GISELLE DOS SANTOS ANÁLISE DA INSERÇÃO DO SEGMENTO DE TURISMO EDUCATIVO NA EMPRESA DIGITUR TRANSPORTES E TURISMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GISELLE DOS SANTOS ANÁLISE DA INSERÇÃO DO SEGMENTO DE TURISMO EDUCATIVO NA EMPRESA DIGITUR TRANSPORTES E TURISMO"

Transcrição

1 GISELLE DOS SANTOS ANÁLISE DA INSERÇÃO DO SEGMENTO DE TURISMO EDUCATIVO NA EMPRESA DIGITUR TRANSPORTES E TURISMO Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior Itajaí 2006

2 1 GISELLE DOS SANTOS ANÁLISE DA INSERÇÃO DO SEGMENTO DE TURISMO EDUCATIVO NA EMPRESA DIGITUR TRANSPORTES E TURISMO Monografia apresentada ao curso de Turismo como requisito necessário à obtenção do grau de Bacharel em Turismo. Orientadoras: Profª MSc. Cláudia M.C.B. Rech Profª Esp. Vivian M. Floriani Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior Itajaí 2006

3 2 TERMO DE ISENÇÃO E RESPONSABILIDADE Declaro para todos os fins de direito, que assumo total responsabilidade pelo aporte ideológico conferido ao presente trabalho, isentando o INSTITUTO CENECISTA FAYAL DE ENSINO SUPERIOR, a Coordenação do Curso de Turismo, a Banca Examinadora e os Professores Orientadores de toda e qualquer responsabilidade sobre o seu conteúdo. Itajaí (SC), 20 de novembro de 2006 Giselle dos Santos Graduanda

4 3 ANÁLISE DA INSERÇÃO DO SEGMENTO DE TURISMO EDUCATIVO NA EMPRESA DIGITUR TRANSPORTES E TURISMO Este trabalho de conclusão de curso foi julgado aprovado para a obtenção do grau de Bacharel em Turismo do Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior IFES Itajaí, 20 de novembro de 2006 Prof. Wilson Reginatto Jr Coordenador de estágios Banca Examinadora Profª. Cláudia M. C. B. Rech Orientadora de Metodologia Profa. Vivian Mengarda Floriani Orientadora de Conteúdo Profª. Kênya Naoe de Oliveira Examinadora Prof. Anderson de Assunção Examinador

5 Dedico este trabalho a meus pais Getúlio dos Santos e Célia Ignácio dos Santos. 4

6 5 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus pela vida; À minha família que sempre me deu apoio nas horas difíceis; Às orientadoras que nunca mediram esforços.

7 6 RESUMO O turismo exige cada vez mais especialização, com a utilização de meios de transportes eficientes, roteiros rentáveis e lucrativos. Atuando na facilitação da comercialização turística, as agências atuam como intermediadoras de viagens. Este estudo buscou analisar a importância da inserção do segmento de turismo educativo, com intuito de diversificar os serviços prestados pela Digitur Transporte e Turismo. A pesquisa foi realizada no Colégio Energia junto a 60 alunos de Ensino Médio, visando a obtenção de informações a respeito de viagens de estudo. Sendo essa uma das vertentes de turismo educativo, observou-se o interesse destes alunos buscando a interação agência de viagem, conteúdo administrado na escola e viagem realizada. A pesquisa utilizou o método qualitativo, aplicando-se de entrevistas aos quesitos levantados. Observou-se que os alunos gostam das viagens de estudo e percebem a relação com os conteúdos ministrados. Em sua maioria acham bem organizados e com qualidade. Sugerem a inclusão destes pacotes junto à mensalidade escolar e o prazo de pagamento oferecido. Foi esboçado um roteiro para ser utilizado pelos estudantes de acordo com conteúdo ministrado no momento. Concluiu-se que a empresa Digitur invista no segmento de turismo educativo para jovens a partir da alteração de sua documentação para agência de viagem aumentando sua participação no mercado. Palavras-chave: turismo, turismo educativo, viagem de estudo.

8 7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Origem e evolução histórica do turismo Turismo Tipos de turismo Oferta turística Hotelaria Alimentos e bebidas Transporte turístico Agências de Viagens e Turismo Histórico e conceitos Tipologia Pacotes turísticos Segmentação de mercado Turismo educativo para jovens METODOLOGIA CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA Evolução histórica da empresa até sua organização atual Infra-estrutura física atual Organograma Quadro de recursos humanos...43

9 8 6.5 Serviços prestados no mercado turístico Missão Visão Segmento de mercado Principais concorrentes Relacionamento organização x fornecedor Relacionamento organização x cliente Relacionamento dos funcionários x direção;tecnologia da informação RESULTADOS Pesquisa de opinião ASPECTOS LEGAIS PARA A ABERTURA DE AGÊNCIA DE VIAGENS MODELO DE PACOTE PARA O SEGMENTO DE TURISMO EDUCATIVO CONCLUSÃO...69 REFERÊNCIAS...72 APÊNDICE...74 ANEXOS...76

10 9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Tipos de turismo...20 Figura 2 - Tipologia dos transportes...25 Figura 3 Organograma da pesquisa...37 Figura 4 Mapa de localização da empresa Digitur Transporte e Turismo Itajaí/SC...41 Figura 5 - Organograma da empresa...43 Figura 6 - Distribuição funcional dos empregados...43 Figura 7 - Relação de fornecedores...45 Figura 8 Distribuição dos respondentes quanto ao sexo...47 Figura 9 Distribuição dos respondentes quanto a idade...48 Figura 10 Distribuição dos respondentes quanto a cidade onde reside...49 Figura 11 Distribuição dos respondentes quanto a série do Ensino Médio em que estuda...49 Figura 12 Distribuição dos respondentes quanto a sua renda familiar...50 Figura 13 Distribuição dos respondentes quanto a realização de alguma viagem de estudo...51 Figura 14 Distribuição dos respondentes quanto a freqüência de viagens por ano...52 Figura 15 Distribuição dos respondentes quanto ao meio de transporte utilizado nas viagens de estudo...53 Figura 16 Distribuição dos respondentes quanto a existir alguma relação entre os conteúdos ministrados em sala de aula e as viagens de estudo...54

11 10 Figura 17 Distribuição dos respondentes quanto a contribuição desta viagem para o ensino-aprendizagem...55 Figura 18 Distribuição dos respondentes quanto a indicação da visita para outra turmas...56 Figura 19 Distribuição dos respondentes quanto a conhecer empresas que oferecem pacotes de turismo de estudo...58 Figura 20 Distribuição dos respondentes quanto a diferencial em empresa conhecida...59

12 11 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Distribuição dos respondentes quanto ao sexo...47 Tabela 2: Distribuição dos respondentes quanto a idade...48 Tabela 3 Distribuição dos respondentes quanto a cidade onde reside...48 Tabela 4 Distribuição dos respondentes quanto a série do Ensino Médio em que estuda...49 Tabela 5 Distribuição dos respondentes quanto a sua renda familiar...50 Tabela 6 Distribuição dos respondentes quanto a realização de alguma viagem de estudo...51 Tabela 7 Distribuição dos respondentes quanto a freqüência de viagens por ano...52 Tabela 8 Distribuição dos respondentes quanto ao meio de transporte utilizado nas viagens de estudo...53 Tabela 9 Principais atrativos visitados...53 Tabela 10 Distribuição dos respondentes quanto a existir alguma relação entre os conteúdos ministrados em sala de aula e as viagens de estudo...54 Tabela 11 Distribuição dos respondentes quanto a contribuição desta viagem para o ensino-aprendizagem...55 Tabela 12 Distribuição dos respondentes quanto a indicação da visita para outra turmas...56 Tabela 13 Distribuição dos respondentes quanto a classificação das viagens...57 Tabela 14 Distribuição dos respondentes quanto a conhecer empresas que oferecem pacotes de turismo de estudo...58 Tabela 15 Distribuição dos respondentes quanto a diferencial em empresa conhecida...59

13 12 1 INTRODUÇÃO O turismo contribui para a geração de riquezas de muitas nações. Várias são as formas de interagir com o sistema turístico, seja ao ramo de hotéis, transportes, agenciamento, entretenimento, atrativos naturais, culturais entre outros. O fato é que o turismo tem gerado muitos empregos e exigido das empresas e profissionais maior profissionalismo e especialização. O Brasil, desde o plano de Metas de Juscelino Kubitschek, vem investindo em infra-estrutura, entre eles o sistema viário. Sendo assim, o transporte rodoviário foi impulsionado, tornando-se fonte de renda e riqueza para o país, com transportes de carga e passageiros, turistas ou não. Considera-se, ainda, que 60% dos produtos de exportação e importação circulam no país pelas rodovias. Vários são os meios de transporte que podem ser utilizados para o turismo. Tanto o transporte rodoviário, aéreo ou marítimo tem o mesmo objetivo, transportar as pessoas e turistas para a realização de suas necessidades de deslocamento de uma origem para um destino. É importante destacar que o transporte pode ser o próprio atrativo turístico, como o expresso oriente ou o trem-bala japonês. Com as mais diversas paisagens, o turismo no Brasil vem despontando como destino turístico recebendo turistas domésticos e internacionais, principalmente da Europa e dos Estados Unidos. Nesse sentido, empresas como a Digitur ajudam a transportar esses turistas para os atrativos turísticos da região. Para a realização deste estudo foi escolhida a empresa Digitur, localizada em Itajaí SC, por estar inserida no mercado turístico com atuação no transporte rodoviário de passageiros. Desde a sua fundação, a empresa vem se especializando e atualizando sua frota para melhor satisfazer sua clientela, por meio de treinamentos com seus funcionários e atualização dos equipamentos com a aquisição de novos modelos de veículos. Estudando a capacidade desse tipo de empresa e a viabilidade de seu suporte ao turismo são preponderantes para o entendimento sobre a inserção de empresas similares ao mercado turístico brasileiro e regional. Nesse contexto, percebeu-se a oportunidade de estudar a inserção da empresa Digitur no mercado turístico fornecendo pacotes envolvendo o público

14 13 jovem através do turismo educativo. Este estudo propiciará maneiras de exploração de um novo nicho de mercado possibilitando novas fontes de rendimento para a empresa. O método utilizado neste trabalho é o qualitativo, onde foram aplicadas entrevistas com estudantes de ensino médio objetivando melhor entendimento sobre o tema proposto. Com a realização deste trabalho, a empresa poderá beneficiar-se de uma nova possibilidade de atuação junto ao mercado, maximizando sua rentabilidade e lucratividade.

15 14 2 JUSTIFICATIVA O turismo vem acompanhando o processo de globalização, as inovações tecnológicas e, também, a disseminação de culturas e respeito pelas civilizações. Alicerçando este turismo, as agências de viagem têm produzido resultados satisfatórios observando o comportamento dos turistas e as novas oportunidades de mercado introduzindo roteiros diferenciados. O meio de transporte é essencial no estabelecimento desses novos roteiros tendo em vista que são vinculados preço, tempo de viagem e conforto desejado pelos clientes. A segmentação de mercado tem sido importante para manter os níveis de satisfação fazendo com que os turistas sejam atraídos pelo que realmente possam fazê-los felizes, com todas as suas necessidades realizadas. Sendo assim, o estudo se justifica por sua relevância na empresa Digitur mostrando como uma empresa voltada para o transporte rodoviário, dotada de infraestrutura, pode diversificar suas atividades inserindo pacotes turísticos específicos para o turismo educativo. Para tanto, podem ser trabalhados diretamente junto a escolas proporcionando viagens de fim de ano, pacotes de estudo ou passeios interclasses. Houve uma motivação pessoal para esta investigação, o fato de estar ligada diretamente à empresa que, sendo familiar, integram-se os problemas da estagiária com os problemas enfrentados pela empresa. Investiga-se, portanto, a possibilidade da Digitur em diversificar sua atuação mantendo sua frota operante e reduzindo a hora ociosa. Analisando o cenário apresentado pela empresa questiona-se: Pacotes turísticos voltados para o público jovem, principalmente estudantes de ensino médio, podem ser incrementados na empresa Digitur? Quais benefícios o novo segmento de mercado proporcionará à empresa Digitur? Este trabalho torna-se relevante para aprofundar os conhecimentos da estagiária sobre o funcionamento da empresa estudada e do turismo em que está inserido, além de proporcionar oportunidade para a empresa diversificar sua atuação no mercado turístico.

16 15 3 OBJETIVOS 3.1 Objetivo geral Analisar a importância da inserção do segmento de turismo educativo, com intuito de diversificar os serviços prestados pela Digitur Transporte e Turismo. 3.2 Objetivos específicos a) Caracterizar os serviços prestados pela Digitur; b) Identificar o processo legal de abertura de uma agência de viagem; c) Verificar o interesse dos estudantes no segmento de turismo educativo; d) Elaborar um modelo de pacote turístico voltado para o segmento.

17 16 4 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 4.1 Origem e evolução histórica do turismo O turismo há muito tempo tem ocasionado o deslocamento de grande massa de pessoas, com diversos objetivos e propósitos. Estes deslocamentos aparecem registrados na Grécia antiga, através das visitações ao oráculo de Delfos, precursor do turismo religioso. Estas peregrinações envolviam algum tipo de infra-estrutura de alojamento, alimentação que, embora incipiente, continham os elementos que definem o turismo. (DIAS, 2005, p. 32). As quase pessoas que se agrupavam em época de jogos chegavam a esgotar o estoque de água e comida da cidade. (BELTRÃO, 2001). Os romanos eram um pouco mais evoluídos em termos de turismo principalmente na construção de vias ligando as cidades e transportes. Como possuíam grande curiosidade histórica, freqüentemente se deslocavam para conhecer e se reconhecer na história através de cidades e monumentos. A precariedade das estradas e dos meios de locomoção restringiram a movimentação da elite mais abastada. (BELTRÃO, 2001; DIAS, 2005). Estas movimentações poder ser conferidas, conforme Dias (2005, p. 33), pelas depedrações em antigos monumentos através de inscrições em grego e latim do tipo Eu estive aqui. Durante a Idade Média, com as cidades reclusas em feudos, houve uma retração dos movimentos turísticos sendo retomado mais ativamente após o século XV, quando das Grandes Navegações, gerando viagens por motivos religiosos e comerciais. (BELTRÃO, 2001). Dias (2005) remonta a Thomas Cook 1 em 1841 o início da época moderna do turismo. Foi entre os séculos XVII e XVIII que surgiram as viagens de estudo 1 Thomas Cook nasceu em 22 de novembro de 1808 em Melbourne, Derbyshire, Inglaterra. Faleceu em 1892 com 84 anos. Abandonou a escola muito jovem, quando só tinha 10 anos. Desde essa época desempenhou vários ofícios até 1828, quando tornou-se missionário Batista. Após a primeira viagem teve seu salário como missionário aumentado, mas optou por abandonar os fiéis para se dedicar exclusivamente ao turismo, o que fazia pessoalmente.(http://www.sdr.com.br/ historiasdasmarcas/41.htm)

18 17 (educativas), principalmente entre a nobreza inglesa, que incluía destinos como Europa, além da Grécia e Oriente Médio, considerados berço da civilização. Estas viagens eram acompanhadas, normalmente, por instrutores, que mostram ao pupilo o que deveria ser aprendido. (DIAS, 2001). Em fins do século XVIII, com a decadência da nobreza, os plebeus começaram a fazer os mesmos roteiros que antes era privilégio de poucos. Nesta época surgiram as viagens de cunho científico e tecnológico, ou seja, conhecer o que estava sendo feito em países envoltos na Revolução Industrial, principalmente a Inglaterra, com suas máquinas a vapor. (DIAS, 2005). A Revolução Industrial trouxe consigo revoluções em muitas outras áreas, como a fiação. Contudo, o que mais estimulou o turismo foram os trens e os navios a vapor. Esta revolução nos transportes foi o que propiciou o rápido deslocamento, para a época, entre os pontos emissores e receptores, com maior volume de visitantes. Foi a partir da metade do século XIX que o turismo tomou proporções globais. Nesta mesma época que os trens tomaram conta de diversos pontos do Brasil por iniciativa pioneira do Barão e Visconde de Mauá, em (BELTRÃO, 2001). Segundo a Organização Mundial de Turismo OMT (2001), estimulado pela produção em massa de automóveis de Henry Ford, o turismo de circuito tomou força fazendo com que as pessoas utilizassem mais os automóveis por ser mais rentável que o trem. A partir da década de 60, a utilização do avião permitiu que as distâncias ficassem bem menores, fortalecendo o desejo de viajar e conhecer novos lugares. A década de 70 marcou um declínio do fluxo turístico devido, principalmente, ao aumento do preço do petróleo que encareceu o produto turístico. (DIAS, 2005). A década de 90 foi marcada pelo ecoturismo. Houve um aumento nas exigências dos turistas, [ ] cobrando qualidade em todos os sub-produtos que utilizam durante a viagem. (DIAS, 2005, p. 40). Atualmente o movimento turístico reflete a necessidade constante de reduzir os níveis de estresse, tão receitado por cardiologistas e especialistas em comportamento humano.

19 Turismo Quando se estuda turismo, surge a necessidade de conceituar algumas de suas variáveis como viagem, que nada mais é do que o deslocamento de pessoas a outra localidade; os turistas, sendo as pessoas que efetuam viagens a lugares que possuem atrações culturais, científicas ou de interesse específico, ou atrações especiais de lazer e diversão, distantes fisicamente de sua origem. (CAMPOS; GONÇALVES, 1998). Tem-se, portanto, que turismo é o conjunto de relações e fenômenos produzidos pelo deslocamento e permanência de pessoas fora de seu lugar de domicílio, desde que esses deslocamentos e permanência não estejam motivados por uma atividade lucrativa. (DIAS, 2005, p. 17). Posteriormente, a OMT (2001) ampliou este conceito dizendo que o turismo é descrito como as atividades que realizam as pessoas durante suas viagens e estadias em lugares distintos de seu entorno habitual (trajeto em que a pessoa faz no seu cotidiano, mesmo que por pontos turísticos), por períodos inferiores há um ano, objetivando lazer, negócios ou outros motivos. Nesta estrutura, a unidade básica para estudo é o visitante que é qualquer pessoa que faz parte do turismo. (DIAS, 2005). Beni (1998) mostra que a definição das Nações Unidas inclui a definição de visitantes temporários que são aquelas pessoas que permaneçam pelo menos vinte e quatro horas no país visitado. O importante nesta distinção é que turista não é aquele que está dentro de seu roteiro habitual e sim os que se deslocam com objetivos específicos, em busca de turismo. 4.3 Tipos de turismo O turismo pode ser classificado de acordo com sua tipologia, sendo elas conforme Dias (2005): a) Turismo interno (ou doméstico): São aquelas realizadas dentro do seu próprio país; ex: férias de fim de semana em uma praia;

20 19 b) Turismo receptivo: Movimento turístico orientado às coisas do país, mas visto por pessoas de fora; ex: praias do nordeste vista pelos europeus; c) Turismo emissor (ou emissivo): Movimento turístico orientado às coisas fora do país; ex: Disney; d) Turismo interior: Combina o turismo doméstico com o turismo receptivo; ex: visita a Nova Trento (Santuário de Madre Paulina) e) Turismo nacional: é a soma do turismo doméstico com o turismo emissor; ex: Oiapoque ao Chuí de motocicleta; f) Turismo internacional: é o movimento de visitantes entre os diferentes países. Nota-se que existe uma gama de conceitos que servem para demonstrar que tanto em movimento de interiorização ou exteriorização, o turista sempre existe (nacional ou estrangeiro), disposto a visualizar as belezas existentes nas cidades, sejam elas culturais, gastronômicos, naturais ou arquitetônicos. Cada qual tem sua colocação no mercado de turismo. Outros autores citam tipologias referindo-se ao objetivo e características do turismo, como é o caso de Beltrão (2001) que seleciona algumas formas de turismo, ressaltando que existem outras de menor expressão não relacionadas em sua classificação, conforme a figura 1: Turismo lúdico Turismo cultural Turismo de compras Turismo hoteleiro Turismo gastronômico Turismo de saúde Turismo gay Apenas para diversão, em lugares como parques temáticos, clubes ou simples passeios a pontos turísticos; Engloba museus, monumentos, peças de teatro, shows, espetáculos e tudo mais que possa se relacionar com a cultura em particular ou de um povo; Voltado apenas para o comércio, o objetivo é a melhor loja com o melhor preço, ou a diversidade de produtos; Desfrutar de tudo o que uma estrutura hoteleira pode oferecer; Conhecimento sobre a culinária de um povo ou região; Voltado para o público que cultua o corpo como forma de prazer; Voltado ao público GLS, onde sentem-se a vontade com tudo voltado e estruturado para eles (as);

21 20 Turismo de natureza Turismo ecológico Turismo religioso Faz com que o contato com a natureza seja o mais agradável possível, em convivência harmônica com a biodiversidade; Na busca do seu ecológico, confunde-se com o de natureza, mas o objetivo é interagir com o ecossistema em busca de conhecimento; Podendo estar ou não permeada de uma experiência mística, o turismo religioso tem carregado cada vez mais pessoas ao encontro com Deus; Turismo da melhor idade Voltado especialmente para as pessoas acima dos 50 anos, aproximadamente, está circundado de elementos que cativam este público-alvo; Turismo rural Turismo de observação Turismo didático/educativo Turismo científico Turismo de negócios Figura 1 - Tipos de turismo Fonte: Beltrão (2001) Um retorno ao campo, faz com que o contato com animais, fazendas, rios, natureza reacenda a vontade de conservar as cidades; Objetiva a observação de fenômenos naturais ou não entre outros; Com fins educativos, seja observando eventos, participando deles ou permitindo-se conhecer; Centra-se na pesquisa de determinado evento, fenômeno ou estudo; Normalmente voltado a feiras, eventos ou afins, gerando contatos e conseqüentemente lucros; Nesse contexto, as características inseridas nos pacotes ou roteiros escolhidos, podem variar também a classificação. Cada uma delas deve conter os elementos específicos que a caracterizam. 4.4 Oferta turística A oferta turística pode ser entendida como um conjunto de empresas que oferecem aos turistas os mais variados serviços, tais como: hotéis, alimentação, transportes, agências ou infra-estrutura, além dos atrativos naturais e artificiais de uma região. As atrações que a natureza oferece, sem a necessidade de atuação do homem, como o sol, as praias, as montanhas, as paisagens, são as fontes de atração que sustentam os deslocamentos de pessoas com

22 21 finalidades especificamente turísticas. Para complementá-la surge à necessidade de se formar uma infra-estrutura de bens e serviços turísticos, como os meios de transporte, de hospedagem, os restaurantes, o comércio e outros equipamentos, de maneira que a atividade turística seja viável. (BARROS, 2002, p.14). Os atrativos turísticos, lugares, objetos ou acontecimentos de interesse turístico, podem ser destacados como sendo atrativos naturais (geografia, hidrografia, flora e fauna); atrativos histórico-culturais (monumentos, sítios, festas, comemorações, entre outros); realizações técnicas e científico-contemporâneas (exploração de minério, exploração industrial, obras de arte, entre outros) e acontecimentos programados (congressos e convenções, feiras e exposições). (BARROS, 2002). Visando caracterizar os principais itens que compõem a oferta turística: hotelaria, alimentos e bebidas (A & B) e transportes Hotelaria Ao considerar a definição de turismo como sendo a pessoa que passa pelo menos uma noite no destino desejado, para que o turismo possa acontecer há de se preocupar com aspectos importantes tanto para o turista como para o local que está recebendo-o: como: alojamento, alimentação e transporte. Conforme a OMT (2001, p. 79), é óbvio que a necessidade primordial de todo ser humano, independente de onde se encontre, é dispor de um lugar para se abrigar e passar a noite, bem como de buscar alimentos. Continuando as conceituações, a hotelaria surge como o sistema nacional de bens materiais e inatingíveis dispostos para satisfazer às necessidades básicas de descanso e alimentação dos usuários fora de seu domicílio. (OMT, 2001, p. 79). Neste ponto, os conceitos vão se acomodando, dando cabo da necessidade de satisfação do turista, e fazendo-se entender de que a hotelaria sub-divide-se em alojamentos, alimentos e bebidas, além de existir alimentação ofertada através de restaurantes comerciais. A OMT (2001) mostra como ponto fundamental a certificação de qualidade dada ao estabelecimento para centrá-lo na demanda turística, pois facilita a sua inserção em pacotes.

23 22 O não conhecimento de determinadas instalações é suprido por esta classificação que presume determinado padrão de satisfação do cliente. Os alojamentos podem ser classificados em hoteleiro (hotéis, motéis, aparthotel) e não-hoteleiro (acampamentos, vilas e pousadas), sujeitos a regulamentos próprios e variando em termos de acomodações e objetivos específicos, como lazer, convenções, cassino ou multi-propósito. A OMT denomina como alojamento turístico toda e qualquer instalação que regularmente (ou ocasionalmente) ofereça vagas para que um turista possa passar a noite, seja esta um hotel, pousada, motel ou similar. Oliveira (2002) mostra que são considerados itens constantes da oferta turística inclusive o próprio recurso turístico, locadoras (bens móveis e imóveis), atendimento a veículos (postos de abastecimento e oficinas) e estabelecimentos comerciais. Quando o destino turístico está suportado por estruturas de apoio ao turista, este tende a aumentar sua permanência, fazendo com que o estabelecimento faça parte do recurso turístico, como é o caso de turismo em praias em dia de chuva, a praia torna-se secundária e o sucesso depende dos acessórios. A OMT (2001, p. 90) diz que a grande base do alojamento turístico internacional tem sido, durante décadas, o hotel. Este modelo produz uma habitação cercada de itens que fazem com que o turista tenha mais tempo para usufruir de sua estada no destino Alimentos e bebidas Existem algumas vertentes com relação aos alimentos e bebidas (A e B) o destino, cultura, movimentos demográficos, economia nacional e internacional ou estilo de vida. A OMT (2001) subdivide este setor em alimentação social ou coletiva, são fornecedoras de alimentação para hotéis, hospitais, centros de eventos; ou restaurante comercial, o que é aberto ao público em geral e proporciona a opção de escolha por parte do cliente, seja pela alimentação familiar, monoproduto (churrascaria, pizzaria), rotisseria, restaurante temático, cibercafé, entre outros.

24 23 Nota-se que existe também a tendência das empresas de alimentação se adaptarem aos hábitos e costumes gastronômicos do cliente através da oferta de variedade de produtos, ou mostra a cultura local, oferecendo alimentação típica, como nas especializações (comida mineira, baiana, alemã, árabe ou japonesa). A alimentação pode variar conforme o tipo de turismo ou o tempo de visita, pois quanto menor o tempo de estada tende a ser menor o tempo gasto com alimentação optando-se pelos fast food, enquanto que o inverso faz com que o tempo de alimentação aumente, optando-se por serviço à la carte ou buffets. A OMT (2001) afirma que os cardápios também podem variar de acordo com a necessidade de mercado, oferta de alimento e tipo de turismo, ou seja, não se espera que seja oferecido caviar em época de alta de preço no mercado internacional para o turismo rural. A alimentação é um item importante, considerando-se níveis elevados de higiene e limpeza, pois qualquer problema existente com ela durante a época de turismo, pode encurtar a estada gerando perdas para toda a cadeia turística Transporte turístico O transporte no turismo, desde a antiguidade, mostrou-se importante. Quando ainda era utilizado o cavalo e as cidades eram distantes e de difícil acesso, o desenvolvimento marítimo foi base para a integração entre elas, proporcionando subsídios às Grandes Navegações. O transporte foi o que também delimitou o raio de ação do turista, pois ele define o tempo e a distância percorrida para se alcançar o objetivo. Atualmente se fala em turismo no espaço, onde milionários voam em foguetes para a estação espacial internacional, dão voltas pela lua ou simplesmente vão e voltam do espaço. Esta é, sem dúvida, a mais nova fronteira do turismo rompida. [ ] Atualmente está sendo estudada a possibilidade de trasladar a vida a outros planetas; portanto, é possível que no futuro0 esses esforços do homem em encontrar outros espaços para viver sejam coroados com sucesso; assim, o transporte espacial se reafirmará como a oitava maravilha do século XXI. (DE LA TORRE, 2002, p. 265). O transporte é conceituado pela OMT (2001, p. 103) como sendo o meio de

25 24 condução ao destino saindo da região de origem, portanto, representa o movimento de viajantes de uma origem para o destino. O autor também enfatiza o fato de que o próprio transporte pode ser uma atração turística por si só, como a ligação férrea entre Curitiba (PR) e Paranaguá (PR) ou o acesso ao Corcovado, ligação férrea a partir do bairro Tijuca (RJ). Sem dúvida as linhas férreas favoreceram o desenvolvimento dos primeiros balneários e resorts da costa. O automóvel propiciou o desenvolvimento do turismo nacional em países industrializados. O avião e seus avanços tecnológicos permitiram aproximar fronteiras e provocaram a expansão do turismo internacional, trazendo consigo novas e revolucionárias formas de turismo [ ] (OMT, 2001, p ). Conforme Paolillo; Rejowski (2002, p. 13), o sistema de transporte turístico é composto por serviços e equipamentos de um ou mais meios de transportes, entre um núcleo emissor e receptor e dentro dos mesmos. De La Torre (2002) ressalta o fato de que o turismo existe por si só como fenômeno socioeconômico e que o conjunto não foi criado em função do traslado turístico. Junto com o transporte, alguns valores podem ser elencados como a importância econômica, social e política desta atividade. A primeira se destaca pela função propiciadora da geração de riquezas, transporte de matéria-prima e produtos acabados ou semi-acabados; a segunda demonstra que o contato entre as diversas civilizações tornou-se uma realidade cada vez mais constante, com o contato entre diversas etnias miscigenando e proporcionando trocas entre diversas sociedades; por último, em decorrência da globalização, as fronteiras praticamente se extinguiram, fazendo com que o transporte reduza a distância entre governantes e gere maior transparência em suas gestões facilitando possíveis intervenções. (DE LA TORRE, 2002) São equipamentos descritos por Paolillo; Rejowski (2002): Modal Marítimo, fluvial e lacustre Ferroviário Equipamento Navios e outras embarcações (balsas, hidrofoils, ) Trens, automotrizes e outras composições (bondes, teleféricos, )

1 - Lista de produtos específi cos de turismo

1 - Lista de produtos específi cos de turismo Anexos 1 - Lista de produtos específi cos de turismo Economia do Turismo Análise das atividades características do turismo 2003 (continua) 63110.0 Serviços de alojamento em hotéis e motéis 63191.0 Serviços

Leia mais

Anexos. 1 - Lista de produtos específicos do turismo. 2 - Lista de atividades e produtos característicos do turismo

Anexos. 1 - Lista de produtos específicos do turismo. 2 - Lista de atividades e produtos característicos do turismo Anexos 1 - Lista de produtos específicos do turismo 2 - Lista de atividades e produtos característicos do turismo Anexos (continua) 63110.0 Serviços de alojamento em hotéis e motéis 63191.0 Serviços de

Leia mais

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo PERFIL PROFISSIONAL Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo É o profissional que atua em agências de viagens, em meios de hospedagem, em empresas de transportes e de eventos; promove

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

2.2 A operadora elabora, organiza e executa o roteiro da viagem contratada.

2.2 A operadora elabora, organiza e executa o roteiro da viagem contratada. CONDIÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE PROGRAMAS DE VIAGENS NACIONAIS E INTERNACIONAIS A aquisição de pacotes e programas de viagens nacionais e internacionais adquiridas da ARA TRAVEL TURISMO E VIAGENS LTDA.

Leia mais

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45%

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45% 1 2 A FECOMÉRCIO SC, com o intuito de mapear o perfil do turista e do empresário do turismo de carnaval em Santa Catarina, realizou uma pesquisa com esses públicos nas quatro cidades de maior movimento

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015 MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO Rosana Bignami Outubro_2015 ATRATIVOS CIDADES PESSOAS TRANSPORTES SISTEMA DE TRANSPORTE VEÍCULO ATENDE LOCAIS E ATENDE A MINHA EMPRESA ESTÁ PRONTA PARA O MARKETING? OUÇA

Leia mais

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil RESENHAS Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil Erika Helena Bautto Completa, abrangente e extremamente didática, Marketing Turístico e de Hospitalidade:

Leia mais

O PERFIL DOS INTERCAMBISTAS NO ATUAL FLUXO DE INTERCÂMBIOS EDUCACIONAIS

O PERFIL DOS INTERCAMBISTAS NO ATUAL FLUXO DE INTERCÂMBIOS EDUCACIONAIS O PERFIL DOS INTERCAMBISTAS NO ATUAL FLUXO DE INTERCÂMBIOS EDUCACIONAIS Eline Tosta Felipe Jaciel Gustavo Kunz RESUMO: Intercâmbio cultural consiste em uma viagem ao exterior motivado pelo estudo e cultura.

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO

O MERCADO DE TRABALHO O MERCADO DE TRABALHO NAS ATIVIDADES CARACTERÍSTICAS DE TURISMO NA CIDADE DE SÃO PAULO 99.090 Postos de Trabalho Formais e Diretos Alimentação 44,5% Agência de Viagem 13,1% 22,2% Alojamento 14,7% s 1,9%

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO MTUR/DEAOT/CGQT Campinas, 20 de março de 2010 ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO POLÍTICAS DE INCENTIVO AO TURISMO NORMATIZAÇÃO DE CAMPINGS COPA DO MUNDO E OLIMPÍADAS REGISTRO

Leia mais

Receita infalível para uma boa viagem

Receita infalível para uma boa viagem Receita infalível para uma boa viagem Para que a tão sonhada viagem de férias não se transforme em um pesadelo, alguns cuidados básicos devem ser tomados. Pensando no seu conforto e na sua segurança nesse

Leia mais

Estudo da Demanda Turística Internacional

Estudo da Demanda Turística Internacional Estudo da Demanda Turística Internacional Brasil 2012 Resultados do Turismo Receptivo Pontos de Coleta de Dados Locais de entrevistas - 25 Entrevistados - 31.039 15 aeroportos internacionais, que representam

Leia mais

turístico: a oferta e a demanda turísticas

turístico: a oferta e a demanda turísticas 2 Mercado turístico: a oferta e a demanda turísticas Meta da aula Apresentar os conceitos e o funcionamento do mercado turístico, especialmente a oferta e a demanda turística. Objetivos Esperamos que,

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

PACOTES CRUZEIROS. e Turismo www.faypassagens.com.br A SUA VIAGEM COMEÇA AQUI!

PACOTES CRUZEIROS. e Turismo www.faypassagens.com.br A SUA VIAGEM COMEÇA AQUI! CORPORATE FRETAMENTOS CRUZEIROS PACOTES A SUA VIAGEM COMEÇA AQUI! QUEM SOMOS QUEM SOMOS A Fay Passagens é uma agência que atua há mais de 10 anos, o nosso principal objetivo é prestar atendimento personalizado

Leia mais

FASTPASS. Soluções em Transporte Executivo

FASTPASS. Soluções em Transporte Executivo FASTPASS Soluções em Transporte Executivo A FastPass é uma empresa que oferece soluções completas em transporte de passageiros, desde a locação de veículos executivos e vans com motorista para transfers,

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS DAS OPERAÇÕES DE VENDA DA AGÊNCIA DE VIAGEM

ANÁLISE DOS RESULTADOS DAS OPERAÇÕES DE VENDA DA AGÊNCIA DE VIAGEM REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA TURISMO PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2006 ANÁLISE DOS RESULTADOS DAS OPERAÇÕES DE VENDA DA AGÊNCIA DE VIAGEM BARROS, Darci K. Y. de Curso de Turismo

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL Mapa de oportunidades para Agências de Viagens O que é ABAV? Entidade empresarial, sem fins lucrativos, que representa as Agências de Viagens espalhadas

Leia mais

Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre. Outono 2010

Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre. Outono 2010 Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre Outono 2010 Pesquisa realizada pela SMTur, em parceria com a FARGS e com apoio da Infraero e da Veppo. 22 a 28 de abril Aeroporto área de embarque

Leia mais

QUESTIONÁRIO OPERAÇÃO DE CARACTERIZAÇÃO E GASTO DO TURISMO RECEPTIVO

QUESTIONÁRIO OPERAÇÃO DE CARACTERIZAÇÃO E GASTO DO TURISMO RECEPTIVO QUESTIONÁRIO OPERAÇÃO DE CARACTERIZAÇÃO E GASTO DO TURISMO RECEPTIVO A. VIAJANTES IDENTIFICAÇÃO DO PORTAO DE PESQUISA DATA QUAL É A SUA NACIONALIDADE?(CASO O ENTREVISTADO TENHA MAIS DE UMA NACIONALIDADE,

Leia mais

Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul INTERNACIONAL

Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul INTERNACIONAL 3.11 Perfil do turista Os documentos utilizados para a análise do perfil do turista que visita o Ceará são: Relatório de Pesquisa da Demanda Turística via Fortaleza 1999 foram aplicados 4.032 questionários

Leia mais

5 Proposta pedagógica da escola

5 Proposta pedagógica da escola 5 Proposta pedagógica da escola A escola onde este estudo se realizou localiza-se na periferia da cidade do Rio de Janeiro, e passou a integrar a rede FAETEC (Fundação de Apoio à Escola Técnica do Rio

Leia mais

A verdadeira arte de viajar

A verdadeira arte de viajar A verdadeira arte de viajar A Ducato Turismo é uma agência especializada na prestação de serviços de gestão de viagens corporativas, com proposta e objetivo de personalização no atendimento diferenciado

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia Universidade Estácio de Sá Turismo, Hotelaria e Gastronomia A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

Consultando o Dicionário da Língua Portuguesa de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, encontra-se a seguinte definição para turismo:

Consultando o Dicionário da Língua Portuguesa de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, encontra-se a seguinte definição para turismo: 4 Turismo O objetivo deste capítulo é apresentar definições de turismo, a relação entre turismo e fontes de emprego, a importância do domínio da língua inglesa para o mercado e o perfil do profissional

Leia mais

TURISMO E EDUCAÇÃO JUNTO À

TURISMO E EDUCAÇÃO JUNTO À TURISMO E EDUCAÇÃO JUNTO À COMUNIDADE: O ENSINO SUPERIOR ATUANDO EM ARARAQUARA. Eduarda Escila Ferreira Lopes* Nádia Pizzolitto** Turismo e educação junto à comunidade: City Tour Hoje o turismo assume

Leia mais

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos TURISMO DE NATUREZA AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. Situação a nível europeu De acordo com o Estudo realizado por THR (Asesores en Turismo Hotelería y Recreación, S.A.) para o Turismo de Portugal,

Leia mais

Anexo 1 LISTA DE PRODUTOS CARACTERÍSTICOS DO TURISMO E ATIVIDADES CARACTERÍSTICAS DO TURISMO

Anexo 1 LISTA DE PRODUTOS CARACTERÍSTICOS DO TURISMO E ATIVIDADES CARACTERÍSTICAS DO TURISMO ANEXOS Anexo 1 LISTA DE PRODUTOS CARACTERÍSTICOS DO TURISMO E ATIVIDADES CARACTERÍSTICAS DO TURISMO A. Lista de produtos característicos do turismo A lista de produtos característicos do turismo é provisória

Leia mais

Dispomos de filiais em Natal/RN, bairro de Ponta Negra.

Dispomos de filiais em Natal/RN, bairro de Ponta Negra. Quem Somos? Atua há 22 anos firmada no mercado como agência especializada na negociação, planejamento, divulgação e execução das atividades turísticas. Empresa esta, devidamente cadastrada pelos órgãos

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS DA COPA 2014 (PST Copa 2014)

RESULTADOS CONSOLIDADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS DA COPA 2014 (PST Copa 2014) RESULTADOS CONSOLIDADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS DA COPA 2014 (PST Copa 2014) Os resultados a seguir são baseados em 2.257 entrevistas realizadas com turistas no período de 14 de junho a

Leia mais

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT MISSÃO SEBRAE Missão: Ser uma organização de desenvolvimento, ética e séria, gerando alternativas de soluções para nossos clientes tornarem-se competitivos alinhados à sustentabilidade da vida. ÁREA DE

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 A ATIVIDADE TURÍSTICA E O SEGMENTO DE EVENTOS. PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO GRAÇAS À COPA

Leia mais

ESTRADA REAL. Melhor época

ESTRADA REAL. Melhor época ESTRADA REAL Bem-vindo(a) ao Brasil do século XVIII. Era ao longo destes caminhos que as coisas aconteciam durante os 100 anos em que este foi o eixo produtivo mais rico do jovem país que se moldava e

Leia mais

A BP VIAGENS. www.batistaviagens.com.br

A BP VIAGENS. www.batistaviagens.com.br A BP VIAGENS Tradicionalmente inovadora Há 22 anos no mercado, a Batista Pereira (BP) é pioneira em turismo e conta com duas sedes em Palmas, proporcionando a você o melhor receptivo da capital tocantinense:

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras Diretoria de Engenharia - DE Cidades candidatas e seus aeroportos Aeroportos da INFRAERO primeira e última imagem que o turista estrangeiro

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Taxa de Serviço do Consumidor pelos Serviços Prestados de Agência de Viagens

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Taxa de Serviço do Consumidor pelos Serviços Prestados de Agência de Viagens Parecer Consultoria Tributária Segmentos Taxa de Serviço do Consumidor pelos Serviços Prestados de Agência de Viagens 28/09/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

EMBRATUR. Percepção dos estrangeiros sobre o Brasil durante a Copa das Confederações 2013

EMBRATUR. Percepção dos estrangeiros sobre o Brasil durante a Copa das Confederações 2013 EMBRATUR Percepção dos estrangeiros sobre o Brasil durante a Copa das Confederações 2013 Com 20 anos de experiência em Estudos de Mercado, o Instituto Methodus garante aos seus clientes relatórios que

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

Subcomissão Temporária copa 2014, Olimpíada e Paraolimpíada 2016.

Subcomissão Temporária copa 2014, Olimpíada e Paraolimpíada 2016. Subcomissão Temporária copa 2014, Olimpíada e Paraolimpíada 2016. Políticas de qualificação Empresarial e Profissional para a copa de 2014, Olimpíadas e Paraolimpíadas 2016 antoniohenrique@senac.br O que

Leia mais

Apaixonado. Pessoal. Serviço.

Apaixonado. Pessoal. Serviço. Apaixonado. Pessoal. Serviço. sobre nós Privileged (Privilegiado) é um serviço de gestão global padrão luxo que oferece uma linha de serviços padronizados, 24 horas por dia, 365 dias por ano, ou seja,

Leia mais

Proporcionar aos idosos, aposentados e pensionistas oportunidade de viajar e de usufruir os benefícios

Proporcionar aos idosos, aposentados e pensionistas oportunidade de viajar e de usufruir os benefícios Objetivos do Projeto Geral Proporcionar aos idosos, aposentados e pensionistas oportunidade de viajar e de usufruir os benefícios da atividade turística, como forma de fortalecimento do setor de turismo

Leia mais

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames.

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames. C U R S O S ESPECIAIS I n s t i t u t o C e r v a n t e s d e B r a s i l i a CURSOS ESPECIAIS O Instituto Cervantes de Brasília dispõe de uma ampla oferta de cursos especiais para se adaptar as necessidades

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS OS BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DAS DIRETRIZES DA GESTÃO DE PROJETOS REUNIDAS NO PMBOK NO PLANEJAMENTO TURÍSTICO DE DESTINOS ALUNA: HELENA PERES

Leia mais

Réveillon em Buenos Aires: Cores e Sabores da Capital Portenha

Réveillon em Buenos Aires: Cores e Sabores da Capital Portenha Réveillon em Buenos Aires: Cores e Sabores da Capital Portenha Série Cultura e Lazer Roteiro rodoviário 27-Dez-2015 a 03-Jan/2016-8 Dias 6 Noites - R$ 1 890,00 por pessoa em apto triplo 1 O tango, a arquitetura,

Leia mais

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO Turno: MATUTINO Currículo nº 9 Currículo nº 10 Reconhecido pelo Decreto Estadual n. o 5.497, de 21.03.02, D.O.E. nº 6195 de 22.03.02. Renovação de Reconhecimento Decreto

Leia mais

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO Turno: MATUTINO Currículo nº 9 Currículo nº 10 Reconhecido pelo Decreto Estadual n. o 5.497, de 21.03.02, D.O.E. nº 6195 de 22.03.02. Renovação de Reconhecimento Decreto

Leia mais

Expedições 4x4 e Eventos Outdoor. caaa

Expedições 4x4 e Eventos Outdoor. caaa Expedições 4x4 e Eventos Outdoor caaa Quem Somos? Empresa de Consultoria em Segurança que atua no suporte técnico às empresas, capacitando seus funcionários que dirigem a serviço delas, bem como assessorá-las

Leia mais

BEACH PARK ACQUA RESORT 08 Dias / 07 Noites

BEACH PARK ACQUA RESORT 08 Dias / 07 Noites BEACH PARK ACQUA RESORT 08 Dias / 07 Noites INCLUSO: Passagem aérea em vôo regular ; 07 noites de hospedagem com café da manhã e jantar; Traslado de chegada e saída; Bolsa de Viagem; Seguro Viagem. ROTEIRO:

Leia mais

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP)

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) e o Aeroporto Sá Carneiro, realizou o estudo do perfil

Leia mais

Coordenação-geral de Competitividade e Inovação

Coordenação-geral de Competitividade e Inovação Coordenação-geral de Competitividade e Inovação Legislação Turística LEI N º 11.771/2008 DECRETO N 7.381/2010 PORTARIA N 197/20103 PORTARIA Nº 311/2013 Legislação Turística Lei Geral do Turismo 11.771/2008

Leia mais

2.9. QUALIDADE E OFERTA DE ALOJAMENTO E OUTROS EQUIPAMENTOS TURÍSTICOS

2.9. QUALIDADE E OFERTA DE ALOJAMENTO E OUTROS EQUIPAMENTOS TURÍSTICOS 2.9. QUALIDADE E OFERTA DE ALOJAMENTO E OUTROS EQUIPAMENTOS TURÍSTICOS Este tópico apresenta uma avaliação da capacidade e da qualidade atual dos equipamentos turísticos disponíveis na Área de Planejamento,

Leia mais

Férias em Itapema SC, Passeios em Florianópolis, Beto Carrero e Nova Trento... O melhor de Santa Catarina com a Passeio Turismo!

Férias em Itapema SC, Passeios em Florianópolis, Beto Carrero e Nova Trento... O melhor de Santa Catarina com a Passeio Turismo! Férias em Itapema SC, Passeios em Florianópolis, Beto Carrero e Nova Trento... O melhor de Santa Catarina com a Passeio Turismo! 10 a 17 de Janeiro 2016 Roteiros: 07 Dias 05 Noites Situada a 12 quilômetros

Leia mais

VIAJE LEGAL. www.viajelegal.turismo.gov.br

VIAJE LEGAL. www.viajelegal.turismo.gov.br Aqui você encontra dicas para viajar sem problemas. Afinal, uma viagem legal é aquela que traz boas recordações. Palavra do Ministro Prezado leitor, O turismo é uma atividade que envolve expectativas e

Leia mais

Projeto Circulando Cultura: inclusão cultural através do transporte público.

Projeto Circulando Cultura: inclusão cultural através do transporte público. Projeto Circulando Cultura: inclusão cultural através do transporte público. Aline Leite 1 ; Daniel Lopes 1 ; Denise Navegantes 1 ; Diego Mateus da Silva 1 ; Marcelo Mancini 1 ; Miguel Dias 1 ; Natália

Leia mais

TURISMO E TRANSPORTE RODOVIÁRIO.

TURISMO E TRANSPORTE RODOVIÁRIO. TURISMO E TRANSPORTE RODOVIÁRIO. SILVA, Odair Vieira da. Bacharelado e Licenciatura em Geografia Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), Campus Presidente Prudente. Especialista

Leia mais

Apresentação: WebTour - Sistema de Gestão de Pacotes Turísticos

Apresentação: WebTour - Sistema de Gestão de Pacotes Turísticos Apresentação: WebTour - Sistema de Gestão de Pacotes Turísticos M&M Soluções Web www.mmsolucoesweb.com.br Página 2 de 18 Apresentação Criada oficialmente em 2009, a M&M iniciou suas atividades através

Leia mais

Percepção dos turistas castelhanos quanto ao turismo no Rio Grande do Sul

Percepção dos turistas castelhanos quanto ao turismo no Rio Grande do Sul Percepção dos turistas castelhanos quanto ao turismo no Rio Grande do Sul Prof. Guilherme Trez Prof. Marcelo Jacques Fonseca Prof. Karine Freire Pesq. Maria Virgínia Alves de Lima Pesq. Marina Rambo APRESENTAÇÃO

Leia mais

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1.1. TÍTULO: Viagens de Estudos e Visitas Técnicas Internacionais

Leia mais

NOVOS ASSOCIADOS DO MÊS DE MAIO

NOVOS ASSOCIADOS DO MÊS DE MAIO Junho de 2009 NOVOS ASSOCIADOS DO MÊS DE MAIO JET STREAM Segmento: Agências de Viagens, Turismo e Receptivo Agência conceituada ha 24 anos no mercado, pela expertise nas viagens de negócios e lazer. Com

Leia mais

PESQUISA DE AVALIAÇÃO COM SÓCIOS

PESQUISA DE AVALIAÇÃO COM SÓCIOS PESQUISA DE AVALIAÇÃO COM SÓCIOS Pesquisa desenvolvida com exclusividade para JOCKEY CLUB Outubro /2012 Para falar com a H2R contate: lmorrone@h2r.com.br /rubenshannun@h2r.com.br Tel(011)2654-0424 www.h2r.com.br

Leia mais

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online.

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Assunto E-commerce Metodologia Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Quantidade de entrevistas realizadas: 1.652 mulheres Perfil: 18 a 50 anos Mercado: Brasil

Leia mais

Gilberto Pessanha Ribeiro Bruno Garbéro Pinna. Cristiano dos Santos Maciel Marcus Felipe Mourão Pereira. Apoio: www.georeferencial.com.

Gilberto Pessanha Ribeiro Bruno Garbéro Pinna. Cristiano dos Santos Maciel Marcus Felipe Mourão Pereira. Apoio: www.georeferencial.com. Sistema de Informação Geográfica para o Turismo de Angra dos Reis, RJ Cristiano dos Santos Maciel Marcus Felipe Mourão Pereira Gilberto Pessanha Ribeiro Bruno Garbéro Pinna Apoio: Categorias do Turismo

Leia mais

PROGRAMA PARANÁ MICE PROJETO DE PESQUISAS DE DEMANDA

PROGRAMA PARANÁ MICE PROJETO DE PESQUISAS DE DEMANDA PROGRAMA PARANÁ MICE PROJETO DE PESQUISAS DE DEMANDA PROMOTORES DE EVENTOS ASSOCIATIVOS ESTADUAIS ASSOCIATIVOS LOCAIS CORPORATIVOS TURISTAS NEGÓCIOS ( 2016) EVENTOS FEIRAS CONGRESSOS 2 SEMINÁRIO PARANÁ

Leia mais

Trens turísticos e o patrimônio cultural. Roberta Abalen Dias

Trens turísticos e o patrimônio cultural. Roberta Abalen Dias Trens turísticos e o patrimônio cultural Roberta Abalen Dias Atualmente o Turismo é considerado uma atividade de grande importância econômica, responsável por geração de emprego e renda. Tal atividade

Leia mais

Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento

Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento www.visitesaopedrodaaldeia.com.br Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento Tel/ax: (21) 2522-2421 ideias@ideias.org.br Quem Somos O Instituto IDEIAS é uma associação civil, sem fins lucrativos,

Leia mais

Palavras chave: Transporte Rodoviário; Passageiros; Qualidade; Cliente.

Palavras chave: Transporte Rodoviário; Passageiros; Qualidade; Cliente. A importância da avaliação do transporte rodoviário interestadual e internacional de passageiros através dos critérios de qualidade priorizados pelos clientes Lílian da Silva Santos (UFOP) lilisisa@gmail.com

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 33/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE HOTELARIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA.

RESOLUÇÃO CONSEPE 33/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE HOTELARIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. RESOLUÇÃO CONSEPE 33/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE HOTELARIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

Manaus - AM 5 Dias 4 Noites

Manaus - AM 5 Dias 4 Noites Manaus - AM 5 Dias 4 Noites Operador: Schultz Pacotes Nacionais Dias de Saída na Semana Moeda: R$ Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom Dias Limite para Venda: 0 X X X X X X X Quantidade mínima de passageiros por

Leia mais

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO Turno: MATUTINO Currículo nº 9 Currículo nº 10 Reconhecido pelo Decreto Estadual n. o 5.497, de 21.03.02, D.O.E. de 22.03.02. Para completar o currículo pleno do curso superior

Leia mais

Fortaleza - CE 5 Dias 4 Noites

Fortaleza - CE 5 Dias 4 Noites Fortaleza - CE 5 Dias 4 Noites Operador: Schultz Pacotes Nacionais Dias de Saída na Semana Moeda: R$ Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom Dias Limite para Venda: 10 X X X X X X X Quantidade mínima de passageiros

Leia mais

Transporte Terrestre X Aluguel de Veículos:

Transporte Terrestre X Aluguel de Veículos: Transporte Terrestre X Aluguel de Veículos: Serviços Diferentes para Clientes Diferentes? Moderador: Tomás Ramos 04/02/2009 Considerando-se o tráfego e os problemas de segurança nas grandes cidades da

Leia mais

GUIA RESUMIDO DE SEGUROS E ASSISTÊNCIAS DE VIAGENS.

GUIA RESUMIDO DE SEGUROS E ASSISTÊNCIAS DE VIAGENS. SETEMBRO 2013 GUIA RESUMIDO DE SEGUROS E ASSISTÊNCIAS DE VIAGENS. *As informações contidas neste guia são válidas exclusivamente para cartões MasterCard Platinum e Visa Platinum. SERVIÇO DE CONCIERGE Você

Leia mais

PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE TURISMO

PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE TURISMO PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE TURISMO REGULAMENTO DE ESTÁGIO Todo aluno do curso de Turismo, poderá estagiar a partir do segundo ano (3º período) e entregar um

Leia mais

Direitos Autorais e a Hotelaria Câmara dos Deputados 05/11/2015

Direitos Autorais e a Hotelaria Câmara dos Deputados 05/11/2015 Direitos Autorais e a Hotelaria Câmara dos Deputados 05/11/2015 Sobre o FOHB Criado em 2002, o FOHB Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil é uma entidade associativa sem fins lucrativos que representa

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

19ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE TURISMO. 05 de Dezembro de 2013 BDMG Belo Horizonte

19ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE TURISMO. 05 de Dezembro de 2013 BDMG Belo Horizonte 19ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE TURISMO 05 de Dezembro de 2013 BDMG Belo Horizonte ESTATÍSTICAS DO TURISMO MINEIRO -Perfil da Demanda -Estudo de Competitividade -Dados Econômicos RAFAEL OLIVEIRA

Leia mais

O século XIX ficou conhecido como o século europeu; o XX, como o americano. O século XXI será lembrado como o Século das Mulheres.

O século XIX ficou conhecido como o século europeu; o XX, como o americano. O século XXI será lembrado como o Século das Mulheres. Assunto Turismo SOPHIA MIND A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem por cento

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DE VIAGENS, ESTADIA E ALIMENTAÇÃO - GRUPO EDUCACIONAL UNIS -

NORMATIZAÇÃO DE VIAGENS, ESTADIA E ALIMENTAÇÃO - GRUPO EDUCACIONAL UNIS - NORMATIZAÇÃO DE VIAGENS, ESTADIA E ALIMENTAÇÃO - GRUPO EDUCACIONAL UNIS - OBJETIVO 1ª Revisão em Agosto de 2011. Definir diretrizes gerais para viagens a serviço, dos colaboradores da FEPESMIG e de suas

Leia mais

19/03/2013 1995: OMT. Elementos comuns a diferentes definições de turismo. Conceitos-chave:

19/03/2013 1995: OMT. Elementos comuns a diferentes definições de turismo. Conceitos-chave: 1995: OMT IFSP Profa. Rafaela Malerba O turismo compreende as atividades que realizam as pessoas durante suas viagens e estadas em lugares diferentes ao seu entorno habitual, por um período consecutivo

Leia mais

São Paulo. o perfil dos. cada ano esticam mais a estadia e começam a agregar, cada vez mais, o lazer ao trabalho. cidade. anuário 2012 CRIATIVA

São Paulo. o perfil dos. cada ano esticam mais a estadia e começam a agregar, cada vez mais, o lazer ao trabalho. cidade. anuário 2012 CRIATIVA São Paulo anuário 2012 o perfil dos visitantes Os turistas que visitam a capital paulista, a cada ano esticam mais a estadia e começam a agregar, cada vez mais, o lazer ao trabalho Turistas conheça o perfil

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

A QUALIDADE PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS NOS CAMPOS GERAIS NA VISÃO DAS EMPRESAS

A QUALIDADE PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS NOS CAMPOS GERAIS NA VISÃO DAS EMPRESAS A QUALIDADE PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS NOS CAMPOS GERAIS NA VISÃO DAS EMPRESAS Alexandre Milkiewicz Sanches (UTFPR) riversonic@ibestvip.com.br Profª. Dra. Isaura Alberton de Lima (UTFPR)

Leia mais

Seguros e assistências do Cartão Personnalité MasterCard Black

Seguros e assistências do Cartão Personnalité MasterCard Black Seguros e assistências do Cartão Personnalité MasterCard Black Central de Atendimento Para você desfrutar os bons momentos de sua viagem e sentir-se sempre protegido, conte com os seguros, serviços e assistências

Leia mais

Projeto de monitoria em eventos: com destaque nas disciplinas Introdução a Hospitalidade e Teoria e Pesquisa do Lazer

Projeto de monitoria em eventos: com destaque nas disciplinas Introdução a Hospitalidade e Teoria e Pesquisa do Lazer Projeto de monitoria em eventos: com destaque nas disciplinas Introdução a Hospitalidade e Teoria e Pesquisa do Lazer Gilmara Barros da Silva 1, Janaina Luciana de Medeiros 2, Kettrin Farias Bem Maracajá

Leia mais

Portfolio de Consultoria O Portfólio Apresentação Quem Sou Serviços Roteiro Personalizado Site Contato Apresentação Pensando em viajar? Férias, lua de mel, viagem corporativa, viagem em família, ou com

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 TURISMO DE AVENTURA: ANÁLISES E QUESTIONAMENTOS SOBRE O PROCESSO DE CRIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA

Leia mais

O TURISMO CULTURAL COMO FATO GERADOR E DE SUSTENTABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

O TURISMO CULTURAL COMO FATO GERADOR E DE SUSTENTABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL 384 O TURISMO CULTURAL COMO FATO GERADOR E DE SUSTENTABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Esilaine Aparecida Tavares Pavan - Uni-FACEF Barbara Fadel Uni-FACEF INTRODUÇÃO A Revolução Industrial trouxe

Leia mais

TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG)

TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG) TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG) SÉRGIO HENRIQUE DE CAMPOS ESPORTE 1 e ANA RUTE DO VALE 2 sergio_h13@hotmail.com, ana.vale@unifal-md.edu.br 1 Bolsista de iniciação científica

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

Guia resumido de seguros e assistências de viagens.

Guia resumido de seguros e assistências de viagens. agosto 2013 Guia resumido de seguros e assistências de viagens. *AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE GUIA SÃO VÁLIDAS EXCLUSIVAMENTE PARA CARTÕES MASTERCARD PLATINUM E VISA PLATINUM. Serviço de concierge Especialistas

Leia mais

Viagem de um dia a Paris por trem saindo de Londres

Viagem de um dia a Paris por trem saindo de Londres Viagem de um dia a Paris por trem saindo de Londres Operador: Viator Inc Dias de Saída na Semana Moeda: US$ Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom Dias Limite para Venda: 3 X X X X X X X Quantidade mínima de passageiros

Leia mais

RIO DE JANEIRO - RJ (BRASIL)

RIO DE JANEIRO - RJ (BRASIL) RIO DE JANEIRO - RJ (BRASIL) A Cidade Maravilhosa Rio de Janeiro, também conhecida como a Cidade Maravilhosa, é a segunda maior cidade do Brasil, e com certeza faremos com que você tenha um maravilhoso

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Especificações Técnicas Metodologia Técnicaeformadecoleta: Quantitativa: survey telefônico, com amostra 2.322 entrevistas, realizadas entre os dias 17 de junho e 07 de julho de 2009, pelo Instituto Vox

Leia mais

Política de Viagem Quatro Estações

Política de Viagem Quatro Estações 1 Gestão De Viagens Corporativas Construindo Uma Política De Viagens Mais Efetiva O documento em questão visa difundir informações, consolidar as práticas de mercado que nós consideramos importantes na

Leia mais

1.ª Fase - Primícias: Grécia, Roma, Jogos Olímpicos, Termas, Residências de Verão Renascimento, Circuitos no Continente Europeu;

1.ª Fase - Primícias: Grécia, Roma, Jogos Olímpicos, Termas, Residências de Verão Renascimento, Circuitos no Continente Europeu; FASES DO TURISMO 1.ª Fase - Primícias: Grécia, Roma, Jogos Olímpicos, Termas, Residências de Verão Renascimento, Circuitos no Continente Europeu; 2.ª Fase -Nascimento (Séc. XIX): incidência da modificação

Leia mais