TELEVISIVOS. Realizado por: Vitor João Cardoso Pereira n o João Miguel Duarte Gaspar n o Orientado por:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TELEVISIVOS. Realizado por: Vitor João Cardoso Pereira n o 43797 João Miguel Duarte Gaspar n o 42358. Orientado por:"

Transcrição

1 Instituto Superior Técnico Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores SUMARIZAÇÃO DE SERVIÇOS NOTICIOSOS TELEVISIVOS Realizado por: Vitor João Cardoso Pereira n o João Miguel Duarte Gaspar n o Orientado por: Prof. João Paulo Neto Eng. David Matos Realizado no: L 2 F - Laboratório de Sistemas de Língua Falada, INESC-ID Lisboa - Julho 2002

2 Índice Índice Agradecimentos Resumo ii iv vi 1 Introdução O Projecto ALERT Como funciona Estrutura e Fluxo de Dados do Sistema ALERT Estrutura do Relatório Sumarização Introdução Sumarização por Extracção Aplicabilidade dos Métodos Sumarizer Planeamento Arquitectura Implementação Utilização Limitações e Recomendações Análise e Planeamento do Servidor SERVICE Como Funciona Estrutura SSNT-Service Escolha das Tecnologias Base de Dados Website Matching Envio de ii

3 3.8 Streaming Controlo do Sistema ALERT Implementação do Servidor SERVICE Processamento do Thesaurus da RTP Da definição da DTD à Base de Dados Website Serviço de Matching e Envio de Streaming Administração Website Parsers Controlo do Sistema ALERT Considerações Finais Análise de Resultados Compromissos do Projecto Nota do Autores Apêndices 52 A Estudo de Tecnologias de Desenvolvimento 53 B XML 66 B.1 DTD Alert-pt B.2 XML Exemplo B.3 Thesaurus Temático B.4 Thesaurus Geográfico B.5 Thesaurus Onomástico B.6 Programas B.7 Oradores B.8 Léxico Lematizado - excerto C Imagens do website 100 D Imagens do 109 E Guia de Instalação 111 F Ficheiros Template para o 118 Referências 121 iii

4 Agradecimentos Quero apresentar a minha gratidão a todos aqueles que, directa ou indirectamente, contribuíram para a realização deste projecto. A toda a equipa do projecto ALERT, em especial ao Prof. João Paulo Neto pelo seu exemplar empenhamento que foi além da sua função como orientador. E ainda ao João Gaspar pela sua admirável dedicação e excelente prestação durante todo o decorrer do projecto. INESC-ID L 2 F, Lisboa, 17 de Julho de 2002 Vitor Pereira iv

5 v Queria agradecer ao coordenador deste projecto, o Prof. Dr. João Paulo Neto, a oportunidade que me concedeu de realizar o trabalho final de curso nesta área (actual e de constante dinâmica, expandindo claramente os horizontes técnicos consolidados no curso LEEC/SEC), a sua disponibilidade e o seu acompanhamento permanente em todas as fases deste trabalho. Uma palavra de apreço vai também para o Mestre Hugo Meinedo e o Eng. Rui Amaral, quer pelo trabalho de análise efectuado em conjunto, quer pelos momentos de bom humor que proporcionaram em tudo o que foi debatido, bem como aos colegas do L 2 F e pessoas envolvidas no projecto ALERT com quem tive contacto, quer no INESC, quer na RTP. Outro grande obrigado vai para o Eng. António Vaz e para o Eng. Alexandre Mendes da 4VDO, pelas discussões acesas que proporcionaram, pelo trabalho que desenvolveram neste projecto e pela troca de ideias e de experiências que fomentaram. Dado ser esta, neste projecto, a ocasião última de agradecimento na licenciatura que frequento, aproveito para agradecer aos meus pais, irmã e familiares, o seu apoio e amor incondicionais ao longo destes anos, bem como a lealdade dos amigos mais próximos e a camaradagem dos colegas do IST, tal como foi um bom exemplo, o Vítor Pereira, de inexcedível empenho neste trabalho. Finalmente gostaria de expressar a minha gratidão à Eng a Irina Leonte e ao Pe. missionário Adelino Ascenso pelas suas lições de vida, bem como ao Pe. Paulo Madureira e Pe. Abel Santos, aos meus tios Pe. Manuel Gaspar e Pe. Virgílio Gaspar, ao Dr. Hélder Roque e Dr. Fernando Girão, por todo o apoio das conversas ao domingo (e não só), ao longo de todos estes anos. À Ana Margarida por toda a sua força e coragem. INESC-ID L 2 F, Lisboa, 17 de Julho de 2002 João Gaspar

6 Resumo O ALERT é um sistema de inspecção do sinal de vídeo emitido por um qualquer canal de televisão e de difusão das notícias (em português) aí transmitidas. Os vários programas envolvidos no sistema garantem a captura do sinal, a transcrição e indexação das notícias e o seu armazenamento e difusão. A capacidade de indexação e armazenamento do sistema permite aos utilizadores terem um acesso rápido e fiel às notícias do seu interesse. O SSNT-Service (SSNT resulta do título deste projecto, Sumarização de Serviços Noticiosos Televisivos, e Service da componente do projecto que implementa o serviço) constitui a parte do sistema ALERT responsável pelo armazenamento e acesso às notícias por parte dos utilizadores. Disponibiliza simultaneamente o serviço de um motor de busca (através de um site na web) e de um mensageiro (através do envio de mail) de notícias. Actualmente, 24 horas por dia, 7 dias por semana, o sistema ALERT captura, transcreve, segmenta, classifica, resume, armazena e envia as notícias dos telejornais da noite do canal 1 da RTP. O SSNT-Service permite efectuar pesquisas por tópicos permitindo ao utilizador aceder a notícias relacionadas com determinado assunto, pessoa, local e/ou organização. O utilizador tem então acesso directo a notícias constituídas por título, sumário e vídeo legendado (com a transcrição efectuada). A capacidade que o sistema SSNT tem de enviar as notícias directamente ao utilizador permite-lhe estar informado sem que tenha de se preocupar com a procura da informação (ver televisão, ler o jornal, etc.). Deixa então de ser o utilizador a procurar informação, passa a ser a informação a procurar o utilizador. Revela-se assim como uma ferramenta útil não só do ponto de vista lúdico, mas também do ponto de vista profissional. vi

7 Capítulo 1 Introdução 1.1 O Projecto ALERT Este projecto enquadra-se no contexto do projecto ALERT - Alert System for Selective Dissemination of Multimedia Information - desenvolvido no Laboratório de Sistemas de Língua Falada, INESC-ID, Lisboa, que visa integrar reconhecimento de fala com segmentação de áudio e vídeo e indexação automática por tópicos, para desenvolver um demonstrador do sistema e o avaliar no contexto de aplicações reais. O SSNT-Service 1 apresenta-se neste projecto como responsável pela implementação do sistema ALERT na forma de uma aplicação real, servindo assim como demonstrador do sistema. Do ponto de vista das pessoas envolvidas no projecto ALERT, o SSNT- Service, é também uma ferramenta útil para o desenvolvimento, análise e avaliação do desempenho dos diferentes módulos que o sistema agrega. 1.2 Como funciona Atendendo aos requisitos deste sistema podemos isolar 3 fases: Captura, Processamento e Serviço. O tratamento dum programa noticioso (p.e., o telejornal) inicia-se pela respectiva captura. A Captura é um processo contínuo de inspecção do sinal difundido por um qualquer canal de televisão, tratando-se de um canal generalista (p.e., o canal 1 da RTP) é necessária a detecção do início e fim do programa noticioso para proceder à sua extracção. Obtida a matéria-prima que é o programa noticioso, inicia-se a fase do Processamento onde é feita a transcrição, segmentação, classificação e sumarização das notícias desse programa. A informação aqui gerada é compilada num ficheiro em formato XML 2. 1 SSNT: Do título deste projecto: Sumarização de Serviços Noticiosos Televisivos 2 XML: Do inglês: extensible Markup Language - formato para documentos e dados estruturados 1

8 2 Terminada esta fase, este ficheiro XML dá entrada na base de dados do sistema SSNT- Service, sendo este último responsável pela disponibilização dos resultados. Após a entrada desta informação na base de dados, as notícias daquele programa passam a estar disponíveis no website do sistema SSNT-Service, e são enviadas para os utilizadores registados no sistema de acordo com as respectivas áreas de interesse. Conclui-se assim o tratamento dum programa noticioso e o ciclo repete-se. O Serviço, através de uma aplicação de análise (matching), permite efectuar pesquisas por tópicos e aceder a notícias relacionadas com determinado assunto, pessoa, local e/ou organização. Assim, o utilizador tem acesso a notícias, constituídas por título, sumário e vídeo legendado (com a transcrição efectuada), mediante a especificação de tópicos do seu interesse a partir de descritores de tipo Temático, Geográfico e Onomástico. A capacidade que o sistema tem de enviar as notícias directamente ao utilizador permite-lhe estar informado sem que tenha de se preocupar com o acesso à informação. O Serviço constitui também um arquivo digital de notícias de elevado valor do ponto de vista audiovisual, na medida em que garante o armazenamento dos programas numa base de dados e dos respectivos vídeos. Das fases acima descritas, concretizaram-se neste projecto a sumarização (efectuada na fase de Processamento) e o sistema que implementa a fase de Serviço (SSNT-Service). 1.3 Estrutura e Fluxo de Dados do Sistema ALERT Para a implementação de cada uma das fases acima descritas montou-se uma infraestrutura de três computadores em rede, actualmente em funcionamento nas instalações da RTP. A figura 1.1 ilustra esta infra-estrutura. Figura 1.1: A Infra-estrutura ALERT Na figura 1.2 encontra-se esquematizado o andamento temporal dos processos a executar em cada uma das máquinas do sistema que se passam a descrever. Na máquina CAPTURE decorre a captura do sinal de vídeo em formato MPEG1. Uma vez terminada a emissão do programa em captura, procede-se na máquina PRO- CESS à extracção do audio a partir do vídeo MPEG para formato RAW, passando de seguida à detecção dos jingles. Seguidamente arranca na máquina CAPTURE o processo de conversão para o formato RealVídeo do vídeo MPEG capturado, processo este que decorre em cerca de 2,5x

9 3 Figura 1.2: ALERT Distribuição de processamento entre as diferentes máquinas do sistema do tempo de duração do programa. Simultaneamente na máquina PROCESS passase ao corte do ficheiro de áudio de acordo com o detector de jingles, à segmentação e classificação acústicas, à geração de probabilidades (para efeitos de transcrição), descodificação, indexação (segmentação e detecção de tópicos), e por fim à sumarização. Os resultados do processamento de um programa, obtidos na máquina PROCESS, são compilados num ficheiro XML ao longo de todo o processo. Este ficheiro obedece a uma DTD 3 definida para o efeito apresentada no apêndice B.1 e descrita em 4.2. Concluída a geração do ficheiro XML a máquina SERVICE), responsável pelo serviço SSNT, garante o carregamento da informação do XML numa base de dados (BD-SSNT mantida nesta máquina) e o armazenamento do ficheiro de vídeo (no formato RealVídeo) do programa processado. Paralelamente a esta sequência de processos, na máquina SERVICE responsável pelo serviço SSNT, garantem-se os serviços de servidor HTTP e de servidor Streaming Media (RTSP 4 ). Esta máquina corre também continuamente os serviços de envio de (geração de alertas) aos clientes registados, bem como o serviço de matching, responsável pelo estabelecimento da correspondência entre perfis de utilizador e classificação das notícias segmentadas. Este serviço, denominado matching, é utilizado quer pelo processo de envio de , quer pela camada de apresentação web que utiliza este recurso através do motor de pesquisa sobre as notícias ( Story ) armazenadas na BD-SSNT, e que por sua vez as apresenta na página de resultados do website do servidor SSNT-Service. 3 DTD: Do inglês: Document Type Definition - define a estrutura de um documento XML 4 RTSP: Do inglês: Real Time Streaming Protocol

10 4 1.4 Estrutura do Relatório Concluí-se assim a apresentação do sistema ALERT. O capítulo que se segue, capítulo 2, apresenta o módulo de Sumarização da fase de Processamento do sistema ALERT e a descrição da sua implementação. O servidor SSNT-Service é abordado nos dois capítulos seguintes, capítulos 3 e 4. No capítulo 3 pretende-se identificar os módulos nucleares a implementar e fazer uma primeira abordagem à metodologia utilizada no cumprimento dos objectivos de cada um desses módulos. Começa-se por apresentar a estrutura do servidor SSNT-Service, segue-se o processo de escolha das tecnologias e concluí-se com a análise a cada um dos módulos identificados. No capítulo 4 procede-se isoladamente à descrição detalhada da implementação de cada um destes módulos, assim como outras tarefas que serviram de suporte à implementação. O relatório termina com o capítulo 5 com as conclusões do projecto onde se avaliam os resultados obtidos face aos compromissos iniciais.

11 Capítulo 2 Sumarização Com a explosão da quantidade de informação multimédia acessível nos nossos dias, surge a necessidade de desenvolver sistemas que permitam facilitar a sua pesquisa. Esta explosão deve-se fundamentalmente ao crescimento na difusão de informação através da web. Da mesma forma, a web é uma fonte de informação que já faz parte do nosso diaa-dia. No entanto, tem-se verificado que as ferramentas actuais de busca de informação são, em geral, pouco eficientes. Os resultados produzidos por estas ferramentas levam os utilizadores a ler documentos com grandes quantidades de texto o que justifica a necessidade de ferramentas de sumarização automática. No âmbito deste projecto pretende-se, através do SSNT-Service, fazer chegar ao cliente as notícias processadas com um título e sumário associados. Ao processo de geração de título e sumário deu-se o nome de Sumarização. A Sumarização é realizada sobre as transcrições das notícias previamente segmentadas e classificadas, sendo por isso a última etapa da fase de processamento (ver 1.3). 2.1 Introdução Em geral, um sistema de sumariar automaticamente tem como objectivo representar de uma forma condensada o conteúdo do seu input num formato interpretável pelo Homem. O processo de sumariar automaticamente é referido como sumarização, e para referência à aplicação desenvolvida que efectua a sumarização usa-se o nome Sumarizer. De uma forma abstracta, a sumarização pode ser vista em termos de 3 fases[2][3][5]: Análise - fase de análise do documento a sumariar e construção de uma representação interna. Transformação - fase de transformação da representação interna do documento numa representação interna do seu sumário. 5

12 6 Síntese - fase de tradução da representação interna do sumário em linguagem natural. Os métodos de sumarização podem classificar-se quanto ao nível de domínio linguístico que atingem. Nas aproximações mais superficiais não se vai muito além do domínio sintáctico, sendo dominante a fase de análise. Tipicamente este tipo de abordagens produzem um conjunto de citações, por extracção de frases ou sequências de palavras. São métodos mais vantajosos na medida em que não necessitam de geração efectiva de frases nem de análises semânticas e por isso são normalmente mais robustos. Como desvantagens há a apontar a possibilidade da extracção de frases fora de contexto ou incoerentes. Em aproximações mais vastas é usado pelo menos um nível de representação semântica do documento. Nestas aproximações é necessário ter componentes que façam análise morfológica, sintáctica e semântica, o que as torna significativamente mais complexas que as anteriores. Revelam-se mais eficazes quando dotadas de algoritmos orientados a determinado tipo de informação, sendo por isso sido usadas em sistemas de sumarização de documentos de tópico bem definido. A adaptabilidade destes métodos está directamente relacionada com o formato de entrada, a taxa de compressão de informação, os utilizadores, a função ou objectivo, a língua, o tipo de informação, o formato de saída, entre outros. Em particular, no caso do sistema ALERT pretende-se realizar um breve sumário como antevisão do que trata uma determinada notícia e da informação que ela possa conter. As características do sistema são essencialmente as seguintes: formato de entrada: conjunto de transcrições automaticamente geradas em língua falada (potenciais frases). compressão: geração de 2 a 4 frases acerca da notícia de dimensão variável. utilizadores: qualquer pessoa interessada em informação noticiosa em português. objectivo: essencialmente indicativo, para ajudar o utilizador a decidir sobre o acesso ao conteúdo de toda a notícia. língua: essencialmente portuguesa. tipo de informação: qualquer informação susceptível de ser notícia, de tópico indefinido. formato de saída: frases sintáctica e morfologicamente correctas, na forma narrativa. Atendendo a estas características desenvolver-se-á a análise de soluções de sumarização por extracção para avaliar a sua adaptabilidade às necessidades deste projecto. As abordagens de nível semântico não se revelam adequadas ao sistema ALERT, quer pelas características acima apresentadas quer pela sua complexidade (que está além dos objectivos deste projecto).

13 7 2.2 Sumarização por Extracção Neste tipo de métodos a análise é a fase dominante, sendo as fases de transformação e síntese opcionais. Caracterizam-se, também por isso, por serem soluções de baixo custo ao nível do processamento. Tomando como base o clássico trabalho de Edmundson [1] verificamos que o processo de extracção se baseia na avaliação das características principais de uma dada frase e/ou documento. O método consiste em atribuir pontuação às frases do documento para escolha das frases a extrair, em função da pontuação atribuída a cada uma dessas características. Edmundson considerou como características principais para uma dada frase: presença de palavras pista, extraídas com base na sua frequência em todo o corpus. presença de palavras de título, extraídas do título. presença de palavras-chave, extraídas com base na sua frequência por documento. localização da frase, relativa ao documento. A cada uma destas características associou um peso que determinou através de um conjunto de treino. A escolha destas características é empírica e baseia-se em métodos de sumarização manual, no entanto este processo revelou-se bastante eficaz e tornou-se uma referência para grande parte dos sistemas até hoje desenvolvidos[4]. 2.3 Aplicabilidade dos Métodos A aplicabilidade destes métodos de sumarização ao sistema ALERT é questionável na medida em que se aplicam a sumarização de texto, normalmente na forma narrativa, sintáctica e morfologicamente correcto. No caso do sistema ALERT a informação encontra-se na forma de um conjunto de transcrições, geradas automaticamente, em língua falada e associadas a um conjunto de meta dados (de acordo com a DTD no apêndice B.1). Analisando o corpus existente (ver no apêndice B.2 um exemplo de um programa) verificamos ter: transcrições de língua falada; falta de pontuação, cada transcrição é normalmente um segmento de uma frase; baixo nível de coesão do texto; coerência de texto afectada por erros de reconhecimento;

14 8 presença de meta dados com erro associado à respectiva detecção automática: classificação acústica (AudioType) detecção de orador (SpeakerID) detecção de género do orador (Gender) detecção da língua do orador (SpeakerLanguage) probabilidade de confiança no reconhecimento de cada palavra (Word::Conf) segmentação acústica para delimitação de frases (TranscriptWordList) segmentação de um programa em notícias (StorySegment) detecção de tópicos (Descriptor) detecção de palavras chave (RelevantWords) corpus existente insuficiente quantitativa e qualitativamente para desenvolvimento de um sistema de treino, a detecção automática dos meta dados acima está ainda em desenvolvimento. Como se pretende um sumário em estilo narrativo e/ou linguagem natural, há que equacionar a necessidade de conversão das transcrições de língua falada em língua natural. Assim, a adaptabilidade destes métodos depende essencialmente da realização dos seguintes passos: correcção morfológica das transcrições para a forma de diálogos; geração dos diálogos numa forma narrativa (sendo o pivot o narrador, p.e.) com o objectivo de identificar quem disse o quê sobre quem/o quê. extracção de frases pista: léxico de palavras pista - associadas ao(s) tópico(s) no qual a notícia foi classificada; resolução de formas do léxico (passar verbos para o tempo verbal infinitivo, passar para o singular, etc.); requisitos de implementação do método da extracção: conjunto de treino na forma narrativa. extracção manual de frases pista. desenvolvimento e teste do algoritmo de sumarização.

15 9 Para realizar estes passos será necessário recorrer a uma ferramenta de análise e correcção morfológica, bem como uma ferramenta de conversão de diálogos para forma narrativa recorrendo ambas aos meta dados gerados. De notar que o desempenho do algoritmo de sumarização virá afectado pelos erros associados a esses meta dados. Verificamos assim que os métodos de sumarização por extracção são insuficientes para o caso do sistema ALERT mas aplicáveis. As características particulares dos documentos gerados pelo sistema ALERT devem ser exploradas no sentido de determinar uma medida de pontuação das frases a extrair. 2.4 Sumarizer Planeamento Na abordagem que se tomou, descrita de seguida, assumiu-se uma correcta segmentação das notícias do programa de informação televisivo. Assim, optou-se por explorar a característica mais evidente e importante dos documentos a tratar: o facto de cada notícia ser composta normalmente por uma introdução apresentada pelo pivot do programa seguida de uma reportagem ou entrevista. Atendendo a que as primeiras n transcrições de cada notícia se referem a m<n frases e assumindo que foram proferidas pelo pivot verificou-se que, para um sumário de 2 a 4 frases são necessárias cerca de 5 transcrições. Para determinação do título recorreu-se a este conjunto de transcrições, por simplicidade, e determinou-se empiricamente que a primeira transcrição seria a mais indicada. A aplicação Sumarizer é responsável pela geração de Título e Sumário para cada uma das notícias do programa, efectuada de acordo com a descrição anterior. Tem como entrada um ficheiro XML de acordo com a DTD em que os elementos Title e Abstract estão vazios e como saída o mesmo ficheiro com estes elementos preenchidos. Esta aplicação implementa um parser de XML 1 em Java 2 que recorre à framework Apache Xerces 3 dada a sua modularidade e simplicidade. Esta framework (sob a licença do tipo open-source: The Apache Software License 4 ) é uma das mais comuns para o desenvolvimento de parsers de XML em Java fornecendo suporte para SAX 5 e DOM 6 (API s de XML). SAX é um standard que estabelece uma API de XML, possui uma arquitectura orientada ao tratamento de eventos e faz o stream do documento XML, sem necessitar por isso de ter acesso ao documento como um todo

16 10 DOM é também uma API de XML, possui uma arquitectura que representa um documento XML em árvore permitindo navegar e extrair dados a partir dessa estrutura, para isso necessita de importar previamente todo o ficheiro para memória. Programas em SAX caracterizam-se por serem mais rápidos do que os seus equivalentes em DOM, mas ao contrário destes últimos são sensíveis a qualquer alteração na estrutura do XML (DTD) e são também de difícil extensão. A capacidade de navegar numa estrutura em árvore (DOM) aliada a uma linguagem de pesquisa sobre os nós dessa árvore (como XPath 7 ) torna a manipulação do documento de XML bastante flexível criando condições para implementar uma estrutura que permita extensibilidade. Assim, utilizando XPath a aplicação Sumarizer pode isolar o processo de pesquisa e actualização do XML do algoritmo de sumarização propriamente dito permitindo a actualização futura do algoritmo de sumarização. XPath é uma linguagem para pesquisa de dados em documentos XML em estruturas do tipo DOM. Não existindo ainda uma ferramenta para validar o XML gerado pelo sistema ALERT e sendo o processo de sumarização o último passo na geração do XML integra-se no Sumarizer a validação sintáctica do documento XML Arquitectura O Sumarizer, aplicação responsável pela geração de título e sumário para cada notícia do XML, começou por ser desenvolvido com um parser em SAX. Apesar da relativa facilidade de desenvolvimento desta primeira versão e da sua eficiência, tratava-se de uma aplicação fechada e dependente do algoritmo de sumarização. Como não se pretendia tornar o algoritmo de sumarização definitivo, optou-se então por uma arquitectura modular que o permitisse substituir. Assim, a arquitectura nesta nova versão permite isolar o algoritmo de sumarização dos processos de parsing, validação e actualização do ficheiro XML. A figura 2.1 apresenta a arquitectura da segunda versão do Sumarizer. A arquitectura do Sumarizer pode ser dividida em 3 camadas: análise (parsing e validação), gestão de informação (pesquisa e actualização), e operação (sumarização). Na camada de análise utilizou-se a framework xerces2 java parser (Apache XML Project). Para desenvolvimento do parser utilizou-se a sua implementação DOM e para a validação de XML a implementação SAX. Na camada de pesquisa e actualização desenvolveu-se uma classe auxiliar para extracção e actualização de dados sobre estruturas de XML em DOM. Esta classe recorre à linguagem de pesquisa Xpath e utiliza a implementação Xalan-J(Apache XML Project). Possui também a funcionalidade de gerar um ficheiro XML a partir da respectiva representação em DOM. 7

17 11 Figura 2.1: Arquitectura do Sumarizer. A classe que implementa o algoritmo de sumarização constitui a camada de operação. A partir desta classe pode definir-se um interface para futura actualização do algoritmo de sumarização pela sua simples substituição Implementação Figura 2.2: Diagrama de actividades do Sumarizer. A figura 2.2 apresenta o ciclo de actividades realizadas no processo de sumarização das notícias de um ficheiro XML. Após a validação sintáctica do XML seleccionam-se todas as notícias que este contém, através do query em Xpath: child::storysegment[child::storytype = \ report\ ] Para cada notícia, cada nó do resultado, seleccionam-se as respectivas transcrições, descritores e palavras relevantes pelos 3 queries seguintes respectivamente:

18 12 descendant::transcriptsegment descendant::thematicdescriptorlist descendant::geographicdescriptorlist descendant::onomasticdescriptorlist descendant::storyrepresentation O resultado destes 3 queries, que contém toda a informação relativa a uma notícia (presente no XML), é enviado ao algoritmo de sumarização para geração de título e sumário. O algoritmo de sumarização implementado foi o descrito no ponto 2.4 Como referência para desenvolvimento futuro efectuou-se a documentação das classes que compõem o Sumarizer Utilização Embora o Sumarizer tenha sido integrado no sistema ALERT ao nível do processamento pode ser usado como uma aplicação isolada disponibilizando as seguintes funcionalidades: validação sintáctica de XML: #java SAXValidator\$TestSAXValidator <in-xml filename> geração de título: #java SumXML -not <in-xml filename> <out-xml filename> geração de sumário: #java SumXML -noa <in-xml filename> <out-xml filename> geração de título e sumário: #java SumXML <in-xml filename> <out-xml filename> Para usar qualquer destas funcionalidades é necessário um ficheiro com a respectiva DTD, referenciada no ficheiro XML, ter instalado o J2RE e a variável de ambiente classpath deve conter: <sumarizer2 path>;<xercesimpl.jar path>;<xml-apis.jar path>;<xalan.jar path> Em alternativa a esta última condição, invocar a JVM 8 com a opção -classpath especificando esta path. 8 Java Virtual Machine

19 Limitações e Recomendações Em conclusão, o desempenho do Sumarizer é condicionado pela utilização de DOM e pela arquitectura desenvolvida de suporte à modularidade e extensibilidade. Esta quebra de desempenho pode, ou não, ser uma condicionante num sistema real, mas é sem dúvida preferível para efeitos de desenvolvimento e teste de diferentes algoritmos de sumarização. Ficou por definir o interface para diferentes implementações do algoritmo de sumarização, mas este corresponde aos métodos públicos da classe Sumarizer desenvolvida. O ficheiro XML gerado pelo Sumarizer contém os atributos dos diversos elementos ordenados por ordem alfabética o que torna o ficheiro menos agradável de ler, embora o XML gerado seja válido. A validação do XML é apenas sintáctica não garantindo a inexistência de erros no XML. Tal seria possível com uma validação semântica que implicaria uma reestruturação do XML devido à existência de ligeiras ambiguidades descritas na secção 4.2(onde se descrevem as Limitações).

20 Capítulo 3 Análise e Planeamento do Servidor SERVICE 3.1 Como Funciona O servidor SERVICE, apresentado em 1.3, é como o nome indica responsável pela prestação do serviço aos clientes do sistema SSNT-Service. O SSNT-Service constitui a parte do sistema ALERT responsável pelo armazenamento e acesso às notícias por parte dos utilizadores. Disponibiliza simultaneamente o serviço de um motor de busca (através de um site na web) e de um mensageiro (através do envio de mail) de notícias. O funcionamento do sistema permite então dois modos. Num modo o utilizador pode especificar o seu perfil definindo os assuntos/temas que lhe interessam. Num instante especificado será enviado um ao utilizador com os títulos e sumários das notícias e com links para o ficheiro em RealVideo, correspondente aos últimos programas noticiosos processados. No segundo modo o utilizador acede a um website onde tem a possibilidade de fazer uma pesquisa no sistema, definindo o assunto/tema que lhe interessa, sendo retornados os títulos e sumários das notícias que se adequam à pesquisa do utilizador. Igualmente é indicado para cada notícia, o link para o ficheiro em RealVideo disponível no website da RTP. 3.2 Estrutura SSNT-Service A figura 3.1 ilustra a estrutura do SSNT-Service e apresenta algumas correcções face à estrutura proposta no relatório intercalar. O SSNT-Service implementa os dois modos acima descritos fundamentalmente através de queries à base de dados. De acordo com a figura 3.1, a implementação deste sistema baseia-se no desenvolvimento das seguintes estruturas: Modos: envio de e pesquisa directa no website: 14

Capítulo 1. Linguagens e processadores

Capítulo 1. Linguagens e processadores Capítulo 1. 1. Linguagens 1.1. Definição Definição : Uma linguagem L sobre um alfabeto, também designado com frequência por vocabulário, V, é um conjunto de frases, em que cada frase é uma sequência de

Leia mais

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML 1 1. : Conceitos Básicos 2. Aplicação : XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata 2 é um acrônimo para EXtensible Markup Language é uma linguagem de marcação muito parecida com HTML foi designada para descrever

Leia mais

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Alunos: Justino Santos, Paulo Neto E-mail: eic10428@student.estg.ipleiria.pt, eic10438@student.estg.ipleiria.pt Orientadores: Prof. Filipe Neves, Prof. Paulo Costa

Leia mais

Motor de Pesquisa Baseado na Web Semântica

Motor de Pesquisa Baseado na Web Semântica Motor de Pesquisa Baseado na Web Semântica Rui Gaspar, Ricardo Clemente {ruiandre, ricjorge}@student.dei.uc.pt Resumo: Com este projecto pretende-se desenvolver um motor de pesquisa, que implemente conceitos

Leia mais

4 Conversor EDTV Raw. 4.1 Arquitetura

4 Conversor EDTV Raw. 4.1 Arquitetura 4 Conversor EDTV Raw O conversor EDTV Raw é o programa que lê um documento escrito no perfil NCL EDTV e gera um documento Raw equivalente, i.e. que define a mesma apresentação. Este capítulo, apresenta

Leia mais

TECNOVOZ Tecnologias de Reconhecimento e Síntese de Voz

TECNOVOZ Tecnologias de Reconhecimento e Síntese de Voz TECNOVOZ Tecnologias de Reconhecimento e Síntese de Voz Investigação e Desenvolvimento na área tecnológica do Processamento da Fala aplicada às necessidades das empresas João P. Neto 1 O que é o TECNOVOZ

Leia mais

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA Sandra CARVALHO 1, Pedro GALVÃO 2, Cátia ALVES 3, Luís ALMEIDA 4 e Adélio SILVA 5 RESUMO As empresas de abastecimento de água gerem diariamente

Leia mais

Linguateca e Processamento de Linguagem Natural na Área da Saúde: Alguns Comentários e Sugestões

Linguateca e Processamento de Linguagem Natural na Área da Saúde: Alguns Comentários e Sugestões Capítulo 7 Linguateca e Processamento de Linguagem Natural na Área da Saúde: Alguns Comentários e Sugestões Liliana Ferreira, António Teixeira e João Paulo da Silva Cunha Luís Costa, Diana Santos e Nuno

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

Relatório Técnico do projecto ARIADNE. Interface de utilizador do NewsSearch

Relatório Técnico do projecto ARIADNE. Interface de utilizador do NewsSearch Relatório Técnico do projecto ARIADNE Praxis XXI Interface de utilizador do NewsSearch Carlos Correia Norman Noronha Daniel Gomes Junho de 2000 Índice 1. INTRODUÇÃO...3 1.1 MOTIVAÇÃO...3 1.2 PROPOSTO...3

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO Marcelo Karpinski Brambila 1, Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 1 Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação da ULBRA Guaíba < mkbrambila@terra.com.br

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

Lisboa, 18 de Janeiro de 2004

Lisboa, 18 de Janeiro de 2004 Lisboa, 18 de Janeiro de 2004 Realizado por: o Bruno Martins Nº 17206 o Cátia Chasqueira Nº 17211 o João Almeida Nº 17230 1 Índice 1 Índice de Figuras... 3 2 Versões... 4 3 Introdução... 5 3.1 Finalidade...

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

EasyNews, um projecto!

EasyNews, um projecto! EasyNews, um projecto! >Francisco Vitor Gomes Salvador Capitão Art Introdução O presente artigo foi elaborado com o intuito de dar a conhecer o trabalho desenvolvido no âmbito da Unidade Curricular de

Leia mais

REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES II 2005 / 2006

REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES II 2005 / 2006 UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Electrotécnica REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES II 2005 / 2006 Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e

Leia mais

Bases de dados semi-estruturadas, XML

Bases de dados semi-estruturadas, XML Bases de dados semi-estruturadas, XML Fernando Lobo Base de Dados, Universidade do Algarve 1 / 40 Modelo de informação semi-estruturado Esquema está impĺıcito nos dados. Ao invés do modelo relacional,

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G Escola Superior de Gestão de Santarém Pedido de Registo do CET Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Peça Instrutória G Conteúdo programático sumário de cada unidade de formação TÉCNICAS

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA. Text PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA. Text PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt Text GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30

Leia mais

7 Conclusões. 7.1 Retrospectiva do trabalho desenvolvido. Capítulo VII

7 Conclusões. 7.1 Retrospectiva do trabalho desenvolvido. Capítulo VII Capítulo VII 7 Conclusões Este capítulo tem como propósito apresentar, por um lado, uma retrospectiva do trabalho desenvolvido e, por outro, perspectivar o trabalho futuro com vista a implementar um conjunto

Leia mais

MIG - Metadados para Informação Geográfica

MIG - Metadados para Informação Geográfica MIG - Metadados para Informação Geográfica Introdução à Norma ISO 19115 Henrique Silva, Instituto Geográfico Português, hsilva@igeo.pt Lisboa, 14 de Fevereiro de 2008 Metadados para Informação Geográfica

Leia mais

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1.

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Unidade 4 Concepção de WEBSITES Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Sobre o conteúdo 1 Regras para um website eficaz sobre o conteúdo Um website é composto

Leia mais

Um compilador é um programa que lê um programa escrito numa dada linguagem, a linguagem objecto (fonte), e a traduz num programa equivalente

Um compilador é um programa que lê um programa escrito numa dada linguagem, a linguagem objecto (fonte), e a traduz num programa equivalente Capítulo 1 Introdução Um compilador é um que lê um escrito numa dada linguagem, a linguagem objecto (fonte), e a traduz num equivalente numa outra linguagem, a linguagem destino Como parte importante neste

Leia mais

WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL

WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL 232 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL Stevan D. Costa1, Alexandre T. Lazzaretti1, Anubis

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Relatório Apresentação Java Server Pages Adolfo Peixinho nº4067 Nuno Reis nº 3955 Índice O que é uma aplicação Web?... 3 Tecnologia Java EE... 4 Ciclo de Vida de uma Aplicação

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle

Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle Luís Filipe Borges Pinto Resumo: Este projecto consiste na implementação de uma aplicação WEB para monitorização

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Departamento de Sistemas e Informática Projecto Final Computação na Internet Ano Lectivo 2002/2003 Portal de Jogos Executado por:

Leia mais

Alberto Manuel Simões, José João Almeida, and Xavier Gomez Guinovart

Alberto Manuel Simões, José João Almeida, and Xavier Gomez Guinovart Memórias de Tradução Distribuídas Alberto Manuel Simões, José João Almeida, and Xavier Gomez Guinovart Departamento de Informática, Universidade do Minho {albie@alfarrabio. jj@}di.uminho.pt Universidade

Leia mais

OCL: Object Constraint Language

OCL: Object Constraint Language OCL: Amílcar Domingos Rodrigues Santy Fernandes, Girson César Silva Monteiro, Rui Sá Guerra, Simão Castro Faculdade de Engenharia da Universidade Do Porto, Rua Dr. Roberto Frias, s/n 4200-465 Porto, Portugal

Leia mais

Tutorial. Introdução ao XML e tecnologias associadas. Aplicações e dialectos XML. Sessão 4. 8-10 Fevereiro XATA 06

Tutorial. Introdução ao XML e tecnologias associadas. Aplicações e dialectos XML. Sessão 4. 8-10 Fevereiro XATA 06 Tutorial Introdução ao XML e tecnologias associadas Sessão 4 Aplicações e dialectos XML Miguel Ferreira mferreira@dsi.uminho.pt Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Minho Conteúdo Vantagens

Leia mais

Gestão de projectos na Web

Gestão de projectos na Web Gestão de projectos na Web Relatório de desenho de alto nível Versão 1.0, 5 de Maio de 2003 Telmo Pedro Gomes Amaral (mee02013@fe.up.pt) (Grupo 15) Aplicações na Web Mestrado em Engenharia Electrotécnica

Leia mais

Aplicações Informáticas B

Aplicações Informáticas B Prova de Exame Nacional de Aplicações Informáticas B Prova 703 2008 12.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Para: Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Inspecção-Geral

Leia mais

Plano de Projecto Multimédia

Plano de Projecto Multimédia Plano de Projecto Multimédia Equipa: (nomes dos elementos e emails respectivos) Vitor Manuel Gonçalves vg@ipb.pt Armindo Dias armindo.dias@dhvmc.pt Definição de objectivos: (indique os objectivos principais

Leia mais

Guia de Consulta Rápida. PHP com XML. Juliano Niederauer. Terceira Edição. Novatec

Guia de Consulta Rápida. PHP com XML. Juliano Niederauer. Terceira Edição. Novatec Guia de Consulta Rápida PHP com XML Juliano Niederauer Terceira Edição Novatec Copyright 2002 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30 (MARCAÇÃO

Leia mais

Sistema de Tratamento Automático da Declaração de Introdução no Consumo e do Documento Administrativo de Acompanhamento

Sistema de Tratamento Automático da Declaração de Introdução no Consumo e do Documento Administrativo de Acompanhamento AUTOR: DGITA DATA: 2007-02-22 VERSÃO: 1.0 Sistema de Tratamento Automático da Declaração de Introdução no Consumo e do Documento Administrativo de Acompanhamento Sistema de Impostos Especiais sobre o Consumo

Leia mais

Módulo I MOTORES DE BUSCA NA INTERNET

Módulo I MOTORES DE BUSCA NA INTERNET Módulo I MOTORES DE BUSCA NA INTERNET Introdução Pesquisa de Informação de carácter genérico Pesquisa de Informação em Bases de Dados Utilização de dicionários on-line Ferramentas de tradução on-line 1

Leia mais

Bases de Dados. Bibliografia. 1. Parte I Componente Teórica. Pedro Quaresma

Bases de Dados. Bibliografia. 1. Parte I Componente Teórica. Pedro Quaresma Índice Bases de Dados Pedro Quaresma Departamento de Matemática Universidade de Coimbra 2010/2011 1. Parte I Componente Teórica 1.1 Introdução 1.2 Modelo ER 1.3 Modelo Relacional 1.4 SQL 1.5 Integridade

Leia mais

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP Trabalho Nº 4 - VoIP 1. Introdução A utilização de tecnologia VoIP como alternativa às redes telefónicas tradicionais está a ganhar cada vez mais a aceitação junto dos utilizadores, e está sobretudo em

Leia mais

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto O projecto a desenvolver pelos alunos consistirá numa sistema de monitorização,

Leia mais

Introdução aos Algoritmos e Estruturas de Dados 2011/2012

Introdução aos Algoritmos e Estruturas de Dados 2011/2012 INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Introdução aos Algoritmos e Estruturas de Dados 2011/2012 Enunciado do 2 o Projecto Data de entrega: 11 de Novembro de 2011 às 23h59 1 Introdução O EuroMilhões é uma lotaria

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

Planificações 2012/2013. Tecnologias da Informação e Comunicação. 2ºAno. Escola Básica Integrada de Pedome. C E F Apoio à Família e à Comunidade

Planificações 2012/2013. Tecnologias da Informação e Comunicação. 2ºAno. Escola Básica Integrada de Pedome. C E F Apoio à Família e à Comunidade Planificações 2012/2013 Tecnologias da Informação e Comunicação C E F Apoio à Família e à Comunidade 2ºAno Escola Básica Integrada de Pedome Grupo Disciplinar de Informática Planificação a Longo Prazo

Leia mais

YTV. Porque o mundo evoluiu. YCommerceTV. Plataforma de Desenvolvimento de Televisoes online

YTV. Porque o mundo evoluiu. YCommerceTV. Plataforma de Desenvolvimento de Televisoes online YTV YCommerceTV Plataforma de Desenvolvimento de Televisoes online Porque o mundo evoluiu. O Projecto A empresa PARTTEAM foi fundada em 2000 e é uma empresa global de soluções web e multimédia. Em 2001

Leia mais

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. Licenciatura em Engenharia Informática e Computadores Alameda e Taguspark

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. Licenciatura em Engenharia Informática e Computadores Alameda e Taguspark UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Licenciatura em Engenharia Informática e Computadores Alameda e Taguspark Sistemas Distribuídos e Engenharia de Software Projecto de 2010/2011

Leia mais

3 ao Quadrado - Agenda Web

3 ao Quadrado - Agenda Web 3 ao Quadrado - Agenda Web Relatório de Gestão de Projectos de Software - Grupo A - LEIC 2001/2002 http://gnomo.fe.up.pt/gps01a João Montenegro - ei97023@fe.up.pt André Teixeira - ei97024@fe.up.pt Carlos

Leia mais

Laboratório de sistemas de Língua Falada

Laboratório de sistemas de Língua Falada Laboratório de sistemas de Língua Falada 1 Sobre o L 2 F Historial Trabalho no Proc. Comp. do Português falado desde o início dos anos 90 Criação: 2001 Objectivo Juntar diversos grupos na área do processamento

Leia mais

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de:

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de: i Sumário 1 Introdução 1 1.1 Linguagens....................................... 1 1.2 O que é um Compilador?................................ 2 1.3 Processadores de Programas: Compiladores, Interpretadores

Leia mais

EDUTec Learning. José Paulo Ferreira Lousado

EDUTec Learning. José Paulo Ferreira Lousado EDUTec Learning MANUAL DO UTILIZADOR José Paulo Ferreira Lousado Índice Página Principal... ii Página de Desenvolvimento de Conteúdos... iii Página de Comunicações...iv Página de Transferência de Ficheiros...vi

Leia mais

Escola Secundária da Trofa Aplicações Informáticas A 11º Ano Curso Tecnológico de Informática T E S T E T I P O

Escola Secundária da Trofa Aplicações Informáticas A 11º Ano Curso Tecnológico de Informática T E S T E T I P O Grupo I (Utilização de Sistemas Multimédia) 1. Indique os atributos elementares das imagens 2. Complete as seguintes afirmações de forma a torná-las verdadeiras: a. A resolução de uma imagem digital é

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000

Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000 Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000 Serviços HP Dados técnicos O Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000

Leia mais

Portal da Imprensa Regional. Actualizações e Correcções

Portal da Imprensa Regional. Actualizações e Correcções Portal da Imprensa Regional Actualizações e Correcções Índice Versão: 3.1.3... 3... 3 BackOffice... 3 Versão: 3.0.1... 3... 3 BackOffice... 3 Versão: 3.0.0... 4... 4 BackOffice... 4 Histórico de Versões...

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software 2º Semestre de 2006/2007 Terceiro enunciado detalhado do projecto: Portal OurDocs ic-es+alameda@mega.ist.utl.pt ic-es+tagus@mega.ist.utl.pt 1. Introdução O terceiro enunciado do

Leia mais

ACÇÃO 1.1.2 INVESTIMENTOS DE PEQUENA DIMENSÃO GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO

ACÇÃO 1.1.2 INVESTIMENTOS DE PEQUENA DIMENSÃO GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ACÇÃO 1.1.2 INVESTIMENTOS DE PEQUENA DIMENSÃO GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO INSTRUÇÕES PARA UMA CORRECTA UTILIZAÇÃO DO FORMULÁRIO Funcionamento genérico Os formulários estão disponíveis apenas nos

Leia mais

Projecto de Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos 2009-10. Requisitos para a 3ª entrega do projecto. FeaRSe.

Projecto de Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos 2009-10. Requisitos para a 3ª entrega do projecto. FeaRSe. Departamento de Engenharia Informática Engenharia de Software, Sistemas Distribuídos Requisitos para a 3ª entrega do projecto FeaRSe 6 de Maio de 2010 Índice Índice... 1 1 Sumário... 2 2 Requisitos...

Leia mais

Introdução. Aulas. ltodi.est.ips.pt/es. Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas

Introdução. Aulas. ltodi.est.ips.pt/es. Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas Sumário Introdução Joaquim Filipe João Ascenso Engenharia de Software 2005/06 EST, Setúbal Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas 2

Leia mais

Enunciado do Projecto

Enunciado do Projecto C O M P U T A Ç Ã O M Ó V E L 2 0 0 7 / 2 0 0 8 Enunciado do Projecto 17 de Março de 2008 1. Objectivos Desenvolver uma aplicação num domínio aplicacional específico que envolva replicação e sincronização

Leia mais

Laboratório 4 Validação do Formulário

Laboratório 4 Validação do Formulário Laboratório 4 Validação do Formulário Introdução Agora que já definimos os nossos documentos usando xhtml e já os embelezámos através da utilização das CSS, está na hora de validar a informação que o utilizador

Leia mais

Documentação técnica da plataforma de avaliação

Documentação técnica da plataforma de avaliação Apêndice D Documentação técnica da plataforma de avaliação D.1 Instalação e configuração Os módulos foram desenvolvidos por Nuno Seco, Nuno Cardoso e Rui Vilela, e encontram-se disponíveis no sítio do

Leia mais

Documentos Electrónicos

Documentos Electrónicos Documentos Electrónicos Define-se como Documento electrónico todo o documento produzido em computador integrado em sistemas e redes, não tendo existência própria se for deslocado do sistema de informação

Leia mais

Manual do Utilizador

Manual do Utilizador Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Electrotécnica e Computadores Software de Localização GSM para o modem Siemens MC35i Manual do Utilizador Índice

Leia mais

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD)

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Prod_Forn N N 1 Stock 1 1 N Prod_Enc N 1 N 1 Fornecedor Movimento Encomenda Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Ferramenta de modelação gráfica,

Leia mais

Estrutura de um endereço de Internet

Estrutura de um endereço de Internet Barras do Internet Explorer Estrutura de um endereço de Internet Na Internet, cada servidor tem uma identificação única, correspondente ao endereço definido no IP (Internet Protocol). Esse endereço é composto

Leia mais

Departamento de Informática

Departamento de Informática Departamento de Informática Licenciatura em Engenharia Informática Sistemas Distribuídos exame de recurso, 9 de Fevereiro de 2012 1º Semestre, 2011/2012 NOTAS: Leia com atenção cada questão antes de responder.

Leia mais

Departamento de Engenharia Informática Engenharia de Software, Sistemas Distribuídos. Requisitos para a 3ª entrega do projecto.

Departamento de Engenharia Informática Engenharia de Software, Sistemas Distribuídos. Requisitos para a 3ª entrega do projecto. Departamento de Engenharia Informática Engenharia de Software, Sistemas Distribuídos Requisitos para a 3ª entrega do projecto Loja Virtual 5 de Maio de 2008 Índice Índice...2 1 Sumário...3 2 Requisitos...3

Leia mais

IDE_CIMAC O OSGeo na disponibilização de IG aos municípios do Alentejo Central. Teresa Batista, Cristina Carriço e Duarte Carreira CIMAC

IDE_CIMAC O OSGeo na disponibilização de IG aos municípios do Alentejo Central. Teresa Batista, Cristina Carriço e Duarte Carreira CIMAC IDE_CIMAC O OSGeo na disponibilização de IG aos municípios do Alentejo Central Teresa Batista, Cristina Carriço e Duarte Carreira CIMAC O projecto IDE CIMAC Enquadramento e objectivos Componentes da solução

Leia mais

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Descrição dos serviços Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Este serviço oferece serviços de Monitorização da infra-estrutura remota Dell (RIM, o Serviço ou Serviços ) conforme

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Outubro de 2003 ISBN: 972-8426-73-9 Depósito legal: 201828/03

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Outubro de 2003 ISBN: 972-8426-73-9 Depósito legal: 201828/03 FICHEIROS COM EXEMPLOS Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para conhecer os endereços de Internet de onde poderá fazer o download dos ficheiros com os exemplos deste livro. * O leitor consente,

Leia mais

ACTOS PROFISSIONAIS GIPE. Gabinete de Inovação Pedagógica

ACTOS PROFISSIONAIS GIPE. Gabinete de Inovação Pedagógica ACTOS PROFISSIONAIS GIPE Gabinete de Inovação Pedagógica Cooptécnica Gustave Eiffel, CRL Venda Nova, Amadora 214 996 440 910 532 379 Março, 2010 MULTIMÉDIA 1 GIPE - Gabinete de Inovação Pedagógica Comunicar

Leia mais

Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA

Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA Otavio Pereira Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA Orientador: Ricardo Pereira e Silva Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Informática e Estatística - INE Florianópolis

Leia mais

Metodos de Programação

Metodos de Programação Metodos de Programação Métodos de Programação Introdução Informática, Computador, Algoritmo Informática: Ciência do processamento da informação Computador: Máquina que serve para processar informação Algoritmo:

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com. IntroduçãoàTecnologiaWeb FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb

Leia mais

MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0

MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0 MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0 Alfresco é uma marca registada da Alfresco Software Inc. 1 / 42 Índice de conteúdos Alfresco Visão geral...4 O que é e o que permite...4 Página Inicial do Alfresco...5

Leia mais

manual instalação e configuração v13 1

manual instalação e configuração v13 1 manual instalação e configuração v13 1 Conteúdo Introdução... 3 Conteúdo do DVD:... 3 Instalação e configuração do ERP... 4 Instalação do ERP... 4 Configuração do ERP... 6 Como actualização de versão...

Leia mais

Estrutura de ensino/aprendizagem da Unidade Curricular Programação na Internet (PI)

Estrutura de ensino/aprendizagem da Unidade Curricular Programação na Internet (PI) Estrutura de ensino/aprendizagem da Unidade Curricular Programação na Internet (PI) Resumo A Unidade Curricular (UC) de PI trata a componente de distribuição e actualização da UI em aplicações Web. Estudam-se

Leia mais

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) /curriculum Julho de 2008 Versão 1.1 1 Introdução O objectivo deste guia é auxiliar o utilizador da Plataforma

Leia mais

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Banco de Dados de Músicas Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Definição Aplicação Web que oferece ao usuário um serviço de busca de músicas e informações relacionadas, como compositor, interprete,

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico. Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos

Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico. Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos Teresa Maria Sá Ferreira Vazão Vasques LERCI LEIC Versão 3.0 Setembro de 2005 Conteúdo

Leia mais

1 Função e criação do Programa. Relatório de desenvolvimento do projecto Programador/designer : Tiago MC Simões

1 Função e criação do Programa. Relatório de desenvolvimento do projecto Programador/designer : Tiago MC Simões Relatório de desenvolvimento do projecto Programador/designer : Tiago MC Simões 1) Função e criação do Programa 2) Lista de transacções/funções 3) Interface Gráfico do programa 4) A base de dados 4.1)

Leia mais

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU Imagina que queres criar o teu próprio site. Normalmente, terías que descarregar e instalar software para começar a programar. Com a Webnode não é preciso instalar nada.

Leia mais

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) XML Origens. HTML Problemas

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) XML Origens. HTML Problemas Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) (extensible( Markup Language ) Origens (extensible Markup Language linguagem de marcação extensível) Criada em 1996 pelo W3C (World

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Desenho de Software Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt desenho Desenho (dicionário Priberam on-line) do Lat.! designu s. m., arte de representar

Leia mais

OurDocs. Sistemas Distribuídos Engenharia de Software. Sistema de gestão documental. ic-sod@mega.ist.utl.pt ic-es@mega.ist.utl.pt

OurDocs. Sistemas Distribuídos Engenharia de Software. Sistema de gestão documental. ic-sod@mega.ist.utl.pt ic-es@mega.ist.utl.pt Sistemas Distribuídos Engenharia de Software 2º Semestre, 2006/2007 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: OurDocs Sistema de gestão documental ic-sod@mega.ist.utl.pt ic-es@mega.ist.utl.pt

Leia mais

Gestão de Projectos de Software Licenciatura em Engenharia Informática e Computação Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

Gestão de Projectos de Software Licenciatura em Engenharia Informática e Computação Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Gestão de Projectos de Software Licenciatura em Engenharia Informática e Computação Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Projecto SAPIENS Sistema de Avaliação Assistida por Computador RELATÓRIO

Leia mais

RELATÓRIO DE ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS

RELATÓRIO DE ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS RELATÓRIO DE ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS LABORATÓRIO DE GESTÃO DE PROJECTO Carlos Frias Manuel Seixas Sérgio Junior FACULDADE DE ENGENHARIA UNIVERSIDADE DO PORTO 22 Março 2013 Filipe Mota Manuel Melo Tiago

Leia mais

Sessão de Esclarecimento. Curso de Webdesign

Sessão de Esclarecimento. Curso de Webdesign Sessão de Esclarecimento Curso de Webdesign Alguns factos: A industria de serviços de Webdesign representa um mercado de $24B apenas nos EUA. Todos os meses são publicados cerca de 16M novos websites.

Leia mais

WEEBOX GESTÃO SIMPLIFICADA. Características e requisitos técnicos DE DOCUMENTOS WHITE PAPER SERIES

WEEBOX GESTÃO SIMPLIFICADA. Características e requisitos técnicos DE DOCUMENTOS WHITE PAPER SERIES WEEBOX GESTÃO SIMPLIFICADA DE DOCUMENTOS Características e requisitos técnicos WHITE PAPER SERIES Sobre o documento Identificador WP11132 Autor Luís Faria, Miguel Ferreira Contribuição Amazing Ideas Distribuição

Leia mais

Um documento XML possui Unidade lógica - os elementos Usuário "inventa" as marcas através de DTDs

Um documento XML possui Unidade lógica - os elementos Usuário inventa as marcas através de DTDs XML Um documento XML possui Unidade lógica - os elementos Usuário "inventa" as marcas através de DTDs Unidade física - as entidades Armazenamento separado dos dados Como toda linguagem de marcação: XML

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi XML e Banco de Dados de Internet Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi Motivação Diversas aplicações Web utilizam Fontes de Dados (BD); Arquitetura Cliente-Servidor (2

Leia mais