FASE A Diagnóstico da Bacia Hidrográfica. FASE B Prognóstico da Bacia Hidrográfica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FASE A Diagnóstico da Bacia Hidrográfica. FASE B Prognóstico da Bacia Hidrográfica"

Transcrição

1

2 Conteúdo deste documento Abrangência e escopo do trabalho FASE A Diagnóstico da Bacia Hidrográfica A.1 - Caracterização do Meio Físico Biótico A.2 - Caracterização do Meio Socioeconômico-Cultural A.3 - Caracterização das Disponibilidades Hídricas A.4 - Caracterização das Demandas Hídricas FASE B Prognóstico da Bacia Hidrográfica

3

4 Plano de Recursos Hídricos A água é o recurso mais importante do planeta? Temos informações e um sistema de gestão adequado à importância deste recurso? Planejamento! Exigência legal ou requisito técnico? Planos Municipais (Plano Diretor, Plano de Saneamento, Orçamento) Que outro recurso público possui mais informações, um sistema eficiente e todos sabemos planejar? O objetivo do plano? Desenvolvimento. Compatibilização da disponibilidade com a demanda hídrica para o desenvolvimento social e econômico da população.

5 Estratégia adotada Conhecimento sobre os recursos hídricos e fatores sócioeconômicos. Conhecimento sobre os setores usuários de recursos hídricos. Conhecimento sobre os atores do sistema de gestão de recursos hídricos. Universidades repositório de informações consistentes; domínio de metodologias científicamente comprovadas; experiência no debate e articulação participativa de políticas públicas; formação de recursos humanos; transferência de conhecimento; espaço aberto à sociedade.

6 Plano da Bacia Hidrográfica do Entorno do Lago da UHE Luís Eduardo Magalhães Lei Federal Nº de 8 de janeiro de Política Nacional de Recursos Hídricos. Lei Estadual Nº de 22 de março de Política Estadual de Recursos Hídricos. Planos Diretores de Recursos Hídricos Convênio 05/2014 Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SEMARH) Fundação de Apoio Científico e Tecnológico do Tocantins (FAPTO) Comitê das Bacias Hidrográficas do Entorno do Lago Fundo Estadual de Recursos Hídricos

7 EQUIPE TÉCNICA Nome Felipe de Azevedo Marques Rui da Silva Andrade Fernán Enrique Vergara Fiqueroa Paula Benevides de Morais Rogério Castro Ferreira Emerson Adriano Guarda Marcos André de Oliveira José Luiz Cabral da Silva Junior Ary Henrique Função Coordenador Geral Especialista em Hidrologia e Geoprocessamento Coordenador Técnico Especialista em Conservação de Água e Solo Especialista em Gestão de Recursos Hídricos Especialista em Biodiversidade e Qualidade de Águas Especialista em Sócio Economia Especialista em Química Ambiental Especialista em Hidroenergia Especialista em Hidrometeorologia Especialista em Tecnologia da Informação

8 EQUIPE DE ESTAGIÁRIOS - UFT Nome Função Raphael Medeiros Lucas Costa Ana Andreza Araújo Taryane Fernandes Caio Augusto Lobo Rafael Amaral Raphael Victor Nilsom Grimm Thaylon Guedes Hidrologia e geoprocessamento Hidrologia e geoprocessamento Socioeconomia Biodiversidade e qualidade das águas Gestão de recursos hídricos Arte e comunicação Arte e comunicação Relações públicas e eventos Tecnologia da Informação

9 ESCOPO DO TRABALHO Desenvolvimento do Plano Diretor do Lago Fases Plano de Trabalho Fase A Fase B Fase C Fase D Planejamento Diagnóstico Prognóstico Compatibilização Metas e Ações Atividades Gerência do Projeto Gestão de Qualidade de Dados QA Centro de Competência em Recursos Hídricos Gestão de Informações (Metadados) Mobilização da equipe; Cronograma detalhado; Plano de Trabalho; Reunião de kick-off; Ata reunião de kickoff. Meio físico biótico; Meio Socioeconômico Cultural; Disponibilidades hídricas; Demandas hídricas; Consulta pública; Encontro técnico. Evolução demografica e econômica; Evolução Construção das rotinas de aplicação; Construção das telas; Construção das rotinas de integração e tratamento de dados; Carga da base de dados; Testes de aplicação. Planejamento de homologação; Testes de aceitação com usuários; Relatórios de teste e homologação. Documentação de passagem a produção; Implantação de processos e relatórios; Acompanhamento pós produção; Treinamentos e capacitações.

10 Conteúdo deste documento Abrangência e escopo do trabalho FASE A Diagnóstico da Bacia Hidrográfica A.1 - Caracterização do Meio Físico Biótico A.2 - Caracterização do Meio Socioeconômico-Cultural A.3 - Caracterização das Disponibilidades Hídricas A.4 - Caracterização das Demandas Hídricas FASE B Prognóstico da Bacia Hidrográfica

11 FASE A- Diagnóstico da Bacia Hidrográfica Levantamento e a avaliação integrada das restrições e das potencialidades dos recursos hídricos, associadas às demandas atuais para os diversos usos, incluindo o conhecimento da dinâmica social, a organização e a condução inicial do processo de mobilização social. O objetivo foi inventariar e estudar o meio físico e biótico, socioeconômico-cultural e os recursos hídricos, superficiais e subterrâneos para a avaliação quantitativa e qualitativa da disponibilidade hídrica da bacia hidrográfica. Principais atividades desenvolvidas: A1 - Diagnóstico do Meio Físico-Biótico; A2 - Caracterização do Meio Socioeconômico-Cultural; A3 - Caracterização das Disponibilidades Hídricas; A4 - Caracterização das Demandas Hídricas; A5 - Primeira Consulta Pública; A6 - Encontro Técnico para Discussão do Diagnóstico.

12 Cartilha de Mobilização Social Encaminhada a 225 atores sociais estratégicos nos municípios do entorno do lago. Página em rede social: Entre em contato e participe!

13 Página Oficial no Facebook

14 Conteúdo deste documento Abrangência e escopo do trabalho FASE A Diagnóstico da Bacia Hidrográfica A.1 - Caracterização do Meio Físico Biótico A.2 - Caracterização do Meio Socioeconômico-Cultural A.3 - Caracterização das Disponibilidades Hídricas A.4 - Caracterização das Demandas Hídricas FASE B Prognóstico da Bacia Hidrográfica

15 Área de drenagem: ,185 km²

16

17 Que tal dividi-la em partes menores? Quando um problema está muito difícil Convém dividi-lo em partes menores.

18

19

20

21 A1- Caracterização do Meio Físico-Biótico

22

23

24 Problemas?

25 Problemas?

26 Problemas?

27 Conteúdo deste documento Abrangência e escopo do trabalho FASE A Diagnóstico da Bacia Hidrográfica A.1 - Caracterização do Meio Físico Biótico A.2 - Caracterização do Meio Socioeconômico-Cultural A.3 - Caracterização das Disponibilidades Hídricas A.4 - Caracterização das Demandas Hídricas FASE B Prognóstico da Bacia Hidrográfica

28

29

30

31

32 Conteúdo deste documento Abrangência e escopo do trabalho FASE A Diagnóstico da Bacia Hidrográfica A.1 - Caracterização do Meio Físico Biótico A.2 - Caracterização do Meio Socioeconômico-Cultural A.3 - Caracterização das Disponibilidades Hídricas A.4 - Caracterização das Demandas Hídricas FASE B Prognóstico da Bacia Hidrográfica

33

34

35 Pluviograma mensal e ano hidrológico Início do ano hidrológico: Setembro! Período chuvoso: outubro a abril Período seco: Maio a Setembro 143 mm

36

37 Equação IDF

38 5 estações com pelo menos 5 anos

39 Estudo das Vazões no Entorno do Lago Série histórica: 2003, 2004, 2005 Qmld 3,003 m³/s Área 157,083 km² qmld 0,019 m³/s.km²

40 Hidrograma de Vazões Médias Média 3,0 m³/s Vazões médias mensais na estação no Ribeirão Taquaruçu Grande.

41

42 Espacialização da Vazão Mínima de Referência (m³/s)

43

44

45

46

47 Conteúdo deste documento Abrangência e escopo do trabalho FASE A Diagnóstico da Bacia Hidrográfica A.1 - Caracterização do Meio Físico Biótico A.2 - Caracterização do Meio Socioeconômico-Cultural A.3 - Caracterização das Disponibilidades Hídricas A.4 - Caracterização das Demandas Hídricas FASE B Prognóstico da Bacia Hidrográfica

48 105 ANA 207 Naturatins

49

50 Cálculo das Demandas Hídricas - Outorgas ID Sub-bacia Abastecimento (L/s Dessedentação (L/s) Irrigação (L/s) Indústria (L/s) Mineração (L/s) Piscicultura (L/s) Recreação (L/s) Serviços (L/s) Total (L/s 1 Ribeirão Taquaruçu Gran 728,6 0,7 17,9 2,1 8,3 0,3 6,7 764,6 2 Ribeirão Água Fria 100,6 1,4 2,5 1,4 85,3 1,4 5,7 198,3 3 Rio Crixás 0,3 191,8 192,1 4 Córrego Comprido 122,4 41,4 0,6 0,4 13,3 178,1 5 Ribeirão Conceição 1,4 103,3 0,6 105,3 6 Rio Água Suja 1,4 2,4 15,8 7,1 0,4 23,9 51,0 7 Rio Areias 8,3 1,3 1,7 17,1 28,4 8 Ribeirão dos Mangues 2,4 3,3 0,3 13,8 0,7 0,2 20,7 9 Ribeirão do Carmo 0,3 0,3 7,4 8,0 10 Ribeirão São João 2,8 4,4 7,2 11 Córrego São João 5,6 5,6 12 Rio Matança 2,8 0,2 3,0 13 Córrego Santa Luzia 0,6 0,6 14 Ribeirão Lajeado 0,3 0,3 15 Rio Formiga 0,0

51 Uso por atividade nas Sub-bacias (%) - Naturatins ID Sub-bacia Abastecimento (L/s)Dessedentação (L/s) Irrigação (L/s) Indústria (L/s) Mineração (L/s) Piscicultura (L/s) Recreação (L/s) Serviços (L/s) Total (L/s) 1 Ribeirão Taquaruçu Gran 95,3 0,1 2,3 0,3 0,0 1,1 0,0 0,9 100,0 2 Ribeirão Água Fria 50,7 0,7 1,3 0,7 0,0 43,0 0,7 2,9 100,0 3 Rio Crixás 0,2 0,0 99,8 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 100,0 4 Córrego Comprido 68,7 0,0 23,2 0,3 0,0 0,0 0,2 7,5 100,0 5 Ribeirão Conceição 0,0 1,3 98,1 0,5 0,0 0,0 0,0 0,0 100,0 6 Rio Água Suja 2,7 4,7 31,0 13,9 0,8 46,9 0,0 0,0 100,0 7 Rio Areias 29,2 4,6 0,0 0,0 6,0 60,2 0,0 0,0 100,0 8 Ribeirão dos Mangues 11,6 15,9 1,4 66,7 3,4 0,0 0,0 1,0 100,0 9 Ribeirão do Carmo 0,0 3,8 0,0 3,8 92,5 0,0 0,0 0,0 100,0 10 Ribeirão São João 0,0 38,9 61,1 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 100,0 11 Córrego São João 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 100,0 100,0 12 Rio Matança 0,0 0,0 93,3 0,0 0,0 6,7 0,0 0,0 100,0 13 Córrego Santa Luzia 0,0 0,0 0,0 0,0 100,0 0,0 0,0 0,0 100,0 14 Ribeirão Lajeado 0,0 0,0 0,0 100,0 0,0 0,0 0,0 0,0 100,0 15 Rio Formiga 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0

52 Cálculo das Demandas Hídricas Censo IBGE ID Sub-bacia Abastecimento (L/s) Dessedentação (L/s) Irrigação (L/s) Indústria (L/s) Mineração (L/s) Piscicultura (L/s) Recreação (L/s) Serviços (L/s) Total (L/s) 1 Rio Crixás 27,6 489,6 943,3 1460,4 2 Ribeirão dos Mangues 35,4 451,9 767,7 13,8 0,7 0,2 1269,7 3 Ribeirão Taquaruçu Grande 733,1 24,2 132,8 2,1 8,3 0,3 6,7 907,6 4 Rio Areias 22,0 201,7 663,4 1,7 17,1 905,9 5 Rio Formiga 6,3 133,4 505,3 645,0 6 Córrego Santa Luzia 3,8 262,0 373,5 0,6 639,9 7 Rio Água Suja 13,4 83,3 279,8 7,1 0,4 23,9 407,9 8 Ribeirão Lajeado 1,0 129,7 195,3 0,3 326,3 9 Ribeirão Água Fria 100,6 5,1 27,9 1,4 85,3 1,4 5,7 227,3 10 Ribeirão do Carmo 2,3 42,0 125,6 0,3 7,4 177,6 11 Córrego Comprido 122,4 4,4 24,1 0,6 0,4 13,3 165,2 12 Córrego São João 122,4 7,5 22,5 5,6 158,1 13 Ribeirão Conceição 0,8 43,7 102,0 0,6 147,1 14 Rio Matança 2,0 35,6 106,6 0,2 144,4 15 Ribeirão São João 3,9 22,4 89,0 115,3

53 Comparação das Demandas Outorgadas VS Estimadas ID Sub-bacia Abastecimento (L/s) Dessedentação (L/s) Irrigação (L/s) Indústria (L/s) Mineração (L/s) Piscicultura (L/s) Recreação (L/s) Serviços (L/s) Total (L/s) 1 Ribeirão Taquaruçu Grande 4,5 23,5 114,9 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 143,0 2 Ribeirão Água Fria 0,0 3,7 25,4 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 29,0 3 Rio Crixás 27,3 489,6 751,5 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 1268,3 4 Córrego Comprido 0,0 4,4-17,3 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0-12,9 5 Ribeirão Conceição 0,8 42,3-1,3 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 41,8 6 Rio Água Suja 12,0 80,9 264,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 356,9 7 Rio Areias 13,7 200,4 663,4 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 877,5 8 Ribeirão dos Mangues 33,0 448,6 767,4 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 1249,0 9 Ribeirão do Carmo 2,3 41,7 125,6 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 169,6 10 Ribeirão São João 3,9 19,6 84,6 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 108,1 11 Córrego São João 122,4 7,5 22,5 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 152,5 12 Rio Matança 2,0 35,6 103,8 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 141,4 13 Córrego Santa Luzia 3,8 262,0 373,5 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 639,3 14 Ribeirão Lajeado 1,0 129,7 195,3 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 326,0 15 Rio Formiga 6,3 133,4 505,3 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 645,0

54 Comparação das Demandas Outorgadas VS Estimadas Id Sub-Bacia Qmld (m³/s) Q 90 (m³/s) Estimado (m³/s) Outorgado (m³/s) Estimado Outorgado Qmld Q 90 Qmld Q 90 1 Córrego Comprido 0,884 0,093 0,1652 0, ,68% 177,46% 20,14% 191,36% 2 Ribeirão Água Fria 1,654 0,174 0,2273 0, ,74% 130,57% 11,99% 113,89% 3 Ribeirão Taquaruçu Grande 7,538 0,793 0,9076 0, ,04% 114,39% 10,14% 96,37% 4 Ribeirão Conceição 6,636 0,699 0,1471 0,1053 2,22% 21,06% 1,59% 15,07% 5 Córrego São João 1,556 0,164 0,1581 0, ,16% 96,52% 0,36% 3,42% 6 Rio Crixás 62,803 6,611 1,4604 0,1921 2,33% 22,09% 0,31% 2,91% 7 Rio Água Suja 17,858 1,880 0,4079 0,0510 2,28% 21,70% 0,29% 2,71% 8 Ribeirão São João 5,291 0,557 0,1153 0,0072 2,18% 20,70% 0,14% 1,29% 9 Ribeirão do Carmo 7,253 0,763 0,1776 0,0080 2,45% 23,27% 0,11% 1,05% 10 Rio Areias 44,236 4,656 0,9059 0,0284 2,05% 19,45% 0,06% 0,61% 11 Rio Matança 6,701 0,705 0,1444 0,0030 2,15% 20,47% 0,04% 0,43% 12 Ribeirão dos Mangues 48,772 5,134 1,2697 0,0207 2,60% 24,73% 0,04% 0,40% 13 Córrego Santa Luzia 23,622 2,487 0,6399 0,0006 2,71% 25,73% 0,00% 0,02% 14 Ribeirão Lajeado 12,901 1,358 0,3263 0,0003 2,53% 24,03% 0,00% 0,02% 15 Rio Formiga 34,723 3,655 0,6450 0,0000 1,86% 17,65% 0,00% 0,00%

55

56

57 Consulta Pública

58 Conteúdo deste documento Abrangência e escopo do trabalho FASE A Diagnóstico da Bacia Hidrográfica A.1 - Caracterização do Meio Físico Biótico A.2 - Caracterização do Meio Socioeconômico-Cultural A.3 - Caracterização das Disponibilidades Hídricas A.4 - Caracterização das Demandas Hídricas FASE B Prognóstico da Bacia Hidrográfica

59 Prognóstico Cenário tendencial VS Cenário normativo (objetivo)

60 Prognóstico Questionário Com o desenvolvimento da agropecuária na região, percebe-se a possibilidade que o setor de agroindústrias venha a se instalar nessa região. O(a) sr(a) acha que isso é possível? Justificativa: Horizonte Certamente que sim Talvez sim Talvez não Certamente que não Não sei 5 anos 10 anos 20 anos

61 Contatos: Itamar Xavier (CBHEL): Felipe Marques (FAPTO): Até a próxima!

Câmara Técnica de Ciência e Tecnologia - CTCT/CNRH

Câmara Técnica de Ciência e Tecnologia - CTCT/CNRH MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS - CNRH CÂMARA TÉCNICA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - CTCT Assunto: Origem: Proposta de moção que estabelece princípios e prioridades para investimentos

Leia mais

GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO DF:

GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO DF: GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO DF: RESOLUÇÃO/ADASA Nº. 09, DE 2011 SIMPÓSIO OLHARES SOBRE O MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS NO DF16 RAFAEL MELLO BRASÍLIA MARÇO/2016 Precipitação (mm) Fonte: ADASA PRECIPITAÇÃO

Leia mais

Gestão Sustentável da Água no 3º. Milênio: Desafios e Alternativas

Gestão Sustentável da Água no 3º. Milênio: Desafios e Alternativas VI Semana da Geografia Unesp Ourinhos, Maio 2010 Gestão Sustentável da Água no 3º. Milênio: Desafios e Alternativas Henrique Marinho Leite Chaves Faculdade de Tecnologia-EFL Universidade de Brasília-UnB

Leia mais

Relatório elaborado pela. ONG Sustentabilidade e Participação

Relatório elaborado pela. ONG Sustentabilidade e Participação CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ORGÃOS - FESO Centro de Ciência e Tecnologia - CCT Curso de Engenharia de Produção NAI - Núcleo de Atividades Complementares Relatório elaborado pela ONG Sustentabilidade

Leia mais

Água na produção de alimentos e Gestão compartilhada dos Recursos Hídricos: desafios e oportunidades

Água na produção de alimentos e Gestão compartilhada dos Recursos Hídricos: desafios e oportunidades Água na produção de alimentos e Gestão compartilhada dos Recursos Hídricos: desafios e oportunidades Prof. Dr. José Luiz Cabral Manaus, AM Brasil Algumas reflexões... Água HOJE... ÁGUA NA AGRICULTURA aprimorar

Leia mais

Seminário Espaços Urbanos Seguros

Seminário Espaços Urbanos Seguros Seminário Espaços Urbanos Seguros A atuação da CAIXA e seu impacto no desenvolvimento de cidades sustentáveis Vice-Presidência de Governo Superintendência Nac de Ass Técnica e Desenv Sustentável Jean R.

Leia mais

Audiência Pública sobre o Plano de Redução de Riscos de Petrópolis

Audiência Pública sobre o Plano de Redução de Riscos de Petrópolis Boletim Informativo Digital Quinzenal. 16 a 31 de maio de 2017 Audiência Pública sobre o Plano de Redução de Riscos de Petrópolis (foto: Victor Montes/AGEVAP UD2) Audiência Pública sobre o Plano de Redução

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FORTALEZA GABINETE DO VEREADOR PAULO DIÓGENES LÍDER DO PSD INDICAÇÃO N1. Exmo. Sr. PltESIDENTE DA CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA.

CÂMARA MUNICIPAL DE FORTALEZA GABINETE DO VEREADOR PAULO DIÓGENES LÍDER DO PSD INDICAÇÃO N1. Exmo. Sr. PltESIDENTE DA CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA. CÂMARA MUNICIPAL DE FORTALEZA GABINETE DO VEREADOR PAULO DIÓGENES LÍDER DO PSD INDICAÇÃO N1 06/2015 /2015 AUTORIZA O PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (PMSB) DE FORTALEZA, A CONCEDER DESCONTO NAS TARIFAS

Leia mais

Objetivo 7 - Garantir a sustentabilidade ambiental

Objetivo 7 - Garantir a sustentabilidade ambiental Apresentação dos Resultados do Relatório ODM BH 2014 - Meta 10 - Reduzir pela metade, até 2015, a proporção da população sem acesso permanente e sustentável à água potável e esgotamento sanitário Ricardo

Leia mais

Logo da empresa. Cenários de Abastecimento Futuro de Palmas-TO com base na Simulação da Disponibilidade Hídrica do Ribeirão Taquarussu Grande

Logo da empresa. Cenários de Abastecimento Futuro de Palmas-TO com base na Simulação da Disponibilidade Hídrica do Ribeirão Taquarussu Grande Logo da empresa Cenários de Abastecimento Futuro de Palmas-TO com base na Simulação da Disponibilidade Hídrica do Ribeirão Taquarussu Grande Msc. Antonio Rodrigues da Silva Neto Curriculum Autor: Antonio

Leia mais

¹ Universidade Federal de Campina Grande

¹ Universidade Federal de Campina Grande Diagnós(co do Sistema de Drenagem Urbana do Município de Campina Grande - PB Priscila Barros Ramalho¹, Joelma Ferreira Silva¹, Hiran de Melo Filho¹, Patrícia Hermínio Cunha Feitosa¹ & Rodolfo Lucas Santos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001)

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) Página 1 de 5 RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) O Conselho Nacional de Recursos Hídricos, no uso das competências que lhe são conferidas pela Lei nº 9.433,

Leia mais

SISU RESULTADO DA LISTA DE ESPERA CAMPUS JUIZ DE FORA

SISU RESULTADO DA LISTA DE ESPERA CAMPUS JUIZ DE FORA Graduação Presencial SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Grupo A Ampla Concorrência 1 161055522437 RAFAEL CERQUEIRA VIEIRA LUCCKESI 2 161051044287 EDUARDO DE ALMEIDA GRUNEWALD 3 161038999124 VICTOR AVELINO SAHB 4 161072328032

Leia mais

Rio de Janeiro, 30 de janeiro de 2015 TÍTULO APRESENTAÇÃO 1

Rio de Janeiro, 30 de janeiro de 2015 TÍTULO APRESENTAÇÃO 1 Rio de Janeiro, 30 de janeiro de 2015 TÍTULO APRESENTAÇÃO 1 Atores 50% 50% Cliente Parceiro gestão comercial Agente regulador Fundação Rio-Águas Breve explanação Licitação e Contrato Objeto: Maior valor

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO PROJETO: IMPLANTAR POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Número do Projeto: 08/2011-1 Código do Projeto:CTI_SI_POLITICA Versão: 2 Área demandante: Comitê de Planejamento e Gestão Data da versão:

Leia mais

GESTÃO PÚBLICA EAD 2013.1 2ª E ÚLTIMA CHAMADA (LISTA DE ESPERA)

GESTÃO PÚBLICA EAD 2013.1 2ª E ÚLTIMA CHAMADA (LISTA DE ESPERA) GESTÃO PÚBLICA EAD 2013.1 2ª E ÚLTIMA CHAMADA (LISTA DE ESPERA) Todos os candidatos convocados deverão comparecer para efetuar cadastramento nos dias 03/05/2013, no horário das 8 às 11h e das 14 às 17h

Leia mais

PROFISSIONAIS QUE TRABALHARAM EM PROJETOS, PROGRAMAS E/OU PESQUISAS PERÍODO 2001 a 2016

PROFISSIONAIS QUE TRABALHARAM EM PROJETOS, PROGRAMAS E/OU PESQUISAS PERÍODO 2001 a 2016 1 Adriana Jazzar Especialista convidada Programa Interações Improváveis 2 Álvaro Komori Designer Projeto Mobiliário para Creches 2007 2007 3 Ana Beatriz Cerisara * Especialista convidada Projeto Cuidar/

Leia mais

Os avanços e as lacunas do sistema de gestão sustentável dos Recursos Hídricos no Brasil

Os avanços e as lacunas do sistema de gestão sustentável dos Recursos Hídricos no Brasil Os avanços e as lacunas do sistema de gestão sustentável dos Recursos Hídricos no Brasil Palestrante: Rafael F. Tozzi Belém, 10 de agosto de 2017 1 Contexto Geral A seca e escassez no Sudeste, as inundações

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 226-MA

FICHA PROJETO - nº 226-MA FICHA PROJETO - nº 226-MA Mata Atlântica Grande Projeto Chamada 03 1) TÍTULO: Apoio a criação de Unidades de Conservação na Floresta Atlântica de Pernambuco. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Água Preta,

Leia mais

Gestão de Recursos Hídricos no Estado de São Paulo

Gestão de Recursos Hídricos no Estado de São Paulo COORDENADORIA DE PLANEJAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SMA CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL - 18 DE MAIO DE 2006 Gestão de Recursos Hídricos no Estado de São Paulo Rui Brasil Assis Coordenador

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS

IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS SEM ARH SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS JOSÉ DE PAULA MORAES FILHO SECRETÁRIO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS RECURSOS

Leia mais

PRINCIPAIS UNIDADES PARCEIRAS :

PRINCIPAIS UNIDADES PARCEIRAS : PRINCIPAIS UNIDADES PARCEIRAS : SECRETARIA GERAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL SPDI ESCRITÓRIO DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO EDF PREFEITURAS UNIVERSITÁRIAS - PUs SECRETARIA GERAL DE GESTÃO

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E PONTUAÇÃO POR COLÉGIOS

CLASSIFICAÇÃO E PONTUAÇÃO POR COLÉGIOS CLASSIFICAÇÃO E PONTUAÇÃO POR COLÉGIOS FEMININO A 1º SÃO FRANCISCO XAVIER 21 2º SANTA CRUZ 5 3º M. ARTHUR DA COSTA E SILVA 3,5 4º SESI 3 FEMININO B 1º CECÍLIA MEIRELES 23 2º OXIGÊNIOS 4 FEMININO C 1º CECÍLIA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 82, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

INFORMAÇÃO 097/12 DAP/SUPCOL PROTOCOLO Nº 157952/2012 INTERESSADO: DIRETORIA DA BACIA DO PEIXE-PARANAPANEMA - DAEESP ASSUNTO: CONSULTA TECNICA

INFORMAÇÃO 097/12 DAP/SUPCOL PROTOCOLO Nº 157952/2012 INTERESSADO: DIRETORIA DA BACIA DO PEIXE-PARANAPANEMA - DAEESP ASSUNTO: CONSULTA TECNICA INFORMAÇÃO 097/12 DAP/SUPCOL PROTOCOLO Nº 157952/2012 INTERESSADO: DIRETORIA DA BACIA DO PEIXE-PARANAPANEMA - DAEESP ASSUNTO: CONSULTA TECNICA 1. IDENTIFICAÇÃO E HISTÓRICO O Diretor da Bacia Peixe-Paranapanema,

Leia mais

LISTA DE CLASSIFICAÇÃO

LISTA DE CLASSIFICAÇÃO Administração de Empresas Regional: CACHOEIRA PAULISTA SUPERIOR 0074343-7 FLAVIO GONCALVES CHAGAS 233446448 35 58,33 1 Pág. 1 de 10 Administração de Empresas Regional: LORENA SUPERIOR 0026769-4 BRUNA BERNARDES

Leia mais

Plano Operacional Anual (POA) 2014

Plano Operacional Anual (POA) 2014 Plano Operacional Anual (POA) 2014 GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS INSTITUTO NATUREZA DO TOCANTINS COORDENADORIA DE PROTEÇÃO À BIODIVERSIDADE SUPERVISÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL MONUMENTO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA CRUZ DE MINAS-MG CONCURSO PÚBLICO - 001/2010 DATA DE REALIZAÇÃO: 30/10/2011 RESULTADO FINAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA CRUZ DE MINAS-MG CONCURSO PÚBLICO - 001/2010 DATA DE REALIZAÇÃO: 30/10/2011 RESULTADO FINAL 1/7 DE 1002 DANIELA CASTRO DINIZ SAMPAIO ASSISTENTE SOCIAL 27/11/1977 32,00 6,00 10,50 9,00 57,50 0001 APROV. 0624 MARCELA RITA RESENDE ASSISTENTE SOCIAL 10/03/1983 28,00 9,00 1,50 13,50 52,00 0002 APROV.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA CRUZ DE MINAS CONCURSO PUBLICO - Edital 001/2010 = Lista de Candidatos Inscritos =

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA CRUZ DE MINAS CONCURSO PUBLICO - Edital 001/2010 = Lista de Candidatos Inscritos = PREFEITURA MUNICIPAL DE 0617 ADRIANA MARCIA SALOMAO TABANEZ RG 4241095 ASSISTENTE SOCIAL 0612 ALAIDE JACIRA DA SILVA RG 9238282 ENFERMEIRO - PSF 0666 ALCIMARA CRISTINA DA SILVA RG 229586764 ENFERMEIRO

Leia mais

Cursos de capacitação em gestão de águas na Bacia do Rio Paranaíba

Cursos de capacitação em gestão de águas na Bacia do Rio Paranaíba Cursos de capacitação em gestão de águas na Bacia do Rio Paranaíba Paulo Salles Universidade de Brasília psalles@unb.br 5 a Reuniao da Camara Tecnica Rio Quente, 7-8 de maio de 2009 Esta apresentação Objetivos

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Semestre letivo

PLANO DE ENSINO. Semestre letivo Departamento de Engenharia Civil Disciplina : Hidrologia (HIA0001) Prof. Dr. Doalcey Antunes Ramos PLANO DE ENSINO Semestre letivo 2013-1 EMENTA: Ciclo hidrológico. Bacias hidrográficas. Precipitação.

Leia mais

Id: 1760894 Data Publicação: 01 12 2011 Fonte: Revista Edição: 19

Id: 1760894 Data Publicação: 01 12 2011 Fonte: Revista Edição: 19 Id: 1760894 Página: 18 AlturaxLargura: 25,9cmx19,5cm Id: 1760896 Página: 19 AlturaxLargura: 25,51cmx19,61cm Id: 1760898 Página: 20 AlturaxLargura: 25,61cmx19,55cm Id: 1760899 Página: 21 AlturaxLargura:

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 48, de 20 de novembro de 2014

DELIBERAÇÃO Nº 48, de 20 de novembro de 2014 DELIBERAÇÃO Nº 48, de 20 de novembro de 2014 Aprova os novos indicadores de potencialidade de conflito em substituição aos do Anexo III do Plano de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio Paranaíba,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS Política Nacional de Recursos Hídricos Lei Federal Nº 9.433/97 A partir da década de 1990: a legislação propõe substituir um sistema centralizador e setorial por outro

Leia mais

Numero do Documento: 1037522

Numero do Documento: 1037522 Numero do Documento: 1037522 EDITAL N.º 19/2011 A Escola de Saúde Pública do Ceará, Autarquia vinculada à Secretaria da Saúde do Estado do Ceará, criada pela Lei Estadual nº 12.140, de 22 de julho de 1993,

Leia mais

TABELA DE JOGOS - ESPORTES COLETIVOS NOITE. 16 DE MAIO Horário Modalidade Local Naipe Grupo Jogo Equipe A Placar Equipe B

TABELA DE JOGOS - ESPORTES COLETIVOS NOITE. 16 DE MAIO Horário Modalidade Local Naipe Grupo Jogo Equipe A Placar Equipe B TABELA DE JOGOS - ESPORTES COLETIVOS NOITE 16 DE MAIO 19:00 ABERTURA GALPÃO BLOCO C2 TODOS DESFILE / HINO NACIONAL / FALA INSTITUCIONAL / APRESENTAÇÕES TURMAS 20:00 Futsal Quadra A Masculino A 1 20:00

Leia mais

Resultados Comitê Setorial de ABAST. 24 de Novembro de 2006

Resultados Comitê Setorial de ABAST. 24 de Novembro de 2006 Resultados Comitê Setorial de ABAST 24 de Novembro de 2006 Agenda Propostas encaminhadas Grupos de Trabalho Programa de Capacitação Profissional Participantes do Grupo de Trabalho Entidade Alziro da Cunha

Leia mais

Projeto Novas Fronteiras Gráfico de Gantt

Projeto Novas Fronteiras Gráfico de Gantt Página 1 0 1 1.1 1.2 1.3 1.4 1.5 1.6 1.7 2 2.1 2.1.1 2.1.2 2.1.3 2.1.4 2.2 2.2.1 2.2.2 2.2.3 2.2.4 2.2.5 2.3 2.3.1 PROJETO NOVAS FRONTEIRAS DIAGNÓSTICO Realizar o Kick-off Meeting do projeto Reunir a equipe

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Projeto de Reflorestamento com Espécies Nativas no Bioma Mata Atlântica São Paulo Brasil

TERMO DE REFERÊNCIA. Projeto de Reflorestamento com Espécies Nativas no Bioma Mata Atlântica São Paulo Brasil TERMO DE REFERÊNCIA Projeto de Reflorestamento com Espécies Nativas no Bioma Mata Atlântica São Paulo Brasil Contextualização e justificativa A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos,

Leia mais

Campanha GATO NÃO COMBINA COM ÁGUA Tatiane Camacho Coordenação de Cobrança Gerência Comercial

Campanha GATO NÃO COMBINA COM ÁGUA Tatiane Camacho Coordenação de Cobrança Gerência Comercial Campanha GATO NÃO COMBINA COM ÁGUA Tatiane Camacho Coordenação de Cobrança Gerência Comercial Curriculum Autora TatianeCamacho Graduada em Economia pela UFRRJ. Pós-graduada em Gestão de Negócios pelo Ibmec-RJ.

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná. CC54Z - Hidrologia. Precipitação: análise de dados pluviométricos. Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014

Universidade Tecnológica Federal do Paraná. CC54Z - Hidrologia. Precipitação: análise de dados pluviométricos. Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Precipitação: análise de dados pluviométricos Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Identificar erros em séries de dados

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 019

Norma Técnica Interna SABESP NTS 019 Norma Técnica Interna SABESP NTS 019 CAPTAÇÃO DE ÁGUA BRUTA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 019 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE PROJETO...1

Leia mais

Campus Formiga - Técnico em Administração - Integrado

Campus Formiga - Técnico em Administração - Integrado Av. Professor Mário Werneck, 0 Buritis 0 Belo Horizonte/MG º Exame de Seleção do IFMG de 0 Cursos Técnicos Resultado por Curso Campus Formiga Técnico em Administração Integrado ISADORA CARDOSO SOARES,00

Leia mais

Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação Inscrição Nome Documento Dt. Nasc. Língua Port. Noções Inf. Noções Legisl.

Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação  Inscrição Nome Documento Dt. Nasc. Língua Port. Noções Inf. Noções Legisl. 5056040 Analista de Saneamento / Engenheiro (Engenharia Sanitária/Sanitária Ambiental) Cidade de Lotação de Vagas: Barreiras 1220263-0 ANCO MARCIO DOS SANTOS COSTA 1177397315 07/05/1985 8,00 2,00 4,00

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

Escola : Centro Profissionalizante Jornalista Cristiano Donato Curso : Francês Turno : Tarde

Escola : Centro Profissionalizante Jornalista Cristiano Donato Curso : Francês Turno : Tarde Escola : Centro Profissionalizante Jornalista Cristiano Donato Curso : Francês Turno : Colocação : 25 Aluno : Matheus Rodrigues Cavalcante Colocação : 26 Aluno : Ana Paula Santos Lira Colocação : 27 Aluno

Leia mais

INSTITUTO RUI BARBOSA COMITÊ DE AUDITORIA GRUPO TEMÁTICO DE AUDITORIA OPERACIONAL

INSTITUTO RUI BARBOSA COMITÊ DE AUDITORIA GRUPO TEMÁTICO DE AUDITORIA OPERACIONAL INSTITUTO RUI BARBOSA COMITÊ DE AUDITORIA GRUPO TEMÁTICO DE AUDITORIA OPERACIONAL XXVII Congresso dos Tribunais de Contas do Brasil A Sustentabilidade das Auditorias Operacionais nos Tribunais de Contas

Leia mais

Chuvas Intensas e Cidades

Chuvas Intensas e Cidades Chuvas Intensas e Cidades Mario Thadeu Leme de Barros Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental lda Escola Politécnica da USP Associação Brasileira de Recursos Hídricos (ABRH) EVENTOS EXTREMOS:

Leia mais

G R U P O H O S P I T A L A R D O R I O D E J A N E I R O Pag: 001 F A T U R A D O P L A N O E M P R E S A Empresa: VERAO TINTAS DO COMERCIO

G R U P O H O S P I T A L A R D O R I O D E J A N E I R O Pag: 001 F A T U R A D O P L A N O E M P R E S A Empresa: VERAO TINTAS DO COMERCIO G R U P O H O S P I T A L A R D O R I O D E J A N E I R O Pag: 001 Movimento de Inclusao(oes) no mes ARY MONTEIRO DE SOUZA 003739.0000166.800.00 Titular M 23/12/16 137,80 FABIANA VIEIRA DE OLIVEIRA 003739.0000165.800.00

Leia mais

Horário 2ª feira 3ª feira 4ª feira 5ª feira 6ª feira Sábado

Horário 2ª feira 3ª feira 4ª feira 5ª feira 6ª feira Sábado Cronograma das Aulas (6º ao 9º) 6º Ano Semana:11 a 16 de junho Sábado 7º Ano Maria Maria Ana a Ana a Sábado 8º Ano 9º Ano / T2 Felipe / Guedes Guedes / T2 Felipe / HIstória Produção Textual Produção Textual

Leia mais

Certificado. Belo Horizonte, 17 de maio de ª Jornada Acadêmica Integrada Promove. Prof. Dr. Natanael Atila Aleva Diretor Acadêmico

Certificado. Belo Horizonte, 17 de maio de ª Jornada Acadêmica Integrada Promove. Prof. Dr. Natanael Atila Aleva Diretor Acadêmico Certificamos Elias Salatiel Lopes participou da palestra Maioridade Penal no Brasil e no Direito Comparado, na Jornada Acadêmica Integrada, no dia 16 de maio de 2016, nas Faculdades Promove com duração

Leia mais

PROJETO Aplicação da Educação Ambiental no Ensino Infantil para um Desenvolvimento Sustentável e Consciente RELAÇÃO DE ESTUDANTES

PROJETO Aplicação da Educação Ambiental no Ensino Infantil para um Desenvolvimento Sustentável e Consciente RELAÇÃO DE ESTUDANTES RELAÇÃO DE INSCRIÇÕES HOMOLOGADAS (Página 1 de 5) PROJETO Aplicação da Educação Ambiental no Ensino Infantil para um Desenvolvimento Sustentável e Consciente AVEZENY ARAÚJO COSTA CARLA DO AMOR DIVINO EVANGELISTA

Leia mais

ANO LETIVO 2015/2016. ENSINO SECUNDÁRIO RECORRENTE MEDIATIZADO Listagem de Alunos

ANO LETIVO 2015/2016. ENSINO SECUNDÁRIO RECORRENTE MEDIATIZADO Listagem de Alunos ANO LETIVO 2015/2016 ENSINO SECUNDÁRIO RECORRENTE MEDIATIZADO Listagem de Alunos B.I./C.C. 1 14394524 2 31084214 3 14811420 4 270751637 5 14907495 6 14046880 7 30055185 8 11001701 9 11537976 10 10393884

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4012 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: TR 007/2010-CGS - CIÊNCIAS SOCIAIS APLICÁVEIS 3. Qualificação educacional: Graduação na área de CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ NO CONTEXTO DO PROJETO DE INTEGRAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Helder Cortez

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ NO CONTEXTO DO PROJETO DE INTEGRAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Helder Cortez GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ NO CONTEXTO DO PROJETO DE INTEGRAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO Helder Cortez ORGANOGRAMA SISTEMA SRH ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA DE RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ

Leia mais

ESTRUTURA DASECRETARIA EXTRAORDINÁRIA DE SEGURANÇA PARA GRANDES EVENTOS SESGE (1/6) (Decreto nº 8.668 de 12 de fevereiro de 2016)

ESTRUTURA DASECRETARIA EXTRAORDINÁRIA DE SEGURANÇA PARA GRANDES EVENTOS SESGE (1/6) (Decreto nº 8.668 de 12 de fevereiro de 2016) SECRETARIA EXTRAORDINÁRIA DE SEGURANÇA PARA GRANDES EVENTOS DAS 101.6 CHEFE DE GABINETE CHEFE DE GABINETE IA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO IA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DE S DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

PARCERIA INTELIGENTE PARA SUA FROTA E LOGÍSTICA

PARCERIA INTELIGENTE PARA SUA FROTA E LOGÍSTICA PARCERIA INTELIGENTE PARA SUA FROTA E LOGÍSTICA Frota moderna, equipe especializada, infraestrutura e tecnologia não é fácil implementar uma gestão logística eficiente. Para fazer com que ela seja planejada

Leia mais

LISTAS ANO LECTIVO 09/10 CRECHE - BERÇÁRIO

LISTAS ANO LECTIVO 09/10 CRECHE - BERÇÁRIO CRECHE - BERÇÁRIO AFONSO MIGUEL MOTA BESSA ANA BEATRIZ DA COSTA RIBEIRO BRUNO FILIPE ERNANDES JACINTO CAROLINA BEATRIZ VAZ OLIVEIRA FRANCISCO DIAS ALVES FRANCISCO S. ABREU FERNANDES GONÇALO DINIS AZEVEDO

Leia mais

CADERNO SETORIAL DE RECURSOS HÍDRICOS: SANEAMENTO

CADERNO SETORIAL DE RECURSOS HÍDRICOS: SANEAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS CADERNO SETORIAL DE RECURSOS HÍDRICOS: SANEAMENTO BRASÍLIA DF CADERNO SETORIAL DE RECURSOS HÍDRICOS: SANEAMENTO NOVEMBRO 2006 C122 Catalogação

Leia mais

101 Técnico em Agroindústria - Integrado ao Ensino Médio - 1º semestre

101 Técnico em Agroindústria - Integrado ao Ensino Médio - 1º semestre 101 Técnico em Agroindústria - Integrado ao Ensino Médio - 1º semestre ANTHUNNYS KLEYSON LIBERATO DA SILVA 660006766 CAMILE GOMES DE OLIVEIRA 660012189 FRANCISCO CARLOS NASCIMENTO DE LIMA 660003511 JOÃO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO AMBIENTAL PRÉVIO RAP

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO AMBIENTAL PRÉVIO RAP TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO AMBIENTAL PRÉVIO RAP 1 - INTRODUÇÃO O objetivo deste TERMO DE REFERÊNCIA é orientar a elaboração mais eficiente do RELATÓRIO AMBIENTAL PRÉVIO - RAP definido

Leia mais

Resultado de Seleção de Alunos (republicado após análises de recursos)

Resultado de Seleção de Alunos (republicado após análises de recursos) Resultado de Seleção de Alunos 2015.2 (republicado após análises de recursos) O Coordenador do Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica e de Computação da, no uso de suas atribuições, publica o

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir

Leia mais

Perspectivas do Setor Usuários

Perspectivas do Setor Usuários Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Araguari (CBH Araguari) 1ª Assembleia Geral Extraordinária de 2015 Perspectivas do Setor Usuários Cléber Frederico Ribeiro 1º Secretário Nacional da Assemae e Assessor

Leia mais

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA 1 / 8 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Meio Ambiente por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Diretoria de Sustentabilidade DS, sobre as obras executadas no

Leia mais

REQUERIMENTO. (Da Sra. Fátima Bezerra)

REQUERIMENTO. (Da Sra. Fátima Bezerra) REQUERIMENTO (Da Sra. Fátima Bezerra) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, relativa à criação do Campus da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), com sede no município de Assú/RN.

Leia mais

Abordagem Integrada para a Otimização da Gestão de Águas e Efluentes

Abordagem Integrada para a Otimização da Gestão de Águas e Efluentes Abordagem Integrada para a Otimização da Gestão de Águas e Efluentes Introdução Antônio Henrique Araújo Freitas (1) A água é um insumo essencial para a maioria das atividades humanas, incluindo agricultura

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - UGL/PDRS: 05/2014 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DE WEB PORTAL PARA RESERVA LEGAL

TERMO DE REFERÊNCIA - UGL/PDRS: 05/2014 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DE WEB PORTAL PARA RESERVA LEGAL TERMO DE REFERÊNCIA - UGL/PDRS: 05/2014 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DE WEB PORTAL PARA RESERVA LEGAL 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONTRATANTE 1.1. Contratante: Projeto

Leia mais

CERTIFICAMOS QUE ANDRÉ RODRIGUES DE ABREU PARTICIPOU DA PALESTRA: A ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DA PREFEITURA DE BELO

CERTIFICAMOS QUE ANDRÉ RODRIGUES DE ABREU PARTICIPOU DA PALESTRA: A ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DA PREFEITURA DE BELO QUE ANDRÉ RODRIGUES DE ABREU PARTICIPOU DA PALESTRA: A ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DA PREFEITURA DE BELO HORIZONTE, MINISTRADA POR PIER GIORGIO SENESI FILHO, NO DIA 28 DE OUTUBRO DE 2014, NA FACULDADE PROMOVE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE DIVINÓPOLIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE DIVINÓPOLIS DECRETO Nº 9970 Estabelece regulamentos para a realização de consulta e audiência pública sobre o contrato de programa para a prestação de serviços públicos de abastecimento de água e de esgotamento sanitário

Leia mais

S I S T E M A E S T A D U A L D E M E I O A M B I E N T E IGAM INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS

S I S T E M A E S T A D U A L D E M E I O A M B I E N T E IGAM INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS S I S T E M A E S T A D U A L D E M E I O A M B I E N T E IGAM INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS ESTUDOS HIDROLÓGICOS ÁGUA SUPERFICIAL Wilson dos Santos Fernandes TÓPICOS ESTUDO HIDROLÓGICO DEMANDA

Leia mais

ANEXO IV: ATA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA DE CARMO

ANEXO IV: ATA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA DE CARMO ANEXO IV: ATA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA DE CARMO ATA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO CARMO / PIABANHA Aos 17 de Dezembro de 2014, às 14:00 horas, no Centro Cultural de Carmo, localizado

Leia mais

Ensino Superior - IFRJ - CAMPUS ENG. PAULO DE FRONTIN LISTA DE DISCIPLINAS POR ALUNO Turma Disciplina Situação Créd.

Ensino Superior - IFRJ - CAMPUS ENG. PAULO DE FRONTIN LISTA DE DISCIPLINAS POR ALUNO Turma Disciplina Situação Créd. Adriano Pinto Mello André Luiz D'Angelis da Costa Anísio Silveira Corrêa Anny Caroline Pinheiro Pereira de Sousa Arilton Kelton da Cruz Moraes Carlos José Baral Siqueira Daniel de Melo Dornas Diego de

Leia mais

Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste

Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste Sessão IV: A Bacia do rio São Francisco. Origem das Águas. Regime Fluvial. Disponibilidades. Risco de Mudanças CGEE / ANA Brasília Agosto de 2008 Giovanni

Leia mais

Indicadores de Belo Monte

Indicadores de Belo Monte Indicadores de Belo Monte Controle Social 2 de 6 Avaliação sobre o envolvimento de espaços de participação social na implementação do saneamento básico Município Situação em fevereiro de 2015 Situação

Leia mais

chapadões e vales abertos em suas porções mais altas, ideais para a agricultura tecnificada;

chapadões e vales abertos em suas porções mais altas, ideais para a agricultura tecnificada; Goiânia, agosto de 2016 A bacia hidrográfica do rio São Marcos possui relevo heterogêneo, com: chapadões e vales abertos em suas porções mais altas, ideais para a agricultura tecnificada; montanhoso e

Leia mais

IMPACTO DA ATIVIDADE FISCALIZATÓRIA SOBRE A MELHORIA DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE DRENAGEM URBANA NO DISTRITO FEDERAL

IMPACTO DA ATIVIDADE FISCALIZATÓRIA SOBRE A MELHORIA DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE DRENAGEM URBANA NO DISTRITO FEDERAL IMPACTO DA ATIVIDADE FISCALIZATÓRIA SOBRE A MELHORIA DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE DRENAGEM URBANA NO DISTRITO FEDERAL Carolinne Isabella Dias Gomes (1) Possui Bacharelado e Licenciatura

Leia mais

UNIVERSIDADE DOS AÇORES ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE DOS AÇORES ADMINISTRAÇÃO DESPACHO (EXTRATO) Por despacho do Reitor da Universidade dos Açores de 01 de fevereiro de 2016: resolutivo certo da Mestre ANA CRISTINA RESENDES DUTRA para exercer as resolutivo certo da Mestre ANA MARGARIDA

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE SERVIDORES PARA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL - CAPACITAÇÃO, TREINAMENTO E PREPARAÇÃO DE AGENTES DA GUARDA METROPOLITANA DE PALMAS -

EDITAL DE SELEÇÃO DE SERVIDORES PARA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL - CAPACITAÇÃO, TREINAMENTO E PREPARAÇÃO DE AGENTES DA GUARDA METROPOLITANA DE PALMAS - EDITAL DE SELEÇÃO DE SERVIDORES PARA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL - CAPACITAÇÃO, TREINAMENTO E PREPARAÇÃO DE AGENTES DA GUARDA METROPOLITANA DE PALMAS - EDITAL EGP Nº 003/2015 A Secretaria Municipal de Administração

Leia mais

FUNDAÇÃO COMUNITÁRIA EDUCACIONAL E CULTURAL DE JOÃO MONLEVADE. Instituto de Ensino Superior de João Monlevade OBJETIVOS

FUNDAÇÃO COMUNITÁRIA EDUCACIONAL E CULTURAL DE JOÃO MONLEVADE. Instituto de Ensino Superior de João Monlevade OBJETIVOS FUNDAÇÃO COMUNITÁRIA EDUCACIONAL E CULTURAL DE JOÃO MONLEVADE Instituto de Ensino Superior de João Monlevade CURSO: Administração DISCIPLINA: Estágio Supervisionado I CATEGORIA: Formação Profissional PROFESSOR:

Leia mais

EDIÇÃO 2010 RESUMO ESTATÍSTICO ARTILHEIROS / ATÉ A 21ª RODADA ATLETA

EDIÇÃO 2010 RESUMO ESTATÍSTICO ARTILHEIROS / ATÉ A 21ª RODADA ATLETA 01 Lourival Lourival Ferreira de Almeida Júnior 23 Bahia 02 Carioca Emerson Oliveira de Almeida 13 Vitória 03 Michael Michael Sillas de Almeida 12 Vitória 04 Mateus Mateus Costa Sousa 11 Ipitanga 05 Mateus

Leia mais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo PHD 2537 ÁGUA EM AMBIENTES URBANOS POLÍTICA DE DRENAGEM URBANA NO BRASIL

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo PHD 2537 ÁGUA EM AMBIENTES URBANOS POLÍTICA DE DRENAGEM URBANA NO BRASIL Escola Politécnica da Universidade de São Paulo PHD 2537 ÁGUA EM AMBIENTES URBANOS POLÍTICA DE DRENAGEM URBANA NO BRASIL 2005 Política de Drenagem Urbana no Brasil Alunos: COMPONENTES Fábio Luiz Pereira

Leia mais

DECRETO ADMINISTRATIVO N. 121, DE 3 DE MAIO DE 2006. Publicado no Diário da Assembléia nº 1.478

DECRETO ADMINISTRATIVO N. 121, DE 3 DE MAIO DE 2006. Publicado no Diário da Assembléia nº 1.478 DECRETO ADMINISTRATIVO N. 121, DE 3 DE MAIO DE 2006. Publicado no Diário da Assembléia nº 1.478 O Presidente da Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins, no uso de suas atribuições constitucionais,

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS A POLÍTICA DE RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS A POLÍTICA DE RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS A POLÍTICA DE RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO IV Fórum de Recursos Hídricos CRQ IV Região São Paulo, 2016 Cenário dos anos 1970 (Brasil) Rio Piracicaba (Estiagem,)

Leia mais

Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística Sustentável

Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística Sustentável Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental SAIC Departamento de Produção e Consumo Sustentável DPCS Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística

Leia mais

Hidrologia Aplicada Carga Horária: 72 horas Prof a Ticiana M. de Carvalho Studart

Hidrologia Aplicada Carga Horária: 72 horas Prof a Ticiana M. de Carvalho Studart Hidrologia Aplicada Pag. 1 Universidade Federal do Ceará Centro de Tecnologia Depto de Engenharia Hidráulica e Ambiental Hidrologia Aplicada Carga Horária: 72 horas Prof a Ticiana M. de Carvalho Studart

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO TOR/FNDE/DTI/MEC

Leia mais

09 a 11 de dezembro de 2015 Auditório da Universidade UNIT Aracaju - SE

09 a 11 de dezembro de 2015 Auditório da Universidade UNIT Aracaju - SE 09 a 11 de dezembro de 2015 Auditório da Universidade UNIT Aracaju - SE ESTUDO DO REGIME DAS PRECIPITAÇÕES MÁXIMAS E MÍNIMAS DAS ZONAS CLIMÁTICAS DO LITORAL E SEMIÁRIDO DO ESTADO DE SERGIPE Lucas dos Santos

Leia mais

Consórcio Machadinho UHE MACHADINHO

Consórcio Machadinho UHE MACHADINHO Consórcio Machadinho e UHE MACHADINHO Contrato n UHIT.NARU.03.20615 RELATÓRIO MENSAL - 113 MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS CAMPANHA: janeiro/2012 Florianópolis, fevereiro de 2012. 1 INTRODUÇÃO Neste

Leia mais

ABORDAGENS METODOLÓGICAS NA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO

ABORDAGENS METODOLÓGICAS NA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO ABORDAGENS METODOLÓGICAS NA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO Eng.ª Gabriela de Toledo, Msc Saneando Projetos de Engenharia e Consultoria Salvador/BA, 17 de Julho de 2015 METODOLOGIA:

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL SIMPLIFICADO n. 03

RELATÓRIO MENSAL SIMPLIFICADO n. 03 RELATÓRIO MENSAL SIMPLIFICADO n. 03 ABASTECIMENTO DE ÁGUA ESGOTAMENTO SANITÁRIO DRENAGEM URBANA MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Equipe Técnica: Jesse Rodrigues de Arruda Barros Eng. Sanitarista e Ambiental

Leia mais

Debate. Sarjetas. As valetas construídas nos pés dos aterros servem para conduzir a água proveniente. e das sarjetas para os bueiros.

Debate. Sarjetas. As valetas construídas nos pés dos aterros servem para conduzir a água proveniente. e das sarjetas para os bueiros. Fonte: http://www.drenagem.ufjf.br/06dren _sup03_vpa.htm As valetas construídas nos pés dos aterros servem para conduzir a água proveniente de outras valetas e das sarjetas para os bueiros. Debate Qual

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Ilustríssimo(a) Sr(a) Prof(a) Dr(a) Diretor(a) do Instituto de Geociências e Ciências Exatas UNESP/IGCE Campus de Rio Claro (SP) (nome), RG nº, residente à Rua/Av., nº, Bairro, na cidade de, vem requerer

Leia mais

BOLETIM DE NOTAS DA PROVA DIDATICA

BOLETIM DE NOTAS DA PROVA DIDATICA CURSO: RELAÇÕES INTERNACIONAIS ÁREA DE CONHECIMENTO: GEOGRAFIA 01 DANIEL VATER DE ALMEIDA 3,13 DESCLASSIFICADO 02 GUTEMBERG DE VILHENA SILVA 8,67 CLASSIFICADO 03 OLAVO FAGUNDES DA SILVA 8,20 CLASSIFICADO

Leia mais

TERMOS DA CHAMADA PÚBLICA N

TERMOS DA CHAMADA PÚBLICA N CHAMADA PÚBLICA N 007/2008 Fortalecimento da Ciência: Pesquisa em Gênero, Relação Étnico-racial e Grupos Sociais TERMOS DA CHAMADA PÚBLICA N 007/2008 A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás

Leia mais

Publicado no Diário Oficial do Estado de São Paulo, Poder Executivo, edição de 14/05/2016.

Publicado no Diário Oficial do Estado de São Paulo, Poder Executivo, edição de 14/05/2016. Publicado no Diário Oficial do Estado de São Paulo, Poder Executivo, edição de 14/05/2016. DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO VII CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS AO INGRESSO NA CARREIRA DE

Leia mais

ANEXO 2 - TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS I. CONTEÚDO MÍNIMO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS

ANEXO 2 - TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS I. CONTEÚDO MÍNIMO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS ANEXO 2 - TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS I. CONTEÚDO MÍNIMO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS O Plano de Controle Ambiental Simplificado deverá conter

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CHAMADA INTERNA PROEX Nº 02/2014 PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CHAMADA INTERNA PROEX Nº 02/2014 PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO Avenida Rio Branco, 0 Santa Lúcia 906- Vitória ES 7 7-7 CHAMADA INTERNA PROEX Nº 0/0 PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS A Pró-Reitoria

Leia mais

PROPOSTA DE COOPERAÇÃO

PROPOSTA DE COOPERAÇÃO PROPOSTA DE COOPERAÇÃO CIDADE DE CAMPINAS E MONTE MOR 4 3 5 1 2 AÇÃO EMERGENCIAL PARA RECONHECIMENTO DE ÁREAS DE ALTO E MUITO ALTO RISCO A MOVIMENTOS DE MASSAS E ENCHENTES Monte Mor -São Paulo -Maio 2013

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA A PARTIR DE UM TELHADO DE 75 M2 NO MUNICIPIO DE AREIA

PLANEJAMENTO DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA A PARTIR DE UM TELHADO DE 75 M2 NO MUNICIPIO DE AREIA PLANEJAMENTO DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA A PARTIR DE UM TELHADO DE 75 M2 NO MUNICIPIO DE AREIA Felipe Guedes de Souza (1); Soahd Arruda Rached Farias (1); Kyonelly Queila Duarte Brito (2); Hallyson Oliveira

Leia mais