ANEXO DO CONTRATO. Apêndice 3.3 do Anexo 3 ESPECIFICAÇÕES PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE RADIOLOGIA (PACS/RIS)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO DO CONTRATO. Apêndice 3.3 do Anexo 3 ESPECIFICAÇÕES PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE RADIOLOGIA (PACS/RIS)"

Transcrição

1 ANEXO DO CONTRATO Apêndice 3.3 d Anex 3 ESPECIFICAÇÕES PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE RADIOLOGIA (PACS/RIS) Dezembr

2 Apêndice 3.3 d Anex 3: Especificações para Sistema de Infrmaçã de Radilgia (PACS/RIS) Índice 1 Objet d Anex Descriçã ds Sistemas PACS/RIS Definições Nrmas e Padrões tecnlógics e de interperabilidade Prcess padrã de trabalh Mdel arquitetônic Arquitetura da sluçã Segurança da sluçã Gestã e administraçã da sluçã Perfil da dispnibilidade da Infrmaçã Atualizaçã d Serviç Requisits Funcinais Integraçã PACS / RIS Integraçã sistema de ditad e de recnheciment de vz Requisits de Licenciaments RequisitsTecnlógics Arquitetura tecnlógica PACS/RIS e Data Center Estações de diagnóstic Requisits mínims: estaçã de trabalh para diagnóstic (mamgrafia) Requisits mínims: estaçã de trabalh para diagnóstic (Rais X) Requisits mínims: estaçã de trabalh para diagnóstic (tmgrafia e ressnância) Apêndice 3.3 d Anex 3 Especificações para Sistema de Infrmaçã de Radilgia (PACS/RIS) 2

3 4.3 Dtaçã de terminais de acess paramédics da SESAB Requisits mínims ds terminais de acess as médics da SESAB Rede de Cmunicações Externa (Wide Area Netwrk) Redes de Cmunicações internas (Lcal Area Netwrk) Rede de cmunicações d Serviç de Biimagem Rede de cmunicações d hspital e terminais de acess para médics da SESAB Requisits de Manutençã e Suprte Requisits para registr da atividade e mnitrament d desempenh Plan de Implantaçã ds Sistemas e Tecnlgias de Infrmaçã e Cmunicaçã Plan de Frmaçã para s Sistemas de Infrmaçã Requisits de Certificaçã Apêndice 3.3 d Anex 3 Especificações para Sistema de Infrmaçã de Radilgia (PACS/RIS) 3

4 1 Objet d Anex O presente Anex cntem s requisits técnics e funcinais relativs à infraestrutura tecnlógica que servirá de suprte as Serviçs de Api a Diagnóstic pr Imagem. N cumpriment de suas brigações cntratuais, caberá à Cncessinária, n mínim, as seguintes prvidências e atividades relacinadas a Sistema de Infrmaçã de Radilgia e Sistema de Cmunicaçã e Arquivament de Imagens (PACS/RIS): Prprcinar a infraestrutura tecnlógica necessária para peracinalizar s sistemas de infrmática d serviç, que englba: A instalaçã e cnfiguraçã da rede de cmunicações interna de cada Unidade Hspitalar (UH); A rede de cmunicações externa entre as UH e a Central de Imagem e pr sua vez entre esta e Centr de Prcessament de Dads (CPD) nde estiverem aljads s servidres e s sistemas de armazenament; O CPD e s serviçs a ele assciads, de maneira a aclher a infraestrutura de servidres e de armazenagem. Os servidres necessáris a serem instalads ns Setres de Biimagem de cada uma das Unidades Hspitalares (UH) e na Central de Imagem, assim cm s servidres centrais para instalaçã das aplicações infrmáticas e respectiv armazenament de dads; Os sistemas de armazenagem das imagens; Os terminais de acess para s médics radilgistas e s médics da SESAB a serem instalads em cada Unidade Hspitalar (UH); A pssibilidade de acessar a sistema de marcaçã de exames pelas Centrais de Regulaçã. Prprcinar s serviçs de manutençã e suprte ds sistemas de infrmaçã e infraestrutura tecnlógica assciada, que englba: A manutençã e suprte das aplicações infrmáticas (PACS/RIS) e da infraestrutura tecnlógica assciada (help desk em prtuguês de níveis 0, 1 e 2); A administraçã das aplicações, ds sistemas peracinais e das bases de dads necessárias; A gestã e mnitrament das redes de cmunicações internas e externas; A gestã da segurança, backups e plan de cntingências. Prprcinar as licenças necessárias para PACS/RIS 1 ; Prprcinar as licenças para tds s sistemas peracinais necessáris e respectivas bases de dads; 1 Radilgy Infrmatin Systems/ Picture Archiving and Cmmunicatin Systems Apêndice 3.3 d Anex 3 Especificações para Sistema de Infrmaçã de Radilgia (PACS/RIS) 4

5 Efetuar as custmizações necessárias n sistema PACS/RIS de frma a dispnibilizar a adequada infrmaçã de suprte as indicadres de desempenh d Apêndice 4.1 d Anex 4. Assegurar a cada 3 ans a atualizaçã da versã de PACS/RIS implantada, garantind a sua evluçã tecnlógica; Prprcinar s serviçs prfissinais necessáris para a implantaçã e a frmaçã as prfissinais. Prprcinar a estrutura necessária para a integraçã d sistema PACS/RIS a equipament de Rais X Fix também ns Hspitais Rbert Sants e Hspital Geral d Estad, cuja realizaçã de exames e equipament sã de respnsabilidade da SESAB. Apêndice 3.3 d Anex 3 Especificações para Sistema de Infrmaçã de Radilgia (PACS/RIS) 5

6 2 Descriçã ds Sistemas PACS/RIS 2.1 Definições O RIS cnsiste em um banc de dads cmputadrizad, utilizad pels departaments de radilgia para armazenar, manipular e distribuir s dads d Cliente e imagens radilógicas, assim cm facilitar a gestã e a carga de trabalh ds prfissinais d Serviç de Api a Diagnóstic pr Imagem e a gestã ds equipaments das diferentes mdalidades. O PACS suprta pós-prcessament, distribuiçã e armazenament de imagens btidas a partir das mdalidades da Biimagem. A transmissã e armazenament, na mair parte ds sistemas, é feit pr mei de padrã de cmunicaçã de imagens digitais em medicina - DICOM e a cmunicaçã entre servidres é via prtcl HL Nrmas e Padrões tecnlógics e de interperabilidade Os sistemas a implantar deverã ter em cnsideraçã, cm mínim, s seguintes princípis: Os sistemas PACS/RIS a serem frnecids deverã respeitar tdas as nrmas internacinais vigentes e s padrões atuais na área da tecnlgia da saúde, cm prtcl Digital Imaging and Cmmunicatins in Medicine DICOM 3.0, SCP, MWLP, query retrieve; linguagem HL7; perfis IHE; CCOW, entre utrs; Os padrões deverã ser baseads em uma arquitetura aberta, u seja, que permita a integraçã cm utrs sistemas e a flexibilidade para um cresciment futur. Estes padrões deverã ser independentes em relaçã às marcas ds equipaments adquirids u utilizads pela Cncessinária. Tds s sftwares ds eventuais servidres, clientes e bases de dads a serem instalads deverã estar certificads e cm suprte garantid pels fabricantes. 2.3 Prcess padrã de trabalh O mdel d sistema PACS/RIS tem pr bjet garantir a realizaçã, de frma ttalmente integrada, de td prcess de diagnóstic, desde a prescriçã ds exames até a dispnibilizaçã d laud. Neste sentid, sistema deverá prprcinar as funcinalidades necessárias para que a prescriçã se realize de frma infrmatizada e para que, uma vez realizad laud, este, assim cm as respectivas imagens, pssam estar dispníveis para cnsulta. Tds s prcesss d Serviç de Api a Diagnóstic pr Imagem 2 Health Level Seven internatinal standard fr interperability Apêndice 3.3 d Anex 3 Especificações para Sistema de Infrmaçã de Radilgia (PACS/RIS) 6

7 cmpreendids n Cntrat deverã ser suprtads pel sistema PACS/RIS, a partir de sua implantaçã integral e Operaçã Plena. A títul de exempl, se descreve um prcess padrã. 1. O médic realiza a slicitaçã d exame n PACS/RIS 3. O exame é realizad e enviad a PACS 8. O laud é acessad e cnsultad (assim cm a imagem)através d PACS/RIS 2. É criada a rdem de trabalh n RIS, e esta é enviada à mdalidade de imagem 4. A imagem é arquivada n PACS e a lista de trabalh ds Radilgistas é atualizada 7. O laud é arquivad 5. O Radilgista analisa a imagem n PACS e realiza laud n RIS 6. A lista de trabalh d Radilgista é atualizada Apêndice 3.3 d Anex 3 Especificações para Sistema de Infrmaçã de Radilgia (PACS/RIS) 7

8 2.4 Mdel arquitetônic O Sistema de Infrmaçã de Radilgia e Sistema de Cmunicaçã e Arquivament de Imagens (PACS/RIS) a ser implantad deverá estar basead em uma arquitetura em rede, cm bjetiv de facilitar: O acess às imagens a partir de qualquer UH e da Central de Imagem, independentemente da data em que tenham sid realizads, a partir da peracinalizaçã d sistema; O acess as lauds a partir de qualquer UH e da Central de Imagem, independentemente da data em que tenham sid realizads, a partir da peracinalizaçã d sistema; e O prcess de dispnibilizaçã ds exames e lauds para distribuiçã, independentemente d lcal nde tiverem sid prduzids. Desta frma, a Cncessinária deverá prprcinar tda a infraestrutura tecnlógica necessária, incluind, n mínim, seguinte: Infraestrutura tecnlógica d setr de imagem de cada UH e na Central de Imagem : terminais de acess,estações de diagnóstic, rede de cmunicações, servidres lcais de armazenament (em funçã d mdel de serviç definid) e gestã de dads; Infraestrutura centralizada de armazenament e gestã de dads; CPD e serviçs de gestã assciads; e Rede de cmunicações de alta dispnibilidade, redundante, entre as UH e a Central de Imagem e CPD. A títul de exempl, esquematicamente a arquitetura pderá ser a seguinte: Legenda: Link principal Link de backup CI Central de Imagem HGESF- Hspital Geral Ernest Simões Filh HGC - Hspital Geral de Camaçari HGMF - Hspital Geral Menandr de Faria HEOM- Hspital Especializad Octávi Mangabeira ICOM - Institut Cut Maia HRG - Hspital Reginal Guanambi HGVC -Hspital Geral Vitória da Cnquista HGRS - Hspital Geral Rbert Sants HGPV - Hspital Geral Prad Valadares HGLVF - Hspital Geral Luiz Viana Filh HGE -Hspital Geral d Estad CICAN - Centr Estadual de Onclgia CPD - Centr de Prcessament de Dads Apêndice 3.3 d Anex 3 Especificações para Sistema de Infrmaçã de Radilgia (PACS/RIS) 8

9 2.4.1 Arquitetura da sluçã A arquitetura da sluçã deverá cntemplar, n mínim, as seguintes características: A arquitetura deverá ser web-enabled e service riented, de frma a se adaptar às ligações existentes e às necessidades futuras; A integraçã entre RIS e PACS deverá ser ttal, garantind a cnsistência entre as diferentes bases de dads; Tds s equipaments deverã suprtar cnectividade via TCP/IP Segurança da sluçã A Cncessinária deverá cntemplar tds s mecanisms de segurança (https, SSL, certificads digitais, entre utrs), assim cm garantir diferentes acesss à sluçã, cnsante perfil d usuári Gestã e administraçã da sluçã A sluçã deverá cntemplar, n mínim: Um módul de gestã e administraçã d sistema pr acess remt, assim cm ferramentas para atualizaçã e distribuiçã d sftware cliente, eliminand a necessidade de instalaçã lcal de sftware para cada pnt de visualizaçã; Sftware de mnitrament para detecçã precce e avis de falhas, integrável cm ferramentas de ntificaçã (mnitrizaçã d prcess batch, mnitrament da cnectividade e desempenh da rede, mnitrament a nível ds events d sistema em servidr e strage, entre utrs) Perfil da dispnibilidade da Infrmaçã A sluçã arquitetônica deverá cntemplar acess em temp real as lauds e imagens vinculads as clientes, cm até um an de btençã, a cntar da data de realizaçã d exame. O acess a imagens mais antigas nã é necessári realizar-se em temp real. 2.5 Atualizaçã d Serviç A Cncessinária deverá assegurar, a cada 3 ans, s updates e upgrades da sluçã PACS/RIS implantada, garantind a dispnibilizaçã das ultimas versões que se encntrem n mercad. Neste sentid a Cncessinária apresentará, n Plan de Implantaçã ds Sistemas e Tecnlgias de Infrmaçã e Cmunicaçã a ser aprvad pela SESAB, ns terms d Anex 10, um radmap cm a previsã de nvas versões e funcinalidades da sluçã apresentada. Este radmap será atualizad anualmente. Apêndice 3.3 d Anex 3 Especificações para Sistema de Infrmaçã de Radilgia (PACS/RIS) 9

10 3 Requisits Funcinais As funcinalidades mínimas a serem asseguradas pel sistema PACS/RIS sã as seguintes: O PACS/RIS deverá ser cnfigurad para atender às especificidades e necessidades ds distints grups prfissinais que irã utilizar sistema (médics radilgistas, técnics de radilgia, administrativs,secretárias e diretres); O sistema de infrmaçã de Radilgia deverá respnder às necessidades de tds s fluxs rganizativs d setr de Biimagem, incluind registr ds Clientes e cmpnente administrativ. O PACS/RIS deverá permitir efetuar a prescriçã ds exames de imagem, assim cm cnsultar s respectivs lauds. O PACS/RIS deverá cntemplar, n mínim, as seguintes características: Lginpr mei de username e passwrd, u de sistema de smartcards u sistema bimétric; Pssibilidade de cnfigurar temp de lgut autmátic; Ser ttalmente cmpatível cm prtcl de mensagens HL7; Permitir agendament de exames, garantind a gestã de cnflits de marcações; Permitir cntrle de cnsums de materiais; Persnalizar a lista de trabalh ds médics radilgistas e técnics de imagem; Dispr de ferramentas para recnstruçã 3D e avaliaçã de imagens de TC e RMN; Permitir a criaçã de recnstruções, visualizaçã padrã, blíqua curvilínea e recnstruçã crss-curved; Permitir navegaçã livre em temp real cm visualizaçã cm referência cruzada de lcalizaçã exibida (Axial, sagital, crnal, e blíqu); Dispr de várias técnicas de prjeçã: dentre as quais MIP, MPR e Escala de Cinzents; Permitir a manipulaçã de espessura de fatia para criar um mdel em 3D; Deverá ter Zm, visualizaçã 3D; Permitir a mediçã de distâncias/ ânguls, cm pssibilidade de adicinar ntas; Armazenar as recnstruções cm nvas séries de imagem; Permitir criar filmes de pós-prcessament 3D; Pssibilitar a gravaçã ds lauds incmplets quand da realizaçã d diagnóstic médic; Dispr de um editr de laud que permita a crreçã autmática de text cm dicinári em Prtuguês (Brasil), assim cm um dicinári clínic e médic para crreçã, verificaçã e explicaçã da terminlgia utilizada; Pssibilitar a criaçã e ediçã pel usuári de lauds padrões pr tip de exame; Permitir a pçã de slicitaçã de laud para s exames de Rais X; Apêndice 3.3 d Anex 3 Especificações para Sistema de Infrmaçã de Radilgia (PACS/RIS) 10

11 Pssibilitar a realizaçã de lauds pr mei de um sistema de recnheciment de vz integrad; Pssibilitar a criaçã de ntas, alertas, pp up s para cmunicaçã interna cm s usuáris d sistema; Permitir a assinatura eletrônica ds lauds, de acrd cm a legislaçã em vigr; Permitir a visualizaçã, pr mei d RIS, de tds s exames de históric d Cliente realizads a partir da implantaçã e peraçã d Sistema; Pssibilitar a agregaçã, em um mesm laud, de diferentes tips de exames de Biimagem; Realizar cnferências clínicas a partir d RIS, cm cmpartilhament de imagem ds exames pré-definids; Gravar cd e dvd de frma autmática. O cadastrament de usuáris deverá ser adequad as padrões e à base cadastral d Sistema d Cartã Nacinal de Saúde, de acrd a prtaria n 940, de 28 de abril de 2011, que Regulamenta Sistema Cartã Nacinal de Saúde (Sistema Cartã); Os padrões de interperabilidade deverã estar em cnsnância cm a prtaria nº 2.073, de 31 de agst de 2011, que regulamenta us de padrões de interperabilidade e infrmaçã em saúde para sistemas de infrmaçã em saúde n âmbit d Sistema Únic de Saúde, ns níveis Municipal, Distrital, Estadual e Federal, e para s sistemas privads e d setr de saúde suplementar. A sluçã PACS/RIS deverá pssuir um módul de análise e estatística (Business Intelligence), que incrpre, n mínim, indicadres gerais de atividade, de equipaments e financeirs, entre utrs. Sã exempls de listagens a serem dispnibilizadas: Lista de admissã de Clientes pr tiplgia; Lista de Clientes em espera; Lista de marcações canceladas, pr tiplgia; Lista de númer e tip de pedids pr exame; Lista de carga de trabalhs pr grup de prfissinais; Lista de temps médis de registr e a admissã; Lista de temps médis entre iníci e a finalizaçã d exame, e a emissã d laud; Lista de lauds realizads para exames de Rais X; Lista da atividade geradra de receita extrardinária (pr tiplgia de receita); Lista de material utilizad. O módul de análise deverá ainda permitir: Criar nvas listagens à medida d necessári (de acrd cm requisits a especificar); Criar listagens através de listas já existentes (drill dwn, pick & drp); Apêndice 3.3 d Anex 3 Especificações para Sistema de Infrmaçã de Radilgia (PACS/RIS) 11

12 Exprtar s resultads extraíds d módul de estatística, para diferentes frmats (excel, pdf, html, entre utrs); Dashbards cm infrmaçã em temp real. O PACS deverá integrar pels mens as mdalidades de Biimagem incluídas n escp d prjet (radilgia cnvencinal, mamgrafia, tmgrafia cmputrizada, ressnância), assim cm assegurar, n mínim, as seguintes funcinalidades: Aquisiçã de imagens em temp real, independentemente d frmat riginal; Visualizaçã imediata d exame, lg após a aquisiçã da imagem; Interface user friendly; Visualizaçã de dads ds Clientes e de imagens ds exames n mesm écran; Lgin através de username e passwrd, u de sistema de smartcards u sistema bimétric; Pssibilidade de cnfigurar temp de lgut autmátic; Pssibilidade de ambiente de trabalh persnalizad; Visualizaçã de múltipls exames em várias distribuições dentr d mesm écran; Pssibilidade de envi de imagens para impressra, apenas pr usuáris que tenham permissã para tal; Criaçã de ntas, medidas lineares e angulares, zm e pan sbre as imagens; Pssibilidade de exprtar as imagens em diferentes frmats (DICOM, Jpeg, Bmp, entre utrs); Pssibilidade de rganizar e visualizar s exames priritáris; Capacidade de acess rápid a históric das imagens d Cliente; Dispr de filtrs avançads de busca para prcura de Clientes e de exames; Integraçã num únic pnt das imagens das diferentes mdalidades de exames. Pssibilidade de cnsultar as imagens pr parte ds médics que efetuaram as prescrições. 3.1 Integraçã PACS / RIS Os sistemas PACS e RIS devem estar integrads. Esta integraçã deverá garantir a melhr frma de dispnibilizar e visualizar a imagem clínica dependend d tip de exame realizad. Além diss, deverá ser assegurada uma integraçã a nível de desktp entre s dis sistemas, garantind que a sluçã cliente RIS e a estaçã de trabalh utilizem s mesms dispsitivs de hardware (muse e teclad). Apêndice 3.3 d Anex 3 Especificações para Sistema de Infrmaçã de Radilgia (PACS/RIS) 12

13 3.2 Integraçã sistema de ditad e de recnheciment de vz O sistema de recnheciment de vz facilita trabalh d radilgista, permitind gravar diretamente s lauds. O sistema PACS/RIS deverá permitir ditad e a realizaçã ds lauds, cm micrfnes digitais. Nesse sentid, sistema de recnheciment de vz e de ditad deverá: Ser em língua prtuguesa e ttalmente integrad n RIS; Permitir em simultâne a realizaçã de recnheciment d text e a intrduçã de nvs blcs de text; Permitir elabrar laud em backgrund para que este seja diretamente editad e visualizad pel clínic; Permitir as radilgistas gravar laud em versã incmpleta; Impssibilitar a realizaçã de alterações após a aprvaçã d laud; e Permitir adicinar adends a laud inicial. 3.3 Requisits de Licenciaments A Cncessinária terá que assegurar númer de licenças necessárias para a peracinalizaçã d sistema, tend pr base as funcinalidades mínimas exigidas. É da respnsabilidade da Cncessinária garantir licenciament para s médics das UH que realizem a prescriçã e cnsulta de lauds/imagens.deverã ser garantidas, n mínim, as seguintes licenças de usuári cncrrentes: Nº de licenças de usuári cncrrente = (1/3)*nº de médics (1 licença para cada 3 médics); Para este efeit, a Cncessinária deverá dimensinar númer de médics ptencialmente usuáris d sistema e submeter dimensinament à análise e aprvaçã d Pder Cncedente. A títul indicativ, pderá ser cnsultad Cadastr Nacinal de Estabeleciments de Saúde CNES (http://cnes.datasus.gv.br/), d Ministéri da Saúde). Estará incluíd n licenciament: Licenciament de sftware RIS; Licenciament de sftware PACS; Licenciament de Sftware de recnheciment de vz para prdutividade de especialistas; Licenciament de sftware de recnstruçã de imagens médicas certificad pr ANVISA; Licenciament para tds s sistemas perativs necessáris; Licenciament para as bases de dads necessárias; Outrs licenciaments que a Cncessinária cnsidere necessári para crret desempenh das sluções. Apêndice 3.3 d Anex 3 Especificações para Sistema de Infrmaçã de Radilgia (PACS/RIS) 13

14 4 RequisitsTecnlógics 4.1 Arquitetura tecnlógica PACS/RIS e Data Center A Cncessinária prprcinará tda a infraestrutura de hardware e armazenament para prestar serviç, tend em cnta: Os serviçs especificads para cada UH e vlume de atividade estimada; O mdel rganizacinal para a prestaçã ds Serviçs de Api a Diagnóstic pr imagem assumids pela Cncessinária; O nível de serviç esperad para a crreta prestaçã d serviç, cnfrme definid n Cntrat e em seus Anexs. O mdel arquitetônic basear-se-á em uma lógica central semidistribuída, cnstituída pr: Servidres PACS lcal (cache), para prcessament e armazenament temprári das imagens e captura de imagens das estações diagnóstic. Centr de Prcessament de Dads (CPD). O serviç de CPD inclui a infraestrutura e s serviçs de gestã, administraçã, peracinalizaçã e segurança. A Cncessinária pderá recrrer a recurss e tecnlgias existentes n mercad que certifiquem armazenament / prcessament ds dads, nã send brigatóri prviment de estrutura física própria à Cncessinária. O CPD deverá, n mínim, cumprir cm padrã Tier II e preferencialmente Tier III. O CPD terá de estar, n mínim, equipad cm s seguintes cmpnentes e equipaments: Servidres para prcessament d PACS; Servidres de recnstruçã de imagens médicas para recuperaçã e recnstruçã de imagens definids n padrã DICOM; Segurança lógica e física, elements da redundância de infraestruturas; Servidres de base de dads para centralizaçã das imagens e integraçã cm strage e backup para armazenament definitiv; Servidres de cntingência necessáris para replicar s aplicativs de prcessament e recnstruçã de imagens; Strage e backup para armazenament definitiv. Apêndice 3.3 d Anex 3 Especificações para Sistema de Infrmaçã de Radilgia (PACS/RIS) 14

15 Tds s dads e infrmaçã geradas pels serviçs, assim cm tdas as imagens deverã ser transferidas a cada dis ans para a SESAB, em frmat pertinente garantid adequad acess e cnsulta. O cust assciad a esta peraçã de transferência será assumid integralmente pela Cncessinária. O CPD deverá dispr de capacidade adicinal para absrver a atividade futura, designadamente a relativa a dads e infrmações inerentes a uma pssível implantaçã de um HIS Health Infrmatin Sistem nas 12 Unidades Hspitalares abrangidas n escp d prjet. N Apêndice 1.3 d Anex 3, apresenta-se, cm referência para dimensinar as necessidades, a relaçã e caracterizaçã das Unidades Hspitalares, ds recurss e atividade assistencial desenvlvida em cada uma das unidades. Adicinalmente, a Cncessinária deverá garantir s seguintes serviçs: Suprte, administraçã e peraçã de sftware em 24x7x365; Serviçs de manutençã de hardware cm repsiçã de peças defeitusas. A Cncessinária deverá definir um Plan de Cntingência (Recvery Plan) cmplet e em cnfrmidade cm item 5.2 d Anex 3, que cntemple as ações e s mecanisms que serã levads a cab para garantir a cntinuidade d serviç em cas de catástrfe. 4.2 Estações de diagnóstic A Cncessinária deverá frnecer as estações de diagnóstic para s médics radilgistas, bem cm realizar a manutençã e repsiçã das respectivas estações de diagnóstic. Os requisits técnics mínims a cumprir sã s seguintes: Requisits mínims: estaçã de trabalh para diagnóstic (mamgrafia) Prcessadr Intel Cre 1 x Cre i GHz, 6M; Memória 4 GB RAM DDR2-SDRAM; HD 500 GB SATA; DVD-RW; PCI 32 u 64; 2 Slts PCI Express x16; PCle x4 Gen2; PCle x4 Gen1; Interface: 4 prtas USB 2.0; 1 LCD clrid de n mínim 17 ; Apêndice 3.3 d Anex 3 Especificações para Sistema de Infrmaçã de Radilgia (PACS/RIS) 15

16 2 LCD flat panel mncrmátic cm resluçã de 5 Mega pixels cm ftômetr para calibraçã intern, brilh de 1000 cd/m², cm n mínim 20 plegadas, incluind sftware de calibraçã e placa cntrladra de víde; Alimentaçã cnfrme lcal de instalaçã; e Os mnitres devem ter registr na ANVISA Requisits mínims: estaçã de trabalh para diagnóstic (Rais X) Prcessadr Intel Cre 1 x Cre i GHz, 6M; Memória 4 GB RAM DDR2-SDRAM; HD 500 GB SATA; DVD-RW; PCI 32 u 64; 2 Slts PCI Express x16; PCle x4 Gen2; PCle x4 Gen1; Interface: 4 prtas USB 2.0; 1 LCD clrid de n mínim 17 ; 2 (LCD flat panel mncrmátic cm resluçã de 3 Mega pixels cm ftômetr para calibraçã intern, brilh de 1000 cd/m², cm n mínim 20 plegadas, incluind sftware de calibraçã e placa cntrladra de víde; Alimentaçã cnfrme lcal de instalaçã; e Os mnitres devem ter registr na ANVISA Requisits mínims: estaçã de trabalh para diagnóstic (tmgrafia e ressnância) Prcessadr Intel Cre 1 x Cre i GHz, 6M; Memória 4 GB RAM DDR2-SDRAM; HD 500 GB SATA DVD-RW; PCI 32 u 64; 2 Slts PCI Express x16; PCle x4 Gen2; PCle x4 Gen1; Interface: 4 prtas USB LCD clrid de n mínim 17 ; 2 LCD flat panel mncrmátic cm resluçã de 2 Mega pixels cm ftômetr para calibraçã intern, brilh de 300 cd/m², cm n mínim 20 plegadas, incluind sftware de calibraçã e placa cntrladra de víde; Alimentaçã cnfrme lcal de instalaçã; e Os mnitres devem ter registr na ANVISA. Apêndice 3.3 d Anex 3 Especificações para Sistema de Infrmaçã de Radilgia (PACS/RIS) 16

17 4.3 Dtaçã de terminais de acess paramédics da SESAB A Cncessinária deverá frnecer s terminais (PC s) para que s médics da SESAB pssam realizar a prescriçã ds exames de Biimagem e visualizar as imagens e lauds ds exames realizads. Deverã existir terminais de acess (PC s) nas seguintes áreas e nas seguintes quantidades mínimas: Quantidades mínimas de terminais de acess a serem dispnibilizads em cada UH Em tdas as áreas ambulatriais Ns piss de internaçã Na área de UTI Nas urgências/emergências Na área cirúrgica Na área de hemdinâmica 1 PC pr gabinete u sala 1 PC para cada 30 leits 1 PC para cada 5 leits 5 PC nas urgências/emergências 1 PC para cada duas salas de cirurgia 1 PC para cada serviç De acrd cm quadr acima apresentad, a Cncessinária deverá garantir, n mínim, a dtaçã de 445 (quatrcents e quarenta e cinc) nvs PC s n ttal das UH. Prém pderá a Cncessinária dimensinar a quantidade de PCs que cnsiderar cnveniente para atender às exigências de quantidade e qualidade previstas n Cntrat e em seus Anexs. A descriçã ds espaçs assistenciais pr UH encntra-se dispnível n Cadastr Nacinal de Estabeleciments de Saúde CNES (http://cnes.datasus.gv.br/), d Ministéri da Saúde). Para ICOM, cnsideru-se a infrmaçã dispnibilizada n Prgrama e Pré- Redimensinament d Nv Hspital Cut Maia, de acrd cm a Resluçã RDC Nº 50 da ANVISA - Agencia Nacinal de Vigilância Sanitária Requisits mínims ds terminais de acess as médics da SESAB Os PC s para acess às funcinalidades de prescriçã e visualizaçã das imagens / lauds pels médics da SESAB deverã cumprir as seguintes especificações, cm mínim: Mnitr: 19 ; Prcessadr: 2 GHz 32 bits; Memória: 2 Gb; Apêndice 3.3 d Anex 3 Especificações para Sistema de Infrmaçã de Radilgia (PACS/RIS) 17

18 300 GB de Disc; Placas de rede 10/100/1000. Estes PC s deverã incluir as licenças de sftware d sistema peracinal e as ferramentas de infrmática básicas: Sftware tip Micrsft Office ; Explradr de internet (explrer), Crrei eletrónic (utlk), Prcessadr de text (wrd), Flha de cálcul (excel), Editr de apresentações (pwer pint), Antivírus 4.4 Rede de Cmunicações Externa (Wide Area Netwrk) A Cncessinária deverá prprcinar a infraestrutura e s serviçs necessáris para garantir as cmunicações entre as UH, a Central de Imagem e CPD, criand, prtant, uma WAN (Wide Area Netwrk) específica e dedicada à transmissã de dads (incluind as imagens d Serviç de Api a Diagnóstic pr Imagem). Os requisits mínims a serem garantids pela WAN sã s seguintes: Links 4 Mbps garantids e fulldúplex (tant para uplad cm para dwnlad ds dads); Dispnibilidade mínima d link de 99,5%. Desta frma,a Cncessinária deverá dispnibilizar: Os ruters, em mdel de serviç para 13centrs (12UH + Central de Imagem ); Os links de cmunicaçã, assegurand s requisits mínims descrits anterirmente; Links de backup; Link de 1 Gbps e caudal cm mínim 100 Mbps para CPD e ruter assciad; e Instalaçã, suprte, administraçã e peracinalizaçã de sftware em 24x7x Redes de Cmunicações internas (Lcal Area Netwrk) Rede de cmunicações d Serviç de Biimagem A Cncessinária deverá prprcinar a infraestrutura para ligar em rede tds s equipaments e terminais de acess ds Serviçs de Api a Diagnóstic pr Imagem das UH e da Central de Imagem, assim cm garantir respectiv acess a CPD via rede de cmunicações externas (WAN). Deverá, para iss, garantir: Switches para cada uma das UH e para a Central de Imagem; Apêndice 3.3 d Anex 3 Especificações para Sistema de Infrmaçã de Radilgia (PACS/RIS) 18

19 Cabeament cat.6 (caudal 1 Gbps) até switch; Instalaçã de hardware e cabeament; Cnfiguraçã da rede lcal; e Manutençã e renvaçã ds switches. Para infrmaçã sbre as Instalações, pderã ser cnsultadas as Plantas ds Serviçs de Biimagem, n Apêndice 11.3 d Anex Rede de cmunicações d hspital e terminais de acess para médics da SESAB Para permitir a cnexã em rede ds terminais de acess ds médics da SESAB nas UH, a Cncessinária deverá assegurar a implantaçã de uma rede interna de cmunicações nas UH, que permita a eficaz transmissã ds dads. Esta rede de cmunicações interna para suprte à aplicaçã infrmática deverá ser frnecida e mantida pela Cncessinária, que implica: A cnstruçã, adaptaçã u ampliaçã das redes existentes atualmente nas UH para adequá-las às necessidades de acessibilidade e transmissã de dads requerids pela aplicaçã; Frnecer, adaptar u ampliar tds s equipaments e instalações necessárias para a adequada peraçã ds terminais, tais cm switches e cabeament; Garantir um caudal (débit) mínim de 100 Mbps; Assegurar a manutençã e crret funcinament das redes durante a Cncessã. A Cncessinária deverá cnsiderar a existência prévia de uma rede de cmunicações interna instalada nas Unidades Hspitalares incluídas n escp d prjet. Diante d fat de que a situaçã e estad desta rede em cada UH é muit hetergênea, a Cncessinária deverá ainda cnsiderar que, n mment de estabelecer a infraestrutura de rede exigida n âmbit d presente Cntrat, pderã verificar-se as seguintes situações inlc: 1. Terminais (PC s) sem cnexã à rede de área lcal; 2. Terminais (PC s) em rede, mas islads da rede necessária para sistema de suprte a acess pels médicsda SESAB à imagem; 3. Terminais (PC s) em rede, em áreas nã afetadas pela futura rede suprte a acess pels médics da SESABà imagem, mas cnectads já cm áreas que irã fazer parte da rede necessária para suprte a acess pels médics da SESABà imagem; 4. Terminais (PC s) em rede em áreas que farã parte da rede necessária para suprte a acess pels médics da SESAB à imagem; 5. Áreas das UH sem terminais de acess e sem rede, que frmarã parte da rede necessária para a peracinalizaçã e funcinament d acess pels médics da SESAB à imagem. Apêndice 3.3 d Anex 3 Especificações para Sistema de Infrmaçã de Radilgia (PACS/RIS) 19

20 Esquema ilustrativ das situações pssíveis descritas acima: Tramas de rede antiga necessárias para a nva rede Sbrepsiçã de tramas de rede antiga necessáris para a nva rede A implantaçã da nva rede para acess pels médics da SESAB à Imagem fará cm que se sbrepnham tramas da rede antiga cm a nva rede, que passará a estar cnectada cm a rede existente (excet nas tramas e terminais ttalmente islads). Apêndice 3.3 d Anex 3 Especificações para Sistema de Infrmaçã de Radilgia (PACS/RIS) 20

21 A nva rede ( rede única ) resultante da cmbinaçã de ambas as redes (antiga e nva), deverá ser gerida de frma única, criand uma rede nva para a Unidade Hspitalar. Tramas isladas Nas áreas/terminais que nã estã em rede u em tramas de rede ttalmente isladas da rede de acess pels médics da SESAB: A Cncessinária nã se respnsabilizará pela cnexã ds terminais islads. Cas a SESAB deseje cnectá-ls n futur, tal cnexã nã está cmpreendida entre as brigações previstas neste Cntrat e será alv de eventual acrd específic. A Cncessinária nã se respnsabilizará pela cnexã de redes isladas da nva rede, nem da sua gestã e administraçã. Cas a SESAB deseje cnectá-las n futur, tal cnexã nã está cmpreendida entre as brigações previstas neste Cntrat e será alv de um acrd específic. Caberá à Cncessinária respnsabilizar-se pela gestã da administraçã da nva rede única, cnfrme identificada acima. Para a manutençã e repsiçã d cabeament e d hardware de cmunicações, aplicar-seá seguinte: A Cncessinária nã será respnsável pela manutençã e repsiçã d cabeament e hardware existentes. Assegurará a intercnexã destas seções de rede cm a rede específica de acess pels médics da SESAB; A Cncessinária respnsabilizar-se-á pela adaptaçã (cas seja necessári) das tramas de rede existentes e dentr d escp d acess pels médics da SESAB, bem cm pela manutençã e repsiçã d cabeament e hardware. A Cncessinária instalará s elements necessáris (cabeament e hardware) n Setr de Biimagem de cada Unidade Hspitalar e garantirá a sua cnexã cm as tramas crrespndentes a pnt (4) anterir, para garantir acess as médics da SESAB, send respnsável pela sua manutençã e repsiçã. Apêndice 3.3 d Anex 3 Especificações para Sistema de Infrmaçã de Radilgia (PACS/RIS) 21

ANEXO DO CONTRATO. Anexo 11 ESPECIFICAÇÕES PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE RADIOLOGIA (PACS/RIS)

ANEXO DO CONTRATO. Anexo 11 ESPECIFICAÇÕES PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE RADIOLOGIA (PACS/RIS) ANEXO DO CONTRATO Anex 11 ESPECIFICAÇÕES PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE RADIOLOGIA (PACS/RIS) Mai - 2013 1 Anex 11: Especificações para Sistema de Infrmaçã de Radilgia (PACS/RIS) Índice 1 Objet d Anex...

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Pnt Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

PORTARIA N. 8.605 de 05 de novembro de 2013.

PORTARIA N. 8.605 de 05 de novembro de 2013. PORTARIA N. 8.605 de 05 de nvembr de 2013. Altera a Plítica de Segurança da Infrmaçã n âmbit d Tribunal Reginal d Trabalh da 4ª Regiã. A PRESIDENTE DO, n us de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã SIDC-Sistema Infrmaçã Descentralizad Cntabilidade Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema de Infrmaçã Descentralizad

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica Médica - Aplicaçã Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da aplicaçã de Prescriçã Eletrónica Médica

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Suprte técnic O serviç de suprte técnic tem pr bjetiv frnecer atendiment as usuáris de prduts e serviçs de infrmática da Defensria Pública. Este serviç é prvid

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM. Solução de Gestão Eletrônica de Documentos Acadêmicos

GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM. Solução de Gestão Eletrônica de Documentos Acadêmicos GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM Sluçã de Gestã Eletrônica de Dcuments Acadêmics OBJETIVOS DA SOLUÇÃO BENEFÍCIOS GERAIS A Sluçã ECMDOC de Gestã de Dcuments Acadêmics, tem cm principais

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7 Mdel de Cmunicaçã Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica.

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Cnteúd prgramátic CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Este é cnteúd prgramátic d curs preparatóri n nv prgrama CDO-0001 para a certificaçã CmpTIA CDIA+. CONCEITUAL ECM Apresentaçã ds cnceits envlvids

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

PROJETO SOA-SAÚDE ANEXO I ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO

PROJETO SOA-SAÚDE ANEXO I ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO PROJETO SOA-SAÚDE ANEXO I ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ÍNDICE 1 Intrduçã...4 2 Fundamentaçã...4 3 Objet...6 4 Detalhament d Objet...6 4.1 Sluçã a ser Implantada...6 4.1.1 Arquitetura Técnica da Sluçã...7 4.1.2

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilização do conversor RS232/RS485 (PMC712) com controladores HI. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilização do conversor RS232/RS485 (PMC712) com controladores HI. HI Tecnologia. Documento de acesso público Ntas de Aplicaçã Utilizaçã d cnversr RS232/RS485 (PMC712) cm cntrladres HI HI Tecnlgia Dcument de acess públic ENA.00034 Versã 1.00 setembr-2010 HI Tecnlgia Utilizaçã d cnversr RS232/RS485 (PMC712) cm

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Vensis Associação Vensis ERP Entidades, Sindicatos e Federações.

Vensis Associação Vensis ERP Entidades, Sindicatos e Federações. Vensis Assciaçã Vensis ERP Entidades, Sindicats e Federações. Vensis Assciaçã O Vensis Assciaçã é um sistema desenvlvid para entidades cm sindicats, assciações, federações, fundações e utras de natureza

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO PARA GESTÃO DE ATENDIMENTO MODELO: SIGA WEB

SISTEMA INTEGRADO PARA GESTÃO DE ATENDIMENTO MODELO: SIGA WEB SISTEMA INTEGRADO PARA GESTÃO DE ATENDIMENTO MODELO: SIGA WEB A SOLUÇÃO SIGA WEB gera e cntrla uma senha para cada cliente, utilizand cnceits WEB, INTRANET e INPOSSUINET em tdas as suas funcinalidades,

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica de Medicaments Revisã 2 Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da Prescriçã Eletrónica de Medicaments

Leia mais

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo GT-ATER: Aceleraçã d Transprte de Dads cm Empreg de Redes de Circuits Dinâmics RT3 - Avaliaçã ds resultads d prtótip Sand Luz Crrêa Kleber Vieira Cards 03/08/2013 1. Apresentaçã d prtótip desenvlvid Nesta

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 1 REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 PARTICIPANTES A Olimpíada Jurídica 2014 é uma cmpetiçã direcinada a aluns que estejam regularmente matriculads ns curss de graduaçã de Direit de Instituições de

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

ANEXO TÉCNICO DE SERVIÇOS BEMATECH CLOUD GEMCO ANYWHERE

ANEXO TÉCNICO DE SERVIÇOS BEMATECH CLOUD GEMCO ANYWHERE 1. Definições ANEXO TÉCNICO DE SERVIÇOS BEMATECH CLOUD GEMCO ANYWHERE Este dcument cntém as especificações técnicas e requisits ds serviçs de Clud Cmputing da Bematech para Sistema Gemc Anywhere. Estes

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral Mdel de Cmunicaçã Prgrama Nacinal para a Prmçã da Saúde Oral Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e utilizadres d Sistema de Infrmaçã para a Saúde Oral

Leia mais

Definições Relacionadas à Política de Segurança da Informação

Definições Relacionadas à Política de Segurança da Informação Definições Relacinadas à Plítica de Segurança da Infrmaçã Área respnsável Versã Data de emissã Data de revisã Data de vigência Infrmática Crprativa - Segurança 1.2 20/08/2009 30/10/2013 01/02/2014 Objetiv

Leia mais

Manual. Autorizador da UNIMED

Manual. Autorizador da UNIMED Manual Prtal Autrizadr da UNIMED Pass a Pass para um jeit simples de trabalhar cm Nv Prtal Unimed 1. Períd de Atualizaçã Prezads Cperads e Rede Credenciada, A Unimed Sul Capixaba irá atualizar seu sistema

Leia mais

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 OBJETIVO Infraestrutura e tecnlgia d Prtheus sã a base de uma sluçã de gestã empresarial rbusta, que atende a tdas as necessidades de desenvlviment, persnalizaçã, parametrizaçã

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL

CERTIFICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Pól Mveleir de Arapngas PR Revisã: 00 Pól Mveleir de Arapngas PR Revisã: 01 TERMOS DE USO DO ECOSELO EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELA ELABORAÇÃO DESTE DOCUMENTO: Irineu Antni Brrasca Presidente d CETEC

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇAO DE CONTRATO DE LEILÃO DE VENDA EDITAL DE LEILÃO Nº 001 / 2002 - MAE PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais

- APRESENTAÇÃO - Central de Pabx Alcatel OmniPCX Office. Pabx Alcatel - PRINCIPAIS BENEFÍCIOS Tudo que você precisa em um único equipamento

- APRESENTAÇÃO - Central de Pabx Alcatel OmniPCX Office. Pabx Alcatel - PRINCIPAIS BENEFÍCIOS Tudo que você precisa em um único equipamento Pabx Alcatel - APRESENTAÇÃO - Central de Pabx Alcatel OmniPCX Office A Cnintel apresenta para mercad a linha de prduts cnvergentes PABX Alcatel OmniPCX Office. Pabx Alcatel Mdular, escalável, pders, flexível,

Leia mais

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt Versã 1.1.1.3 Descriçã d prdut, 2009 www.graycell.pt 1 ENQUADRAMENTO A platafrma ask-it! é uma aplicaçã web-based que permite criar inquérits dinâmics e efectuar a sua dispnibilizaçã n-line. A facilidade

Leia mais

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010 Meta Priritária 5 Implantar métd de gerenciament de rtinas (gestã de prcesss de trabalh) em pel mens 50% das unidades judiciárias de 1º grau. Esclareciment da Meta Nã estã sujeits a esta meta s tribunais

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração Manual de Instalaçã e Cnfiguraçã Prdut:n-ReleaserEmbedded fr Lexmark Versã 1.2.1 Versã d Dc.:1.0 Autr: Lucas Machad Santini Data: 14/04/2011 Dcument destinad a: Clientes e Revendas Alterad pr: Release

Leia mais

Gestão Sindical Eficiente

Gestão Sindical Eficiente Gestã Sindical Eficiente Apresentaçã O Agile Sindical é a sluçã para apiar a implementaçã de uma gestã estruturada das atividades sindicais. A sluçã apresenta móduls para gerenciament ds prcesss-chave

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO C e n t r d e I n f r m á t i c a NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA A FMUP dispõe de salas e labratóris de infrmática gerids pel Centr

Leia mais

Operação Metalose orientações básicas à população

Operação Metalose orientações básicas à população Operaçã Metalse rientações básicas à ppulaçã 1. Quem é respnsável pel reclhiment de prduts adulterads? As empresas fabricantes e distribuidras. O Sistema Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa e Vigilâncias

Leia mais

INTEGRAÇÃO Gestão de Frete Embarcador x Datasul 11.5.3

INTEGRAÇÃO Gestão de Frete Embarcador x Datasul 11.5.3 Prdut: GFE - Prtheus Plan d Prjet INTEGRAÇÃO Gestã de Frete Embarcadr x Datasul 11.5.3 PLANO DO PROJETO 24/01/2013 Respnsável pel dcument: Jã Victr Fidelix TOTVS - 1 Prdut: GFE - Prtheus Plan d Prjet ÍNDICE

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundaments de Infrmática 1ºSemestre Aula 4 Prf. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Descrevend Sistemas de um Cmputadr

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT GRUPO HISPASAT Mai de 2014 PRIVADO PRIVADO E CONFIDENCIAL E Dcument Dcument prpriedade prpriedade HISPASAT,S.A. da 1 Prcess de atendiment a cliente

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteração no cronograma (Art. 6º e Art. 12º).

VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteração no cronograma (Art. 6º e Art. 12º). VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteraçã n crngrama (Art. 6º e Art. 12º). APRESENTAÇÃO Idealizad e instituíd pela Assciaçã Nacinal de Entidades Prmtras de Empreendiments Invadres (Anprtec), em parceria

Leia mais

Aplicações Clinicas. Patologia Clínica. Luís Lito

Aplicações Clinicas. Patologia Clínica. Luís Lito 0 Aplicações Clinicas Patlgia Clínica Luís Lit 1 Evluçã 1. 1993 - Infrmatizaçã parcial d Lab. de Química Clinica 2. 1996 - Inici da infrmatizaçã d Serviç de Patlgia Clínica Clinidata (sistema UNIX/COBOL

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS Etapa 3 Cadastr d Prcess Seletiv O Presidente da CRM cadastra s dads d prcess n sistema. O prcess seletiv é a espinha drsal d sistema, vist que pr mei dele regem-se tdas as demais

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre.

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre. Códig: MAP-SERPU-001 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Secretaria de Relações Públicas e Cerimnial Aprvad pr: Presidência 1 OBJETIVO Definir e padrnizar s prcediments para planejament e

Leia mais

Software Para Controle de Acesso e Ponto

Software Para Controle de Acesso e Ponto Sftware Para Cntrle de Acess e Pnt Características e Funcinalidades Versã 2.0 Inipass é marca registrada da Prjedata Infrmática Ltda. Tds s direits reservads à Prjedata Infrmática Ltda. Características

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

Integração Ayty CRM e Altitude

Integração Ayty CRM e Altitude Dcumentaçã Elabrada pr: Ayty CRM Data / Lcal: 30/10/2011 Prjet: Ayty CRM cm Discadr Altitude Versã: 1.0 Dcument: Integraçã AytyCRM e Discadr Altitude Integraçã Ayty CRM e Altitude Sumári: Principais Fluxs:...

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalaçã Prdut: n-hst Versã d prdut: 4.1 Autr: Aline Della Justina Versã d dcument: 1 Versã d template: Data: 30/07/01 Dcument destinad a: Parceirs NDDigital, técnics de suprte, analistas de

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução Bletim Cmercial Tema: BC003 Plan de Dispnibilidade Ilimitada de Recurss UV Intrduçã Sistemas de cura UV sã cada vez mais presentes em indústrias que imprimem grandes vlumes de materiais, independente d

Leia mais

ERRATA Nº 04 PREGÃO PRESENCIAL N 03/2015

ERRATA Nº 04 PREGÃO PRESENCIAL N 03/2015 ERRATA Nº 04 PREGÃO PRESENCIAL N 03/205 A Presidente d Cnselh Reginal de Enfermagem de Sergipe (Cren/SE) trna públic que Edital de Pregã Presencial n 03/205, cuj bjet é a AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS, SISTEMAS

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO ÍNDICE QUE VALORES [MASTERSAF DFE] TRAZEM PARA VOCÊ? 1. VISÃO GERAL E REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 2 1.1. AMBIENTE... 2 1.2. BANCO DE DADOS... 4 2. BAIXANDO OS INSTALADORES DO DFE MASTERSAF... 5 3. INICIANDO

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais