Hidrovias: Uma visão do futuro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Hidrovias: Uma visão do futuro"

Transcrição

1 Hidrovias: Uma visão do futuro Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Data: 18 de agosto de 2010 I Seminário Portuário Público Privado Latino-Americano Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 1

2 Dados gerais sobre o Brasil Área total Km² Estados 27 Litoral População PIB Km 192 milhões US$ 1,995 trilhão Base:PPC Maior país da América Latina 10ª maior economia mundial *Fonte: IBGE - Wikipédia Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 2 2

3 Aspectos institucionais da ANTAQ Criada pela Lei nº , de 5 de junho de 2001; Autarquia especial vinculada ao Ministério dos Transportes e à Secretaria de Portos; Desempenha a função de entidade reguladora e fiscalizadora das atividades portuárias e de transporte aquaviário. Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 33

4 Estrutura de Estado UNIÃO Poder Executivo ANTAQ Regulação Inspeção Secretaria de Portos Autoridade Portuária Ministério dos Transportes Regulação / Inspeção / Autorização Infraestrutura Aquaviária Brasileira Terminais de Uso Privativo (TUP) Delegação Administrativa Empresas de Navegação Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 4

5 O ambiente regulatório e o papel da ANTAQ Crescimento da corrente de comércio do País; Demanda por infraestrutura portuária com serviços de qualidade e baixo custo; Atratividade ao capital privado para oferta destes serviços, mediante estabelecimento de marcos regulatórios estáveis. Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº5 5

6 Instalações portuárias Instalações portuárias sob a Lei 8.630/93, Arts. 1º e 4º Porto Organizado UNIÃO Arrendamento (subconcessão) Autorização TUP exclusivo TUP misto TUP turismo ETC IP4 Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 6 6

7 O que se exige do regulador Estabelecimento de regras claras; Previsibilidade das ações; Equilíbrio na arbitragem de conflitos; Garantia dos direitos de investidores; Garantia de serviços adequados aos usuários; Observância estrita aos preceitos legais; Estímulo a concorrência; Fiscalização mais efetiva; Comprometimento com o setor aquaviário; Comprometimento com a sustentabilidade da atividade. 7 Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 7

8 Principais desafios do setor aquaviário Valorizar o planejamento: Plano Geral de Outorgas Portuário (PGO) ; Plano Geral de Outorgas Hidroviário; Planos de Desenvolvimento e Zoneamento; Programas de arrendamento dos portos. Valorizar a integração multimodal; Realizar os investimentos previstos no PNLT; Defender o uso múltiplo das águas como ação em favor do desenvolvimento econômico, social e ambiental. Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 8

9 Principais Desafios do Setor Aquaviário Navegação Interior Eliminação dos gargalos que impedem a navegação durante o ano inteiro nas Bacias Hidrográficas brasileiras A construção/implantação de eclusas nas barragens para transposição dos níveis e respeito ao uso múltiplo das águas A integração multimodal nos portos da Navegação Interior O fomento da Navegação Interior junto aos usuários Regras bem definidas no setor de Navegação Interior que transmitam segurança e a certeza da prestação do serviço adequado aliando menor custo, desenvolvimento sustentável e fomento da hidrovia Colocar o setor de Navegação Interior com maior participação na matriz de transportes brasileira, considerando que o mundo inteiro pratica a Navegação Interior e reconhece o benefício dessa modalidade. Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 9

10 Aspectos ambientais Emissão de carbono por países Com queimadas de florestas Ano ,43 % 16,83 % 12,45 % 4º lugar 6,62% 5,51 % 4,90 % 3,83 % 3,75 % 2,51 % 1,92 % *Fonte: Inventário de Emissões, CAIT Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 10

11 Emissão de carbono por países sem queimadas de florestas Ano º Lugar 21,25 % 2º Lugar 20,28 % 3º Lugar 14,88 % 4º Lugar 5,64 % 5º Lugar 4,58 % 18º lugar 1,27% *Fonte: Inventário de Emissões, CAIT Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 11

12 Emissões de Carbono no Mundo *Fonte: CAIT Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 12

13 Emissões de Carbono no Brasil *Fonte: CAIT Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 13

14 Emissões de Carbono no Mundo por Modal Mundo Ferroviário Aéreo Hidroviário Rodoviário Outros transportes *Fonte: CAIT Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 14

15 Emissões de Carbono no Brasil por Modal 0,4% 7,6% 2% Ferroviário Rodoviário 90% Aéreo Hidroviário *Fonte: Ribeiro / IPEA Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 15

16 Estatística de Cobertura Florestal Brasil Europa (sem Rússia) África Ásia América do Sul (sem Brasil) Resto do Mundo Brasil 49,6% Europa 28,3% (sem Rússia) 0,1% África 3,4% Resto do Mundo Ásia 5,5% América do Sul (sem Brasil) 13,1% *Fonte: Ribeiro / IPEA Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 16

17 O Brasil detém o maior estoque de florestas tropicais do mundo Corresponde a mais da metade do total Mundial Total em torno de 460 Mha Iniciativas do Governo p/ redução do desmatamento: -Plano de Ação para a Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia (PPCDAM) - Plano Nacional sobre Mudança do Clima Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 17

18 O Brasil é o maior fornecedor de Oxigênio do planeta Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 18/65

19 Brasil: maior área de expansão de produção agrícola do mundo Cerrado *Fonte: MAPA/ CONAB Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 19/65

20 Brasil Distribuição Territorial (áreas de expansão) Itens Estimativa (milhões de ha) Floresta Amazônica 360 Pastagens 220 Áreas protegidas 55 Culturas anuais 47 Culturas permanentes 15 Cidades, lagos e estradas 20 Florestas cultivadas 5 SUBTOTAL 722 Outros usos 38 Áreas não exploradas, ainda disponíveis para a agricultura 91 TOTAL 851 *Fonte: MAPA/ CONAB Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 20/65

21 Áreas de Produção de Grãos *Fonte: MAPA/ CONAB Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 21

22 Estudo de caso do estado maior produtor de grãos do Brasil MATO-GROSSO RIO MADEIRA - ITACOATIARA MILHÃO t RIO TAPAJÓS - SANTARÉM 842 MIL t ITAQUI 93 MIL t Volume total mil toneladas (Soja 2008) VITÓRIA MILHÃO t PORTO MURTINHO 46 MIL t SANTOS MILHÕES t *Fonte: MAPA/ CONAB Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 22 PARANAGUÁ 709 MIL t SÃO FRANCISCO DO SUL 571 MIL t

23 MATO GROSSO Movimentação Atual e Potencial de Grãos no Mato Grosso Produção de Grãos do Mato Grosso Produção Transportada por hidrovia 27,5 milhões de t 14,9 % 40,3 milhões de t (safra 2010/19) 60% Movimentação de Grãos por Hidrovias 4,1 24,2 milhões de t milhões de t 1 Fonte: Projeções do Agronegócio Brasil 2008/2009 a 2018/19 AGE / MAPA Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 23

24 MATO GROSSO Redução nas Emissões de CO² para o transporte da Safra 2018/19 de grãos Sem Investimentos Com Investimentos Diferença Carga atraída pela hidrovia 6,0 milhões de t 24,2 milhões de t 18,2 milhões de t 14,9% 60% *Fonte: Projeções do Agronegócio Brasil 2008/2009 a 2018/19 AGE / MAPA Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 24

25 Quadro Resumo / Mato Grosso Redução nas Emissões de CO² para o transporte da Safra 2018/19 de grãos Emissões de CO²: Modal Rodoviário: 164 g/1.000 TKU Modal Hidroviário: 33,4 g/1.000 TKU Rodovia (km) Emissão de CO² (kg) Hidrovia (km) Rodovia (km) Emissão de CO² (kg) (kg) % 18, % *Fonte: Projeções do Agronegócio Brasil 2008/2009 a 2018/19 AGE / MAPA Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 25

26 Emissão de CO² (gramas / TKU) Rodoviário : Ferroviário : Hidroviário = 4,9 : 1,4 : 1 *Fonte: EHG Porto de Ennshafen -Austria Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 26

27 Os desafios Ambientais como Oportunidade Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 27

28 Pioneiro na introdução de um biocombustível BRASIL Etanol (Álcool Etílico) Matéria prima: Cana-de-açúcar Proálcool - Em 14/11/1975 o decreto nº cria o proálcool - Maior Programa de Utilização de Combustível Renovável no Mundo - Possibilitou a adição de 25% de etanol à gasolina, permitindo a retirada do chumbo e gerando grandes benefícios para o meio ambiente e para a sociedade. - Meta de exportar 4,75 bilhões de litros de etanol, considerando o Japão o principal mercado para exportação *Fonte: MARA Ministério da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 28

29 O carro Flex uma nova demanda nacional de etanol BRASIL Motor Flex permite a utilização de etanol ou gasolina em qualquer concentração Em 2008, as vendas de Veículos Flex representaram leves no Brasil 87,6% do total de vendas de veículos Frotas atuais de Veículos Flex em 2008: No Brasil - No Mundo - 6 milhões de veículos 13 milhões de veículos Fábricas atuais de Veículos Flex: VW, GM, Ford, Fiat, Renault, Peugeot, Citroen, Honda, e Toyota (quase 100 modelos disponíveis) *Fonte: ANFAVEA 2008 Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 29

30 O Etanol no Brasil Número de usinas: 370 Investimento de quase U$$ 7 bilhões em 61 novas usinas Produção: 21,5 bilhões de litros Área cultivada para produção de etanol: 3,75 milhões de hectares (0,44% da área total brasileira Etanol exportado pelo Brasil em 2007: 3,5 bilhões de litros Adicionada a produção de 7 bilhões de litros de etanol Expansão da área cultivada para produção açúcar e etanol: 2 milhões de hectares Expansão da infraestrutura de exportação para 8 bilhões de litros em exportação (Petrobrás) *Fonte: MARA Ministério da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 30

31 A economia com o uso do etanol no Brasil GASOLINA *Fonte: MARA Ministério da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária Demanda de gasolina para veículos leves Produção de gasolina Consumo de gasolina Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 31

32 A economia com o uso do etanol no Brasil GASOLINA *Fonte: MARA Ministério da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária Demanda de gasolina para veículos leves Produção de gasolina Consumo de gasolina Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 32

33 Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 33

34 Potencialidades Vias utilizadas economicamente km Vias naturalmente disponíveis km Extensão total das águas superficiais flúvio-lacustres km *Fonte: Ministério dos Transportes Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 34

35 Multimodalidade A matriz de transporte brasileira é inversamente proporcional à economia de custos, pois privilegia o transporte rodoviário em relação aos marítimo e ferroviário. Os modais de transportes não são concorrentes, mas complementares entre si. Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 35

36 PNLT Matriz de Transporte Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 36

37 PNLT Matriz de Transporte Comparativo entre Hidrovias, Ferrovias e Rodovias Países Hidrovias Ferrovias Rodovias EUA 25% 50% 25% Canadá 35% 52% 13% Rússia 13% 83% 4% Alemanha 29% 53% 18% Brasil 13% 27% 60% Fonte: Ministério dos Transportes e FGV Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 37

38 A Malha Hidroviária Brasileira Hidrovia do Madeira Hidrovia do Tapajós Teles Pires Hidrovia do Tocantins-Araguaia Hidrovia do Parnaíba Hidrovia do São Francisco Hidrovia Tietê-Paraná Hidrovia do Paraguai/Paraná Hidrovias do Sul Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 38

39 Corredores Hidroviários PAC II Fonte: Ministério dos Transportes Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 39

40 Investimentos Previstos no PAC II ( ) Valores em R$ milhões CORREDORES HIDROVIÁRIOS MADEIRA 556,10 TELES PIRES-TAPAJÓS 757,00 TOCANTINS 2.947,50 PARNAIBA 765,30 SÃO FRANCISCO 490,40 TIETE/PARANÁ 1.529,35 MERCOSUL 329,90 PARAGUAI 110,20 TOTAL: 7.485,75 PROGRAMAS NACIONAIS PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE TERMINAIS HIDROVIÁRIOS: 651,80 ESTUDOS HIDROVIÁRIOS 95,00 APARELHAMENTO DO PARQUE DE DRAGAGEM 308,00 TOTAL: 1.054,80 TOTAL GERAL 8.540,55 Fonte: Ministério dos Transportes Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 40

41 Madeira / Guaporé / Mamoré Movimentação atual de grãos: 3,8 milhões de toneladas Valor estimado de investimentos: R$ 556,1 milhões Capacidade de transporte de grãos: 10 milhões de toneladas Capacidade total de transporte: 21 milhões de toneladas *Fonte: ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 41

42 Teles Pires - Tapajós Movimentação atual de grãos: 400 mil toneladas Valor estimado de investimentos: R$ 757 milhões Capacidade de transporte de grãos: 12 milhões de toneladas Capacidade total de transporte: 12 milhões de toneladas *Fonte: ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 42

43 Araguaia - Tocantins Movimentação atual de grãos: 0 toneladas Valor estimado de investimentos: R$ 2.947,5 milhões Capacidade de transporte de grãos: 6 milhões de toneladas Capacidade total de transporte: 20 milhões de toneladas *Fonte: ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 43

44 Paraná - Tietê Movimentação atual de grãos: 2,0 milhões de toneladas Valor estimado de investimentos: R$ 1.529,35 milhões Capacidade de transporte de grãos: 10 milhões de toneladas Capacidade total de transporte: 14 milhões de toneladas *Fonte: ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 44

45 São Francisco Movimentação atual de grãos: 0 toneladas Valor estimado de investimentos: R$ 490,4 milhões Capacidade de transporte de grãos: 5 milhões de toneladas Capacidade total de transporte: 8 milhões de toneladas *Fonte: ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 45

46 Hidrovias do Sul - MERCOSUL Movimentação atual de grãos: 100 mil toneladas Valor estimado de investimentos: R$ 329,9 milhões Capacidade de transporte de grãos: 1,5 milhões de toneladas Capacidade total de transporte: 8 milhões de toneladas *Fonte: ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 46

47 Paraguai - Paraná Movimentação atual de grãos: 200 mil toneladas Valor estimado de investimentos: R$ 110,2 milhões Capacidade de transporte de grãos: 3 milhões de toneladas Capacidade total de transporte: 15 milhões de toneladas *Fonte: ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 47

48 Parnaíba Capacidade de transporte de grãos: 2 milhões de toneladas Valor estimado de investimentos: R$ 765,3 milhões *Fonte: ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 48

49 Quadro Resumo - Brasil Movimentação Atual e Potencial de Grãos Brasil Produção Brasileira de Grãos 140 milhões de t 180 milhões de t (safra 2018/19) Produção Transportada por hidrovia 4,79% 28,44% Movimentação de Grãos nas Hidrovias ,2 milhões de t milhões de t *Fonte: Projeções do Agronegócio Brasil 2008/2009 a 2018/19 AGE / MAPA Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 49

50 Quadro Resumo - Brasil Redução nas Emissões de CO² para o transporte da Safra 2018/18 de Grãos Sem Investimentos Com Investimentos Diferença Carga Atraída pela hidrovia 8,6 milhões de t 51,2 milhões de t 42,6 milhões de t 4,79% 28,44% *Fonte: Projeções do Agronegócio Brasil 2008/2009 a 2018/19 AGE / MAPA Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 50

51 Quadro Resumo - Brasil Redução nas Emissões de CO² para o transporte da Safra 2018/18 de Grãos Emissões de CO²: Modal Rodoviário: 164 g/1.000 TKU Modal Hidroviário: 33,4 g/1.000 TKU Rodovia (km) Emissão de CO² (kg) Hidrovia (km) Rodovia (km) Emissão de CO² (kg) (kg) % 24,6 milhões de t % *Fonte: Projeções do Agronegócio Brasil 2008/2009 a 2018/19 AGE / MAPA Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 51

52 Investir em hidrovias... *Fonte: Projeto Naiades Programa de ação europeu integrado para o transporte por vias navegáveis interiores. Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 52

53 ... É investir no meio ambiente. *Fonte: Projeto Naiades Programa de ação europeu integrado para o transporte por vias navegáveis interiores. Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 53

54 Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 54

55 Obrigado Fernando Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Hidrovias: Uma visão do futuro Slide nº 55

O Transporte Aquaviário como Solução Logística e Ambiental

O Transporte Aquaviário como Solução Logística e Ambiental O Transporte Aquaviário como Solução Logística e Ambiental Missão Rússia Seminário Portos Fernando Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Data: 14/05/2010 Local: Hotel Ritz-Carlton Uma breve visão do Brasil Fatos

Leia mais

Regulação do Transporte Aquaviário Navegação Interior

Regulação do Transporte Aquaviário Navegação Interior 5º SEMINÁRIO INTERNACIONAL EM LOGÍSTICA AGROINDUSTRIAL O Transporte Hidroviário(Fluvial e Cabotagem)de Granéis Agrícolas Cenário Atual do Transporte Hidroviário Brasileiro JOSÉ ALEX BOTÊLHO DE OLIVA,M.Sc.

Leia mais

A regulação do transporte aquaviário e da exploração da infraestrutura portuária

A regulação do transporte aquaviário e da exploração da infraestrutura portuária A regulação do transporte aquaviário e da exploração da infraestrutura portuária Tiago Pereira Lima Diretor da ANTAQ 12º Fórum Portos Brasil 2011 Maio 2011 Fatos Gerais sobre o Brasil Área Total:8.514.876

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia Política Nacional de Transportes Belém, 01 de setembro de 2015 Ministério dos Transportes - Competências Possui como principais

Leia mais

O setor aquaviário e o comércio exterior

O setor aquaviário e o comércio exterior O setor aquaviário e o comércio exterior Associação de Comércio Exterior do Brasil AEB ENAEX 2011 - Encontro nacional de comércio exterior Rio de Janeiro, RJ 19 de agosto de 2011 Fernando Antonio Brito

Leia mais

55º Fórum Nacional de Secretários de Planejamento INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA

55º Fórum Nacional de Secretários de Planejamento INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA 55º Fórum Nacional de Secretários de Planejamento INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA Salvador/BA, 06 de Setembro de 2013 PREMISSA BÁSICA O setor de Transportes como catalisador do desenvolvimento nacional Estruturando

Leia mais

A regulação no setor aquaviário brasileiro

A regulação no setor aquaviário brasileiro A regulação no setor aquaviário brasileiro Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Mare Forum South America 2011 Rio de Janeiro, outubro 2011 Aspectos institucionais da ANTAQ 2 Criada pela

Leia mais

CABOTAGEM COMO ALTERNATIVA LOGÍSTICA

CABOTAGEM COMO ALTERNATIVA LOGÍSTICA CABOTAGEM COMO ALTERNATIVA LOGÍSTICA Fábio Siccherino Novembro de 2013 CABOTAGEM POR QUE? 2 O BRASIL TEM MAIS DE 8.000 KM DE COSTA NAVEGÁVEL Incluindo o Rio Amazonas são 10.000 Km (Eficiência Geoeconômica).

Leia mais

01 de setembro de Belém - PA. Adalberto Tokarski Diretor

01 de setembro de Belém - PA. Adalberto Tokarski Diretor 01 de setembro de 2015. Belém - PA Adalberto Tokarski Diretor AGENDA 1. AS HIDROVIAS BRASILEIRAS 2. COMPLEXO HIDROVIÁRIO REGIÃO AMAZÔNICA 3. EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE GRÃOS 4. NOVOS INVESTIMENTOS Região

Leia mais

O Uso da Água para a Navegação

O Uso da Água para a Navegação O Uso da Água para a Navegação JOSÉ ALEX BOTÊLHO DE OLIVA, M.Sc. Superintendente de Navegação Interior Rio de Janeiro, 09 de Dezembro de 2008. Rodovias RODOVIAS - Malha Rodoviária Brasileira 1.700 milhão

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL DA HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ

SITUAÇÃO ATUAL DA HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS SITUAÇÃO ATUAL DA HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ JOSÉ RENATO RIBAS FIALHO Gerente de Desenvolvimento e Regulação da Navegação Interior A ANTAQ A ANTAQ Criada pela Lei

Leia mais

O Transporte Aquaviário como Solução Logística e Ambiental

O Transporte Aquaviário como Solução Logística e Ambiental O Transporte Aquaviário como Solução Logística e Ambiental Brazil 2010 BTG Pactual Eleventh Annual CEO Conference Fernando Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Data: 09/03/2010 Local: Grand Hyatt São Paulo, São

Leia mais

Seminário CNI BID TRANSPORTE PARA O COMÉRCIO E A INTEGRAÇÃO REGIONAL

Seminário CNI BID TRANSPORTE PARA O COMÉRCIO E A INTEGRAÇÃO REGIONAL Seminário CNI BID TRANSPORTE PARA O COMÉRCIO E A INTEGRAÇÃO REGIONAL Custos de transporte nas exportações brasileiras: como solucionar os gargalos? Eng. Elcio Ribeiro, MSc. Uso da Terra no Brasil Área

Leia mais

Gargalos logísticos e perspectivas

Gargalos logísticos e perspectivas Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Gargalos logísticos e perspectivas Daniel Furlan Amaral Gerente de Economia ABN AMRO São Paulo SP 26 de janeiro de 2015 1 Produção de grãos cada vez

Leia mais

Agronegócio em Mato Grosso. Abril 2013

Agronegócio em Mato Grosso. Abril 2013 Agronegócio em Mato Grosso Abril 2013 Brasil Visão Geral Brasil - Visão Geral Area 8,5 milhões km 2 (5º maior) População (2011) 195 milhões (6 º maior) PIB (2011) US$ 2,47 Trilhões (6 ª maior) Produção

Leia mais

Andamento das principais obras Agosto/2009

Andamento das principais obras Agosto/2009 Infraestrutura e Logística do Agronegócio Andamento das principais obras Agosto/2009 Principais Tendências da Produção RODOVIA BR 163 1. 2. 3. 4. Obras em andamento Restauração de 266 km entre Lucas do

Leia mais

Maurício de Mauro Diretor Executivo de Logística. Os desafios da Logística

Maurício de Mauro Diretor Executivo de Logística. Os desafios da Logística Maurício de Mauro Diretor Executivo de Logística Os desafios da Logística Agenda Novembro/2010 Histórico da Copersucar Mercado e Desempenho econômico Estratégia de crescimento Logística e Sustentabilidade

Leia mais

PRODUÇÃO E DEMANDA DE TRANSPORTE NA HIDROVIA ARAGUAIA - TOCANTINS

PRODUÇÃO E DEMANDA DE TRANSPORTE NA HIDROVIA ARAGUAIA - TOCANTINS Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento PRODUÇÃO E DEMANDA DE TRANSPORTE NA HIDROVIA ARAGUAIA - TOCANTINS Brasília (DF), 30 de novembro de 2006. Tendência Crescente de Produção e Volume de

Leia mais

Modelo de Negócios Objetivo

Modelo de Negócios Objetivo JULIO FONTANA Modelo de Negócios Objetivo Heavy haul do agronegócio Dominância dos principais corredores de exportação Expansão do setor agrícola DEMANDA DO AGRONEGÓCIO LOCALIZAÇÃO ESTRATÉGICA Grandes

Leia mais

ETH Bioenergia S.A. A Logística do Etanol Perspectiva dos Produtores. 20/Set/07

ETH Bioenergia S.A. A Logística do Etanol Perspectiva dos Produtores. 20/Set/07 A Logística do Etanol Perspectiva dos Produtores 20/Set/07 Distribuição Espacial da Lavoura de Cana-de-Açúcar na Região Centro Sul Concentração da expansão 27/7/2007 2 Distribuição Espacial das Unidades

Leia mais

EVTEA - H Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental das Hidrovias

EVTEA - H Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental das Hidrovias EVTEA - H Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental das Hidrovias Descrição geral - Trabalho técnico de Economia, Engenharia, Ciências do Meio Ambiente, Estatística, Geografia, Ciências Sociais

Leia mais

Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará

Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará Belém, PA Junho -2016 1 Mercado de Floresta Plantada 2 Mercado de Floresta Plantada Distribuição

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

A Importância do Arco Norte na Competitividade da Exportação Agropecuária

A Importância do Arco Norte na Competitividade da Exportação Agropecuária A Importância do Arco Norte na Competitividade da Exportação Agropecuária Saldo da Balança Comercial - Brasil US$ bilhões Exportação (US$ milhões) Importação (US$ milhões) Saldo 2013 2014 % 2013 2014

Leia mais

REDD NO BRASIL UM ENFOQUE AMAZÔNICO PARTE 1: EMISSÕES POR DESMATAMENTO TROPICAL E O PAPEL

REDD NO BRASIL UM ENFOQUE AMAZÔNICO PARTE 1: EMISSÕES POR DESMATAMENTO TROPICAL E O PAPEL REDD NO BRASIL UM ENFOQUE AMAZÔNICO PARTE 1: EMISSÕES POR DESMATAMENTO TROPICAL E O PAPEL DA AMAZÔNIA BRASILEIRA Grupo de Estudo em REDD Amapá Jaqueline Homobono EMISSÕES POR DESMATAMENTO TROPICAL E O

Leia mais

A Agricultura do Brasil e do Paraná

A Agricultura do Brasil e do Paraná Governo do Estado do Paraná A Agricultura do Brasil e do Paraná Políticas Públicas para a Produção de Biodiesel Orlando Pessuti Vice-Governador Abril/2007 BRASIL 5º Maior país do mundo PIB de US$ 1,0 trilhão

Leia mais

O Mito do Transporte Hidroviário no Brasil

O Mito do Transporte Hidroviário no Brasil O Mito do Transporte Hidroviário no Brasil Tiago Pereira Lima Diretor da ANTAQ 7º Encontro de Logística e Transportes FIESP São Paulo, 21 de maio de 2012 O CRESCIMENTO DO TRANSPORTE HIDROVIÁRIO NO BRASIL

Leia mais

3. O transporte no Brasil

3. O transporte no Brasil 47 3. O transporte no Brasil Neste capítulo, faz-se uma breve descrição do sistema de transporte de cargas no Brasil, onde são apresentados os investimentos programados pelo Governo Federal no setor, a

Leia mais

LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS

LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS Jean Carlos Pejo J C PEJO CONSUTORES ASSOCIADOS S/C LTDA Mapa da Produção de Soja no Brasil Projeção da Produção de Soja no Brasil Safra Produção Exportação 2009/2010

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso ÍNDICE 1 Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

O Agronegócio Hoje Atualidade e Tendências

O Agronegócio Hoje Atualidade e Tendências O Agronegócio Hoje Atualidade e Tendências AMCHAM 13 de Julho de 2016 Agronegócio - Balança Comercial - US$ Bilhões Fonte: WTO. Elaboração MBAGro. Brasil: Liderança Global no Agronegócio Suco de laranja

Leia mais

CRIAS Comitê das Rotas de Integração da América do Sul. IX Congresso Internacional das Rotas de Integração da

CRIAS Comitê das Rotas de Integração da América do Sul. IX Congresso Internacional das Rotas de Integração da CRIAS Comitê das Rotas de Integração da América do Sul IX Congresso Internacional das Rotas de Integração da América do Sul Wagner Cardoso Secretário-executivo Conselho de Infraestrutura Confederação Nacional

Leia mais

PUERTO IGUAZÚ ARGENTINA 26 al 29 de Agosto de 2014

PUERTO IGUAZÚ ARGENTINA 26 al 29 de Agosto de 2014 PUERTO IGUAZÚ ARGENTINA 26 al 29 de Agosto de 2014 Agenda 1. Rompendo bloqueios: A Xícara Mental 2. Principais números do Brasil, fatos e tendências 3. Agência Nacional de Transportes Aquaviários 4. Razões

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso ÍNDICE 1 Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

População mundial crescerá 34% até 2050.

População mundial crescerá 34% até 2050. Agronegócio no Mundo Protagonista no Cenário Mundial População mundial crescerá 34% até 2050. 10.000 9.000 8.000 7.000 6.000 5.000 4.000 3.000 2.000 1.000-9.150 7.670 6.830 195 210 219 2009 2020 2050 Mundo

Leia mais

Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial. Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio

Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial. Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio São Paulo, 22 de Setembro de 2015 Parece que estamos decolando ECONOMIA A BRASILEIR Agronegócio - Balança Comercial

Leia mais

Ocupação Sustentável do Território Nacional pela Ferrovia Associada ao Agronegócio

Ocupação Sustentável do Território Nacional pela Ferrovia Associada ao Agronegócio Ocupação Sustentável do Território Nacional pela Ferrovia Associada ao Agronegócio Superação do gargalo financeiro Superação do gargalo logístico - com fundo colorido 25/09/2017 1 A expansão da produção

Leia mais

Análise dos impactos socioeconômicos e ambientais do complexo minero-siderúrgico de Mato Grosso do Sul (CMS-MS)

Análise dos impactos socioeconômicos e ambientais do complexo minero-siderúrgico de Mato Grosso do Sul (CMS-MS) Análise dos impactos socioeconômicos e ambientais do complexo minero-siderúrgico de Mato Grosso do Sul (CMS-MS) André Carvalho Deborah Baré Hubner Mario Monzoni FGV-EAESP Centro de Estudos em Sustentabilidade

Leia mais

AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Junho/2008 Três Pontas/MG Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento DIMENSÃO DEMOGRÁFICO DIMENSÃO SOCIOECONÔMICA DIMENSÃO SEGURANÇA

Leia mais

Infraestrutura portuária para o Turismo. Brazil World Cup Transportation Congress Tiago Pereira Lima Diretor da ANTAQ São Paulo, 26 de julho de 2011

Infraestrutura portuária para o Turismo. Brazil World Cup Transportation Congress Tiago Pereira Lima Diretor da ANTAQ São Paulo, 26 de julho de 2011 Infraestrutura portuária para o Turismo Brazil World Cup Transportation Congress Tiago Pereira Lima Diretor da ANTAQ São Paulo, 26 de julho de 2011 Aspectos institucionais da ANTAQ 2 Criada pela Lei nº

Leia mais

Políticas Públicas da infraestrutura marítima e portuária. TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ

Políticas Públicas da infraestrutura marítima e portuária. TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ Políticas Públicas da infraestrutura marítima e portuária TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ Maritime Summit 2011 Rio de Janeiro, 28 de março de 2011 1 Dados gerais sobre o Brasil 2 Área total 8.514.876

Leia mais

Mineração e Agronegócio:

Mineração e Agronegócio: Mineração e Agronegócio: Superando Obstáculos para o Escoamento da Produção 8º Encontro de Logística e Transportes - FIESP Produção e Exportação Soja e Milho Produção de soja e milho > 5 mil toneladas

Leia mais

AS FLORESTAS NO MUNDO

AS FLORESTAS NO MUNDO AS FLORESTAS NO MUNDO ÁREA - Naturais = 3,682 bilhões ha (95%) - Plantadas = 187 milhões ha (5%) - Total = 3,869 bilhões ha (100%) SUPRIMENTO DE MADEIRA - Naturais = 65% - Plantadas = 35% - Total = 100%

Leia mais

Zoneamento Agroecológico da cana-de-açúcar para a produção de Etanol e Açúcar no Brasil

Zoneamento Agroecológico da cana-de-açúcar para a produção de Etanol e Açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da cana-de-açúcar para a produção de Etanol e Açúcar no Brasil Ministério da Agricultura/EMBRAPA Casa Civil MMA/MDA/MME/ Celso Vainer Manzatto Embrapa Meio Ambiente www.cnpma.embrapa.br

Leia mais

Rio Grande do Sul. Dinâmicas Territoriais E Planejamento Logístico. Com Dados SEPLAG RS

Rio Grande do Sul. Dinâmicas Territoriais E Planejamento Logístico. Com Dados SEPLAG RS Rio Grande do Sul Dinâmicas Territoriais E Planejamento Logístico Com Dados SEPLAG RS Principais Dinâmicas Territoriais Esvaziamento do Arco de Fronteira Expansão da concentração Porto Alegre - Caxias

Leia mais

LEI 5.194/66 - Regula o exercício das profissões de Engenheiro, Arquiteto e Engenheiro-Agrônomo.

LEI 5.194/66 - Regula o exercício das profissões de Engenheiro, Arquiteto e Engenheiro-Agrônomo. LEI 5.194/66 - Regula o exercício das profissões de Engenheiro, Arquiteto e Engenheiro-Agrônomo. Art. 1º As profissões de engenheiro, arquiteto e engenheiro-agrônomo são caracterizadas pelas realizações

Leia mais

Vale Logística de Carga Geral. Negócios nos Trilhos Novembro 2011

Vale Logística de Carga Geral. Negócios nos Trilhos Novembro 2011 Vale Logística de Carga Geral Negócios nos Trilhos Novembro 2011 A Vale opera um sistema logístico formado por 10 mil km de malha ferroviária e 8 terminais portuários dedicados à carga geral de terceiros

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Departamento da Cana-de-açúcar e Agroenergia MARÇO 2007 www.agricultura.gov.br daa@agricultura.gov.br

Leia mais

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE AUTOMOTIVOS. Data: Abril/97 No.11 NOVOS INVESTIMENTOS DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE AUTOMOTIVOS. Data: Abril/97 No.11 NOVOS INVESTIMENTOS DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE AUTOMOTIVOS Data: Abril/97 No.11 NOVOS INVESTIMENTOS DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA A indústria automobilística no Brasil vem programando investimentos

Leia mais

12º Congresso Brasileiro do Agronegócio Infraestrutura e Logística Painel 3 As oportunidades e as dificuldades para o aumento da oferta

12º Congresso Brasileiro do Agronegócio Infraestrutura e Logística Painel 3 As oportunidades e as dificuldades para o aumento da oferta 12º Congresso Brasileiro do Agronegócio Infraestrutura e Logística Painel 3 As oportunidades e as dificuldades para o aumento da oferta Jorge Karl Presidente da Cooperativa Agrária e Diretor da Ocepar

Leia mais

REUNIÃO NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO

REUNIÃO NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO REUNIÃO NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO 15 DE AGOSTO DE 2012 NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO 15/08/12 PAUTA 1. AGENDA PLANEJAMENTO II SEMESTRE 2012 2. ESCRITÓRIO DE PROJETOS

Leia mais

Agenda. 1. Rompendo bloqueios: A Xícara Mental. 2. Governança Brasileira em Transportes. 4. Potenciais fluviais de integração Sul Americana

Agenda. 1. Rompendo bloqueios: A Xícara Mental. 2. Governança Brasileira em Transportes. 4. Potenciais fluviais de integração Sul Americana Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ - Brasil Agenda 1. Rompendo bloqueios: A Xícara Mental 2. Governança Brasileira em Transportes 3. Números do Brasil e dimensões das hidrovias 4. Potenciais

Leia mais

A ANTAQ e a regulação do transporte aquaviário e das atividades portuárias. Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ

A ANTAQ e a regulação do transporte aquaviário e das atividades portuárias. Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ A ANTAQ e a regulação do transporte aquaviário e das atividades portuárias Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ Litoral Sudeste, 16 de fevereiro de 2008 Regulação do transporte aquaviário e

Leia mais

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Audiência Pública O PLANO DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO (PDA) E A AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO MATOPIBA (MARANHÃO,

Leia mais

PANORAMA DA AGROPECUÁRIA

PANORAMA DA AGROPECUÁRIA PANORAMA DA AGROPECUÁRIA SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO BELO HORIZONTE-MG NOVEMBRO/2006 ÍNDICE 1. Estado de Minas Gerais 2. Informações do Agronegócio 3. Produção agrícola

Leia mais

Cargas a serem transportadas pelo São Francisco

Cargas a serem transportadas pelo São Francisco Seminário sobre a Hidrovia do São Francisco Cargas a serem transportadas pelo São Francisco Promoção ANTAQ Brasília 17 de abril de 2007 Antônio Alberto Valença Secretaria de Planejamento do Estado da Bahia

Leia mais

7 Plano de escoamento da GEIPOT e novas possibilidades

7 Plano de escoamento da GEIPOT e novas possibilidades 7 Plano de escoamento da GEIPOT e novas possibilidades No ano de 2001 o governo federal, através do GEIPOT, realizou um amplo estudo buscando mensurar a redução dos custos de frete e combustível nas exportações

Leia mais

Soja Análise da Conjuntura Agropecuária MUNDO SAFRA 2014/15

Soja Análise da Conjuntura Agropecuária MUNDO SAFRA 2014/15 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2014 MUNDO SAFRA 2014/15 Devido ao aumento das cotações nas últimas safras, principalmente na comparação com o milho, o cultivo da soja vem aumentando

Leia mais

Perspec8vas para a agropecuária brasileira para os próximos cinco anos

Perspec8vas para a agropecuária brasileira para os próximos cinco anos www.imea.com.br Perspec8vas para a agropecuária brasileira para os próximos cinco anos Daniel Latorraca Superintendente Agenda Visão da cadeia de grãos nos últimos 10 anos Visão da pecuária nos últimos

Leia mais

Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil

Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil Gerson Teixeira Diretor de Economia e Meio Ambiente Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável Ministério do

Leia mais

Estrutura produtiva: 370 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país.

Estrutura produtiva: 370 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país. PERFIL DA PRODUÇÃO Estrutura produtiva: 370 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país. 935 mil empregos formais (RAIS 2014). Divisas Externas: US$

Leia mais

Indústria sucroenergética: Açúcar e etanol importância e cenário atual

Indústria sucroenergética: Açúcar e etanol importância e cenário atual Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição - LAN AÇÚCAR E ÁLCOOL - LAN 1458 Indústria sucroenergética: Açúcar

Leia mais

Oportunidades para apoio ao desenvolvimento do Centro Oeste. 25 de junho de 2013.

Oportunidades para apoio ao desenvolvimento do Centro Oeste. 25 de junho de 2013. Oportunidades para apoio ao desenvolvimento do Centro Oeste. 25 de junho de 2013. O Estado de Goiás Goiás, uma das 27 unidades federativas, está situado na região Centro Oeste do País ocupando uma área

Leia mais

CONEXÃO HIDROVIÁRIA BRASIL COM AMÉRICA DO SUL

CONEXÃO HIDROVIÁRIA BRASIL COM AMÉRICA DO SUL CONEXÃO HIDROVIÁRIA BRASIL COM AMÉRICA DO SUL JOSÉ ALEX BOTÊLHO DE OLIVA,M.Sc. Superintendente de Navegação Interior Objetivo da Agência Exercer a ação de Estado na Regulação do Setor Aquaviário O Desenvolvimento

Leia mais

,8% ,7% ,4% ,7% ,4%

,8% ,7% ,4% ,7% ,4% Fernando Seabra Mundo (mi. US$) Brasil (mi. US$) MarketShare 2010 39.719 11.043 27,8% 2011 45.698 16.327 35,7% 2012 53.183 17.248 32,4% 2013 57.444 22.810 39,7% 2014 59.005 23.277 39,4% Fonte: comtrade.un.org

Leia mais

A ferrovia brasileira a todo vapor

A ferrovia brasileira a todo vapor A ferrovia brasileira a todo vapor Massimo Giavina-Bianchi Diretor Presidente da Trans Sistemas de Transportes S.A. (T TRANS) O modal ferroviário de cargas foi relegado no Brasil por muitos anos. Apesar

Leia mais

Desafios logísticos no setor portuário

Desafios logísticos no setor portuário Desafios logísticos no setor portuário São Paulo, 13 de setembro de 2012 Wilen Manteli PRESIDENTE DA ABTP No setor portuário, os nós institucionais marco regulatório e gestão são tão problemáticos quanto

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO DESENVOLVIMENTO OPORTUNIDADES E DESAFIOS

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO DESENVOLVIMENTO OPORTUNIDADES E DESAFIOS AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO DESENVOLVIMENTO OPORTUNIDADES E DESAFIOS AVALIAÇÕES TÉCNICAS / FEVEREIRO DE 2016 LUIZ ANTONIO FAYET Consultor da CNA AGRONEGÓCIO BRASILEIRO EVOLUÇÃO HÁ 50 ANOS = IMPORTADOR

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Abril/2017

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Abril/2017 SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Abril/2017 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Rural 05. Habitantes no Campo

Leia mais

Ministério de Minas e Energia POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO

Ministério de Minas e Energia POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO Reunión Ministerial Iberoamericana

Leia mais

Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis

Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Marco Antônio Martins Almeida Secretário de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis spg@mme.gov.br Rio de Janeiro, 21

Leia mais

Implicações do PL 1876/99 nas áreas. Presidente do IPEA

Implicações do PL 1876/99 nas áreas. Presidente do IPEA CÓDIGO FLORESTAL Implicações do PL 1876/99 nas áreas de Reserva Legal Marcio Pochmann Presidente do IPEA Pelo PL 1876/99 o que mudaria? Reserva Legal (RL) - Novos Recortes MF p O que é um Módulo Fiscal?

Leia mais

Secretaria de Portos. Ministério dos Transportes. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Secretaria de Portos. Ministério dos Transportes. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de s Ministério dos Transportes Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Principais Corredores para Escoamento da Safra de Grãos CE Velho PE RN PB SE AL Salvador Ilhéus Hidrovias

Leia mais

REGULAÇÃO NO BRASIL EM SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO

REGULAÇÃO NO BRASIL EM SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO REGULAÇÃO NO BRASIL EM SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO II AÇÃO DE COMUNICAÇÃO SOBRE SANEAMENTO AMBIENTAL E TRATAMENTO DA ÁGUA FUNDAÇÃO - 08/04/1.999 ASSOCIADAS - 52 agências 17

Leia mais

HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL

HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL Eng. José Luiz Fay de Azambuja azambuj@uol.com.br PELOTAS / RS 10.11.2010 SUMÁRIO Hidrovia da Integração Brasil Uruguai Caracterização

Leia mais

Desafios da Gestão Florestal visando produção florestal sustentável. Tasso Rezende de Azevedo Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Desafios da Gestão Florestal visando produção florestal sustentável. Tasso Rezende de Azevedo Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Desafios da Gestão Florestal visando produção florestal sustentável Tasso Rezende de Azevedo Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro A Reforma do Setor Florestal Serviço Florestal Brasileiro Leitura

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO OBSTÁCULOS LOGÍSTICOS COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA COMISSÃO DE SERVIÇOS E INFRAESTRUTURA SENADO FEDERAL JULHO DE 2010 EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO IMPORTAÇÕES DE FERTILIZANTES

Leia mais

! " #$!! %&!

!  #$!! %&! '(! " #$!! %&! ) *+!!, -./( ) Fornecedores Siderurgia Metalurgia Plásticos Tintas Componentes eletrônicos Autopeças Pneus Produtos da cadeia automotiva Automóveis Comerciais leves Caminhões Ônibus Máquinas

Leia mais

Projeto de Desenvolvimento Regional Integrado e Sustentável do Tocantins

Projeto de Desenvolvimento Regional Integrado e Sustentável do Tocantins Projeto de Desenvolvimento Regional Integrado e Sustentável do Tocantins Novembro 2015 1 Logística 2 Logística 3 Logística 4 Logística 5 Logística 6 Logística 7 Logística 8 Logística 9 Modais Comparativo

Leia mais

Planos de Negócio das Ferrovias de Carga para 2011

Planos de Negócio das Ferrovias de Carga para 2011 01/11/010 Planos de Negócio das Ferrovias de Carga para 011 Planos de Negócio de Carga Geral das Ferrovias da Vale Fabiano Lorenzi AGENDA Logística da Vale Sistema Logístico Norte Sistema Logístico Sudeste

Leia mais

ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS NO ESTADO DO PARÁ

ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS NO ESTADO DO PARÁ ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS NO ESTADO DO PARÁ David Leal Secretário de Estado de Indústria, Belém 2011 Sumário 1.O Estado do Pará 2.Principais Vocações 3. Diretoria de Mercado e Atração de Investimentos -

Leia mais

Oficina. Grandes Obras na Amazônia. Tema 5: Ordenamento Territorial e Biodiversidade *Síntese* Ane Alencar Paulo Moutinho e Raissa Guerra

Oficina. Grandes Obras na Amazônia. Tema 5: Ordenamento Territorial e Biodiversidade *Síntese* Ane Alencar Paulo Moutinho e Raissa Guerra Oficina Grandes Obras na Amazônia Tema 5: Ordenamento Territorial e Biodiversidade *Síntese* Ane Alencar Paulo Moutinho e Raissa Guerra Rumo da discussão FORMULAÇÃO DE DIRETRIZES PARA POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO OPORTUNIDADES E DESAFIOS ABAG MARÇO DE 2011

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO OPORTUNIDADES E DESAFIOS ABAG MARÇO DE 2011 AGRONEGÓCIO BRASILEIRO OPORTUNIDADES E DESAFIOS ABAG MARÇO DE 2011 Brasil - Ranking Mundial 2008 Brasil - Ranking Mundial Part. no Principais Produtos Brasil - Ranking Mundial Part. Comércio no Principais

Leia mais

Realização: Execução:

Realização: Execução: Realização: Execução: 1 INTRODUÇÃO PROMOTORES: SEBRAE/MS, REFLORE/MS, FAMASUL, FIEMS, BANCO DO BRASIL, GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL AVALIAÇÃO: O SETOR FLORESTAL É DE VITAL IMPORTÂNCIA PARA O

Leia mais

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO JOÃO CRUZ REIS FILHO SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Brasília/DF JULHO DE 2015 22 CENÁRIO POPULACIONAL

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Março/2016

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Março/2016 SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Março/2016 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Rural 05. Habitantes no Campo

Leia mais

Relações Brasil - China: oportunidades de negócios para o setor agropecuário

Relações Brasil - China: oportunidades de negócios para o setor agropecuário Relações Brasil - China: oportunidades de negócios para o setor agropecuário Eduardo Correa Riedel Vice-Presidente e Diretor da Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil - CNA Relações Brasil -

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA Fundada em 1955 Entidade do setor privado florestal Abrangência nacional Membro do CONAMA, CONAFLOR, CERFLOR, FCMM, CGFLOP AÇÕES Política e legislação florestal brasileira

Leia mais

CONTRATAÇÕES PÚBLICAS SUSTENTÁVEIS ROBERTO S. WAACK

CONTRATAÇÕES PÚBLICAS SUSTENTÁVEIS ROBERTO S. WAACK CONTRATAÇÕES PÚBLICAS SUSTENTÁVEIS ROBERTO S. WAACK DEZEMBRO/2013 1 NOSSO NEGÓCIO FLORESTAS NOSSO NEGÓCIO MERCADO FLORESTA PLANTADA Madeira Sólida MADEIRA CERTIFICADA Fibras Energia FLORESTA NATIVA PRODUTOS

Leia mais

Investimentos em Infraestrutura e Crescimento Econômico Brasileiro

Investimentos em Infraestrutura e Crescimento Econômico Brasileiro Investimentos em Infraestrutura e Crescimento Econômico Brasileiro Márcio Holland Secretário de Política Econômica Comissão de Infraestrutura do Senado Federal Brasília, 19 de maio de 2014 2 Por que investimentos

Leia mais

12 CONGRESSO FLORESTAL ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL. Política Agrícola para Florestas Plantadas

12 CONGRESSO FLORESTAL ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL. Política Agrícola para Florestas Plantadas 12 CONGRESSO FLORESTAL ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL Política Agrícola para Florestas Plantadas Florestas Plantadas Legislação Lei 12.187/2009 Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima - PNMC

Leia mais

ANEXO-UNDER 2 ESTADO DE MATO GROSSO

ANEXO-UNDER 2 ESTADO DE MATO GROSSO ANEXO-UNDER 2 ESTADO DE MATO GROSSO CARACTERIZAÇÃO DO ESTADO O estado de Mato Grosso está localizado na região Centro-Oeste do Brasil, fazendo fronteira com os estados do Pará e Amazonas ao norte, Mato

Leia mais

Visão da ANTAQ sobre a logística portuária e hidroviária

Visão da ANTAQ sobre a logística portuária e hidroviária Visão da ANTAQ sobre a logística portuária e hidroviária FERNANDO ANTONIO BRITO FIALHO DIRETOR-GERAL Apresentação para o Grupo Votorantim Brasília, 05 de maio de 2009. Aspectos Institucionais Criada pela

Leia mais

Seguro Garantia - Oportunidades

Seguro Garantia - Oportunidades Seguro Garantia - Oportunidades '000 USD América Latina Seguro Garantia: Prêmios e Crescimento 10 anos 01-02 02-03 03-04 04-05 05-06 06-07 07-08 08-09 09-10* 2.000.000 1.800.000 1.600.000 1.400.000 1.200.000

Leia mais

5 maiores Problemas da Humanidade até 2050

5 maiores Problemas da Humanidade até 2050 5 maiores Problemas da Humanidade até 2050 Água Energia Evolução da População Mundial 1950 2011 2050 2,5 bi 7,5 bi 9,3 bi Evolução dos Famintos 1950 2011 2050 0,5 bi 0,9 bi 1,3 bi Alimentos Lixo Pobreza

Leia mais

Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014

Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014 Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014 1 Sumário Executivo Apresentação A Bacia Hidrográfica do Alto

Leia mais

Cadeia Produtiva da Soja e Biodiesel

Cadeia Produtiva da Soja e Biodiesel Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Cadeia Produtiva da Soja e Biodiesel Daniel Furlan Amaral Gerente de Economia 18 de agosto de 2017 Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Estado-Maior da Armada Subchefia de Organização

Estado-Maior da Armada Subchefia de Organização 1 Estado-Maior da Armada Subchefia de Organização Estado-Maior da Armada Subchefia de Organização INICIATIVAS DA MARINHA DO BRASIL AFETAS ÀS HIDROVIAS Apresentação ao Ministério dos Transportes 11-09-2015

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D.4.6. Gestão, Avaliação e Revisão do PPA (20h) (Caso 2: Piloto do Monitoramento do PPA 2012-2015 - Programa Mudanças Climáticas) Professor:

Leia mais