Perfil GRI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perfil GRI 2.1 2.2 2.3 2.4 2.5 2.6 2.7 2.8 3.8"

Transcrição

1

2 Perfil GRI A Cooperativa de Crédito do Joazeiro (CE), fundada em 1938, deu origem ao Banco Industrial e Comercial S.A. (BICBANCO), hoje organização de capital aberto, com ações negociadas no Nível 1 de Governança Corporativa da BM&FBovespa, posicionada entre as principais instituições financeiras do país. De acordo com o ranking por operações de crédito do Banco Central do Brasil, data-base de setembro de 2012, o BICBANCO ocupa a 6ª colocação entre as maiores instituições de capital privado nacional, a 10ª posição na lista dos bancos privados nacionais e estrangeiros e o 15º lugar no geral, que engloba bancos de capital nacional e estrangeiro, públicos e privados. Banco múltiplo com sede na cidade de São Paulo (SP), está presente em todas as regiões do país por meio de uma rede de 43 pontos de atendimento, além de contar com uma agência em Grand Cayman para dar suporte às operações no mercado internacional. É especializado na concessão de crédito corporativo, atendendo prioritariamente à demanda de empresas de médio porte (middle market) com faturamento anual entre R$ 50 milhões e R$ 500 milhões. Não há concentrações relevantes dos negócios quanto a clientes, regiões geográficas ou atividades econômicas. O conglomerado BICBANCO contempla as empresas Sul Financeira, BIC Leasing, BIC Administradora de Cartões, BIC DTVM e BIC Informática, além da Brasilfactors, joint venture formada com o FIMBank e o International Finance Corporation (IFC). Essa sociedade prevê administração compartilhada sem controlador majoritário; dessa forma, as informações referentes a essa empresa não compõem o escopo dos indicadores aqui mencionados. Ao longo do exercício de 2012, não foram adquiridas carteiras nem descontinuados negócios ou produtos. Os principais produtos e serviços do conglomerado são operações de crédito, operações de câmbio e comércio exterior para empresas, além de crédito consignado para pessoas físicas. A captação de recursos advém de depósitos a prazo, fundos e letras financeiras, além de captação no mercado internacional (bonds e repasses). Destacando-se como um dos bancos mais tradicionais do Brasil, o BICBANCO apoia a sustentabilidade e a perenidade de seus negócios graças a iniciativas relacionadas às boas práticas de governança corporativa, à ética empresarial e ao controle de riscos. Reconhecido pela agilidade nas operações e pela responsabilidade na gestão corporativa, o Banco orienta a tomada de decisão em todos os níveis por seus valores e pelos princípios da sustentabilidade. As políticas e práticas que permitem esse posicionamento são apresentadas ao longo deste relatório e gerenciadas continuamente por meio de indicadores setoriais.

3 Nova sede GRI 2.4 Missão, visão e valores GRI 4.8 No primeiro trimestre de 2012, o BICBANCO transferiu sua sede para um novo edifício na Avenida Brigadeiro Faria Lima, em São Paulo (SP). A nova estrutura foi planejada para proporcionar mais qualidade de vida no trabalho para colaboradores e melhorias em segurança e privacidade das informações de clientes e parceiros, permitindo ainda futuras ampliações. O prédio dispõe de certificação Leadership in Energy and Environmental Design (LEED), segue modernas tendências da construção civil e adota tecnologia de ponta para o consumo eficiente de energia e água, bem como para o descarte adequado de resíduos. A arquitetura de interiores prioriza um ambiente dinâmico e interativo entre as equipes para propiciar ergonomia e conforto. O Data Center, que também foi instalado no prédio, considera tecnologias de construção e operação que fortalecem a segurança e reduzem o consumo de energia. Está em andamento o processo de certificação alemã TÜV Rheinland, nível de excelência Tier III, para essas instalações, alinhando o Banco às normas internacionais mais elevadas de data center, o que garante a disponibilidade da infraestrutura de TI para 99,98% do ano. Além disso, a tecnologia utilizada permite que todas as agências estejam interligadas aos Data Centers Principal e de Contingência. Missão Desenvolver uma atividade financeira que, ao mesmo tempo e de forma integrada, maximize o retorno dos Acionistas, garanta um crescimento consistente e sadio da Instituição e valorize a Comunidade em que está inserida. Visão Como corolário do cumprimento de sua Missão, a Instituição ambiciona ter seus colaboradores reconhecidos pelos Clientes e pelo Mercado como a melhor equipe de profissionais em produtos e serviços financeiros voltados para o Middle Market. No que se refere a telecomunicações e redes, foram adquiridas novas soluções corporativas de telefonia IP, rede wireless, segurança e circuitos de alta velocidade que tornaram o funcionamento dos sistemas mais veloz. A segurança do Data Center também foi modernizada com um sistema de monitoramento e prevenção a incêndio. A atualização sistêmica e de infraestrutura de TI prosseguirá em 2013 para finalizar etapas e implantar o modelo na Sul Financeira. Valores Respeito aos Colaboradores Conformidade às normas da Instituição Reconhecimento do Desempenho Incentivo ao trabalho em equipe Promoção da Transparência Ênfase na Integridade das ações Incentivo à inserção ativa no ambiente financeiro Responsabilidade Social perante a Comunidade

4 Destaques GRI 2.10 Inauguração da nova sede do Banco na Avenida Brigadeiro Faria Lima em São Paulo. Histórico A trajetória do BICBANCO inicia-se em Juazeiro do Norte (CE) com a fundação da Cooperativa de Crédito de Joazeiro por José Bezerra de Menezes em conjunto com líderes locais. Com vocação para financiar a atividade produtiva, a Cooperativa atua inicialmente com produtores da região sul do Ceará e, seis anos mais tarde, altera seu nome para Banco do Juazeiro. O Grupo Bezerra de Menezes, cujas exportações de algodão prosperavam, torna-se acionista majoritário do Banco do Joazeiro. Com isso, Dona Maria Amélia Bezerra de Menezes, matriarca da família, torna-se a primeira mulher do país a assumir a presidência de um banco. Os avanços na gestão e as mudanças da reforma bancária brasileira permitem nova fase de crescimento dos negócios. O Banco passa a atuar como agente de fomento para o comércio e a indústria em toda a região de Cariri (sul do Ceará). Fortalecido regionalmente, o Banco do Juazeiro funde-se com o Banco de Cariri em 1972 para criar o Banco Industrial do Cariri (BIC). Dois anos mais tarde, a Instituição incorpora o Banco dos Proprietários. Ainda nessa década, a sede é transferida para a capital estadual Fortaleza, e a razão social muda para Banco Industrial do Ceará (BIC).

5 Rating de Sustentabilidade AAA emitido pela M&E Ações do BICBANCO (BIC4) integram, pela terceira vez consecutiva, o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da BM&FBovespa Em 1981, a Instituição altera sua denominação para Banco Industrial e Comercial S.A. (BIC) e instala sua primeira agência fora do Ceará, na cidade de São Paulo (SP). A expansão leva a um novo ciclo de forte crescimento. Por dois anos consecutivos, o BIC foi reconhecido pela revista Exame como o melhor desempenho entre os bancos comerciais do Sistema Financeiro Nacional (SFN). A marca BICBANCO nasce em 1992, fortalecendo o perfil da Instituição e refletindo seu modelo moderno e dinâmico. O Banco amplia sua carteira de clientes e direciona suas operações para o segmento de middle market em linha com sua vocação inicial. Em 1995, o Banco muda sua sede para São Paulo (SP) e implanta a área internacional. A internacionalização das operações é marcada pela abertura da primeira agência no exterior. No ano seguinte, o Banco cria holdings para centralizar o controle acionário de suas empresas. As operações no Brasil também crescem, e, em 2004, a marca de R$ 100 milhões de lucro líquido é superada. É reconhecido pela Fundação Getulio Vargas (FGV) como o melhor banco de middle market do país. Em 2007, o BICBANCO abre seu capital com a negociação de suas ações no Nível 1 da então Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). O Banco lança em 2008 sua marca de sustentabilidade (Movimento Azul), manifestando seu compromisso com a gestão ética e responsável. No ano seguinte, adquire a Sul Financeira S.A. Crédito, Financiamento e Investimentos. Desde 2010, integra o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da BM&FBovespa e é considerado grau de investimento pela agência Moody s. Em 2011, a Brasilfactors foi criada em uma joint venture do BICBANCO com o FIMBank e o IFC.

6 Sobre este relatório GRI O Banco Industrial e Comercial S.A. (BICBANCO) apresenta a sétima edição de seu relatório anual e de sustentabilidade para expor de forma clara e concisa suas políticas e diretrizes, o impacto de suas atividades e seus resultados econômicos, sociais e ambientais. Esta publicação se destina a todos os stakeholders mapeados pela Instituição e considerou a opinião dos públicos priorizados para definir seu conteúdo; mais informações sobre a matriz de materialidade estão no capítulo Engajamento. O documento atende aos critérios da boa governança ao disseminar informações de maneira equânime e transparente. O Banco adota, desde 2008, as diretrizes internacionais da Global Reporting Initiative (GRI) para a elaboração de seu relatório anual e de sustentabilidade, tendo sido o último publicado em 2012 (referente às operações de 2011). Esta edição atende à versão 3.1 dessas diretrizes com nível de aplicação B+. Neste relatório também estão as demonstrações financeiras e o balanço social proposto pelo Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase) em conjunto com as informações previstas na Norma Brasileira de Contabilidade NBCT 15 Informações Social e Ambiental, do Conselho Federal de Contabilidade. As informações aqui publicadas foram fornecidas por diversos departamentos do BICBANCO e verificadas pela PricewaterhouseCoopers, que também auditou o balanço social (Ibase). Todas as informações referem-se ao exercício de 2012, compreendido entre 1º de janeiro e 31 de dezembro, exceto quando citado outro período. O relatório retrata estratégias, políticas e desempenho do Banco com informações de todas as unidades no Brasil e no exterior e das controladas BIC Leasing, BIC Cartões, BIC Informática, BIC Distribuidora de Valores, Sul Financeira e Fundos de Investimentos em Direitos Creditórios (FIDCs). As técnicas de medição, as bases de cálculos e os eventuais ajustes dos levantamentos estão descritos ao longo do texto. Este documento não apresenta alterações expressivas se comparado ao relatório de 2011 (o que permite confrontar o conteúdo). O detalhamento da revisão dos critérios de avaliação de mensuração dos swaps encontra-se na Nota 2.c das demonstrações financeiras de 31 de dezembro de No período, também não houve mudanças significativas em relação ao porte ou à composição acionária da Instituição.

7 Governança e gestão Cenário e desempenho econômico Relacionamentos Mensagem do presidente 08 Balanço social anual 71 Índice remissivo GRI 76

8 Mensagem do presidente GRI 1.1 O ano de 2012 foi de sucessivas perspectivas de aprofundamento da crise econômica mundial e de rupturas políticas em diversos países advindas especialmente de tensões sociais. No Brasil, o mercado foi diretamente impactado com a redução das taxas de juros, no entanto, o estímulo teve efeito pequeno na atividade econômica, que fechou o ano com crescimento bastante modesto. Esses fatores somados nos direcionaram a focar a qualidade de nossas operações e elevar o volume de negócios no ritmo ditado pela economia do país. A postura conservadora do BICBANCO e as bases sólidas de governança corporativa e dos negócios nos permitiram enfrentar mais esse período de instabilidade econômica. No âmbito interno, diversas mudanças foram implantadas ao longo ano. A mais perceptível diz respeito à transferência da nossa sede para instalações mais modernas que privilegiam a qualidade de vida no trabalho e alta tecnologia com foco na segurança e na ampliação do suporte aos negócios. Além disso, dedicamo-nos a aperfeiçoar continuadamente os critérios de sustentabilidade. Avançamos na nossa estratégia de integração de riscos ao implantar a classificação do risco socioambiental para todos os clientes tomadores. Também reestruturamos a área de crédito e desenvolvemos novos produtos e oportunidades de negócios com vistas a garantir o melhor atendimento aos clientes e suprir as demandas geradas pela nova realidade do mercado. Os diversos reconhecimentos obtidos pelo BICBANCO por suas boas práticas, concedidos por organizações nacionais e internacionais, são motivos de orgulho. Integramos a carteira do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da BM&FBovespa pela terceira vez consecutiva. Fomos destaque setorial no prêmio Criação de Valor 2012 da Associação Brasileira das Companhias Abertas (ABRASCA). Recebemos a Certificação Top Employers por nossas práticas de gestão de recursos humanos e estamos entre os 25 melhores bancos da América Latina, ao lado de três outros brasileiros apontados pela revista AméricaEconomia. Também fomos escolhidos, pelo jornal Brasil Econômico, como Maior Banco por Ativo Total na categoria Middle Market e reconhecidos com o Rating em Sustentabilidade AAA pela Management & Excellence.

9 Relatório Anual e de Sustentabilidade Para o exercício de 2013, as recentes melhoras das condições globais, sinalizadas por uma estabilização na Europa e por perspectivas favoráveis da economia americana, constituem um quadro positivo. Permanecendo o atual cenário, e em que pese o ambiente ainda vulnerável dos riscos corporativos, vislumbramos para o BICBANCO um crescimento da carteira de créditos em linha com a média do mercado, a melhoria dos níveis de eficiência, a manutenção do nível médio atual das margens e, em decorrência, o retorno progressivo a resultados mais compatíveis com o histórico da Instituição. José Bezerra de Menezes (Binho) Presidente O nosso compromisso sempre será com a sustentabilidade nos negócios e a consolidação do posicionamento do Banco no Sistema Financeiro Nacional (SFN). Estamos preparados para uma evolução equilibrada, consistente e que eleve a qualidade e a solidez das nossas carteiras. Mais uma vez, agradeço a parceria e confiança dos nossos acionistas, colaboradores, fornecedores e clientes.

10 Governança e gestão O modelo de governança corporativa do BICBANCO prevê o monitoramento dos riscos, a atuação ética, a prestação de contas de forma clara e objetiva e o tratamento igualitário dos stakeholders Governança corporativa 11 Gestão de riscos 21

11 Relatório Anual e de Sustentabilidade Governança corporativa GRI 4.1 O modelo de governança corporativa adotado pelo BICBANCO, alinhado às melhores práticas do mercado internacional, prevê o monitoramento dos riscos e dos controles internos, a atuação com base na ética e na transparência, a prestação de contas de forma clara e objetiva e o tratamento igualitário a todos os stakeholders. Sua estrutura organiza-se em dois níveis complementares: o primeiro envolve os acionistas do grupo de controle e um membro independente na composição do Conselho de Administração, assessorado pelo Comitê de Auditoria e pela Auditoria Interna; já o segundo, reúne o Comitê de Diretoria Executiva (CDE) e seus comitês especializados, compostos pelas lideranças executivas do Banco. Conselho de Administração GRI O Conselho de Administração tem atribuições estratégicas e fiscalizadoras voltadas à geração de valor. O órgão também decide sobre políticas, orçamentos e planos de negócio e verifica o cumprimento de suas determinações. Atualmente é formado por três representantes do grupo de controle e por um conselheiro independente. O atual presidente do Banco é membro do Conselho, porém não acumula a função de presidente desse órgão. Em conformidade com o Estatuto Social, não há exigências específicas, qualificações ou avaliações formais para eleger integrantes do Conselho de Administração. Periodicamente, temas relacionados à sustentabilidade, como estratégia, risco socioambiental, adesão a pactos voluntários, relações contratuais, entre outros, são discutidos no âmbito do Conselho de Administração por meio dos integrantes do Comitê de Governança Corporativa, o que contribuiu para o aprimoramento nessa questão. A avaliação do desempenho dos membros do Conselho é realizada informalmente pelo seu presidente, considerando-se aspectos econômicos, conduta ética e boas práticas de governança, de acordo com a Política de Remuneração. Mais informações sobre esse órgão e a qualificação de seus membros no site Conselho Fiscal O BICBANCO não tem um Conselho Fiscal constituído. De acordo com seu Estatuto Social, quando eleito, esse Conselho deverá ter entre três e cinco membros efetivos, com igual número de suplentes. A função desse órgão é fiscalizar as atividades da administração, avaliar as demonstrações financeiras e relatar suas conclusões aos acionistas. Comitê de Auditoria Atua como órgão consultivo e de assessoramento ao Conselho de Administração e às subsidiárias do Banco em temas relacionados às práticas contábeis de elaboração das demonstrações financeiras. Esse Comitê, que não tem poder decisório ou funções executivas, também fiscaliza o sistema de controles internos e de administração dos riscos e indica e avalia os serviços da auditoria independente. É composto por três membros independentes, sendo seu presidente membro qualificado perante o Banco Central do Brasil (Bacen) com mandato de um ano, renovável por até cinco anos.

12 12 Governança e gestão Comitês Comitê de Auditoria Comitê de Remuneração Comitê de Governança Comitê Azul Sustentabilidade Comitê de Avaliação do Processo de Crédito Comitê de Controles Internos Comitê de Crédito Comitê de Diretoria Executiva Comitê de Ética Comitê de Prevenção à Lavagem de Dinheiro e Ilícitos Comitê de Prevenção à Lavagem de Dinheiro e Ilícitos/Cayman Comitê de Riscos Comitê de Segurança da Informação Comitê Executivo de Tesouraria Comitê Operacional Comitê de Remuneração É um órgão estatutário de caráter permanente; rege-se por seu próprio Regimento e pelo Estatuto Social. É subordinado diretamente ao Conselho de Administração e a este compete estabelecer e tomar as medidas necessárias para fazer cumprir a política de remuneração fixa e variável, além de benefícios e programas especiais de recrutamento e desligamento dos diretores estatutários e membros do Conselho de Administração da Instituição. Estrutura organizacional e comitês GRI 4.1 Além dos Comitês de Auditoria e de Remuneração supracitados, o BICBANCO conta com 12 comitês especializados de perfil técnico que são subordinados ao Comitê de Governança. Neste, a Diretoria avalia as decisões encaminhadas por aqueles, aprovando questões ligadas a mudanças de padrões, processos e produtos que venham a afetar o direcionamento estratégico e auxiliando sua implantação. Essa formatação estabelece uma linha direta entre as áreas técnicas e decisórias, o que favorece o compartilhamento de ideias e informações, possibilita decisões mais consistentes e promove o alinhamento com os objetivos estratégicos e a efetividade dos demais comitês. Saiba mais sobre os comitês especializados em Comitê Azul Ciente de seu papel como indutor do desenvolvimento sustentável, o BICBANCO tem instalado desde 2006 o Comitê Azul, que tem o objetivo de estimular e criar mecanismos para integrar a sustentabilidade no processo de gestão da Instituição e promovê-la na relação com as demais partes interessadas. Dessa forma, o Comitê direciona estratégias para políticas, padrões, investimentos, treinamentos e programas de sustentabilidade. Mais informações em Política de Sustentabilidade (p. 17) e Gestão de Riscos Socioambientais (p. 28).

13 Relatório Anual e de Sustentabilidade Diretoria executiva A Diretoria Executiva é responsável pela administração diária dos negócios e pela implementação das políticas e diretrizes gerais estabelecidas pelo Conselho de Administração, entre outras atribuições. É atualmente formada por: Presidência Vice-Presidência Geral Vice-Presidência Operacional Vice-Presidência Internacional Diretoria Executiva de Controladoria Diretoria Executiva de Administração Mais informações sobre a Diretoria em Remuneração da administração GRI 4.5 Em 2012, foi instituído o Comitê de Remuneração e publicada a Política de Remuneração de Administradores, que incentiva o cumprimento dos padrões de boas práticas de governança corporativa e estabelece diretrizes a fim de mitigar a exposição aos riscos de curto, médio e longo prazos. Essa nova política busca estimular a retenção dos administradores oferecendo uma remuneração vinculada ao melhor desempenho da instituição financeira e do comprometimento de longo prazo. A remuneração variável da Diretoria é calculada sobre o lucro líquido com base no alcance de metas semestrais e limitada a 10% do lucro líquido, desde que garantido o pagamento de dividendos mínimos de 25% aos acionistas. A Assembleia Geral dos Acionistas, realizada anualmente, estabelece a participação dos administradores no lucro do exercício e a remuneração máxima agregada para os membros do Conselho de Administração, da Diretoria Executiva e do Comitê de Auditoria. Para o exercício de 2012, a remuneração total atingiu R$ 23,2 milhões, valor 40,4% menor que no ano anterior. Cabe ao Conselho de Administração deliberar sobre os valores individuais que serão pagos à Diretoria Executiva. Os principais fatores para determinar a remuneração dos administradores são o desempenho e a evolução do Banco, que deve responder no curto, médio e longo prazos aos retornos estabelecidos pelos acionistas controladores. Também são avaliados aspectos como: responsabilidades, competências, tempo dedicado ao exercício das funções e contribuição de cada executivo para o resultado e o desempenho da Instituição. Os membros do Conselho de Administração e do Comitê de Auditoria têm remuneração fixa mensal exclusivamente sob a forma de honorários. Eventualmente, há pagamento de gratificação de acordo com a avaliação dos resultados alcançados. Já a Diretoria Executiva Estatutária é elegível ainda à remuneração variável (bônus de participação nos resultados). Para os demais diretores, também elegíveis a bônus de participação sobre os resultados, a remuneração fixa (honorários) é reajustada anualmente com base nos índices da categoria dos bancários. Holdings GRI 2.3 DMA EC Presença de Mercado Para consolidar adequadamente as participações acionárias de seus controladores em pessoas jurídicas, os acionistas controladores constituíram a Gemini Holding, que centraliza as ações representativas do controle acionário do BICBANCO, e a Primus Holding, que detém as ações representativas do controle acionário da BIC Corretora de Câmbio e Valores S.A. A BIC Corretora, por sua vez, tem como única função viabilizar a participação no Conglomerado BICBANCO, não exercendo atividades operacionais. Empresas controladas GRI 2.3 DMA EC Presença de Mercado BIC Leasing A BIC Arrendamento Mercantil S.A. (BIC Leasing) é uma sociedade anônima de capital aberto que atua há 19 anos com foco em arrendamento mercantil para pessoas jurídicas e em negócios com bens móveis e imóveis, em especial veículos, máquinas e equipamentos.

14 14 Governança e gestão BIC Cartões A BIC Administradora de Cartões de Crédito S/C Ltda. (BIC Cartões) emite e administra os cartões de crédito e pré-pagos do Banco com a bandeira Visa. A empresa também aluga seu Bank Identification Number (BIN) para outras companhias privadas. BIC Informática Subsidiária integral do BICBANCO, a BIC Informática presta serviços de processamento de dados para o Conglomerado e oferece suporte técnico às atividades do Banco. BIC Distribuidora A BIC Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários recebeu autorização do Banco Central para operar em Desde então, é responsável pelas operações com títulos e valores mobiliários do BICBANCO. Sul Financeira A Sul Financeira S.A. Crédito, Financiamento e Investimentos atua há mais de 50 anos para pessoas físicas, oferecendo crédito consignado, empréstimos pessoais, financiamentos de veículos e Crédito Direto ao Consumidor (CDC). O Banco adquiriu a Sul Financeira em 2010 dentro de sua estratégia de expansão das operações nos segmentos de varejo e de pequenas empresas, contudo, sem alterar significativamente o perfil dos ativos do Conglomerado. Brasilfactors A Brasilfactors é uma joint venture especializada em prover factoring prestação de serviços de apoio às pequenas e médias empresas conjugadas com a compra de direitos creditórios originados de compras mercantis e forfaiting operações de comércio exterior em que o exportador consegue prazos e condições de financiamento a seus compradores internacionais. Composição acionária em 31/12/2012 Grupo Bezerra de Menezes 100% Ações em tesouraria* Ações em circulação (free float) Gemini Holding Primus Holding BIC Corretora 100% ON 34,71% 46,48% 17,06% - 1,75% PN 22,72% 2,51% 1,32% 7,42% 66,03% Total 30,31% 30,37% 11,29% 2,72% 25,31% 100% 100% 100% 100% 100% 40% BIC Leasing Sul Financeira BIC Distribuidora BIC Cartões BIC Informática BrasilFactors * O montante de ações em tesouraria refere-se ao quarto programa de recompra, integralmente concluído, e aguarda autorização para o cancelamento das ações.

15 Relatório Anual e de Sustentabilidade Estrutura acionária em 31/12/2012 ON % PN % Total % Acionistas controladores , , ,66 Gemini Holding , , ,37 BIC Corretora , , ,29 Grupo Bezerra de Menezes e pessoas vinculadas , , ,31 Ações em tesouraria* , ,72 Ações em circulação (free float) , , ,31 Total , , ,00 * O montante de ações em tesouraria refere-se ao quarto programa de recompra, integralmente concluído, e aguarda autorização para o cancelamento das ações. Com sede em São Paulo, a Brasilfactors foi constituída em junho de 2011 e iniciou suas operações em fevereiro de O BICBANCO integra seu capital com 40% das ações e compartilha a gestão com o FIMBank PLC (40%) e a International Finance Corporation (IFC) (20%) na proporção da participação societária dos acionistas. Com base em conceitos internacionais e modelos de sucesso aplicados em países nos quais a atividade de factoring desempenha importante papel na economia, a Brasilfactors vislumbra assumir posição de liderança no Brasil e pretende se tornar referência em soluções de gestão e boas práticas de mercado. Remuneração aos investidores A remuneração destinada aos acionistas obedece à Lei das Sociedades por Ações e ao Estatuto Social do BICBANCO. Desde 2008, o Banco distribui proventos trimestrais, embora não disponha de uma política formal que determine essa periodicidade. A definição e a aprovação do pagamento de dividendos e/ou juros sobre o capital próprio são de responsabilidade do Conselho de Administração, que avalia as demonstrações financeiras trimestrais e analisa fatores como resultado operacional, situação financeira, necessidade de recursos, perspectivas e outros pontos relevantes para o Banco e os acionistas. Em 2012, foram destinados R$ 119,5 milhões para a remuneração dos acionistas. Assembleias gerais GRI 4.4 A participação nas Assembleias Gerais permite que os detentores de ações ordinárias e/ou preferenciais (inclusive aqueles que também são funcionários do BICBANCO) façam recomendações ao mais alto órgão de governança. As reuniões com a Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais (Apimec) também são utilizadas com essa finalidade. Outros canais para recomendações são apresentados no capítulo Relacionamentos/Engajamento. Os documentos a serem discutidos e deliberados em Assembleias podem ser previamente consultados pelos acionistas no site da BM&FBovespa, na sede do Banco ou pelo a partir da data de publicação do primeiro edital de convocação. Em 2012, foram realizadas uma Assembleia Geral Ordinária (AGO) e uma Assembleia Geral Extraordinária (AGE), ambas na sede do Banco. As outras empresas do Conglomerado também realizaram Assembleias Gerais de forma individual. Diretrizes gerais Para assegurar o alinhamento da Instituição com princípios éticos e legais e com sua Missão, Visão e Valores, políticas e procedimentos norteiam as atividades diárias dos colaboradores. As diretrizes são definidas no âmbito do Conselho de Administração e da Diretoria, que são assessorados pelo Comitê de Governança e pelos Comitês Especializados.

16 16 Governança e gestão Código de Ética GRI DMA SO comportamento anticompetitivo 4.6 SO7 FS15 O Código de Ética do BICBANCO define princípios e valores que devem pautar as ações de todos os seus colaboradores. O documento explicita as expectativas do Banco quanto à postura no ambiente de trabalho, na ocasião de conflitos de interesses e no relacionamento com stakeholders, entre eles clientes, acionistas, concorrentes, fornecedores e comunidade. Sua aplicação e o funcionamento dos canais de denúncia mitigam os conflitos de interesse na Instituição. Os colaboradores são orientados a evitar situações de conflito entre interesses pessoais e uma determinada atividade que lhes é proposta. Caso isso não seja possível, o superior imediato deve ser informado para que sejam tomadas as medidas necessárias. Por fim, se o colaborador entender que a comunicação ao gestor lhe provoca constrangimento de caráter pessoal, deve posicionar-se perante o Comitê de Ética. Como reflexo desse posicionamento não houve qualquer ação judicial movida contra a Instituição em 2012 relativa a concorrência desleal e práticas de truste ou monopólio. Acesse o Código de Ética do BICBANCO em (Governança Corporativa > Código de Ética). A aplicação do Código de Ética e os canais de denúncia mitigam os conflitos de interesse na Instituição

Comprometimento com as melhores práticas GRI 4.6

Comprometimento com as melhores práticas GRI 4.6 12 Para gerar valor e fortalecer a sustentabilidade dos negócios, o BICBANCO criou o Comitê de Governança Corporativa e instituiu um perfil mais técnico para os diversos Comitês especializados. O modelo

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS O ICBC do Brasil Banco Múltiplo S/A considera de suma importância o processo de gerenciamento de riscos, pois utiliza-o para agregar valor aos seus negócios, proporcionar

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009

RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009 RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009 I. INTRODUÇÃO As Assessorias de Riscos, da Coordenadoria de Riscos e Controles Internos - CORCI, em atendimento ao Art. 4º, da Resolução nº. 3.380, de 29 de junho

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 INTRODUÇÃO O Banco Mercedes-Benz do Brasil considera a gestão de riscos como um dos pilares de sustentação de seus objetivos estratégicos.

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Crédito Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Crédito do conglomerado CRÉDIT AGRICOLE Brasil e estabelece as suas principais

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional Objetivo Este relatório tem como objetivo atender a Circular 3.678, de 31 de outubro de 2013, apresentando as informações referentes a gestão de riscos, à apuração do montante dos ativos ponderados pelo

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL e de SUSTENTABILIDADE RELATÓRIO ANUAL E DE SUSTENTABILIDADE 2013 1

RELATÓRIO ANUAL e de SUSTENTABILIDADE RELATÓRIO ANUAL E DE SUSTENTABILIDADE 2013 1 RELATÓRIO ANUAL e de SUSTENTABILIDADE 2013 RELATÓRIO ANUAL E DE SUSTENTABILIDADE 2013 1 PERFIL GRI 2.1 2.2 2.3 2.4 2.5 2.6 2.7 2.8 2.9 3.8 O Banco Industrial e Comercial S.A. (BICBANCO), hoje listado no

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL e de SUSTENTABILIDADE RELATÓRIO ANUAL E DE SUSTENTABILIDADE 2013 1

RELATÓRIO ANUAL e de SUSTENTABILIDADE RELATÓRIO ANUAL E DE SUSTENTABILIDADE 2013 1 RELATÓRIO ANUAL e de SUSTENTABILIDADE 2013 RELATÓRIO ANUAL E DE SUSTENTABILIDADE 2013 1 PERFIL GRI 2.1 2.2 2.3 2.4 2.5 2.6 2.7 2.8 2.9 3.8 O Banco Industrial e Comercial S.A. (BICBANCO), hoje listado no

Leia mais

Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual

Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Edina Biava Abrasca; Marco Antonio Muzilli IBRACON;

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control RISCO OPERACIONAL INTRODUÇÃO Este documento formaliza a estrutura organizacional e as principais atividades da área de Permanent Control and Operational Risk, responsável pela detecção, monitoramento,

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 30 de dezembro 2011 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL NORMATIVOS INTERNOS POLÍTICA Vigência: 08/09/2015 POLÍTICA DE Abrangência: Haitong Banco de Investimento do Brasil S/A Haitong Securities do Brasil CCVM S/A Haitong do Brasil DTVM S/A 1 ÍNDICE 1. OBJETIVO...

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2. ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.008 Aos 17 dias do mês de setembro do ano de dois mil e oito,

Leia mais

ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971

ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971 ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971 ATA SUMÁRIA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO DE 2014 DATA, HORA E LOCAL: Em 7 de fevereiro de

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Introdução A consulta a seguir é um novo passo em direção às melhores práticas

Leia mais

Relatório da Administração. 1º Semestre de 2015

Relatório da Administração. 1º Semestre de 2015 Relatório da Administração 1º Semestre de 2015 Sumário 1. Senhores Acionistas... 3 2. Banco Luso Brasileiro S.A.... 3 3. Estrutura Acionária... 3 4. Desempenho Operacional... 3 5. Destaques do Semestre...

Leia mais

www.panamericano.com.br

www.panamericano.com.br www.panamericano.com.br Agenda Principais dados do Banco Histórico Divulgação das Demonstrações Financeiras Resultado e Balanço Providências e Perspectivas 2 Agenda Principais dados do Banco 3 Composição

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

Práticas Corporativas

Práticas Corporativas Práticas Corporativas Nível 1 de Governança Corporativa Fontes: Estatuto Social Código de Conduta Relatório de Sustentabilidade Formulário de Referência Política de divulgação e negociação Atualizado em

Leia mais

Estrutura da Gestão de Risco Operacional

Estrutura da Gestão de Risco Operacional Conceito No Brasil a Resolução n.º 3380, emitida pelo BACEN em 29 de junho de 2006, seguindo as diretrizes estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional, definiu como: A possibilidade de ocorrência de

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Sumário 1. Gerenciamento de Riscos... 4 2. Risco de Mercado... 4 2.1 Estrutura para a gestão de risco... 5 2.2 Conceito... 5 2.3 Estrutura Organizacional... 5 2.4 Política Institucional...

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA Base normativa: Circular 3477, de 24.12.2009. Data base: 30.06.2013 1 I INTRODUÇÃO Visando atendimento as diversas resoluções que tratam sobre Riscos

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Atuação da Organização 1. Qual(is) o(s) setor(es) de atuação da empresa? (Múltipla

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ. 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE. 35300010230. Política Corporativa de Prevenção e Combate a Atos Ilícitos

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ. 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE. 35300010230. Política Corporativa de Prevenção e Combate a Atos Ilícitos ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ. 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE. 35300010230 Política Corporativa de Prevenção e Combate a Atos Ilícitos Estabelece os conceitos e as diretrizes do Itaú Unibanco

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

Banco do Estado do Pará S.A

Banco do Estado do Pará S.A Superintendência de Controles e Gerenciamento de Riscos - SUCOR Gerência de Riscos Financeiros GERIF Banco do Estado do Pará S.A ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS 03 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO

Leia mais

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução 1 Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES 1. Introdução A Gestão de Riscos de Mercado é a atividade por meio da qual uma instituição financeira administra os riscos resultantes de variações nas

Leia mais

Por que abrir o capital?

Por que abrir o capital? Por que abrir capital? Por que abrir o capital? Vantagens e desafios de abrir o capital Roberto Faldini Fortaleza - Agosto de 2015 - PERFIL ABRASCA Associação Brasileira de Companhias Abertas associação

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Circular 3.477

Gerenciamento de Riscos Circular 3.477 Gerenciamento de Riscos Circular 3.477 4º Trimestre de 2011 Conteúdo 1. OBJETIVO 3 2. INTRODUÇÃO 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS 3 3.1. RISCO DE CRÉDITO 4 MENSURAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 4

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado POLÍTICAS Versão: 1.3 Política Institucional de Risco de Mercado Vigência: 26.02.2009 Atualização: 21.12.2009 1- Introdução Definição: Risco de mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco Responsável: Controle de Riscos Aprovação: BRCC Propósito deste documento Promover transparência quanto à estrutura de gestão de riscos

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito

Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito Dezembro/2008 Agenda 1. Histórico 2. Escopo de Aplicação 3. Estrutura da Norma 4. Detalhamento da Norma Normativos similares Histórico Resolução

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Portoseg ) é uma instituição financeira privada,

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS 1º Trimestre de 2012 Conteúdo Perfil Corporativo...3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos...4 Atribuições...4 Risco Operacional...5 Limite de Tolerância ao Risco Operacional...6

Leia mais

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage.

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage. Preâmbulo Para a elaboração da Política de Sustentabilidade do Sicredi, foi utilizado o conceito de Sustentabilidade proposto pela abordagem triple bottom line (TBL), expressão que reúne simultaneamente

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 4 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital Controle do documento Data Autor Versão Junho/2012 Compliance 001 Agosto/2013 Risk Management 002 Agosto/2014 Risk Management

Leia mais

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO 1. INTRODUÇÃO Este documento objetiva esclarecer as normas, políticas e procedimentos de controle utilizados pelo Banco Tricury S/A no processo de gestão de Risco de Crédito das operações, consoante a

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2013 Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS...

Leia mais

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO Documento tipo /Document type RELATÓRIO Título / Title Relatório Público Anual da Estrutura de Gerenciamento de Riscos do Scania Banco Nome do arquivo / File name Relatorio Publico Anual_Gerenciamento

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES Índice 1. INTRODUÇÃO 2. PARTES INTERESSADAS. NORMATIVOS. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA. PRINCÍPIOS 6. DIRETRIZES 6.1 NORMATIZAÇÃO 6.2 GERENCIAMENTO DO RISCO SOCIOAMBIENTAL 6.2.1 RISCO SOCIOAMBIENTAL DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 2.0 30/10/2014 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 5.1 Identificação dos riscos...

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Diretoria Executiva / Dir. Risco de Credito Área de Crédito e Risco Área Comercial Área de Tecnologia da Informação Compliance Officer Elementos de Apoio:

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 2º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 1º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS Superintendência de Controles e Gerenciamentos de Riscos - SUCOR Gerência de Riscos GERIS Primeiro Trimestre de 2011 Índice APRESENTAÇÃO 3 1. GERENCIAMENTO

Leia mais

Seminário "Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais"

Seminário Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais Seminário "Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais" Marco Geovanne Tobias da Silva 17 de maio de 2005 O que é Governança Corporativa? Conjunto de normas de conduta a serem adotadas por

Leia mais

Este princípio se refere ao grau de exposição ao risco socioambiental das atividades e das operações de uma instituição.

Este princípio se refere ao grau de exposição ao risco socioambiental das atividades e das operações de uma instituição. CONTEÚDO DESTE DOCUMENTO Este Documento contém os aspectos a serem observados pelos administradores, colaboradores, prestadores de serviço, clientes e usuários dos produtos e serviços oferecidos pela Renascença

Leia mais

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÚLTIMA VERSÃO Abril 2013 APROVAÇÃO Conselho de Administração

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 31 de dezembro 2013 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO A Um Investimentos S/A CTVM, conforme definição da Resolução nº 3.721/09, demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco de crédito.

Leia mais

Resumo Basileia III Brasil 2013

Resumo Basileia III Brasil 2013 Resumo Basileia III Brasil 2013 Basileia III - Introdução 1. Definição e Objetivos 2. Principais Medidas 3. Patrimônio de Referência (Nível I) 4. Deduções Regulamentares do Capital Principal 5. Nível II

Leia mais

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Data-base: 30.06.2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos 1 Objetivo... 3 2 Gerenciamento de Riscos... 3 2.1 Política de Riscos... 3 2.2 Processo

Leia mais

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa Gestão e Governança de TI e Regulamentações de Compliance Prof. Marcel Santos Silva A consiste: No sistema pelo qual as sociedades são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo o relacionamento

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Sumário 1. Introdução:...3 2. Abrangência:...3 3. Estrutura do Gerenciamento de Risco Operacional:...3 3.1. Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional:...4

Leia mais

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional Gerenciamento do Risco Operacional Controle do documento Data Autor Versão Outubro/2010 Compliance 001 Dezembro/2011 Compliance 002 Dezembro/2012 Compliance 003 Agosto/2014 Compliance 004 Revisão do documento

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 31 de março 2013 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais