Roteiro de cartão-postal: revelação e ocultação da metrópole de São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Roteiro de cartão-postal: revelação e ocultação da metrópole de São Paulo"

Transcrição

1 Roteiro de cartão-postal: revelação e ocultação da metrópole de São Paulo Viviane Veiga Shibaki 1 Resumo: Desde sua criação, ocorrida no final do século XIX até a contemporaneidade, o cartão-postal sofreu mudanças em seus usos, porém, em sua essência, sempre se configurou como uma forma de divulgação dos lugares muito bem apropriada pelo turismo. Assim, este artigo tem como objetivo identificar os pontos turísticos da metrópole de São Paulo constantes dos cartões-postais, produzindo um roteiro hipotético a fim de descortinar o que é revelado e ocultado para o turista e, em um movimento dialético, construir uma reflexão acerca desse movimento, ou seja, sobre a hipótese da formação de discrepâncias espaciais e sociais da metrópole. Para isso, fez-se levantamento histórico-conceitual referente ao cartão-postal e seus usos, bem como pesquisa de campo na metrópole de São Paulo, a fim de identificar as imagens mais utilizadas para o estabelecimento desse roteiro, as quais se resumiram a seis espaços específicos, que proporcionaram a configuração do roteiro hipotético proposto e análises diante da hipótese levantada. Palavras-chave: Cartão-postal. Turismo. Roteiro. São Paulo. Introdução Com o surgimento do cartão-postal no final do século XIX, dentre outros tipos de veículos propagadores de imagens, a divulgação de espaços naturais, sobretudo por meio de paisagens e espaços urbanos por meio de ícones tornou-se usual, sendo o turismo elemento apropriador diante de um mundo que se descortinou por meio de imagens, introduzindo os indivíduos ao universo de uma cultura visual que se conformava. Essa conformação e consequente fixação da cultura visual em grande parte do mundo proporcionaram ao turismo ferramentas facilitadoras para seu desenvolvimento, pois o cartão-postal tem como atributo a possibilidade de estar presente nos três tempos da organização de uma viagem que, segundo Boyer (2002), é formada pelo antes (viagem sonhada ou imaginada), que no caso do cartão-postal, poderia ter sido recebido de outra pessoa que viajou; o durante (a viagem em si), por meio da aquisição e envio do cartão-postal; e depois, por meio da aquisição do cartão-postal como souvenir da viagem. Para Franco (2006), o cartão-postal é um elemento de referência em todas as etapas descritas por Boyer (2002) em relação a uma viagem, em que o antes é um fator de estímulo, o durante como elemento de registro e o depois, como afirmação de memória. O cartão-postal tem como característica a fragmentação de um todo complexo associado ao registro da história que abarca hábitos culturais, desenvolvimentos tecnológicos e urbanos e modismos, entre outros. Possui íntima relação com o turismo, pois tem função de apropriação simbólica do lugar visitado. (Franco, 2006) Assim, este artigo tem como objetivo identificar os pontos turísticos da metrópole de São Paulo constantes dos cartões-postais, produzindo um roteiro hipotético a fim de descortinar o que é 1 Bacharel em Turismo. Mestre e Doutora em Geografia Humana pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP). 1

2 revelado e ocultado para o turista e, em um movimento dialético, construir uma reflexão acerca desse movimento, ou seja, sobre as discrepâncias espaciais e sociais da metrópole. Para isso, além da construção de uma contextualização histórica acerca do surgimento, desenvolvimento e usos do cartão-postal, sobretudo relacionados com o turismo, fez-se levantamento dos cartões-postais comercializados de São Paulo na atualidade, a fim de identificar as imagens mais utilizadas para o estabelecimento do roteiro proposto. O diálogo com trabalhos específicos sobre cartões-postais, como o de Vinha (2001), Venturini (2001), Vasquez (2002), Boyer (2002), Franco (2006), Daltozo (2006) e Hunt (s/d), foram essenciais para a conformação de reflexões teórico-metodológicas acerca da representatividade de um elemento constante da cultura visual que foi apropriado pelo turismo. Como cultura visual, Barnard (2001) esclarece que sua abrangência segue duas vertentes fundamentais, sendo que uma enfatiza a cultura e a mediação visual dos valores e identidades construídas e comunicadas pela cultura e a outra o visual e todos os elementos que o cercam. De acordo com Meneses (2003), com a difusão da comunicação eletrônica, o domínio da dimensão visual na contemporaneidade tornou a imagem constante nos parâmetros e instrumentos de análise da grande maioria das áreas das ciências sociais, em que os estudos sobre cultura visual focam uma percepção mais ampliada dessa dimensão. Vale salientar que a pesquisa de campo realizada contribuiu significantemente para a especificidade do estudo de caso, proporcionando um panorama contemporâneo, dando sequência ao diálogo estabelecido por meio do levantamento histórico, bem como elementos para a formatação do roteiro hipotético proposto e indícios conclusivos da hipótese referente às discrepâncias sociais e espaciais da metrópole. Desta forma, a partir de um destino turístico consolidado como é o caso de São Paulo, compreender nuances diferentes que abarcam a relação do turismo com questões socioespaciais, como no caso dos cartões-postais, se fazem necessárias para compor linhas de pesquisa que se complementem nos estudos referentes ao turismo. O cartão-postal e seus usos Dentre as diferentes versões sobre a invenção do cartão-postal estão: a atribuída aos norteamericanos H. L. Lipman e J. P. Charlton, que patentearam no final de 1861 o intitulado Lipman s postal Card ; a Heinrich von Stepan, diretor dos Correios da Confederação da Alemanha do Norte, por ter colocado a ideia na Conferência Postal Germano-Austríaca, em 1865; e a mais aceita, que, para Venturini (2001), é a do economista austro-húngaro Emmanuel Hermman, que produziu uma 2

3 coleção que foi recebida e divulgada em matéria de jornal sob o título de uma nova forma de correspondência pelo correio, em Independente das controvérsias criadas acerca da criação do cartão-postal, as condições que proporcionaram o avanço nas técnicas de fotografia e culminante processo de disseminação de imagens pelo mundo, internacionalizando fluxos socioculturais são mais relevantes, pois para Franco (2006, p.26), a veiculação e o consumo plural de imagens que se iniciaram neste momento histórico demonstram o universal interesse pelo visual em que o Homo Sapiens está se tornando, cada vez mais, um Homo Videns correndo o risco de se perder nesse mar de imagens que se torna cada vez mais presente em sua vida. Inicialmente, o formato do cartão-postal como uma correspondência aberta, sem invólucro protetor e, ainda, somente com uma mensagem, sem imagens, causou certo desconforto e resistência, sobretudo das classes dominantes por conta de não haver privacidade de conteúdo. Porém, teve rápida aceitação no mundo todo, principalmente no período dos grandes conflitos e guerras, pois passavam sem problemas nos censores de mensagens, sendo que, ironicamente, o cartão-postal que hoje associamos a ideias de lazer e felicidade, teve como função inicial comunicar a amigos e parentes uma única notícia: a sobrevivência.. (Franco, 2006, p.27) De acordo com Venturini (2001), por volta de 1875 surgiram as primeiras imagens nos anversos dos cartões-postais mostrando cenas da guerra franco-prussiana, sendo que para Franco (2006), a partir de 1891, imagens fotográficas, principalmente de paisagens, tomaram conta dos cartões-postais e se firmaram como veículo ideal para mensagens breves e objetivas em meio a uma sociedade envolta na aceleração do processo do trabalho e da vida cotidiana. O apogeu do cartão-postal se deu no final do século XIX e início do século XX, em que retratava a evolução dos novos meios de locomoção e, no bojo desse processo destacava-se o turismo das classes emergentes que, de acordo com Franco (2006), se utilizavam do cartão-postal como instrumento privilegiado e acessível de comunicação, como corrobora Vinha (2001, p.5): Na virada do século XIX para o século XX, foram realizadas Exposições Mundiais para divulgar novos produtos industriais e novas tecnologias. O cartão-postal passa a ser utilizado como suvenir. Divulga as feiras e serve de lembrança de outra cidade. Rapidamente são associados ao turismo, servindo como propaganda de um local, utilizando todo o poder de sedução da imagem para despertar o desejo. São os modelos tipo Gruss Aus (Lembrança de...) com a imagem de algum local característico da cidade. Com as duas grandes guerras mundiais, houve grande declínio no uso do cartão-postal, sendo recuperado seu prestígio somente a partir da década de Porém, em relação aos seus usos, perdeu sua função informativa para se tornar objeto de uso turístico e social. 3

4 No Brasil, a cronologia referente aos cartões-postais segue os parâmetros europeus, com certo atraso, excetuando o que Vasquez (2002) classifica como período precursor do cartão-postal paisagístico, que se caracterizava pelas fotografias de vistas urbanas, sobretudo do Rio de Janeiro, Salvador, Recife, Belém, São Paulo, Porto Alegre e Ouro Preto, realizadas por fotógrafos renomados como Guilherme Gaensly e Militão Augusto de Azevedo. Assim, desde sua criação até a contemporaneidade, os usos dados ao cartão-postal sofreram alterações de acordo com o momento histórico, acompanhando a evolução tecnológica, principalmente relacionada à comunicação. Baseada em Hunt (s/d) e Daltozo (2006), Franco (2006, p.30) compõe uma cronologia em relação ao desenvolvimento do cartão-postal, em que destaca as épocas e suas características: pré-história (cartões chineses de felicitações e cartões de visitas); precursores (cartão-postal proposto por Emmanuel Hermann e edição dos postais da Exposição Universal de Paris, em 1889); antigos (período compreendido entre 1889 e 1900, em que processos foram aperfeiçoados, com a utilização de cores e seu uso como souvenir); idade de ouro (de 1901 a 1918 na Europa e até 1930 no Brasil, marcada pelo colecionismo, imagens de paisagens e locais de interesse turístico); hibernação (de 1919 a 1960 na Europa e de 1931 até 1960 no Brasil, em que se diminui o colecionismo e aumenta a qualidade artística); renascimento (a partir de 1961 na Europa e 1971 no Brasil, sendo valorizado o cartão-postal antigo como documento de época, produção feita por fotógrafos renomados, museus e instituições culturais e o surgimento do e-card). Para Franco (2006), o cartão-postal é tido como um importante elemento de documentação histórica da atividade turística, do destino turístico e dos hábitos e práticas a ele associados, pois fornecem documentação histórica e social do passado, além de se configurar como promotor de lugares, contribuindo para sua notoriedade e prestígio. Essa promoção de lugares pode ser exemplificada pelas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro que, por meio de seus administradores, divulgaram imagens majestosas da idade de ouro, como edifícios públicos, jardins, casarões, estações ferroviárias e viadutos, a fim de demonstrar requinte e progresso tecnológico e atrair fluxos socioeconômicos e turísticos. Assim, a fabricação do cartão-postal sempre foi pautada por usos específicos, individuais ou coletivos, que podem ser religiosos, de informação e ideológicos, entre outros, como afirma Kossoy: As diferentes ideologias, onde quer que atuem, sempre tiveram na imagem fotográfica um poderoso instrumento para a veiculação das ideias e da consequente formação e manipulação da opinião pública, particularmente, a partir do momento em que avanços tecnológicos da indústria gráfica possibilitaram a multiplicação massiva de imagens através dos meios de informação e divulgação. (Kossoy, 1999, p.20) 4

5 Mesmo com a exacerbação do fluxo de imagens no mundo todo pelos mais diversos meios de comunicação, o uso do cartão-postal associado ao turismo ainda permanece ativo, principalmente nos países desenvolvidos, como salienta Protet (2002), citado por Franco (2006), que relata que os ingleses consomem 50 cartões-postais por pessoa, anualmente, os americanos atingem 70 cartõespostais por pessoa/ano e franceses 57 cartões-postais por pessoa/ano. Referente à produção, o crescimento médio é de 2% ao ano, somente na França, sendo que representa 7,5% dos gastos totais do país com material de papelaria. No Brasil, esses dados se alteram um pouco. No caso de São Paulo, considerando o grande fluxo de turistas, porém concentrados no segmento de negócios e eventos e não no de lazer, o que poderia interferir diretamente nos dados, o consumo de cartões-postais pelos turistas diminuiu consideravelmente, como constata Taffarel (2012): Antes vendidos às dezenas, os cartões-postais estão se tornando peça rara nas bancas de São Paulo. Os pontos que ainda oferecem a lembrança costumam estar próximos a locais turísticos. É o caso da avenida Paulista, que, além de ser a mais retratada, abriga a maior oferta de postais, justamente por causa da grande concentração de turistas. (Taffarel, 2012, p.9) Desta forma, constata-se a existência de uma íntima relação dos cartões-postais com o turismo, mesmo diante de oscilações ligadas às inovações tecnológicas e economia até específicas a segmentos, sobretudo nos principais destinos turísticos mundiais. A metrópole de São Paulo por meio do cartão-postal De acordo com Vinha (2001), São Paulo foi registrada por meio de imagens de cartão-postal feitas por fotógrafos profissionais e amadores, demonstrando a metamorfose ocorrida em seu espaço. Sob a perspectiva da periodização estabelecida por momentos de transição, a história de São Paulo pode ser dividida em períodos: São Paulo Colonial ( ); São Paulo Europeia ( ); São Paulo Moderna ( ); São Paulo Metrópole ( ) e São Paulo Global ( ). (Shibaki, 2010) Apesar de se estabelecer a partir da São Paulo Europeia, o uso do cartão-postal na exposição de imagens acabou abarcando todos os períodos citados mesmo que à posteriori, pois dentre suas características está o da fragmentação que, no caso de São Paulo, ocorre em alguns elementos, como o Pátio do Colégio, por exemplo, que simboliza o período da São Paulo Colonial. Desta forma, o registro das metamorfoses que ocorreram em seu espaço seguiu uma tendência mundial, ou seja, O desenvolvimento urbano da área central foi a linha temática adotada 5

6 pela produção de cartões-postais ao longo do século (Vinha, 2001, p.78), considerando sempre parâmetros de beleza e novidade, inclusive a subjetividade intrínseca ao fotógrafo, havendo reciprocidade entre a produção do cartão-postal e o registro documental do crescimento urbano. Em contraposição às imagens exploradas em cartões-postais de outras cidades brasileiras, em que a paisagem natural é comumente encontrada, esta característica é quase inexistente em São Paulo, pois como relata Vinha: Com São Paulo é diferente. As vistas panorâmicas de montanhas, vales, florestas e horizontes foram um pouco exploradas somente no primeiro momento da produção de postais, logo sendo substituídas pelo glamour dos edifícios de Ramos de Azevedo, pelas estruturas metálicas importadas da Europa, pelas novidades urbanas encontradas nessa cidade. Era necessário mostrar nossa civilidade, nossa capacidade em receber imigrantes e investimentos estrangeiros. Era preciso mostrar que aqui não havia apenas índios e florestas. (Vinha, 2001, p.168) A primeira série de cartões-postais ilustrada foi editada em agosto de 1897 pelo Estabelecimento Gráfico V. Steidel & Cia, do fotógrafo amador e empresário Victor Vergueiro Steidel, contendo vistas de São Paulo que provavelmente foram feitas com base nas fotos de Guilherme Gaensly, fotógrafo Suíço que trabalhou em São Paulo de 1890 a 1915, constituindo importante registro fotográfico da época. (Gerodetti & Cornejo, 1999) Para Vinha (2001), o cartão-postal se caracterizou como um produto que acabou se popularizando e por ter um valor acessível, possibilitou, por demonstrar prestígio social, que fosse colecionado de diversas formas, pendurados em quadros na parede ou arquivados em álbuns, porém sua inserção na atividade turística era evidenciada nos pontos de venda: hotéis e livrarias. Já no período da São Paulo Europeia, em consonância com os movimentos de reformulação urbanística iniciados na Europa nas primeiras décadas do século XX, uma nova mentalidade mundial influenciou as maiores cidades brasileiras, trazendo para elas modelos urbanísticos e arquitetônicos europeus. No caso de São Paulo, em que as elites oligárquicas desejavam impor sua pujança econômica, essa reformulação urbanística veio ao encontro das ações para apagar os traços coloniais que representavam o atraso e a pobreza e afirmar a posição de cidade moderna, sintonizada com o mundo. Assim: Transformaram-se em cartão-postal o surgimento de monumentos arquitetônicos, como a Catedral da Sé, o Teatro Municipal, o Teatro São José, as novas avenidas, os edifícios arquitetônicos da elite paulistana, como o palacete Prates, além de transformações culturais, esportivas e sociais como a evolução dos meios de transporte etc. (Vinha, 2001, p.26) Nos períodos referentes a São Paulo Moderna e São Paulo Metrópole, a imagem contida nos cartões-postais alterou-se significantemente, limitando-se a pequenos espaços, recortes fotográficos 6

7 e enquadramentos fechados, destacando os arranha-céus, as grandes avenidas, os monumentos e as fotografias aéreas, inclusive os registros das transformações socioculturais que estavam presentes no bojo dos movimentos da Semana de Arte Moderna, como a popularização do futebol e as corridas de cavalo, traduzidas sempre com ênfase na materialidade presente no arquitetônico, como os estádios de futebol e o Jóquei Clube. (Vinha, 2001) Na década de 1950 surgem as fotopostais aéreas que, para Vinha (2001), enalteciam sua característica principal na difusão de imagens panorâmicas, reforçando a importância do cartãopostal que ainda mantinha sua condição de souvenir de turistas. Já nas comemorações do IV Centenário de São Paulo, em 1954, houve expressiva produção de imagens por meio dos cartõespostais que, logo em seguida, começou a perder seu prestígio em função dos avanços tecnológicos nos meios de comunicação, como a televisão. A novidade urbana sempre foi um critério adotado na seleção de imagens para ilustrar os cartões-postais. Assim, da mesma forma que a expansão urbana começa a avançar do Centro para a Avenida Paulista há uma acompanhamento na confecção deste material, inclusive nas reformulações urbanas, ocorridas no Centro e em seus principais símbolos, como a Catedral da Sé e o Vale do Anhangabaú, por exemplo. Na última década do século XX, diante de uma realidade em que os meios de comunicação em geral tem poder absoluto sobre as imagens, inclusive com a existência do cartão-postal virtual 2, os temas retratados por meio do cartão-postal tradicional que, mesmo perdendo o glamour de outras épocas, não deixou de existir e ainda cumpre seu papel de divulgar, sendo que, nesta década, a ênfase é dada aos lugares clássicos, como o vale do Anhangabaú, a Praça da Sé, A Avenida Paulista, o Pátio do Colégio, o Largo Paissandu, a Praça da República (Vinha, 2001, p.43). Assim, no período compreendido entre 1897 a 1997, a produção de cartões-postais de São Paulo se classifica conforme a configuração do quadro 1: Quadro 1 Classificação dos cartões-postais produzidos de 1897 a 1997 Classificação Marcos / Imagens Fragmentos da Cidade Jardim da Luz; Edifício Itália; Masp em obras; Edifício CBI Viaduto do Chá; Parque Ibirapuera; Fachada da Secretaria da Justiça. Panorâmicas / Aéreas Bairro da Luz; Praça Clóvis e Praça da Sé; Avenida Paulista x Avenida Consolação; Campos Elísios; Avenida São João e Anhangabaú; Masp e Parque Siqueira Campos. Ruas / Avenidas Rua XV de Novembro; Rua São Bento; Rua Direita; Avenida Ipiranga; Avenida Nova Anhangabaú; Avenida 9 de Julho; Elevado Costa e Silva; Avenida 23 de Maio; Avenida Paulista. Transporte O trem; Charretes e carroças; Fiscal de veículo o bonde; O bonde os automóveis; Rodovia Anchieta; Aeroporto de 2 Cartão-postal acessado pela Internet que pode ser enviado a qualquer endereço eletrônico. (Vinha, 2001) 7

8 Congonhas; Estação Ferroviária Sorocabana; Antiga Rodoviária; Metrô; Rodoviária Tietê; Ponte aérea; Aeroporto Internacional de Guarulhos. Equipamento Urbano Viaduto do Chá; Túnel 9 de Julho e Trianon; Antena de Transmissão de Sinais Televisivos; Viaduto Santa Ifigênia; Passagem Subterrânea sob Avenida São João; Complexo Viário Cebolão. Avenida Paulista Fotografia da fase dos casarões (convite de exposição); Fundo dos casarões e Parque Trianon; Esquina com Doutor Arnaldo; Fotografia com o bonde ao fundo; Fotografia com destaque do Masp; Esquina com Rua da Consolação. Praça / Largo Largo da Sé; Praça do Correio; Largo da Misericórdia; Praça do Patriarca; Praça da Sé; Praça da Bandeira; Pátio do Colégio; Praça dos Arcos (Avenida Paulista). Escola / Faculdade / Instituto Faculdade de Direito; Escola Politécnica; Escola de Comércio; Faculdade de Medicina; Escola Normal; Instituto Butantã; Universidade de São Paulo. Edifícios Secretaria da Agricultura e Secretaria da Fazenda; Edifício Sampaio Moreira; Edifício Copan e Hotel Hilton; Palacete Dona Veridiana; Edifícios Banespa, Banco do Brasil e Martinelli; Edifícios Praça da República. Martinelli Cartões-postais do Edifício Martinelli em diferentes ângulos, vistas e momentos históricos. Teatro Municipal Cartões-postais do Teatro Municipal em diferentes ângulos, vistas e momentos históricos. Trianon / Masp Cartões-postais do Trianon e Masp em diferentes ângulos, vistas e momentos históricos. Museu Paulista (Ipiranga) Cartões-postais do Museu Paulista em diferentes ângulos, vistas e momentos históricos. Monumento às Bandeiras Cartões-postais do Monumento às Bandeiras em diferentes ângulos, vistas e momentos históricos. Parque Jardim da Luz; Parque D. Pedro II; Parque Ibirapuera; Marquise do Ibirapuera. Esporte Regatas no Tietê; Estádio do Pacaembu; Estádio do Morumbi; Ypódromo da Mooca; Hipódromo; Jóquei Clube. Igrejas Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos; Igreja de São Bento; Igreja da Achiropita; Igreja de São Pedro e Igreja da Sé; Catedral da Sé construção das torres; Catedral da Sé. Poesia Visual Lago Ibirapuera; Edifício Copan; Entardecer em São Paulo. Fonte: Adaptado de Vinha (2001). In: Shibaki (2010). De acordo com o quadro 1, a concentração espacial dos cartões-postais demonstra que foram priorizadas as imagens referentes ao Centro, com pouca ocorrência em outras regiões de São Paulo, que apontam características específicas, como as ligadas aos órgãos públicos, igreja e expansão urbana, entre outras. Dentre as várias editoras que produziam cartões-postais de São Paulo, como a Litoarte e Post Card, somente a Brascard (que atua há mais de 25 anos) e Studio Stajano (que atua há 18 anos) ainda se mantém no mercado, restringindo sua comercialização a bancas de jornal e livrarias que, por sua vez, limitam-se a espaços específicos, como as bancas de jornal e livrarias da Avenida Paulista. 8

9 Assim, abarcando o período da São Paulo Global, dentre os 45 cartões-postais mais comercializados pela Brascard e 58 do Studio Stajano, sua concentração espacial se resume a poucas imagens da metrópole, que foram classificadas no quadro 2: Quadro 2 Classificação das imagens dos cartões-postais produzidos pela Brascard e Studio Stajano nº de cartões-postais Classificação 41 Centro (Vale do Anhangabaú, Praça da Sé, Praça da República, Estação Júlio Prestes, Praça Ramos de Azevedo, Teatro Municipal, Viaduto do Chá, Parque D. Pedro II, Edifício Itália, Edifício Copan, Pátio do Colégio, Largo São Francisco, Complexo Cultural Júlio Prestes, Mosteiro de São Bento, Correio Central, Praça João Mendes, Mercado Municipal, Edifício Altino Arantes, Palácio das Indústrias, Catedral da Sé, Viaduto Santa Ifigênia, Estação da Luz) 22 Avenida Paulista (Fiesp, Masp, Parque Trianon, Conjunto Nacional, Parada do Orgulho Gay) 14 Bairros (Pacaembu, Morumbi, Jardins, Moema, Itaim, Liberdade) 10 Parque do Ibirapuera (Obelisco, Mam, Monumento às Bandeiras) 10 Região da Marginal Pinheiros e Ponte Estaiada 06 Estádios de Futebol (Estádio Cícero Pompeu de Toledo Morumbi, Estádio Paulo Machado de Carvalho Pacaembu, Estádio Parque Antártica) Fonte: Adaptado de Shibaki, Um dos poucos cartões-postais que não foram elencados no quadro 2, por não pertencer à condensação espacial identificada é referente ao Museu Paulista, que é comercializado tanto pela Brascard, quanto pelo Studio Stajano. A relação comparativa entre o quadro 1 e o quadro 2 revela que a importância dada à região central encontrada no primeiro permanece no segundo, ou seja, independente do tempo histórico, as regiões centrais das cidades sempre tem forte apelo junto ao turismo, o que é evidenciado na quantidade e frequência dos cartões-postais. Já nos cartões-postais referentes à Avenida Paulista (no total de 22, segundo o quadro 2) são exacerbadas as imagens panorâmicas, panorâmicas aéreas e vistas noturnas, além de imagens específicas do Museu de Arte de São Paulo (Masp), Parada do Orgulho Gay, Conjunto Nacional, Parque Trianon e Edifício da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). De acordo com o quadro 2, os bairros identificados (no total de 14 imagens) foram: Pacaembu, Morumbi, Jardins, Moema, Itaim e Liberdade, todos pertencentes ao chamado centroexpandido de São Paulo. O Parque do Ibirapuera foi identificado em 10 cartões-postais, sendo que semelhante às características exemplificadas na Avenida Paulista há o predomínio de panorâmicas e panorâmicas aéreas, que em algumas imagens constam a presença de ícones específicos, como o Museu de Arte Moderna (Mam), o Obelisco e o Monumento às Bandeiras. Do total das 10 imagens referentes à região da Marginal Pinheiros e Ponte Estaiada (Octavio Frias de Oliveira), o predomínio 9

10 das panorâmicas e panorâmicas aéreas também é notado, inclusive com vistas noturnas. Já os estádios de futebol classificados (no total de 6 imagens) foram os estádios Cícero Pompeu de Toledo (Morumbi), Paulo Machado de Carvalho (Pacaembu) e Palestra Itália. Segundo Shibaki (2010), a produção dos cartões-postais segue a dinâmica do mercado consumidor, ou seja, os turistas nacionais e internacionais que compram cartões-postais de São Paulo tem o intuito de possuir um souvenir como forma de identificação do local visitado e quanto mais familiar for a imagem, mais atrativo se torna o cartão-postal, conforme destaca Girault (1983), acerca da repetição excessiva das imagens, sobretudo como função de consolidação dos destinos nos imaginários turísticos: Sucede que o cartão-postal é adquirido, sobretudo, durante o período de férias. Ou seja: num momento no qual o comprador apresenta certa demissão do esforço intelectual, deixando que aflorem seus gostos primários. Diante de um display de cartões-postais, todos os indivíduos possuem o mesmo gosto e compram sempre os mesmos cartões. É bastante provável que um número significativo desses indivíduos, caso fosse forçado a escolher um cartão-postal durante o período de vida profissional ativa, faria um esforço e escolheria outro tipo de fotografia (Girault, 1983, citado por Vasquez, 2002) Corroborando com Girault (1983) citado por Vasquez (2002) e do que foi constatado em relação às imagens dos cartões-postais referentes ao quadro 2, Franco (2006, p.49) salienta que a repetição sucessiva das imagens tem uma importante função na consolidação da imagem do lugar nos imaginários turísticos coletivo e individual, pois é essa repetição que provoca a sensação de reconhecimento e o desejo de visitação e experimentação. Além disso, e no caso específico de São Paulo, essa condensação de imagens em apenas 6 espaços específicos pode ser analisada sob a perspectiva de um espraiamento urbano voltado para o mercado, sobretudo o imobiliário, que se concentra em um perímetro chamado de centro expandido 3, o qual acaba por excluir outras imagens de São Paulo, que poderiam ser melhor apropriadas pelo turismo. A identificação de uma transformação urbana evidenciada por meio dos cartões-postais tanto do passado quanto do presente revela que a seleção de imagens é realizada com direcionamentos específicos, enaltecendo as grandes obras de arquitetura e engenharia, remodelações urbanas e monumentos, ocultando outras parcelas do espaço urbano que, por não pertencerem a essa tendência que possui como característica um viés elitista e mercadológico, são excluídos da seleção de imagens dos cartões-postais. Exemplo disso pode ser constatado nos 3 O centro expandido de São Paulo é um espaço localizado ao redor do Centro Histórico, delimitado pelo chamado minianel viário, composto pelas marginais dos rios Tietê e Pinheiros, as avenidas Salim Farah Maluf, Afonso d Escragnolle Taunay, Bandeirantes, Juntas Provisórias, Presidente Tancredo Neves, Luís Inácio de Anhaia Melo e o complexo viário Maria Maluf. 10

11 atrativos turísticos localizados fora do centro expandido, bem como em bairros periféricos. (Shibaki, 2010) Autores como Fix (2007), Ferreira (2007), Cruz (2007), Pereira & Spolon (2007) e Cruz (2007), entre outros, que trataram da temática da expansão urbana de São Paulo sob enfoques diferentes, também evidenciaram a questão das discrepâncias socioespaciais, em que são beneficiadas as áreas inseridas no centro expandido, com ênfase no vetor sudoeste. Assim, o paradoxo intrínseco no cartão-postal pode ser compreendido pelo jogo da revelação e ocultação, em que a aparente totalidade é, na realidade, apenas um fragmento de um todo muito maior e complexo, em que estão presentes aspectos sociais, econômicos e políticos. Roteiro de cartão-postal Considerando a supressão das imagens obtidas por meio dos cartões-postais na classificação realizada, poder-se-á configurar um roteiro hipotético, o qual o turista terá como pontos turísticos a serem visitados: o Centro Histórico, a Avenida Paulista, os bairros do Pacaembu, Morumbi, Jardins, Moema, Itaim e Liberdade, o Parque do Ibirapuera, a região da Marginal Pinheiros e Ponte Estaiada e os estádios de futebol (Pacaembu, Morumbi e Parque Antártica). Para um turista que tem como motivação de viagem o lazer, os pontos turísticos citados podem parecer escassos, pois estão limitados a poucos espaços específicos, sobretudo em relação aos bairros e a região da Marginal Pinheiros e Ponte Estaiada, que foram retratados nos cartõespostais de forma subjetiva, sem nenhum atrativo específico, o que poderia ser realizado no formato de tour em ônibus panorâmico, sem paradas. Desta forma, restariam somente os atrativos do Centro, da Avenida Paulista e os estádios de futebol. Já para um turista que tem como principal motivação o turismo de negócios e eventos, um roteiro restrito a apenas três espaços específicos (considerando a seleção de apenas um estádio de futebol), poderia até ser satisfatória, considerando que o tempo de permanecia de um turista de negócios e eventos em um destino é menor do que um turista de lazer. Segundo dados do Observatório de Turismo da Cidade de São Paulo, do total de turistas (nacionais e internacionais) que visitam São Paulo, 52,04% tem como motivação principal negócios, trabalho e eventos e 25,56% tem como principal motivação o lazer, sendo que a permanência média desses turistas na cidade é de 5,8 dias. (SPTuris, 2012). Assim, ambos os turistas (negócios/trabalho/eventos e lazer) costumam ficar menos de uma semana em São Paulo, reduzindo consideravelmente o número de atrativos que poderiam ser visitados. Considerando toda a oferta de turismo da metrópole, que pode ser encontrada em diferentes meios como, por exemplo, o site da SPTuris (órgão oficial de turismo da cidade de São 11

12 Paulo), tem-se diante do roteiro de cartão-postal proposto uma oferta pífia. Entretanto, a partir dos dados do quadro 3, que mostram os principais atrativos de São Paulo visitados por turistas nacionais e internacionais, tem-se como resultado uma convergência de atrativos com relação aos apresentados nos cartões-postais relacionados no quadro 2. Quadro 3 Principais atrativos turísticos visitados em São Paulo por turistas nacionais e internacionais Atrativo turístico visitado Total (%) Avenida Paulista (incluindo o Masp) 32,18 Centro (Mercado Municipal, Estação da Luz, Museu da Língua Portuguesa e Pinacoteca) 16,91 Parque do Ibirapuera 13,82 Estádio do Pacaembu (Museu do Futebol) 02,14 Outros 34,95 Fonte: Adaptado de SPTuris (2012). Portanto, apesar de uma imensa gama de atrativos turísticos ofertados em São Paulo, os mais visitados são os mesmos apresentados pelos cartões-postais, ou seja, vem ao encontro do que preconiza Franco (2006) em relação à fixação das imagens em relação aos lugares visitados pelos turistas acrescidos pela pouca disponibilidade de tempo estabelecida no destino. Distante da intenção de denegrir ou reduzir a importância do Centro, da Avenida Paulista, do Parque do Ibirapuera, da região da Marginal Pinheiros e Ponte Estaiada, bem como dos estádios de futebol identificados, a instituição de reflexões que permitam questionar as motivações que envolvem o processo de exposição e ocultação que se prestam os cartões-postais se fazem necessárias para que haja uma ampliação do horizonte do turismo em São Paulo, que permita ao turista conhecer com mais profundidade a metrópole, saindo do roteiro de cartão-postal e sendo introduzido a atrativos que o permitam usufruir outros elementos inerentes ao cotidiano da metrópole. Diante do exposto, o processo de exposição e ocultação pode ser compreendido no bojo da atividade turística não somente pelo viés excludente das manifestações socioespaciais, mas também pelo viés da oferta dos atrativos turísticos que, apesar de ser numerosa e diversificada, acaba por ser focalizada nos cartões-postais. Conclusões A partir de uma contextualização histórica das atribuições e dos usos do cartão-postal e consequente periodização referente à metrópole de São Paulo, em que houve formas de registro da expansão urbana ocorrida, os objetivos colocados acerca da identificação dos pontos turísticos constantes neste material na contemporaneidade resultaram em uma convergência de dados em 12

13 que a conformação de 6 imagens específicas (cartões-postais referentes ao Centro, Avenida Paulista, Parque do Ibirapuera, Bairros e Região da Marginal Pinheiros e Ponte Estaiada) acabaram por estar relacionadas também entre os atrativos mais visitados por turistas nacionais e internacionais. Essa convergência de imagens é explicada na necessidade de sua frequente repetição, a fim de fixá-las como atrativos e relacioná-las ao destino turístico, que passa a ser identificado com mais facilidade. Desta forma, a existência de intencionalidades implícitas no uso de imagens específicas nos cartões-postais foi identificada desde o surgimento deles, sobretudo em São Paulo, em que a evolução tecnológica e urbana necessitava ser exacerbada. As discrepâncias espaciais e sociais da metrópole, principalmente percebidas além do perímetro do centro expandido são sempre permeadas da tentativa de ocultação, sendo enaltecida somente a metrópole que demonstra pujança econômica, principalmente por meio de grandes obras urbanas e arquitetônicas. Assim, pesquisas que tratam de vieses específicos, como no caso do cartão-postal, se fazem necessárias para que haja compreensões que se conectem com outras, formando estudos relacionados a destinos turísticos mais densos e colaborativos. Referências Cruz, R. C. A. (2007). Geografias do turismo: de lugares a pseudo-lugares. São Paulo: Roca. Barnard, M. (2001). Approaches to understanding visual culture. New York: Palgrave. Boyer, M. (2002). La carte postale: um indicateur touristique. Espaces 199, Dec. Daltozo, J. C. (2006). Cartão-postal: arte e magia. Presidente Prudente: Gráfica Cipola. Ferreira, J. S. W. (2007). O mito da cidade-global: o papel da ideologia na produção do espaço urbano. Petrópolis, RJ: Vozes; São Paulo, SP: Editora Unesp; Salvador, BA: Anpur. Fix, M. (2007). São Paulo cidade global: fundamentos financeiros de uma miragem. São Paulo, Boitempo. Franco, P. S. (2006). Cartões-Postais: fragmentos de lugares, pessoas e percepções. In: Métis: história & cultura. Revista de História da Universidade de Caxias do Sul. v. 5, n.9, p.25-62, jan./jun. Gerodetti, J. E.; Cornejo, C. (1999). Lembranças de São Paulo: a capital paulista nos cartões-postais e álbuns de lembranças. São Paulo: Studio Flash Produções Artísticas. Hunt, J. (s/d). Memories with a view: the history of postcards. Disponível em: <http://www.freearticlesandcontent.com/article/2221/memories_with_a_view:_the_history_ofpostcards.php>. Acesso em: 20 fev Kossoy, B. (1999). Realidades e ficções na trama fotográfica. São Paulo: Ateliê Editorial. Meneses, U. T. B. (2003). Fontes visuais, cultura visual, história visual. Balanço provisório, propostas cautelares. In: Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 23, nº 45, p Pereira, P. C. X.; Spolon, A. P. G. (2007). Turismo, hotelaria e imagem urbana: a construção e o consumo de espaços de simulação. Scripta Nova. Revista Electrónica de Geografia y Ciencias Sociales. Barcelona: Universidad de Barcelona, 1 de agosto de 2007, vol. XI, num. 245 (59). Disponível em: <http://www.ub.es/geocrit/sn/sn htm [ISSN: ]. Acesso em: 01 out Shibaki, V. V. (2010). Ícones urbanos na metrópole de São Paulo. Tese de Doutorado. Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo. 13

14 Spturis. (2012). Demanda turística nacional e internacional para a cidade de São Paulo. Observatório de Turismo da Cidade de São Paulo. São Paulo: São Paulo Turismo. Taffarel, A. (2012). Paulista é o clichê dos clichês entre os postais. In: Folha de S. Paulo. Caderno Cotidiano, 23 mar. p.c8-c9. Vasquez, P. K. (2002). Postaes do Brazil. São Paulo, Metalivros. Venturini, C. M. M. (2001). Cartão-Postal: o tempo de uma cidade. Belém: Lato & Sensu, v.2, n.3-4, p.90-92, dez. Vinha, A. M. C. N. (2001). Cartão-postal: cem anos de retrato da cidade de São Paulo Dissertação de Mestrado. São Paulo: FAUUSP. 14

Atividades sociais pre -congresso (20 a 23/06/2015) e po s-congresso (28/06 a 01/07/2015):

Atividades sociais pre -congresso (20 a 23/06/2015) e po s-congresso (28/06 a 01/07/2015): Atividades sociais pre -congresso (20 a 23/06/2015) e po s-congresso (28/06 a 01/07/2015): Viagens de 20 a 23/06/2015 ou 28/06 a 01/07/2015 (4 dias) Viagem ao Rio de Janeiro Essa é a oportunidade de conhecer

Leia mais

Viagem Cultural Rosário São Paulo 8ª série

Viagem Cultural Rosário São Paulo 8ª série Viagem Cultural Rosário São Paulo 8ª série Aprendizagem é mais do que aquisição ou apreensão da rede de determinados corpos de conhecimentos conceituais, selecionados socialmente como relevantes e organizados

Leia mais

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Ponta do Calabouço e adjacências: história, memória e patrimônio nos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro CHAMADA PÚBLICA DE TRABALHOS A faixa de terra

Leia mais

Planejamento e Gestão da Mobilidade em Grandes Metrópoles: reflexões acerca das estratégias de São Paulo para o turismo de negócios e eventos.

Planejamento e Gestão da Mobilidade em Grandes Metrópoles: reflexões acerca das estratégias de São Paulo para o turismo de negócios e eventos. Planejamento e Gestão da Mobilidade em Grandes Metrópoles: reflexões acerca das estratégias de São Paulo para o turismo de negócios e eventos Viviane Veiga Shibaki 1 Resumo A partir de reflexões acerca

Leia mais

BRASIL 2015: O VERDADEIRO RESULTADO DA COPA

BRASIL 2015: O VERDADEIRO RESULTADO DA COPA BRASIL 2015: O VERDADEIRO RESULTADO DA COPA Brasil, 2007 PIB R$ 1,8 trilhão Alfabetização 88,6% Expec. de Vida 71,7 anos PIB per capita US$ 8.402 Fonte: ONU e IBGE Brasil, 2015 PIB R$ 2,1 trilhões Alfabetização

Leia mais

JÚLIO GUERRA Lembranças de São Paulo

JÚLIO GUERRA Lembranças de São Paulo JÚLIO GUERRA Lembranças de São Paulo JÚLIO GUERRA Lembranças de São Paulo Universidade Presbiteriana Mackenzie Reitor Prof. Dr.-Ing. Benedito Guimarães Aguiar Neto Vice-Reitor Prof. Dr. Marcel Mendes Chanceler

Leia mais

Hotel Transamerica Internacional Plaza - TAYAR RESERVAS - on-line. Alameda Santos, 981 Cerqueira César - São Paulo

Hotel Transamerica Internacional Plaza - TAYAR RESERVAS - on-line. Alameda Santos, 981 Cerqueira César - São Paulo Hotel Transamerica Internacional Plaza - TAYAR RESERVAS - on-line Alameda Santos, 981 Cerqueira César - São Paulo Check in 12:00 horas e check out 12:00 horas. Estacionamento Cortesia Café da manhã incluído

Leia mais

Cartografia do circuito das artes visuais na cidade de São Paulo: uma análise da presença da arte no espaço urbano Mariana Dell Avanzi Universidade

Cartografia do circuito das artes visuais na cidade de São Paulo: uma análise da presença da arte no espaço urbano Mariana Dell Avanzi Universidade Cartografia do circuito das artes visuais na cidade de São Paulo: uma análise da presença da arte no espaço urbano Mariana Dell Avanzi Universidade de São Paulo mariana.avanzi@usp.br Estágio final da pesquisa

Leia mais

XXXII Congresso Brasileiro de Arritmias Cardíacas. Prezados colegas e associados,

XXXII Congresso Brasileiro de Arritmias Cardíacas. Prezados colegas e associados, XXXII Congresso Brasileiro de Arritmias Cardíacas 04 a 06 de novembro de 2015 Sheraton WTC São Paulo - SP O EVENTO XXXII Congresso Brasileiro de Arritmias Cardíacas Prezados colegas e associados, A Diretoria

Leia mais

Caio Luiz de Carvalho Presidente

Caio Luiz de Carvalho Presidente Caio Luiz de Carvalho Presidente Os desafios do Brasil Deixar de ser espectador e se tornar ator do processo. Todos os brasileiros. Profissionais ou espectadores, envolvidos diretamente ou não. Muitas

Leia mais

I Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisa e Pósgraduação em Arquitetura e Urbanismo

I Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisa e Pósgraduação em Arquitetura e Urbanismo I Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisa e Pósgraduação em Arquitetura e Urbanismo Centro Histórico de São Paulo: documentação e estudos de reabilitação Universidade Presbiteriana Mackenzie

Leia mais

TÍTULO: OSCAR NIEMEYER: TRAÇOS DE UM CARIOCA PERDIDO NA PAULICEIA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA

TÍTULO: OSCAR NIEMEYER: TRAÇOS DE UM CARIOCA PERDIDO NA PAULICEIA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA TÍTULO: OSCAR NIEMEYER: TRAÇOS DE UM CARIOCA PERDIDO NA PAULICEIA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ARQUITETURA E URBANISMO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI AUTOR(ES):

Leia mais

Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha

Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha Na frente ribeirinha de Lisboa, a poucos minutos do Parque das Nações, desenvolve-se um novo condomínio que enquadra toda a estrutura pré-existente

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DA CIDADE DE SÃO PAULO São Paulo Turismo

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DA CIDADE DE SÃO PAULO São Paulo Turismo OBSERVATÓRIO DO TURISMO DA CIDADE DE SÃO PAULO São Paulo Turismo Centrais de Informação Turística PERFIL DE PÚBLICO 2010 Atendimento ao Turista Desde 1983, as Centrais de Informação Turística funcionam

Leia mais

Mobilidade urbana, infra-estrutura e a Copa de 2014

Mobilidade urbana, infra-estrutura e a Copa de 2014 Mobilidade urbana, infra-estrutura e a Copa de 2014 Oportunidades para a arquitetura e a engenharia 8º Encontro da Arquitetura e da Engenharia Consultiva de São Paulo Sinaenco/sp 26 de agosto de 2008 Jurandir

Leia mais

SÃO PAULO TURISMO - OBSERVATÓRIO DE TENDÊNCIAS NÚMEROS DA CIDADE DE SÃO PAULO

SÃO PAULO TURISMO - OBSERVATÓRIO DE TENDÊNCIAS NÚMEROS DA CIDADE DE SÃO PAULO TURISMO - INDICADORES GERAIS Demanda Total de Turistas (estimativa) Principais Procedências - Internacionais 13,22 milhões; 84% Brasileiros, 16% Estrangeiros EUA, Argentina, Alemanha, Chile, Espanha 2013

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

Débora Machado. Relação de arquitetura e cidade como uma proposta de ocupação do espaço público, a importância da calçada no contexto urbano

Débora Machado. Relação de arquitetura e cidade como uma proposta de ocupação do espaço público, a importância da calçada no contexto urbano Débora Machado Relação de arquitetura e cidade como uma proposta de ocupação do espaço público, a importância da calçada no contexto urbano Avaliando as questões de transformação da sociedade, o texto

Leia mais

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo COPA Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo José Roberto Bernasconi Presidente Sinaenco São Paulo SP/Agosto/ 2010 1 1 Um histórico Os dois principais estádios

Leia mais

A ARQUITETURA. Professor H. Oliveira

A ARQUITETURA. Professor H. Oliveira A ARQUITETURA Professor H. Oliveira Quando os primeiros colonizadores portugueses fortificaram o litoral brasileiro e as ordens religiosas construíram os conventos e as igrejas, a arquitetura figurou como

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DA CIDADE DE SÃO PAULO São Paulo Turismo

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DA CIDADE DE SÃO PAULO São Paulo Turismo OBSERVATÓRIO DO TURISMO DA CIDADE DE SÃO PAULO São Paulo Turismo BOLETIM SEMESTRAL 2009/1 Introdução O Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo, como núcleo de acompanhamento de informações, estudos

Leia mais

BOLETIM MUSEU DA IMIGRAÇÃO Março Abril 2014

BOLETIM MUSEU DA IMIGRAÇÃO Março Abril 2014 O Boletim do Museu da Imigração chega à sua décima nona edição. Junto com a proposta de manter as comunidades e o público geral informados sobre o processo de restauro das edificações e reformulação do

Leia mais

artes visuais na capital

artes visuais na capital artes visuais na capital Na cidade de São Paulo, em função do tamanho da amostra, é possível comparar os resultados entre as diferentes regiões da cidade.! As páginas seguintes apresentam o número de entrevistados

Leia mais

2.3 A segregação social e a segregação espacial

2.3 A segregação social e a segregação espacial CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE 2.3 A segregação social e a segregação espacial Villaça (1998:142) comenta que há segregações das mais variadas

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2014-2015 Departamento de Ciências Humanas

Plano Anual de Atividades 2014-2015 Departamento de Ciências Humanas Visita de estudo Geografia Conhecer o funcionamento de uma unidade industrial; Reconhecer a importância da atividade industrial na economia. Geografia e Alunos do 9º Ano Unidade Industrial 2ºPeríodo Visita

Leia mais

Desafio National Geographic

Desafio National Geographic Desafio National Geographic Caderno de Campo Estudante 15 de Novembro de 2008 Antonio Milena (Dedoc / Ed. Abril) São Paulo, cidade-mundo São Paulo é hoje uma das cidades-mundo do planeta. Cidade com infinita

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Ícones urbanos, turismo e a produção do espaço na metrópole de São Paulo Urban icons, tourism and the space production in São Paulo city

Ícones urbanos, turismo e a produção do espaço na metrópole de São Paulo Urban icons, tourism and the space production in São Paulo city Comunicação Artigos Ícones urbanos, turismo e a produção do espaço na metrópole de São Paulo Urban icons, tourism and the space production in São Paulo city Viviane Veiga Shibaki Doutoranda na Faculdade

Leia mais

São Paulo. o perfil dos. cada ano esticam mais a estadia e começam a agregar, cada vez mais, o lazer ao trabalho. cidade. anuário 2012 CRIATIVA

São Paulo. o perfil dos. cada ano esticam mais a estadia e começam a agregar, cada vez mais, o lazer ao trabalho. cidade. anuário 2012 CRIATIVA São Paulo anuário 2012 o perfil dos visitantes Os turistas que visitam a capital paulista, a cada ano esticam mais a estadia e começam a agregar, cada vez mais, o lazer ao trabalho Turistas conheça o perfil

Leia mais

PERÍODO DE 22 À 26/10/14

PERÍODO DE 22 À 26/10/14 BELO HORIZONTE + CONGONHAS + TIRADENTES + SÃO JOÃO DEL REI + MARIANA + OURO PRETO Viagem no Túnel do tempo para conhecer parte da História do nosso Brasil e vivenciar pessoalmente tudo aquilo que está

Leia mais

Fotos Antigas de. Porto Alegre. Trabalho desenvolvido pelos estudantes da T5. nas aulas de Informática Educativa da

Fotos Antigas de. Porto Alegre. Trabalho desenvolvido pelos estudantes da T5. nas aulas de Informática Educativa da Fotos Antigas de Porto Alegre Trabalho desenvolvido pelos estudantes da T5 nas aulas de Informática Educativa da EMEF Porto Alegre/EPA - 1º semestre de 2009 Fotos Antigas de Porto Alegre 1801 a 1969 Século

Leia mais

Mosteiro dos Jerónimos Lisboa

Mosteiro dos Jerónimos Lisboa Mosteiro dos Jerónimos Lisboa 10 Mosteiro dos Jerónimos APRESENTAÇÃO Associado pela sua fundação às figuras de D. Manuel e de Vasco da Gama, o Mosteiro dos Jerónimos é uma obra-prima da arquitectura manuelina,

Leia mais

5 Proposta pedagógica da escola

5 Proposta pedagógica da escola 5 Proposta pedagógica da escola A escola onde este estudo se realizou localiza-se na periferia da cidade do Rio de Janeiro, e passou a integrar a rede FAETEC (Fundação de Apoio à Escola Técnica do Rio

Leia mais

MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA

MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA Mayas: revelação de um tempo sem fim reúne pela primeira vez mais de 380 objetos e homenageia esta civilização em todo

Leia mais

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL. Profª Ms. Déborah Rodrigues Borges

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL. Profª Ms. Déborah Rodrigues Borges HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL Profª Ms. Déborah Rodrigues Borges HERCULE FLORENCE: A DESCOBERTA ISOLADA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL o Antoine Hercule Romuald Florence nasceu em Nice, na França, no dia 29

Leia mais

Desvende os bairros da cidade de São Paulo que não estão nos tradicionais guias de turismo e que só os nossos guias especialistas conhecem.

Desvende os bairros da cidade de São Paulo que não estão nos tradicionais guias de turismo e que só os nossos guias especialistas conhecem. TOUR DE ARTE URBANA EM SÃO PAULO 1 Passageiro(s) R$490,00 2 Passageiro(s) R$560,00 3 Passageiro(s) R$630,00 4 Passageiro(s) R$700,00 5 12 Passageiro(s) R$1.300,00 A arte urbana e o grafite são fenômenos

Leia mais

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009.

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O Condomínio Ilhas do Sul abrange uma área total de 30.178m² e tem 118.000m² de área construída. O acesso se faz

Leia mais

A economia criativa movimenta R$ 40 bilhões por ano na Capital (10% do PIB), segundo a Prefeitura de São Paulo

A economia criativa movimenta R$ 40 bilhões por ano na Capital (10% do PIB), segundo a Prefeitura de São Paulo Uma nova área da economia paulistana ganha cada vez mais destaque. A indústria criativa - áreas culturais, artísticas e intelectuais - vem se desenvolvendo em vários setores, do design à arquitetura, passando

Leia mais

O QUE É MUSEU? Definições e Tipologias

O QUE É MUSEU? Definições e Tipologias O QUE É MUSEU? Definições e Tipologias Desde o início, o ICOM tinha como um dos seus objetivos definir museu. No primeiro número do ICOM News, em 1948, o museu é definido como voltado apenas para a coleção,

Leia mais

TÍTULO: A TEMPORALIDADE DA PAISAGEM URBANA DOS BAIRROS DA REPÚBLICA E SANTA CECÍLIA: UMA ANÁLISE FOTOGRÁFICA

TÍTULO: A TEMPORALIDADE DA PAISAGEM URBANA DOS BAIRROS DA REPÚBLICA E SANTA CECÍLIA: UMA ANÁLISE FOTOGRÁFICA TÍTULO: A TEMPORALIDADE DA PAISAGEM URBANA DOS BAIRROS DA REPÚBLICA E SANTA CECÍLIA: UMA ANÁLISE FOTOGRÁFICA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: ARTES VISUAIS INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DAS ELITES E A DECADÊNCIA DOS CENTROS DO RIO E DE SÃO PAULO. Arq. Flávio Villaça

A RESPONSABILIDADE DAS ELITES E A DECADÊNCIA DOS CENTROS DO RIO E DE SÃO PAULO. Arq. Flávio Villaça A RESPONSABILIDADE DAS ELITES E A DECADÊNCIA DOS CENTROS DO RIO E DE SÃO PAULO Arq. Flávio Villaça O objetivo deste texto é apresentar algumas consideraçãoes sobre a chamada "dacadência" dos centros de

Leia mais

QUAL O NÚMERO DE VEÍCULOS QUE CIRCULA EM SÃO PAULO?

QUAL O NÚMERO DE VEÍCULOS QUE CIRCULA EM SÃO PAULO? QUAL O NÚMERO DE VEÍCULOS QUE CIRCULA EM SÃO PAULO? RESENHA Carlos Paiva Qual o número de veículos que circula em um dia ou a cada hora do dia na Região Metropolitana, no município e no centro expandido

Leia mais

INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE

INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 244 INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE João Victor de Souza

Leia mais

O Turismo no Espaço Urbano da Cidade de São Paulo: as Fronteiras do Centro Expandido 1

O Turismo no Espaço Urbano da Cidade de São Paulo: as Fronteiras do Centro Expandido 1 O Turismo no Espaço Urbano da Cidade de São Paulo: as Fronteiras do Centro Expandido 1 Profa. Dra. Débora Cordeiro Braga 2 Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo Professora do Departamento

Leia mais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Rodolfo Finatti rodolfofinatti@yahoo.com.br FFLCH/USP Palavras-chave: condomínio empresarial, Região

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 A ATIVIDADE TURÍSTICA E O SEGMENTO DE EVENTOS. PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO GRAÇAS À COPA

Leia mais

ATIVIDADE COMPLEMENTAR A FAU/CEATEC PUC-CAMPINAS 2º SEMESTRE 2012

ATIVIDADE COMPLEMENTAR A FAU/CEATEC PUC-CAMPINAS 2º SEMESTRE 2012 ATIVIDADE COMPLEMENTAR A FAU/CEATEC PUC-CAMPINAS 2º SEMESTRE 2012 Unidade Acadêmica: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Titulo da Atividade: Viagem de Estudos a Belo Horizonte e Inhotim - MG Ano: 2º

Leia mais

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil RESENHAS Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil Erika Helena Bautto Completa, abrangente e extremamente didática, Marketing Turístico e de Hospitalidade:

Leia mais

uia do atleta ... ... SÃO PAULO - DE 4 A 6 DE JUNHO

uia do atleta ... ... SÃO PAULO - DE 4 A 6 DE JUNHO uia do atleta...... SÃO PAULO - DE 4 A 6 DE JUNHO ... Seja bem-vindo! É com grande satisfação que recebemos você, atleta da Caixa, para os Jogos Regionais Sul e Sudeste 2015. A quarta edição deste grande

Leia mais

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING TIME TO TIME IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM Marli Rudnik Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e uma delas é através do acervo e das exposições dos

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

Check in 14:00 horas e check out 12:00 horas. Estacionamento convenio a diária Café da manhã incluso das 0600 as 1000 horas

Check in 14:00 horas e check out 12:00 horas. Estacionamento convenio a diária Café da manhã incluso das 0600 as 1000 horas Hotel Marabá Design TAYAR RESERVAS - on-line Av. Ipiranga, 757 Centro São Paulo Check in 14:00 horas e check out 12:00 horas. Estacionamento convenio a diária Café da manhã incluso das 0600 as 1000 horas

Leia mais

Observatório do Turismo

Observatório do Turismo USUS 2012 Observatório do Turismo Cidade de São Paulo Brasil Turismo no Mundo 9,0% Representatividade no PIB Mundial em 2011 US$ 6,3 TRILHÕES Movimentação Financeira em 2011 980 MILHÕES Viagens no Mundo,

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Análise de obra arquitetônica: O prédio do Museu Brasileiro da Escultura (MUBE), de Paulo Mendes da Rocha.

Análise de obra arquitetônica: O prédio do Museu Brasileiro da Escultura (MUBE), de Paulo Mendes da Rocha. Análise de obra arquitetônica: O prédio do Museu Brasileiro da Escultura (MUBE), de Paulo Mendes da Rocha. Por Talles Lucena, educador do MuBE. O prédio do Museu Brasileiro da Escultura é um projeto do

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores Coleção educação em análise A literatura é um campo privilegiado para ocultar/desocultar sentidos, e os livros contemporâneos (muitas vezes plenos de mensagens que vão além do texto literário, estabelecendo

Leia mais

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO NÚCLEO DE AÇÃO EDUCATIVA O(S) USO(S) DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO EM SALA DE AULA BRUNA EVELIN LOPES SANTOS CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA

Leia mais

Sustentabilidade do Concreto

Sustentabilidade do Concreto Sustentabilidade do Concreto CONCRETO COM ALTA TECNOLOGIA PARA CLIENTES EXIGENTES MISSÃO Zelar pelo atendimento ao seu cliente e fornecer serviços de alta qualidade, com alto valor agregado. GRUPO CORTESIA

Leia mais

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Definição de Paisagem Natural / Cultural 1. Consideramos Paisagem todo o espaço que se abrange num lance de vista, e que é delimitado pela linha

Leia mais

OFICINA DO ATELIÊ À FOTOGRAFIA INTERFOTO 2015

OFICINA DO ATELIÊ À FOTOGRAFIA INTERFOTO 2015 OFICINA DO ATELIÊ À FOTOGRAFIA INTERFOTO 2015 AGOSTO 2015 1 APRESENTAÇÃO O Museu da Energia de Itu, pertencente à Fundação Energia e Saneamento, integra a Rede Museu da Energia composta por mais dois núcleos

Leia mais

OPÇÕES DE TURISMO DURANTE A FEIRA EM JOINVILLE

OPÇÕES DE TURISMO DURANTE A FEIRA EM JOINVILLE OPÇÕES DE TURISMO DURANTE A FEIRA EM JOINVILLE Roteiro Turístico por Joinville Saída do Hotel e iniciando pelo Museu da Imigração, Rua das Palmeiras, Panorâmico nas Praças do Imigrantes, da Barca, Prefeitura

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

Projeto Água Nossa de Cada Dia

Projeto Água Nossa de Cada Dia Projeto Água Nossa de Cada Dia http://pixabay.com/pt/gota-%c3%a1gua-macro-628142/ Público alvo: O projeto é destinado a todos os alunos da escola, devendo ser estendido também aos pais e comunidade escolar.

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

Hotel Transamérica Executive Perdizes TAYAR RESERVAS - on-line

Hotel Transamérica Executive Perdizes TAYAR RESERVAS - on-line Hotel Transamérica Executive Perdizes Hotel Transamérica Executive Perdizes Hotel Transamérica Executive Perdizes RUA MONTE RUA ALEGRE, MONTE ALEGRE, 835, São 835, Paulo São Paulo RUA MONTE ALEGRE, 835,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Ambientes de Realidade Virtual e Realidade Aumentada na Preservação do Patrimônio Histórico

Ambientes de Realidade Virtual e Realidade Aumentada na Preservação do Patrimônio Histórico Ambientes de Realidade Virtual e Realidade Aumentada na Preservação do Patrimônio Histórico Marcelo Knörich Zuffo Roseli de Deus Lopes Laboratório de Sistemas Integráveis (LSI) Departamento de Engenharia

Leia mais

"CARIMBOS FISIONÔMICOS URBANOS": PRODUZIDOS POR JOSÉ GIRARD E VALÉRIO VIEIRA NO INÍCIO DO SÉCULO XX

CARIMBOS FISIONÔMICOS URBANOS: PRODUZIDOS POR JOSÉ GIRARD E VALÉRIO VIEIRA NO INÍCIO DO SÉCULO XX HISTÓRIA CULTURAL: ESCRITAS, CIRCULAÇÃO, LEITURAS E RECEPÇÕES Universidade de São Paulo USP São Paulo SP 10 e 14 de Novembro de 2014 "CARIMBOS FISIONÔMICOS URBANOS": PRODUZIDOS POR JOSÉ GIRARD E VALÉRIO

Leia mais

Identidade. julho. Cultura. Património PERCURSOS. Marcas. agosto. Gentes. História CULTURAIS. Arte. setembro. Caminhos. Memórias

Identidade. julho. Cultura. Património PERCURSOS. Marcas. agosto. Gentes. História CULTURAIS. Arte. setembro. Caminhos. Memórias Identidade julho Cultura Património PERCURSOS Marcas agosto Gentes História CULTURAIS Arte setembro Caminhos Memórias PORTO OITOCENTISTA O século XIX, repleto de instabilidade político- -económica, causada

Leia mais

Bazar das Nações é uma exposição itinerante que tem como objetivo pesquisar, documentar, exibir e divulgar os tradicionais Mercados Centrais,

Bazar das Nações é uma exposição itinerante que tem como objetivo pesquisar, documentar, exibir e divulgar os tradicionais Mercados Centrais, Bazar das Nações é uma exposição itinerante que tem como objetivo pesquisar, documentar, exibir e divulgar os tradicionais Mercados Centrais, oriundos do Brasil Colônia próximos aos portos e alfândegas,

Leia mais

O lazer, a educação e o Programa Segundo Tempo. Victor Melo, Angela Brêtas, Monica Monteiro

O lazer, a educação e o Programa Segundo Tempo. Victor Melo, Angela Brêtas, Monica Monteiro O lazer, a educação e o Programa Segundo Tempo Victor Melo, Angela Brêtas, Monica Monteiro Universidade Federal do Rio de Janeiro O que é lazer? Quando atuamos no âmbito do lazer podemos destacar dois

Leia mais

ESTRADA REAL. Melhor época

ESTRADA REAL. Melhor época ESTRADA REAL Bem-vindo(a) ao Brasil do século XVIII. Era ao longo destes caminhos que as coisas aconteciam durante os 100 anos em que este foi o eixo produtivo mais rico do jovem país que se moldava e

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE.

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. Autor: ANTÔNIO CARLOS DE SOUZA E SÁ FILHO Introdução O Turismo de Eventos está em plena ascensão

Leia mais

MANUAL DO ALUNO TECHIMAGE VERSÃO 1/2010 ÍNDICE

MANUAL DO ALUNO TECHIMAGE VERSÃO 1/2010 ÍNDICE MANUAL DO ALUNO TECHIMAGE VERSÃO 1/2010 ÍNDICE CONTATO 01 COMPROMISSO 02 HOTEIS 03 ACESSO CARRO 03 ACESSO METRO 03 ACESSO ÔNIBUS 04 ESTACIONAMENTOS 05 RESTAURANTES: 05 CAIXA ELETRÔNICO: 05 ACESSO AO BOTÂNICO

Leia mais

O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens

O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens Jean Baptiste Debret nasceu em Paris, na França, em 18 de abril de 1768. Formado pela Academia de Belas Artes de Paris, Debret foi um dos membros da Missão

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Pesquisa de Demanda, Terminal Rodoviário e Turismo.

PALAVRAS-CHAVE Pesquisa de Demanda, Terminal Rodoviário e Turismo. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO

Leia mais

Criado para ser um ícone de modernidade, este novo projeto surge no horizonte paulistano como tendência em design. Perfeita união entre ousadia,

Criado para ser um ícone de modernidade, este novo projeto surge no horizonte paulistano como tendência em design. Perfeita união entre ousadia, Criado para ser um ícone de modernidade, este novo projeto surge no horizonte paulistano como tendência em design. Perfeita união entre ousadia, excelente localização, detalhes diferenciados, sofisticação

Leia mais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

GERAL. Porto Olímpico

GERAL. Porto Olímpico Porto Olímpico projeto O Porto Maravilha e o Porto Olímpico N Porto Olímpico aprox. 145.000m2 de área Porto Maravilha aprox. 5.000.000m2 de área aprox. 100.000m2 aprox. 45.000m2 Porquê o Porto? Porquê

Leia mais

3.4 Patrimônio histórico e cultural O Pólo Costa do Delta conta com 18 bens tombados, sendo 17 em Teresina e 1 em Parnaíba. Destes, a totalidade é

3.4 Patrimônio histórico e cultural O Pólo Costa do Delta conta com 18 bens tombados, sendo 17 em Teresina e 1 em Parnaíba. Destes, a totalidade é 3.4 Patrimônio histórico e cultural O Pólo Costa do Delta conta com 18 bens tombados, sendo 17 em Teresina e 1 em Parnaíba. Destes, a totalidade é tombada em nível estadual, apenas um bem é tombado pela

Leia mais

PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA E PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO: UMA INTERPRETAÇÃO A PARTIR DA IMPRENSA ESPECIALIZADA

PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA E PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO: UMA INTERPRETAÇÃO A PARTIR DA IMPRENSA ESPECIALIZADA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 492 PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA E PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO: UMA INTERPRETAÇÃO A PARTIR DA IMPRENSA

Leia mais

Mude seu ponto de vista sobre como morar

Mude seu ponto de vista sobre como morar Mude seu ponto de vista sobre como morar De tempos em tempos a humanidade descobre uma nova perspectiva de vida. A mente cria desejos. Desejos que abrem espaços. Espaços que se transformam em novos enfoques.

Leia mais

Projeto do Livro. Paisagens Art Déco, Arquitetura no Rio de Janeiro Virgilio Garbayo. Conteúdo

Projeto do Livro. Paisagens Art Déco, Arquitetura no Rio de Janeiro Virgilio Garbayo. Conteúdo Projeto do Livro Conteúdo Introdução Conceito Art Déco no Rio de Janeiro Cidade Maravilhosa, Urbanismo e humanidade Divulgar a arquitetura Art Déco no Rio de Janeiro Público alvo Análise de Competidores

Leia mais

RESTRIÇÃO NO TRÂNSITO DE CAMINHÕES - MARGINAL TIETÊ

RESTRIÇÃO NO TRÂNSITO DE CAMINHÕES - MARGINAL TIETÊ RESTRIÇÃO NO TRÂNSITO DE CAMINHÕES - MARGINAL TIETÊ Através da Portaria nº 143/11, a Secretaria dos Transportes da Cidade de São Paulo veio estabelecer as novas regras de restrições do trânsito de caminhões

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Butantã: a bola da vez na corrida imobiliária paulistana

Urban View. Urban Reports. Butantã: a bola da vez na corrida imobiliária paulistana Urban View Urban Reports Butantã: a bola da vez na corrida imobiliária paulistana coluna Minha cidade, meu jeito de morar e de investir programa Falando em Dinheiro Rádio Estadão ESPN Butantã: a bola da

Leia mais

DECRETO Nº 25974. de 15 de dezembro de 2008.

DECRETO Nº 25974. de 15 de dezembro de 2008. DECRETO Nº 25974 de 15 de dezembro de 2008. Institui o GEOPARQUE CICLO DO OURO DE GUARULHOS e dá diretrizes para sua estruturação com o objetivo de implantação e forma de gestão. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Informações Gerais. 1. Local. 4. Agência Oficial de Viagens. 2. Data. 3. Organização

Informações Gerais. 1. Local. 4. Agência Oficial de Viagens. 2. Data. 3. Organização 1. Local Centro de Exposições Imigrantes Rodovia dos Imigrantes Km 1,5 São Paulo, SP Tel. (55-11) 5073-7799 Fax (55-11) 5058-9400 E-mail: imigrantes@hotmail.com Descrição do Espaço O 57º Congresso da SBC

Leia mais

PALÁCIO DA BOLSA OFICIAL DE CAFÉ DE SANTOS/MUSEU DO CAFÉ VALORIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL E A SIGNIFICAÇÃO HISTÓRICA

PALÁCIO DA BOLSA OFICIAL DE CAFÉ DE SANTOS/MUSEU DO CAFÉ VALORIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL E A SIGNIFICAÇÃO HISTÓRICA PALÁCIO DA BOLSA OFICIAL DE CAFÉ DE SANTOS/MUSEU DO CAFÉ VALORIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL E A SIGNIFICAÇÃO HISTÓRICA Marjorie C.F. Medeiros Museu do Café de Santos Resumo Nos últimos anos o setor turístico

Leia mais

Roteiros Turísticos. [arte colonial]

Roteiros Turísticos. [arte colonial] Roteiros Turísticos [arte colonial] Ouro Preto [Arte Colonial] A Praça Tiradentes é o ponto central da cidade, como se fosse um divisor. A partir dela, podem-se programar as visitas. Como Ouro Preto possui

Leia mais

EDITAL CHAMADA ABERTA. 1. Introdução

EDITAL CHAMADA ABERTA. 1. Introdução EDITAL CHAMADA ABERTA 1. Introdução A X Bienal de Arquitetura de São Paulo será realizada de 28 de setembro a 24 de novembro de 2013, com a curadoria de Guilherme Wisnik, Ana Luiza Nobre e Ligia Nobre.

Leia mais

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 Cultura, história e gastronomia: análise de enquadramento do jornalismo gastronômico 1 RESUMO Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 O texto parte de uma pesquisa que tem como proposta realizar

Leia mais

Impressões sobre o Porto. Maria Zaclis Veiga FERREIRA 1

Impressões sobre o Porto. Maria Zaclis Veiga FERREIRA 1 Impressões sobre o Porto Maria Zaclis Veiga FERREIRA 1 Resumo Utilizando alguns preceitos sobre a fotografia como forma de contextualização do tema, o presente artigo trata da imagem fotográfica enquanto

Leia mais

NOÇÕES DE ARQUITETURA E URBANISMO

NOÇÕES DE ARQUITETURA E URBANISMO NOÇÕES DE ARQUITETURA E URBANISMO Profª. Me. Deborah de Almeida Rezende Profª. Me. Luri Sabina Cosme S. Matos / elaborou a aula Profª. Me. Ninfa Canedo INTERVENÇÃO URBANA Interferências Urbanas Requalificar

Leia mais

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo O Mercado Municipal de São Paulo é uma construção histórica localizada na região central da capital. Obra projetada pelo arquiteto Franscisco de Paula Ramos de

Leia mais

Como chegar Gestão Curiosidades Estatísticas Festas Populares

Como chegar Gestão Curiosidades Estatísticas Festas Populares Como chegar Gestão Curiosidades Estatísticas Festas Populares Geografia História Tradição Util Pública Centro urbano Além da oferta municipal, com clima agradável, incontáveis rios, cachoeiras e vilas

Leia mais

CADERNO DE CAMPO (GRUPO 13) DO IDEAL À REALIDADE EM TRANSFORMAÇÃO CONSIDERAÇÕES SOBRE A TRAJETÓRIA URBANO-ESTRUTURAL DO DISTRITO FEDERAL

CADERNO DE CAMPO (GRUPO 13) DO IDEAL À REALIDADE EM TRANSFORMAÇÃO CONSIDERAÇÕES SOBRE A TRAJETÓRIA URBANO-ESTRUTURAL DO DISTRITO FEDERAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA FLG0435 - TRABALHO DE CAMPO EM GEOGRAFIA I PROF. DR. TARIK REZENDE DE AZEVEDO CADERNO DE CAMPO (GRUPO

Leia mais

ASSUNÇÃO: A CAPITAL GUARANI E SEUS ENCANTOS. Carnaval 2012 4 dias e 3 noites 18 a 21/Fev

ASSUNÇÃO: A CAPITAL GUARANI E SEUS ENCANTOS. Carnaval 2012 4 dias e 3 noites 18 a 21/Fev ASSUNÇÃO: A CAPITAL GUARANI E SEUS ENCANTOS Carnaval 2012 4 dias e 3 noites 18 a 21/Fev VIAJANDO Dourados/Ponta Porã - Assunção 1º DIA Sábado- 18/Fev-2012 SAÍDA DE DOURADOS Viagem em carro adaptado ao

Leia mais