REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DE IMAGEM E COMUNICAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL (GI.COM-IPS)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DE IMAGEM E COMUNICAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL (GI.COM-IPS)"

Transcrição

1 REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DE IMAGEM E COMUNICAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL (GI.COM-IPS) I ÂMBITO E FINALIDADE 1. O Gabinete de Imagem e Comunicação do Instituto Politécnico de Setúbal (GI.COM-IPS) é o gabinete de imagem e comunicação transversal aos órgãos do IPS e às suas Unidades. Destina-se a criar, aprofundar e difundir uma identidade IPS, na qual toda a sua comunidade se reveja e de que se orgulhe, e a projectar externamente essa identidade, através de uma imagem associada a um perfil académico, científico e cultural de prestígio. 2. Para efeitos do presente regulamento, aplica-se o termo genérico Unidades às Unidades Orgânicas de Ensino e Investigação, aos Serviços Centrais e aos Serviços de Acção Social. 3. A finalidade primordial do GI.COM-IPS é facilitar a interacção do IPS e das suas Unidades com os públicos e os parceiros sociais indispensáveis às actividades de formação, de investigação e desenvolvimento e de intervenção cultural e social que desenvolve. II FUNÇÃO A função do GI.COM-IPS é afirmar o IPS e as suas Unidades no contexto nacional e internacional como instituição de prestígio académico, científico e cultural, com uma identidade própria. III OBJECTIVOS Os objectivos a atingir pelo GI.COM-IPS são os seguintes: a) Reforçar e difundir a imagem identificadora do IPS (logótipo, linha gráfica, slogans, etc.); 1

2 b) Produzir e divulgar eventos de natureza académica, científica, pedagógica, artística, cultural, desportiva, social e cívica, susceptíveis de contribuírem para o reforço da imagem IPS; c) Produzir materiais de divulgação adequados à consecução dos objectivos atrás enunciados; d) Promover e assegurar a participação do IPS e das suas Unidades em eventos da comunidade apropriados à divulgação da imagem IPS; e) Assegurar contactos bilaterais com os media; f) Gerir, produzir e fazer circular a informação - interna, institucional e/ou veiculada pelos media - relevante para a comunidade IPS; g) Editar boletins /newsletters periódicos, de circulação interna e externa; h) Assegurar a presença do IPS e das suas Unidades na agenda cultural da região; i) Promover iniciativas internas, inter-unidades, de natureza académica, cultural, social e desportiva destinadas a desenvolver um sentimento de pertença à comunidade IPS. IV ACTIVIDADES 1. Em termos genéricos, define-se como campo de actuação do GI.COM-IPS o conjunto de actividades incluídas nas áreas de trabalho a seguir apresentadas e que serão detalhadas nos números seguintes: a) Organização e Comunicação Interna; b) Identidade Visual e Corporativa e Publicidade; c) Produção de Eventos, Relações Públicas, Divulgação Pessoal e Marketing Directo; d) Editorial. 2. A área de trabalho Organização e Comunicação Interna abrange os processos de organização interna do serviço; as cerimónias oficiais; a comunicação oficial (interna e externa) dos órgãos de gestão do IPS e das suas Unidades. Engloba as seguintes actividades: a) Produção e circulação de comunicação interna, tal como o boletim IPS Comunicação Interna e comunicados dos Serviços da Presidência; 2

3 b) Produção e divulgação de comunicação oficial do IPS e das Unidades na comunidade, tal como Comunicados de Imprensa e Conferências de Imprensa do IPS; c) Organização de delegações de representação externa do IPS; d) Manutenção de uma base de dados incluindo media, escolas, equipamentos sociais e equipamentos culturais; e) Execução de todo o expediente relativo ao Gabinete, correio e ; f) Elaboração das propostas de aquisição de bens e serviços; g) Organização do arquivo documental; h) Avaliação das acções organizadas pelo GICOM-IPS; i) Organização de cerimónias oficiais do IPS, tais como, Abertura do Ano Académico, Dias do IPS e das Escolas, Festa de Natal e Entrega de Diplomas; j) Gestão e organização de visitas institucionais da e à comunidade. 3. A área de trabalho Identidade Visual e Corporativa e Publicidade abrange a gestão da imagem visual do IPS, a produção e gestão de materiais promocionais e a gestão da publicidade. Engloba as seguintes actividades: a) Gestão da imagem visual do IPS; b) Produção de materiais gráficos e multimédia; c) Concepção e gestão de brindes; d) Publicidade e divulgação da oferta formativa. 4. A área de trabalho Produção de Eventos, Relações Públicas, Divulgação, Pessoal e Marketing Directo abrange a interacção pessoal e a comunicação entre a comunidade do IPS e a comunidade externa; acções de promoção da oferta formativa; a produção de actividades científicas, pedagógicas, culturais, educativas, artísticas e cívicas; o aluguer de espaços. Engloba as seguintes actividades: a) Organização de acções de divulgação pessoal externa do IPS, como itinerância nas Escolas Secundárias e feiras pedagógicas; b) Divulgação de acções ou eventos da comunidade externa; c) Articulação de acções com a comunidade; d) Gestão de mailing lists específicas; e) Aluguer de espaços; f) Produção de eventos científicos ou pedagógicos; g) Organização de actividades culturais, educativas, artísticas e cívicas, com ou sem colaboração da comunidade; 3

4 h) Gestão da informação sobre os Claustros no Portal IPS. 5. A área de trabalho Editorial está orientada para a comunidade externa e abrange a interacção com os media, a produção e análise de notícias, a edição de documentos institucionais, newsletter e revista. Engloba as seguintes actividades: a) Relacionamento com os órgãos de comunicação social através da gestão de entrevistas, elaboração e envio de comunicados e dossiers de imprensa; b) Produção de informações e notícias para as várias publicações do IPS; c) Actualização das informações e notícias nos portais do IPS, e das suas Unidades; d) Recolha e arquivo da informação produzida pelos órgãos de comunicação social relativa ao IPS e Escolas; e) Manutenção da rede de media partners; f) Edição da Newsletter do IPS; g) Edição da revista do IPS. V ESTRUTURA ORGANIZATIVA E COMPETÊNCIAS 1. O GI.COM-IPS tem um Coordenador, a quem compete orientar, coordenar e avaliar todas as actividades, com base em planos e relatórios de actividades anuais e tendo como referência o Quadro de Avaliação e Responsabilidade (QUAR) do IPS. 2. Cada uma das áreas de trabalho é da responsabilidade directa de pessoal específico, sem detrimento do trabalho em equipa, indispensável ao bom funcionamento do Gabinete. A gestão dessas áreas pode ser subcontratada a empresas especializadas. 3. O GICOM-IPS tem um Conselho Coordenador constituído pelos Directores das Escolas/IPS e o Administrador dos SAS/IPS (ou alguém em quem estes delegarem a competência), em que participa o Coordenador. O Conselho é presidido pelo Presidente do IPS. 4. Ao Conselho Coordenador do GI.COM-IPS compete fazer propostas de política de comunicação do IPS. Nesse âmbito, compete-lhe definir as linhas gerais e as prioridades dos planos de actividades e orçamento e dos relatórios de actividades, bem como a aprovação dos mesmos, a fim de serem integrados no Plano de Actividades e no Relatório de Actividades do IPS. 5. Ao GI.COM-IPS compete elaborar a proposta de Plano de Actividades e de Relatório de Actividades, a qual integra o conjunto de actividades do IPS e das Unidades. 4

5 6. O GI.COM-IPS relaciona-se com as Unidades, através dos respectivos Dirigentes, ou de quem estes designarem para tal. 7. O relacionamento do GI.COM-IPS com as Unidades é especificamente regulado pelos procedimentos que constam em documento anexo a este Regulamento. 8. O presente Regulamento é aprovado pelo Presidente do IPS e entra em vigor no dia seguinte ao da aprovação. 5

6 ANEXO PROCEDIMENTOS REGULADORES DO RELACIONAMENTO ENTRE O GI.COM-IPS E AS UNIDADES 1. Os pedidos de produção de materiais/actividades (incluindo ou não o pedido de orçamentos), por parte das Unidades, são dirigidos ao GI.COM-IPS com a autorização expressa do Dirigente respectivo. O processo de produção pressupõe o acompanhamento e a aprovação final da Unidade proponente. 2. As propostas de despesas, relativas a materiais adquiridos no exterior, são feitas ao Presidente do Instituto pelo GI.COM-IPS, com a devida concordância do Dirigente da Unidade a que vão ser imputadas. 3. No que respeita à divulgação de informação deverão ser seguidos os seguintes procedimentos: a) A informação de uma Unidade, para divulgação interna na comunidade IPS ou junto de públicos específicos externos dessa Unidade, é da responsabilidade da própria Unidade; b) A concretização da alínea anterior obedece a um padrão de imagem fornecido pelo GI.COM-IPS; c) A informação de uma Unidade para divulgação na comunidade externa em geral é da responsabilidade do GI.COM-IPS, sendo realizada a pedido do respectivo Dirigente; d) A informação geral do IPS para divulgação, quer na comunidade externa em geral, quer junto de públicos específicos externos das Unidades, é da responsabilidade do GI.COM-IPS. 4. Para efeitos das alínea a) e d) do número anterior, um público específico externo define-se em função, não apenas do campo específico de actividade do mesmo, mas também da especificidade da informação, inequivocamente no âmbito exclusivo de uma Unidade. 5. A fim de permitir a divulgação externa da informação geral do IPS e das suas Unidades, as respectivas bases de dados deverão ser disponibilizadas ao GI.COM-IPS, bem como as suas actualizações periódicas. 6. Para uma resposta adequada às solicitações das Unidades, os pedidos de apoio a pequenos eventos, que não exijam a produção e envio de convites para o exterior nem serviço de catering, devem ser feitos com duas semanas de antecedência. Para eventos que envolvam os serviços mencionados, recomenda-se uma antecedência mínima de dois meses. 6

7 7. As solicitações de concepção e produção de materiais gráficos ou de reportagens fotográficas ou de vídeo, a que o GI.COM-IPS possa dar resposta interna, devem ser efectuadas com duas semanas de antecedência. 8. Os pedidos de materiais gráficos que tenham que ser produzidos por fornecedores exteriores, exigindo consultas para obtenção de orçamentos e adjudicação, deverão ser efectuados com pelo menos seis semanas de antecedência. 9. As solicitações para colocação de anúncios publicitários, exigindo a concepção e a produção do anúncio e a reserva de espaço, deverão ser efectuadas com um mínimo de três semanas de antecedência. 10. O pedido de produção e envio de comunicados de imprensa poderá ser feito com uma semana de antecedência, excepto no caso de envio para publicações de periodicidade semanal, em que a antecedência deverá ser de duas semanas. 7

Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior

Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior ESTRUTURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO GABINETE DE IMAGEM E COMUNICAÇÃO DA ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR GIC-ESDRM Elaborado

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA (ServPsi)

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA (ServPsi) REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA (ServPsi) Março de 2011 CAPÍTULO I: DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - Definição O Serviço de Psicologia, adiante designado por Serviço, é uma estrutura de caráter permanente

Leia mais

Objectivos Específicos Acções Principais Resultados a Atingir

Objectivos Específicos Acções Principais Resultados a Atingir Núcleo Executivo / Secretariado Técnico Rede Social Loures Aprovado na reunião de CLAS de 19.Fevereiro.2009 Objectivo Superior Objectivos Específicos Acções Principais Resultados a Atingir Monitorização

Leia mais

Seminário Rugby Juvenil

Seminário Rugby Juvenil Seminário Rugby Juvenil Lisboa, 29 Outubro 2005 Escola de Rugby Projecto Operacional Formar e competir, sem formação todos os projectos futuros serão postos em causa. Sem competição não poderá haver progresso

Leia mais

Diretriz Nacional de Comunicação. Sistema Unimed

Diretriz Nacional de Comunicação. Sistema Unimed Diretriz Nacional de Comunicação Sistema Unimed Diretriz de Comunicação Definição Política ou Diretriz de Comunicação é um processo articulado de definição de valores, objetivos, diretrizes, normas e estruturas,

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR PREÂMBULO A Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, diploma que estabelece, entre outros, o regime jurídico das autarquias locais, veio atribuir, no

Leia mais

Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI

Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI Rua do Formigoso N.º 103 Polvoreira 4835-168 Guimarães Telefone: 253 557 128 - Telemóvel: 91 051 36 36 rsipolvoreira@gmail.com

Leia mais

FAÇA UMA GESTÃO SIMPLES E EFICAZ DO SEU NEGÓCIO!

FAÇA UMA GESTÃO SIMPLES E EFICAZ DO SEU NEGÓCIO! FAÇA UMA GESTÃO SIMPLES E EFICAZ DO SEU NEGÓCIO! PERSONALIZAÇÃO DA ESTRUTURA DE EQUIPAMENTOS ACOMPANHAMENTO DA OBRA A.T. AGENDAMENTO DE MANUTENÇÃO WIZARD CONTROLE DE A.T POR CONTRATO CONTROLE DE MANUTENÇÃO

Leia mais

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS)

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) Preâmbulo De acordo com a legislação em vigor e o regulamento

Leia mais

Balcão Único de Atendimento

Balcão Único de Atendimento Ricardo Riquito Coordenador Geral ricardo.riquito@airc.pt Balcão Único de Atendimento ATAM. 1 a 4 de Outubro Quem somos? Modernização Administrativa? Balcão Único Atendimento M N t MyNet Arquitectura Capacidades

Leia mais

Regulamento do Centro de Investigação em Estudos da Criança CIEC

Regulamento do Centro de Investigação em Estudos da Criança CIEC Regulamento do Centro de Investigação em Estudos da Criança CIEC CAPÍTULO I ÂMBITO E OBJETIVOS Artigo 1.º Âmbito O Centro de Investigação em Estudos da Criança (CIEC), adiante designado por Centro, é uma

Leia mais

Despacho. Assim, nos termos do n.º 1 do artigo 18º do Despacho n.º 5328/2011, de 28 de Março, determino o seguinte:

Despacho. Assim, nos termos do n.º 1 do artigo 18º do Despacho n.º 5328/2011, de 28 de Março, determino o seguinte: Despacho O Despacho n.º 5328/2011, de 28 Março, estabeleceu as regras e os princípios orientadores a observar na organização das escolas e na elaboração do horário semanal de trabalho do pessoal docente

Leia mais

REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO. Artigo 1.º. Definição e Finalidade

REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO. Artigo 1.º. Definição e Finalidade REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO O presente regulamento explicita as competências, responsabilidades e funcionamento do Gabinete de Estudos e Planeamento. Artigo 1.º Definição e Finalidade

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 18/XII Exposição de Motivos Nos últimos anos, os serviços e órgãos da administração directa e indirecta do Estado, bem como as Regiões Autónomas e as autarquias locais, têm, no âmbito

Leia mais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO NORMAS DE PARTICIPAÇÃO. Capítulo I Disposições gerais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO NORMAS DE PARTICIPAÇÃO. Capítulo I Disposições gerais ORÇAMENTO PARTICIPATIVO NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Capítulo I Disposições gerais Cláusula 1ª (Princípio) O Orçamento Participativo (OP) tem como escopo promover a intervenção informada, ativa e responsável

Leia mais

Decreto executivo n.º 66/99 de 7 de Maio

Decreto executivo n.º 66/99 de 7 de Maio Decreto executivo n.º 66/99 de 7 de Maio Havendo a necessidade de dar cumprimento ao estatuído no ponto único, artigo 5º do Capítulo V e no nº, artigo.º do Capítulo IV do Decreto- Lei nº 7/97, de 1 de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO *DECRETO Nº 152, DE 1º DE JULHO DE 2015. Dispõe sobre a estrutura organizacional do Gabinete de Comunicação, a distribuição de cargos em comissão e funções de confiança.

Leia mais

100 Limites. Orientadora do projecto : Professora Paula Correia. São Brás de Alportel. Trabalho apresentado junto do Concelho Executivo

100 Limites. Orientadora do projecto : Professora Paula Correia. São Brás de Alportel. Trabalho apresentado junto do Concelho Executivo 1 A Rádio R Escola 100 Limites Orientadora do projecto : Professora Paula Correia Trabalho apresentado junto do Concelho Executivo São Brás de Alportel 2 RESUMO Esta proposta de Modelo de Gestão e de Avaliação

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo REDE SOCIAL Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo Regulamento Interno [9/04/2014] REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO

Leia mais

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO JOÃO DE DEUS

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO JOÃO DE DEUS CENTRO DE INVESTIGAÇÃO JOÃO DE DEUS Preâmbulo 1. Caracterização O Centro de Investigação João de Deus é um serviço da Escola Superior de Educação João de Deus, onde se desenvolverá o apoio e o acompanhamento

Leia mais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Escola Básica 2/3 Martim de Freitas. Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Escola Básica 2/3 Martim de Freitas. Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Escola Básica 2/3 Martim de Freitas Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais 2009/2013 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS REGIMENTO

Leia mais

Aprova o regulamento orgânico da Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos

Aprova o regulamento orgânico da Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos DECRETO N.º 116/XI Aprova o regulamento orgânico da Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

Leia mais

Auditoria Interna da Codificação. Perspetiva do Auditor Interno

Auditoria Interna da Codificação. Perspetiva do Auditor Interno Perspetiva do Auditor Interno Definição Avaliação metódica, disciplinada, independente e objetiva da conformidade da codificação e consequente agrupamento em GDH segundo as regras em vigor. Circular Informativa

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro. Despacho n.º..

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro. Despacho n.º.. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro Despacho n.º.. Sem prejuízo do regime de autonomia, administração e gestão dos estabelecimentos públicos da educação pré-escolar e dos ensinos básico

Leia mais

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 1 Curso de Formação Educador Ambiental 2009 Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 2 Curso de Formação: Educador Ambiental Índice: 1 Apresentação da entidade formadora e de Coordenação do Curso 2

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS Quadriénio 2009-2013 Segundo o artigo 68º do Regulamento Interno, aprovado em 4 de Janeiro de 2011, para o quadriénio 2009/2013,

Leia mais

ÍNDICE. 1.1 Apresentação do Centro...2. 1.2 Direitos...2. 1.3 - Deveres...3. 1.4 - Organização...3

ÍNDICE. 1.1 Apresentação do Centro...2. 1.2 Direitos...2. 1.3 - Deveres...3. 1.4 - Organização...3 ÍNDICE I - 1.1 Apresentação do Centro...2 1.2 Direitos......2 1.3 - Deveres...3 1.4 - Organização...3 II Voluntariado 2.1 Apresentação do Voluntário...4 2.2 Perfil do Voluntário...5 2.3 Funções...6 2.4

Leia mais

Centro de Estudos de Artes Decorativas da Escola Superior de Artes Decorativas da FRESS. Regulamento

Centro de Estudos de Artes Decorativas da Escola Superior de Artes Decorativas da FRESS. Regulamento Centro de Estudos de Artes Decorativas da Escola Superior de Artes Decorativas da FRESS Regulamento Os Estatutos da Escola Superior de Artes Decorativas (ESAD) da Fundação Ricardo Espírito Santo Silva

Leia mais

Artigo 1º. Composição. 1. Integram o Conselho Municipal de Segurança de Braga: a) O Presidente da Câmara Municipal de Braga;

Artigo 1º. Composição. 1. Integram o Conselho Municipal de Segurança de Braga: a) O Presidente da Câmara Municipal de Braga; REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE BRAGA A lei n.º 33/98, de 18 de Julho veio criar os conselhos municipais de segurança que, segundo a terminologia utilizada pelo legislador, são entidades

Leia mais

Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS)

Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS) Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS) CAPÍTULO I Natureza, Fins e Atribuições Artigo 1º (Natureza, Constituição, Localização) 1. O Instituto de Psicologia

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO 1. Modo de Proceder Descrição Capítulo I Disposições e regras genéricas 1. No exercício das competências afectas ao Departamento de Suporte Técnico e Administrativo (DSTA), compete à directora do departamento

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Médicas Conselho Executivo

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Médicas Conselho Executivo Conselho de Faculdade da da Universidade Nova de Lisboa REGIMENTO Artigo 1º Composição 1. O Conselho de Faculdade da FCM é constituído por treze membros, sendo oito docentes e investigadores, um estudante,

Leia mais

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO O Desporto Escolar (DE) tem de ser entendido como uma responsabilidade da comunidade escolar e é à escola, que compete criar as condições necessárias

Leia mais

Mapa de Pessoal dos Serviços Centrais do INEM Ano 2014

Mapa de Pessoal dos Serviços Centrais do INEM Ano 2014 Mapa de Pessoal dos Serviços Centrais do IN Ano 2014 Unidade orgânica Atividades/Procedimentos N.º de PT Carreira/Cargo Área Funcional Conselho Diretivo Proceder à gestão, disponibilização e controlo dos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR Ano Letivo: 2012 / 2013 ÍNDICE CAPÍTULO I PÁG. ÂMBITO 3 CAPÍTULO I I Conselho de Docentes 3 CAPÍTULO III Competências

Leia mais

SISTAFE SISTAFE SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO ESTADO. Criação: Lei 09/2002 Regulamentação: Decreto 23/2004

SISTAFE SISTAFE SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO ESTADO. Criação: Lei 09/2002 Regulamentação: Decreto 23/2004 SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO ESTADO Criação: Lei 09/2002 Regulamentação: Decreto 23/2004 1 Objectivos Estabelecer e harmonizar regras e procedimentos de programação, gestão, execução, controlo

Leia mais

SECRETARIAL Healthcare & Life Sciences & MANAGEMENT SUPPORT

SECRETARIAL Healthcare & Life Sciences & MANAGEMENT SUPPORT ESTUDO DE REMUNERAÇÃO 2016 SECRETARIAL Healthcare & Life Sciences & MANAGEMENT SUPPORT Secretarial & Management Support Specialists in human resources recruitment www.michaelpage.pt Estudo de 2016 Apresentamos-lhe

Leia mais

Regulamento Interno dos Serviços Administrativos e Académicos da Escola Superior Artística do Porto

Regulamento Interno dos Serviços Administrativos e Académicos da Escola Superior Artística do Porto Regulamento Interno dos Serviços Administrativos e Académicos da Escola Superior Artística do Porto Artigo 1º Nos termos da lei e dos estatutos, designadamente do artigo 12º, a ESAP possui serviços administrativos

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010 Reitoria RT-21/2010 Por proposta do Conselho Académico da Universidade do Minho, é homologado o Regulamento do Mestrado Integrado em Psicologia, anexo a este despacho. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB SECÇÃO I Definições Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as normas de organização e funcionamento do Conselho Pedagógico da Escola Superior Agrária

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 8 de agosto de Série. Número 120

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 8 de agosto de Série. Número 120 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 8 de agosto de 2014 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Portaria n.º 138/2014 Aprova a ação Mobilidade e Intercâmbio

Leia mais

DECRETO N.º 238/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 238/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 238/XII Estabelece o regime de acesso e de exercício da profissão de auditor de segurança rodoviária, de emissão dos respetivos títulos profissionais e de acesso e exercício da atividade de

Leia mais

Regulamento Interno do Departamento de Sistemas de Informação. Escola Superior de Ciências Empresariais Instituto Politécnico de Setúbal

Regulamento Interno do Departamento de Sistemas de Informação. Escola Superior de Ciências Empresariais Instituto Politécnico de Setúbal Regulamento Interno do Departamento de Sistemas de Informação Escola Superior de Ciências Empresariais Instituto Politécnico de Setúbal CAPÍTULO I Disposições Gerais (Artigo 1º) Definição O Departamento

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional do Porto Faculdade de Economia e Gestão. Centro de Estudos em Gestão e Economia CEGE

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional do Porto Faculdade de Economia e Gestão. Centro de Estudos em Gestão e Economia CEGE UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional do Porto Faculdade de Economia e Gestão Centro de Estudos em Gestão e Economia CEGE Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º (Natureza) 1. O Centro de Estudos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO (GRUPO 110) 2012/2013 REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES DO 1º CICLO REGIMENTO DO DEPARTAMENTO CURRICULAR DO 1º CICLO REGIMENTO DO CONSELHO DE ANO 1º

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 06, DE 31 DE JANEIRO DE 2017

DELIBERAÇÃO Nº 06, DE 31 DE JANEIRO DE 2017 DELIBERAÇÃO Nº 06, DE 31 DE JANEIRO DE 2017 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 333ª Reunião Ordinária, realizada em 31 de janeiro de 2017, e considerando

Leia mais

Regulamento para obtenção do Grau de Mestre pelos Licenciados Pré-Bolonha. (Recomendação CRUP)

Regulamento para obtenção do Grau de Mestre pelos Licenciados Pré-Bolonha. (Recomendação CRUP) Regulamento para obtenção do Grau de Mestre pelos Licenciados Pré-Bolonha (Recomendação CRUP) Na sequência da Recomendação do CRUP relativa à aquisição do grau de mestre pelos licenciados Pré-Bolonha,

Leia mais

Regulamento Interno Campo de Iniciação à Canoagem C.F.C.

Regulamento Interno Campo de Iniciação à Canoagem C.F.C. Regulamento Interno Campo de Iniciação à Canoagem C.F.C. 2 Regulamento Interno do Campo de Iniciação à Canoagem O presente regulamento tem como objectivo dar a conhecer a todos os intervenientes e participantes

Leia mais

Jornal da República. Diploma Ministerial nº 9/2011. de 13 de Abril

Jornal da República. Diploma Ministerial nº 9/2011. de 13 de Abril Diploma Ministerial nº 9/2011 de 13 de Abril Aprova o Regimento Interno e Procedimentos de execução do Conselho de Administração do Fundo de Desenvolvimento do Capital Humano - FDCH O Fundo de Desenvolvimento

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais

Capítulo I Disposições Gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Marco de Canaveses Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, estabelece as bases do enquadramento jurídico do voluntariado, visando promover e

Leia mais

Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural

Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural Decreto executivo n.º 1/06 de 9 de Janeiro Havendo necessidade de regulamentar o funcionamento, estruturação e organização do Secretariado Executivo do

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA Título da Posição: TECNICO DE PROMOÇÃO TURÍSTICA Duração: Local: Instituição: RENOVAÇÃO DEPENDENDO

Leia mais

CÓDIGO DEONTOLÓGICO. Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7

CÓDIGO DEONTOLÓGICO. Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7 CÓDIGO DEONTOLÓGICO Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7 ÍNDICE I- ÂMBITO E VIGÊNCIA... 3 II- RESUMO... 3 III- PRINCÍPIOS E REGRAS... 3 3.1. Organização e Funcionamento Internos... 3 3.2. Prestação

Leia mais

Regulamento de Estágios CET- Cursos Especialização Tecnológica

Regulamento de Estágios CET- Cursos Especialização Tecnológica Regulamento de Estágios CET- Cursos Especialização Tecnológica A Objectivos dos Estágios 1) Os Estágios que integram a componente de formação em contexto de trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica

Leia mais

Plano de comunicação. Projecto Jovens, Ambiente e Cidadania na Região Norte

Plano de comunicação. Projecto Jovens, Ambiente e Cidadania na Região Norte Plano de comunicação Projecto Jovens, Ambiente e Cidadania na Região Norte 1 A comunicação no projecto visa chegar a dois tipos de destinatários de âmbito local: pessoas da comunidade onde o Ecoclube actua

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DO SECTOR ELÉCTRICO. Despacho n.º B / 2002

ENTIDADE REGULADORA DO SECTOR ELÉCTRICO. Despacho n.º B / 2002 ENTIDADE REGULADORA DO SECTOR ELÉCTRICO Despacho n.º 2504 - B / 2002 A factura constitui um importante instrumento de comunicação em qualquer relacionamento comercial, designadamente no âmbito da prestação

Leia mais

Governação dos laboratórios: papel da regulação

Governação dos laboratórios: papel da regulação Governação dos laboratórios: papel da regulação César Carneiro Director do Departamento de Estudos e Regulação Económica Lisboa, 20 de Maio de 2016 Agenda 1. A Entidade Reguladora da Saúde 2. As actividades

Leia mais

ENTRE A ORDEM DOS MÉDICOS E A

ENTRE A ORDEM DOS MÉDICOS E A ENTRE A ORDEM DOS MÉDICOS E A ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Lisboa, 22 de Abril de 2002 Preâmbulo A Ordem dos Médicos e a Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (APIFARMA) na

Leia mais

Institui, na forma do art. 43 da Constituição Federal, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia SUDAM, estabelece a sua composição, natureza

Institui, na forma do art. 43 da Constituição Federal, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia SUDAM, estabelece a sua composição, natureza Institui, na forma do art. 43 da Constituição Federal, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia SUDAM, estabelece a sua composição, natureza jurídica, objetivos, área de competência e instrumentos

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO -

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO - Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO - CAPÍTULO I Da Natureza, das Finalidades e dos Objetivos Art.

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

SERVIÇOS CENTRAIS DO INEM. INEM - Serviços Centrais - Mapa de Pessoal Lugares previstos

SERVIÇOS CENTRAIS DO INEM. INEM - Serviços Centrais - Mapa de Pessoal Lugares previstos Conselho Diretivo Proceder à gestão, disponibilização e controlo dos recursos do INEM 1 Presidente Gestão Conselho Diretivo Coadjuvar o Presidente na gestão, disponibilização e controlo dos recursos do

Leia mais

Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia Tavira Direcção Regional de Educação do Algarve CENTRO NOVAS OPORTUNIDADES

Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia Tavira Direcção Regional de Educação do Algarve CENTRO NOVAS OPORTUNIDADES Regulamento Artigo 1º Definição O Centro Novas Oportunidades é uma estrutura que tem como missão proporcionar a todos os adultos uma oportunidade de qualificação e de certificação, de nível básico ou secundário,

Leia mais

Ministério da Comunicação Social

Ministério da Comunicação Social Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo Nº 79 /2007 de 2 Julho Convindo regulamentar o funcionamento da Direcção Nacional de Publicidade do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos, ao

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) 1 Índice I Disposições Legais... 3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS 2008/2009

PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS 2008/2009 DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO NORTE CENTRO DE ÁREA EDUCATIVA DE VILA REAL Cod. 345696 AGRUPAMENTO VERTICAL DO BAIXO BARROSO PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 28 de outubro de Série. Número 166

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 28 de outubro de Série. Número 166 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 28 de outubro de 2015 Série Suplemento Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Decreto Regulamentar Regional n.º 19/2015/M Aprova a Orgânica da Direção

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA 1. Introdução O Banco Espírito Santo, S.A. (o Banco) desenvolve diversas

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA Artigo 1º Definição 1. O Centro Social Paroquial de Oeiras com sede na Igreja Matriz de Oeiras, é uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

GABINETE DE RELAÇÕES EXTERNAS. Preâmbulo

GABINETE DE RELAÇÕES EXTERNAS. Preâmbulo GABINETE DE RELAÇÕES EXTERNAS Preâmbulo A Ordem dos Engenheiros, enquanto associação representativa dos Engenheiros portugueses, deve assumir, de forma proactiva, a projecção institucional da sua missão,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE PSICOLOGIA ESTÁGIO PROFISSIONAL EM PSICOLOGIA (CURRÍCULO 3) I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE PSICOLOGIA ESTÁGIO PROFISSIONAL EM PSICOLOGIA (CURRÍCULO 3) I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE PSICOLOGIA ESTÁGIO PROFISSIONAL EM PSICOLOGIA (CURRÍCULO 3) I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Psicologia é uma atividade obrigatória, em consonância

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REAL REGULAMENTO OFERTAS EDUCATIVAS ALTERNATIVAS AO ENSINO REGULAR ANEXO II

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REAL REGULAMENTO OFERTAS EDUCATIVAS ALTERNATIVAS AO ENSINO REGULAR ANEXO II Ofertas Educativas Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais ao funcionamento do curso vocacional, adequando, esclarecendo e integrando as normas legais presentes na

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA ARTICLE LAND

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA ARTICLE LAND APRESENTAÇÃO DA EMPRESA ARTICLE LAND A Article Land, Comunicação, Eventos e Serviços, Unipessoal, Lda., presente no mercado há dois anos e com uma equipa de profissionais que reúne vários anos de experiência,

Leia mais

Escola Superior de Gestão e Tecnologia de Santarém

Escola Superior de Gestão e Tecnologia de Santarém Escola Superior de Gestão e Tecnologia de Santarém Planeamento estratégico de sistemas de informação de Departamento de Informática e Métodos Quantitativos Licenciatura em Informática - 3º Ano Sistemas

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Comunicação. Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº /06 e Nº

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Comunicação. Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº /06 e Nº - REGIMENTO INTERNO Secretaria de Comunicação Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº 12.659/06 e Nº 15.052 I - Secretaria Executiva: - assessorar o Secretário Municipal no exercício de suas atribuições;

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 52.567, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. (publicado no DOE n.º 183, de 24 de setembro de 2015) Dispõe sobre o

Leia mais

Associação Académica da UTAD Mandato 2010

Associação Académica da UTAD Mandato 2010 ORÇAMENTO Associação Académica da UTAD Mandato 2010 Orçamento AAUTAD Introdução A Associação Académica da Universidade de Trás os Montes e Alto Douro, apresenta o orçamento para o Ano de 2010. Este ano

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. FR ANCISCO FERNANDES LOPES BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO DE ACÇÃO

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. FR ANCISCO FERNANDES LOPES BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO DE ACÇÃO ESCOLA SECUNDÁRIA DR. FR ANCISCO FERNANDES LOPES BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO DE ACÇÃO 2009-2013 Introdução O Plano de Acção da Biblioteca Escolar para o quadriénio 2009/2013 encontra-se dividido em quatro

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL. Introdução

REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL. Introdução REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL Introdução A Lei nº 159/99, de 14 de Setembro e a Lei nº 169/99, de 18 de Setembro, com a nova redacção conferida pela Lei nº 5-A/2002 de 11 de Janeiro,

Leia mais

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA Considerando - Que a Educação é um direito de todos, cabendo ao Estado promover a sua democratização, bem como as condições

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde MISSÃO: Contribuir para ganhos em saúde pública através de actividades de investigação e desenvolvimento tecnológico, actividade laboratorial de referência, observação da saúde e vigilância epidemiológica,

Leia mais

REGULAMENTO DAS FÉRIAS DESPORTIVAS DA JUNTA DE FREGUESIA DE PARANHOS

REGULAMENTO DAS FÉRIAS DESPORTIVAS DA JUNTA DE FREGUESIA DE PARANHOS REGULAMENTO DAS FÉRIAS DESPORTIVAS DA JUNTA DE FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO No uso da competência prevista pelos artigos 112º, n.º. 8, e 241º da Constituição da República Portuguesa, e conferida pela

Leia mais

Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS

Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS Artigo 1.º Objeto 1. O presente regulamento define o regime de estágios curriculares aplicável aos cursos: a) De Especialização Tecnológica; b) De Licenciatura;

Leia mais

estgf escola superior de tecnologia e gestão de Felgueiras REGULAMENTO DO USO DOS RECURSOS INFORMÁTICOS DA ESTGF

estgf escola superior de tecnologia e gestão de Felgueiras REGULAMENTO DO USO DOS RECURSOS INFORMÁTICOS DA ESTGF estgf escola superior de tecnologia e gestão de Felgueiras REGULAMENTO DO USO DOS RECURSOS INFORMÁTICOS DA ESTGF estgf escola superior de tecnologia e gestão de Felgueiras ARTIGO 1º (DEFINIÇÕES) Para efeitos

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ) 1 Índice I Disposições Legais...3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

Curso de Licenciatura em Enfermagem GUIA DO ESTUDANTE

Curso de Licenciatura em Enfermagem GUIA DO ESTUDANTE Curso de Licenciatura em Enfermagem GUIA DO ESTUDANTE Outubro 2009 INTRODUÇÃO Este guia de acolhimento, foi elaborado para si. Pretendemos com ele que ao entrar para esta Escola tenha, não só apoio humano,

Leia mais

Procedimento Gestão Documental

Procedimento Gestão Documental APROVAÇÃO DO DOCUMENTO Elaborado por Função Nome e Assinatura Data André Duarte Aprovado por ADM Luis Brito REGISTO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Página Alterada Motivo 1 25/08/2008 Todas Redacção Inicial

Leia mais

Regulamento de Formação

Regulamento de Formação Regulamento de Formação A Vitabasic Unipessoal Lda promove iniciativas de índole formativa para Fisioterapeutas, Terapeutas da Fala e outros Técnicos de Saúde e Bem-Estar. Âmbito O presente regulamento

Leia mais

Regulamento do Sistema Interno de Garantia da Qualidade da Universidade da Madeira

Regulamento do Sistema Interno de Garantia da Qualidade da Universidade da Madeira Regulamento do Sistema Interno de Garantia da Qualidade da Universidade da Madeira Preâmbulo A garantia de qualidade pode descrever se como a atenção sistemática, estruturada e contínua à manutenção e

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Considerando: O relevo formativo, social, cultural e cívico do voluntariado e o papel importante que a Universidade de Aveiro (UA) pode desempenhar

Leia mais

Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013

Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013 Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013 I. OBJETO Regulamentação da Lei n o 4.791 de 02/04/2008, que dispõe sobre

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA outubro/2010

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DESPORTO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FPDD

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DESPORTO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FPDD FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DESPORTO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FPDD ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Para além dos órgãos sociais definidos nos estatutos e das respetivas competências, ou seja, Assembleia

Leia mais

APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA

APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA L sa Regulamento de Apoio Financeiro ao Movimento Associativo da Freguesia das Alcáçovas APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA Junta de Freguesia das Alcáçovas Abril 2010 INTRODUÇÃO O movimento

Leia mais

REGULAMENTO DOS POSTOS MUNICIPAIS DE TURISMO

REGULAMENTO DOS POSTOS MUNICIPAIS DE TURISMO REGULAMENTO DOS POSTOS MUNICIPAIS DE TURISMO 2 NOTA JUSTIFICATIVA No contexto de um trabalho de compilação e revisão de todos os Regulamentos da Câmara Municipal de forma a concentrá-los e actualizá-los

Leia mais

Regulamento da Aplicação Informática do Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais da Universidade de Aveiro

Regulamento da Aplicação Informática do Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais da Universidade de Aveiro Regulamento da Aplicação Informática do Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais da Universidade de Aveiro O Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais (GESP) está integrado na Divisão dos Serviços

Leia mais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2015

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2015 CÂMARA MUNICIPAL DE LAGOA ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2015 Regulamento Municipal orçamento participativo de Lagoa NOTA JUSTIFICATIVA A implementação do primeiro orçamento participativo em Lagoa vai buscar

Leia mais

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Capítulo I Âmbito Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define o regime de acesso aos apoios concedidos pelo Programa Operacional de Assistência Técnica

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO 2013/2014

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO 2013/2014 Escola EB1 João de Deus CÓD. 242 937 Escola Secundária 2-3 de Clara de Resende CÓD. 346 779 AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE CÓD. 152 870 ORGANIZAÇÃO E GESTÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO 2013/2014 (Aprovado

Leia mais

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTíFICO-HUMANÍSTICOS)

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTíFICO-HUMANÍSTICOS) REGIMENTO DOS CONSELHOS DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTíFICO-HUMANÍSTICOS) Preâmbulo De acordo com a legislação em vigor e o regulamento interno,

Leia mais