O IRC como Instrumento de Competitividade Reforma num contexto de crise

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O IRC como Instrumento de Competitividade Reforma num contexto de crise"

Transcrição

1 O IRC como Instrumento de Competitividade Reforma num contexto de crise 3 de Outubro de 2013 Paulo Gaspar

2 Tópicos Enquadramento O exemplo de outros Estados-membros Concretizar Um sistema fiscal competitivo Notas finais 2 IV Congresso de Direito Fiscal: A Reforma do IRC

3 Enquadramento

4 Enquadramento Funções dos sistemas fiscais Financiamento dos recursos públicos Objectivos redistributivos e sociais Indução de determinados comportamentos Competitividade 4 IV Congresso de Direito Fiscal: A Reforma do IRC

5 Enquadramento Obstáculos à competitividade Complexidade, instabilidade e falta de segurança do sistema fiscal Carga fiscal exagerada (incluindo segurança social) 34,8% PIB* Funcionamento da justiça Burocracia em geral Objectivos de receita e não de apoio à competitividade * Fonte: Eurostat, Statistics in focus 2/2012 Tax revenue in the European Union 5 IV Congresso de Direito Fiscal: A Reforma do IRC

6 Enquadramento Global Competitiveness Report (World Economic Forum) Posicionamento global de Portugal: ª posição (entre 144 países) ª posição (entre 142 países) Amplitude e efeitos da tributação: º lugar (entre 144 países) º lugar (entre 142 países) Taxa de imposto / % lucros: º lugar (entre 144 países) º lugar (entre 142 países) Fonte: World Economic Forum, GCR 2012/13 and 2011/12 6 IV Congresso de Direito Fiscal: A Reforma do IRC

7 Enquadramento Global Competitiveness Report (World Economic Forum) Principais barreiras ao desenvolvimento dos negócios em Portugal (%) Acesso a financiamento Burocracia Taxas de tributação Regime laboral restritivo Instabilidade política Regulamentação fiscal Incapacidade de inovação Corrupção Mão-de-obra pouco especializada Reduzida ética laboral Inflação Instabilidade governativa Infra-estruturas inadequadas Regulação cambial Saúde pública Criminalidade 1,3 1,2 0,5 0,5 0,4 0,3 0 3,2 2,8 5,4 9,1 9,7 11,2 13,1 15,2 26, Fonte: World Economic Forum, GCR 2012/13 7 IV Congresso de Direito Fiscal: A Reforma do IRC

8 Enquadramento Global Competitiveness Report (World Economic Forum) - Acesso a financiamento - Burocracia Doing Business: Os Seis Factores Mais Problemáticos em Portugal - Taxas de tributação - Regime laboral restritivo - Instabilidade política - Regulamentação fiscal O sistema fiscal é um dos factores (embora não o principal ou único) para a falta de competitividade do país 8 IV Congresso de Direito Fiscal: A Reforma do IRC

9 Enquadramento Budget Watch Índice Deloitte Pro Business Resultado OE ,5% (insuficiente) Resultado OE ,6% (não satisfatório) Resultado OE ,3% (insuficiente) Resultado OE ,8% (insuficiente) 9 IV Congresso de Direito Fiscal: A Reforma do IRC

10 Quem paga o IRC?

11 Quem paga o IRC? Tipicamente, a colecta de IRC é suportada por um reduzido número de contribuintes: 81,4% do IRC é suportado por menos de 10% das empresas Só 26% ( empresas) apresentam IRC liquidado empresas (29%) não pagam nada Fonte: Suportado em dados estatísticos do Portal das Finanças (2011) 11 IV Congresso de Direito Fiscal: A Reforma do IRC

12 O exemplo de outros Estados-membros

13 O exemplo do Reino Unido Prioridade Sistema Fiscal Competitivo - Reduzir a taxa de imposto das sociedades para 22% até Controlled Foreign Company rules conferir competitividade aos grupos económicos britânicos num mercado global - Simplificação do sistema fiscal através da eliminação de mais de 40 tax reliefs (benefícios fiscais) 13 IV Congresso de Direito Fiscal: A Reforma do IRC

14 O exemplo da Holanda e Malta Holanda - País com elevada e reconhecida estabilidade fiscal - Participation Exemption Regime (dividendos e mais valias isentos de tributação) - Protecção ao investimento através da celebração de 95 Acordos para Evitar a Dupla Tributação (Portugal celebrou 55) Malta - Atraiu 51 mil sociedades através do seu regime fiscal especial - Este já representa 22% da riqueza do país - Emprega mais de 18 mil pessoas (num universo total de cerca de habitantes) 14 IV Congresso de Direito Fiscal: A Reforma do IRC

15 Concretizar Um sistema fiscal competitivo

16 Medidas estruturantes para um sistema fiscal competitivo Sistema fiscal Como promover ou pelo menos não inibir a competitividade? 16 IV Congresso de Direito Fiscal: A Reforma do IRC

17 Medidas estruturantes para um sistema fiscal competitivo 1. Estabilidade e segurança Necessidade de um Acordo que defina um consenso alargado e duradouro (5 a 10 anos) Palavra aos partidos do arco governativo 2. Simplicidade Simplificação e desoneração do sistema e do cumprimento das obrigações fiscais para os pequenos contribuintes A resposta da reforma Reintrodução do regime simplificado 17 IV Congresso de Direito Fiscal: A Reforma do IRC

18 Medidas estruturantes para um sistema fiscal competitivo 3. Redução acentuada da conflitualidade fiscal Clarificação do sentido das normas fiscais e adequação das mesmas ao entendimento reiterado da jurisprudência existente A resposta da reforma Simplificação do conceito de Gastos O que falta Redução dos prazos nas diversas instâncias Pagamento automático de juros indemnizatórios 18 IV Congresso de Direito Fiscal: A Reforma do IRC

19 Medidas estruturantes para um sistema fiscal competitivo 4. Carga fiscal competitiva Assegurar um sistema competitivo em relação aos concorrentes A resposta da reforma Redução de taxas e simplificação da respectiva estrutura Introdução de um regime de participation exemption Criar factores de atractividade e diferenciação fiscal A resposta da reforma Incentivos ao desenvolvimento de intangíveis Alteração das regras de reporte de prejuízos fiscais 19 IV Congresso de Direito Fiscal: A Reforma do IRC

20 Notas finais

21 A Fiscalidade como Instrumento de Competitividade Notas finais Compromisso estruturante em matéria fiscal, que confira estabilidade - Necessidade de acordo duradouro entre as forças políticas ( Pacto de regime ) - Orientação da acção governativa quanto aos objectivos a atingir, garantindo certeza e segurança fiscal e jurídica aos contribuintes / investidores - Os exemplos de Malta e Holanda - O papel da Reforma do IRC na adopção de um novo paradigma de tributação, de administração fiscal, de minimização do contencioso fiscal e de justiça 21 IV Congresso de Direito Fiscal: A Reforma do IRC

22 Obrigado IV Congresso de Direito Fiscal: A Reforma do IRC

O Código Contributivo e a competitividade da economia: implicações num contexto de crise

O Código Contributivo e a competitividade da economia: implicações num contexto de crise O Código Contributivo e a competitividade da economia: implicações num contexto de crise Carlos Loureiro 30 de Novembro de 2010 Tópicos a abordar 1. A competitividade e o factor trabalho 2. Impacto das

Leia mais

IRC e competitividade. António Martins Outubro de 2012

IRC e competitividade. António Martins Outubro de 2012 IRC e competitividade António Martins Outubro de 2012 1 1. Competitividade: uma perspetiva pessoal Capacidade de os agentes económicos venderem bens e serviços a preços que o consumidor julgue atrativos

Leia mais

Participation Exemption: Novos Problemas. António Rocha Mendes Outubro de 2013

Participation Exemption: Novos Problemas. António Rocha Mendes Outubro de 2013 Participation Exemption: Novos Problemas António Rocha Mendes Outubro de 2013 Estrutura Comentários gerais à reforma do IRC Desenvolvimento de um regime de participation exemption Temas conexos com a participation

Leia mais

III Congresso de Direito Fiscal Almedina/IDEFF Fiscalidade e competitividade. 11 de Outubro de 2012 Carlos Loureiro

III Congresso de Direito Fiscal Almedina/IDEFF Fiscalidade e competitividade. 11 de Outubro de 2012 Carlos Loureiro III Congresso de Direito Fiscal Almedina/IDEFF Fiscalidade e competitividade 11 de Outubro de 2012 Carlos Loureiro Índice 1. Tributação, crescimento económico e competitividade: algumas considerações de

Leia mais

Repensar a Fiscalidade Um Debate Luso-Brasileiro (IDEFF, 21 Março de 2013, Faculdade Direito de Lisboa)

Repensar a Fiscalidade Um Debate Luso-Brasileiro (IDEFF, 21 Março de 2013, Faculdade Direito de Lisboa) LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ Repensar a Fiscalidade Um Debate Luso-Brasileiro (IDEFF, 21 Março de 2013, Faculdade Direito de Lisboa) Algumas tendências actuais

Leia mais

2.2 Ambiente Macroeconômico

2.2 Ambiente Macroeconômico Por que Ambiente Macroeconômico? Fundamentos macroeconômicos sólidos reduzem incertezas sobre o futuro e geram confiança para o investidor. A estabilidade de preços é uma condição importante para processos

Leia mais

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE Samuel Fernandes de Almeida 1 ÍNDICE Dados macroeconómicos / Caracterização das receitas fiscais Estrutura das receitas fiscais no Orçamento do Estado

Leia mais

O IRC no Orçamento do Estado para 2012. Audit Tax Advisory Consulting

O IRC no Orçamento do Estado para 2012. Audit Tax Advisory Consulting Audit Tax Advisory Consulting Opção por período de tributação distinto do ano civil Período mínimo de vigência da opção: 5 anos Período mínimo poderá ser < 5 anos, se o s.p. passar a integrar grupo obrigado

Leia mais

SISTEMA TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS. 7ª Edição da Pós-Graduação em Fiscalidade

SISTEMA TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS. 7ª Edição da Pós-Graduação em Fiscalidade SISTEMA TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS 7ª Edição da Pós-Graduação em Fiscalidade Instituto Politécnico de Leiria (E.S.T.G.) Departamento de Gestão e Economia 4 de Novembro 2016 OE 2017 CENÁRIO MACRO-ECONÓMICO FMI

Leia mais

Política Ambiental no Sistema Fiscal Português. Introdução ao Sistema Fiscal Português

Política Ambiental no Sistema Fiscal Português. Introdução ao Sistema Fiscal Português Política Ambiental no Sistema Fiscal Português Introdução ao Sistema Fiscal Português IMPOSTOS E TAXAS Os tributos compreendem: Impostos; Taxas. Os impostos assentam essencialmente na capacidade contributiva,

Leia mais

O Acordo de Dupla Tributação Portugal Brasil: questões

O Acordo de Dupla Tributação Portugal Brasil: questões O Acordo de Dupla Tributação Portugal Brasil: questões prá(c (c)ticas Mais-valias, dividendos e juros sobre o capital próprio prio 8 de Março o de 2010 TAX Índice Breve enquadramento O ADT Portugal Brasil

Leia mais

Proposta de Directiva relativa a uma Matéria Colectável Comum Consolidada do Imposto sobre as Sociedades (MCCCIS)

Proposta de Directiva relativa a uma Matéria Colectável Comum Consolidada do Imposto sobre as Sociedades (MCCCIS) Fiscalidade da Empresa Contexto Internacional Proposta de Directiva relativa a uma Matéria Colectável Comum Consolidada do Imposto sobre as Sociedades (MCCCIS) Paula Rosado Pereira Professora da Faculdade

Leia mais

Pensar Angola. Aspectos fiscais do investimento português em Angola. PwC. Jaime Esteves. Fevereiro Banco BIC Portugal

Pensar Angola. Aspectos fiscais do investimento português em Angola. PwC. Jaime Esteves. Fevereiro Banco BIC Portugal Aspectos fiscais do investimento português em Angola Jaime Esteves Banco BIC Portugal PwC Agenda 1 Tributação de Rendimentos em Angola 2 Investir em Angola a partir de Portugal 3 Tributação em Portugal

Leia mais

OE 2017 IRC. Catarina. Tax Director. Orçamento do Estado Proposta de Lei. Outubro 2016 PwC

OE 2017 IRC. Catarina. Tax Director. Orçamento do Estado Proposta de Lei. Outubro 2016 PwC OE 2017 IRC Catarina Gonçalves, Tax Director - Proposta de Lei PwC 1 Reporte de prejuízos fiscais Regras de utilização Critério FIFO é eliminado: revoga-se a regra que obriga à dedução ao lucro tributável

Leia mais

Portugal: Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil. Jaime Carvalho Esteves 8 Junho 2011

Portugal: Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil. Jaime Carvalho Esteves 8 Junho 2011 www.pwc.com/pt : Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil Jaime Carvalho Esteves Universidade Católica Portuguesa - Lisboa Agenda 1. Introdução 2. Investir em Angola e no Brasil

Leia mais

Lisboa. Jornadas de Fiscalidade 2017

Lisboa. Jornadas de Fiscalidade 2017 Lisboa Jornadas de Fiscalidade 2017 A tributação das indústrias extrativas Intervenção inicial: Jaime Carvalho Esteves (PwC) Cristina Teixeira (PwC) Gilles de Vignemont (PwC) Moderação: Jaime Carvalho

Leia mais

Transferência de Residência CONTEXTO

Transferência de Residência CONTEXTO Transferência de Residência CONTEXTO 2 1 CONTEXTO 3 CONTEXTO GERAL Mercado português possui dimensão reduzida Grave crise económica e incapacidade para atracção de investimento estrangeiro Administração

Leia mais

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas 19 de Dezembro de 2011 O IRC na receita fiscal -5,3% IRC Page 2/28 Artigos alterados 8.º - Período de tributação 10.º - Isenções 29.º - Depreciações 52.º

Leia mais

Reforma do IRC Uma oportunidade única. Outubro de 2013

Reforma do IRC Uma oportunidade única. Outubro de 2013 Reforma do IRC Uma oportunidade única Outubro de 2013 Agenda Os desafios da Reforma do IRC Enquadramento internacional Contributo EY para a Reforma do IRC Sugestões EY Q&A? Page 2 Os desafios da Reforma

Leia mais

Custos de contexto: Uma dimensão da competitividade da economia

Custos de contexto: Uma dimensão da competitividade da economia Custos de contexto: Uma dimensão da competitividade da economia Apresentação do - INE João Amador 14 de Outubro de 2015 Estrutura da apresentação Sumário 1. Dos custos de contexto ao crescimento económico,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CONTABILIDADE E FISCALIDADE

PÓS-GRADUAÇÃO CONTABILIDADE E FISCALIDADE PÓS-GRADUAÇÃO CONTABILIDADE E FISCALIDADE 2 PÓS-GRADUAÇÃO CONTABILIDADE E FISCALIDADE COORDENAÇÃO Prof. Doutor Eduardo Barbosa do Couto Mestre António Samagaio APRESENTAÇÃO Este curso de Pós-Graduação

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appears e Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Estruturas de Investimento: Angola Catarina Nunes Agenda Introdução 1 Ficha de Angola:

Leia mais

DIÁLOGO DA INDÚSTRIA COM CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

DIÁLOGO DA INDÚSTRIA COM CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DIÁLOGO DA INDÚSTRIA COM CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA José Rubens De La Rosa Presidente, Marcopolo 30/07/2014 1 O Brasil tem oportunidades, mas para aproveitá-las precisa vencer alguns desafios

Leia mais

PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO

PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO 9-5-2017 PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO Vasta Rede de Acórdos de Dupla Tributação 8 Regime dos residentes não habituais 1 Regime dos vistos dourados (golden

Leia mais

C&C logo. exced your expectations! exceed your expectations!

C&C logo. exced your expectations! exceed your expectations! C&C logo exced your expectations! Reforma do IRC Orçamento do Estado 2014 Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Slide 2 Foram recentemente aprovadas a Lei n.º 83-C/2014

Leia mais

Reunião do Steering Committee

Reunião do Steering Committee Projecto Engenharia 2020 Reunião do Steering Committee Ordem dos Engenheiros Lisboa 10 de Maio 2013 Parceiros Estratégicos: Augusto Mateus e Associados (A.M.); MIT Portugal; Ordem dos Engenheiros (O.E.)

Leia mais

DIREITO FISCAL 4.º ANO EXAME DE 17 DE JANEIRO DE 2012. Regente: Prof. Doutora Ana Paula Dourado

DIREITO FISCAL 4.º ANO EXAME DE 17 DE JANEIRO DE 2012. Regente: Prof. Doutora Ana Paula Dourado DIREITO FISCAL 4.º ANO EXAME DE 17 DE JANEIRO DE 2012 Regente: Prof. Doutora Ana Paula Dourado Colaboradores: Prof.ª Doutora Paula Rosado Pereira, Mestres Gustavo Courinha e João Pateira Ferreira I. Considere

Leia mais

VANTAGENS DE CONSTITUIR UMA SOCIEDADE LIMITADA NA AUSTRIA

VANTAGENS DE CONSTITUIR UMA SOCIEDADE LIMITADA NA AUSTRIA VANTAGENS DE CONSTITUIR UMA SOCIEDADE LIMITADA NA AUSTRIA Lukas Matthias Rhomberg Outubro 2015 AUSTRIA COMO GERENCIADORA DE ATIVOS Direito Romano Eficiência tributaria Facilidade para fazer negócios Sistema

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DO MERCADO DE CAPITAIS PROPOSTAS PRIORITÁRIAS FISCALIDADE DO MERCADO DE CAPITAIS PROPOSTAS

REVITALIZAÇÃO DO MERCADO DE CAPITAIS PROPOSTAS PRIORITÁRIAS FISCALIDADE DO MERCADO DE CAPITAIS PROPOSTAS REVITALIZAÇÃO DO MERCADO DE CAPITAIS PROPOSTAS PRIORITÁRIAS FISCALIDADE DO MERCADO DE CAPITAIS PROPOSTAS A. Introdução A débil capitalização das empresas portuguesas constitui um dos principais entraves

Leia mais

Novas vestes da União Europeia? O papel do IVA. Clotilde Celorico Palma

Novas vestes da União Europeia? O papel do IVA. Clotilde Celorico Palma Europeia? O papel do IVA Clotilde Celorico Palma Europeia? O papel do IVA Temas a abordar: Estratégia recente da Comissão: - Relatório Monti - Comunicação de Outubro de 2010 - O IVA europeu - Livro verde

Leia mais

APROVA AS LINHAS FUNDAMENTAIS PARA A ELABORAÇÂO E EXECUÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE SIMPLIFICAÇÃO ADMINISTRATIVA E DESBUROCRATIZAÇÃO SIMPLEX II

APROVA AS LINHAS FUNDAMENTAIS PARA A ELABORAÇÂO E EXECUÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE SIMPLIFICAÇÃO ADMINISTRATIVA E DESBUROCRATIZAÇÃO SIMPLEX II PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 957/XII APROVA AS LINHAS FUNDAMENTAIS PARA A ELABORAÇÂO E EXECUÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE SIMPLIFICAÇÃO ADMINISTRATIVA E DESBUROCRATIZAÇÃO SIMPLEX II 1-Têm vindo a ser aprovadas

Leia mais

As tendências actuais mundiais nos modelos de tributação do rendimento. Rogério M. Fernandes Ferreira (Sócio da RFF & Associados)

As tendências actuais mundiais nos modelos de tributação do rendimento. Rogério M. Fernandes Ferreira (Sócio da RFF & Associados) LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ As tendências actuais mundiais nos modelos de tributação do rendimento Rogério M. Fernandes Ferreira (Sócio da RFF & Associados) Sumário

Leia mais

AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES

AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES ORÇAMENTO DE ESTADO 2016 Ana Castro Gonçalves agoncalves@caiadoguerreiro.com Paula Madureira Rodrigues prodrigues@caiadoguerreiro.com André Goldschmidt agoldschimdt@caiadoguerreiro.com

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO 2018

ORÇAMENTO DO ESTADO 2018 APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO 2018 10/14/17 4:40 PM 13.10.2017 1 CRESCIMENTO, EMPREGO E CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTAL Défice 2016 2,0 2017 1,4 1 2018 1,0 0.9 0.8 0.7 0.6 0.5 Dívida Pública

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 1 Portugal 2020, o Acordo de Parceria (AP) que Portugal irá submeter à Comissão Europeia estrutura as intervenções, os investimentos e as prioridades de financiamento

Leia mais

Riscos Legais e Regulatórios Associados aos Processos de Internacionalização: Uma Perspetiva Fiscal

Riscos Legais e Regulatórios Associados aos Processos de Internacionalização: Uma Perspetiva Fiscal Lisboa, 25 de junho de 2014 Riscos Legais e Regulatórios Associados aos Processos de Internacionalização: Uma Perspetiva Fiscal Maria Figueiredo Índice 1. RISCOS FISCAIS a) ESTABELEIMENTO ESTÁVEL b) DUPLA

Leia mais

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Investimento. Variações trimestrais homólogas

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Investimento. Variações trimestrais homólogas Investimento Variações trimestrais homólogas Entre 2013 e o 3º trimestre de 2015, o Investimento em Portugal superou o existente na Zona Euro, devido não só às perspectivas de crescimento económico, mas

Leia mais

O potencial analítico da balança de pagamentos para a compreensão da economia portuguesa

O potencial analítico da balança de pagamentos para a compreensão da economia portuguesa O potencial analítico da balança de pagamentos para a compreensão da economia portuguesa ISEG - LISBON SCHOOL OF ECONOMICS & MANAGEMENT 16 maio 2017 1 Enquadramento metodológico 2 Indicadores de vulnerabilidades

Leia mais

Reforma do IRC Uma oportunidade única para Portugal

Reforma do IRC Uma oportunidade única para Portugal Reforma do IRC Uma oportunidade única para Portugal Lisboa, 12 de Março de 2013 Agenda 1. A influência do IRC na atractividade da Economia Portuguesa 2. Medidas idealizadas para um sistema fiscal competitivo

Leia mais

ANÁLISE ECONÓMICA DA ESTRUTURA FINANCEIRA e BANCOS

ANÁLISE ECONÓMICA DA ESTRUTURA FINANCEIRA e BANCOS Cap.6 ANÁLISE ECONÓMICA DA ANALISE ECONOMICA DA ESTRUTURA FINANCEIRA Evidências sobre a estrutura financeira (M., c.8; C. c.11) 1. Acções não são a principal forma de financiamento das empresas 2. Acções

Leia mais

Competitividade Brasil e países selecionados Determinantes macroeconômicos Renato da Fonseca

Competitividade Brasil e países selecionados Determinantes macroeconômicos Renato da Fonseca Competitividade Brasil e países selecionados Determinantes macroeconômicos Renato da Fonseca Seminários IBRE: Os Desafios da Competitividade Sessão 1: Determinantes macroeconômicos Rio de Janeiro, 28 de

Leia mais

A aplicação das cláusulas antiabuso das Convenções para Evitar Dupla Tributação

A aplicação das cláusulas antiabuso das Convenções para Evitar Dupla Tributação A aplicação das cláusulas antiabuso das Convenções para Evitar Dupla Tributação Contexto Internacional Aumento contínuo do fluxo de rendas: Maior facilidade de elaboração de planejamentos tributários internacionais;

Leia mais

Orçamento do Estado 2016

Orçamento do Estado 2016 www.pwc.pt/orcamentoestado Orçamento do Estado 2016 Proposta de Lei Resumo dos aspetos essenciais do Orçamento do Estado para 2016 OE 2016 IRC Catarina Gonçalves, Tax Director 2 A importância do IRC Peso

Leia mais

A fiscalidade na gestão da actividade agrícola

A fiscalidade na gestão da actividade agrícola Ponto de partida: 2 sistemas contabilísticos diferentes Microentidades SNC pergunta: isto é relevante para a actividade agrícola? @Abílio Sousa Junho de 2011 2 Condicionante: a escolha do normativo contabilístico

Leia mais

Como foi possível chegar a este ponto?

Como foi possível chegar a este ponto? Como foi possível chegar a este ponto? Como se explica que Portugal tenha que recorrer a um resgate financeiro, quando é membro de uma importante união económica e monetária? Terá sido um erro a adopção

Leia mais

Investimento, Poupança e Competitividade Os três pilares do crescimento

Investimento, Poupança e Competitividade Os três pilares do crescimento Investimento, Poupança e Competitividade Os três pilares do crescimento Teodora Cardoso Conferência Investimento em Portugal, Fundação Calouste Gulbenkian, 15 Março 2017 Princípios básicos: investimento

Leia mais

O ORÇAMENTO DO ESTADO 2018 COMO SE ENQUADRA NUMA ESTRATÉGIA DE CRESCIMENTO A MÉDIO PRAZO. https://sites.google.com/view/joaquim-miranda-sarmento/home

O ORÇAMENTO DO ESTADO 2018 COMO SE ENQUADRA NUMA ESTRATÉGIA DE CRESCIMENTO A MÉDIO PRAZO. https://sites.google.com/view/joaquim-miranda-sarmento/home O ORÇAMENTO DO ESTADO 2018 COMO SE ENQUADRA NUMA ESTRATÉGIA DE CRESCIMENTO A MÉDIO PRAZO Joaquim Miranda Sarmento https://sites.google.com/view/joaquim-miranda-sarmento/home Lisboa, 22 de novembro de 2017

Leia mais

Crescimento Económico: experiência recente e perspectivas

Crescimento Económico: experiência recente e perspectivas Sessão de Homenagem ao Dr. Silva Lopes Crescimento Económico: experiência recente e perspectivas VÍTOR CONSTÂNCIO Maio de 2003 ÍNDICE I. Recessões e crises passadas de Balança de Pagamentos II. Problemas

Leia mais

Luís Filipe Reis Fim de tarde na Ordem 22 Março Luís Filipe Reis. Fim de tarde na Ordem 22 Março 2017

Luís Filipe Reis Fim de tarde na Ordem 22 Março Luís Filipe Reis. Fim de tarde na Ordem 22 Março 2017 Luís Filipe Reis Fim de tarde na Ordem 22 Março 2017 Luís Filipe Reis Fim de tarde na Ordem 22 Março 2017 UMA ALIMENTAÇÃO EQUILIBRADA Gorduras e óleos Laticínios Leguminosas e derivados Carne, pescado

Leia mais

Desafios da Competitividade de Moçambique na SADC. Um olhar para os índices internacionais. Rosario Marapusse

Desafios da Competitividade de Moçambique na SADC. Um olhar para os índices internacionais. Rosario Marapusse Desafios da Competitividade de Moçambique na SADC Um olhar para os índices internacionais Rosario Marapusse Agosto de 2011 1 Estrutura da apresentação 1. Competitividade de Moçambique na SADC 2. Que factores

Leia mais

Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola

Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola PART Angola: Indicadores de Relevo 1 Angola: Indicadores de Relevo Informação Global * Angola 2010 População 18,5M Capital Luanda (aprox. 6 M habitantes)

Leia mais

A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA

A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA www.fbladvogados.com A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA As Principais Linhas de Orientação ÍNDICE 1. O PERT: Missão e Objectivos 2. O Sistema Fiscal Angolano 2.1. A Tributação dos Rendimentos 2.2. A Tributação

Leia mais

INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE

INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE MADEIRA MOÇAMBIQUE Investimentos em Moçambique 1. A Economia Moçambicana País 24 milhões 30% 2 a Língua MOÇAMBIQUE 70% 1 a Língua Português Metical (MZN/MT) A população está

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 26 de janeiro de 2010.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 26 de janeiro de 2010. Análise CEPLAN Recife, 26 de janeiro de 2010. Temas que serão discutidos na Análise Ceplan A conjuntura econômica título em mestre 2010 e perspectivas para 2011 (Brasil, Nordeste, Estados); Informe especial

Leia mais

Que Bancos no Futuro?

Que Bancos no Futuro? Que Bancos no Futuro? Carlos da Silva Costa Governador Lisboa, 3 de outubro 2016 XXVI ENCONTRO DE LISBOA entre os Banco Centrais dos Países de Língua Portuguesa As instituições bancárias enfrentam atualmente

Leia mais

Crescimento e competitividade da economia moçambicana João Mosca Lisboa, ISEG/UTL, 22 de Março 2012

Crescimento e competitividade da economia moçambicana João Mosca Lisboa, ISEG/UTL, 22 de Março 2012 Crescimento e competitividade da economia moçambicana 2001-2010 João Mosca Lisboa, ISEG/UTL, 22 de Março 2012 Que padrão de crescimento Factores do crescimento e da competitividade (com enfoque macro ex

Leia mais

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Produto Interno Bruto. Variações trimestrais homólogas

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Produto Interno Bruto. Variações trimestrais homólogas Produto Interno Bruto Variações trimestrais homólogas Mediante reformas introduzidas na economia portuguesa, entre 2011 e 2015, nomeadamente quanto á competitividade das empresas, foi possível estimular

Leia mais

TAX & BUSINESS SUMÁRIO

TAX & BUSINESS SUMÁRIO i INFORMAÇÃO FISCAL Nº 15 J u lho de 2013 O A N T E - P R O J E C T O D E R E F O R M A D O C Ó D I G O D O I R C : S I M P L I F I C A Ç Ã O F I S C A L E P R O M O Ç Ã O D O I N V E S T I M E N T O SUMÁRIO

Leia mais

Investimentos em Infraestrutura e Crescimento Econômico Brasileiro

Investimentos em Infraestrutura e Crescimento Econômico Brasileiro Investimentos em Infraestrutura e Crescimento Econômico Brasileiro Márcio Holland Secretário de Política Econômica Comissão de Infraestrutura do Senado Federal Brasília, 19 de maio de 2014 2 Por que investimentos

Leia mais

As dores da jornada. Othon Almeida. Dezembro de Sócio-líder do CFO Program Brasil, Deloitte

As dores da jornada. Othon Almeida. Dezembro de Sócio-líder do CFO Program Brasil, Deloitte As dores da jornada Othon Almeida Sócio-líder do CFO Program Brasil, Deloitte Dezembro de 2014 O panorama econômico brasileiro mudou ao longo das décadas... 2015-2018:??????? 2011-2014: Esgotamento do

Leia mais

Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão

Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão IP/07/721 Bruxelas, 30 de Maio de 2007 Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão A política de coesão teve um efeito comprovado

Leia mais

O Impacte do OE nas Empresas Tributação do Lucro e dos Lucros Recebidos

O Impacte do OE nas Empresas Tributação do Lucro e dos Lucros Recebidos O Impacte do OE nas Empresas Tributação do Lucro e dos Lucros Recebidos Mariana Gouveia de Oliveira Índice 1. Perspetiva Geral 2. Alterações ao Regime de Participation Exemption 3. Reporte de Prejuízos

Leia mais

Fiscalidade do Terceiro Sector IPSS 4 de Junho de 2015

Fiscalidade do Terceiro Sector IPSS 4 de Junho de 2015 www.pwc.pt IPSS 4 de Junho de 2015 Filipa Moreira Ribeiro Universidade Católica Portuguesa, Lisboa Agenda 1. IPSS Problemáticas Fiscais 2. Conclusão 2 IPSS Problemáticas Fiscais 3 Enquadramento fiscal

Leia mais

Enquadramento económico dos mercados regionais da CPLP

Enquadramento económico dos mercados regionais da CPLP www.pwc.com/pt Enquadramento económico dos mercados regionais da CPLP Oportunidades maximizadas? Jaime Carvalho Esteves 19 de Março 2013 Agenda 1. Conceito de hub 2. Relevância da CPLP 3. Os mercados de

Leia mais

Português: Língua de oportunidades. Números que falam

Português: Língua de oportunidades. Números que falam Português: Língua de oportunidades Números que falam Agenda 1 A CPLP enquanto mercado económico 2 Economia 3 4 5 6 IDE Fiscalidade Plataformas lusófonas Conclusões Slide 2 507 260 Slide 3 Economia Características

Leia mais

A Taxa do IVA dos Serviços de Alimentação e Bebidas tem que baixar, já no próximo Orçamento Retificativo

A Taxa do IVA dos Serviços de Alimentação e Bebidas tem que baixar, já no próximo Orçamento Retificativo A Taxa do IVA dos Serviços de Alimentação e Bebidas tem que baixar, já no próximo Orçamento Retificativo O orçamento Retificativo vai ser entregue, no final deste mês, na Assembleia da República. O nosso

Leia mais

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Investimento. Variações trimestrais homólogas

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Investimento. Variações trimestrais homólogas Investimento Variações trimestrais homólogas Entre 2013 e o 3º trimestre de 2015, o Investimento em Portugal superou o existente na Zona Euro, devido não só às perspectivas de crescimento económico, mas

Leia mais

Seminário de Transporte Ferroviário. Alargar Horizontes. 10º Ciclo de Seminários Transportes e Negócios

Seminário de Transporte Ferroviário. Alargar Horizontes. 10º Ciclo de Seminários Transportes e Negócios Seminário de Transporte Ferroviário Alargar Horizontes 10º Ciclo de Seminários Transportes e Negócios 1.Funcionamento do Sector 2.Portugal na Península Ibérica 3.Novo Paradigma 4.Objectivos CP Carga 5.Materialização

Leia mais

DIREÇÃO DE APOIO AO INVESTIMENTO

DIREÇÃO DE APOIO AO INVESTIMENTO DIREÇÃO DE APOIO AO INVESTIMENTO Turismo em Portugal Importância na economia portuguesa. Um setor competitivo e com relevância crescente na economia de Portugal. 11,4Mm Receitas Turísticas (2015, BdP)

Leia mais

FÓRUM DE INVESTIMENTO DIRECTO ESTRANGEIRO: UM NOVO PARADIGMA PARA A DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA ANGOLANA APIEX. 13 de Maio de 2016

FÓRUM DE INVESTIMENTO DIRECTO ESTRANGEIRO: UM NOVO PARADIGMA PARA A DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA ANGOLANA APIEX. 13 de Maio de 2016 FÓRUM DE INVESTIMENTO DIRECTO ESTRANGEIRO: UM NOVO PARADIGMA PARA A DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA ANGOLANA APIEX 13 de Maio de 2016 MERCADO DE CAPITAIS E INVESTIMENTOS Agenda Breves notas conceptuais Estruturas

Leia mais

A economia brasileira em 2013 Guido Mantega Ministro da Fazenda

A economia brasileira em 2013 Guido Mantega Ministro da Fazenda A economia brasileira em 2013 Guido Mantega Ministro da Fazenda Encontro Nacional dos Novos Prefeitos e Prefeitas Brasília, 30 de janeiro de 2013 1 Crescimento do PIB acelerando PIB, crescimento anual,

Leia mais

E depois da troika? Viver com o memorando. Fernando Faria de Oliveira. Caixa Geral de Depósitos

E depois da troika? Viver com o memorando. Fernando Faria de Oliveira. Caixa Geral de Depósitos E depois da troika? Viver com o memorando. Fernando Faria de Oliveira Caixa Geral de Depósitos Centro de Congressos de Lisboa, 4 de Julho 2011 A comportamento do mercado em relação ao risco da dívida soberana

Leia mais

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS MAPUTO, 11 DE MARÇO DE 2013 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 FORUM REGIONAL ALENTEJO 2020 DESAFIOS E OPORTUNIDADES PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALENTEJO Joaquim Fialho joaquim.fialho@ccdr-a.gov.pt Vendas

Leia mais

Estatuto dos Beneficios Fiscais

Estatuto dos Beneficios Fiscais Dedução ao rendimento Majoração à criação emprego para Jovens e empregados de longa duração Artº19º 14 x retribuição minima mensal garantida Valor = 14 x 485 eur = 6.790 eur 150% Este beneficio passa a

Leia mais

Economia Brasileira em Perspectiva

Economia Brasileira em Perspectiva Brasileira em O BRASIL NO CONTEXTO GLOBAL O Brasil mal colocado em alguns rankings mundiais Fonte: Cia World Factbook Desde 2002, o crescimento brasileiro supera apenas os números das economias ricas.

Leia mais

O que aprendemos e o que é preciso fazer

O que aprendemos e o que é preciso fazer O que aprendemos e o que é preciso fazer Pedro Silva Carvalho Lisboa, 26 de Maio de 2015 Com quem estamos a trabalhar E os projectos são Criar OFICINAIS DE REPARAÇÃO & RECICLAGEM de componentes electrónicos

Leia mais

Perspectivas para a indústria brasileira uma proposta baseada na exportação de manufaturados

Perspectivas para a indústria brasileira uma proposta baseada na exportação de manufaturados Perspectivas para a indústria brasileira uma proposta baseada na exportação de manufaturados Apresentação preparada para o Seminário Perspectivas para a economia brasileira nos próximos anos, na FIESP

Leia mais

O RESULTADO DOS INVESTIMENTOS EM INOVAÇÃO NO BRASIL

O RESULTADO DOS INVESTIMENTOS EM INOVAÇÃO NO BRASIL O RESULTADO DOS INVESTIMENTOS EM INOVAÇÃO NO BRASIL Alvaro T. Prata Secretário Nacional de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação MCTIC Governo Federal Inovação e Negócios Tecnológicos Fórum ABINEE TEC

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA PREPARAÇÃO, DEBATE E ADOPÇÃO DO ORÇAMENTO DA SAÚDE

BOAS PRÁTICAS NA PREPARAÇÃO, DEBATE E ADOPÇÃO DO ORÇAMENTO DA SAÚDE BOAS PRÁTICAS NA PREPARAÇÃO, DEBATE E ADOPÇÃO DO ORÇAMENTO DA SAÚDE A MUDANÇA Mudança no Padrão de Procura Mudança no Padrão Demográfico e de Longevidade Mudança nos Factores de Risco Novas Expectativas

Leia mais

Desenvolvimento & Infraestrutura Impactos na Economia e Sociedade. Martin Raiser Diretor Banco Mundial, Brasil

Desenvolvimento & Infraestrutura Impactos na Economia e Sociedade. Martin Raiser Diretor Banco Mundial, Brasil Desenvolvimento & Infraestrutura Impactos na Economia e Sociedade Martin Raiser Diretor Banco Mundial, Brasil Infraestrutura ajuda no crescimento e empregos Crescimento per capita como resultado de diferentes

Leia mais

ANTEPROJECTO DA REFORMA DO IRS APRECIAÇÃO DA CGTP-IN

ANTEPROJECTO DA REFORMA DO IRS APRECIAÇÃO DA CGTP-IN ANTEPROJECTO DA REFORMA DO IRS APRECIAÇÃO DA CGTP-IN I- Considerações Gerais A reforma do IRS preconizada neste Anteprojecto, ao contrário do que sucedeu com a reforma do IRC, não tem como objectivo reduzir

Leia mais

FINANCIAMENTO DO SISTEMA DE SAÚDE BRASILEIRO. IV Jornadas de Economia da Saúde Salvador, 2008 Maria Alicia D. Ugá

FINANCIAMENTO DO SISTEMA DE SAÚDE BRASILEIRO. IV Jornadas de Economia da Saúde Salvador, 2008 Maria Alicia D. Ugá FINANCIAMENTO DO SISTEMA DE SAÚDE BRASILEIRO IV Jornadas de Economia da Saúde Salvador, 2008 Maria Alicia D. Ugá É MUITO BAIXO O GASTO PÚBLICO EM SAÚDE! Nosso sistema de saúde, constitucionalmente definido

Leia mais

O Planeamento das Grandes Empresas

O Planeamento das Grandes Empresas O Planeamento das Grandes Empresas A REFORMA DO IRC: PERSPECTIVAS E CONTRADIÇÕES Universidade Católica Portuguesa Ricardo da Palma Borges Lisboa, 29 de Outubro de 2013 1 Introdução e generalidades Entre

Leia mais

AIP Fundação Lisboa, 8 de Junho de 2016

AIP Fundação Lisboa, 8 de Junho de 2016 AIP Fundação Lisboa, 8 de Junho de 2016 Asia Principais Dados Macroeconómicos PIB 109 USD PIB per capita USD PIB Tx Cres Taxa de Inflação Taxa de Desemprego População Milhões Coreia do Sul 1.410.4 27.970

Leia mais

ACORDO DE POLÍTICA DE RENDIMENTOS PARA 1992

ACORDO DE POLÍTICA DE RENDIMENTOS PARA 1992 CONSELHO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL ACORDO DE POLÍTICA DE RENDIMENTOS PARA 1992 LISBOA Em 15 de Fevereiro de 1992, culminando um processo gradual de concertação o Conselho Coordenador do Conselho

Leia mais

Por uma tributação mais justa

Por uma tributação mais justa Proposta para uma tributação mais justa Por uma tributação mais justa Elaboração: Subseção Dieese - Força Sindical Fevereiro -2015 PROPOSTA PARA UMA TRIBUTAÇÃO MAIS JUSTA 1. Alta de 1 p.p. na taxa Selic

Leia mais

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI Fundo de Coesão Instrumentos financeiros

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI Fundo de Coesão Instrumentos financeiros aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI Fundo de Coesão 2 Os instrumentos financeiros cofinanciados pelo Fundo de Coesão são uma forma eficiente e sustentável de investir no reforço da coesão económica,

Leia mais

O OE 2016 E O CRESCIMENTO POTENCIAL

O OE 2016 E O CRESCIMENTO POTENCIAL O OE 2016 E O CRESCIMENTO POTENCIAL EDUARDO CATROGA A proposta do orçamento de Estado para 2016 (OE/2016) tem vindo a ser analisada por diversas entidades, nomeadamente por políticos, economistas, órgãos

Leia mais

TENDÊNCIAS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INDÚSTRIA

TENDÊNCIAS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INDÚSTRIA TENDÊNCIAS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INDÚSTRIA No relatório Science, Technology and Industry Outlook, publicado em dezembro de 2002, a OCDE afirma que os investimentos em ciência, tecnologia e inovação

Leia mais

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC)

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) FLASH NEWS FISCAL N.º 2 (IRC) PROPOSTA ORÇAMENTO DE ESTADO 2012 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) Taxas de IRC É eliminada a taxa de 12,5% aplicável aos primeiros 12.500,00 de matéria

Leia mais

Mobilidade Sustentável para um Brasil Competitivo. Otávio Vieira Cunha Filho Brasília, 28 de Agosto de 2013

Mobilidade Sustentável para um Brasil Competitivo. Otávio Vieira Cunha Filho Brasília, 28 de Agosto de 2013 Mobilidade Sustentável para um Brasil Competitivo Otávio Vieira Cunha Filho Brasília, 28 de Agosto de 2013 Estrutura da Apresentação 1. Contexto 1.1. Situação atual da Mobilidade Urbana; 1.2. Manifestações:

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT ANTEPROJECTO DE REFORMA DA COMISSÃO PARA A REFORMA DO IRC

POSIÇÃO DA UGT ANTEPROJECTO DE REFORMA DA COMISSÃO PARA A REFORMA DO IRC POSIÇÃO DA UGT ANTEPROJECTO DE REFORMA DA COMISSÃO PARA A REFORMA DO IRC O Governo submeteu a consulta pública o Anteprojecto de Reforma do IRC, apresentado em sede de CPCS no final do mês de Julho de

Leia mais

!"# $% A pressão para o Estado mínimo e direitos mínimos estão a marcar, na Europa e em Portugal, os caminhos sobre o futuro do modelo social.

!# $% A pressão para o Estado mínimo e direitos mínimos estão a marcar, na Europa e em Portugal, os caminhos sobre o futuro do modelo social. Grupo Parlamentar!"# $% O sistema público de segurança social, universal e solidário, está a ser fortemente questionado, pelas condições da intensa globalização neoliberal, das transformações operadas

Leia mais

Situação Actual e Futuro do Mercado de Capitais Português 20 Propostas Estratégicas

Situação Actual e Futuro do Mercado de Capitais Português 20 Propostas Estratégicas Situação Actual e Futuro do Mercado de Capitais Português 20 Propostas Estratégicas Fórum de Bolsa Setembro de 2012 Abel Sequeira Ferreira, Director Executivo Setembro, 28, 2012 A presente apresentação

Leia mais

Perspectivas para 2012

Perspectivas para 2012 Abiplast Perspectivas para 2012 Antonio Delfim Netto 2 de Dezembro de 2011 São Paulo, SP 1 I.Mundo: Década de 80 e 2010 (% do PIB) 30% 23% 31% 24% 37% 22% 3,7% 3,3% 8% 7% 4,2% 4,0% 1,5% 1,2% Fonte: FMI,

Leia mais

A economia polí-ca da tributação no Brasil. Sérgio Wulff Gobe=, IPEA

A economia polí-ca da tributação no Brasil. Sérgio Wulff Gobe=, IPEA A economia polí-ca da tributação no Brasil Sérgio Wulff Gobe=, IPEA Introdução O Brasil tem a maior carga tributária da AL, equivalente à média dos países da OCDE, mas 1. tributa pouco e de modo pouco

Leia mais

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) Em 2000, durante a Cúpula do Milênio, líderes

Leia mais

Congresso IVA 2017 O Regime Especial de IVA das PME Marta Machado de Almeida

Congresso IVA 2017 O Regime Especial de IVA das PME Marta Machado de Almeida LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA DILI SÃO TOMÉ MACAU Congresso IVA 2017 O Regime Especial de IVA das PME Marta Machado de Almeida LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA DILI

Leia mais