAMENTO GERAL DO ESTADO

BOLETIM DE ESTATÍSTICAS DO ORÇAMENTO GERAL DO ESTADO REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS BOLETIM DE ESTATÍSTICAS DO ORÇAMENTO GERAL DO ESTADO 2011 FICHA TÉCNICA DESIGNAÇÃO Boletim de Estatistícas do Orçamento Geral do Estado 2011 PERIODICIDADE Anual

Leia mais

FISCALIZAÇÃO E GESTÃO DE OBRAS DE ELECTRICIDADE (UTILIZANDO EQUIPAMENTOS DE DIAGNÓSTICO, TESTE E ENSAIO) EM PARCERIA: INTERKOMMERZ (ALEMANHA)

FISCALIZAÇÃO E GESTÃO DE OBRAS DE ELECTRICIDADE (UTILIZANDO EQUIPAMENTOS DE DIAGNÓSTICO, TESTE E ENSAIO) EM PARCERIA: INTERKOMMERZ (ALEMANHA) FISCALIZAÇÃO E GESTÃO DE OBRAS DE ELECTRICIDADE (UTILIZANDO EQUIPAMENTOS DE DIAGNÓSTICO, TESTE E ENSAIO) EM PARCERIA: INTERKOMMERZ (ALEMANHA) 1) OBRA DE IRRIGAÇÃO DAS GANDJELAS - CHIBIA Eletricidade em

Leia mais

,8 15,1 INE, Censos /2009-7,4-8,7

,8 15,1 INE, Censos /2009-7,4-8,7 TERRITÓRIO E DEMOGRAFIA 1. Área, km² 8543 1106,8 INE, Censos 2011 2. Área por freguesia, km² STª Maria Salvador Brinches Vila Verde de Ficalho Vila Nova S. Bento Pias Vale de Vargo 154,9 287,8 93,4 103,8

Leia mais

Conheça as candidatas ao título de "Sete Maravilhas de Angola"

Conheça as candidatas ao título de Sete Maravilhas de Angola Conheça as candidatas ao título de "Sete Maravilhas de Angola" por Por Dentro da África - terça-feira, outubro 22, 2013 http://www.pordentrodaafrica.com/cultura/conheca-as-candidatas-ao-titulo-de-sete-maravilhas-de-angola

Leia mais

ANGOLA CLUSTER DA ÁGUA MANUAL DE BOAS PRÁTICAS

ANGOLA CLUSTER DA ÁGUA MANUAL DE BOAS PRÁTICAS ANGOLA CLUSTER DA ÁGUA U M A E S T R AT É G I A C O L E T I VA MANUAL DE BOAS PRÁTICAS ANGOLA CLUSTER DA ÁGUA U M A E S T R AT É G I A C O L E T I VA MANUAL DE BOAS PRÁTICAS FICHA TÉCNICA Título Cluster

Leia mais

FUNDAÇÃO ANTÓNIO AGOSTINHO NETO DIÁLOGO EM FAMÍLIA AGRICULTURA É A BASE E A INDÚSTRIA O FACTOR DECISIVO ANTÓNIO AGOSTINHO NETO

FUNDAÇÃO ANTÓNIO AGOSTINHO NETO DIÁLOGO EM FAMÍLIA AGRICULTURA É A BASE E A INDÚSTRIA O FACTOR DECISIVO ANTÓNIO AGOSTINHO NETO FUNDAÇÃO ANTÓNIO AGOSTINHO NETO DIÁLOGO EM FAMÍLIA AGRICULTURA É A BASE E A INDÚSTRIA O FACTOR DECISIVO ANTÓNIO AGOSTINHO NETO TEMA: AGRICULTURA FAMILIAR E AGRONEGÓCIO: PRODUÇÃO DE ALIMENTOS E PRODUTOS

Leia mais

Empreendedorismo: Experiências de Angola

Empreendedorismo: Experiências de Angola Empreendedorismo: Experiências de Angola Globalização Resulta Redução do emprego formal Esbarra Visão Empreendedora Exige Necessidade de mudança Mecanismos de Incentivo ao Empreendedorismo Programas do

Leia mais

A RAA em números. Geografia

A RAA em números. Geografia 09 Foto: Espectro A RAA em números Geografia O arquipélago dos Açores é constituído por nove ilhas dispersas no Atlântico Norte ao longo de 600 km, segundo uma orientação noroeste-sudeste e enquadrado

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL PROGRAMA DE DIVULGAÇÃO DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DE ANGOLA NOS MUNICÍPIOS DA PROVÍNCIA DE LUANDA

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL PROGRAMA DE DIVULGAÇÃO DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DE ANGOLA NOS MUNICÍPIOS DA PROVÍNCIA DE LUANDA REPÚBLICA DE ANGOLA PROGRAMA DE DIVULGAÇÃO DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DE ANGOLA NOS MUNICÍPIOS DA PROVÍNCIA DE LUANDA N.º DATA DELEGAÇÃO MUNICIPIO ACTIVIDADE 1 FRANCISCO DE CASTRO MARIA- RUTH ADRIANO

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

RELATÓRIO DA SITUAÇÃO

RELATÓRIO DA SITUAÇÃO BABAY ZIKA VIRUS RELATÓRIO DA SITUAÇÃO FEBRE AMARELA 21 DE JULHO DE 2016 RESUMO Em Angola, até 15 de Julho de 2016, foi notificado um total de 3682 casos suspeitos, dos quais 877 foram confirmados. O número

Leia mais

Apresentação de : Luís Mourão Silva Presidente Conselho Administração do IRSE 1

Apresentação de : Luís Mourão Silva Presidente Conselho Administração do IRSE 1 Apresentação de : Luís Mourão Silva Presidente Conselho Administração do IRSE 1 TÓPICOS A ABORDAR 1. POTENCIALIDADE ENERGÉTICA DAS PRINCIPAIS BACIAS EM ANGOLA 2. POTENCIAL HIDROELÉCTRICO POR CENTRAIS VERSUS

Leia mais

ANGOL A C OMO DESTINO MITOS, REALIDADE E OPORTUNIDADES

ANGOL A C OMO DESTINO MITOS, REALIDADE E OPORTUNIDADES HER MÍNIO SANTOS ANGOL A C OMO DESTINO MITOS, REALIDADE E OPORTUNIDADES Aterrei pela segunda vez na minha vida em Angola no dia 19 de Setembro de 2005. Tinha estado no país uma única vez, em 1996, integrado

Leia mais

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS DADOS ESTATÍSTICOS A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas I. DADOS NACIONAIS 1. POPULAÇÃO 1.1 População Residente por Sexo e Grupo Etário: Censos 1 1.2 População Residente - Estimativas 1 2.

Leia mais

RELATÓRIO DA SITUAÇÃO

RELATÓRIO DA SITUAÇÃO 4BABAY ZIKA VIRUS RELATÓRIO DA SITUAÇÃO FEBRE AMARELA 16 DE SETEMBRO DE 2016 PRINCIPAIS ATUALIZAÇÕES Informação atualizada sobre a situação epidemiológica em (até 15 de Setembro): o Durante esta semana,

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL um futuro a construir

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL um futuro a construir www.imovias.com APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL um futuro a construir A EMPRESA A EMPRESA APRESENTAÇÃO A IMOVIAS Urbanismo e Construção, S.A. é uma sociedade de direito angolano que actua no sector da construção

Leia mais

A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SETOR PORTUGUÊS DA ÁGUA. ÁguaGlobal

A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SETOR PORTUGUÊS DA ÁGUA. ÁguaGlobal ÁguaGlobal ANGOLA CLUSTER DA ÁGUA Bandeira de Angola DADOS GERAIS Superfície: 1.246.700 Km2 Geografia: 60% do território são planaltos de 1.000 a 2.000m com uma densa e extensa rede hidrográfica. Clima:

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

INAMET INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA E GEOFÍSICA

INAMET INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA E GEOFÍSICA ACTUALIZAÇÃO DA PREVISÃO SAZONAL PARA A ÉPOCA 2013/2014 REFERENTE AO PERÍODO DE JANEIRO-FEVEREIRO-MARÇO DE 2014 JANEIRO, 2014 LUANDA-ANGOLA 1 1. INTRODUÇÃO Os peritos da área do clima dos países da Comunidade

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

Boletim de Estatísticas. Fevereiro Banco de Cabo Verde

Boletim de Estatísticas. Fevereiro Banco de Cabo Verde Boletim de Estatísticas Fevereiro 2016 Banco de Cabo Verde BANCO DE CABO VERDE Departamento de Estudos Económicos e Estatísticas Avenida Amílcar Cabral, 27 CP 7600-101 - Praia - Cabo Verde Tel: +238 260

Leia mais

República de Angola Ministério das Finanças Gabinete de Apoio Técnico Linha de Crédito/Eximbank da China

República de Angola Ministério das Finanças Gabinete de Apoio Técnico Linha de Crédito/Eximbank da China República de Angola Ministério das Finanças Gabinete de Apoio Técnico Linha de Crédito/Eximbank da China COBERTURA DE RISCO DE CRÉDITO À EXPORTAÇÃO DE ORIGEM PORTUGUESA COSEC RELATÓRIO DAS ACTIVIDADES

Leia mais

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 Por: António Prata, Director do Departamento de Informação e Relações Internacionais Objectivos

Leia mais

SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA

SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA Embaixada da República de Angola no Reino Unido da Grã-Bretanha e República da Irlanda do Norte SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA 22 Dorset Street London W1U 6QY United Kingdom embassy@angola.org.uk;

Leia mais

Evolução das Leis Tributárias em Angola

Evolução das Leis Tributárias em Angola LIS-204039150106 Evolução das Leis Tributárias em Angola Luanda, 20 de Abril de 2017 Agenda Enquadramento e papel dos impostos no financiamento do Estado A reforma tributária e principais resultados alcançados

Leia mais

Angola. Inquérito de Indicadores Múltiplos e de Saúde (IIMS) Principais Resultados

Angola. Inquérito de Indicadores Múltiplos e de Saúde (IIMS) Principais Resultados Angola Inquérito de Indicadores Múltiplos e de Saúde (IIMS) 2015-2016 Principais Resultados O Inquérito de Indicadores Múltiplos e de Saúde (IIMS 2015-2016) foi realizado pelo Instituto Nacional de Estatística

Leia mais

II Conferência da Distribuição em Expansão A evolução do sector da Distribuição Moderna em Angola

II Conferência da Distribuição em Expansão A evolução do sector da Distribuição Moderna em Angola II Conferência da Distribuição em Expansão A evolução do sector da Distribuição Moderna em Angola Pedro Miguel Silva, Associate Partner Deloitte Angola Luanda, 12 de Março de 2014 Como tem evoluído a Distribuição

Leia mais

A Bacia do rio Okavango cobre uma superfície hidrologicamente activa com cerca de 323 192 km2, compartilhada por três países da África Austral:

A Bacia do rio Okavango cobre uma superfície hidrologicamente activa com cerca de 323 192 km2, compartilhada por três países da África Austral: A Bacia do rio Okavango cobre uma superfície hidrologicamente activa com cerca de 323 192 km2, compartilhada por três países da África Austral: Angola, Namíbia e Botswana. O seu caudal principal resulta

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DA 2ª COMISSÃO COMISSÃO DE DEFESA, SEGURANÇA NACIONAL E ORDEM INTERNA

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DA 2ª COMISSÃO COMISSÃO DE DEFESA, SEGURANÇA NACIONAL E ORDEM INTERNA RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DA 2ª COMISSÃO COMISSÃO DE DEFESA, SEGURANÇA NACIONAL E ORDEM INTERNA Após as eleições gerais de 2008 e indicado os Deputados pelo Partido com assento no Parlamento, constituiu-se

Leia mais

Apoio Saudável? Um Estudo do Apoio Sueco à Saúde em Angola 1977 2006. Kajsa Pehrsson Lillemor Andersson-Brolin Staffan Salmonsson

Apoio Saudável? Um Estudo do Apoio Sueco à Saúde em Angola 1977 2006. Kajsa Pehrsson Lillemor Andersson-Brolin Staffan Salmonsson Apoio Saudável? Um Estudo do Apoio Sueco à Saúde em Angola 1977 2006 Kajsa Pehrsson Lillemor Andersson-Brolin Staffan Salmonsson Sida EVALUATION 2008:05 Apoio Saudável? Um Estudo do Apoio Sueco à Saúde

Leia mais

ANGOLA - Perspectivas e Desafios

ANGOLA - Perspectivas e Desafios Perspectivas dos parceiros do governo sobre o engajamento programático do Sistema das Nações Unidas nos Países de Rendimento Médio ANGOLA - Perspectivas e Desafios Reunião Regional da Cúpula das Nações

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 MISSÃO EMPRESARIAL ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 ANGOLA Com capital na cidade de Luanda, Angola é um país da costa ocidental de África, cujo território principal é limitado a norte

Leia mais

Quebras de Produção Intensificam-se

Quebras de Produção Intensificam-se Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas ANEOP Associação Nacional dos Empreiteiros

Leia mais

FUNDO DE APOIO SOCIAL ANGOLA

FUNDO DE APOIO SOCIAL ANGOLA FUNDO DE APOIO SOCIAL ANGOLA 1994-2016 Maputo 1 e 2 de Novembro de 2016 Santinho Figueira ABORDAGEM NO ÂMBITO DO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO LOCAL OBJECTIVOS: Gerar oportunidades de emprego e o aumento da

Leia mais

ESTRATÉGIA DE COOPERAÇÃO DA OMS ANGOLA

ESTRATÉGIA DE COOPERAÇÃO DA OMS ANGOLA ESTRATÉGIA DE COOPERAÇÃO DA OMS 2015-2019 ANGOLA ESTRATÉGIA DE COOPERAÇÃO 2015-2019 i OMS ANGOLA Dados da Biblioteca AFRO para Catalogação na Publicação Estratégia de Cooperação da OMS 2015-2019 Angola

Leia mais

JURISTA PROFESSORA UNIVERSITÁRIA MAR 2010 - PRESENTE. Regente da Cadeira de Direito Comercial, do 4º ano da licenciatura em Direito.

JURISTA PROFESSORA UNIVERSITÁRIA MAR 2010 - PRESENTE. Regente da Cadeira de Direito Comercial, do 4º ano da licenciatura em Direito. MAIA DO VALE, SOFIA NASCIDA A 11.08.1977 JURISTA EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL PROFESSORA UNIVERSITÁRIA MAR 2010 - NA FACULDADE DE DIREITO JOSÉ EDUARDO DO SANTOS Huambo, Angola Regente da Cadeira de Direito

Leia mais

Investir em Angola A nova Lei do Investimento Privado

Investir em Angola A nova Lei do Investimento Privado Investir em Angola A nova Lei do Investimento Privado Aprovação da nova Lei do Investimento Privado em Angola Lei nº 14/15, de 11 de Agosto Investimento Privado Para efeitos da presente Lei, considera-se

Leia mais

Seminário sobre Energia Eléctrica, Luanda, 8 & 9 Setembro 2011, UAN Produção de Energia eléctrica em Angola O mix actual e perspectivas futuras

Seminário sobre Energia Eléctrica, Luanda, 8 & 9 Setembro 2011, UAN Produção de Energia eléctrica em Angola O mix actual e perspectivas futuras Seminário sobre Energia Eléctrica, Luanda, 8 & 9 Setembro 2011, UAN Produção de Energia eléctrica em Angola O mix actual e perspectivas futuras Por ENE-E.P. ENE-E.P. Empresa Nacional de Electricidade (ENE-E.P).

Leia mais

Como Exportar Angola. entre. Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial

Como Exportar Angola. entre. Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial entre Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial 1SUMÁRIO INTRODUÇÃO...2 MAPA...3 DADOS BÁSICOS...4 I ASPECTOS GERAIS...6 1.

Leia mais

Indicador de Sentimento Económico. 80 Portugal. Dez-08. Dez-07

Indicador de Sentimento Económico. 80 Portugal. Dez-08. Dez-07 Dez-03 Dez-04 Dez-05 Dez-06 Dez-07 Dez-08 Dez-09 Dez-10 Análise de Conjuntura Janeiro 2014 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico manteve em Dezembro, a tendência de melhoria

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

Coreia do Sul Junho Mercado em números

Coreia do Sul Junho Mercado em números Junho 2017 Mercado em números Designação oficial: República da Coreia Capital: Seul Localização: Ásia Oriental Fronteiras terrestres: Sua única fronteira terrestre é com a Coreia do Norte Área total: 99

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DOS PETRÓLEOS. Informação sobre o Sector de Petróleo e Gás Fevereiro de 2014

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DOS PETRÓLEOS. Informação sobre o Sector de Petróleo e Gás Fevereiro de 2014 REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DOS PETRÓLEOS Informação sobre o Sector de Petróleo e Gás Fevereiro de 2014 INTRODUÇÃO O presente documento reporta a execução do Sector Petrolífero ao longo do mês de Fevereiro

Leia mais

INTRODUÇÃO Angola é conhecida no mundo como um dos países de maiores potencialidades económicas da África, com recursos naturais agrícolas e minerais

INTRODUÇÃO Angola é conhecida no mundo como um dos países de maiores potencialidades económicas da África, com recursos naturais agrícolas e minerais RELATÓRIO FINAL M5 INTRODUÇÃO Angola é conhecida no mundo como um dos países de maiores potencialidades económicas da África, com recursos naturais agrícolas e minerais que se estendem por todo o seu território

Leia mais

BOLETIM MENSAL JANEIRO DE 2017 Situação Monetária e Cambial. BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Disponível em:

BOLETIM MENSAL JANEIRO DE 2017 Situação Monetária e Cambial. BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Disponível em: BOLETIM MENSAL JANEIRO DE 2017 Situação Monetária e Cambial BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Disponível em: www.bcstp.st/publicações Banco Central de S. Tomé e Príncipe Índice 1. SITUAÇÃO MONETÁRIA

Leia mais

Coreia do Sul Março Mercado em números

Coreia do Sul Março Mercado em números Março 2017 Mercado em números Designação oficial: República da Coreia Capital: Seul Localização: Ásia Oriental Fronteiras terrestres: Sua única fronteira terrestre é com a Coreia do Norte Área total: 99

Leia mais

Para que a sua marca chegue ainda mais longe.

Para que a sua marca chegue ainda mais longe. Somos o maior grupo de comunicação privado de Angola. Transversal a vários meios, somos reconhecidos no mercado pelos nossos selos de qualidade, rigor na informação e inovação nos conteúdos. Desde do nosso

Leia mais

Em março de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.3 pontos na União Europeia e +1.2 pontos na Área Euro.

Em março de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.3 pontos na União Europeia e +1.2 pontos na Área Euro. Mar-04 Mar-05 Mar-06 Mar-07 Mar-08 Mar-09 Mar-10 Mar-11 Mar-12 Análise de Conjuntura Abril 2014 Indicador de Sentimento Económico Em março de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.3 pontos

Leia mais

RELATÓRIO DA SITUAÇÃO

RELATÓRIO DA SITUAÇÃO ZIKA VIRUS RELATÓRIO DA SITUAÇÃO FEBRE AMARELA 9 DE JUNHO DE 2016 RESUMO Desde o início do surto, em 15 de Dezembro de 2015 até 8 e Junho de 2016, Angola notificou 2954 casos suspeitos de febre amarela,

Leia mais

UNDP Angola TERMOS DE REFERÊNCIA: AVALIAÇÃO FINAL (CONSULTOR/A NACIONAL)

UNDP Angola TERMOS DE REFERÊNCIA: AVALIAÇÃO FINAL (CONSULTOR/A NACIONAL) UNDP Angola TERMOS DE REFERÊNCIA: AVALIAÇÃO FINAL (CONSULTOR/A NACIONAL) Projecto: PROMOÇÃO DA MULHER ANGOLANA ATRAVÉS DE ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL 2012-2015 Nos últimos 3 anos, a Embaixada da Noruega

Leia mais

VII. O apuramento dos votos

VII. O apuramento dos votos VII. O apuramento dos votos No seu Título VIII (Artigos 133 e seguintes), a Lei Eleitoral esclarece os passos que devem ser cumpridos no processo de apuramento dos resultados eleitorais. A CNE foi incapaz

Leia mais