Estatísticas do Turismo 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estatísticas do Turismo 2010"

Transcrição

1 ISSN Edição 2011 e Estatísticas oficiais

2

3 Edição 2011

4 FICHA TÉCNICA Título Editor Instituto Nacional de Estatística, I.P. Av. António José de Almeida Lisboa Portugal Telefone: Fax: Presidente do Conselho Directivo Alda de Caetano Carvalho Design e Composição Instituto Nacional de Estatística, I.P. ISSN ISBN Periodicidade Anual O INE, I.P. na Internet Apoio ao cliente INE, I.P., Lisboa Portugal, 2011 * A reprodução de quaisquer páginas desta obra é autorizada, excepto para fins comerciais, desde que mencionando o INE, I.P., como autor, o título da obra, o ano de edição, e a referência Lisboa-Portugal.

5 NOTA INTRODUTÓRIA INTRODUCTORY NOTE 3 A presente publicação das Estatísticas do Turismo, relativa ao ano de 2010, mantém os principais conteúdos relativos à actividade turística nas suas diversas vertentes, destacando-se a capacidade de alojamento, os hóspedes e as dormidas, bem como os proveitos obtidos nos estabelecimentos de alojamento colectivo classificados de interesse turístico pelo Turismo de Portugal, I.P. Para a elaboração da presente publicação foi utilizada informação proveniente do Inquérito à Permanência de Hóspedes e Outros Dados na Hotelaria, bem como de inquéritos similares realizados pelo INE e dirigidos aos parques de campismo, às colónias de férias e às pousadas de juventude. The 2010 issue of Tourism Statistics, keeps the main contents on tourism activity in its different approaches, with the emphasis on accommodation capacity, guests and overnight stays, as well as the total revenue of hotel and similar establishments classified as being of tourist interest by Portugal s National Tourism Authority (TP). This publication was based on the main sources of information from the Guest stays and other data on hotel activity survey and from other surveys conducted by Statistics Portugal covering the activity of hotel and similar establishments as well camping sites, holiday camps and youth hotels. São igualmente divulgados os resultados sobre procura turística resultantes do Inquérito às Deslocações dos Residentes (IDR), operação estatística iniciada pelo INE em 2009, em substituição do anterior Inquérito à Procura Turística dos Residentes. Na publicação Estatísticas do Turismo é complementarmente utilizada informação de fontes diversas, designadamente do Eurostat, da Organização Mundial de Turismo (OMT), do Turismo de Portugal, I.P. e do Banco de Portugal, conforme se encontra assinalado. No último capítulo da publicação apresentamos a metodologias e os conceitos utilizados nos diferentes inquéritos, que constituem a base da informação publicada. O INE agradece a todas as entidades que contribuíram para a elaboração desta publicação, salientando a relevância da colaboração de todos aqueles que responderam aos inquéritos realizados. This publication also disseminates results from the Travel survey of residents (IDR), introduced in 2009 by Statistics Portugal, replacing the previous Survey on tourism demand of residents. In Tourism Statistics, complementary information is used from several sources, namely Eurostat, the World Tourism Organization (UNWTO), Portugal s National Tourism Authority and the Portuguese Central Bank, as duly referred in the text. The final chapter presents the methodologies and statistical concepts underlying the different surveys which serve as the basis for the overall results published. Statistics Portugal would like to thank all those entities that have contributed to this publication and acknowledge particularly the respondents to our surveys. It also welcomes all comments and suggestions aiming at the improvement of future issues. Agradece igualmente todas as críticas e sugestões que venham a ser formuladas pelos utilizadores, visando a melhoria das edições futuras.

6 4 SUMÁRIO EXECUTIVO EXECUTIVE SUMMARY Segundo os dados disponíveis da OMT, as chegadas de turistas internacionais perfizeram 940 milhões em todo o mundo em 2010, ou seja, mais 58 milhões relativamente ao ano anterior. O ano de 2010, com um crescimento homólogo de 6,6%, o mais elevado registado desde 2005, inverteu a quebra das chegadas de turistas internacionais ocorrida em Em 2010, os resultados globais das chegadas de turistas a nível mundial revelaram um aumento em todas as regiões do globo, ainda que com diferentes andamentos, com crescimentos entre 3,3% na Europa e 14% no Médio Oriente. A nível nacional, as primeiras estimativas da Conta Satélite do Turismo 2010 apontam para um crescimento homólogo da Procura Turística, medida pelo Consumo do Turismo no Território Económico, de 7,9% em termos nominais, aproximando-se dos 16 mil milhões de euros. A Oferta Turística, medida pelo Valor Acrescentado Gerado pelo Turismo registou igualmente um acréscimo nominal de 6,4%, correspondendo a 6,3 mil milhões de euros. Neste ano, a Balança Turística Portuguesa apresentou uma evolução positiva significativa, com as receitas do Turismo a atingirem milhões de euros e as despesas turísticas milhões, ambas equivalendo a crescimentos homólogos de 10,2% e 8,9%, respectivamente. O saldo da balança turística foi de milhões de euros, superior ao do ano anterior em 11,0%. Segundo os resultados do Inquérito às Deslocações dos Residentes, o qual observa especificamente as viagens turísticas dos residentes realizadas para um destino fora do seu ambiente habitual, quer para Portugal quer para o estrangeiro, cerca de 4 milhões de residentes (37,4% da população residente) efectuaram, em 2010, pelo menos uma deslocação em que tenham dormido uma ou mais noites fora da sua localidade de residência. Em Portugal, no mesmo ano efectuaram-se cerca de 15,4 milhões de viagens por motivos turísticos, 89,5% das quais dentro do território nacional e as restantes, cerca de 1,6 milhões, para um destino localizado no estrangeiro. Pouco menos de metade das viagens (48,6%) realizaram-se por motivo de Lazer, recreio e férias, seguindo-se a Visita a familiares e amigos, associada a 39,2% das deslocações, e os motivos Profissionais e de negócios, que totalizaram cerca de 1,2 milhões de viagens (7,5%). In 2010, according to data from the World Tourism Organization (WTO), the international tourist arrivals totalled 940 million worldwide, 58 million more than in the previous year. The year 2010 reversed the downward trend of international tourist arrivals occurred in 2009, with a year- -on-year growth of 6.6%, the highest recorded since In 2010 overall results of international tourist arrivals, increased in all regions worldwide, although with different paces, growing from 3.3% in Europe to 14% in the Middle East. On a national level, the first estimates from the 2010 Satellite Tourism Account point to a year-on-year growth of the Tourist Demand, as measured by expenditure on Tourism Consumption within the Economic Territory, of 7.9% in nominal terms, nearing EUR 16 thousand million. Likewise, Tourism Supply, as measured by the tourism value added, recorded also a nominal increase of 6.4%, corresponding to EUR 6.3 thousand million. In 2010, The Portuguese Balance of Tourism showed a positive year-on-year variation, with a tourism revenue reaching EUR million and EUR million in Tourism expenditure, both standing for year-on-year growths of 10.2% and 8.9%, respectively, amounting to a balance of EUR million, equivalent to +11% than in the previous year. According to the results of the Travel Survey of Residents, which specifically observes the tourist trips made by residents towards a destination outside their usual environment whether in Portugal or abroad, in 2010 about 4 million residents (37.4% of the resident population) travelled at least once with one or more overnight stays outside their usual place of residence. In Portugal, on the same year, around 15.4 million tourist trips were made, of which 89.5% within national territory and 1.6 million to foreign destinations. Less than half (48.6%) of these trips were for Leisure, recreational and holiday, followed by Visit to relatives and friends with 39.2% and Professional or business with 7.5%, totalling 1.2 million trips.

7 As deslocações dos residentes geraram um total de 68,1 milhões de dormidas fora da sua residência habitual. O alojamento privado foi o preponderante, com 74,3% do total de dormidas. O alojamento fornecido gratuitamente por familiares ou amigos foi predominante nas dormidas associadas às deslocações para Visita de familiares ou amigos, representando 82,6% do total, contrariamente às viagens Profissionais e de negócios em que este meio de alojamento apenas registou 14,9% do total. As dormidas em estabelecimentos hoteleiros corresponderam a 20,7% do total, sendo o meio de alojamento mais expressivo nas deslocações por motivo de Lazer, recreio e férias, com 27,5%. Trips made by residents originated a total of 68.1 million overnight stays outside their usual place of residence. Private accommodation was mostly used, with 74.3% of total overnight stays. Accommodation provided without charge by relatives or friends was predominant among overnight stays related to Visit to relatives or friends, accounting for 82.6% of the total, as opposed to Professional and business trips, where private accommodation only registered 14.9% of the total. Overnight stays in hotel establishments corresponded to 20.7% of the total, becoming the most popular means of accommodation in Leisure, recreational and holiday trips, with 27.5%. 5 Em 2010, os resultados da oferta nos meios de alojamento turístico colectivo foram globalmente positivos, indiciando uma tendência de recuperação da actividade turística após a evolução desfavorável de 2009, associada à crise económica global. In 2010, tourism activity showed global positive results on the supply side, which started a reversal of the downward trend of the tourism activity after the negative results of 2009, linked to the international economic crisis. Em Julho de 2010, o conjunto dos meios de alojamento dispunha de camas, capacidade de alojamento superior à do período homólogo em 1,2%. A hotelaria representava 57,7% do total da oferta de alojamento, os parques de campismo 37,6%, o turismo no espaço rural 2,7% e as colónias de férias e pousadas de juventude 2%. Em termos anuais, os meios de alojamento turístico apresentaram 45 milhões de dormidas, valor que representa um acréscimo homólogo de 1,5%, para o qual contribuíram tanto os residentes (+1,6%) como os não residentes (+1,4%). Considerando apenas a hotelaria, em Julho de 2010 estiveram em actividade 2011 estabelecimentos, com uma oferta de camas e pessoas ao serviço. Em comparação com o período homólogo, estes indicadores cresceram respectivamente 1,2%, 2,1% e 2,8%. O movimento anual de hóspedes e dormidas foi também positivo: 13,5 milhões de hóspedes que originaram 37,4 milhões de dormidas, equivalendo a acréscimos homólogos de 4,7% e 2,6%, respectivamente. Para esta melhoria contribuíram tanto os residentes (+4,1% nas dormidas), como os não residentes (+1,7%), estes últimos representando 63% do total. Algarve, Lisboa e Madeira continuam a ser os principais destinos turísticos, tendo concentrado mais de 70% do total das dormidas. Quanto ao tipo de estabelecimento, os hotéis mantêm a liderança (58% do total), principalmente as unidades de quatro estrelas, que representaram cerca metade das dormidas em hotéis. Seguem-se, em termos de importância relativa, os hotéis-apartamentos (15,3%) e os apartamentos turísticos (10,1%). In July 2010, beds were available in the various types of collective accommodation, recording a 1.2% increase towards the previous year. Hotel activity represented 57.7% of the total bed capacity, camping sites accounted for 37.6%, rural tourism establishments for 2.7% and holiday camps and youth hostels for 2%. Overnight stays ascended to 45 million, in the various means of tourism collective accommodation, revealing a 1.5% increase towards Residents contributed for this outcome (+1.6%), as well as non-residents (+1.4%). In July 2010, considering hotel and similar establishments, were operating, offering bed places and accounting for staff employed. By comparison with the same month of the previous year, these indicators increased as 1.2%, 2.1% and 2.8%, respectively. In 2010, Hotel sector provided accommodation to 13.5 million guests corresponding to 37.4 million overnight stays, revealing increases of 4.7% and 2.6%, vis-à-vis For this improved performance, both residents (+4.1% of overnight stays) and non-residents (+1.7%) contributed, with the latter representing 63% of the total. The regions of Algarve, Lisbon and Madeira are still the main tourist destinations, concentrating more than 70% of the total of overnight stays. By type of establishment, hotels were the most sought accommodations (58% of the total of overnight stays), mainly four star units, standing for about half of overnight stays in hotels, followed by hotel-apartments (15.3%) and tourist apartments (10.1%). The total revenue of hotel establishments reached EUR million and the revenue from accommodation accounted for EUR million, corresponding to year- -on-year increases of 2.5% and 3%, respectively. Os proveitos totais atingiram milhões de euros e os de aposento milhões, correspondendo a variações homólogas positivas de 2,5% e 3,0%, respectivamente.

8 6 Os parques de campismo aumentaram a sua oferta em Julho de 2010, relativamente ao período homólogo: 227 parques (mais dois do que em 2009), com capacidade para alojar campistas (acréscimo de 0,8%). No entanto, em 2010 verificou-se uma redução da procura, já que as dormidas decresceram 3,5% face a 2009, correspondendo a 6,5 milhões. In July 2010, the camping sites increased their offer when compared with the same period of the previous year: 227 units (two more than in 2009), supplying accommodation to campers, 0.8% more than in However, in 2010, there was a decrease on the demand, since overnight stays decreased by 3.5% towards 2009, totalling 6.5 million. No período em análise, estiveram em actividade 36 colónias de férias, com uma oferta de camas, constatando-se uma redução no número de estabelecimentos (menos dois) e na capacidade oferecida (-20,6%). Também as dormidas (601 mil) decresceram em relação a 2009 (- 8,5%). Pelo contrário, as pousadas de juventude apresentaram resultados globais positivos, totalizando 50 estabelecimentos (mais dois do que em Julho de 2009), com capacidade de alojamento de camas, tendo registado 531 mil dormidas anuais, mais 5,9% do que as observadas em In the year under analysis, 36 holiday camps were operating, with a bed capacity of 4 873, declining two units and the supply capacity (-20.6%). The number of overnight stays (601 thousand) also decreased when compared with 2009 (-8.5%). On the contrary, the youth hostels presented global positive results, with a total of 50 establishments (two more than in July 2009), with a bed capacity of 4 652, recording 531 thousand overnight stays in the year, 5.9% more than those recorded in 2009.

9 SIMBOLOGIA 7 SINAIS CONVENCIONAIS Dado confidencial x Dado não disponível 0 Resultado nulo Dado inferior a metade do módulo da unidade utilizada % Percentagem D Dados definitivos Po Dado provisório Pe Dados preliminares p.p. Ponto percentual e SÍMBOLOS, SIGLAS E ABREVIATURAS Ag. Viag. Agência de Viagens Aloj. Alojamento Cap. Capacidade CST Conta Satélite do Turismo CTTE Consumo do Turismo no Território Económico CAE Rev.2 Classificação Portuguesa das Actividades Económicas, Revisão 2 Estab. Estabelecimento E.U.A. Estados Unidos da América EUROSTAT Serviço de Estatística da União Europeia FMI Fundo Monetário Internacional H Homens Ha Hectare Hab Habitantes HM Homens e Mulheres IDR Inquérito às Deslocações dos Residentes INE Instituto Nacional de Estatística LD Longa Duração LRF Lazer, Recreio e Férias M Mulheres N.º Número N.E. Não especificadas OMT Organização Mundial do Turismo OCDE Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico PIB Produto Interno Bruto P/N Profissionais/Negócios NUTS Nomenclatura das Unidades Territoriais para Fins Estatísticos R.A. Região Autónoma Reg. Região Rep. República RevPar Rendimento por quarto disponível TLOC Taxa líquida de ocupação cama TP Turismo de Portugal, I.P. Tur. Turístico Tvh Taxa de variação homóloga Tx. Taxa UE União Europeia Unid. Unidade VAB Valor Acrescentado Bruto Var. Variação VAGT Valor Acrescentado Gerado pelo Turismo VFA Visita a Familiares e Amigos 10 3 Milhares 10 9 Milhares de Milhões

10 8 INDICE FICHA TÉCNICA... 2 NOTA INTRODUTÓRIA... 3 INTRODUCTORY NOTE... 3 SUMÁRIO EXECUTIVO... 4 EXECUTIVE SUMMARY... 4 SIMBOLOGIA ENQUADRAMENTO INTERNACIONAL CONTEXTO ECONÓMICO MUNDIAL CONTEXTO INTERNACIONAL CHEGADAS DE TURISTAS INTERNACIONAIS ENQUADRAMENTO ECONÓMICO DO TURISMO PORTUGUÊS BALANÇO DA ECONOMIA NACIONAL CONTA SATÉLITE DO TURISMO BALANÇA TURÍSTICA PROCURA TURÍSTICA INQUÉRITO ÀS DESLOCAÇÕES DOS RESIDENTES Perfil dos Turistas Características das viagens Características das dormidas Características das despesas OFERTA NO ALOJAMENTO TURÍSTICO COLECTIVO CONJUNTO DOS MEIOS DE ALOJAMENTO TURÍSTICO COLECTIVO ESTABELECIMENTOS HOTELEIROS Capacidade de Alojamento Hóspedes e Dormidas Proveitos Totais e de Aposento PARQUES DE CAMPISMO OUTROS MEIOS DE ALOJAMENTO Colónias de Férias Pousadas de Juventude QUADROS DE RESULTADOS 5.1 PROCURA TURÍSTICA DOS RESIDENTES Quadro 1 - Estimativas da população residente, segundo o escalão etário, por sexo Quadro 2 - Turistas, segundo o motivo e destino da viagem, por sexo e escalão etário Quadro 3 - Turistas e não turistas, segundo a autoclassificação perante o trabalho, por sexo e escalão etário Quadro 4 - Turistas e não turistas, segundo o nível de instrução, por sexo e escalão etário Quadro 5 - Não turistas, segundo as razões por não ter viajado, por sexo e escalão etário Quadro 6 - Viagens, segundo o motivo, por escalão etário Quadro 7 - Viagens, segundo o motivo, por duração da estadia Quadro 8 - Viagens, segundo o motivo, por mês de inicio da viagem Quadro 9 - Viagens, segundo o motivo, por meio de transporte utilizado Quadro 10 - Viagens, segundo o motivo, por organização da viagem Quadro 11 - Viagens, segundo o motivo, por n.º de pessoas do agregado doméstico privado que viajaram Quadro 12 - Viagens, segundo o motivo, por NUTS II de destino Quadro 13 - Matriz origem/destino (NUTS II) das viagens realizadas, segundo o motivo Quadro 14 - Viagens, segundo o motivo, por país de destino Quadro 15 - Dormidas, segundo o motivo, por escalão etário... 61

11 Quadro 16 - Dormidas, segundo o motivo, por duração da estadia Quadro 17 - Dormidas, segundo o motivo, por mês de inicio da viagem Quadro 18 - Dormidas, segundo o motivo, por meio de transporte utilizado Quadro 19 - Dormidas, segundo o motivo, por meio de alojamento utilizado Quadro 20 - Dormidas, segundo o motivo, por organização da viagem Quadro 21 - Dormidas, segundo o motivo, por n.º de pessoas do agregado doméstico privado que viajaram Quadro 22 - Dormidas, segundo o motivo, por NUTS II Quadro 23 - Dormidas, segundo o motivo, por país de destino Quadro 24 - Duração média da viagem, segundo o motivo, por destino Quadro 25 - Despesa média por viagem, segundo o motivo, por destino Quadro 26 - Despesa média diária por turista, segundo o motivo, por destino OFERTA DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO COLECTIVO Quadro 27 - Estabelecimentos, segundo o tipo dos estabelecimentos, por regiões (NUTS II) Quadro 28 - Quartos, segundo o tipo dos estabelecimentos, por regiões (NUTS II) Quadro 29 - Capacidade de Alojamento, segundo o tipo dos estabelecimentos, por regiões (NUTS II) Quadro 30 - Pessoal ao serviço, segundo o tipo dos estabelecimentos, por regiões (NUTS II) Quadro 31 - Hóspedes, segundo o tipo dos estabelecimentos, por regiões (NUTS II) e países de residência habitual Quadro 32 - Hóspedes, segundo o mês, por regiões (NUTS II) e países de residência habitual Quadro 33 - Dormidas, segundo o tipo dos estabelecimentos, por regiões (NUTS II) e países de residência habitual Quadro 34 - Dormidas, segundo o mês, por regiões (NUTS II) e países de residência habitual Quadro 35 - Estada média, segundo o tipo dos estabelecimentos, por países de residência habitual Quadro 36 - Estada média, segundo o tipo dos estabelecimentos, por regiões (NUTS II) Quadro 37 - Estada média, segundo as regiões (NUTS II), por países de residência habitual Quadro 38 - Taxa líquida de ocupação-cama, segundo o tipo dos estabelecimentos, por regiões (NUTS II) Quadro 39 - Taxa líquida de ocupação-cama, segundo o mês, por regiões (NUTS II) Quadro 40 - Proveitos totais, segundo o tipo dos estabelecimentos, por regiões (NUTS II) Quadro 41 - Proveitos de aposento, segundo o tipo dos estabelecimentos, por regiões (NUTS II) Quadro 42 - Rendimento por quarto disponível (RevPar), segundo o tipo dos estabelecimentos, por regiões (NUTS II) Quadro 43 - Parques de campismo, área, capacidade de alojamento e pessoal ao serviço, por regiões (NUTS II) Quadro 44 - Campistas, segundo as regiões (NUTS II), por países de residência habitual Quadro 45 - Campistas, segundo o mês, por países de residência habitual Quadro 46 - Dormidas de campistas, segundo as regiões (NUTS II), por países de residência habitual Quadro 47 - Dormidas de campistas, segundo o mês, por países de residência habitual Quadro 48 - Estada média de campistas, segundo as regiões (NUTS II), por países de residência habitual Quadro 49 - Colónias de férias, capacidade de alojamento e pessoal ao serviço, por regiões (NUTS II) Quadro 50 - Hóspedes nas colónias de férias, segundo as regiões (NUTS II), por países de residência habitual Quadro 51 - Hóspedes nas colónias de férias, segundo o mês, por países de residência habitual Quadro 52 - Dormidas nas colónias de férias, segundo as regiões (NUTS II), por países de residência habitual Quadro 53 - Dormidas nas colónias de férias, segundo o mês, por países de residência habitual Quadro 54 - Estada média nas colónias de férias, segundo as regiões (NUTS II), por países de residência habitual Quadro 55 - Pousadas da juventude, capacidade de alojamento e pessoal ao serviço, por regiões (NUTS II) Quadro 56 - Hóspedes nas pousadas da juventude, segundo as regiões (NUTS II), por países de residência habitual Quadro 57 - Hóspedes nas pousadas da juventude, segundo o mês, por países de residência habitual Quadro 58 - Dormidas nas pousadas da juventude, segundo as regiões (NUTS II), por países de residência habitual Quadro 59 - Dormidas nas pousadas da juventude, segundo o mês, por países de residência habitual Quadro 60 - Estada média nas pousadas da juventude, segundo as regiões (NUTS II), por países de residência habitual METODOLOGIAS, CONCEITOS E NOMENCLATURAS METODOLOGIAS CONCEITOS NOMENCLATURAS ANEXOS

12

13 ENQUADRAMENTO INTERNACIONAL

14

15 1. ENQUADRAMENTO INTERNACIONAL 13 A informação utilizada na análise tem por base elementos com origem no Barómetro do Turismo Mundial de responsabilidade da Organização Mundial de Turismo, nos dados do Eurostat, bem como nas Perspectivas da Economia Mundial do FMI. A informação relativa a 2010 tem carácter provisório e a relativa a 2009 e anos anteriores é a última disponível, pelo que pode diferir quando comparada com publicações análogas anteriores. 1.1 CONTEXTO ECONÓMICO MUNDIAL Recuperação económica internacional reflectida na actividade turística mundial Em 2010 assistiu-se a uma inversão da trajectória descendente da economia mundial que se verificava desde Assim, todas as principais potências económicas registaram um crescimento real do PIB, quando no ano anterior só no conjunto das Economias emergentes e em desenvolvimento tal se verificou. As medidas de contenção da crise mundial originaram que, em termos globais, se progredisse de uma situação inaudita nos tempos mais recentes: de quebra real do PIB (-0,5%) para um crescimento de 5% em % 8,5 5,5 2,5-0,5-3,5-6,5 Figura 1 - Taxa de crescimento do PIB, ,9 8,3 6,9 5,1 5,2 4,7 7,3 6,1 5,0 3,1 2,9 3,0 3,9 2,7 2,8 2,0 2,4 0,5 1,8 0,0-0,5 0,4-2,6-4,3-6, po Mundo* UE 27 EUA Japão Economias emergentes e em desenvolvimento* Fonte: FMI - World Economic Outllook Update - Abril 2011 Essa inflexão em termos económicos mundiais teve inevitavelmente reflexos no sector do turismo, que registou em 2010 uma recuperação significativa da quebra registada no ano anterior. Mesmo assim, os efeitos da crise económica mundial ainda são visíveis nesta actividade na medida em que a recuperação das receitas turísticas foi mais modesta (+4,7%) da que se observou no número de turistas (+6,6%). A amplitude entre estas variações difere consoante se analise as economias avançadas, em que as chegadas de turistas cresceram 5,1% e as consequentes receitas aumentaram 4,5%, ou as economias emergentes em que esses valores são mais distintos: +8,3% e +5,5%, respectivamente, em linha com a diferenciada recuperação económica, mais evidente nestas últimas economias. Muito significativo em 2010 foi o crescimento verificado neste sector na China, país este que subiu a sua posição em todos os rankings dos principais indicadores do sector, atingindo o Top 3 em dois deles: chegada de turistas e receitas turísticas, e alcançando o quarto lugar em termos de gastos turísticos, assumindo uma posição relevante em termos da actividade turística, quer como receptor, quer como emissor. 1.2 CONTEXTO INTERNACIONAL CHEGADAS DE TURISTAS INTERNACIONAIS Chegadas de turistas internacionais recuperam das quebras de 2009 e atingem o mais alto valor de sempre Segundo os dados da OMT, em 2010 as chegadas de turistas internacionais totalizaram 940 milhões em todo o mundo, mais 58 milhões do que o registado em Assim, o aumento em termos homólogos de 6,6% foi o maior observado desde 2005, o que desanuvia o panorama negativo criado pela tendência dos últimos anos verificada no sector.

16 14 Figura 2 - de chegadas de turistas internacionais, Milhões Po Fonte: UNWTO - Barómetro do Turismo Mundial - Abril 2011 A actividade turística registou, ao longo de todo o ano de 2010, taxas de variação mensais positivas em termos de chegadas de turistas, que o comportamento no último trimestre de 2009 já deixava adivinhar. Os meses de Março, Maio, Junho e Setembro registaram crescimentos acima de 8% no número das chegadas de turistas. Figura 3 Variação homóloga mensal das chegadas de turistas internacionais no Mundo, 2010 % 10 7,3 8,9 10,7 9,3 8,5 7,8 5 5,5 7,0 5,0 5,6 3,3 1,8 0 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Fonte: UNWTO - Barómetro do Turismo Mundial - Abril 2011 Em 2010, a Europa recebeu um total de 476,7 milhões de turistas, o que representa um aumento de 15,2 milhões relativamente a Todas as restantes regiões registaram igualmente aumentos no número de chegadas de turistas, nomeadamente de 23 milhões na Ásia e Pacífico, 9,2 milhões nas Américas e 7,4 milhões no Médio Oriente. De menor expressão, África, ainda assim contribuiu para o desempenho muito positivo da actividade turística em termos mundiais verificada neste ano com um aumento de 3,2 milhões de chegadas de turistas, neste caso em parte justificado com a realização de um evento desportivo de impacto mundial: o campeonato do mundo de futebol ocorrido no Verão de 2010 na África do Sul. Quadro 1 Chegadas de turistas por Regiões de destino, unid: milhões Região Po Mundo 899,9 918,8 881,8 939,8 Europa 485,4 487,3 461,5 476,7 Ásia e Pacífico 182,0 184,1 180,8 203,8 Américas 143,0 146,9 140,6 149,8 África 42,6 44,5 46,0 49,2 Médio Oriente 46,9 56,0 52,9 60,3 Fonte: UNWTO - Barómetro do Turismo Mundial - Abril de 2011

17 Analisando agora ao nível da sub-região, no Top 3 das zonas do globo com o maior número de chegadas de turistas encontram-se o Sul da Europa e o Mediterrâneo (169,7 milhões), a Europa Ocidental (153,6 milhões) e o Nordeste Asiático (111,6 milhões), os quais no seu conjunto representaram 46,3% do total de chegadas de turistas a nível mundial, em De assinalar a perda de quota de mercado verificada neste ano em todas as regiões da Europa, nomeadamente no Sul da Europa e Mediterrâneo (-0,7 p.p.), na Europa Ocidental (-0,5 p.p.) e Norte da Europa (-0,3 p.p.). Em oposição, todas as regiões localizadas na Ásia e Pacífico mantiveram a sua quota, pelo menos, ou chegaram mesmo a aumentar, como no caso do Nordeste Asiático (+0,8 p.p.). Figura 4 - Principais destinos dos turistas internacionais por (Sub) Região de destino, 2010 (Po) milhões ,7 153, ,6 98,2 94, ,6 60,3 58, ,5 23,5 20,2 18,7 11,6 11,1 7,9 0 Sul da Europa e Mediterrâneo Europa Ocidental Nordeste Asiático América do Norte Europa Central/Oriental Sudeste Asiático Fonte: UNWTO - Barómetro do Turismo Mundial - Abril 2011 Médio Oriente Norte da Europa Os resultados globais das chegadas de turistas a nível mundial, em 2010, evidenciaram uma melhoria em todas as sub-regiões do globo. A Europa, que no seu conjunto registou em 2009 uma diminuição de 5,6%, recuperou parcialmente em 2010, apresentando um aumento face ao ano anterior de 3,3%, para o que contribuíram significativamente os resultados verificados na Europa Central/Oriental (+5,2%) e na Europa Ocidental (+3,4% em termos homólogos). Nas restantes sub-regiões, observaram-se crescimentos no número de chegadas de turistas, atingindo os dois dígitos em várias, com especial realce para as três sub-regiões da Ásia: Nordeste Asiático (+13,9%), Sul da Ásia (+13,3%) e Sudeste Asiático (+12,1%). Igualmente importante foi o incremento de 10,3% registado em 2010 na América do Sul, em linha com a desenvoltura económica evidenciada por alguns dos países desta parte do globo, nomeadamente o Brasil. África Subsariana Figura 5 Variação homóloga (2010/2009) das chegadas de turistas internacionais por (Sub) Região de destino América do Sul Caraíbas Norte de África Oceânia Sul da Ásia América Central MUNDO EUROPA Norte da Europa Europa Ocidental Europa Central/Oriental Sul da Europa e Mediterrâneo ÁSIA E PACÍFICO Nordeste Asiático Sudeste Asiático Oceânia Sul da Ásia AMÉRICAS América do Norte Caraíbas América Central América do Sul ÁFRICA Norte de África África Subsariana MÉDIO ORIENTE 6,6 3,3 1,4 3,4 5,2 2,8 12,7 13,9 12,1 6,4 13,3 6,5 6,5 3,6 3,9 10,3 7,0 6,2 7,4 14,0 % Fonte: UNWTO - Barómetro do Turismo Mundial - Actualização de Abril de 2011 Nota: Os dados de 2010 apresentam um carácter provisório.

18 16 Em 2010, relativamente ao ano anterior, mantiveram-se os mesmos países como os principais receptores de turistas, sendo o único facto relevante a entrada no Top 3 da China, por troca com Espanha, permanecendo a França como principal destino, seguida dos Estados Unidos. É de assinalar os crescimentos homólogos registados na Alemanha (+11,2%), China (+9,4%) e Estados Unidos (+8,5%). Em oposição, o Reino Unido foi o único destes países onde diminuiu o número de turistas entrados (-0,4%), não se verificando aqui recuperação do sector, contrariamente à globalidade do resto do mundo. Quadro 2 Rankings dos principais indicadores de Turismo, 2010 Posição Entradas de Turistas Internacionais Receitas do Turismo Internacional Despesas em Turismo Internacional 1º França Estados Unidos Alemanha 2º Estados Unidos Espanha Estados Unidos 3º China França China 4º Espanha China Reino Unido 5º Itália Itália França 6º Reino Unido Alemanha Canadá 7º Turquia Reino Unido Japão 8º Alemanha Austrália Itália 9º Malasia Hong Kong (China) Federação Russa 10º México Turquia Austrália,,,,,,,,,,,, Portugal (37º) Portugal (26º) Portugal (42º) Fonte: UNWTO - Barómetro de Turismo Mundial - Abril de 2011 Portugal neste ranking, subiu uma posição relativamente a 2009, situando-se na 37ª posição em No mesmo ano, considerando as receitas turísticas, verifica-se que os Estados Unidos continuam a ser o principal receptor, quase duplicando o valor da Espanha, segundo no ranking. Ainda neste indicador, a China subiu uma posição por troca com a Itália, sendo de assinalar igualmente a entrada de Hong Kong nesta escala, para o nono lugar. Deste ranking, apenas três países viram descer as receitas turísticas em 2010, tendo sido o caso da Turquia, onde essa redução se cifrou em -2,1%, a França (-6,3%) e a Itália (-3,5%). No pólo oposto situaram-se os crescimentos verificados em Hong Kong (+39,8%), China com +15,5% e os Estados Unidos com +9,8%. Portugal permaneceu na 26ª posição mundial em termos de receitas turísticas em Em 2010, foram os residentes na Alemanha, nos Estados Unidos e na China os que mais gastaram em turismo, sendo que também aqui a China subiu uma posição por oposição do Reino Unido, graças ao constante aumento acima de 20% verificado nos últimos três anos nos gastos dos turistas oriundos deste país.

19 Países da UE com saldo positivo de 3,6 mil milhões de euros na Balança Turística 17 A informação provisória disponibilizada pelo EUROSTAT relativamente à balança turística dos 27 países da União Europeia para o ano de 2010, revela que a Espanha, a Itália e a Grécia permaneceram como os países europeus com os mais elevados saldos da balança turística, com 27 mil milhões de euros, 8,8 mil milhões de euros e 7,5 mil milhões de euros, respectivamente. Globalmente, a balança turística da UE apresentou um saldo positivo de cerca de 3,6 mil milhões de euros em 2010, superior aos 2,2 mil milhões de euros registados em Portugal, à semelhança de anos recentes, apresentou o sexto valor mais elevado no saldo da balança turística, com um total de 4,7 mil milhões de euros em 2010, mais 11,9% relativamente ao ano anterior. Em 2010, a Alemanha, seguida do Reino Unido e da Bélgica, cotaram-se entre os países europeus com os maiores défices da balança turística, constituindo, contudo, a par da França e da Itália, os principais mercados emissores de turistas para o espaço europeu euros 80 Figura 6 Balança Turística dos países da União Europeia, ,8 7,5 6,4 5,3 4,7 2 1,8 1,8 1 0,8 0,8 0,5 0,4 0,4 0,2 0,2 0-0,4-1 -1,8-2,4-2,8-5 -6,4-13,8-32,4 Espanha Itália Grécia Áustria França Portugal Rep. Checa Hungria Bulgária Polónia Eslovénia Chipre Malta Luxemburgo Estónia Lituânia Eslováquia Letónia Roménia Finlândia Suécia Dinamarca Irlanda Países Baixos Importações Saldo Balança Turística Exportações Bélgica Reino Unido Alemanha Fonte: EUROSTAT Nota: Os dados de 2010 apresentam um carácter provisório.

20

Estatísticas do Turismo 2009

Estatísticas do Turismo 2009 Edição 2010 FICHA TÉCNICA Título Editor Instituto Nacional de Estatística, I.P. Av. António José de Almeida 1000-043 Lisboa Portugal Telefone: 21 842 61 00 Fax: 21 844 04 01 Presidente do Conselho Directivo

Leia mais

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos Atividade Turística Janeiro de 2014 19 de março de 2014 Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos A hotelaria registou 1,7 milhões de dormidas em janeiro de 2014, valor que corresponde

Leia mais

www.ine.pt FICHA TÉCNICA

www.ine.pt FICHA TÉCNICA x FICHA TÉCNICA Título Estatísticas do Turismo 2011 Editor Instituto Nacional de Estatística, I.P. Av. António José de Almeida 1000-043 Lisboa Portugal Telefone: 21 842 61 00 Fax: 21 842 63 64 Presidente

Leia mais

Estatísticas oficiais

Estatísticas oficiais e Estatísticas oficiais FICHA TÉCNICA Título Estatísticas do Turismo 2012 Editor Instituto Nacional de Estatística, I.P. Av. António José de Almeida 1000-043 Lisboa Portugal Telefone: 21 842 61 00 Fax:

Leia mais

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno Atividade Turística Novembro de 2014 19 de janeiro de 2015 Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno As dormidas na hotelaria fixaram-se em

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Atividade Turística Fevereiro de 20 15 de Abril de 20 Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Os estabelecimentos hoteleiros registaram cerca de 2 milhões

Leia mais

www.ine.pt FICHA TÉCNICA O INE, I.P. na Internet

www.ine.pt FICHA TÉCNICA O INE, I.P. na Internet x x FICHA TÉCNICA Título Estatísticas do Turismo 2014 Editor Instituto Nacional de Estatística, I.P. Av. António José de Almeida 1000-043 Lisboa Portugal Telefone: 21 842 61 00 Fax: 21 845 40 84 Presidente

Leia mais

ESTATÍSTICAS DO TURISMO

ESTATÍSTICAS DO TURISMO ESTATÍSTICAS DO TURISMO DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Resultados Provisórios Julho de 2014 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um universo de informação estatística Catalogação

Leia mais

Procura Turística dos Residentes 4º Trimestre de 2014

Procura Turística dos Residentes 4º Trimestre de 2014 Procura Turística dos Residentes 4º Trimestre de 2014 30 de abril de 2015 Viagens turísticas dos residentes com ligeiro aumento No 4º trimestre de 2014 os residentes em Portugal realizaram cerca de 4,0

Leia mais

Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013

Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013 Estatísticas do Turismo 2013 24 de junho de 2014 Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013 Em 2013, de acordo com os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo,

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

Deslocações turísticas de residentes aumentaram

Deslocações turísticas de residentes aumentaram PROCURA TURÍSTICA DOS RESIDENTES 2º Trimestre 2013 31 de outubro de 2013 Deslocações turísticas de residentes aumentaram Entre abril e junho de 2013, os residentes em Portugal efetuaram 3,9 milhões de

Leia mais

Transporte Aéreo de Passageiros em quebra generalizada na Europa E

Transporte Aéreo de Passageiros em quebra generalizada na Europa E 20 de Setembro, de 2010 TRANSPORTES EM FOCO Setembro de 2010 Transporte aéreo de passageiros em e na / Transporte Aéreo de Passageiros em quebra generalizada na Europa E em No contexto da crise económica

Leia mais

gabinete de estratégia e estudos

gabinete de estratégia e estudos Gabinete de Estratégia e Estudos Síntese Estatística gabinete de estratégia e estudos INVESTIMENTO DIRECTO Exterior em Portugal e Portugal no Exterior Agosto de 26 Índice Tratamento e análise dos dados

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Amilcar

Leia mais

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC Seminário 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Casa própria ou arrendamento perfil da ocupação residencial emportugal Bárbara Veloso INE 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Sumário Aumentaram

Leia mais

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro 13 de janeiro de 2015 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2014 A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro Em 2014, o Índice de

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Índice Introdução Preço Médio por Dormida Proveito Médio de Aposento por Cama Conceitos Anexos 2 Introdução Com base em indicadores estatísticos disponibilizados pelo

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

Leia mais

Barómetro Turismo Alentejo

Barómetro Turismo Alentejo Barómetro Turismo Alentejo Janeiro 2012 METODOLOGIA TOP DORMIDAS JANEIRO 2012 Inicia-se este ano de 2012 com alterações na metodologia do Barómetro, incluindo a sistemática comparação dos dados de 2012

Leia mais

indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem

indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem boletim trimestral - n.º 6 - outubro 2014 algarve conjuntura turística indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem 1.

Leia mais

Empresas nacionais de transporte aéreo movimentaram mais 6,3% de passageiros

Empresas nacionais de transporte aéreo movimentaram mais 6,3% de passageiros Transportes aéreos e atividade turística 2013 10 de setembro de 2014 Movimento de passageiros nos aeroportos nacionais aumentou 4,9% O tráfego comercial nas infraestruturas aeroportuárias nacionais em

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice Introdução Proveito Médio de Aposento Conceitos Anexos Proveitos

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 Elaborado por: Maria Julieta Martins Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice

Leia mais

indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem

indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem boletim trimestral - n.º 2 - setembro 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem

Leia mais

Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes

Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes PROCURA TURÍSTICA DOS RESIDENTES 4º Trimestre 2012 02 maio de 2013 Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes No 4º trimestre de 2012, os residentes efetuaram

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015 1 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Método e Gestão de Informação Serviço de Conjuntura Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas

Leia mais

Atividade Turística com resultados positivos em 2014

Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Estatísticas do Turismo 2014 28 de julho de 2015 Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Segundo os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo, as chegadas de turistas internacionais,

Leia mais

O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22

O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22 31 de julho de 2014 Gastos Turísticos Internacionais 2013 O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22 O gasto médio diário per capita (GMD pc ) dos visitantes

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% Estatísticas do Comércio Internacional Fevereiro 2015 09 de abril de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% As exportações de bens aumentaram 2,1% e as

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

Análise Regional dezembro 2015

Análise Regional dezembro 2015 Portugal Em, o Algarve voltou a liderar o País com 16,6 milhões de dormidas (34% de quota no País) e cresceu 2,7% face a 2014. Lisboa posicionou-se no 2.º lugar com 12,3 milhões de dormidas e assinalou,

Leia mais

Graf. 1 - Índices de preços no consumidor e de inflação subjacente (taxa de variação homóloga e média dos últimos 12 meses) Jun-07. Mar-07.

Graf. 1 - Índices de preços no consumidor e de inflação subjacente (taxa de variação homóloga e média dos últimos 12 meses) Jun-07. Mar-07. ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2009 13 de Janeiro 2010 Em 2009 a taxa de variação média diminuiu para -0,8 0,8% e em Dezembro a taxa t de variação homóloga situou-se se em -0, 0,1% Em 2009,

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

O turismo em Portugal: caracterização e perspectivas de desenvolvimento

O turismo em Portugal: caracterização e perspectivas de desenvolvimento O turismo em Portugal: caracterização e perspectivas de desenvolvimento Eva Milheiro Escola Superior de Educação de Portalegre 1. Introdução O turismo, pelo estímulo que confere à economia e ao desenvolvimento

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4% Estatísticas do Comércio Internacional Abril 215 9 de junho de 215 Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4% As exportações de bens aumentaram 8,2% e as importações

Leia mais

indicadores 1. Capacidade de alojamento na Hotelaria Global

indicadores 1. Capacidade de alojamento na Hotelaria Global boletim trimestral - n.º 4 - março 2014 algarve conjuntura turística indicadores 1. Capacidade de alojamento na Hotelaria Global 2. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1

ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1 ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1 ANÁLISE DE DORMIDAS NACIONAIS E ESTRANGEIRAS Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos Acumulado Janeiro Maio 2010/2011 A Turismo

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 0,9% e as importações diminuíram 1,8%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 0,9% e as importações diminuíram 1,8% Estatísticas do Comércio Internacional Janeiro 2015 12 de Março de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 0,9% e as importações diminuíram 1,8% As exportações de bens aumentaram 0,9% e as importações

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=168982 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA 3º TRIMESTRE DE 2005 NOTA: O presente documento constitui

Leia mais

www.ine.pt FICHA TÉCNICA

www.ine.pt FICHA TÉCNICA FICHA TÉCNICA Em Abril de 1996 o Fundo Monetário Internacional (FMI) criou o Special Data Dissemination Standard (SDDS) visando reforçar a transparência, integridade, actualidade e qualidade da informação

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Conta Satélite da Saúde 2010-2012Pe

Conta Satélite da Saúde 2010-2012Pe Conta Satélite da Saúde 21-212Pe 21 de junho de 213 Em 212 a despesa corrente em saúde voltou a diminuir Em 212, a despesa corrente em saúde voltou a diminuir significativamente (-5,5), após ter registado

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO S R REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO (RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA NA REGIÃO) Outubro de

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa.

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 1 Janeiro 2009 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações).

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações). Estatísticas do Comércio Internacional 214 7 de julho de 215 Resultados preliminares do Comércio Internacional em 214: em termos nominais, as exportações aumentaram 1,8% e as importações aumentaram 3,2%

Leia mais

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2006 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

Turismo no Espaço Rural. A oferta e a procura no TER

Turismo no Espaço Rural. A oferta e a procura no TER A oferta e a procura no TER 2007 Índice Introdução Capacidade de alojamento Estimativa de dormidas Taxas de ocupação-cama Anexos 2 Introdução. Em 2007 estavam em funcionamento em Portugal 1.023 unidades

Leia mais

Seminário> Família: realidades e desafios. Instituto de Defesa Nacional / Lisboa - Dias 18 e 19 de Novembro de 2004

Seminário> Família: realidades e desafios. Instituto de Defesa Nacional / Lisboa - Dias 18 e 19 de Novembro de 2004 Instituto de Defesa Nacional / Lisboa - Dias 18 e 19 de Novembro de 2004 1 PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL Caracterização com base no Inquérito aos Orçamentos Familiares de 2000 >Rute

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

ISSN 1646-2513. Serviços. Estatísticas dos Ser viços Prestados. às Empresas. Ano de edição 2009

ISSN 1646-2513. Serviços. Estatísticas dos Ser viços Prestados. às Empresas. Ano de edição 2009 Serviços H Hema ISSN 1646-2513 Estatísticas dos Ser viços Prestados às Empresas Ano de edição 2009 2 FICHA TÉCNICA Título Estatísticas dos Serviços Prestados às Empresas Editor Instituto Nacional de Estatística,

Leia mais

boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística 2. Capacidade de alojamento na hotelaria global

boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística 2. Capacidade de alojamento na hotelaria global boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Movimento de passageiros no Aeroporto de Faro 1.1. Movimento total de passageiros 1.2. Movimento mensal

Leia mais

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2005 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2013 31 de outubro de 2014 Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais O valor dos Impostos

Leia mais

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas O Instituto Nacional de Estatística apresentou os primeiros resultados 1 sobre o empreendedorismo em Portugal para o período

Leia mais

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA 1. Indicadores e Variáveis das Empresas A indústria metalomecânica engloba os sectores de fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamento (CAE )

Leia mais

CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios)

CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios) 08 de novembro de 2011 Censos 2011 21 de março de 2011 CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios) Dada a importância que o tema reveste, no quadro da preparação dos resultados provisórios

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

TURISMO NA REGIÃO DO NORTE DE PORTUGAL

TURISMO NA REGIÃO DO NORTE DE PORTUGAL TURISMO NA REGIÃO DO NORTE DE PORTUGAL EDIÇÃO 009 Ficha Técnica Título Turismo na Região do Norte de Portugal Edição Observatório das Dinâmicas Regionais do Norte (Centro de Avaliação de Políticas e Estudos

Leia mais

PORTUGAL. A recente performance de Portugal enquanto destino turístico Mitos e realidades. João Cotrim de Figueiredo 05 dezembro 2015

PORTUGAL. A recente performance de Portugal enquanto destino turístico Mitos e realidades. João Cotrim de Figueiredo 05 dezembro 2015 PORTUGAL A recente performance de Portugal enquanto destino turístico Mitos e realidades João Cotrim de Figueiredo 05 dezembro 2015 Um ciclo de crescimento longo e a acelerar 12 000 000 10 000 000 Receitas

Leia mais

Desafios do turismo em Portugal - 2014

Desafios do turismo em Portugal - 2014 www.pwc.pt Desafios do turismo em Portugal - 2014 Com a colaboração do Ricardo Sousa Valles Agenda 2 1 Turismo: presente e futuro 3 Lições do passado 4 5 Turismo: importância para a economia 2014 Desafios

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15 Agências de Viagens ÍNDICE Sumário Executivo 3 da procura - inverno 2014/15 Portugal - NUTS II Portugal - Principais NUTS II Principais 4 5 6 da procura - verão

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2014 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013

Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013 Estatísticas das Receitas Fiscais 1995-2013 15 de maio de 2014 Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013 Em 2013, a carga fiscal aumentou 8,1%, após a diminuição observada em 2012,

Leia mais

Anuário das Estatísticas do Turismo 2012

Anuário das Estatísticas do Turismo 2012 Anuário das Estatísticas do Turismo 2012 1 Índice CAPÍTULO I Séries Internacionais e Nacionais 2003 a 2012 6 Fluxos Turísticos Internacionais 7 O Turismo na Economia Nacional 16 O Alojamento Turístico

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

Estatísticas dos Serviços Prestados às Empresas

Estatísticas dos Serviços Prestados às Empresas Estatísticas dos Serviços Prestados às Empresas 2009 Edição 2010 2 FICHA TÉCNICA Título Estatísticas dos Serviços Prestados às Empresas 2009 Editor Instituto Nacional de Estatística, I.P. Av. António José

Leia mais

boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística

boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Movimento de passageiros no aeroporto de Faro 1.1. Movimento total de passageiros 1.2. Passageiros desembarcados por

Leia mais

SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS

SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS MARÇO DE 2009 1 MERCADO AUTOMÓVEL 1. Vendas de ligeiros de passageiros novos na Europa Tendo como fonte o Comunicado de 16 de Janeiro de 2009 divulgado pela ACAP,

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos HOTELARIA 2008 AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. INFORMAÇÃO SOBRE AS EMPRESAS Segundo os dados das Empresas em Portugal 2005, do INE, em 2005 o sector do Alojamento e Restauração compreendia

Leia mais

4. CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA TURÍSTICA NOÇÃO E FORMAS DE PROCURA

4. CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA TURÍSTICA NOÇÃO E FORMAS DE PROCURA 4. CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA TURÍSTICA NOÇÃO E FORMAS DE PROCURA A procura turística é tida como uma importante componente do sistema turístico, que pode ser traduzida como o conjunto de bens e serviços

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística Estatísticas do Turismo 2013. Presidente António dos Reis Duarte. Editor Instituto Nacional de Estatística

Instituto Nacional de Estatística Estatísticas do Turismo 2013. Presidente António dos Reis Duarte. Editor Instituto Nacional de Estatística Instituto Nacional de Estatística Estatísticas do Turismo 2013 Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Av. Cidade de Lisboa, nº 18, Cx. Postal 116, Praia Tel.: +238

Leia mais

Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition. Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006

Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition. Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006 Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition Summary in Portuguese Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006 Sumário em Português Panorama da Educação oferece aos educadores, aos decisores

Leia mais

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP)

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) e o Aeroporto Sá Carneiro, realizou o estudo do perfil

Leia mais

O Setor da Construção em Portugal 2011

O Setor da Construção em Portugal 2011 O Setor da Construção em Portugal 2011 1º semestre FEVEREIRO 2012 Ficha Técnica Título: Relatório Semestral do Setor da Construção em Portugal 1º Sem. 2011 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 03 março 2012 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

PERFIL DOS TURISTAS DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2012

PERFIL DOS TURISTAS DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2012 PERFIL DOS TURISTAS DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2012 1 O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de

Leia mais

Tendências do turismo internacional

Tendências do turismo internacional Nº temático - Turismo e Patrimonio Sandra Carvão Tendências do turismo internacional Tendências do turismo internacional Sandra Carvão Organização Mindial do Turismo - OMT Resumo As perspectivas de futuro

Leia mais

A Competitividade dos Portos Portugueses O Turismo e o Sector dos Cruzeiros

A Competitividade dos Portos Portugueses O Turismo e o Sector dos Cruzeiros O Turismo e o Sector dos Cruzeiros Agenda 1. Portugal e o Mar 2. Os Cruzeiros no PENT 3. O Turismo na Economia Portuguesa 4. O Segmento de Cruzeiros Turísticos 5. Cruzeiros Turísticos em Portugal Terminais

Leia mais

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 18 de Maio de 2010 A taxa de desemprego foi de 10,6% no 1º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2010 foi de 10,6%. Este valor

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

Venezuela. Dossier de Mercado. Maio 2008

Venezuela. Dossier de Mercado. Maio 2008 Venezuela Dossier de Mercado Maio 2008 Venezuela Dossier de Mercado (Maio 2008) Índice 1. O País...3 1.1 Venezuela em Ficha...3 1.2 Organização Política e Administrativa...4 1.3 Situação Económica...5

Leia mais

FICHA TÉCNICA. DIRECÇÃO Pedro Mutindi Ministro da Hotelaria e Turismo. Paulino Domingos Baptista Secretário de Estado para Hotelaria

FICHA TÉCNICA. DIRECÇÃO Pedro Mutindi Ministro da Hotelaria e Turismo. Paulino Domingos Baptista Secretário de Estado para Hotelaria FICHA TÉCNICA DIRECÇÃO Pedro Mutindi Ministro da Hotelaria e Turismo Paulino Domingos Baptista Secretário de Estado para Hotelaria Alfredo Manuel Varo Kaputo Secretário de Estado para Turismo EQUIPA DE

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6%

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% 09 de janeiro de 2012 Estatísticas do Comércio Internacional Novembro de 2011 Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% No período de setembro a novembro de 2011, as saídas

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

Mercado em números. Brasil. Designação oficial: República Federativa do Brasil. Guiana Venezuela Suriname Columbia. Capital: Brasília.

Mercado em números. Brasil. Designação oficial: República Federativa do Brasil. Guiana Venezuela Suriname Columbia. Capital: Brasília. Guiana Venezuela Suriname Columbia Guiana Francesa Designação oficial: República Federativa do Capital: Brasília Localização: Leste da América do Sul Peru Fronteiras terrestres: 16.145 km com a Argentina

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais