DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Nº 684

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Nº 684"

Transcrição

1 DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Nº 684 CHAVE ESTÁTICA DE TRANSFERENCIA, ESTUDO E SOLUÇÕES DE CASOS, FOCADOS NA CONTINUIDADE DO FORNECIMENTO E AUMENTO DA CONFIABILIDADE DO SISTEMA Marcos Henrique Araujo de Deus DATA DA DEFESA: 1/6/211

2 Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica CHAVE ESTÁTICA DE TRANSFERENCIA, ESTUDO E SOLUÇÕES DE CASOS, FOCADOS NA CONTINUIDADE DO FORNECIMENTO E AUMENTO DA CONFIABILIDADE DO SISTEMA Marcos Henrique Araujo de Deus Dissertação de Mestrado submetida à Banca Examinadora designada pelo Colegiado do Programa de Pós- Graduação em Engenharia Elétrica da Escola de Engenharia da Universidade Federal de Minas Gerais, como requisito para obtenção do Título de Mestre em Engenharia Elétrica. Orientador: Prof. Porfírio Cabaleiro Cortizo Belo Horizonte - MG Junho de 211

3

4 Agradecimentos Inicialmente agradeço especialmente a Deus por mais esta etapa nesta maravilhosa jornada. Agradeço também a Engetron, pela oportunidade de realização deste trabalho, e em especial ao Wilton de Castro Padrão, que tem me apoiado e conduzido meu desenvolvimento em todos estes anos de trabalho conjunto. Ao professor Porfirio Cabaleiro Cortizo pela orientação, paciência e apoio que foram fundamentais na condução deste projeto. A minha esposa, Grazielle, que sempre me apoiou e me mostrou a importância da continuidade dos estudos. Finalmente ao meu pai, Jurandir, minha mãe, Maria Perpetua que se preocupam comigo todo dia. E também aos meus irmãos, Alexandre e Marcia, força e carinho. A todos vocês que sempre investiram em mim. À UFMG pela oportunidade. 2

5 Lista de Figuras Figura 2.1 Diagrama de blocos de uma Chave de Transferência Estática. 13 Figura 2.2 Opções de evolução de um sistema de Data Center. 18 Figura 2.3 Opções de evolução de um sistema de Data Center. 19 Figura 2.4 Mapa da disponibilidade básica. 2 Figura 2.5 Evolução da Disponibilidade no Brasil. 21 Figura 2.6 A Chave de Transferência Estática e as opções de uso. 23 Figura 2.7 Evolução e prognóstico do mercado de chaves de transferência 23 estática. Figura 3.1 Curva ITIC ( Cbema). 26 Figura 3.2 O SCR Tiristor. 29 Figura 3.3 Esquema da Chave de Transferência Estática convencional. 3 Figura 3.4 Diagrama simplificado da Chave Estática. 31 Figura 3.5 Tensão e corrente nas fontes preferencial e alternativa. 33 Figura 3.6 Detalhe da comutação entre as fontes preferencial e alternativa. 33 Figura 3.7 Tensão e corrente na carga. 34 Figura 3.8 Tensão e corrente nas fontes preferencial e alternativa. 34 Figura 3.9 Tensão e corrente na carga. 35 Figura 3.1 Tensão e corrente nas fontes preferencial e alternativa. 36 Figura 3.11 Corrente nas fontes preferencial e alternativa. 36 Figura 3.12 Tensão e corrente nas fontes preferencial e alternativa. 37 Figura 3.13 Corrente nas fontes preferencial e alternativa. 37 Figura 3.14 Tensão e corrente na carga. 38 Figura 3.15 Tensão e corrente nas fontes preferencial e alternativa. 39 Figura 3.16 Corrente nas fontes preferencial e alternativa. 39 Figura 3.17 Tensão e corrente na carga. 4 Figura 4.1 Lógica de controle Entrada/Saída. 41 Figura 4.2 Fluxograma do comando dos tiristores. 42 Figura 4.3 Tensão e corrente nas fontes preferencial e alternativa. 43 Figura 4.4 Tensão e corrente na fonte preferencial, alternativa e na carga. 44 Figura 4.5 Detalhe da comutação: corrente nas fontes preferencial e alternativa 44 e a ordem de transferência. Figura 4.6 Tensão e corrente na fonte preferencial, alternativa e na carga. 46 Figura 4.7 Corrente nas fontes preferencial e alternativa. 47 Figura 4.8 Tensão e corrente na carga. 47 Figura 4.9 Corrente nas fontes preferencial e alternativa. 47 Figura 4.1 Tensão e corrente na carga. 48 Figura 4.11 Tensão e corrente na fonte preferencial, alternativa e na carga. 48 Figura 4.12 Corrente nas fontes preferencial e alternativa. 49 Figura 4.13 Restauração da fonte preferencial. 49 Figura 5.1 Avaliação do problema de transferência com transformador. 51 Figura 5.2 Transferência sem compensação da área e sem manter a média. 52 3

6 Lista de Tabelas Tabela 2-1 Proposta da norma TIA Tabela 2.2 Métrica dos noves. 19 Tabela 2.3 Comparativos de disponibilidade. 21 Tabela 3.1 Comparativo entre tiristor e IGBT. 28 Tabela 3.2 Nível de curto-circuito de chaves estáticas. 28 Tabela 3.3 Condições de disparo e bloqueio de um tiristor. 29 4

7 Lista de Siglas ANEEL ANSI BBM BNDES c.a. c.c. CSA DEC EIA EMC EUA FEC GMG GTO Iak IEC IEEE ITIC LASCR MBB MCT MTBF PAC PLL R RL RMDSTS SCR STS THDi TI TIA TIER TRIAC UL UPS USCA Vak Vgk Valt Vpref Agencia Nacional de Energia Elétrica American National Standards Institute Break-Before-Make Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social Corrente Alternada Corrente Continua Canadian Standards Association Duração Equivalente de Interrupção por Unidade Electronics Industries Alliance Electromagnetic Compatibility Estados Unidos da America Freqüência Equivalente de Interrupção por Unidade Grupo Motor Gerador Gate Turn-off Thyristor Corrente anodo-catodo International Electrotechnical Commission Institute of Electrical and Electronics Engineers Information Technology Industry Council Light Activated SCR Make-Before-Break Metal Oxide Semiconductor Controlled Thyristor Mean Time Before Failure Programa de Aceleração do Crescimento Phase Locked Loop Resistiva Resistiva-indutiva Rack Mounted Device Static Transfer Switch Silicon-Controlled Rectifier Static Transfer Switch Total Harmonic Distortion of Current Tecnologia da Informação Telecommunications Industry Association Camadas Referente a norma TIA942 Triode for Alternating Current Underwriters Laboratories Inc. Uninterruptible Power Supply Unidade de supervisão de corrente alternada Tensão anodo-catodo Tensão gate-catodo Fonte alternativa Fonte preferencial 5

8 Índice Agradecimentos... 2 Lista de Figuras... 3 Lista de Tabelas... 4 Lista de Siglas... 5 Índice... 6 Resumo... 8 Abstract... 9 Capítulo 1 Apresentação do trabalho Introdução Motivação e principais objetivos do trabalho Justificativas do trabalho Organização do trabalho Capítulo 2 Revisão bibliográfica Introdução Histórico Normas e Referências de uso O Sistema Elétrico Nacional Aplicações da Chave Estática de Transferência Mercado e oportunidades Conclusões Capítulo 3 Caracterização de uma chave estática Introdução A chave estática Situações de contorno Características da chave de transferência estática Funcionamento da chave estática: a comutação entre tiristores Comutação Make-Before-Break (MBB) Comutação Break-Before-Make (BBM) Conclusões Capítulo 4 O controle da chave estática Introdução O circuito de controle da chave estática Estudo de casos Carga RL - Fontes de energia com freqüências diferentes Carga não linear - Fontes de energia com freqüências diferentes Conclusões Capítulo 5 O problema do transformador

9 Capitulo 6 Conclusões e sugestões de trabalhos futuros Referências Bibliográficas

10 Resumo O presente trabalho apresenta o estudo, desenvolvimento e soluções para casos onde uma chave estática de transferência pode ser usada, e principalmente os aspectos que envolvem seu projeto e seu uso. Mostrando também uma visão comercial e de mercado, onde a perspectiva de mercado direciona a um prognostico muito favorável, tudo isto focado em uma visão direta de maior disponibilidade dos sistemas associados e com isto obtendo uma maior confiabilidade. Neste ponto observamos o uso das normas para o ambiente de tecnologia da informação para direcionamento dos níveis de disponibilidade em relação à configuração eletroeletrônica em cada planta. Para a chave estática observamos o aspecto dos concorrentes mundiais e também as normas como IEC, IEEE e UL, focadas na caracterização da STS e seu desempenho. Por fim, observa-se como um sistema comporta na ausência de um controle adequado para seleção entre as fontes e a correção destas falhas com uma STS corretamente empregada. Palavras chaves: chave estática de transferência, confiabilidade e disponibilidade. 8

11 Abstract This paper describes the research, development and solutions for cases where a static transfer switch can be used, and especially the aspects surrounding your project and its use. Also showing a vision and commercial market, where market perspective directs a very favorable prognosis, all focused on a direct view of the greater availability of systems associated with it and getting a higher reliability. At this point we observe the use of standards for information technology environment for targeting the levels of availability for electronics configuration on each plant. To observe the static key aspect of global competitors and also standards such as IEC, IEEE and UL, focused on the characterization of STS and its performance. Finally we see how a system behaves in the absence of an adequate control for selecting between sources and correction of these faults with a STS properly employed. Keywords: Static Transfer Switch, reliability and availability. 9

12 Capítulo 1 Apresentação do trabalho 1.1 Introdução O crescente aumento e utilização dos benefícios trazidos pela evolução rápida da tecnologia da informação (TI), associados com a deficiência da qualidade de energia recebida pelos grandes centros, nos direcionam a avaliar como evoluir tecnologicamente e também garantir o perfeito funcionamento destes sistemas. Um dos pontos mais importantes destes sistemas, sem dúvida, está relacionado à confiabilidade e consequentemente à continuidade do funcionamento. Sendo assim nos deparamos com a necessidade de equipamentos de Eletrônica de Potência que permitam garantir esta continuidade. Observa-se neste trabalho a opção pelo uso de uma Chave de Transferência Estática (Static Transfer Switch STS nos Estados Unidos ou Automatic Transfer Switch ATS na Europa), focada no aumento da continuidade de funcionamento dos sistemas de TI e Eletrônica de Potência em Média Tensão [1] e no aumento da confiabilidade através da redução do número de interrupções. 1.2 Motivação e principais objetivos do trabalho O objetivo do trabalho é apresentar a STS como uma solução para o problema de garantia de fornecimento de energia a um sistema de TI. Hoje estes sistemas já são beneficiados com a grande evolução dos sistemas de alimentação ininterrupta (Uninterruptible Power Supply UPS) que aumentam a confiabilidade do sistema de alimentação, além de, em algumas situações, corrigirem os problemas de qualidade de energia gerados pelas cargas de TI, como a elevada distorção harmônica da corrente (THDi) e baixo fator de potência. Existem no mercado nacional UPS [2] que absorvem da rede elétrica uma corrente com THDi menor que 7% e com fator de potência de,99. A chave estática de transferência não tem o objetivo de substituir os sistemas de UPS existentes, mas trabalhar em conjunto, de modo a aumentar a confiabilidade dos sistemas de energia. 1

13 Uma chave estática irá desta forma permitir que um sistema, normalmente cargas de TI, hospitais ou aeroportos, por exemplo, possam ter dois ramais de alimentação. Como se pode observar a opção da segunda fonte de energia irá aumentar consideravelmente a confiabilidade do sistema desde que o índice de confiabilidade da STS seja superior aos índices de confiabilidade das fontes de alimentação. O objetivo do trabalho é apresentar o funcionamento de uma chave estática de transferência que eleve a confiabilidade de um sistema de alimentação, com cargas resistivas indutivas (RL) e principalmente cargas não lineares, que neste trabalho será apresentada conforme normatização IEC Justificativas do trabalho A confiabilidade de grandes sistemas é hoje o principal foco dos responsáveis pelas áreas de TI e demais áreas que necessitem de garantia de continuidade no fornecimento de energia, como p.e. em indústrias, bancos e hospitais. O aumento da confiabilidade de um sistema passa, sem dúvida, por vários aspectos, mas a garantia da continuidade do fornecimento de energia elétrica, com um nível mínimo de qualidade, é essencial para todos dos ambientes. Apesar da alta taxa de confiabilidade da chave estática, os sistemas são sempre dependentes das taxas de confiabilidade das fontes de alimentação. Se as duas fontes não forem confiáveis, não teremos uma melhoria significativa da confiabilidade do sistema [3]. Dentro do sistema de alimentação, as fontes de energia são as que apresentam menor taxa de confiabilidade. Assim, o uso de uma UPS com chave estática permite um aumento significativo da taxa de confiabilidade do sistema. As fontes de alimentação deverão atender aos parâmetros de tensão, freqüência e distorção harmônica necessários ao perfeito funcionamento da carga. A chave estática não tem como função adequar os parâmetros das fontes à carga, mas escolher qual a fonte de alimentação que deverá alimentar a carga. 11

14 1.4 Organização do trabalho Este trabalho esta organizado de forma a apresentar a evolução de cada ponto e seus aspectos técnicos. Este capítulo apresentou os objetivos e motivações para o desenvolvimento da chave estática de transferência, além dos aspectos comerciais associados. No capítulo 2 apresenta a perspectiva atual dos ambientes que necessitam de grande continuidade no fornecimento de energia elétrica e o histórico da evolução dos sistemas de transferências. Apresentamos também as normas internacionais de referência para desenvolvimento de uma chave estática e as normas para ambientes de TI, como a norma TIA-942 com a visão dos níveis de confiabilidade e continuidade. A parte central do capitulo 2 apresenta os pontos de projeto de uma chave estática para garantir um elevado tempo médio entre falhas (MTBF), as perspectivas financeiras do mercado internacional. Finalmente são mostradas as características da carga não linear padrão definida pela IEC e a curva da ITIC (antiga CBEMA) delimitando as regiões de funcionamento de equipamentos eletrônicos. O capítulo 3 apresenta os modos de funcionamento da chave estática na ausência de controle, mostrando suas limitações quando alimentando cargas resistivas, indutivas e não lineares, as situação de funcionamento correto e mau funcionamento. O capítulo 4 mostra a lógica de controle da chave estática de modo a resolver os problemas apresentados no capítulo anterior, além de apresentar um foco nos problemas e soluções, com uma carga resistivo-indutiva e por uma carga não linear, caracterizada facilmente nas aplicações reais por um computador. No capítulo 5 é apresentada uma situação especifica baseada na alimentação de um transformador através de uma chave estática. O capítulo 6 apresenta as conclusões do trabalho e também as sugestões de continuidade do mesmo. 12

15 Capítulo 2 Revisão bibliográfica 2.1 Introdução Nos últimos anos, a crescente utilização de sistemas informatizados aumentou os requisitos sobre a infra-estrutura dos circuitos de alimentação. Hoje o grande herói neste segmento são os equipamentos de energia ininterrupta (Uninterruptible Power Supply - UPS), que garantem a continuidade do fornecimento de energia elétrica em caso de pane na rede elétrica [4]. Estes equipamentos estão presentes não somente em sistemas de tecnologia da informação (TI), mas também em locais onde a falta de energia elétrica provoca grandes perdas como em sistemas industriais, bancos e hospitais, aeroportos, etc. A perda de dados nos sistemas informatizados pode significar a perda de milhões de reais e no caso de hospitais, a perda de vidas humanas. Neste ambiente critico a necessidade de continuidade no fornecimento de energia para alimentação das cargas é primordial. A garantia de continuidade no fornecimento de energia elétrica pode ser melhorada com a duplicidade de equipamentos e de fontes de alimentação. Deste modo, na ocorrência de uma pane em um destes equipamentos ou fontes os sistemas críticos passam a ser alimentados por um caminho alternativo. Assim, é cada vez mais comum encontrarmos sistemas de TI com grupos geradores diesel, UPS e chaves de transferência estáticas. A chave de transferência estática (Static Transfer Switch - STS) já é utilizada internamente em sistemas de UPS, mas o seu uso como um equipamento independente para redirecionamento de circuitos de alimentação é mais recente. A chave estática de transferência tem como função principal a continuidade do fornecimento de energia à carga em ambientes em que estejam disponíveis ao menos duas fontes de energia denominadas de fonte preferencial e fonte alternativa. A fonte preferencial alimenta a carga através da chave estática e no caso de falha 13

16 a chave comuta a sua saída para a fonte alternativa. A figura 2.1 mostra o diagrama esquemático de uma chave estática de transferência. Fonte 1 Fonte 2 Carga Crítica Figura 2.1 Diagrama de blocos de uma chave de transferência estática Apresentamos a seguir os problemas elétricos, bem como os problemas de fabricação, de uma chave de transferência estática. Para tal, foram pesquisados equipamentos já desenvolvidos por fabricantes multinacionais, normas e patentes relacionadas ao tema. 2.2 Histórico O primeiro dispositivo semicondutor de potência surgiu no final de 1957 e desde então a indústria de microeletrônica tem desenvolvido dispositivos capazes de comutar tensões e correntes elevadas a freqüências cada vez mais elevadas. Até 197, os SCR Silicon Controlled Rectifier pertencentes à família dos tiristores, foram utilizados de maneira exclusiva para o controle da energia elétrica em aplicações industriais [3]. Trinta anos atrás, a Cyberex revolucionou o segmento de Distribuição de Energia com a invenção da chave de transferência estática. A Cyberex desenvolveu a primeira chave de transferência estática em 1971 e a primeira chave de transferência estática completamente digital em Estas chaves digitais são utilizadas em ambientes que requerem alto nível de disponibilidade de energia, tais como Data Centers, ambientes de telecom, ISPs, fabricação de semicondutores e aplicações onde não pode ocorrer interrupção no fornecimento de energia elétrica. 14

17 O projeto de sistemas de energia de alta confiabilidade é baseado em uma arquitetura que não permite a existência de pontos únicos de falha, através do uso sistemas mais robustos, e redundância de componentes eletroeletrônicos. Nestes sistemas chaves de transferência estática podem gerenciar 2 ou 3 fontes de energia, provenientes da concessionária de energia, de sistemas de energia ininterrupta - UPS s e de grupos geradores diesel. As chaves de transferência estáticas montadas em padrão Rack-Mount (RMDSTS) são as mais versáteis, confiáveis e fáceis de usar em instalações de pequeno e médio porte. Elas estão disponíveis em diferentes tensões (monofásicas e bifásicas) e capacidades de corrente variadas, sendo o modelo de 1A usado como referência. São projetadas para serem instaladas próximas das cargas críticas em seus próprios racks, oferecendo transferência entre 2 fontes de energia, assegurando funcionamento contínuo para a carga crítica, livre de quaisquer distúrbios que possam ocorrer nas fontes distintas. Existem no mercado vários fabricantes a nível mundial de chaves de transferência estáticas, sendo que o mercado brasileiro é atendido por poucas empresas. A evolução deste mercado passa necessariamente pela elaboração da norma TIA-942, Telecommunications Infrastructure Standard for Datacenters, inicialmente focada no sistemas de datacenters, que nasce com premissa de torna-se uma referencia para toda e qualquer infra-estrutura para sistemas de Datacenters. 2.3 Normas e Referências de uso As normas que regulam o mercado de chaves de transferência estática no Brasil são originárias dos mercados americanos e europeus. Podemos citar a UL18 (Transfer Switch Equipment) e a IEC (Low-voltage switchgear and controlgear - Part 6-1: Multiple function equipment - Transfer switching equipment), que tratam da construção, desempenho, ensaios de produção e fabricação e procedimentos de instalação de chaves de transferência automática ou manual com mecânicas e estáticas. O foco destas normas é baseado na segurança do sistema. 15

18 Adicionalmente as chaves estáticas também devem respeitar outras normas, mais particularmente as de sistemas de energia ininterrupta, as de compatibilidade eletromagnética e a de equipamentos que agregam funcionalidade a chave estática, como por exemplo: IEC 6947 Low-voltage switchgear and control gear EN Uninterruptible Power System (UPS) - EMC requirements EM 61-6 Electromagnetic Compatibility Em complemento das normas especificas da chave estática, temos a norma AINSI- EIA-TIA 942, que indica os requisitos a serem respeitados a partir da construção até a ativação de um Datacenter. O foco da norma é bastante abrangente, visando todo o sistema com requisitos para: Redundância de rotas físicas e de lógica, Telecomunicações, Arquitetura (civil), Instalações elétricas, Instalações de ar condicionado, Segurança e Gestão. Todos estes requisitos possuem quatro níveis, denominados de TIER (camadas), divididos basicamente em: TIER I Requisitos básicos, TIER II Componentes redundantes, TIER III Manutenção concorrente e TIER IV Tolerante a falhas. A versão prévia da norma ficou pronta em 23, e foi elaborada com o objetivo de unificar os TIER s (camadas) de proteção, que até então eram independentes, conforme abaixo: TIER I 196 TIER II 197 TIER III 198 TIER IV

19 A elaboração desta norma foi feita por quatro Institutos/Associações e teve a participação de empresas de engenharia e arquitetura, fabricantes, consultores e principalmente de usuários de sistemas de alta confiabilidade. Os Institutos e Associações que participaram na elaboração da norma foram: ANSI - American National Standards Institute, CSA - Canadian Standards Association, EIA - Electronics Industries Alliance e TIA - Telecommunications Industry Association. O objetivo final da TIA é apresentar sistematicamente, como aumentar a disponibilidade do sistema, lembrando que, um ponto chave é a relação custo & beneficio. A Tabela 2-1, mostra uma visão geral da proposta da norma. Tabela Proposta da norma TIA 942 Requisitos TIER I TIER II TIER III TIER IV Alimentação externa Única Única Única Dupla, de ramais diferentes Redundância N N+1 N+1 2 Ponto único de falha Muitos Muitos Poucos Nenhum Manutenção corrente Não Não Sim Sim Tolerante a falhas Não Não Não Sim Disponibilidade 99,67% 99,75% 99,98% 99,99% Resumo (29hs) Sem redundância, sujeito a paradas programadas e não programadas; (22hs) Alguns componentes redundantes, sujeito a paradas programadas e não programadas (1:3hs) Com manutenção corrente, durante a manutenção o risco de paralisação pode ser alto (:4hs) Infra Estrutura Tolerante a Falha Para se atender ao nível 4, ou aplicações com a premissa de dupla alimentação, o uso de chaves de transferência estáticas é essencial. Podemos observar que quanto maior o nível TIER da infra-estrutura, maior a disponibilidade e confiabilidade. 17

20 Na figura 2.2 vemos a estrutura elétrica de um Datacenter com as opções de evolução do sistema de modo a aumentar a sua confiabilidade. Podemos observar a redundância do sistema de alimentação através de dois ramais A e B. Cada um destes ramais possui também uma redundância dos geradores (GMG) que estão ligados ao sistema através das suas unidades de controle (USCA) e a presença de duas UPS em paralelo alimentando a chave de transferência estática. Esta chave estática seleciona se a carga é alimentada pelo ramal A ou pelo ramal B. Esta topologia aumenta consideravelmente a confiabilidade total do sistema. Pode-se notar a opção de dupla alimentação, apesar de esta ser uma situação pouco comum no mercado nacional. Observa-se que em caso de falha do ramal A, por exemplo, o sistema será atendido pelo ramal B. Observa-se ainda que através das chaves estáticas, a carga continuará sendo assistida pelos dois ramais. Mesmo em caso de falha até na fonte de alimentação do Datacenter, o sistema continuará em funcionamento. A figura 2.3 mostra a mesma idéia de outra forma, com um visual mais ilustrativo. Neste caso pode-se observar a presença da STS para garantir a transferência entre os barramentos, e conseqüentemente, aumentar a confiabilidade e disponibilidade do sistema. Nas duas situações apresentadas, mesmo que ocorra uma falha dupla, o sistema manterá em funcionamento (exceto se a falha ocorrer nas duas fontes do Data Center) 2.4 O Sistema Elétrico Nacional Na avaliação da continuidade dos serviços é importante o conhecimento da confiabilidade do sistema elétrico em uma situação onde não há nenhum sistema de proteção, ou seja, não estão presentes nem UPS e nem STS. Avaliando as informações sobre qualidade do serviço, disponíveis no site da Agencia Nacional de Energia Elétrica - ANEEL, disponível no site encontramos os principais indicadores do sistema que são: DEC - Duração Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora, indicador do número de horas, em média, que um consumidor fica sem energia elétrica durante 18

21 um período, geralmente mensal; FEC - Freqüência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora, indicador de quantas vezes, em média, houve interrupção na unidade consumidora. Figura Opções de evolução de um sistema de Data Center Ao avaliar os dados disponíveis chegamos ao seguinte panorama nacional, apresentado na figura 2.4, com indicação do DEC/FEC médio para cada região, e também a disponibilidade/continuidade nas mesmas. Os parâmetros de DEC/FEC são avaliados para interrupções superiores a 3 minutos, conforme cita o site a ANEEL. Desta forma, interrupções de curta duração não são avaliadas. Pelo mapa da figura 2.4 podemos observar que a região sudeste tem o melhor índice inicial de disponibilidade enquanto que a região norte tem o pior indicador. A 19

22 inclusão de UPS e STS no sistema de alimentação da carga critica tem como objetivo elevar a disponibilidade do sistema de alimentação, afetando diretamente sua confiabilidade e reduzindo o número e a duração das interrupções no fornecimento de energia elétrica. Figura Opções de evolução de um sistema de Data Center [5] O guia para plataformas virtuais [7] mostra uma visão do downtime (tempo de parada), sendo esta avaliação muito usada no mercado para caracterizar a confiabilidade de um sistema e é conhecida como a métrica dos noves. A tabela 2.2 mostra a interpretação direta da métrica dos noves e sua relação com disponibilidade/confiabilidade de um sistema. Tabela 2.2 Métrica dos noves Métrica dos noves Disponibilidade Tempo de parada (minutos/mês) Tempo de parada (minutos/ano) 2 99% 438 ~88 horas 3 99,9% 43,8 ~9 horas 4 99,99% 4,38 53 minutos 5 99,999%,44 5,3 minutos 2

23 DEC = 26.46hs FEC = 13 Disponibilidade = 99.7% DEC = 94.75hs FEC = 55 Disponibilidade = 98.92% DEC = 39.56hs FEC = 29 Disponibilidade = 99.55% DEC = 15.34hs FEC = 9 Disponibilidade = 99.82% DEC = 33.34hs FEC = 17 Disponibilidade = 99.62% Figura Mapa da disponibilidade básica [6] Na figura 2.5 observa-se a evolução da disponibilidade nos últimos anos no Brasil e vemos que a situação está melhor, mas não chegamos a uma disponibilidade de 3 noves ( %). O decréscimo observado em 29 é preocupante, pois este parâmetro está muito associado ao crescimento do Brasil e a política de infra-estrutura em novas fontes de energia elétrica. Contudo o governo federal tem feito pesados investimentos no setor, o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), prevê investimentos em todos os setores de desenvolvimento, inclusive as Fonte de Energia Alternativa (Proinfa). Segundo o BNDES os investimentos são da ordem de 14 bilhões para , sendo o que o aporte total para infra-estrutura deve chegar a R$319,1 bilhões no período. 21

24 Horas/ano Figura Evolução da Disponibilidade no Brasil [6] Em um panorama mais especifico, pode-se observar na tabela 2.3 que o desenvolvimento está muito relacionado à disponibilidade do sistema. A visualização mostra a diferença entre Minas, São Paulo e a Cemig. Podemos observar que a disponibilidade da Cemig é maior que a de Minas, já que Minas não é plenamente atendida pela Cemig. De outra forma, ainda observa-se que o estado de São Paulo tem uma disponibilidade bastante elevada. Tabela Comparativos de disponibilidade [6] Cemig São Paulo Minas É importante ressaltar que, conforme site da ANEEL, os números visualizados são para interrupções, sendo que no caso do sistema elétrico nacional só são computados valores acima de 3 minutos. Desta forma observamos que existe um grande índice que não é avaliado, e consequentemente irá abaixar em muito os índices apresentados. 2.5 Aplicações da Chave Estática de Transferência Em aplicações de alta confiabilidade é normal o emprego de UPS com chaves de transferência estática integrada de modo a garantir a alimentação da carga quando da 22

25 ocorrência de uma falha interna à UPS ou em situações de manutenção preventiva do equipamento. Atualmente, as chaves estáticas têm sido empregadas como um equipamento a parte que seleciona uma entre duas fontes de alimentação para o fornecimento de energia à carga. Em sistemas de distribuição de energia elétrica em média tensão elas tem sido empregadas para substituir sistemas eletromecânicos, permitindo um aumento na velocidade comutação entre os alimentadores. Em sistemas com UPS, a chave de transferência estática provê um caminho alternativo para carga. Durante a operação normal, a carga é alimentada pela UPS através da chave estática. Na ocorrência de uma falha da UPS ou de uma sobrecarga, a chave estática transfere a alimentação da carga critica para a rede elétrica. Após a recuperação do defeito ou término da sobrecarga o processo é revertido. A figura 2.6, mostra um sistema com duas UPS em paralelo e uma STS alimentando a carga. Nesta figura também mostramos uma situação em que a chave estática alimenta a carga selecionando se a mesma é alimentada por um grupo motor gerador ou pelo sistema elétrico. Em todas estas situações, existe um grande ganho na confiabilidade do sistema. 2.6 Mercado e oportunidades O mercado de Chave Estáticas de Baixa Tensão tem aumentado consideravelmente nos últimos anos. Esse crescimento deve continuar principalmente por causa do aumento dos centros de dados e de telecomunicações. Além disto, outro fator importante para este crescimento é a sensibilização dos usuários finais da necessidade de proteger os equipamentos e processos de eventos catastróficos, como o apagão de 23 na América do Norte [8,9]. As perdas totais foram calculados na faixa de 6 a 1 bilhões de dólares. A figura 2.7, mostra a visão geral da evolução do mercado e seu prognóstico. Conforme estudo da Sullivan Frost de 27, os usuários finais têm percebido a importância de fazer investimentos no intuito de reduzir a duração e o número de interrupções no fornecimento de energia elétrica. O estudo mostra um mercado de 9 a 1 milhões de dólares em 26 e 27, com previsão de mais do que duplicar até 213. Devemos aqui salientar que a previsão foi realizada antes da crise econômica mundial de 28-29, mas já é observado que o crescimento tem se mantido. Em 29 esta avaliação foi refeita para o período e a previsão de 23

26 crescimento foi ligeiramente reduzida. Figura A Chave de Transferência Estática e as opções de uso O mercado para chave estática é dominado por fabricantes como Liebert (do grupo Emerson) e Cyberex nos Estados Unidos e Socomec na Europa e na Ásia, conforme também mostra relatorio da Sullivan Frost de 27. Milhões de dólares / ano Figura Evolução e prognóstico do mercado de Chaves de Transferência Estática [8] O mercado para chave estática é dominado por fabricantes como Liebert (do grupo Emerson) e Cyberex nos Estados Unidos e Socomec na Europa e na Ásia, conforme também mostra relatorio da Sullivan Frost de

Topologias de UPS estático. apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida e mantida em operação, utilizamos equipamentos

Topologias de UPS estático. apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida e mantida em operação, utilizamos equipamentos 36 Capítulo II Topologias de UPS estático Luis Tossi * Para evitarmos que os distúrbios elétricos de tensão DC, que se altera em nível DC em função de apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

TOPOLOGIAS DE NOBREAK

TOPOLOGIAS DE NOBREAK TOPOLOGIAS DE NOBREAK O que é um Nobreak? Nobreaks são equipamentos que possuem a função de fornecer energia ininterrupta para a carga (computadores, servidores, impressoras, etc.). Além desta função,

Leia mais

>Proteção de Energia Trifásica

>Proteção de Energia Trifásica Symmetra PX Proteção de Energia Modular, Escalável e de Alta Eficiência para Data Centers Symmetra PX 100kW Escalável de 10kW até 100kW >Proteção de Energia Trifásica Modular de Alta Performance com Tamanho

Leia mais

Projeto de instalação de sistemas UPS

Projeto de instalação de sistemas UPS 22 Capítulo IX Projeto de instalação de sistemas UPS Por Luis Tossi e Azarias Macedo Júnior* Neste capítulo, abordaremos os aspectos relacionados ao projeto de sistemas UPS. Trataremos de forma separada

Leia mais

Discrete Automation and Motion. Conceptpower DPA 500 100 kw 3 MW UPS modular - agora até 3 MW

Discrete Automation and Motion. Conceptpower DPA 500 100 kw 3 MW UPS modular - agora até 3 MW Discrete Automation and Motion Conceptpower DPA 500 100 kw 3 MW UPS modular - agora até 3 MW Tempo de inatividade igual a zero conheça o Conceptpower DPA 500 O Conceptpower DPA 500 da ABB é um sistema

Leia mais

Associação Paralelo Ativo e Passivo Vantagens e Benefícios

Associação Paralelo Ativo e Passivo Vantagens e Benefícios Associação Paralelo Ativo e Passivo Vantagens e Benefícios Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP:91040-600 - Porto Alegre RS - Brasil Fone: (51)21312407

Leia mais

Medidas de mitigação de harmônicos

Medidas de mitigação de harmônicos 38 Apoio Harmônicos provocados por eletroeletrônicos Capítulo XII Medidas de mitigação de harmônicos Igor Amariz Pires* A maneira mais comum de mitigar harmônicos é por meio da utilização de filtros. O

Leia mais

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET Especificação Técnica 1. Objeto Aquisição de 1 (um) NOBREAK DE POTÊNCIA 5 kva Obs.: Os atributos técnicos abaixo relacionados são de atendimento obrigatório. A nomenclatura

Leia mais

Elétricos. Prof. Josemar dos Santos prof.josemar@gmail.com

Elétricos. Prof. Josemar dos Santos prof.josemar@gmail.com Controle de Motores Elétricos Prof. Josemar dos Santos prof.josemar@gmail.com Introdução Eletrônica de Potência Produtos de alta potência Controle de motores; Iluminação; Fontes de potência; Sistemas de

Leia mais

Perfil. Proteções. Nobreak Senoidal On-line Trifásico - Dupla Conversão. 10 a 100 kva

Perfil. Proteções. Nobreak Senoidal On-line Trifásico - Dupla Conversão. 10 a 100 kva 10 a 100 kva Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas de 10 a 50KVA de 60 a 100KVA Perfil Nobreak Senoidal On-line Trifásico - Dupla Conversão A linha de nobreaks SMS Sinus Triphases

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 DETERMINAÇÃO DA CORRENTE DE CURTO - CIRCUITO FASE TERRA NO MEIO INDUSTRIAL Felipe Miquelino¹; Edilberto Teixeira² 1 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG 2 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG fmiquelinof@gmail.com;

Leia mais

PREGÃO SESC-AN N.º 15/0051-PG ADENDO II

PREGÃO SESC-AN N.º 15/0051-PG ADENDO II PREGÃO SESC-AN N.º 15/0051-PG ADENDO II ESCLARECIMENTO A QUESTIONAMENTOS Referente à tensão de entrada e saída: O documento ANEXO+I+-+15-0051-PG+-+Especificação+Técnica solicita fornecimento de nobreak

Leia mais

Nobreak. 10 a 50 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 10 a 50 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla conversao ~ 10 a 50 kva PERFIL Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas Sinus Triphases 10 a 50 kva A linha de nobreaks SMS Sinus Triphases

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 1 Ambiente de Data Center Os serviços de comunicação em banda larga estão mais

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP

Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469

Leia mais

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - SP Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada Paulo Antunes Souza Wagner Hokama

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico Guia de Aplicação de Partida Suave e Inversores CA Walter J Lukitsch PE Gary Woltersdorf John Streicher Allen-Bradley Company Milwaukee, WI Resumo: Normalmente, existem várias opções para partidas de motores.

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Autor: Pedro Machado de Almeida O aproveitamento da energia gerada pelo sol, considerada inesgotável na escala de

Leia mais

Retificadores Buck com Fator de Deslocamento Unitário Operando em um Quadrante

Retificadores Buck com Fator de Deslocamento Unitário Operando em um Quadrante UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Retificadores Buck com Fator de Deslocamento Unitário Operando em um Quadrante André Pires Nóbrega Tahim Marcos Tadeu

Leia mais

Workshop. Proteção em redes de serviços via cabo coaxial

Workshop. Proteção em redes de serviços via cabo coaxial Workshop Proteção em redes de serviços via cabo coaxial Distúrbios em sistemas elétricos Surto Surtos elétricos Incidência de Descargas Atmosféricas na região sudeste, sul, Mato Grosso e Goiás (em milhões)

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los 1/ 9 Imprimir PROJETOS / Energia 20/08/2012 10:20:00 Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los Na primeira parte deste artigo vimos que a energia

Leia mais

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 42BEspecificação Técnica LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 3 / 6 / 8 / 10 / 12 / 15 / 20 kva 38BEngetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31) 3359-5800 Web: Hwww.engetron.com.br

Leia mais

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104 UMG 104 UMG 104-Mais do que um ples Multímetro O UMG 104 equipado com um DSP de 500 MHz (processador de sinal digital) é um analisador de tensão muito rápido e potente. A varredura contínua dos 8 canais

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

SISTEMAS DE ENERGIA HDS LM FP 0.8 DUPLA CONVERSÃO 6KVA - 10KVA -15KVA -20KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS

SISTEMAS DE ENERGIA HDS LM FP 0.8 DUPLA CONVERSÃO 6KVA - 10KVA -15KVA -20KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS SISTEMAS DE ENERGIA HDS LM FP 0.8 DUPLA CONVERSÃO 6KVA - 10KVA -15KVA -20KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS HDS SISTEMAS DE ENERGIA ANTECIPANDO SOLUÇÕES, GERANDO RESULTADOS A HDS

Leia mais

Aula 5 Infraestrutura Elétrica

Aula 5 Infraestrutura Elétrica Aula 5 Infraestrutura Elétrica Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Ruído Elétrico Os problemas de energia elétrica são as maiores causas de defeitos no hardware das redes de computadores e conseqüente

Leia mais

SISTEMAS DE ENERGIA TTS IGBT TRIFÁSICO 10KVA À 200KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS

SISTEMAS DE ENERGIA TTS IGBT TRIFÁSICO 10KVA À 200KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS SISTEMAS DE ENERGIA TTS IGBT TRIFÁSICO 10KVA À 200KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS HDS SISTEMAS DE ENERGIA ANTECIPANDO SOLUÇÕES, GERANDO RESULTADOS A HDS Sistemas de Energia está

Leia mais

sorayachristiane@globo.com

sorayachristiane@globo.com sorayachristiane@globo.com 1 CABEAMENTO ESTRUTURADO INTERNACIONAIS EIA/TIA 568 B - Sistemas de Cabeamento para Edificios Comerciais. EIA/TIA 569 A - Adequações e Estruturas Internas para Cabeamento em

Leia mais

Introdução: Inversor de Freqüência: Princípios Básicos:

Introdução: Inversor de Freqüência: Princípios Básicos: Introdução: Inversor de Freqüência: Atualmente, a necessidade de aumento de produção e diminuição de custos, se fez dentro deste cenário surgir a automação, ainda em fase inicial no Brasil, com isto uma

Leia mais

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS GSI Nº: ART061-09 - CD 382-09 SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS Carlos Alberto Murari Pinheiro João Roberto Cogo Artigo publicado na Revista Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico,

Leia mais

Nobreak. 3,2 a 20 kva PERFIL PROTEÇÕES. senoidal on-line - dupla convers o

Nobreak. 3,2 a 20 kva PERFIL PROTEÇÕES. senoidal on-line - dupla convers o Nobreak senoidal on-line - dupla convers o modelos isolados e n o isolados com PFC opcional 3,2 a 20 kva Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas PERFIL O nobreak inteligente

Leia mais

Inversores de freqüência. Introdução

Inversores de freqüência. Introdução Inversores de freqüência Introdução Desde que os primeiros motores surgiram, os projetistas perceberam uma necessidade básica, controlar sua velocidade, várias técnicas foram utilizadas ao longo dos anos

Leia mais

Dispositivos de Proteção de CCM

Dispositivos de Proteção de CCM 58 Dispositivos de Proteção de CCM Elaborado por Weberton Eller, Thiago Ribeiro, Gilberto Marques e Allan Souto A utilização dos centros de controle de motores (CCM) é bastante comum nas indústrias, em

Leia mais

Sistema UPS (Uninterruptible Power Supply) 160 kva

Sistema UPS (Uninterruptible Power Supply) 160 kva Sistema UPS (Uninterruptible Power Supply) 160 kva 1. Características gerais 1.1. Sistema de alimentação ininterrupta trifásico, especificado para no mínimo 160 kva, na configuração SINGELO, contendo banco

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA RODOLFO RIBEIRO DE OLIVEIRA UMA CONTRIBUIÇÃO À ANÁLISE DE SOLUÇÕES PARA MITIGAÇÃO DE AFUNDAMENTOS MOMENTÂNEOS DE TENSÃO

Leia mais

Transistores de Efeito de Campo, Tiristores, relés e conectores: falhas e métodos de verificação de defeitos

Transistores de Efeito de Campo, Tiristores, relés e conectores: falhas e métodos de verificação de defeitos Transistores de Efeito de Campo, Tiristores, relés e conectores: falhas e métodos de verificação de defeitos Transistores de Efeito de Campo FET Tipos Gate por Junção (JFET) Gate Isolado (MOSFET de Depleção)

Leia mais

Eficiência e Inovação em Conversão de Energia

Eficiência e Inovação em Conversão de Energia Eficiência e Inovação em Conversão de Energia TECTROL, desde 1973, fabricando equipamentos de conversão de energia para os mais variados segmentos tais como: Telecom, Energia, Petroquímico, naval e offshore,

Leia mais

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Florianópolis, agosto de 2000 Capítulo 1 Introdução 1.1 Controle de Freqüência e Tensão na Operação

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

SINUS DOUBLE II BLACK NOBREAK

SINUS DOUBLE II BLACK NOBREAK SINUS DOUBLE II BLACK NOBREAK ONLINE DUPLA CONVERSÃO 3,2 a 20 kva INDICADO PARA CARGAS CRÍTICAS Expansão de autonomia Bivolt, Monovolt 220V e Tri-Mono zero 8 proteções para a carga contra problemas da

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CHAVE ESTÁTICA MONOFÁSICA 2 A 6 KVA

MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CHAVE ESTÁTICA MONOFÁSICA 2 A 6 KVA MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CHAVE ESTÁTICA MONOFÁSICA 2 A 6 KVA ÍNDICE Introdução 01 Principais aplicações 01 Características técnicas 02 Descrição de funcionamento 03 Instalação 04 Armazenamento 05 Assistência

Leia mais

eletroeletrônica II Na linha de produção de uma empresa há Blocos eletrônicos

eletroeletrônica II Na linha de produção de uma empresa há Blocos eletrônicos A UU L AL A Manutenção eletroeletrônica II Na linha de produção de uma empresa há uma máquina muito sofisticada. Certo dia essa máquina apresentou um defeito e parou. Imediatamente foi acionada a equipe

Leia mais

Tecnologia Inversor: Freqüência de saída Capacidade de sobrecarga: Fusíveis de Proteção: Proteção da Bateria:

Tecnologia Inversor: Freqüência de saída Capacidade de sobrecarga: Fusíveis de Proteção: Proteção da Bateria: Sistema de proteção e fornecimento de energia elétrica ininterrupto, com tempo limitado a capacidade das baterias, autonomia de 10 (dez) minutos em plena carga, capacidade de 30KVA, 24.000W, entrada e

Leia mais

Eletrônica de Potência II Capítulo 1. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org

Eletrônica de Potência II Capítulo 1. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org Eletrônica de Potência II Capítulo 1 cassiano@ieee.org 1 Componentes semicondutores em Eletrônica de Potência Diodo MOSFET IGBT GTO 2 Introdução Eletrônica de Potência é uma ciência aplicada que aborda

Leia mais

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Leia mais

ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA

ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469 engenharia@cp.com.br

Leia mais

SINUS DOUBLE II BLACK

SINUS DOUBLE II BLACK SINUS DOUBLE II BLACK NOBREAK ONLINE DUPLA CONVERSÃO 3,2 a 20 kva INDICADO PARA CARGAS CRÍTICAS Expansão de autonomia Bivolt, Monovolt 220V e Tri-Mono zero 8 proteções para a carga contra problemas da

Leia mais

CHAVEAMENTO COM SCR S

CHAVEAMENTO COM SCR S ELE-59 Circuitos de Chaveamento Prof.: Alexis Fabrício Tinoco S. INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA APLICADA 1. INTRODUÇAO CHAVEAMENTO COM

Leia mais

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL Manual Técnico de Instalação e Operação POWERBLOCK MASTER MONOFÁSICO

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL Manual Técnico de Instalação e Operação POWERBLOCK MASTER MONOFÁSICO POWERTRANS Eletrônica Industrial Ltda. Rua Ribeiro do Amaral, 83 Ipiranga SP - Fone/Fax: (11) 2063-9001 E-mail: powertrans@powertrans.com.br Site: www.powertrans.com.br Manual Técnico de Instalação e Operação

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

Soluções em energia segura

Soluções em energia segura CP agora é Soluções em energia segura Catálogo de Produtos 2013 Catálogo de Produtos 2013 / A empresa Soluções // Catálogo de Produtos 2013 > CP agora é Schneider Electric > Por que escolher Schneider

Leia mais

UNITROL 1000 Regulador compacto de tensão para máquinas síncronas menores UNITROL 1000-15 e UNITROL 1000-40

UNITROL 1000 Regulador compacto de tensão para máquinas síncronas menores UNITROL 1000-15 e UNITROL 1000-40 UNITROL 1000 Regulador compacto de tensão para máquinas síncronas menores UNITROL 1000-15 e UNITROL 1000-40 Copyright 2000 Photodisc, Inc. 5812-01 A ampla gama de aplicações do UNITROL 1000-15 O UNITROL

Leia mais

CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003

CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003 CE 6003 CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003 APLICAÇÕES: Testes manuais em relés (eletromecânicos, estáticos, numéricos) Testes automáticos em relés. Testes dinâmicos em relés com reprodução

Leia mais

Driver - DRM100D80A. Principais características. DRM100D80A - Driver Isolado Duplo. www.supplier.ind.br

Driver - DRM100D80A. Principais características. DRM100D80A - Driver Isolado Duplo. www.supplier.ind.br A SUPPLIER Indústria e Comércio de Eletroeletrônicos Ltda é uma empresa constituída com o objetivo de atuar no setor das Indústrias Eletroeletrônicas, principalmente na fabricação de fontes de alimentação

Leia mais

SEÇÃO TÉCNICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

SEÇÃO TÉCNICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS Um conjunto composto por: Uma unidade de alimentação de potência ininterrupta ("NO-BREAK"), monofásica, com os seguintes dados declarados em placa: Marca: PhD; Modelo: HP9100C; Número de série: 2LBG070925089020004;

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA ELECTRÓNIC DE POTÊNCI CIRCUITO DE DISPRO DE UM TIRISTOR CIRCUITO COM CRG RESSONNTE COMUTÇÃO PEL CRG GRUPO: DI: TURNO: HORS: LUNO: LUNO: LUNO: LUNO: Nº: Nº: Nº: Nº: IST DEEC 2003 Profª Beatriz Vieira Borges

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9 PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9.1 INTRODUÇÃO O aumento da temperatura nos condutores de uma instalação elétrica, devido a circulação de corrente (efeito Joule), projetada para o funcionamento normal,

Leia mais

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro 60 Capítulo V Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Os transformadores de aterramento são aplicados em muitas situações onde o arranjo do sistema elétrico exige que seja criado

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

Meios Físicos de Comunicação

Meios Físicos de Comunicação Meios Físicos de Comunicação Aula 4 Cabeamento Estruturado Meios Físicos de Comunicação - Cabeamento Estruturado 1 Conteúdo Cabeamento Não Estruturado Normas Meios Físicos de Comunicação - Cabeamento Estruturado

Leia mais

para cargas críticas.

para cargas críticas. 50 anos NO-BREAKS & ESTABILIZADORES DE TENSÃO Soluções em sistemas de pura ENERGIA para cargas críticas. www.amplimag.com.br EMPRESA Amplimag Controles Eletrônicos Ltda. Empresa 100% Nacional, desde 1962

Leia mais

Conceitos gerais sobre qualidade da energia

Conceitos gerais sobre qualidade da energia 28 Capítulo I Conceitos gerais sobre qualidade da energia Por Gilson Paulilo* O termo qualidade da energia inclui uma gama de fenômenos, abrangendo áreas de interesse de sistemas da energia elétrica até

Leia mais

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação 34 Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação Por Alan Rômulo e Eduardo Senger* No artigo anterior foram abordados os métodos previstos na NFPA

Leia mais

Dispositivos de Proteção

Dispositivos de Proteção 4 Dispositivos de Proteção Todos os circuitos deverão ser protegidos, a fim de garantir a integridade física das pessoas das instalações e equipamentos. Para isso, existem diversos dispositivos e equipamentos

Leia mais

Action₀EMS Power System Simulator

Action₀EMS Power System Simulator SCLN 212, Bloco D, Sala 101 Brasília DF CEP: 70.865-540 fone: +55 61 3340-8486 contato@spinengenharia.com.br www.spinengenharia.com.br Action₀EMS Power System Simulator Descrição Funcional 00101.01 Action₀EMS

Leia mais

Sempre um passo à frente com as Fontes de Alimentação SITOP NOVA. SITOP modular. sitop

Sempre um passo à frente com as Fontes de Alimentação SITOP NOVA. SITOP modular. sitop Sempre um passo à frente com as Fontes de Alimentação SITOP NOVA sitop SITOP modular NOVIDADE: SITOP monofásica modular 193 países UMA fonte de alimentação Sejam quais forem as tarefas a serem cumpridas:

Leia mais

RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS

RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS Análise de Circuitos Contatores/Relés Aula 02 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Sobrecarga

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA - GCQ

GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA - GCQ SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GCQ - 14 16 a 21 Outubro de 25 Curitiba - Paraná GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Introdução A questão do fornecimento de energia elétrica é de suma importância para um funcionamento adequado de equipamentos eletro-eletrônicos. Assim sendo, cabe ao poder

Leia mais

ETE Barueri. Avaliação das Distorções Harmônicas e Fator de Potência

ETE Barueri. Avaliação das Distorções Harmônicas e Fator de Potência Soluções em Serviços Assistência Técnica Autorizada; Manutenção preventiva e corretiva de Fontes e UPS s; Start Up,Testes, Laudos e Treinamentos; Logística de movimentação de equipamentos; Avaliação das

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL)

Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) 52 Apoio Automação de subestações Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A instalação de relés microprocessados em indústrias tornou-se

Leia mais

SISTEMA DIDÁTICO DE PARTIDA SUAVE PARA MOTORES TRIFÁSICOS

SISTEMA DIDÁTICO DE PARTIDA SUAVE PARA MOTORES TRIFÁSICOS SISTEMA DIDÁTICO DE PARTIDA SUAVE PARA MOTORES TRIFÁSICOS Edson Santos Acco edson@upf.br Universidade de Passo Fundo, Faculdade de Engenharia e Arquitetura, Engenharia Elétrica. Campus Universitário I

Leia mais

Sistema de distribuição.

Sistema de distribuição. 1 Impacto de Cargas Eletrônicas Residenciais e Comerciais Eficientes e Não-lineares no Sistema de Distribuição Parte II Medições das Cargas em Alimentadores Típicos M. L. y Gonzalez, S. Visacro F., P.

Leia mais

Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp.

Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp. CONVERSORES ELETRÔNICOS DE POTÊNCIA PARA SISTEMAS FOTOVOLTAICOS DE BAIXA TENSÃO CONECTADOS À REDE Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp.br

Leia mais

Manual de Instalação e Operação Revisão 15 de 14 de Abril de 2009

Manual de Instalação e Operação Revisão 15 de 14 de Abril de 2009 GRAMEYER Equipamentos Eletrônicos Ltda / GRAMEYER Indústria Eletroeletrônica Ltda. R. Mal. Castelo Branco, 2477 Schroeder SC Brasil 89275-000 e-mail: info@grameyer.com.br - www.grameyer.com.br Fones: 55

Leia mais

dv dt Fig.19 Pulso de tensão típico nos terminais do motor

dv dt Fig.19 Pulso de tensão típico nos terminais do motor INFLUÊNCIA DO INVERSOR NO SISTEMA DE ISOLAMENTO DO MOTOR Os inversores de freqüência modernos utilizam transistores (atualmente IGBTs) de potência cujos os chaveamentos (khz) são muito elevados. Para atingirem

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS INTELIGENTES A6. Dispositivos Eletrônicos Inteligentes IED s (Relés Microprocessados) A6.1 Introdução Esta especificação técnica tem como objetivo estabelecer

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA 26. Com relação aos materiais semicondutores, utilizados na fabricação de componentes eletrônicos, analise as afirmativas abaixo. I. Os materiais semicondutores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 FILTRO ATIVO DE POTÊNCIA SÉRIE PARALELO APRESENTADOR: MÁRCIO STEFANELLO,

Leia mais

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho Fonte de Alimentação Áreas Eletrônica Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores Chrystian Pereira

Leia mais

Aspectos dos projetos elétricos na alimentação de cargas de missão crítica por UPS

Aspectos dos projetos elétricos na alimentação de cargas de missão crítica por UPS 24 Capítulo VIII Aspectos dos projetos elétricos na alimentação de cargas de missão crítica por or Luis Tossi e José tarosta o capítulo anterior, foram apresentadas as premissas relativas aos indicadores

Leia mais

Sistemas Modernos de Distribuição de Energia

Sistemas Modernos de Distribuição de Energia Sistemas Modernos de Distribuição de Energia br.geindustrial.com Sistemas Modernos de Distribuição de Energia Negócios Modernos operam com Distribuição de Energia 24/7 No passado, engenheiros de projetos

Leia mais

Data Center : Conceitos Básicos. Alex Martins de Oliveira

Data Center : Conceitos Básicos. Alex Martins de Oliveira Data Center : Conceitos Básicos Alex Martins de Oliveira Conceitos e Projetos Disponibilidade, Confiabilidade e Redundância Planejamento de Espaços Distribuição Elétrica e UPS (Uniterruptable Power Supply)

Leia mais

UMG 96S-Instrumento de medição universal com montagem embutida UMG 96S

UMG 96S-Instrumento de medição universal com montagem embutida UMG 96S UMG 96S UMG 96S-Instrumento de medição universal com montagem embutida Os instrumentos de medição universal com montagem embutida da família de produto UMG 96S foram principalmente concebidos para utilização

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA EXPERIENCIA N 11: GRADADORES MONOFÁSICOS OBJETIVO Verificar qualitativa e quantitativamente o funcionamento

Leia mais

CHAVES DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA. Sistemas de Baixa Tensão

CHAVES DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA. Sistemas de Baixa Tensão CHAVES DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA Sistemas de Baixa Tensão Toda instalação onde se utiliza o grupo gerador como fonte alternativa de energia necessita, obrigatoriamente, de uma chave reversora ou comutadora

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

Liebert Série NXr 30KVA a 200KVA (380V) Sistemas de Energia CA para Business-Critical Continuity (Continuidade da Operação Crítica)

Liebert Série NXr 30KVA a 200KVA (380V) Sistemas de Energia CA para Business-Critical Continuity (Continuidade da Operação Crítica) Liebert Série NXr 30KVA a 200KVA (380V) Sistemas de Energia CA para Business-Critical Continuity (Continuidade da Operação Crítica) Antecipando Mudanças Tecnológicas Através de Uma Infraestrutura Adaptável

Leia mais

EDI-34 Instalações Elétricas

EDI-34 Instalações Elétricas EDI-34 Instalações Elétricas Plano de Disciplina 2º semestre de 2015 1. Identificação Sigla e título: EDI-34 Instalações Elétricas Curso de Engenharia Civil-Aeronáutica Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais