EDIFÍCIO ANEXO BNDES PROGRAMA DE NECESSIDADES REVISADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDIFÍCIO ANEXO BNDES PROGRAMA DE NECESSIDADES REVISADO"

Transcrição

1 EDIFÍCIO ANEXO BNDES PROGRAMA DE NECESSIDADES REVISADO 1

2 ÍNDICE INTRODUÇÃO DESCRIÇÃO POR ÁREAS CENTRO DE INFORMAÇÃO E CONHECIMENTO DO BNDES (BIBLIOTECA) CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO DO BNDES CENTRO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS CENTRO DE MEMÓRIA ESPAÇO DE QUALIDADE DE VIDA DO BNDES CENTRO INTERNACIONAL CELSO FURTADO DE POLÍTICAS PARA O DESENVOLVIMENTO INFRAESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ÁREA CORPORATIVA AUDITÓRIOS, REUNIÕES E SALAS DE VIDEOCONFERÊNCIA FISIOTERAPIA ÁREAS COMUNS E CONDOMINIAIS REQUISITOS GERAIS O TERRENO TABELAS RESUMO

3 INTRODUÇÃO O período de forte crescimento econômico pelo qual o Brasil vem passando na última década influencia diretamente o BNDES, principal agente financiador de longo prazo do país. O fortalecimento da atuação do BNDES levou à necessidade de reestruturação organizacional da instituição, que passou por significativa ampliação de seu quadro de pessoal. Para atender à demanda espacial advinda do crescimento do seu quadro de empregados, o BNDES construirá edifício em terreno de sua propriedade, contíguo ao Edifício de Serviços do Rio de Janeiro EDSERJ. O terreno localiza-se na quadra formada pela Av. República do Paraguai, Av. República do Chile, Largo da Carioca e Rua da Carioca. Nesse quarteirão, em pleno coração do centro da cidade do Rio de Janeiro, encontram-se também a Igreja e o Convento de Santo Antônio e a Igreja de São Francisco da Penitência, mantida pela Fraternidade Franciscana Secular de Sâo Francisco da Penitência. Os edifícios localizados no Morro de Santo Antônio compõem um conjunto de construções históricas, tombadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico Nacional IPHAN. Por fazer divisa com esse complexo histórico, a nova construção deverá respeitar o gabarito de altura determinado pela Lei Complementar Municipal nº128/2013, a fim de preservar a paisagem urbana, como vista do Largo da Carioca. O novo prédio estará inserido em área de grande relevância no centro da cidade. Pretende-se, portanto, que o projeto vencedor promova positivamente a continuidade do tecido urbano e a integração da edificação no contexto cultural em que se insere, mais especificamente entre a Avenida República do Paraguai e a Rua da Carioca. Deverá ainda promover a integração com o jardim projetado por Burle Marx, tombado, localizado no EDSERJ. Atendendo às diretrizes da Lei Complementar Municipal nº 128/2013 e também aos requisitos de sustentabilidade, a cobertura deverá ser projetada dentro do conceito de Telhados Verdes. O projeto deverá contemplar desde a sua implantação (construção) até a operação todos os requisitos necessários à certificação ambiental e à eficiência energética. O projeto de arquitetura, portanto, deverá almejar o melhor desempenho ambiental da 3

4 edificação, desde as primeiras etapas de construção, levando em conta o uso eficiente da energia, da água, de materiais certificados e renováveis, o aproveitamento das condições naturais locais, a qualidade ambiental interna e externa, e a utilização consciente dos equipamentos e do edifício pelo usuário. O Anexo terá a função de abrigar as áreas corporativas que hoje ocupam imóveis alugados no Rio de Janeiro e algumas áreas de apoio hoje localizadas no EDSERJ. Além disso, também atenderá à demanda de espaços de atendimento ao público, dentre as quais se destacam o Centro de Informação e Conhecimento, o Centro de Estudos e Desenvolvimento de Competências, o Centro de Memória do BNDES e o Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento. O Centro de Informação e Conhecimento do BNDES deverá atuar como uma biblioteca de referência nacional e internacional no tema Desenvolvimento do Brasil, com foco no suporte informacional ao corpo técnico do BNDES. Será responsável pela preservação da memória técnica do Banco através da reunião, catalogação, indexação, classificação, preparação, preservação e disponibilização da produção intelectual do BNDES. Espera-se que a arquitetura da biblioteca, além de atender aos requisitos tecnológicos de um centro de referência, reflita o que há de mais avançado atualmente em termos de organização espacial. O Centro de Estudos e Desenvolvimento de Competências atenderá primordialmente ao público interno do BNDES para atividades de treinamento e aprimoramento profissional. Ocasionalmente alguns eventos externos poderão ser realizados no centro, por isso há a demanda de acesso ao público em geral. O Centro de Memória, em conjunto com o Centro de Informação e Conhecimento, tem o objetivo de preservar documentos, fotografias e filmes relacionados à história do BNDES e disponibilizá-los ao público externo, através de consulta física ou por meio digital. O acesso a esses espaços pelo público externo deverá ocorrer de modo a não interferir nas atividades internas do banco. As circulações pública e privada serão segregadas, de modo que a configuração do espaço deverá restringir o acesso às áreas corporativas. Há, no entanto, a necessidade de que o acesso dos empregados e 4

5 demais colaboradores lotados no EDSERJ a essas áreas seja facilitado, principalmente ao Centro de Informação e Conhecimento e ao Centro de Estudos. Por último, deve ser prevista passagem de pessoas, pelo terreno e/ou dependências do Anexo, desde a Av. República do Paraguai até o terreno remanescente da Fraternidade Franciscana no Morro de Santo Antônio, no local indicado no Anexo VI do Edital, Levantamento Planialtimétrico do Terreno. Com isso, será viabilizada a construção do Caminho de São Francisco pela Fraternidade Franciscana, ligando a Av. República do Paraguai ao Largo da Carioca. 5

6 1. DESCRIÇÃO POR ÁREAS 1.1 CENTRO DE INFORMAÇÃO E CONHECIMENTO DO BNDES (BIBLIOTECA) Os ambientes que deverão compor o Centro de Informações e Conhecimento do BNDES foram divididos em três grupos: Área de Gestão, Área de Atendimento ao Público, e Área de Referência e do Acervo ÁREA DE GESTÃO Área destinada às atividades administrativas, com previsão de estações de trabalho para a Gerência, Coordenação, bibliotecários e assistentes, e salas de apoio ao trabalho administrativo, conforme abaixo: Estações de trabalho: Gerência: uma estação de trabalho Coordenação: uma estação de trabalho Bibliotecários: quinze estações de trabalho Assistentes: dez estações de trabalho Salas de apoio: Sala de reunião: uma sala com capacidade para trinta pessoas, com instalações para uso de computador e televisão. Sala para guarda de publicações em análise: uma sala com oito estantes e duas mesas com quatro cadeiras cada. Sala de digitalização: uma sala com três estações de trabalho. 6

7 Sala de restauração e conservação preventiva: deverá ser compartilhada com o Centro de Documentação, ver descrição item ATENDIMENTO AO PÚBLICO Área que abrange todos os serviços de atendimento aos usuários. Os setores devem ser distribuídos conforme a movimentação dos usuários e o nível de ruído. Os setores mais movimentados e com maior nível de ruído devem ficar localizados próximos da entrada principal do Centro. São eles: Hall de exposições: espaço anterior à entrada principal, de acesso livre, equipado com expositores, iluminação especial, telão retrátil, mini-copa e sanitários. Recepção principal: abrange a entrada principal do Centro e deve prever catracas para controle do fluxo de usuários, sistema anti-furto e guardavolumes. Área para terminais de consulta: este espaço deve prever vinte mesas e cadeiras com computadores, com acesso à internet, e deve ficar próximo da entrada do acervo. Área de convivência: espaços com sofás/poltronas e mesas baixas para leitura rápida de jornais diários e revistas semanais. Balcão de atendimento: balcão amplo com quatro estações de trabalho. O balcão de atendimento deve ter patamares diferenciados para atender aos portadores de deficiência física. Sala de apoio da referência: sala com mesa e cadeira, computador, impressora, máquina copiadora, scanner, três estantes de apoio, armário com chave. Estação de trabalho para o bibliotecário de referência. 7

8 1.1.3 ÁREA DE REFERÊNCIA E ACERVO Os setores que demandam condição de silêncio, e que portanto devem ficar mais afastados da entrada principal do Centro são: Espaços de leitura que perfaçam um total de cem lugares, com mesas e cadeiras individuais; Salas de estudo em grupo: cinco salas fechadas com capacidade para seis pessoas cada, com computador e televisão. Área do Acervo: espaço para armazenamento de toda a coleção impressa. Esta área deve acomodar aproximadamente (duzentos mil) volumes. Nesta área também devem ser previstos: a) uma sala reservada para o armazenamento de exemplares das publicações do BNDES, em arquivos deslizantes; b) espaços para mesas e cadeiras individuais entre as estantes. Espaço da acessibilidade: uma sala com recursos e serviços de tecnologia assistida voltados para pessoas portadoras de deficiência, com computadores, mobiliário, equipamentos e softwares específicos para este público OUTRAS CONSIDERAÇÕES É recomendável e desejável que toda a área do Centro esteja fisicamente disposta em um único pavimento. Devido à movimentação interna de carrinhos para o transporte de publicações, devese evitar a construção de degraus dentro do Centro. Deve-se prever, nos projetos de instalações elétricas e de cabeamento estruturado: a disponibilização de acesso franco à Internet a todos os usuários, sejam eles internos ou externos; a disponibilização, em toda a área do Centro de Informação e Conhecimento, de acesso à internet através de rede sem fio; 8

9 a instalação de tomadas elétricas e de dados em todas as mesas das salas de leitura. 9

10 1.2 CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO DO BNDES ÁREA DE ATENDIMENTO Área de atendimento: Atividades: Recebimento e empréstimo de documentos, registro e distribuição das consultas formuladas ao Centro de Documentação. Consulta local ao acervo (público interno e externo). Requisitos: Área localizada junto à área de consulta e com fácil acesso à área de trabalho. Mobiliário e equipamento básicos: computadores, balcão para recepção dos documentos, escaninho para recebimento e remessa de documentos. Pessoal: Três funcionários Área de consulta: Atividades: Consulta local ao acervo (público interno e externo). Requisitos: Área separada das áreas de trabalho e de guarda do acervo. 4 postos de consulta Média de 5 m² por usuário Mobiliário e equipamento básicos: mesas para consulta, leitoras de microfilmes, computadores, impressoras, equipamentos de reprografia. Pessoal: não há funcionários trabalhando na área de consulta 10

11 1.2.2 ÁREA DE TRABALHO Área de tratamento técnico do acervo: Atividades: triagem, descrição e registro de documentos. Requisitos: Localização próxima à área de atendimento e aos depósitos de guarda de documentos; Mobiliário e equipamentos básicos: mesas para tratamento dos documentos, estantes para guarda temporária dos documentos transferidos/recolhidos, computadores, scanners. Pessoal: Trata-se de uma área para tratamento do acervo transferido/recolhido em grandes volumes. O número de pessoas que ocupará a área será variável. Estima-se ocupação média de 7 pessoas Área de restauração e conservação preventiva do acervo Atividades: higienização e pequenos reparos nos documentos. Requisitos: Deverá ser compartilhada com o Centro de Informação e Conhecimento; Área isolada das demais. Deve estar localizada próxima à área de tratamento de documentos; Sistema de extração de ar, de acordo com as normas técnicas em vigor; Mobiliário e equipamentos: bancada de trabalho para pequenos reparos, mesa de higienização com sucção, armário para guarda de materiais, estantes para documentos em processo de higienização, estações de trabalho. Pessoal: 3 funcionários 11

12 Digitalização e Microfilmagem Atividades: Digitalização e microfilmagem de documentos. Requisitos: A digitalização e microfilmagem de documentos dividem-se em etapas que exigem espaços independentes para sua execução (preparo, processamento, controle de qualidade, descarte). Para cada um desses espaços há necessidades específicas, conforme discriminado a seguir: Preparo Mobiliário e equipamentos: Mesas grandes para preparo dos documentos, estantes para guarda dos documentos em fase de preparo. Laboratório de digitalização Bancadas para acondicionamento da documentação a ser digitalizada e dos scanners de produção; Sala escura para preparação da mídia a ser carregada na processadora de microfilme. Laboratório de microfilmagem/processamento Sistema de extração de ar de acordo com as normas técnicas em vigor; Fornecimento de água quente e fria; Ralos e inclinação adequada do piso para escoamento da água e descarte de químicos; Bancadas com armários para acondicionamento de material. Controle de qualidade (inspeção) Sala com iluminação especial para inspeção (4 leitoras de microfilme). Depósito para guarda de material Sala climatizada com prateleiras de madeira para acondicionamento de material especial (microfilmes, microfichas, químicos, CDs, etc). 12

13 Pessoal: Na área de microfilmagem e ditigalização trabalham: 8 funcionários, 2 menores aprendizes e 6 terceirizados. O número de terceirizados é variável (entre 6 e 10) Área para descarte de documentos e microfilmes Atividades: fragmentação física de documentos e microfilmes Requisitos: Mobiliário e equipamentos: máquina trituradora de documentos; máquina desfragmentadora de microfilmes; estantes para armazenar os documentos e microfilmes separados para descarte. Pessoal: Não há pessoal trabalhando em tempo integral nesta área. O espaço deve permitir que dois a três funcionários ocupem a área Sala de reunião Atividades: reuniões Requisitos: Capacidade para até 12 pessoas. Mobiliário e equipamentos: mesa grande para reunião, computador e ligações de rede para acesso à Internet Estações de trabalho Requisitos: Estações de trabalho que atendam ao quantitativo de pessoal: Gerência: mínimo 3 estações (gerente, secretário e estagiário); Coordenação de Arquivamento Central: mínimo 11 estações (atendimento, consulta e tratamento técnico), considerar espaço para quatro menores aprendizes; 13

14 Coordenação de Arquivos Correntes: mínimo 5 estações (coordenador e arquivistas); Coordenação de Mídias (microfilmagem e digitalização): mínimo 8 estações, considerar espaço para terceirizados (6 a 10) e dois menores aprendizes Posto de protocolo 1 Atividades: Recebimento, registro, distribuição e expedição de documentos/ correspondências. Requisitos: Duas estações de trabalho, com escaninho para guarda das correspondências e apoio para recebimento de materiais. Pessoal: Dois funcionários Depósito para guarda de material Atividades: Guarda de material a ser utilizado na gerência e nos arquivos correntes, incluindo material em grandes volumes como prateleiras e hastes de estantes ARQUIVO CENTRAL (Arquivo Intermediário, Permanente, Mídias, Sigiloso e Documentos especiais) A área de guarda de documentos do Centro de Documentação divide-se em: Arquivo Intermediário, Arquivo Permanente, Arquivo Sigiloso e Arquivo de Mídias e Documentos Especiais. Para cada uma dessas divisões deverão ser previstos espaços que atendam a condições ambientais e de segurança recomendadas para cada tipo de acervo. 1 O protocolo central permaneceria no EDSERJ, no prédio anexo constaria apenas um posto de protocolo. 14

15 Aspectos relevantes ao considerar os requisitos para guarda de acervo são: sobrecarga: indicaremos os parâmetros recomendados pela literatura especializada, porém, cálculos mais precisos deverão ser realizados pelos responsáveis técnicos pelo projeto; condições climáticas estáveis na área de acervo: indicaremos os parâmetros recomendados pela literatura especializada. Todavia, estudos específicos devem ser desenvolvidos considerando as características do local e do projeto. Ressalta-se que mais importante do que atingir os níveis recomendáveis é manter estável o ambiente, pois variações na temperatura e, especialmente, na umidade são extremamente prejudiciais ao acervo. As variáveis ambientais a serem controladas são: temperatura, umidade relativa, luminosidade e radiação ultravioleta. Deve-se também controlar e minimizar o nível de poluentes na área de acervo; segurança: medidas preventivas contra incêndio, vandalismo e acesso não autorizado. A área de guarda do acervo deve ser separada das demais áreas e a entrada é autorizada apenas para os funcionários e prestadores de serviço do Centro de Documentação. Câmeras de segurança devem estar presentes em todas as áreas de guarda de documentos; pé-direito das áreas de guarda deve comportar arquivos deslizantes de até 2,50 metros de altura; previsão de crescimento em prazo médio de 30 anos para cálculo do espaço destinado à guarda de documentos, considerando o uso de estantes deslizantes compactas Arquivo intermediário: Sobrecarga: kg/m² (previsão para estantes compactas) Condições climáticas: 15

16 Temperatura: 20º C com variação diária de +/-1 ºC Umidade relativa: 45% a 55% - com variação diária de +/-5% Luminosidade e radiação ultravioleta: 150 lux, 75 lm/w Obs: trata-se de acervo com alto índice de consultas/empréstimos e as variações ambientais são extremamente prejudiciais ao acervo. Previsão de crescimento (30 anos): 2010: 1.682,9 metros lineares (incluindo guarda externa); 2040: 3727,62 metros lineares - 700m²; Segurança: Acesso restrito aos funcionários do Centro de Documentação Arquivo Permanente: Sobrecarga: kg/m² (previsão para estantes compactas) Condições climáticas: Temperatura: 20º C com variação diária de +/-1 ºC Umidade relativa: 45% a 55% - com variação diária de +/-5% Luminosidade e radiação ultravioleta: 150 lux, 75 µw/l Previsão de crescimento (30 anos): 2010: 227,7 metros lineares; 2040: 504,35 metros lineares 67,0m²; Segurança: Acesso restrito aos funcionários responsáveis pelo Arquivo Permanente ou funcionários designados pela gerência Arquivo Sigiloso: Sobrecarga: kg/m² (previsão para estantes compactas) 16

17 Condições climáticas: Temperatura: 20º C com variação diária de +/-1 ºC Umidade relativa: 45% a 55% - com variação diária de +/-5% Luminosidade e radiação ultravioleta: 150 lux, 75 µw/l Previsão de crescimento (30 anos): 2010: 323,4 metros lineares; 2040: 716,33 metros lineares 127,0m²; Segurança: Área de guarda separada das demais. Acesso restrito aos funcionários responsáveis pelo arquivo sigiloso. O acesso à sala deve ser controlado (uso de senha, câmera ou outros recursos que minimizem o risco de acesso indevido) Arquivo de mídias (microfilmes, microfichas, filmográficos, sonoros, documentos digitais): Sobrecarga: 2.500kg/m² Condições climáticas (recomendações para registros magnéticos): Temperatura: 18º C com variação diária de +/-1 ºC Umidade relativa: 40% - com variação diária de +/-5% Luminosidade e radiação ultravioleta: 50 lux, 75 µw/l (recomendação para materiais altamente sensíveis à luz) Obs: trata-se de acervo com alto índice de consultas/empréstimos e as variações ambientais são extremamente prejudiciais ao acervo. Previsão de crescimento (30 anos): 2010: Microfilmes: unidades; Microfichas: unidades; Filmográficos: 747; Sonoros:

18 2040: Microfilmes: unidades; Microfichas: unidades; Filmográficos: 1.137; Sonoros: unidades 20,0m² Segurança: Acesso restrito aos funcionários do Centro de Documentação Arquivo de documentos especiais (fotografias, mapoteca) Sobrecarga: kg/m² Condições climáticas: Temperatura: 12º C +/-1 º C (fotografias em preto e branco); 5º C +/- 1ºC (fotografias em cor); Umidade relativa: 35% +/- 5% (fotografias em preto e branco e em cor); Luminosidade e radiação ultravioleta: 50 lux, 75 µw/l Obs: Mapoteca considerar parâmetros para guarda permanente. O acervo da mapoteca pode estar localizado junto ao acervo de guarda permanente. Previsão de crescimento (30 anos): 2010: Fotografias: 5,12 metros lineares; Mapoteca: 2,4 metros lineares 2040: Fotografias: 7,52 metros lineares; Mapoteca: 3,6 metros lineares 4,50m² Segurança: Acesso restrito aos funcionários responsáveis pelo Arquivo Permanente ou funcionários designados pela gerência Previsão do espaço total a ser ocupado pela área de guarda do acervo do arquivo central em 30 anos: 918,50 m² OUTRAS CONSIDERAÇÕES Considerar a localização geográfica do edifício e estudar as características climáticas 18

19 do local. A estrutura do edifício deve favorecer a preservação de um ambiente interno estável, minimizando os efeitos das variações climáticas externas prejudiciais ao acervo (especialmente temperatura e umidade relativa). O Centro de Documentação deverá ficar em um único pavimento, sem diferenças de nível BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA ARQUIVO NACIONAL. Recomendações para construção de arquivos. Rio de Janeiro, Meio ambiente (editado por Sherelyn Ogden). Rio de Janeiro, Projeto Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos.. Considerações sobre preservação na construção e reforma de bibliotecas: planejamento para preservação (editado por Michael Trinkley). Rio de Janeiro, Projeto Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos. 19

20 1.3 CENTRO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS O CENTRO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS deverá compreender um complexo de salas que permita a realização de cursos, treinamentos, palestras e outros eventos com a finalidade primária de desenvolvimento do corpo funcional do Sistema BNDES. Dando suporte a essa estrutura, o Centro de Estudos deverá contar também com salas de videoconferência, auditório (a serem compartilhados com Centro de Informação e Conhecimento). Considerando que muitas vezes são realizados eventos com presença de público externo, deverá ser previsto também acesso independente ao Centro de Estudos, evitando-se a necessidade de circulação pelas áreas restritas ao público interno do BNDES ADMINISTRAÇÃO 1 sala para acomodação dos funcionários da secretaria do CENTRO DE ESTUDOS, 6 postos, com computadores, mesas, 2 impressoras (sendo uma colorida), devendo receber dados de todas as demais salas do CE e máquina de reprografia; 2 salas para guarda e montagem de material de apoio (flip-charts, quadros, materiais didáticos, etc.); 4 salas de apoio a eventos com capacidade para 4 participantes, com 1 mesa e 4 cadeiras; 1 área reservada para a realização de coffe-break, com 8 aparadores (mesas) para montagem do mesmo. A área deve permitir subdivisão através de divisórias retráteis, ou ser distribuída no Centro de Estudos, de forma a permitir a realização de 3 coffee-breaks simultaneamente. 20

21 1.3.2 RECEPÇÃO Espaço destinado à recepção e pré-acomodação dos usuários do CENTRO DE ESTUDOS. Deve conter balcão para duas recepcionistas, monitores de tv com informação sobre cursos/eventos em andamento, poltronas, sofás e mesas de centro e canto, decoração adequada ao espaço, área de circulação ampla e ilha de informática com 8 computadores fixos e antena wireless para pc portátil dos visitantes COPA Junto à área de coffee-break com infra-estrutura para atender a demanda do CE SALAS V.I.P. 2 em pontos distintos, com capacidade para acolher 10 convidados, sendo uma próxima ao auditório e outra próxima à recepção do CE. (ver item 1.9) SALAS PARA TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Sala com capacidade para 20 participantes - reuniões: 1 sala Mesa central com capacidade para 10 cadeiras em cada lado, Computador portátil para o orador, tv 46, e quadro branco Salas com cadeiras prancheta: 8 salas para 15 pessoas, cadeiras removíveis para formatação alternativa, com apoio de prancheta, mesa para palestrante, computador e TV 46 e quadro branco. Algumas salas deverão conter divisórias retráteis, de 21

22 modo a possibilitar no mínimo 3 salas unificadas com capacidade para 30 pessoas. 1 sala para 50 pessoas, mesa com 3 lugares para os palestrantes, 50 cadeiras removíveis para formatação alternativa, com apoio de pranchetas,, projetor no teto, tela retrátil, quadro branco Salas mesas tipo carteira(escolar): 3 salas para 20 pessoas com mesas para palestrante, mesas carteira, computador e TV 55 e quadro branco. 4 salas para 30 pessoas com mesas para palestrante, mesas carteira, computador e TV 55 e quadro branco 3 salas para 50 pessoas com mesas para palestrante, mesas carteira, computador, tela de projeção e quadro branco 22

23 1.4 CENTRO DE MEMÓRIA O CENTRO DE MEMÓRIA deverá localizar-se contíguo ao Centro de Informações e Conhecimento CONSULTA O ambiente de Consulta do Centro de Memória deverá abrigar balcão de recepção, mesas para 4 pessoas para realização de consulta física do material, e 6 mesas com terminais de computador para realização da consulta virtual aos documentos GRAVAÇÃO A sala de gravação deverá ser equipada e dimensionada para a realização de filmagem de depoimentos. Deverá poder ser usada também como sala de reuniões, com capacidade para 4 pessoas ADMINISTRAÇÃO E ARQUIVO Espaço para 4 postos de trabalho. Nesse espaço também deverá ser previsto arquivo deslizante para a guarda dos documentos, com dimensões aproximadas de 5,0m x 2,24m x 2,23m (l x p x h) EXPOSIÇÃO Espaço de aproximadamente 100m² para exposições do Acervo. 23

24 1.5 ESPAÇO DE QUALIDADE DE VIDA DO BNDES SECRETARIA Prevê a instalação de serviços de atendimento aos usuários e algumas facilidades, como serviços de água, café e máquinas de lanches. A secretaria do Espaço de Qualidade de Vida atenderá basicamente ao público interno e aposentados do BNDES. Os atendentes ficarão responsáveis pela inscrição dos interessados, registro de frequência dos participantes, distribuição de material, entrega de chaves dos escaninhos dos vestiários e pelo recebimento das mensalidades dos usuários APOIO À EQUIPE CONTRATADA Sala para avaliação dos participantes e uma sala destinada aos professores, à guarda de materiais de uso contínuo e de pequenos equipamentos como aparelho de som, balança, etc VESTIÁRIOS Vestiários feminino e masculino, com local para banho, troca de roupa e guarda-volume. Cada vestiário deve ter capacidade para atender cerca de 15 pessoas simultaneamente. O projeto deve contemplar acesso de serviço ao vestiário para pessoas que ingressem no prédio com roupas leves apropriadas para exercício físico, em especial para os usuários que optam pelo transporte cicloviário SALAS PARA ATIVIDADES PROJETO SAÚDE O espaço Qualidade de Vida deverá contar com salas para realização de atividades físicas e programas que favoreçam a saúde e o bem estar dos interessados. As salas deverão ter área compatível ao número de usuários, conforme tabela do item

25 1.5.5 SALA PARA PALESTRAS Área para palestras sobre assuntos relacionados à qualidade de vida. Espaço com mesa para palestrante e 40 cadeiras ESTIMATIVA NÚMERO DE USUÁRIOS DO ESPAÇO QUALIDADE DE VIDA Nº de usuários Ambiente por espaço Secretaria Atendimento e serviços (água, café e máquinas de lanches) 8 Apoio Equipe Contratada 1 sala de avaliação 2 1 sala para os professores, guarda de materiais e de pequenos 8 equipamentos Projeto Saúde 3 salas 15 1 sala 20 1 sala 10 1 sala 30 1 sala 50 Vestiários 2 vestiários - Feminino e Masculino (banho, troca de roupas e guardavolume) Sala Palestra 1 sala palestra do Programa de Reeducação Alimentar, Cursos e Palestras de Q.V

26 1.6 CENTRO INTERNACIONAL CELSO FURTADO DE POLÍTICAS PARA O DESENVOLVIMENTO O BNDES cede espaço para o Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento, que reúne a biblioteca pessoal do professor Celso Furtado seu núcleo principal e a Coleção CICEF, que vem sendo formada há quatro anos pelo Centro. Com um acervo acumulado por Celso Furtado ao longo de sua vida pessoal, acadêmica e de homem público, a Biblioteca que leva seu nome possui uma coleção de mais de sete mil títulos que são o reflexo das áreas de interesses e dos assuntos que o fascinaram desde jovem: história, literatura, filosofia, ciências sociais, cultura, e principalmente a economia, o desenvolvimento econômico, o Brasil e a América Latina. O Centro Internacional Celso Furtado deverá ter acesso ao público UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO 1 sala para superintendente 1 sala de reuniões para 10 pessoas 1 área administrativa para 6 pessoas 1 recepcionista 1 área com terminais de consulta e mesas (5 postos) Acervo 200m² Área total útil estimada: 300m². 26

27 1.7 INFRAESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Os itens a poderão estar localizados em pavimento de subsolo DATACENTER O Datacenter do Prédio Anexo substituirá o existente e seus subsistemas. Deverá alojar equipamentos com diferentes requisitos de acesso de forma segregada. Os subsistemas do Datacenter deverão ser independentes da infraestrutura do prédio quanto às suas instalações elétricas, de refrigeração, controle de incêndio, monitoração, etc. Terá aproximadamente 400m², com piso elevado, onde ficarão os ativos de TIC, sendo 200 m² ocupados pela atual célula estanque. Os demais 200m² serão ocupados por uma nova sala, (não será obrigatório nessa nova sala utilizar célula estanque). O piso elevado deverá suportar pelo menos 1 tonelada de carga por m² de piso elevado A planta de energia deverá ter capacidade de fornecer pelo menos 2 Kw por por m² de piso elevado. O projeto do Datacenter dece ser adequado para certificação pelo Uptime Institute na classificação Tier 4 com PUE máximo de 2,3 medido nas PDU's. O projeto deverá contemplar o reaproveitamento dos atuais nobreaks e geradores, que deverão ter sua capacidade agregada e complementada, se necessário, com novos equipamentos, para uma das linhas de alimentação de energia do novo datacenter COFRE DE MÍDIAS Espaço destinado à guarda dos cartuchos de dados utilizados como cópia de segurança do Datacenter. Deverá ser localizado próximo ao Datacenter. Àrea aproximada de 15m². 27

1.1 Centro de Informação e Conhecimento. Usuários simultâneos. N/D 40,00 1 40,00 Balcão amplo com quatro estações de trabalho. O balcão de atendimento

1.1 Centro de Informação e Conhecimento. Usuários simultâneos. N/D 40,00 1 40,00 Balcão amplo com quatro estações de trabalho. O balcão de atendimento Área de Convivência Detalhamento Espaço com sofás/poltronas e mesas baixas para leitura rápida de jornais diários e revistas semanais Pode estar integrada à 20 50,00 1 50,00 área de recepção e balcão de

Leia mais

BIBLIOTECA. METRAGEM MÍNIMA (m2)

BIBLIOTECA. METRAGEM MÍNIMA (m2) BIBLIOTECA Administração Balcão de atendimento Balcão de referência Mesa de trabalho para 6 servidores, sendo recomendado 5 a 6m 2 /2 pessoas, com espaço para armários comuns e armários-arquivo para documentos

Leia mais

Ecologicamente correto. Economicamente viável. Socialmente justo. Culturalmente aceito.

Ecologicamente correto. Economicamente viável. Socialmente justo. Culturalmente aceito. Ecologicamente correto Economicamente viável Socialmente justo Culturalmente aceito. ENERGIA SEGURANÇA ETE FIBRA-ÓTICA DADOS TELEFONIA PAVIMENTAÇÃO VIAS PROJETADAS GÁS ETA SINALIZAÇÃO EQUIP. URBANOS ACESSIBILIDADE

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

LOCALIZAÇÃO: PAVIMENTO TÉRREO IDENTIFICAÇÃO ÁREA (M 2 ) CAPACIDADE Auditório 367,23 406

LOCALIZAÇÃO: PAVIMENTO TÉRREO IDENTIFICAÇÃO ÁREA (M 2 ) CAPACIDADE Auditório 367,23 406 INFRA-ESTRUTURA FÍSICA E TECNOLÓGICA As salas de aula da FACULDADE BARRETOS estão aparelhadas para turmas de até 60 (sessenta) alunos, oferecendo todas as condições necessárias para possibilitar o melhor

Leia mais

1.3.2 Um ponto de água e esgoto e uma tomada 110V para instalação de purificador

1.3.2 Um ponto de água e esgoto e uma tomada 110V para instalação de purificador Anexo I Chamamento Público 01/2014 1 Espaço A. Destinação Almoxarifado: armazenamento útil mínimo de 1.000m², divididos da seguinte forma: 1.1 Área de armazenagem 87% (mínimo de 870m²) 1.1.1 Sala administrativa

Leia mais

1ª MARATONA DE PROJETOS ATELIÊ VERTICAL PROF. LUCIANO ARRUSSUL

1ª MARATONA DE PROJETOS ATELIÊ VERTICAL PROF. LUCIANO ARRUSSUL Programa de necessidades e pré-dimensionamento SETORES: -Administrativo - Artístico - Técnico - Público e de Convivência Programa de necessidades e pré-dimensionamento Setor Administrativo Ambiente Descrição

Leia mais

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO Atualmente a FIBRA encontra-se em novas instalações contando com 33 salas de aula climatizadas, com instalações de equipamentos de multimídia, auditório climatizado com

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE RESOLUÇÃO COPLAN Nº 001/2012 O Coordenador do COPLAN/ALTO VALE, no exercício de suas atribuições e, atendendo a deliberação ocorrida na reunião ordinária do dia 07/12/2011, resolve: Art. 1º Fica aprovado,

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

ELEGANTE & SOFISTICADA COMO SUA CASA

ELEGANTE & SOFISTICADA COMO SUA CASA A Casa Tua inaugura na região de Nova Lima um conceito inovador e atual de espaço para eventos. Aliando sofisticação à tecnologia, sua construção foi feita a partir de uma ampla pesquisa sobre o que existe

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO NOVO MUNDO EMPRESARIAL - RESERVA DO PAIVA

MEMORIAL DESCRITIVO NOVO MUNDO EMPRESARIAL - RESERVA DO PAIVA MEMORIAL DESCRITIVO NOVO MUNDO EMPRESARIAL - RESERVA DO PAIVA O empreendimento imobiliário NOVO MUNDO EMPRESARIAL, a ser implantado na Reserva do Paiva, à Avenida A, Quadra F-1, Lote 4A2, Praia do Paiva,

Leia mais

NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO

NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO 24.1 Instalações Sanitárias 24.1.1 Todo estabelecimento deve ser dotado de instalações sanitárias, constituídas por vasos sanitários,

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS I IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome: Endereço: AP: Nome Fantasia: Inscrição Municipal: Nº do Processo: CNPJ: Tipo de Serviço: ( ) Municipal ( ) Filantrópico ( ) Conveniado SUS RJ ( ) Privado ( ) Estadual

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Título do Projeto: Reforma e Ampliação das Promotorias de Justiça de Direitos Constitucionais e Patrimônio Público e Promotorias de Justiça de Ações Constitucionais

Leia mais

As instalações físicas encontram-se detalhadas no quadro seguinte. QUADRO DE INSTALAÇÕES FÍSICAS

As instalações físicas encontram-se detalhadas no quadro seguinte. QUADRO DE INSTALAÇÕES FÍSICAS As instalações físicas encontramse detalhadas no quadro seguinte. QUADRO DE INSTALAÇÕES FÍSICAS ESPAÇO FÍSICO QUANTIDADES GERAL FACULDADE ÁREA M 2 Salas de aula, medindo cada uma, 69, com um quadro branco,

Leia mais

DIAGNOSTICO DE DEMANDAS E NECESSIDADES Versão reduzida

DIAGNOSTICO DE DEMANDAS E NECESSIDADES Versão reduzida Ministério da Justiça CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA DIAGNOSTICO DE DEMANDAS E NECESSIDADES Versão reduzida 1. CONTEXTO E PROPÓSITO Em outubro de 2011, foi aprovado pelo Congresso Nacional

Leia mais

EDIFÍCIO AFONSO PENA 2300

EDIFÍCIO AFONSO PENA 2300 EDIFÍCIO AFONSO PENA 2300 BELO HORIZONTE MG Apresentação: Condomínio Edifício Afonso Pena, 2.300 Endereço: Afonso Pena, 2.300 Bairro: Centro Esquina com Rio Grande do Norte Belo Horizonte BH Localização:

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÕES LOCAÇÃO DE IMÓVEL UNIDADE REGIONAL BAHIA

CADERNO DE ORIENTAÇÕES LOCAÇÃO DE IMÓVEL UNIDADE REGIONAL BAHIA LOCAÇÃO DE IMÓVEL UNIDADE REGIONAL BAHIA Dezembro de 2013 SUMÁRIO 1. OBJETO... 3 2. GENERALIDADES... 3 3. DO EDIFÍCIO... 4 4. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, ELETRÔNICAS, DADOS E VOZ... 4 5. INSTALAÇÕES DE REFRIGERAÇÃO...

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico EIXO TECNOLÓGICO: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico EIXO TECNOLÓGICO: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS Padronização do tipo e quantidade necessária de instalações e equipamentos dos laboratórios das habilitações profissionais EIXO TECNOLÓGICO: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICO

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

Dados do Produto. Ar Condicionado: ponto dreno + carga elétrica (sala e dormitório)

Dados do Produto. Ar Condicionado: ponto dreno + carga elétrica (sala e dormitório) FICHA TÉCNICA Projeto Arquitetônico: Gkalili Arquitetura Design de Fachada: Triptyque Arquitetura Projeto Paisagístico: EKF Arquitetura paisagística Projeto Decoração: Triptyque Arquitetura Dados do Produto

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Projeto executivo para construção do prédio das Promotorias da Infância e Juventude. 2. OBJETIVOS O presente Termo de Referência tem como objetivo nortear a contratação

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

F) 13.392.0168.2650.0001 - Funcionamento de Bibliotecas da União

F) 13.392.0168.2650.0001 - Funcionamento de Bibliotecas da União Brasileira I Vol. de vários autores; Brasileira II Vol. de vários autores; Brasileira III Vol. de vários autores; Brasileira IV Vol. de vários autores; Brasileira V Vol. de vários autores; Editions du

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS CONSTRUÇÕES (ÁREAS CONSTRUÍDAS) NO IFSULDEMINAS CÂMPUS MACHADO Término Nº de

DESCRIÇÃO DAS CONSTRUÇÕES (ÁREAS CONSTRUÍDAS) NO IFSULDEMINAS CÂMPUS MACHADO Término Nº de DESCRIÇÃO DAS CONSTRUÇÕES (ÁREAS CONSTRUÍDAS) NO IFSULDEMINAS CÂMPUS MACHADO Término Nº de Área Valor da Obra Valor do M² Nome da Obra Início da Obra Programado Obras Construída M² R$ R$ da Obra Descrição

Leia mais

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade 1. Conceito/objetivo do produto: O relatório destina-se a informar e orientar as condições de acesso e utilização de equipamentos e instalações

Leia mais

Soluções sustentáveis para a vida.

Soluções sustentáveis para a vida. Soluções sustentáveis para a vida. A Ecoservice Uma empresa brasileira que está constantemente em busca de recursos e tecnologias sustentáveis para oferecer aos seus clientes, pessoas que têm como conceito

Leia mais

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC PLANO DE OUTORGA ANEXO V CADERNO DE ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES E APARELHAMENTO Abril/2014 Sumário

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES 1. GENERALIDADES Este documento tem por objetivo fornecer aos interessados no Chamamento Público as especificações básicas que deverão ser seguidas para o atendimento deste objeto.

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS O canteiro de obras Introdução Sistema de produção Em muitos casos de obras de construção e montagem o canteiro de obras pode ser comparado a uma fábrica

Leia mais

18.4. Áreas de vivência

18.4. Áreas de vivência 18.4. Áreas de vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; (118.015-0 / I4) b) vestiário; (118.016-9 / I4) c) alojamento; (118.017-7 / I4) d) local de refeições;

Leia mais

CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES

CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES Ilustração artística da portaria Rua Atilio Biscuola, nº 1.831 - Louveira - SP - Brasil 23 05 09.00 S 46 58 10.00 O SÃO PAULO DHL RODOVIA ANHANGUERA KM 72 Por que

Leia mais

Paulista Corporate Avenida Paulista, nº 1.636 São Paulo - SP

Paulista Corporate Avenida Paulista, nº 1.636 São Paulo - SP Paulista Corporate Avenida Paulista, nº 1.636 São Paulo - SP Outubro, 2009 Versão Final A. DESCRIÇÃO DO PROJETO Este memorial trata da descrição e especificação básica dos elementos que deverão compor

Leia mais

Centro POP Infraestrutura

Centro POP Infraestrutura CENTRO POP Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua Centro POP Infraestrutura Onde deve ser localizado o Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua

Leia mais

Termo de Referência. Anexo A DESCRIÇÃO FÍSICA CARACTERÍSTICAS DO EQUIPAMENTO

Termo de Referência. Anexo A DESCRIÇÃO FÍSICA CARACTERÍSTICAS DO EQUIPAMENTO Termo de Referência Anexo A DESCRIÇÃO FÍSICA CARACTERÍSTICAS DO EQUIPAMENTO A. Arena Carioca da Penha e seu entorno O edifício principal, em forma de hexágono com 15m em cada lado possui 1.083 m 2 de área

Leia mais

ANEXO II AO DECRETO Nº 14.612 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS GERAIS DE DESENHO DO MOBILIÁRIO URBANO A SER IMPLANTADO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE

ANEXO II AO DECRETO Nº 14.612 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS GERAIS DE DESENHO DO MOBILIÁRIO URBANO A SER IMPLANTADO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE ANEXO II AO DECRETO Nº 14.612 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS GERAIS DE DESENHO DO MOBILIÁRIO URBANO A SER IMPLANTADO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE 1.1. ASPECTOS FUNCIONAIS a) Facilidade de identificação e utilização

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 - Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 - Risco de incêndio 3 - Símbolos 9 - Fatores de segurança

Leia mais

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ Agosto/2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA

Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA Junho 2014 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO Pg. 03 2. OBJETO Pg. 03 3. ESCOPO DOS PRODUTOS E SERVIÇOS Pg. 03 4. DIRETRIZES PARA

Leia mais

Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia

Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia Há 25 anos, a Engepred associa o conhecimento sobre o mercado imobiliário à experiência de promover o melhor funcionamento de shoppings centers, prédios

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.4 Áreas de Vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; b) vestiário; c) alojamento; d)

Leia mais

Levantamento Fotográfico

Levantamento Fotográfico LEVANTAMENTO FOTOGRÁFICO 1 PRÉDIO SEDE Este levantamento fotográfico tem por objetivo mostrar aos arquitetos participantes do concurso ambientes do Prédio Sede de interesse para o projeto. As instalações

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho, a BENCKEARQUITETURA, juntamente com a BENCKECONSTRUÇÕES,

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Exemplos de projetos e políticas públicas

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Exemplos de projetos e políticas públicas MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Exemplos de projetos e políticas públicas Pegada ecológica Imagem: Jornal Bahianorte Evolução da Pegada Ecológica Imagem: miriamsalles.info Nosso padrão de produção Imagem:

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 35/2011 Túnel rodoviário SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

NR 18 NR 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (118.000-2)

NR 18 NR 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (118.000-2) NR 18 NR 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (118.000-2) Resumo da NR 18 para áreas de vivência 18.1. Objetivo e campo de aplicação. 18.1.1. Esta Norma Regulamentadora NR

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VENÂNCIO AIRES -RS

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VENÂNCIO AIRES -RS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VENÂNCIO AIRES -RS PARECER Nº 14/2004 A APROVADO EM : 15 de dezembro de 2004 I ASSUNTO:Solicitação da autorização de funcionamento da Escola de Educação Infantil Ursinho

Leia mais

ANEXO I CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO I CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1 ANEXO I CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS EDITAL DO PREGÃO AMPLO Nº 008/2010-ER05-Anatel PROCESSO Nº 53528.001004/2010 Projeto Executivo e Estudos de Adequação da nova Sala de Servidores da rede de

Leia mais

Você avaliou a FACI melhorou!

Você avaliou a FACI melhorou! RESULTADOS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Pontos Fracos apontados pelo Corpo Docente e Discente. 1. Estrutura física da Biblioteca; 2. Grau de qualidade da comunicação interna da Instituição; 3.

Leia mais

ANEXO 5. Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária

ANEXO 5. Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária ANEXO 5 Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária 1 Os SERVIÇOS de que trata este Anexo deverão ser prestados no âmbito do SETOR OPERACIONAL DAS ESTAÇÕES e dos EMPREENDIMENTOS ASSOCIADOS.

Leia mais

LOCAL DO EVENTO: Prática Eventos. Brilhante Eventos I INFORMAÇÕES GERAIS ATENDIMENTO AO EXPOSITOR MONTADORA OFICIAL

LOCAL DO EVENTO: Prática Eventos. Brilhante Eventos I INFORMAÇÕES GERAIS ATENDIMENTO AO EXPOSITOR MONTADORA OFICIAL MANUAL DO EXPOSITOR I INFORMAÇÕES GERAIS LOCAL DO EVENTO: Fábrica de Negócios Hotel Praia Centro Av. Monsenhor Tabosa, 740, Bairro Praia de Iracema, CEP:60165-010 Fortaleza-CE ATENDIMENTO AO EXPOSITOR

Leia mais

ICH ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO FISICO

ICH ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO FISICO ICH ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO FISICO SUMÁRIO I. Gabinetes para professores...3 II. Núcleos de pesquisa...3 III. Laboratórios...4 IV. Espaços coletivos outras atividades...8 V. Espaço administrativo...9 VI.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Construção de Prédios no Campus V- Divinópolis-MG. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

MEMORIAL DESCRITIVO. Construção de Prédios no Campus V- Divinópolis-MG. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais MEMORIAL DESCRITIVO Construção de Prédios no Campus V- Divinópolis-MG Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais Fevereiro/2007 INTRODUÇÃO O objetivo deste documento é complementar as informações

Leia mais

WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho

WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho Tel. 98202-0143 (celular) / 3853-0734 (residencial) E-mail: hartog.william@yahoo.com.br Objetivo Síndico Profissional Formação Acadêmica Graduação: Administração

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

Automação para desempenho ambiental e desenho universal

Automação para desempenho ambiental e desenho universal Automação para desempenho ambiental e desenho universal 58 pontos providos por sistemas de e equipamentos periféricos Eng. Gabriel Peixoto G. U. e Silva Selos verdes AQUA (selo francês HQE) Alta Qualidade

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS 1 OBJETIVO Revisão 00 fev/2014 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Pró-Reitoria de Planejamento, Desenvolvimento e Finanças Orçamento Participativo 2014

Universidade Federal do Rio de Janeiro Pró-Reitoria de Planejamento, Desenvolvimento e Finanças Orçamento Participativo 2014 Formulário 01 - Previsão de Demandas DESPESAS DE CUSTEIO 1.465.000 Cód. Despesa Auxílio Financeiro a Estudante 3.3.90.18 Ajuda de custo para participação em apresentações, congressos e seminários 3.3.90.18

Leia mais

CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES

CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES PRÉVIA Ilustração artística da portaria Rua dos Tucanos, 630 - Carapicuíba - SP - Brasil 23 33 37.00 S 46 49 17.00 O Por que Rodoanel? O Rodoanel Mário Covas, depois

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO LABORATÓRIO DE AUTOMAÇÃO EM PETRÓLEO LAUT

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO LABORATÓRIO DE AUTOMAÇÃO EM PETRÓLEO LAUT NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO LABORATÓRIO DE AUTOMAÇÃO EM PETRÓLEO LAUT 1- INTRODUÇÃO O Laboratório de Automação em Petróleo (LAUT) tem o propósito de abrigar pesquisas na área desenvolvidas pela UFRN em

Leia mais

Plano de Utilização do Acervo e Acessos

Plano de Utilização do Acervo e Acessos FACULDADE DE RONDÔNIA INSTITUTO JOÃO NEÓRICO Plano de Utilização do Acervo e Acessos SUMÁRIO 1 OBJETIVO GERAL...2 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS...2 3. ABRANGÊNCIA...2 4. BIBLIOTECA...2 4.1 Espaço Físico...4

Leia mais

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA LOCAÇÃO DE IMÓVEL Nº 001/2015

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA LOCAÇÃO DE IMÓVEL Nº 001/2015 Página 1 de 5 EDITAL DE CHAMAMENTO A COMPANHIA POTIGUAR DE GÁS (POTIGÁS), por intermédio da sua Diretoria Executiva, na forma das disposições contidas no artigo 24, inciso X, da Lei 8.666/93 e alterações

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD

ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD Institui e regulamenta o Programa de Uso Racional de Água e Energia Elétrica no âmbito da UFCSPA. O PRÓ-REITOR DE ADMINISTRAÇÃO DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE

Leia mais

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental Eco Houses / Casas ecológicas Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental IDHEA - INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA HABITAÇÃO ECOLÓGICA Conceito:

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ACABAMENTOS PROPRIETÁRIO DATA: 03/08/2012 VERSÃO: 03 ÍNDICE 1- DESCRIÇÃO DOS ACABAMENTOS DAS UNIDADES... 3 1.1. CONJUNTOS DO PAVIMENTO TIPO (5 AO 13 )...

Leia mais

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS 1. Identificação do Estabelecimento Razão Social: Nome Fantasia: CNPJ: Endereço: Bairro: Município: CEP: Fone: Fax: E-mail: Responsável Legal: CPF: Responsável Técnico: CPF: CR : 2. Inspeção Data: Objetivo:

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Automação Predial

SISTEMAS PREDIAIS II. Automação Predial PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Automação Predial Serviços dos Edifícios HIDRÁULICOS Água Fria; Água Gelada; Água Quente; Sistemas de Aquecimento (solar etc.); Esgotos Sanitários; Águas Pluviais; Drenagem

Leia mais

Pontos consumo de vapor (economia linhas alta pressão) Almoxarifado Administração Unidade recreativa (gases de combustão) Caldeira

Pontos consumo de vapor (economia linhas alta pressão) Almoxarifado Administração Unidade recreativa (gases de combustão) Caldeira Interligação das Unidades O estudo do arranjo físico das edi cações de uma indústria gera a Planta de Locação, relacionando as várias unidades de produção entre si e vinculandoas demais unidades auxiliares,

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES 1 OBJETIVOS DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A proteção da vida humana A proteção do patrimônio A continuidade do processo produtivo 2 O CÍRCULO DE PROTEÇÃO

Leia mais

ECV 5644 Instalações II

ECV 5644 Instalações II SISTEMA DE GÁS CENTRALIZADO Fonte: ETFSC Este Sistema também é conhecido como SISTEMA DE GÁS COMBUSTIVEL CENTRALIZADO, é constituído basicamente das seguintes instalações: 1. Central de Gás (Central de

Leia mais

Arranjo Unidades Físico Típicas de Indústria. Unidades de Produção e Instalações Auxiliares

Arranjo Unidades Físico Típicas de Indústria. Unidades de Produção e Instalações Auxiliares O cina de Manutenção A localização deve obedecer os seguintes princípios: - Proximidade das unidades de maior concentração de equipamentos e das instalações sujeitas a manutenção mais freqüente; - Proximidade

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

Memorial Descritivo. Montreal Plaza

Memorial Descritivo. Montreal Plaza Memorial Descritivo Montreal Plaza MEMORIAL DESCRITIVO MONTREAL PLAZA A - INSTALAÇÕES PREDIAIS 1. SISTEMA AUXILIAR DE ENERGIA (GERADOR) Instalação de um grupo de geradores para atender: Área comum: Recepção,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VENÂNCIO AIRES-RS

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VENÂNCIO AIRES-RS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VENÂNCIO AIRES-RS PARECER Nº 07/04 APROVADO EM: 15/12/2004 I- ASSUNTO: Solicitação de autorização de funcionamento da 8ª série da Escola Municipal de Ensino Fundamental Alfredo

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA AS INSTALAÇÕES DA GARAGEM

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA AS INSTALAÇÕES DA GARAGEM PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA CONCORRÊNCIA CONCESSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO EDITAL DE CONCORRÊNCIA

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA.

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. O presente trabalho é resultado de um consenso estabelecido

Leia mais

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente Documentos formam a grande massa de conhecimentos de uma organização seja ela privada ou pública, esses documentos em sua maioria são parte do seu patrimônio. A Gestão

Leia mais

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm Page 1 of 5 20.1 Líquidos combustíveis. NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis (120.000-3) 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele

Leia mais

COMPLEXO. Previsão Torres Residenciais. Previsão Torre Comercial Fase 2. Shopping IGUATEMI Previsão Hotel. Torre Comercial Fase 1 BR 153

COMPLEXO. Previsão Torres Residenciais. Previsão Torre Comercial Fase 2. Shopping IGUATEMI Previsão Hotel. Torre Comercial Fase 1 BR 153 CADERNO TÉCNICO COMPLEXO Previsão Torres Residenciais Previsão Torre Comercial Fase 2 Torre Comercial Fase 1 Shopping IGUATEMI Previsão Hotel BR 153 Marginal BR 153 Imagem preliminar do complexo Iguatemi

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 19 DE MARÇO DE 2009.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 19 DE MARÇO DE 2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 19 DE MARÇO DE 2009. Regulamenta o dimensionamento padrão das áreas e o arranjo físico dos ambientes das Unidades da Agência Nacional de Aviação Civil ANAC. A DIRETORA-PRESIDENTE

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

TABELA A DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE

TABELA A DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 20.1 Líquidos combustíveis. 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica

Leia mais

Núcleo de Coordenação de Bibliotecas - NCB. Relatório Biblioteca Penha Shopping

Núcleo de Coordenação de Bibliotecas - NCB. Relatório Biblioteca Penha Shopping Núcleo de Coordenação de Bibliotecas - NCB Relatório Biblioteca Penha Shopping 2015 SUMÁRIO 1 SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS - SIBi... 02 2 NÚCLEO DE COORDENAÇÃO DE BIBLIOTECAS - NCB... 02 3 UNIDADE

Leia mais

O que é Canteiro de Obras?

O que é Canteiro de Obras? O que é Canteiro de Obras? Sistema complexo, com muitos riscos associados Análise prévia e criteriosa de sua implantação Qualidade Produtividade Segurança Cartão de visita da obra!!! O que é Canteiro

Leia mais

ROTEIRO PARA SOLICITAÇÃO DE PARECER EM LEIAUTE E FLUXOGRAMA SETOR DE ALIMENTOS

ROTEIRO PARA SOLICITAÇÃO DE PARECER EM LEIAUTE E FLUXOGRAMA SETOR DE ALIMENTOS ROTEIRO PARA SOLICITAÇÃO DE PARECER EM LEIAUTE E FLUXOGRAMA SETOR DE ALIMENTOS Este roteiro só se aplica aos estabelecimentos não obrigados a aprovação de projeto arquitetônico na Vigilância Sanitária

Leia mais

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1/8 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO AMAPÁ DIVISÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS 1. Normas de referência: NBR 10.897-ABNT 1.1. Outras normas: 2. Nome

Leia mais

Viamprom Construções Ltda. (Sociedade de Propósito Específico SPE). Tetto Empreendimentos Imobiliário e Paulo Baeta Empreendimentos.

Viamprom Construções Ltda. (Sociedade de Propósito Específico SPE). Tetto Empreendimentos Imobiliário e Paulo Baeta Empreendimentos. 1) Incorporação: Viamprom Construções Ltda. (Sociedade de Propósito Específico SPE). 2) Autoria dos Projetos: Crosara Arquitetura e Consultoria Ltda. CREA nº 7950/RF-DF 3) Planejamento e Vendas: Tetto

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

MEMORIAL DE REQUISITOS CONSTRUTIVOS PARA PROJETO DE CONCESSÃO DE ÁREA PARA HOTEL NO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO LUIS (MA) - SBSL

MEMORIAL DE REQUISITOS CONSTRUTIVOS PARA PROJETO DE CONCESSÃO DE ÁREA PARA HOTEL NO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO LUIS (MA) - SBSL MEMORIAL DE REQUISITOS CONSTRUTIVOS PARA PROJETO DE CONCESSÃO DE ÁREA PARA HOTEL NO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO LUIS (MA) - SBSL 1. DIMENSIONAMENTO E CLASSIFICAÇÕES 1.1 Área do terreno: 7.528,02m² (sete

Leia mais

MODERNIZE SUA PLANTA FABRIL. Máquinas e equipamentos mais modernos são mais eficientes e consomem menos energia.

MODERNIZE SUA PLANTA FABRIL. Máquinas e equipamentos mais modernos são mais eficientes e consomem menos energia. 1 REALIZE UM DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO para identificar todas as oportunidades existentes, avaliar a viabilidade, determinar as prioridades e montar um programa para sua implementação 2 MODERNIZE SUA PLANTA

Leia mais

PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000

PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000 PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000 Aprova Norma Técnica que estabelece as características de localização, construtivas e os procedimentos para uso do abrigo externo de armazenamento de

Leia mais

Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE. Plano de Metas EP+20 +5. O O que diz a AGENDA AMBIENTAL. Reaproveitamento de águas de chuva METAS:

Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE. Plano de Metas EP+20 +5. O O que diz a AGENDA AMBIENTAL. Reaproveitamento de águas de chuva METAS: Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE Plano de Metas EP+20 +5 O O que diz a AGENDA AMBIENTAL ÁGUA Reaproveitamento de águas de chuva Tratamento de águas cinzas Fitodepuração do Rio Rainha 1.

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

MANUAL DA EXPOSITORA Informações e Regulamento Geral para Expositoras e Montadoras

MANUAL DA EXPOSITORA Informações e Regulamento Geral para Expositoras e Montadoras MANUAL DA EXPOSITORA Informações e Regulamento Geral para Expositoras e Montadoras INFORMAÇÕES MONTADORA Rua Tenente Américo Moretti, 200 - CEP 04372-060 - São Paulo - SP Telefone: (11) 5671-2022 - Email:

Leia mais

NORMAS DE USO DE ESPAÇOS FÍSICOS DA UFCSPA

NORMAS DE USO DE ESPAÇOS FÍSICOS DA UFCSPA NORMAS DE USO DE ESPAÇOS FÍSICOS DA UFCSPA Art. 1º - Os espaços serão utilizados preferencialmente por atividades administrativas, de ensino, de extensão e de pesquisa da UFCSPA. 1º - O horário de realização

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República Casa Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000. Civil Regulamento Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade

Leia mais