Uma abordagem de condução e avaliação para a disciplina de Tópicos Especiais em Sistemas de Informação com base em questões de múltipla escolha

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma abordagem de condução e avaliação para a disciplina de Tópicos Especiais em Sistemas de Informação com base em questões de múltipla escolha"

Transcrição

1 Uma abordagem de condução e avaliação para a disciplina de Tópicos Especiais em Sistemas de Informação com base em questões de múltipla escolha Marcelo Werneck Barbosa Departamento de Ciência da Computação PUC Minas Belo Horizonte, Brasil Lúcio Mauro Pereira Departamento de Ciência da Computação PUC Minas Belo Horizonte, Brasil Resumo É um desafio constante preparar melhor os alunos dos cursos de Sistemas de Informação para as exigências do mercado de trabalho e de processos avaliativos aos quais eles serão submetidos. Neste contexto, as instituições podem se organizar melhor para incluir em suas disciplinas e práticas avaliativas mecanismos que favoreçam a preparação destes alunos. Este trabalho apresenta uma abordagem de condução e avaliação para disciplinas de Tópicos Especiais ou optativas com base em avaliações por questões de múltipla escolha com vistas à melhor preparação dos alunos para futuras avaliações. A proposta já foi aplicada em três turmas com excelente aceitação e resultados. Keywords: Aspectos Metodológicos do Ensino de Computação, Processos de Avaliação na Educação Superior I. INTRODUCAO O profissional de informática tem a missão de solucionar problemas envolvendo tecnologia da informação (TI) e produzir conhecimento que leve à evolução dessa tecnologia em benefício da sociedade. A complexidade dos problemas que se apresentam ao cientista da computação tem aumentado continuamente em decorrência de estudos e desenvolvimento em outras áreas do conhecimento. Além disso, o desenvolvimento crescente do setor produtivo mostra uma tendência muito clara pelo uso de softwares cuja complexidade também é crescente, envolvendo a integração de diversas subáreas do conhecimento [1]. O profissional de TI deve estar preparado para assumir as atividades tanto do mercado de trabalho quanto da continuidade dos estudos no meio acadêmico. Esse cenário aponta para a necessidade de pesquisadores e profissionais na área de TI com elevado nível de competências. O processo ensino-aprendizagem precisa auxiliar que estudantes graduados em cursos de TI, particularmente em curso de Sistemas de Informação objeto de estudo deste trabalho, possuam as competências necessárias para resolver os problemas que lhes serão apresentados. Para verificar a adequação do processo de ensino frente às necessidades do mercado, é necessário algum instrumento de avaliação. Um exemplo de tal instrumento é o Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior (SINAES) [3] e o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE) [2]. O SINAES é formado por três componentes principais: a avaliação das instituições, dos cursos e do desempenho dos estudantes. O ENADE é a parte do SINAES que visa aferir o rendimento dos alunos dos cursos de graduação em relação aos conteúdos programáticos, suas habilidades e competências. Segundo [5], aproximadamente 85% dos cursos de Bacharelado em Sistemas de Informação são oferecidos por instituições privadas. Observa-se que, principalmente neste tipo de instituição, a maioria dos alunos busca uma ascensão no mercado de trabalho após a conclusão de seu curso. Sendo assim, os cursos precisam estar também focados no atendimento das demandas deste mercado. Este trabalho possui como objetivo apresentar uma proposta de mecanismo de revisão e avaliação de conteúdos assimilados em um curso de Sistemas de Informação totalmente baseado em questões de múltipla escolha. É intenção desta proposta preparar melhor os alunos prováveis formandos para o mercado de trabalho e mecanismos de avaliação que estarão sujeitos após sua formatura.. II. OS CURSOS DE SISTEMAS DE INFORMACAO Segundo uma definição clássica, Sistemas de Informação podem ser entendidos como uma combinação de recursos humanos e computacionais que se inter-relacionam para a coleta, o armazenamento, a recuperação, a distribuição e o uso de dados almejando a consecução de objetivos organizacionais (e.g. planejamento, controle, comunicação e tomada de decisão). O curso de Bacharelado em Sistemas de Informação (BSI), por sua vez, reúne aspectos da Tecnologia da Computação e da Administração e tem por objetivo

2 promover ao aluno a capacidade empreendedora e a capacidade de propor soluções tecnológicas para automatização de processos organizacionais, através da análise de cenários, aquisição, desenvolvimento e gerenciamento de serviços e recursos da tecnologia de informação, fornecendo apoio ao processo decisório e definição e implementação de novas estratégias organizacionais [6]. Vê-se que segundo essas definições o curso de BSI tem um perfil eminentemente interdisciplinar, com contribuições disciplinares marcantes das disciplinas Ciência da Computação e Administração. Baseando-se no Currículo de Referência para os Cursos de Computação e Informática da Sociedade Brasileira de Computação [6], as disciplinas do curso de Bacharelado em Sistemas de Informação (BSI) podem ser divididas em seis categorias específicas, discriminadas a seguir. a) Fundamentos da Computação: compreende o núcleo de matérias que envolvem a parte científica e as técnicas fundamentais à formação sólida dos egressos dos diversos cursos de computação. b) Tecnologia da Informação: compreende o núcleo que representa um conjunto de conhecimento agregado e consolidado que capacitam o aluno para a elaboração de solução de problemas nos diversos domínios de aplicação. c) Sistemas de Informação: compreende o núcleo de matérias que capacitam o aluno a utilizar os recursos de Tecnologia de Informação na solução de problemas de setores produtivos da sociedade. Essa categoria inclui as disciplinas: Gerência de projetos, Qualidade de Software, Fundamentos de SI, Teoria Geral dos Sistemas, Produtividade Pessoal com TI, Teoria e Prática dos SI, Avaliação de Sistemas, Gestão da Informação e SI, Auditoria e Segurança de SI, Trabalho Cooperativo apoiado por TI. d) Matemática: propicia a capacidade de abstração, de modelagem e de raciocínio lógico constituindo a base para várias matérias da área de Computação. e) Ciências da Natureza: desenvolvem no aluno a habilidade para aplicação do método científico. f) Contexto Social e Profissional: fornece o conhecimento sócio-cultural e organizacional, propiciando uma visão humanística das questões sociais e profissionais, em consonância com os princípios da ética em computação. A. A Disciplina de Tópicos Especiais No curso de Sistemas de Informação da PUC Minas, a disciplina de Tópicos Especiais é ofertada em fluxo contínuo pelo Instituto de Informática, com ementa em aberto e com o objetivo de abordar tópicos avançados e específicos da área de Sistemas de Informação. O tema a ser abordado deverá ser definido pelo Colegiado de cada curso, e deve atender às demandas regionais pertinentes para a formação do perfil do egresso [4]. III. A PROPOSTA DE TRABALHO PARA TÓPICOS ESPECIAIS A motivação para realização de uma nova proposta de condução para a disciplina de Tópicos Especiais nasceu de um desejo de preparar melhor os futuros egressos do curso para o mercado de trabalho e para possíveis exames a que eles irão se submeter. Nossa proposta é focada em um processo de avaliação de competências similar a processos seletivos e avaliativos que o aluno egresso irá enfrentar quando deixar a universidade. Todo o processo de avaliação é baseado em questões de múltipla escolha. Como boa parte do conteúdo programático do curso de Sistemas de Informação pertence ou está relacionada ao eixo de disciplinas de Engenharia de Software e como esta é uma área de interesse e dedicação de muitos dos alunos do curso, foi proposto rever, aplicar e praticar esses conceitos na disciplina. Pretende-se com esta forma de avaliação poder identificar as principais dificuldades dos estudantes em obter um nível de desempenho mais elevado em processos externos de avaliação, tais como ENADE, POSCOMP, concursos públicos, entre outros. Nestes termos, este processo de avaliação do desempenho dos estudantes na disciplina de Tópicos Especiais em Sistemas de Informação tem como objetivos: verificar se cada estudante desenvolveu de modo satisfatório as competências previstas ao longo do curso em disciplinas relacionadas especialmente ao eixo de Engenharia de Software; identificar os temas deste eixo nos quais os estudantes apresentaram maior dificuldade na aprendizagem a fim de orientar ações de reforço e recuperação; preparar o aluno para realizar diferentes tipos de avaliações externas à universidade às quais ele será submetido ao longo de sua vida estudantil e profissional; e orientar e estimular estudos individuais extra-classe com base nas referências bibliográficas da disciplina para promover a autonomia intelectual dos estudantes. Sendo assim, a disciplina foi conduzida tratando os conteúdos de acordo com a Tabela 1. Nesta tabela, pode-se observar o número de horas dispensadas a cada conteúdo bem como a fonte de base de preparação do material de aula e de avaliação dos mesmos. Pela grande disponibilidade de material de provas de concursos públicos, questões deste tipo foram usadas como revisão e prática dos conceitos vistos em sala e também como parte dos métodos de avaliação. Além disso, para praticar os conceitos trabalhados, também foram utilizadas questões de certificações profissionais como mostra a Tabela 1. Como existem apenas 2 provas anteriores do ENADE do curso de Sistemas de Informação, esse tipo de questão foi utilizado em menor escala. A Tabela 1 exibe ainda para quais temas trabalhados foram também exercitadas questões dos exames ENADE anteriores.

3 Conteúdo Gerência de Projetos Modelos de Maturidade Pontos de Função Tabela 1. Distribuição do conteúdo da disciplina Quantidade de horas Material de aula e avaliação baseado em Certificação Profissional Concursos Públicos ENADE? 8 Project Management Professional PMP 2010/2) 8 Prova de Introdução MPS.BR 2011/2) 6 IFPUG Function Point Specialist UML 8 IBM Analysis and Object Oriented RUP 6 IBM Rational Unified Process V7.0 Testes de Software Metodologias ágeis com XP e Scrum Gerência de Configuração Requisitos e casos de uso 4 Certified Test Foundation Level ISTQB 2011/2) IBM Requirements Management ITIL 4 ITIL Foundation V3 2011/2) Análise essencial com DFD Diagramas Entidade Relacionamento 4 4 A avaliação da disciplina é realizada por meio de provas, simulados e listas de exercícios. A distribuição de pontos entre estes métodos de avaliação segue o demonstrado na Tabela 2. Após trabalhar alguns conteúdos, os alunos recebem listas de exercícios para treinar os conceitos vistos em sala de aula. Os alunos fazem os exercícios em casa ou em sala de aula e os mesmos são corrigidos na aula seguinte. Os pontos da lista são atribuídos em sua totalidade para os alunos que entregam a lista feita, independente do número de acertos. Ao longo do semestre, são distribuídas várias listas de exercícios. Os simulados têm como objetivo preparar melhor o aluno para uma prova. Contêm basicamente questões de diversos concursos públicos sobre os temas trabalhados em sala. Os simulados são realizados em sala de aula e corrigidos para discussão na aula seguinte. A nota é atribuída de acordo com o número de acertos do aluno. No semestre, são aplicadas 3 provas, cobrindo de modo acumulativo o conteúdo visto em sala. As provas somam 60 pontos. As listas de exercícios e os simulados somam 20 pontos cada, conforme exibido na Tabela 2. Tabela 2. Métodos de Avaliação e Distribuição de Pontos Tipo de Avaliação Quantidade Pontos Distribuídos Provas 3 60 ulados 4 20 Listas de Exercícios Ao menos uma para cada tópico Na Tabela 3, pode-se observar que durante a disciplina é trabalhado um grande número de questões, proporicionando prática na resolução de questões de múltipla escolha para nossos alunos. Foram trabalhadas 35 questões de certificações profissionais, 258 questões de concursos públicos e 14 questões do exame ENADE na primeira oferta da disciplina com este enfoque. Na segunda oferta, mais questões foram incluídas como exercícios, chegando a 72 questões de simulados de certificações profissionais e 300 questões de concursos públicos. Na oferta mais recente, foram aplicadas 365 questões múltipla escolha de concursos, 109 de certificações profissionais e 20 questões do exame ENADE. Fontes Tabela 3. Fontes de Número de (2010/2) Número de ( 20 Número de (2011/2) Certificações Profissionais Concursos Públicos ENADE IV. O ESTUDO DE CASO Nesta seção, são apresentados e discutidos os resultados da nova proposta para a disciplina de Tópicos Especiais em Sistemas de Informação do curso de graduação de Bacharelado em Sistemas de Informação da PUC Minas. A disciplina tem sido conduzida com esta abordagem desde o segundo semestre de 2010 na unidade da cidade de Contagem.

4 A avaliação da disciplina foi realizada por meio de aplicação de questionário ao final do semestre. Todos os 28 alunos matriculados na disciplina na primeira oferta e os 21 da segunda e 21 da terceira responderam ao questionário e o entregaram ao professor. No total, 70 alunos participaram desta pesquisa. A seção seguinte apresenta os resultados deste questionário bem como sua análise. A. Resultados Os alunos foram questionados em relação à relevância dos temas trabalhados em sala de aula. Da lista total de temas trabalhados, foi solicitado aos alunos que escolhessem os três que consideram mais relevantes para sua formação. Na percepção deles, os temas considerados relevantes para mais de 30% da turma foram nesta ordem: Gerência de Projetos, UML e Bancos de Dados. A Figura 1 exibe os dados da percepção de relevância dos alunos para os temas trabalhos na disciplina. Figura 2. Temas sugeridos para a disciplina. Figura 1. Relevância dos temas trabalhados. Os alunos foram ainda questionados sobre alguns temas que gostariam que fossem tratados na disciplina e não foram. Neste caso, mesmo divergindo da proposta da disciplina de trabalhar temas relacionados à Engenharia de Software, foram incluídos no questionamento temas de diversas naturezas. O tema que a maioria dos alunos gostaria de incluir na disciplina foi Tecnologias Web. A Figura 2 mostra o resultado desta avaliação para os outros temas. A aprovação dos alunos em relação à nova abordagem da disciplina também foi questionada. Pode-se observar na Figura 3 que a grande maioria dos alunos aprovou a condução da disciplina bem como seus métodos de avaliação, pois acreditam que os conhecimentos revistos e aplicados na disciplina serão exigidos deles no mercado de trabalho. 27% dos alunos ainda consideram que a disciplina pode ser conduzida da mesma maneira, mas pode também abranger mais tópicos. Uma pequena parcela prefere a condução anterior trabalhando temas de tecnologia de ponta mais específicos e nenhum aluno desaprovou totalmente a condução da mesma. Figura 3. Avaliação da disciplina. Por ser uma experiência inovadora na universidade, a expectativa inicial dos alunos em relação à disciplina também foi avaliada. Como era esperado, mais da metade dos alunos esperava a abordagem de um tema técnico ou relacionado a tecnologias mais modernas. O restante admitiu ter outras expectativas ou mesmo nenhuma idéia sobre a disciplina. A Figura 4 exibe os resultados deste questionamento. Para corroborar os objetivos desta proposta e avaliar se ela está alinhada às pretensões dos nossos alunos como egressos, os mesmos foram questionados em relação aos exames que decidem se submeter após a obtenção do título. Pode-se ver pela Figura 5 que a grande maioria dos alunos deseja realizar alguma certificação profissional ou seguir a carreira pública. Uma pequena parte deseja se submeter ao exame Poscomp indicando um desejo menor, mas ainda expressivo, dos alunos pela área acadêmica e continuação dos estudos em um curso de pós graduação.

5 Figura 6. Evolução das notas dos simulados Figura 4. Expectativas em relação à disciplina. Figura 7. Evolução das notas das provas Figura 5. Exames pretendidos após obtenção do título. B. Acompanhamento da evolucao dos alunos Foi objetivo deste trabalho também acompanhar a evolução dos alunos ao longo do semestre para verificar se a abordagem de avaliação contínua dos conteúdos vista proporcionava melhor aprendizado dos conteúdos com o tempo. Por ser uma disciplina com métodos de avaliação diferenciados, é importante verificar se o método contribuiu para o aprendizado dos alunos. Pode-se ver pelas Figuras 6 e 7, que mostram a evolução das notas obtidas em simulados e provas respectivamente, que os alunos melhoraram seu desempenho nas avaliações ao longo do semestre. Através da abordagem de continuamente trabalhar e avaliar os conteúdos já vistos, os alunos conseguiram assimilar melhor os temas vistos. O comportamento dos gráficos mostra uma ascensão até a última avaliação. Tal ascensão pode ser explicada pelo fato de os alunos, ao final do semestre, estarem preocupados e envolvidos também com outras atividades docentes, possivelmente fazendo com que eles dedicassem menos tempo e esforço à disciplina de Tópicos Especiais. V. AÇÕES EM IMPLANTAÇÃO Na última oferta de 2011/02, foram realizadas já algumas mudanças na condução da disciplina observando o resultado dos questionários aplicados com as turmas anteriores. Podemse destacar as seguintes ações: Realização de um quiz em sala de aula com os alunos. Estes foram divididos em grupos que deveriam juntos responder a perguntas aleatórias sobre os temas trabalhados em sala de aula. O objetivo era simular um jogo de perguntas e respostas comum nas emissoras de TV. Foi utilizado o software QuestionWriter para apresentar as perguntas e o grupo tinha que apresentar a melhor opção de resposta. Os grupos eram bonificados ou penalizados com pontos no jogo. A recepção dos alunos a esta atividade lúdica foi muito boa. Foram aplicadas listas de exercícios com questões de concursos públicos dos temas Redes de Computadores e Algoritmos e Estruturas de Dados de acordo com solicitação dos alunos. Como os temas não fazem parte do objetivo da disciplina, os mesmos não foram trabalhados em sala, mas os alunos receberão questões extras para estudarem sozinhos. Foi aplicada uma lista com questões de versões recentes do exame Poscomp de acordo com desejo de alguns alunos.

6 VI. CONCLUSOES E TRABALHOS FUTUROS Este trabalho teve como objetivo propor e avaliar um mecanismo de revisão e avaliação de conteúdos relacionados ao eixo de Engenharia de Software em um curso de Sistemas de Informação da PUC Minas. Este mecanismo foi implantado na disciplina de Tópicos Especiais em Sistemas de Informação. A disciplina foi executada em três semestres completos e está em seu quarto semestre. A avaliação do alcance dos objetivos deste trabalho foi realizada pela análise das notas obtidas pelos alunos ao longo do curso bem como de questionário aplicado ao final do semestre. Pode-se perceber que o desempenho dos alunos nos tipos e temas de questões abordados melhorou ao longo do semestre, sendo isto um indício que o aprendizado dos mesmos aumentou durante o período. Observou-se ainda que a forma de condução e avaliação da disciplina foi muito bem recebida pelos alunos, sendo que 98,5% deles recomendaria a disciplina para um colega de curso. Os alunos da última oferta foram questionados se o foco em disciplinas de múltipla escolha e extensa prática deste tipo de questões proporciona aumento do seu aprendizado. A totalidade dos alunos concordou com esta afirmativa. Como trabalhos futuros, pretende-se aumentar o número de questões de provas passadas do POSCOMP para atender melhor aos alunos que desejam seguir carreira acadêmica. Pretende-se ainda avaliar como outros cursos de Sistemas de Informação no Brasil conduzem disciplinas optativas ou de tópicos especiais para identificar possíveis melhorias em nossa disciplina. É nosso desejo ainda acompanhar os alunos após sua formatura para conhecer seu desempenho em exames realizados após a universidade. VII. REFERENCIAS [1] Freitas, C.O.A; Scalabrin, E.; Martins, V. (2010) Uma Proposta de Processo Contínuo de Avaliação para Cursos de Ciência da Computação. XVIII Workshop de Educação em Informática (WEI) XXX Congresso da Sociedade Brasileira de Computação. Belo Horizonte Minas Gerais, [2] ENADE - Ministério da Educação. ENADE. ontent&view=article, Agosto, [3] Sinaes. Ministério da Educação. Sinaes, ew=article, Agosto, [4] Projeto Pedagógico. Projeto Pedagógico Curso Sistemas de Informação PUC Minas, Fevereiro de [5] Pereira, L. Z.; Albuquerque, J. P.; Coelho, F. S. Uma Análise da Oferta e Abordagem Curricular dos Cursos de Bacharelado em Sistemas de Informação no Brasil. Workshop de Educação em Informática (WEI) Congresso da Sociedade Brasileira de Computação, [6] Sociedade Brasileira de Computação. (2003) Currículo de Referência da Sociedade Brasileira de Computação para cursos de Graduação em Ciência da Computação e Informática versão 2003.

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008.

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. Título: Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Turno: Noturno

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MISSÃO DO CURSO A concepção do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas está alinhada a essas novas demandas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: SISTEMAS DA INFORMAÇÃO MISSÃO DO CURSO Os avanços da ciência, a melhoria dos processos produtivos e a abertura de mercado, são exemplos de fatores que contribuíram

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

Portaria Inep nº 190 de 12 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 13 de julho de 2011, Seção 1, pág. 13

Portaria Inep nº 190 de 12 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 13 de julho de 2011, Seção 1, pág. 13 Portaria Inep nº 190 de 12 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 13 de julho de 2011, Seção 1, pág. 13 A Presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Escola de Ciências e Tecnologia. Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia. Introdução.

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Escola de Ciências e Tecnologia. Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia. Introdução. Universidade Federal do Rio Grande do Norte Escola de Ciências e Tecnologia Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia (Rascunho) Introdução O Bacharelado em Ciências e Tecnologia (BCT), da Universidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação 1. Apresentação As atividades complementares são consideradas parte integrante do Currículo do Curso de Bacharelado em Ciência da

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012 FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

Perfil do egresso dos cursos de computação da UFS no mercado de trabalho

Perfil do egresso dos cursos de computação da UFS no mercado de trabalho Perfil do egresso dos cursos de computação da UFS no mercado de trabalho SEMINFO/UFS/ITA 2012 Leonardo Nogueira Matos Outubro de 2012 Leonardo Nogueira Matos (DCOMP/UFS) Perfil do egresso dos cursos de

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da Faculdade

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2015 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos EE: Arlindo Bittencourt Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação

Leia mais

GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS

GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Apresentação: Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências de

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnólogo em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO

Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO Área Profissional: INDÚSTRIA Qualificação

Leia mais

REGULAMENTO DO SEMINÁRIO DE INTERDISCIPLINARIDADE DO CÁLCULO -SINCAL

REGULAMENTO DO SEMINÁRIO DE INTERDISCIPLINARIDADE DO CÁLCULO -SINCAL REGULAMENTO DO SEMINÁRIO DE INTERDISCIPLINARIDADE DO CÁLCULO -SINCAL A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando que

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

MBA EM ENGENHARIA DE SOFTWARE ORIENTADA A SERVIÇOS (SOA)

MBA EM ENGENHARIA DE SOFTWARE ORIENTADA A SERVIÇOS (SOA) MBA EM ENGENHARIA DE SOFTWARE ORIENTADA A SERVIÇOS (SOA) Você trabalha ou quer trabalhar em um mercado altamente competitivo que demanda inovação, flexibilidade e alta velocidade de resposta para novas

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

Plano de Ensino. DIRETOR(A) GERAL DO CAMPUS: Ana Rita Kraemmer da Fontoura DIRETOR (A) DE ENSINO: Alessandro Bazzan DOCENTE(A): Gustavo Griebler

Plano de Ensino. DIRETOR(A) GERAL DO CAMPUS: Ana Rita Kraemmer da Fontoura DIRETOR (A) DE ENSINO: Alessandro Bazzan DOCENTE(A): Gustavo Griebler Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnólogo em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Síntese do Projeto Pedagógico do curso Objetivos do curso Objetivo Geral O curso em Análise e Desenvolvimento de Sistemas da ESADE,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO Departamento: Disciplina: Pré-Requisitos: I D E N T I F I C A Ç Ã O Sistemas de Informação Engenharia de Software Aplicada (ESA) Engenharia de Software (ES) CH: 7 Curso: Bacharelado em Sistemas de Informação

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS Versão 1 2010 A SIX SIGMA BRASIL apresenta a seguir seu portfolio de capacitação e consultoria de serviços de gerenciamento de projetos, processos (lean e seis sigma)

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Art. 1º. O presente regulamento institui sobre as Atividades Complementares que têm em mira a flexibilidade curricular e o aprimoramento cultural e intelectual

Leia mais

CÂMPUS CAMPOS BELOS. Divulgação do edital 31 de março de 2015

CÂMPUS CAMPOS BELOS. Divulgação do edital 31 de março de 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO EDITAL N 007, DE 31 DE MARÇO 2015 SELEÇÃO INTERNA

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS www.tecnologiadeprojetos.com.br Diretoria de Acompanhamento e Avaliação de Projetos da Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais DAPE/SEE-MG RELATÓRIO DE PESQUISA 1 : CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA

Leia mais

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária Apresentação Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária A Vice-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pósgraduação da Universidad Arturo Prat del Estado de Chile, ciente da importância dos estudos

Leia mais

Proposta ITIL V3 HAND S ON. Apresentação Executiva. ITIL V3 Hand s ON

Proposta ITIL V3 HAND S ON. Apresentação Executiva. ITIL V3 Hand s ON ITIL V3 HAND S ON Apresentação Executiva 1 Os treinamentos de ITIL Hand s On, abordam os processos da gestão de serviços de TI do ITIL v3 e são recomendados e necessários, para quem quer ser tornar um

Leia mais

Aula 0. Agenda 04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computares. Disciplina: Gestão de Projeto de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan

Aula 0. Agenda 04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computares. Disciplina: Gestão de Projeto de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computares Disciplina: Gestão de Projeto de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Aula 0 Agenda Regras A disciplina Apresentações 2 Apresentações Da

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM REDES DE COMPUTADORES. RECONHECIDO conforme PORTARIA n 64, de 04 de Fevereiro de 2011.

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM REDES DE COMPUTADORES. RECONHECIDO conforme PORTARIA n 64, de 04 de Fevereiro de 2011. CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM REDES DE COMPUTADORES RECONHECIDO conforme PORTARIA n 64, de 04 de Fevereiro de 2011. Título: Tecnólogo em Redes de Computadores Turno: Noturno Carga horária total: 2.000

Leia mais

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores;

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores; CENTRO DE ENSINO SUPERIOR FABRA MANTENEDOR DA ESCOLA DE ENSINO SUPERIOR FABRA Cred. Pela Portaria Ministerial nº 2787 de 12/12/2001 D.O.U. 17/12/2001 Rua Pouso Alegre, nº 49 Barcelona Serra/ES CEP 29166-160

Leia mais

Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3.

Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3. Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3. Dentro do enfoque geral em conhecer e discutir os fundamentos, conceitos e as definições de Governança de TI - Tecnologia da Informação, bem como

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO Departamento: Disciplina: Pré-Requisitos: - I D E N T I F I C A Ç Ã O Sistemas de Informação Gerência de Projetos (GEP) CH: 72 h/a Curso: Bacharelado em Sistemas de Informação Semestre: 2011/1 Fase: 8ª

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

PLANO DE ENSINO. CURSO: Sistemas de Informação PERÍODO LETIVO: 2009-1 SEMESTRE: 4º. C/H SEMANAL Análise, Projeto e Implementação de Sistemas I

PLANO DE ENSINO. CURSO: Sistemas de Informação PERÍODO LETIVO: 2009-1 SEMESTRE: 4º. C/H SEMANAL Análise, Projeto e Implementação de Sistemas I 1 PLANO DE ENSINO CURSO: Sistemas de Informação PERÍODO LETIVO: 2009-1 SEMESTRE: 4º CÓDIGO DISCIPLINA HORÁRIO C/H SEMESTRAL C/H SEMANAL Análise, Projeto e Implementação de Sistemas I 3CD-4AB 80h 04h PROFESSOR(A):

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 2 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Engenharia de Software no Curso de Ciência da Computação

Engenharia de Software no Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software no Curso de Ciência da Vera Maria B. Werneck; Rosa Maria E. M. da Costa; Maria Clicia Stelling de Castro; Alexandre Sztajnberg; Paulo Eustáquio D. Pinto; Roseli S.Wedemann Departamento

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

A disciplina de Gestão do Conhecimento no currículo do Curso de Biblioteconomia: a experiência da UFRGS/BRASIL.

A disciplina de Gestão do Conhecimento no currículo do Curso de Biblioteconomia: a experiência da UFRGS/BRASIL. A disciplina de Gestão do Conhecimento no currículo do Curso de Biblioteconomia: a experiência da UFRGS/BRASIL. Profa. Maria do Rocio F. Teixeira DCI/FABICO/UFRGS IX Encuentro de Directores y VIII de Docentes

Leia mais

METODOLOGIA / RECURSOS

METODOLOGIA / RECURSOS CURSO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À COMPUTACAO E A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR: GILDÁCIO JOSÉ DE ALMEIDA SÁ SEMESTRE/ANO: 2012.1 TURMA: NOITE CARGA HORÁRIA: 80 HORAS/AULAS OBJETIVOS:

Leia mais

UMA EXPERIENCIA NO ENSINO DE PROGRAMAÇÃO PARA CURSOS DE ENGENHARIA

UMA EXPERIENCIA NO ENSINO DE PROGRAMAÇÃO PARA CURSOS DE ENGENHARIA UMA EXPERIENCIA NO ENSINO DE PROGRAMAÇÃO PARA CURSOS DE ENGENHARIA Sahudy Montenegro González (UENF) sahudy@uenf.br Annabell del Real Tamariz (UENF) annabell@uenf.br O ensino de programação está regularmente

Leia mais

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação Comissão de Curso e NDE do BCC Fevereiro de 2015 Situação Legal do Curso Criação: Resolução CONSU no. 43, de 04/07/2007. Autorização: Portaria

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

PROJETO INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO

PROJETO INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO PROJETO INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO Belo Horizonte, março de 2013. PROJETO INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO 1. Introdução No âmbito da Educação Superior, entendemos como princípio básico que é preciso propiciar

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

CATÁLOGO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CATÁLOGO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação Nome da Mantida: Centro

Leia mais

ANEXO I - EDITAL Nº 15/2015 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA

ANEXO I - EDITAL Nº 15/2015 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROCESSO SELETIVO DO 2º SEMESTRE 205 ANEXO I - EDITAL Nº 5/205 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA

RELATO DE EXPERIÊNCIA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA Instituição/Escola: Centro Estadual de Educação Básica Para Jovens e Adultos de Toledo Nome do Autor: Jaqueline Bonetti Rubini Coautor: Nilton Sérgio Rech E-mail para contato: jaquelinebonetti@hotmail.com

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM. Coerência do sistema de avaliação

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM. Coerência do sistema de avaliação SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM Coerência do sistema de avaliação Os instrumentos de avaliação, como provas, trabalhos, resolução de problemas, de casos, além das manifestações espontâneas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR Minuta de Projeto de Resolução para audiência pública de 11/12/2015 Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Educação

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

Curso Fundamentos de Gerenciamento de Serviços de TI baseado no ITIL V3

Curso Fundamentos de Gerenciamento de Serviços de TI baseado no ITIL V3 Curso Fundamentos de Gerenciamento de Serviços de TI baseado no ITIL V3 Todos nossos cursos são preparados por profissionais certificados e reconhecidos no mercado de Gerenciamento de Serviços de TI. Os

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com.

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com. A pós-graduação é fundamental para manter-se bem colocado no mercado de trabalho e para aperfeiçoar competências profissionais. Além de enriquecer o currículo, este tipo de especialização ajuda a melhorar

Leia mais

PMO - Project Management Office (Escritório de Projetos) 16 horas

PMO - Project Management Office (Escritório de Projetos) 16 horas PMO - Project Management Office (Escritório de Projetos) 16 horas As organizações precisam mudar de um enfoque funcional para um enfoque orientado a projetos, o que demanda mudanças na estrutura organizacional

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Odontologia RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

PMO (Project Management Office) - Implantação de Escritório de Projetos

PMO (Project Management Office) - Implantação de Escritório de Projetos PMO (Project Management Office) - Implantação de Escritório de Projetos Orientações para o Projeto, Implantação, Gerenciamento e Avaliação de Maturidade do Escritório de Projetos Objetivo O que leva as

Leia mais

Um mundo de formas do concreto ao abstrato

Um mundo de formas do concreto ao abstrato Um mundo de formas do concreto ao abstrato Orientadora: Marcela dos Santos Nunes Matrícula SIAPE: 1673276 Orientado: Bruno da Silva Santos Matrícula UFF: 007705/06 Palavras-chave: Geometria, modelagem,

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares ABEPRO Associação Brasileira de Engenharia de Produção DOCUMENTO NÃO CONCLUÍDO Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares Documento elaborado nas reuniões do grupo de trabalho de graduação

Leia mais

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 1. Apresentação A RiSE Reuse in Software Engineering e o Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), com o apoio do CNPq

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Plano de Ensino PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios CURSO: Bacharelado em Administração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x ) bacharelado (

Leia mais