Identificação dos Custos Logísticos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Identificação dos Custos Logísticos"

Transcrição

1 Universidade Cruzeiro do Sul

2 Unidade - Identificação dos Custos Logísticos MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof. Esp. Washington Luís Reis Revisão Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Campus Virtual Universidade Cruzeiro do Sul 2

3 1. Introdução: A partir desta unidade, iremos identificar os custos logísticos dentro da cadeia de abastecimento. A figura a seguir ilustra uma sequência de processos onde estão inseridos estes custos. Os custos logísticos a serem abordados nesta unidade são: 1. Armazenagem e Movimentação; 2. Transporte; 3. Embalagem. 2. Custos de Armazenagem e Movimentação: As atividades de armazenagem e movimentação estão entre os fornecedores, a produção e os clientes de uma indústria. Segundo Moura (1989, p.4), define-se Armazenagem e Movimentação como: 3

4 As decisões operacionais de armazenagem (acondicionamento de estoques) contemplam decisões relativas ao arranjo do Layout, envolvendo as embalagens e estruturas que irão acomodar os estoques e facilitar a movimentação dos materiais. A utilização de equipamentos e estruturas adequadas pode contribuir para boas decisões, tais como: 1) Porta-pallets 2) Cantilever 2) Roletes 4) Drive-in 4

5 5) Mezaninos 6) Estantes 7) Flowracks Quanto à movimentação de materiais, as decisões operacionais incluem todo o percurso entre o recebimento (aquisição de materiais), estocagem e ponto de carregamento para inicio da distribuição até os clientes. Definir o melhor fluxo dos materiais é o objetivo maior e devem considerar questões como: áreas e equipamentos disponíveis, condições e métodos operativos, inspeção e devolução de materiais, rotas e tempos de movimentação e manuseio. Quanto menor for a movimentação dos materiais, menores serão os custos envolvidos. Portanto, os pontos de estocagem devem estar próximos aos locais de uso, os retrocessos não devem existir, o controle visual deve ser sempre estimulado. Fonte: 5

6 As empresas podem optar entre duas alternativas para estocagem de materiais: Armazenagem própria: quando se utilizar de instalações próprias ou alugadas para fazer as operações; Armazenagem pública/geral: quando se utilizar de espaço físico temporário, diretamente ou através de operador logístico. O objetivo é minimizar o uso dos locais de estocagem, sincronizando o abastecimento, a produção e a distribuição dos produtos, diminuindo os estoques ao longo da cadeia, com carregamentos e descarregamentos mais frequentes e giros de estoques mais rápidos. Os custos envolvidos podem ser visualizados a seguir: 6

7 Os custos de armazenagem e movimentação são considerados fixos (não variam com os volumes fabricados/vendidos/movimentados) quando ocorrem em armazém próprio. Por outro lado, podem ser considerados variáveis (variam com volumes fabricados/vendidos/movimentados) quando ocorrem em armazém geral com ou sem operador logístico. Fonte: neste link veja a operação de um Armazém Geral. Os custos de armazenagem e movimentação podem ser reduzidos com as seguintes decisões: Minimização das movimentações. Aumento da quantidade movimentada (lotes maiores). Reduções: das distâncias percorridas (layout); da mão-de-obra (equipamentos, sistemas); de tarifas (para armazéns gerais). Volume de estoque por tipo de material. A utilização de um armazém geral ou operador logístico permite o conhecimento antecipado e preciso dos custos por unidade estocada ou movimentada. Muitas empresas optam por esta decisão visando transformar custos fixos de armazenagem movimentação em custos variáveis. 7

8 Os principais trade-offs de custos (trocas compensatórias) possíveis nas atividades de armazenagem e movimentação ocorrem com as atividades de estoque e de transporte. Em geral, tem-se a redução dos custos de armazenagem e movimentação com a redução do volume dos estoques e do número de instalações. Mas, o volume dos estoques e número de instalações afetam também os custos de transporte e o nível de serviço ofertado ao cliente. O quadro a seguir mostra como considerar tais situações na busca de um menor custo logístico total. Variação dos CUSTOS Maior número de INSTALAÇÕES Maior volume de ESTOQUE Armazenagem e movimentação MAIOR MAIOR Transporte MENOR INDIFERENTE Estoques MAIOR MAIOR Nível de serviço MELHOR MELHOR 8

9 3. Custos De Transporte: Dentro da cadeia de abastecimento, a função transporte tem um alto grau de importância. Ela é a responsável pelos deslocamentos dos produtos acabados e materiais entre: fornecedores e indústrias; as instalações da indústria; e da indústria para os clientes. A função transporte deve buscar os seguintes objetivos: Produto entregue sem avarias Produto entregue no prazo Produto entregue no local certo Facilidades no processo de descarga Processos ágeis e flexíveis Minimização de custos Nível de serviço para o cliente 9

10 As empresas podem manter um serviço de transporte próprio ou terceirizado. Para esta decisão, alguns aspectos devem ser considerados: Comparação dos custos: próprio x terceirizado. Qualidade dos serviços: próprio x terceirizado. Resultado financeiro entre alternativas (retorno do capital investido). Tamanho da operação. Capacitação: interna da empresa; do setor de transporte. Cargas de retorno. Tipo de modal a ser utilizado. Além do aspecto custo e retorno do capital investido em equipamentos e veículos, as empresas devem sempre focar o nível de serviço a ser oferecido aos clientes. Para tanto, deve-se comparar a capacidade de prestar bom atendimento através de serviços próprio ou terceirizado. A capacitação do setor de transportes do mercado (bons operadores logísticos) e a vocação da empresa em ter um serviço próprio, devem ser comparadas. O modal a ser utilizado (rodoviário, ferroviário, etc.) também deve ser considerado, além da questão do frete de retorno, principalmente em uma operação com frota própria. Vale ressaltar que a utilização de ferramentas de otimização (roteirizadores) e a integração entre todos os componentes da cadeia logística podem racionalizar a função transporte. Fonte: link: operadores logísticos Os custos de transporte são influenciados pelos seguintes condicionantes: 10

11 Distância: fator de maior influência pois afeta os custos variáveis (combustíveis, peças, etc.). Quanto maior a distância, maior serão os custos variáveis. Por outro lado, os custos fixos (depreciação, mão de obra) se diluem gradualmente com a maior distância. Volume: o custo de transporte diminui com o aumento dos volumes pois desta forma é possível ocupar o veículo/frota na sua plena capacidade. Densidade: é a relação peso x volume. Em geral, os veículos tem mais restrição quanto ao espaço do que em relação ao peso. Portanto, quanto maior a densidade do produto menor será o custo de transporte. Acondicionamento: refere-se a facilidade de se acomodar a carga no veículo em relação à sua forma, permitindo um melhor aproveitamento dos espaços. Sem padronização de formas os custos de transporte aumentam. Manuseio: a utilização de equipamentos para carga/descarga, tipo empilhadeiras, também podem reduzir os custos de transporte. Riscos: produtos sensíveis, caros, perecíveis, com riscos de combustão/explosão, exigem maiores apólices de seguro que encarecem o custo de transporte. Mercado: fatores como sazonalidades, cargas de retorno, condições de tráfego nas vias e rodovias, afetam os custos de transporte. 11

12 Os modais de transporte são definidos geralmente pelos seguintes fatores: custo; tempo de atendimento entre a origem e o destino; integridade da carga; frequência de transporte disponível. No Brasil e nos EUA, a matriz de transporte esta assim constituída: Fonte: Instituto ILOS Apesar de possuírem características geográficas semelhantes, a matriz dos dois países difere principalmente nos modais rodoviário e ferroviário. No Brasil, onde os principais produtos transportados são de baixo valor agregado (agrícolas e minerais) e modo ferroviário deveria ser privilegiado. O modo dutoviário também carece de maiores investimentos em nossos pais, já que produtos como álcool e gás poderiam se beneficiar de custos de transportes mais baixos através deste modal. 12

13 Na tabela abaixo, podemos comparar as principais características de cada modal de transporte: Item/Modo Rodoviário Ferroviário Aéreo Dutoviário Aquaviário Volumes Médios Médios Menores Maiores Maiores Velocidade Média Menor Maior Menor Menor Preço Médio Menor Maior Menor Menor Estoques Médio Maior Menor Maior Maior Custo fixo Baixo Alto Alto Alto Médio Custo variavel Médio Baixo Alto Baixo Baixo Fonte: Faria (2010, p. 89) A seguir é apresentado um resumo com as principais características e classificação de custos de cada modal de transporte: Rodoviário: utilizado para pequenas e médias cargas e para curtas e médias distâncias. Beneficiado pela vasta rede de rodovias possibilita atendimento amplo, porta a porta e flexível. As rodovias são públicas e não impactam o custo fixo deste modal. Custos fixos: salários, manutenção, depreciação, licenciamentos/taxas, seguro, custo de capital. Fonte: transporte rodoviario jpg Custos Variáveis: peças e acessórios, combustível, lubrificantes, pedágios, pneus, lavagens 13

14 Fonte: colunadleitor.blogspot.com Ferroviário: utilizado para grandes volumes de cargas a em deslocamentos logos ou curtos, mas que são atendidos em baixas velocidades. Recomendado para produtos de baixo valor agregado (agrícolas, minérios, granéis). Pouca flexibilidade de frequência e de trajetos. Altos custos em armazenagem e movimentação. Custos fixos e variáveis: tem estrutura semelhante ao modo rodoviário, ressaltando-se os grandes investimentos de capital em locomotivas, vagões, vias férreas, estações, etc. Aeroviário: pelo seu alto custo este modo só se justifica nos casos de transporte de produtos de alto valor agregado e para médias e grandes distâncias, além de um alto grau de nível de serviço pactuado com o cliente. Ponto forte é a rapidez no atendimento. Custos fixos e variáveis: tem estrutura semelhante ao modo rodoviário, ressaltando-se os grandes investimentos de capital em aeronaves, terminais aeroportuários, combustível, ações preventivas de acidentes, taxas aeroportuárias e seguros. Dutoviário: também conhecido como gasoduto, oleoduto, este meio de transporte é ideal para transporte de grandes volumes de produtos gasosos e líquidos. Riscos de perdas e vazamentos são raros. Este modal além de seguro e limpo é pontual. Fonte: dutos_transpetro.jpg Custos fixos: elevado pelo direito de uso, construção de estações de bombeamento e tubulações Custos variáveis: baixos relativos à energia das estações de bombeamento e mão de obra para sua operação. 14

15 Aquaviário: este modal utiliza rios, lagoas oceanos para transportar através de barcos, navios e chatas, matérias primas de baixa valora agregado até produtos de alto valor agregado. Apresenta baixa velocidade e necessita de integração como outros meios de transporte para atender os destinos finais. Custos fixos: médios em relação a outros modais, caracterizados pelos custos com embarcações, mão de obra para manuseio de cargas Fonte: aquaviario.jpeg Custos variáveis: baixos em função dos altos volumes transportados. Taxas de utilização de terminais são características deste modal. Intermodalidade (1): os modais de transporte podem se combinar para atender um par origem/destino. Com suas dimensões continentais, o Brasil pode se aproveitar dessa possibilidade já que possui uma ampla malha rodoviária, uma rede ferroviária crescente, uma contínua bacia hidrográfica além da grande extensão da nossa costa marítima. Com isso, pode reduzir custos de transporte e otimizar o nível de serviço. Para operacionalizar esta gama de possibilidades de integração entre um ou mais modais as empresas podem se utilizar de roteadores de veículos, pool de cargas, pesquisa operacional, além de sistemas que evitam o transbordo de mercadorias tipo piggiback (2), roll-on-roll-of (3). (1) Intermodalidade é a integração dos serviços de mais de um modo de transporte, utilizados para que determinada carga percorra o caminho entre o remetente e seu destinatário, entre os diversos modais existentes, sendo emitido apenas um único conhecimento de transporte pelo único responsável pelo transporte, que é o OTM - Operador de Transporte Multimodal. (2) Piggiback refere-se ao transporte combinado entre os modais ferroviário e rodoviário. Consiste, em outras palavras, no transporte de carretas ou semirreboques sobre vagões ferroviários. 15

16 Fonte: goldcoaststation.com Fonte: skyscrapercity.com (3) Roll-on-roll-of refere-se ao transporte combinado entre os modais rodoviário e Aquaviário. Consiste, no transporte de carretas ou semirreboques dentro de navios, de modo a que estes entrem e saiam do navio pelos seus próprios meios. Fonte: arianespace.com Fonte: shippipedia.com A definição de uma rede de transporte deve levar em consideração os trade-offs de custos (trocas compensatórias). As decisões envolvem: Custos de armazenagem/movimentação: ao adotar um modal que não tenha uma padronização de carga os custos de armazenagem/movimentação crescem. Deve-se, portanto, buscar modais que padronizem o carregamento. 16

17 Custos de estoque: ao optar por um modal que transporte grandes volumes (Ferroviário ou Aquaviário) os níveis de estoque precisam ser altos para possibilitar grandes remessas o que aumentam os custos de capital. Custos de tecnologia da informação: para o gerenciamento de uma rede de transporte moderna (roteadores de veículos, localizadores por GPS, comunicação por rádios/celulares, administração de pools, integração de modais, etc.) os investimentos em tecnologia são imprescindíveis aumentos assim os custos. Custo de embalagens: para uma melhor ocupação dos volumes de transporte oferecidos por cada tipo de modal é necessário um investimento em embalagens. Trade Offs 17

18 4. Custos De Embalagem As embalagens são necessárias para o processo logístico, pois possibilitam: Otimizar a ocupação dos veículos de transporte Reduzir as avarias nas mercadorias Facilitar as atividades de movimentação e armazenagem 18

19 As embalagens podem ser classificadas em: Embalagens para o consumidor, com ênfase em marketing: Fonte: wvi3.com Fonte: chocoladesign.com Embalagens logísticas, com ênfase no manuseio e movimentação, do tipo: a) Caixas, sacas, tambores: Fonte: solostocks.com.br Fonte: es.gov.br Fonte: replantambores.com.b b)pallets de madeira, plástico ou metal: Fonte: picasaweb.google.com Fonte: sellplast.com.br Fonte: tootoo.com 19

20 c) Contêineres: Fonte: container.com.br Fonte: teletronic.com.br As embalagens podem ser do tipo retornáveis ou descartáveis. As descartáveis geralmente são mais baratas e não necessitam de controle de retorno como nas retornáveis. Os custos das embalagens são compostos por: A utilização de embalagens deve levar em consideração os trade-offs de custos (trocas compensatórias). As decisões envolvem: Custos de armazenagem e movimentação podem ser reduzidos pela facilidade de se movimentar as mercadorias e pela melhor ocupação de espaços nos depósitos. Custos de transporte podem ser reduzidos pela melhor ocupação dos veículos. Custos Variáveis: matérias (madeira, papelão, ferro, plástico). Custos fixos: mão de obra para fabricação, pesquisa e desenvolvimento, depreciação e manutenção, custos capital. Custos de perdas e avarias são minimizados melhorando sensivelmente o nível de serviço oferecido aos clientes. Cabe ao gestor logístico decidir levando em consideração que os custos advindos da adoção de embalagens devem ser menores que os ganhos adquiridos com o uso das mesmas. Em resumo, o gestor logístico deve decidir por um modal ou pela intermodalidade de transportes que possa trazer o menor custo logístico para compensar os custos decorrentes nas melhorias de embalagem, na sofisticação da tecnologia da informação, no incremento dos estoques e na armazenagem e movimentação dos materiais. 20

21 Anotações 21

22 Referências FARIA, Ana Cristina de. Gestão de Custos Logísticos. São Paulo: Atlas, BALLOU, Ronald H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos: Estratégia, Planejamento e Operações. 4. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, TAYLOR, David A. Logística na Cadeia de Suprimentos uma perspectiva gerencial. São Paulo: Pearson Addison-Wesley, MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. São Paulo: Atlas, CHOPRA, Sunil. Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento. São Paulo: Pearson, SIMONE LETICIA RAIMUNDINI ET AL. Aplicabilidade de custeio baseado em atividades e análise de custos em hospitais. Rausp. São Paulo, v. 41, n. 4, p ; SCHIER, C. U. Gestão de Custos. 2.ed.rev. e ampl. e atual. Curitiba: Ibpex,

23 Campus Liberdade Rua Galvão Bueno, São Paulo SP Brasil Tel: (55 11) Campus Virtual Cruzeiro do Sul 23

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade II GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Formas e modais de transportes As formas como nossos produtos são distribuídos em nosso país, depende de vários fatores. Em um país como o

Leia mais

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp.

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp. Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Papel dos Transportes Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

Fundamentos do Transporte

Fundamentos do Transporte Prof.: Deibson Agnel Livro: Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial Autor: Ronald Ballou Cap. 06 1 A importância de um sistema de transporte eficaz A movimentação de cargas absorve

Leia mais

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE Prof. Altair da Silva Unidade III GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Transporte aéreo O transporte caracterizado por transporte através de aeronaves. Doméstico internamente; Internacional outros países; Início

Leia mais

Unidade: Transporte Multimodal. Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota

Unidade: Transporte Multimodal. Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Unidade: Transporte Multimodal Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Transporte Multimodal O transporte multimodal se caracteriza pela utilização de mais de um modal de transporte entre a origem e o

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

de desenvolvimento de uma região ou país sem um sistema

de desenvolvimento de uma região ou país sem um sistema de desenvolvimento de uma região ou país sem um sistema O sistema de transporte é um elemento importante para o crescimento de cidades e de indústrias, para a geração de renda, de emprego e de estabilidade

Leia mais

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Logística Empresarial Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Atividades chave da Logística Padrões de serviço ao cliente (c/ marketing): Determinar as necessidades/desejos

Leia mais

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos Prof. Paulo Medeiros Medindo os custos e desempenho da logística Uma vez que o gerenciamento logístico é um conceito orientado

Leia mais

TÍTULO: BENEFÍCIOS DE UM PORTO INTERMODAL NA REGIÃO DE RUBINEIA (SP) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: BENEFÍCIOS DE UM PORTO INTERMODAL NA REGIÃO DE RUBINEIA (SP) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: BENEFÍCIOS DE UM PORTO INTERMODAL NA REGIÃO DE RUBINEIA (SP) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS DE SANTA FÉ DO SUL AUTOR(ES):

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 6 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Modais de Transporte Característica Comparações Utilização Instrumentalização Multimodalidade e intermodalidade

Leia mais

MBA em Administração e Logística

MBA em Administração e Logística MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2 Prof. Albino Mileski Jr. Olá! Você quer saber mais sobre a distribuição física na logística? Assista ao vídeo a seguir. Distribuição

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

Logística Empresarial Integrada

Logística Empresarial Integrada Logística Empresarial Integrada Profº José Carlos de Sousa Lima Amazenagem, Localização Física, Distribuição e Transporte Objetivo Discutir a armazenagem, localização física, gestão da distribuição e transporte

Leia mais

Professora Danielle Valente Duarte

Professora Danielle Valente Duarte Professora Danielle Valente Duarte TRANSPORTE significa o movimento do produto de um local a outro, partindo do início da cadeia de suprimentos chegando até o cliente Chopra e Meindl, 2006 O Transporte

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

Gestão de Fretes 15/09/2011. O transporte no processo logístico. O Sistema de Transporte. Matriz de Transportes O TRANSPORTE

Gestão de Fretes 15/09/2011. O transporte no processo logístico. O Sistema de Transporte. Matriz de Transportes O TRANSPORTE Gestão de Fretes O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; 2. Tem papel fundamental na prestação do Serviço ao Cliente O transporte no processo logístico

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

Regras de ouro: Dediquem-se aos estudos! Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala

Regras de ouro: Dediquem-se aos estudos! Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala Regras de ouro: Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala Evitem conversas paralelas (sem propósito com o assunto da aula); Dediquem-se aos estudos! Nossos encontros 2 Nossos encontros AULÃO 3 Materiais

Leia mais

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística CUSTOS LOGÍSTICOS O objetivo de apuração dos Custos Logísticos é o de estabelecer políticas que possibilitem às empresas, simultaneamente, uma redução nos custos e a melhoria do nível de serviço oferecido

Leia mais

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO FABIANA SOUZA COSTA CUNHA (UFG ) fabisoucos@yahoo.com.br Marco Paulo Guimaraes (UFG ) mp-gui@uol.com.br

Leia mais

Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS.

Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS. Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS. UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA GESTÃO LOGÍSTICA

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE TRANSPORTE: O GRANDE DIFERENCIAL LOGÍSTICO

ADMINISTRAÇÃO DE TRANSPORTE: O GRANDE DIFERENCIAL LOGÍSTICO 1 ADMINISTRAÇÃO DE TRANSPORTE: O GRANDE DIFERENCIAL LOGÍSTICO ADMINISTRATION OF TRANSPORT: THE LARGE DIFFERENTIAL LOGISTIC Luiz Augusto Ferreira Prado * Adalberto Brandalize ** RESUMO: Este artigo tem

Leia mais

Gestão Estratégica do Transporte

Gestão Estratégica do Transporte Gestão Estratégica do Transporte SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Conceitos de Gestão Estratégica; 3. Abordagens da Gestão Estratégica de Transportes; 4. Operações Especiais de Transportes; 5. Conceitos

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 Prof. Eduardo Ratton Prof. Garrone Reck Prof a. Gilza Fernandes Blasi Prof. Jorge Tiago Bastos Prof a. Márcia de Andrade Pereira Prof. Wilson Kuster Versão 2015 TRANSPORTE

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA Plano de Trabalho Docente 2010 ETEC RODRIGUES DE ABREU Ensino Técnico Código: 135 Município: BAURU/SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação: TÉCNICO

Leia mais

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO INTEGRADA DA LOGISTICA SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI ANNA KAROLINE DINIZ CAMILA MOURA FAVARO FERNANDO DOS ANJOS REINALDO FRANCISCO TIAGO SOUZA

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

Curso de Logísticas Integrada

Curso de Logísticas Integrada 1 Introdução a Logística; Capítulo 1 - Conceitos de logística; Breve Histórico da Logística; Historia da logística; SCM; Logística Onde estávamos para onde vamos? Estratégia para o futuro; 2 Conceitos

Leia mais

LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS. rfsouza@fatecinternacional.com.br

LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS. rfsouza@fatecinternacional.com.br LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS PROF. RODRIGO FREITAS DE SOUZA REVISÃO rfsouza@fatecinternacional.com.br Objetivo da Logística Fazer chegar a quantidade certa das mercadorias certas ao local certo, no

Leia mais

Curso Superior de tecnologia em Logística

Curso Superior de tecnologia em Logística Curso Superior de tecnologia em Logística Prof. Rodolpho W. Ruiz Tema: Arranjos Operacionais Logísticos e Tipos de Modais Agenda da tele-aula Instalações Locais ou Centralizadas. Cross-Docking. Sistemas

Leia mais

Armazenagem, Controle. Aula 2. Contextualização. Equipamentos de Armazenagem. Principais Atribuições. Embalagens. Instrumentalização

Armazenagem, Controle. Aula 2. Contextualização. Equipamentos de Armazenagem. Principais Atribuições. Embalagens. Instrumentalização Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 2 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Equipamentos de Armazenagem Simplicidade Barato Flexível Relação custo e benefício Principais Atribuições Peculiaridade

Leia mais

Relembrando...O Que é Logística? 4 Logistica e Distribuição. Conceito Formal de Logística. Mas quais são as atividades da Logística?

Relembrando...O Que é Logística? 4 Logistica e Distribuição. Conceito Formal de Logística. Mas quais são as atividades da Logística? Relembrando...O Que é Logística? Logística e Distribuição A atividade de Transporte 1 2 Conceito Formal de Logística Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística é o processo de planejar,

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect)

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect) Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Logística empresarial e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Conceitos avançados da Logística com foco na TI Disciplina: Tecnologia da Informação (TI) Aplicada à

Leia mais

Modais de Transporte. Aula 1. Contextualização. Objetivos da Logística. Introdução. Custos Logísticos. Prof. Luciano José Pires.

Modais de Transporte. Aula 1. Contextualização. Objetivos da Logística. Introdução. Custos Logísticos. Prof. Luciano José Pires. Modais de Transporte Aula 1 Contextualização Prof. Luciano José Pires Introdução Objetivos da Logística A tarefa transporte é vital em uma cadeia logística, pois nenhuma empresa pode funcionar sem movimentar

Leia mais

Aula Nº13 - Armazenagem

Aula Nº13 - Armazenagem Aula Nº13 - Armazenagem Objetivos da aula: Você já conhece os diversos tipos de sistemas de manuseio: mecanizados, semi-automáticos e automáticos. Agora, é necessário estudarmos a armazenagem propriamente

Leia mais

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados?

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados? Gestão de Transporte Que fatores a serem considerados? A Atividade de Transporte: Sua Gestão Barco Trem Caminhão Peso Morto por T transportada 350 kg 800kg 700 kg Força de Tração 4.000 kg 500 kg 150 kg

Leia mais

REDES DE DISTRIBUIÇÃO

REDES DE DISTRIBUIÇÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO De uma maneira geral, as redes de distribuição são constituídas por: 1. Um conjunto de instalações que fazem a recepção, armazenagem e expedição de materiais; 2. Um conjunto de rotas

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais Contextualização A transformação da matéria-prima em produto acabado requer que pelo menos um dos três elementos básicos de produção (trabalhador, máquina e material) seja movimentado. Para a maioria dos

Leia mais

Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo

Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Comércio Exterior UNIPAC Logística Internacional: Conceitos Estratégias Modais Transportes Tendências Logística Internacional CONCEITOS

Leia mais

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM Uma abordagem multidisciplinar Prof. Fernando Dal Zot 1 Visão geral das atividades do Almoxarifado / Depósito / Armazém Início RECEBER

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) Instituto de Engenharia de Produção e Gestão www.rslima.unifei.edu.br rslima@unifei.edu.br Conceituacão Sistema de Distribuição um para um

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 19 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE Aluno: Stephan Beyruth Schwartz Orientador: Nélio Domingues Pizzolato 1. INTRODUÇÃO A estabilização da economia e a eliminação do

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA.

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. Caro participante, Agradecemos a sua presença no III Megacity Logistics Workshop. Você é parte importante para o aprimoramento

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE MODAIS DE TRANSPORTE E INFLUÊNCIAS NOS CUSTOS E NÍVEL DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS

CARACTERÍSTICAS DE MODAIS DE TRANSPORTE E INFLUÊNCIAS NOS CUSTOS E NÍVEL DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS CARACTERÍSTICAS DE MODAIS DE TRANSPORTE E INFLUÊNCIAS NOS CUSTOS E NÍVEL DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS CARACTERÍSTICAS DE MODAIS DE TRANSPORTE E INFLUÊNCIAS NOS CUSTOS E NÍVEL DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS Alander Ornellas

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS

Leia mais

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA ROTEIRO TMS GESTÃO DE TRANSPORTES PRA QUE SERVE? NÍVEIS DE DECISÃO QUAL A UTILIDADE? BENEFÍCIOS MODELOS EXERCÍCIO GESTÃO DE TRANSPORTE

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Evolução da Utilização Multimodal

Evolução da Utilização Multimodal "Sem caminhão, o Brasil pára". Transporte Intermodal de Cargas A intermodalidade, fisicamente, é a mesma coisa, ou seja, o transporte da carga por mais de um modal para alcançar o seu destino. O que diferencia

Leia mais

Logística e Organização de Cadeias Produtivas

Logística e Organização de Cadeias Produtivas II SEMANA ACADÊMICA DE ENGENHARIA AGRÍCOLA ENGENHARIA DO AGRONEGÓCIO Logística e Organização de Cadeias Produtivas Prof. Luís César da Silva UFES - CCA Desafios do Agronegócio Globalizado Atender padrões

Leia mais

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA Mauro Carlo Santana da Silva Aluno do Curso de Graduação em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, Brasil mcses@bol.com.br

Leia mais

Ensino Técnico. Plano de Trabalho Docente 2015. ETEC Paulino Botelho ( Extensão Esterina Placco ) Código: 091.01. Município: São Carlos

Ensino Técnico. Plano de Trabalho Docente 2015. ETEC Paulino Botelho ( Extensão Esterina Placco ) Código: 091.01. Município: São Carlos Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC Paulino Botelho ( Extensão Esterina Placco ) Ensino Técnico Código: 09101 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão de

Leia mais

ESTUDO DA CRIAÇÃO DE UMA PLATAFORMA MULTIMODAL Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Área delimitada onde em um mesmo local se encontram disponibilizados: DUTOVIAS HIDROVIAS RODOVIAS AEROVIAS FERROVIAS Área

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

2. LOGÍSTICA EMPRESARIAL

2. LOGÍSTICA EMPRESARIAL 4 1. INTRODUÇÃO A logística empresarial é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos.

Leia mais

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II Prof. Alessandro Camargo Logística Internacional As principais características das operações logísticas são: - Complexidade: que podem ser desde o produto até a

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

O TRANSPORTE COMO AGENTE NO COMÉRCIO EXTERIOR.

O TRANSPORTE COMO AGENTE NO COMÉRCIO EXTERIOR. O TRANSPORTE COMO AGENTE NO COMÉRCIO EXTERIOR. JORENTE, Marroni Angélica. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: angelicamarroni@flash.tv.br MICHEL, Murillo. Docente da

Leia mais

Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas

Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Conceitos Gerais de Custos de Transporte; 3. Decisões que afetam os custos; 4. Fatores que

Leia mais

Função: Planejamento e Operação de Transportes

Função: Planejamento e Operação de Transportes MÓDULO III Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM LOGÍSTICA III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES Função: Planejamento e Operação de Transportes 1. Avaliar a infraestrutura dos sistemas de

Leia mais

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Iniciaremos aqui mais um desenvolvimento de segmento da Indústria de Petróleo e Gás, DOWNSTREAM TRANSPORTE, no que se refere

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM TRANSPORTES

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM TRANSPORTES DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM TRANSPORTES Sistema de Tranporte Sob qualquer ponto de vista econômico, político e militar o transporte é,, inquestionavelmente, a indústria mais importante no mundo. Congresso

Leia mais

DECISÕES SOBRE TRANSPORTES (PARTE I) Mayara Condé R. Murça TRA-53 Logística e Transportes

DECISÕES SOBRE TRANSPORTES (PARTE I) Mayara Condé R. Murça TRA-53 Logística e Transportes DECISÕES SOBRE TRANSPORTES (PARTE I) Mayara Condé R. Murça TRA-53 Logística e Transportes Agosto/2013 Introdução Estratégia de estoque Previsão Fundamentos de estocagem Decisões de estocagem Decisões na

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Distribuição física e armazenagem Objetivo: Atender o cliente, dispondo do produto no lugar certo, no tempo certo e na quantidade desejada. Esta

Leia mais

Transferência e distribuição

Transferência e distribuição Transferência e Distribuição Transferência e distribuição O sistema logístico inclui, na maioria dos casos, dois tipos de transporte de produtos: A transferência: envolve deslocamento maciços entre dois

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICOS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UM ESTUDO SOBRE O CUSTO DE TRANSPORTE DE CARGAS.

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICOS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UM ESTUDO SOBRE O CUSTO DE TRANSPORTE DE CARGAS. XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES T É C N I C O E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P R O F. D I E G O B O L S I M A R T I N S 2015 ESTOQUES São acumulações de matérias-primas, suprimentos, componentes,

Leia mais

1 - MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

1 - MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS 1 - MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Introdução Para que a matéria prima possa transformar-se ou ser beneficiada, pelo menos um dos três elementos básicos de produção, homem, máquina ou material, deve movimentar-se;

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 132

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22

MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 MBA em Logística Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 Prof. MBA em Logística Prof. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 NOMENCLATURA DE CARGAS Classificação de Cargas Classes de Cargas Sub-Classes

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL Instituto de Engenharia de Produção e Gestão LOGÍSTICA EMPRESARIAL rslima@unifei.edu.br (35) 3629-1296 Conceituacão Canais de Distribuição Propriedades Projeto Estudo de Caso: Empresa Bom Frio Distribuição

Leia mais

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Habilitação, qualificações e especializações: 1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Carga-Horária: 960 horas 1.2 Objetivo Geral do Curso O curso de Educação

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS 98 MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS Roberta Ferreira dos Santos Graduando em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil roberta.santos94@yahoo.com.br Leandro

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem Tecnologia em Gestão Pública Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 9 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução Objetivo da armazenagem Arranjo

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Sumário. Capítulo l -Introdução 17 1.1. Um Pouco da Historiada Logística 17 1.2. Sistemas ERP 18

Sumário. Capítulo l -Introdução 17 1.1. Um Pouco da Historiada Logística 17 1.2. Sistemas ERP 18 Sumário Capítulo l -Introdução 17 1.1. Um Pouco da Historiada Logística 17 1.2. Sistemas ERP 18 Capítulo 2 - A Integração do Marketing com a Logística 21 2.1. O Departamento de Vendas 21 2.2. Plano de

Leia mais

Centro de Gestão Técnica de Pernambuco Ltda.

Centro de Gestão Técnica de Pernambuco Ltda. Introdução Com o fim do ambiente inflacionário, as empresas evidenciaram a ineficiência de seus processos e perceberam imediatamente o reflexo pelos altos custos de produção e grandes desperdícios envolvidos

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu Anna Karoline Diniz Fortaleza Camila Moura Favaro Fernando dos Anjos Reinaldo Francisco Carvalho Tiago Souza Tecnologia da Informação no Transporte São Paulo 2013 1 Tecnologia

Leia mais

Aperfeiçoamento Profissional

Aperfeiçoamento Profissional Aperfeiçoamento Profissional Controle de Distribuição 1ª Edição Formação Continuada Faculdade SENAI de Tecnologia Mecatrônica Rua Niterói, 180 - Centro - 09510 200. São Caetano do Sul - SP Tel: (11) 4228

Leia mais