Accessible Azores O Projeto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Accessible Azores O Projeto"

Transcrição

1 ACCESS AZORES ASSOCIAÇÃO REGIONAL PARA A PROMOÇÃO DO TURISMO ACESSÍVEL NOS AÇORES Accessible Azores O Projeto Turismo Acessível nas Ilhas do Triângulo Accessible Azores pretende ser uma marca identificativa dos Açores, enquanto destino turístico acessível: desde a organização da viagem ao seu retorno. O objetivo passa por oferecer uma experiência gratificante aos potenciais turistas deste nicho de mercado.

2 Conteúdo PARTE I... 2 ENQUADRAMENTO E APRESENTAÇÃO... 2 METODOLOGIA... 2 PARTE II... 4 ENQUADRAMENTO E CONTEXTUALIZAÇÃO DO TURISMO ACESSÍVEL... 4 CONCEITO... 7 MERCADO... 7 PARTE III... 8 ACCESSIBLE AZORES... 8 CONCEITO E OBJECTIVOS... 8 PLANIFICAÇÃO FASE EX-ANTE EIXOS E MEDIDAS FASE ON-GOING FASE EX-POST PROJETO-PILOTO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS FICHA TÉCNICA

3 PARTE I ENQUADRAMENTO E APRESENTAÇÃO Accessible Azores pretende ser uma marca identificativa dos Açores, enquanto destino turístico acessível: desde a organização da viagem ao seu retorno. O objetivo passa por oferecer uma experiência gratificante aos potenciais turistas deste nicho de mercado. Desde a simples informação turística, à reserva da viagem, ao alojamento (entenda-se empreendimentos turísticos), estabelecimentos de restauração e bebidas, aos serviços de lazer e animação, aos transportes aéreo, terrestre e marítimo, aos monumentos e outros locais de interesse turístico, bem como acessos para visita aos locais de interesse natural, é o objetivo da marca Accessible Azores. Promover e exteriorizar a imagem dos Açores enquanto espaço e destino turístico acessível para muitos turistas que desejam visitar a Região. Accessible Azores deve ser encarado como um produto complementar e ligado ao produto nuclear (Turismo de Natureza), viável e exequível para a Região enquanto destino turístico. Além de possuir um carácter económico e financeiro, é também uma responsabilidade social do sector turístico enquanto agente multiplicador de oportunidades (desenvolvimento local), e que não pode ser menosprezado. Para o desenvolvimento deste projeto, pretende-se numa primeira fase, que o território de intervenção seja as ilhas do triângulo (ilhas do Faial, Pico e São Jorge) de forma a constatar e verificar o efetivo potencial deste segmento turístico. METODOLOGIA Pretende-se apresentar um projeto prático, de objetivos e estratégias concretas, eixos e medidas viáveis, faseamento de processos, leitura e análise de bibliografia existente sobre o tema, benchmarking nacional e internacional, entre outros aspetos metodológicos. Numa primeira instância, enquadramos o tema do Turismo Acessível sob o ponto de vista de definição e contexto, análise de dados estatísticos, mercado potencial, entre outros dados. Perspetiva-se uma problematização do tema em análise. Numa segunda instância, apresentamos e enquadramos o Accessible Azores sob o ponto de vista prático. Salientar que este pré-projecto pode e deve ser alvo de alterações e modificações para que esta marca possa a vir a ser considerada um êxito no que respeita à oferta turística. Como se pode verificar através da análise à Ilustração 1, para que este projeto seja considerado um sucesso, é necessária a passagem por três fases: conceptual, metodológica e empírica. Na primeira fase pretende-se enquadrar o tema do turismo acessível, através da leitura e análise de bibliografia existente, análise de dados estatísticos, bem como entrevistas e recolha de informação primária junto de investigadores e especialistas na área. Também aqui é importante o contacto direto com agências e operadores turísticos. A segunda fase caracteriza-se pelo projeto per si, ou seja, enquadramento e definição de objetivos e respetivas estratégias, eixos e medidas, 2

4 calendarização e planificação de ações, promoção e divulgação, entre outros aspetos ligados diretamente ao Accessible Azores. Ilustração 1: Metodologia a adotar Fonte: Elaboração própria Respeitante à última fase, a empírica, é a implementação no terreno das duas fases anteriores. De salvaguardar, a importância que o faseamento de processos possui para o sucesso deste projeto. O trabalho em rede entre as diversas entidades é uma premissa quase obrigatória, bem como a partilha de informação. O Accessible Azores pretende ser um produto turístico onde qualquer pessoa, independentemente do seu estado físico ou psíquico possa, autonomamente, conhecer, descobrir e explorar os Açores. O objetivo passa pela criação de packages turísticos, possível e passível de ser colocado no mercado turístico através de agências e operadores especializados deste nicho de mercado, de forma a potenciar, positiva e exponencialmente, a procura dos Açores enquanto espaço/destino turístico de eleição. A Região possui as condições necessárias para se afirmar enquanto destino acessível: o trabalho em rede e em parceria entre as diversas entidades públicas e privadas, bem como a vontade de trabalhar em prol da indústria turística nos Açores encarregar-se-á de tudo o resto. 3

5 PARTE II ENQUADRAMENTO E CONTEXTUALIZAÇÃO DO TURISMO ACESSÍVEL No dia 21 de Setembro de 2012, na Assembleia da República, foi aprovada em Resolução o desenvolvimento de uma estratégia integrada que promova o Turismo Acessível ou Turismo para Todos em Portugal. A Resolução refere, e passo a citar: A Assembleia da República resolve, nos termos do n.º 5 do artigo 166.º da Constituição, recomendar ao Governo que desenvolva um programa estruturado com linhas orientadoras para os diversos atores do sector do turismo, por forma a que, no prazo de 12 meses, Portugal possa ser apresentado como um destino atento às necessidades, quer do «viajante portador de deficiência», quer das «pessoas com mobilidade reduzida». Através de uma análise exaustiva sobre o tema do Turismo Acessível ou o Turismo para Todos, este pode ser definido como sendo os serviços, estruturas e infraestruturas que facilitem o acesso autónomo a locais de interesse turístico e outros, a qualquer tipo de pessoa, independentemente do seu estado biopsicossociológico. Antes de abordar a questão económica e financeira, intrinsecamente ligada ao Turismo Acessível, é necessário sublinhar e reter que estamos a falar de pessoas que constituem e fazem parte do sistema social e de coesão de uma sociedade cada vez mais responsável e exigente. Esta predefinição do Turismo Acessível (TA) reforça a opinião que a incapacidade não se limita, única e exclusivamente, à sua dimensão da deficiência (permanente ou temporária), mas alberga outras situações em que os turistas possuam mobilidade condicionada. Apesar dos esforços feitos por diversas entidades e organismos sobre esta questão, o debate a nível internacional sobre o desenvolvimento de produtos turísticos acessíveis, bem como a consciencialização da sociedade, a acessibilidade dos bens e serviços, estruturas e infraestruturas para pessoas com mobilidade condicionada ou reduzida continua a ser insuficiente. Segundo Darcy (1996), o Turismo Acessível deve ser entendido e encarado como o conjunto de serviços e infraestruturas capazes de permitir às pessoas com necessidades especiais apreciar as suas férias e tempos de lazer sem barreiras ou problemas particulares. Deste ponto de vista, assume-se, por um lado, que as infraestruturas usadas pelos turistas devem ser livres de barreiras arquitetónicas e, não menos importante, que deve ser promovido um acesso não apenas físico, mas também cognitivo e sensorial, que possibilite usufruir das atividades turísticas de forma segura, confortável e tão acessível quanto possível. Também Devile (2009) refere que por vezes centrada na disponibilização de serviços turísticos adequados para pessoas com algum tipo de deficiência, a oferta turística acessível deve ser entendida num quadro muito mais alargado de públicos diferenciados, que incluem também, as pessoas que manifestam incapacidade temporária resultante de um acidente ou doença, as que viajam com crianças pequenas ou com idosos, mulheres em avançado estado de gravidez, pessoas com excesso de peso, entre outras situações. Em Portugal, bem como em alguns países, a não existência de uma estratégia objetiva em relação ao Turismo Acessível implica que muitos dos potenciais clientes, não viajam para um determinado destino turístico por saber que não existem as condições mínimas de acessibilidade. 4

6 Como foi referido anteriormente, o tema do TA, fazendo parte da responsabilização social e da cidadania, alberga igualmente, uma componente económica pertinente, mas nem sempre valorizada pelos organismos e entidades ligadas à indústria turística. Através da análise dos dados de entidades ligadas às questões demográficas e de envelhecimento, elas apontam para um aumento de viagens realizadas por pessoas com mobilidade reduzida. Segundo a WHO (2007) em 2020 haverá 1,2 mil milhões de pessoas com mais de 60 anos de idade sendo este fenómeno mais acentuado nos principais mercados emissores. Estas tendências têm implicações consideráveis para o turismo global (Dwyer, Forsyth, & Spurr, 2004). Associado ao envelhecimento demográfico e à falta de mobilidade, bem como o aumento do rendimento por parte das pessoas com deficiência, devido às questões de igualdade e acesso ao mercado de trabalho e de outras políticas inclusivas, leva igualmente ao aumento do número de pessoas detentoras das condições económicas para viajar. Esta questão não deve ser menosprezada, já que as suas decisões em relação ao destino turístico são baseadas nas condições de acessibilidade oferecida. Segundo um estudo, existe cerca de 600 milhões de pessoas com deficiências (Fujiura & Rutkowskikmitta 2001), o que equivale a cerca de 10% da população mundial. De acordo com Buhalis et al. (2005), os índices maiores de deficiência na EU encontram-se na Finlândia, no Reino Unido, na Holanda e em França, atingindo milhares de pessoas só no Reino Unido. Segundo o mesmo estudo, 37% da população com necessidades especiais na EU tem a sua mobilidade reduzida. Na Europa 59% da população tem um familiar com mobilidade reduzida e 47% da população tem um amigo com as mesmas necessidades especiais. Do ponto de vista turístico, este efeito multiplicador é de extrema relevância, uma vez que mais de 80% dos turistas com mobilidade reduzida viajam com familiares e/ou amigos (Buhalis et al., 2005). Nas duas últimas décadas têm vindo a ser produzidos alguns relatórios que procuram chamar a atenção para o potencial de mercado dos turistas com incapacidade. O primeiro, publicado em 1993, identificou um gasto potencial de 17 mil milhões de libras na Europa se estivessem disponíveis as estruturas adequadas (Touche Ross, 1993). Burnett e Baker (2001) chamaram a atenção para o rendimento discricionário deste grupo nos EUA, salientando que este é um mercado de 50 milhões de norte americanos para o qual o sector do turismo não está atento. Outros autores (Packer, Yau e Lam 2003; Murray e Sproats 1990; Ray e Ryder2003) salientam que, associado à família e amigos, as pessoas com deficiência criam um mercado potencialmente significativo, mas muitas vezes ignorado. Curioso de referir que a investigação realizada por Neuman e Reuber em 2004 sobre os estímulos económicos concretos decorrentes da implementação do Turismo Acessível para Todos na Alemanha estima que os turistas alemães com deficiência contribuem com cerca de 2,5 mil milhões para a economia. Um outro dado resultante deste estudo que merece destaque é que para 75,8% dos turistas com incapacidade, a existência e disponibilidade de meios adequados que lhes permita a livre movimentação influencia a respetiva escolha quanto ao destino de férias, sendo que a maioria dos inquiridos (62,3%) não se importaria de pagar um preço superior se pudesse utilizar facilidades e serviços acessíveis, tendo ainda 50% afirmado que viajaria mais se houvesse mais acessibilidade (Neuman & Reuber 2004). Em termos de valor económico, o mesmo estudo conclui que, se for tido em consideração o montante utilizado para passar férias por cada indivíduo com incapacidade, e o facto de viajarem quase sempre acompanhados, o retorno anual com turistas alemães com incapacidade poderá estar compreendido 5

7 entre 2,5 e 4,8 mil milhões num ambiente turístico acessível. Importa, assim, salientar o efeito multiplicador dos acompanhantes, nomeadamente famílias constituídas por pessoas com algum tipo de incapacidade. Ao quantificar o valor económico deste segmento, estes fatores devem ser também considerados, partindo da premissa básica de que as pessoas viajam com amigos e membros da família que não tem incapacidade. Para concluir, refiro que o desenvolvimento de produtos turísticos acessíveis, aumenta exponencialmente a capacidade de atracão e fidelização de clientes no destino turístico, fortalece igualmente a competitividade do destino e potencia o aumento significativo da ocupação na época baixa. Segundo Burnett & Baker (2001) um dos fatores que merece maior destaque é o alto nível de fidelização dos turistas que, quando satisfeitos com as condições, serviços, estruturas e infraestruturas, tendem a regressar aos mesmos destinos que lhe garantem experiências seguras e sem obstáculos. Como refere Devile [et al] (2011), as questões da acessibilidade em turismo, constituindo uma preocupação ética e socialmente relevante, albergam, igualmente, uma dimensão económica importante, nem sempre valorizada pelos responsáveis do planeamento e gestão do turismo. Esta falta de interesse por parte dos agentes prestadores de serviços turísticos pode ser justificada, em parte, pela falta de informação e de conhecimento sobre o potencial económico do turismo designado de acessível. Em termos de acessibilidade, implica que a experiência turística total (referência ao significado) envolva não só transporte, alojamento e atividades acessíveis, mas também a disponibilidade de informação adequada e recursos humanos preparados para acolher as pessoas com necessidades especiais (Devile, 2003). Darcy et al. (2008) defendem uma abordagem holística e experiencial no desenvolvimento e prestação de experiências acessíveis no destino, chamando a atenção para a necessidade das organizações turísticas considerarem mais do que simplesmente os requisitos do acesso físico. De facto, são inúmeras as barreiras que inibem ou condicionam a participação das pessoas com deficiência e/ou incapacidade nas atividades turísticas, que ocorrem durante todo o processo envolvido na experiência turística, desde o processo de planeamento e reserva da viagem, ao transporte para o destino, no próprio destino e no regresso a casa (Turco et al., 1998; Mazars Turismo, 2003). Neste contexto, o Turismo Acessível deve ser pensado e trabalhado no quadro de toda a cadeia de valor da atividade turística, procurando gradualmente tornar mais acessíveis espaços, edifícios, equipamentos, atrações e outros serviços do destino, mas valorizando também outros aspetos importantes, nomeadamente ao nível da informação e dos recursos humanos, cada vez mais importantes para a diferenciação e competitividade dos espaços turísticos (Devile, 2009). 6

8 CONCEITO Accessible Tourism is a form of tourism that involves collaborative processes between stakeholders that enables people with accessible requirements, including mobility, vision, hearing and cognitive dimensions of accessible, to function independently and with equity and dignity through the delivery of universally designed tourism products, services and environments. This definition adopts a whole of life approach where people through their lifespan benefit from accessible tourism provision. These include people with permanent and temporary disabilities, seniors, obese, families with young children and those working in safer and more socially sustainably designed environments. (Buhalis & Darcy, 2012). O Turismo Acessível implica assim a oferta de respostas e de soluções integradas ao nível dos transportes e dos serviços no destino, o que pressupõe o envolvimento dos diferentes atores, do sector privado, associativo e público de diferentes áreas de atividade e não somente da do turismo. O Turismo Acessível reconhece que qualquer pessoa deve poder usar os equipamentos e serviços turísticos e que é necessário proporcionar uma oferta de serviços e atividades orientada para os gostos e preferências de pessoas que tenham um conjunto de limitações a que podem corresponder necessidades e exigências diferentes de outros segmentos da procura (DEVILE, 2009: 39). Segundo a APTTA o conceito de Turismo Acessível abrange todas as propostas de turismo que permitem o acesso fácil e autónomo de todas as pessoas, incluindo aquelas com mobilidade condicionada, aos produtos, bens e serviços característicos do turismo, como o alojamento, a alimentação, a informação, o transporte, usufruto de serviços nos monumentos, equipamentos e espaços urbanos, meio edificado, rural ou natural. Para este projeto de investigação, o conceito que propomos para designar o Turismo Acessível para Todos é o conjunto dos bens, produtos e serviços, bem como das estruturas, infraestruturas e superestruturas acessíveis a qualquer tipo de pessoa no âmbito direto e indireto da indústria turística. MERCADO Além do referido anteriormente, existe cerca de 600 milhões de pessoas com deficiência (Fujiura & Rutkowskikmitta, 2001), o que equivale a cerca de 10% da população mundial. Na Europa, 59% da população tem um familiar com mobilidade reduzida e 47% da população tem um amigo com as mesmas necessidades especiais. Mais de 80% dos turistas com mobilidade reduzida viajam com familiares e/ou amigos (Buhalis et al., 2005), um efeito multiplicador que cria um mercado potencialmente significativo, mas muitas vezes ignorado (Murray & Sproats 1990; Ray & Ryder 2003; Packer et al., 2008). Estes turistas apresentam um elevado nível de fidelização, dado que, quando satisfeitos, tendem a regressar àqueles destinos que lhes garantem a fruição de experiências turísticas seguras e sem barreiras (Burnett & Baker, 2001). Para Trindade (2004: 75, citado por Mendes & Paula, 2008: 335), como vantagens para o turismo, este segmento de clientes revela preferência na época baixa, uma boa fidelidade e razoável efeito multidisciplinar, pois um turista com deficiência dificilmente viaja sozinho. Tornando-se assim, numa mais-valia no combate à sazonalidade. 7

9 Segundo a revista Publituris (3 de Dezembro de 2012), o Turismo Acessível, na Europa, movimenta cerca de 130 milhões de pessoas (aproximadamente 20% da população europeia) e gera um volume de negócios superior a 80 milhões de euros por ano (cerca de 15% das receitas turísticas anuais). Mais recentemente, um estudo refere que o sector do turismo na Europa perde, todos os anos, cerca de 142 mil milhões de euros, devido à infraestrutura deficiente, serviços e atitudes em relação aos viajantes com necessidades especiais, afirmou a associação Acesso Cultura, no âmbito de uma investigação realizada pela Universidade de Surrey, na Inglaterra. Segundo a agência Lusa, a pesquisa revela que os investigadores acreditam que, se os destinos europeus forem totalmente acessíveis, essa procura pode aumentar até 44% por ano, o que resultaria em um adicional de 142 mil milhões de euros no PIB [Produto Interno Bruto] e 3,4 milhões de postos de trabalho para a economia europeia. Os inquiridos deste estudo, de 12 países da União Europeia, apontaram o preço da acessibilidade como um aspeto negativo, no entanto, a disponibilização de informação e de assistência médica são considerados obstáculos mais significativos do que a acessibilidade dos locais em si. PARTE III ACCESSIBLE AZORES CONCEITO E OBJECTIVOS O conceito base da marca Accessible Azores é de transformar os Açores num destino turístico acessível de excelência pelo serviço prestado desde a informação inicial (procura do destino) até ao momento do regresso a casa. Pretende oferecer um serviço especializado a turistas, agências e operadores, de forma a incrementar e a exteriorizar os Açores enquanto destino acessível, podendo mesmo a vir ser criada uma agência de viagens especializada neste mercado, com diversas valências desde que ligadas ao setor turístico. Apesar de ser um objetivo a longo prazo, esta marca pretende abranger as três ilhas que constituem o triângulo dos Açores (Faial, Pico e São Jorge). Considerando que a ilha de São Miguel e Terceira possuem fluxos bastante positivos mas totalmente desvirtuados das restantes ilhas, optou-se pelas ilhas supracitadas devido ao peso estatístico que apresentam na indústria turística (SREA) quando integradas. Acresce ao facto de que esta Região (Ilhas do Triângulo) possui um potencial turístico imenso: uma das premissas mais patentes é que com uma viagem aérea o turista pode visitar e conhecer três das nove ilhas, através do transporte marítimo de passageiros. Esta é sem dúvida uma ferramenta poderosa no que respeita à angariação de maiores fluxos para esta sub-região do destino turístico Açores. A fase inicial, ao qual designámos de fase ex-ante, é a mais importante e fulcral para o desenvolvimento deste projeto. O contacto inicial com especialistas e professores académicos da área, agências e operadores turísticos especializados neste segmento e o contacto com casos de sucesso nacionais e internacionais irá fazer, com toda a certeza, diferença na promoção e divulgação da marca e no seu planeamento e faseamento. Igualmente importante está a presença nas diversas ilhas, da equipa técnica do Accessible Azores, sob a forma de conferência/mesa de 8

10 debate, convidando os agentes/atores ligados direta ou indiretamente à indústria turística de cada ilha a estarem presentes. O Accessible Azores pretende ser uma marca identificativa dos Açores no panorama do turismo nacional como internacional no que respeita à oferta de experiências e vivências aos atuais e futuros turistas, podendo estes, descobrir, explorar e conhecer a Região sem qualquer tipo de barreira. Os objetivos primários e secundários que o projeto Accessible Azores pretende alcançar passam primariamente pelos seguintes: Objetivos primários Dotar os pilares turísticos das condições essenciais para a vertente da acessibilidade; Apelar à responsabilidade social e empresarial; Oferecer a possibilidade de um indivíduo ou grupo de indivíduos, de forma autónoma, descobrir, explorar e conhecer os Açores; Fomentar a ideologia do Turismo Acessível para Todos. Objetivos secundários Aumentar a taxa de ocupação média; Oferecer novos packages turísticos; Aumentar, significativamente, o número potencial de clientes e sua fidelização; Compreender a importância social que o Turismo Acessível comporta e alberga; Promover a imagem dos Açores enquanto destino turístico acessível de excelência; Oferecer aos turistas a possibilidade de conhecer, descobrir e explorar os Açores, sem qualquer tipo de barreira; Apelar ao trabalho em rede e em parceria entre diversos organismos e entidades quer sejam de carácter público quer privado. A marca Accessible Azores pretende ser um instrumento de sensibilização e consciencialização da importância social que o turismo sem barreiras possui, bem como demonstrar o potencial estritamente ligado a este mercado. É certo que existe o investimento a ser realizado por entidades públicas e privadas, mas acreditamos que, a médio e longo prazo, o retorno desse investimento será com toda certeza positivo. O investimento na eliminação de barreiras de diversos tipos (arquitetónicas, informativas, logísticas, entre outras) dará uma imagem positiva aos Açores enquanto espaço para partilha de experiências e vivências entre diversos turistas, agências e operadores. É importante sublinhar a forma como deve ser planeada toda a logística inerente à criação desta marca: o contacto com especialistas, professores académicos, agências e operadores especializados no segmento, leitura e análise de casos de sucesso, são instrumentos iniciais que não devem ser menosprezados. 9

11 PLANIFICAÇÃO Para o sucesso desta iniciativa, pensamos ser fulcral o designado faseamento de processos. Assim teremos em conta três fases principais, sendo que cada uma é subdividida por subfases. As fases que consideramos as mais importantes e vitais para o sucesso desta iniciativa designam-se por fase ex-ante, fase on-going e fase ex-post. Sucintamente, a fase ex-ante caracteriza-se por ser a fase mais importante do todo o processo. O levantamento, por ilha, dos principais aspetos a ter em conta (empreendimentos turísticos, estabelecimentos de restauração e bebidas, agências e operadores turísticos, empresas de animação, operadores marítimo-turísticos, rent-a-car, monumentos, centros de interpretação e outros locais indoor, locais outdoor de relevante interesse turístico) entre outros pontos a ter em consideração. Estritamente ligado a este exausto levantamento, encontra-se patente a problematização do tema Turismo Acessível: encontro com diversos organismos, debates e conferências sobre as potencialidades dos Açores enquanto destino acessível de excelência. Existe, nesta fase inicial, um trabalho de back-office extenso e que deve ser realizado por uma equipa pluridisciplinar (turismo, promoção e divulgação, planeamento e obras, entre outros atores ligados direta ou indiretamente à indústria turística). Referente à segunda fase do processo, após a conclusão da primeira, a fase on-going baseia-se na implementação do projeto em si e dos objetivos e respetivas estratégias definidas anteriormente. A última fase, designada por ex-post, constitui o momento de avaliação e de recolha de dados estatísticos e respetivo tratamento e análise. De referir que a apresentação das fases é modificável, ou seja, as propostas apresentadas, estratégias e objetivos podem e devem ser alvo de alterações consoante as necessidades e expectativas, bem como problemas e dificuldades encontrados ao longo das diversas fases. FASE EX-ANTE Como foi referido anteriormente, esta fase é a mais importante e vital para o sucesso da marca Accessible Azores. Esta é sem dúvida a mais extensa e mais complexa fase para a implementação do projeto. É importante referir que os objetivos e estratégias apresentados ao longo das fases, podem e devem ser alterados consoante as exigências, perspetivas, barreiras e dificuldades que, ao longo do processo, se encontrar. Para esta fase, sendo a mais importante, mas não a única, optou-se pela inserção dos objetivos e respetivas estratégias num quadro para melhor visualização. Para as restantes fases, apenas uma breve descrição da mesma, bem como os cuidados a ter na elaboração e definição dos objetivos e estratégias. Pretende-se um projeto e uma marca dinâmica e não estática. Quer isto dizer que a entidade responsável pela implementação do projeto deve encontrar-se no terreno, junto dos organismos e entidades públicas e privadas, ouvindo atentamente opiniões que podem alterar o rumo do projeto draft. Antes da apresentação da primeira fase, é necessária a formação de uma equipa pluridisciplinar, academicamente formada e com forte sentido de responsabilidade e de empenho. Estamos a falar de criar um produto base, sendo que a raiz do Accessible Azores deve encontrar-se compacta. Deve existir igualmente o apoio institucional por parte da Direção Regional do Turismo e seus departamentos para este projeto (postos de turismo e delegações, 10

12 promoção e divulgação, entre outros), não menosprezando os produtos turísticos já consolidados nos Açores: o Turismo de Natureza. A equipa deve ter como único propósito inicial, estabelecer contactos com diversas personalidades e entidades ligadas diretamente a este nicho de mercado, para verificar até que ponto os Açores podem ou não ser, enquanto destino turístico acessível, vendável e comerciável. EIXOS E MEDIDAS i. RECOLHA, ANÁLISE, TRATAMENTO E APLICAÇÃO DA INFORMAÇÃO RECOLHIDA JUNTO DE FONTES PRIMÁRIAS E SECUNDÁRIAS - Análise e tratamento de dados estatísticos referentes ao mercado adjacente (quem são, onde estão, o que procuram, as suas necessidades, as suas expectativas, motivos de viagem, rendimento disponível, entre outros aspetos); - Recolha de informação primária sobre o tema do turismo acessível: especialistas e professores, agências e operadores turísticos especializados na área, entre outras entidades e personalidades que possam contribuir positivamente para a implementação do turismo acessível nos Açores; - Organização de uma equipa técnica pluridisciplinar no processo da criação, implementação, avaliação e acompanhamento do Accessible Azores ; - Organização de conferências, mesas de debate, brainstorming e outros eventos de carácter relacionado com o tema Turismo Acessível. ii. LEVANTAMENTO APROFUNDADO DAS ACESSIBILIDADES ATUAIS NOS AÇORES - Levantamento das acessibilidades em relação aos transportes terrestres, marítimos e aéreos, empreendimentos turísticos, estabelecimentos de restauração e bebidas, agentes de animação turística (mergulho, observação de cetáceos, passeios pedestres, entre outros), serviços de lazer complementares (salas, teatros, centros de interpretação e monumentos), entre outros pilares fundamentais no que respeita à oferta turística; - Listagem por ilha de cada serviço turístico (empreendimentos, agências, entre outros) e verificação do estado atual (listagem obtida através dos licenciamentos da DRT); - Criação de uma check-list para os serviços turísticos (empreendimentos turísticos, estabelecimentos de restauração e bebidas, agentes de animação turística, agências de viagens e operadores turísticos, rent-a-car, entre outros serviços complementares) sob a forma de requisitos mínimos obrigatórios. 11

13 iii. LISTAGEM DOS RECURSOS EM FALTA E DAS CONDIÇÕES/AÇÕES A SEREM IMPLEMENTADAS - Protocolo de parcerias públicas e privadas de forma a potenciar o mercado turístico (agências de viagens e operadores turísticos especializados neste produto); - Trabalho em rede e respetiva articulação de estudos, publicações, estatística e demais informação pertinente com diversas entidades; - Ações de formação, consciencialização e sensibilização para o tema do turismo acessível aos agentes turísticos e público em geral; - Parceria entre a Escola de Hotelaria e Turismo dos Açores em Ponta Delgada para ministrar curso de como receber clientes com necessidades especiais; - Parcerias e protocolos entre entidades reconhecidas a nível nacional e internacional do turismo acessível; - Parceria entre a Rede Europeia do Turismo Acessível e entidades similares; - Protocolo entre diversas agências e operadores turísticos especializados neste nicho de mercado; - Parcerias entre outras entidades públicas e privadas; - Equipamento para as atividades de lazer: joelette 1, triciclos adaptados 2 (handbike/handcycle) para uso comum a todos os agentes de animação turística (adquiridas por entidades públicas ou entidades privadas); - Carrinha adaptada presente nas diversas ilhas (adquiridas por entidades públicas ou entidades privadas); - Benchmarking (exemplos de sucesso nacionais e internacionais). iv. APRESENTAÇÃO DO PLANO DE ATUAÇÃO DO ACCESSIBLE AZORES - Apresentação do projeto; - Criação de uma Agência de Viagens Online especializada neste mercado, através de parcerias entre organismos e entidades públicas e privadas; - Taxa de majoração (5 ou 10%) para empresas que iniciem o seu processo de adaptação, obras, remodelação, aquisição, entre outros aspetos, dentro dos incentivos financeiros ao turismo. Este ponto será colocado à Assembleia Legislativa dos Açores. 1 Equipamento adaptado para pessoas com deficiência motora. Utiliza-se para percursos pedestres. 2 Equipamento adaptado para pessoas com deficiência motora. Utiliza-se para pequenos passeios de bicicleta. 12

14 v. LISTAGEM PROVISÓRIA DOS PRESTADORES DE SERVIÇOS LIGADOS AO TURISMO - Criação do selo Accessible Azores a ser entregue às entidades que possuam os requisitos mínimos obrigatórios; - Listagem, por ilha, dos agentes turísticos que possuem as condições de acessibilidade mínimas obrigatórias. vi. CRIAÇÃO DE PACKAGES TURÍSTICOS - Criação de pacotes turísticos para venda, facilitando o acesso das agências e operadores turísticos (agilizando os processos técnicos, logísticos e administrativos); - Presença em feiras e fóruns cujo tema principal passe pelas questões do turismo e das acessibilidades, e a presença online através da criação de uma loja online/agência de viagens. vii. COMPONENTE PROMOÇÃO E DIVULGAÇÃO ACCESSIBLE AZORES - Criação de uma página eletrónica com toda a informação referente aos Açores, bem como a listagem por ilha dos agentes turísticos credenciados, homologados e licenciados pela marca Accessible Azores. Esta página eletrónica deve encontrar-se disponível em diversas línguas, conteúdo operacional e simplista, apoio voz, apoio via telefone, correio eletrónico, videochamadas, entre outros aspetos; - Presença nas redes sociais e respetiva publicidade nesses mesmos órgãos; - Organização de eventos, congressos e palestras sobre o Turismo Acessível nas diversas ilhas bem como a presença em outros locais onde o tema seja debatido; - Listagem de diversas feiras turísticas para a posterior participação da nova marca; - Criação de uma imagem apelativa sobre a marca para promoção e divulgação, bem como a criação dos selos de qualidade comprovada (agente turístico acessível); - Criação de material de promoção sobre o destino Açores (suporte papel, informático e principalmente acessível); - Criação de guias acessíveis sobre cada ilha e respetivo programa turístico; - Publicidade, promoção e divulgação das entidades participantes em feiras, fóruns, redes sociais, networking e similares. 13

15 É importante salientar que os eixos e medidas apresentadas são incorporados neste projeto draft. Após o primeiro contacto com especialistas da área do turismo acessível, agências e operadores, investigadores, entre outros, é que podemos delinear um projeto mais realista e objetivo para os Açores. Pretende-se que estas medidas sejam consideradas como uma matriz base para o início de todo o trabalho. FASE ON-GOING Fase de implementação do projeto em si. Não iremos tecer quaisquer comentários a este ponto, já que depende única e exclusivamente da primeira fase. FASE EX-POST Fase de avaliação e de feedback em relação ao projeto: estatísticas e reservas efetuadas, contacto direto com os prestadores de serviços, agências de viagens e operadores turísticos, retorno efetivo, qual o valor acrescentado pelo projeto, entre outros pontos cruciais. Nesta fase, é igualmente importante verificar qual o feedback por parte dos turistas: quais as diferenças do destino, atendimento, acessibilidades, o que melhorar, entre outros aspetos. Funciona como um inquérito de satisfação, tanto por parte da procura como por parte da oferta. PROJETO-PILOTO O contacto prévio com diversas personalidades, organizações e demais entidades públicas e privadas faz com que exista um leque de informação que deve ser explorada, analisada e transformada para a Região. Estamos a falar dos bons exemplos de diversos países, mas também das dificuldades encontradas no processo de afirmação enquanto destino turístico. Entidades como a Câmara Municipal da Lousã, onde este foi considerado o primeiro destino turístico acessível de Portugal, agências e operadores turísticos nacionais e internacionais especializados neste nicho de mercado, empresas consultoras e de planeamento em turismo e produtos, entre outras entidades cuja participação é uma mais-valia para a definição de estratégias, objetivos, eixos e medidas. Entenda-se que quando se refere projeto-piloto, este seja entendido como a visita a determinados locais, territórios e regiões onde o turismo acessível é visto como uma oportunidade. A observação in-loco de uma determinada realidade irá complementar o projeto Accessible Azores sob forma de benchmarking (utilização dos bons exemplos a seguir). A visita e acompanhamento por parte de técnicos dessas regiões, onde o turismo acessível já se encontra enraizado, irão fazer com que a equipa técnica do Accessible Azores liste os bons exemplos a seguir, mas também os erros, de forma a prevenir, atempadamente, a concretização dos mesmos. Salientar e sublinhar que este é um projeto de médio/longo prazo. Sendo por vezes difícil de abordar este tema, ele encontra-se patente na Lei, sendo uma obrigatoriedade, tanto por entidades privadas como por organismos públicos. 14

16 Por vezes difícil de enquadrar e contextualizar o Turismo Acessível, ele é e poderá ser uma ferramenta de promoção e divulgação de um destino turístico acessível, onde qualquer pessoa, independentemente do seu estado biopsicossociológico, poderá usufruir dos serviços turísticos de forma a vivenciar novas experiências, únicas e singulares. CONSIDERAÇÕES FINAIS Pretende-se com o Accessible Azores, problematizar e fomentar uma ideologia de responsabilidade social e empresarial no que respeita ao acesso à indústria turística numa perspetiva global. Para a concretização deste projeto, é estritamente importante e necessário o contributo de todos os agentes ligados direta e indiretamente à indústria turística, entidades privadas, organismos públicos e demais instituições. Existe, sem dúvida, um longo caminho a percorrer no sentido de afirmar e dotar os Açores das condições mínimas necessárias para receber pessoas portadoras de mobilidades condicionada. O Accessible Azores pretende abrir caminho para uma afirmação da Região enquanto destino turístico acessível de excelência. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DEVILE, Eugénia Lima; JESUS, Fernanda; CRUZ, Ana Inês O desenvolvimento de turismo acessível na Lousã: perspectivas dos agentes locais do sector do turismo. Book of Proceesings Vol. 1 International Conference on Tourism & Management Studies, Algarve, DEVILE, Eugénia Lima O Desenvolvimento do Turismo Acessível: dos Argumentos Sociais aos Argumentos de Mercado. In, Revista Turismo & Desenvolvimento, Journal of Tourism and Development Turismo Acessível, pp.39;40. DEVILE, Eugénia. GARCIA, Ana. CARVALHO, Filipe Turismo Acessível O Caso do Turismo para Pessoas com Mobilidade Reduzida em Portugal.s/d., pp. 3-5; 8. ABRANJA, Nuno. MARQUES, Ana. COELHOSO, Filipa. CARNEIRO, Inês Turismo Acessível. Estudos e Experiências. Mangualde. Edições Pedago. DARCY, Simon People with a Disability and Tourism: A Bibliography. Online Bibliography nº 7, School of Leisure & Tourism, University of Technology, Sydney. FICHA TÉCNICA Responsável e Coordenador Técnico Dr. Tiago Inácio Valente Entidades Intervenientes Access Azores Associação Regional para a Promoção do Turismo Acessível nos Açores. Todos os Direitos Reservados VF

Contextualização Turismo Acessível para Todos oferta transversal a todos sem barreiras

Contextualização Turismo Acessível para Todos oferta transversal a todos sem barreiras Access Azores. Associação privada s/ fins lucrativos;. Constituída em 2014;. Idealizada no seio académico das Universidades de Coimbra e de Aveiro;. Professores, alunos e ex-alunos ligados ao setor do

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

NOTA ÀS PROPOSTAS CONJUNTAS APRESENTADAS PELO PSD E PELO CDS NO APOIO À FAMÍLIA, À CRIANÇA E À NATALIDADE

NOTA ÀS PROPOSTAS CONJUNTAS APRESENTADAS PELO PSD E PELO CDS NO APOIO À FAMÍLIA, À CRIANÇA E À NATALIDADE NOTA ÀS PROPOSTAS CONJUNTAS APRESENTADAS PELO PSD E PELO CDS NO APOIO À FAMÍLIA, À CRIANÇA E À NATALIDADE A APFN assinala como muito positivo o reconhecimento de que só um conjunto de políticas de família

Leia mais

[A INDÚSTRIA TURÍSTICA NOS AÇORES] Projecto-Draft sobre a evolução do turismo nos Açores. Aguardamos os dados referentes a 2012, para a conclusão

[A INDÚSTRIA TURÍSTICA NOS AÇORES] Projecto-Draft sobre a evolução do turismo nos Açores. Aguardamos os dados referentes a 2012, para a conclusão 212 [A INDÚSTRIA TURÍSTICA NOS AÇORES] Projecto-Draft sobre a evolução do turismo nos Açores. Aguardamos os dados referentes a 212, para a conclusão deste trabalho. Houve a necessidade de agregar a informação

Leia mais

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 18 dezembro 2014 Colocar os setores do Comércio, Serviços e Restauração virado para o exterior e a liderar a retoma económica

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados,

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Encontro-me hoje aqui para, em nome do Governo Regional da Madeira, apresentar a Vossas

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

Qual o âmbito deste protocolo e que tipo de projectos pretende apoiar?

Qual o âmbito deste protocolo e que tipo de projectos pretende apoiar? QUESTÕES COLOCADAS PELO JORNALISTA MARC BARROS SOBRE O PROTOCOLO ENTRE A FNABA E O TURISMO DE PORTUGAL Qual o âmbito deste protocolo e que tipo de projectos pretende apoiar? Com propostas para fazer e

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Apoiar Business Angels é apoiar o empreendedorismo Segunda, 17 Março 2014 12:03

Apoiar Business Angels é apoiar o empreendedorismo Segunda, 17 Março 2014 12:03 Os Business Angels são, geralmente, os primeiros investidores que o empreendedor conhece e, por isso, o seu papel é crucial nas primeiras etapas da empresa. Este é um negócio de alto risco, já que muitas

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

A Estratégia Nacional para o Turismo em Espaços de Baixa Densidade

A Estratégia Nacional para o Turismo em Espaços de Baixa Densidade A Estratégia Nacional para o Turismo em Espaços de Baixa Densidade Maria José Catarino Vogal do Conselho Directivo Trancoso, 28 de Outubro de 2009 TURISMO - Contributo para o desenvolvimento sustentado

Leia mais

Consultoria Estratégica

Consultoria Estratégica Quem somos e o que fazemos A Select Advisor é uma empresa de Consultoria Estratégica Ajudamos à criação de valor, desde a intenção de investimento e angariação de parcerias até ao apoio de candidaturas

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Capacitar para Qualificação e Inovação das Redes Sociais do Minho-Lima (CQIRS-ML) Seminário Redes Sociais, Desenvolvimento e Coesão Social do Alto Minho: Diagnóstico, Perspetivas e Ações 2014-2020 19 de

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito REGULAMENTO O presente regulamento estabelece os procedimentos associados à medida «Passaporte para o Empreendedorismo», regulamentada pela Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, estabelecida

Leia mais

Manual da Marca Priolo

Manual da Marca Priolo 2015 Manual da Marca Priolo Carta Europeia de Turismo Sustentável Terras do Priolo ÍNDICE RESUMO 01 1. NOTA INTRODUTÓRIA 02 1.1 Justificação da necessidade de criação da Marca Priolo 02 2. PROCEDIMENTO

Leia mais

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 1 Índice: I Enquadramento II Eixos de Intervenção Estratégica III Proposta de Orçamento IV Candidaturas a Programas de Apoio 2 I Enquadramento Estratégico

Leia mais

TURISMO NÁUTICO GERADOR DE RIQUEZA MARTINHO FORTUNATO

TURISMO NÁUTICO GERADOR DE RIQUEZA MARTINHO FORTUNATO TURISMO NÁUTICO GERADOR DE RIQUEZA MARTINHO FORTUNATO Setembro de 2009 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. PENT (Plano Estratégico Nacional do Turismo) 3. TURISMO NÁUTICO NA EUROPA E NO MUNDO 4. O SECTOR EM PORTUGAL

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017

PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017 PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017 Antes de concretizar a análise do referido Plano cumpre-nos dizer que é necessário que todos

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

Portugal 2020 O Financiamento às Empresas. Empreender, Inovar, Internacionalizar. Speaking Notes. Fevereiro 10, 2015. Vila Nova de Famalicão

Portugal 2020 O Financiamento às Empresas. Empreender, Inovar, Internacionalizar. Speaking Notes. Fevereiro 10, 2015. Vila Nova de Famalicão Portugal 2020 O Financiamento às Empresas Empreender, Inovar, Internacionalizar Speaking Notes Fevereiro 10, 2015 Vila Nova de Famalicão Casa das Artes Miguel Frasquilho Presidente, AICEP Portugal Global

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

Solidariedade. Inovação. Oportunidade. Cultura. A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s. E m p r e s a s C o o p e rativa s. Inclusão Social e Emprego

Solidariedade. Inovação. Oportunidade. Cultura. A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s. E m p r e s a s C o o p e rativa s. Inclusão Social e Emprego Solidariedade A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s P a r c e r i a Oportunidade Cultura E m p r e s a s C o o p e rativa s Empreendedorismo PORTUGAL Inclusão Social e Emprego Inovação A c o r d o I

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral.

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral. Plano de Atividades 2016 INTRODUÇÃO O Plano de Atividades para 2016 agora apresentado tem como mote central DAR SENTIDO. Dar Sentido a tudo o que fazemos, o que nos envolve e o que envolve os outros. Centrarse-á

Leia mais

Intervenção do Sr. Deputado. Osório Silva. Intitulada: O Sector do Turismo na Ilha Terceira. Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores

Intervenção do Sr. Deputado. Osório Silva. Intitulada: O Sector do Turismo na Ilha Terceira. Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Intervenção do Sr. Deputado Osório Silva Intitulada: O Sector do Turismo na Ilha Terceira Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sala das Sessões, Ilha do Faial O Partido Socialista/Açores,

Leia mais

O Direito ao Turismo para a Pessoa Idosa no Brasil. Gloria Maria Widmer e Ana Julia de Souza Melo

O Direito ao Turismo para a Pessoa Idosa no Brasil. Gloria Maria Widmer e Ana Julia de Souza Melo O Direito ao Turismo para a Pessoa Idosa no Brasil Gloria Maria Widmer e Ana Julia de Souza Melo Objetivo: identificar a presença do turismo como atividade integrante de programas de lazer criados pelo

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Amilcar

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

Planificação Anual de Operações Técnicas em Empresas Turísticas OTET 12.º Ano

Planificação Anual de Operações Técnicas em Empresas Turísticas OTET 12.º Ano ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE AMORA Curso Profissional de Técnico de Turismo Planificação Anual de Operações Técnicas em Empresas Turísticas OTET 12.º Ano Componente de Formação Técnica Ano Letivo

Leia mais

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA O objetivo específico deste concurso consiste em conceder apoios financeiros a projetos

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

A CIDADANIA E O SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE

A CIDADANIA E O SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE A CIDADANIA E O SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE Liliana de Almeida Investigadora do Observatório Político Análises e discursos políticos têm referido que as reformas na Saúde têm de ser centradas no Cidadão,

Leia mais

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira Lisboa, 5 de Julho 2012 Bruno Freitas Diretor Regional de Turismo da Madeira O Destino Madeira A Região Autónoma da Madeira (RAM) ocupa, desde

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Instituto Português de Corporate Governance Auditório Victoria 27 de novembro 2013 Ana de Sá Leal economista Abordagem 1. Responsabilidade Social 2. Dimensão 3. Criar Valor 4. Outro

Leia mais

90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional

90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional Michael Page lança Barómetro de TI 90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional Lisboa, 21 de Julho de 2015 A Michael Page, empresa líder em recrutamento de quadros médios e superiores,

Leia mais

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Num contexto de modernização e inovação constante, torna-se imperioso e urgente criar uma legislação turística em São Tomé e Príncipe, sendo este um instrumento

Leia mais

THE INTERNATIONAL TOURISM MARKET: A STRATEGIC VISION FOR MADEIRA

THE INTERNATIONAL TOURISM MARKET: A STRATEGIC VISION FOR MADEIRA THE INTERNATIONAL TOURISM MARKET: A STRATEGIC VISION FOR MADEIRA Josep-Francesc Valls, PhD Visiting professor, UMa Full professor Department of Marketing Management, ESADE Business School Funchal, 15 de

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PLANO DE ATIVIDADES 2 ÍNDICE CARATERIZAÇÃO DO CENTRO DE REURSOS PARA A INCLUSÃO.. 3 FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE RECUSOS PARA A INCLUSÃO 3 CARATERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO

Leia mais

O NOVO ENQUADRAMENTO JURIDICO DAS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA

O NOVO ENQUADRAMENTO JURIDICO DAS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA O NOVO ENQUADRAMENTO JURIDICO DAS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA 10 de Fevereiro de 2010 Elsa Correia Gavinho 1 Novo enquadramento jurídico das EAT 2 1 - As razões para a mudança 2 - As principais alterações

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO Objetivo Artigo 1.º 1. Este regulamento tem como objetivo estabelecer condições e normas para a obtenção

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

PROGRAMA DE 3 DIAS NAS ILHAS DO FAIAL E PICO, AÇORES

PROGRAMA DE 3 DIAS NAS ILHAS DO FAIAL E PICO, AÇORES PROGRAMA DE 3 DIAS NAS ILHAS DO FAIAL E PICO, AÇORES ESTE PROGRAMA TEM COMO OBJECTIVO BRINDAR O NOSSO CLIENTE COM A POSSIBILIDADE DE CONHECER, DESCOBRIR E EXPLORAR AS ILHAS DO FAIAL E DO PICO. TEMOS ASSIM

Leia mais

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR:

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: 1ª AVENIDA DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DA BAIXA DO PORTO Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: Unidade de Gestão de Área Urbana Setembro 2013 Agradecimentos

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

Declaração da Cimeira Mundial dos Destinos para Todos Montreal, 2014

Declaração da Cimeira Mundial dos Destinos para Todos Montreal, 2014 Um Mundo para Todos Declaração da Cimeira Mundial dos Destinos para Todos Montreal, 2014 Tendo- nos reunido em Montreal, Canadá na Cimeira Mundial dos Destinos para Todos, de 19-22 Outubro de 2014, nós,

Leia mais

Escola para todos - Uma utopia tangível? Maria Filomena Ventura

Escola para todos - Uma utopia tangível? Maria Filomena Ventura 1 Escola para todos - Uma utopia tangível? Maria Filomena Ventura O conceito de Escola para Todos, ou Escola Inclusiva, surge no âmbito da Conferência Mundial sobre Necessidades Educativas Especiais em

Leia mais

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 1. A EVOLUÇÃO DOS MERCADOS 1.1 - A situação dos mercados registou mudanças profundas a nível interno e externo. 1.2 - As variáveis dos negócios

Leia mais

A APECATE - Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos, constituída por escritura pública em 17 de Janeiro de

A APECATE - Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos, constituída por escritura pública em 17 de Janeiro de Turismo de Natureza e Sustentabilidade QUEM SOMOS A APECATE - Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos, constituída por escritura pública em 17 de Janeiro de 2007,

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL Mapa de oportunidades para Agências de Viagens O que é ABAV? Entidade empresarial, sem fins lucrativos, que representa as Agências de Viagens espalhadas

Leia mais

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Isabel Hormigo (Ministério da Educação e Ciência, Lisboa) Setúbal, 7 de fevereiro de 2014 Ciclos de estudos e duração Idade

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS 1 de 6 - mobilidade humana e OBJECTIVO: Identifica sistemas de administração territorial e respectivos funcionamentos integrados. O Turismo Guião de Exploração Indicadores sobre o turismo em Portugal 27

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 A Resolução do Conselho de Ministros n.º 16/2012, de 14 de fevereiro, que aprova os critérios de determinação do vencimento dos gestores públicos, estabelece

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 TURISMO DE AVENTURA: ANÁLISES E QUESTIONAMENTOS SOBRE O PROCESSO DE CRIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA

Leia mais

Apreciação Parlamentar n.º 130/XII

Apreciação Parlamentar n.º 130/XII Apreciação Parlamentar n.º 130/XII Decreto-Lei n.º 181-A/2014, de 24 de dezembro, que «aprova o processo de reprivatização indireta do capital social da TAP, Transportes Aéreos Portugueses, S. A.» Foi

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Enquadramento técnico normativo

Enquadramento técnico normativo Este Guião pretende, por um lado dar visibilidade ao serviço de SAD promovido pelas IPSS, e por outro servir de inspiração para todas as instituições. Não é um documento fechado, antes uma base de trabalho

Leia mais

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado Business Case 2013 AGENDA ENQUADRAMENTO COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL CLARA, RIGOROSA E TRANSPARENTE COM O MERCADO ENQUADRAMENTO Na economia

Leia mais

Código de Conduta para as Estatísticas Europeias

Código de Conduta para as Estatísticas Europeias Código de Conduta para as Estatísticas Europeias Adotado pelo Comité do Sistema Estatístico Europeu em 28 de setembro de 2011 Tradução realizada pelo INE, IP Preâmbulo Visão do Sistema Estatístico Europeu

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

Portugal 2020. CCILC, Junho 2014

Portugal 2020. CCILC, Junho 2014 Portugal 2020 CCILC, Junho 2014 Internacionalização: Quando? Para Quem? PME Organizações Onde? Regiões Como valorizar? + RH +Inovação O Quê? Que Investimentos? Quais? Temas Prioridades Objetivos Internacionalização:

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

Compromisso para o Crescimento Verde e o Turismo

Compromisso para o Crescimento Verde e o Turismo www.pwc.pt Compromisso para o Crescimento Verde e o Turismo 16 Cláudia Coelho Diretora Sustainable Business Solutions da Turismo é um setor estratégico para a economia e sociedade nacional o que se reflete

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA De acordo com os últimos dados disponíveis do Observatório para a inserção profissional da Universidade Nova de Lisboa, a taxa de emprego dos alunos

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015 1 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Método e Gestão de Informação Serviço de Conjuntura Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas

Leia mais

A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE. Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013

A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE. Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013 A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013 Formação APRESENTAÇÃO Graduada em Planeamento e Desenvolvimento do Turismo ULHT Lisboa Portugal Pós-graduada e especialista

Leia mais

as quais permitem desenvolver novos saberes e potenciar a sua utilização e difusão.

as quais permitem desenvolver novos saberes e potenciar a sua utilização e difusão. 2011- O contributo do QREN para a competitividade e a coesão da região centro Intervenção do senhor Reitor, Prof. Doutor Manuel Assunção Centro Cultural da Gafanha da Nazaré Rua Prior Guerra 14 de Dezembro

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais