INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA"

Transcrição

1 INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA RELATÓRIO DE ATIVIDADES E GESTÃO SERVIÇOS DA PRESIDÊNCIA, ESCOLAS E SAS

2 1. O Instituto Politécnico de Coimbra Caracterização Princípios orientadores Missão Enquadramento estratégico Atividade do IPC Ensino Oferta formativa do IPC Ciclos de Estudo de Licenciatura Ciclos de Estudo de Mestrado Outros cursos de Formação Não Conferentes de Grau Académico Cursos de Especialização Tecnológica Cursos Técnicos Superiores Profissionais Número de estudantes do IPC por tipo de formação e por unidade orgânica Estudantes por tipo de formação e unidade orgânica (2009/10 a /15) Estudantes inscritos pela 1ª vez no 1º ano, por tipo de formação (2009/10 a /15) Diplomados por tipo de formação (2009/10 a /15) Extinção de Ciclos de Estudo Avaliação de Ciclos de Estudos em Funcionamento Acreditação de Novos Ciclos de Estudos Investigação Instituto de Investigação Aplicada Produção Científica Qualificação de recursos humanos Docentes Trabalhadores não docentes Concursos Trabalhadores docentes Trabalhadores não docentes Regime transitório ECPDESP Participação no Poliempreende Relações Internacionais Serviços de Ação Social Bolsas de Estudo Residências... 42

3 Refeições INOPOL Academia de Empreendedorismo Formação Transferência de Tecnologia Incubação Relatório de Contas das Escolas e SP Receitas de funcionamento Receitas totais Receitas por medida Receitas por fonte de financiamento Receitas por categoria Despesas de funcionamento Despesas totais Despesas por medida Despesas por fonte de financiamento Despesas por categoria Saldo Estrutura de custos e proveitos Análise dos custos Análise de proveitos Resultados do Exercício Relatório de Contas dos SASIPC Orçamento Corrigido Realização da Despesa e da Receita Receita Despesa Situação Patrimonial Indicadores de Gestão Indicadores de Meios Humanos Equipamento De Actividade... 78

4 1. O Instituto Politécnico de Coimbra 1.1. Caracterização O Instituto Politécnico de Coimbra foi criado em 1979, conforme Decreto-Lei n.º 513-T/79, de 26 de Dezembro, no contexto da implementação do ensino politécnico em Portugal. Na sequência desta publicação, em 1988 é nomeado o primeiro Presidente da Comissão Instaladora e criada a unidade orgânica dos Serviços Centrais. Apesar da sua história recente o Politécnico de Coimbra herdou a tradição e a experiência das escolas que passaram a integrá-lo, determinantes para que possa afirmar-se como um dos maiores institutos politécnicos do país e uma das mais importantes instituições de ensino superior público em Portugal. Em 1995, através do Despacho Normativo n.º 85/95, de 28 de Dezembro são publicados os Estatutos do Instituto Politécnico de Coimbra. Em 2008, na sequência da publicação da Lei n.º 62/2007, de 10 Setembro, foram aprovados e publicados os novos estatutos do Instituto Politécnico de Coimbra através do Despacho Normativo n.º 59-A /2008, de 19 de Novembro. Atualmente, o IPC é uma pessoa coletiva de direito público, dotada de autonomia estatutária, pedagógica, científica, cultural, administrativa, financeira, disciplinar e patrimonial. Por sua vez, as escolas integradas no IPC dispõem de autonomia estatutária, pedagógica, científica, cultural, administrativa e disciplinar. Cabe aos órgãos próprios do IPC e das suas escolas definir os seus objetivos e o seu programa de ensino e de investigação, de acordo com a sua vocação e os recursos disponíveis. O IPC goza de autonomia financeira, nos termos da lei e dos seus estatutos, gerindo os seus recursos financeiros conforme critérios estabelecidos pelo Conselho Geral e Conselho de Gestão do IPC, incluindo as verbas que lhe são atribuídas no Orçamento de Estado. É uma pessoal coletiva de direito público com o nº Para além dos Serviços da Presidência, o IPC é constituído por 6 unidades orgânicas de ensino Escola Superior Agrária (ESAC), Escola Superior de Educação (ESEC), Instituto Superior Contabilidade e Administração (ISCAC), Instituto Superior de Engenharia (ISEC), Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTGOH) e Escola Superior Tecnologia da Saúde (ESTeSC) e uma unidade orgânica de Investigação Instituto de Investigação Aplicada (IIA). As unidades de ensino dispõem de autonomia estatutária, pedagógica, científica, cultural, administrativa e

5 disciplinar e a unidade de investigação está ainda em regime de instalação. O IPC Integra ainda os Serviços de Ação Social, que detêm autonomia administrativa e financeira. Os SASIPC foram criados em 1993, conforme Decreto-Lei n.º 129/93, de 22 de Abril. No entanto, só em finais de 1996 é que os Serviços se autonomizaram administrativamente, uma vez que até então a gestão financeira e administrativa era realizada pelo IPC e a atribuição de benefícios era feita pelos Serviços de Ação Social da Universidade de Coimbra (SASUC). São pessoa coletiva de direito público, com o nº , e dotados de autonomia administrativa, financeira e patrimonial. Atualmente, os SASIPC constituem uma entidade de apoio ao universo do IPC no âmbito da ação social escolar, desenvolvendo a sua atividade em diversas áreas, como sejam: atribuição de bolsas de estudo, alimentação, alojamento, saúde, apoio a atividades desportivas e culturais, apoio em material escolar e de reprografia e apoio à inserção na vida ativa. Para o efeito, suporta-se dos seguintes sectores: gabinetes de ação social; apoio técnico; gabinetes médicos e de psicologia; secretariado e expediente; financeiro, contabilístico e patrimonial; recursos humanos; aprovisionamento; cantinas e residências. A estrutura organizacional dos SASIPC inclui os seguintes órgãos: Presidente do Instituto Politécnico de Coimbra, Conselho de Ação Social (CAS) e Administrador; estando as suas composições e as competências definidas nos artigos 11º, 15 e 16º do Decreto-Lei 129/93, de 22 de Abril. Os SASIP regulam-se igualmente pela Lei nº 62/2007, de 10 de Setembro Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior (RJIES) e pelo Despacho Normativo nº 59-A/2009, de 19 de Novembro Estatutos do Instituto Politécnico de Coimbra Princípios orientadores O IPC orienta-se por princípios de democraticidade e participação de todos os corpos escolares, tendo por base um conjunto de valores de que se destaca: a) A Liberdade Académica; b) A Colegialidade; c) A Subsidiariedade; d) A Responsabilidade; e) A Diversidade; f) A Paridade na Valorização entre Áreas de Formação; g) A Solidariedade.

6 1.3. Missão De acordo com os seus estatutos, o Instituto Politécnico de Coimbra é uma instituição de ensino superior globalmente orientada para a prossecução dos objetivos do ensino politécnico, nomeadamente: a) A formação de alunos com elevado nível de exigência qualitativa, nos aspetos humanístico, cultural, científico, artístico, tecnológico e profissional; b) A preparação dos seus estudantes para a sua inserção e integração no mundo do trabalho e para um desempenho profissional de sucesso; c) A formação de profissionais com competências de resolução de problemas, de trabalho cooperativo e de liderança, desenvolvendo-lhes o compromisso com o comportamento ético e com o respeito pelos outros e pela sociedade, preparando -os para serem cidadãos exigentes, informados, produtivos, responsáveis e ativamente envolvidos no desenvolvimento cultural, educacional, económico, científico, social e político da comunidade; d) A realização de atividades de pesquisa e investigação aplicada; e) A prestação de serviços à comunidade, tendo em vista a transferência de conhecimentos para a comunidade e a valorização recíproca; f) O intercâmbio com instituições, nacionais, estrangeiras e internacionais; g) A contribuição, no seu âmbito de atividades, para a cooperação internacional e para o encontro entre povos e comunidades; h) A criação de um ambiente de debate e de troca aberta de ideias, onde a criatividade, a descoberta e o desenvolvimento pessoal e social de todos os seus membros possa ocorrer. São atribuições do IPC, no âmbito da vocação própria do subsistema politécnico: a) A realização de ciclos de estudos visando a atribuição de graus académicos, bem como de outros cursos pós -secundários, de cursos de formação pós -graduada e outros, nos termos da lei; b) A criação do ambiente educativo apropriado às suas finalidades; c) A realização de investigação e o apoio e participação em instituições científicas; d) A transferência e valorização económica e social do conhecimento científico e tecnológico; e) A realização de ações de formação profissional e de atualização de conhecimentos; f) A prestação de serviços à comunidade e de apoio ao desenvolvimento; g) A cooperação e o intercâmbio cultural, científico e técnico com instituições congéneres, nacionais e estrangeiras;

7 h) A contribuição, no seu âmbito de atividade, para a cooperação internacional e para a aproximação entre os povos, com especial destaque para os países de língua portuguesa e os países europeus; i) A produção e difusão do conhecimento e da cultura. Ao IPC compete, ainda, nos termos da lei, a concessão de equivalências e o reconhecimento de graus e habilitações académicos. Embora centrado na missão principal de ensino, o IPC procura incrementar a interligação com o meio empresarial através de modalidades diversas, designadamente pela implementação de projetos de investigação e desenvolvimento aplicados, pela associação com instituições sem fins lucrativos que visem atividades de I&D e de desenvolvimento regional, nacionais ou internacionais. Tal interligação estabelece-se, ainda, através de protocolos conducentes, quer à realização de estágios curriculares e profissionais para os seus estudantes, quer ao desenvolvimento de projetos por parte destes Enquadramento estratégico De acordo com o definido nas Opções Estratégicas e o Plano de Ação para o quadriénio aprovado pelo Conselho Geral do IPC, o IPC deverá assentar o seu desenvolvimento em torno de quatro prioridades/ eixos. Eixo 1- Desenvolvimento da investigação aplicada e a promoção de projetos de transferência de conhecimento e tecnologia; Eixo 2- Criação de redes e de parcerias com instituições da comunidade, nomeadamente empresas e outras IES; Eixo 3- Recrutamento de estudantes internacionais e a captação de novos públicos; Eixo 4- Sustentabilidade e modernização da gestão e da governação.

8 2. Atividade do IPC 2.1. Ensino Oferta formativa do IPC Ciclos de Estudo de Licenciatura O Politécnico de Coimbra de Coimbra dispõe, no ano letivo de /2015, de 52 ciclos de estudos do 1º ciclo (licenciaturas, distribuídos pelas suas seis Unidades Orgânicas de Ensino. Gráfico 1 Ciclos de Estudo de Licenciatura por unidade orgânica 14 Número de ciclos de estudos de formação inicial (1º ciclo) por Unidade Orgânica - / ESAC ESEC ESTESC ESTGOH ISCAC ISEC NOTAS: a) No somatório de cada UO não foram contabilizados os ciclos de estudo que funcionam em regime pós-laboral (na ESEC 3 das 13 licenciaturas funcionam em regime diurno e pós-laboral e no ISEC 2 das 10 licenciaturas também funcionam com os dois regimes). b) A ESTESC + ESTGOH têm a licenciatura em Engenharia de Segurança do Trabalho acreditada desde abril de 2012, mas que até à data ainda não entrou em funcionamento. Esta licenciatura foi contabilizada apenas na ESTESC. c) A ESEC (em associação com a Escola Superior Agrária de Coimbra, a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra e a Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital) viu, em março de 2015, acreditada a licenciatura em Gastronomia. Esta licenciatura foi contabilizada apenas na ESEC. d) Nas ESTGOH não têm sido abertas vagas para o 1º ano 1ª vez para licenciatura em Administração e Marketing desde o ano 2013/, na sequência das regras estabelecidas em Despacho do Secretário de Estado do ES para a fixação de vagas para o CNA. e) No ISEC, e pelas mesmas razões, também para a licenciatura em Engenharia Química já não fixadas vagas para o 1º ano 1ª vez desde o ano letivo de 2012/2013

9 f) O ISCAC viu acreditada a licenciatura em Comércio e Relações Económicas Internacionais em Abril de, embora ainda não tenha entrado em funcionamento. A licenciatura foi contabilizada para a elaboração do gráfico Ciclos de Estudo de Mestrado No presente ano letivo (/2015) o Politécnico de Coimbra dispõe de 50 cursos de 2º ciclo (mestrados) acreditados. Destes 50 ciclos de estudos, 45 são ministrados isoladamente por cada uma das Unidades Orgânicas de Ensino (cf. Gráfico 2) e 5 são ministrados em parceria entre as mesmas (cf. Nota do Gráfico 2). No gráfico abaixo os mestrados em pareceria estão contabilizados apenas na UO líder. É de salientar que, apesar de constarem da oferta formativa, poderão existir cursos de mestrado que não entram em funcionamento todos os anos, de acordo com as oscilações verificadas ao nível da procura e das necessidades de formação dos públicos-alvo. A decisão de abertura dos mestrados é da responsabilidade das respetivas Unidades Orgânicas. Gráfico 2 Ciclos de Estudo de mestrado por unidade orgânica 14 Número de ciclos de estudos de 2º ciclo por Unidade Orgânica - / ESAC ESEC ESTESC ESTGOH ISCAC ISEC 1 NOTA: Ciclos de estudos de 2º ciclo em parceria entre Unidades Orgânicas do IPC Unidades Orgânicas Grau Designação do Ciclo de Estudos ESTESC + ESEC Mestrado Educação para a Saúde ESEC + ESTGOH Mestrado Marketing e Comunicação ISEC + ESTGOH Mestrado Comércio Eletrónico ISEC+ESTESC Mestrado Sistemas e Tecnologias da Informação para a Saúde ISCAC + ESAC Mestrado Gestão de Empresas Agrícolas

10 Outros cursos de Formação Não Conferentes de Grau Académico Cursos de Especialização Tecnológica O IPC dispõe atualmente de 26 cursos de especialização tecnológica. De acordo com as alíneas 3 e 4 do art. 42º do Decreto-Lei nº 43/ de 18 de março, que cria e regulamenta os cursos técnicos superiores profissionais, o atual ano letivo é o último em que as instituições de ensino superior politécnico podem ministrar CET s. Assim, no próximo ano nenhum dos 26 CET s irá entrar em funcionamento. Gráfico 3 Cursos de Especialização Tecnológica, por unidade orgânica Número de cursos de especialização Tecnológica em /2015, por Unidade Orgânica ESAC ESEC ESTESC ESTGOH ISCAC ISEC Cursos Técnicos Superiores Profissionais Na sequência da publicação do Decreto-Lei nº 43/ de 18 de março, que cria e regulamenta os cursos técnicos superiores profissionais, o IPC propôs em julho de a criação de 4 cursos, conforme tabela seguinte. Os 4 cursos foram registados pela DGES, sendo que nenhum entrou em funcionamento no presente ano letivo. Quadro 1 Cursos Técnicos Superiores Profissionais aprovados Unidade Orgânica ESAC ESTGOH ISEC Designação do Curso Interpretação da Natureza e dos Espaços Rurais Gestão de PMEs Redes e Sistemas Informáticos Sistemas de Informação Geográfica

11 Em Janeiro de 2015 foram submetidos a registo 37 CTESP, conforme tabela, sendo que até à data não existe decisão da DGES relativamente a nenhuma das propostas. Quadro 2 Cursos Técnicos Superiores Profissionais em aprovação na DGES Unidade Orgânica ESAC ESTGOH ISCAC ISEC Designação do Curso Agrotecnologia Avicultura Bovinos de Leite Compostagem e Valorização de Resíduos Biodegradáveis Defesa da Floresta Maneio de Equinos, Equitação Terapêutica e de Lazer Produção Agrícola Biológica Qualidade Alimentar Sistemas e Tratamento de Águas Técnicas de Laboratório Agroalimentar Contabilidade e Fiscalidade Gestão Comercial e Marketing Gestão da Qualidade, Ambiente e Segurança Tecnologias e Programação de Sistemas de Informação Aplicações Informáticas de Gestão Serviços Jurídicos Gestão Comercial Técnicas e Gestão de Marketing Desenvolvimento de Aplicações Web Empresariais Contabilidade e Fiscalidade para Pequenas e Médias Empresas Automação e Robótica Industrial Instalações Elétricas e Manutenção Industrial Energia e Automação Eletrónica e Telecomunicações Manutenção Eletromecânica Redes e Sistemas Informáticos Tecnologias e Programação de Sistemas de Informação Desenvolvimento Web Tecnologia e Gestão Automóvel Instalações Elétricas e Manutenção Industrial Instalações Térmicas Análises Químicas e Microbiológicas Processos Industriais Construção Civil e Obras Públicas Instalações de Água e Saneamento Proteção Civil Reabilitação na Arquitetura Número de estudantes do IPC por tipo de formação e por unidade orgânica No ano letivo /2015, o IPC registou alunos inscritos, o que representa um decréscimo de cerca de 1,6% relativamente ao ano anterior. Analisando os valores de inscritos

12 por Unidade Orgânica, verifica-se que apenas o ISCAC e a ESTESC registam um aumento do número de alunos de 3,85% e 1,69% respetivamente. A ESAC (-10,67%), a ESEC (-4,43%), a ESTGOH (-3,75%) e o ISEC (-1,38%) registam crescimentos negativos no número total de alunos. Gráfico 4 Evolução do nº de alunos, por escola (2009 a / / / / / /2015 Total de alunos inscritos em Licenciaturas Total de alunos inscritos em CET's Total de alunos inscritos em Mestrados Total de alunos inscritos no IPC Nota: Nos dados apresentados não foram incluídos os alunos a frequentar cursos de pós-graduação e formação especializada, que representam cerca de 241 alunos no IPC, sendo o ISCAC e a ESEC as unidades orgânicas com valores mais representativos e 102 respetivamente. Fonte: DGA do IPC, através de informação das Unidades Orgânicas (Dados a 31/12/). Analisando a evolução dos alunos por tipo de formação no IPC, verifica-se a diminuição do número de alunos se regista em todos os tipos de formação: CET (-1,83%), Licenciaturas (- 1,47%) e mestrados (-2,47%). Quadro 3 - N.º total de alunos inscritos no IPC por tipo de curso e escola UO ESAC Tipo de Formação Cursos de Especialização Tecnológica Licenciaturas - 1º Ciclo 2009/ / /11-09/ / /12-10/ / /13-11/ / 13/14-12/13 / /15-13/ ,80% 127 5,83% ,05% 160 8,11% ,13% ,30% ,97% ,90% 848-2,97% 769-9,32%

13 Mestrados - 2º Ciclo ,60% ,33% 131-0,81% ,19% ,37% TOTAL ,20% ,10% ,86% , ,67% UO Tipo de Formação 2009/ / /11-09/ / /12-10/ / /13-11/ / 13/14-12/13 / /15-13/14 ESEC Licenciaturas - 1º Ciclo Mestrados - 2º Ciclo ,04% ,12% ,02% ,26% ,09% ,84% 345 9,52% ,75% ,90% ,05% TOTAL ,93% ,28% ,46% ,49% ,43% UO Tipo de Formação 2009/ / /11-09/ / /12-10/ / /13-11/ / 13/14-12/13 / /15-13/14 Cursos de Especialização Tecnológica ,00% ,33% 26-31,58% ESTGO H Licenciaturas - 1º Ciclo Mestrados - 2º Ciclo ,73% ,05% ,39% ,03% 203-2,40% ,15% 34-10,53% 47 38,24% 53 12,77% TOTAL ,24% ,22% ,48% 293-9,85% 282-3,75% UO Tipo de Formação 2009/ / /11-09/ / /12-10/ / /13-11/ / 13/14-12/13 / /15-13/14 Licenciaturas - 1º Ciclo ,77% ,24% ,33% ,74% ,86% ESTESC Mestrados - 2º Ciclo ,53% 88-5,34% ,68% 70-39,13% TOTAL ,09% ,83% ,13% ,48% ,69% UO Tipo de Formação 2009/ / /11-09/ / /12-10/ / /13-11/ / 13/14-12/13 / /15-13/14 Cursos de Especialização Tecnológica 0 14 #DIV/0! 18 28,57% ,11% 70 84,21% 85 21,43% ISCAC Licenciaturas - 1º Ciclo ,22% ,41% ,67% ,12% ,64% Mestrados - 2º Ciclo ,74% ,61% ,36% ,50% ,73% TOTAL ,95% ,36% ,84% ,54% ,85% UO Tipo de Formação 2009/ / /11-09/ / /12-10/ / /13-11/ / 13/14-12/13 / /15-13/14 ISEC Cursos de Especialização Tecnológica ,35% ,29% ,17% ,00% 241 7,59%

14 Licenciaturas - 1º Ciclo Mestrados - 2º Ciclo ,11% ,38% ,78% ,02% ,42% ,72% 382 4,09% 392 2,62% ,58% ,65% TOTAL ,89% ,33% ,99% ,22% ,38% Tipo de Formação 2009/ / /11-09/ / /12-10/ / /13-11/ / 13/14-12/13 / /15-13/14 IPC Cursos de Especialização Tecnológica Licenciaturas - 1º Ciclo Mestrados - 2º Ciclo ,37% ,23% 376-6,70% ,85% 483-1,83% ,46% ,09% ,98% ,52% ,47% ,16% ,79% ,19% ,26% ,47% TOTAL ,79% ,97% ,69% ,33% ,62% Fonte: DGA do IPC, através de dados das Unidades Orgânicas (Dados a reportados a 31/12/) Estudantes por tipo de formação e unidade orgânica (2009/10 a /15) Quadro 4 - Número total de alunos inscritos, por curso de especialização tecnológica 2009/2010 a /2015 (Fonte: RAIDES) Unidade Orgânica / CET 2009/ / / / / /2015 ESAC Defesa da Floresta contra Incêndios Instalação e Manutenção de Espaços Verdes Maneio de Equinos e Equitação Terapêutica Produção Agrícola e Biológica Qualidade Alimentar Qualidade Ambiental ESTGOH Condução de Obra Gestão de Redes e Sistemas Informáticos Técnicas de Gestão da Qualidade e do Ambiente Tecnologias e Programação de Sistemas de Informação ISCAC Aplicações Informáticas de Gestão

15 Unidade Orgânica / CET 2009/ / / / / /2015 Gestão Comercial Programação de Aplicações WEB Serviços Jurídicos Técnicas e Gestão de Marketing 18 ISEC Análises Químicas e Microbiológicas Automação, Robótica e Controlo Industrial Construção Civil e Obras Públicas Construção e Administração de Websites Energia e Automação Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Instalações Eléctricas e Manutenção Industrial Manutenção Electromecânica Sistemas de Informação Geográfica 0 0 Tecnologia e Gestão Automóvel Tecnologias e Programação de Sistemas de Informação Total Geral Nota: as células preenchidas a cinzento em todas as tabelas indicam que naquele ano especifico o curso, ou ainda não existia, ou foi extinto. As células com o valor zero indicam que o curso já estava criado e registado, mas não entrou em funcionamento. Quadro 5 - Número total de alunos inscritos, por ciclo de estudos de licenciatura 2009/2010 a /2015 (Fonte: RAIDES) Unidade Orgânica / Ciclo de estudos 2009/ / / / / /2015 ESAC Agricultura Biológica Biotecnologia Ciências Florestais e Recursos Naturais Ecoturismo Engenharia Agro-Pecuária Engenharia Alimentar Engenharia do Ambiente Engenharia dos Recursos Florestais Tecnologia Alimentar 36 60

16 Unidade Orgânica / Ciclo de estudos 2009/ / / / / /2015 Tecnologia e Gestão Ambiental ESEC Animação Socioeducativa Animação Socioeducativa (PL) Arte e Design Comunicação e Design Multimédia Comunicação Organizacional Comunicação Organizacional (PL) Comunicação Social Desporto e Lazer Educação Básica Gerontologia Social Língua Gestual Portuguesa Música Teatro e Educação Turismo Turismo (PL) ESTESC Análises Clínicas e Saúde Pública Audiologia Cardiopneumologia Ciências Biomédicas Laboratoriais 128 Dietética e Nutrição Engenharia de Segurança do Trabalho 15 Farmácia Fisiologia Clínica 137 Fisioterapia Imagem Médica e Radioterapia 153 Radiologia Saúde Ambiental ESTGOH Administração e Finanças Administração e Marketing Desenvolvimento Regional e Ordenamento do Território 5 15 Engenharia Civil Engenharia Informática Gestão Integrada em Qualidade, Ambiente e Segurança ISCAC Contabilidade e Auditoria Contabilidade e Gestão Pública Gestão de Empresas Informática de Gestão Marketing e Negócios Internacionais Secretariado de Direção e Administração

17 Unidade Orgânica / Ciclo de estudos 2009/ / / / / /2015 Solicitadoria e Administração ISEC Engenharia Biológica Engenharia Biomédica Engenharia Civil Engenharia e Gestão Industrial Engenharia Electromecânica Engenharia Electrotécnica Engenharia Electrotécnica (regime PL) Engenharia Informática Engenharia Informática (regime PL) Engenharia Informática (Curso Europeu) Engenharia Mecânica Engenharia Química Total Geral Quadro 6 - Número total de alunos inscritos, por ciclo de estudos de mestrado 2009/2010 a /2015 (Fonte: RAIDES) Unidade Orgânica / Ciclo de estudos 2009/ / / / / /2015 ESAC Agricultura Biológica Agropecuária Biocombustíveis Biotecnologia 0 0 Direito à Alimentação e Desenvolvimento Rural Ecoturismo Engenharia Alimentar Gestão Ambiental Recursos Florestais ESEC Comunicação Organizacional - área de especialização em Cidadania, Confiança e Responsabilidade Social Comunicação Social - Novos Media 0 0 Didática da Língua Portuguesa Educação de Adultos e Desenvolvimento Local Educação e Lazer Educação Especial, área de especialização em Cognição e Motricidade Educação Matemática

18 Unidade Orgânica / Ciclo de estudos 2009/ / / / / /2015 Educação para a Saúde Educação Pré-Escolar Educação Pré-Escolar e Ensino do 1.º Ciclo do Ensino Básico Ensino de Educação Musical no Ensino Básico Ensino do 1.º Ciclo do Ensino Básico 0 0 Ensino do 1.º e do 2.º Ciclo do Ensino Básico Interação Humano- Computador Jogo e Motricidade na Infância Marketing e Comunicação Turismo de Interior - Educação para a Sustentabilidade ESTESC Análises Clínicas e Saúde Pública - Especialização de Hematologia e Imunologia Clínico-Laboratorial Audiologia Biomecânica Cardiopneumologia - Especialização em Arritmologia Ciências Nucleares Aplicadas na Saúde Educação para a Saúde Farmácia - Especialização em Farmacoterapia Aplicada Fisioterapia - Especialização em Movimento Humano Psicoacústica Radiologia - Especialização em Ósteo-Articular Segurança e Saúde do Trabalho Sistemas e Tecnologias da Informação para a Saúde ESTGOH Comércio Electrónico Informática Aplicada Marketing e Comunicação ISCAC Análise Financeira Auditoria Empresarial e Pública Contabilidade e Fiscalidade Empresarial Contabilidade e Gestão Pública Controlo de Gestão Gestão de Empresas Agrícolas 14 Gestão Empresarial Sistemas de Informação de Gestão Solicitadoria 44

19 Unidade Orgânica / Ciclo de estudos 2009/ / / / / /2015 ISEC Biomecânica Comércio Electrónico Engenharia Civil - Especialização em Construção Urbana Engenharia e Gestão Industrial 16 Engenharia Eletromecânica, especialização em Instalações e Equipamentos em Edifícios (Anterior denominação: Instalações e Equipamentos em Edifícios) Engenharia Eletrotécnica (Automação e Comunicações em Sistemas de Energia) Engenharia Mecânica (Anterior denominação: Equipamentos e Sistemas Mecânicos) Informática e Sistemas Instrumentação Biomédica Mobilidade Elétrica e Sistemas de Energia Processos Químicos e Biológicos Sistemas e Tecnologias da Informação para a Saúde Total Geral Estudantes inscritos pela 1ª vez no 1º ano, por tipo de formação (2009/10 a /15) Quadro 7 - Número total de alunos inscritos pela 1ª vez no 1º ano nos CET 2009/2010 a /2015 (Fonte: RAIDES) Unidade Orgânica / CET 2009/ / / / / /2015 ESAC Defesa da Floresta contra Incêndios Instalação e Manutenção de Espaços Verdes Maneio de Equinos e Equitação Terapêutica Produção Agrícola e Biológica Qualidade Alimentar Qualidade Ambiental ESTGOH Condução de Obra

20 Unidade Orgânica / CET 2009/ / / / / /2015 Gestão de Redes e Sistemas Informáticos Técnicas de Gestão da Qualidade e do Ambiente Tecnologias e Programação de Sistemas de Informação ISCAC Aplicações Informáticas de Gestão Gestão Comercial Programação de Aplicações WEB Serviços Jurídicos Técnicas e Gestão de Marketing 18 ISEC Análises Químicas e Microbiológicas Automação, Robótica e Controlo Industrial Construção Civil e Obras Públicas Construção e Administração de Websites Energia e Automação Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Instalações Elétricas e Manutenção Industrial Manutenção Eletromecânica Sistemas de Informação Geográfica Tecnologia e Gestão Automóvel Tecnologias e Programação de Sistemas de Informação Total Geral Quadro 8 - Número total de alunos inscritos pela 1ª vez no 1º ano, por ciclo de estudos de licenciatura 2009/2010 a /2015 (Fonte: RAIDES) Unidade Orgânica / Ciclo de Estudos 2009/ / / / / /2015 ESAC Agricultura Biológica Biotecnologia Ciências Florestais e Recursos Naturais Ecoturismo Engenharia Agro-Pecuária

21 Unidade Orgânica / Ciclo de Estudos 2009/ / / / / /2015 Engenharia Alimentar Engenharia do Ambiente Engenharia dos Recursos Florestais Tecnologia Alimentar Tecnologia e Gestão Ambiental ESEC Animação Socioeducativa Animação Socioeducativa (PL) Arte e Design Comunicação e Design Multimédia Comunicação Organizacional Comunicação Organizacional (PL) Comunicação Social Desporto e Lazer Educação Básica Gerontologia Social Língua Gestual Portuguesa Música Teatro e Educação Turismo Turismo (PL) ESTESC Análises Clínicas e Saúde Pública Audiologia Cardiopneumologia Ciências Biomédicas Laboratoriais 70 Dietética e Nutrição Engenharia de Segurança do Trabalho 15 Farmácia Fisiologia Clínica 38 Fisioterapia Imagem Médica e Radioterapia 54 Radiologia Saúde Ambiental ESTGOH Administração e Finanças Administração e Marketing Desenvolvimento Regional e Ordenamento do Território Engenharia Civil Engenharia Informática Gestão Integrada em Qualidade, Ambiente e Segurança ISCAC

22 Unidade Orgânica / Ciclo de Estudos 2009/ / / / / /2015 Contabilidade e Auditoria Contabilidade e Gestão Pública Gestão de Empresas Informática de Gestão Marketing e Negócios Internacionais Secretariado de Direção e Administração Solicitadoria e Administração ISEC Engenharia Biológica Engenharia Biomédica Engenharia Civil Engenharia e Gestão Industrial Engenharia Eletromecânica Engenharia Eletrotécnica Engenharia Eletrotécnica (PL) Engenharia Informática Engenharia Informática (PL) Engenharia Informática (Curso Europeu) Engenharia Mecânica Engenharia Química Total Geral Quadro 9 - Número total de alunos inscritos pela 1ª vez no 1º ano, por ciclo de estudos de mestrado 2009/2010 a /2015 (Fonte: RAIDES) Unidade Orgânica / Ciclo de Estudos 2009/ / / / / /2015 ESAC Agricultura Biológica Agropecuária Biocombustíveis Biotecnologia 0 0 Direito à Alimentação e Desenvolvimento Rural Ecoturismo Engenharia Alimentar Gestão Ambiental Recursos Florestais ESEC Comunicação Organizacional - área de especialização em Cidadania, Confiança e Responsabilidade Social Comunicação Social - Novos Media 0 0 Didática da Língua Portuguesa

23 Unidade Orgânica / Ciclo de Estudos 2009/ / / / / /2015 Educação de Adultos e Desenvolvimento Local Educação e Lazer Educação Especial, área de especialização em Cognição e Motricidade Educação Matemática Educação para a Saúde Educação Pré-Escolar Educação Pré-Escolar e Ensino do 1.º Ciclo do Ensino Básico Ensino de Educação Musical no Ensino Básico Ensino do 1.º e do 2.º Ciclo do Ensino Básico Interação Humano-Computador Jogo e Motricidade na Infância Marketing e Comunicação Turismo de Interior - Educação para a Sustentabilidade ESTESC Análises Clínicas e Saúde Pública - Especialização de Hematologia e Imunologia Clínico-Laboratorial Audiologia Biomecânica Cardiopneumologia - Especialização em Arritmologia Ciências Nucleares Aplicadas na Saúde Educação para a Saúde Farmácia - Especialização em Farmacoterapia Aplicada Fisioterapia - Especialização em Movimento Humano Psicoacústica Radiologia - Especialização em Ósteo-Articular Segurança e Saúde do Trabalho Sistemas e Tecnologias da Informação para a Saúde ESTGOH Comércio Eletrónico Informática Aplicada Marketing e Comunicação ISCAC Análise Financeira Auditoria Empresarial e Pública Contabilidade e Fiscalidade Empresarial Contabilidade e Gestão Pública Controlo de Gestão Gestão de Empresas Agrícolas 14

24 Unidade Orgânica / Ciclo de Estudos 2009/ / / / / /2015 Gestão Empresarial Sistemas de Informação de Gestão Solicitadoria 44 ISEC Biomecânica Comércio Eletrónico Engenharia Civil - Especialização em Construção Urbana Engenharia e Gestão Industrial 16 Engenharia Eletromecânica, especialização em Instalações e Equipamentos em Edifícios (Anterior denominação: Instalações e Equipamentos em Edifícios) Engenharia Eletrotécnica (Automação e Comunicações em Sistemas de Energia) Engenharia Mecânica (Anterior denominação: Equipamentos e Sistemas Mecânicos) Informática e Sistemas Instrumentação Biomédica Mobilidade Elétrica e Sistemas de Energia Processos Químicos e Biológicos Sistemas e Tecnologias da Informação para a Saúde Total Geral Diplomados por tipo de formação (2009/10 a /15) Quadro 10 - Número de diplomados nos CET 2009/2010 a 2013/ (Fonte: RAIDES) Unidade Orgânica / CET 2009/ / / / / ESAC Defesa da Floresta contra Incêndios Instalação e Manutenção de Espaços Verdes Maneio de Equinos e Equitação Terapêutica Produção Agrícola e Biológica Qualidade Alimentar Qualidade Ambiental ESTGOH Condução de Obra Gestão de Redes e Sistemas Informáticos Técnicas de Gestão da Qualidade e do Ambiente Tecnologias e Programação de Sistemas

25 Unidade Orgânica / CET de Informação 2009/ / / / / ISCAC Aplicações Informáticas de Gestão Gestão Comercial 0 10 Programação de Aplicações WEB 0 5 Serviços Jurídicos 0 5 Técnicas e Gestão de Marketing ISEC Análises Químicas e Microbiológicas 0 22 Automação, Robótica e Controlo Industrial Construção Civil e Obras Públicas Construção e Administração de Websites Energia e Automação Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Instalações Elétricas e Manutenção Industrial 16 7 Manutenção Eletromecânica Sistemas de Informação Geográfica 0 Tecnologia e Gestão Automóvel Tecnologias e Programação de Sistemas de Informação Total Geral Quadro 11 - Número de diplomados por ciclo de estudos de licenciatura 2009/2010 a 2013/ (Fonte: RAIDES) Unidade Orgânica / Ciclo de Estudos 2009/ / / / / ESAC Agricultura Biológica Biotecnologia Ciências Florestais e Recursos Naturais Ecoturismo Engenharia Agro-Pecuária Engenharia Alimentar Engenharia do Ambiente Engenharia dos Recursos Florestais Tecnologia Alimentar 1 Tecnologia e Gestão Ambiental ESEC Animação Socioeducativa Animação Socioeducativa (PL) Arte e Design Comunicação e Design Multimédia Comunicação Organizacional Comunicação Organizacional (PL) Comunicação Social

26 Unidade Orgânica / Ciclo de Estudos 2009/ / / / / Desporto e Lazer Educação Básica Gerontologia Social Língua Gestual Portuguesa Música Teatro e Educação Turismo Turismo (PL) ESTESC Análises Clínicas e Saúde Pública Audiologia Cardiopneumologia Ciências Biomédicas Laboratoriais Dietética e Nutrição Engenharia de Segurança do Trabalho Farmácia Fisiologia Clínica Fisioterapia Imagem Médica e Radioterapia Radiologia Saúde Ambiental ESTGOH Administração e Finanças Administração e Marketing Desenvolvimento Regional e Ordenamento do Território Engenharia Civil Engenharia Informática Gestão Integrada em Qualidade, Ambiente e Segurança ISCAC Contabilidade e Auditoria Contabilidade e Gestão Pública Gestão de Empresas Informática de Gestão Marketing e Negócios Internacionais Secretariado de Direção e Administração Solicitadoria e Administração ISEC Engenharia Biológica Engenharia Biomédica Engenharia Civil Engenharia e Gestão Industrial Engenharia Eletromecânica Engenharia Eletrotécnica Engenharia Eletrotécnica (PL) Engenharia Informática

27 Unidade Orgânica / Ciclo de Estudos 2009/ / / / / Engenharia Informática (PL) Engenharia Informática (Curso Europeu) Engenharia Mecânica Engenharia Química Total Geral Gráfico 5 Sucesso escolar nos ciclos de estudos de licenciatura (ano letivo 2013/14 Total IPC ISEC ISCAC ESTGOH Relação entre Diplomados no ano letivo de 2013/, face aos alunos inscritos no 1º ano pela 1ª vez em 2011/2012 (2010/2011 para a ESTESC) em percentagem 45,8 50,8 51,2 62,1 ESTESC 84,3 ESEC 73,9 ESAC 67,0 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 Quadro 12 - Número de diplomados por ciclo de estudos de mestrado 2009/2010 a 2013/ (Fonte: RAIDES) Unidade Orgânica / Ciclo de Estudos 2009/ / / / / ESAC Agricultura Biológica Agropecuária Biocombustíveis Biotecnologia Direito à Alimentação e Desenvolvimento Rural 3 1 Ecoturismo Engenharia Alimentar Gestão Ambiental Recursos Florestais ESEC Comunicação Organizacional - área de especialização em Cidadania, Confiança e Responsabilidade Social 0 1 Comunicação Social - Novos Media Didática da Língua Portuguesa

28 Unidade Orgânica / Ciclo de Estudos Educação de Adultos e Desenvolvimento Local 2009/ / / / / Educação e Lazer Educação Especial, área de especialização em Cognição e Motricidade Educação Matemática Educação para a Saúde Educação Pré-Escolar Educação Pré-Escolar e Ensino do 1.º Ciclo do Ensino Básico Ensino de Educação Musical no Ensino Básico Ensino do 1.º e do 2.º Ciclo do Ensino Básico Interação Humano-Computador 1 Jogo e Motricidade na Infância 0 3 Marketing e Comunicação Turismo de Interior - Educação para a Sustentabilidade ESTESC Análises Clínicas e Saúde Pública - Especialização de Hematologia e Imunologia Clínico-Laboratorial Audiologia Biomecânica Cardiopneumologia - Especialização em Arritmologia Ciências Nucleares Aplicadas na Saúde Educação para a Saúde Farmácia - Especialização em Farmacoterapia Aplicada 1 4 Fisioterapia - Especialização em Movimento Humano Psicoacústica Radiologia - Especialização em Ósteo- Articular Segurança e Saúde do Trabalho 3 2 Sistemas e Tecnologias da Informação para a Saúde ESTGOH Comércio Electrónico Informática Aplicada Marketing e Comunicação ISCAC Análise Financeira Auditoria Empresarial e Pública Contabilidade e Fiscalidade Empresarial Contabilidade e Gestão Pública Controlo de Gestão Gestão de Empresas Agrícolas Gestão Empresarial Sistemas de Informação de Gestão

29 Unidade Orgânica / Ciclo de Estudos 2009/ / / / / Solicitadoria ISEC Biomecânica Comércio Electrónico Engenharia Civil - Especialização em Construção Urbana Engenharia e Gestão Industrial Engenharia Eletromecânica, especialização em Instalações e Equipamentos em Edifícios (Anterior denominação: Instalações e Equipamentos em Edifícios) Engenharia Eletrotécnica (Automação e Comunicações em Sistemas de Energia) Engenharia Mecânica (Anterior denominação: Equipamentos e Sistemas Mecânicos) Informática e Sistemas Instrumentação Biomédica 0 Mobilidade Elétrica e Sistemas de Energia 0 Processos Químicos e Biológicos Sistemas e Tecnologias da Informação para a Saúde Total Geral Extinção de Ciclos de Estudo Durante o ano de e 2015 foram extintos 15 ciclos de estudos do IPC, nomeadamente: a) 4 licenciaturas da ESAC: Ecoturismo; Engenharia Alimentar, Engenharia do Ambiente e Engenharia dos Recursos Florestais; b) 3 licenciaturas da ESTESC: Análises Clínicas e Saúde Pública; Cardiopneumologia; e Radiologia; c) a ESTESC deu ainda início ao processo de extinção de 6 ciclos de estudos de mestrado em: Análises Clínicas e Saúde Pública - Especialização de Hematologia e Imunologia Clínico-Laboratorial; Audiologia; Cardiopneumologia - Especialização em Arritmologia; Fisioterapia - Especialização em Movimento Humano; Psicoacústica; Radiologia - Especialização em Ósteo-Articular, embora o processo não tenha ainda sido concluído. d) 2 mestrados da ESEC: Didática da Língua Portuguesa; Educação Matemática.

30 Avaliação de Ciclos de Estudos em Funcionamento O Politécnico de Coimbra submeteu, no ano letivo /2015, dezasseis (16) ciclos de estudos à avaliação promovida pela Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES), no âmbito do primeiro ciclo de avaliação/acreditação de ciclos de estudos em funcionamento. Quadro 13 - Cursos em Avaliação no ano letivo /2015. Unidade Orgânica Nº de ciclos de estudos em avaliação Grau Designação do Ciclo de Estudos Licenciatura Agricultura Biológica Licenciatura Engenharia Agro-Pecuária ESAC 5 ISEC 8 ESTESC 3 Mestrado Mestrado Mestrado Licenciatura Licenciatura Mestrado Mestrado Mestrado Licenciatura Licenciatura Licenciatura Licenciatura Licenciatura Licenciatura Agricultura Biológica Agro-Pecuária Recursos Florestais Animação Socioeducativa Animação Socioeducativa (Pós-laboral) Educação de Adultos e Desenvolvimento Local Educação e Lazer Educação Especial - área de especialização em Cognição e Motricidade Música Teatro e Educação Comunicação e Design Multimédia Licenciatura em Audiologia Licenciatura em Fisioterapia Licenciatura em Dietética e Nutrição Acreditação de Novos Ciclos de Estudos No presente ano letivo foram submetidos a acreditação prévia 10 novos ciclos de estudos (cf. Quadro 4), sendo 5 licenciaturas e 5 mestrados. Os 4 ciclos de estudos com decisão favorável de acreditação já comunicada poderão entrar em funcionamento no ano letivo de 2015/2016. Quadro 14 - Novos Ciclos de Estudo Submetidos à A3ES para Acreditação no ano letivo /2015. Unidade Orgânica Grau Designação do Ciclo de Estudos ESAC ESEC Decisão do Conselho Administração da A3ES Nº de anos Licenciatura Agro-Pecuária Acreditar 6 Licenciatura Biodiversidade e Conservação da Natureza Acreditar* Licenciatura Gastronomia Acreditar 6 Mestrado Educação Pré-Escolar Acreditar condicionalmente** Mestrado Educação Pré-escolar e Ensino do 1º Acreditar

31 Unidade Orgânica Grau Designação do Ciclo de Estudos Mestrado Mestrado Ciclo do Ensino Básico Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico e de Matemática e Ciências Naturais no 2º Ciclo do Ensino Básico Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico e de Português e História e Geografia de Portugal no 2º Ciclo do Ensino Básico Decisão do Conselho Administração da A3ES condicionalmente*** Acreditar condicionalmente**** Não acreditar***** Nº de anos ESTESC Mestrado Europeu Ciências Biomédicas Laboratoriais Acreditar 6 ISCAC Licenciatura Finanças e Contabilidade Acreditar condicionalmente****** ESTESC + ESTGOH Licenciatura Engenharia de Segurança do Trabalho Não acreditar******* 6 NOTAS: * Este ciclo de estudos ainda aguarda a decisão final do Conselho de Administração da A3ES, após entrega da pronúncia pela ESAC. ** Este ciclo de estudos ainda aguarda a decisão final do Conselho de Administração da A3ES, após entrega da pronúncia pela ESEC. *** Este ciclo de estudos ainda aguarda a decisão final do Conselho de Administração da A3ES, após entrega da pronúncia pela ESEC. **** Este ciclo de estudos ainda aguarda a decisão final do Conselho de Administração da A3ES, após entrega da ***** Este ciclo de estudos ainda aguarda a decisão final do Conselho de Administração da A3ES, após entrega da pronúncia pela ESEC. ****** Este ciclo de estudos ainda aguarda a decisão final do Conselho de Administração da A3ES, após entrega da pronúncia pelo ISCAC. ******* Este ciclo de estudos ainda aguarda a decisão final do Conselho de Administração da A3ES, após entrega da pronúncia pelas ESTESC+ESTGOH Investigação Instituto de Investigação Aplicada O aspeto mais relevante no domínio da investigação foi o início da atividade do IIA. O Prof. Carlos Dias Pereira foi nomeado Diretor do IIA e foi constituído o seu Conselho Científico com o objetivo de elaborar uma proposta de estatutos e de plano de atividade para esta Unidade de Investigação. Todos os projetos de investigação do IPC foram submetidos a financiamento através do IIA, passando o IIA a fazer a sua gestão. O Politécnico de Coimbra obteve um financiamento de cerca de , no âmbito do Programa Mais Centro, destinado à aquisição de equipamento para seis laboratórios de investigação que passam a integrar o IIA: SISUS, VALOREN, LabinSaúde, Robocorp, Biomecânica Aplicada e Cluster Computacional de Elevado Desempenho. Estes laboratórios estarão equipados e prontos a iniciar a sua atividade em 2015 e destinam-se à investigação científica e à prestação de serviços de inovação e desenvolvimento, envolvendo equipas de investigadores das várias escolas do IPC e irão estar instalados na ESAC (VALOREN e SISUS) na ESTESC (LabinSaúde), no ISEC (Biomecânica Aplicada e Cluster) e na ESEC (Robocorp)..

32 Produção Científica A produção científica feita pelos docentes e investigadores do Politécnico de Coimbra poderá ser avaliada através do seu posicionamento no ranking ibero americano de publicações científicas produzido pela Scimago1. Na figura 1 onde se apresentam os dados referentes às 20 instituições portuguesas melhor posicionadas nesse ranking em 2015 (dados referentes ao período ), podemos verificar que, na ordenação pelo número de publicações, o Politécnico de Coimbra se encontra na 177ª posição entre as instituições de ensino superior ibero americanas e na 15º posição quando se consideram apenas as instituições nacionais. Figura 1- Ranking Ibero Americano de Instituições de Ensino Superior Legenda: IBE Posicionamento no ranking Ibero Americano; CO Posição no respectivo ranking nacional; O- Número total de documentos publicados em revistas científicas; % IC (Colaboração internacional) Percentagem de publicações publicadas em colaboração com instituições exteriores ao país; NI (Impacto normalizado) - Os valores (em %) mostram a relação entre o impacto científico médio de uma instituição e a média mundial (o valor 0,8 significa que a instituição é citada 20% abaixo da média mundial e um valor 1,3 significa que a média de citações da instituição é 1 Os dados referentes a este ranking podem ser consultados em

33 30% mais elevada do que a média mundial; %Q1 (publicações de qualidade elevada) é o ratio de documentos publicados nas revistas mais influentes do mundo, aquelas incluídas no 1º quartil (25%); Spec (Índice de especialização) Indica o grau de concentração ou dispersão temática das publicações científicas da instituição (este índice varia entre 0 e 1, indicando instituições generalistas ou especializadas respetivamente); %Exc (Ratio de excelência) Indica a percentagem de artigos incluídos no grupo dos 10% mais citados na respectiva área; %Lead (Liderança Científica) percentagem de artigos em que o principal autor pertence à instituição: % Ewl (Excelência na Liderança) indica a percentagem de documentos incluídos no ratio de Excelência em que o principal autor pertence à instituição. A consulta à base de dados da SCOPUS mostra que as publicações dos docentes do IPC e das suas Unidades Orgânicas têm aumentado progressivamente nos últimos cinco anos: Quadro 15 - Publicações científicas referenciadas na Scopus (2009 a 2015). Ano Nº de publicações referenciadas na SCOPUS Qualificação de recursos humanos Docentes O número total de docentes ETI do IPC teve uma pequena redução em relação ao ano de 2013, passando de 541,8 (em Dezembro de 2013) para 535,2 no final de. Destes 334 eram docentes de carreira (53,18% do total de docentes) quando em finais de 2013 os docentes de carreira eram 326 (58,01% do total de doentes ETI). De 31 de dezembro de 2013 para 31 de dezembro de, o número de docentes com o grau de doutor passou de 223 (37% do total de docentes ETI de 2013) para 245 (45,8% do total de docentes ETI de ). No mesmo período de tempo o número de docentes com o Título de Especialista passou de 43 para 49. No que respeita à formação de docentes, o CINEP organizou organizou as ações que se identificam a seguir. Entre março e dezembro de foram efetuados workshops e cursos (110 horas de formação) que envolveram 100 docentes do IPC:

34 Horas de formaçã o N.º de vagas N.º Formand os indicado s Int er no s inicialme nte Ex te rn To os tal 1ª edição do workshop "Comunicação em Ciência: Escrita 1ª edição do workshop "Comunicação em Ciência: Oralidade 2ª edição do workshop "Comunicação em Ciência: Escrita Workshop Candidatura de projectos de I&D a fundos comunitários 2ª edição do workshop "Comunicação em Ciência: Oralidade English for Research and Publication Purposes Curso modular de Inglês para Investigadores (módulo 1) English for Research and Publication Purposes Curso modular de Inglês para Investigadores (módulos em regime b-learning) Workshop Workshop Slideologia: pelo direito ao prazer de ver! Publicações Publicado o nº 29 dos Cadernos de Pedagogia Publicado o livro Orientações pedagógicas para o ensino superior. Eventos Organizado o SATHE: International Symposium/ Simpósio Internacional sobre Docência no Ensino Superior (Sathe: Investigação e Qualidade no Ensino Superior ) 20 e 21 de Outubro de (ISCAC, Coimbra, Portugal) Elearning e Multimédia Criado o laboratório Multimédia do CINEP/IPC Desenvolvidos conteúdos para formação em inglês académico Criada a Galeria virtual para alojamento de exposições e trabalhos pedagógicos e científicos de docentes do IPC Trabalhadores não docentes Foram realizadas as seguintes ações de formação Quadro 16 Ações de Formação realizadas pelo INOVIPC Designação da Acção de Formação Datas de realização Data início Data fim N.º formandos que frequentaram

35 Designação da ação de formação Ajudas de custo, deslocações e boletins de itinerário - 1ª edição Ajudas de custo, deslocações e boletins de itinerário - 2ª edição Código do procedimento administrativo Contratação Pública 21 Facebook Marketing: como aumentar a visibilidade da Administração Pública nas Redes Sociais Segurança e Saúde em Bibliotecas Gestão de conflitos - técnicas concretas Inglês - Nível Avançado Gestão da segurança e ambiente em laboratórios Microsoft Excel - Nível Intermédio Espanhol - Nível Iniciação Utilização de software comum: Gestão documental Gestão de reclamações Introdução ao HACCP Microsoft Word - Nível Intermédio Introdução à higiene e segurança alimentar Técnicas de comunicação em Público Segurança e Saúde no Trabalho Organização do trabalho, gestão do tempo e maximização da produtividade Gestão documental: Organização e técnicas de arquivo Gestão do tempo e do stress 18 Técnicas avançadas de secretariado e de assessoria: a comunicação e a imagem da organização Microsoft Word - Nível Avançado Utilização de software comum: MyGIAF 1ª edição

36 Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas, na vertente Férias, Faltas e Licenças Atendimento ao Público: a importância da relação e da atenção ao cliente na Administração Pública Microsoft Excel - Nível Avançado Processamento de remunerações, trabalho extraordinário e outros abonos Responsabilidade social e ações para a reputação Introdução à higiene e segurança alimentar- 2ª edição Descrição normalizada de partes componentes e documentos on-line - ISBD e UNIMARC Utilização de software comum: MyGIAF 2ª edição Optimizar a utilização do Outlook Representação da informação por assunto: indexação e classificação Concursos Trabalhadores docentes Em não foram abertos concursos para docentes Trabalhadores não docentes Para trabalhadores não docentes foram abertos dois concursos na ESEC - um para Especialista de Informática e outro para Assistente Técnico na área de Tesouraria, e dois concursos na ESAC um para Técnico Superior na área de Serviços de Estudos, Planeamento e Relações Externas e outro para Assistente Técnico na área de Serviços Académicos Regime transitório ECPDESP Em Transitaram 14 docentes abrangidos pelo período transitório: 4 na ESEC, 1 na ESTGOH, 4 no ISCAC e 5 no ISEC Participação no Poliempreende Registou-se a participação de 89 estudantes no concurso regional do Poliempreende, tendo sido apresentadas na 1ª fase 28 ideias de negócios e na 2ª fase 11 Planos de negócios.

37 Os vencedores do concurso Regional foram os seguintes: 1º Prémio - CapsAroma 2º Prémio - SmartAgroNetworking 3º Prémio - FoodPreserv Menção Honrosa - Estetóscopio Electrónico Inteligente A CapsAroma está em fase de constituição da empresa. Na edição de o IPC não teve nenhuma equipa premiada no Concurso Nacional 2.7. Relações Internacionais Quadro 17 Mobilidade de Estágios - SMP UO Bolsas Contratualizadas Taxa Execução n Valor n Valor Bolsas Valor ESAC , ,00 40,0% 31,1% ESEC , ,00 133,3% 100,7% ESTGOH ,00 0 0,00 0,0% 0,0% ESTeSC , ,00 107,7% 81,1% ISCAC , ,00 37,5% 46,8% ISEC , ,00 50,0% 73,0% Total , ,00 81,3% 64,6% Quadro 18 Mobilidade de Estudos - SMS UO Atribuídas Contratualizadas Taxa Execução Bolsas Valor Bolsas Valor Bolsas Valor ESAC , ,00 200,0% 147,2% ESEC , ,00 100,0% 78,2% ESTGOH , ,00 50,0% 60,7% ESTeSC , ,00 112,5% 90,0% ISCAC , ,00 107,4% 87,3% ISEC , ,00 68,3% 72,0% Total , ,00 103,9% 87,3% Quadro 19 Mobilidade de Docentes - STA UO Atribuídas Contratualizadas Taxa Execução Bolsas Valor Bolsas Valor Bolsas Valor ESAC , ,00 153,8% 100,0% ESEC , ,98 122,2% 61,8% ESTGOH 1 715,00 0 0,00 0,0% 0,0% ESTeSC , ,00 180,0% 85,6% ISCAC , ,52 133,3% 86,5% ISEC , ,76 150,0% 98,1%

38 UO Atribuídas Contratualizadas Taxa Execução Bolsas Valor Bolsas Valor Bolsas Valor Total , ,26 139,6% 81,9% Quadro 20 Mobilidade de Estágios - SMP UO Atribuídas Contratualizadas Taxa Execução Bolsas Valor Bolsas Valor Bolsas Valor ESAC , ,98 150,0% 100,0% ESEC , ,35 280,0% 135,4% ESTGOH 1 715, ,00 100,0% 100,0% ESTeSC 1 715, ,00 200,0% 172,0% ISCAC 1 715, ,48 200,0% 181,0% ISEC 1 715, ,00 100,0% 100,0% SP Total , ,81 209,1% 130,0% Quadro 21 Acordos ERASMUS + UO Área Instituição parceira Código Adana Science and Technology ISEC Building and Civil engineering University TR Adana02 ISEC Building and Civil engineering Çukurova University TR Adana01 ISCAC 41- Business Studies Afyon Kocatepe University TR AFYON01 ESEC 11- Education Agn Ibrahim Çeçen Üniversitesi TR Agri01 ISCAC 041- Business Agn Ibrahim Çeçen Üniversitesi TR Agri01 ISEC Mechanics and metal trades Gazi University TR Ankara02 ISEC Building and Civil engineering Gazi University TR Ankara02 ISEC Engineering and engineering trades Turgut Özal Üniversitesi TR Ankara14 ISEC Building and Civil engineering Turgut Özal Üniversitesi TR Ankara14 ISEC 048- Computer engineering Turgut Özal Üniversitesi TR Ankara14 ISCAC 34- Business Studies Turgut Özal Üniversitesi TR Ankara14 ESTeSC 726- Physioteraphy and Rehabilitation Turgut Özal Üniversitesi TR Ankara14 ESTeSC 720- Audiology Turgut Özal Üniversitesi TR Ankara14 ESEC 21- Arts Hacettepe University TR Ankara03 ISCAC 34- Business Studies Hacettepe University TR Ankara03 ESEC 144- Teacher training Hacettepe University TR Ankara03 ISEC 071- Computer engineering Hacettepe University TR Ankara03 ISCAC 41- Business Studies Basken University TR Ankara06 ISEC 071- Engineering and engineering trades Basken University TR Ankara06 ESAC 541- Food Science and technology Hacettepe University TR Ankara03 ESTeSC Home Economics, Nutrition Hacettepe University TR Ankara03 University of Turkish Aeronautical ISEC 06 Information and Technologies (ICTs) Associaton TR Ankara16 University of Turkish Aeronautical ISEC Mechanics and metal trades Associaton TR Ankara16 University of Turkish Aeronautical ISEC Eletrical and eletronical engineering Associaton TR Ankara16 ESEC 213- Media Studies Ipek University TR Ankara17 ESEC Travel, tourism and leisure Akdeniz University TR Antalya01

39 UO Área Instituição parceira Código ISEC Engineering and engineering trades Ondokuz Mayis University TR Samsun01 ISCAC Business Management Adnan Menderes Universitesi TR AYDIN01 ISCAC Finance Adnan Menderes Universitesi TR AYDIN01 ISCAC Marketing Adnan Menderes Universitesi TR AYDIN01 ESEC 211- Audiovisual techniques Adnan Menderes Universitesi TR AYDIN01 ESEC Educational science Adnan Menderes Universitesi TR AYDIN01 ESEC Tourism Adnan Menderes Universitesi TR AYDIN01 ESTeSC Dietetics and Nutrition Adnan Menderes Universitesi TR AYDIN01 ISEC Building and Civil engineering Adnan Menderes Universitesi TR AYDIN01 ISEC 071- Eletrical and eletronical engineering Adnan Menderes Universitesi TR AYDIN01 ISEC Mechanics and metal trades Adnan Menderes Universitesi TR AYDIN01 ESAC Food engineering Adnan Menderes Universitesi TR AYDIN01 ESEC 111- Education Balikesir University TR Balikes01 ESEC Sports Balikesir University TR Balikes01 ESEC Tourism Balikesir University TR Balikes01 ISCAC 04- Business Studies Bingol University TR Bingol01 ESAC Agriculture Bingol University TR Bingol01 ISEC Building and Civil engineering Bingol University TR Bingol01 ISEC Mechanics and metal trades Bingol University TR Bingol01 ISEC 071- Eletrical and eletronical engineering Bingol University TR Bingol01 ISEC Mathematics Bingol University TR Bingol01 ISEC Eletricity and Energy Abant Izzet Baysal University TR Bolu01 ISEC Mechanics and metal trades Abant Izzet Baysal University TR Bolu01 ISEC Building and Civil engineering Mehmet Akif Ersoy University TR BURDUR01 ISEC 0712-Environmental protection technology Uludag University TR Bursa01 ISEC Mechanics and metal trades Uludag University TR Bursa01 ISEC 071- Engineering and engineering trades Bursa Teknik Universitesi TR Bursa02 ESEC 11- Education Pammukale University Tr Denizli01 ISEC Building and Civil engineering Pammukale University TR Denizli01 ISEC Eletrical and eletronical engineering Pammukale University TR Denizli01 ISEC 523- Mechatronics Pamukkale University TR Denizli01 ISEC 54- Industrial Engineering Pamukkale University TR Denizli01 ISEC 481- Computer Engineering Pamukkale University TR Denizli01 ESAC 541- Food Engineering Pamukkale University TR Denizli01 ESEC 821- Tourism Pamukkale University TR Denizli01 ISCAC 34- Business Management Pamukkale University TR Denizli01 ISEC Mechanics and metal trades Duzce University TR Duzce01 ISEC Building and Civil engineering Duzce University TR Duzce01 ISEC Electrical Engineering Duzce University TR Duzce01 ESAC 081- Agriculture Dicle University TR Diyarba Engineering, manufacturing and ESAC construction Dicle University TR Diyarba01 ESAC 041- Business Dicle University TR Diyarba01 ESAC 071- Engineering and engineering trades Dicle University TR Diyarba01 ESAC 11- Education Dicle University TR Diyarba01 ISEC Building and Civil engineering Anadolu University TR ESKISEH01 ISEC 071- Eletrical and eletronical engineering Anadolu University TR ESKISEH01 ISEC 071- Industrial engineering Anadolu University TR ESKISEH01 ISEC 071- Computer engineering Anadolu University TR ESKISEH01 ISEC 0711 Chemical engineering and processes Anadolu University TR ESKISEH01

40 UO Área Instituição parceira Código ISEC Building and Civil engineering Hasan Kalyoncu University TR Gaziant03 ISCAC 34- Business Studies Hasan Kalyoncu University TR Gaziant03 ESAC 541-Food Processing Suleyman Demirel University TR Isparta01 ESAC Environmental engineering Istanbul Teknik Üniversitesi TR ISTANBU04 ISEC 071- Industrial engineering Istanbul Teknik Üniversitesi TR ISTANBU04 ISEC Mechanics and metal trades Istanbul Teknik Üniversitesi TR ISTANBU04 ISEC Eletrical and eletronical engineering Istanbul Teknik Üniversitesi TR ISTANBU04 ISEC 0524 Chemical engineering and processes Yildiz Teknik Üniversitesi TR Istanbu07 ISEC Mechanics and metal trades Dogus Üniversitesi TR Istanbu12 ESAC 421-Biotechnology Yildiz Teknik Üniversitesi TR Istanbu07 ESAC 52- Biological engineering Yildiz Teknik Üniversitesi TR Istanbu07 ISEC 071- Biological engineering Yildiz Teknik Üniversitesi TR Istanbu07 ISEC 048- Computer engineering Yildiz Teknik Üniversitesi TR Istanbu07 ISEC 071- Engineering and engineering trades Yildiz Teknik Üniversitesi TR Istanbu07 ISCAC 340- Business Studies Beykent University TR Istanbu09 ISEC Computer engineering Beykent University TR Istanbu09 ISEC Mechanics and metal trades Beykent University TR Istanbu09 ISEC Eletrical and eletronical engineering Beykent University TR Istanbu09 ISEC 052- Engineering and engineering trades Beykent University TR Istanbu09 ISEC Building and Civil engineering Beykent University TR Istanbu09 ISCAC Business Studies Dogus Üniversitesi TR Istanbu09 ISEC 071- Eletrical and eletronical engineering Yildiz Teknik Üniversitesi TR Istanbu07 ISEC 071- Eletrical and eletronical engineering Yildiz Teknik Üniversitesi TR Istanbu07 ISEC 054- Manufacturing and processing Yildiz Teknik Üniversitesi TR Istanbu07 ESTeSC Physiotherapy Istanbul Bilim University TR Istanbu26 ESTeSC 091- Nutrition and Dietetics Istanbul Bilim University TR Istanbu26 ESEC 14- Education Sabanci University TR Istanbu20 ESTeSC 726- Dietics and Nutrition Istanbul Medipol University TR Istanbu36 ESTeSC 727- Pharmacy Istanbul Medipol University TR Istanbu36 ESTeSC 726- Physiotherapy Istanbul Medipol University TR Istanbu36 ISCAC 340- Administration and Finance Istanbul Gelisim University TR Istanbu32 ISCAC 345- Administration and Marketing Istanbul Gelisim University TR Istanbu32 ISCAC 344- Accounting and Public Management Istanbul Gelisim University TR Istanbu32 ISCAC 34- Business Management Istanbul Gelisim University TR Istanbu32 ESEC 214- Art and Design Istanbul Gelisim University TR Istanbu32 ESEC 213- Media Studies Istanbul Gelisim University TR Istanbu32 ESEC 214- Communication and Multimedia Design Istanbul Gelisim University TR Istanbu32 ESTeSC 720- Dietetics and Nutrition Istanbul Gelisim University TR Istanbu32 ESTeSC 720- Biomedical Science Istanbul Gelisim University TR Istanbu32 ESTeSC 720-Physiotherapy Istanbul Gelisim University TR Istanbu32 ESTeSC 725-Radiology Istanbul Gelisim University TR Istanbu32 ISEC Building and Civil engineering Istanbul Gelisim University TR Istanbu32 ISEC 052- Industrial engineering Istanbul Gelisim University TR Istanbu32 ISEC 052- Information and Technologies (ICTs) Istanbul Gelisim University TR Istanbu32 ISEC 052- Eletrical and eletronical engineering Istanbul Gelisim University TR Istanbu32 ESEC 813- Sport Science Istanbul Gelisim University TR Istanbu32 ISCAC 041- Business Istanbul Kemerburgaz University TR Istanbu38 ISEC 732- Civil Engineering Istanbul Kemerburgaz University TR Istanbu38 ISCAC 041- Business Administration Istanbul University TR ISTANBU03 ISEC 031- Economics Dogus Üniversitesi TR Istanbu12 ISEC Engineering and engineering trades Gediz University TR IZMIR07 ISEC Building and Civil engineering Gediz University TR IZMIR07

41 UO Área Instituição parceira Código ISCAC 34- Business Studies Gediz University TR IZMIR07 ESEC Teacher Training Dokuz Eylul University TR Izmir01 ESAC 08- Agriculture, forestry and fishery Ege University TR Izmir 02 ISEC 071- Computer engineering Erciyes University TR Kayseri01 ISEC Eletrical and eletronical engineering Erciyes University TR Kayseri01 ISEC Building and Civil engineering Erciyes University TR Kayseri01 ESAC 072- Food engineering Erciyes University TR Kayseri01 ISEC Energy Systems Engineering Erciyes University TR Kayseri01 ISEC 072- Industrial Engineering Erciyes University TR Kayseri01 ESEC 14- Teacher training Kilis 7 Aralik University TR KILIS01 ISEC Building and Civil engineering Kilis 7 Aralik University TR KILIS01 ISCAC 34 Business studies Kilis 7 Aralik University TR KILIS01 ESAC 541- Food Technology Kilis 7 Aralik University TR KILIS01 ESAC 62- Agriculture Kilis 7 Aralik University TR KILIS01 ESEC 813- Sport Kilis 7 Aralik University TR KILIS01 ISEC Computer engineering Kilis 7 Aralik University TR KILIS01 ISEC 06- Computer engineering Kirikkale University TR Kirikka01 ISEC 071- Engineering and engineering trades Kirikkale University TR Kirikka01 ISEC 073- Architecture and construction Kirikkale University TR Kirikka01 ISCAC 340- Business Studies Kocaeli Universitesi TR KOCAELI02 ISEC Eletrical and eletronical engineering Kocaeli University TR Kocaeli02 ISEC Engineering and engineering trades KTO Karatay University TR KONYA02 ISEC Building and Civil engineering KTO Karatay University TR KONYA02 ISCAC 34- Business Studies KTO Karatay University TR KONYA02 ESTeSC 99-Dietetics and Nutrition Mevlana (Rumi) University TR Konya03 ESTeSC 726- Physioteraphy and Rehabilitation Mevlana (Rumi) University TR Konya03 ISCAC 34- Business Studies Mevlana (Rumi) University TR Konya03 ISEC 052- Eletromechanical engineering Mevlana (Rumi) University TR Konya03 ISEC 052- Eletrical and eletronical engineering Mevlana (Rumi) University TR Konya03 ISEC 052- Mechanics and metal trades Mevlana (Rumi) University TR Konya03 ESEC 813- Sport Science Celal Bayar University TR Manisa01 ESEC Fine Arts Dumlumpinar University TR Kutahya01 ESAC 721- Food Engineering Mersin Universitesi TR Mersin01 ISEC Mechanics and metal trades Osmaniye Korkut Ata University TR Osmaniy01 TR ISCAC 34- Business Studies Sakarya University SAKARYA01 ISEC 523- Eletricity and energy Siirt University TR Siirt01 ISEC 48- Computer Engineering Siirt University TR Siirt01 ISCAC 340- Business Siirt University TR Siirt01 ISCAC Public Administration Siirt University TR Siirt01 ISCAC 521- Mechanical Engineering Siirt University TR Siirt01 ISCAC 34- Business Studies Sirnak University TR SIRNAK01 ISEC Building and Civil engineering Sirnak University TR SIRNAK01 ISEC Engineering and engineering trades Sirnak University TR SIRNAK01 ISEC Mechanics and metal trades Namik Kemal University TR Tekirda01 ISEC Building and Civil engineering Namik Kemal University TR Tekirda01 TR ISEC 071- Engineering and engineering trades Karadeniz Technical University TRABZON01 ISCAC 340- Business Usak University TR Usak01 ISEC 071- Engineering and engineering trades Usak University TR Usak01 5.1/5.14- Teacher training e education ESEC science University of Yüzüncü TR Van01 ESEC 5.1/5.14- Teacher training e education University of Yüzüncü TR Van01

42 UO Área Instituição parceira Código science Quadro 22 Mobilidade Incoming Mobilidade de Estudos SMS Mobilidade de Estágios Mobilidade de docentes Mobilidade de Staff 193 estudantes 1 estagiário 37 docentes 18 trabalhadores 2.8. Serviços de Ação Social Bolsas de Estudo Em foram submetidos 3049 requerimentos para atribuição de bolsa por parte de estudantes do IP Coimbra, divididos em 68 requerimentos relativos ao ano letivo de e 2981 requerimentos para o ano letivo de -2015, tendo resultado: Deferimentos 2165 Indeferimentos 871 Outro estado 13 Em termos de processos analisados (independentemente do ano a que respeitaram) a situação é a seguinte: Quadro 23 Processos de candidatura a Bolsa de Estudo Ref. ao ano letivo Ref. ao ano letivo Total despachos Despacho Deferido Indeferido Outro estado TOTAL Residências O Politécnico de Coimbra dispõe de três residências estudantis que registaram a seguinte ocupação diária: Quadro 24 Dias de ocupação nas Residências de Estudantes Nº diárias Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez R1/ R R

43 Refeições O IPC dispõe atualmente de cinco cantinas ESEC, ESAC, ESTeSC, ESTGOH e ISEC das quais 4 estão a funcionar em regime de concessão de serviços. Em foi encerrada a cantina A da ESAC que apenas funcionou nos primeiros 3 meses do ano. O encerramento desta cantina foi decidido pelo fato de se ter considerado que não se justificava o funcionamento de duas cantinas na mesma escola. O espaço ocupado pela cantina foi cedido para a instalação de dois laboratórios do IIA SISUS e VALOREN. Em foi também decidido que se iria avançar para a transformação do espaço ocupado pela atual biblioteca da ESAC para aí instalar uma cantina que servisse simultaneamente a ESAC e o ISCAC. A entrada em funcionamento desta cantina implicará o encerramento da atual cantina A da ESAC. Considerando o modelo de concessão, que prevê que a receita das cantinas reverte para o concessionário, não dispomos de dados estatísticos sobre o número de refeições servidas nas quatro cantinas concessionadas. Regista-se, no entanto, que há uma forte manifestação de descontentamento por parte dos estudantes em relação à qualidade do serviço prestado pelo concessionário, pelo que iremos adotar outro modelo de gestão para estas cantinas no próximo ano letivo. Em os SAS do IPC apenas fazem a gestão direta da cantina da ESTESC e da cantina A da ESAC nos primeiros 4 meses do ano tendo servido na Cantina A da ESAC refeições (até Maio) e na Cantina da ESTeSC refeições INOPOL Academia de Empreendedorismo Formação O INOPOL organizou dois cursos de formação no Domínio do Empreendedorismo Social CNAS: Construir Negócios em Áreas Sociais; e GEDES: Gestão e Desenvolvimento de Empresas Sociais que irão iniciar-se do ano lectivo 2015/16 e o 2º no 2º semestre. Foram realizadas várias ações de formação, palestras e workshops no âmbito do programa da 12ª edição do Poliempreende, nomeadamente:

44 Foram realizadas 3 acções de formação promovidas pela Confederação Nacional de Agricultura, envolvendo Professores do IPC, nomeadamente da ESAC Transferência de Tecnologia Neste momento, o INOPOL foi já reconhecido como uma antena do INPI Instituto Nacional de Propriedade Industrial, o que vale por dizer que quem o desejar já se pode dirigir ao INOPOL para registar as suas ideias. Até ao momento, foram já registadas 7 patentes, algumas das quais em parceria com a Escola Superior de Enfermagem de Coimbra e com a Universidade de Coimbra Incubação O INOPOL dispõe atualmente de 14 espaços de incubação dos quais 11 encontram-se já ocupados. Por outro lado, 2 dos 3 espaços restantes estão já igualmente comprometidos. Quadro 25 Ocupação do espaço de incubação do INOPOL ESPAÇO Nº ÁREA OCUPANTE Empresa Projecto m2 Tek 4it m2 Optisigma m2 Caps AllinOne m2 MigFrade m2 ANAS m2 Green World / ISEC Engª ,35 m2 GRAU ,35 m2 ISCAC Junior Solutions ,85 m ,58 m ,92 m ,00 m2 ISCAC (Observatórios) Torreão 1 12 m2 Actuar Torreão2 12 m2 Actuar 3. Relatório de Contas das Escolas e SP 3.1. Receitas de funcionamento Receitas totais

45 Em, as receitas cobradas líquidas de funcionamento no programa CIÊNCIA E ENSINO SUPERIOR totalizaram ,73, com um grau de execução de 94.06%. Relativamente ao ano anterior verificou-se um aumento de 3.8% no total da receita cobrada líquida. A distribuição por unidade orgânica da receita cobrada líquida total, incluindo saldos transitados, encontra-se descrita no gráfico seguinte: Gráfico 6 Distribuição da receita cobrada total por unidade orgânica do IPC - Por unidade orgânica, o grau de execução da receita total e a variação relativamente ao ano anterior distribuíram-se da seguinte forma:

46 U.O Grau de Execução da % Receita ESAC 96,77% 13,5% ESEC 94,91% -0,6% ESTGOH 93,42% -16,9% ESTSC 87,06% -0,7% IIA 61,89% - ISCAC 99,36% -19,6% ISEC 96,70% 0,0% SP 90,31% 62,5% IPC 94,06% 3,8% Quadro 26 Grau de execução variação % da receita cobrada líquida total por unidade orgânica - Com exclusão do saldo transitado, em cobraram-se ,21, + 5.1% do que no ano anterior. Esta receita atingiu 93.3% do total previsto com exclusão de saldos. A distribuição por unidade orgânica foi realizada da seguinte forma: Gráfico 7 - Distribuição da receita total cobrada, com exclusão de saldos transitados, por unidade orgânica do IPC -

47 Receitas por medida Do total cobrado, incluindo saldos transitados, 4.93% tiveram origem na Medida 016 Investigação, 95.06% tiveram origem na medida 018 Educação - Estabelecimentos de ensino superior e 0.01% tiveram origem na medida Educação - Serviços auxiliares de ensino. Quadro 27 Receita cobrada, com exclusão de saldos transitados, por medida e por unidade orgânica UO Medida Receita Cobrada Líquida % Receita Cobrada no total na UO Grau de Execução Receita Cobrada Líquida % Receita Cobrada Líquida ESAC ,89 100,00% 96,70% ,11 14,72% ESAC ,68 14,94% 81,11% ,78 204,57% ESAC ,21 85,01% 100,08% ,33 3,40% ESAC ,00 0,05% 100,00% 150,00 4,41% ESEC ,72 100,00% 94,45% ,29-3,86% ESEC ,60 1,87% 27,38% ,60 - ESEC ,12 98,11% 99,08% ,89-5,67% ESEC ,00 0,01% 100,00% 900,00 - ESTGOH ,26 100,00% 91,06% ,86-17,90% ESTGOH 016-0,00% 0,00% - - ESTGOH ,26 99,94% 91,05% ,86-17,95% ESTGOH ,00 0,06% 100,00% 800,00 - ESTSC ,15 100,00% 82,09% ,30 1,53% ESTSC ,55 3,56% 24,44% ,55 - ESTSC ,60 96,42% 89,91% ,25-2,08% ESTSC ,00 0,02% 100,00% 50,00 5,26% IIA ,60 100,00% 61,89% ,60 - IIA ,60 16,07% 20,70% ,60 - IIA ,00 83,93% 100,00% ,00 - IIA 019-0,00% 0,00% - - ISCAC ,37 100,00% 99,08% ,56-1,31% ISCAC 016-0,00% 0,00% - - ISCAC ,37 100,00% 99,08% ,56-1,31% ISCAC 019-0,00% 0,00% - - ISEC ,48 100,00% 96,67% ,26 3,87% ISEC ,83 2,93% 50,16% ,21 796,37% ISEC ,65 97,07% 99,46% ,05 1,17% ISEC 019-0,00% 0,00% - - SP ,74 100,00% 86,69% ,44 34,25% SP 016-0,00% 0,00% - - SP ,74 100,00% 94,07% ,44 34,25% SP 019-0,00% 0,00% - - IPC ,21 100,00% 93,30% ,00 5,37% IPC ,26 4,10% 46,87% ,74 346,53% IPC ,95 95,89% 97,43% ,26 2,04% IPC ,00 0,02% 100,00% 1.900,00 43,68% A receita cobrada do ano (sem saldos transitados) por medida e por unidade orgânica encontra-se descrita no quadro seguinte. Como se pode constatar, a receita com origem na medida 018 Educação - Estabelecimentos de ensino é a que representa maior peso em todas

48 as unidades orgânicas do IPC. Contudo, em verificou-se um significativo crescimento da receita com origem na medida 016 Investigação sobretudo em resultado da execução do programa MAISCENTRO visando equipar diversos laboratórios do Politécnico de Coimbra Receitas por fonte de financiamento Do total cobrado com exclusão de saldos, a fonte de financiamento RG não afectas a projectos cofinanciados, com 65.34%, foi a que apresentou maior peso relativo. A fonte de financiamento Receita Própria do ano, com 27.81%, foi a segunda mais importante fonte de financiamento. Por sua vez, a receita com origem no Feder - PO Regional Centro, com 3.06%, foi a terceira mais importante no conjunto das fontes de financiamento. As fontes de financiamento 480 Outros (1.20%) e Fundo Social Europeu - PO Potencial Humano (1.15%) foram, respectivamente, a quarta e quinta fonte de financiamento com maior peso relativo. As restantes fontes de financiamento apresentam um peso residual que, no conjunto, atinge 1.44%. Gráfico 8 Distribuição percentual da receita total do IPC com exclusão dos saldos transitados por fonte de financiamento

49 Gráfico 9 Variação da receita cobrada, com exclusão de saldos, por fonte de financiamento Relativamente ao ano anterior há a destacar: O aumento de (+4.27%) nas receitas próprias do ano; O aumento de ,48 nas receitas com origem no Feder - PO Regional Centro; O aumento de ,83 (+92.17%) nas receitas com origem Fundo Social Europeu - PO Potencial Humano, ligado sobretudo ao financiamento dos CETS. O aumento de ,00 (+0.64%) na receita com origem nas receitas gerais não afetas a projetos cofinanciados (plafond de OE). Este aumento foi contudo insuficiente para cobrir o aumento das despesas com pessoal associado à reposição dos cortes ocorrida neste ano. Na distribuição do plafond de OE por unidade orgânica constatou-se que o ISEC, com 30.47%, foi a unidade orgânica que recebeu a maior percentagem de receitas. Seguiu-se a ESAC, que recebeu 16.01% do OE; a ESEC, com 15.76%; os SP, com 12.76%; o ISCAC, com 11.06%; a ESTESC, com 10.06; a ESTGOH, com 3.45% e o IIA, com 0.42%.

50 Gráfico 10 Distribuição do plafond de OE por unidade orgânica do IPC Relativamente ao ano anterior verificou-se a seguinte variação percentual de receitas com origem no plafond de OE: Gráfico 11 Variação percentual do plafond de OE por unidade orgânica -

51 Por unidade orgânica verificou-se a seguinte distribuição do plafond de OE por aluno: Gráfico 12 Plafond por aluno nas unidades orgânicas do IPC A distribuição da receita cobrada por unidade orgânica verificou-se como se descreve no gráfico seguinte: Gráfico 13 - Distribuição da receita própria do ano por unidade orgânica do IPC

52 A percentagem de receita própria do ano cobrada relativamente ao previsto distribuiu-se da seguinte forma: Gráfico 14 Grau de execução da receita própria do ano por unidade orgânica e no IPC- Relativamente ao ano anterior verificou-se a seguinte variação percentual da receita própria do ano por unidade orgânica: Gráfico 15 Variação percentual da receita própria do ano cobrada por unidade orgânica e no IPC-

53 Por unidade orgânica verificou-se a seguinte distribuição da receita própria do ano cobrada por aluno: Gráfico 16 Receita própria do ano cobrada por aluno - No que respeita às receitas com origem em financiamentos comunitários verificou-se a seguinte distribuição por unidade orgânica:

54 Gráfico 17 Distribuição da receita cobrada com origem em financiamento comunitário, por unidade orgânica do IPC - O grau de execução das receitas cobradas com origem em financiamentos comunitários distribuiu-se da seguinte forma: Gráfico 18 Grau de execução com origem em financiamentos comunitários

55 Relativamente às três principais fontes de financiamento com origem em financiamentos comunitários verificou-se a seguinte distribuição por unidade orgânica: Gráfico 19 Distribuição da receita cobrada com origem no Feder - PO Regional Centro - Gráfico 20 - Distribuição da receita cobrada com origem na fonte de financiamento 480 Outros

56 Gráfico 21 - Distribuição da receita cobrada com origem no Fundo Social Europeu - PO Potencial Humano Receitas por categoria Passando à análise da receita cobrada por categoria, como se constata no gráfico seguinte, as transferências correntes da Administração Central são o grupo de receita que assume maior peso no total de receita cobrada pelo IPC nesta medida (67.91%). Aqui, as transferências de OE são um fator determinante para a importância assumida pelo grupo no financiamento da instituição. O segundo grupo mais importante no conjunto da receita cobrada nesta medida é o das taxas, com um peso relativo de 24.54% no total da receita do programa. As transferências de capital representaram em 3.73% do total cobrado A venda de bens e a prestação de serviços assumem um peso muito reduzido no conjunto de receita cobrada (2.32%), podendo ser um tipo de financiamento a desenvolver em exercícios futuros. As restantes categorias de receita assumem um peso residual de 1.5% do total cobrado no período.

57 Gráfico 22 Estrutura das receitas no IPC por categoria - Relativamente ao período anterior verificou-se a evolução descrita no quadro seguinte, por categoria de receita: Gráfico 23 Variação da receita cobrada líquida, por categoria -

58 3.2. Despesas de funcionamento Despesas totais Durante o exercício de a despesa paga de funcionamento do IPC atingiu os ,87. O grau de execução da despesa atingiu os 82.10%. Relativamente ao ano anterior verificou-se um aumento de 3.2% na despesa paga. Este aumento deveu-se sobretudo ao aumento nas despesas com pessoal resultante da eliminação parcial dos cortes remuneratórios e aos investimentos associados aos projetos do PO Regional Centro. Por unidade orgânica, a despesa paga total distribuiu-se da seguinte forma: Gráfico 24 Distribuição da despesa paga total por unidade orgânica - Relativamente ao ano anterior verificaram-se as seguintes variações no total da despesa paga por unidade orgânica:

59 Gráfico 25 Variação % da despesa paga total, 2013 O grau de execução da despesa distribuiu-se da seguinte forma: Gráfico 26 Grau de execução da despesa paga total por unidade orgânica e no IPC -

60 Despesas por medida Como se constata no quadro seguinte, a medida 018 Educação - Estabelecimentos de ensino superior é a mais representativa em termos de despesa paga do IPC (94.71%). Segue-se a medida 016 Investigação (5.28%) e a medida Educação - Serviços auxiliares de ensino (0.01%). Relativamente ao ano anterior estas medidas apresentaram variações de, respectivamente, - 1.3%; % e %. O grau de execução da despesa nestas medidas foi de, respectivamente, 84.69%; 53.09% e 65.11%. A variação ocorrida na medida 016 Investigação deveu-se sobretudo ao financiamento obtido através do programa Feder - PO Regional Centro. Quadro 28 Despesas pagas, por medida e por unidade orgânica do IPC UO Medida Despesa Paga % Despesa paga Grau de Total na UO Execução Despesa Paga % ESAC ,53 100,00% 93,08% ,49 11,1% ESAC ,38 16,03% 75,89% ,44 198,5% ESAC ,23 83,93% 97,29% ,87-0,8% ESAC ,92 0,05% 92,14% 2.152,92 192,6% ESEC ,67 100,00% 86,54% ,25-4,7% ESEC ,06 6,18% 57,37% ,06 - ESEC ,61 93,82% 89,55% ,31-10,6% ESEC 019-0,00% 0,00% - - ESTGOH ,47 100,00% 82,22% ,00-1,7% ESTGOH 016 0,00% 0,00% - - ESTGOH ,29 99,95% 82,21% ,18-1,8% ESTGOH ,18 0,05% 99,77% 798,18 - ESTSC ,15 100,00% 59,68% ,71 6,3% ESTSC ,95 4,78% 28,39% ,95 - ESTSC ,20 95,22% 63,19% ,88 1,2% ESTSC 019-0,00% 0,00% - 609,12-100,0% IIA ,86 100,00% 31,85% ,86 - IIA ,26 54,07% 35,84% ,26 - IIA ,60 45,93% 28,17% ,60 - IIA 019 0,00% 0,00% - - ISCAC ,81 100,00% 99,08% ,16 2,4% ISCAC 016 0,00% 0,00% - - ISCAC ,81 100,00% 99,08% ,16 2,4% ISCAC 019 0,00% 0,00% - - ISEC ,83 100,00% 95,29% ,12-0,6% ISEC ,02 3,29% 49,66% , ,1% ISEC ,81 96,71% 98,36% ,14-3,8% ISEC 019 0,00% 0,00% - - SP ,55 100,00% 54,69% ,99 16,0% SP 016-0,00% 0,00% - - SP ,55 100,00% 56,60% ,99 16,0% sp 019 0,00% 0,00% - - IPC ,87 100,00% 82,10% ,84 3,2% IPC ,67 5,28% 53,09% ,73 483,4% IPC ,10 94,71% 84,69% ,87-1,3% IPC ,10 0,01% 65,11% 2.341,98 135,6%

61 Despesas por fonte de financiamento No que respeita à despesa paga por fonte de financiamento, a fonte com maior peso foi a 311 -RG não afectas a projectos cofinanciados (63.51% do total). A Receita Própria do ano representou 26.3% do total; a Feder - PO Regional Centro representou 3.59% do total; a 520 Saldos de RP transitados representou 3.25% do total e a fonte 442 FSE PO Potencial Humano representou 1.33% do total de despesa paga. As restantes fontes de financiamento tiveram um peso residual em termos de despesa paga. Gráfico 27 Peso relativo da despesa paga no IPC por fonte de financiamento - Relativamente ao ano anterior há a destacar as variações significativas da despesa paga através da fonte de financiamento 415 Feder PO Regional Centro ( ,95 ), ligada à execução de diversos projectos no âmbito do MAISCENTRO; da fonte de financiamento FSE - PO Potencial Humano ( ,75 ), ligada à execução de projectos dos CETS e 412 PO Factores de Competitividade ( ,13 ), ligada sobretudo à execução do projecto SAMA. A dimensão da variação de execução de despesa demonstra a importância fulcral destas fontes de financiamento na estratégia de crescimento do IPC.

62 Gráfico 28 Variação da despesa paga no IPC por fonte de financiamento, 2013 Como se pode constatar nos gráficos seguintes, o aumento ocorrido na execução da despesa através destas fontes de financiamento não ocorreu contudo de forma igual em todas as un Gráfico 29 Repartição percentual por unidade orgânica do aumento da execução da despesa através da fonte de financiamento Feder PO Regional Centro,

63 Gráfico 30 - Repartição percentual por unidade orgânica do aumento da execução da despesa através da fonte de financiamento FSE - PO Potencial Humano, Gráfico 31 - Repartição percentual por unidade orgânica do aumento da execução da despesa através da fonte de financiamento 412 PO Factores de Competitividade

64 Despesas por categoria No Politécnico de Coimbra as despesas com pessoal representaram 81.38% do total pago. A despesa com aquisição de bens e serviços atingiu 9.29% do total. Por sua vez, a aquisição de bens de capital atingiu 6.07%; as transferências correntes 2.46%; as outras despesas correntes 0.73% e as transferências de capital 0.06%. As restantes categorias tiveram um peso muito residual. Gráfico 32 Estrutura de despesa paga, por categoria, no Politécnico de Coimbra O grau de execução de despesa, por categoria, encontra-se descrito no gráfico seguinte. Relativamente ao ano anterior, destacam-se o forte aumento das despesas de capital (+139.6%), associado aos diversos projetos de equipamento de laboratórios de investigação no âmbito do PO Regional Centro e o aumento das despesas com pessoal (+ 2.6%), associado sobretudo à eliminação parcial dos cortes remuneratórios. Por outro lado, ao nível da despesa com aquisição de bens e serviços, verificou-se uma forte redução (-20.4%).

65 Gráfico 33 Grau de execução da despesa, por categoria, no Politécnico de Coimbra Gráfico 34 Variação da despesa paga no IPC, por categoria - As despesas pagas com aquisição de bens e serviços, respectivo peso relativo e variação relativamente ao ano anterior encontram-se descritas no quadro seguinte:

66 Quadro 29 Despesas pagas com a aquisição de bens e serviços AQUISICAO DE BENS E SERVIÇOS CORRENTES, POR CATEGORIA Total despesas pagas % do Total Despesa Paga ENCARGOS DAS INSTALACOES ,20 16,9% ,72 OUT TRAB ESP - OUTROS ,58 14,5% ,62 DESLOCACOES E ESTADAS ,07 9,4% ,92 CONSERVACAO DE BENS ,83 7,0% ,10 PUBLICIDADE ,05 6,6% ,28 OUTROS SERVICOS ,64 6,3% ,72 LIMPEZA E HIGIENE ,48 6,0% ,40 OUT TRAB ESP - SERV DE NAT INFORMATICA ,95 5,0% ,28 ASSISTÊNCIA TÉCNICA - OUTROS ,32 3,7% ,71 ASSISTÊNCIA TÉCNICA - SOFTWARE INFORMÁTICA ,44 3,5% ,82 VIGILÂNCIA E SEGURANÇA ,19 2,8% ,09 OUTROS BENS ,50 2,6% ,66 MATERIAS-PRIMAS E SUBSIDIARIAS ,39 2,1% ,81 FORMAÇÃO - OUTRAS ,76 2,0% ,84 MATERIAL DE EDUCACAO, CULTURA E RECREIO ,98 1,9% ,39 COMUNICACOES MOVEIS ,04 1,3% ,59 PRODUTOS QUIMICOS E FARMACEUTICOS ,99 1,0% ,14 MATERIAL DE ESCRITORIO ,11 1,0% ,93 SEGUROS - OUTRAS ,16 0,9% 2.069,75 LOCACAO DE OUTROS BENS ,00 0,7% ,97 COMBUSTIVEIS E LUBRIFICANTES ,06 0,6% 672,69 REPRESENTACAO DOS SERVICOS ,70 0,6% ,05 OUTROS SERVICOS DE COMUNICACOES ,76 0,5% ,83 TRANSPORTES ,16 0,4% 7.000,20 SEMINARIOS, EXPOSICOES E SIMILARES ,40 0,4% 3.712,15 PREMIOS, CONDECORACOES E OFERTAS ,45 0,3% 6.037,86 ESTUDOS, PARECERES, PROJ E CONSULT - OUTROS ,80 0,3% ,90 COMUNICACOES FIXAS DE VOZ ,16 0,3% - 443,37 LIMPEZA E HIGIENE ,58 0,3% ,41 ACESSOS A INTERNET 9.925,31 0,3% 945,70 ASSISTÊNCIA TÉCNICA - EQUIPAMENTO INFORMÁTICA (HARDWARE) 8.853,49 0,2% 6.722,62 MATERIAL DE CONSUMO CLINICO 6.697,35 0,2% ,88 FERRAMENTAS E UTENSILIOS 3.373,54 0,1% ,68 OUTRO MATERIAL-PECAS 2.644,22 0,1% ,30 LIVROS E DOCUMENTACAO TECNICA 1.471,00 0,0% - 266,80 LOCACAO DE EDIFICIOS 780,00 0,0% 65,00 VESTUARIO E ARTIGOS PESSOAIS 368,15 0,0% - 59,86 FORMAÇÃO - TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) 330,99 0,0% ,01 COMUNICACOES FIXAS DE DADOS 6,77 0,0% - 266,71 MATERIAL DE TRANSPORTE-PECAS - 0,0% - 402,85 Total ,57 100,0% ,59 Analisando a distribuição das despesas com pessoal por unidade orgânica verifica-se que o ISEC é a unidade onde esta categoria assume maior relevância (32.19%). Segue-se a ESEC (17.00%); a ESAC (15.47%); o ISCAC (14.97%); a ESTESC (10.80%); os Serviços da Presidência (5.32%); a ESTGOH (4.22%) e o IIA (0.03%).

67 Gráfico 35 Distribuição percentual das despesas com pessoal pelas unidades orgânicas do IPC A variação das despesas com pessoal por unidade orgânica encontra-se descrita no gráfico seguinte: Gráfico 36 Variação das despesas com pessoal por unidade orgânica do Politécnico de Coimbra

68 Analisando a distribuição das despesas com aquisição de bens e serviços correntes verifica-se que 25.70% foram pagos pelos SP; 17.11% foram pagos pela ESAC; 16.45% pelo ISCAC; 14.85% pela ESEC; 11.83% pelo ISEC; 10.50% pela ESTESC; 2.44% pela ESTGOH e 1.12% pelo IIA. A variação por unidade orgânica da despesa paga nesta categoria encontra-se descrita no gráfico seguinte: Gráfico 37 Variação da despesa paga com aquisição de bens e serviços por unidade orgânica Por unidade orgânica verificou-se a seguinte despesa total paga, por aluno:

69 Gráfico 38 Despesa total por aluno Por unidade orgânica verificou-se a seguinte despesa total paga com despesas com pessoal, por aluno: Gráfico 39 Despesa total em Pessoal por aluno 3.3. Saldo A distribuição do saldo integrado da gerência anterior por unidade orgânica do IPC foi a seguinte:

70 Gráfico 40 Saldo integrado em, por unidade orgânica Das restantes receitas cobradas e despesas pagas na gerência resultou um saldo do ano distribuído da seguinte forma: Gráfico 41 Saldo de por unidade orgânica

71 Do saldo transitado da gerência anterior integrado em cada unidade orgânica e do saldo do ano resultou um saldo total para a gerência seguinte de ,86 distribuído da seguinte forma: Gráfico 42 Saldo para a gerência seguinte 3.4. Estrutura de custos e proveitos Análise dos custos Em os custos do IPC totalizaram ,15. Os custos operacionais cifraram-se em ,27, os custos financeiros atingiram os ,64 e os custos extraordinários foram ,24. Os custos com pessoal, com 82% do total de custos, representam o principal custo do IPC. Os fornecimentos e serviços externos são a segunda categoria de custos mais importante, representando 9% do total no IPC. As amortizações, com 4% são a terceira categoria de custos com maior peso relativo. As restantes categorias representam, em conjunto, 5% dos custos totais do instituto.

72 Análise de proveitos Os proveitos totais do exercício ascenderam a ,37. Os proveitos operacionais foram de ,95, os proveitos financeiros ,20 e os proveitos extraordinários ,22. Na estrutura de proveitos, as transferências correntes, onde se incluem as transferências de orçamento de Estado, são a categoria com maior peso no total de proveitos (70%), seguindose os impostos e taxas, com 25%. As restantes categorias assumem um peso residual nos proveitos, no 5% do total Resultados do Exercício Os resultados operacionais, totalizaram ,22 e tiveram uma variação positiva de 128%. Esta evolução resulta sobretudo da subida de ,30 verificada nos proveitos extraordinários (+31%) sobretudo resultante do aumento da redução de amortizações e provisões. 4. Relatório de Contas dos SASIPC 4.1. Orçamento Corrigido O orçamento inicial e corrigido do ano de é apresentado, por fontes de financiamento, no quadro seguinte considerando a totalidade da verba atribuída e a correção da receita própria prevista e não cobrada. Apresenta-se, igualmente, quadro com a análise dos dados do orçamento disponível no final de cada ano do último triénio. Quadro 30 Orçamento dos SASIPC a 31 de Dezembro de Fonte de Financiamento Orç. Inicial Orçamento Disponível a 31/Dezembro/ Saldo de 2013 Reforço Corte Receita não Cobrada Orç. Corrigido Receitas Gerais do Estado Receitas Próprias (RP) Transf. de RP de SFA TOTAL

73 Quadro 31 Orçamento dos SASIPC entre 2012 e Ano 2012 Ano 2013 Ano Fonte de Financiamento Orçam. Corrigido Final do Ano % Orçam. Corrigido Final do Ano % Orçam. Corrigido Final do Ano % Receitas Gerais do Estado % % % Receitas Próprias (RP) % % % Transf. de RP de SFA % % 0 0% TOTAL , , , Realização da Despesa e da Receita Receita Em termos de Execução Orçamental, apresentam-se os montantes de Receita e Despesa do ano de, bem como a evolução da despesa paga nos últimos três anos. Quadro 32 Receita de por Fonte de Financiamento Receita por Fonte Financiamento Previsões Corrigidas Receitas Por Cobrar no Início + Receitas Liquidadas Rec. Liq. / Previ. Corrig. (%) Cobrança Liquida Cob. / Previ. Corrig. (%) Funcionamento Fonte Financ. 311/ Transferências Correntes , , Saldo na posse do serviço , ,88 Total da FF 311/ , ,26 Fonte Financ. 510/520/ SFA 0 0 0,00 0 #DIV/0! Produtos Alimentares e Bebidas , , Aluguer de espaços de equipamentos ,00 0 0, Actividades de Saúde , , Outros , , Saldo na posse do serviço , ,00 Total da FF 510/520/ , ,17 TOTAL GERAL , ,51

74 Despesa Quadro 33 Despesa de por Fonte de Financiamento Despesa por Fonte Financiamento Dotação Corrigida Compromisso s Assumidos Comp. / Dot. Pagamentos Corrrig. (%) Pag. / Dot. Corrrig. Fonte Financ. 311/313 Despesas com Pessoal , ,54 Outras Despesas de Correntes , ,61 Despesas de Capital 0 0 0,00 0 0,00 Total da FF 311/ , ,50 Fonte Financ. 510/520/540 Despesas com Pessoal 0 0 0,00 0 0,00 Outras Despesas de Correntes , ,79 Despesas de Capital , ,05 Total da FF 510/520/ , ,90 TOTAL GERAL , ,40 Quadro 34 Despesa do Triénio Despesa TOTAL Paga por Tipologia de Despesa Do Ano De Anos Anteriores Do Ano De Anos Anteriores Do Ano De Anos Anteriores Despesas com Pessoal Outras Despesas de Correntes Despesas de Capital TOTAL GERAL Note-se que a variação nas despesas de pessoal tem origem em alteração legislativas, quer quanto ao valor da remuneração base quer quanto aos subsídios de natal e de férias. Por outro lado, no que diz respeito à atividade, no período em análise verificou-se alteração na forma de gestão dos refeitórios o que provocou as variações apresentadas Situação Patrimonial Do Balanço e da Demonstração de Resultados relativos ao período de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de retira-se a seguinte informação:

75 Quadro 35 Síntese do Balanço Ano de ACTIVO FUNDOS PRÓPRIOS e PASSIVO Imobilizado Fundos próprios BALANÇO Existências Resultados Dívidas de terceiros - C/P Disponibilidades Dívidas a terceiros - C/P Acréscimos e Diferimentos TOTAL GERAL Quadro 36 Síntese da Demonstração de Resultados Ano de CUSTOS E PERDAS PROVEITOS E GANHOS CMVMC e FSE (61x + 62x) Vendas DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Pessoal (64x) Amortizações e provisões Transfer. e outros custos operac. Custos Financeiros RLE Prestação de serviços Proveitos suplementares Transferências Proveitos Financeiros Proveitos extraordinários TOTAL GERAL Comparativamente ao ano de 2013, verificou-se um aumento de proveitos e custos no valor global de euros e euros, respetivamente. O aumento de proveitos deveu-se, essencialmente, a verba transferida em receitas gerais do Estado, a verbas transferidas pelo Instituto Politécnico de Coimbra, ao serviço prestado de alojamento e alimentação às restantes unidades orgânicas (UOs) do IPC, ao incremento de serviços de catering e à abertura do bar da ESTSC em regime de exploração direta. O aumento global dos custos teve origem e variações positivas e negativas. Por um lado, os custos aumentaram por força dos bens e serviços necessários ao funcionamento do bar da

76 ESTSC, ao serviço prestado às UOs do IPC e pela correcção na contabilização das cauções de alojamento, que por terem sido consideradas proveito em exercícios anteriores tiveram que ser consideradas custo em. Por outro lado, verificou-se diminuição dos custos com pessoal (em particular pela acumulação do cargo de administrador do IPC com o do SASIPC) e pela redução de custos com combustíveis e conservação e reparação de bens. Para uma análise das demonstrações financeiras, apresenta-se nos quadros seguintes o Balanço Funcional e a Demonstração de Resultados Funcional com uma análise comparativa com o ano anterior. Quadro 37 Balanço Funcional

77 Quadro 38 Demonstração de Resultados 4.4. Indicadores de Gestão Indicadores de Meios Humanos Para realização das atividades e tarefas no ano de os Serviços socorreram-se de meios humanos num total de 40 trabalhadores (10 técnicos superiores, 4 assistentes técnicos e 26 assistentes operacionais). Quadro 39 Meios Humanos ANO Custos com pessoal , , ,79 Nº de trabalhadores

Definição de propinas para cursos técnicos superiores profissionais 2016/2017

Definição de propinas para cursos técnicos superiores profissionais 2016/2017 Definição de propinas para cursos técnicos superiores profissionais 2016/2017 Curso Nome do Curso PROPINA ESAC T205 Agrotecnologia 750 ESAC T228 Análises Agroalimentares 750 ESAC T279 Avicultura 750 ESAC

Leia mais

Definição de propinas para cursos técnicos superiores profissionais 2017/2018

Definição de propinas para cursos técnicos superiores profissionais 2017/2018 Definição de propinas para cursos técnicos superiores profissionais 217/218 Unidade Orgânica Valor Proposto para os CTeSP 216/217 ESAC 75 75 ESEC ESTGOH 75 75 ISCAC ISEC 75 75 Definição de propinas para

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2013

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2013 INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2013 COIMBRA, OUTUBRO DE 2013 Nota Prévia O ano de 2013 foi marcado por grande incerteza relativamente ao valor do Orçamento de Estado atribuído

Leia mais

DESPACHO SP/14/2017 CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO PARA ESTUDANTES INTERNACIONAIS, DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA

DESPACHO SP/14/2017 CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO PARA ESTUDANTES INTERNACIONAIS, DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA DESPACHO SP/14/2017 CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO PARA ESTUDANTES INTERNACIONAIS, DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA CURSOS LECIONADOS EM PORTUGUÊS 2017/2018 Nos termos dos artigos 2.º e 3.º

Leia mais

Escola Secundária de Ermesinde. Cursos Científico- Humanisticos

Escola Secundária de Ermesinde. Cursos Científico- Humanisticos Escola Secundária de Ermesinde Cursos Científico Humanisticos Cursos CientíficoHumanísticos Ciências e Tecnologias Condições de Acesso: Alunos com 9º ano de escolaridade ou equivalente a este. Realização

Leia mais

PROGRAMA ACOMPANHAMENTO. Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA

PROGRAMA ACOMPANHAMENTO. Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA Designação: Centro Social de Azurva Endereço: Rua Professor

Leia mais

Instituto Superior de Ciências Educativas de Felgueiras

Instituto Superior de Ciências Educativas de Felgueiras Instituto Superior de Ciências Educativas de Felgueiras Relatório de Atividades Ano Letivo 2013-2014 ÍNDICE Nota Introdutória. 1 1. Cumprimento do Plano Estratégico, do Plano Anual e seus Objetivos.. 2

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM BIOMECÂNICA. (edição 2010 2012)

EDITAL MESTRADO EM BIOMECÂNICA. (edição 2010 2012) EDITAL MESTRADO EM BIOMECÂNICA (edição 2010 2012) Nos termos do Decreto Lei n.º 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto Lei n.º 74/2006 de 24 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto Lei n.º

Leia mais

17148 Diário da República, 2.ª série N.º de julho de 2014

17148 Diário da República, 2.ª série N.º de julho de 2014 17148 Diário da República, 2.ª série N.º 125 2 de julho de 2014 s curriculares Área científica Tipo Total Horas de trabalho Contacto Créditos Observações Nutrição no Desporto......................... DEP

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO LABORATORIAL. (Edição 2010 2012)

EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO LABORATORIAL. (Edição 2010 2012) EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO LABORATORIAL (Edição 2010 2012) Nos termos dos Decretos Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR - GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2017, 2018, 2019 PÚBLICO PRIVADO

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR - GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2017, 2018, 2019 PÚBLICO PRIVADO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR - GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2017, 2018, 2019 PÚBLICO PRIVADO DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direção de Serviços de Acesso ao Ensino Superior Av. Duque D Ávila,

Leia mais

Despacho n.º /2015. Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria)

Despacho n.º /2015. Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria) Despacho n.º /2015 Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto (IPLeiria) Preâmbulo Nos termos do n.º 1 do artigo 15.º da Lei n.º 46/86, de 14.10 1,

Leia mais

SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL

SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA GABINETE DE AÇÃO SOCIAL ESAC ESEC ESTGOH ESTSC ISCAC ISEC Serviços de Ação Social do IPC Apresentação Os Serviços de Ação Social do Instituto Politécnico

Leia mais

MESTRADO EM MARKETING E COMUNICAÇÃO CAPÍTULO II. Disposições gerais

MESTRADO EM MARKETING E COMUNICAÇÃO CAPÍTULO II. Disposições gerais MESTRADO EM MARKETING E COMUNICAÇÃO CAPÍTULO I Disposições gerais Homologo, Artigo 1.º Enquadramento jurídico Considerando que, nos termos do artigo 23.º-A do Regulamento do Ciclo de Estudos Conducente

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 65 4 de abril de 2016 11203 SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DO MINHO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA

Diário da República, 2.ª série N.º 65 4 de abril de 2016 11203 SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DO MINHO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA Diário da República, 2.ª série N.º 65 4 de abril de 2016 11203 21 Lei Geral Tributária, aprovada pelo Decreto -Lei n.º 398/98, de 17 de dezembro; 22 Código de Procedimento e de Processo Tributário, aprovado

Leia mais

ISAL - por José Quaresma (director geral do ISAL)

ISAL - por José Quaresma (director geral do ISAL) ISAL - por José Quaresma (director geral do ISAL) O ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas, instituto superior politécnico, foi a primeira instituição de ensino superior da Região Autónoma

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Gabinete do Reitor

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Gabinete do Reitor REGULAMENTO DO ESTATUTO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL DA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR A Universidade da Beira Interior (UBI) pretende implementar uma política ativa de atração e acolhimento de estudantes

Leia mais

Despacho N.º 32/2015

Despacho N.º 32/2015 Despacho N.º 32/2015 Publicam-se, em anexo, os Regulamentos de Propinas dos Ciclos de Estudos (1.º, 2.º e 3.º) e Pós-Graduação para o ano letivo de 2015/2016. Lisboa, 16 de julho de 2015 O Diretor (Prof.

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE. (Edição )

EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE. (Edição ) EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE (Edição 2010-2012) Nos termos dos Decretos-Lei nº /2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/200, de 24 de Março, com as alterações

Leia mais

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo

Leia mais

Instituto Politécnico de Bragança Relatório de concretização do Processo de Bolonha: indicadores de progresso

Instituto Politécnico de Bragança Relatório de concretização do Processo de Bolonha: indicadores de progresso Instituto Politécnico de Bragança Relatório de concretização do Processo de Bolonha: indicadores de progresso Relatórios #1 - #4, 2008-2011 1979 Criação do sistema de Ensino Superior Politécnico em Portugal

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO DESAFIOS DA EDUCAÇÃO E QUALIFICAÇÃO Fontainhas Fernandes UTAD 18 de outubro de 2014 Fontainhas Fernandes

Leia mais

Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos

Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos maiores de 23 anos e do Concurso Especial dos Estudantes

Leia mais

Subsistema de Incentivos para o Fomento da base económica de exportação

Subsistema de Incentivos para o Fomento da base económica de exportação Dezembro de 2015 Proposta de prestação de serviços Candidatura ao Subsistema de Incentivos para o Fomento da base económica de exportação Construção de Hotel 4 ou 5 Estrelas S. Vicente A/C: A. Machado,

Leia mais

Distrito Subsistema Tipo de ensino Nome do Estabelecimento Nome do Curso

Distrito Subsistema Tipo de ensino Nome do Estabelecimento Nome do Curso Distrito Subsistema Tipo de ensino Nome do Estabelecimento Nome do Curso Lisboa Privado Politécnico Academia Nacional Superior de Orquestra Direcção de Orquestra Lisboa Privado Politécnico Academia Nacional

Leia mais

ANEXO EIXOS TECNOLÓGICOS

ANEXO EIXOS TECNOLÓGICOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DESPACHO DO MINISTRO (*) Em 31 de maio de 2007 Nos termos do art. 2º da Lei nº 9.131, de 24 de novembro de 1995, o Ministro de Estado da Educação, HOMOLOGA o

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA JAIME MONIZ

ESCOLA SECUNDÁRIA JAIME MONIZ ESCOLA SECUNDÁRIA JAIME MONIZ ano lectivo 2012/13 a nova oferta educativa da escola Cursos Profissionais.Preparação para a vida activa Contactos Escola Secundária Jaime Moniz Largo Jaime Moniz 9064-503

Leia mais

CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS

CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS CURSO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS Língua Estrangeira (I/II/III) Matemática A Física e Química A Biologia e Geologia Biologia/ Física/ Química/ Geologia a) Psicologia B/ Língua Estrangeira (I/II/III)* b)

Leia mais

Consórcio das Universidades Federais do Sul/Sudeste de Minas Gerais. Uma proposta inovadora e estratégica para a região, o Estado e o País

Consórcio das Universidades Federais do Sul/Sudeste de Minas Gerais. Uma proposta inovadora e estratégica para a região, o Estado e o País Consórcio das Universidades Federais do Sul/Sudeste de Minas Gerais Uma proposta inovadora e estratégica para a região, o Estado e o País Consórcio O que não é: Uma Superuniversidade Uma Fusão de Universidades

Leia mais

EDITAL. (Edição )

EDITAL. (Edição ) EDITAL MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL ESPECIALIZAÇÃO EM PROBLEMAS DO DOMÍNIO COGNITIVO E MOTOR (Edição 2017-2019) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REAL REGULAMENTO OFERTAS EDUCATIVAS ALTERNATIVAS AO ENSINO REGULAR ANEXO II

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REAL REGULAMENTO OFERTAS EDUCATIVAS ALTERNATIVAS AO ENSINO REGULAR ANEXO II Ofertas Educativas Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais ao funcionamento do curso vocacional, adequando, esclarecendo e integrando as normas legais presentes na

Leia mais

«Empregabilidade dos Diplomados pelo IPP Ano letivo 2013/2014» Observatório Académico Maio de 2016

«Empregabilidade dos Diplomados pelo IPP Ano letivo 2013/2014» Observatório Académico Maio de 2016 «Empregabilidade dos Diplomados pelo IPP Ano letivo 2013/2014» Observatório Académico Maio de 2016 EMPREGABILIDADE DOS CICLOS DE ESTUDOS DO IPP - Calculada com base na aplicação de um inquérito por questionário

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL POLÍTICA DA QUALIDADE

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL POLÍTICA DA QUALIDADE INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL POLÍTICA DA QUALIDADE Missão O IPS procura, de forma permanente e em articulação com os parceiros sociais, contribuir para a valorização e o desenvolvimento da sociedade,

Leia mais

Preâmbulo. O LLP-ERASMUS surge no âmbito do programa de ação de educação da comunidade europeia

Preâmbulo. O LLP-ERASMUS surge no âmbito do programa de ação de educação da comunidade europeia REGULAMENTO PROGRAMA LLP-ERASMUS-ESTESL-IPL Preâmbulo O LLP-ERASMUS surge no âmbito do programa de ação de educação da comunidade europeia de Fevereiro de 1976, através do lançamento de um programa piloto

Leia mais

Angelini University Award 2011/2012. Melhor Nutrição, Melhor Saúde

Angelini University Award 2011/2012. Melhor Nutrição, Melhor Saúde Angelini University Award 2011/2012 Melhor Nutrição, Melhor Saúde Angelini University Award 2011/2012 Objetivos Objetivos Objetivos O Angelini University Award 2011/2012 tem por finalidade atribuir um

Leia mais

Oferta Formativa Ensino Secundário

Oferta Formativa Ensino Secundário Oferta Formativa 2012017 Ensino Secundário Que caminho seguir Cursos gerais Cursos profissionais INTERESSES APTIDÕES EMPREGABILIDDAE O teu futuro profissional começa agora Faz uma escolha ponderada e consciente

Leia mais

O contributo da ESAC para a formação no âmbito do uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos. Maria José Cunha

O contributo da ESAC para a formação no âmbito do uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos. Maria José Cunha 20-03-2014 1 O contributo da ESAC para a formação no âmbito do uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos Maria José Cunha 20-03-2014 2 ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA MISSÃO Formar profissionais

Leia mais

Despacho N.º 211/2016

Despacho N.º 211/2016 UNIVERSIDADE DOS AÇORES Despacho N.º 211/2016 CONCURSOS ESPECIAIS (Decreto-Lei n.º 113/2014,de 16 de julho) O presente Despacho procede à fixação: (I) dos critérios de seriação, (II) dos diplomas de especialização

Leia mais

Titular de CET e de CTeSP /2017

Titular de CET e de CTeSP /2017 Acesso CTesP e CET Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente Lic. em Biologia e Geologia Lic. em Geologia Lic. em Matemática Lic. em Física Lic. em Ciências do Mar Lic. em Meteorologia, Oceanografia

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO

PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO Normas regulamentares Artigo 1.º Grau A Escola Superior Artística do Porto confere a Pós-Graduação em Arte em Espaço Público. Artigo 2.º Objectivos do curso 1. A

Leia mais

Curso Área CNAEF Curso ESEC Serviços de Apoio a Crianças e Jovens Audiovisuais e Produção dos Media Turismo e Lazer

Curso Área CNAEF Curso ESEC Serviços de Apoio a Crianças e Jovens Audiovisuais e Produção dos Media Turismo e Lazer Acompanhamento de Crianças e Jovens Administração de Bases de Dados 481 - Ciências Informáticas Administração e Negócios 345 - Gestão e Administração Comunicação Organizacional Animação e Modelação 3D

Leia mais

Titular de CET e de CTeSP /2018

Titular de CET e de CTeSP /2018 320 In e jornalismo Licenciatura em administração pública 380 Direito 581 Arquitectura e urbanismo 760 Serviços sociais 225 História e arqueologia 226 Filosofia e ética 421 Biologia e Bioquímica 422 Ciências

Leia mais

RELATÓRIO DE APROVEITAMENTO E DE INSUCESSO ESCOLAR

RELATÓRIO DE APROVEITAMENTO E DE INSUCESSO ESCOLAR Campus Académico de V. N. Gaia / Arcozelo RELATÓRIO DE APROVEITAMENTO E DE IN ESCOLAR ANO LETIVO 2012-2013 Índice 1- INTRODUÇÃO 1 2- PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS 2 2.1. CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre Pró-Reitoria de Extensão - PROEX

Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre Pró-Reitoria de Extensão - PROEX ANEXO 1 FORMULÁRIO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO DE PROJETO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA DO PROJETO 1.1 Área temática (ver Anexo 1.1) 1.2 Linha de extensão (informar em qual (is) linha(s) se enquadra

Leia mais

Linhas Gerais de Orientação Científica para o quadriénio 2013/2017

Linhas Gerais de Orientação Científica para o quadriénio 2013/2017 Novembro 13 Linhas Gerais de Orientação Científica para o quadriénio 2013/2017 Instituto Politécnico de Coimbra Documento elaborado nos termos da alínea b) do ponto 2 do artigo 82º da Lei nº 62/2007, de

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S.º João dos Montes. Projeto Educativo do Agrupamento Apresentação para Divulgação

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S.º João dos Montes. Projeto Educativo do Agrupamento Apresentação para Divulgação Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S.º João dos Montes Projeto Educativo do Agrupamento Apresentação para Divulgação CARATERIZAÇÃO DOS TERRITÓRIOS ENVOLVIDOS NA CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA AGENDA AS 5 MARCAS DO POPH I EIXOS PRIORITÁRIOS II ARRANQUE DO PROGRAMA III I AS 5 MARCAS DO POPH AS 5 MARCAS DO POPH 1 O MAIOR PROGRAMA OPERACIONAL DE SEMPRE 8,8 mil M 8,8 Mil

Leia mais

PLANO DE ATIVI- DADES 2013 INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA

PLANO DE ATIVI- DADES 2013 INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA PLANO DE ATIVI- DADES 2013 INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA NOVEMBRO 2012 Índice Introdução 3 I- Princípios Orientadores 4 II- Apresentação do Instituto Politécnico de Lisboa e Unidades Orgânicas 7 Caraterização

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência - Direção-Geral do Ensino Superior

Ministério da Educação e Ciência - Direção-Geral do Ensino Superior Vagas.ª Fase Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências Farmacêuticas (Preparatórios) Ciências da Nutrição (Preparatórios) 9 Medicina Veterinária (Preparatórios) 9 Ciências Agrárias 9 Engenharia

Leia mais

Nº 63 - Brasília - DF, quarta-feira, 02 de abril de 2008 Pág: 13 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

Nº 63 - Brasília - DF, quarta-feira, 02 de abril de 2008 Pág: 13 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO Nº 63 - Brasília - DF, quarta-feira, 02 de abril de 2008 Pág: 13 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO Portaria Normativa nº 3, de 1º de abril de 2008 Determina as áreas e os cursos superiores de

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS

ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS Preparatório para provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para frequência Comunicação e Media Economia História Português Desporto e Bem-Estar Biologia Matemática Português Educação

Leia mais

Plano de Articulação Curricular

Plano de Articulação Curricular Plano de Articulação Curricular 2014-2015 Agrupamento de Escolas Fernando Pessoa Índice 1.Introdução... 3 2 2.Prioridades... 4 3.Operacionalização do Plano de Articulação Curricular... 5 4.Monitorização

Leia mais

EDITAL CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO ª FASE

EDITAL CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO ª FASE EDITAL CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 7.ª FASE. Nos termos do n.º do artigo 7.º do regulamento do concurso nacional de acesso e ingresso no ensino superior público para a matrícula

Leia mais

PROJETO DO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM INFORMÁTICA

PROJETO DO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM INFORMÁTICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO. CAMPUS CERES DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PROJETO DO

Leia mais

Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos (LRH)

Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos (LRH) UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos (LRH) Maputo, Julho de 2015

Leia mais

Estatísticas da Educação 2014/15 Principais resultados relativos ao Ensino Superior

Estatísticas da Educação 2014/15 Principais resultados relativos ao Ensino Superior Estatísticas da Educação 2014/15 Principais resultados relativos ao Ensino Superior Inscritos no 1.º ano, pela 1.ª vez, em estabelecimentos de ensino superior 1 Em 2014/15, inscreveram-se em estabelecimentos

Leia mais

Relatório de Actividades 2010 RELATÓRIO GLOBAL DE ACTIVIDADES ANO 2010

Relatório de Actividades 2010 RELATÓRIO GLOBAL DE ACTIVIDADES ANO 2010 RELATÓRIO GLOBAL DE ACTIVIDADES ANO 2010 1 ÍNDICE ÍNDICE 2 INTRODUÇÃO 3 1. CONSELHO EXECUTIVO 3 1.1 Programa de Cooperação CRUP-FUP com Timor-Leste 3 1.1.1 Actividades Gerais 3 1.1.2 Calendário Lectivo

Leia mais

Estatísticas da Educação 2014/15 Principais resultados relativos ao Ensino Superior

Estatísticas da Educação 2014/15 Principais resultados relativos ao Ensino Superior Estatísticas da Educação 2014/15 Principais resultados relativos ao Ensino Superior Inscritos em cursos de ensino superior Em 2014/15, inscreveram-se em cursos de ensino superior um total de 349 658 alunos

Leia mais

REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso Artigo 2.º Objectivos Artigo 3.º Condições de acesso Artigo 4.º Critérios de selecção

REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso Artigo 2.º Objectivos Artigo 3.º Condições de acesso Artigo 4.º Critérios de selecção REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso A Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC) e a Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho (EEGUM), através do seu Departamento de Economia,

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. Regulamento do ciclo de estudos conducentes ao grau de mestre em Engenharia Química

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. Regulamento do ciclo de estudos conducentes ao grau de mestre em Engenharia Química Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento do ciclo de estudos conducentes ao grau de mestre em Engenharia Química Artigo 1º - Âmbito --------------------------------------- 1) O presente Regulamento

Leia mais

O ENSINO DE ENFERMAGEM EM PORTUGAL

O ENSINO DE ENFERMAGEM EM PORTUGAL O ENSINO DE ENFERMAGEM EM PORTUGAL Missão na Universidade de Cabo Verde Praia, 9 de Abril de 2008 Maria da Conceição Bento Até 1988 Curso de Enfermagem Geral Habilitavam: Prática Clínica de Cuidados de

Leia mais

OFERTA DE VAGAS PARA ALUNOS DE INTERCÂMBIO AO ABRIGO DE PROTOCOLOS DE COOPERAÇÃO COM AMÉRICA LATINA ANO LETIVO

OFERTA DE VAGAS PARA ALUNOS DE INTERCÂMBIO AO ABRIGO DE PROTOCOLOS DE COOPERAÇÃO COM AMÉRICA LATINA ANO LETIVO OFERTA DE VAGAS PARA ALUNOS DE INTERCÂMBIO AO ABRIGO DE PROTOCOLOS DE COOPERAÇÃO COM AMÉRICA LATINA ANO LETIVO 2017-2018 INFORMAÇÕES GERAIS Endereço Gabinete de Relações Internacionais e Mobilidade Universidade

Leia mais

REGULAMENTO ACADÉMICO. XIII. Ponderações e Cálculo da Média Final REG-001/V00

REGULAMENTO ACADÉMICO. XIII. Ponderações e Cálculo da Média Final REG-001/V00 XIII. Ponderações e Cálculo da Média Final I - LICENCIATURAS GESTÃO DA SEGURANÇA E PROTECÇÃO CIVIL Ciência do Fogo - Metodologia das Ciências Sociais Ciência dos Materiais - Optativas Direito da Protecção

Leia mais

OFERTA FORMATIVA 2017/2018

OFERTA FORMATIVA 2017/2018 OFERTA FORMATIVA 2017/2018 www.esenviseu.net 2017/2018 OFERTA FORMATIVA Ensino Básico - 3º Ciclo 7º, 8º e 9º Ensino Regular Ensino Artístico Especializado de Música ou Dança Ensino Secundário Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

Cursos de Pós-Graduação REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão

Cursos de Pós-Graduação REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão REGULAMENTO Cursos de Pós-Graduação Elaborado por: Aprovado por: Versão Gabinete Apoio Reitoria Reitor 2.0 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação Inicial Secretário-Geral

Leia mais

Normas Regulamentares da Licenciatura em Educação Social

Normas Regulamentares da Licenciatura em Educação Social Normas Regulamentares da Licenciatura em Educação Social Artigo 1.º Condições específicas de ingresso 1. O Conselho Técnico-científico pronuncia-se sobre o regime de ingresso no curso, ouvido o Conselho

Leia mais

Ensino Superior: Um parceiro estratégico no ecossistema de exportação

Ensino Superior: Um parceiro estratégico no ecossistema de exportação Rui Pedrosa Vice-Presidente para a Investigação e Inovação 23.11.2016 4 Cidades ESECS ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS (Leiria, Marinha Grande, Caldas da Rainha e Peniche) 5 Escolas Superiores

Leia mais

Escola Técnica Estadual Juscelino Kubitschek de Oliveira

Escola Técnica Estadual Juscelino Kubitschek de Oliveira Escola Técnica Estadual Juscelino Kubitschek de Oliveira - Diadema AVISO DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL

Leia mais

S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações LEI Nº 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de

Diário da República, 2.ª série N.º de dezembro de Diário da República, 2.ª série N.º 241 15 de dezembro de 2014 31529 208283306 INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR Despacho n.º 15198/2014 Ao abrigo do disposto nos artigos 75.º a 80.º, do Decreto -Lei pelos

Leia mais

ENSINO SUPERIOR: SITUAÇÃO EM 2012/13 DOS INSCRITOS PELA PRIMEIRA VEZ EM 2011/12

ENSINO SUPERIOR: SITUAÇÃO EM 2012/13 DOS INSCRITOS PELA PRIMEIRA VEZ EM 2011/12 ENSINO SUPERIOR: SITUAÇÃO EM 2012/13 DOS INSCRITOS PELA PRIMEIRA VEZ EM 2011/12 Dados estatísticos Parte II Índice 1. Situação em 2012 dos alunos inscritos no 1.º ano, pela 1.ª vez, em 2011: análise por

Leia mais

EDITAL CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO ª FASE

EDITAL CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO ª FASE EDITAL CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO.ª FASE. Nos termos do n.º do artigo.º do regulamento do concurso nacional de acesso e ingresso no ensino superior público para a matrícula

Leia mais

FAVENI Matrícula + a vista, ou mensalidade.

FAVENI Matrícula + a vista, ou mensalidade. LISTA DE CURSOS Solicite informações e/ou a matricula no zap 61 99620 6628 ou vocestudando@gmail.com - http://vocestudando.blogspot.com.br/ FAVENI Matrícula + a vista, ou mensalidade. ÁREA EDUCACIONAL

Leia mais

A l e x a n d r a P e r e i r a G R I - P l a n o E s t r a t é g i c o e d e A ç ã o 2 0 1 2-15 Página 1

A l e x a n d r a P e r e i r a G R I - P l a n o E s t r a t é g i c o e d e A ç ã o 2 0 1 2-15 Página 1 GABINETE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DO ISAG PLANO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO 31 de Outubro de 2012 A l e x a n d r a P e r e i r a G R I - P l a n o E s t r a t é g i c o e d e A ç ã o 2 0 1 2-15 Página

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DA LICENCIATURA EM GESTÃO HOTELEIRA

NORMAS REGULAMENTARES DA LICENCIATURA EM GESTÃO HOTELEIRA NORMAS REGULAMENTARES DA LICENCIATURA EM GESTÃO HOTELEIRA Artigo 1. (Objetivo) As presentes normas regulamentares estabelecem as regras de funcionamento da Licenciatura em Gestão Hoteleira. Artigo 2. (Condições

Leia mais

REGULAMENTO Regulamento do programa de Aprendizagem ao Longo da Vida (LLP) ERASMUS Mobilidade de Alunos Missão de Estudos e Estágios

REGULAMENTO Regulamento do programa de Aprendizagem ao Longo da Vida (LLP) ERASMUS Mobilidade de Alunos Missão de Estudos e Estágios RG- 10-01 Data: 2010-01-06 INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA ESAC Escola Superior Agrária de Coimbra ESEC Escola Superior de Educação de Coimbra ESTeSC Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA FINANÇAS E TRABALHO, SOLIDARIEDADE E SEGURANÇA SOCIAL. 1112 Diário da República, 1.ª série N.º 64 1 de abril de 2016

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA FINANÇAS E TRABALHO, SOLIDARIEDADE E SEGURANÇA SOCIAL. 1112 Diário da República, 1.ª série N.º 64 1 de abril de 2016 1112 Diário da República, 1.ª série N.º 64 1 de abril de 2016 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 8/2016 Procede à décima alteração ao Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro,

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência - Direção-Geral do Ensino Superior. Estabelecimento Vagas 2.ª Fase

Ministério da Educação e Ciência - Direção-Geral do Ensino Superior. Estabelecimento Vagas 2.ª Fase Vagas.ª Fase Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo 00 0 Ciências Agrárias 00 0 Ciências Farmacêuticas (Preparatórios) 00 0 Ciências da Nutrição (Preparatórios) 00 Energias Renováveis 00 Engenharia

Leia mais

Disciplinas da Componente de Formação Técnica dos Cursos Profissionais por Área de Educação e Formação

Disciplinas da Componente de Formação Técnica dos Cursos Profissionais por Área de Educação e Formação Área de Educação e Formação 212 - Artes do espectáculo Área de Educação e Formação 213 - Audiovisuais e produção dos media Adereços 380 Cenografia 400 Cenotecnia 380 Conjuntos Instrumentais 180 Figurinos

Leia mais

CHAVE DO FUTURO. Formativa 2015/16. Oferta. está nas tuas mãos. Ensino Secundário Recorrente. Cursos. Educação e Formação de Adultos.

CHAVE DO FUTURO. Formativa 2015/16. Oferta. está nas tuas mãos. Ensino Secundário Recorrente. Cursos. Educação e Formação de Adultos. A CHAVE DO FUTURO está nas tuas mãos Ensino Secundário Recorrente Cursos Educação e Formação de Adultos Cursos Profissionais Cursos Científico-Humanísticos Cursos Vocacionais Orientar Saberes, Desenvolver

Leia mais

DOCUMENTO TÉCNICO DA PLATAFORMA DE RECOLHA DE INFORMAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR RAIDES PRIES. Documento técnico da PRIES

DOCUMENTO TÉCNICO DA PLATAFORMA DE RECOLHA DE INFORMAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR RAIDES PRIES. Documento técnico da PRIES PRIES DOCUMENTO TÉCNICO DA PLATAFORMA DE RECOLHA DE INFORMAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR RAIDES Nuno Rodrigues Página 1 FICHA TÉCNICA Título Documento técnico da Plataforma de Recolha de Informação do Ensino

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO FISCAL. (Aprovado pelo Conselho Científico em reunião de 7 de março de 2012)

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO FISCAL. (Aprovado pelo Conselho Científico em reunião de 7 de março de 2012) REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO FISCAL (Aprovado pelo Conselho Científico em reunião de 7 de março de 2012) FEVEREIRO - 2012 ÍNDICE CAPÍTULO I ÁREA CIENTÍFICA, OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Professor Temporário Graduação em Física (Licenciatura ou Bacharelado) Especialização em Supply Chain Management

Professor Temporário Graduação em Física (Licenciatura ou Bacharelado) Especialização em Supply Chain Management INFORMAMOS PARA FINS DE CONTRATAÇÃO, QUE APÓS O PERÍODO DE INSCRIÇÃO, A FORMAÇÃO MÍNIMA EXIGIDA PARA AS VAGAS QUE TIVERAM APROVADOS NA SELEÇÃO SIMPLIFICADA PARA PROFESSOR TEMPORÁRIO 2012.2, OBJETO DO EDITAL

Leia mais

Código Curso. Curso Vagas Iniciais Colocados Nota do últ. colocado (cont. geral)

Código Curso. Curso Vagas Iniciais Colocados Nota do últ. colocado (cont. geral) Código Curso Curso Vagas Iniciais Colocados Nota do últ. colocado (cont. geral) Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo 8031 Ciências Farmacêuticas (Preparatórios) 15 11 129,3 8086 Medicina Veterinária

Leia mais

Relatório sobre o Inquérito aos Candidatos ao Mestrado em Música da Escola Superior de Música de Lisboa: Ano letivo 2015/2016

Relatório sobre o Inquérito aos Candidatos ao Mestrado em Música da Escola Superior de Música de Lisboa: Ano letivo 2015/2016 Relatório sobre o Inquérito aos Candidatos ao Mestrado em Música da Escola Superior de Música de Lisboa: Ano letivo 2015/2016 Gabinete para a Cultura da Qualidade Dezembro de 2015 Índice Geral Índice Geral...

Leia mais

Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME. Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015. Se precisa de:

Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME. Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015. Se precisa de: Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015 Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME Se precisa de: Prospetar novos Clientes em mercados externos Elaborar um plano de negócios para

Leia mais

Termo de Adesão. 1 Dados cadastrais da Instituição de Educação Superior IES. 2 Dados cadastrais da Unidade Administrativa / Local de Oferta

Termo de Adesão. 1 Dados cadastrais da Instituição de Educação Superior IES. 2 Dados cadastrais da Unidade Administrativa / Local de Oferta Termo de Adesão 1 Dados cadastrais da Instituição de Educação Superior IES 1.1 Informações da IES 1.1.1 IES: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE 1.1.2 Sigla: FURG 1.1.3 Código: 12 1.1.4 CNPJ: 94.877.586/0001

Leia mais

Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo

Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo DESDE 1990 O ISCET Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo é um estabelecimento de ensino superior politécnico, criado em 25 de

Leia mais

Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo

Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo DESDE 1990 O ISCET Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo é um estabelecimento de ensino superior politécnico, criado em 25 de

Leia mais

Linhas Gerais para a Promoção da Empregabilidade dos Diplomados do IPC

Linhas Gerais para a Promoção da Empregabilidade dos Diplomados do IPC Agosto 16 Linhas Gerais para a Promoção da Empregabilidade dos Diplomados do IPC Página 1 de 5 I- A EMPREGABILIDADE DOS DIPLOMADOS NAS OPÇÕES ESTRATÉGICAS DO POLITÉCNICO DE COIMBRA A Lei nº 62/2007 de

Leia mais

Regulamento dos Programas de Mobilidade Internacional (Rev. Setembro 2013)

Regulamento dos Programas de Mobilidade Internacional (Rev. Setembro 2013) Regulamento dos Programas de Mobilidade Internacional (Rev. Setembro 2013) Preâmbulo O Instituto Superior Técnico, adiante designado como IST, oferece aos seus alunos diferentes Programas de Mobilidade

Leia mais

Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Sistema de Seleção Unificada - SiSU Termo de Participação - 3º edição de 2011

Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Sistema de Seleção Unificada - SiSU Termo de Participação - 3º edição de 2011 Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Sistema de Seleção Unificada - SiSU Termo de Participação - 3º edição de 2011 1 - Dados Cadastrais da Instituição de Ensino Superior

Leia mais

Concursos Especiais para Estudantes Internacionais Guia de Acesso - Ano Lectivo

Concursos Especiais para Estudantes Internacionais Guia de Acesso - Ano Lectivo De acordo com o estipulado no Regulamento do concurso especial de acesso e ingresso do estudante internacional a ciclos de estudo de licenciatura na Universidade de Atlântica, e no cumprimento do Decreto-Lei

Leia mais

Atualizada em fevereiro de 2015

Atualizada em fevereiro de 2015 Atualizada em fevereiro de 2015 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS Paulo Rogério Araújo Guimarães REITOR Maria Elizabeth Rodrigues PRÓ-REITORA DE ENSINO Frederico

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO Despacho Presidente n.º 2014/18 Valores de propina e outras taxas para o ano letivo de 2014/2015 Nos termos previstos no Regulamento de propinas em vigor na ESEP

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO 2013/2014

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO 2013/2014 Escola EB1 João de Deus CÓD. 242 937 Escola Secundária 2-3 de Clara de Resende CÓD. 346 779 AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE CÓD. 152 870 ORGANIZAÇÃO E GESTÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO 2013/2014 (Aprovado

Leia mais

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 28 de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O FUTURO - CAPITAL HUMANO PARA O CRESCIMENTO E O EMPREGO CONTRIBUTO DO POPH (ANOS 2013 E 2014)

Leia mais

GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL. (Ensino Politécnico)

GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL. (Ensino Politécnico) GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (Ensino Politécnico) Janeiro.2017 A1.1 Instituição de ensino superior A1.2 Entidade instituidora I A INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR A2

Leia mais

REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA

REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA A integração no espaço europeu de ensino superior das instituições académicas portuguesas trouxe consigo a necessidade de adoptar

Leia mais

CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO DE INGRESSO PARA ESTUDANTES INTERNACIONAIS

CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO DE INGRESSO PARA ESTUDANTES INTERNACIONAIS CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO DE INGRESSO PARA ESTUDANTES INTERNACIONAIS Podem candidatar-se a este concurso os estudantes internacionais. Para efeitos deste concurso, Estudante Internacional é o estudante

Leia mais