IDENTIFICAÇÃO DE PACIENTES Edição: 28/11/2011 NORMA Nº 708

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IDENTIFICAÇÃO DE PACIENTES Edição: 28/11/2011 NORMA Nº 708"

Transcrição

1 Página: 1/6 1- OBJETIVO Identificar, corretamente, os pacientes, com a finalidade de evitar eventos adversos por troca de pacientes, garantindo a sua segurança no Sistema de Saúde Mãe de Deus SSMD. 2- DEFINIÇÕES 3- NORMA 3.1- Todos os pacientes devem ser identificados pelo nome completo e sua data de nascimento (dia/mês/ano); 3.2- Não devem ser aceitos os seguintes itens como forma de identificação: número do quarto, leito, box, sala, localização ou patologia (doença) do paciente em qualquer documento ou em comunicações verbais; 3.3- Os pacientes, acompanhantes / familiares, devem ser orientados em relação à importância das formas corretas de identificação citadas no item 3.1 para a execução de qualquer procedimento / atendimento em termos da segurança assistencial, devendo solicitar aos profissionais da instituição que assim o procedam, caso identifiquem alguma quebra de protocolo; 3.4- Todos os profissionais devem chamar os pacientes pelo nome completo para atendimento em todos os serviços do SSMD Formas de Identificação Todos os profissionais da área assistencial devem ser orientados para a correta identificação do paciente conferindo os seus dados na pulseira de identificação (nome completo e Data de Nascimento), e solicitando ao paciente, ou ao acompanhante deste, em caso de impossibilidade do mesmo em responder verbalmente, que repita seu nome completo antes da realização de qualquer ação assistencial; A Pulseira de Identificação, de cor branca, deve conter as seguintes informações de identificação: Nome completo do paciente; Data de nascimento (dia/mês/ano); Número de registro (ID); Nome completo da mãe; As Pulseiras de Identificação devem ser colocadas no membro superior direito de todos os pacientes, no momento de sua admissão, permanecendo com este até o momento de sua liberação / alta hospitalar; A retirada da pulseira de identificação deve ser de responsabilidade: Da equipe administrativa, no momento da liberação (check-out) dos pacientes ambulatoriais; Da equipe assistencial, no momento da orientação da alta hospitalar, e, na conclusão dos exames ambulatoriais que não necessitem de realização de check-out, junto à área administrativa Em caso de óbito de paciente, ele deve ser encaminhado ao Morgue com a pulseira de identificação.

2 Página: 2/ Identificação de Recém Nascidos (RNs) A identificação de Recém Nascidos (RNs) dever ser feita com pulseira de número seriado correspondente ao da mãe colocada no membro superior direito e mais uma placa de identificação fixada ao berço (Anexo 01); Quando forem gêmeos deve ser informado o número do gêmeo, conforme a ordem de nascimento e o nome da mãe, Ex.: G1 Nome da Mãe; G2 Nome da mãe Na pulseira de identificação, deve ser informado com caneta RN de (Nome da mãe) e a data de nascimento da mãe. Não é informado o nome do recém nascido; Na placa de identificação do Berço, devem ser registradas as seguintes informações com caneta: Nome do Recém Nascido; Quarto/Leito: Nº do quarto ou leito; Data de Nascimento; Hora; Peso de Nascimento; Comprimentos; Nome do Pai; Nome da Mãe; Médico Obstetra; Médico Pediatra No CTI Neonatal, caso seja necessário retirar a pulseira para a realização de algum procedimento, ela deve ficar junto com a placa de identificação aos pés do leito do paciente. Após o procedimento, deve ser recolocada novamente uma pulseira de identificação Identificação no Centro de Diagnóstico por Imagem No setor de tomografia, ressonância, medicina nuclear e Pet CT todos os pacientes receberam pulseira de identificação Na ecografia e radiologia somente receberam a pulseira de identificação os pacientes que realizarem procedimento invasivo. Para os demais pacientes a equipe deve solicitar que o paciente diga o seu nome completo e data de nascimento, a fim de conferir com a solicitação do exame em mãos. 4- EFEITOS DO NÃO CUMPRIMENTO DA NORMA 4.1- Danos aos pacientes decorrentes da identificação incorreta dos mesmos; 4.2- Ônus à instituição decorrentes da falha na identificação correta dos pacientes durante o processo de atendimento. 5- CONTROLES 5.1- Notificação de Quase Falha, Erro de Processo e/ou Evento Adverso em caso de identificação do não cumprimento desta norma; 5.2- Ações de controle mensais, por amostragem aleatória dos pacientes nas diversas unidades e serviços do SSMD;

3 Página: 3/ Auditoria Interna conforme check list (Anexo 02). 6- AÇÕES DE CONTRAMEDIDA 6.1- Proporcionar treinamento contínuo das equipes assistenciais e administrativas para a correta identificação do paciente; 6.2- Quando não for possível a colocação no braço direito, a pulseira de identificação deve ser colocada no braço esquerdo sendo necessário justificar em evolução no prontuário do paciente quando não estiver no MSD como, por exemplo, ausência do membro direito, tala gessada, trauma, lesões, anasarca e outros; 6.3- Quando não for pertinente a adoção das pulseiras de identificação devem ser usadas placas (justificando em evolução a impossibilidade do uso em um dos membros) ou crachá com as informações descritas no item 3.1; 7- ATUALIZAÇÃO DA VERSÃO Data Revisão Nº Descrição da Alteração Editado por Revisado por 28/11/ Emissão do documento Dra. Elenara Ribas, Enf. José Ricardo Bolina, Mara Lucien Silva da Silva Não se aplica 15/07/ Foi alterado todo o documento para torná-lo corporativo 06/10/ Foram alterados os itens 3.1; 3.5.1; 3.5.2; ; com a substituição do segundo identificador para Data de Nascimento; Não se aplica Comitê de Padronização de Práticas Não se aplica. Comitê de Padronização de Práticas Foi alterado o item 5.1; 6.2 e 6.3. Foi incluído o item Escritório de Projetos Eduardo Schenini Aprovação Gerência Técnica de Enfermagem Enf. Fernanda Guimarães Superintendência Médico Assistencial Luiz Felipe Santos Gonçalves Data Aprovação: Data Aprovação: Data Aprovação:

4 Página: 4/6 ANEXO 01 Pulseira de Identificação RN Placa de Identificação do Berço

5 Data Versão: Página: 5/6 Anexo 02 Auditoria das Metas Internacionais de Segurança Equipe : Comitê de Riscos e SEGER Conforme Data da Auditoria: UNIDADE Horário: Não conforme Não avaliado Observações 1 IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE a) Pulseira Legível b) Esta no MSD, se não justificado? c) Chamar o paciente pelo nome completo d) Registros da Unidade com Identificação Correta e) Total de itens avaliados PONTUAÇÃO TOTAL PULSEIRA IDENTIFICAÇÃO Total itens conforme Total de itens avaliados 5. SEGURANÇA COM MEDICAÇÕES a) Gavetas/carros de medicações de alta vigilância chaveadas? b)medicações de paciente com Alta Hospitalar foram retiradas da gaveta? c) Medicações da gaveta estão rotuladas? d) Medicações de geladeira rotuladas corretamente? e) Controle de temperatura da geladeira preenchido corretamente? f)geladeira de uso exclusivo para medicações? g)equipos datados corretamente? h)rótulos de Medicações e Soluções devidamente preenchidos? e) Total de itens avaliados

6 Data Versão: Página: 6/6 PONTUAÇÃO TOTAL MEDICAMENTOS ALTA VIGILÂNCIA Total itens conforme Total de itens avaliados

IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE. PEPEnf- PROGRAMA DE EDUCAÇAÇÃO PERMANENTE ENFERMAGEM Enf ª Rosangela O. Rodrigues

IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE. PEPEnf- PROGRAMA DE EDUCAÇAÇÃO PERMANENTE ENFERMAGEM Enf ª Rosangela O. Rodrigues IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE PEPEnf- PROGRAMA DE EDUCAÇAÇÃO PERMANENTE ENFERMAGEM Enf ª Rosangela O. Rodrigues QUAL A FINALIDADE DA IDENTIFICAÇÃO? É assegurar que o cuidado seja prestado à pessoa, prevenindo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS HOSPITAL ESCOLA NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS HOSPITAL ESCOLA NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS HOSPITAL ESCOLA NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE ROTINA DE IDENTIFICAÇÃO CORRETA DO PACIENTE META INTERNACIONAL DE SEGURANÇA 1 ( MIS-01) 1 OBJETIVO PROCEDIMENTO OPERACIONAL

Leia mais

Interface das Áreas do INTO RESUMO DE REVISÕES

Interface das Áreas do INTO RESUMO DE REVISÕES RESUMO DE REVISÕES Nº MÊS/ANO 1 / 6 MÊS/ANO DESCRIÇÃO PRÓX. REV. JAN/09 Emissão inicial JAN/12 MAI/12 Primeira revisão MAI/15 NOV/12 Segunda revisão NOV/15 SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 REFERÊNCIAS

Leia mais

RESUMO DAS ATIVIDADES DE JANEIRO A JUNHO/2013.

RESUMO DAS ATIVIDADES DE JANEIRO A JUNHO/2013. RESUMO DAS ATIVIDADES DE JANEIRO A JUNHO/2013. Hospital de pequeno porte, Filantrópico, sem fins lucrativos, conveniado com o SUS Sistema Único de Saúde, conforme metas de quantidade e qualidade. METAS

Leia mais

FATURA ELETRÔNICA DO PRESTADOR Layout do Arquivo Texto Versão 1.1.1

FATURA ELETRÔNICA DO PRESTADOR Layout do Arquivo Texto Versão 1.1.1 Orientações gerais: 1. Este layout é destinado a todos os prestadores de serviços de saúde do Ipasgo. Os prestadores pessoas físicas e pessoas jurídicas nas categorias laboratório e clínicas que apresentam

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Mecanismos de Identificação do Paciente.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Mecanismos de Identificação do Paciente. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Mecanismos de Identificação do Paciente. POP nº 01 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 11/09/2014 Elaborado

Leia mais

Regimento Interno da URPA (Unidade de Recuperação Pós- Anestésica)

Regimento Interno da URPA (Unidade de Recuperação Pós- Anestésica) 1 de 5 335547035 5 RESULTADO ESPERADO: Proporcionar cuidados ao paciente durante os estágios de regressão da anestesia. 335547035 PROCESSOS RELACIONADOS: Atendimento Cirúrgico Diretoria Enfermagem OBJETIVOS

Leia mais

PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE

PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE IV ENCONTRO GOIANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE Programa Nacional de Segurança Do Paciente Thais Yoshida Enfermeira Coordenadora do Núcleo Interno de Segurança do Paciente

Leia mais

Melhoria na continuidade do cuidado do paciente CMC\Setor de Imagem

Melhoria na continuidade do cuidado do paciente CMC\Setor de Imagem Melhoria na continuidade do cuidado do paciente CMC\Setor de Imagem Sumário do Contrato de Projeto Objetivo do Projeto: Melhorar a continuidade da assistência de enfermagem dos pacientes internados na

Leia mais

DECISÃO COREN-MA Nº 09/2014

DECISÃO COREN-MA Nº 09/2014 DECISÃO COREN-MA Nº 09/2014 Define as Atribuições do Enfermeiro Responsável Técnico no âmbito do Estado do Maranhão. O Conselho Regional de Enfermagem do Maranhão Coren/MA, em observância aos dispositivos

Leia mais

Sistema AGHU. Manual da Enfermagem. Versão 4.0

Sistema AGHU. Manual da Enfermagem. Versão 4.0 Sistema AGHU Manual da Enfermagem Versão 4.0 Data: 11/08/2016 Pacientes Internados A enfermagem poderá acompanhar os pacientes internados e situação dos leitos através do censo diário da sua unidade. 1)

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA RESPOSTA TÉCNICA COREN/SC Nº 07/2016 Assunto: Atribuições da equipe em procedimentos estéticos e necessidade de especialização para realização das técnicas. Palavras-chave: Estética, Atribuições da equipe

Leia mais

PARECER COREN-SP 041 /2013 CT PRCI n 101.064 Tickets nº 291.263, 300.088

PARECER COREN-SP 041 /2013 CT PRCI n 101.064 Tickets nº 291.263, 300.088 PARECER COREN-SP 041 /2013 CT PRCI n 101.064 Tickets nº 291.263, 300.088 Ementa: Passagem de plantão ao turno seguinte. Quando caracteriza-se abandono de plantão. 1. Do fato Enfermeiro solicita parecer

Leia mais

Circuito Fechado do Medicamento no Sírio-Libanês

Circuito Fechado do Medicamento no Sírio-Libanês Circuito Fechado do Medicamento no Sírio-Libanês Débora C M F de Carvalho Gerente de Farmácia Regina M Y Conishi Gerente Administrativa de Enfermagem Assistência farmacêutica Debora C M F de Carvalho Gerente

Leia mais

Política de Avaliação Fisioterapêutica dos Pacientes e Continuidade do Cuidado NORMA Nº 001

Política de Avaliação Fisioterapêutica dos Pacientes e Continuidade do Cuidado NORMA Nº 001 1- Objetivo Página: 1/10 Estabelecer plano de cuidado e prestar atendimento fisioterapêutico às necessidades imediatas e continuadas do paciente interno e externo. 2- Definições 2.1 Plano de cuidado: visa

Leia mais

MS/SAS/DRAC/CGSI-Coordenação Geral dos Sistemas de Informação

MS/SAS/DRAC/CGSI-Coordenação Geral dos Sistemas de Informação Este bloco de informações destina-se a: Identificar os profissionais que atuam no estabelecimento de saúde; Conhecer a real potencialidade de oferta de Recursos Humanos ligados a execução de ações e serviços

Leia mais

Audiência PúblicaP. O sistema regulatório rio da pesquisa clínica de medicamentos no País. Comissão de Assuntos Sociais

Audiência PúblicaP. O sistema regulatório rio da pesquisa clínica de medicamentos no País. Comissão de Assuntos Sociais Audiência PúblicaP O sistema regulatório rio da pesquisa clínica de medicamentos no País Comissão de Assuntos Sociais Dirceu Barbano Diretor-Presidente Brasília, 18 de março de 2014 Sistema para aprovação

Leia mais

Como elaborar campanhas e treinamentos. Enf. Juliana Prates Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus

Como elaborar campanhas e treinamentos. Enf. Juliana Prates Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus Como elaborar campanhas e treinamentos Enf. Juliana Prates Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus Por onde começar... Importante definir : Quais os focos de atuação do Controle

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Pg.: 1 de Elaboração Verificação Aprovação Janaina Bacci Data: Data: Data: Título da Atividade: Procedimentos de coleta de Resíduos Quimioterápicos Executante: Colaboradores envolvidos na manipulação dos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCO DE QUEDA

GERENCIAMENTO DE RISCO DE QUEDA 1 de 5 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autores 1.00 Proposta inicial MGO,ESS,MRM,PAD,GAA,FCA,AMR,RRM 1 Objetivo Implantar um processo de assistência

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE

SEGURANÇA DO PACIENTE SEGURANÇA DO PACIENTE Segurança do Paciente Segurança do paciente é a redução de atos não seguros dentro do sistema de assistência à saúde, assim como a utilização de boas práticas para alcançar resultados

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES EM SERVIÇOS DE SAÚDE. Experiências de êxito em Higienização das Mãos

II SEMINÁRIO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES EM SERVIÇOS DE SAÚDE. Experiências de êxito em Higienização das Mãos II SEMINÁRIO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES EM SERVIÇOS DE SAÚDE Experiências de êxito em Higienização das Mãos Enfa Julia Yaeko Kawagoe SCIH Experiências de êxito em Higienização das Mãos

Leia mais

PORTARIA CG/SIC/ADG Nº 99 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011

PORTARIA CG/SIC/ADG Nº 99 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011 PORTARIA CG/SIC/ADG Nº 99 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a instrução processual e procedimentos inerentes à apresentação à Auditoria Geral da Prestação de Contas dos Responsáveis por Almoxarifado

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 007.2/2008

ORDEM DE SERVIÇO Nº 007.2/2008 1/6 DIRETORIA DE SAÚDE GABINETE ORDEM DE SERVIÇO Nº 007.2/2008 Dispõe sobre a implantação das regras de pré-auditoria eletrônica das contas e serviços auxiliares de diagnóstico e terapia (SADT). O DIRETOR

Leia mais

FUNDO MATO-GROSSENSE DE APOIO À CULTURA DA SEMENTE MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

FUNDO MATO-GROSSENSE DE APOIO À CULTURA DA SEMENTE MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS FUNDO MATO-GROSSENSE DE APOIO À CULTURA DA SEMENTE MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS Cuiabá/MT, 10/04/2013 1 MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 1. INTRODUÇÃO 1.1 - Recomenda-se a leitura deste manual antes de utilizar

Leia mais

PERGUNTAS e RESPOSTAS. P. Qual a dimensão mínima para portas das salas de exames?

PERGUNTAS e RESPOSTAS. P. Qual a dimensão mínima para portas das salas de exames? PERGUNTAS e RESPOSTAS. P. Qual a dimensão mínima para portas das salas de exames? R. O dimensionamento de portas de EAS está estabelecido na RDC 50/02, Parte III Critérios para Projetos de Estabelecimentos

Leia mais

Evolução da Cultura de Segurança do Paciente: uma análise linear e comparativa com os Hospitais Americanos

Evolução da Cultura de Segurança do Paciente: uma análise linear e comparativa com os Hospitais Americanos Evolução da Cultura de Segurança do Paciente: uma análise linear e comparativa com os Hospitais Americanos Michele S. Malta, Enfermeira, MSc - Serviço de Gestão de Riscos Hospital Mãe de Deus Elenara Oliveira

Leia mais

EMENTA: Disponibilidade de vagas em UTI neonatal - Responsabilidade CONSULTA

EMENTA: Disponibilidade de vagas em UTI neonatal - Responsabilidade CONSULTA PARECER Nº 2370/2012 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 057/2011 PROTOCOLO N. º18953/2011 ASSUNTO: VAGAS EM UTI NEONATAL PARECERISTA: CONS.º DONIZETTI DIMER GIAMBERARDINO FILHO EMENTA: Disponibilidade de vagas

Leia mais

MANUAL DO PRONTUÁRIO DE SAÚDE DO TRABALHADOR HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: Comissão de. Revisão

MANUAL DO PRONTUÁRIO DE SAÚDE DO TRABALHADOR HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: Comissão de. Revisão MANUAL DO PRONTUÁRIO DE SAÚDE DO TRABALHADOR HISTÓRICO DE REVISÕES Data Revisão Descrição da Revisão 00 Emissão Inicial 06/06/2013 01 Documento Revisado sem alteração Elaborado por: Revisado por: Ana Paula

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DA SAHUDES

RELATÓRIO DE GESTÃO DA SAHUDES RELATÓRIO DE GESTÃO DA SAHUDES A Sociedade de Apoio, Humanização e Desenvolvimento de Serviços de Saúde SAHUDES, devidamente qualificada como Organização Social, titulação deferida através do Decreto Municipal

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO. Hospital Estadual Rocha Faria RJ Novembro/2015 PRÓ-SAÚDE ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E HOSPITALAR

RELATÓRIO DE DESEMPENHO. Hospital Estadual Rocha Faria RJ Novembro/2015 PRÓ-SAÚDE ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E HOSPITALAR PRÓ-SAÚDE ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E HOSPITALAR Serviço Público Estadual Processo: E-08/7782/2012 Data: 26/12/2012 Fls. 1 Rubrica: LFS ID. 500.5891-6 EDITAL DE SELEÇÃO Nº 008/2012 Seleção

Leia mais

Manual de orientação ao paciente para internação.

Manual de orientação ao paciente para internação. Manual de orientação ao paciente para internação. Mais comodidade para você! Ao agendar sua internação, tenha mais conforto adquirindo o nosso kit higiene. Para mais informações, consulte os valores na

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO PEDIDO DE CANCELAMENTO OU EXCLUSÃO DE BENEFICIÁRIOS DE PLANOS DE SAÚDE Principais Contribuições. Câmara Técnica 3ª reunião

REGULAMENTAÇÃO DO PEDIDO DE CANCELAMENTO OU EXCLUSÃO DE BENEFICIÁRIOS DE PLANOS DE SAÚDE Principais Contribuições. Câmara Técnica 3ª reunião REGULAMENTAÇÃO DO PEDIDO DE CANCELAMENTO OU EXCLUSÃO DE BENEFICIÁRIOS DE PLANOS DE SAÚDE Principais Contribuições Câmara Técnica 3ª reunião PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES Entidades que enviaram contribuições

Leia mais

Plano de Segurança do paciente

Plano de Segurança do paciente Plano de Segurança do paciente Enfª. M e Jovana Toniato . Plano de Segurança do Paciente Documento que aponta situações de risco e descreve as estratégias e ações definidas pelos serviços de saúde visando

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE GESTÃO DE CUSTOS

PROGRAMA NACIONAL DE GESTÃO DE CUSTOS SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBA PROGRAMA NACIONAL DE GESTÃO DE CUSTOS IPERBA O IPERBA é um Hospital especializado em atenção à saúde da mulher e ao recém-nascido,

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DO PESSOAL NA SALA DE OBSERVAÇÃO ( AMARELOS E VERDES )

ATRIBUIÇÕES DO PESSOAL NA SALA DE OBSERVAÇÃO ( AMARELOS E VERDES ) ATRIBUIÇÕES DO PESSOAL NA SALA DE OBSERVAÇÃO ( AMARELOS E VERDES ) DO SERVIÇO MÉDICO da emergência: Receber o paciente na sala de observação ( amarelos e verdes ), priorizando-o em relação aos consultórios

Leia mais

Retificação Nº 001 Carga Horária

Retificação Nº 001 Carga Horária MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO S.A. HOSPITAL CRISTO REDENTOR S.A. HOSPITAL FÊMINA S.A. PROCESSO SELETIVO PÚBLICO EMERGENCIAL Retificação Nº 001 Carga Horária O Grupo Hospitalar

Leia mais

ASSISTÊNCIA HUMANIZADA AO RECÉM-NASCIDO. Dra. Nivia Maria Rodrigues Arrais Pediatra - Neonatologista Departamento de Pediatria - UFRN

ASSISTÊNCIA HUMANIZADA AO RECÉM-NASCIDO. Dra. Nivia Maria Rodrigues Arrais Pediatra - Neonatologista Departamento de Pediatria - UFRN ASSISTÊNCIA HUMANIZADA AO RECÉM-NASCIDO Dra. Nivia Maria Rodrigues Arrais Pediatra - Neonatologista Departamento de Pediatria - UFRN 10 PASSOS 22/04/2010 PARA A ATENÇÃO HOSPITALAR HUMANIZADA À CRIANÇA

Leia mais

CONCEITO Consiste na coleta de urina excretada durante o período de 24 horas em um recipiente de plástico, limpo e com tampa.

CONCEITO Consiste na coleta de urina excretada durante o período de 24 horas em um recipiente de plástico, limpo e com tampa. Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na coleta de urina excretada durante o período de 24 horas em um recipiente de plástico, limpo e com tampa. FINALIDADE Obter material a fim de avaliar e diagnosticar

Leia mais

Assunto: Transporte intra-hospitalar, anestesia, exames complementares.

Assunto: Transporte intra-hospitalar, anestesia, exames complementares. PARECER CRM/MS N 16/2013 Processo consulta 05/2013 Interessado: L.G.O.S Conselheiro parecerista: Sérgio Renato de Almeida Couto Assunto: Transporte intra-hospitalar, anestesia, exames complementares. Ementa:

Leia mais

Implantação. Tania Chagas Kátia Topázio Licia L.Moreira Verônica Raich

Implantação. Tania Chagas Kátia Topázio Licia L.Moreira Verônica Raich Implantação do Programa de Segurança do Paciente em uma Unidade de Cirurgia Ambulatorial Tania Chagas Kátia Topázio Licia L.Moreira Verônica Raich Introdução Pensar segurança no âmbito da cirurgia ambulatorial

Leia mais

PARECER COREN-SP 020/2014 CT PRCI n 100.473/2012 Ticket n : 277.785, 280.399, 281.427, 284.665, 288.133, 289.653, 291.712, 292.543, 293.445, 299.381.

PARECER COREN-SP 020/2014 CT PRCI n 100.473/2012 Ticket n : 277.785, 280.399, 281.427, 284.665, 288.133, 289.653, 291.712, 292.543, 293.445, 299.381. PARECER COREN-SP 020/2014 CT PRCI n 100.473/2012 Ticket n : 277.785, 280.399, 281.427, 284.665, 288.133, 289.653, 291.712, 292.543, 293.445, 299.381. Ementa: Abertura de clínicas de estética e formação

Leia mais

PROCEDIMENTOS INTERNOS PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO E CADASTRO DE FORNECEDORES

PROCEDIMENTOS INTERNOS PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO E CADASTRO DE FORNECEDORES Código: PCO-02 PROCEDIMENTOS INTERNOS Área Responsável: Suprimentos Data Elaboração: 17/01/2013 Revisão: 20/01/16 - R03 Elaborado por: Gilson Cesar Gerente de Suprimentos Revisado por: Reinaldo Santos

Leia mais

CONSULTA FUNDAMENTAÇÃO E PARECER

CONSULTA FUNDAMENTAÇÃO E PARECER PARECER Nº 2546/2017- ASSUNTO: UPA - CONTRATAÇÃO DE MÉDICOS RADIOLOGISTAS AUSÊNCIA DE RESPONSÁVEL TÉCNICO - NECESSIDADE DE ADEQUAÇÕES PARECERISTA: CONS.º LUTERO MARQUES DE OLIVEIRA EMENTA: Necessidade

Leia mais

Código: MINV-P-003 Versão: 03 Vigência: 03/2011 Última Atualização: 02/2016

Código: MINV-P-003 Versão: 03 Vigência: 03/2011 Última Atualização: 02/2016 POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL Gerência de Riscos e Compliance Página 1 Índice 1. Objetivo... 3 2. Abrangência... 3 3. Vigência... 3 4. Conceito... 3 5. Etapas da Gestão de Risco Operacional... 4 6. Estrutura

Leia mais

SERVIÇO DE ATENÇÃO AO PORTADOR DE OBESIDADE GRAVE

SERVIÇO DE ATENÇÃO AO PORTADOR DE OBESIDADE GRAVE Procedimento Operacional Padrão (POP) SERVIÇO DE PSICOLOGIA POP nº 04 PSI/HU Hospital Universitário Prof. Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal de Santa Catarina SERVIÇO DE ATENÇÃO AO PORTADOR

Leia mais

Fluxo Atendimento - Autorizador HILUM Hospital São José.

Fluxo Atendimento - Autorizador HILUM Hospital São José. Fluxo Atendimento - Autorizador HILUM Hospital São José. 1. Identificação do Cliente (beneficiário) Beneficiário não identificado: Cliente Unimed Santos: contatar a Central de Atendimento Unimed telefone:

Leia mais

SAIBA O QUE É TRATAMENTO FORA DO DOMICÍLIO TFD.

SAIBA O QUE É TRATAMENTO FORA DO DOMICÍLIO TFD. SAIBA O QUE É TRATAMENTO FORA DO DOMICÍLIO TFD. Instituído pela Portaria nº 55 da Secretaria de Assistência a Saúde (Ministério da Saúde), é um instrumento legal que visa garantir, através do SUS, tratamento

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES.

PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES. ETEC ANTONIO DEVISATE MARÍLIA PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES. AVISO N 031/02/2015 de 25/09/2015. Processo n 6282/2015 AVISO DE DEFERIMENTO E

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS

NORMAS E PROCEDIMENTOS NORMAS E PROCEDIMENTOS Compensação dos atos gratuitos Com o objetivo de informar nossos colegas responsáveis pelos Cartórios de Registro Civil das Pessoas Naturais, a Comissão Gestora do Fundo de Custeio

Leia mais

DECRETO Nº. 017/2009, de 04 de setembro de 2009.

DECRETO Nº. 017/2009, de 04 de setembro de 2009. DECRETO Nº. 017/2009, de 04 de setembro de 2009. REGULAMENTA A JUNTA MÉDICA DO MUNICÍPIO DE GUARANTÃ DO NORTE E DO FUNDO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES DE GUARANTÃ DO NORTE PREVIGUAR E

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece os critérios básicos de suprimento e logística de materiais assim como as diretrizes para a armazenagem, preservação e manuseio de materiais

Leia mais

Processo Seletivo Para o Estágio Acadêmico em Medicina Intensiva do Hospital SOCOR 2016: Edital/ Manual do Candidato:

Processo Seletivo Para o Estágio Acadêmico em Medicina Intensiva do Hospital SOCOR 2016: Edital/ Manual do Candidato: Processo Seletivo Para o Estágio Acadêmico em Medicina Intensiva do Hospital SOCOR 2016: Edital/ Manual do Candidato: 1 - APRESENTAÇÃO O Hospital SOCOR é uma instituição privada de saúde fundada em 1968.

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 019/2012 CT PRCI n 98.954/2012 e Ticket n 278.626

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 019/2012 CT PRCI n 98.954/2012 e Ticket n 278.626 PARECER COREN-SP 019/2012 CT PRCI n 98.954/2012 e Ticket n 278.626 Assunto: Contenção de pacientes mediante prescrição por telemedicina em APH e em outras situações. 1. Do fato Profissional Enfermeiro

Leia mais

EQUIPAMENTOS PORTE I PORTE II PORTE III Pronto Atendimento Área de recepção e espera para público / pacientes

EQUIPAMENTOS PORTE I PORTE II PORTE III Pronto Atendimento Área de recepção e espera para público / pacientes EQUIPAMENTOS PORTE I PORTE II PORTE III Pronto Atendimento Área de recepção e espera para público / pacientes Bebedouro 1 1 2 Balcão de atendimento com espaço para 1 1 1 computadores e impressoras* Cadeira

Leia mais

115 FÍSICO FÍSICA MÉDICA - RADIOTERAPIA A B A E A C B B C D A E D A A E C D B C B E D A C E E A B D FISIOTERAPIA A B A E A D E B D E A D E C A B

115 FÍSICO FÍSICA MÉDICA - RADIOTERAPIA A B A E A C B B C D A E D A A E C D B C B E D A C E E A B D FISIOTERAPIA A B A E A D E B D E A D E C A B (Gabarito divulgado em 09/12/2013) D E B E B A D D D C D C E A C C B C B E 101 ASSISTENTE SOCIAL A B A E A E A B D C B A E B C B D B D A C E A D D E C E A C 102 - BIÓLOGO A B A E A C A E B E C D A D D

Leia mais

SOLICITAÇÃO/EXECUÇÃO DE SADT HILUM

SOLICITAÇÃO/EXECUÇÃO DE SADT HILUM SOLICITAÇÃO/EXECUÇÃO DE SADT HILUM HILUM SOLICITAÇÃO/EXECUÇÃO DE SADT Sem cartão Com cartão HILUM SOLICITAÇÃO/EXECUÇÃO DE SADT Quando a solicitação/execução for relacionada a um RN, o Campo 12 precisa

Leia mais

Descrever os processos necessários para cadastro, liberação de perfil, vinculação de assinaturas digitalizadas.

Descrever os processos necessários para cadastro, liberação de perfil, vinculação de assinaturas digitalizadas. Setor: Escritório da Qualidade Pág. 1 de 10 Código:.QLD.NOR.002 Versão: 00 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO... 2 3. SIGLAS UTILIZADAS... 2 4. GLOSSÁRIO / CONCEITOS... 2 5.

Leia mais

Define-se Acreditação como um sistema de avaliação e certificação da qualidade de serviços de saúde, voluntário, periódico e reservado.

Define-se Acreditação como um sistema de avaliação e certificação da qualidade de serviços de saúde, voluntário, periódico e reservado. Define-se Acreditação como um sistema de avaliação e certificação da qualidade de serviços de saúde, voluntário, periódico e reservado. Uma maneira diferente de focar a avaliação. Processo interativo,

Leia mais

3º Avaliação Trimestral 2º Ano do Contrato de Gestão nº. 02/2010 Dezembro de 2011 à Fevereiro de 2012

3º Avaliação Trimestral 2º Ano do Contrato de Gestão nº. 02/2010 Dezembro de 2011 à Fevereiro de 2012 Governo do Estado de Pernambuco Secretaria Estadual de Saúde Secretaria Executiva de Atenção à Saúde Diretoria Geral de Modernização e Monitoramento de Assistência à Saúde UPA Torrões 3º Avaliação Trimestral

Leia mais

Fórum de Qualidade e Segurança em Anestesia Apresentação de Casos: Hospital Ernesto Dornelles

Fórum de Qualidade e Segurança em Anestesia Apresentação de Casos: Hospital Ernesto Dornelles Fórum de Qualidade e Segurança em Anestesia Apresentação de Casos: Hospital Ernesto Dornelles Airton Bagatini Vice-Presidente da SBA Corresponsável pelo CET do SANE Coordenador da Perspectiva Assistencial

Leia mais

FLUXO DE ATENDIMENTO DO PACIENTE COM SUSPEITA DE DENGUE NA ATENÇÃO BÁSICA (UBS/USF)

FLUXO DE ATENDIMENTO DO PACIENTE COM SUSPEITA DE DENGUE NA ATENÇÃO BÁSICA (UBS/USF) FLUXO DE ATENDIMENTO DO PACIENTE COM SUSPEITA DE DENGUE NA ATENÇÃO BÁSICA (UBS/USF) Padronização para a regulação do fluxo de atendimento do paciente com suspeita de dengue na Atenção Básica: Recepção:

Leia mais

Superintendência de Gestão, Planejamento e Finanças Gerência de Contratos e Convênios ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO

Superintendência de Gestão, Planejamento e Finanças Gerência de Contratos e Convênios ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO 1. ATIVIDADES MÍNIMAS A REALIZAR 1.1. ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Produção. 1.1.1. Realizar, no mínimo, 90% da meta estabelecida no Plano de Metas de 1.1.2. O indicador de aferição

Leia mais

REGIMENTO INTERNO RECOMENDADO PARA O ROTARY CLUB

REGIMENTO INTERNO RECOMENDADO PARA O ROTARY CLUB MANUAL DE PROCEDIMENTO 2013 REGIMENTO INTERNO RECOMENDADO PARA O ROTARY CLUB Artigo Assunto Página 1 Definições... 225 2 Conselho diretor... 225 3 Eleições e mandatos... 225 4 Deveres do conselho diretor...

Leia mais

Atendimento. Cadastramento de Guias; Saída da clínica (SADT/Internação); Atenção nos status dos procedimentos; 20/08/2014

Atendimento. Cadastramento de Guias; Saída da clínica (SADT/Internação); Atenção nos status dos procedimentos; 20/08/2014 Treinamento Grupo III Prestadores Resumo Cadastramento de Guias; Atendimento Saída da clínica (SADT/Internação); Atenção nos status dos procedimentos; 1 Atendimento Status NEGADO, verificar o motivo! Atendimento

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR nº 005, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2007.

LEI COMPLEMENTAR nº 005, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2007. LEI COMPLEMENTAR nº 005, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2007. Altera a Lei Complementar nº 003/2006 que dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreira e Remuneração dos servidores públicos do Município de Prata, MG, cria

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA MANUAL DE INSTRUÇÕES DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA 1 NORMAS GERAIS DE ATENDIMENTO OBJETIVO Orientar os recursos credenciados no atendimento prestado aos usuários da Mogidonto e seus dependentes. 1. Cartão

Leia mais

SAÍDAS HOSPITALARES Serviços Contratados Meta Realizado % Alcance das Metas Clínica Médica 136 146 93,38 % Saídas Clínica Cirúrgica 160

SAÍDAS HOSPITALARES Serviços Contratados Meta Realizado % Alcance das Metas Clínica Médica 136 146 93,38 % Saídas Clínica Cirúrgica 160 SAÍDAS HOSPITALARES Serviços Contratados Meta Realizado % Alcance das Metas Clínica Médica 136 146 93,38 % Saídas Clínica Cirúrgica 160 83 63,75% Hospitalares TOTAL DE SAÍDAS 296 229 77,36% Fonte: MV SOUL:

Leia mais

Resolução 008/2016 Coren-RS

Resolução 008/2016 Coren-RS Resolução 008/2016 Coren-RS Resolução 008/2016 Coren-RS DECISÃO COREN-RS Nº 008/2016 Veda a dispensação de medicamentos por Profissionais de Enfermagem e dá outras providências. O CONSELHO REGIONAL DE

Leia mais

Gestão de Estoque Hospitalar

Gestão de Estoque Hospitalar II Forum de Lean Healthcare de São Paulo Gestão de Estoque Hospitalar Jorge Luiz Bison Mauricio Jacó Cerri UNIMED Araras Hospital Próprio em Araras e Leme SP 50.000 vidas (Araras, Leme e Conchal) 700+

Leia mais

CONCEITO E FÓRMULA DOS INDICADORES DE QUALIDADE DA CGE

CONCEITO E FÓRMULA DOS INDICADORES DE QUALIDADE DA CGE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE CONCEITO E FÓRMULA DOS INDICADORES DE QUALIDADE DA CGE Processo Objetivo Indicador Meta/Prazo Conceito

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança. Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

CICLO DE MELHORIA NACIONAL DA QUALIDADE DA PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE (IRAS) 2015/2016

CICLO DE MELHORIA NACIONAL DA QUALIDADE DA PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE (IRAS) 2015/2016 CICLO DE MELHORIA NACIONAL DA QUALIDADE DA PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE (IRAS) 2015/2016 PROGRAMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Programa de Gestão da Qualidade (GQ) é o

Leia mais

II SIMPÓSIO DE ENFERMAGEM DO HOSPITAL FELÍCIO ROCHO

II SIMPÓSIO DE ENFERMAGEM DO HOSPITAL FELÍCIO ROCHO II SIMPÓSIO DE ENFERMAGEM DO HOSPITAL FELÍCIO ROCHO TEMA: SEGURANÇA DO PACIENTE: O ENFERMEIRO COMO RECURSO CHAVE PARA UMA ASSISTÊNCIA DE QUALIDADE DATA: 02/12/2017 Belo Horizonte, 16 de Outubro de 2017.

Leia mais

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação ACREDITAÇÃO HOSPITALAR Análise Crítica da Pré e Pós Certificação A qualidade não é um conjunto de técnicas, é a maneira de pensar o seu próprio negócio e isso não da pra copiar. Fonte: hsm.com.br Hospital

Leia mais

UCF COVA DA BEIRA 25º

UCF COVA DA BEIRA 25º UCF COVA DA BEIRA 25º aniversário das UCFs Coimbra, 19 junho 2015 Comissão Regional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente ARS Centro Identificação e Composição Identificação e Composição ACES

Leia mais

Porto Alegre/RS EGL

Porto Alegre/RS EGL Documentos-Fonte (Documentos Originais) Dra. Eliana G. Lordelo Definição São todos os documentos, dados e registros originais que foram gerados por um atendimento a um Sujeito de Pesquisa durante um Estudo

Leia mais

Vigilância da dengue Investigação de óbitos suspeitos Justificativas e Cenário Atual

Vigilância da dengue Investigação de óbitos suspeitos Justificativas e Cenário Atual Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação Geral do Programa Nacional de Controle da Dengue Vigilância da dengue Investigação de óbitos

Leia mais

Seminário FGV Governança e Gestão dos Hospitais de Atendimento Público no Brasil. A Governança e Gestão do HRTN. O Modelo de Linhas de Cuidado

Seminário FGV Governança e Gestão dos Hospitais de Atendimento Público no Brasil. A Governança e Gestão do HRTN. O Modelo de Linhas de Cuidado Seminário FGV Governança e Gestão dos Hospitais de Atendimento Público no Brasil A Governança e Gestão do HRTN O Modelo de Linhas de Cuidado MONICA COSTA DIRETORA TÉCNICA ASSISTENCIAL OUTUBRO DE 2014 Reitor

Leia mais

Guia de Recursos de Glosas

Guia de Recursos de Glosas 62 Manual Completo tiss 3.0.2 Guia de Recursos de Glosas Guia enviada pelo cooperado à operadora para a solicitação de revisão de glosa. GUIA DE RECURSO DE GLOSAS 2- Nº Guia no Prestador 1 - Registro ANS

Leia mais

Código Descrição Código Descrição

Código Descrição Código Descrição VI - TABELA DE DOMÍNIO TABELAS Código Descrição Código Descrição 01 02 03 04 Lista de Procedimentos Médicos AMB 90 Lista de Procedimentos Médicos AMB 92 Lista de Procedimentos Médicos AMB 96 Lista de Procedimentos

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL DO MUNICIPIO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ATOS DO SECRETÁRIO RESOLUÇÃO SMS Nº 1257 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007

DIÁRIO OFICIAL DO MUNICIPIO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ATOS DO SECRETÁRIO RESOLUÇÃO SMS Nº 1257 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007 DIÁRIO OFICIAL DO MUNICIPIO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ATOS DO SECRETÁRIO RESOLUÇÃO SMS Nº 1257 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007 Institui o Sistema Municipal de Vigilância Epidemiológica

Leia mais

AO NÃO DECLARAR AS DOENÇAS E/OU LESÕES QUE O BENEFICIÁRIO SAIBA SER

AO NÃO DECLARAR AS DOENÇAS E/OU LESÕES QUE O BENEFICIÁRIO SAIBA SER ANEXO CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO Prezado(a) Beneficiário(a), A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), instituição que regula as atividades das operadoras de planos privados de assistência

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES ASSOCIADAS AOS CUIDADOS DE SAÚDE - PCI NORMA Nº 709

PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES ASSOCIADAS AOS CUIDADOS DE SAÚDE - PCI NORMA Nº 709 Página: 1/9 1- OBJETIVO Definir as ações pertinentes ao controle de infecções associadas aos cuidados de saúde na instituição. 2- DEFINIÇÕES 2.1- Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) Por

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DA TISS (TROCA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR)

MANUAL DE PREENCHIMENTO DA TISS (TROCA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR) MANUAL DE PREENCHIMENTO DA TISS (TROCA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR) 1 A Troca de Informação de Saúde Suplementar (TISS), padrão estabelecido pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), tem

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: L-27 Página 1 de 5 1. Objetivo: Garantir atendimento de forma adequada aos clientes e funcionários dentro dos protocolos estabelecidos para assistência de enfermagem durante as intercorrências

Leia mais

ADMISSÃO DA PACIENTE NA EMERGÊNCIA OBSTÉTRICA

ADMISSÃO DA PACIENTE NA EMERGÊNCIA OBSTÉTRICA ADMISSÃO DA PACIENTE NA ENFERMAGEM EMERGÊNCIA OBSTÉTRICA Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro ADMISSÃO DA PACIENTE NA EMERGÊNCIA OBSTÉTRICA É o atendimento

Leia mais

0328/16 São Paulo, 27 de janeiro de 2016. Ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC At.: Sr. Alexandre Tanaami

0328/16 São Paulo, 27 de janeiro de 2016. Ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC At.: Sr. Alexandre Tanaami Tel.: +55 11 3848 588o Rua Major Quedinho 90 Fax: + 55 11 3045 7363 Consolação São Paulo, SP - Brasil www.bdobrazil.com.br 01050-030 0328/16 São Paulo, 27 de janeiro de 2016. Ao Instituto Brasileiro de

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA Parecer Coren/SC Nº 006/CT/2015 Assunto: Atividades profissionais de Enfermagem / Área cirúrgica: troca de cânula de traqueostomia. I Do fato A Gerente de Enfermagem do Hospital (...) questiona sobre a

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e equipamentos necessários...3 6. Métodos e procedimentos de execução...4

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PARA AS EMPRESAS DISTRIBUIDORAS DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) SUMÁRIO & '!

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PARA AS EMPRESAS DISTRIBUIDORAS DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) SUMÁRIO & '! Página 1 de 11 SUMÁRIO! " #$ % & $! & '! $ " () % %% % ($)& $ Página 2 de 11 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS PÁGINA SUMÁRIO DE MUDANÇA DATA ELABORADO APROVADO Todas Liberação do documento 07/07/2001 Todas Todas

Leia mais

Carta de Serviços Prestados a Comunidade

Carta de Serviços Prestados a Comunidade Carta de Serviços Prestados a Comunidade Dourados 2015 Maria Michelle Teixeira da Matta Santos Coordenadora Alexandre Rodrigues Mendonça Enfermeiro Esther Laura Carvalho de Jesus Enfermeira André Luiz

Leia mais

PROTOCOLO DE NORMATIZAÇÃO DA DISPENSAÇÃO DE FÓRMULAS ESPECIAIS PARA CRIANÇAS COM ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA NA REDE SUS-BH

PROTOCOLO DE NORMATIZAÇÃO DA DISPENSAÇÃO DE FÓRMULAS ESPECIAIS PARA CRIANÇAS COM ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA NA REDE SUS-BH PROTOCOLO DE NORMATIZAÇÃO DA DISPENSAÇÃO DE FÓRMULAS ESPECIAIS PARA CRIANÇAS COM ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA NA REDE SUS-BH Este protocolo tem o objetivo de estabelecer diretrizes para dispensação

Leia mais

Id: 1760894 Data Publicação: 01 12 2011 Fonte: Revista Edição: 19

Id: 1760894 Data Publicação: 01 12 2011 Fonte: Revista Edição: 19 Id: 1760894 Página: 18 AlturaxLargura: 25,9cmx19,5cm Id: 1760896 Página: 19 AlturaxLargura: 25,51cmx19,61cm Id: 1760898 Página: 20 AlturaxLargura: 25,61cmx19,55cm Id: 1760899 Página: 21 AlturaxLargura:

Leia mais

UNIMED LITORAL MANUAL DE PROCESSOS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIMED LITORAL MANUAL DE PROCESSOS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIMED LITORAL MANUAL DE PROCESSOS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MANUAL PORTAL UNIMED AUTORIZAÇÃO Site: www.unimedlitoral.com.br/planodesaude A senha e login será sempre o CPF do Médico Desenvolvido por: Larissa

Leia mais

Legenda da Guia de Recurso de Glosa

Legenda da Guia de Recurso de Glosa Registro ANS Número da de recurso de glosas no na 1 2 Registro ANS Nº da no String 6 Registro da de plano privado de assistência à saúde na Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Número que identifica

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS ASSISTENCIAIS DE SAÚDE OBSERVADOS NAS INSPEÇÕES SANITÁRIAS

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS ASSISTENCIAIS DE SAÚDE OBSERVADOS NAS INSPEÇÕES SANITÁRIAS - ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS ASSISTENCIAIS DE SAÚDE OBSERVADOS NAS INSPEÇÕES

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Rede de Prestadores Fachesf FACHESF. Fundação Chesf de Assistência e Seguridade Social

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Rede de Prestadores Fachesf FACHESF. Fundação Chesf de Assistência e Seguridade Social MANUAL DE INSTRUÇÕES Rede de Prestadores Fachesf FACHESF Fundação Chesf de Assistência e Seguridade Social Ficha Técnica: Fundação Chesf de Assistência e Seguridade Social - Fachesf Coordenação Técnica:

Leia mais