Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS"

Transcrição

1 REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS 2014 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian (Fundação), através de concurso, vai conceder apoio à organização de reuniões científicas no âmbito da Língua e da Cultura Portuguesas, organizadas por entidades portuguesas ou estrangeiras. São consideradas propostas que visem o desenvolvimento dos estudos no campo das Humanidades e que apresentem abordagens inovadoras sobre temas de manifesta importância para a consolidação, progresso e difusão do conhecimento nos domínios estabelecidos no presente regulamento. As iniciativas devem patentear um caráter paradigmático suscetível de contribuir para o benchmarking das respetivas áreas de estudo. O apoio da Fundação é atribuído a título de comparticipação nos encargos com a organização das iniciativas ou com a publicação das respetivas atas. Exclui-se, por conseguinte, iniciativas que visem a obtenção de financiamento integral. Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento define as condições de acesso ao concurso para apoio, por parte da Fundação, à organização de congressos, colóquios, conferências, seminários e outras reuniões de carácter científico, adiante designadas Congressos, nos domínios da Língua e da Cultura Portuguesas, bem como à publicação das respetivas atas em formato eletrónico (e-book, pdf). 2. São considerados os seguintes domínios de estudo: a) Na área da Língua, iniciativas no campo da Linguística, Filologia e didática do Português; b) Na área da Cultura, iniciativas no campo das Humanidades, nomeadamente, História, Estudos Artísticos, Literatura, Filosofia e Estudos Culturais. Artigo 2º Entidades Candidatas 1. Podem candidatar-se instituições públicas ou privadas de ensino superior, centros de investigação e outras entidades afins, portuguesas ou estrangeiras.

2 2. No caso de Congressos a desenvolver em associação de várias instituições, deverá ser indicada a responsabilidade de cada uma e identificada a Entidade Beneficiária. 3. À Entidade Beneficiária cabe a coordenação e a interlocução com a Fundação, em nome de todos os intervenientes. 4. Só são consideradas candidaturas apresentadas pelas instituições responsáveis pela organização dos Congressos. Artigo 3º Admissibilidade e elegibilidade 1. Os Congressos a concurso devem obrigatoriamente ter lugar nos 12 meses subsequentes à data da comunicação do apoio por parte da Fundação. 2. Não são admitidas candidaturas de entidades que se encontrem em situação de incumprimento injustificado dos registos regulamentares da Fundação, no que respeita à apresentação de relatórios de execução material e/ou financeira, ou devolução de saldos de projetos anteriores. Artigo 4º Apoio financeiro 1. O montante do apoio financeiro a conceder é determinado pela Fundação, não podendo, no entanto, ultrapassar a quantia de por candidatura aprovada. 2. O apoio financeiro acordado só será executado quando a Entidade Beneficiária, mediante a assinatura do Termo de Aceitação nos termos do nº 4 do art.º 9º do presente Regulamento, se comprometa a reunir todas as verbas necessárias à concretização do projeto nos termos aprovados. Artigo 5º Elegibilidade das despesas 1. As despesas elegíveis financiadas pela Fundação não podem ser objeto de financiamento por qualquer outra entidade ou programa, ou seja, para a mesma despesa não poderá haver duplicação de financiamento. 2. Não são suscetíveis de financiamento as despesas com: a) Remunerações ou honorários permanentes; b) Amortização de equipamentos; c) Manutenção de equipamentos; d) Aquisição ou arrendamento de espaços; e) Encargos com dívidas; f) Aquisição de publicações;

3 g) Funcionamento corrente das instituições, como sejam gastos de água, eletricidade e gás, telefone, etc.; h) Overheads que ultrapassem o máximo de 5% das despesas elegíveis. 3. Sem prejuízo do disposto no número anterior, o orçamento global e descriminado da iniciativa deve apresentar a totalidade das despesas que lhe estão afetas. Artigo 6º Candidatura 1. A abertura do concurso será publicitada na página da Internet da Fundação e em outros meios de comunicação que esta considerar pertinentes. 2. O concurso terá duas edições: uma em Abril, outra em Junho. 3. As candidaturas devem ser submetidas à Fundação, exclusivamente por via eletrónica, no prazo estipulado no respetivo edital. 4. Apenas são admitidas a concurso, as candidaturas apresentadas no formulário próprio disponível na página da Internet devidamente preenchido, que reúnam os requisitos exigidos no presente Regulamento e que sejam obrigatoriamente acompanhadas por: a) Fundamentação da iniciativa; b) Lista de participantes, título e temas das intervenções; c) Programa, mesmo que provisório; c) Publico alvo; d) Orçamento descriminado; e) Outras entidades que apoiam financeiramente e respetivos montantes; f) CVs. 1. Um resumo da iniciativa, a preencher no formulário, deve ser apresentado em português ou inglês, conter no máximo 700 caracteres e ter em vista a eventual inclusão na página da Internet da Fundação. Artigo 7º Avaliação e seleção 1. A verificação dos requisitos de admissibilidade e elegibilidade dos projetos é efetuada pela Fundação. 2. As candidaturas que não se encontrem devidamente instruídas à data de avaliação não são serão consideradas. 3. A avaliação dos projetos é feita pelo PGLCP com o apoio de especialistas de reconhecido mérito. 4. Para cada candidatura selecionada podem ser recomendadas pela Fundação eventuais modificações. 5. No âmbito do processo de avaliação e seleção, pode também ser sugerida a colaboração entre iniciativas.

4 Artigo 8º Critérios de avaliação 1. Na avaliação das candidaturas estarão presentes os seguintes critérios: a) Adequação da iniciativa aos objetivos do concurso conforme definido no Artigo 1º, designadamente qualidade e mérito científico dos investigadores e demais especialistas envolvidos, bem como o seu grau de internacionalização; b) Adequação dos custos apresentados; c) Mérito científico, originalidade, planeamento, organização, divulgação, resultados esperados, nomeadamente quanto à atividade científica (publicações, atas) e difusão dos resultados; d) Relevância do Congresso, atualidade dos temas, multidisciplinaridade e importância para outras áreas temáticas, nomeadamente, para a projeção e desenvolvimento de futuras atividades; e) Não sobreposição de objetivos face a outras iniciativas em curso. 2. Serão valorizadas as candidaturas cujas propostas reflitam a colaboração entre instituições e que permitam, dessa forma, a rentabilização de recursos e o maior impacto das ações a realizar. Artigo 9º Processo de decisão 1. Após o encerramento de cada uma das fases do concurso, nos termos do nº 2 do artigo 6º, o processo de aprovação pela Fundação deverá estar concluído num prazo máximo de 30 dias. 2. A decisão será comunicada a todas as entidades candidatas e a listagem das iniciativas aprovadas publicada na página da Internet da Fundação. 3. Da decisão referida no número anterior não cabe qualquer tipo de recurso ou reclamação. 4. Após a notificação da aprovação deverá ser submetido eletronicamente à Fundação, num prazo de 20 dias, o Termo de Aceitação autenticado por quem represente legalmente a Entidade Beneficiária. Artigo 10º Alterações ao projeto Os eventuais pedidos de alteração à proposta aprovada devem ser formalizados mediante o preenchimento e submissão eletrónica do respetivo formulário, que deve conter informação detalhada que fundamente a necessidade da alteração.

5 Artigo 11º Pagamentos 1. Os pagamentos do apoio financeiro são efetuados por transferência bancária para a Entidade Beneficiária. 2. Após a receção do Termo de Aceitação, a Fundação proporá à Entidade Beneficiária um calendário de pagamentos do financiamento aprovado. 3. Não obstante o disposto no número anterior, e independentemente do valor aprovado a título de financiamento, a Entidade Beneficiária apenas receberá os valores correspondentes às despesas elegíveis por si efetivamente realizadas e justificadas. 4. Caso os pagamentos efetuados nos termos dos números anteriores excedam o valor das despesas efetivamente realizadas pela Entidade Beneficiária na execução da iniciativa, esta obriga-se a devolver à Fundação Calouste Gulbenkian o valor excedente. Artigo 12º Obrigações da entidade beneficiária 1. A Entidade Beneficiária deve apresentar um relatório circunstanciado, após o encerramento do Congresso, remetido por via eletrónica. 2. O relatório deve ser constituído por duas partes, uma relativa à atividade desenvolvida e outra referente à respetiva execução financeira. 3. A Entidade Beneficiária concede à Fundação o direito de poder divulgar a iniciativa aprovada e as suas conclusões gerais. 4. A Entidade Beneficiária compromete-se a entregar à Fundação 5 exemplares das Atas do Congresso apoiado pela Fundação. Artigo 13º Acompanhamento e controlo 1. As iniciativas aprovadas podem ser objeto de ações de acompanhamento e controlo efetuadas pela Fundação ou por entidades por ela designadas. 2. O dossier do projeto, a manter na Entidade Beneficiária, deve ser constituído pelos seguintes elementos: a) Formulário de candidatura e respetivos anexos; b) Comunicação da decisão de aprovação; c) Termo de Aceitação; d) Pedido de alteração à iniciativa e respetiva decisão, quando aplicável; e) Cronograma de execução e realização financeira; f) Cópia dos documentos de despesa, relativamente aos gastos gerais do projeto; g) Documentação relativa à publicidade dos apoios recebidos.

6 3. O processo técnico-financeiro deve manter-se permanentemente atualizado. Artigo 14º Informação e publicidade A Entidade Beneficiária deve fazer menção ao financiamento por parte da Fundação ao longo do processo decorrente da organização da iniciativa, bem como em todos os materiais de divulgação produzidos, com a inclusão do respetivo logotipo. Artigo 15º Rescisão do contrato de comparticipação financeira 1. Por causa imputável à Entidade Beneficiária, a Fundação poderá cancelar a comparticipação financeira atribuída à iniciativa, designadamente por incumprimento do presente Regulamento, dos compromissos assumidos para com a Fundação, ou pela recusa da prestação de informações relevantes que forem solicitadas. 2. Em caso de rescisão do contrato, a Entidade Beneficiária é obrigada a repor as importâncias recebidas, no prazo de 60 dias a contar da data do recebimento da respetiva notificação. Artigo 16º Esclarecimentos e contactos Quaisquer dúvidas respeitantes a este concurso poderão ser esclarecidas junto do Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas cujos contactos são os seguintes: Telefone: Endereço de correio eletrónico: Artigo 17º Disposições finais Em situações omissas no presente Regulamento prevalecerá a decisão tomada pela Fundação.

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE INVESTIGAÇÃO NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE INVESTIGAÇÃO NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE INVESTIGAÇÃO NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS 2016 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian (Fundação), através do Programa Gulbenkian

Leia mais

à produção de curtas-metragens / / Concurso de apoio / REGULAMENTO / Para mais informações consulte o regulamento:

à produção de curtas-metragens / / Concurso de apoio / REGULAMENTO / Para mais informações consulte o regulamento: / Concurso de apoio à produção de curtas-metragens / / REGULAMENTO / Entrega de projetos de 1 de abril a 31 de maio de 2019 Para mais informações consulte o regulamento: www.mun-setubal.pt Organização

Leia mais

4. Só são consideradas candidaturas apresentadas pelas instituições responsáveis pela organização dos Congressos e Estudos.

4. Só são consideradas candidaturas apresentadas pelas instituições responsáveis pela organização dos Congressos e Estudos. REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONFERÊNCIAS, SEMINÁRIOS E ESTUDOS NOS DOMÍNIOS DA COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO, EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO E AÇÃO HUMANITÁRIA E DE EMERGÊNCIA Enquadramento

Leia mais

Admissibilidade e elegibilidade

Admissibilidade e elegibilidade LINHA DE COFINANCIAMENTO PARA APOIO À REALIZAÇÃO DE CONGRESSOS, COLÓQUIOS, CONFERÊNCIAS, SEMINÁRIOS E ESTUDOS NOS DOMÍNIOS DA COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO, EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO E AÇÃO HUMANITÁRIA

Leia mais

/ Concurso de apoio à produção de curtasmetragens

/ Concurso de apoio à produção de curtasmetragens / Concurso de apoio à produção de curtasmetragens / Entrega de projetos de 1 de abril a 15 de maio de 2017 Para mais informações consulte o regulamento: www.mun-setubal.pt / REGULAMENTO / Organização /

Leia mais

Admissibilidade e elegibilidade

Admissibilidade e elegibilidade LINHA DE COFINANCIAMENTO PARA APOIO À REALIZAÇÃO DE CONGRESSOS, COLÓQUIOS, CONFERÊNCIAS, SEMINÁRIOS E ESTUDOS NOS DOMÍNIOS DA COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO, EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO E AÇÃO HUMANITÁRIA

Leia mais

Programa de Incentivo à Investigação Horácio Mateus Regulamento

Programa de Incentivo à Investigação Horácio Mateus Regulamento Programa de Incentivo à Investigação Horácio Mateus Regulamento Enquadramento O Grupo de Etnologia e Arqueologia da Lourinhã (GEAL), através do Programa de Incentivo à Investigação Horácio Mateus (PIIHM),

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO. Educação Especial. Enquadramento

REGULAMENTO DO CONCURSO. Educação Especial. Enquadramento REGULAMENTO DO CONCURSO Educação Especial 2016 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian tem vindo, desde há vários anos, a prestar particular atenção às crianças e jovens com necessidades educativas

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO. Projectos de Desenvolvimento do Ensino Superior Projectos Inovadores no Domínio Educativo 2011.

REGULAMENTO DO CONCURSO. Projectos de Desenvolvimento do Ensino Superior Projectos Inovadores no Domínio Educativo 2011. REGULAMENTO DO CONCURSO Projectos de Desenvolvimento do Ensino Superior Projectos Inovadores no Domínio Educativo 2011 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian, desde a sua criação, tem atribuído grande

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO. Projetos de Desenvolvimento do Ensino Superior. Projetos Inovadores no Domínio Educativo. Enquadramento

REGULAMENTO DO CONCURSO. Projetos de Desenvolvimento do Ensino Superior. Projetos Inovadores no Domínio Educativo. Enquadramento REGULAMENTO DO CONCURSO Projetos de Desenvolvimento do Ensino Superior Projetos Inovadores no Domínio Educativo 2016 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian, desde a sua criação, tem atribuído grande

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE INTERNACIONALIZAÇÃO EM DANÇA E TEATRO 2017

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE INTERNACIONALIZAÇÃO EM DANÇA E TEATRO 2017 REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE INTERNACIONALIZAÇÃO EM DANÇA E TEATRO 2017 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian concede, através do Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas

Leia mais

Projectos Pluridisciplinares para Estímulo à Iniciação à Investigação na U.Porto (Projectos IJUP) REGULAMENTO DO CONCURSO GERAL

Projectos Pluridisciplinares para Estímulo à Iniciação à Investigação na U.Porto (Projectos IJUP) REGULAMENTO DO CONCURSO GERAL Projectos Pluridisciplinares para Estímulo à Iniciação à Investigação na U.Porto (Projectos IJUP) REGULAMENTO DO CONCURSO GERAL Introdução Com o objectivo de promover a participação de estudantes de pré-graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE CRIAÇÃO NAS ÁREAS DE CINEMA, DANÇA E TEATRO. Enquadramento

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE CRIAÇÃO NAS ÁREAS DE CINEMA, DANÇA E TEATRO. Enquadramento REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE CRIAÇÃO NAS ÁREAS DE CINEMA, DANÇA E TEATRO 2016 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian concede, através do Programa de Língua e Cultura Portuguesas

Leia mais

Programa Gulbenkian Inovar em Saúde

Programa Gulbenkian Inovar em Saúde REGULAMENTO DO CONCURSO Concurso para financiamento de projetos em Literacia em Saúde 2013 Artigo 1º Objeto O presente Regulamento estabelece as normas de acesso ao concurso para financiamento de projetos

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE INTERNACIONALIZAÇÃO EM CINEMA 2015. Enquadramento

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE INTERNACIONALIZAÇÃO EM CINEMA 2015. Enquadramento REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE INTERNACIONALIZAÇÃO EM CINEMA 2015 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian (Fundação) concede, através do Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas

Leia mais

CAPÍTULO II Formação Avançada de Recursos Humanos - Bolsas Individuais de Formação SECÇÃO I Caracterização das Bolsas Artigo 2º Tipos de bolsas

CAPÍTULO II Formação Avançada de Recursos Humanos - Bolsas Individuais de Formação SECÇÃO I Caracterização das Bolsas Artigo 2º Tipos de bolsas PROGRAMA OPERACIONAL DE VALORIZAÇÃO DO POTENCIAL HUMANO E COESÃO SOCIAL DA RAM EIXO I EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMAÇÃO AVANÇADA DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO AVANÇADA E QUALIFICAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER UNIVERSIDADES/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2016

REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER UNIVERSIDADES/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2016 REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER UNIVERSIDADES/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2016 Este concurso visa reforçar a cooperação existente entre a Universidade de Coimbra (UC) e as instituições suas parceiras,

Leia mais

FREGUESIA DE QUIAIOS NIPC 510 833 535

FREGUESIA DE QUIAIOS NIPC 510 833 535 PROGRAMA DE HASTA PÚBLICA Para atribuição do direito de ocupação efetiva de natureza precária da loja n.º 4 no Mercado de Quiaios Artigo 1.º Identificação A loja objeto de hasta pública localiza-se no

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À EDIÇÃO FONOGRÁFICA DE INTÉRPRETE 2016. Preambulo

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À EDIÇÃO FONOGRÁFICA DE INTÉRPRETE 2016. Preambulo REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À EDIÇÃO FONOGRÁFICA DE INTÉRPRETE 2016 Preambulo O departamento de Acção Cultural da Fundação GDA, através do programa de Apoio à Edição Fonográfica de Intérprete, concretizado

Leia mais

PROGRAMA GULBENKIAN PARCERIAS PARA O DESENVOLVIMENTO SERVIÇO DE BOLSAS GULBENKIAN

PROGRAMA GULBENKIAN PARCERIAS PARA O DESENVOLVIMENTO SERVIÇO DE BOLSAS GULBENKIAN PROGRAMA GULBENKIAN PARCERIAS PARA O DESENVOLVIMENTO SERVIÇO DE BOLSAS GULBENKIAN Regulamento do Concurso Bolsas de apoio à investigação para estudantes de doutoramento dos PALOP 2016 Artigo 1º Âmbito

Leia mais

Programa Incentivo 2014. Normas de execução financeira. 1. Âmbito do financiamento

Programa Incentivo 2014. Normas de execução financeira. 1. Âmbito do financiamento Programa Incentivo 2014 Normas de execução financeira 1. Âmbito do financiamento As verbas atribuídas destinam-se a financiar o funcionamento da instituição de investigação científica e desenvolvimento

Leia mais

Regulamento Programa de Apoio a Projetos e Eventos da Região de Aveiro PAPERA 2016

Regulamento Programa de Apoio a Projetos e Eventos da Região de Aveiro PAPERA 2016 Regulamento Programa de Apoio a Projetos e Eventos da Região de Aveiro PAPERA 2016 I Objeto e Âmbito O Programa de Apoio a Projetos e Eventos da Região de Aveiro (PAPERA 2016) tem como principal objetivo

Leia mais

PROGRAMA DE CONCURSO OUTUBRO 2010

PROGRAMA DE CONCURSO OUTUBRO 2010 PROGRAMA DE CONCURSO OUTUBRO 2010 Artigo 1º Objecto O presente Programa estabelece as normas específicas de acesso ao concurso para a atribuição de apoios financeiros pela Direcção-Geral da Saúde a pessoas

Leia mais

ARGANIL INVESTE MAIS REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL. Nota Justificativa

ARGANIL INVESTE MAIS REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL. Nota Justificativa ARGANIL INVESTE MAIS REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL Nota Justificativa Considerando que a competitividade da economia concelhia está na primeira linha das preocupações

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS 2015 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian (Fundação), através do Programa Gulbenkian de Língua e Cultura

Leia mais

Ciência na Hora Microprojectos Ciência Viva REGULAMENTO

Ciência na Hora Microprojectos Ciência Viva REGULAMENTO Ciência na Hora Microprojectos Ciência Viva REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito e enquadramento A Ciência Viva Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica, adiante designada por Ciência Viva, pretende

Leia mais

Programa Marvila, Freguesia Solidária. Regulamento

Programa Marvila, Freguesia Solidária. Regulamento Programa Marvila, Freguesia Solidária Regulamento Artigo 1º Preâmbulo No âmbito das novas competências das Juntas de Freguesia de Lisboa atribuídas de acordo com a Lei 56/2012 de 08 de novembro, mais especificamente

Leia mais

Concurso de fotografia Somos todos peões REGULAMENTO 1. ENQUADRAMENTO

Concurso de fotografia Somos todos peões REGULAMENTO 1. ENQUADRAMENTO Concurso de fotografia Somos todos peões REGULAMENTO 1. ENQUADRAMENTO O concurso de fotografia Somos todos peões decorre por ocasião da Segunda Semana Mundial de Segurança Rodoviária, promovida pelas Nações

Leia mais

FUNDO PARA A CONSERVAÇÃO DOS OCEANOS

FUNDO PARA A CONSERVAÇÃO DOS OCEANOS FUNDO PARA A CONSERVAÇÃO DOS OCEANOS R E G U L A M E N T O 1 ª E D I Ç Ã O 2 0 1 7 TEMA RAIAS E TUBARÕES. DA ESCURIDÃO PARA A LUZ DA CIÊNCIA. ARTIGO 1º O B J E T O O presente regulamento estabelece as

Leia mais

COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL

COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL Na última década, o número de pessoas em situação de pobreza e exclusão social em Portugal tem vindo a aumentar significativamente. A este facto preocupante, acresce

Leia mais

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS I. DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1º 1. Com o fim de estimular a difusão da cultura portuguesa em países estrangeiros, a Fundação Calouste Gulbenkian, através do Serviço de Bolsas Gulbenkian, concede bolsas de

Leia mais

Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU. Regulamento de Atribuição da. Bolsa para Estudos sobre Macau. Artigo 1.º. Objecto

Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU. Regulamento de Atribuição da. Bolsa para Estudos sobre Macau. Artigo 1.º. Objecto Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU Regulamento de Atribuição da Bolsa para Estudos sobre Macau Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as regras de atribuição da Bolsa para Estudos sobre Macau, adiante designada

Leia mais

FUNDO PARA A CONSERVAÇÃO DOS OCEANOS

FUNDO PARA A CONSERVAÇÃO DOS OCEANOS FUNDO PARA A CONSERVAÇÃO DOS OCEANOS REGULAMENTO 2ª EDIÇÃO 2018 TEMA: ESPÉCIES MARINHAS AMEAÇADAS. DA CIÊNCIA PARA A CONSCIÊNCIA. ARTIGO 1º O B J E T O O presente regulamento estabelece as normas para

Leia mais

MUNICIPIO DE MESÃO FRIO

MUNICIPIO DE MESÃO FRIO MUNICIPIO DE MESÃO FRIO REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA SOCIAL DE APOIO À HABITAÇÃO DO MUNICIPIO DE MESÃO FRIO A, em conformidade com as atribuições e competências consignadas aos Municípios, nomeadamente

Leia mais

REGULAMENTO DE ACESSO A FINANCIAMENTO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO

REGULAMENTO DE ACESSO A FINANCIAMENTO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO REGULAMENTO DE ACESSO A FINANCIAMENTO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO O Programa do XVII Governo Constitucional e o seu Compromisso com a Ciência apontam o rápido

Leia mais

AVISO DE ABERTURA. 2. Beneficiários

AVISO DE ABERTURA. 2. Beneficiários AVISO DE ABERTURA Apresentação de candidaturas a financiamento Clubes Ciência Viva na Escola da Rede de Clubes Ciência Viva na Escola das Área Metropolitana de Lisboa (AML), Algarve, Regiões Autónomas

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO FREQUÊNCIA DO CURSO GESTÃO DE CIÊNCIA

REGULAMENTO DO CONCURSO FREQUÊNCIA DO CURSO GESTÃO DE CIÊNCIA REGULAMENTO DO CONCURSO PARA FREQUÊNCIA DO CURSO GESTÃO DE CIÊNCIA 5 A 9 DE FEVEREIRO DE 2018 EM LISBOA E 10 A 14 DE SETEMBRO DE 2018 EM BARCELONA Artigo 1º Âmbito 1. O presente Regulamento estabelece

Leia mais

COMUNICAR SAÚDE. Regulamento

COMUNICAR SAÚDE. Regulamento COMUNICAR SAÚDE Regulamento Artigo1º Âmbito e objeto Através do presente Regulamento, o COMUNICAR SAÚDE define as condições de acesso a financiamento para projetos de promoção da literacia em saúde em

Leia mais

ACADEMIA DE INSTRUÇÃO E RECREIO FAMILIAR ALMADENSE

ACADEMIA DE INSTRUÇÃO E RECREIO FAMILIAR ALMADENSE ACADEMIA DE INSTRUÇÃO E RECREIO FAMILIAR ALMADENSE REGULAMENTO 2 Festival da Canção Infantil e Juvenil "Musicalmadense" REGULAMENTO Artigo 1 (Natureza e Fim) O Festival da Canção Infantil e Juvenil " MusicAlmadense"

Leia mais

CONCURSO DE IDEIAS 2014-2015 JOVENS CRIATIVOS, EMPREENDEDORES PARA O SÉCULO XXI

CONCURSO DE IDEIAS 2014-2015 JOVENS CRIATIVOS, EMPREENDEDORES PARA O SÉCULO XXI 0 REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS 2014-2015 1. OBJETIVOS Através de um concurso de ideias, a iniciativa INOVA! visa: Estimular o espírito empreendedor, criativo e inovador das crianças e dos jovens;

Leia mais

EDP Solidária - Inclusão Social 2016 Regulamento

EDP Solidária - Inclusão Social 2016 Regulamento EDP Solidária - Inclusão Social 2016 Regulamento Artigo 1.º Do Programa EDP Solidária - Inclusão Social 1.1. A Fundação EDP, adiante designada por FEDP, no âmbito das suas atividades de inovação social,

Leia mais

BOLSAS ES JOVEM / NOS ALIVE. 3. ª e d i ç ã o BOLSAS ES JOVEM / NOS ALIVE REGULAMENTO

BOLSAS ES JOVEM / NOS ALIVE. 3. ª e d i ç ã o BOLSAS ES JOVEM / NOS ALIVE REGULAMENTO BOLSAS ES JOVEM / NOS ALIVE 3. ª e d i ç ã o BOLSAS ES JOVEM / NOS ALIVE REGULAMENTO 01.ENQUADRAMENTO E INFORMAÇÃO GERAL As Bolsas ES JOVEM / NOS ALIVE resultam de uma iniciativa conjunta da Cooperativa

Leia mais

PAIS COM A CIÊNCIA Regulamento

PAIS COM A CIÊNCIA Regulamento PAIS COM A CIÊNCIA Regulamento Artigo 1º Âmbito e objecto O presente Regulamento define as condições de acesso a financiamento para acções promovidas por Associações de Pais e Encarregados de Educação,

Leia mais

REGULAMENTO FINANCIAMENTO E APOIO PARA O COMBATE À EXCLUSÃO SOCIAL (FACES)

REGULAMENTO FINANCIAMENTO E APOIO PARA O COMBATE À EXCLUSÃO SOCIAL (FACES) FINANCIAMENTO E APOIO PARA O COMBATE À EXCLUSÃO SOCIAL (FACES) Artigo 1.º Âmbito O financiamento da Fundação Montepio para o combate à exclusão social destina-se a projetos nas seguintes áreas de intervenção:

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO RISING STORE

REGULAMENTO DO CONCURSO RISING STORE REGULAMENTO DO CONCURSO RISING STORE O concurso Rising Store é lançado pela Sierra Portugal, S.A., adiante designada por Sonae Sierra, com o apoio da Young & Rubicam, do INV - Instituto de Negociação e

Leia mais

PROGRAMA TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO TÉCNICA TCT

PROGRAMA TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO TÉCNICA TCT EDITAL FAPERJ N.º 08/2007 PROGRAMA TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO TÉCNICA TCT O Governo do Estado do Rio de Janeiro, por intermédio da Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia, através da Fundação Carlos

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO TIMOR-LESTE 7ª EDIÇÃO, 2017

REGULAMENTO DO CONCURSO TIMOR-LESTE 7ª EDIÇÃO, 2017 REGULAMENTO DO CONCURSO ESTÁGIOS DE CURTA DURAÇÃO EM PORTUGAL PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE PROVENIENTES DOS PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA E TIMOR-LESTE 7ª EDIÇÃO, 2017 Artigo 1º Âmbito O

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO

PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO Normas regulamentares Artigo 1.º Grau A Escola Superior Artística do Porto confere a Pós-Graduação em Arte em Espaço Público. Artigo 2.º Objectivos do curso 1. A

Leia mais

BE_a_DOC Brazil - Europe Doctoral and Research Programme

BE_a_DOC Brazil - Europe Doctoral and Research Programme BE_a_DOC Brazil - Europe Doctoral and Research Programme Edital BE_a_DOC nº 01/2016 O Coimbra Group (CG) e o Grupo Coimbra de Universidades Brasileiras (GCUB) decidiram apoiar estudantes de doutorado e

Leia mais

Prémio Hire.me app. Campanha nacional eskills for Jobs 2016. Regulamento

Prémio Hire.me app. Campanha nacional eskills for Jobs 2016. Regulamento Prémio Hire.me app Campanha nacional eskills for Jobs 2016 Regulamento Na prossecução das suas atribuições legais no domínio da Sociedade de Informação e do Conhecimento em Portugal, em particular ao nível

Leia mais

CONDIÇÕES COMERCIAIS

CONDIÇÕES COMERCIAIS CONDIÇÕES COMERCIAIS Condições Gerais de Contratação de Publicidade Digital 201 ÍNDICE 1. DISPOSIÇÕES GERAIS 1.1 NORMAS APLICÁVEIS 1.2 APROVAÇÃO OU VISIONAMENTO PRÉVIO/RECUSA DE PUBLICIDADE 1.3 PARTES

Leia mais

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS SISTEMA DE INCENTIVOS - QUALIFICAÇÃO DE PME CONTRATAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS ALTAMENTE QUALIFICADOS Índice Preâmbulo... 3 1. Objetivos e prioridades visadas...

Leia mais

Regulamento de Bolsas de Mérito a Estudantes do 3.º Ciclo do ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa CAPÍTULO I. Artigo 1.º.

Regulamento de Bolsas de Mérito a Estudantes do 3.º Ciclo do ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa CAPÍTULO I. Artigo 1.º. Regulamento de Bolsas de Mérito a Estudantes do 3.º Ciclo do ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa CAPÍTULO I Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento, redigido nos termos e ao abrigo da Lei n.º 40/2004,

Leia mais

MUNICÍPIO DE ANGRA DO HEROÍSMO Regulamento n.º 7/2017 de 2 de Março de 2017

MUNICÍPIO DE ANGRA DO HEROÍSMO Regulamento n.º 7/2017 de 2 de Março de 2017 MUNICÍPIO DE ANGRA DO HEROÍSMO Regulamento n.º 7/2017 de 2 de Março de 2017 A escola, entidade multiplicadora de saberes, deverá, nas modernas sociedades, ter associada à sua função educativa uma outra

Leia mais

3. PRAZO DE APRESENTAÇÃO DAS CANDIDATURAS

3. PRAZO DE APRESENTAÇÃO DAS CANDIDATURAS REGULAMENTO 1. BOLSA DE INVESTIGAÇÃO 1.1. A bolsa de investigação do Grupo de Estudo da Doença Inflamatória Intestinal (doravante designado GEDII) tem como finalidade apoiar a realização de projectos de

Leia mais

EDITAL FAPERGS n. 013/2011 PESQUISADOR NA EMPRESA

EDITAL FAPERGS n. 013/2011 PESQUISADOR NA EMPRESA EDITAL FAPERGS n. 013/2011 PESQUISADOR NA EMPRESA A FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL - FAPERGS torna público o presente Edital, aos interessados em participar do PROGRAMA PESQUISADOR

Leia mais

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Serviço Internacional

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Serviço Internacional REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS I. DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1º 1) Com o fim de estimular a difusão da cultura portuguesa em países estrangeiros, a Fundação Calouste Gulbenkian, através

Leia mais

Prémio Jovem Empreendedor Regulamento. Municí pio de Grâ ndolâ

Prémio Jovem Empreendedor Regulamento. Municí pio de Grâ ndolâ Prémio Jovem Empreendedor Regulamento Municí pio de Grâ ndolâ Regulamento do Prémio Jovem Empreendedor Preâmbulo O empreendedorismo tem vindo a assumir, dadas as atuais circunstâncias económicas e sociais,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS

DEPARTAMENTO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS DEPARTAMENTO DE INSTRUMENTOS ASSUNTO FUNDO FLORESTAL PERMANENTE EIXO II DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS E AGENTES BIÓTICOS AÇÃO - REALIZAÇÃO DE QUEIMADAS EXTENSIVAS PREVENÇÃO DE FOGOS FLORESTAIS DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A ESPECTÁCULOS DE TEATRO E DANÇA 2017

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A ESPECTÁCULOS DE TEATRO E DANÇA 2017 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A ESPECTÁCULOS DE TEATRO E DANÇA 2017 Preâmbulo O departamento de Ação Cultural da Fundação GDA, através do programa de Apoio a Espetáculos de Teatro e Dança, concretizado

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Programa de informação e empresarial da UE em Hong Kong e Macau 2014/S 032-050737. Anúncio de concurso. Serviços

Bélgica-Bruxelas: Programa de informação e empresarial da UE em Hong Kong e Macau 2014/S 032-050737. Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:50737-2014:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Programa de informação e empresarial da UE em Hong Kong e Macau 2014/S 032-050737

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 15 Regulamento de Gestão dos Consumos de Energia nos Transportes 2015 Aviso 15 Regulamento de Gestão dos Consumos de Energia nos Transportes 2015

Leia mais

NORMAS PARA A EXECUÇÃO DO PROCESSO DE COFINANCIAMENTO

NORMAS PARA A EXECUÇÃO DO PROCESSO DE COFINANCIAMENTO NORMAS PARA A EXECUÇÃO DO PROCESSO DE COFINANCIAMENTO Consideram-se no presente documento os procedimentos a observar, quer pela entidade proponente (ONGD), quer pela entidade financiadora (Camões, I.P.)

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO JORNALÍSTICA

REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO JORNALÍSTICA REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO JORNALÍSTICA Artigo 1º Âmbito 1. O presente Regulamento estabelece as normas de candidatura à atribuição de bolsas para investigação jornalística

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO V ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidaturas no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Governação

EIXO PRIORITÁRIO V ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidaturas no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Governação EIXO PRIORITÁRIO V ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidaturas no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Governação EIXO PRIORITÁRIO V ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à

Leia mais

Artigo 1º Âmbito e objetivos

Artigo 1º Âmbito e objetivos ESAP PROJETOS DE INOVAÇÃO DOCENTE REGULAMENTO Preâmbulo A inovação docente é a tradução prática de ideias em novos sistemas e interações sociais, cujo propósito é a introdução e a contínua atualização

Leia mais

PRÉMIO RUI OSÓRIO DE CASTRO / MILLENNIUM bcp REGULAMENTO

PRÉMIO RUI OSÓRIO DE CASTRO / MILLENNIUM bcp REGULAMENTO PRÉMIO RUI OSÓRIO DE CASTRO / MILLENNIUM bcp Criada em 2009, a Fundação Rui Osório de Castro, adiante designada por Fundação ou FROC, é uma fundação de solidariedade social que tem por missão a divulgação

Leia mais

Regras de atribuição da Bolsa de Inovação da Secção Regional do Sul e Regiões Autónomas da Ordem dos Farmacêuticos

Regras de atribuição da Bolsa de Inovação da Secção Regional do Sul e Regiões Autónomas da Ordem dos Farmacêuticos A Direção da Secção Regional do Sul e Regiões Autónomas da Ordem dos Farmacêuticos, deliberou, em 2012, instituir uma Bolsa destinada a apoiar projetos de intervenção e/ou investigação aplicada no âmbito

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO

REGULAMENTO CONCURSO REGULAMENTO CONCURSO INVESTIGAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO 2017 A Fundação Calouste Gulbenkian e o Camões Instituto da Cooperação e da Língua IP, decidiram lançar, em 2015, a I edição do Concurso Investigação

Leia mais

EDITAL. PARA INVESTIMENTO NAS ASSOCIAÇÕES METODISTAS DE AÇÃO SOCIAL AMAS e MINISTÉRIOS DE AÇÃO SOCIAL (MAS)

EDITAL. PARA INVESTIMENTO NAS ASSOCIAÇÕES METODISTAS DE AÇÃO SOCIAL AMAS e MINISTÉRIOS DE AÇÃO SOCIAL (MAS) EDITAL PARA INVESTIMENTO NAS ASSOCIAÇÕES METODISTAS DE AÇÃO SOCIAL AMAS e MINISTÉRIOS DE AÇÃO SOCIAL (MAS) A Câmara de Ação Social da 3ª Região Eclesiástica, visando a aplicação de recursos destinados

Leia mais

Artigo 1.º. Artigo 2.º

Artigo 1.º. Artigo 2.º Artigo 1.º Âmbito O financiamento da Fundação Montepio para o combate à exclusão social destina-se a projetos nas seguintes áreas de intervenção: 1. Empregabilidade das pessoas com deficiência, através

Leia mais

MAR. Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de abril de 2016 1411

MAR. Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de abril de 2016 1411 Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de abril de 2016 1411 Manda o Governo, pelo Secretário de Estado da Energia, e ao abrigo do disposto no n.º 3 do artigo 27.º do Decreto- -Lei n.º 86/90, de 16 de

Leia mais

Programa de Reabilitação de Instalações Desportivas (PRID)

Programa de Reabilitação de Instalações Desportivas (PRID) Programa de Reabilitação de Instalações Desportivas (PRID) NORMAS DO PROGRAMA Introdução No âmbito do programa do Governo, a Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto, através do Instituto Português

Leia mais

Regulamento para obtenção do Grau de Mestre pelos Licenciados Pré-Bolonha. (Recomendação CRUP)

Regulamento para obtenção do Grau de Mestre pelos Licenciados Pré-Bolonha. (Recomendação CRUP) Regulamento para obtenção do Grau de Mestre pelos Licenciados Pré-Bolonha (Recomendação CRUP) Na sequência da Recomendação do CRUP relativa à aquisição do grau de mestre pelos licenciados Pré-Bolonha,

Leia mais

NORMAS PARA A EXECUÇÃO DO PROCESSO DE COFINANCIAMENTO

NORMAS PARA A EXECUÇÃO DO PROCESSO DE COFINANCIAMENTO NORMAS PARA A EXECUÇÃO DO PROCESSO DE COFINANCIAMENTO Consideram-se no presente documento os procedimentos a observar, quer pela entidade proponente (ONGD), quer pela entidade financiadora (Camões, I.P.)

Leia mais

NORMA DE GESTÃO N.º 4/NORTE2020/ Rev 2

NORMA DE GESTÃO N.º 4/NORTE2020/ Rev 2 NORMA DE GESTÃO N.º 4/NORTE2020/2015 1 Rev 2 [Operações públicas FEDER e FSE] 1 Não aplicável a operações enquadradas no Sistema de Incentivos às Empresas. CONTROLO DO DOCUMENTO Versão Data de aprovação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A ESPETÁCULOS DE TEATRO E DANÇA 2018

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A ESPETÁCULOS DE TEATRO E DANÇA 2018 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A ESPETÁCULOS DE TEATRO E DANÇA 2018 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A ESPETÁCULOS DE TEATRO E DANÇA 2018 PREÂMBULO O departamento de Ação Cultural da Fundação GDA,

Leia mais

PROJETOS DE EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO

PROJETOS DE EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO PROJETOS DE EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO NORMAS PARA A EXECUÇÃO DO PROCESSO DE COFINANCIAMENTO Consideram-se no presente documento os procedimentos a observar, quer pela entidade proponente (ONGD),

Leia mais

REGULAMENTO Orçamento Participativo de Águeda

REGULAMENTO Orçamento Participativo de Águeda REGULAMENTO Orçamento Participativo de Águeda PREÂMBULO A Democracia Participativa não se reduz a um mero sistema político e social, mas a um modo de ser, agir e pensar que abrange a totalidade da pessoa.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DO ESTADO DO MARANHÃO

GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DO ESTADO DO MARANHÃO GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DO ESTADO DO MARANHÃO APOIO A PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS TÉCNICO-CIENTÍFICOS - APEC EDITAL FAPEMA Nº 036/2014 APEC

Leia mais

CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº POAPMC

CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº POAPMC CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº POAPMC-99-2015-01 Aquisição de Géneros Alimentares e/ou Bens de Primeira Necessidade Setembro 2015 Conteúdo 1. Preâmbulo...3 2. Calendário...3 3. Procedimento

Leia mais

1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Comissão do CPIR EDITAL Nº 10/2015 O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ, no uso de suas atribuições legais, face ao constante no inciso II do Art. 36 da Lei n. 8.112,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AOS ARTISTAS INTERPRETES EM ESPECTÁCULOS DE TEATRO E DANÇA 2019

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AOS ARTISTAS INTERPRETES EM ESPECTÁCULOS DE TEATRO E DANÇA 2019 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AOS ARTISTAS INTERPRETES EM ESPECTÁCULOS DE TEATRO E DANÇA 2019 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AOS ARTISTAS INTERPRETES EM ESPECTÁCULOS DE TEATRO E DANÇA 2019 PREÂMBULO

Leia mais

Regras de atribuição da Bolsa de Inovação da Secção Regional do Sul e Regiões Autónomas da Ordem dos Farmacêuticos

Regras de atribuição da Bolsa de Inovação da Secção Regional do Sul e Regiões Autónomas da Ordem dos Farmacêuticos A Direção da Secção Regional do Sul e Regiões Autónomas da Ordem dos Farmacêuticos, deliberou, em 2012, instituir uma Bolsa destinada a apoiar projetos de intervenção e/ou investigação aplicada no âmbito

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA AO FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA AO FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Fundo de Eficiência Energética AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA AO FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Auditoria Energética a Elevadores em Edifício de Serviços 2015 AVISO 09 Auditoria Energética a Elevadores

Leia mais

REGRAS DE SUBMISSÃO DE TRABALHOS

REGRAS DE SUBMISSÃO DE TRABALHOS REGRAS DE SUBMISSÃO DE TRABALHOS CONDIÇÕES GERAIS: A Direção da Região Centro da Associação Portuguesa de Cardiopneumologistas () no âmbito da organização do 21º Congresso Português de Cardiopneumologia,

Leia mais

Preâmbulo. Objetivos. Metodologia

Preâmbulo. Objetivos. Metodologia Preâmbulo Numa sociedade democrática é fundamental que existam mecanismos de participação que permitam aos jovens o desenvolvimento de competências de cidadania que lhes possibilitem a formulação de ideias

Leia mais

Guia de Procedimentos

Guia de Procedimentos Guia de Procedimentos Atribuição de Bolsas de Investigação do CIIMAR Gabinete Gestão de Projetos Gabinete Apoio Jurídico Investigador Responsável Constituição do Júri; Elaboração da 1ª. Ata; Elaboração

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CANDIDATURA AOS APOIOS Título I Disposições gerais. Artigo 1.º Objeto e âmbito de aplicação

REGULAMENTO GERAL DE CANDIDATURA AOS APOIOS Título I Disposições gerais. Artigo 1.º Objeto e âmbito de aplicação REGULAMENTO GERAL DE CANDIDATURA AOS APOIOS 2017 Título I Disposições gerais Artigo 1.º Objeto e âmbito de aplicação 1. O presente Regulamento estabelece as normas relativas aos concursos promovidos pela

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. Regulamento do ciclo de estudos conducentes ao grau de mestre em Engenharia Química

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. Regulamento do ciclo de estudos conducentes ao grau de mestre em Engenharia Química Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento do ciclo de estudos conducentes ao grau de mestre em Engenharia Química Artigo 1º - Âmbito --------------------------------------- 1) O presente Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO TIMOR-LESTE 8ª EDIÇÃO, 2018

REGULAMENTO DO CONCURSO TIMOR-LESTE 8ª EDIÇÃO, 2018 REGULAMENTO DO CONCURSO ESTÁGIOS DE CURTA DURAÇÃO EM PORTUGAL PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE PROVENIENTES DOS PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA E TIMOR-LESTE 8ª EDIÇÃO, 2018 Artigo 1º Âmbito O

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À CIRCULAÇÃO DE ESPETÁCULOS 2017

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À CIRCULAÇÃO DE ESPETÁCULOS 2017 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À CIRCULAÇÃO DE ESPETÁCULOS 2017 Preâmbulo O departamento de Ação Cultural da Fundação GDA, através do programa de Apoio à Circulação de Espetáculos, concretizado mediante

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA EDITAL Nº 01/2016 DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA - MESTRADO ACADÊMICO

Leia mais

Orçamento Participativo de Vila Nova de Cerveira

Orçamento Participativo de Vila Nova de Cerveira Orçamento Participativo de Vila Nova de Cerveira PREÂMBULO Os Orçamentos Participativos são símbolos de importância da participação dos cidadãos na sociedade democrática, neste sentido a Câmara Municipal

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONDICIONADO N.

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONDICIONADO N. EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: Aviso n.º 1/REB/AC REQUALIFICAÇÃO DA REDE ESCOLAR DE 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO E DA EDUCAÇÃO PRÉ- ESCOLAR AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA A BOLSAS DE QUALIFICAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO ARTÍSTICA 2017

REGULAMENTO DO PROGRAMA A BOLSAS DE QUALIFICAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO ARTÍSTICA 2017 REGULAMENTO DO PROGRAMA A BOLSAS DE QUALIFICAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO ARTÍSTICA 2017 Preâmbulo O departamento de Acão Cultural da Fundação GDA, através do programa de Apoio a Bolsas de Qualificação e Especialização

Leia mais