UERN UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS DE NATAL GOV. FERNANDO ANTONIO DA CÂMARA FREIRE CURSO DE TURISMO NÁDIA MINÉIA LAGO DE DEUS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UERN UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS DE NATAL GOV. FERNANDO ANTONIO DA CÂMARA FREIRE CURSO DE TURISMO NÁDIA MINÉIA LAGO DE DEUS"

Transcrição

1 UERN UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS DE NATAL GOV. FERNANDO ANTONIO DA CÂMARA FREIRE CURSO DE TURISMO NÁDIA MINÉIA LAGO DE DEUS UM PATRIMÔNIO HISTÓRICO CULTURAL ADORMECIDO: OS SOLARES, AS IGREJAS E OS CASARÕES DE MACAÍBA-RN. Natal 2008

2 NÁDIA MINÉIA LAGO DE DEUS UM PATRIMÔNIO HISTÓRICO CULTURAL ADORMECIDO: OS SOLARES, AS IGREJAS E OS CASARÕES DE MACAÍBA/RN. Trabalho monográfico de conclusão de curso apresentado ao Curso de Turismo da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, como requisito parcial à obtenção do título de bacharelado em Turismo. Orientador: Prof. Esp. Alcêdo Pinheiro Galvão. Natal 2008

3 Catalogação da Publicação na Fonte. Deus, Nádia Minéia Lago de. Um patrimônio histórico cultural adormecido: os solares, as igrejas e os casarões de Macaíba-RN / Nádia Minéia Lago de Deus. Natal, RN, f. Orientador (a): Prof. Esp. Alcêdo Pinheiro Galvão. Monografia (Bacharel em Turismo). Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Faculdade de Turismo. 1. Cultura - Monografia. 2. Patrimônio Histórico - Monografia. 3. Patrimônio Cultural Macaíba - Monografia. Pontos Turísticos Monografia. I. Galvão, Alcêdo Pinheiro. II. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. III. Título. UERN/ BC CDD 306 Bibliotecária: Valéria Maria Lima da Silva CRB 15 / 451

4 NÁDIA MINÉIA LAGO DE DEUS UM PATRIMÔNIO HISTÓRICO CULTURAL ADORMECIDO: OS SOLARES, AS IGREJAS E OS CASARÕES DE MACAÍBA/RN. Esta monografia foi julgada adequada à obtenção do título de bacharel em Turismo e aprovada em sua forma final pelo curso de Turismo da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Natal, de de. Prof. e Orientador, Alcêdo Pinheiro Galvão, Esp., Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Prof., Marília Medeiros Soares, Esp., Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Prof., Alessandro Teixeira, Ms., Universidade do Estado do Rio Grande do Norte.

5 Dedico este trabalho a minha avó Maria Rodrigues de Deus, que partiu antes de poder vê-lo concluído, mas sei que onde ela estiver, estará comemorando a minha vitória. Por toda sua dedicação, amor e carinho doados a mim durante os momentos em que estávamos juntas, e por sua eterna lembrança em meu viver.

6 AGRADECIMENTOS É TOMADA PELA EMOÇÃO, QUE VENHO AGRADECER A TANTAS PESSOAS, QUE TIVERAM UMA PARTICIPAÇÃO MUITO IMPORTANTE PARA A CONCRETIZAÇÃO DE UM SONHO, A CONQUISTA DESTE TÍTULO, ATRAVÉS DA CONSTRUÇÃO DESTE TRABALHO. AGRADEÇO PRIMEIRAMENTE A DEUS, O QUAL PERMITIU QUE ESTE TRABALHO CHEGASSE A CONCLUSÃO E ATINGISSE O SUCESSO. AGRADEÇO AOS MEUS PAIS, DALVACI E CLÁUDIO ÉLCIO. AO MEU ESPOSO MICHELL, MEU IRMÃO ALAN E A TODA MINHA FAMÍLIA. A UM CASAL POR DEMAIS ESPECIAL JACQUELINE E EUGÊNIO. AOS MEUS AMIGOS, EM ESPECIAL A FLÁVIA HELENA. E NÃO PODERIA DEIXAR DE AGRADECER A TODOS OS PROFESSORES QUE COM MUITA DEDICAÇÃO, CARINHO E AMIZADE, CONTRIBUÍRAM PARA O MEU CRESCIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL ATRAVÉS DE SEUS CONHECIMENTOS, OS QUAIS ME PROPORCIONARAM O RESULTADO FINAL DESTE TRABALHO. EM ESPECIAL, AGRADEÇO A ALGUNS QUE MARCARAM VERDADEIRAMENTE A MINHA FORMAÇÃO: MARCO ANTÔNIO DA ROCHA JR., AVANY PEIXOTO, JÂNIO FERNANDES, JOSÉLIA CARVALHO E ALCÊDO PINHEIRO GALVÃO, AQUELE QUE ACEITOU INVESTIR NESTA EMPREITADA AO MEU LADO, TENDO ACREDITADO NO MEU POTENCIAL E CONTRIBUÍDO DE FORMA DECISIVA NA FASE FINAL DESTA TRAJETÓRIA. TAMBÉM GOSTARIA DE AGRADECER A ESTA PESSOA MARAVILHOSA, QUE TEVE UMA GRANDE CONTRIBUIÇÃO, JÁ NA RETA FINAL DA ELABORAÇÃO DESTE TRABALHO: EDNARDO GONÇALVES. E QUERO ENCERRAR COM UM AGRADECIMENTO ESPECIAL A PESSOA QUE DE FORMA DIRETA MAIS CONTRIBUIU COM A REALIZAÇÃO DA PESQUISA PARA ESTE TRABALHO MONOGRÁFICO, O SENHOR MARCELO AUGUSTO MEDEIROS BEZERRA, SECRETÁRIO DE CULTURA E TURISMO DO MUNICÍPIO DE MACAÍBA, POR TODO MATERIAL DISPONIBILIZADO E PELO CONSTANTE APOIO DURANTE O DESENVOLVIMENTO DESTE TRABALHO, E AINDA, A TODOS QUE DE ALGUMA FORMA ME AJUDARAM, O MEU MUITO OBRIGADA.

7 SUMÁRIO I APRESENTAÇÃO II - CONCEITOS E FUNDAMENTAÇÃO DO TURISMO CONCEITO DE TURISMO CONCEITO DE CULTURA TURISMO CULTURAL PATRIMÔNIO CULTURAL E SUA RELAÇÃO COM A ATIVIDADE TURÍSTICA O PLANEJAMENTO TURISTICO III MACAÍBA UM PATRIMÔNIO HISTÓRICO CULTURAL ADORMECIDO LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO HISTÓRICO DO MUNICIPIO DE MACAIBA-RN O PATRIMÔNIO ARQUITETÔNICO DE MACAIBA-RN Os Solares As Igrejas Os Casarões IV ANÁLISE E APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS A PESQUISA O APROVEITAMENTO TURÍSTICO DO PATRIMÔNIO CULTURAL EM MACAÍBA V - CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 40

8 LISTAS DE ILUSTRAÇÕES Ilustração 01 Mapa da Divisão Política do Rio Grande do Norte Ilustração 02 Mapa Geográfico do Município de Macaíba-RN Ilustração 03 Solar do Ferreiro Torto Ilustração 04 Solar Caxangá Ilustração 05 Solar da Madalena Ilustração 06 Solar do Mourisco Ilustração 07 Solar do Jundiaí Ilustração 08 Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição Ilustração 09 Capela de São José Operário Ilustração 10 Capela de Nossa Senhora da Soledade Ilustração 11 Capela de Nossa Senhora da Soledade Ilustração 12 Ruínas do Casarão Guarapes Ilustração 13 Casa da Cultura (antigo Casarão dos Mesquita) Ilustração 14 Jardim Interno da Casa da Cultura... 32

9 RESUMO Patrimônio histórico definido como um bem material, natural ou imóvel que possui significado e importância artística, cultural, religiosa, documental ou estética para a sociedade. As igrejas, os solares e os casarões do município de Macaíba-RN, ícones arquitetônicos que remetem ao período colonial da capitania do Rio Grande do Norte estão adormecidos. Tendo por objetivo torná-los um equipamento turístico, cultural e de lazer visando sua sustentabilidade através da interação da população local com este patrimônio, a qual despertaria o sentido de identidade neste povo e consequentemente a defesa desses bens. De forma mais específica, põe em evidência a necessidade de conhecimento e preservação da história da comunidade primeiramente por si própria, para uma futura inserção no trade da atividade turística potiguar, onde se tornaria um produto diferencial do massificado sol e mar atraindo turistas que buscam além do lazer o conhecimento de novas culturas. A metodologia aplicada baseou-se na documentação indireta, pesquisa documental e bibliográfica. Sendo satisfatória para o reconhecimento dos principais patrimônios histórico-culturais e arquitetônicos do município de Macaíba-RN, bem como suas histórias e atuais utilizações. Foi então constatado que um potencial não se torna produto turístico se não houver interesse dos setores privado e público, onde é de suma importância a participação da população autóctone para a efetiva inclusão de um produto histórico-cultural no mercado turístico em que estiver inserido. Palavras-chave: Patrimônio, Cultura, Macaíba e Turismo.

10 ABSTRACT Defined historical patrimony as a very material, natural or immobile one that possesses meaning and importance artistic, cultural, religious person, documental or aesthetics for the society. The churches, the solar ones and the big houses of the municipal district of Macaíba- RN, architectural icons that send to the colonial period of the captaincy of Rio Grande do Norte are fallen asleep. Tends for objective to turn them an equipment tourist, cultural and of leisure seeking it s sustainability through the interaction of the local population with this patrimony, which would wake up the identity sense in this people and consequently the defense of those goods. In a more specific way, it puts firstly in evidence the knowledge need and preservation of the community's history for itself own, for a future insert in the trade of the activity tourist potiguar, where if it would turn a differential product of the influenced sun and sea attracting tourists that look for besides the leisure the knowledge of new cultures. The applied methodology based on the indirect documentation researches documental and bibliographical. Being satisfactory for the recognition of the main historical-cultural and architectural patrimonies of the municipal district of Macaíba-RN, as well as their histories and current uses. It was verified then that a potential doesn't become tourist product if there is not interest of the sections deprived and public, where it is of addition importance the participation of the autochthonous population for the effective inclusion of a historicalcultural product in the tourist market in that it be inserted. Word-key: Patrimony, Culture, Macaiba and Tourism.

11 I. INTRODUÇÃO A atividade turística no contexto sociológico é um fenômeno social que atualmente abrange o mundo inteiro do ponto de vista geográfico, e praticamente todas as camadas e grupos sociais. Sendo assim, economicamente, o turismo tem se tornado uma opção para o incremento da economia das localidades onde é desenvolvido, devido ao fato de exercer ampla influência em diferentes setores econômicos, como o setor de infra-estrutura, comércio, restauração, entre outros. A academia de um modo geral vem discutindo a importância que o turismo representa para o país. Atualmente o setor do turismo tende a fugir dos lugares comuns, da massificação, dos conceitos repetitivos, procurando como alternativas cada vez mais a diferenciação e a qualidade dos novos produtos ofertados, baseados na sustentabilidade. O objeto de estudo desta pesquisa é a apresentação de um patrimônio históricocultural adormecido: os solares, as igrejas e os casarões do município de Macaíba/RN e sua potencial inserção no mercado turístico potiguar. Patrimônios estes de importância secular, que para este trabalho vêem sendo estudados desde Ao longo deste período foram pesquisadas muitas fontes, mas todas na forma de documentação indireta através da pesquisa bibliográfica e documental embora esta segunda técnica se assemelhe à pesquisa bibliográfica, permite que se tenha acesso a diversos documentos tais como: reportagens de jornal, relatórios de pesquisa, documentos oficiais, entre outros, o que favorece uma visão mais aprofundada da questão em aberto. Tendo por base que a cultura é o que nos torna singular através dos elementos de identidade de cada povo, e que a cada momento vão-se refletindo o pensamento, os saberes, os traços culturais, os símbolos, as criações e as recriações da comunidade, habitante de um local. Temos então, tais fatores formando o patrimônio cultural dessa comunidade, que deve ser preservado porque é instrumento de ideologia e legitimação dos grupos sociais. Neste sentido, o patrimônio cultural é necessário também para o turismo, pois este é um dos eixos da promoção da cultura, já que através dele as pessoas visitam lugares e trocam conhecimento cultural, na medida em que as localidades turísticas se apresentam vinculadas aos fatores culturais através dos identificadores de um povo: seu artesanato, gastronomia, arquitetura, história e arte. O município em questão dispõe de um patrimônio arquitetônico composto, entre outros elementos, de cinco solares, três igrejas e dois casarões formando o universo

12 desta pesquisa. Como amostra, teremos o Solar Ferreiro Torto e o Caxangá os quais traduzem através de suas arquiteturas, a história do município no período colonial. Estes solares possuem muitas histórias e lendas, característica de produtos que atraem turistas ávidos por cultura, aspecto que poderá a vir identificar e destacar esta localidade, como é o caso da Itália, no contexto do turismo mundial, sendo país com o maior número de patrimônios tombados pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura - UNESCO. Tendo em vista esse quadro de referência, o objetivo do presente trabalho é informar a potencialidade desse patrimônio torná-lo um equipamento turístico, cultural e de lazer visando sua sustentabilidade através da interação da população local com este patrimônio, a qual despertaria o sentido de identidade neste povo e consequentemente a defesa desses bens. Para uma possível inclusão de Macaíba nos roteiros turísticos do estado, ofertando ao público um produto diferenciado; de riqueza histórico cultural baseado nos princípios da sustentabilidade, e alternativo ao difundido turismo de sol e mar, tipo de turismo massificado e explorador. Neste período onde as políticas de incentivo a atividade turística advindas do Ministério do Turismo estão investindo na sua interiorização, através dos projetos de roteirização, este trabalho pode ser o alerta desta oportunidade do município se desenvolver e se qualificar para um turismo expressivo. No entanto é necessário que primeiramente seja feito esse resgate do seu patrimônio histórico-cultural, que se encontra desconhecido por grande parte da população local e dos planejadores da atividade turística. Com este intuito, de incremento da economia local, é que o levantamento do potencial turístico do município a partir do seu patrimônio histórico-cultural será apresentado aos órgãos públicos responsáveis pela fomentação do turismo em Macaíba-RN, onde se estará dando visibilidade principalmente ao patrimônio arquitetônico, para que ainda possa se resgatar o restante deste patrimônio adormecido, apesar do que já foi destruído. A partir do resgate deste, se espera despertar a conscientização da importância que a cultura exerce sobre uma localidade e o sentimento de defesa da população autóctone para alcançar o apoio e o incentivo necessários para efetiva inserção do município de Macaíba nos roteiros turísticos do Rio Grande do Norte. A resposta a este investimento se apresenta em forma de benefícios no âmbito sócio-econômico e cultural, na medida em que o patrimônio do município se apresente estruturado como um atrativo turístico. Desta forma, a possível criação de um roteiro turístico histórico-cultural para esta localidade, viria a ser mais uma opção para o desvio da exploração do turismo de massa;

13 também resgatando um aspecto louvável da atividade turística: seu papel como instância educativa, como foi nos séculos XVII e XVIII, no auge do Grand Tour, sobretudo na Europa e nos Estados Unidos. Pois o turista como ser humano, também carrega em si o interesse por novas experiências, novos aprendizados. II. CONCEITOS E FUNDAMENTAÇÃO DO TURISMO 2.1 CONCEITO DE TURISMO O turismo ainda não encontrou sua definição única, mas a definição aceita do ponto de vista formal é a dada pela Organização Mundial do Turismo (OMT), que o considera como a soma de relações e de serviços resultantes de um câmbio de residência temporário voluntário motivado por razões alheias a negócios ou profissionais (De la Torre, 1992, p.19 apud BARETO, 2003, p. 12). Entre as várias definições do turismo há elementos importantes que permeiam quase todas elas, são eles: o tempo de permanência no mínimo de 24 horas e inferior a três meses, o caráter não lucrativo da visita e a busca do prazer por parte dos turistas, e como pode se observar na definição de Oscar de La Torre (México) destaca-se um dos mais importantes elementos da atividade turística: as inter-relações estabelecidas entre os turistas e a população autóctone: O turismo é um fenômeno social que consiste no deslocamento voluntário e temporário de indivíduos ou grupos de pessoas que, fundamentalmente por motivos de recreação, descanso, cultura ou saúde, saem do seu local de residência habitual para outro, no qual não exercem nenhuma atividade lucrativa nem remunerada, gerando múltiplas inter-relações de importância social, econômica e cultural (De la Torre 1992, p.19 apud BARRETO, 2003, P.13). Para este trabalho esta é a definição que melhor relaciona a atividade turística com o patrimônio cultural, pois apresenta a relação turista x população local, ou seja, a interrelação que faz com que uma cultura seja (venha a ser) conhecida e reconhecida.

14 A atividade turística, portanto, além de contribuir para o desenvolvimento de uma localidade, proporciona desenvolvimento social e cultural, baseado na intensa troca de informações entre turistas e comunidade receptora CONCEITO DE CULTURA A origem etimológica da palavra cultura remonta ao final so século XVIII do termo germânico Kultur, utilizado para simbolizar todos os aspectos espirituais de uma comunidade, enquanto a palavra francesa Civilization referia-se principalmente às realizações materiais de um povo. Ambos os termos foram sintetizados por Edward Tylor no vocábulo inglês Culture que segundo Laraia (2001), no sentido etnográfico, é o todo complexo que inclui conhecimentos, crenças, arte, moral, leis, costumes ou qualquer outra capacidade ou hábitos adquiridos pelo homem como membro de uma sociedade. Com o passar do tempo, o termo tem adquirido diversos significados e tem sido aplicado a diferentes áreas, no entanto, o esforço para sintetizar o mesmo ainda terá um bom caminho a percorrer. Na concepção de Geertz e Solineider (dois renomados antropólogos) cultura Não é um complexo de comportamentos concretos, mas um conjunto de mecanismos de controle, planos, receitas, regras instruções para governar o comportamento. Assim sendo uma compreensão exata do conceito de cultura significa a compreensão da própria natureza humana (LARAIA, 2003, P.63). A cultura de uma determinada localidade é resultado da comunidade inteira e a ela tende a retornar. É por meio da prática e da familiarização com as regras de conduta religiosa ou social, os preceitos e valores, os costumes e tradições que um povo recebeu sua cultura, e é desta mesma forma que ela se propaga. Passando de geração para geração aquele mesmo modo de vida, as mesmas concepções que fazem com que os próximos continuem a viver sob os mesmos moldes.

15 Sendo assim, Os bens culturais que herdados do passado e vivenciados no presente contribuem para a formação da identidade, na formação de grupos, nas categorias sociais e no resgate à memória, permitindo estabelecer elos entre o pertencimento, a história e as raízes (COSTA, 2006). 2.3 TURISMO CULTURAL É certo que o conceito de cultura é extremamente amplo, entretanto quando falamos de Turismo Cultural este obtém uma conotação restritiva. O termo Turismo Cultural designa uma modalidade de turismo cuja motivação do deslocamento se dá, segundo Andrade (2002) com o objetivo de encontros artísticos, científicos, de formação e de informação. O autor ainda completa, dizendo que os alicerces do turismo cultural situam-se no esforço de conhecer, pesquisar e analisar dados, obras ou fatos, em suas variadas manifestações (ANDRADE, 2002, p.32). Segundo Barreto (2000, p.20) de acordo com a Organização Mundial do Turismo, o turismo cultural seria caracterizado pela procura por estudos, cultura, artes cênicas, festivais, monumentos, sítios históricos ou arqueológicos, manifestações folclóricas ou peregrinações. Assim compreende-se que turismo cultural é todo aquele em que o atrativo principal não seja a natureza, mas algum aspecto da cultuta humana, e seguindo esta visão torna-se interessante observar que este segmento turístico se constitui fundamentalmente pelo comportamento, preparação e foco do turista e não do patrimônio da localidade. 2.4 PATRIMÔNIO CULTURAL E SUA RELAÇÃO COM A ATIVIDADE TURÍSTICA No que se refere à definição oficial do termo patrimônio cultural, a Constituição Brasileira de 1988, ao dispor sobre a cultura, define, em seu artigo 216,ementa nº. 42/2003 o patrimônio cultural brasileiro composto por bens de natureza material e imaterial:

16 Art Constituem patrimônio cultural brasileiro os bens de natureza material e imaterial, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira, nos quais se incluem: I - as formas de expressão; II - os modos de criar, fazer e viver; III - as criações científicas, artísticas e tecnológicas; IV - as obras, objetos, documentos, edificações e demais espaços destinados às manifestações artístico-culturais; V - os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico, paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e científico. (BRASIL, 1988) Pode-se dizer então, que patrimônio é a memória de um povo ou de um lugar. Esta memória a qual nos referimos é tudo aquilo que um povo ou uma comunidade guarda como valor, e sendo assim adquire valor cultural. E é através da cultura que se conhece um povo, um país, um lugar. A relação entre turismo e patrimônio cultural não é tão recente quanto se imagina. A primeira viagem nacional na qual o patrimônio figura como atrativo para o turismo ocorreu em 1924 e teve como destino a cidade mineira de Ouro Preto (CAMARGO, 2002, P.82). Ícones do Modernismo Brasileiro participaram dessa viagem, são alguns deles: Mário de Andrade 1 escritor, Tarsila do Amaral 2 artista plástica e Oswald de Andrade 3, jornalista e escritor. Ainda segundo CAMARGO (2002) esses artistas despertaram o Poder Executivo para a necessidade de se preservar nossas raízes históricas e culturais brasileiras. Essa ação acarretou os primeiros resultados importantes quando na década de 1930 o Governo de Getúlio Vargas criou o Serviço de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN Lei 378/1937, atualmente sendo o órgão denominado Instituto do Patrimônio Histórico a Artístico Nacional IPHAN) e, por meio do Decreto-lei n. 25, organiza a proteção do patrimônio histórico e artístico nacional por meio do tombamento dos bens. Seguindo o pensamento de MARTINS e VIEIRA diante das atuais discussões suscitadas entre turismo e patrimônio cultural é possível apontar que as relações estabelecidas entre ambos serão duradouras, pois cada vez mais as pessoas têm buscado, através da realização de viagens turísticas, um crescimento cultural advindo da observação dos diversos tipos de culturas característicos de cada local visitado. 1 Autor de Prefácio Interessantíssimo, 1922 e A Escrava que não é Isaura, 1925.* 2 Sua obra mais conhecida o Abaporu que significa antropófago em tupi.* 3 Autor da Trilogia do Exílio: Os Condenados 1922, Estrela do Absinto 1927 e Escada Vermelha 1934.* *Fonte:CEREJA, W.R. MAGALHÃES, T. C. Literatura Brasileira. 2 ed. São Paulo: Atual, p

17 É necessária a ampla participação do indivíduo e da sociedade no processo de criação dos bens culturais, na manutenção dos lugares de memória, na tomada de decisões que se referem à vida cultural e na sua difusão e vivência. Com base nas potencialidades que o patrimônio cultural representa, tem-se procurado ofertar atividades turísticas nas quais o patrimônio se converte em recurso de desenvolvimento e de lazer para a sociedade. Esta utilização exige cautela, pois, quando se intervém de alguma forma no patrimônio cultural de uma localidade, interfere-se nos vínculos histórico-culturais que dão coerência aquela sociedade. É importante considerar que o patrimônio cultural pertence à sociedade que o criou. As relações da comunidade com seu patrimônio cultural não se circunscrevem somente na esfera econômica, mas principalmente nas diferentes e complexas esferas da vida social, nas inter-relações da vida cotidiana onde as pessoas compartilham dos mesmos costumes e valores, a qual possibilita que cada um possa reconhecer a si mesmo na sua experiência de vida coletiva escolar, familiar, de vizinhança e religiosa. Se essa comunidade pára por qualquer motivo de estabelecer os laços históricos necessários e passa a não se identificar com os seus lugares de memória, os significados são perdidos e o seu patrimônio deixa de cumprir uma função social essencial que é a manutenção da identidade do local. Pois é neste reconhecimento que está a identidade, e a partir do momento em que não há patrimônio com o que se identificar? A identidade cultural é a riqueza que dinamiza as possibilidades de realização da sociedade, ao mobilizar cada grupo social, a nutrir-se de seu passado e a colher as contribuições assim continuando o processo de criação e recriação social. Nesse sentindo, o desenvolvimento do Turismo Cultural está diretamente relacionado ao esforço e trabalho de se preservar os valores culturais. É fundamental assumir e construir uma nova dimensão que permita vincular os conceitos de desenvolvimento social do turismo e de preservação do patrimônio, já que o patrimônio cultural representa a espinha dorsal dos projetos de planejamento do Turismo Cultural. E para que este patrimônio não chegue a sucumbir, se fazem necessárias estratégias de uso consciente de preservação, onde a atividade turística não vise somente interesses econômicos, e que estes não se sobreponham aos valores éticos. Tais estratégias integram o chamado desenvolvimento sustentável do turismo, que:

18 Atende às necessidades dos turistas de hoje e das regiões receptoras, ao mesmo tempo em que protege e amplia as oportunidades para o futuro. É visto como um condutor ao gerenciamento de todos os recursos, de tal forma que as necessidades econômicas, sociais e estéticas possam ser satisfeitas sem desprezar a manutenção da integridade cultural, dos processos ecológicos essenciais, da diversidade biológica e dos sistemas que garantem a vida. OMT (Organização mundial do Turismo, 2003). A preocupação do mundo moderno em manter suas raízes vivas, sua história, seu patrimônio faz com que se olhe para o futuro e passe a trabalhar em processo de sustentabilidade não só econômica, mas na capacidade de absorção e no deslocamento do público visitante, que traz um conjunto de novos fatores que necessitam de um gerenciamento partindo do macro ambiente sócio-econômico e político-legal até atingir o micro ambiente da cultura local. 2.5 O PLANEJAMENTO TURÍSTICO Segundo RUSCHMANN (1997) o planejamento é uma atividade que envolve a intenção de estabelecer condições favoráveis para alcançar objetivos e metas propostas. O ato de planejar objetiva a previsão de facilidades e serviços para que uma comunidade atenda seus desejos e necessidades ou, então, o desenvolvimento de estratégias que permitam a uma organização comercial visualizar oportunidades de lucro em determinado segmento de mercado. Para que o turismo se desenvolva de forma sustentável é indispensável o planejamento. Por planejamento turístico entende-se: O planejamento como um processo que consiste em determinar os objetivos de trabalho, ordenar os recursos materiais e humanos disponíveis determinar os métodos e as técnicas aplicáveis, estabelecer as formas de organização e expor com precisão todas as especificações necessárias para que a conduta da pessoa ou do grupo de pessoas que atuarão na execução dos trabalhos seja racionalmente diretamente para alcançar os resultados pretendidos (ESTOL E ALBUQUERQUE, apud OMT, 2003, p.8).

19 No turismo, o plano de desenvolvimento constitui o instrumento fundamental na determinação e seleção das prioridades para a evolução harmoniosa da atividade, determinando suas dimensões ideais, para que, a partir daí, se possa estimular, regular ou restringir sua evolução. Conforme Bound e Bovy, o Plano Turístico é elaborado com a finalidade de atingir os mais diversos propósitos, a saber, (BOUND e BOVY, p. 13, apud Ruschmnn, 1997, p.85): Definir políticas e processos de implementação de equipamentos e atividades, e seus respectivos prazos; Controlar o desenvolvimento espontâneo do turismo; Maximizar os benefícios, visando ao bem estar da comunidade receptora e à rentabilidade dos empreendimentos do setor; Evitar deficiências ou congestionamentos; Minimizar a degradação dos locais e recursos sobre os quais o turismo se estrutura; Capacitar os vários serviços públicos para a atividade turística; Garantir que a imagem da destinação se relacione com a proteção ambiental e cultural, além da qualidade dos serviços prestados; Atrair financiamentos nacionais ou internacionais e assistência técnica para o desenvolvimento do turismo; Coordenar o turismo com outras atividades econômicas integrando seu desenvolvimento aos planos econômicos e físicos do país. De acordo com Ruschmann (1997, p. 86) sempre haverá a necessidade da intervenção dos planejadores em turismo nas seguintes circunstâncias, Nos locais em que as empresas turísticas estão se estabelecendo com sucesso, a fim de assegurar um controle eficaz do desenvolvimento, no qual se incluem as medidas de proteção do meio ambiente e dos recursos culturais; Nos locais em que o crescimento acelerado da demanda, originado pelo turismo de massa gerou modificações rápidas nas circunstâncias econômicas e sociais, visando ao monitoramento contínuo do acesso de pessoas; Nos locais onde o turismo não se desenvolveu satisfatoriamente, apesar de apresentarem recursos consideráveis, como é o caso da cidade de Macaíba; Nos locais onde o desenvolvimento do turismo concorre para a degradação ou a erosão de sítios históricos e/ou recursos únicos, apesar dos consideráveis benefícios socioeconômicos. Uma vez que o planejamento trabalhará com prioridades, poderá ter suas metas e o cumprimento de seus objetivos divididos em longo, médio e curto prazos. Segundo a mesma autora (1997, p. 91), o planejamento em longo prazo trabalha a concepção do produto ou a sua identidade mercadológica. Determina os produtos

20 que serão oferecidos no mercado, quem participará da sua composição, em que períodos e para que segmentos. Geralmente a duração de um planejamento em longo prazo dura quinze anos, mas esse prazo pode estender-se como ser abreviado, de acordo com os objetivos propostos. O planejamento turístico em médio prazo tem por objetivo implantar as ações propostas em longo prazo, relacionadas aos equipamentos destinados ao atendimento dos desejos e das necessidades da demanda. Ele está subordinado ao de longo prazo e essa hierarquia deve ser observada pelos empresários, a fim de evitar que como conseqüência de ações intuitivas e imediatistas, as destinações turísticas ultrapassem sua capacidade de carga e acabem se degradando diante de um mercado cada vez mais exigente. O tempo fixado é de cinco anos tanto para empreendimentos que querem se reposicionar no mercado, como para os novos (RUSCHMANN, 1997). O planejamento turístico a curto prazo constitui a fase inicial da hierarquia na implantação de equipamentos e no desenvolvimento de atividades em núcleos receptores. Geralmente, são ajustes e soluções que podem ser implantados no curto espaço de tempo de um ano que correspondam a soluções para necessidades imediatas e visam viabilizar o funcionamento adequado de serviços e equipamentos turísticos. As soluções a curto prazo podem relacionar-se às ações de treinamento de recursos humanos de nível básico, limpeza de fachadas, ajardinamento de ruas que, apesar do seu pequeno impacto imediato, se forem contínuas, terão efeito positivo no conjunto da oferta turística de uma localidade. São necessárias, porém, formas metodológicas de sensibilização da comunidade, de diagnóstico de viabilidade, de implantação, de monitoramento dos impactos, de divulgação e de venda para que tais objetivos sejam atingidos e gerem oportunidades de lazer e de aprendizado aos turistas, ao mesmo tempo em que proporcione à comunidade local melhoria da qualidade de vida (RUSCHMANN, 1997). Assim, caberá ao planejador e sua equipe identificar certos elementos, como: Existência de atrativos naturais e culturais capazes de atrair demanda; Existência de acomodações, alimentação e entretenimento; Existência de facilidades e acessos. A disponibilidade de transporte turístico e o bom posicionamento geográfico; Existência de uma demanda potencial capaz de viabilizar os investimentos feitos ou por fazer; Avaliar preços de transporte, alojamento, alimentação, entretenimento, além de preços cobrados por taxistas, souvenirs e outros.

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NA CIDADE DE AREIA-PB: DO MUSEU PARA A COMUNIDADE

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NA CIDADE DE AREIA-PB: DO MUSEU PARA A COMUNIDADE A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NA CIDADE DE AREIA-PB: DO MUSEU PARA A COMUNIDADE Resumo Natália Cândido da Cruz Silva 1 - UFPB Márcia Verônica Costa Miranda 2 - UFPB Rebeca Nogueira Martins 3 -

Leia mais

FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE

FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE RESUMO A reconstituição e o resgate da memória do centro de histórico da cidade foi o audacioso trabalho que a franquia O Boticário

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARMO DA CACHOEIRA ESTADO DE MINAS GERAIS GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARMO DA CACHOEIRA ESTADO DE MINAS GERAIS GABINETE DO PREFEITO 1 Dispõe sobre a criação da SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA, ESPORTES E TURISMO, e dá outras providencias. 2009. Projeto de Lei n.º, de 05 de fevereiro de A Câmara Municipal de Carmo da Cachoeira, por

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS

REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Florianópolis (SC), 2013 1 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA INSTITUIÇÃO Mantenedora: Sistema Barddal de Ensino Grupo UNIESP Mantida: Faculdades

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias Relato de experiência de um agente social sobre suas atividades com as comunidades do município de Santa Maria- RS, através do

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos Componente 1 Título da Ação Estratégia de Produto Turístico Item 1.4 Objetivos Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS LEI COMPLEMENTAR Nº 38, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2011. Altera dispositivos e Cria Secretaria de Esporte, Cultura, Lazer e Turismo na Lei Complementar nº 24, de 23 de abril de 2009, que dispõe sobre a Organização

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo 1 Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo DESTINO: São Paulo/SP INSTITUIÇÃO PROMOTORA: São Paulo Turismo S/A RESPONSÁVEL: Tasso Gadzanis Luiz Sales

Leia mais

TURISMO. o futuro, uma viagem...

TURISMO. o futuro, uma viagem... TURISMO o futuro, uma viagem... PLANO NACIONAL DO TURISMO 2007-2010 OBJETIVOS Desenvolver o produto turístico brasileiro com qualidade, contemplando nossas diversidades regionais, culturais e naturais.

Leia mais

VIAGEM DA DESCOBERTA DO BRASIL: UM PASSEIO PELA CONSTRUÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO NACIONAL.

VIAGEM DA DESCOBERTA DO BRASIL: UM PASSEIO PELA CONSTRUÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO NACIONAL. VIAGEM DA DESCOBERTA DO BRASIL: UM PASSEIO PELA CONSTRUÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO NACIONAL. UILSON NUNES DE OLIVEIRA FIO/FAT O presente trabalho nasceu de minhas inquietações a respeito dos vários problemas

Leia mais

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Museu Casa de Rui Barbosa: estabelecendo relações com os turistas nacionais e internacionais Coordenador

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

Maria Berthilde Moura Filha Isabel van der Linden Pautília Costa Alves Cavalcanti 1

Maria Berthilde Moura Filha Isabel van der Linden Pautília Costa Alves Cavalcanti 1 MEMÓRIA. JOÃO PESSOA.BR INFORMATIZANDO A HISTÓRIA DO NOSSO PATRIMÔNIO Maria Berthilde Moura Filha Isabel van der Linden Pautília Costa Alves Cavalcanti 1 RESUMO Este projeto de extensão desenvolvido junto

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

CURSO REDES DE COMPUTADORES ALANA CAMILA ARICLÉCIO DOMINGOS EUDES JUNIOR HILDERLENE GOMES

CURSO REDES DE COMPUTADORES ALANA CAMILA ARICLÉCIO DOMINGOS EUDES JUNIOR HILDERLENE GOMES 1 CURSO REDES DE COMPUTADORES ALANA CAMILA ARICLÉCIO DOMINGOS EUDES JUNIOR HILDERLENE GOMES CANINDÉ 2013 2 ALANA CAMILA ARICLÉCIO DOMINGOS EUDES JUNIOR HILDERLENE GOMES Trabalho realizado como requisito

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Cantando as Diferenças, destinado a promover a inclusão social de grupos discriminados e dá outras providências. O

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Órgão Proponente: Prefeitura Municipal Órgão Executor: Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar e representar a sociedade local, para construirmos em conjunto uma visão compartilhada

Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar e representar a sociedade local, para construirmos em conjunto uma visão compartilhada Fórum da Agenda 21 de Guapimirim Aprender a APRENDER e a FAZER. Aprender a CONVIVER, e Aprender a SER Cidadãos Participativos, Éticos e Solidários Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar

Leia mais

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA PLANO MUNICIPAL DE CULTURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Comissão de Elaboração do Plano Municipal de Cultura: Anderson Beluzzo, Celso Peixoto, Dagma Castro, Elias Alcides Luciano, Guilhermina Stuker, João Alexandre

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção para a Salvaguarda do patrimônio Cultural Imaterial Assunto: Proteção do Patrimônio Cultural Imaterial Decreto: 5208 Entrada

Leia mais

MMX - Controladas e Coligadas

MMX - Controladas e Coligadas POLITICA CORPORATIVA PC. 1.16.01 Política de Meio Ambiente Emissão: 02/10/06 1 Objetivo: Estabelecer diretrizes visando proteger os recursos naturais e o meio ambiente em todas das unidades operacionais.

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

MINIFÓRUM CULTURA 10. Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA

MINIFÓRUM CULTURA 10. Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA MINIFÓRUM CULTURA 10 Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA Orientação aprovada: Que a elaboração do Plano Municipal de Cultura considere

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração Anexo II a que se refere o artigo 2º da Lei nº xxxxx, de xx de xxxx de 2014 Quadro de Analistas da Administração Pública Municipal Atribuições Específicas DENOMINAÇÃO DO CARGO: DEFINIÇÃO: ABRANGÊNCIA:

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE Evelyn Nunomura* Isadora Fernanda Rossi* Gilberto Hildebrando* Sonia Maria de Oliveira Dantas* Leandro Henrique Magalhães** Mirian Cristina Maretti** *Acadêmicos

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

BREVE PANORAMA DA POLÍTICA PÚBLICA DE ENSINO MÉDIO INTEGRAL NO ESTADO DE PERNAMBUCO

BREVE PANORAMA DA POLÍTICA PÚBLICA DE ENSINO MÉDIO INTEGRAL NO ESTADO DE PERNAMBUCO BREVE PANORAMA DA POLÍTICA PÚBLICA DE ENSINO MÉDIO INTEGRAL NO ESTADO DE PERNAMBUCO Elizabeth Pedrosa da Silva/ SEDUC-PE/elizabethpedrosa2010@hotmail.com Introdução O presente trabalho justifica-se pela

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL

DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SE É DESENVOLVIMENTO É PRIORIDADE DO SEBRAE LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA REGULAMENTAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA LG REGULAMENTADA LG REGULAMENTADA

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 1- JUSTIFICATIVA O setor de eventos vem passando por uma grande reformulação. Dos eventos corporativos, hoje mais bem estruturados e com foco específico,

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA DE GESTÃO EFICAZ - Projeto Via Turismo 1.1 Histórico da Prática Eficaz Descrever como surgiu o programa/prática e indicar a data de início das ações. O Projeto Via Turismo

Leia mais

AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS

AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS Andressa Stefany Teles Jasmine Cardoso Moreira Victor Emanuel Carbonar Santos RESUMO: Impactos negativos

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados,

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Encontro-me hoje aqui para, em nome do Governo Regional da Madeira, apresentar a Vossas

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS 22 de Outubro de 2014 AGENDA Relembrar o conceito de Plano Municipal de Turismo Etapas percorridas no desenvolvimento do PMT de Farroupilha

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Empreendedorismo na prática

Empreendedorismo na prática Empreendedorismo na prática Autor: José Carlos Assis Dornelas Aluno: Douglas Gonzaga; Diana Lorenzoni; Paul Vogt; Rubens Andreoli; Silvia Ribeiro. Turma: 1º Administração Venda Nova do Imigrante, Maio

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO

Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO 148 Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO Wellington Lima Pereira; Cleide Amorim Leite RESUMO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano **

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano ** AVALIAÇÃO SOBRE AS PRÁTICAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DESENVOLVIDA ATRAVÉS DO ECOTURISMO NO CAMINHO DO MAR PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR NÚCLEO ITUTINGA PILÕES Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos

Leia mais

Sr. Presidente, Senhoras e senhores Deputados,

Sr. Presidente, Senhoras e senhores Deputados, Dircurso proferido Pela Dep. Socorro Gomes, na Sessão da Câmara dos Deputados do dia 08 de novembro de 2006 acerca da 19ª edição do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, promovido pelo Instituto do Patrimônio

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Nome dos autores: Gislaine Biddio Rangel¹; Ana Beatriz Araujo Velasques². 1 Aluna do Curso

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação :: LINHAS DE AÇÃO Apoio aos Municípios Tecnologia e Informação em Resíduos Capacitação Promoção e Mobilização Social :: PRESSUPOSTOS DA COLETA SELETIVA Gestão participativa Projeto de Governo Projeto da

Leia mais

EMPRESAS, GOVERNO E SOCIEDADE CIVIL TRABALHANDO JUNTOS PARA O BEM COMUM

EMPRESAS, GOVERNO E SOCIEDADE CIVIL TRABALHANDO JUNTOS PARA O BEM COMUM EMPRESAS, GOVERNO E SOCIEDADE CIVIL TRABALHANDO JUNTOS PARA O BEM COMUM XXV CONGRESSO MUNDIAL UNIAPAC 10º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE SUSTENTABILIDADE 30 DE SETEMBRO 1º E 2 DE OUTUBRO BEM COMUM Conjunto

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Início das inscrições: 22 de fevereiro de 2013 Final das inscrições: 20 de março de

Leia mais

Alcance Social. Kerigma Social. Assistência Social

Alcance Social. Kerigma Social. Assistência Social IBC FBC Kerigma Jr Bazar Atendimento Médico Alcance Social Celebrando a Restauração Assistência Social Kerigma Social Apoio a ações IBC Ecovidas Comunidade Santa Fé MISSÃO IBC Amar a Deus sobre todas as

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas.

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas. TÍTULO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTRATÉGIA PARA O CONHECIMENTO E A INCLUSÃO SOCIAL AUTORES: Chateaubriand, A. D.; Andrade, E. B. de; Mello, P. P. de; Roque, W. V.; Costa, R. C. da; Guimarães, E. L. e-mail:

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre.

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre. ]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. ANO 2013-1ª EDIÇÃO A equipe gestora está sempre preocupada com o desempenho dos alunos e dos educadores, evidenciando

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE A INSTITUIÇÃO A Universidade Livre do Meio Ambiente - Unilivre, instalada em Curitiba, Paraná, é uma organização não governamental sem fins lucrativos, recentemente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. 1 de 5 Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas Natalino Salgado Filho A Universidade Federal do Maranhão teve o privilégio de abrigar nesta semana o I Seminário Patrimônio Cultural & Cidades

Leia mais

P. 38 - Programa de Apoio à Revitalização e Incremento da Atividade de Turismo

P. 38 - Programa de Apoio à Revitalização e Incremento da Atividade de Turismo PLANO DE AÇÃO NR 01 /2013-2014 Ação/proposta: Viabilizar a construção da torre de observação de pássaros (Ecoturismo). Descrição da ação/proposta: Articular juntos as lideranças municipais e junto a UHE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE.

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. Autor: ANTÔNIO CARLOS DE SOUZA E SÁ FILHO Introdução O Turismo de Eventos está em plena ascensão

Leia mais

TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG)

TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG) TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG) SÉRGIO HENRIQUE DE CAMPOS ESPORTE 1 e ANA RUTE DO VALE 2 sergio_h13@hotmail.com, ana.vale@unifal-md.edu.br 1 Bolsista de iniciação científica

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para desenvolver o Plano de Uso Público para a visitação do Jardim Botânico do Rio de Janeiro concentrando na análise

Leia mais

Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa. Câmpus Restinga Junho, 2013. Desenvolvimento Institucional

Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa. Câmpus Restinga Junho, 2013. Desenvolvimento Institucional Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa Câmpus Restinga Junho, 2013 Desenvolvimento Institucional APRESENTAÇÃO O presente relatório deve ser considerado como um Anexo ao Diagnóstico das Prioridades

Leia mais

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade Desenvolvido por: Neuza Maria Rodrigues Antunes neuzaantunes1@gmail.com AUMENTO DA POPULAÇÃO URBANA 85% NO BRASIL (Censo

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES P.38 - Programa de Apoio a Revitalização e incremento da Atividade de Turismo Relatório Semestral de Atividades Realizadas EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1620 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO A SEGUINTE LEI: TÍTULO II DISPOSIÇÕES GERAIS

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO A SEGUINTE LEI: TÍTULO II DISPOSIÇÕES GERAIS LEI N o 1.633 DE 14 DE JANEIRO DE 2013. DEFINE A NOVA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DO MUNICÍPIO DE CAIAPÔNIA E DETERMINA OUTRAS PROVIDÊNCIAS A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ José Alves de SOUZA² Maria Stella Galvão SANTOS³ Universidade Potiguar (UnP ), Natal, RN RESUMO Este Plano de Comunicação refere-se a um estudo

Leia mais

FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 02.12.15 EDITORIA: NOTAS DA REDAÇÃO

FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 02.12.15 EDITORIA: NOTAS DA REDAÇÃO FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 02.12.15 EDITORIA: NOTAS DA REDAÇÃO VEÍCULO: NATAL NOTÍCIAS DATA: 02.12.15 01 Dez 2015 Presidente Marcelo Queiroz participa da 17ª Convenção do Comércio e Serviços

Leia mais