Aplicando Redes Definidas por So2ware em Sistemas de Computação em Nuvem

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aplicando Redes Definidas por So2ware em Sistemas de Computação em Nuvem"

Transcrição

1 Aplicando Redes Definidas por So2ware em Sistemas de Computação em Nuvem Laboratório de Arquitetura e Redes de Computadores Universidade de São Paulo SP Brasil Maio,

2 Autores Bruno Medeiros de Barros Marcos Antonio Simplicio Junior Tereza Cris>na Melo de Brito Carvalho Fernando Frota Redigolo Marco Antonio Torrez Rojas Ewerton Rodrigues Andrade Dino Raffael Cristofole> Magri 2

3 Agenda 1. Introdução 2. Computação em Nuvem e Virtualização de Redes 3. Redes Definidas por SoQware (So#ware- defined Networks - SDN) 4. Virtualização de Redes na Nuvem u>lizando SDN 5. Caso de Estudo com OpenDaylight e OpenStack 3

4 Introdução O papel das redes nos sistemas de computação em nuvem e sua relação com SDN 4

5 Principais ObjeCvos do Curso Introduzir a importância da virtualização de redes para a computação em nuvem, apresentando tecnologias atuais e tendências. Explorar a sinergia existente entre os paradigmas de computação em nuvem e SDN. Apresentar modelos arquiteturais para integração entre sistemas de computação em nuvem e SDN. Analisar estudo de caso u>lizando a plataforma de nuvem OpenStack e o controlador SDN OpenDaylight. 5

6 O Papel das Redes na Computação em Nuvem A era da computação em nuvem Redefiniu a forma como os recursos de computação são providos e consumidos. Maior escalabilidade e elas>cidade de recursos e aplicações. Consumo de serviços sob demanda (IaaS, PaaS, SaaS, etc.). Redução de custo e do tempo de lançamento de produtos e serviços. 6

7 O Papel das Redes na Computação em Nuvem Virtualização e pooling de recursos Virtualização cria uma camada de abstração lógica sobre a infraestrutura de recursos `sicos. Abordagem programá>ca para alocação de recursos sob demanda. Redução da complexidade no gerenciamento de recursos. U>lização eficiente dos recursos. Isolamento de recursos e aumento de segurança e disponibilidade. 7

8 O Papel das Redes na Computação em Nuvem O papel das redes de computadores Conectar componentes `sicos e virtualizados como servidores, recursos de armazenamento e aplicações. Agregar recursos de maneira eficiente, criando uma visão monolí>ca do pool de recursos. Viabilizar a entrega dos serviços baseados em computação em nuvem para o usuário final. 8

9 O Papel das Redes na Computação em Nuvem Virtualizando redes na nuvem Dentre os componentes virtualizados, as redes receberam menor atenção. Infraestruturas atuais suportam virtualização limitada (VLAN, GRE, bridges). Não há camada de abstração consistente e controle centralizado. Novos mecanismos de virtualização de redes são fundamentais para a evolução da computação em nuvem. 9

10 O Advento das Redes Definidas por So2ware O termo So(ware- defined Network (SDN) Originalmente apareceu em um ar>go de Kate Greene, em Habilidade do protocolo OpenFlow de configurar a tabela de fluxos u>lizando soqware. Capacidade de programação das redes de computadores. 10

11 O Advento das Redes Definidas por So2ware A ideia por trás do paradigma SDN Viabilizar a programação de redes de computadores. Pesquisas iniciadas logo após o advento da internet. Liderada principalmente pela indústria de telecomunicações. Redução dos custos de inves>mento e de operação. 11

12 O Advento das Redes Definidas por So2ware Redes programáveis em computação Grande interesse por parte dos fabricantes de hardware. Redução de cursos para provedores de serviços e mantenedores de datacenters. Virtualização e facilidade no par>cionamento de redes. Maior controle e poder de orquestração em grandes infraestruturas. Criação de padrões para a indústria e para a Internet do futuro. 12

13 O Advento das Redes Definidas por So2ware Duas ondas de inovação na computação em nuvem 1a onda: Virtualização de servidores Abstração da plataforma operacional Processador, memória, discos, etc. 2a onda: SDN Abstração da infraestrutura de redes Emergência de grandes controladores SDN orientado à integração com sistemas de computação em nuvem. 13

14 Computação em Nuvem e Virtualização de Redes Avaliação de mecanismos e aplicações para a virtualização de redes na nuvem 14

15 Virtualização e Computação em Nuvem Memória Virtual: Início em Mo>vado pelo alto custo das memórias de computadores. Surgimento do conceito de memória virtual. Pesquisas com algoritmos de paginação. Originou os atuais e complexos sistemas de cache mul>nível. 15

16 Virtualização e Computação em Nuvem Discos Virtuais: Naturalmente originado como próximo passo a par>r das pesquisas com memórias virtuais. Surgimento de drivers para execução de imagens de disco (iso, Virtual CD). Suporte a armazenamento remoto com suporte das redes de computadores. Origem dos atuais serviços de armazenamento na nuvem. 16

17 Virtualização e Computação em Nuvem Desktop Virtual: Resultou no surgimento da arquitetura Thin Client. Redução dos custos de inves>mento e operacionais. Disseminação do conceito de processamento remoto. Origem das pesquisas em virtualização de servidores. 17

18 Virtualização e Computação em Nuvem Servidores Virtuais: Resultou na abordagem de virtualização de datacenters. Integração de plataformas de múl>plos fabricantes. Viabilização da computação em nuvem. Redução de custos e do tempo de lançamento de produtos e serviços. Facilidade para escalar datacenters. 18

19 Virtualização e Computação em Nuvem Redes Virtuais: Maior controle e escalabilidade para as redes de datacenters Atender os requisitos fundamentais das infraestruturas de computação em nuvem (controle, elas>cidade, flexibilidade e escalabilidade). Viabilizar pesquisa e inovação na aérea de redes. Criação da internet do futuro. 19

20 Virtualização e Computação em Nuvem Tipos de virtualização Full Virtualiza=on Emula todos os recursos de hardware (ex: máquinas virtuais - VM). Aplicações independem da plataforma virtualizada. Hipervisor intercepta e traduz todas as chamadas e interrupções entre elementos virtuais e `sicos. Impacto sobre o desempenho e limitações de I/O. Unchanged Guest OS Emulated Hardware Unchanged Guest OS Emulated Hardware Hypervisor Hardware Unchanged Guest OS Emulated Hardware 20

21 Virtualização e Computação em Nuvem Tipos de virtualização Para- Virtualiza=on Diminui overhead de virtualização através de soqware de emulação. Hipervisor orquestra e escalona uso de recursos. Requere modificação das aplicações executadas no ambiente virtualizado. Aumento de desempenho. Paravirtualized Guest OS Paravirtualized Guest OS Hypervisor Hardware Paravirtualized Guest OS 21

22 Virtualização e Computação em Nuvem Tipos de virtualização Para- Virtualized Drivers Combinação das duas técnicas anteriores. Aplicações virtuais podem u>lizar recursos reais de hardware. Comumente aplicado a disposi>vos de rede e armazenamento. Requere modificações no hipervisor e/ ou no sistema hospedeiro. Aumento de desempenho. Unchanged Guest OS Emulated Hardware Para- virtualized Driver Unchanged Guest OS Emulated Hardware Hypervisor Para- virtualized Driver Hardware Unchanged Guest OS Emulated Hardware Para- virtualized Driver 22

23 Virtualização e Computação em Nuvem Por que virtualizar? ComparTlhamento de recursos Aproveitamento de recursos ociosos Maior eficiência na u>lização do hardware Redução de custos de 29% a 64% Agregar recursos Combinação de recursos de menor capacidade computacional Economia na aquisição de novos recursos Dinamicidade Agilidade e flexibilidade no provisionamento e realocação de recursos 23

24 Virtualização e Computação em Nuvem Por que virtualizar? Facilitar gerenciamento Facilidade de manutenção dos recursos de infraestrutura `sica e virtual Abstração dos recursos na forma de uma estrutura monolí>ca Centralização do controle Isolamento Recursos lógicos e/ou `sicos Entre usuários, serviços e/ou aplicações Maior segurança de dados Maior disponibilidade de serviços 24

25 Virtualização e Computação em Nuvem Desvantagens de um ambiente virtualizado Desempenho U>lizar um soqware de virtualização implica em consumo extra de recursos computacionais. Soluções de para- virtualização reduzem o impacto sobre o desempenho. 25

26 Virtualização e Computação em Nuvem Desvantagens de um ambiente virtualizado Gerenciamento Mudanças do paradigma de gestão de recursos. Maior quan>dade de recursos digitais (ex: aplicações, arquivos de configuração). Segurança Novos desafios introduzidos pelo compar>lhamento de recursos de hardware. 26

27 Mecanismos de Virtualização de Redes Elementos de rede virtualizáveis Network Interface Card (NIC) Switches de camada 2 (L2) Redes de camada 2 (LAN) Roteadores de camada 3 (L3) Redes de camada 3 (WAN) L2 Networks NICs L3 Routers L2 Switches L3 Networks 27

28 Mecanismos de Virtualização de Redes Network Interface Card (NIC) Hipervisor vnic Hipervisor implementa NICs virtuais (vnic) u>lizadas pelas VMs. vnic se conecta com a NIC através de virtual switches (vswitches). Transparência e simplicidade de implantação. Geralmente implementada por fornecedores de soqware. NICs L3 Routers L2 Switches 28

29 Mecanismos de Virtualização de Redes Network Interface Card (NIC) SR- IOV Single Root I/O Virtualiza=on. Virtualização assis>da por hardware (para- virtualização de drivers). Permite conexão direta entre vnic e NIC eliminando soqwares intermediários. Aumento de performance. Implementada por fabricantes de hardware (ex: Intel VT- C) NICs L3 Routers L2 Switches 29

30 Mecanismos de Virtualização de Redes Network Interface Card (NIC) VEPA Virtual Ethernet Port Aggregator. Comunicação entre VMs implementada por switch `sico externo através de canais virtuais. Implementada por fornecedores de switch. Reduz consumo de recursos do servidor. Maior visibilidade do tráfego entre VMs. NICs L3 Routers L2 Switches 30

31 Mecanismos de Virtualização de Redes Switches (L2) Número limitado de portas em switches `sicos. Dificilmente escalável com o número de máquinas (`sicas ou virtuais) em uma rede L2. Bridge Port Extension (802.1BR) virtualiza portas do switch para processar tráfego de múl>plas VMs do servidor. NICs L3 Routers L2 Switches 31

32 Mecanismos de Virtualização de Redes Redes de camada 2 (L2) VMs em um datacenter podem pertencer a múl>plos usuários. VMs do mesmo usuário requerem conec>vidade em camada 2 (LAN). Virtual Local Area Network (VLAN) implementa isolamento de tráfego entre usuários. VLAN ID processado por elementos virtuais e reais da camada 2. L2 Networks NICs L3 Routers L2 Switches 32

33 Mecanismos de Virtualização de Redes Roteadores (L3) Recursos de hardware e soqware limitados. Dificulta agregar novas funcionalidades. Network FuncEon virtualiaeon (NFV) permite o desenvolvimento de roteadores virtuais e outras aplicações de camada3. Como exemplo, temos os roteadores virtuais Brocade Vyaaa. NICs L3 Routers L2 Switches 33

34 Mecanismos de Virtualização de Redes Redes de camada 3 (L3) Ambientes de redes mul>usuário podem ser estendidos para a camada 3 (múl>plos datacenters). Protocolos de tunelamento permitem encapsular e isolar tráfego de camada 2 virtualizado. Dentre os protocolos mais u>lizados estão VXLAN, NVGRE, STT. NICs L3 Routers L2 Switches L3 Networks 34

35 Aplicação de Redes Virtuais na Nuvem Redes em datacenters de nuvem vswitches: conectam VMs à interface de rede do servidor. Switches Top- of- Rack (TOR): conectam servidores virtualizados. Switches Agregadores: conectam switches TOR. Switches CORE: conecta switches agregadores e provê conec>vidade em camada 3. 35

36 Aplicação de Redes Virtuais na Nuvem Por que utlizar redes virtuais na nuvem? Aplicações executadas em VMs. VMs de um usuário executadas em diferentes servidores. Isolamento de tráfego entre múl>plos usuários. Segurança de dados. Escalabilidade com conec>vidade. 36

37 Aplicação de Redes Virtuais na Nuvem Mecanismos de virtualização comumente aplicados na nuvem Virtualização de NIC vnics são implementadas pelo hipervisor para prover conec>vidade para VMs em ambiente de full virtualiza=on. SR- IOV é u>lizado em aplicações que exigem alto nível de desempenho e já está sendo integrado às plataformas de orquestração como o OpenStack. 37

38 Aplicação de Redes Virtuais na Nuvem Mecanismos de virtualização comumente aplicados na nuvem Switches e redes L2 Switches virtuais implementam conec>vidade entre VMs no mesmo servidor (internal bridges) ou em servidores diferentes (external bridges). VLAN é suportado pela maioria dos switches `sicos e virtuais e u>lizado para isolamento de tráfego em redes L2. Open vswitch é uma das implementações mais u>lizadas 38

39 Aplicação de Redes Virtuais na Nuvem Mecanismos de virtualização comumente aplicados na nuvem Roteadores e redes L3 Protocolos de tunelamento implementa conec>vidade em L2, de maneira transparente, u>lizando um protocolo de camada 3. Os protocolos mais u>lizados são VXLAN, GRE, NVGRE e STT. Roteadores virtuais e outras aplicações baseadas em NFV são facilmente integráveis a plataformas de nuvem por meio de imagens de VMs. 39

40 Segurança em Redes Virtuais na Nuvem Novos desafios introduzidos pela nuvem Proteção de dados crítcos trafegados em infraestrutura de redes compar>lhadas. Isolamento fsico e lógico dos recursos u>lizados pelos diferentes usuários do Sistema de nuvem. Segurança para as APIs u>lizadas para gerenciar remotamente os recursos alocados na nuvem. AutenTcação e gerenciamento de vários níveis de autorização para diferentes serviços prestados pela nuvem. 40

41 Segurança em Redes Virtuais na Nuvem Cenários de ameaças 1) Tenant- to- Tenant Usuário legí>mo e malicioso promove ataque contra outro usuário legí>mo. Faz uso das vulnerabilidades da infraestrutura de virtualização de redes. Quebra isolamento entre recursos virtuais. 41

42 Segurança em Redes Virtuais na Nuvem Cenários de ameaças 2) Tenant- to- Provider Usuário legí>mo e malicioso promove ataque contra provedor do serviço de nuvem. Faz uso das vulnerabilidades da infraestrutura de rede `sica e virtual. Quebra isolamento entre recursos virtuais e `sicos. 42

43 Segurança em Redes Virtuais na Nuvem Cenários de ameaças 3) Provider- to- Tenant Operador malicioso do serviço de nuvem promove ataque contra usuário legí>mo. Faz uso da infraestrutura de virtualização com privilégios de acesso diferenciados. Quebra isolamento entre recursos virtuais e `sicos. 43

44 Segurança em Redes Virtuais na Nuvem Origens das ameaças Isolamento Físico Ameaças originadas do compar>lhamento de recursos de hardware como NICs, switches e roteadores. Ataques comuns estão relacionados à exaustão do recurso compar>lhado por um dos usuários que o compar>lham. VM vswitch VM Server eth0 VM VM Excessive use of bandwidth 44

45 Segurança em Redes Virtuais na Nuvem Origens das ameaças Isolamento Lógico Ameaças originadas do compar>lhamento de recursos de soqware e/ou de soqware como vswitch, bridges, vrouters. Ataques comuns estão relacionados ao envio excessivo de requisições para a aplicação compar>lhada. VM VM Server vswitch VM VM Source MAC AA:AA:AA:AA:AA:A Source MAC BB:BB:BB:BB:BB:B Source MAC CC:CC:CC:CC:CC:CC MAC flooding aaack 45

46 Segurança em Redes Virtuais na Nuvem Origens das ameaças AutenTcação Ameaças originadas de falhas de auten>cação de usuários ou aplicações na rede. Ataques comuns estão relacionados à exploração de algoritmos de auten>cação e ao roubo de credenciais e chaves criptográficas. 46

47 Segurança em Redes Virtuais na Nuvem Origens das ameaças Autorização Ameaças originadas da aquisição ou modificação não autorizada de credenciais e permissões sobre uma rede. Ataques comuns estão relacionados à exploração de módulos de autorização e gestão de credenciais em plataformas de nuvem. 47

48 Escalabilidade de Redes Virtuais na Nuvem A virtualização de redes é fundamental para garan>r os requisitos de escalabilidade da nuvem. Tecnologias como VLAN e SR- IOV têm limitações intrínsecas relacionadas ao número de VMs conectadas. Necessário uma camada de abstração que permita maior integração e controle sobre as tecnologias de virtualização. 48

49 Disponibilidade de Redes Virtuais na Nuvem Virtualização prove maior facilidade de replicação e migração de domínios de rede na nuvem. Redundância de links e serviços são gerenciadas com maior facilidade. É fundamental a eliminação de pontos únicos de falha em recursos `sicos e virtuais. 49

50 Redes Definidas por So2ware (SDN) Conceitos, tecnologias e sua importância no cenário de virtualização de redes 50

51 Desenvolvimento das Redes Programáveis Uma perspectva histórica A empolgação em torno do conceito de SDN é rela>vamente recente. Mo>vada por áreas de aplicação como virtualização de rede e computação em nuvem. A ideia de redes programáveis é resultado de mais de 20 anos de pesquisas nas área de comunicações. Podemos organizar sua evolução das redes programáveis em 3 fases. 51

52 Desenvolvimento das Redes Programáveis Redes ATvas ( ) Aumento na u>lização da Internet e da diversidade de aplicações. Demanda por um ambiente para implantar e testar novas ideias. Impulsionado pela necessidade de reduzir custos de operação. Introduziu a ideia de funções de rede programáveis. Demul>plexação de pacotes implementado em soqware executado em nós de rede. 52

53 Desenvolvimento das Redes Programáveis Separação entre plano de controle e plano de dados ( ) O aumento do tráfego de internet chamou a atenção da indústria, produzindo protocolos de encaminhamento embarcados. Centralizar o controle para gerenciar topologias complexas tornou- se necessário (RCP). Desenvolvimento de interfaces entre planos de dados e controle (ForCES). 53

54 Desenvolvimento das Redes Programáveis Protocolo OpenFlow ( ) Demanda crescente por interfaces abertas entre plano de dados e plano de controle. Criado a par>r do projeto Ethane, implandado em Stanford. Controle centralizado u>lizando switches com tabelas de fluxo programáveis. Implementação imediata em hardware existente. Introduziu a visão de um sistema operacional de redes. 54

55 SDN e Internet do Futuro Ossificação da Internet Projetada há mais de 30 anos para atender requisitos específicos. Crescimento do número de usuários e de aplicações. Fortemente fundamentada na u>lização do TCP/IP na camada de rede. Correções através de aplicações em outras camadas (NAT, DNS, IPsec) 55

56 SDN e Internet do Futuro Internet do Futuro Abordagem clean- slate, incremental e evolu>va. Evoluir e manter compa>bilidade com o modelo atual. Virtualização de redes e ambientes de experimentação (GENI, FIBRE) Rede programável como plataforma de inovação. Novas funcionalidades. 56

57 SDN e Internet do Futuro SDN como plataforma para Internet do Futuro Programação de redes através do protocolo OpenFlow. Sistemas operacionais de rede (controladores SDN) atuam como plataformas de desenvolvimento e execução de aplicações de rede. Visão lógica da infraestrutura de rede e controle centralizado. 57

58 Arquitetura SDN Plano de Controle Define lógica de encaminhamento de pacotes. Contém sistema operacional de redes (controladores SDN). Plataforma para execução de aplicações de controle. Provê serviços básicos de rede (monitorar topologia, ARP, status dos nós, etc.) 58

59 Arquitetura SDN Plano de Dados Composto pelos elementos `sicos e virtuais responsáveis pelo encaminhamento de pacotes. Devem suportar protocolos implementados pela southbound API. No>ficam plano de controle sobre eventos assíncronos. 59

60 Arquitetura SDN Plano de Aplicação Composto por aplicações externas à plataforma de controle. Interagem com as aplicações de controle por meio da northbound API. Abstração das operações de executadas pela lógica de controle. 60

61 Arquitetura SDN Southbound API Interface de comunicação entre controladores e plano de dados. U>lizada para programação dos nós de rede (`sicos e virtuais) através das aplicações de controle. Protocolos comumente u>lizados são OpenFlow, OVSDB, NETCONF. 61

62 Arquitetura SDN Northbound API Interface de comunicação entre controladores e aplicações externas. Aplicações orientadas à logica de negócio e monitoração da rede. Comumente implementada na forma de APIs REST ou RPC. 62

63 Protocolo OpenFlow Visão Geral Uma das interfaces southbound mais u>lizadas na atualidade. Amplamente suportado por fabricantes de soqware e hardware. Padronizado pela Open Networking Founda>on (ONF). Simplicidade, desempenho e baixo custo de implantação. 63

64 Protocolo OpenFlow Funcionamento do Switch OpenFlow Implementação do protocolo em soqware embarcado. Comunicação segura entre switch e controlador. Pode ser implementado em sistemas legados que possuem sua própria lógica de encaminhamento. Funcionamento baseado na configuração dinâmica de regras de fluxo. 64

65 Protocolo OpenFlow Funcionamento do Switch OpenFlow Pode operar em modo proa>vo ou rea>vo. ProaTvo: controlador pré- configura grande quan>dade de fluxos nos switches. ReaTvo: configuração de fluxo a par>r de eventos assíncronos lançados pelo switch e no>ficando o controlador. Uma vez não encontrada a regra de fluxo necessária, o pacote é encaminhado para o controlador. 65

66 Protocolo OpenFlow Tabela de fluxos (flow tables) Fluxos definem regras de encaminhamento de pacotes no plano de dados. Configurados através de mensagens Openflow enviadas pelo controlador. Armazenam o mapeamento de padrões de pacotes para ações de encaminhamento a serem executadas. 66

67 Protocolo OpenFlow Tabela de fluxos (flow tables) Match (Regra) Informações que definem padrões que iden>ficam os pacotes recebidos pelo switch OpenFlow. Padrões baseados em informações provenientes do cabeçalho dos pacotes de rede recebidos ou do número de portas de entrada e saída do switch. 67

68 Protocolo OpenFlow Tabela de fluxos (flow tables) Ações Define conjunto de ações de encaminhamento a serem executadas pelo switch OpenFlow. Executadas a par>r da iden>ficação de uma regra. 4 Funcionalidades básicas. 68

69 Protocolo OpenFlow Tabela de fluxos (flow tables) EstalsTcas (Contadores) Armazenam um conjunto de estazs>cas relacionadas à regra de fluxo. Número de pacotes que atendem ao padrão estabelecido para o fluxo. Tempo decorrido desde a úl>ma execução da regra de fluxo (detecção de fluxos ina>vos). 69

70 Protocolo OpenFlow Exemplos de entradas na tabela de fluxo Encaminhamento simples Encaminhamento baseado em fluxo Firewall 70

71 Controladores SDN Serviços providos pelos controladores SDN Serviços básicos de rede Aplicações básicas de rede que implementam protocolos, topologias e interação com disposi>vos. Exemplos: ARP, mapeamento de topologia e monitoração de estado de disposi>vos. 71

72 Controladores SDN Serviços providos pelos controladores SDN Serviços de gerenciamento de redes Aplicações de rede que fazem uso dos serviços básicos para implementar funcionalidades orientadas à gestão de redes. Exemplos: Auten>cação e autorização, criação de redes virtuais e par>cionamento de redes. 72

73 Controladores SDN Serviços providos pelos controladores SDN Serviços centrais Aplicações essenciais orientadas ao gerenciamento e orquestração da operação do controlador SDN. Exemplos: Mensagens, ciclo de vida de aplicações, e registro de novos serviços. 73

74 Controladores SDN Serviços providos pelos controladores SDN Serviços customizados Aplicações de redes desenvolvidas por terceiros e executadas sobre a plataforma do controlador SDN. Exemplos: Prevenção contra DDoS, balanceamento de carga e firewall. 74

75 Controladores SDN Avaliação de controladores SDN: Linguagem de programação; Curva de aprendizado; Tamanho da base de usuários; Suporte (comunidade ou empresa); Foco: Southbound API ou Northbound API? Integração com ambientes de nuvem? Educação, pesquisa ou produção? 75

76 Controladores SDN Principais controladores SDN NOX/POX Ryu Floodlight OpenDaylight Juniper Contrail OpenContrail Beacon Outros em: h}p://www.sdncentral.com/sdn- controllers- comprehensive- list/ 76

77 Controladores SDN Visão geral do NOX Primeira geração de controladores OpenFlow; Open source, estável e amplamente u>lizado; Duas versões do controlador: NOX- Classic C++ e Python; Oficialmente não é mais suportado. NOX ( novo NOX ) C++; Código mais organizado e com melhor desempenho; Suporte oficial. 77

78 Controladores SDN Visão geral do NOX Programas de controle implementados em C++; Suporte a OpenFlow v1.0 Possui versões não oficiais com suporte às versões OpenFlow 1.1, 1.2 e 1.3 criado pelo CPqD - h}ps://github.com/cpqd Programação orientada a eventos. 78

79 Controladores SDN Quando utlizar o NOX? Quando possuir conhecimentos em C++; Quando deseja u>lizar semân>ca OpenFlow de baixo nível; Quando necessitar de desempenho em nível de produção. 79

80 Controladores SDN Visão geral do POX POX é uma implementação Python, open source, do NOX; Suporte apenas a versão 1.0 do protocolo OpenFlow; Amplamente u>lizado; Possui suporte oficial; Menor tempo de aprendizagem quando comparado com outros controladores (ex. NOX); Baixo desempenho. 80

81 Controladores SDN Quando utlizar o POX? Quando possui (ou deseja adquirir) conhecimentos na linguagem Python; Quando não necessitar de alto desempenho no controle da rede; Quando dispõe de pouco tempo para implementação e/ou experimentação; Quando desejar um controlador para fins didá>cos. 81

82 Controladores SDN Visão geral do Ryu Ryu é um controlador Python open source; Suporte às versões 1.0, 1.2, 1.3 e 1.4 do protocolo OpenFlow; Possui integração com o ambiente de computação em nuvem OpenStack; Tempo de aprendizagem moderado; Baixa performance. 82

83 Controladores SDN Quando utlizar o Ryu Quando possuir conhecimento na linguagem de programação Pyhton; Quando não necessitar de aplicações de alto desempenho; Quando necessitar u>lizar versões mais recentes do protocolo OpenFlow (1.3 ou 1.4); Quando necessitar de integração com OpenStack. 83

84 Controladores SDN Visão geral do Floodlight Floodlight é um controlador Java open source; Suporta apenas a versão 1.0 do protocolo OpenFlow; Suporte da Big Switch Networks; Documentação de boa qualidade; Alto desempenho; Permite interação com o controlador a par>r de uma API REST; Integração com OpenStack; Maior tempo de aprendizagem. 84

85 Controladores SDN Quando usar o Floodlight? Quando possuir conhecimentos na linguagem de programação Java; Quando necessitar de desempenho e suporte em níveis de produção; Quando necessitar interagir com o controlador por meio de uma API RE 85

86 Controladores SDN Visão geral do OpenDaylight OpenDaylight é um controlador Java open source; Plataforma de programação de redes baseada em diferentes padrões industriais, Desempenho a níveis adequados para produção; Integração com o sistema OpenStack; Maior complexidade e tempo de aprendizado; Northbound e Southbound API claramente definidas. 86

87 Controladores SDN Quando utlizar o OpenDaylight? Quando possuir conhecimentos na linguagem Java; Quando necessitar de desempenho e suporte em níveis de produção; Quando necessitar de integração com OpenStack; Quando desejar trabalhar com aplicações modulares; Quando desejar trabalhar com aplicações suportadas por terceiros. 87

88 Controladores SDN Comparando Controladores SDN A escolha do melhor controlador SDN depende das suas necessidades! Controladores NOX POX Ryu Floodlight ODL Linguagem C++ Python Python Java Java Desempenho Alto Baixo Baixo Alto Alto OpenFlow 1.0 (CPqD: 1.1, 1.2, 1.3) , 1.1, 1.3, , 1.3 OpenStack Não Não Sim Sim Sim Dificuldade de aprendizagem Moderada Fácil Moderada Di`cil Di`cil 88

89 SDN e Virtualização de Redes Virtualização de redes X SDN SDN e virtualização de redes são conceitos diferentes, porém, fortemente relacionados. Interesse por virtualização de redes foi renovado com o advento do paradigma SDN. Virtualização proporciona uma visão lógica da rede, desconectada da infraestrutura `sica. 89

90 SDN e Virtualização de Redes Virtualização de redes X SDN Virtualização possibilita a criação de múl>plas redes lógicas compar>lhando a mesma infraestrutura. SDN prove os mecanismos de controle necessários para gerenciar topologias cada vez mais complexas. SDN consolida a programabilidade de redes e um arcabouço para inovação. 90

91 SDN e Virtualização de Redes Aplicando SDN na virtualização de redes Separação entre planos de dados e controle Padronização de interface entre plano de dados e plano de controle. Integração de equipamentos de diferentes fornecedores. Facilidade para implantar, configurar e atualizar funcionalidades de virtualização. 91

92 SDN e Virtualização de Redes Aplicando SDN na virtualização de redes Programabilidade de redes Acelera inovação em soluções para virtualização de redes. Dinamicidade para operar e escalar redes virtualizadas. Habilita a criação de ferramentas de automação para criação e gerenciamento de redes virtuais. 92

93 SDN e Virtualização de Redes Aplicando SDN na virtualização de redes Controle centralizado Implementa uma plataforma operacional executada sobre uma visão lógica unificada da infraestrutura de rede. Controladores SDN concentram toda a lógica de encaminhamento de pacotes através da execução de aplicações de controle. Centralização das configurações e polí>cas de gerenciamento de redes virtuais. 93

94 SDN e Virtualização de Redes Aplicando SDN na virtualização de redes Automação Agilidade e automação dos mecanismos de criação, operação e manutenção de redes virtuais. Redução de custos de operação e gerenciamento. Redução do número de falhas. 94

95 Escalabilidade de Redes e SDN Escalabilidade do plano de dados é pouco afetada pelo paradigma SDN. Controle do tamanho das tabelas de fluxo a par>r do plano de controle. Escalabilidade do plano de controle deve manter latência de comunicação entre nós e controladores. Configuração proa>va de fluxos diminui a demanda de comunicação entre planos de dados e de controle. Distribuição do plano de controle. 95

96 Disponibilidade de Redes e SDN Ponto único de falha no plano de controle afeta disponibilidade da rede. Implementar redundância de nós de controle. Balanceamento de carga para requisições enviadas ao plano de controle. Dependente de sistemas de sincronização de dados entre controladores. HyperFlow: Publish/Subscribing messages Onix e ONOS: APIs de aplicação 96

97 Segurança de Redes e SDN Vetores de risco Vulnerabilidades de segurança em controladores SDN Ausência de mecanismos de segurança entre aplicações e controladores. Vulnerabilidades de segurança na operação e administração de plataformas SDN. Vulnerabilidades de soqware em switches que compõem o plano de dados. Ausência de técnicas forenses. 97

OpenStack. Cloud Software

OpenStack. Cloud Software OpenStack Cloud Software O que é o OpenStack? Concebido como um SO para a nuvem Todo em código aberto Infraestrutura de nuvem como serviço (IaaS) Nuvens públicas ou privadas Composto por um conjunto de

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Redes definidas por software e Computação em Nuvem Prof. Rodrigo de Souza Couto PARTE 1 REDES DEFINIDAS POR SOFTWARE (SDN) 2 Bibliografia Esta aula é baseada

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Redes definidas por software e Computação em Nuvem Prof. Rodrigo de Souza Couto Informações Gerais Prof. Rodrigo de Souza Couto E-mail: rodsouzacouto@ieee.org

Leia mais

Virtualização: VMWare e Xen

Virtualização: VMWare e Xen Virtualização: VMWare e Xen Diogo Menezes Ferrazani Mattos Professor: Otto Carlos Disciplina: Redes I Universidade Federal do Rio de Janeiro POLI/COPPE 1 Introdução Virtualização Divisão da máquina física

Leia mais

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral da solução Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral À medida que tecnologias como nuvem, mobilidade, mídias sociais e vídeo assumem papéis

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores 3º Ano Sistemas de Informação 2008 Aula 05A: Hub/Switch/Gateway Servidores e Virtualização Prof. Msc. Ricardo Slavov ricardo.slavov@aes.edu.br Roteiro Pedagógico HUB Switch Bridge

Leia mais

SDN: Evolução das Redes Programáveis

SDN: Evolução das Redes Programáveis SDN: Evolução das Redes Programáveis Marcelo Fernandes Systems Engineer Setembro, 2013 SDN: O que há de novo? Redes que conhecem as aplicações Aplicações que conhecem as redes Redes provêem serviços e

Leia mais

Minicurso Computação em Nuvem Prática: Openstack

Minicurso Computação em Nuvem Prática: Openstack Grupo de Pesquisa em Software e Hardware Livre André Rover de Campos Membro Colméia andreroverc@gmail.com Joinville Minicurso Computação em Nuvem Prática: Openstack Roteiro Definições Virtualização Data

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

Minicurso Computação em Nuvem Prática: Openstack

Minicurso Computação em Nuvem Prática: Openstack Minicurso Computação em Nuvem Prática: Openstack Glauber Cassiano Batista Ricardo Sohn Membros Colméia Roteiro Geral Definições Virtualização Data center Computação em Nuvem Principais classificações:

Leia mais

Novos paradigmas de redes: Aonde e porque adotá-los

Novos paradigmas de redes: Aonde e porque adotá-los Novos paradigmas de redes: Aonde e porque adotá-los Novos paradigmas de redes: Aonde e porque adotá-los O contexto SDN O conceito NFV O conceito Aproximando as duas abordagens Virtualização de acesso Nossa

Leia mais

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com Cloud Computing Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing O

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Computação em Nuvem Introdução Centralização do processamento Surgimento da Teleinformática Década de 60 Execução de programas localmente Computadores

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Redes definidas por software e Computação em Nuvem Prof. Rodrigo de Souza Couto PARTE 1 REDES DEFINIDAS POR SOFTWARE (SDN) 2 Bibliografia Esta aula é baseada

Leia mais

Towards Secure and Dependable Software-Defined Networks. Carlos Henrique Zilves Nicodemus

Towards Secure and Dependable Software-Defined Networks. Carlos Henrique Zilves Nicodemus Towards Secure and Dependable Software-Defined Networks Carlos Henrique Zilves Nicodemus Sumário Introdução Vetores de Ameaças Segurança e Confiabilidade em SDN Exemplo de Design Trabalhos Relacionados

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_4: OpenStack

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_4: OpenStack OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_4: OpenStack Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br OpenStack OpenStack é um projeto de computação em nuvem criado em julho de 2010, fruto de

Leia mais

Uma Proposta de Framework de Comparação de Provedores de Computação em Nuvem

Uma Proposta de Framework de Comparação de Provedores de Computação em Nuvem Uma Proposta de Framework de Comparação de Provedores de Computação em Nuvem Igor G. Haugg Bolsista PIBITI/CNPq Orientador: Dr. Rafael Z. Frantz Área de Pesquisa Integração de Aplicações Empresariais Computação

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Arquitetura Sistemas Operacionais Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano de Aula Sistemas monolíticos Sistemas em camadas Sistemas micro-núcleo Modelo Cliente-Servidor Máquinas

Leia mais

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br CLOUD COMPUTING Andrêza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing

Leia mais

Redes Definidas por Software

Redes Definidas por Software Redes de Computadores I Redes Definidas por Software Antonio Gonzalez Pastana Lobato Ulisses da Rocha Figueiredo Redes de Computadores I Introdução Introdução Aplicações Atuais Data-Centers Muitas máquinas

Leia mais

Como a nuvem mudará as operações de liberação de aplicativos

Como a nuvem mudará as operações de liberação de aplicativos DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Junho de 2013 Como a nuvem mudará as operações de liberação de aplicativos Jacob Ukelson Entrega de aplicativos Sumário Resumo executivo 3 Seção 1: 4 Mudando o cenário de automação

Leia mais

Módulo corporativo do Cisco APIC simplifica as operações de rede

Módulo corporativo do Cisco APIC simplifica as operações de rede Módulo corporativo do Cisco APIC simplifica as operações de rede Janeiro de 2014 Preparado por: Zeus Kerravala Módulo corporativo do Cisco APIC simplifica as operações de rede por Zeus Kerravala Janeiro

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Segurança nas Nuvens Onde Coloco Meus Dados?

Segurança nas Nuvens Onde Coloco Meus Dados? Segurança nas Nuvens Onde Coloco Meus Dados? Expectativa de 20 minutos Uma abordagem prática e sensata de usar os Serviços em Nuvem de forma segura. Segurança nas Nuvens O que é? Quais as Vantagens das

Leia mais

Benefícios e processos relacionados à migração e servidores dedicados para cloud servers. Juliano Simões. Diretor de Tecnologia

Benefícios e processos relacionados à migração e servidores dedicados para cloud servers. Juliano Simões. Diretor de Tecnologia Benefícios e processos relacionados à migração e servidores dedicados para cloud servers Juliano Simões Diretor de Tecnologia Agenda Comparar o modelo de servidor dedicado, orientado ao hardware, com os

Leia mais

Kaspersky Security for Virtualization. Overview

Kaspersky Security for Virtualization. Overview Kaspersky Security for Virtualization Overview Idéia da Virtualização Executar um sistema operacional como um programa dentro de outro sistema operacional Executar vários sistemas operacionais no mesmo

Leia mais

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva Sumário Introdução Trabalhos Correlatos Eucalyptus Design Conclusões Visão Geral Introdução:

Leia mais

Imagem Gustavo Santos. Observe Bombinhas SC.

Imagem Gustavo Santos. Observe Bombinhas SC. Imagem Gustavo Santos. Observe Bombinhas SC. 1 2 1. Uma nova modalidade de prestação de serviços computacionais está em uso desde que a computação em nuvem começou a ser idealizada. As empresas norte-

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

Classificação::Modelo de implantação

Classificação::Modelo de implantação Classificação::Modelo de implantação Modelo de implantação::privado Operada unicamente por uma organização; A infra-estrutura de nuvem é utilizada exclusivamente por uma organização: Nuvem local ou remota;

Leia mais

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE)

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) Possuir capacidade instalada, livre para uso, de pelo menos 5.2 (cinco ponto dois) TB líquidos em discos SAS/FC de no máximo 600GB 15.000RPM utilizando RAID 5 (com no

Leia mais

Departamento de Tecnologia da Informação

Departamento de Tecnologia da Informação Xen - O case de virtualização da Alergs XIII Enial - Brasília Novembro/2010 DTI Superintendência Administrativa e Financeira Assembleia Legislativa do RS Tópicos abordados: A infraestrutura de TI Alergs

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

CloudNet: dynamic pooling of cloud resources by live WAN migration of virtual machines

CloudNet: dynamic pooling of cloud resources by live WAN migration of virtual machines CloudNet: dynamic pooling of cloud resources by live WAN migration of virtual machines Timothy Wood, Prashant Shenoy, K.K. Ramakrishnan, Jacobus Van der Merwe VEE '11 Proceedings of the 7th ACM SIGPLAN/SIGOPS

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Maestro Arthur Kazuo Tojo Costa 317497 Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Introdução Sistema Operacional de Redes Detalhes do hardware Multiplexação

Leia mais

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA DESTAQUES A infraestrutura do RSA Security Analytics Arquitetura modular para coleta distribuída Baseada em metadados para indexação, armazenamento

Leia mais

Garantindo a. Máquinas Virtuais do. alta disponibilidade nas. Microsoft Azure MDC305

Garantindo a. Máquinas Virtuais do. alta disponibilidade nas. Microsoft Azure MDC305 Garantindo a alta disponibilidade nas Máquinas Virtuais do Microsoft Azure MDC305 Palestra Quem são os palestrantes? Daniel Mauser Senior Techical Advisor LATAM Escalation Team Lead Email: dmauser@microsoft.com

Leia mais

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

The Eucalyptus Open-source Cloud-computing System

The Eucalyptus Open-source Cloud-computing System The Eucalyptus Open-source Cloud-computing System O sistema Open Source de nuvens computacionais Eucalyptus Daniel Nurmi, Rich Wolski, Chris Grzegorczyk, Graziano Obertelli, Sunil Soman, Lamia Youseff,

Leia mais

On Scalability of Software-Defined Networking

On Scalability of Software-Defined Networking On Scalability of Software-Defined Networking Bruno dos Santos Silva bruno.silva@ic.uff.br Instituto de Computação IC Universidade Federal Fluminense UFF 24 de Setembro de 2015 B. S. Silva (IC-UFF) On

Leia mais

Automatização de redes para experimentação: o caso da AmLight. Humberto Galiza.::. Senior Network Engineer Salvador, Brasil, 28 de Setembro 2015

Automatização de redes para experimentação: o caso da AmLight. Humberto Galiza.::. Senior Network Engineer Salvador, Brasil, 28 de Setembro 2015 Automatização de redes para experimentação: o caso da AmLight Humberto Galiza.::. Senior Network Engineer Salvador, Brasil, 28 de Setembro 2015 Quem somos? AMPATH Ponto de Troca de Tráfego (PTT ou IXP)

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é Gerenciamento de Redes? O gerenciamento de rede inclui a disponibilização, a integração e a coordenação de elementos de hardware, software e humanos, para monitorar,

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS REDES DEFINIDAS POR SOFTWARE - SOFTWARE DEFINED NETWORK: OPENFLOW E OPENDAYLIGHT

INTRODUÇÃO ÀS REDES DEFINIDAS POR SOFTWARE - SOFTWARE DEFINED NETWORK: OPENFLOW E OPENDAYLIGHT INTRODUÇÃO ÀS REDES DEFINIDAS POR SOFTWARE - SOFTWARE DEFINED NETWORK: OPENFLOW E OPENDAYLIGHT Perito Criminal - POLITEC/RO Arquitetura tradicional de rede: Configuração e topologias rígidas; Estruturas

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II *Créditos: baseado no material do Prof. Eduardo Zagari Virtualização - Introdução Introduzido nos anos 60 em Mainframes Em 1980 os microcomputadores

Leia mais

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Aviso de Isenção de Responsabilidade e Direitos Autorais As informações contidas neste documento representam a visão atual da Microsoft

Leia mais

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_3: OpenShift

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_3: OpenShift OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_3: OpenShift Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br OpenShift Solução livre de PaaS da RedHat Aquisição da Makara em 2010 Principais concorrentes:

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Grid e Gerenciamento Multi-Grid

Grid e Gerenciamento Multi-Grid Principais Benefícios Alta disponibilidade, Escalabilidade Massiva Infoblox Oferece serviços de rede sempre ligados através de uma arquitetura escalável, redundante, confiável e tolerante a falhas Garante

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Felipe Antonio de Sousa 1, Júlio César Pereira 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipeantoniodesousa@gmail.com, juliocesarp@unipar.br Resumo.

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Xen Cloud Platform Xen descomplicado

Xen Cloud Platform Xen descomplicado Xen Cloud Platform Xen descomplicado CAPA A Xen Cloud Platform facilita muito a criação e o gerenciamento de máquinas virtuais sobre o hypervisor Xen. por Boris Quiroz e Stephen Spector A revolução da

Leia mais

Comunicando através da rede

Comunicando através da rede Comunicando através da rede Fundamentos de Rede Capítulo 2 1 Estrutura de Rede Elementos de comunicação Três elementos comuns de comunicação origem da mensagem o canal destino da mensagem Podemos definir

Leia mais

AmLight SDN: Futuro da Colaboração Acadêmica Internacional

AmLight SDN: Futuro da Colaboração Acadêmica Internacional AmLight SDN: Futuro da Colaboração Acadêmica Internacional Palestrante: Jerônimo Aguiar Bezerra AmLight Project Florida International University Agenda Apresentação dos Atores Envolvidos Topologias da

Leia mais

MUM. Mikrotik User s Meeting Rio de Janeiro - 2009. Mikrotik e a Computação nas nuvens. Maila Networks

MUM. Mikrotik User s Meeting Rio de Janeiro - 2009. Mikrotik e a Computação nas nuvens. Maila Networks MUM Mikrotik User s Meeting Rio de Janeiro - 2009 Mikrotik e a Computação nas nuvens Oferece serviços de Conectividade IP, Desenvolvimento e Integração de Sistemas. Consultoria `a Provedores de Acesso,

Leia mais

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com SUMÁRIO Introdução... 4 Nuvem pública: quando ela é ideal... 9 Nuvem privada: quando utilizá-la... 12 Alternativas de sistemas

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 133/2012 COMPRASNET

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 133/2012 COMPRASNET COTAÇÃO ELETRÔNICA: 133/2012 COMPRASNET AQUISIÇÃO DE SOLUÇÃO DE ANTIVÍRUS MCAFEE PARA PLATAFORMA DE SERVIDORES VIRTUALIZADOS VMWARE DA REDE CORPORATIVA PRODAM Diretoria de Infraestrutura e Tecnologia-

Leia mais

Proteção de ambientes Citrix XenServer com Arcserve

Proteção de ambientes Citrix XenServer com Arcserve Proteção de ambientes Citrix XenServer com Arcserve Desafios do cliente Hoje em dia, você enfrenta desafios como acordos de nível de serviço exigentes e limitações de equipe e orçamento. Você procura maneiras

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Segurança de Redes de Computadores

Segurança de Redes de Computadores Segurança de Redes de Computadores Aula 10 Segurança na Camadas de Rede Redes Privadas Virtuais (VPN) Prof. Ricardo M. Marcacini ricardo.marcacini@ufms.br Curso: Sistemas de Informação 1º Semestre / 2015

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos FTIN Formação Técnica em Informática Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos Aula 01 SISTEMA OPERACIONAL PROPRIETÁRIO WINDOWS Competências do Módulo Instalação e configuração do

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1, Tiago Piperno Bonetti 1, Ricardo Germano 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

Computação em Nuvem com Openstack

Computação em Nuvem com Openstack Allan Krueger Glauber C. Batista Charles Christian Miers Membros Colméia Grupo de Pesquisa em Software e Hardware Livre Computação em Nuvem com Openstack Roteiro Geral OpenStack 2 OpenStack 3 Openstack

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Uma abordagem estratégica para atender à demanda de Nuvem

Uma abordagem estratégica para atender à demanda de Nuvem White paper Para provedores de nuvem Uma abordagem estratégica para atender à demanda de Nuvem Introdução: os novos desafios dos clientes estimulam a adoção da nuvem Em um ambiente de negócios dinâmico,

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Paradigma Cliente/Servidor

Paradigma Cliente/Servidor Paradigma Cliente/Servidor Mário Meireles Teixeira UFMA Departamento de Informática Dezembro, 2012 Comunicação em Sistemas Distribuídos! Os processos em um SD estão lógica e fisicamente separados. Precisam

Leia mais

Plataforma na nuvem do CA AppLogic para aplicativos corporativos

Plataforma na nuvem do CA AppLogic para aplicativos corporativos FOLHA DE PRODUTOS: CA AppLogic Plataforma na nuvem do CA AppLogic para aplicativos corporativos agility made possible O CA AppLogic é uma plataforma de computação na nuvem pronta para o uso que ajuda a

Leia mais

Soluções em Segurança

Soluções em Segurança Desafios das empresas no que se refere a segurança da infraestrutura de TI Dificuldade de entender os riscos aos quais a empresa está exposta na internet Risco de problemas gerados por ameaças externas

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Como ter sucesso no desenvolvimento e suporte de nuvens híbridas

Como ter sucesso no desenvolvimento e suporte de nuvens híbridas BOLETIM INFORMATIVO Como ter sucesso no desenvolvimento e suporte de nuvens híbridas Oferecido por: HP Gard Little Julho de 2014 Elaina Stergiades OPINIÃO DA IDC Ao planejar a adoção de novas tecnologias

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos 1 de 9 Sistemas Distribuídos O que é um sistema distribuído? Um conjunto de computadores autonomos a) interligados por rede b) usando um software para produzir uma facilidade de computação integrada. Qual

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 MC714 Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 Virtualização - motivação Consolidação de servidores. Consolidação de aplicações. Sandboxing. Múltiplos ambientes de execução. Hardware virtual. Executar múltiplos

Leia mais

Desmitificando OpenStack. Filipe Fernandes S B de Matos

Desmitificando OpenStack. Filipe Fernandes S B de Matos Desmitificando OpenStack Filipe Fernandes S B de Matos Objetivo Apresentar a arquitetura da ferramenta OpenStack e descrever de forma geral seus principais componentes. Apresentar uma breve descrição sobre

Leia mais

Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar. UFF - Universidade Federal Fluminense

Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar. UFF - Universidade Federal Fluminense Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar 1 Introdução Mododelo: Hardware -> Sistema Operacional -> Aplicações Aplicação desenvolvida para um SO. Capacidade de processamento aumentando bastante

Leia mais

OpenFlow: abrindo portas para inovações nas redes de nossos campi

OpenFlow: abrindo portas para inovações nas redes de nossos campi 1 OpenFlow: abrindo portas para inovações nas redes de nossos campi Leandro Haruo Aoyagi Universidade Federal de São Carlos, Campus Sorocaba Sorocaba, São Paulo Email: aoyagi.haruo@gmail.com Resumo A comunidade

Leia mais

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Obtenha soluções em nuvem comprovadas para as suas prioridades mais urgentes Destaques da solução Saiba sobre os benefícios mais comuns de implementações

Leia mais

Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio. Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist

Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio. Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist 05 De onde vem o termo nuvem? Business Servidores SAN WAN SAN LANs Roteador NAS Switch

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE Andressa T.R. Fenilli 1, Késsia R.C.Marchi 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil andressa.trf@gmail.com, kessia@unipar.br Resumo. Computação em

Leia mais

KeeP Desenvolvimento e Tecnologia

KeeP Desenvolvimento e Tecnologia KeeP Desenvolvimento e Tecnologia Transformar Necessidade em Realidade! KeeP Integrando Soluções: Conectando pessoas, processos e dados. KeeP-Backup Nós da KeeP desenvolvemos uma solução de backup/clonagem

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

Gerenciador de Mudanças automatizadas

Gerenciador de Mudanças automatizadas Benefícios para os Negócios Minimizando a dependência em processos manuais e reduzindo risco de erro humano Reduz o tempo, esforço e risco de erro humano que existem ao mudar a configuração em dispositivos

Leia mais

Computação em Nuvem & OpenStack

Computação em Nuvem & OpenStack Computação em Nuvem & OpenStack Grupo de Pesquisa em Software e Hardware Livre Ação Computação em Nuvem: Charles Christian Miers André Rover de Campos Glauber Cassiano Batista Joinville Roteiro Definições

Leia mais

14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7

14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação ORIGEM e Comunicações Departamento de Segurança da Informação e

Leia mais

A Cisco no seu data center. A infraestrutura ideal para os ambientes e aplicativos da Microsoft

A Cisco no seu data center. A infraestrutura ideal para os ambientes e aplicativos da Microsoft A Cisco no seu data center A infraestrutura ideal para os ambientes e aplicativos da Microsoft Simplifique a TI... Modernize sua empresa DATA CENTER Desafios Eficiência da equipe de TI Interrupção não

Leia mais

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado GE Intelligent Platforms Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado Na vanguarda da evolução da automação industrial. Acreditamos que o futuro da automação industrial seguirá o mesmo

Leia mais

Experiência da AmLight com SDN: Desafios, Resultados e Futuro

Experiência da AmLight com SDN: Desafios, Resultados e Futuro Experiência da AmLight com SDN: Desafios, Resultados e Futuro GTER 39 29 de Maio de 2015 Rio de Janeiro, RJ Jeronimo Bezerra e Humberto Galiza {jab,galiza}@amlight.net Quem somos? AMPATH: Ponto de Troca

Leia mais