ÓRGÃO: PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÓRGÃO: PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA"

Transcrição

1 ÓRGÃO: PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Programa: CAPTAÇÃO E DIFUSÃO DE NOTÍCIAS Objetivo: Divulgar material jornalístico sobre os atos governamentais nos campos social, político, econômico, educativo, cultural, científico, entretenimento e de utilidade pública Público Alvo: Governo, população brasileira e usuários no exterior Unidade Responsável: Gabinete do Presidente da República Tipo: Finalístico Horizonte Temporal: Contínuo Indicador Unidade Medida Índice Referência Apurado em Índice final PPA MATÉRIAS JORNALÍSTICAS DISTRIBUÍDAS Unidade ,0 10/2/ ,0 Dados Financeiros R$ Fiscal/Seguridade Tipo/Ação/Produto/Unidade de Medida A COBERTURA JORNALÍSTICA DO GOVERNO FEDERAL R$ materia jornalistica distribuida unidade , ,0 0, ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física , ,0 0, ,0 A DIFUSÃO DE INFORMAÇÕES POR MEIO DA NBR - TV BRASIL R$ ENCERRADA (CANAL FECHADO) hora veiculada unidade 6.494,0 0,0 0,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 6.494,0 0,0 0,0 A DIFUSÃO DE INFORMAÇÕES POR MEIO DE SISTEMA DE RÁDIO R$ ENCERRADA hora veiculada unidade ,0 0,0 0,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física ,0 0,0 0,0 A DIFUSÃO DE INFORMAÇÕES POR MEIO DE SISTEMA DE TV (CANAL R$ ENCERRADA ABERTO) hora veiculada unidade 6.403,0 0,0 0,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 6.403,0 0,0 0,0 A MANUTENÇÃO DO CONTRATO DE GESTÃO COM A ASSOCIAÇÃO DE R$ COMUNICAÇÃO EDUCATIVA ROQUETTE PINTO contrato mantido unidade 1,0 1,0 2,0 4,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 1,0 1,0 2,0 4,0 Programa: CARTA DE CRÉDITO Objetivo: Ampliar o acesso à moradia e melhorar a qualidade das habitações da população urbana Público Alvo: Pessoas que necessitem construir, adquirir ou melhorar residências para moradia própria e que satisfaçam os requisitos da fonte de financiamento pretendida Unidade Responsável: Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Tipo: Finalístico Horizonte Temporal: Contínuo Indicador Unidade Medida Índice Referência Apurado em Índice final PPA

2 ATENDIMENTO A FAMÍLIAS COM RENDA DE ATÉ 5 SALÁRIOS MÍNIMOS Percentagem em apuração 31/12/2001 em apuração FINANCIAMENTO PARA CONSTRUÇÃO E AQUISIÇÃO DE NOVAS UNIDADES Percentagem em apuração 31/12/2001 em apuração RESIDENCIAIS FINANCIAMENTOS PARA MELHORIA DE HABITAÇÕES Percentagem em apuração 31/12/2001 em apuração Dados Financeiros R$ Fiscal/Seguridade Não Orçamentária Tipo/Ação/Produto/Unidade de Medida N CARTA DE CRÉDITO A PESSOAS FÍSICAS PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL R$ NOVO OU USADO imóvel adquirido unidade , , , ,0 Não Orçamentária R$ ,8891 Meta Física 5.777, , , ,0 Não Orçamentária R$ ,0002 0,0 Não Orçamentária R$ ,274 Meta Física , , , ,0 Não Orçamentária R$ ,4904 Meta Física 1.088, , , ,0 Não Orçamentária R$ ,8552 Meta Física , , , ,0 Não Orçamentária R$ ,492 Meta Física , , , ,0 N CARTA DE CRÉDITO A PESSOAS FÍSICAS PARA CONSTRUÇÃO EM R$ TERRENO PRÓPRIO habitação construída unidade , , , ,0 Não Orçamentária R$ ,6406 Meta Física 9.843, ,0 584, ,0 Não Orçamentária R$ ,0002 0,0 Não Orçamentária R$ ,8592 Meta Física , , , ,0 Não Orçamentária R$ ,3987 Meta Física 6.100, , , ,0 Não Orçamentária R$ ,8043 Meta Física 5.158, , , ,0 Não Orçamentária R$ ,2977 Meta Física 6.385, , , ,0

3 N CARTA DE CRÉDITO A PESSOAS FÍSICAS PARA REFORMA DE UNIDADE R$ HABITACIONAL unidade habitacional reformada unidade , , , ,0 Não Orçamentária R$ ,2936 Meta Física , , , ,0 Não Orçamentária R$ ,0002 0,0 Não Orçamentária R$ ,1312 Meta Física , , , ,0 Não Orçamentária R$ ,9664 Meta Física 3.524, , , ,0 Não Orçamentária R$ ,2871 Meta Física , , , ,0 Não Orçamentária R$ ,3223 Meta Física , , , ,0 N CARTA DE CRÉDITO ASSOCIATIVA R$ pessoa financiada unidade ,0 20,0 0, ,0 Não Orçamentária R$ Meta Física ,0 20,0 0, ,0 N FINANCIAMENTO A PESSOAS JURÍDICAS PARA CONSTRUÇÃO DE R$ MORADIAS unidade habitacional construída unidade 0, , , ,0 Não Orçamentária R$ Meta Física 0, , , ,0 E SUBSÍDIO À HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL (MP Nº 2.212, DE 2001) R$ Fiscal/Seguridade R$ ,0 Programa: COMUNIDADE ATIVA Objetivo: Promover o desenvolvimento social por meio da indução ao desenvolvimento local integrado e sustentável, articulando ações de governo e celebrando parcerias com a sociedade civil Público Alvo: População residente nos municípios com até 50 mil habitantes, com Índices de Desenvolvimento Humano inferiores aos Índices de Desenvolvimento Humano Regionais e que apresentem potencial para alavancarem o seu próprio desenvolvimento Unidade Responsável: Gabinete do Presidente da República Tipo: Finalístico Horizonte Temporal: Contínuo Indicador Unidade Medida Índice Referência Apurado em Índice final PPA TAXA DE IMPLANTAÇÃO DE AGENDAS LOCAIS Percentagem 0,0 1/1/ ,0 Dados Financeiros R$ Fiscal/Seguridade Não Orçamentária

4 Tipo/Ação/Produto/Unidade de Medida P AÇÕES SOCIAIS E COMUNITÁRIAS PARA POPULAÇÕES CARENTES R$ pessoa beneficiada unidade 0, , , ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 160, , ,0 Fiscal/Seguridade R$ ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0, , , ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 0, , ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 100, , ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 300, , ,0 A APOIO A PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL INTEGRADO R$ ENCERRADA projeto apoiado unidade 0,0 0,0 0,0 Meta Física Meta Física Meta Física Meta Física A APOIO A PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL INTEGRADO E R$ SUSTENTÁVEL projeto apoiado unidade 2,0 10,0 376,0 388,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 0,0 24,0 24,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 2,0 10,0 64,0 76,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 0,0 24,0 24,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 0,0 98,0 98,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 0,0 166,0 166,0

5 A APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS INOVADORES R$ projeto apoiado unidade 8,0 6,0 6,0 20,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 8,0 6,0 6,0 20,0 Fiscal/Seguridade R$ ,0 A AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO LOCAL INTEGRADO E R$ SUSTENTÁVEL NOS MUNICÍPIOS-ALVO avaliacao realizada unidade 0,0 1,0 0,0 1,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 1,0 0,0 1,0 P CAPACITAÇÃO DE GESTORES LOCAIS NOS MUNICÍPIOS - ALVO R$ ENCERRADA profissional capacitado unidade 9.000,0 0,0 0,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 9.000,0 0,0 0,0 P CAPACITAÇÃO DE GESTORES LOCAIS NOS MUNICÍPIOS-ALVO R$ profissional capacitado unidade 0, , , ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0, , , ,0 P CAPACITAÇÃO DE TÉCNICOS MULTIPLICADORES, DIRETORES DE R$ ENCERRADA LABORATÓRIOS ORGANIZACIONAIS E EMPREENDEDORES profissional capacitado unidade 94,0 0,0 0,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 94,0 0,0 0,0 Fiscal/Seguridade R$ P ESTUDO SÓCIO-ECONÔMICO PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA R$ ENCERRADA estudo realizado unidade 0,0 0,0 0,0 Fiscal/Seguridade R$ P PESQUISA DE QUALIDADE DE VIDA R$ ENCERRADA - - 0,0 0,0 0,0 P PESQUISA DE QUALIDADE DE VIDA R$ ENCERRADA - - 0,0 0,0 0,0 Fiscal/Seguridade R$

6 Programa: DEFESA JURÍDICA DA UNIÃO Objetivo: Representar a União judicial e extrajudicialmente e interpretar atos normativos, unificando a jurisprudência no âmbito do Poder Executivo Público Alvo: União Unidade Responsável: Advocacia-Geral da União Tipo: Finalístico Horizonte Temporal: Contínuo Indicador Unidade Medida Índice Referência Apurado em Índice final PPA TAXA DE ANÁLISE DE PROCESSOS JUDICIAIS PELA AGU Percentagem em apuração 1/1/1998 em apuração TAXA DE SUCESSO DA ATUAÇÃO DA AGU Percentagem em apuração 1/1/1998 em apuração Dados Financeiros R$ Fiscal/Seguridade Tipo/Ação/Produto/Unidade de Medida P CONSTRUÇÃO DA ESCOLA SUPERIOR DA ADVOCACIA DE ESTADO R$ Fiscal/Seguridade R$ ,0 A CONTORIA E ASSESSORAMENTO JURÍDICO AO PODER EXECUTIVO R$ documento produzido unidade 4.845, ,0 803, ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 4.845, ,0 803, ,0 A CORREIÇÕES NOS ÓRGÃOS JURÍDICOS DA AGU E VINCULADOS R$ correicao realizada unidade 182,0 155,0 221,0 558,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 182,0 155,0 221,0 558,0 P IMPLANTAÇÃO DE CENTROS DE ESTUDOS R$ ENCERRADA centro de estudos implantado % de execução física 0,0 0,0 0,0 P IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE INFORMAÇÕES JURÍDICAS R$ sistema implantado % de execucao 68,0 12,0 16,0 96,0 fisica Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 68,0 12,0 16,0 96,0 A REPRESENTAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL DA UNIÃO R$ processo judicial analisado unidade , ,0 0, ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física , ,0 0, ,0 Programa: DIVULGAÇÃO DOS ATOS OFICIAIS Objetivo: Garantir a publicidade de atos oficiais Público Alvo: Sociedade brasileira Unidade Responsável: Gabinete do Presidente da República

7 Tipo: Finalístico Horizonte Temporal: Contínuo Indicador Unidade Medida Índice Referência Apurado em Índice final PPA TAXA DE DIVULGAÇÃO DO DIÁRIO OFICIAL POR MEIO ELETRÔNICO Percentagem 30,0 1/8/ ,0 TAXA DE RECLAMAÇÃO DE ASSINANTES DO DIÁRIO OFICIAL Percentagem 3,0 1/8/1999 0,0 Dados Financeiros R$ Fiscal/Seguridade Tipo/Ação/Produto/Unidade de Medida P CAPACITAÇÃO DE PESSOAL PARA A EDITORAÇÃO ELETRÔNICA R$ servidor capacitado unidade 0,0 0,0 971,0 971,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 0,0 971,0 971,0 A DIVULGAÇÃO ELETRÔNICA E DISTRIBUIÇÃO DE PUBLICAÇÕES R$ OFICIAIS publicacao veiculada unidade , ,0 0, ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física ,0 0,0 0, ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física , ,0 0, ,0 A EDIÇÃO E PRODUÇÃO DE PUBLICAÇÕES OFICIAIS R$ exemplar produzido unidade , , , ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física ,0 0, , ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0, ,0 0, ,0 P INFORMATIZAÇÃO DO PROCESSO EDITORIAL R$ ENCERRADA rede informatizada % de execução física 52,0 0,0 0,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 52,0 0,0 0,0 Fiscal/Seguridade R$ A MANUTENÇÃO DO PARQUE GRÁFICO R$ parque mantido unidade 2,0 1,0 2,0 5,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 2,0 0,0 2,0 4,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 1,0 0,0 1,0 P MODERNIZAÇÃO DO PARQUE GRÁFICO R$ parque grafico atualizado unidade 6,0 5,0 10,0 21,0 Fiscal/Seguridade R$

8 Programa: GESTÃO DA POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DE GOVERNO Objetivo: Divulgar as políticas públicas e os programas do Governo Público Alvo: Sociedade Unidade Responsável: Secretaria de Estado de Comunicação de Governo Tipo: Gestão de Políticas Públicas Horizonte Temporal: Contínuo Tipo/Ação/Produto/Unidade de Medida Meta Física 6,0 0,0 10,0 16,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 5,0 0,0 5,0 Dados Financeiros R$ Fiscal/Seguridade A COMUNICAÇÃO DE GOVERNO R$ Fiscal/Seguridade R$ ,0 A COMUNICAÇÃO DE GOVERNO R$ Fiscal/Seguridade R$ ,0 A COMUNICAÇÃO DE GOVERNO R$ Fiscal/Seguridade R$ ,0 A COMUNICAÇÃO DE GOVERNO R$ Fiscal/Seguridade R$ ,0 A COMUNICAÇÃO DE GOVERNO R$ Fiscal/Seguridade R$ ,0 A COMUNICAÇÃO DE GOVERNO R$ Fiscal/Seguridade R$ ,0 A COMUNICAÇÃO DE GOVERNO R$ Fiscal/Seguridade R$ ,0 A COMUNICAÇÃO DE GOVERNO R$

9 Fiscal/Seguridade R$ ,0 A COMUNICAÇÃO DE GOVERNO R$ Fiscal/Seguridade R$ ,0 A COMUNICAÇÃO DE GOVERNO R$ Fiscal/Seguridade R$ ,0 A COMUNICAÇÃO DE GOVERNO R$ Fiscal/Seguridade R$ ,0 A COMUNICAÇÃO DE GOVERNO R$ Fiscal/Seguridade R$ ,0 Fiscal/Seguridade R$ ,0 A COMUNICAÇÃO DE GOVERNO R$ Fiscal/Seguridade R$ ,0 A COMUNICAÇÃO DE GOVERNO R$ Fiscal/Seguridade R$ ,0 A COMUNICAÇÃO DE GOVERNO R$ Fiscal/Seguridade R$ ,0 A COMUNICAÇÃO DE GOVERNO R$ Fiscal/Seguridade R$ ,0 A COMUNICAÇÃO DE GOVERNO R$ Fiscal/Seguridade R$ ,0 A COMUNICAÇÃO DE GOVERNO R$

10 Fiscal/Seguridade R$ ,0 A COMUNICAÇÃO DE GOVERNO R$ Fiscal/Seguridade R$ ,0 A COMUNICAÇÃO DE GOVERNO R$ Fiscal/Seguridade R$ ,0 Programa: GESTÃO DA POLÍTICA DE CONTROLE INTERNO DO PODER EXECUTIVO FEDERAL Objetivo: Aumentar a eficiência e a eficácia na aplicação de recursos públicos pelo Poder Executivo Federal e zelar pela regularidade da gestão dos administradores públicos federais Público Alvo: Governo Federal Unidade Responsável: Controladoria-Geral da União Tipo: Gestão de Políticas Públicas Horizonte Temporal: Contínuo Tipo/Ação/Produto/Unidade de Medida Dados Financeiros R$ Fiscal/Seguridade A AVALIAÇÃO DA EXECUÇÃO DAS AÇÕES INTEGRANTES DE R$ PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS acao avaliada unidade , , , ,0 Meta Física 0,0 0, , ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física , , , ,0 Meta Física 0,0 0, , ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 0, , ,0 Meta Física 0,0 0, , ,0 Meta Física 0,0 0, , ,0 A AVALIAÇÃO DA GESTÃO DOS ADMINISTRADORES PÚBLICOS FEDERAIS R$ gestao avaliada unidade 1.307, , , ,0 Meta Física 0,0 0,0 384,0 384,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 1.307, , , ,0

11 Meta Física 0,0 0,0 242,0 242,0 Meta Física 0,0 0,0 162,0 162,0 Meta Física 0,0 0,0 310,0 310,0 Meta Física 0,0 0,0 125,0 125,0 A SISTEMA INFORMATIZADO DA SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE R$ sistema mantido unidade 1,0 1,0 4,0 6,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 1,0 1,0 4,0 6,0 Programa: GESTÃO DA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO URBANO Objetivo: Apoiar o planejamento, avaliação e controle dos programas na área do desenvolvimento urbano Público Alvo: Governo Unidade Responsável: Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Tipo: Gestão de Políticas Públicas Horizonte Temporal: Contínuo Tipo/Ação/Produto/Unidade de Medida Dados Financeiros R$ Fiscal/Seguridade Não Orçamentária A ESTUDOS E PESQUISAS PARA A FORMULAÇÃO E ACOMPANHAMENTO R$ DA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO URBANO. estudo realizado unidade 0,0 10,0 5,0 15,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 10,0 5,0 15,0 P ESTUDOS PARA REVITALIZAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA DE CENTROS R$ URBANOS EM CAPITAIS centro revitalizado unidade Não Apurado 1,0 Não Apurado 28,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 0,0 1,0 1,0 Fiscal/Seguridade R$ Não Orçamentária R$ Meta Física Não Apurado 1,0 Não Apurado 20,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 0,0 3,0 3,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 0,0 1,0 1,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 0,0 1,0 1,0

12 P IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E PROJETOS - SMAPP sistema implantado P IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE INFORMAÇÕES URBANAS - SNIU sistema implantado Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 0,0 2,0 2,0 R$ % de execucao Não Apurado 30,0 Não Apurado 100,0 fisica Fiscal/Seguridade R$ Não Orçamentária R$ Meta Física Não Apurado 30,0 Não Apurado 100,0 R$ % de execucao fisica Não Apurado 35,0 Não Apurado 100,0 Fiscal/Seguridade R$ Não Orçamentária R$ Meta Física Não Apurado 35,0 Não Apurado 100,0 A LEVANTAMENTOS DE INFORMAÇÕES PARA GESTÃO TERRITORIAL R$ mapa tematico elaborado unidade Não Apurado 156,0 Não Apurado 600,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física Não Apurado 156,0 Não Apurado 600,0 A REMUNERAÇÃO ÀS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PÚBLICAS PELA R$ OPERACIONALIZAÇÃO DE PROGRAMAS DE SANEAMENTO, HABITAÇÃO E INFRA- ESTRUTURA URBANA instituicao financeira remunerada unidade 0,0 1,0 1,0 2,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 1,0 1,0 2,0 P SELEÇÃO E DIFUSÃO DAS BOAS PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO R$ URBANO campanha realizada unidade 0,0 2,0 2,0 4,0 Fiscal/Seguridade R$ Não Orçamentária R$ Meta Física 0,0 2,0 2,0 4,0 Programa: GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Objetivo: Universalizar a cobertura e aumentar a eficiência e a eficácia da prestação dos serviços de limpeza pública, de coleta, disposição final e tratamento de resíduos sólidos urbanos Público Alvo: População urbana, com foco preferencial na população localizada em áreas de maior concentração de pobreza Unidade Responsável: Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Tipo: Finalístico Horizonte Temporal: Contínuo Indicador Unidade Medida Índice Referência Apurado em Índice final PPA TAXA DE ATENDIMENTO COM GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS Percentagem em apuração 31/12/2001 em apuração TAXA DE ATENDIMENTO COM SERVIÇO DE COLETA DE LIXO Percentagem 93,7 31/12/ ,0 TAXA DE TRATAMENTO ADEQUADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Percentagem em apuração 31/12/2001 em apuração Dados Financeiros R$

13 Tipo/Ação/Produto/Unidade de Medida Fiscal/Seguridade Não Orçamentária P CAPACITAÇÃO DE MUNICÍPIOS PARA A GESTÃO INTEGRADA DOS R$ RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS municipio atendido unidade 0,0 560,0 805, ,0 Fiscal/Seguridade R$ Não Orçamentária R$ Meta Física 0,0 560,0 805, ,0 P ESTUDOS PARA A OTIMIZAÇÃO DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE R$ COLETA E DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS estudo realizado unidade 0,0 62,0 158,0 220,0 Fiscal/Seguridade R$ Não Orçamentária R$ Meta Física 0,0 62,0 158,0 220,0 P IMPLANTAÇÃO E AMPLIAÇÃO DOS SISTEMAS DE LIMPEZA PÚBLICA, R$ ACONDICIONAMENTO, COLETA, DISPOSIÇÃO FINAL E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS familia beneficiada unidade 0, , , ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0, ,0 0, ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 0, , ,0 Fiscal/Seguridade R$ Não Orçamentária R$ Meta Física 0, ,0 0, ,0 Fiscal/Seguridade R$ Não Orçamentária R$ Meta Física 0, , , ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0, ,0 0, ,0 Fiscal/Seguridade R$ Não Orçamentária R$ Meta Física 0, , , ,0 P IMPLANTAÇÃO E AMPLIAÇÃO DOS SISTEMAS DE LIMPEZA PÚBLICA, R$ ACONDICIONAMENTO, COLETA, TRATAMENTO E DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM MUNICÍPIOS COM CRIANÇAS QUE VIVEM DO LIXO crianca beneficiada unidade 0, , , ,0 Fiscal/Seguridade R$ Não Orçamentária R$ Meta Física 0, , , ,0 Fiscal/Seguridade R$ Não Orçamentária R$

14 Programa: GESTÃO URBANA E METROPOLITANA Objetivo: Aumentar a eficiência e a eficácia da gestão urbana e metropolitana e da qualidade e produtividade dos serviços urbanos Público Alvo: Estados e Municípios Meta Física 0, , , ,0 Fiscal/Seguridade R$ Não Orçamentária R$ Meta Física 0, , , ,0 Fiscal/Seguridade R$ Não Orçamentária R$ Meta Física 0, , , ,0 Fiscal/Seguridade R$ Não Orçamentária R$ Meta Física 0, , , ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 0, , ,0 Unidade Responsável: Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Tipo: Finalístico Horizonte Temporal: Contínuo Indicador Unidade Medida Índice Referência Apurado em Índice final PPA INDICADOR EM DEFINIÇÃO Em definição em apuração 1/12/1999 em apuração Dados Financeiros R$ Fiscal/Seguridade Não Orçamentária Tipo/Ação/Produto/Unidade de Medida N CONTORIA NAS ÁREAS DE HABITAÇÃO, SANEAMENTO E INFRA- R$ ESTRUTURA URBANA PARA MUNICÍPIOS - CAIXA DO MUNICÍPIO município atendido unidade 0, , , ,0 Não Orçamentária R$ Meta Física 0, , , ,0 P DIAGNÓSTICO DE OPÇÕES PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS R$ ENCERRADA NA ESFERA MUNICIPAL estudo realizado unidade 0,0 0,0 0,0 P ESTUDOS PARA A OTIMIZAÇÃO DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE R$ ENCERRADA COLETA E DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS estudo realizado unidade 1,0 0,0 0,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 1,0 0,0 0,0 P ESTUDOS PARA FORMULAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE R$ DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL estudo realizado unidade 5,0 41,0 123,0 169,0

15 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 5,0 40,0 122,0 167,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 1,0 0,0 1,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 0,0 1,0 1,0 P ESTUDOS PARA MODERNIZAÇÃO E REORDENAMENTO INSTITUCIONAL R$ ENCERRADA E OPERACIONAL DO SETOR SANEAMENTO estudo realizado unidade 0,0 0,0 0,0 Fiscal/Seguridade R$ N FINANCIAMENTO A MUNICÍPIOS PARA A MODERNIZAÇÃO DA R$ ADMINISTRAÇÃO E DA GESTÃO DOS SETORES SOCIAIS BÁSICOS município financiado unidade 26,0 100,0 474,0 600,0 Não Orçamentária R$ Meta Física 26,0 100,0 474,0 600,0 Programa: INFRA-ESTRUTURA URBANA Objetivo: Contribuir para a melhoria da qualidade de vida nas cidades, mediante a reestruturação de sua infra-estrutura urbana Público Alvo: População residente em áreas urbanas Unidade Responsável: Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Tipo: Finalístico Horizonte Temporal: Contínuo Tipo/Ação/Produto/Unidade de Medida Dados Financeiros R$ Fiscal/Seguridade Não Orçamentária P AÇÕES DE REESTRUTURAÇÃO URBANA, INTERLIGAÇÃO DE ÁREAS R$ URBANAS E DE ADEQUAÇÃO DE VIAS projeto apoiado unidade Não Apurado 751,0 Não Apurado 4.161,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física Não Apurado 3,0 Não Apurado 967,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 412,0 40,0 685, ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física Não Apurado 213,0 Não Apurado 642,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física Não Apurado 19,0 Não Apurado 445,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física Não Apurado 434,0 Não Apurado 687,0 Fiscal/Seguridade R$

16 Meta Física Não Apurado 42,0 Não Apurado 283,0 P AÇÕES INTEGRADAS DE DESENVOLVIMENTO URBANO R$ projeto apoiado unidade Não Apurado 601,0 Não Apurado 2.862,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física Não Apurado 2,0 Não Apurado 162,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 67,0 0,0 67,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física Não Apurado 19,0 Não Apurado 617,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física Não Apurado 167,0 Não Apurado 1.186,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física Não Apurado 106,0 Não Apurado 442,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física Não Apurado 240,0 Não Apurado 388,0 N FINANCIAMENTO A ESTADOS E MUNICÍPIOS PARA A RETIFICAÇÃO DE R$ CURSOS DE ÁGUA E CANAIS família beneficiada unidade 0, , , ,0 Não Orçamentária R$ Meta Física 0, , , ,0 N FINANCIAMENTO A ESTADOS E MUNICÍPIOS PARA IMPLANTAÇÃO, R$ AMPLIAÇÃO OU MELHORIA DE REDES DE GALERIAS PLUVIAIS, COMPLEMENTARES À MACRODRENAGEM família beneficiada unidade 0, , , ,0 Não Orçamentária R$ Meta Física 0, , , ,0 N FINANCIAMENTO A ESTADOS E MUNICÍPIOS PARA OBRAS DE R$ CONTENÇÃO DE ENCOSTAS família beneficiada unidade 0, , , ,0 Não Orçamentária R$ Meta Física 0, , , ,0 N FINANCIAMENTO A ESTADOS E MUNICÍPIOS PARA OBRAS DE R$ PAVIMENTAÇÃO, LIMITADA AOS LOGRADOUROS DA ÁREA DE INTERVENÇÃO família beneficiada unidade 0, , , ,0 Não Orçamentária R$ Meta Física 0, , , ,0 N FINANCIAMENTO A ESTADOS E MUNICÍPIOS PARA SERVIÇOS DE R$ DRAGAGEM família beneficiada unidade 0, , , ,0 Não Orçamentária R$ Meta Física 0, , , ,0 P IMPLANTAÇÃO, AMPLIAÇÃO OU MELHORIA DE OBRAS DE INFRA- R$

17 ESTRUTURA URBANA projeto apoiado unidade Não Apurado ,0 Não Apurado ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física Não Apurado 1.796,0 Não Apurado ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 891,0 190, , ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física Não Apurado 3.843,0 Não Apurado ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física Não Apurado 963,0 Não Apurado ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física Não Apurado 2.302,0 Não Apurado ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física Não Apurado 1.399,0 Não Apurado ,0 N PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES, DRENAGEM E R$ RECUPERAÇÃO AMBIENTAL projeto elaborado unidade 0,0 20,0 70,0 90,0 Não Orçamentária R$ Meta Física 0,0 20,0 70,0 90,0 P REVITALIZAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA DE CENTROS URBANOS DE R$ MÉDIO E GRANDE PORTE projeto apoiado unidade Não Apurado 132,0 Não Apurado 248,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 1,0 2,0 3,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 0,0 72,0 72,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 58,0 0,0 58,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 73,0 0,0 73,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 0,0 7,0 7,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física Não Apurado 0,0 Não Apurado 35,0 Programa: INTELIGÊNCIA Objetivo: Desenvolver atividades de inteligência de interesse do Estado e da Sociedade Público Alvo: Presidente da República Unidade Responsável: Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República Tipo: Serviços ao Estado Horizonte Temporal: Contínuo

18 Tipo/Ação/Produto/Unidade de Medida Dados Financeiros R$ Fiscal/Seguridade A AÇÕES DE CARÁTER SIGILOSO R$ Fiscal/Seguridade R$ ,0 A AÇÕES DE INTELIGÊNCIA R$ Fiscal/Seguridade R$ ,0 A DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NA ÁREA DE SEGURANÇA DAS R$ COMUNICAÇÕES pesquisa realizada unidade 9,0 3,0 0,0 12,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 9,0 3,0 0,0 12,0 A ESTUDOS PARA A MANUTENÇÃO DA ORDEM INSTITUCIONAL R$ estudo realizado unidade 0,0 3,0 0,0 3,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 3,0 0,0 3,0 P IMPLANTAÇÃO DO SUBSISTEMA DE INTELIGÊNCIA DE SEGURANÇA R$ PÚBLICA subsistema implantado % de execução 15,2 38,0 0,0 53,2 física Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 15,2 38,0 0,0 53,2 R$ A OPERACIONALIZAÇÃO DOS SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES E TRANSMISSÃO DE DADOS sistema mantido unidade 4,0 2,0 2,0 8,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 4,0 2,0 2,0 8,0 Programa: MINHA CASA Objetivo: Permitir o acesso à moradia por meio de arrendamento com opção de compra futura a famílias de baixa renda localizadas em aglomerações urbanas, regiões metropolitanas e capitais Público Alvo: Famílias com renda mensal de até 6 salários mínimos, localizadas em aglomerações urbanas, regiões metropolitanas e capitais Unidade Responsável: Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Tipo: Finalístico Horizonte Temporal: Temporário Início: 06/1999 Término: 06/2002 Valor do Programa: R$ Indicador Unidade Medida Índice Referência Apurado em Índice final PPA DÉFICIT HABITACIONAL DE FAMÍLIAS URBANAS COM RENDA FAMILIAR MENSAL Percentagem 30,0 1/12/ ,88 ENTRE 2 E 5 SALÁRIOS MÍNIMOS, A NÍVEL

19 Tipo/Ação/Produto/Unidade de Medida Dados Financeiros R$ Não Orçamentária N ARRENDAMENTO RESIDENCIAL R$ unidade habitacional arrendada unidade , , , ,0 Não Orçamentária R$ Meta Física 864, , , ,0 Não Orçamentária R$ ,0 Não Orçamentária R$ Meta Física 5.089, , , ,0 Não Orçamentária R$ Meta Física 622, , , ,0 Não Orçamentária R$ Meta Física , , , ,0 Não Orçamentária R$ Meta Física 2.398, , , ,0 Programa: MORAR MELHOR Objetivo: Contribuir para a redução do déficit habitacional quantitativo e qualitativo da população em estado de exclusão social Público Alvo: Famílias em situação de exclusão social (com renda familiar de até 3 salários mínimos) Unidade Responsável: Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Tipo: Finalístico Horizonte Temporal: Contínuo Indicador Unidade Medida Índice Referência Apurado em Índice final PPA TAXA DE CONTRIBUIÇÃO DO PROGRAMA PARA A REDUÇÃO DO DÉFICIT Percentagem em apuração 31/12/2001 em apuração HABITACIONAL QUALITATIVO Dados Financeiros R$ Fiscal/Seguridade Não Orçamentária Tipo/Ação/Produto/Unidade de Medida P CONSTRUÇÃO DE UNIDADES HABITACIONAIS EM PARCERIA COM R$ INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PÚBLICAS unidade habitacional construida unidade Não Apurado 819,0 Não Apurado ,0 Fiscal/Seguridade R$ Não Orçamentária R$ Meta Física Não Apurado 85,0 Não Apurado ,0 Fiscal/Seguridade R$ Não Orçamentária R$

20 Meta Física Não Apurado 410,0 Não Apurado ,0 Fiscal/Seguridade R$ Não Orçamentária R$ Meta Física 0,0 203, , ,0 Fiscal/Seguridade R$ Não Orçamentária R$ Meta Física 0,0 72, , ,0 Fiscal/Seguridade R$ Não Orçamentária R$ Meta Física 0,0 49, , ,0 P CONSTRUÇÃO DE UNIDADES HABITACIONAIS EM REGIME DE MUTIRÃO R$ familia beneficiada unidade 0,0 0, , ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 0,0 258,0 258,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 0,0 770,0 770,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 0,0 251,0 251,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 0,0 508,0 508,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 0,0 213,0 213,0 P IMPLANTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO EM R$ ENCERRADA MUNICÍPIOS COM POPULAÇÃO DE ATÉ 75 MIL HABITANTES família beneficiada unidade 0,0 0,0 0,0 Fiscal/Seguridade R$ Fiscal/Seguridade R$ Fiscal/Seguridade R$ Fiscal/Seguridade R$ Fiscal/Seguridade R$ Fiscal/Seguridade R$ P IMPLANTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO EM R$ ENCERRADA MUNICÍPIOS COM POPULAÇÃO SUPERIOR A 75 MIL HABITANTES família beneficiada unidade 0,0 0,0 0,0

21 Fiscal/Seguridade R$ Fiscal/Seguridade R$ Fiscal/Seguridade R$ Fiscal/Seguridade R$ Fiscal/Seguridade R$ P IMPLANTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO INTEGRADO R$ ENCERRADA EM MUNICÍPIOS COM POPULAÇÃO INFERIOR A 20 MIL HABITANTES família beneficiada unidade 0,0 0,0 0,0 P IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE COLETA E DISPOSIÇÃO FINAL DE R$ ENCERRADA RESÍDUOS SÓLIDOS família beneficiada unidade 0,0 0,0 0,0 Fiscal/Seguridade R$ Fiscal/Seguridade R$ Fiscal/Seguridade R$ Fiscal/Seguridade R$ Fiscal/Seguridade R$ P IMPLANTAÇÃO, AMPLIAÇÃO OU MELHORIA DE SISTEMA DE COLETA, R$ ENCERRADA TRATAMENTO E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM MUNICÍPIOS COM CRIANÇAS QUE VIVEM DO LIXO criança beneficiada unidade 0,0 0,0 0,0

22 Fiscal/Seguridade R$ Fiscal/Seguridade R$ Fiscal/Seguridade R$ Fiscal/Seguridade R$ Fiscal/Seguridade R$ P MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE HABITABILIDADE R$ familia beneficiada unidade Não Apurado ,0 Não Apurado ,0 Fiscal/Seguridade R$ Não Orçamentária R$ Meta Física Não Apurado 6.599,0 Não Apurado ,0 Fiscal/Seguridade R$ Não Orçamentária R$ Meta Física Não Apurado 2.000,0 Não Apurado 3.800,0 Fiscal/Seguridade R$ Não Orçamentária R$ Meta Física 465, , , ,0 Fiscal/Seguridade R$ Não Orçamentária R$ Meta Física Não Apurado ,0 Não Apurado ,0 Fiscal/Seguridade R$ Não Orçamentária R$ Meta Física Não Apurado ,0 Não Apurado ,0 Fiscal/Seguridade R$ Não Orçamentária R$ Meta Física Não Apurado 6.396,0 Não Apurado ,0 P PRODUÇÃO DE LOTES URBANIZADOS R$ lote urbanizado unidade 0, ,0 0, ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0, ,0 0, ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0, ,0 0, ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0, ,0 0, ,0

23 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 943,0 0,0 943,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 296,0 0,0 296,0 P REMUNERAÇÃO ÀS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PÚBLICAS PELA R$ ENCERRADA OPERACIONALIZAÇÃO DE PROGRAMAS DE GOVERNO projeto analisado/acompanhado unidade 0,0 0,0 0,0 Fiscal/Seguridade R$ Programa: ANTIDROGAS Objetivo: Prevenir o uso indevido de substâncias que causem dependência física ou psíquica e promover o tratamento, a recuperação e a reinserção social de indivíduos com transtornos decorrentes do uso dessas drogas Público Alvo: Dependentes e possíveis dependentes do uso de drogas Unidade Responsável: Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República Tipo: Finalístico Horizonte Temporal: Contínuo Indicador Unidade Medida Índice Referência Apurado em Índice final PPA TAXA DE DEPENDENTES DO USO DE ENTORPECENTES Percentagem 10,0 1/1/1998 8,0 Dados Financeiros R$ Fiscal/Seguridade Tipo/Ação/Produto/Unidade de Medida A AÇÕES DE PREVENÇÃO AO USO DE ENTORPECENTES R$ ENCERRADA ação realizada unidade 1,0 0,0 0,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 1,0 0,0 0,0 A APOIO A CENTROS DE REFERÊNCIA ANTIDROGAS R$ centro apoiado unidade 0,0 10,0 0,0 10,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 10,0 0,0 10,0 A APOIO A CONSELHOS MUNICIPAIS ANTIDROGAS R$ conselho municipal apoiado unidade 0,0 25,0 0,0 25,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 25,0 0,0 25,0 A APOIO À FISCALIZAÇÃO E CONTROLE DE EMPRESAS DE PRODUÇÃO, R$ TRANSPORTE E COMÉRCIO DE PRECURSORES QUÍMICOS fiscalizacao apoiada unidade Não Apurado 5.000,0 Não Apurado ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física Não Apurado 5.000,0 Não Apurado ,0 A CAMPANHA DE PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE DROGAS R$ campanha realizada unidade 53,0 5,0 5,0 63,0 Fiscal/Seguridade R$

24 Meta Física 53,0 5,0 5,0 63,0 Fiscal/Seguridade R$ ,0 A CAPACITAÇÃO DE AGENTES MULTIPLICADORES NA ÁREA DE AÇÕES R$ ANTIDROGAS agente capacitado unidade 0, ,0 0, ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0, ,0 0, ,0 A COMBATE AO TRÁFICO ILÍCITO DE SUBSTÂNCIAS ENTORPECENTES R$ ENCERRADA droga apreendida t 108,91 0,0 0,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 108,91 0,0 0,0 A FISCALIZAÇÃO E CONTROLE DE EMPRESAS DE PRODUÇÃO, R$ TRANSPORTE E COMÉRCIO DE PRECURSORES QUÍMICOS fiscalizacao realizada unidade Não Apurado 1.000,0 Não Apurado ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física Não Apurado 1.000,0 Não Apurado ,0 P IMPLANTAÇÃO, APARELHAMENTO E ADEQUAÇÃO DE UNIDADE DA R$ PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA unidade implantada/aparelhada/adequada unidade 0,0 1,0 0,0 1,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 1,0 0,0 1,0 P MODERNIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE FISCALIZAÇÃO DE R$ ENCERRADA PRECURSORES QUÍMICOS infra-estrutura modernizada unidade 0,0 0,0 0,0 A PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS ÁREAS DE PREVENÇÃO, R$ EPIDEMIOLOGIA DO USO DE DROGAS E TRATAMENTO DE USUÁRIOS DE DROGAS pesquisa publicada unidade 4,0 1,0 1,0 6,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 4,0 1,0 1,0 6,0 A REGULARIZAÇÃO DO CONTENCIOSO DE BENS E VALORES NA ÁREA DE R$ COMBATE ÀS DROGAS contencioso regularizado unidade 485,0 800,0 0, ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 485,0 800,0 0, ,0 A TRATAMENTO E REINSERÇÃO SOCIAL DE DEPENDENTES QUÍMICOS R$ pessoa atendida unidade 8.323,0 500, , ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 7.322,0 500, , ,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 0, , ,0

25 Programa: NOSSO BAIRRO Objetivo: Melhorar a condição de vida das famílias com renda de até 3 salários mínimos que vivem em assentamentos subnormais nas aglomerações urbanas, por meio de ações integradas de habitação, saneamento e infra-estrutura urbana. Público Alvo: Famílias que vivem em assentamentos subnormais, com renda mensal de até 3 salários mínimos Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 1.001,0 0, , ,0 Unidade Responsável: Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Tipo: Finalístico Horizonte Temporal: Contínuo Indicador Unidade Medida Índice Referência Apurado em Índice final PPA NÚMERO-ÍNDICE DE FAMÍLIAS ATENDIDAS Índice numérico em apuração 1/1/2000 em apuração TAXA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE FAMÍLIAS COM RENDA DE ATÉ 3 Percentagem em apuração 1/12/1999 em apuração SALÁRIOS MÍNIMOS TAXA DE CRESCIMENTO DO ATENDIMENTO DE FAMÍLIAS POR REAL INVESTIDO Família em apuração 1/1/2000 em apuração atendida/real TAXA DE DISPOSIÇÃO FINAL DIFERENCIADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE FAMÍLIAS Percentagem em apuração 1/12/1999 em apuração COM RENDA DE ATÉ 3 SALÁRIOS MÍNIMOS TAXA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA FAMÍLIAS COM RENDA DE ATÉ 3 Percentagem em apuração 1/12/1999 em apuração SALÁRIOS MÍNIMOS Dados Financeiros R$ Fiscal/Seguridade Não Orçamentária Tipo/Ação/Produto/Unidade de Medida P APOIO À MODERNIZAÇÃO INSTITUCIONAL DOS MUNICÍPIOS PARA R$ ATUAÇÃO NA MELHORIA DAS CONDIÇÕES DO SETOR HABITACIONAL NO SEGMENTO DAS FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA (HABITAR-BRASIL/BID) projeto apoiado unidade 0,0 246,0 0,0 246,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 0,0 246,0 0,0 246,0 N FINANCIAMENTO A ESTADOS E MUNICÍPIOS PARA PRODUÇÃO DE R$ MORADIAS, URBANIZAÇÃO E MELHORIAS HABITACIONAIS ( PRÓ- MORADIA) unidade habitacional construída/melhorada unidade 0, , , ,0 Não Orçamentária R$ Meta Física 0, , , ,0 P IMPLANTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO (PASS/ BID) R$ ENCERRADA família beneficiada unidade 0,0 0,0 0,0 Fiscal/Seguridade R$ P MELHORIA DAS CONDIÇÕES HABITACIONAIS, DE INFRA-ESTRUTURA E R$ ENCERRADA DE SANEAMENTO BÁSICO - - Meta Física P MELHORIA DAS CONDIÇÕES HABITACIONAIS, DE INFRA-ESTRUTURA E DE SANEAMENTO BÁSICO (HABITAR-BRASIL/BID) R$

26 familia beneficiada unidade Não Apurado ,0 Não Apurado ,0 Fiscal/Seguridade R$ Não Orçamentária R$ Meta Física Não Apurado ,0 Não Apurado ,0 P PROJETOS INTEGRADOS DE SANEAMENTO BÁSICO R$ ENCERRADA projeto elaborado unidade 0,0 0,0 0,0 Fiscal/Seguridade R$ Programa: PBQP - HABITAT - PROGRAMA BRASILEIRO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE DO HABITAT Objetivo: Melhorar a qualidade e a produtividade do setor de construção habitacional Público Alvo: Empresas dos setores de construção civil,saneamento e de transporte coletivo urbano Unidade Responsável: Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Tipo: Finalístico Horizonte Temporal: Contínuo Indicador Unidade Medida Índice Referência Apurado em Índice final PPA ADESÃO DE AGENTES DE FOMENTO Percentagem em apuração 31/12/2001 em apuração ADESÃO ESTADUAL - SETOR PRIVADO Percentagem em apuração 31/12/2001 em apuração ADESÃO ESTADUAL - SETOR PÚBLICO Percentagem em apuração 31/12/2001 em apuração CONFORMIDADE DE MATERIAIS Percentagem em apuração 31/12/2001 em apuração QUALIFICAÇÃO DE CONSTRUTORAS Percentagem em apuração 31/12/2001 em apuração SENSIBILIZAÇÃO ESTADUAL Percentagem em apuração 31/12/2001 em apuração Dados Financeiros R$ Fiscal/Seguridade Não Orçamentária Tipo/Ação/Produto/Unidade de Medida P ESTUDOS PARA A MODERNIZAÇÃO E O REORDENAMENTO R$ ENCERRADA INSTITUCIONAL E OPERACIONAL DO SETOR DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO estudo realizado unidade 1,0 0,0 0,0 Fiscal/Seguridade R$ Meta Física 1,0 0,0 0,0

Seminário Internacional Trabalho Social em Habitação: Desafios do Direito à Cidade. Mesa 2: AGENTES PÚBLICOS, NORMATIVOS E DIREÇÃO DO TRABALHO SOCIAL

Seminário Internacional Trabalho Social em Habitação: Desafios do Direito à Cidade. Mesa 2: AGENTES PÚBLICOS, NORMATIVOS E DIREÇÃO DO TRABALHO SOCIAL Seminário Internacional Trabalho Social em Habitação: Desafios do Direito à Cidade Mesa 2: AGENTES PÚBLICOS, NORMATIVOS E DIREÇÃO DO TRABALHO SOCIAL Elzira Leão Trabalho Social/DHAB/DUAP/SNH Ministério

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE RIBAS DO RIO PARDO, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que o Plenário Aprovou a seguinte Lei.

O PREFEITO MUNICIPAL DE RIBAS DO RIO PARDO, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que o Plenário Aprovou a seguinte Lei. LEI MUNICIPAL Nº. 932/2010 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Habitação de Interesse Social, institui a Coordenadoria Municipal de Habitação de Interesse Social e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO PLANO DE GOVERNO DO SR. RAIMUNDO TELES PONTES DO MUNICÍPIO DE GOVERNADOR LUIZ ROCHA PARA A LEGISLATURA DE 2013.

ESTADO DO MARANHÃO PLANO DE GOVERNO DO SR. RAIMUNDO TELES PONTES DO MUNICÍPIO DE GOVERNADOR LUIZ ROCHA PARA A LEGISLATURA DE 2013. ESTADO DO MARANHÃO PLANO DE GOVERNO DO SR. RAIMUNDO TELES PONTES DO MUNICÍPIO DE GOVERNADOR LUIZ ROCHA PARA A LEGISLATURA DE 2013. 1 - PODER LEGISLATIVO 1.1 - CÂMARA MUNICIPAL 1.1.1 - Manutenção e funcionamento

Leia mais

Política e Programas Habitacionais em São Paulo

Política e Programas Habitacionais em São Paulo Política e Programas Habitacionais em São Paulo Papel de Agentes Públicos e Privados AUP 0563 - Estruturação do Espaço Urbano: Produção Imobiliária Contemporânea Profa. Dra. Luciana de Oliveira Royer LABHAB

Leia mais

DE INÍCIO: MÊS/ANO DE TÉRMINO:

DE INÍCIO: MÊS/ANO DE TÉRMINO: Página 1 PROGRAMA: QUALIDADE DO ENSINO FUNDAMENTAL OBJETIVO: Assegurar a igualdade nas condições de acesso, permanência e êxito dos alunos matriculados no Ensino Fundamental. PUBLICO ALVO: Alunos do Ensino

Leia mais

Plano Metropolitano de Habitação. Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas

Plano Metropolitano de Habitação. Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas Apresentado pelo representante do Ministério das Cidades Histórico Aprovado pelo Conselho de Desenvolvimento

Leia mais

ANEXO DE METAS E PRIORIDADES PROGRAMA FINALÍSTICO

ANEXO DE METAS E PRIORIDADES PROGRAMA FINALÍSTICO Página 1 PROGRAMA: ATENÇÃO A SAÚDE DA POPULAÇÃO OBJETIVO: Promover o acesso universal da população aos serviços ambulatoriais, emergenciais e hospitalares nos postos de saúde e hospitais localizados no

Leia mais

XI ENCONTRO NACIONAL POR MORADIA POPULAR PRODUÇÃO SOCIAL DA MORADIA UM DESAFIO PARA A POLÍTICA DE HABITAÇÃO

XI ENCONTRO NACIONAL POR MORADIA POPULAR PRODUÇÃO SOCIAL DA MORADIA UM DESAFIO PARA A POLÍTICA DE HABITAÇÃO XI ENCONTRO NACIONAL POR MORADIA POPULAR PRODUÇÃO SOCIAL DA MORADIA UM DESAFIO PARA A POLÍTICA DE HABITAÇÃO Janice Mendonça Fernandes Gerente Nacional de Habitação Social 1 - Goiânia, 06/06/2008 CRÉDITO

Leia mais

RODRIGO GARCIA Secretário de Estado da Habitação

RODRIGO GARCIA Secretário de Estado da Habitação RODRIGO GARCIA Secretário de Estado da Habitação Janeiro/2016 ESTRUTURA INSTITUCIONAL DO SETOR HABITACIONAL Secretaria da Habitação Preside o Conselho Estadual de Habitação e os Conselhos Gestores do FPHIS

Leia mais

Danilo Forte Presidente Fundação Nacional de Saúde

Danilo Forte Presidente Fundação Nacional de Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICAP XI MARCHA A BRASÍLIA EM DEFESA DOS MUNICÍPIOS: A VISÃO DOS MUNICÍPIOS SOBRE O PACTO FEDERATIVO AVALIAÇÃO SOBRE

Leia mais

ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO

ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO OBJETIVOS DO GOVERNO: Consolidar e aprofundar os projetos e ações

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES. O MINISTRO DE ESTADO DAS CIDADES, no uso das suas atribuições,

MINISTÉRIO DAS CIDADES. O MINISTRO DE ESTADO DAS CIDADES, no uso das suas atribuições, MINISTÉRIO DAS CIDADES PORTARIA Nº 646, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010 Publicada na Seção 1 do DOU de 24/12/2010 págs. 138 e 139 Dispõe sobre os procedimentos para contratação e execução das Ações/Modalidades

Leia mais

Apresentar alternativas compensatórias a estas medidas.

Apresentar alternativas compensatórias a estas medidas. SUSTENTABILIDADE DOS FUNDOS CONSTITUCIONAIS DE FINANCIAMENTO: efeito das medidas excepcionais necessárias frente à manutenção do patrimônio dos Fundos Constitucionais de Financiamento. Discutir os efeitos

Leia mais

Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola. Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID

Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola. Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID Programa 1448 Qualidade na Escola Ações Orçamentárias Número de Ações 16 0E530000 Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola Veículo adquirido Unidade de Medida: unidade UO:

Leia mais

Projeto Movimento ODM Brasil 2015 Título do Projeto

Projeto Movimento ODM Brasil 2015 Título do Projeto Título do Projeto Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas práticas para alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio no Brasil. Concepção Estabelecimento

Leia mais

II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES

II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES PROPOSTAS PRIORITÁRIAS: 1. PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL Criar o Conselho Estadual da cidade e apoiar a criação dos conselhos municipais, de forma paritária, de caráter

Leia mais

Propostas 2013 2016. Dr. Marcos Norjosa

Propostas 2013 2016. Dr. Marcos Norjosa Propostas 2013 2016 As propostas do candidato a Prefeito Dr. Marcos têm como meta principal o bem estar do povo de Pacoti, assim como seu desenvolvimento social e financeiro. Este plano de governo é resultado

Leia mais

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS A importância do PBQP-H para as construtoras Arq. Marcos Galindo 12/05/2106 INSTITUIÇÃO DO PROGRAMA Portaria nº 134, de 18/12/1998, do Ministério do Planejamento e Orçamento Objetivo

Leia mais

Qualidade de Vida e Promoção da Cidadania

Qualidade de Vida e Promoção da Cidadania SECRETARIAS ENVOLVIDAS OBJETIVO SEFAZ, SEPLAN, SESAB, SCT, SECOMP, SEDUR Promover a melhoria habitacional em áreas urbanas e rurais, bem como a requalificação urbana com ênfase na humanização das cidades

Leia mais

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) Em 2000, durante a Cúpula do Milênio, líderes

Leia mais

Desastres Naturais e Vulnerabilidade: Caso do Município de Petrópolis

Desastres Naturais e Vulnerabilidade: Caso do Município de Petrópolis Desastres Naturais e Vulnerabilidade: Caso do Município de Petrópolis polis- Rio de Janeiro. Disciplina: População Espaço o e Ambiente - CST-310 310-3 Aluna: Lira Luz Benites Lázaro Profs: Silvana Amaral

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Sistema Integrado para Administração Financeira. Demonstrativo de Programas Temáticos PPA

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Sistema Integrado para Administração Financeira. Demonstrativo de Programas Temáticos PPA Governo do Estado do Ano Base: 06 007 - SEGURANÇA PÚBLICA, PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Diretriz 06 - PROMOÇÃO DO BEM-ESTAR DO POTIGUAR ATRAVÉS DA GARANTIA AO ACESSO AOS DIREITOS FUNDAMENTAIS Indicadores Nome

Leia mais

ANEXO I. Estado do Tocantins Prefeitura Municipal de Cariri do Tocantins PROGRAMA DE PROCEDIMENTOS LEGISLATIVOS

ANEXO I. Estado do Tocantins Prefeitura Municipal de Cariri do Tocantins PROGRAMA DE PROCEDIMENTOS LEGISLATIVOS DAS METAS E PRIORIDADES DA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL 01 LEGISLATIVA PROGRAMA DE PROCEDIMENTOS LEGISLATIVOS * Manter os serviços de suas atividades internas em conformidade com a legislação em vigor Órgão

Leia mais

REGULAÇÃO NO BRASIL EM SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO

REGULAÇÃO NO BRASIL EM SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO REGULAÇÃO NO BRASIL EM SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO II AÇÃO DE COMUNICAÇÃO SOBRE SANEAMENTO AMBIENTAL E TRATAMENTO DA ÁGUA FUNDAÇÃO - 08/04/1.999 ASSOCIADAS - 52 agências 17

Leia mais

Prefeitura Municipal da Estância Balneária de Caraguatatuba

Prefeitura Municipal da Estância Balneária de Caraguatatuba 2ª PRORROGAÇÃO DO PRAZO DE INSCRIÇÕES E ADIAMENO DAS ELEIÇÕES PARA COMISSÃO INERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENES- CIPA GESÃO 2009/2010 A Comissão Eleitoral, nomeada pela Portaria n.º 735, de 26 de agosto de

Leia mais

Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013

Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013 Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013 I. OBJETO Regulamentação da Lei n o 4.791 de 02/04/2008, que dispõe sobre

Leia mais

ANEXO DE METAS E PRIORIDADES PROGRAMA FINALÍSTICO

ANEXO DE METAS E PRIORIDADES PROGRAMA FINALÍSTICO Página 1 ATENÇÃO A SAÚDE DA POPULAÇÃO Promover o acesso universal da população aos serviços ambulatoriais, emergenciais e hospitalares nos postos de saúde e hospital localizados no Município. População

Leia mais

DIRETRIZES URBANAS PARA O DESENVOLVIMENTO HABITACIONAL

DIRETRIZES URBANAS PARA O DESENVOLVIMENTO HABITACIONAL DIRETRIZES URBANAS PARA O DESENVOLVIMENTO HABITACIONAL SUMAC/PECOC CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Vice-Presidência de Governo 21/12/2009 Superintendência de Assistência Técnica e Desenvolvimento Sustentável Introdução

Leia mais

Betha Sistemas ESTADO DE SANTA CATARINA Exercício de 2012 PREFEITURA MUNICIPAL DE CACADOR

Betha Sistemas ESTADO DE SANTA CATARINA Exercício de 2012 PREFEITURA MUNICIPAL DE CACADOR Página 1 01 Legislativa 3.384.984,24 3.548.093,50 01.031 Ação Legislativa 3.384.984,24 3.548.093,50 01.031.0001 PROCESSO LEGISLATIVO 3.384.984,24 3.548.093,50 01.031.0001.1.191 MODERNIZAÇÃO DA ESTRUTURA

Leia mais

LEI N 878, DE 12 DE AGOSTO DE 1997

LEI N 878, DE 12 DE AGOSTO DE 1997 LEI N 878, DE 12 DE AGOSTO DE 1997 DISPÕE SOBRE O PLANO PLURIANUAL DO MUNICÍPIO DE CIRÍACO, PARA O PERÍODO DE 1998 A 2001. O PREFEITO MUNICIPAL DE CIRÍACO, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO SABER que a

Leia mais

Políticas Públicas Integradas no Território A experiência da UPP SOCIAL*

Políticas Públicas Integradas no Território A experiência da UPP SOCIAL* Políticas Públicas Integradas no Território A experiência da UPP SOCIAL* Ricardo Henriques Seminário Internacional: Determinantes sociais da saúde, intersetorialidade e equidade social na América Latina

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano SNHIS / FNHIS - Lei nº 11.124/05 ESTRUTURA BÁSICA DO PLANO MUNICIPAL DE

Leia mais

Estratégia de Governança Digital do Governo Federal

Estratégia de Governança Digital do Governo Federal Estratégia de Governança Digital do Governo Federal São Paulo, 24 de fevereiro de 2016 Agenda Contexto da TI na APF Estratégia de Governança Digital - Histórico - Conceito - Elaboração - Monitoramento

Leia mais

Programa de Melhoria da Qualidade de Vida e da Governança Municipal de Teresina. Teresina (PI), Fevereiro de 2016

Programa de Melhoria da Qualidade de Vida e da Governança Municipal de Teresina. Teresina (PI), Fevereiro de 2016 Programa de Melhoria da Qualidade de Vida e da Governança Municipal de Teresina Teresina (PI), Fevereiro de 2016 1. A SITUAÇÃO ANTES DO PROGRAMA 1. SITUAÇÃO ANTES DO PROGRAMA Enchentes na Zona Norte 1.

Leia mais

LEI Nº. - 7 9 4 - DATA: 03 de Dezembro de 1.997

LEI Nº. - 7 9 4 - DATA: 03 de Dezembro de 1.997 LEI Nº. - 7 9 4 - DATA: 03 de Dezembro de 1.997 SÚMULA: Dispõe sobre as Diretrizes Gerais para a elaboração do Orçamento do Município relativo ao exercício financeiro de 1.998. O PREFEITO MUNICIPAL DE

Leia mais

Gestão Pública Democrática

Gestão Pública Democrática Gestão Pública Democrática Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa Gestão Pública Democrática Conceito de gestão Tem origem na palavra latina gestione que se refere ao ato de gerir, gerenciar e administrar.

Leia mais

Capítulo I DO PROGRAMA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Capítulo I DO PROGRAMA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI Nº 2.598 DE 21 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre o Programa Municipal de Habitação de Interesse Social PMHIS, cria o Fundo Municipal e Habitação de Interesse Social FMHIS, revoga a Lei Municipal n 2.235,

Leia mais

PROGRAMA CHEQUE MAIS MORADIA 2017/2018. Presidente: Luiz Antonio Stival Milhomens

PROGRAMA CHEQUE MAIS MORADIA 2017/2018. Presidente: Luiz Antonio Stival Milhomens PROGRAMA CHEQUE MAIS MORADIA 2017/2018 Presidente: Luiz Antonio Stival Milhomens APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA Programa GOIÁS MAIS COMPETITIVO E INOVADOR Eixo qualidade de vida - Redução do Déficit Habitacional

Leia mais

Programa Municípios Sustentáveis

Programa Municípios Sustentáveis Programa Municípios Sustentáveis Objetivo geral: Promover o desenvolvimento sustentável dos municípios da Amazônia Mato-grossense, através do fortalecimento da economia local, da melhoria da governança

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA POLÍTICA NACIONAL SOBRE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA POLÍTICA NACIONAL SOBRE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA POLÍTICA NACIONAL SOBRE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS 1. Marcos Lógicos Publicação/Origem NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Declaração

Leia mais

Alinhamento PPA e o Inpe

Alinhamento PPA e o Inpe Alinhamento PPA e o Inpe Modelo de gestão por programas Décio Castilho Ceballos ceballos@dir.inpe.br Apresentação ao grupo gestor PE do INPE 06 de outubro de 2006 Alinhamentos diversos Alinhamento político

Leia mais

Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística Sustentável

Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística Sustentável Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental SAIC Departamento de Produção e Consumo Sustentável DPCS Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística

Leia mais

Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL

Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL Nome: Denise Maria Lara de Souza Seabra Formação: Enga. Civil e Sanitarista Instituição: Caixa Econômica Federal Agenda Contextualização

Leia mais

P24 Criar Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação 2011/2012 Líder: Maria Cecília Badauy

P24 Criar Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação 2011/2012 Líder: Maria Cecília Badauy P24 Criar Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação 2011/2012 Líder: Maria Cecília Badauy Brasília, 13 de Julho de 2011 Perspectiva: Aprendizado e Crescimento Planejamento Estratégico Objetivo

Leia mais

ABORDAGENS METODOLÓGICAS NA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO

ABORDAGENS METODOLÓGICAS NA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO ABORDAGENS METODOLÓGICAS NA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO Eng.ª Gabriela de Toledo, Msc Saneando Projetos de Engenharia e Consultoria Salvador/BA, 17 de Julho de 2015 METODOLOGIA:

Leia mais

ANEXO III DA RESOLUÇÃO 009/09/DPR GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO DE EXPANSÃO - GPLAN

ANEXO III DA RESOLUÇÃO 009/09/DPR GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO DE EXPANSÃO - GPLAN ANEXO III DA RESOLUÇÃO 009/09/DPR GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO DE EXPANSÃO - GPLAN 1.0 Objetivo Promover o planejamento físico-financeiro, acompanhamento e controle das ações de implantação, ampliação e melhoria

Leia mais

Todos dos dias construindo um futuro melhor PLANO DE GOVERNO DONIZETEOLIVEIRA COSTA VICE - PREFEITO

Todos dos dias construindo um futuro melhor PLANO DE GOVERNO DONIZETEOLIVEIRA COSTA VICE - PREFEITO 15 Todos dos dias construindo um futuro melhor PLANO DE GOVERNO FRANCISCO COELHO FILHO PREFEITO DONIZETEOLIVEIRA COSTA VICE - PREFEITO ELEIÇÕES 2012 Educação Reforma e ampliação das escolas municipais.

Leia mais

Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Públicos Federais

Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Públicos Federais Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Ações Orçamentárias Número de Ações 15 05110000 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Projeto apoiado Unidade de Medida: unidade UO: 26298 FNDE

Leia mais

II SEMINÁRIO ESTADUAL sobre Política Municipal de Habitação - PLANO CATARINENSE DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - PCHIS

II SEMINÁRIO ESTADUAL sobre Política Municipal de Habitação - PLANO CATARINENSE DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - PCHIS II SEMINÁRIO ESTADUAL sobre Política Municipal de Habitação - PLANO CATARINENSE DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - PCHIS Plano Catarinense de Habitação de Interesse Social PCHIS ADESÃO AO SNHIS (Lei Federal

Leia mais

GESTÃO POR RESULTADOS DA PREFEITURA DE OSASCO/SP Uma reflexão sobre planejamento, monitoramento e avaliação

GESTÃO POR RESULTADOS DA PREFEITURA DE OSASCO/SP Uma reflexão sobre planejamento, monitoramento e avaliação Seminário Reforma Gerencial 20+20 GESTÃO POR RESULTADOS DA PREFEITURA DE OSASCO/SP Uma reflexão sobre planejamento, monitoramento e avaliação Prefeito Jorge Lapas 27 de agosto 2015 TEMAS A SEREM ABORDADOS

Leia mais

Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998

Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998 Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998 Institui a Política Nacional de Capacitação dos Servidores para a Administração Pública Federal direta, autárquica

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I DIAGNÓSTICO TÉCNICO-PARTICIPATIVO

Leia mais

Educação básica de qualidade envolve grande número de ações, procedimentos e programas, como mostramos a seguir:

Educação básica de qualidade envolve grande número de ações, procedimentos e programas, como mostramos a seguir: Plano de Governo 1 Educação de qualidade em tempo integral 2 Saúde humanizada, ágil e resoluta 3 Respeito ao cidadão e democratização do poder 4 Gestão administrativa eficiente, honesta e transparente

Leia mais

DESAFIOS DO ENFRENTAMENTO AOS CRIMES LETAIS INTENCIONAIS NO ESPÍRITO SANTO

DESAFIOS DO ENFRENTAMENTO AOS CRIMES LETAIS INTENCIONAIS NO ESPÍRITO SANTO DESAFIOS DO ENFRENTAMENTO AOS CRIMES LETAIS INTENCIONAIS NO ESPÍRITO SANTO ANTECEDENTES HISTÓRICOS O processo de concentração demográfica nos centros metropolitanos do país nas últimas décadas foi acompanhado

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2012 2013 APRESENTAÇÃO O Planejamento Estratégico tem como objetivo descrever a situação desejada de uma organização e indicar os caminhos para

Leia mais

Estacionamentos Belo Horizonte

Estacionamentos Belo Horizonte SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO Estacionamentos Belo Horizonte Belo Horizonte, 24 de Janeiro de 2012 Objetivos do encontro de hoje Objetivos Esclarecimento e discussão do projeto junto aos munícipes

Leia mais

PROPOSTA DE GOVERNO ANO 2013 2016 COLIGAÇÃO. Todos por Abaeté.

PROPOSTA DE GOVERNO ANO 2013 2016 COLIGAÇÃO. Todos por Abaeté. PROPOSTA DE GOVERNO ANO 2013 2016 COLIGAÇÃO Todos por Abaeté. Queremos um Abaeté onde todos possam participar das decisões sobre os investimentos públicos e fiscalizar os serviços prestados. Uma cidade

Leia mais

Instrução Normativa 33/2014 do Ministério das Cidades

Instrução Normativa 33/2014 do Ministério das Cidades OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrução Normativa 33/2014 do MARCUS VINÍCIUS REGO Diretor de Gestão de Risco e Reabilitação Urbana reab@cidades.gov.br Brasília, 15 de setembro de 2017 OBJETIVO: IN 33/2014

Leia mais

Programas 2014. Março de 2014

Programas 2014. Março de 2014 Programas 2014 Março de 2014 RoteirodestaApresentação 1.Informações gerais sobre a SUDENE 2.Ações da Sudene disponíveis em 2014 para recebimento de propostas 3.Informações para apresentação de propostas

Leia mais

O gerenciamento dos recursos hídricos nas grandes cidades: Um olhar sobre a RMRJ

O gerenciamento dos recursos hídricos nas grandes cidades: Um olhar sobre a RMRJ PRÉ-ENCOB, Rio de Janeiro (FIRJAN), 30 de agosto de 2011: A Importância do Uso Racional das Águas e o Fator Água nas Regiões Metropolitanas O gerenciamento dos recursos hídricos nas grandes cidades: Um

Leia mais

O BANCO DE DADOS. QUADRO I- Formas de acesso às informações disponíveis no Banco de Dados

O BANCO DE DADOS. QUADRO I- Formas de acesso às informações disponíveis no Banco de Dados Esta publicação é um produto do Banco de Dados que o Programa Gestão Pública e Cidadania vem construindo desde 1996 a fim de reunir informações sobre os programas inscritos em todos os ciclos de premiação.

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

Rio de Janeiro, 30 de janeiro de 2015 TÍTULO APRESENTAÇÃO 1

Rio de Janeiro, 30 de janeiro de 2015 TÍTULO APRESENTAÇÃO 1 Rio de Janeiro, 30 de janeiro de 2015 TÍTULO APRESENTAÇÃO 1 Atores 50% 50% Cliente Parceiro gestão comercial Agente regulador Fundação Rio-Águas Breve explanação Licitação e Contrato Objeto: Maior valor

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE HABITAÇÃO. Cooperação Técnico-Financeira BNDES/ITERJ. Mayumi Sone. Presidência. Setembro/2013

SECRETARIA DE ESTADO DE HABITAÇÃO. Cooperação Técnico-Financeira BNDES/ITERJ. Mayumi Sone. Presidência. Setembro/2013 SECRETARIA DE ESTADO DE HABITAÇÃO Presidência Setembro/2013 Conheça o... Há 16 anos promovendo a Regularização Fundiária no Estado do Rio de Janeiro Regularização Fundiária Títulos Emitidos por Ano Comunidades

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Esta Lei, denominada

Leia mais

PROGRAMAS HABITACIONAIS DA COHAPAR

PROGRAMAS HABITACIONAIS DA COHAPAR PROGRAMAS HABITACIONAIS DA COHAPAR 1. Programa FGTS; 2. Programa RURAL; 3. Programa FAR; 4. Programa FDS ENTIDADES; 5. Programa Lotes Urbanizados; 6. Programa Emendas Parlamentares; 7. Programa do Servidor

Leia mais

DECRETO Nº 239/2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Anti Drogas (COMAD) de Gramado.

DECRETO Nº 239/2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Anti Drogas (COMAD) de Gramado. DECRETO Nº 239/2015 Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Anti Drogas (COMAD) de Gramado. NESTOR TISSOT, Prefeito Municipal de Gramado, no uso de suas atribuições legais, de acordo com a

Leia mais

Possibilidades de PPP em Saneamento

Possibilidades de PPP em Saneamento Seminário Internacional MRE BID BNDES Parceria Público-Privada Privada na Prestação de Serviços de Infra-estrutura Possibilidades de PPP em Saneamento ROGÉRIO DE PAULA TAVARES Diretor de Saneamento e Infra-estrutura

Leia mais

Sistema Brasileiro de Vigilância e Emergência Veterinária

Sistema Brasileiro de Vigilância e Emergência Veterinária Sistema Brasileiro de Vigilância e Emergência Veterinária ria Coordenação de Planejamento, Avaliação e Controle Zoossanitário CPACZ Coordenação de Febre Aftosa - CFA Departamento de Saúde Animal - DSA

Leia mais

Regularização Fundiária em São Mateus

Regularização Fundiária em São Mateus Regularização Fundiária em São Mateus Legislações Pertinente: Lei 6.015/73 Lei 6.766/79 Lei 9.785/99 Lei 10.257/01 Lei 11.977/09 Lei 12.424/11 Legislações Municipais Regularização Fundiária Conceito -

Leia mais

LEI N /2013. (Institui o Plano Municipal de Habitação de Interesse Social do Município de Rio Verde) A CÂMARA MUNICIPAL DE RIO VERDE-GO APROVA:

LEI N /2013. (Institui o Plano Municipal de Habitação de Interesse Social do Município de Rio Verde) A CÂMARA MUNICIPAL DE RIO VERDE-GO APROVA: LEI N. 6.291/2013 (Institui o Plano Municipal de Habitação de Interesse Social do Município de Rio Verde) A CÂMARA MUNICIPAL DE RIO VERDE-GO APROVA: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Esta lei aprova

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 411/2015 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

PROJETO DE LEI Nº 411/2015 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROJETO DE LEI Nº 411/2015 Aprova o PLHIS Plano Local de Habitação de Interesse Social do Município de Jaboticabal e dá outras providências. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Fica aprovado e instituído

Leia mais

Seminário ABRELPE e BID Política Nacional de Resíduos Sólidos Desafios e Recursos. São Paulo, 15/10/2012

Seminário ABRELPE e BID Política Nacional de Resíduos Sólidos Desafios e Recursos. São Paulo, 15/10/2012 Seminário ABRELPE e BID Política Nacional de Resíduos Sólidos Desafios e Recursos São Paulo, 15/10/2012 Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto

Leia mais

EDITAL N 034/2016 Referente ao Aviso N 046/2016, publicado no D.O.E. de 15/04/2016.

EDITAL N 034/2016 Referente ao Aviso N 046/2016, publicado no D.O.E. de 15/04/2016. EDITAL N 034/2016 Referente ao Aviso N 046/2016, publicado no D.O.E. de 15/04/2016. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB), no uso de suas atribuições legais e regimentais, em conformidade

Leia mais

REUNIÃO NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO

REUNIÃO NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO REUNIÃO NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO 15 DE AGOSTO DE 2012 NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO 15/08/12 PAUTA 1. AGENDA PLANEJAMENTO II SEMESTRE 2012 2. ESCRITÓRIO DE PROJETOS

Leia mais

PROPOSTA DE GOVERNO DO PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO PSB. VAMOS MUDAR JAMBEIRO

PROPOSTA DE GOVERNO DO PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO PSB. VAMOS MUDAR JAMBEIRO PROPOSTA DE GOVERNO DO PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO PSB. VAMOS MUDAR JAMBEIRO A Gestão Participativa, com a construção de múltiplos canais de consulta, com a participação em decisões, com o controle Social,

Leia mais

TERRENO URBANO PARA IMPLANTAÇÃO DE EMPREENDIMENTO HABITACIONAL 1. DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA ANÁLISE PRELIMINAR DE ENGENHARIA

TERRENO URBANO PARA IMPLANTAÇÃO DE EMPREENDIMENTO HABITACIONAL 1. DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA ANÁLISE PRELIMINAR DE ENGENHARIA TERRENO URBANO PARA IMPLANTAÇÃO DE EMPREENDIMENTO HABITACIONAL 1. DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA ANÁLISE PRELIMINAR DE ENGENHARIA DIVISÃO DE ANÁLISE PRELIMINAR DE ENGENHARIA - DVAP 1 - DA PREFEITURA MUNICIPAL:

Leia mais

UFGD/FCBA Caixa Postal 533, 79, Dourados-MS, 1

UFGD/FCBA Caixa Postal 533, 79, Dourados-MS,   1 SITUAÇÃO DOS DOMICÍLIOS NA CIDADE DE CORUMBÁ-MS Andressa Freire dos Santos 1 ; Graciela Gonçalves de Almeida 1 ; Daniella de Souza Masson 1 ; Joelson Gonçalves Pereira 2 UFGD/FCBA Caixa Postal 533, 79,804-970-Dourados-MS,

Leia mais

EQUIPE DE QUALIDADE E GESTÃO AMBIENTAL (DQGA)

EQUIPE DE QUALIDADE E GESTÃO AMBIENTAL (DQGA) EQUIPE DE QUALIDADE E GESTÃO AMBIENTAL (DQGA) - DIRETORIA DE QUALIDADE E GESTÃO AMBIENTAL (DQGA) - FEAM - QUADRO DE INDICADORES E METAS DA DIRETORIA DE QUALIDADE E GESTÃO AMBIENTAL (DQGA) FEAM CÓD OBJETIVO

Leia mais

Planejamento Desenvolvimento Políticas Públicas. Ministério do Planejamento

Planejamento Desenvolvimento Políticas Públicas. Ministério do Planejamento Planejamento Desenvolvimento Políticas Públicas PPA 2012-2015 Sumário 1. Princípios do PPA 2. Dimensões do Plano 3. Principais Mudanças 4. Elaboração do PPA 5. Exemplo de Programa 6. Modelo de Gestão 7.

Leia mais

Objetivo 7 - Garantir a sustentabilidade ambiental

Objetivo 7 - Garantir a sustentabilidade ambiental Apresentação dos Resultados do Relatório ODM BH 2014 - Meta 10 - Reduzir pela metade, até 2015, a proporção da população sem acesso permanente e sustentável à água potável e esgotamento sanitário Ricardo

Leia mais

Tribunal Superior do Trabalho

Tribunal Superior do Trabalho PLANO ANUAL DE AUDITORIA 2016 Tribunal Superior do Trabalho PLANO ANUAL DE AUDITORIA 2016 Secretaria de Controle Interno PLANO ANUAL DE AUDITORIA DA SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO - EXERCÍCIO 2016 Aprovado

Leia mais

BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS

BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES 2009-2014 FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS MINHA CASA, MINHA VIDA - ENTIDADES PMCMV ENTIDADES/ FDS Produção e aquisição de unidades habitacionais

Leia mais

PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos.

PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos. PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de 2011 Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos. O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições que lhes

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D.4.6. Gestão, Avaliação e Revisão do PPA (20h) (Caso 2: Piloto do Monitoramento do PPA 2012-2015 - Programa Mudanças Climáticas) Professor:

Leia mais

RELATÓRIO DA REDE DE ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS

RELATÓRIO DA REDE DE ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS RELATÓRIO DA REDE DE ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS Nome do Responsável: Leila Maria dos Santos Silva Cargo do Responsável: Coordenadora Estadual de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas e Trabalho

Leia mais

Depende da aprovação do Plano

Depende da aprovação do Plano Coordenador: Liliane Espinosa de Mello Reunião de 19/08/2014 SAÚDE Visão: Que Santa Maria seja o principal Polo na Área de Saúde do interior do Rio Grande do Sul, contribuindo para a melhor qualidade de

Leia mais

Ouvidoria - Geral da União. Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República.

Ouvidoria - Geral da União. Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República. Ouvidoria - Geral da União Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República. Produzir dados quantitativos e qualitativos acerca da satisfação

Leia mais

GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA. 5 de Dezembro de 2012

GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA. 5 de Dezembro de 2012 GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA 5 de Dezembro de 2012 GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA CONTEÚDO 1. A REGIÃO METROPOLITANA

Leia mais

SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA. 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS

SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA. 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS LEI COMPLEMENTAR N 141/2012 E O PROCESSO DE FINANCIAMENTO DO SUS Sistema

Leia mais

Helena A Wada Watanabe 2012

Helena A Wada Watanabe 2012 Helena A Wada Watanabe 2012 Política * É uma atividade mediante a qual as pessoas fazem, preservam e corrigem as regras gerais sob as quais vivem. * É inseparável tanto do conflito como da cooperação (valores

Leia mais

PLANO DE GESTÃO CÂMPUS CAÇADOR

PLANO DE GESTÃO CÂMPUS CAÇADOR PLANO DE GESTÃO CÂMPUS CAÇADOR 2016-2019 Consolidar, Incluir e Unir com ética, transparência e responsabilidade SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 5 2 METODOLOGIA... 6 3 EQUIPE... 7 4 MAPA SITUACIONAL... 8 5 EIXOS

Leia mais

Mapa Estratégico CRA - ES

Mapa Estratégico CRA - ES Processos Internos Recursos Resultado Mercado Ambiente Interno Forças Fraquezas 09/08/2016 Mapa Estratégico CRA - ES Visão (2015 2019) Missão e Visão A Atendimento à legislação (Aumentar arrecadações)

Leia mais

Programa de Fomento às Ações de Educação em Saúde Ambiental.

Programa de Fomento às Ações de Educação em Saúde Ambiental. Fundação Nacional de Saúde Superintendência Estadual de Minas Gerais SUEST/MG. Serviço de Saúde Ambiental Tema: Tema: Programa de Fomento às Ações de Educação em Saúde Ambiental. MARIANA, MG, 16 de Outubro

Leia mais

É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem.

É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem. É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem. Está pautada no compromisso, no diálogo, no planejamento

Leia mais

PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO

PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO UF / Ação de Governo Valor a ser Fiscalizado AC R$ 99.891.435,79 Apoio à Alimentação Escolar na Educação Básica (PNAE) R$

Leia mais

S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações LEI Nº 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2003 APRESENTAÇÃO

PLANO DE AÇÃO 2003 APRESENTAÇÃO PLANO DE AÇÃO 2003 APRESENTAÇÃO O Plano ora apresentado é ferramenta imprescindível para nortear as ações da Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA na implementação de suas estratégias de atuação,

Leia mais

Indicadores de Belo Monte

Indicadores de Belo Monte Indicadores de Belo Monte Controle Social 2 de 6 Avaliação sobre o envolvimento de espaços de participação social na implementação do saneamento básico Município Situação em fevereiro de 2015 Situação

Leia mais

A RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DO PODER JUDICIÁRIO

A RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DO PODER JUDICIÁRIO A RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DO PODER JUDICIÁRIO Renatto Marcello de Araujo Pinto Comitê Gestor da PNRSJT Comissão de Responsabilidade Socioambiental DILEMAS DO DESENVOLVIMENTO DESENVOLVIMENTO

Leia mais