Patologias Pediátricas Infeciosas Comuns Tratamento Antimicrobiano nos Cuidados de Saúde Primários

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Patologias Pediátricas Infeciosas Comuns Tratamento Antimicrobiano nos Cuidados de Saúde Primários"

Transcrição

1 Patologias Pediátricas Infeciosas Comuns Tratamento Antimicrobiano nos Cuidados de Saúde Primários Patologia Infeciosa Antimicrobiano Dose; Via Freq. Tomas Duração tratamento Medidas adicionais Rinossinusite aguda bacteriana 1,2 90mg/Kg/dia 1014 dias (SOS) 15mg/Kg/dia 1421 dias Alergia βl HS não 1: 30mg/Kg/dia 1421 dias Limpeza nasal com SF CCT nasal (se rinite alérgica) 50 mg/kg/dia ou Amigdalite bacteriana 3 Penicilina G benzatínica * Cefadroxil Cefeprozil <27kg: U 27kg: U (I.M.) Única 15 mg/kg/dia 50 mg/kg/dia 6/6 ou 12 mg/kg/dia Alergia βl HS não 1: 30 mg/kg/dia 30 mg/kg/dia 2030 mg/kg/dia 5 dias (SOS) Otite Média Aguda mg/kg/dia + Ácido (14:1 ou 7:1)** Ceftriaxona 8090 mg/kg/dia 50mg/Kg/dia (I.M. ou E.V.) 15 mg/kg/dia 50 mg/kg/dia 10 mg/kg/dia Alergia βl HS não 1: 6/6 ou 30 mg/kg/dia 5 dias: 2 anos 7 dias: < 2 anos OMA recorrente Falência do tratamento inicial (exceto: 3 dias e Ceftriaxona 1 a 3 dias) 1

2 Otite externa 1,5 Ofloxacina (Ottoflox ) Neomicina + Polimixina B + Hidrocortisona (Otosporin ) Neomicina + Polimixina B + Dexametasona (Polydexa ) 5 gotas 2 gotas 12 gotas 714 dias 6/6h 7 dias 7 dias Limpeza do CAE Manter CAE seco evitar água do banho Cultura nos casos persistentes Varicela 1,2 Aciclovir 20mg/Kg/ Dose 6/6h 5dias (Iniciar nas primeiras 24h da erupção) Paracetamol Cortar as unhas AntiHistamínico oral (Hidroxizina; Dimetindeno) Suspeita de PAC bacteriana: mg/Kg/dia 7 Pneumonia adquirida na Comunidade (PAC) 1,6 Suspeita de PAC bacteriana e idade<12 meses ou vacinação (Prevenar ) incompleta: 75 90mg/Kg/dia Suspeita de PAC atípica: 7 10mg/Kg/dia 3 dias Hidratação oral 15mg/Kg/dia (oral ou E.V.) (oral ou E.V.) 14 dias 6/6h 14 dias 40 mg/kg/dia Adenite 1,2 Flucloxacilina 50 mg/kg/dia 6/6h ou 15 mg/kg/dia 2

3 >3 meses até adolescência Infeção do trato urinário 1,7 20 Amoxiclina clavulânico 20 30mg/Kg/dia A partir da adolescência ( ) Fosfomicina 3000mg Única Nitrofurantoína 100mg 6/6h + Ácido clavulânico 50mg/Kg/dia 24dias (sem febre) 714 dias (febre) Paracetamol (SOS) 30 Candidíase perineal 1 Clotrimazol 1% Tópica cutânea 7dias Alternar com pasta de zinco Candidíase oral 1 Conjuntivite do lactente 1 Nistatina oral Miconazol (Gel bucal) Oxitetraciclina Cloranfenicol (colírio) + Cloranfenicol (pomada) <1M >1M 26A >6A 1mL/dose (aplicar após as refeições) 12 ml/dose 22,5mL/dose 5 ml/dose 5 ml/dose Pomada 1 gota Colírio Pomada 6/6h 7 dias 6/6h 7 dias 7dias Esterilização das tetinas e chupetas Lavar com SF Lavar as mãos antes e após a aplicações Siglas: Freq. Frequência; Alergia βl HS 1: Alergia aos βlactâmicos Hiperssensibilidade tipo I; Alergia βl HS não 1: Alergia aos βlactâmicos Hiperssensibilidade não tipo I; AINE Antinflamatório não esteróide; SF: soro fisiológico; I.M.: intramuscular; E.V.: endovenoso; CCT: corticóide; OMA Otite Média Aguda; CAE: Canal auditivo externo; Quanto baste; M: meses; A: anos; AB: antibiótico; c/: com; s/: sem; GG: gânglio; AP: auscultação pulmonar. Nota: A via de administração dos fármacos é, de uma forma geral, a oral. Nos casos de exceção, a via respetiva encontrase mencionada. * Se terapêutica oral não é possível ou quando não é expectável que a criança cumpra a totalidade do tratamento por via oral. ** deve ser prescrito na formulação 14:1 (ex.: 600mg/5mL 42,9mg/5mL, Clavamox ES, Augmentin ES ) ou 7:1 (ex.: 400mg/5mL 57mg/5mL, Clavamox DT 400, Betamox Plus 400 ), se: houve tratamento nos 30 dias prévios com betalactâmicos persistência dos sintomas 4872 horas após o antibiótico, caso a OMA seja não complicada. 2/2h (ao deitar) 7dias 7dias 3

4 Otite Média Aguda: Medicar com AB se: Varicela: Medicar com Aciclovir oral se: lactente < 6 meses Criança 12 anos de idade Doença cardiopulmonar crónica ou cutânea Tratamento com salicilatos ou CCT inalados ou orais Casos secundários nos contactos ou lactente> 6 meses OMA com quadro clínico grave OMA bilateral em criança> 2 anos Otorreia OMA recorrente Agravamento ou persistência dos sintomas após 4872h Manifestações/ Sinais clínicos típicos: Rinossinusite aguda bacteriana: obstrução nasal, rinorreia purulenta, dor facial, febre, cefaleias, odinofagia. Amigdalite aguda bacteriana: odinofagia súbita + febre, vómitos, dor abdominal, cefaleia, orofaringe hiperemiada c/ ou s/ exsudado, GG cervical anterior doloroso, petéquias no palato, exantema escarlatiniforme.mais típica na faixa etária: 515 anos de idade. Otite Média Aguda: Início abrupto de otalgia ou eritema franco da membrana timpânica (MT) inflamação do ouvido médio + MT abaulada ou nível de ar através da MT, ou otorreia, ou mobilidade diminuída/ausente da MT aquando da Manobra de Valsalva efusão do ouvido médio. Otite Externa: Prurido e dor (comum em frequentadores de piscinas); a dor aumenta com a pressão do tragus e tração do pavilhão. Varicela: Exantema papulovesiculoso, muito pruriginoso, com lesões que evoluem muito rapidamente, de máculas/pápulas para vesículas e crostas, encontrandose simultaneamente nos vários estádios. Febre de intensidade variável. Otite Externa: Prurido e dor (habitualmente em frequentador de piscinas); a dor aumenta com a pressão PAC: do quadro tragus de e tração febre, do tosse, pavilhão. dificuldade respiratória, com evidência radiológica de infiltrado pulmonar, sem internamento nos 7 dias que antecederam o quadro ou com internamento há PAC: menos quadro de 48 de horas. febre, Quadro tosse, dificuldade clínico variável: respiratória, inespecífico com evidência em lactentes radiológica (recusa de alimentar infiltrado ou pulmonar, irritabilidade); sem crianças internamento maiores nos podem 7 dias referir que dor antecederam torácica, dor o quadro abdominal ou ou com cefaleias. internamento há menos de PAC 48 bacteriana: horas. Quadro Início clínico brusco; variável: febre alta inespecífico (>39ºC); estado em lactentes geral afetado; (recusa tosse alimentar produtiva; ou irritabilidade); Outros sintomas crianças dor maiores pleurítica, podem sinais referir de dor sépsis; torácica, AP dor diminuição abdominal dos ou cefaleias. sons respiratórios e crepitações localizadas. PAC PAC bacteriana: atípica: Início Início insidioso; brusco; febre febre <39ºC; alta (>39ºC); estado estado geral conservado; geral afectado; tosse tosse irritativa; produtiva; Outros Outros sintomas sintomas cefaleias, dor mialgias; pleurítica, AP sinais crepitações de sépsis; e/ou sibilos AP diminuição uni ou bilaterais. dos sons Mais respiratórios típica na faixa e crepitações etária: 45 localizadas anos de idade. Adenite/Adenofleimão de etiologia bacteriana: Sinais inflamatórios francos sobre uma adenomegalia, de início súbito. Pode haver ou não febre. Infeção do trato Urinário: Idade <24 meses sintomas muito inespecíficos, a febre é o principal sintoma; >24 meses febre + dor lombar sugerem infeção urinária alta, enquanto que disúria, poliaquiúria ou incontinência urinária sugerem infeção urinária baixa. Candidíase perineal: Eritema perineal, com aspeto exsudativo, de cor vermelhovivo e com pústulas satélites/ Candidíase oral: placas esbranquiçadas muito aderentes na mucosa oral. Conjuntivite bacteriana do lactente: corrimento purulento, geralmente uniocular, com edema da conjuntiva. 4

5 Particularidades: Critérios para amigadlectomia: 6 amigdalites/ano; 3 amigdalites em 2 anos consecutivos Otites recorrentes: 3 episódios em 6 meses; 4 episódios/ ano. Infeções urinárias recorrentes: 2 Pielonefrites agudas (PNA); 1 PNA + 1 Cistites; 3 cistites Outras Posologias: Paracetamol: 1015 mg/kg/dose (máx 500 mg/dose) 6/6h (máx 5 doses/24h); oral ou retal AINE Ibuprofeno: 510 mg/kg/dose (máx 400 mg/dose) ; oral ou retal Hidroxizina: 12mg/Kg/dia, ou de, 3 a 5 dias Dimetindeno: 0,1mg/Kg/dia,, 3 a 5 dias Bibliografia: 1 Costa, M.A.; Lemos, M.C.; Durães, F.; Palminha, J.M. Terapêutica Pediátrica em Ambulatório Notas, Conselhos, Esquemas Posológicos. 2ª Edição. Lidel Amaral, J.M.; Tratado de Clínica Pediatra; Tratado de Clínica Pediátrica. 1ª Edição. Abbot DireçãoGeral da Saúde. Diagnóstico e Tratamento da Amigdalite Aguda na Idade Pediátrica. Norma nº 020/2012. Publicada a 26/12/ DireçãoGeral da Saúde. Diagnóstico e Tratamento da Otite Média Aguda na Idade Pediátrica. Norma nº 007/2012. Atualizada a 28/10/ Osguthorpe J.D.; Nielsen D.R. Otitis externa: review and clinical update. American Family Physician, 2006; 74: DireçãoGeral da Saúde. Diagnóstico e Tratamento da Pneumonia Adquirida na Comunidade em Idade Pediátrica. Norma nº 019/2012. Publicada a 26/12/ DireçãoGeral da Saúde. Diagnóstico e Tratamento da Infeção do Trato Urinário em Idade Pediátrica. Norma nº 008/2012. Publicada a 16/12/ Trabalho realizado por Helena Fernandes 1 e Pedro Miranda 2 (Internos de Formação Específica de Medicina Geral e Familiar, 1 USF do Mar e 2 USF Eça de Queirós, ACES Grande Porto IV). Novembro de

Dor de Ouvido e OTITE MÉDIA AGUDA. Angel Mar Roman MFC Universidade Positivo Curitiba (PR)

Dor de Ouvido e OTITE MÉDIA AGUDA. Angel Mar Roman MFC Universidade Positivo Curitiba (PR) Dor de Ouvido e OTITE MÉDIA AGUDA Angel Mar Roman MFC Universidade Positivo Curitiba (PR) Definição Importância Incidência/prevalência Características diagnósticas/história Critérios diagnósticos Exames

Leia mais

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C.

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C. FEBRE TIFOIDE CID 10: A 01.0 DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C. Marcon CARACTERÍSTICAS GERAIS DESCRIÇÃO É

Leia mais

TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA EM ODONTOPEDIATRIA

TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA EM ODONTOPEDIATRIA TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA EM ODONTOPEDIATRIA PROCEDIMENTOS OPERATÓRIOS Profa. Dra. Mariana Braga Isabela Floriano CASCATA DA DOR E INFLAMAÇÃO AINES E o ANTIBIÓTICO?? Prostaglandinas Prostaciclinas Tromboxanas

Leia mais

ANEXO nº 10 - Infecções Respiratórias Agudas

ANEXO nº 10 - Infecções Respiratórias Agudas ANEXO nº 10 - Infecções Respiratórias Agudas Dra. Roberta Nery Cardoso Camargo 14 Dra. Márcia Annarumma Guedes 15 Vias Aéreas Superiores 1. Resfriado Comum O resfriado comum é uma doença viral na qual

Leia mais

Gripe A. Dr. Basil Ribeiro. Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo. Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva

Gripe A. Dr. Basil Ribeiro. Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo. Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva Gripe A Dr. Basil Ribeiro Medicina Desportiva Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva Vírus H1N1 - Introdução Gripe dos porcos altamente

Leia mais

ANESTÉSICOS. Doses máximas de Lidocaína 2% c/ Adrenalina 1:

ANESTÉSICOS. Doses máximas de Lidocaína 2% c/ Adrenalina 1: Material baseado na aula Odontopediatria na Atenção Básica ministrada às equipes de Saúde Bucal da PMPA, por Giovana M. C. Dutra e Lizandra F. Guimarães. ANESTÉSICOS Dose máxima de Lidocaína: 6,6-7mg/kg

Leia mais

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites na Criança Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites Quadro Clínico Inflamação de estruturas faríngeas com: Eritema Edema Exsudato faríngeo Úlcera

Leia mais

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS (IRAs) NA INFÂNCIA. Enfermagem na Atenção Básica Profa. Maria De La Ó Ramallo Veríssimo

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS (IRAs) NA INFÂNCIA. Enfermagem na Atenção Básica Profa. Maria De La Ó Ramallo Veríssimo INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS (IRAs) NA INFÂNCIA Enfermagem na Atenção Básica - 2015 Profa. Maria De La Ó Ramallo Veríssimo IRAS NA INFÂNCIA IRAs Principal motivo de consulta e de hospitalização (30

Leia mais

Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013)

Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013) Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013) Damoiseaux RAMJ, Van Balen FAM, Leenheer WAM, Kolnaar BGM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO. TAGAMET 400 mg pó para suspensão oral Cimetidina

FOLHETO INFORMATIVO. TAGAMET 400 mg pó para suspensão oral Cimetidina FOLHETO INFORMATIVO Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento. - Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. - Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico. -

Leia mais

PATOLOGIAS MAIS FREQUENTES NA INFÂNCIA

PATOLOGIAS MAIS FREQUENTES NA INFÂNCIA PATOLOGIAS MAIS FREQUENTES NA INFÂNCIA Considerações Gerais: DESIDRATAÇÃO A desidratação se caracteriza por perdas anormais e consequentes alterações no volume e na composição dos líquidos do organismo.

Leia mais

Doenças exantemáticas DIP II

Doenças exantemáticas DIP II Doenças exantemáticas DIP II Profª Christiane Rangel Doenças exantemáticas Em geral infecto-contagiosas Diagnóstico essencialmente clínico Exantema é variável, de acordo com tipo de afecção: Macular Papular

Leia mais

Ofício Circular S/SUBPAV/SAP n.º 019/2015 Rio de Janeiro, 03 de novembro de 2015.

Ofício Circular S/SUBPAV/SAP n.º 019/2015 Rio de Janeiro, 03 de novembro de 2015. 1 Ofício Circular S/SUBPAV/SAP n.º 019/2015 Rio de Janeiro, 03 de novembro de 2015. Às Coordenadorias Gerais de Atenção Primária com vistas às Unidades de Saúde Assunto: Procedimentos para notificação

Leia mais

Diprosalic pomada está indicada no tratamento inicial de psoríase em placas moderada a grave.

Diprosalic pomada está indicada no tratamento inicial de psoríase em placas moderada a grave. RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1.NOME DO MEDICAMENTO Diprosalic 0,5 mg/g + 30 mg/g Pomada 2.COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada grama de pomada contém 0,64 mg de dipropionato de betametasona,

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório Orientações gerais para as famílias Ambulatório 2016 Orientações gerais para as famílias O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de duas enfermeiras e duas auxiliares de enfermagem, para oferecer

Leia mais

ANTIBIÓTICOS EM ODONTOPEDIATRIA NÃO PROFILÁTICOS E PROFILÁTICOS

ANTIBIÓTICOS EM ODONTOPEDIATRIA NÃO PROFILÁTICOS E PROFILÁTICOS ANTIBIÓTICOS EM ODONTOPEDIATRIA NÃO PROFILÁTICOS E PROFILÁTICOS QUANDO RECEITAR ANTIBIÓTICOS? Fístulas não usar abscessos não drenáveis comprometimento sistêmico causado pela disseminação de infecção de

Leia mais

Paracetamol Generis pertence a um grupo de medicamentos chamados analgésicos e antipiréticos que ajudam no combate à dor e febre.

Paracetamol Generis pertence a um grupo de medicamentos chamados analgésicos e antipiréticos que ajudam no combate à dor e febre. Folheto informativo: Informação para o utilizador Paracetamol Generis 40 mg/ml Xarope Paracetamol Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento pois contém informação importante

Leia mais

sulfato de polimixina B - sulfato de neomicina acetato de fludrocortisona - cloridrato de lidocaína

sulfato de polimixina B - sulfato de neomicina acetato de fludrocortisona - cloridrato de lidocaína I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Panotil sulfato de polimixina B - sulfato de neomicina acetato de fludrocortisona - cloridrato de lidocaína APRESENTAÇÃO Solução otológica: frasco contendo 8 ml com conta-gotas.

Leia mais

Febre periódica, estomatite aftosa, faringite e adenite (PFAPA)

Febre periódica, estomatite aftosa, faringite e adenite (PFAPA) www.printo.it/pediatric-rheumatology/pt/intro Febre periódica, estomatite aftosa, faringite e adenite (PFAPA) Versão de 2016 1. O QUE É A PFAPA 1.1 O que é? PFAPA significa Febre Periódica, Estomatite

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 03/2011 OPERAÇÃO INVERNO MÉDICO CLÍNICA GERAL, MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE

PROCESSO SELETIVO 03/2011 OPERAÇÃO INVERNO MÉDICO CLÍNICA GERAL, MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO DE SELEÇÃO E INGRESSO PROCESSO SELETIVO 03/2011 OPERAÇÃO INVERNO MÉDICO CLÍNICA GERAL, MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE

Leia mais

Dor na mama da mãe lactante: candidíase. Sofia Quintero Romero

Dor na mama da mãe lactante: candidíase. Sofia Quintero Romero Dor na mama da mãe lactante: candidíase Sofia Quintero Romero Dor na mama da mãe lactante Causas: Trauma Dermatite Vasoespasmo ou síndrome de Raynaud Infecção bacteriana, candidíase Sem causa aparente

Leia mais

vacina hepatite B (recombinante)

vacina hepatite B (recombinante) vacina hepatite B (recombinante) FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Suspensão injetável - Cartucho contendo 1 frasco-ampola com 1 dose de 0,5mL; - Cartucho contendo 20 frascos-ampola com 1 dose de 0,5mL;

Leia mais

Doença por vírus Ébola. Procedimentos a adotar pela LSA

Doença por vírus Ébola. Procedimentos a adotar pela LSA Para: Linha de Saúde Açores (LSA) Assunto: Fonte: Contacto na DRS: Doença por vírus Ébola. Procedimentos a adotar pela LSA (revoga a CN n.º25, de 22.09.2014) Direção Regional da Saúde Direção de Serviços

Leia mais

INFECÇÃO URINÁRIA NO ADULTO

INFECÇÃO URINÁRIA NO ADULTO INFECÇÃO URINÁRIA NO ADULTO INTRODUÇÃO ITU invasão por microorganismos que desencadeiam resposta inflamatória. Bactérias que atingem via ascendente, hematogência ou linfática Cistite : mucosa vesical -

Leia mais

Pneumonia na Pediatria

Pneumonia na Pediatria Pneumonia na Pediatria Universidade Católica de Brasília Nome: Gabriela de Melo Souza da Silva Costa Matrícula: UC11045029 Orientadora: Drª Carmem Lívia Faria da Silva Martins Pneumonias São doenças inflamatórias

Leia mais

Panotil Zambon Laboratórios Farmacêuticos Ltda Solução Otológica

Panotil Zambon Laboratórios Farmacêuticos Ltda Solução Otológica Panotil Zambon Laboratórios Farmacêuticos Ltda Solução Otológica 10,0 mg - sulfato de neomicina 1,0 mg - acetato de fludrocortisona 10.000 UI - sulfato de polimixina B 40,0 mg - cloridrato de lidocaína

Leia mais

Corpo Estranho. Rolha Ceruminosa

Corpo Estranho. Rolha Ceruminosa Corpo Estranho OUVIDO NARIZ OROFARINGE hipoacusia Rinorréia unilateral fétida (S/N) Odinofagia Disfagia Sialorréia Otoscopia Contactar especialista Objeto animado Objeto inanimado Gotas de vaselina Contactar

Leia mais

Com a estação mais fria do ano chegam também muitas doenças oportunistas, que afetam principalmente o sistema respiratório.

Com a estação mais fria do ano chegam também muitas doenças oportunistas, que afetam principalmente o sistema respiratório. DE INVERNO Com a estação mais fria do ano chegam também muitas doenças oportunistas, que afetam principalmente o sistema respiratório. AS BAIXAS TEMPERATURAS TÊM EFEITO DANOSO PARA AS VIAS RESPIRATÓRIAS,

Leia mais

DIAS REGINA H. G. MARTINS

DIAS REGINA H. G. MARTINS OTITES MÉDIAS REGINA H. G. MARTINS DISCIPLINA DE OTORRINOLARINGOLOGIA FACULDADE DE MEDICINA -UNESP - BOTUCATU OTITES MÉDIAS OTITES MÉDIAS AGUDAS (VIRAIS OU BACTERIANAS) OTITES MÉDIAS CRÔNICAS (SIMPLES,

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Paramolan 125 mg supositórios (Lactente) Paramolan 250 mg supositórios (Infantil) Paracetamol APROVADO EM Leia com atenção todo este folheto antes de começar

Leia mais

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS EPIDEMIOLOGIA

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS EPIDEMIOLOGIA IRA (definição) São infecções de etiologia viral ou bacteriana que podem acometer qualquer segmento do aparelho respiratório, com duração aproximada de 7 dias. Correspondem a diversas síndromes clínicas

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO DA SAÚDE E ASSUNTOS SOCIAIS, IP-RAM

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO DA SAÚDE E ASSUNTOS SOCIAIS, IP-RAM REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO DA SAÚDE E ASSUNTOS SOCIAIS, IP-RAM 2. Objetivo da circular normativa Implementar a gestão

Leia mais

Solução antisséptica com sulfato de neomicina

Solução antisséptica com sulfato de neomicina EXEMPLIFICAÇÃO DE FÓRMULAS Solução antisséptica com sulfato de neomicina Ácido bórico...5g Ácido láctico...2g Alúmen de potássio...10g Sulfato de neomicina...0,5g Extrato fluido de hamamélis (H. virginiana)...2,5ml

Leia mais

Cefixima Neocef 100 mg/5ml Pó para Suspensão Oral Cefixima. 1. O que é Cefixima Neocef 100 mg/5ml Pó para Suspensão Oral e para que é utilizado

Cefixima Neocef 100 mg/5ml Pó para Suspensão Oral Cefixima. 1. O que é Cefixima Neocef 100 mg/5ml Pó para Suspensão Oral e para que é utilizado Folheto informativo: Informação para o utilizador Cefixima Neocef 100 mg/5ml Pó para Suspensão Oral Cefixima Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento pois contém informação

Leia mais

DISCIPLINA DE OTORRINOLARINGOLOGIA

DISCIPLINA DE OTORRINOLARINGOLOGIA LARINGITES REGINA H. G. MARTINS DISCIPLINA DE OTORRINOLARINGOLOGIA FACULDADE DE MEDICINA UNESP - BOTUCATU LARINGITES SÃO PROCESSOS INFLAMATÓRIOS AGUDOS OU CRÔNICOS DA MUCOSA LARÍNGEA LARINGITES AGUDAS

Leia mais

Este medicamento é contraindicado para uso por pacientes com alterações hepáticas ou renais graves.

Este medicamento é contraindicado para uso por pacientes com alterações hepáticas ou renais graves. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Fluibron A cloridrato de ambroxol APRESENTAÇÕES Solução para nebulização. Cada flaconete contém 7,5 mg/ml de cloridrato de ambroxol. Embalagem com 10 flaconetes contendo 2

Leia mais

Criança com febre Unidade Curricular Pediatria I. Guiomar Oliveira, MD, PhD

Criança com febre Unidade Curricular Pediatria I. Guiomar Oliveira, MD, PhD Criança com febre Unidade Curricular Pediatria I Guiomar Oliveira, MD, PhD 1 Sumário: Definição de febre e contextualização Fisiopatologia e clinica da febre Causas da febre Colheita história clínica Tratamento

Leia mais

Criança de 3 anos, previamente saudável, frequentadora de creche, é trazida ao consultório do seu pediatra com história de quase 3 dias de febre.

Criança de 3 anos, previamente saudável, frequentadora de creche, é trazida ao consultório do seu pediatra com história de quase 3 dias de febre. 15 minutos de... D. Kawasaki Criança de 3 anos, previamente saudável, frequentadora de creche, é trazida ao consultório do seu pediatra com história de quase 3 dias de febre. A febre tem sido diária, com

Leia mais

ABORDAGEM CLÍNICA DAS ARBOVIROSES EPIDÊMICAS E HIPERENDÊMICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DENGUES TIPO 1 A 4, CHIKUNGUNYA E ZIKA

ABORDAGEM CLÍNICA DAS ARBOVIROSES EPIDÊMICAS E HIPERENDÊMICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DENGUES TIPO 1 A 4, CHIKUNGUNYA E ZIKA ABORDAGEM CLÍNICA DAS ARBOVIROSES EPIDÊMICAS E HIPERENDÊMICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DENGUES TIPO 1 A 4, CHIKUNGUNYA E ZIKA Pedro Guimarães Coscarelli Médico Dstrab/Cvast/Svea/SVS/SES-RJ Professor

Leia mais

Infecção do trato urinário Resumo de diretriz NHG M05 (terceira revisão, junho 2013)

Infecção do trato urinário Resumo de diretriz NHG M05 (terceira revisão, junho 2013) Infecção do trato urinário Resumo de diretriz NHG M05 (terceira revisão, junho 2013) Van Pinxteren B, Knottnerus BJ, Geerlings SE, Visser HS, Klinkhamer S, Van der Weele GM, Verduijn MM, Opstelten W, Burgers

Leia mais

Durante quanto tempo tenho de tomar metotrexato antes de este ter efeito?

Durante quanto tempo tenho de tomar metotrexato antes de este ter efeito? METOTREXATO Quais são os objetivos deste folheto? Este folheto foi elaborado para o(a) ajudar a compreender melhor o metotrexato e para o informar sobre o que é, como funciona, como é utilizado para tratar

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-HNSC NORMAS E ROTINAS TÉCNICO-OPERACIONAIS CIH/HNSC/GHC

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-HNSC NORMAS E ROTINAS TÉCNICO-OPERACIONAIS CIH/HNSC/GHC Resumo da Antibioticoprofilaxia clínica no HNSC em Adultos - CIH-HNSC - Maio/2011 PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-HNSC NORMAS E ROTINAS TÉCNICO-OPERACIONAIS CIH/HNSC/GHC NRTO 11/2002 Atualizada

Leia mais

Esalerg gotas. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml

Esalerg gotas. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml Esalerg gotas Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ESALERG GOTAS (desloratadina)

Leia mais

Caso Clínico 5. Inês Burmester Interna 1º ano Medicina Interna Hospital de Braga

Caso Clínico 5. Inês Burmester Interna 1º ano Medicina Interna Hospital de Braga Caso Clínico 5 Inês Burmester Interna 1º ano Medicina Interna Hospital de Braga Apresentação do caso J.M.G.M.F. Homem, 40 anos de idade, psicólogo, casado e com 4 filhos Antecedente de enxaquecas Ex-fumador

Leia mais

Serviço de Pediatria HU-UFJF. Versão preliminar

Serviço de Pediatria HU-UFJF. Versão preliminar Serviço de Pediatria HU-UFJF POP Ped Nº Otite Versão preliminar Elaborado em: Abril 2011 Revisado em: Objetivo: - Reconhecer os fatores de risco para Otite Média Aguda e orientar sua prevenção. - Diagnosticar

Leia mais

Informe Técnico Sarampo e Rubéola

Informe Técnico Sarampo e Rubéola Informe Técnico Sarampo e Rubéola I. Introdução: O sarampo e a rubéola possuem vigilância integrada desde 1999, tornando oportuna a detecção de casos e surtos e a efetivação das medidas de controle. A

Leia mais

ANTIBIÓTICOS ESQUEMAS TERAPÊUTICOS COMUNS E APRESENTAÇÕES COMERCIAIS NO BRASIL. Revisão em 2012 Prof Solange Maria Dieterich

ANTIBIÓTICOS ESQUEMAS TERAPÊUTICOS COMUNS E APRESENTAÇÕES COMERCIAIS NO BRASIL. Revisão em 2012 Prof Solange Maria Dieterich ANTIBIÓTICOS ESQUEMAS TERAPÊUTICOS COMUNS E APRESENTAÇÕES COMERCIAIS NO BRASIL Revisão em 2012 Prof Solange Maria Dieterich Referências: DEF 2010/11; WANNMACHER; FERREIRA, 2010 (a); FUCHS, WANNMACHER,

Leia mais

Objetivos. Rinossinusite. Sinusite (Rinossinusite): o que o pneumologista precisa saber? Esclarecer dúvidas sobre diagnóstico

Objetivos. Rinossinusite. Sinusite (Rinossinusite): o que o pneumologista precisa saber? Esclarecer dúvidas sobre diagnóstico Sinusite (Rinossinusite): o que o pneumologista precisa saber? Dr. Leandro Fritscher Objetivos Esclarecer dúvidas sobre diagnóstico Diferenças entre rinossinusite viral e bacteriana Definir investigação

Leia mais

Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento

Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer

Leia mais

Prefeitura de Belo Horizonte Secretaria Municipal de Saúde Protocolo para atendimento aos pacientes com suspeita de dengue

Prefeitura de Belo Horizonte Secretaria Municipal de Saúde Protocolo para atendimento aos pacientes com suspeita de dengue Prefeitura de Belo Horizonte Secretaria Municipal de Saúde Protocolo para atendimento aos pacientes com suspeita de dengue 1. Quem atende o paciente com suspeita de dengue? O médico ou o enfermeiro, devido

Leia mais

FEBRE REUMÁTICA DEPARTAMENTO CIÊNCIAS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS BIOLÓGICAS E DA E SAÚDE MARCO AURÉLIO NEROSKY

FEBRE REUMÁTICA DEPARTAMENTO CIÊNCIAS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS BIOLÓGICAS E DA E SAÚDE MARCO AURÉLIO NEROSKY PONTIFÍCIA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA CATÓLICA DO DO PARANÁ PARANÁ PUC PUC PR PR DEPARTAMENTO CIÊNCIAS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS BIOLÓGICAS E DA E SAÚDE DA SAÚDE ESPECIALIZAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO EM CARDIOLOGIA

Leia mais

Mitos e Verdades sobre Alergia Alimentar e Otites e Sinusites

Mitos e Verdades sobre Alergia Alimentar e Otites e Sinusites Mitos e Verdades sobre Alergia Alimentar e Otites e Sinusites Dr. Manoel de Nóbrega Alergia alimentar Leite de vaca Alergia ao leite de vaca afeta 2 a 3% das crianças até 34 meses de idade. Ampla variedade

Leia mais

Inquérito epidemiológico *

Inquérito epidemiológico * ETAPA de MITIGAÇÃO Diagnóstico, vigilância e tratamento Inquérito epidemiológico * A preencher pelo Delegado de Saúde da área do hospital ou pelo Delegado de Saúde de residência do doente em colaboração

Leia mais

Que droga?! Prescrição de medicamentos em odontopediatria - não desista, assista!

Que droga?! Prescrição de medicamentos em odontopediatria - não desista, assista! Que droga?! Prescrição de medicamentos em odontopediatria - não desista, assista! Profa. Dra. Luciane R. R. S. Costa Crianças com dor de dente em Goiânia, 2011 531 fichas de crianças menores de 6 anos

Leia mais

DIOGRANDE DIÁRIO OFICIAL DE CAMPO GRANDE-MS

DIOGRANDE DIÁRIO OFICIAL DE CAMPO GRANDE-MS DIOGRANDE Digitally signed by RODRIGO LENZ:51860678149 DN: c=br, o=icp-brasil, ou=secretaria da Receita Federal do Brasil - RFB, ou=rfb ecpf A3, ou=(em BRANCO), ou=ar NAPTON, cn=rodrigo LENZ:51860678149

Leia mais

Folheto informativo: Informação para o doente

Folheto informativo: Informação para o doente Folheto informativo: Informação para o doente Hiperbiótico 250 mg Pó para solução injectável Hiperbiótico 500 mg Pó para solução injectável Hiperbiótico 1000 mg Pó para solução injectável Ampicilina Leia

Leia mais

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE PORTARIA Nº 1.922, DE 22 DE OUTUBRO DE 2002

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE PORTARIA Nº 1.922, DE 22 DE OUTUBRO DE 2002 FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE PORTARIA Nº 1.922, DE 22 DE OUTUBRO DE 2002 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, e Considerando o Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto,

Leia mais

Sistema Respiratório. Clínica Médica Patrícia dupim Universo

Sistema Respiratório. Clínica Médica Patrícia dupim Universo Sistema Respiratório Clínica Médica Patrícia dupim Universo 1) RINITE IVAS Conceito: Inflamação das membranas mucosas do nariz. Pode ser: A) Alérgica - decorrente de substâncias alérgenas. B) Não-alérgica

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 11 PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE VACINAS O que faz uma vacina? Estimula

Leia mais

Bacterioses: Aula Programada Biologia. Prof. : Chico Pires

Bacterioses: Aula Programada Biologia. Prof. : Chico Pires : Aula Programada Biologia Prof. : Chico Pires Difteria (crupe) Agente Etiológico: Corynebacterium diphtheriae Forma de transmissão: Pelo ar contaminado e pela saliva Sintomas: Inflamação das tonsilas

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Paramolan 500 mg Comprimidos Paracetamol APROVADO EM Leia com atenção todo este folheto antes de começar a utilizar este medicamento pois contém informação

Leia mais

Abordagem. Tamara Paz (R1) Orientadora: Dra. Juraci

Abordagem. Tamara Paz (R1) Orientadora: Dra. Juraci Abordagem sindrômica das DSTs Tamara Paz (R1) Orientadora: Dra. Juraci DST - conceito Doença infecciosa adquirida por meio do contato sexual, que pode ser causada por vírus, bactéria ou protozoário. Glossário

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO MATERNIDADEESCOLAASSISCHATEAUBRIAND Diretrizesassistenciais INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Gilberto Gomes Ribeiro Francisco Edson de Lucena Feitosa IMPORTÂNCIA A infecção do trato

Leia mais

Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET. Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes

Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET. Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes Fernando Klein Outubro/2010 Caso 1 Fridundino Eulâmpio, 6 anos. Há

Leia mais

ALTERAÇÕES A INCLUIR NAS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DOS MEDICAMENTOS QUE CONTENHAM NIMESULIDA (FORMULAÇÕES SISTÉMICAS)

ALTERAÇÕES A INCLUIR NAS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DOS MEDICAMENTOS QUE CONTENHAM NIMESULIDA (FORMULAÇÕES SISTÉMICAS) ANEXO III 58 ALTERAÇÕES A INCLUIR NAS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DOS MEDICAMENTOS QUE CONTENHAM NIMESULIDA (FORMULAÇÕES SISTÉMICAS) Adições aparecem em itálico e sublinhado; rasuras

Leia mais

Estudos.

Estudos. Estudos http://aformulabr.com.br/qrcode/fmpdermatoafv01.pdf FORMULAÇÕES MAGISTRAIS DERMATITE ATÓPICA PRURIDO Mentol... 0,2g Cânfora... 20,1g Propilenoglicol... 6,0ml Modo de Uso: aplicar 2 a 3 vezes ao

Leia mais

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria 2012 Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria UNIPAC-Araguari Santa Casa de Araguari 2012 2 INTRODUÇÃO Pneumonia é uma inflamação ou infecção dos pulmões que afeta as unidades de troca

Leia mais

Zika vírus. Confira todos os sintomas para saber se está com Zika vírus

Zika vírus. Confira todos os sintomas para saber se está com Zika vírus Zika vírus Os sintomas da Zika incluem febre baixa, dor nos músculos e articulações, além de vermelhidão nos olhos e manchas vermelhas na pele. A doença é transmitida pelo mesmo mosquito da dengue, e os

Leia mais

CYFENOL. Cifarma Científica Farmacêutica Ltda. Solução oral 200mg/mL

CYFENOL. Cifarma Científica Farmacêutica Ltda. Solução oral 200mg/mL CYFENOL Cifarma Científica Farmacêutica Ltda. 200mg/mL CYFENOL paracetamol DCB: 06827 I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: CYFENOL Nome genérico: paracetamol (DCB: 06827) APRESENTAÇÃO 200mg/mL

Leia mais

SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO RESPONSÁVEL: DRA MARIA CRISTINA DE SOUZA NETO ALTERADA: 10/07/2013

SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO RESPONSÁVEL: DRA MARIA CRISTINA DE SOUZA NETO ALTERADA: 10/07/2013 SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO PROTOCOLO DE ATENDIMENTO ROTINA: NUMERO 02 2013 TÍTULO: OTITE MÉDIA AGUDA FLUXOGRAMA IMPLANTAÇÃO: SETOR: EMERGÊNCIA EXTERNA HIJG VERSÃO: 02

Leia mais

OTITES MÉDIAS AGUDAS. Prof. Pedro Serafim DISCIPLINA DE OTORRINOLARINGOLOGIA Universidade Federal do Maranhão - UFMA

OTITES MÉDIAS AGUDAS. Prof. Pedro Serafim DISCIPLINA DE OTORRINOLARINGOLOGIA Universidade Federal do Maranhão - UFMA OTITES MÉDIAS AGUDAS Prof. Pedro Serafim DISCIPLINA DE OTORRINOLARINGOLOGIA Universidade Federal do Maranhão - UFMA Considerações anatômicas: Considerações funcionais: Energia mecânica (SOM) estímulos

Leia mais

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. Pág. 01 A varicela é a infecção que resulta do contacto pela primeira vez de um ser humano susceptível com o vírus

Leia mais

PROCESSO ASSISTENCIAL INTEGRADO DA FEBRE DE CURTA DURAÇÃO EM IDADE PEDIÁTRICA

PROCESSO ASSISTENCIAL INTEGRADO DA FEBRE DE CURTA DURAÇÃO EM IDADE PEDIÁTRICA 6 PROCESSO ASSISTENCIAL INTEGRADO DA FEBRE DE CURTA DURAÇÃO EM IDADE PEDIÁTRICA Departamento da Qualidade na Saúde VERSÃO RESUMIDA PARA USO CLÍNICO VERSÃO SUMÁRIA www.dgs.pt RECOMENDAÇÕES PRINCIPAIS Recomendação

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Vibrocil Actilong, 0,5 mg/ml, gotas nasais, solução Vibrocil Actilong, 1 mg/ml, gotas nasais, solução Vibrocil Actilong, 1 mg/ml, solução para inalação

Leia mais

CLOTRIGEL (clotrimazol)

CLOTRIGEL (clotrimazol) CLOTRIGEL (clotrimazol) Glenmark Farmacêutica Ltda. Creme vaginal 100 mg/5g CLOTRIGEL clotrimazol LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome genérico:

Leia mais

Palestrante. Contato: 98812-9624 Email: marcomelo2014@gmail.com

Palestrante. Contato: 98812-9624 Email: marcomelo2014@gmail.com Palestrante Marco Vinicius da Silva Melo Enfermeiro Obstetra/Ginecologia Enfermeiro do Trabalho MBA em Auditoria em Serviços de Saúde Docência do Ensino Superior TEMA: PROTOCOLO DE ENFERMAGEM NA URGÊNCIA

Leia mais

minox 2 20 mg/ml Solução cutânea

minox 2 20 mg/ml Solução cutânea FOLHETO INFORMATIVO FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR minox 2 20 mg/ml Solução cutânea Minoxidil Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Este medicamento

Leia mais

Otite Externa. Peggy E. Kelley e Alessandro Danesi

Otite Externa. Peggy E. Kelley e Alessandro Danesi Otite Externa Peggy E. Kelley e Alessandro Danesi Introdução Alessandro Danesi A otite externa constitui uma afecção das mais freqüentes nos consultórios pediátricos e otorrinolaringológicos, assim como

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS FAMÍLIAS AMBULATÓRIO

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS FAMÍLIAS AMBULATÓRIO ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS FAMÍLIAS AMBULATÓRIO O Ambulatório do Colégio Vital Brazil dispõe de uma técnica de enfermagem, para oferecer o primeiro atendimento aos alunos e colaboradores. O primeiro atendimento

Leia mais

Aula Prática administrada aos alunos do 4º e 5º períodos do curso de graduação em medicina no Ambulatório de Ginecologia do UH-UMI.

Aula Prática administrada aos alunos do 4º e 5º períodos do curso de graduação em medicina no Ambulatório de Ginecologia do UH-UMI. 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MEDICINA III CURSO DE MEDICINA Prof. Antonio Augusto Pereira Martins Especialista em Docência do Ensino Superior

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Dafalgan 1g, 1000 mg comprimidos efervescentes Paracetamol Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento. - Conserve este folheto. Pode

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 16 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Nuflor Minidose 450 mg/ml solução injetável para bovinos. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada ml contém:

Leia mais

Dilemas Diagnósticos entre Tonsilite Viral e Bacteriana

Dilemas Diagnósticos entre Tonsilite Viral e Bacteriana Dilemas Diagnósticos entre Tonsilite Viral e Bacteriana Mesa Redonda Moderador: Participantes Edigar R. de Almeida Luiza Endo, Maria Helena Kiss, Renata di Francesco e Sílvio Luiz Zuquim Edigar R. de Almeida

Leia mais

Respostas. Utilize o verso se necessário

Respostas. Utilize o verso se necessário 01 Um lactente apresentou lesões eritemato-pápulo-vesico-crostosas na face, acometendo, principalmente, as regiões malares, no terceiro mês de vida. Após corticoterapia tópica, houve involução dessas lesões.

Leia mais

Manejo de casos suspeitos de Dengue no Estado de Santa Catarina.

Manejo de casos suspeitos de Dengue no Estado de Santa Catarina. S ESTADO DE SANTA CATARINA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DE ZOONOSES E ENTOMOLOGIA

Leia mais

DIPIRONA MONOIDRATADA. Biosintética Farmacêutica Ltda. Solução oral 50 mg/ml

DIPIRONA MONOIDRATADA. Biosintética Farmacêutica Ltda. Solução oral 50 mg/ml DIPIRONA MONOIDRATADA Biosintética Farmacêutica Ltda. Solução oral 50 mg/ml BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO dipirona monoidratada Medicamento

Leia mais

Febre pelo vírus ZIKA / Microcefalia

Febre pelo vírus ZIKA / Microcefalia Febre pelo vírus ZIKA / Microcefalia 17 de Maio de 2016 SCIH HIAE Conteúdo Zika vírus Epidemiologia Definição de caso Manifestação clínica Diagnóstico diferencial Diagnóstico laboratorial Tratamento Prevenção

Leia mais

Curso Anual Universitario de Medicina Familiar y Atención Primaria Infecções urinárias

Curso Anual Universitario de Medicina Familiar y Atención Primaria Infecções urinárias Infecções urinárias Dr.Eduardo Durante Dra. Karin Kopitowski Dr. Mario Acuña Objetivos Definir disúria e realizar os diagnósticos diferenciais. Realizar uma correta aproximação diagnóstica, Manejar adequadamente

Leia mais

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS E CONFIRMADOS DE INFLUENZA NO HIAE E UNIDADES

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS E CONFIRMADOS DE INFLUENZA NO HIAE E UNIDADES MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS E CONFIRMADOS DE INFLUENZA NO HIAE E UNIDADES AVANÇADAS Maio de 2013 Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Conteúdo Definições atualmente utilizadas Diagnóstico Tratamento

Leia mais

Inquérito epidemiológico *

Inquérito epidemiológico * Doença pelo novo vírus da gripe A(H1N1) Fase Pandémica 5 - OMS Inquérito epidemiológico * A preencher pelo Delegado de Saúde designado pelo Delegado de Saúde Regional da área do Hospital de Referência

Leia mais

Atendimento de retorno

Atendimento de retorno Algumas crianças doentes têm de retornar para que o médico as veja de novo. Terá de ser dito às mães quando elas devem regressar para a consulta de retorno. Nessa consulta, o médico pode ver se a criança

Leia mais

TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA em ODONTOPEDIATRIA SANDRA ECHEVERRIA

TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA em ODONTOPEDIATRIA SANDRA ECHEVERRIA TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA em ODONTOPEDIATRIA SANDRA ECHEVERRIA Frequência cardíaca em função da idade Idade (anos) Andrade, 2002 Batimentos/minuto 1 110-130 2 90-115 3 80-105 7-14 80-105 14-21 78-85 Acima

Leia mais

Azelan. Bayer S.A. Creme dermatológico 200 mg/g Gel 150 mg/g

Azelan. Bayer S.A. Creme dermatológico 200 mg/g Gel 150 mg/g Azelan Bayer S.A. Creme dermatológico 200 mg/g Gel 150 mg/g Azelan ácido azelaico APRESENTAÇÕES Creme dermatológico 200 mg/g: cartucho contendo bisnaga com 30 g de creme. Gel 150 mg/g: cartucho contendo

Leia mais

Investigação epidemiológica de doenças transmitidas pela fêmea do Aedes aegypti: dengue, chikungunya e zika. Deborah Bunn Inácio

Investigação epidemiológica de doenças transmitidas pela fêmea do Aedes aegypti: dengue, chikungunya e zika. Deborah Bunn Inácio Investigação epidemiológica de doenças transmitidas pela fêmea do Aedes aegypti: dengue, chikungunya e zika Deborah Bunn Inácio Investigação epidemiológica de doenças transmitidas pela fêmea do Aedes aegypti:

Leia mais

Cólica nefrética em adultos

Cólica nefrética em adultos . INTRODUÇÃO A cólica nefrética é uma entidade frequentemente encontrada no atendimento de urgência em pronto atendimentos de todo o mundo. A causa mais frequente é a passagem de cálculos urinários pelo

Leia mais

Hospital Universitário Julio Muller FCM UFMT Amtropica

Hospital Universitário Julio Muller FCM UFMT Amtropica MANEJO DA INFLUENZA A H1N1 Profª. Sandra Breder Assis Profª. MARCIA HUEB Hospital Universitário Julio Muller FCM UFMT Amtropica Introdução A Influenza é uma infecção viral aguda do sistema respiratório,

Leia mais