UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM Simone Delmondes Moreira Orientadora Professora Ms. Ana Cristina Guimarães Rio de Janeiro 2007

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM Apresentação de monografia à Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Logística Empresarial

3 3 AGRADECIMENTOS...Primeiramente a Deus, que sempre me orientou e me guiou e ao amigo de turma que colaborou para elaboração desse trabalho.

4 4 DEDICATÓRIA...Ao meu marido Fernando, que sempre me incentivou e apoiou, aos meus filhos Henrique e Felipe, que sentiram a minha ausência durante o curso e elaboração desse trabalho.

5 5 RESUMO O mundo globalizado, altamente competitivo, em que vivemos, exige das atividades empresariais uma constante análise de seu desempenho, inserindo neste universo as atividades de armazenagem como um fator essencial para o alcance dos objetivos logísticos de uma empresa, como demonstramos no texto desta monografia, cujo conteúdo tem como objetivo, mostrar os diversos tipos de sistemas de armazenagem praticados pelas empresas, destacando as características de cada sistema de armazenagem, principalmente no que diz respeito às finalidades de cada sistema descrito. Muitas oportunidades de melhorar a rentabilidade das operações empresariais encontram-se atualmente na esfera da administração de materiais, por ser uma atividade que oferece economias de escala significativas para as empresas. A execução operacional dos sistemas de armazenagem não se limita ao simples recebimento, conservação e expedição dos materiais, abrangendo também as atividades relacionadas com o controle contábil dessas atividades, conforme exigido pela Lei nº de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações). Com isso as empresas precisaram investir cada vez mais na Logística, destacando a atividade de armazenagem, investindo na área de Estoque, com tecnologias avançadas, modernos equipamentos e estruturas em seus armazéns, possibilitando a redução de estoques da cadeia, a redução dos custos, e a pronta disponibilização dos produtos, aumentando a competitividade. Com o E_Commerce ( informação em tempo real), a armazenagem surge como uma das funções que agrega valor ao sistema logístico. Palavras-chave: Supply Chain - E-Commerce - Logística Sistemas de Armazenagem Cadeia de Abastecimento Controle Contábil

6 6 METODOLOGIA O presente trabalho foi realizado mediante pesquisas em literaturas especializadas, concebendo sua forma conceitual e estruturada em informações técnicas relativas a área de armazenagem, através de pesquisas dirigidas a essas atividades, procurando salientar suas vantagens e características com base no conteúdo apreendido no módulo de armazenagem, componente do curso de Logística empresarial. De modo a atingir os objetivos propostos neste trabalho, realizamos pesquisas exploratórias em algumas fontes bibliográficas e na Internet, consultando diversos Sites especializados na área de Sistemas de armazenagem. Este trabalho está estruturado dentro das normas de apresentação monográfica do Projeto Vez do Mestre, cuja descrição está distribuída em capítulos seqüenciais, e é dirigido aos leitores interessados em conhecer aspectos relevantes à armazenagem na Logística empresarial, buscando mais informações sobre o assunto, sem, no entanto esgotar o assunto.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 08 CAPÍTULO I - A Armazenagem na Cadeia de Abastecimento 09 CAPÍTULO II - Sistemas de Armazenagem 21 CONCLUSÃO 34 REFERÊNCIAS 35 ÍNDICE 36 FOLHA DE AVALIAÇÃO 38

8 8 INTRODUÇÃO A influência dos equipamentos e sistemas para a armazenagem na produtividade industrial pode ser observada em todas as áreas empresariais. As práticas adequadas de estoque de matérias-primas, peças em processamento e produtos acabados permitem diminuir os custos das empresas, além de melhorar os índices de produtividade. Com a evolução dos processos de armazenagem e distribuição (procedimentos logísticos) os almoxarifados passaram a ser conhecidos como Centro de Distribuição, interagindo entre o recebimento e distribuição, agilizando a distribuição dos produtos estocados nos armazéns. A escolha de um sistema de armazenagem, deve ser feita de acordo com as necessidades da empresa, de modo a atender também os investimentos financeiros a serem realizados com a implantação de um sistema dessa natureza, aumentando a rentabilidade dos investimentos realizados nessa área. Para procedermos a monografia no Capítulo I, analizaremos a Armazenagem na Cadeia de Suprimentos, os Custos Logísticos, a Visão Interna da Armazenagem.Já no Capítulo II poderemos observar os diversos tipos de Sistemas de Armazenagem, suas características e as novas Tecnologias aplicadas a essas atividades, os diversos tipos de Equipamentos e Estruturas, para redução dos custos logísticos e maior competitividades no mercado.

9 9 CAPÍTULO I A Armazenagem na Cadeia de Abastecimento O armazenamento eficiente é aquele que logra armazenar em boas condições o máximo de mercadorias possível em um mínimo espaço (Araújo, 1976, p. 202) Os objetivos de uma Cadeia de Abastecimento (Supply Chain) são alcançados dentro de uma cadeia logística, integrando as atividades de armazenagem. Dentro dessa cadeia está a logística que é o processo que integra, coordena e controla o fluxo físico de materiais e de informações, para atender as necessidades dos clientes. O objetivo da logística é disponibilizar o produto, de cada item do pedido, entregá-lo na qualidade e quantidade certa, no momento e local exato. A logística representa um diferencial competitivo entre as empresas, possibilitando a redução de estoques da cadeia, a redução dos custos, e a pronta disponibilização dos produtos, aumentando a competitividade mercadológica das empresas. A administração de materiais (estoque e armazenagem) são componentes essenciais na logística empresarial. Seus custos são elevados,

10 10 chegando a absorver de 20 a 60% dos custos logísticos da Organização, representando um elevado volume de Capital imobilizado. A seleção dos locais e equipamentos onde esse processo será feito está intimamente associada aos custos desse processo. A cadeia de valor é caracterizada pelos valores que percorrem a cadeia de abastecimento e o valor agregado em cada etapa, desde o momento do pagamento das matérias-primas até o recebimento pela venda dos produtos acabados ou serviços. A utilização da logística é a garantia de um futuro próspero (DIAS, 1993, p. 301) A logística como diferencial competitivo, viabiliza a execução mais rápida e constante, possibilitando a redução de estoques além da redução de custos, disponibilizando corretamente os produtos, distribuindo valor para os clientes. Na década de 70 a logística era feita através de distribuição física e como sistema de atividade integrada. Na década de 80 a logística era considera como área funcional e estratégica ( material mais rápido que a informação). Informações. Na década de 90, a logística era vista como um Sistema de Atualmente, os conceitos logísticos também fazem parte das atividades de E-Commerce (informação em tempo real) sobre a disponibilidade de estoques..

11 11 O gerenciamento logístico das atividades de armazenagem, elimina os atrasos e os problemas com qualidade no fornecimento, garantindo os lotes mínimos de fornecimento, absorvendo os efeitos sazonais, evitando também, perdas financeiras decorrentes de especulações, eliminando estoques excedentes, contribuindo também para o aperfeiçoamento dos processos empresariais.( Araújo, 1976, p. 205) Dentro desse conceito, a armazenagem surge como uma das funções que agrega valor ao sistema logístico Custos logísticos e de Armazenagem Basicamente os custos logísticos de armazenagem, estão presentes nos seguintes fatores: mão-de-obra, instalações, aluguel ou aquisição, equipamentos, e transportes, alocados de forma direta ou indireta, sendo contabilizados no Ativo Circulante, obedecendo à legislação pertinente, de acordo com as disposições contidas na Lei nº de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações) Método Tradicional de Custeio Logístico Em anos recentes, constatou-se que a ausência de informações sobre os custos empresariais, pode trazer uma série de distorções no processo de tomada de decisões das empresas. Face a esse problema, foram desenvolvidas novas ferramentas de gestão de custos, algumas das quais são específicas para o gerenciamento de custos logísticos. Em muitas empresas os gestores começaram a perceber que os sistemas de custeio utilizados distorciam dos custos dos produtos.

12 12 Dessa forma, o controle dos custos da cadeia logística, através de um eficiente Sistema de Informações Logísticas, é uma exigência para toda e qualquer empresa, de modo a garantir a rentabilidade dos ativos das empresas Método de Custeio Padrão De acordo com Martins (1998), a fixação do padrão de custeio pode ser realizada com maior ou menor rigidez, pois esse critério relaciona-se com os objetivos estabelecidos pelas empresas. Para que se possa estabelecer em uma empresa o regime de custeio padrão é preciso, antes de tudo, que se faça uma perfeita organização administrativa e contábil e, principalmente os processos produtivos, precisam estar perfeitamente padronizados. Não se consegue o estabelecimento de métodos de custeio padrão, em empresas cuja produção é desorganizada e onde não se tem uma linha de produção organizada e padronizada Método ABC (Activity Based Costing) O método ABC foi divulgado principalmente pelos professores Robert Kaplan e Robin Cooper da Harvard Business School. O desenvolvimento do modelo ABC partiu da condição de que as atividades desempenhadas em uma empresa geram custos, e que essas atividades são consumidas por produtos e serviços gerados por essa empresa. Assume-se o pressuposto que os recursos de uma empresa são consumidos por suas atividades e não pelos produtos que ela fabrica, estes são conseqüências das atividades necessárias à sua fabricação ou comercialização.

13 13 A alocação dos custos indiretos aos produtos ocorre em dois estágios: - No primeiro estágio, os custos dos recursos (elementos de custos) são transferidos para as atividades. Essa alocação é realizada com base em direcionadores de custos primários ou direcionadores de recursos. - No estágio secundário, os custos das atividades são transferidos para os objetos de custos (produtos, serviços, clientes, linhas, etc.). Considerando-se o crescimento dos custos relacionados às atividades indiretas, essa primeira versão do método ABC procurou estabelecer uma atribuição mais criteriosa dos custos indiretos aos bens e serviços produzidos, fornecendo informações que podem ser utilizadas com o objetivo de direcionar a atenção para as atividades responsáveis pelos custos. Em relação ao método tradicional de custeio, o método ABC pode ser descrito como uma técnica de contabilidade que aloca custos indiretos em proporção real, pelos bens produzidos. Quando da escolha de uma novo Sistema de estocagem e movimentação de materiais, deve-se sempre efetuar uma análise comparativa entre os custos de armazenagem e a eventual economia para a empresa, no atendimento da produção num espaço de tempo menor. (Dias, 1993, p. 49) A visão Interna da Armazenagem A visão interna da Armazenagem (aspecto operacional), representa um processo voltado para o recebimento, estocagem e distribuição de materiais, correspondente ao recebimento, estocagem e distribuição dos itens componentes de um sistema de armazenagem Funções Básicas da Armazenagem

14 14 De modo semelhante a outros componentes de um sistema de armazenamento, as funções básicas da armazenagem, são as de minimizar custos e maximizar o atendimento aos clientes. Para se atingir esses objetivos, as operações de estocagem devem ser eficientes e desempenhar as atividades básicas de um sistema de armazenamento (recepção, estocagem e distribuição), de modo a facilitar o desempenho de profissionais competentes, treinados, e aptos para o desempenho das funções de armazenagem, dentro dos três níveis administrativos de uma empresa: Estratégico gerenciamento das atividades do sistema; Técnico normatização executiva das atividades do sistema; Operacional operacionalização do sistema. A integração da função armazenagem ao sistema logístico deve ser total, pois é um elo importante no equilíbrio do fluxo de materiais. Os fatores básicos que determinam a necessidade de armazenagem são: 1) Equilibrar as atividades de um sistema de armazenagem, com as atividades do sistema produtivo da empresa; 2) Identificar os períodos sazonais de entrada e saída dos itens componentes do sistema; 3) Garantia da cadeia produtiva; 4) Redução dos custos de mão-de-obra. 5) Redução das perdas de materiais por avarias. 6) Melhoria na organização e controle da armazenagem.

15 15 7) Melhoria nas condições de segurança de operação das condições de armazenagem; 8) Facilitar a identificação, a busca e a movimentação dos itens componentes de um sistema; 9) Descongestionamento das áreas de movimentação. As empresas que atuam como Operadores Logísticos buscam utilizar sistemas de armazenagem de ponta, de modo a distribuir valor para os seus clientes, procurando manter a competitividade de mercado. 1.3 Recebimento É um setor de muita importância e que requer elementos qualificados, uma vez que no recebimento ocorre a 1ª filtragem de material na empresa. O setor de recebimento de materiais deve interagir as suas atividades, com as do Depto. De Suprimentos, mantendo um arquivo indexado, com as cópias das Ordens de Compra, emitidas pelo Depto. de Suprimentos.. Funcionograma das atividades de recepção de materiais: 1) Coordenar e controlar as atividades de recepção e devolução de materiais; 2) Analisar a documentação recebida, constatando e cruzando a recepção dos itens, perante a cópia das Ordens de Compras, verificando se a compra está autorizada; 3) Confrontar os volumes expressos na Nota Fiscal com volumes que estão sendo recepcionados; 4)Proceder a conferência quantitativa e qualitativa, verificando inclusive as possíveis avarias nos materiais recepcionados;

16 16 5) Decidir pela recusa, aceite ou devolução, em conformidade com o resultado da conferência; 6) Liberar o material inspecionado e aprovado para o estoque; 7) Providenciar o transporte do material recebido, até o local de estocagem. O recebimento de um item de material deve ser confrontado contra a apresentação da Nota Fiscal e o pedido feito pelo Depto. de Suprimentos. Uma vez conferido antes de dada quitação assinado a respectiva nota fiscal, deve-se proceder a uma conferência rigorosa conforme as indicações abaixo: - Antes de abrir os volumes, deve-se verificar se as indicações contidas nas notas de entrega: endereço, números, marca, etc., constante dos volumes, conferem devidamente quanto à: - Condições de embalagem; - Conferência da quantidade, quebras e faltas; - Conferência do peso, se certo ou errado; - Conferência do peso cobrado no frete com o peso do material inspecionado pelo Controle de Qualidade de Recebimento C.Q.R Devolução: Se houver necessidade de devolver o material recebido, o mesmo deverá ser feito, mediante declaração em todas as vias da Nota Fiscal, explicitando os motivos da devolução. Não sendo, portanto, emitir um novo documento fiscal. 1.4 Estocagem

17 17 Os materiais recebidos na empresas ficam armazenados no almoxarifado, até que sejam requisitados, até a sua entrega aos setores requisitantes. Dentre os vários tipos de estocagem, destacamos: a) Câmara frigorífica para produtos congelados em temperaturas a partir de - 22º C. (alimentos, medicamentos, outros); b) Câmaras frigoríficas para produtos resfriados com temperatura de até 01º à 04ºC. (alimentos, medicamentos, outros); c) Câmara refrigerada com temperatura de 21ºC, para manter o produto em temperatura ambiente; d) Câmara seca para produtos de embalagem (caixas, copos, guardanapos, alimentos, medicamentos, etiquetas, outros ) Tipos de Instalações de Armazenamento: Armazém: edificação dotada de piso, cobertura, paredes frontais e laterais. Galpão: edificação dotada de piso, cobertura e, quando necessário, de cercos frontais e laterais. Pátio: áreas descobertas, dotadas de piso drenado, compactado e, quando necessário, pavimentado e provido de limitações frontais e laterais. Os princípios geralmente aceitos de um armazenamento moderno são, segundo Araújo, 1976: edifícios de um só andar; circulação direta, e mediante linha combinada; equipamentos mecânicos adequados para a movimentação das mercadorias e disposição eficiente de locais p/ depósitos e armazenamentos. (p.201) Caracterização das Áreas de Instalação de Armazenamento: Área de Administração;

18 18 Área de Movimentação e/ou Serviço Aberta; Estantes; Prateleiras, local normal de estoque; Áreas de Estocagem; Zona de Estoque Fechada: estufa; Áreas livres; Áreas de Circulação Principal: corredor, Circulação Secundária: corredores perpendiculares e circulação principal, Corredores de Acesso: entre estantes, Área de Segurança: (corredor de segurança) espaço livre entre estoque e paredes (mínimo 0,5 metros) Tipos de Armazenamento: A armazenagem de materiais deve ser realizada dentro dos critérios técnicos de estocagem, Os critérios devem ser estabelecidos de acordo com a natureza dos materiais a serem estocados. Normalmente, a armazenagem de materiais é feita dentro dos seguintes critérios: a) Armazenagem por Agrupamento: Deve ser sempre realizada buscando-se a unitização dos materiais estocados; b) Armazenagem por Tamanho, Peso e Volume: Os materiais com tamanho, peso ou volume significativos devem ser agrupados numa mesma área de almoxarifado, racionalizando a ocupação de espaços; c) armazenagem por Freqüência: Os materiais cujo volume de movimentação e freqüência é significativo, devem ser colocados tão próximo quanto possível da saída da instalação de armazenamento.

19 Distribuição A distribuição é responsável pela roteirização, separação, carregamento e distribuição até o seu destino, de forma rápida e eficiente e a um custo mínimo. Nos últimos anos a distribuição de materiais, tornou-se uma questão crucial, com custos logísticos consideráveis para as empresas. Dentro do contexto empresarial, um dos conceitos aplicados à distribuição é ter o produto certo, no lugar certo, na quantidade correta, no tempo certo e no menor custo (DIAS, 1993, p.333). do âmbito da distribuição. Para alcançar este objetivo, é necessário um planejamento dentro Quanto mas amplo for o planejamento, em termos de tempo, entre a decisão e a implantação, mais importante se torna o planejamento da distribuição. Os produtos poderão ser distribuídos através dos seguintes meios de transporte: marítimo, ferroviário, terrestre ou aéreo, dependendo de sua necessidade, ou do seu Operador Logístico. De acordo com várias circunstâncias, a empresa pode escolher quatro métodos de distribuição (DIAS, 1993, p.335): 1) Sistema de vendas próprio; 2) Sistema de vendas de terceiros; 3) Através de agentes e representantes comissionados; 4) Através de distribuidores especializados. A escolha de cada um desses sistemas de distribuição depende de uma série de fatores de origem e destinação, tais como bens de produção ou de consumo, conforme enumerado a seguir (DIAS, 1993,p.335).

20 20 a) Produção em ritmo acelerado; b) Produção dentro de um plano industrial esquematizado; c) Produto destinado ao consumo em massa, distribuído no varejo; d) Produto especializado para uso técnico; e) Produto de transformação destinado às indústrias (matéria-prima); f) Produto de uso supérfluo; g) Produto fundamental, de uso essencial e obrigatório; h) Equipamento técnico-industrial; i) Maquinários para indústria e lavoura; j) Material para construção em geral; k) Produtos para embalagens e conservação. O atendimento de um número cada vez maior de consumidores, para volumes e velocidade de suprimento crescente, gera o desenvolvimento de técnicas de distribuição que não podem ser desconhecidas pelos gestores do setor. CAPÍTULO II

21 21 Sistemas de Armazenagem Os sistemas de armazenagem, são responsáveis pela gestão física dos estoques, compreendendo as atividades de guarda, preservação, embalagem, recepção e expedição de material, segundo determinadas normas e métodos de armazenamento. 2.1 Características fundamentais de um Sistema de Armazenagem: - Normatização - Identificação - Classificação - Localização Normatização A armazenagem para ser eficaz, deve seguir as normas técnicas que servem para estabelecer padrões de procedimentos, visando aumentar a eficiência do processo de armazenagem, sempre se preocupando também com a segurança da armazenagem. No Brasil, a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) (www.abnt.gov.br) regulamenta e padroniza os sistemas de armazenagem, estabelecendo os critérios técnicos para a operacionalização das atividades de armazenagem Identificação

22 22 A identificação é essencial para a operacionalização dos sistemas de armazenagem, consistindo na análise e no registro dos principais dados individuais que caracterizam e particularizam um item em relação ao universo de outros materiais existentes na empresa, estabelecendo a identificação dos itens componentes de um sistema de armazenagem, visando sempre que possível a sua unitização Classificação A classificação reúne e agrupa os materiais por características semelhantes. O processo classificatório deve ser abrangente, flexível e prático. A abrangência consiste em estabelecer uma variedade de características e, não, reunir apenas os materiais para serem classificados. A flexibilidade deve permitir a interface entre a classificação dos itens componentes de um sistema de armazenamento, com o objetivo de estabelecer a identificação, a codificação, o cadastramento e a catalogação de todos os materiais da empresa, atuando, portanto, como uma função distinta das demais atividades de suprimentos Localização Um sistema de localização de materiais deve funcionar de maneira a permitir a busca e a localização rápida do item material que se quer encontrar. Normalmente é utilizada uma simbologia alfanumérica, que deve indicar precisamente o posicionamento de cada item estocado, facilitando as operações de movimentação e estocagem. Existem dois métodos básicos: o sistema de endereçamentos fixos e o sistema de endereços variados.

23 Atividades de Picking: O principal fator a ser atribuído à evolução no mundo nas duas últimas duas décadas foi o aumento da exigência dos clientes. Um recente estudo sobre automação na área de armazenagem analisou os centros de distribuição de três grandes empresas no Brasil Chocolate Garoto, Souza Cruz e Lojas Americanas e identificou a melhoria do serviço e/ou produto como o principal motivador de seus investimentos nesta área. Outra pesquisa periódica indica que a freqüência e o prazo de entrega estão entre as três principais dimensões de serviço, avaliadas pelo varejo. A importância dada a essas duas dimensões é relacionada aos programas de redução do nível de estoque como JIT (just in time), QR (quick response) e reposição contínua cujos alicerces estão apoiados no aumento da freqüência e na diminuição do prazo de entrega. Além disso, a grande proliferação do número de produtos resultado não só do lançamento de novos produtos, como também da grande variedade de modelos, cores e embalagens e o crescente aumento das entregas diretas ao consumidor fruto das vendas por catálogos, pela internet, pelo telefone, ou até mesmo por lojas que passaram a trabalhar apenas com mercadorias expostas em mostruário também trouxeram novas demandas para as operações de armazenagem. Como resposta a esses desafios, as empresas reestruturaram as suas operações de armazenagem para atender ao aumento do número de pedidos ( resultado da maior freqüência de entrega e da entrega direta ao consumidor), a uma maior variedade de itens (devido à proliferação do número de produtos) em um tempo menor (resultado do encurtamento do prazo de entrega). Assim, os armazéns do produto acabado com a finalidade de estocar mercadorias, estão dando lugar aos centros de distribuição, cujo foco principal está sobre a atividade de picking. O aumento da importância da atividade de picking fez com que novos investimentos fossem feitos nesta área, principalmente nos sistemas de

24 24 separação. Para se ter uma idéia da representatividade dos custos desta atividade em média o picking é responsável por 60% dos custos; de um centro de distribuição A execução das atividades de picking está relacionada com três importantes decisões de planejamento. A primeira é referente à separação de uma área do centro de distribuição apenas para o picking, independente da estocagem. A segunda é relativa à organização do trabalho. Já a terceira decisão envolve a seleção das tecnologias a serem adotadas. Ballow, 1993, p A Separação da Área de Picking da área de Estocagem: A área de estocagem na maioria dos armazéns ocupa um espaço relativamente grande, devido ao acondicionamento dos estoques. Assim, a a separação dos pedidos realizados nessa área pode implicar em grandes deslocamentos por parte dos operadores. Existem algumas alternativas intermediárias para diminuir este tempo gasto com o deslocamento. Entre elas, destacam-se: Algoritmos para definição das rotas de coleta, que minimizam a distância média percorrida na separação do pedido; Métodos alternativos de organização do trabalho ( que serão tratados mais adiante) com objetivo, por exemplo, de coletar mais pedidos por cada deslocamento; Lógicas de endereçamento que posicionem os produtos na área de estocagem usando critérios que minimizem a distância média de movimentação, considerando o número de expedições de cada item, o seu volume em estoque e a complementação entre os itens ( ou seja, guardar próximos os produtos que normalmente são expedidos juntos).

25 25 Além disso, a identificação nos endereços de coleta e a disposição clara e objetiva das informações ( documentações, instruções e etiquetas), também são pontos importantes para se agilizar as tarefas do operador.(coopead,2000, p. 66) 2.3- As Novas Tecnologias Disponíveis na Atividade de Picking: a) A-Frame b) Picking By-Light A-Frame : O A-Frame é um sistema de alta produtividade capaz de separar centenas de pedidos em um curto espaço de tempo, com grande precisão e com um reduzido quadro de pessoal. Este é um sistema modular, integrado por uma esteira transportadora, sobre a qual existe uma estrutura composta de uma série de canais que cobre ambos os lados de esteira. Cada canal trabalha com um determinado SKU, tendo capacidade de armazenar diversas unidades, que ficam empilhadas em sua respectiva estrutura Picking By-Ligh: Este sistema concilia performance e flexibilidade conseguindo, graças a isso, ser um dos sistemas mais difundidos no Brasil. O picking by-light, integra

26 26 a utilização de esteiras rolantes, leitores óticos e sensores com as tradicionais estruturas flow racks manuseadas por operadores. A boa performance deste sistema é obtida através da disposição dos produtos ao redor dos funcionários, que coletam apenas os produtos da sua estação de trabalho, não precisando se locomover nem movimentar as caixas dos pedidos que são transportadas de forma automática por meio de uma correia transportadora. Além disso, os mostradores digitais de cada posição do flow-rack indicam automaticamente o local e o número de unidades que devem ser coletados, tornando desnecessário o picking list, o que acelera o processo de coleta dos operadores. A flexibilidade é resultado da participação dos operadores no manuseio, que além de considerar as características específicas de cada produto, inclusive a fragilidade, podem, simultaneamente, coletar e organizar os produtos nas caixas de entrega. (artigo do centro de estudos em logística COPPEAD UFRJ) Site : (http://www.centrodelogistica.com.br/new/fr-armazenagem.htm) A Escolha de Sistemas para Armazenamento de Materiais: - A decisão sobre o tipo de estrutura estará apoiada em : Tipos de produtos; Unidade movimentada (paletes, caixas, fração...); Mix movimentado; Critérios de operação (FIFO, LIFO,...); Giro dos produtos; Veículos (se já existem); Construções, layout, budget (orçamento).

27 Diversos tipos de Sistemas de Armazenagem e suas características: Porta Paletes Seletivo Características: Localização e Movimentação de qualquer palete sem mover os outros paletes (acessibilidade); Adaptação a cargas de rotação relativamente altas; Mudança de Lay-out: Facilmente montadas e desmontadas; Compatível com inúmeros equipamentos de movimentação ou pisos industriais; Limitação da altura apenas pelo alcance dos equipamentos de movimentação d endereços; Densidade de estocagem obtida é menor que nos outros sistemas; Diversos tipos de acessórios; Controle total do PEPS (FIFO) Drive-in / Drive-through Características: Armazena aproximadamente o mesmo número de paletes de um seletivo na metade do espaço; Controle do PEPS e UEPS (FIFO e LIFO); Gerenciamento de movimentação do produto por lotes de produção; Altura limitada a no máximo mm; Movimentação de materiais através de empilhadeiras;

28 28 Baixa velocidade de movimentação;produtos armazenados e unitizados em paletes de madeira, alguns tipos de caçambas de aço, etc...; Custo baixo comparado a outros sistemas de alta densidade; Baixa seletividade Drive-through Dinâmico Característica: Armazena o mesmo número de paletes de um sistema drive-through estático ocupando a mesma área, porém com altura menor; Utiliza o sistema de controle PEPS (FIFO); Deslocamento do palete por gravidade; Gerenciamento de movimentação do produto por lotes de produção; Altura limitada pelo equipamento de movimentação; Alta velocidade de movimentação; Média seletividade; Produto armazenado em unidades de carga; Baixo custo operacional Estantes Industriais Características: Ideal para pequenos volumes (< 0,5 m3); Carregamento e armazenagem manual; Altura ideal para o último nível de carregamento ao alcance da mão ou utilizando escadas móveis; Nível de carregamento regulável verticalmente a cada 50 mm;

Sistemas de Armazenagem de Materiais

Sistemas de Armazenagem de Materiais Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância dos equipamentos de armazenagem de materiais na

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

Verticalização dos Estoques

Verticalização dos Estoques Verticalização dos Estoques Considerações Iniciais A principal prioridade dos operadores é reduzir o tempo de ciclo dos pedidos e não economizar espaço. As soluções que permitem economizar espaço não permitem

Leia mais

DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM

DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM A EMPRESA NOSSAS SOLUÇÕES PARA ARMAZENAGEM 25 DE AGOSTO DE 1969 Dar continuidade ao legado do pai, exímio ferreiro e artesão. Esse foi o sonho que impulsionou os irmãos

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM PICKING

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM PICKING DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM PICKING O QUE É PICKING? atividade responsável pela coleta do mix correto de produtos, em suas quantidades corretas da área de armazenagem para satisfazer as necessidades do

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem Tecnologia em Gestão Pública Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 9 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução Objetivo da armazenagem Arranjo

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

LOGÍSTICA DE ARMAZENAGEM

LOGÍSTICA DE ARMAZENAGEM Os consumidores quando vão às prateleiras das lojas esperam encontrar os produtos que necessitam, não importando se os produtores estão a 10 ou 2.500 Km de distância. Este é o trabalho da logística: prover

Leia mais

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário - Armazenagem Estratégica - Automação na Armazenagem 2 Armazenagem -

Leia mais

Tire suas dúvidas sobre Sistemas de Armazenagem

Tire suas dúvidas sobre Sistemas de Armazenagem Tire suas dúvidas sobre Sistemas de Armazenagem Os chamados Sistemas de Armazenagem fazem parte de um grupo de acessórios e equipamentos bastante utilizados na indústria como uma maneira mais simplificada

Leia mais

Unioeste Diretoria de Concursos

Unioeste Diretoria de Concursos Unioeste Diretoria de Concursos 9º Concurso Público para o Provimento de Cargos Públicos para Atuação no Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP) PROVA OBJETIVA Técnico Administrativo Instruções

Leia mais

Soluções de armazenagem

Soluções de armazenagem Soluções de armazenagem Seja qual for o seu produto, temos a solução ideal para o armazenar 50 anos a oferecer soluções de armazenagem 3 Presença em mais de 70 países 3 11 centros de produção 3 4 centros

Leia mais

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns Ricardo A. Cassel FRANCIS, R.; McGINNIS, L.; WHITE, J. Facility Layout and Location: an analytical approach. New Jersey: Prentice Hall, 2ed., 1992. BANZATTO, E.; FONSECA, L.R.P.. São Paulo: IMAN, 2008

Leia mais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais Contextualização A transformação da matéria-prima em produto acabado requer que pelo menos um dos três elementos básicos de produção (trabalhador, máquina e material) seja movimentado. Para a maioria dos

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de

Sistemas de Armazenagem de Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância do lay-out out, dos equipamentos de armazenagem

Leia mais

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO 3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO O capítulo 3 apresenta o conceito de distribuição física, com enfoque nos centros de distribuição. São incluídos os processos de distribuição Cross docking, Merge in Transit e

Leia mais

Unidade III MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade III MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro Unidade III MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Introdução Conhecer as necessidades de gestão de armazém é fundamental; Aqui vamos conhecer os tipos de armazenagem; Tipos de armazenagens São

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

SISTEMAS DE ARMAZENAGEM MANUAL PRÁTICO DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM. Um pouco da história

SISTEMAS DE ARMAZENAGEM MANUAL PRÁTICO DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM. Um pouco da história SISTEMAS DE ARMAZENAGEM MANUAL PRÁTICO DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM Um pouco da história Podemos ficar surpresos ao saber que os primeiros armazéns foram construídos por volta de 1800 a.c., com José ao interpretar

Leia mais

3 Centro de Distribuição

3 Centro de Distribuição 3 Centro de Distribuição Uma questão básica do gerenciamento logístico é como estruturar sistemas de distribuição capazes de atender de forma econômica os mercados geograficamente distantes das fontes

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

O Processo de Armazenagem Logística: O Trade-off entre Verticalizar ou Terceirizar

O Processo de Armazenagem Logística: O Trade-off entre Verticalizar ou Terceirizar O Processo de Armazenagem Logística: O Trade-off entre Verticalizar ou Terceirizar Prof. Aluisio dos Santos Monteiro Junior, M.Sc. (UVA/ICT) aluisio@fgv.br Marcela Ribeiro Vianna (UVA/ICSA) mvianna.worktime@anp.gov.br

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Ricardo A. Cassel A movimentação de materiais é uma atividade importante a ser ponderada quando se deseja iniciar o projeto de novas instalações. Existe uma forte relação entre

Leia mais

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999)

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. SERVIÇOS LOGÍSITICOS 3. O CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSITICO 3.1 DEFINIÇÃO 3.2 CARACTERIZAÇÃO DE OPERADOR LOGÍSTICO 4. DEFINIÇÕES

Leia mais

SISTEMAS DE ARMAZENAGEM

SISTEMAS DE ARMAZENAGEM SISTEMAS DE ARMAZENAGEM Engº. Cláudio Sei Guerra OUTUBRO - 2006 Revisado ÍNDICE 1. Prefácio... 03 2. Sistemas de Armazenagem de Materiais... 04 3. Estruturas de Armazenagem Porta-Pallets... 06 4. Porta-Pallets

Leia mais

ANÁLISE DAS OPÇÕES DE ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM PARA UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE UMA EMPRESA DO SETOR ELETRÔNICO

ANÁLISE DAS OPÇÕES DE ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM PARA UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE UMA EMPRESA DO SETOR ELETRÔNICO ANÁLISE DAS OPÇÕES DE ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM PARA UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE UMA EMPRESA DO SETOR ELETRÔNICO Maira Silva de Aguiar (UNIFEI) aguiarmaira@hotmail.com Renato da Silva Lima (UNIFEI) rslima74@gmail.com

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Movimentação e Armazenagem de Materiais. Administração de Fluxos de Materiais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Movimentação e Armazenagem de Materiais. Administração de Fluxos de Materiais Movimentação e Armazenagem de Materiais APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 8 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Administração de Fluxos de Materiais Organização Modal A organização modal é um

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

Push-back é um sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidade, por cada nível.

Push-back é um sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidade, por cada nível. Push-back Push-back é um sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidade, por cada nível. Características gerais do sistema Push-back As estantes Push-back

Leia mais

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM Uma abordagem multidisciplinar Prof. Fernando Dal Zot 1 Visão geral das atividades do Almoxarifado / Depósito / Armazém Início RECEBER

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.1, n.3, janeiro-junho/2013

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.1, n.3, janeiro-junho/2013 SISTEMA LOGÍSTICO EMPRESARIAL Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.1, n.3, janeiro-junho/2013 Creonice Silva de Moura Shirley Aparecida Fida Prof. Engº. Helder Boccaletti Fatec Tatuí

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

Soluções de armazenagem

Soluções de armazenagem Soluções de armazenagem Seja qual for seu produto, conhecemos a melhor solução para armazená-lo A Mecalux oferece soluções de armazenagem Experiência de mais de 50 anos Presença em mais de 70 países 11

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Planejamento e operação por categoria de produto Nesta unidade veremos o Planejamento e Operação por Categoria de Produto

Leia mais

Sumário. Capítulo l -Introdução 17 1.1. Um Pouco da Historiada Logística 17 1.2. Sistemas ERP 18

Sumário. Capítulo l -Introdução 17 1.1. Um Pouco da Historiada Logística 17 1.2. Sistemas ERP 18 Sumário Capítulo l -Introdução 17 1.1. Um Pouco da Historiada Logística 17 1.2. Sistemas ERP 18 Capítulo 2 - A Integração do Marketing com a Logística 21 2.1. O Departamento de Vendas 21 2.2. Plano de

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

Centros de Distribuição: armazenagem estratégica

Centros de Distribuição: armazenagem estratégica Centros de Distribuição: armazenagem estratégica Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este trabalho pretende abordar

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM Redução do Custo Logístico de Transporte utilizando Centros de Distribuição Por: Monique Dutra Félix Orientador Prof. Jorge

Leia mais

SISTEMAS'DE'ARMAZENAGEM

SISTEMAS'DE'ARMAZENAGEM Desafios para os Profissionais de Armazéns SISTEMAS'DE'ARMAZENAGEM Executar mais, menores transações Movimentar e estocar muitos itens Prover maior customização de serviços Oferecer mais serviços de valor

Leia mais

Armazenagem, Controle. Aula 2. Contextualização. Equipamentos de Armazenagem. Principais Atribuições. Embalagens. Instrumentalização

Armazenagem, Controle. Aula 2. Contextualização. Equipamentos de Armazenagem. Principais Atribuições. Embalagens. Instrumentalização Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 2 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Equipamentos de Armazenagem Simplicidade Barato Flexível Relação custo e benefício Principais Atribuições Peculiaridade

Leia mais

DEPÓSITOS, ARMAZÉNS E CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

DEPÓSITOS, ARMAZÉNS E CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO DEPÓSITOS, ARMAZÉNS E CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Aula 1 António Albano Baptista Moreira Aula 4 28/08/2013 OBJETIVOS Conceitos, princípios e fundamentos da armazenagem de materiais; Fundamentos da armazenagem.

Leia mais

www.endal.pt SISTEMAS GLOBAIS DE ARMAZENAGEM Sistemas Globais de Armazenagem Paletização Convencional

www.endal.pt SISTEMAS GLOBAIS DE ARMAZENAGEM Sistemas Globais de Armazenagem Paletização Convencional SISTEMAS GLOBAIS DE ARMAZENAGEM Sistemas Globais de Armazenagem Paletização Convencional Armazenagem Compacta Drive-ln Drive-Through Dinâmica por Gravidade Armazenagem Climatizada Picking Estantes Deslizantes

Leia mais

Sistemas de Armazenagem e Movimentação

Sistemas de Armazenagem e Movimentação Sistemas de Armazenagem e Movimentação O que é a armazenagem? Gerenciar eficazmente o espaço tridimensional de um local adequado e seguro, colocando à disposição para guarda de mercadorias que serão movimentadas

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

- Áreas auxiliares de Produção: estoques, movimentação, apoio de pessoal, utilidades, manutenção, etc. - Estudo do fluxo do processo

- Áreas auxiliares de Produção: estoques, movimentação, apoio de pessoal, utilidades, manutenção, etc. - Estudo do fluxo do processo - Áreas auxiliares de Produção: estoques, movimentação, apoio de pessoal, utilidades, manutenção, etc. - Estudo do fluxo do processo PRINCIPAIS ÁREAS P/ DIMENSIONAMENTO DA FÁBRICA 1. Centros de produção

Leia mais

Slides com o Tema Escolhido. GRUPO AZUL: Ana Clara Araújo Côrte Luana Salgado Diego Pereira Bruno Reis

Slides com o Tema Escolhido. GRUPO AZUL: Ana Clara Araújo Côrte Luana Salgado Diego Pereira Bruno Reis Slides com o Tema Escolhido GRUPO AZUL: Ana Clara Araújo Côrte Luana Salgado Diego Pereira Bruno Reis Planejamento da Administração da Armazenagem Missão da Armazenagem Viabilizar a melhor gestão possível

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidades 07 Tipos de estocagem Sistema de estocagem Principais técnicas Equipamentos de estocagem 1 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza Aula Anterior: Cadastramento de Materiais CADASTRAMENTO DE MATERIAIS O QUE É??? O CADASTRAMENTO DE MATERIAIS

Leia mais

MANUAL DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM. Eng.º. Cláudio Sei Guerra

MANUAL DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM. Eng.º. Cláudio Sei Guerra MANUAL DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM Eng.º. Cláudio Sei Guerra FEVEREIRO - 2014 ÍNDICE 1. Prefácio... 03 2. Sistemas de Armazenagem de Materiais... 04 3. Estruturas de Armazenagem Porta-Pallets... 07 4. Porta-Pallets

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS 98 MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS Roberta Ferreira dos Santos Graduando em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil roberta.santos94@yahoo.com.br Leandro

Leia mais

Block Plus sistema convencional

Block Plus sistema convencional SOLUÇÕES DE ARMAZENAGEM Block Plus sistema convencional Block Plus sistema convencional estantes convencionais Trata-se do sistema de armazenagem mais comum e generalizado, adequado para armazenagem dedicada

Leia mais

O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA

O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA Como obter mais resultados com menos despesas Thomas Burger - Arquiteto Burger Arquitetos Arquitetura e Gerenciamento de Projetos Porto Alegre

Leia mais

Unidade I MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Armazenagem e a logística Qual é o papel da armazenagem na logística? Armazenagem e a logística Auxilia no atendimento à Missao da Logística. Qual

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu Pós Graduação Latu Senso Gestão Integrada da Logística

Universidade São Judas Tadeu Pós Graduação Latu Senso Gestão Integrada da Logística Universidade São Judas Tadeu Pós Graduação Latu Senso Gestão Integrada da Logística Adriana dos Santos Gomes Estela Paulino da Silva Luiz Cássio Jorquera Wesley Felipe de Oliveira ARMAZENAGEM E TI São

Leia mais

05/09/2015. Módulo V Gerenciamento de Depósito. GERENCIAMENTO DE DEPÓSITO Funcionalidades e Características. Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

05/09/2015. Módulo V Gerenciamento de Depósito. GERENCIAMENTO DE DEPÓSITO Funcionalidades e Características. Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo V Gerenciamento de Depósito Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. GERENCIAMENTO DE DEPÓSITO Funcionalidades e Características A função logística da armazenagem A armazenagem está relacionada diretamente

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE Aluno: Stephan Beyruth Schwartz Orientador: Nélio Domingues Pizzolato 1. INTRODUÇÃO A estabilização da economia e a eliminação do

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução O Almoxarifado conceito Organização do Almoxarifado: Recebimento Armazenagem

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Tatiane Vaz Ferreira Daudte 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

O Processo de Armazenagem Logística: O Trade-off entre Verticalizar ou Terceirizar

O Processo de Armazenagem Logística: O Trade-off entre Verticalizar ou Terceirizar O Processo de Armazenagem Logística: O Trade-off entre Verticalizar ou Terceirizar Prof. Aluisio dos Santos Monteiro Junior, M.Sc. (UVA/ICT) aluisio@fgv.br Zeferino Francisco da Silva Filho (UVA/ICSA)

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

LEVAMOS NO PEITO A MISSÃO DE DAR SEGURANÇA, QUALIDADE E PRATICIDADE À VOCÊ!

LEVAMOS NO PEITO A MISSÃO DE DAR SEGURANÇA, QUALIDADE E PRATICIDADE À VOCÊ! CATÁLOGO DE PRODUTOS LEVAMOS NO PEITO A MISSÃO DE DAR SEGURANÇA, QUALIDADE E PRATICIDADE À VOCÊ! A EMPRESA A SA é uma empresa com 15 anos de atuação no Brasil, nascida em Belo Horizonte, Minas Gerais,

Leia mais

Estantes para Push-back. Sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidades por cada canal

Estantes para Push-back. Sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidades por cada canal Estantes para Push-back Sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidades por cada canal Características gerais do sistema Push-back As estantes Push-back

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável.

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável. WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA Eficiente. Flexível. Confiável. Automação SSI Schaefer: Pensamento Global Ação Local Liderança de mercado A SSI SCHAEFER é uma empresa mundialmente conhecida quando se trata

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-124/2007 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-124/2007 R-00 /27 R- RECEBIMENTO, ARMAZENAMENTO, EXPEDIÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE ESTOQUE NAS DOCUMENTO NORMATIVO I MAR/27 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 DISPOSIÇÕES GERAIS...1 2.1 APLICAÇÃO...1 2.2 RESPONSABILIDADE...1

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE PICKING NA ARMAZENAGEM

ESTRATÉGIAS DE PICKING NA ARMAZENAGEM ESTRATÉGIAS DE PICKING NA ARMAZENAGEM O QUE É A ATIVIDADE DE PICKING E QUAL SUA IMPORTÂNCIA? Por Alex Medeiros, 1999 Para entendermos a atividade de picking (separação e preparação de pedidos) é importante

Leia mais

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LOGÍSTICAS PARA OTIMIZAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE ESTOCAGEM E ARMAZENAGEM EM UM DEPÓSITO: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA.

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LOGÍSTICAS PARA OTIMIZAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE ESTOCAGEM E ARMAZENAGEM EM UM DEPÓSITO: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA. XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LOGÍSTICAS PARA OTIMIZAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE ESTOCAGEM E ARMAZENAGEM EM UM DEPÓSITO: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA. Franck

Leia mais

WMS Warehouse Management System

WMS Warehouse Management System WMS Warehouse Management System [Digite seu endereço] [Digite seu telefone] [Digite seu endereço de email] MANUAL MANUAL AVANÇO INFORMÁTICA AVANÇO INFORMÁTICA Material Desenvolvido para a Célula Materiais

Leia mais

Soluções de armazenagem

Soluções de armazenagem Soluções de armazenagem Uma solução para cada necessidade de armazenagem Cargas paletizadas Estantes para paletização convencional 3 Solução adequada para armazéns com mercadoria paletizada e grande variedade

Leia mais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais A movimentação de materiais não necessita exatamente ser um setor dentro da organização, na maioria dos casos, é uma tarefa atrelada ao almoxarifado

Leia mais

ARMAZENAGEM VERTICAL

ARMAZENAGEM VERTICAL ARMAZENAGEM VERTICAL Valmir Mafra RESUMO A Logística pode ser definida por quatro atividades básicas: a da aquisição e produto, movimentação, armazenagem e entrega dos produtos. Para implantar melhoramentos

Leia mais

Estantes para Push-back Sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidades por cada nível

Estantes para Push-back Sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidades por cada nível Estantes para Push-back Sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidades por cada nível Características gerais do sistema Push-back Sistema de armazenagem

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS. rfsouza@fatecinternacional.com.br

LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS. rfsouza@fatecinternacional.com.br LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS PROF. RODRIGO FREITAS DE SOUZA REVISÃO rfsouza@fatecinternacional.com.br Objetivo da Logística Fazer chegar a quantidade certa das mercadorias certas ao local certo, no

Leia mais

ESTUDO DE CASO. adidas Group. A equipe certa com a experiência certa ganha mais. www.intelligrated.com. automação que traz resultados

ESTUDO DE CASO. adidas Group. A equipe certa com a experiência certa ganha mais. www.intelligrated.com. automação que traz resultados adidas Group A equipe certa com a experiência certa ganha mais automação que traz resultados A equipe certa com a experiência certa ganha mais Centros de distribuição do grupo adidas - Spartanburg, Carolina

Leia mais

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a utilização da classificação ABC no gerenciamento do estoque

Leia mais

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Logística Empresarial Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Atividades chave da Logística Padrões de serviço ao cliente (c/ marketing): Determinar as necessidades/desejos

Leia mais

UMA ABORDAGEM DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DE ESTOQUES

UMA ABORDAGEM DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DE ESTOQUES UMA ABORDAGEM DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DE ESTOQUES Fernando Santos Carlomagno (G-UEM) Resumo Este trabalho trabalhar o tema uma abordagem custos na formação de estoques, nele através de pesquisa iremos relatar

Leia mais

PROPOSIÇÃO DE MODELO DE ENDEREÇAMENTO DE MATERIAIS PARA APLICAÇÃO EM EMPRESAS VAREJISTAS DE PEQUENO A MÉDIO PORTE

PROPOSIÇÃO DE MODELO DE ENDEREÇAMENTO DE MATERIAIS PARA APLICAÇÃO EM EMPRESAS VAREJISTAS DE PEQUENO A MÉDIO PORTE XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. PROPOSIÇÃO DE MODELO DE ENDEREÇAMENTO DE MATERIAIS PARA APLICAÇÃO EM EMPRESAS VAREJISTAS DE PEQUENO A MÉDIO PORTE Marcelo Coelho de Sousa (UNAMA) marcelocsousa@yahoo.com.br

Leia mais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais QUESTÕES DE CONCURSOS Acerca de planejamento e controle da produção, e gestão da cadeia de suprimentos, julgue os seguintes itens. 01. A importância do planejamento da produção decorre principalmente da

Leia mais

Logistica e Distribuição. Conceito. Nomenclatura dos Operadores Logísticos

Logistica e Distribuição. Conceito. Nomenclatura dos Operadores Logísticos A terceirização de serviços logísticos se constitui uma das Logística e Distribuição novas tendências da prática empresarial moderna, principalmente dentro dos conceitos da Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

Análise de Armazenagem na Cadeia de Suprimentos

Análise de Armazenagem na Cadeia de Suprimentos CADEIA DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA GLOBAL Análise de Armazenagem na Cadeia de Suprimentos Elementos de uma Gestão de Alta Performance em Recursos Humanos Processos Layout Operacional Instalações Físicas

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO FABIANA SOUZA COSTA CUNHA (UFG ) fabisoucos@yahoo.com.br Marco Paulo Guimaraes (UFG ) mp-gui@uol.com.br

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais