Relatório e Contas 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório e Contas 2011"

Transcrição

1

2 Relatório e Contas 2011

3 Índice 3 índice Relatório e Contas 2011 pág. > Mensagem do Presidente da COMISSÃO EXECUTIVA Síntese dos principais indicadores O Banco Sol 3.1 Órgãos Sociais 3.2 Estrutura Accionista 3.3 Missão, Estratégia, Valores e Responsabilidade Social 3.4 Principais Acontecimentos de Presença Geográfica e Rede de Balcões 3.6 Recursos Humanos Envolvente económica e financeira 4.1 Enquadramento Económico e Financeiro Internacional 4.2 Enquadramento Económico e Financeiro Nacional Síntese de Actividade das Principais Áreas de Negócio 5.1 Actividade Comercial e Áreas de Negócio 5.2 Unidades de Apoio ao Negócio 5.3 Política e Gestão de Risco Análise Financeira 6.1 Evolução dos Resultados Líquidos e Rentabilidade 6.2 Margem Financeira e Produto Bancário 6.3 Custos de Estrutura 6.4 Activo Total 6.5 Créditos 6.6 Provisões para Créditos de Liquidação Duvidosa e Garantias Prestadas 6.7 Títulos e Valores Mobiliários 6.8 Recursos pág. > Proposta de Aplicação de Resultados 7.1 Proposta de Aplicação de Resultados Demonstrações Financeiras 8.1 Balanços Patrimoniais em 31 de Dezembro de 2011 e Demonstração dos Resultados em 31 de Dezembro de 2011 e Demonstrações de Mutações nos Fundos Próprios em 31 de Dezembro de 2011 e Demonstrações dos Fluxos de Caixa em 31 de Dezembro de 2011 e 2010 anexo às Demonstrações Financeiras Relatório e Parecer do Conselho Fiscal Relatório dos Auditores ANNUAL REPORT

4

5 Mensagem do Presidente da Comissão Executiva 01

6 Mensagem do Presidente da Comissão Executiva 7 Senhores accionistas, Em 13 de Abril de 2012 realizou-se a Assembleia Geral de Accionistas do Banco Sol, SA, tendo sido aprovada a alteração e reestruturação do contrato de sociedade, que se consubstanciou na adopção de um modelo de governação monista clássico, isto é, composto por um Conselho de Administração e um Conselho Fiscal. O Conselho de Administração passou a compreender administradores executivos e não executivos. Na mesma Assembleia Geral foram eleitos os novos membros dos órgãos sociais para o mandato A crise financeira mundial iniciada em 2007 continuou em 2011 com especial incidência nos países periféricos da Zona Euro. O ano de 2011, a nível internacional, ficou marcado por um forte agravamento da crise financeira, económica e social, crise essa que se alastrou aos estados e iniciou uma nova fase, denominada crise da dívida soberana. Este desequilíbrio revelou-se extremamente prejudicial numa altura em que os agentes económicos diminuíram fortemente os níveis de alavancagem, seja por imposições legais, gestão de risco ou expectativas. Num cenário internacional de conjuntura difícil, a economia angolana terá crescido aproximadamente 3,4% em 2011, estimando-se para o ano de 2012 uma aceleração da actividade económica, em resultado do reforço do investimento público, incremento da exploração de petróleo e expansão da produção de gás natural, podendo o crescimento do PIB-Produto Interno Bruto atingir valores perto de 10%, segundo dados do FMI- Fundo Monetário Internacional. Os fundamentos do sistema bancário angolano estão sãos e a banca nacional mostrou grande solidez e resiliência ao longo da crise financeira iniciada em 2007, para que o que muito contribuiu a sua capacidade em se modernizar, não ter sofrido os efeitos de bolhas imobiliárias nem de activos tóxicos, seguir modelos de negócios centrados na banca de retalho e observando as regras de prudenciabilidade, assegurando deste modo os níveis adequados de liquidez e solvabilidade definidas pelos reguladores e supervisores a que reporta. O Banco Sol, como agente económico a actuar no mercado angolano, seguiu a sua estratégia muito assente na proximidade e no fortalecimento das relações com os seus Clientes e, principalmente, sua satisfação e fidelização. Nestes 10 anos de vivência, tem-se ajustado gradualmente aos novos desafios da actividade bancária, através da exploração de novas oportunidades de negócio criadas pelas novas tecnologias, expandido significativamente a sua actividade de captação de depósitos e reforçando a sua presença nas cidades, nos municípios, nas zonas rurais e tem sabido ser de todos e estar para todos, diminuindo, deste modo, as assimetrias. Neste enquadramento, o desempenho global do Banco Sol em 2011 pode considerar-se positivo, destacando-se, desde logo, o significativo (16%) aumento dos capitais próprios, demonstrativo de criação de valor para os accionistas, e o valor do rácio de solvabilidade apresentado no final do ano de 2011 (15%), acima do regulamentado, isto é, adequado ao nível de risco do seu balanço. O Banco Sol apresentou um resultado líquido (lucro) de milhares de Kwanzas (equivalente a milhares de dólares americanos) face a milhares de Kwanzas registados em 2010 (equivalente a milhares de dólares americanos), o que representou uma quebra de 7% face ao ano anterior, afectado, sobretudo, pela evolução dos custos de estrutura consubstanciados em investimentos na infra-estrutura tecnológica, pela melhoria das condições sociais dos seus Colaboradores e pela necessidade de reconhecimento de imparidades de crédito. Por outro lado, o activo líquido do Banco Sol aumentou 8% face ao ano anterior, atingindo, no final de 2011, milhares de USD. O crédito aos clientes atingiu milhares de USD e os recursos totais de clientes ascenderam a milhares de USD no final de 2011, representando um crescimento de 10 e 7%, respectivamente. Desta forma, o Banco Sol manteve não só a sua boa performance, olhando cristalinamente pelos agregados dos principais indicadores financeiros e de gestão, como, ao mesmo tempo, investia na expansão da sua rede e melhoria de serviços, atingindo no final do ano de 2011 as 97 agências (mais 11 do que em 2010), assente num plano audacioso virado para o futuro, conforme previsto no Plano Estratégico aprovado na Assembleia Geral de Accionistas. Outros sinais relevantes deste percurso meritório do Banco Sol em 2011 são (a) a expansão da base de Clientes que passaram de em 2010 para no final de 2011, o que representa um crescimento de 25%, (b) o número de cartões Multicaixa emitidos (de em 2010, para em 2011), (c) o número de cartões VISA emitidos (de em 2010, para em 2011) e (d) o parque de ATM s e TPA s existentes no final de 2011, cerca de 115 e 385, respectivamente. Enquadrado na política de Responsabilidade Social do Banco Sol, em Janeiro de 2011, foi criada a Fundação Sol, a qual tem como Membro Fundador, o Banco Sol, e que prossegue fins altruístas de natureza cultural, científica e educacional e outras de natureza social, no âmbito da solidariedade do Membro Fundador e numa óptica socialmente responsável e sustentável. Antes de terminar, quero deixar em meu nome pessoal e em nome da Comissão Executiva e do Conselho de Administração a nossa expressão de reconhecimento aos nossos Colaboradores, profissionais dedicados, de elevado ego comercial, competentes e motivados e que nos incutem a certeza de que temos uma equipa comprometida com os objectivos da Instituição para continuar a corresponder ao apoio, acolhimento e à confiança depositada por Accionistas, Clientes, Autoridades Governamentais e de Supervisão (BNA), o que contribui significativamente para registarmos os resultados obtidos. Coutinho Nobre Miguel Presidente da Comissão Executiva

7

8 Síntese dos Principais Indicadores 02

9 Síntese dos Principais Indicadores SÍNTESE DOS PRINCIPAIS INDICADORES (em milhares de USD) 31/Dez/11 31/Dez/10 31/Dez/09 1 BALANÇO activo total líquido Crédito sobre clientes (bruto) Recursos totais de clientes títulos e valores mobiliários fundos próprios Capitais próprios ACTIVIDADE Margem financeira Resultados de operações cambiais Resultados de prestação de serviços financeiros Produto bancário Resultado operacional Resultado líquido do exercício Cash Flow RENDIBILIDADE Rendibilidade do activo total (ROA) 2,0% 2,0% 3,0% Rentabilidade dos capitais próprios (ROE) 24,4% 30,0% 47,0% 31/Dez/11 31/Dez/10 31/Dez/09 4 SOLVABILIDADE Rácio de solvabilidade 2 14,6% 20,5% 19,6% 5 QUALIDADE DO CRÉDITO Crédito vencido (+90 d)/crédito sobre Clientes (em %) 2,9% 1,5% 0,2% Cobertura do crédito vencido por provisões (em %) 66,0% 65,3% 34,2% 6 REDE DE DISTRIBUIÇÃO, COLABORADORES E CLIENTES número de balcões número de colaboradores número de clientes PRODUTIVIDADE, EFICIÊNCIA E CRESCIMENTO Cost-to-income 3 82,0% 71,0% 45,0% Produto bancário/nº de colaboradores nº de colaboradores/nº de balcões número de TPAs activos número de ATMs activos número de cartões MULTICAIXA emitidos número de cartões VISA emitidos número de aderentes ao SOLNET número de aderentes ao SOLSMS ) Calculado de acordo com as regras do BNA - Banco Nacional de Angola (Aviso Nº. 04/2007) 2) Fundos próprios sobre o total dos activos ponderados pelo risco (Aviso Nº. 05/2007 do BNA) 3) Custos de estrutura/produto bancário

10

11 O Banco Sol 3.1 Orgãos Sociais 3.2 Estrutura Accionista 3.3 Missão, Estratégia, Valores e Responsabilidade Social 3.4 Principais Acontecimentos de Presença Geográfica e Rede de Balcões 3.6 Recursos Humanos 03

12 Administradores :: Coutinho Nobre Miguel :: António Manuel Graça 14 O Banco Sol 3.1 orgãos SOCIAIS No final de 2011, os Orgãos Sociais do Banco Sol eram compostos por: CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO MESA DA ASSEMBLEIA GERAL Presidente :: Sebastião Bastos Lavrador Presidente :: Joana Lina Baptista Vice-Presidente :: Mário Sequeira de Carvalho Paulo Sérgio Lavrador :: Varínia da Silva Sobral Secretário :: Francisco Domingos Fortunato Administradores :: Paulo Sérgio Lavrador :: Varínia da Silva Sobral Presidente :: Coutinho Nobre Miguel 2º Vogal :: KPMG 1º Vogal :: Noé Baltasar Presidente :: Júlio Vieira Bessa COMISSÃO EXECUTIVA CONSELHO FISCAL

13 O Banco Sol 15 Em 13 de Abril de 2012, na Assembleia Geral de Accionistas do Banco Sol, SA foi aprovada a alteração e reestruturação do contrato de sociedade, que se consubstanciou na adopção de um modelo de administração e fiscalização monista, composto por um Conselho de Administração e um Conselho Fiscal. Na mesma Assembleia Geral foram eleitos os seguintes membros dos novos órgãos sociais para o mandato : CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO MESA DA ASSEMBLEIA GERAL Presidente :: Coutinho Nobre Miguel Presidente :: Mário Sequeira de Carvalho Varínia da Silva Sobral :: Carla Van-Dunem Vice-Presidente :: Maria Manuela Ceitas Carneiro Secretário :: Francisco Domingos Fortunato Administradores :: António Manuel Graça :: Paulo Sérgio Lavrador Administradores Não-Executivos: David Dinis Hach :: Mariano Bernardino Machado 2º Vogal :: Manuel Pinheiro Fernandes 1º Vogal :: Noé Baltasar Presidente :: Paul de Sousa CONSELHO FISCAL

14 16 O Banco Sol 3.2 ESTRUTURA ACCIONISTA Em 31 de Dezembro de 2011, o Capital Social do Banco Sol, no valor de Kwanzas (equivalente a USD ), correspondente a acções de valor nominal de 75,023 Kwanzas cada, integralmente subscrito e realizado, era detido por 11 accionistas, repartido entre particulares e empresas. Posições accionistas do capital social do Banco Sol Accionistas Nº de acções detidas % do capital detida SANSUL, SA ,00 Sebastião Bastos Lavrador ,42 Noé José Baltasar ,42 Ana Paula dos Santos ,42 Sociedade de Comércio Martal ,42 João Manuel Lourenço ,42 Júlio Marcelino Bessa ,17 Coutinho Nobre Miguel ,91 Maria Mambo Café ,91 António Mosquito , MISSÃO, ESTRATÉGIA, VALORES E RESPONSABILIDADE SOCIAL MISSÃO Criar valor para os seus Clientes através da comercialização de produtos e serviços financeiros inovadores e personalizados, concebidos para satisfazer a globalidade das necessidades e expectativas financeiras de diferentes segmentos de mercado, observando, contudo, rigorosos padrões de conduta e responsabilidade e, ao mesmo tempo, crescer com rendibilidade, de modo a proporcionar um retorno atractivo aos Accionistas. Embora o objecto social do Banco Sol contemple uma gama universal de serviços financeiros clássicos e a retalho, desde o início da sua actividade, em Outubro de 2001, o microcrédito tem sido um dos pilares estratégicos que tem norteado a actividade do Banco Sol, tendo em vista, sempre, o seu contributo para o desenvolvimento económico e social de Angola. Este continua, e continuará, a ser, sem dúvida, um dos aspectos da nossa missão. ESTRATÉGIA Atendendo à sua missão, as principais linhas estratégicas do Banco passam pelos seguintes processos: contribuição empenhada para o relançamento da bancarização da economia angolana; aprofundamento do enfoque nos negócios core (microcrédito e retalho), através da crescente implantação geográfica no país; manutenção de elevados níveis de satisfação, fidelização e envolvimento com os Clientes; promoção de novas iniciativas em áreas com elevado potencial de crescimento; valorização, motivação e compensação dos nossos Colaboradores, criando-lhes perspectivas de desenvolvimento de carreira atraentes; exploração de novas oportunidades de negócio criadas pelas novas tecnologias; melhoria sustentada dos níveis de rendibilidade e de solidez financeira do Banco; equacionar a nossa presença em mercados internacionais e procura de novos nichos de actividade; preparação antecipada de respostas adequadas e oportunas a desafios e obstáculos futuros. VALORES Neste quadro, a relação do Banco Sol com os seus Clientes é sustentada numa base de confiança, isto é, qualquer negócio ou operação bancária pauta-se por padrões éticos, eficazes e de responsabilidade, tendo sempre presentes as expectativas e necessidades dos Clientes. O Banco Sol é um Banco universal decidido a criar valor em todos os segmentos de mercado, procurando desta forma marcar a sua presença pela qualidade, excelência e inovação na distribuição dos seus produtos e serviços financeiros.

15 O Banco Sol 17 Por outro lado, a transparência e comunicação junto dos Clientes por forma a que estes tomem as suas decisões de uma forma clara e simples, sustentam a relação entre aqueles e o nosso Banco. Reconhecendo a importância dos Colaboradores para a sustentabilidade do Banco, o investimento na formação e nos programas de desenvolvimento, como forma de se obterem novas valências e desempenhos de excelência, constituirá sempre um dever e compromisso do Banco, no sentido de mantê-los motivados e focados numa visão comum em torno da nossa instituição. 3.4 PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS DE 2011 A constituição da FUNDAÇÃO SOL, a abertura de 11 unidades novas (agências, dependências, centro de empresas e Caixas Avançados ) e a publicação de importantes diplomas normativos (instruções) produzidos pelo BNA - Banco Nacional de Angola, entidade a quem compete a supervisão prudencial das instituições de crédito, durante o exercício de 2011, constituíram outros marcos importantes no corrente exercício que passamos a percorrer cronologicamente: Os traços gerais da cultura do nosso Banco são a independência da gestão, a flexibilidade organizativa, o trabalho de equipa, a rigorosa administração de riscos e a segura criação de valor. RESPONSABILIDADE SOCIAL No seguimento da sua política social, em Janeiro de 2011, foi criada a FUNDAÇÃO SOL, a qual surge como reflexo da cultura de responsabilidade social do Banco, a par da sua actividade específica, assumindo, desta forma, um claro compromisso de apoio ao desenvolvimento das comunidades em que se insere. A função social foi sempre entendida pelo Banco Sol como componente fundamental da sua missão. No âmbito da sua responsabilidade social corporativa, o Banco Sol, desde a sua fundação, implementou um plano de acções no sentido de aumentar de forma muito significativa o seu impacto junto das populações mais carenciadas, com especial ênfase nos mais jovens e desfavorecidos, e de forma mais sustentada no tempo e geograficamente mais abrangente. Numa altura em que os mercados foram afectados por uma forte instabilidade, o Banco Sol contribuiu para o equilíbrio financeiro necessário à promoção do investimento privado e público e ao desenvolvimento económico e social do país. Sensível às alterações económicas e sociais, o Banco Sol procura estar próximo dos Clientes, apoiando-os com o propósito de minorar eventuais dificuldades sentidas no cumprimento das suas responsabilidades, promovendo instrumentos de criação de emprego e incentivando o empreendedorismo. A responsabilidade social e ambiental do Banco Sol é uma questão de cultura do próprio Banco, pois o interesse do Banco por esta responsabilização deve ser encarado como um benefício a médio e longo prazos, podendo, também, contribuir para atingir o tão necessário desenvolvimento sustentado. Ao nível de responsabilidade social, o Banco Sol, através da FUNDAÇÃO SOL, continuará a sua política de apoio regular e de incentivo ao bem-estar das comunidades, promovendo projectos estruturantes e de continuidade. Janeiro Março Abril Maio No dia 03 de Janeiro é inaugurado o Posto da DHL (Sagrada Família), em Luanda; no dia 21 de Janeiro é constituída, por escritura pública, a FUNDAÇÃO SOL a qual tem como Membro Fundador o Banco Sol; no dia 28 de Janeiro é inaugurada a Dependência da Bela Vista (Lobito), em Benguela, e cuja cerimónia contou com a presença de Sua Exa. Administrador Municipal do Lobito, Senhor Amaro Ricardo; no dia 29 de Janeiro é inaugurado o Posto do SIAC, em Malange, e cuja cerimónia contou com a presença de Sua Exa. Senhor Ministro da Administração Pública, Emprego e Segurança Social (MAPESS), Dr. António Pitra Neto; No dia 15 de Março é inaugurada a Dependência do Huambo II (Cidade Alta), no Huambo, e cuja cerimónia contou com a presença de Sua Exa. Senhor Governador Provincial, Senhor Faustino Muteka; O Banco Sol é convidado para membro da plataforma angolana de iniciativas de desenvolvimento económico solidário, justo, inclusivo e sustentável numa iniciativa promovida pelo PNUD; o Banco Sol é participante e orador na 1ª Conferência Agribusiness Angola sob o lema O papel da banca no financiamento e desenvolvimento de infra-estruturas agrícolas realizada na província de Luanda; o Banco Sol é participante e orador no Fórum denominado O contributo da Juventude no combate à fome e à pobreza realizado na província de Luanda e promovido pela JMPLA; O Banco Sol é participante na missão Angola-Brasil, cujo objectivo se consubstanciou no intercâmbio e cooperação em microfinanças e em economia solidária. Esta acção foi promovida pelo PNUD/PEA e teve lugar na República Federativa do Brasil;

16 18 O Banco Sol Junho No dia 13 de Junho é inaugurada a Agência do Namibe, no Namibe, com a presença de Sua Exa. Senhora Governadora Provincial, Dra. Cândida Celeste; no dia 24 de Junho é inaugurado o Posto do SIAC no Zango (Viana), em Luanda, e cuja cerimónia contou com a presença de Sua Exa. Senhor Governador Provincial, Dr. José Maria Ferraz; o Banco Sol é participante no Fórum Provincial de Jovens Empreendedores, sob o lema: Visão da Banca sobre os Empreendedores Nacionais, realizado na província de Luanda e promovido pelo Secretariado Provincial da JMPLA; O Banco Sol é participante na Oficina de avaliação da missão e planeamento das acções de cooperação promovidas pelo PNUD/PEA, realizada em Luanda; Dezembro No dia 01 de Dezembro é inaugurado o Posto do SIAC no Cazenga, em Luanda, e cuja cerimónia contou com a presença de Sua Exa. Senhor Ministro da Administração Pública, Emprego e Segurança Social (MAPESS), Dr. António Pitra Neto; o Banco Sol regista um lucro líquido no exercício de 2011 de milhares de AKZ (equivalente a milhares de USD), a que corresponde uma rendibilidade dos capitais próprios de 24,4%. Julho O Banco Sol é participante e orador no Fórum sobre economia solidária promovido pelo PEA. Esta acção foi realizada na província do Namibe e contou com o apoio do Governo Provincial; no dia 01 de Julho é inaugurada a Dependência do Ginga Shopping em Viana; no dia 06 de Julho é inaugurado o Posto do SIAC, no Uíge, e cuja cerimónia contou com a presença de Sua Exa. Senhor Ministro da Administração Pública, Emprego e Segurança Social (MAPESS), Dr. António Pitra Neto; O BNA regulamenta a restrição de concessão de créditos em moeda externa e sua classificação (Aviso Nº. 04/2011); Agosto No dia 05 de Agosto é inaugurado o Posto da Martal no Kifica (Samba), em Luanda; Outubro O Banco Sol é participante no Seminário Internacional sobre economia solidária inclusiva, sob o lema A economia inclusiva como estratégia para o desenvolvimento de Angola, realizado na província de Luanda. Esta acção foi promovida pelo Ministério da Família e Promoção da Mulher; o BNA introduz no sistema financeiro nacional a Taxa LUIBOR Luanda Interbank Offered Rate (Aviso Nº.12/2011); o BNA introduz no sistema financeiro nacional o Código de Conduta dos Mercados Monetário e Cambial (Aviso Nº.13/2011); O BNA introduz no sistema financeiro nacional a Taxa Básica de Juro, denominada Taxa BNA (Aviso Nº.13/2011); Novembro No dia 04 de Novembro é inaugurada a Agência de Ndalatando, no Kwanza-Norte, e cuja cerimónia contou com a presença de Sua Exa. Senhor Vice-Governador Provincial, Sr. Henrique Barbosa; no dia 25 de Novembro é inaugurado o Posto do SIAC em Benguela, e cuja cerimónia contou com a presença de Sua Exa. Senhor Ministro da Administração Pública, Emprego e Segurança Social (MAPESS), Dr. António Pitra Neto;

17 O Banco Sol PRESENÇA GEOGRÁFICA E REDE DE BALCÕES A D P P P P P A P P P D A A D D A D P P D D D D T D D P D D A S D P D S T CE D S T D D P D CE P D CA CE CE P D P P D A P P A D A D D P A A A D P S T CE CA Agência Dependência Posto Serviço Terminal Centro de Empresas Centro de Atendimento Automático A D P P Presença Geográfica :: Rede de balcões

18 20 O Banco Sol PRESENÇA GEOGRÁFICA E REDE DE BALCÕES Serviços centrais Edifício Sol (Sede) Rua Lourenço Mendes da Conceição nº 7 T Serviços centrais I t t t f (1º piso) f (2º piso) f (3º piso) f (4º piso) Katyavala Rua Rei Katyavala n.º t Serviços centrais II Município da Ingombota Bº Maculusso Z - 8 T t t t t t f f Ferrovia Rua das Kipacas t Serviços centrais III (Ao lado do ferrovia) t t t t t f AGÊNCIAS Agência de Cabinda Forças Armadas - Cabinda t t t f Agência da Uíge Rua António Agostinho Neto t Prédio Café Lima nº 21, R/C f Agência do Soyo Bairro da Marinha, S/n t t f Agência do N Dalatando Rua Direita Luanda / Malange nº 230 Agência do Edifício Sol Gaveto da Rua Dr. Frederico Welvitch nº 47 T e a Rua Lourenço Mendes da Conceição nº 7 Agência Quibala Rua Agostinho Neto t Próximo às bombas de Combustível t t f f f Agência de Caxito av. Principal de Caxito, S/n t (No entroncamento da via p/ o Ambriz) t Agência do Lobito Rua 25 de Abril - Lobito t t f Agência de Benguela Rua Largo 1º de Maio t t f Agência do Huambo Castro Soromenho, n.º 8, 10 e 12, R/C t R.ª do Comando Provincial t da Polícia Nacional T F Agência do Kuito Rua Sagrada Esperança S/n t Agência da Huíla Rua Cidade do Lubango S/n t Lubango t T F Agência do Namibe Rua Comandante Benedito nº 6 t Zona 02 t f

19 O Banco Sol 21 Agência de Malanje Rua Comandante Dangereux, S/N - Malanje T t f DEPENDÊNCIAS Dependência de Cabinda Rua Dr. António Agostinho Neto t Bairro Deolinda Rodrigues Dependência Rua Rei Katyavala n.º t da Katyavala t t t f f Dependência da Mutamba Rua Amílcar Cabral n.º 933 R/C t t f Dependência do Cazenga Rua do Comércio t Bairro Tala Hady Zona 19 t lote n.º 3 R/C Dependência do Cruzeiro Rua Cônego Manuel das Neves n.º 109 R/C T Bairro Patríce Lumumba Zona 7 t t f Dependência Rua Manuel do Nascimento t do Bairro Popular estabelecimento n.º 42 / 44 R/C Zona 12 T Bairro Popular t f Dependência Rua do Kicombo t /17 do São Paulo estabelecimento n.º A R/C prédio n.º13 t f Dependência de amílcar Cabral nº 1 / 1 A Frente t Amílcar Cabral T t t t f Dependência estrada do Futungo, Morro Bento ii t do Morro Bento t t f Dependência avenida Hoji-Ya-Henda t do Américo Boavida (Inst. Do Hospital Américo Boavida) t t t f Dependência do Hospital Rua Dr. Manuel I S/n t Militar (Dentro do Hospital Militar) t f Dependência de Rua da Liga Africana, lote 38, R/C t Liga Africana Bairro Maculusso t t f Dependência do Cacuaco Rua Direita de Cacuaco, S/n t (Junto à Administração Municipal) t t f Dependência da gaveto da Rua Rainha Ginga com t Rainha Ginga a Rua Joaquim de Figueiredo t t f Dependência de Viana Rua 11 de Novembro - Vila de Viana t t f Dependência Rua Che Guevara nº 8-10 t do Maculusso Bairro Maculusso t f

20 22 O Banco Sol Dependência do Marçal Rua da Brigada, S/n t f Dependência Rua Pedro de Castro Van-Dúnem Loy, S/n t do Morro Bento II Morro Bento ii t Dependência da Cuca Rua Ngola Kiluange t t f Dependência da Rua 4 nº 14 t Utanga Bairro Capolo 2 t Kilamba Kiaxi (Interior da Univ. Utanga) f Dependência do Ginga Shopping Dependência Edel do Camama Dependência do Tala Hady (Cazenga) estrada Camama - Viana S/N 90 Km 10.5 Viana (Ginga Shopping) Centro de Distribuição de Edel - Kilamba Kiaxi Bº Golfe, Rua Direita do Camama Rua1 MC nº 21 R/C Bairro Tala Hady - Município do Kazenga Dependência Bairro Benfica, distrito da Samba S/N, t do Benfica (Adjuvante ao Nosso Super) Dependência Bairro Morro Bento t do Futungo (Espaço da ClÍnica da Multiperfil Comuna do Futungo) Dependência Rua da Samba t da Samba (Entrada da Samba Comuna Sede) t Município da Samba Dependência do Rua Dr. António Agostinho Neto t Waku kungo Bairro da Pecuária S/n t f Dependência do Bairro do Chingo, Zona 4 - Praça da Feira t Mercado do Sumbe t Dependência do Ambriz Município do Ambriz t t Dependência do Cubal Rua Comandante Kassange, S/n t Dependência Rua Avenida General Cravelho Lopes R/C t Caminhos de Ferro Bairro do Pompão - Lobito de Benguela Dependência do Mercado Rua do Mercado Municipal S/n t Municipal Lobito lobito Dependência da Bairro Bela Vista t Bela Vista Rua Bailundo nº 1 R/C - Lobito Dependência do Hospital Rua Sociedade Geografia - Benguela t Central de Benguela Dependência frente à Rotunda do Largo t do Bailundo 1º de Maio t f Dependência avenida da Independência t da Cidade Alta Huambo Bairro Cidade Alta (Edifício Gelly) Porta 16 t t Dependência av. 4 de Fevereiro, S/N (Stº António) t do Lubango t f Dependência do Bairro do Nambambe t Mercado do Mutundo (Mercado Municipal do Mutundo / Bº do Mutundo (Lubango) - Município do Lubango) Dependência de Cacuso Estrada Nacional 230, S/n t f Dependência de Rua Gago Coutinho, Bairro Azul S/n t Malange t f Dependência da Alfândega Avenida 4 de Fevereiro t de Luanda f Dependência do avenida 4 de Fevereiro t Porto de Luanda

21 O Banco Sol 23 Dependência estrada do Cacuaco, Km4 t do Entreposto Bairro N gola Kiluangi f Aduaneiro Dependência Comuna de Bom Jesus t do Bom Jesus (Perímetro da Fábrica da Coca-Cola de Bom Jesus) CENTROS Centro de Grandes Empresas Gaveto da Rua Dr. Frederico Welvitch nº 47 f Edifício Sol e a Rua Lourenço Mendes da Conceição nº 7 Centro de Grandes Empresas Rua da Liga Africana, lote 38, R/C t Liga Africana t t f Centro de Empresas Estrada Directa do Futungo t Morro Bento Morro Bento ii t t f Centro de Empresas Rua Fernando Brick nº 82 t Mutamba t f Centro de Atendimento Rua da Liga Africana, lote 38, R/C Automático Bairro Maculusso POSTOS Posto da Alfândega Alfândega de Cabinda, Recinto Portuário t de Cabinda (Porto) de Cabinda, Rua do Comércio t t t Posto da Alfândega Alfândega de Massabi t de Massabi Posto da Alfândega alfândega de Landâna t de Landâna t Posto da Alfândega alfândega de Malongo t de Malongo t t Posto da Alf. do Aeropt. Rua Doque de Chiaze, Bairro 1º de Maio t de Cabinda (Dentro da Sala de Embarque) Posto da Alf. do Yema Fronteira de Cabinda e o Zaire t Yema Posto da Repartição Rua Dr. António Agostinho Neto do Uíge (Edifício das Finanças) Posto da SIAC Uíge estrada Nacional nº 220 t Posto da Jembas III Rua da Polícia Fiscal t Soyo Bairro do Porto Pesqueiro Posto da Alfândega do Rua do Palácio 1º t Porto Amboim (Junto ao caminho-de-ferro e porto) Posto da Repartição Fiscal Rua 11 de Novembro, S/n t do Ambriz (Nas Instalações da Repartição Fiscal) t Posto da av.ª Paulo Dias de Novais, Talhão i t Maxi Lobito Bairro da Luz Posto do SIAC de Benguela Bairro 70 Zona C t Posto da Alfândega Avenida da Independência n.º 57/59 t do Lobito (Edifício da Alfândega) t Posto da Quissala Bairro da Munda - Mercado da Quissala t Posto do SIAC Rua Teixeira de Sousa do Huambo Cidade Baixa S/N, Bairro São João Posto do Kunge Rua Del Monte S/N

RELATÓRIO E CONTAS ANNUAL REPORT

RELATÓRIO E CONTAS ANNUAL REPORT 2012 RELATÓRIO E CONTAS ANNUAL REPORT Índice 1 Mensagem do Presidente do Conselho de Administração 2 Síntese dos Principais Indicadores 3 O Banco Sol 3.1 Órgãos Sociais 3.2 Estrutura Accionista 3.3 Missão,

Leia mais

Solidário com Angola, o Microcrédito Sol apoia cada vez mais angolanos.

Solidário com Angola, o Microcrédito Sol apoia cada vez mais angolanos. Solidário com Angola, o Microcrédito Sol apoia cada vez mais angolanos. Conheça agora 14 testemunhos reais de pessoas que já beneficiaram da ajuda do Microcrédito Sol. Pessoas que acreditaram em si e nas

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

O Sector Bancário Angolano. Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012

O Sector Bancário Angolano. Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012 O Sector Bancário Angolano Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012 1 Julho de 2012 The big picture... 23 (2011) 47% (Abril 2012) 7 Bancos (#) Quota depósitos a ordem 21% Bancos Angolanos no Top

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

P. 11 O BANCO SOL RELATÓRIO E CONTAS

P. 11 O BANCO SOL RELATÓRIO E CONTAS P. 11 O BANCO SOL 8 RELATÓRIO E CONTAS ÍNDICE 1 MENSAGEM DO PRESIDENTE P. 3 2 SÍNTESE DOS PRINCIPAIS INDICADORES 3 O BANCO SOL 3.1 Órgãos Sociais 3.2 Estrutura Accionista 3.3 Missão, Estratégia e Valores

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO Comunicado de Imprensa n.º 14/110 Fundo Monetário Internacional PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA 700 19 th Street, NW 19 de Março de 2014 Washington, D.C.

Leia mais

BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SISTEMA FINANCEIRO ANGOLANO NO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2011 1. INTRODUÇÃO É missão do Banco Nacional

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros Lara Simone Beirão Dezembro de 2014 1 Introdução Outline 2 Carteira de Activos 3 4 Evolução do Passivo Alguns Indicadores 5 Síntese 6 Desafios do Sistema Financeiro

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

Empreendedorismo: Experiências de Angola

Empreendedorismo: Experiências de Angola Empreendedorismo: Experiências de Angola Globalização Resulta Redução do emprego formal Esbarra Visão Empreendedora Exige Necessidade de mudança Mecanismos de Incentivo ao Empreendedorismo Programas do

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010 I. Balança de Pagamentos As contas externas mostram de forma resumida as relações económicas entre residentes e nãoresidentes

Leia mais

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual

Leia mais

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013 Novo Regime Cambial para o Sector Petrolífero (NRCSP) Impacto na economia Desdolarização, desenvolvimento do mercado cambial e da economia não petrolífera. III Fórum Banca Expansão João Fonseca Luanda,

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Senhores Accionistas, De acordo com o disposto na Lei e nos Estatutos, vem o Conselho de Administração apresentar o seu Relatório de Gestão, o Balanço e Contas, bem

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 Por: António Prata, Director do Departamento de Informação e Relações Internacionais Objectivos

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Relatório e Contas 2011 REDE MILLENNIUM

Relatório e Contas 2011 REDE MILLENNIUM REDE MILLENNIUM 24 25 Millennium bank - Roménia 2011 2010 2009 Var. % 2010 Var. % 11/10 excluindo efeito cambial Ativo total 522 521 472 0,3% 513 1,7% Crédito a clientes (bruto) 398 344 268 15,6% 339 17,3%

Leia mais

COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO

COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO 1. A economia cabo-verdiana é fortemente influenciada pela dinâmica da economia internacional, mormente da Zona Euro. 2. Neste contexto, a persistente

Leia mais

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ASSUNTO PÁGINA EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA EM STP 1. ENQUADRAMENTO

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

Angola Boletim Económico - Junho 2009

Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola retira pé do acelerador na economia Tem sido notícia nas últimas semanas em Portugal uma mudança de clima em relação à economia angolana: de um ambiente de

Leia mais

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE)

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Países em recessão oficial (dois trimestres consecutivos) Países em recessão não-oficial (um trimestre) Países com desaceleração econômica de mais

Leia mais

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011 Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses Julho Esta nota resume as principais características e resultados do exercício de stress test realizado ao nível da União

Leia mais

Missão Empresarial a Moçambique. O financiamento para as empresas em Moçambique

Missão Empresarial a Moçambique. O financiamento para as empresas em Moçambique Missão Empresarial a Moçambique O financiamento para as empresas em Moçambique Maio de 2013 Enquadramento Macroeconómico Financiamento Bancário: - Tipos de Crédito; - Riscos de Crédito Água: Tipos de negócio

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico

Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico João Fonseca Luanda, EPIC Sana 2 de Junho de 212 Agenda 1. Investimento estrangeiro de bancos

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais

NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais ------------------ NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais A ANIP Agência Nacional para o Investimento Privado é o órgão do Governo encarregue da execução, coordenação,

Leia mais

Lusoflora 2015. Crédito Agrícola. Santarém, 27 de Fevereiro

Lusoflora 2015. Crédito Agrícola. Santarém, 27 de Fevereiro Lusoflora 2015 Crédito Agrícola Santarém, 27 de Fevereiro Agenda 1. Quem somos 2. Proposta Valor 3. Soluções Crédito Agrícola para EMPRESAS/ ENI 4. CA Seguros 2 Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA 12 de Junho de 2013 Índice REGIME DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA ESTRANGEIRA OU DE GESTÃO REGIME CAMBIAL SISTEMA FISCAL Regime

Leia mais

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE 64 CAPA ENTREVISTA AMÍLCAR SILVA, PRESIDENTE, E NÍRIA ORAMALU, COORDENADORA DO NÚCLEO DE ESTUDOS E ESTATÍSTICAS DA ABANC O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE Na sede da Associação Angolana

Leia mais

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada.

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada. Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 2015 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 7 de Agosto de 2015 Informação não auditada. RESULTADOS CONSOLIDADOS: Janeiro

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 Economia Angolana Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 I. Nota Prévia Nesta edição do Boletim Económico do BAIE foi decidido inserir, para além da habitual informação e comentário sobre a evolução

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS Angola Capítulo II II.1.1. Síntese 25 revelou-se como um ano de referência no comportamento da economia angolana: o produto interno bruto registou um crescimento real superior a 2% (um dos mais elevados

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada)

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada) INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada) (aplicável às entidades sujeitas à disciplina normativa contabilística das IAS / IFRS) BANCO BPI, S.A. Sociedade com o capital aberto ao investimento

Leia mais

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS*

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS* ASRELAÇÕESECONÓMICASPORTUGAL ANGOLA I. ACRISEFINANCEIRAEAECONOMIAMUNDIAL EAESTRATÉGIADOBANCOBICPORTUGUÊS* Acrisecomeçounosistemafinanceiroejáatingiuaeconomiareal.O Creditcrunch estáaprovocara contracçãodoprodutonaseconomiasocidentais,reduzindoaprocuranosmercadoseaumentandoo

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Senhores Accionistas, De acordo com o disposto na Lei e nos Estatutos, vem o Conselho de Administração apresentar o seu Relatório de Gestão, o Balanço e Contas, bem

Leia mais

EM PORTUGAL REFORMAS E PENSÕES. PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo

EM PORTUGAL REFORMAS E PENSÕES. PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo REFORMAS E PENSÕES EM PORTUGAL PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo 20 de Fevereiro de 2014 Quem Somos > Os Nossos Valores > Ativos Sob Gestão

Leia mais

A Bancarização da Economia em Angola

A Bancarização da Economia em Angola A Bancarização da Economia em Angola O que os dados estatísticos nos dizem Níria Lopes Oramalu V Fórum de Economia e Finanças 11 de Dezembro de 2013 Agenda 1. Indicadores de Bancarização 2. Disponibilidade

Leia mais

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros COMUNICADO Resultados Consolidados

Leia mais

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 introdução 7 Índice NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ACTIVIDADE FINANCEIRA 1. Evolução da actividade bancária

Leia mais

República de Angola MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Uma experiência de Gestão da Qualidade pelo Normativo Internacional ISO 9001 num Organismo Público

República de Angola MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Uma experiência de Gestão da Qualidade pelo Normativo Internacional ISO 9001 num Organismo Público República de Angola MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Uma experiência de Gestão da Qualidade pelo Normativo Internacional ISO 9001 num Organismo Público Depois de inflação de 3 dígitos em 2002 Consolidação Macroeconómica

Leia mais

ORÇAMENTO CIDADÃO 2014

ORÇAMENTO CIDADÃO 2014 ORÇAMENTO CIDADÃO 214 Um compromisso do Governo com o Cidadão República de Angola Ministério das Finanças ORÇAMENTO CIDADÃO 214 O que é o PND? O Plano Nacional de Desenvolvimento (PND) 213-217, elaborado

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

Boletim Económico Angola

Boletim Económico Angola Boletim Económico Angola 3º Trimestre de 2015 1. Processo de ajustamento macroeconómico: uma evolução aparentemente paradoxal O ajustamento do nível de actividade económica em Angola tornou-se inevitável

Leia mais

Relatório da Administração. 1º Semestre de 2015

Relatório da Administração. 1º Semestre de 2015 Relatório da Administração 1º Semestre de 2015 Sumário 1. Senhores Acionistas... 3 2. Banco Luso Brasileiro S.A.... 3 3. Estrutura Acionária... 3 4. Desempenho Operacional... 3 5. Destaques do Semestre...

Leia mais

Sistema Financeiro Angolano Breve Apresentação

Sistema Financeiro Angolano Breve Apresentação Sistema Financeiro Angolano Breve Apresentação I Encontro das Instituições Financeiras da CE-CPLP Amilcar Silva Lisboa, 2 de Julho 2014 Índice I. Apresentação do Sistema Financeiro Angolano 1. Sistema

Leia mais

PROGEST, fundada no ano de 1989 em Luanda, Angola como uma Empresa de Projectos Técnicos, Consultoria e Gestão, por:

PROGEST, fundada no ano de 1989 em Luanda, Angola como uma Empresa de Projectos Técnicos, Consultoria e Gestão, por: PROGEST, fundada no ano de 1989 em Luanda, Angola como uma Empresa de Projectos Técnicos, Consultoria e Gestão, por: Manuel Alfredo Resende de Oliveira (Engenheiro Civil Instituto Superior Técnico) Valério

Leia mais

5.1 Enquadramento Económico e Financeiro Internacional 5.2 Enquadramento Económico e Financeiro Nacional. 9.2 Demonstrações dos Resultados

5.1 Enquadramento Económico e Financeiro Internacional 5.2 Enquadramento Económico e Financeiro Nacional. 9.2 Demonstrações dos Resultados 4.1 Estrutura Accionista 4.2 Missão, Estratégia e Valores 4.3 Responsabilidade Social e FUNDAÇÃO SOL 4.4 Principais Acontecimentos de 2013 4.5 Presença Geográfica e Rede de Balcões 4.6 Recursos Humanos

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2007 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, embora em 2007 tenha

Leia mais

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico 2º Trimestre de 2015 Recuperação sustentada do crescimento 1. Conjuntura Sectorial Nota: Os índices que se seguem resultam da média aritmética das

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Capítulo 2 ESTABILIDADE E SUPERVISÃO DO SISTEMA FINANCEIRO

Capítulo 2 ESTABILIDADE E SUPERVISÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Capítulo 2 ESTABILIDADE E SUPERVISÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Capítulo 2 - Estabilidade e Supervisão do Sistema Financeiro 1. Estabilidade do Sistema Financeiro O Banco de Cabo Verde tem, de entre as suas

Leia mais

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 1 / 1 A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 ... os recursos petrolíferos devem ser alocados à constituição de reservas financeiras do Estado que possam ser utilizadas, de forma igualitária e equitativa,

Leia mais

FUNDO DE PENSÕES ABERTO ZURICH VIDA EMPRESAS

FUNDO DE PENSÕES ABERTO ZURICH VIDA EMPRESAS Relatório e Contas FUNDO DE PENSÕES ABERTO ZURICH VIDA EMPRESAS 2008 Exercício 2008 Considerações Gerais 1. Enquadramento Macroeconómico 1.1. Conjuntura Internacional O ano de 2008 caracterizou-se pelo

Leia mais

Setor Financeiro 2011

Setor Financeiro 2011 Setor Financeiro 2011 PORTUGAL ESPANHA Brasil ANGOLA MOÇAMBIQUE Amorim contribui para o desenvolvimento das economias de Portugal, Brasil, Angola, Moçambique e Espanha. Setor Financeiro Depois de um importante

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério da Defesa Ministério do Comércio A Dinamização do Comércio, Redes de Distribuição e Incentivo ao Investimento Privado Uma Oportunidade de Negocio para a Itália Por: Álvaro Augusto Soares Paixão

Leia mais

WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA

WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA Banco de Portugal, 11 de Julho de 2013 Solange Lisboa Ramos Gabinete de Apoio ao Consumidor do Banco

Leia mais

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho a) Critérios de Aplicação sector de actividade zonas de desenvolvimento zonas económicas especiais b) Objectivos

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª Financiar o investimento para dever menos Em Março de 2009 o do PCP apresentou o Projeto de Resolução nº 438/X Medidas de combate à crise económica e social que, entre

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

DESTAQUES LEGISLATIVOS OUTUBRO 2014

DESTAQUES LEGISLATIVOS OUTUBRO 2014 ANGOLA DESTAQUES LEGISLATIVOS BANCÁRIO E FINANCEIRO DESPACHO PRESIDENCIAL N.º 189/14 PRESIDENTE DA REPÚBLICA Sumário: Autoriza a celebração dos Acordos de Financiamento entre a TAAG Linhas Aéreas de Angola,

Leia mais

Resultados consolidados do Banco BPI no 1.º semestre de 2011

Resultados consolidados do Banco BPI no 1.º semestre de 2011 www.ir.bpi.pt BANCO BPI, S.A. - Sociedade aberta Capital Social: 990 000 000 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede:

Leia mais

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Este documento é de circulação restrita à sua audiência A sua transcrição ou reprodução não é permitida sem a prévia autorização escrita da nolimits Consulting TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

Linhas Gerais de Orientação Estratégica 2016-2018 Programa de Ação e Orçamento para 2016

Linhas Gerais de Orientação Estratégica 2016-2018 Programa de Ação e Orçamento para 2016 Linhas Gerais de Orientação Estratégica 2016-2018 Programa de Ação e Orçamento para 2016 dezembro de 2015 2015-11-25 Pág. 1 I. Introdução II. Plano Estratégico - Linhas Gerais de Orientação Estratégica

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

Gabinete do Governador e dos Conselhos

Gabinete do Governador e dos Conselhos Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Carlos Burgo, no acto de inauguração da nova agência do Banco Africano de Investimento no Plateau, Cidade da Praia, 5 de Fevereiro de 2010. 1 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

- Reforma do Tesouro Público

- Reforma do Tesouro Público - Reforma do Tesouro Público Em Novembro de 1997 foram definidas as opções estratégicas do Ministério das Finanças para a adopção da moeda Única ao nível da Administração Financeira do Estado. Estas opções,

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2006 ECONOMIA PORTUGUESA Após o fraco crescimento da economia observado em 2005 (0.4 por cento) estima-se que o Produto Interno

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais