ENG-ENGENHEIRO DE AUTOMAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENG-ENGENHEIRO DE AUTOMAÇÃO"

Transcrição

1 ENG-ENGENHEIRO DE AUTOMAÇÃO SISTEMAS DE PRODUÇÃO, REFINO E TRANSPORTE DE PETRÓLEO SENAI-RJ

2 PRODUÇÃO DE PETROLEO Prof. Dr. Ricardo N. AYUP ZOUAIN 02 de dezembro de 2011

3 PRODUÇÃO DE PETRÓLEO Exploração Avaliação Desenvolvimento Produção. Abandono Fases de Avaliação: Aquisição de áreas Licenciamento EVTE Requisitos operacionais Planej. Estratégico Fase de técnica e de implantação: Ativ. de engenharia Contratação Compra Fab. e construção Testes Instalação Comissionamento Fases operacionais: Atividades operacionais Gerenciamento do reserv. Procedimentos de abandono do campo Fases de desenvolvimento de um campo de petróleo

4 PRODUÇÃO DE PETRÓLEO ELEVAÇÃO Elevação natural ocorre quando o reservatório tem energia suficiente para conduzir os fluidos do poço (óleo, água e gás) até a plataforma (poço surgente). Elevação artificial ocorre quando o reservatório não tem energia suficiente para conduzir os fluidos do poço (óleo, água e gás) até a plataforma.

5 SURG 60 mil Elevação Artificial 840 mil Fonte: Recommendations and Comparisons for Selecting Artificial-Lift Methods J. D. Clegg, SPE, consultant - December 1998

6 Elevação natural

7 MÉTODOS DE ELEVAÇÃO ARTIFICIAL Bombeio Mecânico é o método de elevação mais utilizado no mundo. Aplica-se somente à poços terrestres. Apropriado para poços de baixa a média vazão. Gas-lift é o método de elevação artificial mais utilizado em poços marítimos. Aplica-se também a poços terrestres. Neste método parte do gás que é produzido pelo poço é reinjetado na coluna de produção através dos mandris de gás lift e com isso a coluna de óleo fica mais leve, de modo que a energia do reservatório possa elevar o petróleo do poço para a plataforma.

8 MÉTODOS DE ELEVAÇÃO ARTIFICIAL Bombeio Centrífugo Submerso (BCS) Aplica-se tanto a poços marítimos quanto a poços terrestres. Neste método, um conjunto motor-bomba é instalado no poço para suprir a deficiência de energia do reservatório, tornando possível a elevação do petróleo do poço até a plataforma.

9 Bombeio mecânico

10 Gas lift

11 Bombeio centrífugo submerso.

12 PROCESSAMENTO DOS FLÚIDOS Transformação em produto comercial Agregar valor aos produtos exportados Processamento complexo Processamento primário - próximo ao campo produtor Processamento final - próximo ao mercado consumidor

13 PROCESSAMENTO PRIMÁRIO Compressão e Tratamento de Gás elevação artificial exportação de gás Poços Produtores Separação e Tratamento de Óleo Exportação de óleo Tratamento de Água Produzida

14 Planta de processo na plataforma

15 ESPECIFICAÇÕES DOS FLÚIDOS PRODUZIDOS ÓLEO - BSW, teor de sal e enxofre GÁS - H 2 O e HC, teor de CO 2 e H 2 S ÁGUA PRODUZIDA - teor de óleo

16 TRATAMENTO DA ÁGUA PRODUZIDA Remoção de óleo < 20 ppm Teor máximo de óleo na água para descarte no mar

17 TRATAMENTO DO PETRÓLEO SEPARAÇÃO E ELIMINAÇÃO DE: Água Sal Sólidos

18 TRATAMENTO DO GÁS NATURAL É a seqüência de operações que tem por objetivo separar o gás natural da água, dos gases inertes, dos gases ácidos e dos sólidos juntamente com ele produzidos das jazidas, condicionando-o para transporte e utilização.

19 UNIDADES DE PRODUÇÃO 5.1Sistema submarino de produção Plataformas fixas Semi-submersíveis Navios TLP Spar Outras 5.2. Unidades de produção de petróleo terrestre Estações coletoras

20 SISTEMA SUBMARINO DE PRODUÇÃO

21

22 PLATAFORMA P-19

23 TIPOS DE PLATAFORMA Plataforma Torre FPSO TLP SPAR

24 A FASE DE PRODUÇÃO PLATAFORMA FIXA DO PETRÓLEO E DO GÁS NATURAL

25

26 PLATAFORMA FIXA DE CONCRETO

27 PLATAFORMA SUBMERSÍVEL

28 NAVIO FPSO

29 PLATAFORMA SPAR

30 MANIFOLD SUBMARINO

31 ÁRVORE DE NATAL MOLHADA COMPLETAÇÃO MARÍTIMA

32 UNIDADES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO TERRESTRE Materiais e equipamentos - Obras civis - Plantas de processo e utilidades - Outros Serviços Engenharia Outros

33 ÁRVORE DE NATAL

34 ÁRVORE DE NATAL

35 ÁRVORE DE NATAL

36 BOMBEAMENTO MECÃNICO

37 LINHAS DE SURGÊNCIA

38 SATÉLITE TERRESTRE

39 CHEGADA DOS POÇOS

40 SEPARADORES VERTICAIS

41 POÇO PRODUTOR SURGENTE ELEVAÇÃO NATURAL

42 BOMBA DE FUNDO

43 BOMBEIO PNEUMÁTICO (GAS LIFT) Para o separador Gás de injeção D Fechada Fechada Fechada Aberta Descarga de um poço de gas lift

44 SEPARADOR VERTICAL

45 SEPARADOR ESFÉRICO

46 SEPARADOR TRIFÁSICO

47 SEPARADORES

48 ESTAÇÃO COLETORA TERRESTRE

49 ESTAÇÃO COLETORA TERRESTRE

50 SEPARADORES HORIZONTAIS

51 TRATADORES DE PETRÓLEO

52

53 ESTAÇÃO DE COLETA : PETRÓLEO PESADO ESTAÇÃO DE COLETA PETRÓLEO PESADO

54 SISTEMA DE PRODUÇÃO DE ÓLEO E GÁS (P-19)

55 PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO GÁS LIFT EXPORTAÇÃO TROCADOR DE CALOR SEPARADOR HP SISTEMA DE PROCESSAMENTO E COMPRESSÃO DE GÁS SLOP SEPARADOR LP M BOOSTER ÁGUA PRODUZIDA DESCARTE SEPARADOR ATMOSFÉRICO TRATADOR ELETROSTÁTICO TROCADOR DE CALOR POÇOS SEPARADOR TESTE BOMBA DE ÓLEO ARMAZENAMENTO

56 COMPRESSÃO E DESIDRATAÇÃO DE GÁS Gás Lift Exportação M M

57 GÁS ASSOCIADO PRODUÇÃO DE GOLFINHO Pólo Cacimbas Escoamento de Óleo Aliviador FPSO Módulo l Aliviador FPSO Módulo ll UEP Poços Gasoduto para o PLEM Sistema de Coleta

58 PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DO PETRÓLEO GÁS LIFT EXPORTAÇÃO TROCADOR DE CALOR SEPARADOR HP SISTEMA DE PROCESSAMENTO E COMPRESSÃO DE GÁS SLOP SEPARADOR LP M BOOSTER ÁGUA PRODUZIDA DESCARTE SEPARADOR ATMOSFÉRICO TRATADOR ELETROSTÁTICO TROCADOR DE CALOR POÇOS SEPARADOR TESTE BOMBA DE ÓLEO ARMAZENAMENTO

59

60 Figura - Bacia de campos

61 Campinas Projetos Alvo (implantação acelerada) Projetos de Acompanhamento (implantação convencional) Guarare ma RPBC Caraguatatuba + 14 MM m3/d Ampliação da UTGC para 20 MM m3/d + 10 MM m3/d Belo Horizonte Rio de Janeiro Cabiúnas REDUC Lagoa Parda Ub u Vitória Garoup a Namorado Enchova PLANGÁS E&P 2008 ESS- 130 P-52 Roncador Módulo 1A P-54 Roncador Módulo 2 ESS- 164 Plataformas da UN-BC e UN- RIO Ampliação de Peroá para 10 MM m3/d Canapu Golfinho Módulo 2 P-51 Marlim Sul Módulo 2 Merluza Lagosta Ampliação para 2,5 MM m3/d TOTAL SUDESTE (final de 2008): 40 MM m3/d (+ 24,2 MM m3/d)

62 NORTE CAPIXABA E SUL DA BAHIA GÁS ÓLEO LEVE ÁGUAS PROFUNDAS ÓLEO PESADO ÁGUAS PROFUNDAS ÓLEO LEVE ÁGUAS ULTRA-PROFUNDAS

63 N S Campaniano GLF Mod I 4 - ESS Maastrichtiano GLF Mod II 4 - ESS ESS ESS ESS Terci á rio Reservatório Eoceno Reservatório Paleoceno 0 10 km Reservas potenciais 1,8 bilh õ es boe Cret á ceo Figura Mapa de reservas e potencial PA do ESS-123; ESS-90 e ESS-91 Reservatório Maastrichtiano Reservatório Camp/Sant

64 7. SISTEMA DE PRODUÇÃO OFFSHORE Projeto de Golfinho Módulo I Projeto de Golfinho Módulo I Pólo Cacimbas Aliviador Escoamento de Óleo UEP 65 km FPSO Gasoduto para Pólo Cacimbas Sistema Sistema de coleta de coleta Poços Campaniano Maastrichtiano

65 PRODUÇÃO DE GOLFINHO - GÁS ASSOCIADO Pólo Cacimbas Escoamento de Óleo Aliviador FPSO Módulo l Aliviador FPSO Módulo ll UEP Poços Gasoduto para o PLEM Sistema de Coleta

ENG-ENGENHEIRO DE AUTOMAÇÃO SISTEMAS DE PRODUÇÃO, REFINO E TRANSPORTE DE PETRÓLEO

ENG-ENGENHEIRO DE AUTOMAÇÃO SISTEMAS DE PRODUÇÃO, REFINO E TRANSPORTE DE PETRÓLEO ENG-ENGENHEIRO DE AUTOMAÇÃO SISTEMAS DE PRODUÇÃO, REFINO E TRANSPORTE DE PETRÓLEO Prof. Dr. Ricardo N. AYUP ZOUAIN ricardo.ayup@ufrgs.br PETRÓLEO Definição Componentes 1. Hidrocarboneto Composição Grau

Leia mais

PLANGÁS Plano de Antecipação da Produção de Gás

PLANGÁS Plano de Antecipação da Produção de Gás 3 a CONFERÊNCIA ANUAL DE MERCADO DE GÁS a PLANGÁS Plano de Antecipação da Produção de Gás Petrobras E&P Mauro S. Sant Anna Gerente de Planejamento da Produção de Gás mauross@petrobras.com.br 30 de janeiro

Leia mais

Experiências da Petrobras no Caminho do Pré-Sal. Francisco Nepomuceno Filho Gerente Executivo - E&P Corporativo

Experiências da Petrobras no Caminho do Pré-Sal. Francisco Nepomuceno Filho Gerente Executivo - E&P Corporativo Experiências da Petrobras no Caminho do Pré-Sal Francisco Nepomuceno Filho Gerente Executivo - E&P Corporativo Rio Oil & Gas RJ, setembro de 2008 Avanços em águas profundas. 1992 2000 Vazão: 21.000 bopd

Leia mais

Reunião PETROBRAS e ONIP Setembro de 2005

Reunião PETROBRAS e ONIP Setembro de 2005 Reunião PETROBRAS e ONIP Setembro de 2005 Investimentos Planejados em E&P Projetos de Exploração e Produção (2006-2010) No Brasil Internacional Total $ 28,0 bilhões $ 6,1 bilhões $ 34,1 bilhões Exploração

Leia mais

Oferta de Gás Natural - Plano Estratégico da Petrobras Área de Gás e Energia

Oferta de Gás Natural - Plano Estratégico da Petrobras Área de Gás e Energia Oferta de Gás Natural - Plano Estratégico da Petrobras 2015 Área de Gás e Energia Apresentação do Diretor Ildo Sauer 7º Encontro de Negócios de Energia - FIESP 02/08/2006 Confidencial 1 1 Roteiro da apresentação

Leia mais

CAPÍTULO 1. O PETRÓLEO

CAPÍTULO 1. O PETRÓLEO SUMÁRIO Prefácio VII Introdução IX CAPÍTULO 1. O PETRÓLEO 1 1.1 Histórico 1 1.1.1 No mundo 1 1.1.2 No Brasil 3 1.2 Constituintes do petróleo 4 1.2.1 Hidrocarbonetos 6 1.2.2 Não-hidrocarbonetos 9 1.3 Composição

Leia mais

Petrobras no Rio de Janeiro. José Sergio Gabrielli de Azevedo Presidente Rio de Janeiro, 31 de outubro de 2006

Petrobras no Rio de Janeiro. José Sergio Gabrielli de Azevedo Presidente Rio de Janeiro, 31 de outubro de 2006 Petrobras no Rio de Janeiro José Sergio Gabrielli de Azevedo Presidente Rio de Janeiro, 31 de outubro de 2006 Aviso As apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem

Leia mais

Estratégia Tecnológica da Petrobras

Estratégia Tecnológica da Petrobras Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil Rio de Janeiro, 1º de setembro de 2011 Estratégia Tecnológica da Petrobras Carlos Tadeu da Costa Fraga Gerente Executivo do CENPES Petrobras no mundo

Leia mais

A CADEIA PRODUTIVA DO PETRÓLEO

A CADEIA PRODUTIVA DO PETRÓLEO Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo A CADEIA PRODUTIVA DO PETRÓLEO PMI 3101 -Introdução à Engenharia para a Indústria Mineral Prof. Eduardo

Leia mais

PNV Introdução à Engenharia PNV3100 Aula S2. Simulação de um projeto de engenharia Apresentação do projeto temático

PNV Introdução à Engenharia PNV3100 Aula S2. Simulação de um projeto de engenharia Apresentação do projeto temático PNV3100 Aula S2 Simulação de um projeto de engenharia Apresentação do projeto temático Objetivos COMPREENDER CERTOS PROCEDIMENTOS EM ENGENHARIA: Identificar necessidades / demandas Enunciar problemas Formular

Leia mais

A CADEIA PRODUTIVA DO PETRÓLEO

A CADEIA PRODUTIVA DO PETRÓLEO Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo A CADEIA PRODUTIVA DO PETRÓLEO PMI 3101 - Introdução à Engenharia para a Indústria Mineral Prof. Eduardo

Leia mais

POLO PRÉ-SAL DA BACIA DE SANTOS A CONSOLIDAÇÃO DE UMA INFRAESTRUTURA PRODUTIVA

POLO PRÉ-SAL DA BACIA DE SANTOS A CONSOLIDAÇÃO DE UMA INFRAESTRUTURA PRODUTIVA POLO PRÉ-SAL DA BACIA DE SANTOS A CONSOLIDAÇÃO DE UMA INFRAESTRUTURA PRODUTIVA Solange Guedes Diretora do E&P PRÉ-SAL: confirma sua posição de província petrolífera de classe mundial... Grandes reservatórios

Leia mais

RBNA Sociedade Classificadora

RBNA Sociedade Classificadora Prezado Concessionário e Fornecedor de Concessionário da ANP O Concessionário é o responsável pelas informações referentes ao, devendo prever em seus contratos de compra de bens e serviços que os fornecedores

Leia mais

REFINO E TRANSPORTE DE HIDROCARBONETOS. José Wellington de Paiva Gerente da Operação de Processamento de Fluidos dezembro/2005

REFINO E TRANSPORTE DE HIDROCARBONETOS. José Wellington de Paiva Gerente da Operação de Processamento de Fluidos dezembro/2005 REFINO E TRANSPORTE DE HIDROCARBONETOS José Wellington de Paiva Gerente da Operação de Processamento de Fluidos dezembro/2005 UN-RNCE - UNIDADE DE NEGÓCIO DO RN E CEARÁ LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA PRODUÇÃO-MAR

Leia mais

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES REVISÃO 01 SETEMBRO/2011 INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES - TNC Informações operacionais do Terminal Aquaviário Norte Capixaba - Espírito Santo ELABORADO PELA Gerência de Comercialização de Serviços de Terminais

Leia mais

Custos e Competitividade no Setor Petróleo no Brasil. José Roberto Fagundes Netto PETROBRAS/CENPES

Custos e Competitividade no Setor Petróleo no Brasil. José Roberto Fagundes Netto PETROBRAS/CENPES Custos e Competitividade no Setor Petróleo no Brasil José Roberto Fagundes Netto PETROBRAS/CENPES Agenda Direcionamento Tecnológico Petrobras para Produção Offshore Estrutura atual da Carteira de Redução

Leia mais

Seminário O Papel do Congresso Nacional na inovação tecnológica. Painel III O setor produtivo e a inovação tecnológica

Seminário O Papel do Congresso Nacional na inovação tecnológica. Painel III O setor produtivo e a inovação tecnológica Seminário O Papel do Congresso Nacional na inovação tecnológica Painel III O setor produtivo e a inovação tecnológica Roberto Murilo Carvalho de Souza Gerente de Estratégia Tecnológica CENPES PETROBRAS

Leia mais

Relatório de Certificação de Reservas de Atlanta. Referente a 31 de março de Maio 2014

Relatório de Certificação de Reservas de Atlanta. Referente a 31 de março de Maio 2014 Maio 2014 Relatório de Certificação de Reservas de Atlanta Referente a 31 de março de 2014 QGEP Av Almirante Barroso, N.52, Sala 1301 Centro Rio de Janeiro - RJ Cep: 20031-918 T 55 21 3509-5800 QGEP Divulga

Leia mais

Desafios e Oportunidades do Setor de Petróleo e Gás Natural na próxima década

Desafios e Oportunidades do Setor de Petróleo e Gás Natural na próxima década Desafios e Oportunidades do Setor de Petróleo e Gás Natural na próxima década Roberto Gonçalves Gerente Executivo da Engenharia da Petrobras 8º Encontro Nacional do Prominp 23 de Novembro-São Luis, MA

Leia mais

Nona Rodada de Licitações Bacia do Espírito Santo. Geóloga Eliane Petersohn,, M.sc. Superintendência de Definição de Blocos

Nona Rodada de Licitações Bacia do Espírito Santo. Geóloga Eliane Petersohn,, M.sc. Superintendência de Definição de Blocos Nona Rodada de Licitações Bacia do Espírito Santo Geóloga Eliane Petersohn,, M.sc. Superintendência de Definição de Blocos Localização Bacia do Mucuri Bacia do Espírito Santo Bacia de Campos Limites Bahia

Leia mais

Projeto Bacia de Santos Atividades Exploratórias da Karoon

Projeto Bacia de Santos Atividades Exploratórias da Karoon Projeto Bacia de Santos Atividades Exploratórias da Karoon Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina Comitê de Petróleo e Gás Florianópolis, SC 11 de Abril 2014 Australia Brasil Peru Karoon

Leia mais

PLATAFORMAS MARÍTIMAS Desenvolvimento das estruturas offshore Plataformas Fixas Parte 1

PLATAFORMAS MARÍTIMAS Desenvolvimento das estruturas offshore Plataformas Fixas Parte 1 PLATAFORMAS MARÍTIMAS Desenvolvimento das estruturas offshore Plataformas Fixas Parte 1 INTRODUÇÃO Com o declínio das reservas onshore e offshore em águas rasas, a exploração e produção em águas profundas

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀENGENHARIA DE PETRÓLEO

INTRODUÇÃO ÀENGENHARIA DE PETRÓLEO Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo INTRODUÇÃO ÀENGENHARIA DE PETRÓLEO PMI 1563 -Introdução àengenharia de Petróleo e àgeomecânica Prof. Eduardo

Leia mais

Sistemas Marítimos. Hélio Y. Kubota Sala DE303 RiserProd e-mail: kubota@dep.fem.unicamp.br

Sistemas Marítimos. Hélio Y. Kubota Sala DE303 RiserProd e-mail: kubota@dep.fem.unicamp.br Sistemas Marítimos Hélio Y. Kubota Sala DE303 RiserProd e-mail: kubota@dep.fem.unicamp.br Visão Geral de um Sistema Marítimo Unidades de Perfuração / Produção Facilidades de Superfície / Fundo Riser, Flow

Leia mais

Destaques Operacionais do E&P

Destaques Operacionais do E&P Destaques Operacionais do E&P DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS DE 2015 Rio de Janeiro, março de 2016 DE&P Superação da meta de produção pela primeira vez nos últimos 13 anos Crescimento de 5,5 % na produção de

Leia mais

Pré-sal: Oportunidades e Desafios

Pré-sal: Oportunidades e Desafios Pré-sal: Oportunidades e Desafios PRÉ-SAL PETRÓLEO S. A. -PPSA Comitê de Energia - Britcham 27 de Maio de 2014 OSWALDO A. PEDROSA JR Pré-Sal Petróleo S. A. -PPSA 1 2 3 4 5 Pré-Sal: História e Expectativa

Leia mais

A indústria de construção naval brasileira

A indústria de construção naval brasileira A indústria de construção naval brasileira Apresentação ao BNDES Cenário Nacional O mercado: o segmento offshore Plataformas fixas Plataformas semi-submersíveis - FPU FPSO FSO José Roberto Simas e Alberto

Leia mais

Descrição Ação. Manutenção e Adequação de Ativos de Informática, Informação e Teleprocessamento - Nacional

Descrição Ação. Manutenção e Adequação de Ativos de Informática, Informação e Teleprocessamento - Nacional Classificação Programática Descrição Ação Programação Anual 2013 Realização até dezembro de 2013 0807.4101.0001 Manutenção e Adequação de Bens Imóveis - 424.971.000 422.547.492 0807.4102.0001 Manutenção

Leia mais

7 Metodologia da Pesquisa 7.1. Descrição

7 Metodologia da Pesquisa 7.1. Descrição 7 Metodologia da Pesquisa 7.1. Descrição Este trabalho objetiva comparar o desempenho hidráulico e termodinâmico de um sistema de produção com um poço de petróleo, aplicando o conceito de completação seca,

Leia mais

2. Instalações de Produção no Mar

2. Instalações de Produção no Mar 2. Instalações de Produção no Mar 2.1. Introdução A descoberta de uma jazida de petróleo em uma nova área é uma tarefa que envolve um longo e dispendioso estudo e análise de dados geofísicos e geológicos

Leia mais

FÓRUM REGIONAL DA BAHIA

FÓRUM REGIONAL DA BAHIA FÓRUM REGIONAL DA BAHIA Desenvolvimento da Indústria Naval na Bahia Federação das Indústrias do Estado da Bahia - FIEB 12 de julho de 2004 Evolução e Perspectivas da Produção de Óleo Mil bpd 2.500 2.000

Leia mais

Plano Estratégico Petrobras 2015 Área de Negócio de E&P Bacia de Campos UN-BC

Plano Estratégico Petrobras 2015 Área de Negócio de E&P Bacia de Campos UN-BC Plano Estratégico Petrobras 2015 Área de Negócio de E&P Bacia de Campos UN-BC Petrobras 2015 As apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas

Leia mais

Oportunidades na Logística de Exploração de Petróleo, Gás e Biocombustíveis

Oportunidades na Logística de Exploração de Petróleo, Gás e Biocombustíveis Oportunidades na Logística de Exploração de Petróleo, Gás e Biocombustíveis 9º Encontro da Arquitetura e da Engenharia Consultiva de São Paulo Santos, 23 de setembro de 2009 Márcio Naumann Gerente de Exploração

Leia mais

A estratégia da Petrobras e auto-suficiência energética para o Brasil

A estratégia da Petrobras e auto-suficiência energética para o Brasil A estratégia da Petrobras e auto-suficiência energética para o Brasil Câmara de Comércio Britânica do Rio de Janeiro José Sergio Gabrielli de Azevedo Presidente 22 de Maio de 2006 0 Aviso PETROBRAS As

Leia mais

PLANO DE INVESTIMENTOS PETROBRAS

PLANO DE INVESTIMENTOS PETROBRAS PLANO DE INVESTIMENTOS PETROBRAS Pedro José Barusco Filho Gerente Executivo da ENGENHARIA agosto/2003 Missão e Visão Missão Atuar de forma segura e rentável nas atividades da indústria de óleo, gás e energia,

Leia mais

A Oitava Rodada de Licitações e as bacias de Santos e Pelotas

A Oitava Rodada de Licitações e as bacias de Santos e Pelotas A Oitava Rodada de Licitações e as bacias de Santos e Pelotas Guilherme E. Zerbinatti Papaterra Superintendente Adjunto (SPL) Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis São Paulo, 06 de

Leia mais

Unidade de Negócio de Exploração e Produção da Bacia de Santos UN-BS

Unidade de Negócio de Exploração e Produção da Bacia de Santos UN-BS Unidade de Negócio de Exploração e Produção da Bacia de Santos UN-BS Novos Empreendimentos previstos para a UN-BS no Plano de Negócios 2007-2011 da Petrobras José Luiz Marcusso Gerente-Geral São Paulo,

Leia mais

MIDIA KIT 2016 ATUALIZADO EM NOVEMBRO / Fotos: Banco de imagem da Petrobras

MIDIA KIT 2016 ATUALIZADO EM NOVEMBRO / Fotos: Banco de imagem da Petrobras MIDIA KIT 2016 ATUALIZADO EM NOVEMBRO / 2015 300 Fotos: Banco de imagem da Petrobras Estande na Rio Oil &Gas ÍNDICE Apresentação 2 Perfil de Distribuição 3 Tabela de preço 4 Mapas 5 Site 6 Apresentação:

Leia mais

Pré-Sal: Desafios e Oportunidades Tecnológicas

Pré-Sal: Desafios e Oportunidades Tecnológicas Pré-Sal: Desafios e Oportunidades Tecnológicas Aloisio Nóbrega Superintendente ONIP CCT do Senado Federal Outubro de 2008 Introdução Província Pré-Sal Fonte: Petrobras Situação da Perfuração dos Poços

Leia mais

DECRETO Nº 5.567 DECRETA

DECRETO Nº 5.567 DECRETA DECRETO Nº 5.567 O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual, e considerando o disposto no Convênio ICMS 130/2007, DECRETA Art.

Leia mais

Universidade Estatal Russa de petróleo e gás "Gubkin" (RGUNIG) Custos de mestrados

Universidade Estatal Russa de petróleo e gás Gubkin (RGUNIG) Custos de mestrados Universidade Estatal Russa de "Gubkin" (RGUNIG) Custos de mestrados-- Código Mestrado Perfis Duração Custo anual em rublos - MBA Administração de negócios na indústria de petroleelos e gás. - MBA Administração

Leia mais

Programa Temático 2022 Combustíveis

Programa Temático 2022 Combustíveis Programa Temático 2022 Combustíveis Objetivo 0054 Suprir o mercado interno de combustíveis, por meio da expansão e modernização do parque nacional de refino e possibilitar o comércio de petróleo e derivados

Leia mais

Mecanismos de Elevação Artificial

Mecanismos de Elevação Artificial Mecanismos de Elevação Artificial Pressão do reservatório é suficiente para os fluidos nele contidos alcançarem a superfície Poço Surgente Elevação Natural Pressão do reservatório insuficiente Necessidade

Leia mais

Atividade de Produção de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos

Atividade de Produção de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos Atividade de Produção de Gás e Condensado no Pág. 1 / 16 - ÁREA DE INFLUÊNCIA DA ATIVIDADE Definição da Área de Influência A seguir é apresentada a definição das áreas de influência direta e indireta das

Leia mais

4 Fundamentos da Produção de Hidrocarbonetos

4 Fundamentos da Produção de Hidrocarbonetos 4 Fundamentos da Produção de Hidrocarbonetos 4.1. Introdução Quando a pressão de um reservatório é suficientemente elevada para permitir que os fluidos nele contidos alcancem a superfície, sem o auxílio

Leia mais

Tratador Primário de Petróleo e Gás da Texas do Brasil.

Tratador Primário de Petróleo e Gás da Texas do Brasil. Tratador Primário de Petróleo e Gás da Texas do Brasil www.texasdobrasil.com.br A EMPRESA: TEXAS DO BRASIL OIL & GAS É uma empresa de base tecnológica com atividades de pesquisa, desenvolvimento e inovação

Leia mais

Desafios Tecnológicos para o Gás Natural. Newton Reis de Moura Petrobras

Desafios Tecnológicos para o Gás Natural. Newton Reis de Moura Petrobras Desafios Tecnológicos para o Gás Natural Newton Reis de Moura Petrobras Novembro de 2007 Objetivo Apresentar o estado da arte das diversas tecnologias para o segmento Gás Natural, destacando: tecnologias

Leia mais

Revista de Engenharia da Faculdade Salesiana n. 1 (2015) pp

Revista de Engenharia da Faculdade Salesiana n. 1 (2015) pp Revista de Engenharia da Faculdade Salesiana n. 1 (2015) pp. 21-32 http://www.fsma.edu.br/resal Otimização de Desempenho de Trocadores de Calor Compactos Weverton Nazario Teixeira de Souza, M. Sc. André

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS DA PETROBRAS PROJETOS DA BACIA DE SANTOS. José Luiz Marcusso E&P / UN-BS. São Paulo, 11 de maio de 2010

PLANO DE NEGÓCIOS DA PETROBRAS PROJETOS DA BACIA DE SANTOS. José Luiz Marcusso E&P / UN-BS. São Paulo, 11 de maio de 2010 PLANO DE NEGÓCIOS DA PETROBRAS PROJETOS DA BACIA DE SANTOS José Luiz Marcusso E&P / UN-BS São Paulo, 11 de maio de 2010 1 1 AVISO As apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS TÉCNICOS DA APLICAÇÃO DE MANIFOLDS EM SISTEMAS DE COLETA OFFSHORE

AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS TÉCNICOS DA APLICAÇÃO DE MANIFOLDS EM SISTEMAS DE COLETA OFFSHORE AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS TÉCNICOS DA APLICAÇÃO DE MANIFOLDS EM SISTEMAS DE COLETA OFFSHORE Adyson Barboza Santos 1 ; Alisson Moura Gomes 2 ; Géssica Santos 3 ; Luiz Fernando Dantas Andrade 4 ; Flávio Gustavo

Leia mais

Fórum Regional de Sergipe. Aracaju 26 de Julho de 2006

Fórum Regional de Sergipe. Aracaju 26 de Julho de 2006 Fórum Regional de Sergipe Aracaju 26 de Julho de 2006 Objetivo do PROMINP Maximizar a participação da indústria nacional de bens e serviços, em bases competitivas e sustentáveis,, na implantação de projetos

Leia mais

Carteira de Investimentos 2003 a 2007

Carteira de Investimentos 2003 a 2007 Workshop Temático - PROMINP Carteira de Investimentos 2003 a 2007 Empresas de petróleo (exceto Petrobras) Angra dos Reis, 07 de Agosto de 2003 A carteira de investimentos prevista pela indústria de petróleo

Leia mais

Presente, Futuro e Desenvolvimento dos Projetos da Bacia de Santos

Presente, Futuro e Desenvolvimento dos Projetos da Bacia de Santos Santos, novembro de 2015. Presente, Futuro e Desenvolvimento dos Projetos da Bacia de Santos José Marcelo Luvizotto UO-BS/ENGP BACIAS SEDIMENTARES BRASILEIRAS Unidades Operacionais de E&P Tacutu Foz do

Leia mais

Bons Fluídos. Vida Melhor.

Bons Fluídos. Vida Melhor. Bons Fluídos. Vida Melhor. Indústria de Processos BOMBAS E COMPRESSORES CENTRÍFUGOS BOMBAS CENTRÍFUGAS API 610 OH6 As bombas centrífugas SUNDYNE verticais in-line de simples estágio de alta velocidade

Leia mais

PROMOVE NOÇÕES DA CADEIA DE PETRÓLEO

PROMOVE NOÇÕES DA CADEIA DE PETRÓLEO 3.c EXTRAÇÃO: 3 EXPLORAÇÃO DO PETRÓLEO Classificam-se em dois tipos: Extrações Onshore Extrações Offshore 3.c EXTRAÇÃO: Extrações Onshore 3 EXPLORAÇÃO DO PETRÓLEO 3.c EXTRAÇÃO: Extrações Offshore 3 EXPLORAÇÃO

Leia mais

ABINEE TEC 2005. Investimentos Critérios de compra Prominp

ABINEE TEC 2005. Investimentos Critérios de compra Prominp ABINEE TEC 2005 Investimentos Critérios de compra Prominp Roberto Alfradique Vieira de Macedo Gerente de Estratégias de Contratação de Bens e Serviços São Paulo, 26 de abril de 2005 Estratégia Corporativa

Leia mais

Outro destaques operacionais do E&P 12/11/2015 DE&P

Outro destaques operacionais do E&P 12/11/2015 DE&P Outro destaques operacionais do E&P 12/11/2015 DE&P Evolução da Produção de Óleo e Gás da Crescimento de 6% nos últimos 12 meses, com destaque para Produção Nacional (8%) Produção de Óleo e Gás do E&P

Leia mais

A PPSA e os Desafios do Pré-Sal: Riscos e Oportunidades para o País

A PPSA e os Desafios do Pré-Sal: Riscos e Oportunidades para o País A PPSA e os Desafios do Pré-Sal: Riscos e Oportunidades para o País PRÉ-SAL PETRÓLEO S. A. - PPSA Fórum Pensamento Estratégico - Unicamp 4 de Junho de 2014 OSWALDO A. PEDROSA JR ANTONIO CLÁUDIO DE FRANÇA

Leia mais

Certificação de Conteúdo Local

Certificação de Conteúdo Local Certificação de Conteúdo Local Apresentação Sinaval Rio de Janeiro 16/05/17 2016 ABS Group of Companies, Inc. All rights reserved. APRESENTAÇÃO PARTE 1 - O ABS Group PARTE Services 5 do Brasil Ltda. LEGISLAÇÃO

Leia mais

MEC SHOW 2017 Conferência panorama atual e expectativas reais do setor offshore no Brasil

MEC SHOW 2017 Conferência panorama atual e expectativas reais do setor offshore no Brasil MEC SHOW 2017 Conferência panorama atual e expectativas reais do setor offshore no Brasil Investimentos previstos pela Petrobras no segmento offshore 18/07/2017 AGENDA A Unidade de Operações de Exploração

Leia mais

RESOLUÇÃO ANP Nº 39, DE 13.11.2007

RESOLUÇÃO ANP Nº 39, DE 13.11.2007 AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO ANP Nº 39, DE 13.11.2007 O DIRETOR-GERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GAS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS ANP, no uso de suas atribuições

Leia mais

Elevação e Escoamento de Petróleo. Adolfo Puime Pires André Duarte Bueno

Elevação e Escoamento de Petróleo. Adolfo Puime Pires André Duarte Bueno Elevação e Escoamento de Petróleo Adolfo Puime Pires (puime@lenep.uenf.br) André Duarte Bueno (bueno@lenep.uenf.br) Gas Lift Sumário Gas-Lift - Tipos GLC, GLI Gas-Lift - Sistemas Gas-Lift - Tipos de instalações

Leia mais

PLATAFORMAS MARÍTIMAS. Aula 04. Plataformas Flutuantes Parte 1

PLATAFORMAS MARÍTIMAS. Aula 04. Plataformas Flutuantes Parte 1 PLATAFORMAS MARÍTIMAS Aula 04 Plataformas Flutuantes Parte 1 INTRODUÇÃO Produzir Plataformas Flutuantes Armazenar Produzir e Armazenar INTRODUÇÃO Plataformas Flutuantes Semi-Submersível FPSO TLP SPAR Semi-Submersível

Leia mais

OS INVESTIMENTOS DA PETROBRAS E OS NOVOS CAMINHOS PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA

OS INVESTIMENTOS DA PETROBRAS E OS NOVOS CAMINHOS PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA OS INVESTIMENTOS DA PETROBRAS E OS NOVOS CAMINHOS PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo 8 de agosto de 2011 Confidencial 1 AVISO Estas apresentações podem conter previsões

Leia mais

II.2 CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE

II.2 CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE II.2 CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE II.2.1 APRESENTAÇÃO A) Objetivos da atividade A atividade alvo deste EIA/RIMA tem como objetivo o desenvolvimento da produção de petróleo no Bloco BM-C-41, Bacia de Campos,

Leia mais

Introdução. Os compostos que não são classificados como hidrocarbonetos concentram-se nas frações mais pesadas do petróleo.

Introdução. Os compostos que não são classificados como hidrocarbonetos concentram-se nas frações mais pesadas do petróleo. REFINO DE PETRÓLEO O petróleo é encontrado em muitos lugares da crosta terrestre e em grandes quantidades, e desse modo o seu processo de formação deve ser espontâneo. Trata-se de uma mistura inflamável,

Leia mais

CONTEÚ DO LOCAL NAS RODADAS DE LICITAÇÕ ES DE BLOCOS PARA O&G

CONTEÚ DO LOCAL NAS RODADAS DE LICITAÇÕ ES DE BLOCOS PARA O&G CONTEÚ DO LOCAL NAS RODADAS DE LICITAÇÕ ES DE BLOCOS PARA O&G Lauro Doniseti Bogniotti Departamento de Política de Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural depg@mme.gov.br Tegucigalpa Honduras,

Leia mais

Neste capítulo abordaremos alguns métodos de elevação artificial de petróleo, seu funcionamento, suas características e suas propriedades.

Neste capítulo abordaremos alguns métodos de elevação artificial de petróleo, seu funcionamento, suas características e suas propriedades. CAPÍTULO 3 MÉTODOS DE ELEVAÇÃO ARTIFICIAL DE PETRÓLEO. Neste capítulo abordaremos alguns métodos de elevação artificial de petróleo, seu funcionamento, suas características e suas propriedades. BOMBEIO

Leia mais

Resultados Comitê Setorial de E&P. 3 º Workshop Nacional do PROMINP. 17 de novembro de 2005

Resultados Comitê Setorial de E&P. 3 º Workshop Nacional do PROMINP. 17 de novembro de 2005 Resultados Comitê Setorial de E&P 3 º Workshop Nacional do PROMINP 17 de novembro de 2005 Carteira de Projetos CARTEIRA 2004 CARTEIRA 2005 PROPOSTA CARTEIRA 2006 E&P-01 E&P-02 E&P-03 E&P-04 E&P-05 E&P-06

Leia mais

A Petrobras e o Desenvolvimento do Mercado de Gás Natural no Brasil

A Petrobras e o Desenvolvimento do Mercado de Gás Natural no Brasil XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica (CREEM-2005) A Petrobras e o Desenvolvimento do Mercado de Gás Natural no Brasil Antonio Carlos Pereira Maia Gerente Desenvolvimento de Mercado

Leia mais

INTRODUÇÃO À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO

INTRODUÇÃO À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO INTRODUÇÃO À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO 1-1 - INTRODUÇÃO À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO 2 PETROBRAS Petróleo Brasileiro S.A. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610, de 19.2.1998. É proibida a reprodução

Leia mais

Potencial do Pré-Sal. Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Magda Chambriard

Potencial do Pré-Sal. Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Magda Chambriard Potencial do Pré-Sal Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Magda Chambriard O Pré-Sal como o novo paradigma Evoluçã ção o Institucional Constituição de 1934 O Regime de concessões

Leia mais

Workshop Demanda x Oferta de Aço 27/01/2005

Workshop Demanda x Oferta de Aço 27/01/2005 Workshop Demanda x Oferta de Aço 27/01/2005 Agenda do Evento Hora 09:00 09:10 h 09:10-09:20 h 09:20 10:00 10:00 10:15 h 10:15 11:15 h Assunto Abertura e Objetivos do Workshop Apresentação da demanda pela

Leia mais

Seminário ABRACO: A importância da Monitoração e Mitigação da Corrosão Interna para a Segurança Operacional: Evolução e Oportunidades

Seminário ABRACO: A importância da Monitoração e Mitigação da Corrosão Interna para a Segurança Operacional: Evolução e Oportunidades Seminário ABRACO: A importância da Monitoração e Mitigação da Corrosão Interna para a Segurança Operacional: Evolução e Oportunidades Regulamentos da ANP que visam a prevenção e o monitoramento da corrosão

Leia mais

Metroval, soluções customizadas em medição de Fluidos

Metroval, soluções customizadas em medição de Fluidos Metroval, soluções customizadas em medição de Fluidos A história da Metroval começou em 1987, quando a então Tecnobrás S/A, fabricante de hidrômetros, firmou um contrato de transferência de tecnologia,

Leia mais

Proteção Catódica O Efetivo Combate à Corrosão

Proteção Catódica O Efetivo Combate à Corrosão Proteção Catódica O Efetivo Combate à Corrosão Renato de Mello Brandão Horta Petrobras/UO-BC/IPP/EISUP Gestor: Petrobras/UO-BC Versão: 0 23/10/2015 NP-1 CUSTO DA CORROSÃO NA INDÚSTRIA E PARA A SOCIEDADE

Leia mais

Workshop Rodolitos. Acordo de Cooperação Técnica Nº 01/ IBAMA-IBP MEDIDAS MITIGADORAS ADOTADAS PELO IBAMA

Workshop Rodolitos. Acordo de Cooperação Técnica Nº 01/ IBAMA-IBP MEDIDAS MITIGADORAS ADOTADAS PELO IBAMA Workshop Rodolitos Acordo de Cooperação Técnica Nº 01/2013 - IBAMA-IBP MEDIDAS MITIGADORAS ADOTADAS PELO IBAMA Alexandre Santos de Souza, biólogo, D.Sc. CGPEG / IBAMA Introdução O IBAMA regula o impacto

Leia mais

Oportunidades para a cadeia de suprimentos em E&P

Oportunidades para a cadeia de suprimentos em E&P Oportunidades para a cadeia de suprimentos em E&P Seminário BNDES: Desenvolvimento da cadeia de fornecedores de petróleo e gás Guilherme Estrella Diretor de E&P Rio Rio de de Janeiro, 1º 1º de de setembro

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO

SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO ROTEIRO INSTALAÇÕES MARÍTIMAS GESTÃO E ENGENHARIA DE PETRÓLEO E GÁS Introdução; Tipos de Unidades de Perfuração e Completação; Tipos de Unidades e Sistemas de Produção;

Leia mais

Consórcio CONDUTO EGESA. Forças que se unem para gerar resultados.

Consórcio CONDUTO EGESA. Forças que se unem para gerar resultados. Consórcio CONDUTO EGESA Forças que se unem para gerar resultados. EMPRESAS: Forças que se unem para gerar resultados. EMPRESA: CONDUTO Empresa de capital Alemão pertencente ao Grupo PDB, presente na América

Leia mais

Fórum Regional Bacia de Campos Macaé, 10/11/2004

Fórum Regional Bacia de Campos Macaé, 10/11/2004 Fórum Regional Bacia de Campos Macaé, 10/11/2004 Objetivo do PROMINP Maximizar a participação da indústria nacional de bens e serviços, em bases competitivas e sustentáveis,, na implantação de projetos

Leia mais

O Sistema Tecnológico da PETROBRAS

O Sistema Tecnológico da PETROBRAS O Sistema Tecnológico da PETROBRAS José Roberto Fagundes Netto Gerente Geral de P&D em Geoengenharia e Engenharia de Poço do CENPES Rio de Janeiro, 29 de maio de 2014 Aviso As apresentações podem conter

Leia mais

O Sistema Tecnológico da PETROBRAS

O Sistema Tecnológico da PETROBRAS O Sistema Tecnológico da PETROBRAS José Roberto Fagundes Netto Gerente Geral de P&D em Geoengenharia e Engenharia de Poço do CENPES Rio de Janeiro, 29 de maio de 2014 Aviso As apresentações podem conter

Leia mais

Atividade de Produção de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos

Atividade de Produção de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos 1 / 9 - CONCLUSÃO A elaboração deste Estudo de Impacto Ambiental (EIA) permitiu a identificação das interferências ambientais inerentes à implementação da Atividade de Produção e Escoamento de Gás e Condensado

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 10 - Gás Natural. Sorocaba, Abril de 2015.

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 10 - Gás Natural. Sorocaba, Abril de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 10 - Gás Natural Sorocaba, Abril de 2015. Terminologia Líquidos de Gás Natural LGN - Hidrocarbonetos

Leia mais

Petrobras: Gás Natural & Energia Elétrica

Petrobras: Gás Natural & Energia Elétrica CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA Petrobras: Gás Natural & Energia Elétrica Graça Silva Foster Diretora de Gás & Energia 28 de novembro de 2007 GN na Matriz Energética Gás Natural na oferta

Leia mais

Workshop Rodolitos. Acordo de Cooperação Técnica Nº 01/2013 - IBAMA-IBP CONTEXTO, DÚVIDAS E DESAFIOS

Workshop Rodolitos. Acordo de Cooperação Técnica Nº 01/2013 - IBAMA-IBP CONTEXTO, DÚVIDAS E DESAFIOS Workshop Rodolitos Acordo de Cooperação Técnica Nº 01/2013 - IBAMA-IBP CONTEXTO, DÚVIDAS E DESAFIOS Alexandre Santos de Souza, biólogo, D.Sc. CGPEG / IBAMA Introdução O IBAMA regula o impacto das atividades

Leia mais

Brasília, 13 de julho de 2006

Brasília, 13 de julho de 2006 Plano Nacional de Energia 2030 Petróleo e Derivados Brasília, 13 de julho de 2006 Plano Nacional de Energia 2030 Petróleo e Derivados Roteiro Observações Iniciais Petróleo e Derivados no Mundo Aspectos

Leia mais

SEQUÊNCIA PRODUTIVA EM ÓLEO E GÁS

SEQUÊNCIA PRODUTIVA EM ÓLEO E GÁS Pequenas e médias 1ª camada AQUISIÇÃO DE DADOS PROCESSAMENTO DE DADOS INTERPRETAÇÃO DE DADOS PROJETO DE POÇO OPERAÇÃO DE COMPLETAÇÃO DE POÇO EVTE e FiNANCIABILIDADE ENGENHARIA CONCEITUAL ENGENHARIA BÁSICA

Leia mais

online Abril Nº 1069

online Abril Nº 1069 online Abril - 2016 Nº 1069 Abril 2016 2 Luta pela democracia, pelos direitos conquistados após anos de luta, em defesa da Petrobras e da soberania energética que ela oferece, os petroleiros capixabas

Leia mais

CENÁRIO E PERSPECTIVAS DO SETOR PETRÓLEO 4º CAMPETRO CAMPINAS OIL & GAS

CENÁRIO E PERSPECTIVAS DO SETOR PETRÓLEO 4º CAMPETRO CAMPINAS OIL & GAS CENÁRIO E PERSPECTIVAS DO SETOR PETRÓLEO 4º CAMPETRO CAMPINAS OIL & GAS Alfredo Renault Campinas, 11 de novembro de 2015 SUMÁRIO I. PETROBRAS PLANO DE NEGÓCIOS II. PRÉ-SAL III. PRIORIDADES E DESINVESTIMENTOS

Leia mais

Assunto: 13ª Rodada de Licitações de Blocos e de Campos Marginais - Alterações no Conteúdo Local para sondas.

Assunto: 13ª Rodada de Licitações de Blocos e de Campos Marginais - Alterações no Conteúdo Local para sondas. 48380.001019/2015-00 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Política de Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural NOTA TÉCNICA

Leia mais

De acordo com a ANTT, o transporte dutoviário pode ser classificado em:

De acordo com a ANTT, o transporte dutoviário pode ser classificado em: Modal Dutoviário O modal dutoviário é o único dos modais existentes que transporta exclusivamente cargas. Ele é composto por dutos, (uma espécie de tubulação) que são as vias por onde são movimentadas

Leia mais

S M E Comissão de Energia 28/04/2010

S M E Comissão de Energia 28/04/2010 Oportunidades e Desafios do Pré-Sal S M E Comissão de Energia 28/04/2010 HIDROCARBONETOS Definição Compostos orgânicos constituídos de átomos de carbono e hidrogênio. PETRÓLEO INDÚSTRIA DE PETRÓLEO E GÁS

Leia mais

Mauro Yuji Hayashi E&P-PRESAL/PLAN PRESAL/PLAN

Mauro Yuji Hayashi E&P-PRESAL/PLAN PRESAL/PLAN Mauro Yuji Hayashi E&P-PRESAL/PLAN PRESAL/PLAN 24 de Setembro de 2008 Agenda O Pré-Sal no Brasil Plano Diretor de Desenvolvimento do Pólo Pré-sal 2 Agenda O Pré-Sal no Brasil Plano Diretor de Desenvolvimento

Leia mais

Os Desafios da Regulamentação do Conteúdo Local Da Concessão ao Pré-sal

Os Desafios da Regulamentação do Conteúdo Local Da Concessão ao Pré-sal Os Desafios da Regulamentação do Conteúdo Local Da Concessão ao Pré-sal Rio de Janeiro, 06/07/2011 To be considered To be considered To be considered Mercado Brasileiro de Petróleo & Gás Destaques: Estado

Leia mais

Perspectivas e Oportunidades de Negócio com a Petrobras

Perspectivas e Oportunidades de Negócio com a Petrobras Perspectivas e Oportunidades de Negócio com a Petrobras Hugo Repsold e Eberaldo Neto 08/08/2017 1 1. Segurança e compromisso com a vida 2. Redução da alavancagem e saúde financeira 3. Plano de Negócios

Leia mais

Revista de Engenharias da Faculdade Salesiana n. 02 (2015) pp

Revista de Engenharias da Faculdade Salesiana n. 02 (2015) pp Revista de Engenharias da Faculdade Salesiana n. 02 (2015) pp. 26-32 http://www.fsma.edu.br/si/sistemas.html Avanços e Desafios em Sistemas de Bombeio Centrífugo Submerso Alexandre Machado Viana, M. Sc.

Leia mais

ANÁLISE DA LOCALIZAÇÃO DE MANIFOLDS EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO SEGUNDO DOIS CRITÉRIOS: ÍNDICE DE PRODUTIVIDADE E PROXIMIDADE

ANÁLISE DA LOCALIZAÇÃO DE MANIFOLDS EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO SEGUNDO DOIS CRITÉRIOS: ÍNDICE DE PRODUTIVIDADE E PROXIMIDADE ANÁLISE DA LOCALIZAÇÃO DE MANIFOLDS EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO SEGUNDO DOIS CRITÉRIOS: ÍNDICE DE PRODUTIVIDADE E PROXIMIDADE Danielle de Oliveira Monteiro Gabriela Souza Chaves Projeto de Graduação apresentado

Leia mais

X Congresso Brasileiro de Engenharia Química Iniciação Científica

X Congresso Brasileiro de Engenharia Química Iniciação Científica Blucher Chemical Engineering Proceedings Dezembro de 2014, Volume 1, Número 1 X Congresso Brasileiro de Engenharia Química Iniciação Científica Influência da pesquisa em Engenharia Química no desenvolvimento

Leia mais