Evolução da framework web da ALERT: revisão de arquitectura e aplicação à solução de backoffice

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Evolução da framework web da ALERT: revisão de arquitectura e aplicação à solução de backoffice"

Transcrição

1 FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Evluçã da framewrk web da ALERT: revisã de arquitectura e aplicaçã à sluçã de backffice Pedr Miguel Alves Martins VERSÃO DEFINITIVA Relatóri de Prject Mestrad Integrad em Engenharia Infrmática e Cmputaçã Orientadr: Ademar Manuel Teixeira de Aguiar (Ph.D.) 28 de Julh de 2009

2 Evluçã da framewrk web da ALERT: revisã de arquitectura e aplicaçã à sluçã de backffice Pedr Miguel Alves Martins Relatóri de Prject Mestrad Integrad em Engenharia Infrmática e Cmputaçã Aprvad em prvas públicas pel Júri: Presidente: Jã S. Cards (PhD) Arguente: Jsé Maria Fernandes (PhD) Vgal: Ademar Aguiar (PhD) 15 de Julh de 2009 i

3 Ns terms d prtcl de estági e d acrd de cnfidencialidade celebrad cm a ALERT Life Sciences Cmputing, S.A. ( ALERT ), presente relatóri é cnfidencial e pderá cnter referências a invenções, knw-hw, desenhs, prgramas de cmputadr, segreds cmerciais, prduts, fórmulas, métds, plans, especificações, prjects, dads u bras abrangids pr direits de prpriedade industrial e/u intelectual da ALERT. Este relatóri só pderá ser utilizad para efeits de investigaçã e de ensin. Qualquer utr tip de utilizaçã está sujeita a autrizaçã prévia e pr escrit da ALERT. ii

4 Resum O prject retratad incide sbre a framewrk PORTAL, uma framewrk cnstituída pr diverss cmpnentes e móduls de funcinalidades invcáveis na cnstruçã de aplicações web. Uma das aplicações que faz us da framewrk PORTAL, e que será abrdada, diz respeit a prdut ALERT HEALTH PORTAL, um prtal de saúde de língua ficial prtuguesa cm uma frte cmpnente nticisa e cerca de três mil visitas pr dia. O trabalh realizad fi n encntr de evluir a framewrk PORTAL n camp arquitectural e tecnlógic, send s seus principais bjectivs: Fazer um estud clar e aprfundad da arquitectura da framewrk PORTAL; Estudar alternativas a mtr Adbe CldFusin e esclher a mais indicada para a migraçã da framewrk PORTAL; Desenvlver uma sluçã de backffice RAD (Rapid Applicatin Develpment) para módul de ntícias d ALERT ONLINE. A arquitectura de rede d ALERT HEALTH PORTAL é uma arquitectura em três camadas, cm brwser web, servidr web e aplicacinal, e base de dads. A segunda e terceira camada residem num data center, nde um mecanism de lad balancing gere as interacções entre s dis servidres web Apache e s dis servidres aplicacinais Tmcat, criand uma infraestrutura de alta dispnibilidade. A arquitectura aplicacinal da framewrk PORTAL implementa padrã de arquitectura Mdel-View-Cntrller (MVC), send a tecnlgia central da implementaçã Adbe CldFusin, na frma da linguagem de prgramaçã CFML e d mtr que a interpreta. As tecnlgias mais relevantes sã: Mdel-Glue, de md a implementar própri MVC; Java e Hibernate, assegurand a lógica de negóci e relacinament cm uma qualquer base de dads relacinal; Spring e CldSpring, cnferind a Java e CldFusin, respectivamente, mecanisms de inversã de cntrl; Reactr (framewrk de ORM) e SQL, utilizads n backffice; XHTML, CSS, JavaScript e Flash, dedicadas à interface web. Fi efectuad um estud cmparativ de mtres de CFML a partir da reclha de infrmações acerca da sluçã actual usada na framewrk PORTAL Adbe CldFusin e das sluções alternativas BlueDragn, Smith, Cral Web Builder, Rail e Open BlueDragn. Fi cncluíd que Rail é mtr de CFML que ferece melhres cndições à migraçã, devend requerer menr esfrç de reprgramaçã. Além diss, seu iii

5 licenciament é gratuit e, apesar de nã existir uma análise fiável de benchmarking, deverá apresentar uma melhr perfrmance que Adbe CldFusin. Após um estud inicial das tecnlgias assciadas, desenvlviment d backffice RAD d ALERT ONLINE iniciu-se cm a execuçã d prcess de scafflding e geraçã autmática, para cada peraçã CRUD, das views ds frmuláris (pel Mdel-Glue) e abstracçã de acess à base de dads (pel Reactr). A partir desta base fram desenvlvidas diversas funcinalidades, nmeadamente a de criaçã e ediçã de ntícias e traduções, listagem de traduções, um mecanism de autenticaçã e a pssibilidade de uplad de imagens. Tds s bjectivs d prject definids inicialmente fram cumprids na íntegra. O estud da arquitectura da framewrk PORTAL e d ALERT HEALTH PORTAL representu a cmpilaçã de um crp de cnheciment anterirmente dispers u nã dcumentad. Acredita-se que estud ds mtres de CFML cntribuirá para a evluçã da framewrk PORTAL, tend sid dad um pass n sentid de antecipar s bstáculs dessa mesma migraçã. Este estud representa também a primeira análise cmparativa desta realidade de que há referência. A sluçã de backffice desenvlvida implementu na ttalidade s requisits da aplicaçã, tend permitid também validar as tecnlgias utilizadas e definir algumas best practices. Fi ainda apresentada uma frma de cncretizar ptencial de reutilizaçã da sluçã desenvlvida, qual, a acntecer, pssibilitaria desenvlviment mais rápid de uma sluçã de backffice. Sã referidas várias hipóteses de trabalh futur, send a mais óbvia a efectivaçã da migraçã da framewrk PORTAL, assim cm das aplicações que a usam. Em relaçã a backffice, fram definidas um cnjunt de evluções funcinais passíveis de implementaçã futura, send a principal precupaçã a melhria da perfrmance da aplicaçã. iv

6 Abstract This prject fcuses in the PORTAL framewrk, a framewrk cnsisting f cmpnents and mdules f functinalities which can be invked in the cnstructin f web applicatins. One f the applicatins using the PORTAL framewrk is the ALERT HEALTH PORTAL prduct, a Prtuguese-written health prtal based n news which gets an average three thusand hits per day. This wrk tried t evlve the PORTAL framewrk in the architectural and technlgical fields, being its main gals: T make a clear, deeps survey n the PORTAL framewrk s architecture; T study the alternatives t Adbe CldFusin s engine and chse the mst indicated t migrate the PORTAL framewrk; T develp a RAD (Rapid Applicatin Develpment) backffice slutin fr the news mdule f ALERT ONLINE. The netwrking architecture f ALERT HEALTH PORTAL is a three-layered ne, with a web brwser, a web and applicatin server and database. The secnd and third layers are based n a data center, where a lad balancer manages the interactins between the tw Apache web servers and the tw Tmcat applicatin servers, creating a high availability infrastructure. PORTAL framewrk s applicatin architecture implements the Mdel-View-Cntrller (MVC) architectural pattern, being Adbe CldFusin the implementatin s central technlgy, since its is the CFML prgramming language and the engine which interprets it. The mst relevant technlgies are: Mdel-Glue, s as t be able t implement MVC itself, Java and Hibernate, securing the business lgic and the relatin with any relatinal database; Spring and CldSpring, giving Java and CldFusin, respectively, inversin f cntrl tls; Reactr (ORM framewrk) and SQL, used in the backffice; XHTML, CSS, JavaScript and Flash, dedicated t web interface. A CFML engines cmparative study was made after gathering infrmatin n the PORTAL framewrk s current slutin Adbe CldFusin and ther pssible slutins: BlueDragn, Smith, Cral WebBuilder, Rail and Open BlueDragn. It was cncluded that Rail is the CFML engine which ffers the best cnditins t the migratin; ther than that it requires less reprgramming effrt. Besides, its licensing is free and, althugh there is nt a reliable benchmarking analysis, it is believed that it will have a better perfrmance than Adbe CldFusin. v

7 After the technlgies initial study, the ALERT ONLINE RAD backffice s develpement began with the executin f scafflding and autmatic generatin, fr each CRUD peratin, f the frms views (by Mdel-Glue) and database access abstractin (by Reactr). Frm this basis, the initially identified requisites were implemented, frm creatin and editing f news and translatins t translatins listing, an authenticatin engine and the pssibility f uplading images. Every gal first established was cmpletely fulfilled. The PORTAL framewrk and ALERT HEALTH PORTAL s architectural study represented the cmpilatin f knwledge therwise scattered r undcumented. It is believed that the CFML engines study will cntribute t the evlutin f the PORTAL framewrk, since a big step was given in rder t anticipate the bstacles t the migratin. This study als represents the first cmparative analysis f this reality ever. The backffice slutin develped has cmpletely implemented the applicatin s requisites, and it als allws t validate the used technlgies and define sme best practices. It has als been presented a way t materialize the develped slutin s reutilizatin ptential, which, if ever happened, wuld enable the faster develpment f a backffice slutin. Many hypthesis f future wrk are presented, the mst bvius being the effectuatin f the PORTAL framewrk s migratin, as well as the applicatins which use them. On the backffice, a set f functinal evlutins likely t be implemented in the future were defined, the majr cncern being the imprvement f the applicatin s perfrmance. vi

8 Agradeciments Agradeç a Prfessr Ademar Aguiar a sua rientaçã. Agradeç à equipa CITIZEN da ALERT Life Sciences Cmputing, S.A. (em especial a Luís Nóbrega e Ricard Barbsa) aclhiment, ba dispsiçã e dispnibilidade para ajudar. Endereç um agradeciment especial a Rui Neves pela rientaçã, exigência e mtivaçã. Um agradeciment adicinal as amigs pr iss mesm. As meus pais, a meu irmã e à vanessa pr tud rest, que é tud. Pedr Martins vii

9 Cnteúd 1 Intrduçã Cntext Prject Mtivaçã e bjectivs Estrutura d relatóri Arquitectura Arquitectura de rede Deplyment Arquitectura aplicacinal Frnt-ffice Backffice Estrutura de pastas Mtres de CFML Sluçã actual: Adbe CldFusin Sluções alternativas BlueDragn Open BlueDragn Rail Smith Cral Web Builder Cmparaçã das sluções Funcinalidades e aplicações Cmpatibilidade de códig Arquitectura e perfrmance Licenciament e custs Cmunidade e suprte Cnclusões Backffice Especificaçã e análise Mdel de dads Arquitectura viii

10 4.3.1 Arquitectura de rede Arquitectura da aplicaçã Pré-desenvlviment Desenvlviment Prcess, ambiente e infra-estruturas Primeirs passs Listagem de traduções Criaçã e ediçã de ntícias e traduções Outras páginas e funcinalidades Definiçã d númer de passs Us de sequências Prevençã de errs Design e usabilidade Testes Pós-desenvlviment Preparaçã para instalaçã Prcess Cnclusões e melhrias futuras Tecnlgias Aplicaçã desenvlvida Best practices Melhrias futuras Reutilizaçã da sluçã Cnclusões e Trabalh Futur Satisfaçã ds Objectivs Trabalh Futur Glssári Referências A Cmpatibilidade de tags e funções entre mtres de CFML A.1 Reclha de dads A.2 Tags suprtadas A.3 Funções suprtadas B Cmpatibilidade de invcações entre mtres de CFML C Tags e funções CldFusin nã suprtadas pel Rail ix

11 Lista de Figuras 1: Framewrk PORTAL e prduts que a utilizam : Mecanism de lad balancing : Arquitectura de rede d ALERT HEALTH PORTAL : Arquitectura de uma aplicaçã web Java EE : Decmpsiçã MVC e tecnlgias da framewrk PORTAL : Diagrama de cass de utilizaçã d backffice : Mdel cnceptual d sistema : Mdel de dads da aplicaçã : Decmpsiçã MVC d backffice, interacções e tecnlgias : Listagem de traduções : Primeir pass da criaçã de uma ntícia : Segund pass da criaçã de uma ntícia : Terceir pass da criaçã de uma ntícia : Barra de breadcrumbs d backffice : Prcess de pós-desenvlviment d backffice x

12 Lista de Tabelas 1: Cust d licenciament d BlueDragn (ediçã Java EE) : Cmpatibilidade ds mtres de CFML cm a arquitectura da framewrk PORTAL : Licenciament e custs ds mtres de CFML : Estatísticas ds grups de discussã Open BlueDragn e Rail : Cmparaçã d Open BlueDragn e Rail : Suprte de tags cre pr mtr de CFML : Suprte de tags extended cre pr mtr de CFML : Suprte de tags vendr specific pr mtr de CFML : Suprte de tags nã previstas pel CFML Advisry Cmmittee pr mtr de CFML : Númer de tags implementadas pr mtr de CFML : Númer de tags suprtadas pela Adbe nã implementadas pels mtres de CFML : Suprte de funções cre pr mtr de CFML : Suprte de funções extended cre pr mtr de CFML : Suprte de funções vendr specific pr mtr de CFML : Suprte de funções nã previstas pel CFML Advisry Cmmittee pr mtr de CFML : Númer de funções implementadas pr mtr de CFML : Númer de funções suprtadas pela Adbe nã implementadas pels mtres de CFML : Tags CldFusin nã suprtadas pel Rail : Funções CldFusin nã suprtadas pel Rail xi

13 Abreviaturas e Símbls ALERT API CFML CRUD CSS DAO IDE HQL HTML IMAP Open BD ORM PDF RAD RIA SMTP SQL URL USD XHTML XML ALERT Life Sciences Cmputing, S.A. Applicatin Prgramming Interface CldFusin Markup Language Create Read Update Delete Cascade Style Sheets Data Access Object Integrated Develpment Envirnment Hibernate Query Language Hypertext Markup Language Internet Message Access Prtcl Open BlueDragn Object-Relatinal Mapping Prtable Dcument Frmat Rapid Applicatin Develpment Rich Internet Applicatin Simple Mail Transfer Prtcl Structured Query Language Unifrm Resurce Lcatr United States Dllar Extensible Hypertext Markup Language Extensible Markup Language xii

14 Capítul 1 Intrduçã O primeir capítul d presente dcument é destinad a apresentar de frma breve prject dedicad à evluçã da framewrk web da empresa ALERT Life Sciences Cmputing, S.A.. Cntextualizad referid prject, será apresentad em mair detalhe juntamente cm s seus bjectivs e mtivações inerentes. Finalmente, será descrita a estrutura d presente relatóri. 1.1 Cntext O prject retratad n presente relatóri decrreu na área de prduts vcacinads para cidadã (área Citizen) da empresa ALERT Life Sciences Cmputing, S.A. (dravante referida cm ALERT ). Esta empresa prtuguesa fi fundada em 1999, n Prt, cm a criaçã d website Médics na Internet. Passads dez ans sbre essa data, a ALERT é agra um grup de empresas cm frte presença em váris mercads, dedicand-se a desenvlviment, distribuiçã e implementaçã d sftware de saúde ALERT, cncebid para criar ambientes clínics sem papel [Ale09]. A equipa de desenvlviment Citizen tem a seu carg s prduts vcacinads para cidadã, send cmpsta pr quinze elements envlvids n desenvlviment de prduts cm: ALERT ONLINE site institucinal da ALERT e pnt de acess as prduts ALERT (p.ex: MyALERT ); ALERT HEALTH PORTAL prtal cm cnteúds de saúde (ntícias, guia médic, revista, etc.); ALERT STUDENT platafrma de partilha de cnheciment na área da medicina, vcacinad para tda a cmunidade médica, em especial para s estudantes; MyALERT - aplicaçã que permite a utilizadr manter e gerir seu regist electrónic pessal de saúde; 1

15 Websites para sciedades médicas e utrs clientes. Pdem ser encntradas, na literatura técnica dedicada, inúmeras definições de framewrk que, apesar das diferentes perspectivas, pdem ser sintetizadas segund [Agu03] n cnceit de framewrk cm um artefact de sftware: Englband um cnjunt de classes cperantes (quer abstractas, quer cncretas); Exprimind-se numa linguagem de prgramaçã, pssibilitand a reutilizaçã de códig e design; Desenhad para ser persnalizad na cnstruçã de sluções cncretas (sistemas u aplicações) para uma família de prblemas relacinads cm um dmíni específic. Mais resumidamente, uma framewrk enfatiza as partes mais estáveis d dmíni de uma aplicaçã, assim cm as suas relações e interacções, facultand mecanisms de persnalizaçã que permitam as prgramadres da aplicaçã reslver s seus prblemas particulares nesse dmíni [Agu03]. A caminhar para camp das framewrks web cnstata-se que cntinuam a estar presentes as mesmas prpriedades referidas, mudand, em relaçã às framewrks aplicacinais tradicinais, cntext de utilizaçã. Assim, a mair parte das framewrks web cnsiste geralmente numa framewrk dedicada a suprte da cnstruçã de aplicações web, cntend um cnjunt de móduls que implementam tarefas e funcinalidades cmuns. Estes móduls apresentam pnts de extensã, a partir ds quais s prgramadres utilizam a framewrk para uma aplicaçã cncreta, sempre numa perspectiva de maximizar a reutilizaçã de códig. A reutilizaçã de códig, estável e testad, relativ a tarefas e rtinas cmuns fará cm que prgramadr web apenas se tenha que precupar cm a parte da sua aplicaçã que nã é implementada pela framewrk. Este pderá evitar um trabalh de raiz, aprveitand a existência da framewrk para cnstruir a partir desta a sua aplicaçã. A cnsequente reduçã d temp de desenvlviment significará, na mairia ds cass, uma reduçã ds própris custs d desenvlviment, send vista cm agrad pelas empresas. Além diss, apesar de alguma curva de aprendizagem inerente, a prpensã a errs tende a diminuir. Tds estes factres adquirem especial relevância numa era de elevad dinamism d mund tecnlógic e em que cada vez é mais imprtante cnceit de time-t-market. Subjacente a qualquer framewrk, estarã sempre presentes precupações cmuns a mund das aplicações. Independentemente de estas serem mais u mens mdulares e extensíveis, estarem na web u n cmputadr d utilizadr, serem dinâmicas u estáticas, a sua base será sempre da mesma rdem: arquitectural e tecnlógica. A arquitectura de uma framewrk e, cnsequentemente, da aplicaçã que a partir dela é criada, reveste-se de uma inegável imprtância em tda a sua transversalidade. Sejam de rdem lógica, tecnlógica u física, as decisões arquitecturais influenciarã s mais diverss aspects d funcinament da aplicaçã desde as suas pssibilidades de desenvlviment à perfrmance e utilizaçã final. É pr iss fundamental que qualquer decisã tecnlógica u estrutural seja validada quant à sua real cntribuiçã para melhrament da aplicaçã. 2

16 1.2 Prject O prject é centrad na framewrk PORTAL, uma framewrk cnstituída pr diverss cmpnentes e móduls de funcinalidades passíveis de serem invcads na cnstruçã de aplicações. Cada aplicaçã que faz us da framewrk liga-se a esta através da invcaçã ds seus móduls, resultand numa realidade em que váris prduts incluem em si um crp cmum de funcinalidades. Cm representad na Figura 1, uma das aplicações que faz us da framewrk PORTAL, e que irems abrdar em váris pnts d presente relatóri, diz respeit a prdut ALERT HEALTH PORTAL. Este prdut é um prtal de saúde cm uma frte cmpnente nticisa, de actualizaçã diária e em prtuguês. Figura 1: Framewrk PORTAL e prduts que a utilizam O ALERT HEALTH PORTAL divide-se entre frnt-ffice site prpriamente dit u a parte visível pel utilizadr e backffice aplicaçã de gestã de cnteúds exibids n frnt-ffice. O backffice e frnt-ffice sã parte cnstituinte da aplicaçã, apresentand uma independência apenas relativa, já que partilham recurss centrais cmuns. A diferença mair está n fact de backffice nã interagir cm a framewrk PORTAL, a cntrári d que acntece cm frnt-ffice. A primeira fase d prject cnsistiu na familiarizaçã cm a framewrk PORTAL, e sua utilizaçã n ALERT HEALTH PORTAL, de md a ser pssível efectuar um levantament da sua arquitectura. As cmpnentes arquitecturais de rdem lógica, tecnlógica e física deverã ser explradas, desde a arquitectura de rede inerente à aplicaçã até à estrutura de pastas da framewrk, passand pels mecanisms que ligam a aplicaçã à framewrk. Cnhecidas as várias tecnlgias envlvidas e qual seu papel, deverá ser dada especial atençã a Adbe CldFusin, mtr de interpretaçã da linguagem CFML usad na framewrk e, cnsequentemente, na aplicaçã. Será feit um estud cmparativ prmenrizad entre esta sluçã e utras sluções alternativas de mtr de CFML. Este estud prcurará determinar qual a sluçã que ferece maires garantias de uma migraçã bem sucedida e cm reduzid esfrç de reprgramaçã da framewrk PORTAL (para que esta seja cmpatível cm nv mtr). A partir d estud da sluçã de backffice d ALERT HEALTH PORTAL, deverá ser desenvlvida uma sluçã equivalente para ALERT ONLINE. Este nv backffice a 3

17 desenvlver deverá pssibilitar a gestã ds cnteúds nticiss d site institucinal da ALERT, numa perspectiva de aprveitament máxim das ptencialidades das tecnlgias utilizadas. 1.3 Mtivaçã e bjectivs Enunciad cnteúd d prject na secçã anterir, tem-se que s principais bjectivs d mesm serã: Fazer um estud clar e aprfundad da arquitectura da framewrk PORTAL; Estudar alternativas a mtr Adbe CldFusin e esclher a mais indicada para a migraçã da framewrk PORTAL; Desenvlver uma sluçã de backffice RAD (Rapid Applicatin Develpment) para módul de ntícias d ALERT ONLINE. O primeir pnt deverá resultar na criaçã de dcumentaçã, cm a reclha, análise e sistematizaçã da arquitectura da framewrk PORTAL nas suas várias cmpnentes: Arquitectura de rede; Tecnlgias utilizadas e interacções entre elas; Estrutura de pastas da framewrk PORTAL; Us, flux de invcações e relações entre ALERT HEALTH PORTAL e a framewrk PORTAL. A prduçã da respectiva dcumentaçã permitirá cncentrar num únic dcument infrmações relativas a mais de uma dezena de tecnlgias e a uma realidade cm uma certa cmplexidade. O principal desafi será de prduzir um crp de infrmaçã clar, cncis e cerente que pssa ser partilhad cm utras equipas da empresa, nmeadamente a respnsável pelas questões arquitecturais. De referir que, além d pretendid levantament da arquitectura da framewrk PORTAL, será também estendid esse mesm trabalh a prdut ALERT HEALTH PORTAL, cm vista a bter uma perspectiva glbal de questões cm a arquitectura de rede de uma aplicaçã que utilize a framewrk PORTAL. O segund pnt, relativ à questã ds mtres de CFML, apresenta-se imbuíd de uma mtivaçã especial dada a imprtância da questã e a inexistência de qualquer estud cmparativ desta realidade pr qualquer empresa independente a nível internacinal. A CldFusin Markup Language (CFML) é a linguagem de prgramaçã em que fi desenvlvida a mair parte da framewrk PORTAL (e também d ALERT HEALTH PORTAL), estand uma mudança de tecnlgia fra de hipótese, devid à quantidade de códig já efectuad nesta base. N entant, esta linguagem é interpretada de diferentes frmas pr váris mtres, incluind actualmente usad na framewrk PORTAL: Adbe CldFusin. O esfrç financeir assciad a licenciament d referid mtr em us riginu a vntade de perceber que alternativas existem actualmente e quais as suas valências numa eventual situaçã de migraçã de mtr de CFML. O fact de cada mtr de CFML ter a sua 4

18 própria implementaçã da linguagem levanta bstáculs a esta migraçã, send imprtante cnsiderar utrs factres na análise para além d cust de licenciament, cm pr exempl suprte que é feit ds métds implementads pela Adbe (e passíveis de estarem presentes na framewrk PORTAL). O principal bstácul à prssecuçã ds bjectivs reside na dispersã e escassez de infrmações acerca da implementaçã de cada mtr. Pr utr lad, a inexistência de referências a qualquer estud cmparativ ds referids mtres acrescenta relevância a estud d presente prject, já que este, para além de ajudar a reslver um prblema cncret da empresa, riginará um avanç n cnheciment deste dmíni específic. A metdlgia seguida n desenvlviment d estud cnsistirá em três fases principais: Reclha de infrmações acerca ds váris mtres de CFML para s váris critéris de análise; Análise cmparativa ds dads reclhids para cada critéri; Esclha da sluçã mais indicada para prblema apresentad. Inerente a já referid, existe ainda a mtivaçã d estud a realizar pder levar à migraçã das várias aplicações que fazem us da framewrk PORTAL, entre as quais um prdut cm ALERT HEALTH PORTAL, que recebe cerca de três mil visitas pr mês. As cnclusões d estud e cnsequentes acções apresentam ainda um ptencial de influência n futur de tdas as aplicações web ALERT. O terceir pnt ds bjectivs d prject reveste-se de um carácter mais prátic, vind dar respsta a uma necessidade d prdut ALERT ONLINE: um backffice para a gestã de cnteúds. N cas cncret, este backffice será desenvlvid para abarcar módul de ntícias. O principal desafi assciad a este últim pnt é de prduzir, num curt espaç de temp, uma aplicaçã plenamente funcinal que maximize (e valide) as ptencialidades das tecnlgias utilizadas. 1.4 Estrutura d relatóri Na sequência d presente capítul intrdutóri, apresenta-se levantament da arquitectura da framewrk PORTAL e d ALERT HEALTH PORTAL. Serã retratadas as várias cmpnentes arquitecturais da sluçã, desde a arquitectura de rede à estrutura interna da aplicaçã e framewrk e tecnlgias utilizadas. N terceir capítul, encntra-se estud cmparativ ds mtres de CFML. Num primeir mment, serã apresentads s detalhes e infrmações mais relevantes de cada mtr, seguind-se uma análise cmparativa segund variads critéris. Finalmente, é apresentada a sluçã cnsiderada cm a melhr para a tarefa de migraçã da framewrk PORTAL, send explrads alguns detalhes dessa eventual migraçã. N capítul quart, descreve-se td prcess de desenvlviment da sluçã de backffice d ALERT ONLINE, desde a sua especificaçã e detalhes arquitecturais a desenvlviment prpriamente dit e acnteciments psterires. Sã ainda apresentadas 5

19 algumas cnclusões relativas às cmpnentes tecnlógica e de implementaçã da sluçã, assim cm perspectivas futuras de melhria e reutilizaçã d trabalh efectuad. O quint e últim capítul apresenta as principais cnclusões resultantes d trabalh desenvlvid, assim cm perspectivas de pssíveis evluções a esse mesm trabalh. 6

20 Capítul 2 Arquitectura Antes de qualquer desenvlviment u explraçã de questões específicas relacinadas cm uma aplicaçã, é necessári cnhecer a sua arquitectura. Esta apresenta diversas cmpnentes lógica, tecnlógica e física abrangend desde a arquitectura de rede à estruturaçã de uma aplicaçã e suas tecnlgias. O levantament da arquitectura inerente a uma aplicaçã em tda a sua extensã ferecerá uma base de sustentaçã a estud e implementaçã das diversas evluções que serã apresentadas. A framewrk PORTAL cntém, entre utras cisas, diverss móduls de funcinalidades utilizads pr aplicações cm ALERT HEALTH PORTAL, u seja, é utilizada pr aplicações web. Deste md, a framewrk herdará requisits técnic-arquitecturais cmuns a este tip de aplicações. Devid a esta partilha de requisits e tecnlgias, pdems dizer que, as lhs da arquitectura de rede, a framewrk frma cm a aplicaçã um td indissciável. A lng d presente capítul, é imprtante que fique ntória a distinçã entre que é arquitectura d ALERT HEALTH PORTAL e que é arquitectura da framewrk PORTAL. N entant, em alguns cass, esta distinçã será ténue, já que pdems cnsiderar que ALERT HEALTH PORTAL nã é mais que uma cncretizaçã da framewrk PORTAL, cm as necessárias extensões arquitecturais. Nmeadamente, a arquitectura de rede dirá respeit à realidade d ALERT HEALTH PORTAL, pdend ser extraídas as devidas ilações para cas genéric de uma aplicaçã implementadra da framewrk PORTAL. D mesm md, na secçã dedicada à arquitectura aplicacinal, encntrarems sbretud a descriçã da rganizaçã d frnt-ffice e backffice d ALERT HEALTH PORTAL. Já na subsecçã dedicada à estrutura de pastas, encntrarems referências mais explícitas quer a ALERT HEALTH PORTAL, quer à framewrk PORTAL, e à relaçã estabelecida entre estes. 7

21 2.1 Arquitectura de rede Quand um utilizadr insere URL 1 d ALERT HEALTH PORTAL n seu brwser é accinad um cnjunt de mecanisms de cmunicaçã entre as várias instâncias envlvidas n prcess de btençã e exibiçã de um ficheir específic da aplicaçã. A aplicaçã, assente em tecnlgias Java EE e Adbe CldFusin, está deplyed n Apache Tmcat, que desempenha papel de servidr aplicacinal. Tant s servidres aplicacinais is cm s servidres web e as bases de dads estã aljads em dis ds váris servidres que a ALERT pssui n seu data center de Atlanta (ns Estads Unids da América). Cm na mair parte das aplicações web, a utilizaçã d ALERT HEALTH PORTAL crre num mdel de arquitectura cliente-servidr cm uma clara separaçã entre as cmpnentes de apresentaçã, lógica de negóci e dads. Este tip de arquitectura é frequentemente designad pr multi-tier u n-tier 2. Figura 2: Mecanism de lad balancing O data center referid cntém, de frma redundante, dis servidres web e dis servidres aplicacinais estes últims cm as respectivas instâncias d ALERT HEALTH PORTAL - e a necessária base de dads. A decisã de que servidr web e servidr aplicacinal utilizar para tratar pedid d utilizadr é tmada d lad d data center, recrrend a um mecanism de lad balancing 3 que ptimiza a utilizaçã ds recurss. Este mecanism encntra-se 1 2 Os cnceits de layer e tier sã muitas vezes cnfundids cm send um só, apesar de terem significads diferentes. Enquant uma layer é um mecanism de estruturaçã lógica para s elements que cmpõem um sftware, uma tier é um mecanism de estruturaçã física para a infra-estrutura d sistema [Mic09]. N entant, será usad indiscriminadamente term camada, já que a sua traduçã para Prtuguês nã difere. 3 Lad-balancing é uma técnica aplicada à divisã de trabalh entre dis u mais cmputadres, discs durs u utrs recurss, cm vista a bter uma utilizaçã ds recurss óptima, maximizar thrughput (taxa de transferência) e minimizar temps de respsta. Deste md, intenta-se aumentar a fiabilidade através da redundância. [WHB08] 8

22 esquematizad na Figura 2. Assim send, pedid de uma página segue d terminal d utilizadr através da internet, send recebid e prcessad nas máquinas que aljam a aplicaçã e devlvid a utilizadr. O prcessament de um pedid envlve váris passs, send de destacar s referentes a acess à base de dads e servidr aplicacinal. Alguns ds pedids nã sã feits directamente pels brwsers ds utilizadres a data center,, passand antes pels servidres da Akamai 4. Estes frnecem um serviç de caching que evita pedids desnecessáris a data center (lcalizad ns Estads Unids da América) de ficheirs que pderã estar presentes na cache d servidr da Akamai (mais próxim d utilizadr). N cas d ficheir ainda nã existir n servidr da Akamai, é enviad um pedid a data center,, ficand ficheir, a partir d mment da btençã, na cache Akamai. Este serviç permite diminuir númer de acesss a data center e temp que um utilizadr espera pel carregament da página. Um diagrama ilustrativ d acima referid pde ser vist, cm as devidas adaptações a cas cncret, na Figura 3. Figura 3: Arquitectura de rede d ALERT HEALTH PORTAL As três camadas da arquitectura de rede apresentadas na Figura 3 têm funções bem delineadas: A primeira camada é respnsável pela apresentaçã, cnsistind na interface que permite a utilizadr visualizar cnteúd da aplicaçã e interagir cm a segunda camada, a partir d seu brwser web; A segunda camada é dedicada à lógica de negóci, servind de intermediária entre utilizadr e s dads a cnsultar/manipular, já que este nã pssui md de fazer directamente. N presente cas, esta camada de prcesss de negóci é sustentada pr um servidr aplicacinal; A terceira camada diz respeit a cnjunt de dads da aplicaçã, reunids numa base de dads, acedida apenas pela segunda camada. Brwser A primeira camada da arquitectura habitual de uma aplicaçã web é cmpsta pels váris clientes, na frma de brwsers web. Estes dependem ds servidres lcalizads n data center 4 A Akamai pssui 48 mil servidres em 70 países cm pert de mil redes e intervém em 15-20% d tráfeg web mundial. [Aka09] 9

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica Médica - Aplicaçã Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da aplicaçã de Prescriçã Eletrónica Médica

Leia mais

WWW.CLICK-MENTAL.COM

WWW.CLICK-MENTAL.COM Fidelity Uma estratégia de fidelizaçã de clientes WWW.CLICK-MENTAL.COM Criad pr: Click Mental - Sistemas de Infrmaçã, Lda. Fidelity Uma estratégia de fidelizaçã de clientes O que é? O Fidelity é um sftware

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt Versã 1.1.1.3 Descriçã d prdut, 2009 www.graycell.pt 1 ENQUADRAMENTO A platafrma ask-it! é uma aplicaçã web-based que permite criar inquérits dinâmics e efectuar a sua dispnibilizaçã n-line. A facilidade

Leia mais

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463 Mdel de Negócis Trabalh n âmbit da disciplina de Mdelaçã de dads. Criaçã de uma platafrma utilizand as tecnlgias SQL PHP e Javascript.. TRABALHO REALIZADO POR: Antni Gme- 2007009 // Jrge Teixeira - 2008463

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

MIT Kerberos V5 Diogo Dias João Soares

MIT Kerberos V5 Diogo Dias João Soares MIT Kerbers V5 Dig Dias Jã Sares Objectiv Case Study de uma pssível utilizaçã d Kerbers Verificaçã das ferramentas existentes Estad da tecnlgia (nmeadamente, Open Surce) Alguma aplicaçã na rede FEUPNET

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO C e n t r d e I n f r m á t i c a NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA A FMUP dispõe de salas e labratóris de infrmática gerids pel Centr

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

Base de Dados 2013/2014 Trabalho prático Versão 1.0 (2013-11-17)

Base de Dados 2013/2014 Trabalho prático Versão 1.0 (2013-11-17) Base de Dads 2013/2014 Trabalh prátic Versã 1.0 (2013-11-17) Embra a cmpnente prática da disciplina crrespnda a sete valres na nta final, individualmente cada alun pde ter uma classificaçã diferente. Nas

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS

SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS 6/16/2005 HSM/SSIT-07062005/CA Carls Ferreira Hspital de Santa Maria Serviç de Sistemas de Infrmaçã e Telecmunicações Av. Prf. Egas Mniz 1649-035 Lisba Tel.: (+351) 217805327

Leia mais

CONCEITOS SOFIA2 MAIO 2014. Versão 4

CONCEITOS SOFIA2 MAIO 2014. Versão 4 CONCEITOS SOFIA2 MAIO 2014 Versã 4 1 ÍNDICE 1 ÍNDICE... 2 2 INTRODUÇÃO... 3 2.1 OBJETIVOS E ÂMBITO DO PRESENTE DOCUMENTO... 3 3 O QUE É O SOFIA2... 4 4 CONCEITOS DA PLATAFORMA SOFIA2... 6 4.1 SMART SPACE...

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows Sftware Develpment Kit (SDK) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licenciament cnstituem um cntrat entre a Micrsft Crpratin (u dependend d país em que reside uma das respetivas empresas afiliadas)

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalaçã Prdut: n-hst Versã d prdut: 4.1 Autr: Aline Della Justina Versã d dcument: 1 Versã d template: Data: 30/07/01 Dcument destinad a: Parceirs NDDigital, técnics de suprte, analistas de

Leia mais

PDF Livre com o Ghostscript

PDF Livre com o Ghostscript PDF Livre cm Ghstscript Um tutrial para criaçã de um geradr de arquivs PDF em Windws, basead em ferramentas gratuitas. Márci d'ávila, 05 de mai de 2004. Revisã 8, 20 de setembr de 2007. Categria: Text

Leia mais

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Históric Sbre Design Patterns A rigem ds Design Patterns (Padrões de Desenh u ainda Padrões de Prjet) vem d trabalh de um arquitet chamad

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Pnt Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração Manual de Instalaçã e Cnfiguraçã Prdut:n-ReleaserEmbedded fr Lexmark Versã 1.2.1 Versã d Dc.:1.0 Autr: Lucas Machad Santini Data: 14/04/2011 Dcument destinad a: Clientes e Revendas Alterad pr: Release

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION Orin Versã 7.74 TABELAS Clientes Na tela de Cadastr de Clientes, fi inserid btã e um camp que apresenta códig que cliente recebeu após cálcul da Curva ABC. Esse btã executa

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações Mdelagem, qualificaçã e distribuiçã em um padrã para geinfrmações Julia Peixt 14h, 14 de junh de 2010. Mtivaçã Acerv de dads desde 1994 em diferentes áreas de pesquisa; Muitas pessas fazend muits trabalhs

Leia mais

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição Julh 2010 Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids à EDP Distribuiçã DGF/Departament Gestã de Materiais e Equipaments Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

Projecto Cartão de Cidadão

Projecto Cartão de Cidadão Prject Cartã de Cidadã Especificações Leitr Base 14 de Junh de 2007 Versã 1.0 SEMA/UMIC/AMA ÍNDICE 1. I TRODUÇÃO... 3 2. CARACTERÍSTICAS TÉC ICAS DO CARTÃO DE CIDADÃO... 4 2.1. FORMATO E DIMENSÕES... 4

Leia mais

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo,

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo, AVISO NORMAS DE INSTRUÇÃO DE PROCESSOS EM FORMATO DIGITAL A Câmara Municipal de Viseu vai iniciar, n próxim dia 5 de Janeir de 2015, a implementaçã da tramitaçã eletrónica ds prcesss de licenciament/admissã

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã SIDC-Sistema Infrmaçã Descentralizad Cntabilidade Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema de Infrmaçã Descentralizad

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aprximadamente 84 hras - aulas de 2 hras Primeira Parte Lógica de Prgramaçã 5 aulas 10 hras AULA 1 OBJETIVO 1. Cnceits básics: Algritm, Tips de Variáveis, Tips e Expressões

Leia mais

Projeto e Implementação de um Software para auxilio no Ensino de Linguagens Regulares

Projeto e Implementação de um Software para auxilio no Ensino de Linguagens Regulares Prjet e Implementaçã de um Sftware para auxili n Ensin de Linguagens Regulares Jsé Rbsn de Assis 1, Marln Oliveira da Silva 1. Faculdade de Ciências Exatas e Cmunicaçã (FACEC) Universidade Presidente Antôni

Leia mais

Event Viewer - Criando um Custom View

Event Viewer - Criando um Custom View Event Viewer - Criand um Custm View Qui, 06 de Nvembr de 2008 18:21 Escrit pr Daniel Dnda Cnhecend Event Viewer Muit imprtante na manutençã e mnitrament de servidres Event Viewer é uma ferramenta que gera

Leia mais

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 OBJETIVO Infraestrutura e tecnlgia d Prtheus sã a base de uma sluçã de gestã empresarial rbusta, que atende a tdas as necessidades de desenvlviment, persnalizaçã, parametrizaçã

Leia mais

Escola das Artes Universidade Católica Portuguesa Centro Regional do Porto, Porto, Portugal. Rua Diogo Botelho 1327, 4169-005 - Porto, Portugal

Escola das Artes Universidade Católica Portuguesa Centro Regional do Porto, Porto, Portugal. Rua Diogo Botelho 1327, 4169-005 - Porto, Portugal Authrs Sara Henriques, abslutich@htmail.cm Jrge Cards, jccards@prt.ucp.pt Helena Figueired, hfigueired@prt.ucp.pt Organizatin Escla das Artes Universidade Católica Prtuguesa Centr Reginal d Prt, Prt, Prtugal

Leia mais

Aula prática 6 Modelos Conceptuais e cenários de actividade

Aula prática 6 Modelos Conceptuais e cenários de actividade Aula prática 6 Mdels Cnceptuais e cenáris de actividade 1. Objetiv 1. Pretende-se que s aluns prduzam mdel cnceptual d prject e desenhem cenáris de actividade cm base nesse mdel. 2. Pretende-se ainda que

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT GRUPO HISPASAT Mai de 2014 PRIVADO PRIVADO E CONFIDENCIAL E Dcument Dcument prpriedade prpriedade HISPASAT,S.A. da 1 Prcess de atendiment a cliente

Leia mais

Ontologias: da Teoria à Prática

Ontologias: da Teoria à Prática Ontlgias: da Teria à Prática I Escla de Ontlgias UFAL-USP Endhe Elias e Olav Hlanda Núcle de Excelência em Tecnlgias Sciais - NEES Universidade Federal de Alagas UFAL Rteir Mtivaçã Ontlgias Engenharia

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Cnteúd prgramátic CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Este é cnteúd prgramátic d curs preparatóri n nv prgrama CDO-0001 para a certificaçã CmpTIA CDIA+. CONCEITUAL ECM Apresentaçã ds cnceits envlvids

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

Aplicações Clinicas. Patologia Clínica. Luís Lito

Aplicações Clinicas. Patologia Clínica. Luís Lito 0 Aplicações Clinicas Patlgia Clínica Luís Lit 1 Evluçã 1. 1993 - Infrmatizaçã parcial d Lab. de Química Clinica 2. 1996 - Inici da infrmatizaçã d Serviç de Patlgia Clínica Clinidata (sistema UNIX/COBOL

Leia mais

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO Encntr de Alt Dirigentes - Viseu 2/3 Dez 2013 Cm Invar para Ser Mais Cmpetitiv ENCONTRO de ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), 2-3 DEZEMBRO 2013 Apresentaçã Crprativa Cnfidencial Cnclusões finais Página

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Administração de Redes Servidores de Aplicação

Administração de Redes Servidores de Aplicação 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administraçã de Redes Servidres de Aplicaçã

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Resumo Detalhado de Competências

Resumo Detalhado de Competências Resum Detalhad de Cmpetências Índice Dads Pessais Pagina 1 Resum da Experiência Pagina 1 Tecnlgias Pagina 2 Experiência Prfissinal Pagina 4 Frmaçã Académica e Prfissinal Pagina 4 Línguas Página 5 Dads

Leia mais

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral Mdel de Cmunicaçã Prgrama Nacinal para a Prmçã da Saúde Oral Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e utilizadres d Sistema de Infrmaçã para a Saúde Oral

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

Estratégias de Conservação da Biodiversidade

Estratégias de Conservação da Biodiversidade Estratégias de Cnservaçã da Bidiversidade Estratégia Glbal De entre tds esses prcesss internacinais desenvlvids será de destacar decrrid após a Cnferência de Estclm, de 1972, que daria lugar à criaçã d

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO ÍNDICE QUE VALORES [MASTERSAF DFE] TRAZEM PARA VOCÊ? 1. VISÃO GERAL E REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 2 1.1. AMBIENTE... 2 1.2. BANCO DE DADOS... 4 2. BAIXANDO OS INSTALADORES DO DFE MASTERSAF... 5 3. INICIANDO

Leia mais

FRWTC-220 DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA WEB

FRWTC-220 DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA WEB FRWTC-220 DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA WEB SOBRE A FRAMEWORK A Framewrk (www.frwtc.cm) atua diretamente cm prfissinais d segment de tecnlgia em busca de capacitaçã, atualizaçã e certificaçã, curss

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Manual de configuração de equipamento Huawei G73. Huawei G73. Pagina 1

Manual de configuração de equipamento Huawei G73. Huawei G73. Pagina 1 Manual de cnfiguraçã de equipament Huawei G73 Huawei G73 Pagina 1 Índice 1. Breve intrduçã... 3 2. Guia rápid de utilizaçã...errr! Bkmark nt defined. 3. Serviçs e Funcinalidades suprtads...errr! Bkmark

Leia mais

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas SGCT - Sistema de Gerenciament de Cnferências Tecnlógicas Versã 1.0 09 de Setembr de 2009 Institut de Cmputaçã - UNICAMP Grup 02 Andre Petris Esteve - 070168 Henrique Baggi - 071139 Rafael Ghussn Can -

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 Inserir data e Hra 08/10/2012 N.º PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: Técnic De Turism 2010/2013 DISCIPLINA: Operações Técnicas em Empresas Turísticas An: 3º N.º TOTAL

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais