VANESSA ELAINE PEREIRA. VIABILIDADE IMPLANTAÇÃO DO SERVIÇO DE ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS DE CARGA EMBALADA: Um Estudo de Caso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VANESSA ELAINE PEREIRA. VIABILIDADE IMPLANTAÇÃO DO SERVIÇO DE ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS DE CARGA EMBALADA: Um Estudo de Caso"

Transcrição

1 VANESSA ELAINE PEREIRA VIABILIDADE IMPLANTAÇÃO DO SERVIÇO DE ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS DE CARGA EMBALADA: Um Estudo de Caso Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior Itajaí 2007

2 VANESSA ELAINE PEREIRA VIABILIDADE IMPLANTAÇÃO DO SERVIÇO DE ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS DE CARGA EMBALADA: Um Estudo de Caso Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para a disciplina de Estágio Supervisionado do Curso de Administração do Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior IFES. Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior Itajaí 2007

3 VIABILIDADE IMPLANTAÇÃO DO SERVIÇO DE ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS DE CARGA EMBALADA: Um Estudo de Caso Este trabalho de conclusão de curso foi julgado aprovado para a obtenção do grau de Bacharel em Administração de Empresas do Instituto Fayal de Ensino Superior IFES. Itajaí, 27 de Novembro de Prof. Wilson Reginatto Jr. Coordenador de Estágios Banca Examinadora: Prof. Luiz Eduardo Simão Prof. Wilson Reginatto Jr. Prof. Leodir Senger

4 EQUIPE TÉCNICA Estagiário Vanessa Elaine Pereira Coordenador de Estágio Prof. Wilson Reginatto Jr. Orientador de Conteúdo Prof. Luiz Eduardo Simão Orientador de Metodologia Prof. Luiz Eduardo Simão Supervisor de Campo Fabio Ronaldo Santos Rodrigues

5 DEDICATÓRIA Dedico este projeto à minha mãe, Eliana que esteve presente em todos os momentos de dificuldades que passei, muitas vezes a ponto de querer desistir da minha jornada, mas ela, com garra e persistência, lutou para que eu concluísse os meus estudos. Ao meu pai, Antônio, minha irmã Primausa e minha afilhada Ketlen, que estiveram sempre presentes nesta etapa, que para mim, foi uma das mais importantes da minha vida.

6 AGRADECIMENTOS Agradeço, primeiramente, a Deus, que sempre esteve presente, na minha família, na minha vida, no meu trabalho, nos meus estudos, enfim, em tudo o que eu faço, e me abençoou com a dádiva de pessoas incomparáveis na minha caminhada. À minha família que com muito amor e carinho, foram meu porto seguro, que contribuíram para a realização do meu sonho, meus pais, minha irmã, sobrinha, primos, e a minha avó Primausa. Aos meus amigos, Fernanda que acompanhou e sempre esteve presente em momentos difíceis e dedicou-se com carinho sem pedir nada em troca, a Gislaine que contribuiu com a realização do meu trabalho de Conclusão de Curso com muita dedicação e paciência, ao Márcio e ao Valdemar pelas palavras de otimismo, a Thaís, D. Vilma, Silvana, Sr. Lorival e família, que me apoiaram, direta ou indiretamente, na construção deste projeto. À equipe da Transeich Assessoria e Transportes Ltda. colaboradores da Matriz: Cristina Silva, Eduardo Dhiel, Guilherme Ludwig, Diego Matias, Mª Gessy e a todos da Filial de Itajaí, pelas informações cedidas, pelo companheirismo e disponibilidade. Aos professores e mestres, especialmente aos Professores Wilson Reginatto Jr., José Hailton e ao meu orientador, Luiz Eduardo Simão, que compartilharam de seus conhecimentos com dedicação e paciência. Às secretárias Flávia e Lidiane, pela atenção e carinho que dispuseram durante estes quatro anos.

7 RESUMO Este projeto de estágio foi desenvolvido na empresa Transeich Assessoria e Transportes Ltda., um Centro Logística que presta serviços com importação, exportação, transportes, armazenagem, assessoria aduaneira, distribuição e logística, com sede em Porto Alegre/RS, 10 filiais no Brasil e 03 no exterior. O tema é a elaboração de um layout de armazenagem para produtos químicos, visando apresentar à empresa, um estudo de viabilidade para oferecer este novo serviço. Este projeto descreverá o processo, verificará a importância e o cuidado no manuseio e na armazenagem dos produtos químicos de carga embalada e apresentará um levantamento de dados, utilizando o método de pesquisa de natureza aplicada, um estudo de caso de abordagem qualitativa e exploratória, além da aplicação de um questionário respondido pelo setor de Controladoria / Projetos da Matriz. Palavras-chaves: Armazenagem, Produtos Químicos, Layout.

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO A Empresa Problema Justificativa OBJETIVOS Objetivos Gerais Objetivos Específicos FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Administração Geral Administração Logística Armazenagem Segurança na Armazenagem Estoque de Químicos Transporte Segurança no Transporte de Produtos Químicos METODOLOGIA Caracterização de Pesquisa Método de Pesquisa RESULTADOS Mapeamento do Processo de Armazenagem Processo de Recebimento de Mercadoria Processo da Saída de Mercadoria Levantamentos de Dados Tabular Dados e Elaborar Layout Tabular Dados Elaboração do Layout Analise de Viabilidade do Novo Serviço... 45

9 6 CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ANEXOS... 55

10 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 Estrutura Organizacional da Transeich Assessoria e Transportes LTDA FIGURA 2 Sinalização dos veículos que Transportam Produtos Perigosos FIGURA 3 Fluxo do Método de 32 Pesquisa... FIGURA 4 Processo de Recebimento e saída do produto FIGURA 5 Mapeamento do Processo de Entrada da Mercadoria FIGURA 6 Mapeamento do Processo de Saída da Mercadoria FIGURA 7 Layout de Armazenagem para Produtos Químicos... 44

11 LISTA DE QUADROS QUADRO 1 Levantamento de Custos QUADRO 2 Levantamento de Custos, Margem, Faturamento e Lucro Margem 91,36% QUADRO 3 - Levantamento de Custos, Margem, Faturamento e Lucro Margem 65,25%... 47

12 LISTA DE TABELAS TABELA 1 Tabulação de Dados... 41

13 1 INTRODUÇÃO O crescimento contínuo da logística no País está fazendo com que as empresas, se preocupem mais com a boa utilização da mesma. Atualmente, somente bons operadores logísticos bem estruturados serão capazes de proporcionar agilidade, com redução de custos e entrega dentro do prazo determinado ao cliente. A logística ganha cada vez mais importância, por proporcionar maior comodidade ao cliente, ou seja, se estende desde a redução de custos, agilidade da entrega, resumindo a mesma é essencial para satisfazer as necessidades do cliente. Dentro da cadeia logística encontramos atividades como gerenciamento de estoque, distribuição, transporte e armazenagem. O presente trabalho teve como tema a elaboração de layout de armazenagem de produtos químicos de carga embalada, que foi realizado na empresa Transeich e Assessoria de Transporte LTDA. 1.1 A Empresa A empresa Transeich Assessoria de Transporte LTDA atua no mercado, desde os anos 30, quando foi criada por um dos primeiros despachantes aduaneiros do Brasil, Sr. Edmar Eichenberg. Entretanto, seus contratos só foram arquivados na Junta Comercial, em agosto de Na segunda geração, a empresa passou a ser dirigida por Rudi Eichenberg, que deu início ao processo de crescimento empresarial. Em 1974, já na terceira geração, Gerson Eichenberg, nosso atual diretor administrativo, assumiu a direção da empresa, comissária Eichenberg, colocando-a em posição de destaque no mercado de prestação de serviços em comércio exterior, tanto pelos investimentos constantes (abertura de novas filiais, aquisição dos mais modernos equipamentos para transporte e movimentação de mercadorias, construção de um Terminal Retroportuário em Rio Grande, construção de um

14 12 Terminal Rodo-Ferroviário em Rio Grande, etc), como por sua filosofia de trabalho: inovação com qualidade, tecnologia e baixo custo. Em 1980, foi fundados a empresa Transeich Assessoria e Transportes LTDA, em princípio com o objetivo único de prestar um serviço de transportes diferenciado e totalmente direcionado ao setor de comércio exterior. Em 1990, com a perfeita sincronia de trabalho entre as duas empresas, idealizou-se o Centro Logístico Eichenberg & Transeich. A empresa é de origem familiar e mantém essa característica até hoje. O CENTRO LOGÍSTICO EICHENBERG & TRANSEICH engloba: Transeich Armazéns Gerais, Transeich Assessoria e Transportes, Transeich Transportes Internacionais, Chiesnart Representações e Comissária Eichenberg. A empresa é responsável pelos seguintes serviços: assessoria em logística de transportes e comércio exterior, armazenagem, distribuição, transporte rodoviário nacional, transporte rodoviário internacional (MERCOSUL), transporte multimodal, transporte de carga aérea e marítima, nacional e internacional, consolidação de cargas aéreas e marítimas, transporte de cargas excedentes (indivisíveis), agenciamento de fretes internacionais (importação e exportação), despachos aduaneiros na importação e exportação e projetos especiais em logística e distribuição. Atualmente, o CENTRO LOGÍSTICO EICHENBERG & TRANSECIH conta com um quadro funcional de 450 pessoas, e dispõe de 10 unidades no Brasil, Campinas SP, Caxias do Sul RS, Curitiba PR, Itajaí SC, Novo Hamburgo RS, Rio Grande RS, Salvador BA, Santa Cruz do Sul RS, Santos SP e São Paulo SP, e 03 no exterior, Buenos Aires Argentina, Santiago de Chile Chile e Montevidéu - Uruguai. Além disso, a empresa é a única certificada no sul do Brasil pela ISO 9001:2000, com escopo em logística de movimentação, armazenagem e distribuição de mercadorias. Atualmente a filial de Itajaí situado às margens da BR 101 Km 113 nº 1825 Salseiros, atua no mercado desde 12 de janeiro de 1998, quando ainda localizada na rua Blumenau nº 1360 São João Itajaí/ SC, conta hoje com um quadro funcional de dezesseis funcionários. Pode ser vista na figura 1 os níveis hierárquicos da filial de Itajaí. Atualmente a filial de Itajaí possui uma área total de m², total, tendo um armazém com uma área total de 3.838,77 m² seu mix de serviço: armazenagem, distribuição, transporte rodoviário nacional, transporte rodoviário internacional

15 13 (MERCOSUL), transporte multimodal, transporte de carga aérea e marítima, nacional e internacional, consolidação de cargas aéreas e marítimas, agenciamento de fretes internacionais (importação e exportação), despachos aduaneiros na importação. Entre os concorrentes da filial de Itajaí que prestam o mesmo serviço, destacam-se: Armazenagem: Grupo Local Frio, Itazém, Saglog, e OPENMAX. Transporte Rodoviário Nacional: Gafor, Expresso Dalçoquio, Expresso Itajaiense, Kuick, Buturi, Scapine e Coopercarga. Transporte Rodoviário Internacional: VBR Transportes, e Global Transporte. COMEX: (Importação e Exportação): Itajaí Comissária, OTM, Heusi Comissária, Cacer e Mares Logísticos.Transportes. Aéreos/ Marítimos Nacionais/ Internacionais: DHL, Panalpina, K&N (Kuehne-Nagel), Schenker e UPS. Atualmente a filial de Itajaí atende os clientes da Ciser, Cisa Trading, Herval, Butzke, Wirlpool, AGCO de clientes. E Armazena os seguintes produtos: Bobinas de aço, pneus, produtos taninos, parafusos, cadeiras, espreguiçadeiras, mesas de vidros e futuramente o fumo. Os produtos químicos não perigosos armazenados são: crodamide, dimetildibenzilideno. Figura 1 - Estrutura Organizacional da Transeich Assessoria e Transportes LTDA. Fonte: A Acadêmica, 2007.

16 Problema Em conversa com o gerente da filial de Itajaí, o mesmo informou que com a armazenagem de químicos pode-se oferecer um serviço diferenciado aos nossos clientes. E com base nas informações que serão coletadas pela estagiária, o problema de pesquisa a ser investigado, será: É viável oferecer um serviço de armazenagem de produtos químicos de carga embalada? 1.3 Justificativa Para a empresa existe a necessidade de oferecer um serviço de armazenagem de produtos químicos de carga embalada, para que a mesma possa aumentar a sua participação no mercado e seu faturamento. O foco do trabalho é buscar dados precisos com todos os procedimentos necessários para este tipo de serviço, desde o recebimento do produto, sua armazenagem e a sua entrega para o cliente. Além disso, possibilitará a filial de Itajaí se igualar com as outras filiais que já possuem este tipo de serviço, com o mesmo nível de segurança e seguindo as normas e anuências. Para a filial de Itajaí isso representará um diferencial competitivo. O estudo proporcionou à acadêmica um maior aprofundamento de conhecimento em relação ao processo de armazenagem de produtos químicos de carga embalada, sendo que a empresa no momento não a possui este serviço. Certamente os resultados obtidos foram de muito importância para a empresa e acadêmica, por ser uma fonte de novas idéias e visibilidade para inovações e adaptações para o processo logístico. Observações como estas podem trazer melhorias aos clientes, visando sempre oferecer mais um diferencial.

17 15 2 OBJETIVOS Para responder o problema de pesquisa o presente trabalho terá objetivo geral e objetivos específicos descritos a seguir. 2.1 Objetivo geral O objetivo geral do trabalho será elaborar um layout de armazenagem de produtos químicos de carga embalada, dentro dos padrões da categoria do produto. 2.2 Objetivos específicos Considerando o objetivo geral acima, serão pesquisados os seguintes objetivos específicos: 1 Descrever processo de armazenagem de produtos químicos de carga embalada. 2 Levantamento de dados relacionados a fluxo, embalagem, volume, área, legislação, equipamento e movimentação. 3 Tabular e elaborar layout. 4 Análise de viabilidade do novo serviço.

18 16 3 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste capítulo, será apresentada a fundamentação teórica que irá suportar o Projeto de Pesquisa. 3.1 Administração Geral Conforme Maximiano (2005 p.6) administração é o processo de tomar decisões e utilização de recursos. O processo administrativo abrange cinco tipos de decisões, também chamadas processos ou funções: planejamento, organização, liderança, execução e controle. Acrescenta Maximiano (2005 p.6) que a administração é importante em qualquer escala de recursos para realizarem objetivos. Para Chiavenato (2007), na administração é de grande importância que o mesmo seja de um amplo conhecimento e aplicação correta dos princípios técnicos, ligando os meios e objetivos com a eficiência e a eficácia. Segundo Daft (2005, p.5) a administração é o alcance de metas organizacionais de maneira eficaz e eficiente por meio de planejamento, organização, liderança e controle de recursos organizacionais. A tarefa atual da administração é a de interpretar os objetivos propostos pela organização e transformá-los em ação organizacional por meio do planejamento, organização, direção e controle de todos os esforços realizados em todas as áreas e em todos os níveis da organização, a fim de alcançar tais objetivos da maneira mais adequada à situação. (CHIAVENATO, 1999, p. 9) De acordo com Stoner (1999) a administração já foi chamada como a arte de fazer coisas através de pessoas. Porém, esta não consiste em uma única definição universalmente aceita, à medida que os ambientes mudam suas definições também mudam. Define, a administração como o processo de planejar, organizar, liderar e

19 17 controlar os esforços realizados pelos membros da organização e o uso de todos os outros recursos organizacionais para alcançar os objetivos estabelecidos. O modelo no processo administrativo resume-se em quatro atividades principais, ou seja, planejamento, organização, direção e controle. Segundo Stoner (1999, p. 5) o "modelo é uma simplificação do mundo real, usada para demonstrar relacionamentos complexos em termos fáceis de serem entendidos". Para Chiavenato (1999, p. 1) "o objetivo da administração nada mais é do que a condução racional das atividades de uma organização seja ela lucrativa ou nãolucrativa". Chiavenato (1999) ainda acrescenta que a administração não é uma ciência exata. Ela não pode se basear em leis rígidas e, portanto os princípios administrativos devem ser flexíveis. O autor salienta que princípios são condições ou normas dentro das quais o processo administrativo deve ser aplicado e desenvolvido. Assim sendo, os princípios são: Princípio da divisão do trabalho e responsabilidade; Princípio da autoridade e responsabilidade; Princípio da hierarquia; Princípio da unidade de comando; Princípio da amplitude administrativa; e, Princípio da definição Segundo Chiavenato (1999, p. 7) "a tarefa básica da administração é a de fazer as coisas por meio de pessoas". Muitos dos problemas criados pelo mundo moderno, alguns autores e profissionais para solucioná-los estão considerando como chaves as novas concepções da administração.

20 Administração Logística Para Gasnier (2007) Desde sua concepção na aplicação militar, o escopo da logística envolve todos os processos de abastecimento nos bastidores do teatro das operações. Não é diferente na realidade empresarial. Portanto, é fácil perceber que a mesma abrange tanto as atividades de suprimentos e de distribuição, quanto os processos da logística interna, seja em uma indústria, em um centro de distribuição ou no varejo (força motriz responsável pela dinâmica das cadeias de abastecimento). Logística deve ser vista como um processo abrangente que integra o fluxo de materiais e informações, desde a fase de projeto e planejamento de um produto, desenvolvimento de fornecedores, recebimento de matérias-primas e componentes, produção, armazenagem, distribuição e transporte, de forma a atender as necessidades do cliente. (MOURA et al., 2003, p. 20) Para Bowersox & Closs (2001, p. 55) o ciclo de atividades é a unidade básica do projeto e do controle operacional. Uma perspectiva do mesmo é importante para satisfazer as necessidades logísticas. Confirma Bowersox & Closs (2001), o ciclo de atividades possui três áreas operacionais básicas da logística: a) Ciclos de Atividade da Distribuição Física: As operações de distribuição física abrangem basicamente o processamento de pedidos dos clientes e a entrega de mercadorias. b) Ciclos de Atividades do Apoio à Manufatura: O ciclo de atividades do apoio á manufatura consiste na logística de produção. Essa pode ser considerada como localizada entre a distribuição física e as operações de suprimento das empresas. c) Ciclos de Atividades de Suprimento: São necessárias várias atividades ou tarefas para facilitar o fluxo ordenado de materiais, componentes ou estoque de produtos acabados para um complexo de produção ou de distribuição.

21 19 Segundo Cavanha Filho (2001, p. 7) o conceito de Logística induz a visão da cadeia completa no processo de suprimentos de materiais, envolvendo desde as atividades do início do fluxo logístico até as atividades consideradas finais. O conceito de logística para Rodrigues (2000, p.96) é: Logística é o conjunto de atividades direcionadas a agregar valor, otimizando o fluxo de materiais, desde a fonte produtora até o distribuidor final, garantindo o suprimento na quantidade certa, de maneira adequada, assegurando sua integridade, a um custo razoável, no menor tempo possível, atendendo às necessidades do cliente. De acordo com Figueiredo et al. (2000, p. 23) a melhor definição para logística é [...] aquela que melhor define logística é a de que logística, é um conjunto de atividades que têm por fim a colocação do produto certo, no local certo, no tempo mais conveniente ao mais baixo custo. Segundo Ballou (1993 p. 17): A logística empresarial estuda como a administração pode prover melhor nível de rentabilidade nos serviços de distribuição aos clientes e consumidores, através de planejamento, organização e controles efetivos para as atividades de movimentação e armazenagem que visam facilitar o fluxo de produtos [...] É um fato econômico que tanto os recursos quantos seus consumidores estão espalhados em uma ampla área geográfica. [...] Além disso, os consumidores não residem, se que alguma vez o fizeram, próximos donde os bens ou produtos estão localizados. Este o problema enfrentado pela Logística: diminuir o hiato entre produção e a demanda, de modo que os consumidores tenham bens e serviços quando e onde quiserem, e na condição física que desejarem. 3.3 Armazenagem De acordo com Moura et al (2003, p. 21) a logística de armazenagem envolve o recebimento, estocagem de matérias-primas e componentes, fluxos de produção e providência quanto à estocagem de materiais, embalagem (unitização) e processamento físico de pedidos.

22 20 Para Banzato et al. (2003, p. 9) a principal função da armazenagem é a administração do espaço e tempo. O espaço é sempre limitado e, portanto, os bons operadores usam o espaço disponível efetivamente. O tempo e a mão-de-obra são significativamente mais difíceis de gerenciar que o espaço. Segundo Lacerda (2000), podem-se citar como operações de armazenagem: recebimento, posicionamento, armazenagem, picking e expedição. Para o Instituto IMAM (2000), podem-se acrescentar ainda outras três funções à armazenagem, são elas: logística de produção, distribuição e serviço ao cliente. Conforme Ballou (1993), existem quatro opções para a armazenagem, e são: possuir o depósito, alugar espaço físico, alugar o depósito (depósito público) e estocar em trânsito. Cada alternativa oferece diferentes níveis de custo, risco e envolvimento econômico. De acordo com Pozo (2002, p. 23) as atividades de armazenagem são as que dão suporte ao desempenho das atividades primárias, para que a empresa possa ter sucesso, que se obtém mantendo e conquistando clientes com pleno atendimento do mercado e satisfação total do acionista em receber seu lucro. Ferreira (1998) classifica os armazéns em função do uso, da seguinte maneira: armazéns de uso geral, armazéns frigorificados, armazéns, para guarda de materiais inflamáveis, galpões, abrigos transitórios, armazéns elevados, armazéns subterrâneos ou cobertos com terra. Moura (2003) apresenta algumas características que devem ser avaliadas em relação à armazenagem: 1. O antigo processo já não funciona; 2. Distância é a inimiga da produtividade; 3. Controle do inventário realmente significa assumir o controle; 4. Apenas toque no material quando puder agregar valor; 5. Os funcionários produzem mais quando controlam seu próprio trabalho;

23 21 6. Mais rápido sempre é melhor; 7. Clientes e fornecedores são partes do processo. Para Rodrigues (2003, p. 74), para um bom gerenciamento da armazenagem é de extrema importância ficar atenta a todos detalhes que a caracterizam para facilitar a uma rápida tomada de decisão, são: Dimensões: São medidas externas e pé-direito (altura) do armazém. De posse desses dados elementares, saberemos apenas a área interna total e a capacidade volumétrica teórica do armazém. Planta: Informações constantes de planta baixa do prédio, onde se identificam escritórios, instalações elétricas, hidráulicas e sanitárias, pontos de iluminação e respectivas capacidades, rede de combate a incêndio, etc. Layout operacional: Denomina-se layout operacional ao arranjo físico de uma área de armazenagem, levando em conta a separação das pilhas, a acessibilidade dos volumes e os fluxos de tráfego de equipamentos. Um bom layout combinado a fluxos previamente planejados oferece as seguintes vantagens: Racionaliza a utilização da área de armazenagem. Simplifica a movimentação dos volumes. Reduz o tempo perdido dos equipamentos. Racionaliza o uso da mão de obra. Reduz a possibilidade de avaria. Continua Rodrigues (2003, p.75), que para definir um layout de armazéns, deve-se levar em conta: Quantidade, medidas e localização das portas, DOCAS (locais destinados ao embarque e descargas de caminhões) e linhas férreas, caso existam.

24 22 Disposição e larguras das RUAS (corredores internos no sentido de longitudinal do armazém) e TRAVESSAS (corredores internos no sentido transversal do armazém). Localização, medidas e capacidade volumétrica da PRAÇA (total das áreas do armazém efetivamente destinadas ao empilhamento de mercadorias). Localização, medidas e capacidade volumétrica das COXIAS (cada uma das zonas de empilhamento na praça, após descontar corredores e outros espaços não disponíveis). Localização e capacidade volumétrica das áreas reservada a guarda segura d mercadorias de alto valor agregado (XADREZ). Localização, dimensões e capacidade volumétricas e dispositivas de segurança das áreas destinadas à segregação de mercadorias perigosas (Classes IMO de 1 a 9). Localização, dimensões e capacidade volumétricas das áreas destinadas à ova e desova de contêineres, etc. Condições e resistência estrutural do piso: Denomina-se resistência estrutural ao limite máximo de peso que um metro quadrado do piso pode suportar sem se deteriorar por compressão, determinado por meio de cálculos de engenharia e expresso por meio da relação tons./m². Além da resistência estrutural, a capacidade de armazenagem é também grandemente afetada pelas seguintes condições: Nivelamento com relação ao prumo. Regularidade e estado de pavimentação. Condições de sistema de drenagem pluvial. Porém Rodrigues (2003, p.77), que se deve observar com muita relevância a capacidade estática de um armazém, nas quais são: Área do piso = cumprimento x largura. Resistência estrutural do piso = tons./m².

25 23 Capacidade de estática = área do piso x tons./m². Portanto, a capacidade estática depende basicamente de três fatores: Fator = Praça útil: Conjunto de espaços realmente destinado à armazenagem e não à área total do piso, analisando todas as áreas não utilizadas e seguindo as normas para que as pilhas possam não estar encostada. (Calculo: Área útil = área total área não utilizável). Fator = Altura de empilhamento: Qual a capacidade de elevação e segurança. (Calculo: Volume total carga armazenagem: praça utilizada x média empilhamento ou por nº de palletes). Fator = De Estiva: É o espaço ocupado por uma tonelada de uma determinada mercadoria, expresso m² por toneladas. (Calculo: FE = volume pallete dividido por peso pallete). Segue abaixo: Carga: Alto volume/ Baixo peso: aumenta fator estiva (caso tons). Ocupa mais espaço. Carga: Baixo volume/ Alto peso: fator estiva baixo. Capacidade Estática Máxima: (Calculo = Praça útil vezes ao nível de empilhamento dividido por fator estiva médio). Capacidade Dinâmica: (Calculo = Capacidade de armazenagem vezes 365 dias dividido por tempo de permanência no armazém). Tempo médio permanente: Está relacionado ao giro de área, por quanto tempo (dias) o produto fica armazenado.

26 Segurança na armazenagem Para Banzato et al. (2003 p. 221): A segurança e higiene do armazém são fatores de produtividade, além de preservar as condições de trabalho. E menos perdas irão afetar as operações e evitar retrabalhos, quebras, avarias, dificuldade de localização do que se precisa e desmotivação de pessoal, entre inúmeras outras. Banzato et al. (2003, p. 221) apresentam, conforme se pode analisar no Anexo A, alguns aspectos da segurança e higiene a serem considerados em um armazém. De acordo com Bowersox & Closs (2001, p. 345) a segurança de um depósito inclui proteção contra furtos de mercadorias e contra deterioração. Ambas as formas de segurança merecem a atenção da administração Estoque de Químicos As informações a seguir foram retiradas do Portal Fiocruz (2007): Deve-se considerar ao armazenar substâncias químicas: - Sistema de ventilação. - Sinalização correta. - Disponibilidade de equipamentos de proteção individual e equipamentos de proteção coletiva. - Área administrativa separada da área técnica e da armazenagem. Produtos Químicos Incompatíveis: No anexo B pode-se observar a relação de produtos químicos que, devido ás suas propriedades químicas, podem reagir violentamente entre si resultando numa explosão, ou podendo produzir gases altamente tóxicos ou inflamáveis. Por este motivo quaisquer atividades que necessitem o transporte, o armazenamento, a

27 25 utilização e o descarte devem ser executados de tal maneira que as substâncias da coluna da esquerda, acidentalmente, não entrem em contato com as correspondentes substâncias químicas na coluna do lado direito Por causa do grande número de substâncias perigosas, relacionamos aqui apenas as principais. A seguir, são dadas algumas recomendações para a estocagem de produtos químicos: A) Armazenamento é centralizado Almoxarifado: - Construído com pelo menos uma de suas paredes voltadas para o exterior. - Possuir janelas na parede voltada para o exterior, além de porta para o acesso do Corpo de Bombeiros de houver necessidade. - Deve possuir saída de emergência bem localizada e sinalizada. - Deve possuir um sistema de exaustão, ao nível do teto para retirada de vapores leves e ao nível do solo para retirada dos vapores mais pesados. - Refrigeração ambiental caso a temperatura ambiente ultrapasse a 38 ºC. - Iluminação feita com lâmpadas à prova de explosão. - Presença de extintores de incêndio com borrifadores e vasos de areia. - Prateleiras espaçadas, com trave no limite frontal para evitar a queda dos frascos. Os cilindros de gases devem ser armazenados em locais específicos: - Área coberta, sem paredes e bem ventilada. - Rede elétrica com inspeção periódica. - Os cilindros devem ser armazenados em posição vertical e amarrados com corrente. - Observar a compatibilidade.

28 Transporte O transporte é o principal componente do sistema logístico. Sua importância pode ser medida através de pelo menos três indicadores financeiros: custos, faturamento, e lucro. O transporte representa, em média, 60% dos custos logísticos, 3,5% do faturamento, e em alguns casos, mais que o dobro do lucro. Além disso, o transporte tem um papel preponderante na qualidade dos serviços logísticos, pois impacto diretamente o tempo de entrega, na confiabilidade e na segurança dos produtos (FLEURY, 2002). De acordo com Bowersox & Closs (2001, p. 278) a funcionalidade do transporte tem duas funções principais: movimentação e armazenagem de produtos. Os mesmos autores ainda acrescentam que o principal objetivo do transporte é movimentar produtos de um local de origem até um determinado destino minimizando ao mesmo tempo os custos financeiros, temporais e ambientais. Dando continuidade uma função menos comum do transporte é a estocagem temporária. Os cinco tipos de modais de transporte básicos são (BOWERSOX & CLOSS, 2001, p. 282): Ferroviário. Rodoviário. Aquaviário. Dutoviário. Aéreo. Segundo Fairbainks (2007) a situação das rodovias em grande parte do País fica abaixo de lamentável, provocando a redução da velocidade dos veículos, ampliando os tempos de entrega e o volume do chamado estoque rodante,

Unidade I MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Armazenagem e a logística Qual é o papel da armazenagem na logística? Armazenagem e a logística Auxilia no atendimento à Missao da Logística. Qual

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E DEFINIÇÃO DE Gerenciar eficazmente o espaço tridimensional de um local adequado e seguro, colocado à disposição para a guarda de mercadorias que serão movimentadas rápida e facilmente, com

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros.

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. 7 Conclusão O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. A presente dissertação, conforme exposto no Capítulo 1,

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU CASO 5: MARMITOU A Marmitou fabrica e distribui uma gama de produtos de condimento: molhos de tomate, mostarda, condimentos, pimenta, maionese etc. Esses produtos são direcionados a clientes variando de

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem Tecnologia em Gestão Pública Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 9 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução Objetivo da armazenagem Arranjo

Leia mais

Curso de Logísticas Integrada

Curso de Logísticas Integrada 1 Introdução a Logística; Capítulo 1 - Conceitos de logística; Breve Histórico da Logística; Historia da logística; SCM; Logística Onde estávamos para onde vamos? Estratégia para o futuro; 2 Conceitos

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE Aluno: Stephan Beyruth Schwartz Orientador: Nélio Domingues Pizzolato 1. INTRODUÇÃO A estabilização da economia e a eliminação do

Leia mais

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM Uma abordagem multidisciplinar Prof. Fernando Dal Zot 1 Visão geral das atividades do Almoxarifado / Depósito / Armazém Início RECEBER

Leia mais

As melhores condições para os seus melhores negócios. www.integracaologistica.com.br. Integração Logística

As melhores condições para os seus melhores negócios. www.integracaologistica.com.br. Integração Logística Transporte e Armazéns e Armazéns Gerais Gerais As melhores condições para os seus melhores negócios www.integracaologistica.com.br Integração Logística A Empresa Transporte e Armazéns Gerais consistência

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO ETIQUETAS SERVIÇOS. soluções definitivas

IDENTIFICAÇÃO ETIQUETAS SERVIÇOS. soluções definitivas IDENTIFICAÇÃO ETIQUETAS SERVIÇOS soluções definitivas paralogística Identificação Placas de Rua O início da sinalização e o endereçamento de um armazém começam pelas placas de rua. Elas devem ser instaladas

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Módulo I Conhecimentos Básicos do Setor de Transporte de Cargas O Transporte Rodoviário

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES Frente Almoxarifado Belo Horizonte, setembro de 2011 Agenda Projeto Gestão de Estoques Cartilhas Agendamento de Recebimentos e de Expedições Recebimento Armazenagem Carregamento

Leia mais

O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA

O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA Como obter mais resultados com menos despesas Thomas Burger - Arquiteto Burger Arquitetos Arquitetura e Gerenciamento de Projetos Porto Alegre

Leia mais

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns Ricardo A. Cassel FRANCIS, R.; McGINNIS, L.; WHITE, J. Facility Layout and Location: an analytical approach. New Jersey: Prentice Hall, 2ed., 1992. BANZATTO, E.; FONSECA, L.R.P.. São Paulo: IMAN, 2008

Leia mais

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a Conhecer a evolução do Transporte no mundo, relacionando as características econômicas, sociais e culturais. Compreender a função social do transporte e o papel da circulação de bens e pessoas. Conhecer

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

Função: Planejamento e Operação de Transportes

Função: Planejamento e Operação de Transportes MÓDULO III Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM LOGÍSTICA III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES Função: Planejamento e Operação de Transportes 1. Avaliar a infraestrutura dos sistemas de

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-124/2007 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-124/2007 R-00 /27 R- RECEBIMENTO, ARMAZENAMENTO, EXPEDIÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE ESTOQUE NAS DOCUMENTO NORMATIVO I MAR/27 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 DISPOSIÇÕES GERAIS...1 2.1 APLICAÇÃO...1 2.2 RESPONSABILIDADE...1

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM INSTALAÇÕES DE ARMAZENAGEM Complexo de espaços de diferentes naturezas e finalidades, situados em áreas cobertas e descobertas,

Leia mais

Definir os procedimentos para gestão dos bens e materiais do TJAC.

Definir os procedimentos para gestão dos bens e materiais do TJAC. Código: MAP-DILOG-004 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Bens e Materiais Aprovado por: Diretoria de Logística 1 OBJETIVO Definir os procedimentos para gestão dos bens e

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança para Produto Químico (FISPQ) BORRACHA NATURAL SVR 3L Página 1 de 5

Ficha de Informação de Segurança para Produto Químico (FISPQ) BORRACHA NATURAL SVR 3L Página 1 de 5 Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Borracha Natural SVR 3L Empresa: Kalium Chemical Com. Import. E Export. Ltda Matriz: Av. das Nações Unidas, 10.989 Conj. 141-14º andar Parte

Leia mais

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 17//2010 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

Operação do Sistema Logístico

Operação do Sistema Logístico Operação do Sistema Logístico Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni Engenharia Logística II Objetivo Entender que, possuir um excelente planejamento para disponibilizar produtos e serviços para os clientes não

Leia mais

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999)

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. SERVIÇOS LOGÍSITICOS 3. O CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSITICO 3.1 DEFINIÇÃO 3.2 CARACTERIZAÇÃO DE OPERADOR LOGÍSTICO 4. DEFINIÇÕES

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Movimentação e Armazenagem de Materiais. Administração de Fluxos de Materiais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Movimentação e Armazenagem de Materiais. Administração de Fluxos de Materiais Movimentação e Armazenagem de Materiais APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 8 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Administração de Fluxos de Materiais Organização Modal A organização modal é um

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

NPT 032 PRODUTOS PERIGOSOS EM EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO

NPT 032 PRODUTOS PERIGOSOS EM EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 032 Produtos perigosos em edificações e áreas de risco CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

ÍNDICE 1. Introdução 2. Transporte Terrestre de Produto Perigoso

ÍNDICE 1. Introdução 2. Transporte Terrestre de Produto Perigoso ÍNDICE 1. Introdução 5 2. Transporte Terrestre de Produto Perigoso 6 2.1 O que é Produto Perigoso? 6 2.2 Conceito de Risco x Perigo 6 2.3 Classe de Risco e número ONU 7 2.4 Exigências aplicáveis 8 2.4.1

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução O Almoxarifado conceito Organização do Almoxarifado: Recebimento Armazenagem

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

DIRETRIZES P/ O PLANEJAMENTO OU EXPANSÃO DAS INSTALAÇÕES 1 - Planeje o futuro layout com todos os detalhes. 2 - Projete as expansões em pelo menos

DIRETRIZES P/ O PLANEJAMENTO OU EXPANSÃO DAS INSTALAÇÕES 1 - Planeje o futuro layout com todos os detalhes. 2 - Projete as expansões em pelo menos CHECK SEU LAYOUT Com a quantidade a produzir, o planejamento do fluxo geral dos materiais, os métodos de trabalho planejados, mais o trabalho padrão especificado, nós podemos determinar e dimensionar os

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM EMBALAGENS E UNITIZAÇÃO

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM EMBALAGENS E UNITIZAÇÃO DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM EMBALAGENS E UNITIZAÇÃO DEFINIÇÕES MERCADORIA: qualquer produto que seja objeto do comércio CARGA: qualquer mercadoria entregue a terceiros para: - ser transportada - ser armazenada

Leia mais

estratégias operações

estratégias operações MERCADO FERRAMENTA NECESSIDADE O que é LOGÍSTICA? estratégias Fator de Diferenciação Competitiva Fator de Tomada de Decisão operações Busca pela Excelência na Gestão O que buscamos? EXCELÊNCIA LOGÍSTICA

Leia mais

Política de Atendimento de Lubrificantes. Índice. Item Tópico Página. 1. Introdução e Propósito 2. 2. Nossa Missão 2. 3.

Política de Atendimento de Lubrificantes. Índice. Item Tópico Página. 1. Introdução e Propósito 2. 2. Nossa Missão 2. 3. Política de Atendimento de Lubrificantes Índice Item Tópico Página 1. Introdução e Propósito 2 2. Nossa Missão 2. CALL Center 2 e. Disponibilidade de Produtos.1 Pedidos Mínimos.2 Tipos e Características

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS. rfsouza@fatecinternacional.com.br

LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS. rfsouza@fatecinternacional.com.br LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS PROF. RODRIGO FREITAS DE SOUZA REVISÃO rfsouza@fatecinternacional.com.br Objetivo da Logística Fazer chegar a quantidade certa das mercadorias certas ao local certo, no

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado 2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado Conteúdo 1. Função Produção 3. Administração da Produção 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos José Newton Barbosa Gama Assessor Especial Dezembro de 2011 SUMÁRIO Problemática

Leia mais

TRANSQUALIT. Sistema de Gestão da Qualificação para Empresas de Transporte de Cargas PRODUTOS FARMACÊUTICOS

TRANSQUALIT. Sistema de Gestão da Qualificação para Empresas de Transporte de Cargas PRODUTOS FARMACÊUTICOS TRANSQUALIT Sistema de Gestão da Qualificação para Empresas de Transporte de Cargas PRODUTOS FARMACÊUTICOS Sumário Prefácio 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Definições 4 Sistema de qualificação 5 Responsabilidade

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

onda Logistics powered by Quantum

onda Logistics powered by Quantum onda Logistics powered by Quantum Sonda IT Fundada no Chile em 1974, a Sonda é a maior companhia latino-americana de soluções e serviços de TI. Presente em 10 países, tais como Argentina, Brasil, Chile,

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

AULA 20 TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

AULA 20 TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS AULA 20 TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS Introdução O transporte de produtos perigosos é um caso particular do transporte de mercadorias numa cadeia de fornecimento. Durante esta atividade, vários fatores

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 32/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 32/2015 Instrução Técnica nº 26/2011 - Sistema fixo de gases para combate a incêndio 645 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Comex Exportação. Comercial. A partir de integração com o módulo de faturamento, o sistema de controle de exportação,

Comex Exportação. Comercial. A partir de integração com o módulo de faturamento, o sistema de controle de exportação, Comex Exportação A partir de integração com o módulo de faturamento, o sistema de controle de exportação, facilita a impressão dos principais documentos da exportação como fatura comercial, packing list,

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

Este artigo tem o objetivo de

Este artigo tem o objetivo de ARTIGO Muito além do roteirizador: distribuição de produtos de baixa densidade Divulgação Danilo Campos O roteamento de veículos tradicional contempla somente uma dimensão de capacidade, normalmente peso

Leia mais

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O.

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O. MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Profa. Margarita Maria Dueñas O. RESÍDUOS PERIGOSOS Ponto de geração Destino final FASE INTERNA COLETA ACONDICIONAMENTO FASE

Leia mais

Palavras-chaves: Logística, centro de distribuição, armazenagem, picking.

Palavras-chaves: Logística, centro de distribuição, armazenagem, picking. MÉTODOS DE ORGANIZAÇÃO DA ATIVIDADE DE PICKING NA GESTÃO LOGÍSTICA: UM ESTUDO DE CASO NO CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE UMA REDE SUPERMERCADISTA DO RIO GRANDE DO SUL Jessica de Assis Dornelles (Unipampa ) jessica-dornelles@hotmail.com

Leia mais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais A movimentação de materiais não necessita exatamente ser um setor dentro da organização, na maioria dos casos, é uma tarefa atrelada ao almoxarifado

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima...

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima... ÍNDICE Apuração de Custos Estruturação e Organização I - Custos de Produção Custos Diretos Estruturação para a Apuração de Custo Matérias Primas, Produtos Químicos... Estruturação e Organização da Matéria

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático Sistemas de Qualidade Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT 1 Conteúdo Programático Introdução aos sistemas de garantia da qualidade. Normas de qualidade e certificação. Sistemas ISO 9000, ISO 14000, QS

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL

O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL Classificação Rótulos de Risco e Painéis de Segurança Interface com o Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Substâncias

Leia mais

Plataforma Logística Multimodal Projeto Santa Maria - RS

Plataforma Logística Multimodal Projeto Santa Maria - RS Projeto Santa Maria - RS 2011 Fornecedor Fábrica Cliente Logística de Abastecimento sistema transporte etc Logística Interna PCP estoques etc Logística de Distribuição sistema transporte etc Logística

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS LOGÍSTICA CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS A MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAL É O PROCESSO DO QUAL APRESENTA A MUDANÇA LOCAL DE UM DETERMINADO ITEM, DENTRO DE UMA DETERMINADA CIRCUNSTÂNCIA.

Leia mais

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário - Armazenagem Estratégica - Automação na Armazenagem 2 Armazenagem -

Leia mais

Aula Nº13 - Armazenagem

Aula Nº13 - Armazenagem Aula Nº13 - Armazenagem Objetivos da aula: Você já conhece os diversos tipos de sistemas de manuseio: mecanizados, semi-automáticos e automáticos. Agora, é necessário estudarmos a armazenagem propriamente

Leia mais

5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO

5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO 5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) CAROLINA PASQUOT Orientador(es) José Roberto Soares Ribeiro

Leia mais

WMSL Warehouse Management System Lite

WMSL Warehouse Management System Lite WMSL Warehouse Management System Lite Tela Inicial Esta é a tela inicial do sistema WMSL (Warehouse Management System - Lite) da Logistock. Cadastro Administrativo Pesquisa Movimentação Encerrar Cadastro

Leia mais

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTOS PARA O TRANSPORTE DE CONTÊINER julho-11 Percurso de ida e volta Contêiner até 25 t Contêiner acima de 25 t até 30

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de

Sistemas de Armazenagem de Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância do lay-out out, dos equipamentos de armazenagem

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

Segurança com Pr P odutos o Q u Q ími m cos

Segurança com Pr P odutos o Q u Q ími m cos Segurança com Produtos Químicos Assuntos a serem Abordados 1. Conceitos e Definições; 2. Pré Avaliação do Produto Químico (Compra); 3. Armazenamento de Produto Químico; 4. Resíduo / Licença Ambiental;

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

Excelência. locações e transporte Ltda. www.excelenciaguindastes.com.br

Excelência. locações e transporte Ltda. www.excelenciaguindastes.com.br www.excelenciaguindastes.com.br A Guindastes e uma empresa de Goiânia Goiás QUEM SOMOS que presta serviço em todo território nacional no segmento de Locação de Guindastes, Locação de Munck, Grupo Geradores,

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais