Na sequencia do vosso Relatorio de Avaliacao Externs dos Escolas enviado a este Agrupamento, junto remetemos o contraditorio elaborado pela Direccao.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Na sequencia do vosso Relatorio de Avaliacao Externs dos Escolas enviado a este Agrupamento, junto remetemos o contraditorio elaborado pela Direccao."

Transcrição

1 Ministerio Educacao Direccao Regional Educacao Lisboa Agrup. Esc. Alhandra, Sobralinho S.Joao dos Montes - Exm Senhor Pedro Teixeira Pinto Delegado Regional da Inspecrao Geral de Educag5o Rua 24 de Julho, LISBOA L J Sua referenda Sua comunicacao de Nossa referencia Of Classif. Data Assunto : Envio do contraditorio a Avaliacao Externa das Escolas Na sequencia do vosso Relatorio de Avaliacao Externs dos Escolas enviado a este Agrupamento, junto remetemos o contraditorio elaborado pela Direccao. Com as melhores cumprimentos, d:^r ct ;ao GERAL. nr'c^aco4ra, ^I) $teicr" -. q CATI "' q GATU.4D q DAG q DAG/SA q SP q AJ pi A Directora (Isabel Maria Alves Estevinha) Estrada ca Arruda * * S. JOAO DOS MONTES Contribuinte : * Telefone : * Fax : * E- Mail : gmail.com

2 Exercicio do Contraditorio relativo ao relatbrio de Avaliagdo Externa do Agrupamento de Alhandra, S. Joao dos Montes e Sobralinho Tomando como fundamento deste contraditorio a propria enunciagao dos niveis de classificagao dos cinco dominios em avaliagao, os quais, de uma forma sistematica, se sustentam na predominancia ou nao dos pontos fortes e fracos diagnosticados pela equipa de avaliagao externa e nos impactos na melhoria dos resultados dos alunos, cabe expor o seguinte:, 1. Resultados E claramente identificada pela equipa de avaliagao a sistematizagao de analise dos resultados escolares pelo Agrupamento assumindo-se que esse processo conduz ao diagnostico das dificuldades e ao estabelecimento de estrategias. E tambem reconhecido que o ultimo trienio apresenta uma melhoria continuada dos resultados internos ( nao tendo de facto seguido a abrupta melhoria dos resultados escolares internos nacionais a partir de 2007). Nao sao, no entanto, devidamente valorizados os nossos resultados quer nas aferigoes externas quer nos exames os quais traduzem a concretizagao, pela positiva, das estrategias que temos vindo a seguir. Temos apresentado resultados globalmente acima da media nacional, em particular no final do 30 ciclo, concretizando assim um dos grandes objectivos do nosso Projecto Educativo - Promover a qualidade das aprendizagens garantindo os projectos de vida dos nossos alunos. Desta forma pensamos que, a luz da vossa explicitagao do Muito Born, este a um ponto bastante forte que nao foi apresentado como tal e que reflecte procedimentos sistematizados e eficazes que se traduzem numa melhoria continua com um muito forte impacto na melhoria dos resultados dos alunos. Neste dominio e, pelo contrario, dada relevancia, pela negativa, a falta de participagao dos alunos na programagao das actividades o que nao

3 corresponde as praticas desenvolvidas, em particular nos 2 e 3 ciclos onde os alunos propoem e sao apoiados em actividades autonomas e periodicas. No que se refere aos problemas disciplinares de alguns alunos de 2 ciclo apenas a posta a tonica negativa num grupo particular e reduzido de alunos, minimizando-se aqui toda a acgao quer de diagnostico quer de acompanhamento do gabinete de gestao de conflitos e contrariando mesmo o que e referido mais a frente, pois o comportamento global dos alunos na escola a tido como disciplinado. A falta de estrategia na promogao da identidade, apontada como ponto fraco deste Agrupamento, a algo em que verdadeiramente nao nos reconhecemos. 0 sentimento de pertenga e reconhecimento de grupo tem sido, alias, um dos nossos pontos fortes o que alias a reconhecido pelo proprio relatorio no dominio relativo a Lideranga " verifica-se um elevado nivel de empenho, motivacao e progressivo sentimento de afiliagao por parte de docentes e funcionarios dos diferentes niveis educativos" tal e tambem realgado por anteriores avaliagoes integradas. Desde sempre existiu essa estrategia de promogao de uma identidade que se traduz em simbolos e identificagao grafica propria, nomeadamente com a ritualizagdo do dia da escola, que se celebra anualmente, e que visa consolidar os principios de identidade e coesao. A construcao de um sistema de comunicacao com major proximidade, atraves da utilizagao da plataforma MOODLE, a par do reforgo das reunioes de articulagao inter-escolas, foram outras das estrategias desenvolvidas para suprir as condigoes de dispersao e extensao do Agrupamento. A celebragao conjunta de actividades que envolvam todo o Agrupamento, tal como foi explicitado a equipa avaliativa, torna-se uma impossibilidade pois a sua dimensao e dispersao nao permitem esse tipo de actividades mais integradoras por forma a envolver conjuntamente todos os alunos do Agrupamento. Desta forma, apenas os alunos de 1 ciclo da freguesia de Alhandra participam em actividades na escola sede, pois nao carecem de transporte. No que concerne aos pontos fortes referidos, embora o relatorio no seu desenvolvimento mais especifico o desenvolva, a diversificagao de oferta

4 educativa nao a traduzida enquanto ponto forte deste Agrupamento, na apreciagao final do relatorio. Contudo, este a um dos pontos importantes que nao nos parece ter sido devidamente valorizado pois o observatorio especifico confirma a concretizagao de outro dos pilares do nosso Projecto Educativo, ja que a impiementagao de ofertas educativas diferenciadas e encaminhamentos profissionalizantes concorre com a politica de valorizagao das aprendizagens que a monitorizada pelo nosso modelo de aferigao interna. Este modelo de aferigao interna tambem nao foi valorizado no relatorio produzido, embora conste como ponto forte nas conclusoes finals. Finalmente, e pelo que foi exposto, e mesmo comprovado pelo enunciado do relatorio da vossa equipa, parece-nos que neste dominio em particular, e por que a nossa pratica validada pelo nosso modelo de avaliagao do Projecto Educativo assim o demonstra, enquadramos o nosso desempenho no nivel de Muito Bom. 2. Prestagao de Servigo Educativo Relativamente a este dominio, rejeitamos, de todo em todo, o ponto fraco apontado relativamente ao Projecto de Desenvolvimento Curricular do Agrupamento. De facto, este instrumento estrategico de operacionalizagao do Proprio Projecto Educativo a apresentado, enquanto piano desenvolvido de organizagao e gestao do curriculo, destacando as suas componentes curriculares mais enfatizadas por relagao com o cumprimento do proprio Projecto Educativo e, justificando as proprias opgoes de organizagao das matrizes curriculares de ano, bern como a estrutura organizacional do tipo de apoios, oferta educativa e recursos educativos a disponibilizar, tendo em conta os resultados dos varios instrumentos de diagnostico que o Agrupamento aplica neste dominio. Este e, alias, um dos documentos mais estruturantes do ponto de vista da organizagao e gestao do curriculo incorporando as suas vertentes locais a regionais e sustentando as praticas organizacionais em fungao dos principios e linhas orientadoras definidas. Podera haver alguma diferenga de apreciagao critica quanto a forma como o documento foi estruturado e relacionado com o proprio Projecto

5 Educativo. Poderemos discutir conceptualmente as opgoes tomadas, nao podemos de forma alguma aceitar a qualificagao de "incipiente Projecto Curricular de Agrupamento no que respeita a gestao do Curriculo Nacional" pois ele expressa, face ao Curriculo Nacional, as nossas opgoes estruturantes e apresenta as opgoes curriculares que contribuem para a consecugao das competencias e metas delineadas no Projecto Educativo. No que se refere a articulagao das Actividades de Enriquecimento Curricular no 10 Ciclo com o Agrupamento temos ja em desenvolvimento uma proposta de modelo de intervengao para o proximo quadrienio que se propoe melhorar essa dimensao. No que respeita ao investimento em estrategias de diferenciagao pedagogica, pensamos que deveria ter sido valorizado o intenso trabaiho de desenvolvimento de materiais de apoio e de software interactivo atraves da utilizagao crescente da nossa plataforma de aprendizagem MOODLE e que, em ultima instancia, e em muitos casos ja a utilizada por muitas das turmas do Agrupamento, em particular na escola sede. Com efeito, o nosso observatorio das TIC da-nos conta dos crescentes niveis de utilizagao da plataforma, particularmente na promogao das aprendizagens, o que permite aos professores trabalhar diferenciadamente com os seus alunos, motivando-os para novas formas de aprendizagem. Esta vertente na oferta educativa nao foi alias, nunca, institucionalmente alvo de avaliagao por parte da equipa de avaliagao, embora seja, tambem, um dos pilares do nosso projecto de intervengao educativa que esta a ser concretizado com grande sucesso. Neste sentido, apenas a referido como ponto forte a sua vertente formativa e nao a sua implementagao em contextos especificos de aprendizagem. Nao negligenciamos, contudo, a necessidade de encontrar novas e melhores formas de atender a necessidades pedagogicas especificas e mais diferenciadas. Finalmente, e relativamente a inexistencia de um sistema de reconhecimento do valor e da excelencia, parece-nos, de alguma forma, abusivo qualificarmos essa situagao enquanto ponto fraco. De facto, o nosso Projecto Educativo, que agora se conclui, nunca incluiu essa estrategia enquanto factor promotor da qualidade, preferindo de forma mais subtil promover essa excelencia atraves de actividades de promogao do

6 papel do delegado de turma que se deve assumir como referenda para as seus pares e ser ele proprio tratado como referencia pela escola, pela promogao de concursos internos de valorizagao de saberes e competencias etc. A promogao de quadros de excelencia a sempre uma opgao de cada comunidade escolar, por referencia com os seus valores e principios, e nao pode ser nunca visto enquanto "receita infalivel da promogao de boas praticas". Nao excluimos a discussao sobre a pertinencia ou nao de incluirmos no futuro Projecto Educativo deste Agrupamento esses principios, recusamos liminarmente que estes sejam entendidos como condigao e unica via de promogao da qualidade dos desempenhos dos nossos alunos e, como tal, sustentando a defesa da sua inexistencia enquanto ponto fraco deste Agrupamento. 3. Organizagao e Gestao Escolar Sobre o documento relativo ao Projecto de Desenvolvimento Curricular, remetemos a sua defesa para o que foi exposto no ponto anterior. 0 desconhecimento do Projecto Curricular podera ser estranho a uma pane da comunidade educativa pois o facto de este estar ligado ao Projecto Educativo, e este ter tido a necessidade de sofrer varias alteragoes devido a introdugao da Avaliagao de Desempenho Docente, levou a que a sua publicitagao, fora dos orgaos e ambito mais estrito do Agrupamento, so venha novamente a ser possivel no proximo ano lectivo, sob pena de estarmos a publicitar documentos em constante alteragao. Todos as intervenientes nos diversos orgaos do Agrupamento, no entanto acompanharam continuadamente o processo de construgao dos documentos, os quaffs na sua substancia acabam por consolidar muitas das praticas ja interiorizadas. Sobre a participagao dos Pais na vida do Agrupamento, estamos conscientes do trabalho que ainda temos que realizar, pois as iniciativas anteriores nao conseguiram ainda cumprir esse objectivo. No que se refere ao constrangimento, apontado no capitulo da equidade e justiga, e que 6 referido

7 enquanto "n elevado de alunos que nao tern computador nem acesso a net," temos a observar que os nossos dados recolhidos nao traduzem essa realidade. Na escola sede 69% dos alunos tinha computador em casa no inicio de 2007/2008 e em que 50% tinha acesso a internet. A escola disponibiliza 17 computadores para use livre dos alunos (7 biblioteca e 10 na sala de apoio informatico) e atraves do programa e - escolas, no final de 2008, a quase totalidade dos alunos tinham ja cobertura neste dominio pelo que nao nos parece fundamentada a apresentagao deste constrangimento. Pelo exposto, avaliamos o nosso desempenho como Muito Born 4. Lideranga Neste dominio que a avaliado com Bom, todos os indicadores sao apresentados de forma muito positiva, sendo apenas apontado como factor negativo a nao participagao do Agrupamento em Projectos Internacionais. Nao nos parece que isso, por si so, possa ser um factor revelador de alguma insuficiencia, pois o Agrupamento tern tido como sua matriz de referenda a participagao em muitos projectos, desde que estes relevern para a prossecugao do proprio Projecto Educativo e Curricular existente. 0 facto de existir, ou nao, envolvimento em projectos internacionais nao pode ser directa e objectivamente correlacionado corn a resolugao de problemas educativos deste Agrupamento. Actualmente, estamos envolvidos ern diversos projectos nacionais e locais, de acordo corn as necessidades do nosso projecto de acgao: saude - regulagao e integragao social - promogao do sucesso escolardesenvolvimento criativo e empreendedorismo (este, urn projecto pioneiro com a participagao de escolas do sul do pals e de Espanha), enquadram o tipo de projectos em desenvolvimento. A afirmagao de que "a formagao interna e o trabaiho desenvolvido nas TIC e importante para a promogao de competencias pedagogicas. Todavia, a abertura a inovagao nao resulta ainda de uma procura proactiva de novas linhas de desenvolvimento" parece-nos demasiado vaga e sem sustentagao de evidencias que a confirmem. Corn efeito, todo o processo de formagao em quadros interactivos, plataforma MOODLE e produgao de software educativo foi desenvolvido internamente sem horas alocadas ou creditos atribuidos e de

8 forma totalmente voluntaria e proactiva numa clara manifestagao da valorizagao dos desempenhos num quadro da procura da meihoria profissional. Avaliamos, assim, o nosso desempenho neste dominio, como Muito Born. 5. Capacidade de Auto-Regulagao e Melhoria do Agrupamento Neste dominio em particular e remetendo para o proprio relatorio apresentado, este refere a existencia de uma pratica interiorizada de auto-avaliagao desde 2003/2004, mas que nao se encontrava estruturada nem continha urn piano de discussao e divulgagao dos resultados. Foi percorrido urn caminho na procura de meihoria das praticas de auto-avaliagao resultando na montagem de uma estrutura que deu urn corpo teorico e um quadro de planeamento e articulagao organizacional ao processo. E natural que as procedimentos de articulagao e divulgagao sejam ainda as mais frageis da estrutura entretanto montada, mas tal nao compromete a grande validade dos campos monitorizados por cada Observatorio, ate porque estes vem a produzir resultados analiticos que sao utilizados na avaliagao dos niveis de concretizagao do nosso Projecto Educativo e, como tal, cumprem a sua fungao fundamental como instrumentos de apoio a gestao e organizagao do Agrupamento, enquanto Organizagao Aprendente. Referindo as termos utilizados no relatorio de avaliagao e que reportarn para a existencia e funcionamento da estrutura de auto-avaliagao "0 Agrupamento, com o trabalho realizado nos observatorios, corn a elaboragao dos diferentes relatorios parcelares e finais e com a recente estrutura de Avaliagao Interna, demonstrou uma forte determinagao em organizar e dispor de urn dispositivo de monitorizagao do seu progresso. Na verdade, ja permitiu, por urn lado, conhecer as pontos fortes e fracos, as oportunidades e as constrangimentos do Agrupamento e, por outro, contribuir para a melhoria em diferentes areas consideradas prioritarias ". Assim, e tomando este excerto como referencia, podemos assumir que a estrutura de auto-avaliagao construida esta a cumprir cabalmente as objectivos para a qual foi criada: - Estimular a capacidade interna de monitorizagao e reflexao e a procura continua de solugoes mais eficazes para as problemas diagnosticados. A construgao de uma estrutura de avaliagao interna reguladora da prestagao do

9 servigo educativo permitiu-nos assim, definir uma estrategia de meihoria das aprendizagens e de melhor desempenho, a medio e a longo prazo, podendo dar consistencia a filosofia do proprio Projecto Educativo do Agrupamento. Avaliamos o nosso desempenho neste dominio como bastante Bom. A Directora, Isabel Maria Alves Estevinha

Agrupamento Vertical de Escolas de Alcochete COd. 121 198 DREL

Agrupamento Vertical de Escolas de Alcochete COd. 121 198 DREL Agrupamento Vertical de Escolas de Alcochete COd. 121 198 DREL Exm Senhor Delegado Regional da Inspeccão-Geral de Educagáo Avenida 24 de Julho, n 136-2 1350-346 lisboa Sua referência: Sua Data: Nossa Referéncia:

Leia mais

ALVARO, FALCAO & ASSOCIADOS

ALVARO, FALCAO & ASSOCIADOS ALVARO, FALCAO & ASSOCIADOS RELATORIO DE TRANSPARENCIA RELATIVO AO ANO FINDO EM 31 DEZ '09 1. Introdugao Nos termos do n 1 do artigo 62 -A do Decreto-Lei 224/2008, de 20 Nov, os Revisores Oficiais de Contas

Leia mais

António José Cardoso Pires da Silva

António José Cardoso Pires da Silva (PLANO DE INTERVENÇÃO APRESENTADO PELO DIRECTOR AO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO) Quadriénio 2010/2014 Director António José Cardoso Pires da Silva INTRODUÇÃO O conhecimento do Agrupamento Marquês de Pombal

Leia mais

ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE

ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E Desenvolvimento

Leia mais

ITEM 1 - A melhoria dos resultados escolares dos alunos Ano/Turma Disciplina Meta PE (%) Objectivo(s) (%)

ITEM 1 - A melhoria dos resultados escolares dos alunos Ano/Turma Disciplina Meta PE (%) Objectivo(s) (%) Período em avaliação: 2007 a 2009 ESCOLA S/3 ARQUITEO OLIVEIRA FERREIRA Identificação dos Intervenientes Nome do avaliado - Patrícia Cunha Melo Campos Corado Carvalhais Fonseca Categoria - PQZPND Departamento

Leia mais

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180 1 A Escola a Tempo Inteiro em Matosinhos: dos desafios estruturais à aposta na formação dos professores das AEC Actividades de Enriquecimento Curricular Correia Pinto (*) antonio.correia.pinto@cm-matosinhos.pt

Leia mais

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS INSTI INSTUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE

ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 O presente relatório traduz a avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/Santa Cruz do

Leia mais

INGLÊS. Actividades de Enriquecimento Curricular no 1º Ciclo do Ensino Básico. Relatório final de acompanhamento

INGLÊS. Actividades de Enriquecimento Curricular no 1º Ciclo do Ensino Básico. Relatório final de acompanhamento Associação Portuguesa de Professores de Inglês Actividades de Enriquecimento Curricular no 1º Ciclo do Ensino Básico INGLÊS Relatório final de acompanhamento APPI - CAP 2011/2012 1 1. INTRODUÇÃO Este relatório

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Referentes e instrumentos de trabalho Setembro de 2009 Colecção Outras publicações FICHA TÉCNICA Título Avaliação Externa das Escolas Referentes

Leia mais

Plano de Acções de Melhoria Avaliação da Implementação

Plano de Acções de Melhoria Avaliação da Implementação www.anotherstep.pt Plano de Acções de Melhoria Avaliação da Implementação CAF - CommonAssessment Framework (Estrutura Comum de Avaliação) Escola Secundária de Manuel da Fonseca Índice ÍNDICE... II OBJECTIVO...

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial?

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Para efeitos de elegibilidade para a educação especial deve-se, antes de mais, ter presente o grupo - alvo ao qual esta se destina alunos

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

Projecto de Actividades para a «Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis» Formulário de candidatura

Projecto de Actividades para a «Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis» Formulário de candidatura Projecto de Actividades para a «Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis» Formulário de candidatura (vide instruções no URL: http://www.crie.min-edu.pt/portateis/index.htm) 1. Identificação

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO

GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO Relatório 2009-2010 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no Ensino

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar Agrupamento de Escolas de Arronches Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar João Garrinhas Agrupamento de Escolas de Arronches I. PRINCIPIOS, VALORES E MISSÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico Relatório 008-009 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no

Leia mais

Plano de Actividades 2009

Plano de Actividades 2009 Plano de Actividades 2009 Introdução No prosseguimento da sua missão consultiva, instituída no quadro da Lei de Bases do Sistema Educativo de 1986, e tendo por referência a Lei Orgânica (Decreto-lei nº

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Mondim de Basto. Agrupamento de Escolas de Mondim de Basto

Agrupamento Vertical de Escolas de Mondim de Basto. Agrupamento de Escolas de Mondim de Basto Agrupamento de Escolas de Mondim de Basto A educação é aquilo que permanece depois de esquecermos tudo o que nos foi ensinado Halifax Índice 1 Introdução... 1 2 - Enquadramento legal... 1 I - Perfil...

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 O Coordenador TIC João Teiga Peixe Índice Índice...2 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 3 3. Sectores Afectos... 4 1. Salas de Aulas... 4 2. Administrativo... 4 3. Outras

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

Projecto de Avaliação do Desempenho Docente. Preâmbulo. Artigo 1.º. Objecto. Básico e Secundário, adiante abreviadamente designado por ECD. Artigo 2.

Projecto de Avaliação do Desempenho Docente. Preâmbulo. Artigo 1.º. Objecto. Básico e Secundário, adiante abreviadamente designado por ECD. Artigo 2. Projecto de Avaliação do Desempenho Docente Preâmbulo ( ) Artigo 1.º Objecto O presente diploma regulamenta o sistema de avaliação do desempenho do pessoal docente estabelecido no Estatuto da Carreira

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DA TALHA LOURES RESPOSTA AO CONTRADITÓRIO ANÁLISE DO CONTRADITÓRIO A equipa de avaliação externa apreciou o contraditório apresentado

Leia mais

Tribunal de Contas. ACÓRDÃO N.º 126/2007-29.Out.2007-1ªS/SS. (Processo n.º 855/07) SUMÁRIO:

Tribunal de Contas. ACÓRDÃO N.º 126/2007-29.Out.2007-1ªS/SS. (Processo n.º 855/07) SUMÁRIO: ACÓRDÃO N.º 126/2007-29.Out.2007-1ªS/SS (Processo n.º 855/07) SUMÁRIO: 1. Nos termos do art.º 86.º, n.º 1, al. d) do Decreto-Lei n.º 197/99, de 8 de Junho, o recurso ao procedimento por ajuste directo

Leia mais

Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores

Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores O Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário, recentemente aprovado,

Leia mais

CÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO RESULTADOS ESCOLARES E ESTRATÉGIAS DE MELHORIA NO ENSINO BÁSICO

CÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO RESULTADOS ESCOLARES E ESTRATÉGIAS DE MELHORIA NO ENSINO BÁSICO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO RESULTADOS ESCOLARES E ESTRATÉGIAS DE MELHORIA NO ENSINO BÁSICO Relatório 2007-2008 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Resultados Escolares e Estratégias de Melhoria no

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALONGO DO VOUGA ARRANCADA DO VOUGA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALONGO DO VOUGA ARRANCADA DO VOUGA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALONGO DO VOUGA ARRANCADA DO VOUGA Datas da visita: I - Introdução A Lei n.º 31/2002, de 20 de Dezembro, aprovou o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação Pré-Escolar

Leia mais

Agrupamento de Escolas Professor Noronha Feio

Agrupamento de Escolas Professor Noronha Feio Avaliação efectuada pelo Coordenador e Departamento de ducação special Grelha de Avaliação da Observação da Aula Avaliado: Avaliador: Disciplina/Área Data / / A Preparação e organização das actividades

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

Agrupamento de Escolas Irene Lisboa PORTO

Agrupamento de Escolas Irene Lisboa PORTO 14 INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO Avaliação Externa das Escolas Relatório de escola Agrupamento de Escolas Irene Lisboa PORTO Delegação Regional de Norte da IGE Datas da visita: 14 a 16 de Fevereiro de 2011

Leia mais

PROGRAMA AVES. referencial genérico

PROGRAMA AVES. referencial genérico PROGRAMA AVES referencial genérico PROGRAMA AVES referencial genérico 1. Introdução Tanto o debate sobre a eficácia dos sistemas educativos e das escolas como a larga controvérsia sobre a qualidade das

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO Agrupamento Vertical de Escolas São Vicente/Telheiras (171931) PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO 2009 2012 Sede: ESCOLA BÁSICA 2, 3 DE TELHEIRAS Nª 2 Rua Fernando Namora 1600-454 LISBOA Telef.: 217121260

Leia mais

Isabel Beja. Gestão Estratégica

Isabel Beja. Gestão Estratégica Isabel Beja Gestão Estratégica Financiamento: Entidade Coordenadora Local Entidade Promotora Objectivos Objectivo Geral A importância de uma correta definição de missão, visão e dos valores da instituição;

Leia mais

Concurso. Projecto de Actividades para a «Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis» Formulário de candidatura

Concurso. Projecto de Actividades para a «Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis» Formulário de candidatura Página Web 1 de 6 Concurso Projecto de Actividades para a «Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis» Formulário de candidatura (vide instruções no URL: http://www.crie.min-edu.pt/portateis/index.htm)

Leia mais

Relatório Final da Acção de Formação

Relatório Final da Acção de Formação Acção de Formação: Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências Contexto: utilização da Web 2.0 aplicada à didáctica do ensino das Ciências Relatório Final da Acção de Formação Centro

Leia mais

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto

Leia mais

Exmo. Sr. Presidente da Comissão de Educação, Ciência e Cultura, Deputado Ribeiro e Castro,

Exmo. Sr. Presidente da Comissão de Educação, Ciência e Cultura, Deputado Ribeiro e Castro, Exmo. Sr. Presidente da Comissão de Educação, Ciência e Cultura, Deputado Ribeiro e Castro, Exmo. Sr. Relator da Petição Pública Não há Educação sem Educação Física, Deputado Paulo Cavaleiro, Exmos. Srs.

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

Manual de Candidatura ao Programa das Actividades de Enriquecimento Curricular no 1.º CEB Despacho N.º 14 460/2008, de 26 de Maio

Manual de Candidatura ao Programa das Actividades de Enriquecimento Curricular no 1.º CEB Despacho N.º 14 460/2008, de 26 de Maio Manual de Candidatura ao Programa das Actividades de Enriquecimento Curricular no 1.º CEB Despacho N.º 14 460/2008, de 26 de Maio Direcção de Serviços de Apoio Pedagógico e Organização Escolar Ficha Técnica

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELA JUNTA DE FREGUESIA DE ALVALADE

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELA JUNTA DE FREGUESIA DE ALVALADE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELA JUNTA DE FREGUESIA DE ALVALADE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 SECÇÃO I - ÂMBITO OBJETIVO E SUBJETIVO... 3 Artigo 1.º Objeto... 3 Artigo 2.º Finalidade...

Leia mais

Resultados do projecto e recomendares

Resultados do projecto e recomendares CONFIDENCIAL REPÚBLICA POPULAR DE ANGOLA Assistencia técnica em inspeccáo do trabalho no ámbito do Acordó de Cooperacáo entre a OIT e o Governo de Portugal Resultados do projecto e recomendares Relatório

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 SALA DE ESTUDO ORIENTADO 2009/2013 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 PRIORIDADES... 4 OBJECTIVOS DA SALA DE ESTUDO ORIENTADO... 5 Apoio Proposto...

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB

O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB Sem qualquer negociação, o Ministério da Educação anunciou, e está desenvolver, algumas medidas avulsas relacionadas com o 1º Ciclo do Ensino Básico.

Leia mais

-\t-1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MIGUEL TORGA

-\t-1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MIGUEL TORGA -\t-1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CONTRIBUINTE 600079945 - COD 171244 Edilkit(a6 AVALIACAO EXTERNA DA ESCOLA CONTRADITORIO 14 n n n Ale n n Illromeoro tthescoas AMA UORA 0 Agrupamento de Escolas Miguel Torga

Leia mais

ANEXO 5 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DA EQUIPA PTE

ANEXO 5 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DA EQUIPA PTE ANEXO 5 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DA EQUIPA PTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 INDÍCE ARTIGO 1º - DEFINIÇÃO DA EQUIPA DO PLANO TECNOLÓGICO DA EDUCAÇÃO... 3 ARTIGO 2º - COMPETÊNCIAS...

Leia mais

OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche. Maria Teresa de Matos

OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche. Maria Teresa de Matos OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche Maria Teresa de Matos Projecto Pedagógico de Sala Creche Princípios Orientadores Projecto Pedagógico de Sala * Projecto Curricular

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS E AVALIAÇÃO EXTERNA OS PONTOS DE INTERSECÇÃO

AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS E AVALIAÇÃO EXTERNA OS PONTOS DE INTERSECÇÃO in Azevedo, et al (2006). Relatório final da actividade do Grupo de Trabalho para Avaliação das Escolas. Lisboa: Ministério da Educação AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS E AVALIAÇÃO EXTERNA OS PONTOS DE INTERSECÇÃO

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança)

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) 1 - Apresentação Grau Académico: Mestre Duração do curso: : 2 anos lectivos/ 4 semestres Número de créditos, segundo o Sistema

Leia mais

Relatório da visita. 1 Introdução. Unidade Orgânica: Escola Superior de Educação de Lisboa (ESELx) Data da visita: 3 de Dezembro de 2010

Relatório da visita. 1 Introdução. Unidade Orgânica: Escola Superior de Educação de Lisboa (ESELx) Data da visita: 3 de Dezembro de 2010 Relatório da visita Unidade Orgânica: Escola Superior de Educação de Lisboa (ESELx) Data da visita: 3 de Dezembro de 2010 Comissão de Avaliação do IPL: - Paulo Morais, pró-reitor do IPL, docente na ESTC,

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR

AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR ANO LETIVO 2012-2013 Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Instrumento essencial ao DESENVOLVIMENTO DO CURRÍCULO Uma estrutura ao SERVIÇO DA ESCOLA Recurso fundamental

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Relatório da Implementação de Medidas para a melhoria da Qualidade Abril 2011 1 Relatório da

Leia mais

CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO

CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO Enquadramento geral Um dos principais desafios que se colocam à sociedade portuguesa é o do desenvolvimento de uma Sociedade de Informação, voltada para o uso

Leia mais

Relatório sobre o funcionamento da Escola Básica Integrada da Charneca da Caparica

Relatório sobre o funcionamento da Escola Básica Integrada da Charneca da Caparica Relatório sobre o funcionamento da Escola Básica Integrada da Charneca da Caparica Dezembro de 2005 Trabalho realizado por: Joana Alves nº. 16071 Relatório da Escola Básica Integrada da Charneca da Caparica

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL Dezembro, 2010 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 Escola Superior de Tecnologia do Barreiro / Instituto Politécnico

Leia mais

Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja. Regulamento Interno. Biblioteca Escolar

Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja. Regulamento Interno. Biblioteca Escolar Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja Regulamento Interno 2014 1. A 1.1. Definição de A é um recurso básico do processo educativo, cabendo-lhe um papel central em domínios tão importantes como: (i) a aprendizagem

Leia mais

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL)

Leia mais

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Luísa Solla, ILTEC/ESE Setúbal e Fabíola Santos, ILTEC luisa.solla@sapo.pt fabiola.santos@iltec.pt

Leia mais

Grupo Parlamentar ANTE-PROJECTO DE LEI N.º /X

Grupo Parlamentar ANTE-PROJECTO DE LEI N.º /X Grupo Parlamentar ANTE-PROJECTO DE LEI N.º /X ESTABELECE UM MODELO INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS E DO DESEMPENHO DE EDUCADORES E DOCENTES DO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO Exposição de motivos A avaliação

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR Programa de Actividades de Enriquecimento Curricular no 1º. Ciclo do Ensino Básico Relatório de Acompanhamento da Execução Física 2008/2009 CAP Comissão de Acompanhamento

Leia mais

Reitoria. No plano orçamental para 2009 foi definida uma provisão no valor de 300.000 euros para o Programa - Qualidade.

Reitoria. No plano orçamental para 2009 foi definida uma provisão no valor de 300.000 euros para o Programa - Qualidade. Reitoria Circular RT-05/2009 Programa Qualidade 2009 Apesar dos constrangimentos financeiros impostos pelo orçamento atribuído para 2009, é importante garantir que são apoiadas as experiências e os projectos

Leia mais

PLANO TIC. O Coordenador TIC Edgar Vieira Jardim 2010-2011 [1]

PLANO TIC. O Coordenador TIC Edgar Vieira Jardim 2010-2011 [1] PLANO TIC 2010-2011 O Coordenador TIC Edgar Vieira Jardim [1] IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR TIC Edgar Jardim 291740010 ctichbg@gmail.com edgarvj@gmail.com IDENTIFICAÇÃO DA EQUIPA TIC Prof. Carlos Mendonça

Leia mais

Regulamento da unidade curricular de Laboratório Experimental Ano lectivo 2009-2010

Regulamento da unidade curricular de Laboratório Experimental Ano lectivo 2009-2010 Escola Superior de Teatro e Cinema - Departamento de Cinema Regulamento da unidade curricular de Laboratório Experimental Ano lectivo 2009-2010 1 Definição Laboratório Experimental é uma unidade curricular

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS RELATÓRIO ANUAL (2009/2010) Índice 1 Cumprimento do plano estratégico e do plano anual... 2 1.1. Do plano estratégico... 2 1.1.1. - Desenvolvimento e Inovação

Leia mais

Computadores Portáteis. Regulamento de utilização

Computadores Portáteis. Regulamento de utilização Computadores Portáteis Regulamento de utilização 1 Introdução Os computadores portáteis estão disponíveis para: a) a utilização individual e profissional por professores; b) a utilização por professores,

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO PESSOAL DOCENTE E NÃO DOCENTE

PLANO DE FORMAÇÃO PESSOAL DOCENTE E NÃO DOCENTE PLANO DE FORMAÇÃO PESSOAL DOCENTE E NÃO DOCENTE 2010-2012 2 ÍNDICE 1. Nota introdutória. 3 2. Enquadramento do Plano de Formação.. 4 3. Recursos humanos, físicos e financeiros. 6 4. Objetivos gerais 7

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Gondomar

Agrupamento de Escolas de Gondomar Agrupamento de Escolas de Gondomar 1.Nota Prévia O projeto de intervenção pedagógica Aprender a Crescer visa contribuir para a atenuação das dificuldades na leitura e compreensão de textos, fatores determinantes

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3)

Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3) Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3) 3.4 Compete ao director pedagógico, consultados os encarregados de educação, decidir sobre a data exacta do início das actividades lectivas

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística e Planeamento

Leia mais

DIRECTIVAS DA COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE (CCAD) Ano lectivo 2010/2011

DIRECTIVAS DA COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE (CCAD) Ano lectivo 2010/2011 DIRECTIVAS DA COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE (CCAD) Ano lectivo 2010/2011 A Comissão de Coordenação da Avaliação de Desempenho, no cumprimento do estipulado no Decreto Lei n.º

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRONCHES AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria JANEIRO 2014 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ANÁLISE QUALITATIVA... 1 3.... 5 3.1. Áreas de Melhoria... 5 3.2. Identificação

Leia mais

Tipologia Textual O conto. Competências a trabalhar associadas ao processo CO L CEL

Tipologia Textual O conto. Competências a trabalhar associadas ao processo CO L CEL Ministério da Educação Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora nº2 Novo Programa de Português do Ensino Básico Sequência Didáctica 5º ano Ano lectivo de 2010/2011 Tipologia Textual O conto Competências

Leia mais

E GESTÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR

E GESTÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR THEKA Projecto Gulbenkian Formação de Professores Responsáveis pelo Desenvolvimento de Bibliotecas Escolares POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR A BIBLIOTECA E A ESCOLA O MESMO CAMINHO

Leia mais

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido julho 2014 Análise SWOT Pontos fortes vs Pontos fracos Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA Escola Básica Frei manuel Cardoso Escola Básica de Cabeço devide Visão:

Leia mais

Articulação entre níveis escolares

Articulação entre níveis escolares 1 A Articulação entre níveis escolares Nota introdutória: A articulação entre níveis escolares, ou a sua falta, tem sido identificada como uma das variáveis organizacionais que condicionam o sucesso escolar

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa CORECARD > MONITORIZAÇÃO Organização e Processos de Gestão Estratégica Liderar e criar uma cultura de escola Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

Auditoria Sistemática

Auditoria Sistemática ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Auditoria Sistemática Resumo do Relatório da Inspecção Geral do MCTES 18.Novembro.2010 Índice INTRODUÇÃO... 3 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DOS PROCEDIMENTOS...

Leia mais

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO Nome do Docente: Período de Avaliação:200 / 2009 Grupo de Recrutamento: Departamento: A - Preparação e organização das actividades N A A.1 Correcção

Leia mais

QUADRO REFERENCIAL DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE

QUADRO REFERENCIAL DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ROSA RAMALHO, BARCELINHOS BARCELOS - Cód. 150940 Tel. 253 831090 / 253 831971 Fax 253 821115 Rua Professor Celestino Costa 4755-058 Barcelinhos SECÇÃO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

Leia mais

PLANO TIC ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MACHICO

PLANO TIC ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MACHICO PLANO TIC ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MACHICO 2010-2011 O Coordenador TIC Maria Jacinta Lopes IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR TIC Maria Jacinta Lopes 962937650 marijacinta@gmail.com CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA

Leia mais

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências 3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências Dar a cana para ensinar a pescar (adágio popular) 3.1 O Centro de Competência O Centro de Competência Softciências, instituição activa desde

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto-Lei n.º 3/2008 de 7 de Janeiro

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto-Lei n.º 3/2008 de 7 de Janeiro MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto-Lei n.º 3/2008 de 7 de Janeiro Constitui desígnio do XVII Governo Constitucional promover a igualdade de oportunidades, valorizar a educação e promover a melhoria da qualidade

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais