ESTRATÉGIAS PARA A CONSOLIDAÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CT&I PARA O NORDESTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRATÉGIAS PARA A CONSOLIDAÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CT&I PARA O NORDESTE"

Transcrição

1 ESTRATÉGIAS PARA A CONSOLIDAÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CT&I PARA O NORDESTE - Articulação Nacional em Tecnologia Social - Grupo de Trabalho do Terceiro Setor - Secretaria de Ciência e Tecnologia e Inclusão Social/MCT Irma Passoni Secretaria Executiva Instituto de Tecnologia Social - ITS

2 Finalidade do ITS Promover a geração, o desenvolvimento, o aproveitamento de tecnologias voltadas para o interesse social, bem como sua difusão e transferência ao setor produtivo. "Ciência e Tecnologia para brasileiros! Acesso e produção de Conhecimento como Direito Humano fundamental

3 CT&I: Considerações Gerais Por se tratar de: - de atividade política estratégica de desconcentração do MCT, - que CT&I devem contribuir para a solução dos problemas brasileiros (Constituição Federal), - que o desenvolvimento da Região Nordeste deve ser considerado prioridade nacional, - que historicamente os recursos destinados ao Nordeste nem sempre contribuíram para o desenvolvimento regional e de sua gente, Quais são os grandes problemas do Nordeste e quais ações de CT&I necessárias que podem contribuir para o desenvolvimento da Região e melhorar a qualidade de vida das pessoas?

4 Alguns questionamentos: O Biodiesel poderá promover o desenvolvimento regional com a geração de trabalho e renda? Quais informações qualificadas e qual melhor tecnologia para realizar a transposição do Rio São Francisco? Como avaliar o impacto sócioambiental? Como desenvolver projetos sustentáveis no Semi- Árido? Quais são e onde estão as forças vivas e organizadas da Região Nordeste?

5 Qual é o preço que tem sido pago, relativo a exclusão social do povo nordestino? Construir projetos de desenvolvimento regional significa oportunizar riqueza econômica, cultural e social Adicionar competências e recursos federais de CT&I no Nordeste aos recursos das FAPs cria potencialidades de desenvolvimento. É preciso evitar a pulverização de recursos sem projetos. Contribuição - Participação das Entidades Sociais na construção da CT&I para o Desenvolvimento Social

6 Pressupostos: Ongs e CT&I Como compreender o papel das ONGs no desenvolvimento de CT&I e desenvolvimento local? Como entender as especificidades da articulação das ONGs para desempenhar esse papel? Pesquisa DIRETÓRIO DA PESQUISA PRIVADA - ONGs e CT&I Coordenação: Dr. João Furtado Equipe GEOPI/DPCT/Unicamp - ITS

7 ONGs e CT&I A atuação das ONGs é identificada na geração e aplicação de conhecimento científico e tecnológico. As ONGs, enquanto agentes de CT&I, atuam em processos de capacitação, de pesquisa científica, de desenvolvimento / aperfeiçoamento de tecnologia e de disseminação do conhecimento. Destaca-se a sua atuação em políticas públicas como canal para promoção da universalização do conhecimento por elas gerado.

8 ONGs e Articulações - Parcerias Intensa capacidade de articulação em redes para interação com: Comunidades Locais, Movimentos Sociais ONGs, Fóruns e Conselhos de Meio Ambiente (nacional, estaduais ou municipais), Unidades de conservação, Universidades e Centros de Pesquisa, Sindicatos Rurais Igrejas, Empresas...

9 ONGs, atuação e resultados: - atividade de pesquisa científica voltada para a conservação ambiental; - formação de recursos humanos via incorporação de estudantes de pós-graduação no desenvolvimento de projetos ambientais; Os resultados em termos de produção de metodologias ou novos métodos de pesquisa vêm ganhando espaço e reconhecimento em publicações científicas reconhecidas e decorrem de uma estratégia de pesquisa cooperativa com as universidades e institutos de pesquisa.

10 Ongs e Competências Desenvolvimento e transferência de tecnologia destinada à produção agroecológica e orgânica, Atuando na capacitação de agricultores familiares: - no resgate de variedades nativas, - no desenvolvimento de processos e produtos, - no beneficiamento, - na industrialização, - no marketing (certificação), - no financiamento - na comercialização.

11 ONGs e Desenvolvimento Local O desenvolvimento e ampliação do estoque de conhecimento científico sobre água e biodiversidade brasileira se relaciona com a questão do desenvolvimento da pesquisa aplicada voltada para a exploração econômica deste capital natural. Atividade que para ser realizada de forma sustentável deve ser precedida e acompanhada de um levantamento minucioso das espécies e do conhecimento das comunidades tradicionais que sempre usaram e conviveram com essa biodiversidade.

12 Proposta de Agenda CT&I Nordeste Considerar as ONGs e demais instituições da sociedade civil organizada como detentoras de competências específicas e úteis para o desenvolvimento sustentável do Nordeste Apoiar a pesquisa e a cooperação técnico-científica de ONGs com o objetivo principal de transferência de tecnologias para as comunidades locais; Incorporar o binômio menor impacto ambiental e maior alcance social para nortear a noção de mérito tecnológico e estratégico contando para isso com a efetiva participação das ONGs. A desconcentração e regionalização dos recursos deverá oportunizar riqueza econômica, cultural e social com projetos estratégicos de desenvolvimento da Região Nordeste.

13 Agenda Requerida pela Articulação do Semi Árido em relação ao Projeto Biodiesel. Aprofundamento, compreensão e criação de uma linguagem comum sobre as questões, conceitos que envolvem o Programa Biodiesel. Questionamentos e problematizações sobre impacto ambiental e oportunidade do Programa Biodiesel. Definição das Entidades Sociais sobre condições de desenvolvimento do Programa Biodiesel e garantia de Políticas Públicas para a participação das Comunidade organizadas (Ex. Quebradeiras de Coco)

14 Agenda Requerida pela Articulação Nacional em Tecnologia Social Informações e capacitação sobre: - Como elaborar e formatar projetos. - Como participar de licitações. - Participação de projetos induzidos pelo Estado. - Acesso a terra, matéria-prima, tecnologia e financiamento. - Acesso aos Fundos Setoriais. - Formas de organização e produção local (cooperativas, microempresas, agricultura familiar...).

15 Agenda Requerida pela Articulação Nacional em Tecnologia Social Realizar a desconcentração do MCT com competência e relaciona com projetos de desenvolvimento local Definir diretrizes de desenvolvimento econômico, social, tecnológico, fiscal, tributário e organizar modelos que garantam a efetiva participação dos pequenos e médios produtores rurais, garantindo o projeto de inclusão social, evitando o modelo Pro-Álcool e "pacotes prontos".

16 Tecnologia Social: Aproximar as soluções dos problemas, gerando riquezas Agradecida. Irma Passoni Instituto de Tecnologia Social Rua Joaquim Floriano, 243, cj. 83 SãoPaulo SP CEP Tel.: (11) Site:

PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009

PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009 PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações para a implementação do Plano Nacional de Promoção das Cadeias de Produtos da Sociobiodiversidade, e dá outras

Leia mais

Gestão Pública Democrática

Gestão Pública Democrática Gestão Pública Democrática Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa Gestão Pública Democrática Conceito de gestão Tem origem na palavra latina gestione que se refere ao ato de gerir, gerenciar e administrar.

Leia mais

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento Agenda Contexto O Nordeste Territorial Fórum de Governança da Atividade Econômica Formas de Financiamento Área de atuação do BNB Nordeste: 1.554,4 mil Km 2 Semi-árido: 974,4 mil Km 2 (62,7% do território

Leia mais

E C O N Ô S O C E N T A L. Cultura e Tradição

E C O N Ô S O C E N T A L. Cultura e Tradição 3º. Seminário Responsabilidade Social com Foco nos Atores Interessados 7 a 8/10/2008 Biodiesel e Agricultura Familiar www.biodiesel.gov.b PNPB Pilares de Sustentação PNPB S O C I A L E C O N Ô M I C O

Leia mais

POLITICADERESPONSABILIDADESOCIALDATHYSSENKRUPPELEVADORESBRASIL

POLITICADERESPONSABILIDADESOCIALDATHYSSENKRUPPELEVADORESBRASIL POLITICADERESPONSABILIDADESOCIALDATHYSSENKRUPPELEVADORESBRASIL 1. PoliticadoGrupoThyssenKrupp Esta política trata-se de um complemento à Politica «Group Policy on Corporate Citizenship Activities,MembershipsandTicketsPurchases(últimamodificaçãoJaneiro2013)».

Leia mais

Banco do Nordeste do Brasil S.A.

Banco do Nordeste do Brasil S.A. Banco do Nordeste do Brasil S.A. POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL PARA O NORDESTE Novembro 2003 Banco do Nordeste do Brasil S.A. Instituição financeira pública, de caráter regional, criado pela Lei

Leia mais

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72 Política de Responsabilidade Social Dezembro de 2011 1 PREÂMBULO O IPSPMP-PIRAPREV, sendo uma

Leia mais

INSTRUMENTOS TÉCNICO-OPERATIVOS UTILIZADOS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

INSTRUMENTOS TÉCNICO-OPERATIVOS UTILIZADOS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL INSTRUMENTOS TÉCNICO-OPERATIVOS UTILIZADOS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Os Serviços da Proteção Social Básica, Média e Alta Complexidade exigem trabalho social interdisciplinar. Implica ainda, em

Leia mais

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Audiência Pública O PLANO DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO (PDA) E A AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO MATOPIBA (MARANHÃO,

Leia mais

ESTUDOS E PESQUISAS Nº 598

ESTUDOS E PESQUISAS Nº 598 ESTUDOS E PESQUISAS Nº 598 Reflexões sobre uma nova Governança da CTI diante dos Atuais Paradigmas da Inovação e Empreendedorismo de Alto Impacto: Oportunidades para a Construção de um Novo Futuro Rodrigo

Leia mais

ÍNDICE. Desenvolvimentos das atividades do Curso, Seminário e Simpósio e de formação...24 a 27

ÍNDICE. Desenvolvimentos das atividades do Curso, Seminário e Simpósio e de formação...24 a 27 3 Convênio 027/2015 4 ÍNDICE Apresentação do Projeto... 6 Objetivo...7 Justificativa...8 e 9 Metodologia...10 e 11 Marco Legal...12 Cidades Contempladas...13 Pessoas Beneficiadas...14 Parceiros...15 Cronograma

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI Nº, DE 2016 (Do Sr. Evair de Melo) Institui a Política Nacional de Incentivo à Produção de Borracha Natural de Qualidade. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política

Leia mais

Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED

Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED JULIO GREGÓRIO FILHO SECRETARIO DE EDUCAÇÃO DF Como o CONSED vem atuando

Leia mais

DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO

DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO Formular e implementar estratégias de gestão com participação, transparência, compromisso, responsabilidade e efetividade, potencializando a administração pública

Leia mais

Profa. Neila Maria Viçosa Machado

Profa. Neila Maria Viçosa Machado SAÚDE E EDUCAÇÃO: uma perspectiva de integração a partir da Atenção Básica pelos Programa Saúde na Escola (PSE) e Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). Profa. Neila Maria Viçosa Machado SAÚDE

Leia mais

Plano de Ações Integradas em Prol do Desenvolvimento Sustentável da Região do Vale do Café Fluminense

Plano de Ações Integradas em Prol do Desenvolvimento Sustentável da Região do Vale do Café Fluminense Plano de Ações Integradas em Prol do Desenvolvimento Sustentável da Região do Vale do Café Fluminense Rede em Prol do Desenvolvimento Sustentável da Região do Vale do Café Fluminense Vassouras, outubro

Leia mais

Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013

Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013 Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013 I. OBJETO Regulamentação da Lei n o 4.791 de 02/04/2008, que dispõe sobre

Leia mais

II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES

II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES PROPOSTAS PRIORITÁRIAS: 1. PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL Criar o Conselho Estadual da cidade e apoiar a criação dos conselhos municipais, de forma paritária, de caráter

Leia mais

Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego

Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Ano 2014 Administração: Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social: Darlene Martin Tendolo Diretora de Departamento: Silmaire

Leia mais

Processo de planejamento participativo do Plano Diretor Aspectos metodológicos

Processo de planejamento participativo do Plano Diretor Aspectos metodológicos Processo de planejamento participativo do Plano Diretor Aspectos metodológicos Não existe no Estatuto das Cidades uma discrição minuciosa de um procedimento a ser seguido para elaboração dos Planos Diretores,

Leia mais

Apresentar alternativas compensatórias a estas medidas.

Apresentar alternativas compensatórias a estas medidas. SUSTENTABILIDADE DOS FUNDOS CONSTITUCIONAIS DE FINANCIAMENTO: efeito das medidas excepcionais necessárias frente à manutenção do patrimônio dos Fundos Constitucionais de Financiamento. Discutir os efeitos

Leia mais

Curso de Capacitação de Gestores de APLs. Plano de Desenvolvimento

Curso de Capacitação de Gestores de APLs. Plano de Desenvolvimento Curso de Capacitação de Gestores de APLs Plano de Desenvolvimento Introdução Etapas do Plano de Desenvolvimento Cadeia Produtiva Cadeia de Valor Conclusões Introdução Apresentar as etapas do Plano de Desenvolvimento.

Leia mais

Projeto ARRANJO PRODUTIVO DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS DO RIO GRANDE DO SUL

Projeto ARRANJO PRODUTIVO DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS DO RIO GRANDE DO SUL Projeto ARRANJO PRODUTIVO DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS DO RIO GRANDE DO SUL Estrutura da apresentação: Antecedentes Fórum pela Vida Cenário Atual Rede Fito RS Objetivos Organização Atores participantes

Leia mais

Objetivo Geral: Objetivos Específicos:

Objetivo Geral: Objetivos Específicos: Objetivo Geral: Superação da pobreza e geração de trabalho e renda no meio rural por meio de uma estratégia de desenvolvimento territorial sustentável. Objetivos Específicos: Inclusão produtiva das populações

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR)

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Código: CDH -EC- 009 A presente Consultoria visa contratar serviços profissionais especializados

Leia mais

ABORDAGEM DA CADEIA DO BIODIESEL SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

ABORDAGEM DA CADEIA DO BIODIESEL SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ABORDAGEM DA CADEIA DO BIODIESEL SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Gean Carla S. Sganderla, GPERS/UNIR, sganderlavale@yahoo.com.br Artur Souza Moret, GPERS/UNIR, amoret@unir.br RESUMO (de acordo

Leia mais

Relatório Investimento Social - 2013

Relatório Investimento Social - 2013 Relatório Investimento Social - 2013 Divisão de Promoção da Cidadania Empresarial e Projetos com a Sociedade - PCSC Departamento de Responsabilidade Social e Projetos com a Sociedade PCS Sumário Projetos

Leia mais

DECRETO Nº , DE 4 DE DEZEMBRO DE 2014.

DECRETO Nº , DE 4 DE DEZEMBRO DE 2014. DECRETO Nº 18.861, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2014. Cria a Câmara Intersecretarial de Segurança Alimentar e Nutricional (CAISAN), no âmbito do Sistema Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável

Leia mais

Gestão da Inovação. Os processos de Gestão da Inovação praticados pelas organizações não evoluíram com os ambientes dinâmicos de negócios.

Gestão da Inovação. Os processos de Gestão da Inovação praticados pelas organizações não evoluíram com os ambientes dinâmicos de negócios. Gestão da Inovação Gestão da Inovação Os processos de Gestão da Inovação praticados pelas organizações não evoluíram com os ambientes dinâmicos de negócios. Não existem evidências confirmando a melhor

Leia mais

TUTORIAL DO EDITAL CNPq/MCTIC Nº 016/2016 SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NO ÂMBITO DA UNASUL

TUTORIAL DO EDITAL CNPq/MCTIC Nº 016/2016 SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NO ÂMBITO DA UNASUL TUTORIAL DO EDITAL CNPq/MCTIC Nº 016/2016 SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NO ÂMBITO DA UNASUL Outubro/2016 Chamada CNPq/MCTIC Nº 016/2016 Este tutorial tem por finalidade orientar sobre a referida Chamada

Leia mais

GESTÃO DO AGRONEGÓCIO

GESTÃO DO AGRONEGÓCIO Pós-Graduação em GESTÃO DO AGRONEGÓCIO Ingresso agosto de 2016 Informações: (51) 3218-1355 ernani.neto@espm.br O Curso tem por objetivo capacitar os participantes na utilização de práticas contemporâneas

Leia mais

Guia de. participação. comunitária. 2volume

Guia de. participação. comunitária. 2volume Guia de participação comunitária 2volume Guia-2ªedição-OK.indd 1 Marque no calendário os compromissos, atividades, reuniões de grupo de trabalho, eventos e demais momentos nos quais você deverá estar presente

Leia mais

AGENDA MARÇO E ABRIL 2016 ESCRITÓRIO REGIONAL DE PIRACICABA

AGENDA MARÇO E ABRIL 2016 ESCRITÓRIO REGIONAL DE PIRACICABA 1 AGENDA MARÇO E ABRIL 2016 ESCRITÓRIO REGIONAL DE PIRACICABA PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO: O PRIMEIRO PASSO PARA COMEÇAR O SEU NEGÓCIO PALESTRA QUE VISA SENSIBILIZAR OS PARTICIPANTES A IDENTIFICAR AS OPORTUNIDADES

Leia mais

Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas

Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas Linhas de Financiamento para Reconstrução e Mitigação de Mudanças Climáticas Fortalecimento de estratégias e produtos financeiros

Leia mais

ANEXO I - ORIENTAÇÃO PARA AS ESCOLAS SOBRE A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO DOS GRÊMIOS ESTUDANTIS 2017

ANEXO I - ORIENTAÇÃO PARA AS ESCOLAS SOBRE A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO DOS GRÊMIOS ESTUDANTIS 2017 ANEXO I - ORIENTAÇÃO PARA AS ESCOLAS SOBRE A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO DOS GRÊMIOS ESTUDANTIS 2017 Contextualização O Projeto de Gestão Democrática da Educação foi desenvolvido pela SEE em 2016 e contou

Leia mais

A visão empresarial da nova institucionalidade

A visão empresarial da nova institucionalidade Inovação Tecnológica e Segurança Jurídica A visão empresarial da nova institucionalidade José Ricardo Roriz Coelho Diretor Titular Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC Presidente Suzano

Leia mais

Papel dos Bancos de Desenvolvimento e das Agências de Fomento no apoio aos APLs

Papel dos Bancos de Desenvolvimento e das Agências de Fomento no apoio aos APLs Papel dos Bancos de Desenvolvimento e das Agências de Fomento no apoio aos APLs Brasília, abril de 2014 Sumário da Apresentação Política Nacional de Desenvolvimento Regional PNDR; Programa Rotas de Integração

Leia mais

COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM ATIVIDADES Atividade Extra - Fórum SIEPE (Compensação da carga horária do dia 08/09/2012) A atividade foi postada no módulo X Atividade Módulo X - Fórum Agenda O cursista

Leia mais

ADVERTÊNCIA. Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Gabinete do Ministro

ADVERTÊNCIA. Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Gabinete do Ministro ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.311, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 Altera a Portaria nº 2.866/GM/MS, de 2 de

Leia mais

CAFÉ FORTE PROJETO ESPECIAL 2017

CAFÉ FORTE PROJETO ESPECIAL 2017 CAFÉ FORTE PROJETO ESPECIAL 2017 CAFÉ FORTE O Brasil é o maior produtor e exportador de Café do Mundo, mas precisa vencer os desafios de crescer com sustentabilidade de sua produção e fortalecimento da

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre Pró-Reitoria de Extensão - PROEX

Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre Pró-Reitoria de Extensão - PROEX ANEXO 1 FORMULÁRIO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO DE PROJETO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA DO PROJETO 1.1 Área temática (ver Anexo 1.1) 1.2 Linha de extensão (informar em qual (is) linha(s) se enquadra

Leia mais

PROJETO ECO XXI Ação de Formação 14/02/2012 AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL

PROJETO ECO XXI Ação de Formação 14/02/2012 AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL PROJETO ECO XXI Ação de Formação 14/02/2012 INDICADOR 20 AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL Indicador 20 Agricultura e Desenvolvimento Rural Sustentável Pontuação Total máxima 3,5 pontos (Válido

Leia mais

Recursos Humanos para Inovação

Recursos Humanos para Inovação Recursos Humanos para Inovação Resumo Executivo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Recursos Humanos para Inovação Resumo Executivo Brasília, DF Outubro, 2007 Centro

Leia mais

INSTRUMENTOS DE FINANCIAMENTO DA PNDR

INSTRUMENTOS DE FINANCIAMENTO DA PNDR INSTRUMENTOS DE FINANCIAMENTO DA PNDR FUNDOS CONSTITUCIONAIS DE FINANCIAMENTO Origem: Constituição Federal de 1988 destinou 3% de toda a arrecadação com o IR e IPI. CRIAÇÃO E OBJETIVO Criados pela Lei

Leia mais

RELATÓRIO DIRETORIA 2011-2012

RELATÓRIO DIRETORIA 2011-2012 RELATÓRIO DIRETORIA 2011-2012 FEDERACITE REALIZA ASSEMBLÉIA ORDINÁRIA Encontro de citeanos em assembléia Análise da movimentação financeira do exercício Apresentação do parecer do conselho fiscal Apresentação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA VISANDO A ELABORAÇÃO DE JOGO AMBIENTAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA VISANDO A ELABORAÇÃO DE JOGO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA VISANDO A ELABORAÇÃO DE JOGO AMBIENTAL 1. IDENTIFICAÇÃO DO TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO: 08/2010 2. IDENTIFICAÇÃO DO CONTRATANTE CONTRATANTE:

Leia mais

AS POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL E O PLANO PLURIANUAL

AS POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL E O PLANO PLURIANUAL AS POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL E O PLANO PLURIANUAL 2012-2015 Brasília DF Julho de 2011 1 A Política Nacional de Promoção da Igualdade Racial e a SEPPIR Essa Política tem como objetivo principal

Leia mais

Estratégia de sustentabilidade

Estratégia de sustentabilidade Estratégia de sustentabilidade Fusão I Itaú + Unibanco Visão I Itaú Unibanco Perguntas norteadoras I 2010 - Itaú Unibanco 1 2 3 O que é Performance Sustentável e qual a relação entre Performance Sustentável

Leia mais

Projeto Futuro Mais Verde

Projeto Futuro Mais Verde Projeto Futuro Mais Verde Resumo Executivo A questão da responsabilidade ambiental tem sido um dos assuntos mais relevantes nas empresas do setor sucroenergético e as usinas da COFCO Agri também se interessam

Leia mais

Unilever Brasil Sustentabilidade Cada Gesto Conta

Unilever Brasil Sustentabilidade Cada Gesto Conta Unilever Brasil Sustentabilidade Cada Gesto Conta 06/12/2011 Nossa visão Trabalhamos para criar um futuro melhor todos os dias. Ajudamos as pessoas a se sentirem bem, bonitas e a aproveitarem mais a vida

Leia mais

Plano de Carreira Indigenista

Plano de Carreira Indigenista Plano de Carreira Indigenista Princípios e diretrizes indigenistas do Estado Brasileiro Maio de 2008 Sumário Marcos Legais da Ação Indigenista do Estado Realidade indígena Diretrizes Gerais do Plano da

Leia mais

CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE 2009 PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO DE GESTORES AMBIENTAIS PNC/PR Elias Araujo Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE Texto de apoio

Leia mais

Energias Renováveis BIODIESEL

Energias Renováveis BIODIESEL Energias Renováveis BIODIESEL Profª Elisa Helena Siegel Moecke UNISUL Universidade do Sul de Santa Catarina Apresentação Com o Protocolo de Kyoto (1997) muitos países se comprometeram com a redução da

Leia mais

LEI Nº 12.249, DE 11 DE JUNHO DE 2010

LEI Nº 12.249, DE 11 DE JUNHO DE 2010 LEI Nº 12.249, DE 11 DE JUNHO DE 2010 Institui o Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento de Infraestrutura da Indústria Petrolífera nas Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste - REPENEC; cria

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 006/2012 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: MAPEAMENTO O Projeto O Projeto BRA/06/032 comunica

Leia mais

AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Além de integrar a missão e visão da FACISC, o Desenvolvimento Sustentável passa agora a ser uma de nossas Diretrizes de atuação. Desta forma, propondo a ampliação

Leia mais

PROPOSTA NOSSA. Treinamentos em Primeiros Socorros para ambiente escolar no Rio de Janeiro. Fale Conosco: contato@reanime-rio.com

PROPOSTA NOSSA. Treinamentos em Primeiros Socorros para ambiente escolar no Rio de Janeiro. Fale Conosco: contato@reanime-rio.com Treinamentos em Primeiros Socorros para ambiente escolar no Rio de Janeiro. Fale Conosco: contato@reanime-rio.com NOSSA PROPOSTA Para mais informações como tipos de cursos, carga horária, investimento,

Leia mais

Comunidades Rurais e Extrativistas do Norte do Tocantins, Potencial e Produtos

Comunidades Rurais e Extrativistas do Norte do Tocantins, Potencial e Produtos Comunidades Rurais e Extrativistas do Norte do Tocantins, Potencial e Produtos Região do Bico do Papagaio Conforme o Sistema de Informações Territoriais, o Bico do Papagaio é composto por 25 municípios

Leia mais

Carta de Brasília II

Carta de Brasília II 2 Carta de Brasília II O II Fórum Nacional de TVs Públicas, ancorado pela Carta de Brasília, afirma seu compromisso com o processo de democratização da comunicação social brasileira. Visando a conquista

Leia mais

c) Aplicar os princípios de pesquisa operacional mediante:

c) Aplicar os princípios de pesquisa operacional mediante: GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE ATRIBUIÇÕES DOS PROFISSIONAIS DA EQUIPE DE SAÚDE PROGRAMA MUNICIPAL DE CONTROLE DA HANSENÍASE 1. Atribuições

Leia mais

PROPOSTAS APROVADAS NA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA. EIXO 1 Implementação do Sistema Municipal de Cultura/Sistema Nacional de Cultura

PROPOSTAS APROVADAS NA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA. EIXO 1 Implementação do Sistema Municipal de Cultura/Sistema Nacional de Cultura PROPOSTAS APROVADAS NA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA EIXO 1 Implementação do Sistema Municipal de Cultura/Sistema Nacional de Cultura Foco: Impactos da Emenda Constitucional do SNC na organização

Leia mais

ANEXO IV QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, POR CARGO ATRIBUIÇÕES

ANEXO IV QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, POR CARGO ATRIBUIÇÕES ANEXO IV QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, POR CARGO CARGO Auxiliar de Serviços Gerais I Merendeira I Fiscal de Obras e Edificações I ATRIBUIÇÕES Manter limpos os móveis, arrumar e manter limpos os locais de trabalho;

Leia mais

Relatório Anual. Observatório Social de Florianópolis - OSF. Observatório Social de Florianópolis - OSF

Relatório Anual. Observatório Social de Florianópolis - OSF. Observatório Social de Florianópolis - OSF Resumo da ONG Foco de Atuacão Constitui-se como uma ferramenta de controle social a serviço do cidadão e em favor da transparência e da qualidade na aplicação dos recursos públicos. Podem participar do

Leia mais

PROJETO: PROMOVER O DESENVOLVIMENTO DO MUNICÌPIO DE BOM JESUS DO ITABAPOANA PROGREDIR BOM JESUS

PROJETO: PROMOVER O DESENVOLVIMENTO DO MUNICÌPIO DE BOM JESUS DO ITABAPOANA PROGREDIR BOM JESUS PROJETO: PROMOVER O DESENVOLVIMENTO DO MUNICÌPIO DE BOM JESUS DO ITABAPOANA PROGREDIR BOM JESUS PROGRAMA DE REVITALIZAÇÃO EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO INTEGRADO RURAL PROJETO: PROMOVER O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

FINANCIAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS DE PESQUISA. COMANDANTE SANTIAGO Tel: (61) / 4067

FINANCIAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS DE PESQUISA. COMANDANTE SANTIAGO Tel: (61) / 4067 FINANCIAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS DE PESQUISA COMANDANTE SANTIAGO davi.santiago@defesa.gov.br Tel: (61) 3312-4068 / 4067 SUMÁRIO PROPÓSITO O INTERESSE DA DEFESA NACIONAL PORTARIA MCT/MD Nº 750 PARCEIROS

Leia mais

S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações LEI Nº 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

INSTRUMENTOS DE FINANCIAMENTO DA PNDR

INSTRUMENTOS DE FINANCIAMENTO DA PNDR INSTRUMENTOS DE FINANCIAMENTO DA PNDR FUNDOS CONSTITUCIONAIS DE FINANCIAMENTO Origem: Constituição Federal de 1988 destinou 3% de toda a arrecadação com o IR e IPI. CRIAÇÃO E OBJETIVO Criados pela Lei

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 327/2014 DE 23 DE JUNHO DE 2014

LEI MUNICIPAL Nº 327/2014 DE 23 DE JUNHO DE 2014 LEI MUNICIPAL Nº 327/2014 DE 23 DE JUNHO DE 2014 Cria o Conselho de Desenvolvimento Rural Sustentável do Município de Lagoa do Tocantins e dá outras providências A Prefeita Municipal MINERVA DICLÉIA VIEIRA

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAE: IIII Encontro Catarinense de Alimentação Escolar

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAE: IIII Encontro Catarinense de Alimentação Escolar PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAE: IIII Encontro Catarinense de Alimentação Escolar Atualização sobre a compra da Agricultura Familiar Resolução do FNDE nº04/2015 Olavo Braga COSAN - CECANE/SC

Leia mais

Projeto Na Medida MICROEMPRESA. Palestra de sensibilização Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS. Competências Gerais. Modalidade. Formato.

Projeto Na Medida MICROEMPRESA. Palestra de sensibilização Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS. Competências Gerais. Modalidade. Formato. Projeto Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS Palestra de sensibilização Na Medida Compreender a relevância do papel dos micro e pequenos empresários na economia brasileira e a necessidade da adoção das melhores

Leia mais

Projeto de lei para florestas plantadas no Rio Grande do Sul

Projeto de lei para florestas plantadas no Rio Grande do Sul SECRETARIA DA AGRICULTURA E PECUÁRIA CÂMARA SETORIA DA CADEIA PRODUTIVA DE FLORESTAS PLANTADAS Projeto de lei para florestas plantadas no Rio Grande do Sul Congresso Florestal Nova Prata Maio 2015 Migração

Leia mais

FITOTERAPIA NA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL

FITOTERAPIA NA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL FITOTERAPIA NA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL Roseli Turcatel Motter Centro Popular de Saúde Yanten Rua Maranhão, 1300 Caixa Postal 1005 Tel/fax: (45) 3264-2806 yanten@arnet.com.br CEP: 85.884-000 Medianeira

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE MERCADOS SUSTENTÁVEIS

CONSTRUÇÃO DE MERCADOS SUSTENTÁVEIS CONSTRUÇÃO DE MERCADOS SUSTENTÁVEIS Megabiodiversidade Brasileira Diversidade Sociocultural Brasileira O Plano Nacional e sua constituição *Realização de 7 Seminários por Biomas e 1 Nacional * Consulta

Leia mais

JOSÉ FRANCISCO SOARES

JOSÉ FRANCISCO SOARES JOSÉ FRANCISCO SOARES Produção e uso de evidências na educação básica JOSÉ FRANCISCO SOARES Sumário Educação Evidências: (pedagógicas) Modelo Conceitual Agenda de pesquisa Educação concretizada A educação

Leia mais

Na União Europeia e países europeus (I):

Na União Europeia e países europeus (I): O princípio da CPD diz-nos que as políticas nos vários setores devem contribuir ativamente para os objetivos de luta contra a pobreza e de promoção do desenvolvimento ou, pelo menos, não prejudicarem esses

Leia mais

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 1 Curso de Formação Educador Ambiental 2009 Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 2 Curso de Formação: Educador Ambiental Índice: 1 Apresentação da entidade formadora e de Coordenação do Curso 2

Leia mais

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade...

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade... ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS Folha 1/8 ÍNDICE 1. Objetivo...2 2. Abrangência...2 3. Definições...2 4. Diretrizes...3 5. Materialidade...7 Folha 2/8 1. Objetivos 1. Estabelecer as diretrizes que devem orientar

Leia mais

PLANO DE AÇÃO. Grupo de Estudos em Arbitragem, Mediação e Administração Pública Comitê Brasileiro de Arbitragem (CBAr)

PLANO DE AÇÃO. Grupo de Estudos em Arbitragem, Mediação e Administração Pública Comitê Brasileiro de Arbitragem (CBAr) PLANO DE AÇÃO Grupo de Estudos em Arbitragem, Mediação e Administração Pública Comitê Brasileiro de Arbitragem (CBAr) Plano de ação relativo às atividades, objetivos e estratégias do Grupo de Estudos em

Leia mais

UNIAO VITORIOSA PLANO DE GOVERNO SAUDE

UNIAO VITORIOSA PLANO DE GOVERNO SAUDE UNIAO VITORIOSA PLANO DE GOVERNO 2013 2016 SAUDE A saúde publica centra sua ação a partir da ótica do Estado com os interesses que ele representa nas distintas formas de organização social e politica das

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 6 GESTÃO DO RISCO E RESTABELECIMENTO DO POTENCIAL PRODUTIVO Ação 6.2 PREVENÇÃO E RESTABELECIMENTO DO POTENCIAL PRODUTIVO Enquadramento

Leia mais

A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989);

A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989); A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989); Essa reunião mundial (CNUMAD - 92) foi organizada para elaborar a estratégia para deter e reverter

Leia mais

O PROGRAMA DE MICROCRÉDITO RURAL AGROAMIGO NA BUSCA PELA MELHORIA NA RENDA E NAS CONDIÇÕES DE VIDA DOS BENEFICIÁRIOS NO MUNICÍPIO DE RIO TINTO - PB

O PROGRAMA DE MICROCRÉDITO RURAL AGROAMIGO NA BUSCA PELA MELHORIA NA RENDA E NAS CONDIÇÕES DE VIDA DOS BENEFICIÁRIOS NO MUNICÍPIO DE RIO TINTO - PB UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO O PROGRAMA DE MICROCRÉDITO RURAL AGROAMIGO NA BUSCA PELA MELHORIA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 74, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 74, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 74, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DOU de 25/11/2015 (nº 225, Seção 1, pág. 55) Estabelece

Leia mais

COMUNIDADE DE PRÁTICA VIRTUAL: ESPAÇO PARA O COMPARTILHAMENTO DE CONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

COMUNIDADE DE PRÁTICA VIRTUAL: ESPAÇO PARA O COMPARTILHAMENTO DE CONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA COMUNIDADE DE PRÁTICA VIRTUAL: ESPAÇO PARA O COMPARTILHAMENTO DE CONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Autores: Viviane Sartori, Msc. Neri dos Santos, Dr. Agenda Contextualização Objetivos Metodologia Fundamentação

Leia mais

REUNIÕES DE MOBILIZAÇÃO PARA A REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

REUNIÕES DE MOBILIZAÇÃO PARA A REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS REUNIÕES DE MOBILIZAÇÃO PARA A REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS PROGRAMAÇÃO DAS REUNIÕES DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL 19h00 - ABERTURA 19h15 - APRESENTAÇÃO SOBRE PLANO DIRETOR 19h30 - MOMENTO DE

Leia mais

Prefeitura Municipal de Valente-BA. A Prefeitura Municipal de Valente, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

Prefeitura Municipal de Valente-BA. A Prefeitura Municipal de Valente, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. ANO. 2013 DIÁRIO DO MUNICÍPIO DE VALENTE - BAHIA 1 A Prefeitura Municipal de Valente, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. LEI N.º 598, DE. Valente - Bahia Gestor: Ismael

Leia mais

Um Caso de Estudo na Produção: Pera Rocha

Um Caso de Estudo na Produção: Pera Rocha Um Caso de Estudo na Produção: Pera Rocha WORKSHOP Sustentabilidade e Carbono no Sector Agro-Alimentar @ Óbidos 26-05-2011 psantos@consulai.com AGENDA PROJECTO Apresentação do projecto associado à produção

Leia mais

CONEXÕES CRIATIVAS - BETIM Projetos inseridos na Lei Rouanet de Incentivo à Cultura

CONEXÕES CRIATIVAS - BETIM Projetos inseridos na Lei Rouanet de Incentivo à Cultura CONEXÕES CRIATIVAS - BETIM Projetos inseridos na Lei Rouanet de Incentivo à Cultura. Conexões para transformar www.planetacultura.com.br Introdução O que é o Conexões Criativas - Betim? Conhecendo o PTB

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN MCT 1 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN MCT 1 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN 3.1.6 - MCT 1 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Prestação de serviços de pessoa física para a elaboração de documento

Leia mais

LOGOTIPO HORIZONTAL PANTONE. Diretrizes Ambientais do Pólo Agro-industrial de Capanda

LOGOTIPO HORIZONTAL PANTONE. Diretrizes Ambientais do Pólo Agro-industrial de Capanda LOGOTIPO HORIZONTAL PANTONE Diretrizes Ambientais do Pólo Agro-industrial de Capanda Diretrizes Ambientais do Pólo Agro-industrial de Capanda Foram identificados 4 atributos ambientais, importantes para

Leia mais

Desafios. Impactos nos pobres urbanos

Desafios. Impactos nos pobres urbanos Alimento para as cidades Nem as Metas de Desenvolvimento do Milênio nem as metas da Cúpula Mundial da Alimentação serão atingidas se não for dada a devida atenção às cidades e aos vínculos rural-urbanos.

Leia mais

Inovação e Sustentabilidade na produção de alimentos: - O contributo do Setor Cooperativo PORTO

Inovação e Sustentabilidade na produção de alimentos: - O contributo do Setor Cooperativo PORTO Inovação e Sustentabilidade na produção de alimentos: - O contributo do Setor Cooperativo PORTO 23 de Março de 2017 1. Desafios à Produção Alimentar 2. O contexto nacional A diversidade económica social

Leia mais

Apoio para Participação Individual de Empresas em Feiras no Exterior

Apoio para Participação Individual de Empresas em Feiras no Exterior Unidade de Projetos Termo de Referência sobre Apoio para Participação Individual de Empresas em Feiras no Exterior REVISTO E ATUALIZADO Março de 2013 Elaborado por: Apex-Brasil Pág: 1 / 36 GESTOR DE PROJETOS

Leia mais

REGIÃO SUDESTE. GRUPO 1 ALICIAMENTO PARA TRÁFICO DE DROGAS Planejamento das Ações Intersetoriais. Políticas Envolvidas. Segurança Pública.

REGIÃO SUDESTE. GRUPO 1 ALICIAMENTO PARA TRÁFICO DE DROGAS Planejamento das Ações Intersetoriais. Políticas Envolvidas. Segurança Pública. REGIÃO SUDESTE Eixos de Atuação 1. Informação e Mobilização GRUPO 1 ALICIAMENTO PARA TRÁFICO DE DROGAS Planejamento das Ações Intersetoriais 1.1 Capacitar permanente os gestores e profissionais envolvidos

Leia mais

Sessão de Divulgação TAGUS2020 Ribatejo Interior. Diversificação de Atividades na Exploração Agrícola e Bolsa Nacional de Terras

Sessão de Divulgação TAGUS2020 Ribatejo Interior. Diversificação de Atividades na Exploração Agrícola e Bolsa Nacional de Terras Sessão de Divulgação TAGUS2020 Ribatejo Interior Diversificação de Atividades na Exploração Agrícola e Bolsa Nacional de Terras A nossa Visão Potenciar o máximo aproveitamento e utilização do território

Leia mais

FOME ZERO. VI Encontro Nacional dos Coordenadores Estaduais e Centros Colaboradores em Alimentaçã. ção CGPAN/MS/Brasília

FOME ZERO. VI Encontro Nacional dos Coordenadores Estaduais e Centros Colaboradores em Alimentaçã. ção CGPAN/MS/Brasília FOME ZERO VI Encontro Nacional dos Coordenadores Estaduais e Centros Colaboradores em Alimentaçã ção e Nutriçã ção CGPAN/MS/Brasília lia-df Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Abril/2006

Leia mais

PROGRAMA LEITE GAÚCHO MANUAL OPERATIVO

PROGRAMA LEITE GAÚCHO MANUAL OPERATIVO PROGRAMA LEITE GAÚCHO MANUAL OPERATIVO PORTO ALEGRE, NOVEMBRO DE 2011 GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL TARSO GENRO SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO RURAL, PESCA E COOPERATIVISMO IVAR PAVAN DIRETOR

Leia mais

PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: EDUCANDO E PRESERVANDO O MEIO AMBIENTE PARA AS PRESENTES E FUTURAS GERAÇÕES

PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: EDUCANDO E PRESERVANDO O MEIO AMBIENTE PARA AS PRESENTES E FUTURAS GERAÇÕES PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: EDUCANDO E PRESERVANDO O MEIO AMBIENTE PARA AS PRESENTES E FUTURAS GERAÇÕES Elisângelo Fernandes da Silva (E-mail: elisangelo.silva@bol.com.br); Francisco Auricélio de Oliveira

Leia mais

Banco do Brasil Desenvolvimento Sustentável. Financiamento do Desenvolvimento Regional

Banco do Brasil Desenvolvimento Sustentável. Financiamento do Desenvolvimento Regional Banco do Brasil Desenvolvimento Sustentável Financiamento do Desenvolvimento Regional Desenvolvimento Regional Sustentável - DRS Visão Participativa - Concertação BB Associações Universidades Região Empresas

Leia mais

PLATAFORMA PARA AS ELEIÇÕES 2.014

PLATAFORMA PARA AS ELEIÇÕES 2.014 PLATAFORMA PARA AS ELEIÇÕES 2014 Considerando que a Bacia do Rio Paraguai abrange a maior planície inundável do planeta, o Pantanal; Considerando que a bacia abriga mais de 8 milhões de habitantes com

Leia mais