PROGRAMA de FORMAÇÃO CONTÍNUA em CUIDADOS CONTINUADOS e PALIATIVOS 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA de FORMAÇÃO CONTÍNUA em CUIDADOS CONTINUADOS e PALIATIVOS 2015"

Transcrição

1 PROGRAMA de FORMAÇÃO CONTÍNUA em CUIDADOS CONTINUADOS e PALIATIVOS 2015 Unidade de Cuidados Continuados e Paliativos do Hospital da Luz Justificação, Finalidade e Objectivos: Os Cuidados Paliativos assumem-se hoje como um imperativo ético, organizacional e um direito humano e como uma àrea de desenvolvimento técnico fundamental nos cuidados de saúde modernos. São, de acordo com a OMS, uma resposta às necessidades dos doentes que apresentam doença avançada, incurável e progressiva, e/ou com intenso sofrimento, com múltiplos sintomas em evolução, tendo como objectivo principal a garantia da melhor qualidade de vida ao doente e sua família Os seus pilares básicos assentam no controlo de todos os sintomas físicos e psicológicos, na comunicação eficaz e terapêutica, no cuidado à família e no trabalho em equipa interdisciplinar, em que todos se centram numa mesma missão e objectivos. O Hospital da Luz, ao longo destes últimos 8 anos, desenvolveu um trabalho de referência no âmbito dos Cuidados Paliativos, centrado na Unidade com esse nome e em articulação com todos os serviços do Hospital, envolvendo diferentes grupos de profissionais e especialidades. A formação contínua e a partilha dos resultados desse trabalho é, simultaneamente com o trabalho assistencial, parte integrante das nossas prioridades. Pretendemos dinamizar ao longo de 2015 um programa de formação contínua, com actividades de nível básico e intermédio, que contemple as especificidades do trabalho em Cuidados Continuados e Paliativos, continuando a abordar várias temáticas na perspectiva interdisciplinar. Pretende-se dar continuidade às actividades formativas de anos anteriores, ir diversificando os temas abordados e também que esta actividade contribua para reflectir, divulgar e credibilizar a prática dos Cuidados Paliativos. Manteremos um programa de actividades dirigidas a profissionais, a voluntários e elementos da sociedade civil, com participação mediante inscrições externas. Finalidade: Com a realização deste programa, pretende-se contribuir para o esclarecimento sobre o que são Cuidados Paliativos e, tanto quanto possível, alertar para a necessidade de adoptar atitudes facilitadoras da resolução dos problemas dos doentes em fim de vida e dos seus familiares, bem como melhorar as práticas assistenciais nessa matéria. Destinatários: médicos, enfermeiros, e outros profissionais de saúde; nº formandos variável consoante a acção formativa (será dada prioridade aqueles que desenvolvam a sua prática no âmbito dos Cuidados Paliativos e há mais tempo) 1 Unidade de C.C.Paliativos Hospital da Luz - Programa de Formação Contínua

2 2 Actividades a desenvolver: 1 Curso Básico de Cuidados Paliativos 26/27/28 Março 2 - Curso teórico-prático - Cuidados Paliativos: aperfeiçoar a comunicação 15/16 Maio 3 Workshop sobre feridas malignas 24 Setembro 4 Comemoração do Dia Internacional de Cuidados Paliativos : 1º Encontro das Unidades de C.Paliativos da Luz Saúde 15 Outubro 5 - Curso Capacitação de Cuidadores familiares de doentes paliativos e de cuidados continuados 27 Novembro 6 Simpósio - Reabilitação da pessoa em situação Paliativa Reabilitativa - 29 Junho 7 - Venha conhecer a Unidade de Cuidados Paliativos do Hospital da Luz 7 Maio e 22 Outubro 8 - Curso de Formação de Voluntários - 17 e 24 Outubro 9 Curso Cuidados Paliativos para Psicólogos 19 Novembro Unidade de C.C.Paliativos Hospital da Luz - Programa de Formação Contínua

3 3 Actividades a desenvolver: 1 Curso Básico de Cuidados Paliativos Objectivos Específicos : Conhecer os princípios dos cuidados continuados e paliativos Determinar as necessidades de um doente em cuidados continuados e paliativos, e sua família Discutir a problemática do sofrimento no fim de vida Conhecer e aplicar os princípios do controlo sintomático Abordar e monitorizar os sintomas mais frequentes na doença avançada e terminal Adequar os cuidados de saúde à fase da agonia Abordar as perícias de comunicação com doentes em fim de vida Abordar a aplicação dos princípios éticos no fim da vida Abordar as especificidades deste tipo de cuidados em ambiente de internamento Principais Conteúdos Temáticos: Filosofia dos Cuidados Paliativos e Cuidados Continuados Controlo dos sintomas; a dor, delirium, dispneia, náuseas e vómitos e outros Apoio à família Apoio no luto Trabalho em equipa; organização dos serviços Os cuidados na agonia Comunicação com o doente em fim de vida Principais problemas éticos no fim de vida Exposição teórica, discussão de casos; Trabalhos de grupo; Análise de videogravações; Simulações Datas 26/27/28 março; Curso Básico, Multidisciplinar, (18h, repartidas por 3 dias) 2 Curso teórico-prático - Cuidados Paliativos: aperfeiçoar a comunicação Pretende-se com este simpósio multidisciplinar: Sensibilizar os profissionais presentes para a especificidade e interdisciplinaridade dos Cuidados Paliativos Reflectir sobre as necessidades de um doente em cuidados paliativos e da sua família; Reconhecer a problemática do sofrimento no fim de vida; Reconhecer a importância das perícias de comunicação no apoio aos doentes em sofrimento Unidade de C.C.Paliativos Hospital da Luz - Programa de Formação Contínua

4 4 Aplicar, em ambiente de treino, algumas dessas perícias de comunicação Promover a interacção e permuta de conhecimentos entre os participantes Principais Conteúdos: Como identificar e lidar com as situações de tensão/agressividade por parte das famílias Como lidar com os pedidos da conspiração de silêncio Como transmitir más notícias Como discutir planos de cuidados e directivas avançadas Como promover uma conferência familiar Exposição teórica, discussão de casos; Trabalhos de grupo; Análise de videogravações; Simulações Datas: 15/16 Maio; (curso de nível intermédio; duração 2 dias) 3 Workshop sobre feridas malignas Pretende-se com este workshop multidisciplinar: Adquirir conhecimentos sobre a problemática das FM Conhecer a fisiopatologia das FM Adquirir conhecimentos sobre os possíveis tratamentos (Qt, Rt, entre outros) Saber abordar e monitorizar os sintomas mais frequentes nas FM Saber adequar os cuidados e os recursos disponíveis Saber promover uma abordagem global e o bem-estar do doente com FM Incidência e fisiopatologia das FM Tratamentos dirigidos à doença oncológica Problemas apresentados pelos doentes com FM Intervenção nos problemas apresentados pelos doentes com FM Discussão de casos clínicos, Exposição teórica, discussão de casos; Trabalho de grupo; Data: 24 Setembro; curso intermédio; duração 1 dia 4 Comemoração do Dia Internacional de Cuidados Paliativos : 1º Encontro das Unidades de C.Paliativos da Luz Saúde Pretende-se com este simpósio multidisciplinar: Assinalar o Dia Mundial dos Cuidados Paliativos Unidade de C.C.Paliativos Hospital da Luz - Programa de Formação Contínua

5 5 Estimular a partilha inter-pares de profissionais da área dos Cuidados Paliativos Rever os aspectos mais recentes e relevantes sobre a investigação nos tópicos discutidos O trabalho em equipa em Cuidados Paliativos Identificação dos doentes vulneráveis com necessidade de Cuidados Paliativos e articulação com as outras especialidades Actualização sobre fármacos mais usados em C.Paliativos Mitos sobre Cuidados Paliativos: a sociedade e os profissionais Exposição teórica, discussão de casos, espaço de debate; Datas: 15 Outubro ; nível intermédio; duração 1 dia 5 - Curso Capacitação de Cuidadores familiares de dentes paliativos e de cuidados continuados Pretende-se com este simpósio multidisciplinar: Transmitir conhecimentos sobre as estratégias a utilizar pelos cuidadores familiares no cuidar da pessoa dependente; Ajudar a desenvolver competências nos cuidadores familiares, que lhes permitam assumir cuidar da pessoa dependente em segurança. Riscos da imobilidade (úlceras de pressão, quedas) Recursos da comunidade (rede cuidados continuados e paliativos e outros). Mecânica corporal e ergonomia do cuidador familiar Comunicação com o doente e com a equipa Sintomas mais comuns: dor, dispneia e obstipação Posicionamentos e Transferências Higiene na cama Alimentação oral (e administração de medicação) Alimentação por sonda nasogástrica (e administração de medicação) Alimentação por PEG -Percutaneous Endoscopic Gatrostomy Unidade de C.C.Paliativos Hospital da Luz - Programa de Formação Contínua

6 6 Exposição teórica, projeção de filme e demonstração. Datas: 27 Novembro; nível básico; duração 1 dia 6 Reabilitação da pessoa em situação Paliativa Reabilitativa Pretende-se com este simpósio multidisciplinar, especialmente dirigido a enfermeiros: Dar a conhecer os critérios de doente paliativo reabilitativo, Especificar algumas intervenções dirigidas à pessoa em condição paliativa reabilitativa; Dar a conhecer o papel do Enf.º de reabilitação no controlo de sintomas da pessoa paliativa reabilitativa; Especificar os cuidados a ter na administração de inaloterapia; Transmitir conhecimentos sobre as alterações na eliminação, prevenção e reabilitação Abordar a sexualidade doa pessoa paliativa reabilitativa. Critério de admissão de um doente na tipologia de cuidados paliativos reabilitativo O papel do enfermeiro de reabilitação perante a pessoa com multipatologia O papel do enfermeiro de reabilitação no controlo sintomático em CP; A pessoa com DPOC/patologia respiratória Cuidados a ter na administração da inaloterapia Reabilitação motora da pessoa em situação paliativa reabilitativa: Promoção do autocuidado nas atividades de vida diária. Alterações da Eliminação (Prevenção, Promoção e Reabilitação). A Sexualidade do doente paliativo reabilitativo Exposição teórica, discussão de caso e debate. Data: 29 Junho nível intermédio; duração - 1 dia 7 - Venha conhecer a Unidade de Cuidados Paliativos do Hospital da Luz Pretende-se com este workshop dirigido a profissionais e não profissionais: Divulgar os princípios dos Cuidados Paliativos junto da sociedade civil e dos não profissionais Unidade de C.C.Paliativos Hospital da Luz - Programa de Formação Contínua

7 7 Dar a conhecer a unidade de Cuidados Paliativos do Hospital da Luz a profissionais e não profissionais interessados nesta temática Os princípios e as mais-valias dos Cuidados Paliativos As dúvidas e preconceitos sobre Cuidados Paliativos Modo de funcionamento da Unidade (formas de acesso e dinâmica da equipa) Espaço de debate Exposição teórica, espaço de debate, visita á Unidade Data: 7 Maio, 22 Outubro, nível básico; duração - 1 tarde 8 Curso de Formação de Voluntários Conhecer a filosofia e os princípios dos Cuidados Paliativos; Compreender o papel do voluntário na equipa de Cuidados Paliativos; Ter competências relacionais e comunicacionais que permitam ajudar os doentes em fim de vida e suas famílias e que possibilitem o trabalho em equipa; Conhecer e respeitar os princípios éticos subjacentes às questões do fim de vida. Valorizar a importância da espiritualidade na qualidade de vida do doente e sua família. Principais conteúdos temáticos Filosofia dos Cuidados Paliativos; Papel do voluntário na assistência ao doente e à família; perfil do voluntário; Trabalho em equipa; auto-cuidados dos voluntários Comunicação com o doente em fim de vida e sua família; Relação de ajuda e acompanhamento; Principais sintomas físicos e psicológicos; medidas terapêuticas mais utilizadas; Principais problemas éticos no fim da vida; Apoio à família na agonia e no luto; Espiritualidade dos doentes em fim de vida. Exposição teórica, discussão de casos, espaço de debate; Datas: 17 e 24 Outubro; nível básico; duração 2 dias Unidade de C.C.Paliativos Hospital da Luz - Programa de Formação Contínua

8 8 9 Curso Cuidados Paliativos para Psicólogos Pretende-se com este simpósio dirigido a psicólogos: Divulgar os princípios dos Cuidados Paliativos junto dos psicólogos Dar a conhecer algumas intervenções específicas do apoio psicológico Os princípios e as mais-valias dos Cuidados Paliativos Os profissionais de saúde mental nos Cuidados Paliativos Premissas da comunicação em Cuidados Paliativos Intervenções específicas do âmbito da saúde mental: a) Terapia centrada no significado b) Negação/evitamento c) Apoio à família d) Intervenção no luto e) Os auto-cuidados Exposição teórica, espaço de debate, visita á Unidade Data: 19 Novembro, nível intermédio; duração - 1 dia Comissão Científica e Organizadora: Isabel Galriça Neto Cristina Rodrigues Rita Abril Nélia Trindade Maria Aparício Local Proposto: Anfiteatro do Hospital da Luz/ Casas da Cidade Inscrições sujeitas à capacidade do anfiteatro/sala de reuniões e às características da acção de formação; No final, será passado um certificado de presença Unidade de C.C.Paliativos Hospital da Luz - Programa de Formação Contínua

CURSO BÁSICO DE CUIDADOS PALIATIVOS

CURSO BÁSICO DE CUIDADOS PALIATIVOS CURSO BÁSICO DE CUIDADOS PALIATIVOS OBJECTIVOS: Objectivos gerais: Aquisição de conhecimentos científicos e técnicos pertinentes e actualizados para adequar as práticas dos Serviços de Medicina à prestação

Leia mais

CURSO BÁSICO DE CUIDADOS PALIATIVOS

CURSO BÁSICO DE CUIDADOS PALIATIVOS ACÇÃO DE FORMAÇÃO Nº 10 / 2016 CURSO BÁSICO DE CUIDADOS PALIATIVOS OBJECTIVOS: Objectivos gerais: Aquisição de conhecimentos científicos e técnicos pertinentes e actualizados para adequar as práticas dos

Leia mais

Governação dos laboratórios: papel da regulação

Governação dos laboratórios: papel da regulação Governação dos laboratórios: papel da regulação César Carneiro Director do Departamento de Estudos e Regulação Económica Lisboa, 20 de Maio de 2016 Agenda 1. A Entidade Reguladora da Saúde 2. As actividades

Leia mais

Ficha de Actividade. Conteúdos: Os diferentes processos e serviços do Arquivo Municipal.

Ficha de Actividade. Conteúdos: Os diferentes processos e serviços do Arquivo Municipal. Ficha de Actividade Tipo: Visitas de Estudo Tema: Faz de conta que somos de papel Público-alvo: Alunos Pré-escolar e 1º ciclo Equipa: Serviço Educativo Arquivo Municipal Calendarização: Todo o ano. Agendadas

Leia mais

Como inovar transformando velhos dilemas em novas práticas.

Como inovar transformando velhos dilemas em novas práticas. Como inovar transformando velhos dilemas em novas práticas. Letícia Andrade Assistente Social HC-FMUSP: Ambulatório de Cuidados Paliativos e Núcleo de Assistência Domiciliar Interdisciplinar Cuidados Paliativos:

Leia mais

Prof.Dr.Franklin Santana Santos

Prof.Dr.Franklin Santana Santos Prof.Dr.Franklin Santana Santos Conflito de interesse O autor declara não haver conflito de interesse nessa palestra QUALIDADE NO MORRER EM 40 PAÍSES The Economist, 2010 Texto new england Indicação de

Leia mais

Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta. Um Espaço Aberto à Comunidade

Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta. Um Espaço Aberto à Comunidade Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta Um Espaço Aberto à Comunidade Fevereiro / 2015 INDÍCE Semana Aberta Um Espaço Aberto à Comunidade Relatório Anual I. Introdução II. III. IV.

Leia mais

1.1. Creche Objectivos gerais

1.1. Creche Objectivos gerais 1.1. Creche 1.1.1. Objectivos gerais Os processos de ensino e aprendizagem deverão contribuir nesta primeira etapa da Educação para a Infância, para que as crianças alcancem os seguintes objectivos: -

Leia mais

CURSO DE TÉCNICO DE ACÇÃO GERIÁTRICA (24ª edição)

CURSO DE TÉCNICO DE ACÇÃO GERIÁTRICA (24ª edição) CURSO DE TÉCNICO DE ACÇÃO GERIÁTRICA (24ª edição) Atendendo ao envelhecimento crescente a que se assiste a nível mundial, é imprescindível os cuidadores, formais e informais, dispensarem a formação neste

Leia mais

PLANO FORMAÇÃO. Neste sentido, a Alzheimer Portugal tem vindo a realizar cursos de formação para cuidadores profissionais e cuidadores informais.

PLANO FORMAÇÃO. Neste sentido, a Alzheimer Portugal tem vindo a realizar cursos de formação para cuidadores profissionais e cuidadores informais. PLANO FORMAÇÃO 2014 Um dos objetivos primordiais da Alzheimer Portugal consiste em promover a preparação de todos os que prestam cuidados às Pessoas com Demência. Pretende-se, assim, contribuir para que

Leia mais

O contacto com a obra de Arte não tem de ser acessível apenas às elites

O contacto com a obra de Arte não tem de ser acessível apenas às elites O contacto com a obra de Arte não tem de ser acessível apenas às elites A Arte, ao longo da História, sempre esteve intrinsecamente ligada à sociedade e têm evoluído conjuntamente, o homem interage com

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI GONÇALO DE AZEVEDO. Saúde Escolar 2011/2012. Tema anual: Cuidar de mim

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI GONÇALO DE AZEVEDO. Saúde Escolar 2011/2012. Tema anual: Cuidar de mim Tema anual: Cuidar de mim Cuidar de mim Jardim de Infância, 1º, 2º e 3º Ciclos Cuidar do Corpo, Cuidar de mim Cuidar de mim Secundário Cuidar de mim, Cuidar do outro Cuidar de mim Alimentação e Actividade

Leia mais

11:00h 13:00h Moderadora: Drª. Soraia Monteiro (Interna de Medicina Geral e Familiar) Dr. Pedro Pablo (Especialista de Medicina Geral e Familiar)

11:00h 13:00h Moderadora: Drª. Soraia Monteiro (Interna de Medicina Geral e Familiar) Dr. Pedro Pablo (Especialista de Medicina Geral e Familiar) PROGRAMA CIENTÍFICO Sexta-feira, 8 de Novembro Hipocoagulação oral: ainda um desafio! 11:00h 13:00h Moderadora: Drª. Soraia Monteiro (Interna de Medicina Geral e Familiar) O que o doente hipocoagulado

Leia mais

OBJECTIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS DA EDUCAÇÃO AFECTIVO- SEXUAL

OBJECTIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS DA EDUCAÇÃO AFECTIVO- SEXUAL OBJECTIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS DA EDUCAÇÃO AFECTIVO- SEXUAL Numa perspectiva global pretende-se que no 2º ciclo os alunos Adquiram e aumentem conhecimentos: Sobre o conceito de sexualidade e as suas diferentes

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DE AEMB - DEPARTAMENTO PRÉ ESCOLAR DEPE 2013/2017

PROJETO CURRICULAR DE AEMB - DEPARTAMENTO PRÉ ESCOLAR DEPE 2013/2017 AEMB - DEPE PROJETO CURRICULAR DE DEPARTAMENTO PRÉ ESCOLAR 2013/2017 O Jardim de Infância é um espaço mágico repleto de cores, sons, onde os grandes aprendem com os pequenos o que é ser realmente grande

Leia mais

Formação sobre o Consumo e Dependência de Heroína e de outros Opiáceos: Actualização em Tratamento e Prevenção da Recidiva

Formação sobre o Consumo e Dependência de Heroína e de outros Opiáceos: Actualização em Tratamento e Prevenção da Recidiva Formação sobre o Consumo e Dependência de Heroína e de outros Opiáceos: Actualização em Tratamento e Prevenção da Recidiva DESIGNAÇÃO DA FORMAÇÃO Consumo e dependência de heroína e de outros opiáceos:

Leia mais

CENTRO PSICOPEDAGÓGICO DA LINHA. Programa Formativo. Atenção! Este Programa Formativo pode ser atualizado a qualquer momento! Mantenha-se Informado!

CENTRO PSICOPEDAGÓGICO DA LINHA. Programa Formativo. Atenção! Este Programa Formativo pode ser atualizado a qualquer momento! Mantenha-se Informado! Atenção! Este pode ser atualizado a qualquer momento! Mantenha-se Informado! Treino de Competências Sociais em Crianças e Jovens: Uma Abordagem Prática Contribuir para o enriquecimento teo rico-pra tico

Leia mais

MANUEL FERREIRA CENTRO SAÚDE ODIVELAS EQUIPA DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS CUIDADOS PALIATIVOS MISSÃO EQUIPA

MANUEL FERREIRA CENTRO SAÚDE ODIVELAS EQUIPA DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS CUIDADOS PALIATIVOS MISSÃO EQUIPA CNTNUDDE N RUPTUR MNUEL FERRER CENTR SÚDE DVELS EQUP DE CUDDS CNTNUDS NTEGRDS Equipa de Cuidados Continuados CUDDS CNTNUDS CUDDS PLTVS desenvolvimento dos cuidados paliativos deve ser suportado por uma

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU

PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU 2015-2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRIFANA, SANTA MARIA DA FEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRIFANA, SANTA MARIA DA FEIRA 2015-2017 Aprovado

Leia mais

http://www.worldday.org 22-10-2008

http://www.worldday.org 22-10-2008 " Cuidados Paliativos como Direito Humano - Reflexão Ética " Maria Teresa Flor de Lima Unidade de Dor, Hospital do Divino Espírito Santo, EPE Av. D. Manuel I, 9500-370, Ponta Delgada, Açores mtflordelima@gmail.com

Leia mais

Cuidados Paliativos. Centro de Saúde de Nisa Dra. Vânia Cunha

Cuidados Paliativos. Centro de Saúde de Nisa Dra. Vânia Cunha Cuidados Paliativos Centro de Saúde de Nisa Dra. Vânia Cunha E-mail: vabcunha@gmail.com O que são cuidados paliativos? Cuidados activos, coordenados e globais, prestados por unidades e equipas específicas,

Leia mais

Mini-MBA de Especialização de Marketing Coordenador/Formador: José Guimarães

Mini-MBA de Especialização de Marketing Coordenador/Formador: José Guimarães Mini-MBA de Especialização de Marketing Coordenador/Formador: José Guimarães Índice Duração Total... 2 Destinatários... 2 Perfil de saída... 2 Pré-Requisitos... 3 Objetivo Geral... 3 Objetivos Específicos...

Leia mais

Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários

Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários PATROCINADOR OURO Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários Isabel Hintze d Almeida MFamília- CS Povoação Isabel_h_almeida@hotmail.com 1 Sumário Qualidade em CSP Programas Regionais

Leia mais

Unidade de Tratamento da Dor e Medicina Paliativa CHCB (H. Fundão)

Unidade de Tratamento da Dor e Medicina Paliativa CHCB (H. Fundão) Motivo de admissão Controlo sintomas Terminal Descanso Admitido por: DADOS DE ADMISSÃO DO DOENTE DATA DE ADMISSÃO : / / DIAGNÓSTICO PRINCIPAL: METÁSTASES: PROVENIÊNCIA: OUTRAS DOENÇAS RELEVANTES : 1. 2.

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de HSCG - 11ºano 2015/16

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de HSCG - 11ºano 2015/16 CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de HSCG - 11ºano 2015/16 Turma: K Professora: Maria de Fátima Martinho 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Higiene,

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Tarde - 17:00 às 21:00 INVESTIMENTO

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Tarde - 17:00 às 21:00 INVESTIMENTO INSUFICIêNCIA RENAL - O PAPEL DO ENFERMEIRO (JUN 2015) PORTO Sabia que, em Portugal, aproximadamente um em cada 10 adultos sofre de doença renal crónica? "Insuficiência Renal - O Papel do Enfermeiro" pretende

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIAS DE 22 DE JUNHO DE 2012

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIAS DE 22 DE JUNHO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIAS DE 22 DE JUNHO DE 2012 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

Projeto de Resolução n.º 605/XIII/2.ª

Projeto de Resolução n.º 605/XIII/2.ª Projeto de Resolução n.º 605/XIII/2.ª Recomenda ao Governo que promova, junto das instituições do ensino superior da área da saúde, a inclusão do estudo da Dor e da Geriatria nos respetivos programas curriculares

Leia mais

B-on. Click to edit Master title style. Click to edit Master text styles Second level Third level Fourth level Fifth level

B-on. Click to edit Master title style. Click to edit Master text styles Second level Third level Fourth level Fifth level Click to edit Master title style B-on FCCN, 11 Maio 2011 João Mendes Moreira Gestor da b-on Jmm@fccn.pt Click to edit Master title Agenda style Enquadramento Serviços Indicadores Conclusões Click to edit

Leia mais

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS SAÚDE MENTAL QUE RESPOSTAS?

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS SAÚDE MENTAL QUE RESPOSTAS? REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS SAÚDE MENTAL QUE RESPOSTAS? Anabela Costa UMCCI Lisboa, 23 de Abril de 2008 1 Conceitos Básicos Continuidade de Cuidados: A sequencialidade das intervenções

Leia mais

Projecto Jovens anos

Projecto Jovens anos Projecto Jovens 18-24 anos Introdução Os jovens 18/24 anos - constituem o grupo etário com maior índice de sinistralidade rodoviária. Na realidade, constituíram entre 2003 e 2007, 16.0% dos mortos e 18.7%

Leia mais

VII Colóquio de Optometria: Os 25 Anos do Ensino Universitário da Optometria em Portugal

VII Colóquio de Optometria: Os 25 Anos do Ensino Universitário da Optometria em Portugal VII Colóquio de Optometria: Os 25 Anos do Ensino Universitário da Optometria em Portugal Data: 24 a 26 de Maio de 2013 Local: Faculdade de Ciências da Saúde, Covilhã Carta de Boas Vindas O VII Colóquio

Leia mais

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS ESTRUTURA PROGRAMÁTICA DO CURSO MÓDULOS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Acolhimento dos formandos e Apresentação do Curso A entidade formadora;

Leia mais

Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013

Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013 Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013 Psicóloga Ana Rita Antunes (2º e 3º Ciclos e Coordenadora do Serviço de Psicologia e Orientação) Psicóloga Filipa

Leia mais

Programa da Qualidade Política Geral

Programa da Qualidade Política Geral O Hospital Pulido Valente definiu como MISSÂO: Programa da Qualidade Política Geral 1. O Hospital é o estabelecimento de referência para a população envolvente, para as especialidades de que dispõe, desenvolvendo

Leia mais

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 1 Curso de Formação Educador Ambiental 2009 Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 2 Curso de Formação: Educador Ambiental Índice: 1 Apresentação da entidade formadora e de Coordenação do Curso 2

Leia mais

Programa de Residência Multiprofissional em Gerontologia

Programa de Residência Multiprofissional em Gerontologia Programa de Residência Multiprofissional em Gerontologia Cenário de Prática: No primeiro ano, o residente terá atuação na Proteção Especial e Atenção Especializada de Média e Alta Complexidade, em Unidade

Leia mais

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)?

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O Liderança para a Mudança é um programa de aprendizagem activa para o desenvolvimento dos enfermeiros como líderes e gestores efectivos num ambiente

Leia mais

PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS

PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS INFEÇÕES ASSOCIADAS AOS CUIDADOS DE SAÚDE PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS 12 DE NOVEMBRO DE 2013 CRISTINA SOUSA ECR ALENTEJO REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO 2015/2016

PROJETO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO 2015/2016 PROJETO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO 15/16 DISCIPLINA: GOSCS 12º Ano CURSO: TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE OBJETIVOS TRANSVERSAIS Promoção da educação para a cidadania A língua

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2012 REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2 de 1 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013

NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013 NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013 Tipologias de Intervenção 3.6, 8.3.6 e 9.3.6 Qualificação dos Profissionais da Saúde I Prioridades a considerar na seleção de candidaturas para 2013 Concurso n.º13/2013

Leia mais

Somos parceiros na conquista da sua autonomia

Somos parceiros na conquista da sua autonomia MANUAL DE ACOLHIMENTO UNIDADE DE CONVALESCENÇ A DE VILA POUC A DE AGUIAR Somos parceiros na conquista da sua autonomia Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, E.P.E. Estrada Nacional nº2 5450-011

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES ACÇÃO TIPO: Formação Pedagógica Inicial de Formadores PÚBLICO ALVO: Futuros formadores, formadores sem formação pedagógica. DURAÇÃO: 96 Horas N.º de ACÇÕES: 1

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso. I Congresso Mato-Grossense de Medicina de Família e Comunidade

Universidade Federal de Mato Grosso. I Congresso Mato-Grossense de Medicina de Família e Comunidade Data: 17, 18 e 19/03/2016 Horário: 07h 30 às 19h 00. Universidade Federal de Mato Grosso I Congresso Mato-Grossense de Medicina de Família e Comunidade Local: 17/03 (Teatro da UFMT); 18 e 19/03 (INPP)

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico CETEC. Plano de Trabalho Docente Qualificação: Técnico de Enfermagem

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico CETEC. Plano de Trabalho Docente Qualificação: Técnico de Enfermagem Plano de Trabalho Docente 2013 ETE Paulino Botelho Ensino Técnico Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnico de Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo tecnológico: AMBIENTE e SAÚDE Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

ALGUNS DADOS DO BRASIL:

ALGUNS DADOS DO BRASIL: MARIA GORETTI MACIEL Conselho Consultivo da ANCP Diretora do Serviço de Cuidados Paliativos do HSPE Coordenadora do Programa de CP do Hospital Samaritano Câmara Técnica sobre Terminalidade da Vida e CP

Leia mais

POLITICA FAMÍLIA: SAÚDE. 9.dezembro.2014

POLITICA FAMÍLIA: SAÚDE. 9.dezembro.2014 POLITICA FAMÍLIA: SAÚDE 9.dezembro.2014 Associação Portuguesa de Famílias Numerosas A Associação Portuguesa de Famílias Numerosas (APFN) foi fundada em 1999. É uma associação de família, sem fins lucrativos,

Leia mais

III JORNADAS NACIONAIS DE CONTROLO DE INFECÇÃO. O Controlo da Infecção do Hospital à Comunidade

III JORNADAS NACIONAIS DE CONTROLO DE INFECÇÃO. O Controlo da Infecção do Hospital à Comunidade III JORNADAS NACIONAIS DE CONTROLO DE INFECÇÃO O Controlo da Infecção do Hospital à Comunidade ANCI Associação Nacional de Controlo de Infecção Guimarães 13 de Novembro 2009 Maria Madalena de Oliveira

Leia mais

Laboratório de Sustentabilidade Sessão 6: A planificação estratégica. Maio de 2015

Laboratório de Sustentabilidade Sessão 6: A planificação estratégica. Maio de 2015 Laboratório de Sustentabilidade Sessão 6: A planificação estratégica Maio de 2015 Do que estamos falando? SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2- FUNDAMENTOS DO PE 2.1. Conceito 2.2. Origem, Função e Características 3

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

Cuidados Paliativos e Decisões no Paciente Oncológico Terminal

Cuidados Paliativos e Decisões no Paciente Oncológico Terminal Cuidados Paliativos e Decisões no Paciente Oncológico Terminal Curso de atualização 2013 Ilka Lopes Santoro Disciplina de Pneumologia Unifesp - EPM Objetivos Definições e Princípios Ações Controle da dor

Leia mais

INFORMAÇÃO PESSOAL FIRMINO, Cristiana Isabel da Cruz Furtado. Desde Setembro de 2015 (presente):

INFORMAÇÃO PESSOAL FIRMINO, Cristiana Isabel da Cruz Furtado. Desde Setembro de 2015 (presente): MODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Correio electrónico Nacionalidade FIRMINO, Cristiana Isabel da Cruz Furtado c.firmino@uatlantica.pt Portuguesa EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Desde

Leia mais

ANEXO I INSTRUMENTO DE COLHEITA DE DADOS

ANEXO I INSTRUMENTO DE COLHEITA DE DADOS ANEXOS ANEXO I INSTRUMENTO DE COLHEITA DE DADOS Chamo-me Selma Faustino, sou enfermeira na Clínica de Dor do Instituto Português de Oncologia de Lisboa, de Francisco Gentil e estou a frequentar o V Mestrado

Leia mais

Campanha das PBCI. UCCI ERPI/Lares. 8 de novembro 2016 Ana Paula Cruz Direção Nacional do PPCIRA-DGS

Campanha das PBCI. UCCI ERPI/Lares. 8 de novembro 2016 Ana Paula Cruz Direção Nacional do PPCIRA-DGS Campanha das PBCI UCCI ERPI/Lares 8 de novembro 2016 Ana Paula Cruz Direção Nacional do PPCIRA-DGS Parece um principio estranho enunciar como o primeiro requerimento para o hospital que ele não deve causar

Leia mais

Afetos ao cair da noite

Afetos ao cair da noite Afetos ao cair da noite cinco questões sobre a perda e o luto Oficinas de Formação Plano formativo Espaço do Luto email.: geral@espacodoluto. pt telef.: 234 047 507/ 929 078 828; 917 052 052 ACN Afetos

Leia mais

LogBook de Psiquiatria 2017

LogBook de Psiquiatria 2017 LogBook Psiquiatria Caro(a) colega: É com grande prazer que te dou, em nome da ANEM, as boas-vindas ao teu CEMEF. Investimos muito trabalho na sua organização por acreditarmos que um estágio individual

Leia mais

CURSO DE AUXILIAR DE ACÇÃO MÉDICA / ASSISTENTE OPERACIONAL

CURSO DE AUXILIAR DE ACÇÃO MÉDICA / ASSISTENTE OPERACIONAL CURSO DE AUXILIAR DE ACÇÃO MÉDICA / ASSISTENTE OPERACIONAL O amor á profissão pode torná-lo um bom profissional, mas só um diploma pode formar um profissional completo 1. OBJECTIVOS GERAIS O curso Profissional

Leia mais

Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida -

Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida - Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida - CUIDADOS DE SUPORTE: Saúde Mental na Comunidade SANDRA MOREIRA Enf.ª ULSM - Coordenadora UCCSMI Título de Especialista em Enfermagem de Saúde Mental

Leia mais

Diagnóstico de Situação em 2015. Diagnóstico de Situação em 2015 Prioridade II: Reforço da Segurança dos Doentes. Entidade: *

Diagnóstico de Situação em 2015. Diagnóstico de Situação em 2015 Prioridade II: Reforço da Segurança dos Doentes. Entidade: * Página 1 de 9 Entidade: * Centro Hospitalar da Póvoa do Varzim/Vila do Conde, EPE Morada: Código Postal - N.º de camas: ARS: Tipologia: * ACES Hospital/Centro Hospitalar Unidade Local de Saúde PLANO DE

Leia mais

Conselho Municipal de Educação

Conselho Municipal de Educação Estado do Rio Grande do Sul RELATÓRIO CIRANDAS PELA EDUCAÇÃO Na tarde de quinta-feira dia 01 de junho os professores da Escola Municipal de Ensino Fundamental Irmã Maria Anastasie juntamente com CME do

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO MÉDICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO MÉDICA. 2º Curso Actualização em Cuidados Paliativos. 26 e 27 de Novembro 2010

CUIDADOS PALIATIVOS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO MÉDICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO MÉDICA. 2º Curso Actualização em Cuidados Paliativos. 26 e 27 de Novembro 2010 5. Para qualquer informação adicional, por favor, contacte o Secretariado Tel 218 853 079 TLM 962 184 972 Fax 218 853 464 iem@iem.pt iem.institutoeducacaomedica@gmail.com www.iem.pt A/c de Angela M. Vasconcelos

Leia mais

Seminário: FORMAÇÃO DE FORMADORES NO ÂMBITO DO USO SUSTENTÁVEL DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS. 1 de Abril de 2016 quina@dgadr.pt

Seminário: FORMAÇÃO DE FORMADORES NO ÂMBITO DO USO SUSTENTÁVEL DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS. 1 de Abril de 2016 quina@dgadr.pt Seminário: FORMAÇÃO DE FORMADORES NO ÂMBITO DO USO SUSTENTÁVEL DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Santarém, Auditório da ESAS Joaquina Fonseca 1 de Abril de 2016 quina@dgadr.pt PAINEL I : REGULAMENTAÇÃO RELATIVA

Leia mais

Regulamento Interno. Centro Ocupacional de São Brás. Capítulo I. Objectivos do Regulamento

Regulamento Interno. Centro Ocupacional de São Brás. Capítulo I. Objectivos do Regulamento Regulamento Interno Centro Ocupacional de São Brás Capítulo I Objectivos do Regulamento 1) O presente regulamento visa definir as regras de organização e funcionamento do Espaço Educacional de São Brás,

Leia mais

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida;

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida; São nossos objectivos: 1ª fase: Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Alargar e consolidar a rede de parcerias de forma a fomentar e a criar novos recursos, propiciando condições

Leia mais

CURSO DE TRATAMENTO DA DIABETES NO HOSPITAL

CURSO DE TRATAMENTO DA DIABETES NO HOSPITAL ACÇÃO DE FORMAÇÃO Nº 05 / 2016 CURSO DE TRATAMENTO DA DIABETES NO HOSPITAL INTRODUÇÃO: Mais de metade dos recursos económicos gastos no tratamento da Diabetes (DM), são atribuídos à abordagem da pessoa

Leia mais

Do envolvimento à participação: o papel da comunicação na gestão de riscos

Do envolvimento à participação: o papel da comunicação na gestão de riscos Financiamento: Fundação de Ciência e Tecnologia Do envolvimento à participação: o papel da comunicação na gestão de riscos Eles dizem: dá saúde e faz crescer! as crianças, a publicidade e o consumo alimentar

Leia mais

Casa de Saúde São João de Deus

Casa de Saúde São João de Deus Casa de Saúde São João de Deus Funchal Outubro 2013 Manuel Freitas CSSJD Funchal Caminho percorrido SGQ- Situação atual CSSJD Funchal CSSJD Inaugurada 10/08/1924 OHSJD Província Portuguesa ISJD Fins de

Leia mais

Relatório do 1º Workshop sobre Doença de Chagas em Portugal

Relatório do 1º Workshop sobre Doença de Chagas em Portugal INSTITUTO DE HIGIENE E MEDICINA TROPICAL Unidade de Ensino e Investigação em Clínica das Doenças Tropicais Jorge Seixas, MD Professor Auxiliar Relatório do 1º Workshop sobre Doença de Chagas em Portugal

Leia mais

SUPORTE FAMILIAR DE ENFERMAGEM NA UNIDADE DE CUIDADOS PALIATIVOS

SUPORTE FAMILIAR DE ENFERMAGEM NA UNIDADE DE CUIDADOS PALIATIVOS 2º Encontro Interdisciplinar em Cuidados Paliativos Da Secção Regional do Sul da Ordem dos Enfermeiros DETALHES EM PALIATIVOS Enfº. Paulo Ramires Enfª. Vanda Almeida UNIDADE DE CUIDADOS PALIATIVOS CHBM,

Leia mais

PROJECTO PROMED - 2011/2012. A função formativa da avaliação externa. Guião de apresentação de práticas PROMED

PROJECTO PROMED - 2011/2012. A função formativa da avaliação externa. Guião de apresentação de práticas PROMED 1 Caracterização da escola e suas concepções sobre avaliação O Colégio de Nossa Senhora da Paz é uma escola do EPC (ensino particular e cooperativo), propriedade da Província Portuguesa das Irmãs de Santa

Leia mais

Identificação da Empresa. Missão. Visão

Identificação da Empresa. Missão. Visão Identificação da Empresa Designação social: Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Sede: Rua José António Serrano, 1150-199 - Lisboa Natureza jurídica: Entidade Pública Empresarial Início de actividade:

Leia mais

Psicoestimulação Cognitiva

Psicoestimulação Cognitiva A tendência demográfica actual aponta para o progressivo aumento da percentagem da população idosa, em detrimento da população de faixas etárias mais jovens. De todas as patologias associadas ao envelhecimento,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REAL REGULAMENTO OFERTAS EDUCATIVAS ALTERNATIVAS AO ENSINO REGULAR ANEXO II

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REAL REGULAMENTO OFERTAS EDUCATIVAS ALTERNATIVAS AO ENSINO REGULAR ANEXO II Ofertas Educativas Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais ao funcionamento do curso vocacional, adequando, esclarecendo e integrando as normas legais presentes na

Leia mais

1. Texto publicado na revista In VIVO

1. Texto publicado na revista In VIVO Ética, Direitos Humanos, Saúde Mental e Enfermagem Ana Albuquerque Queiroz 1 Ninguém pode ficar indiferente a nada do que é humano, particularmente a doença mental. 1 Quando se trata de saúde mental, sabe-se

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NO ENSINO BÁSICO

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NO ENSINO BÁSICO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NO ENSINO BÁSICO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS ANO LETIVO 2012 / 2013 ÍNDICE ÍNDICE... 1 EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NO ENSINO BÁSICO... 2 1. Legislação:... 2 2. Finalidades da educação

Leia mais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2015

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2015 CÂMARA MUNICIPAL DE LAGOA ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2015 Regulamento Municipal orçamento participativo de Lagoa NOTA JUSTIFICATIVA A implementação do primeiro orçamento participativo em Lagoa vai buscar

Leia mais

Estrada Nacional nº Vila Pouca de Aguiar Telefone: Fax:

Estrada Nacional nº Vila Pouca de Aguiar Telefone: Fax: MANUAL DE ACOLHIMENTO UNIDADE DE CUIDADOS PALIATIVOS DE VILA POUC A DE AGUIAR Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, E.P.E. Estrada Nacional nº2 5450-011 Vila Pouca de Aguiar Telefone: 259 408

Leia mais

O Papel dos Psicólogos no Envelhecimento

O Papel dos Psicólogos no Envelhecimento CATEGORIA AUTORIA JUNHO 15 Revisão de Dados Gabinete de Estudos e Literatura Científica Técnicos O Papel dos Psicólogos no Envelhecimento Sugestão de Citação Ordem dos Psicólogos Portugueses (2015). O

Leia mais

CanmdatillliB N de entrada /2015

CanmdatillliB N de entrada /2015 CanmdatillliB N de entrada /2015 INFORMAÇÃO GERAL Antes de começar a preencher o presente formulário de candidatura, por favor leia o regulamento do "CONCURSO CUIDAR'15", disponível no sítio www.ordemenfermeiros.ptlsites/centro/paginas/default.aspx.

Leia mais

Nacional de Cuidados Paliativos (RNCP) e indicadores de referência para a implementação e desenvolvimento destas equipas

Nacional de Cuidados Paliativos (RNCP) e indicadores de referência para a implementação e desenvolvimento destas equipas N. 1/2017/CNCP/ACSS DATA: 12-01-2017 CIRCULAR NORMATIVA PARA: Instituições Hospitalares do SNS, Administrações Regionais de Saúde, IP/Agrupamentos de Centros de Saúde/Unidades Locais de Saúde, EPE ASSUNTO:

Leia mais

A todas as pessoas anónimas que contribuem para melhorar o dia-a-dia da nossa sociedade

A todas as pessoas anónimas que contribuem para melhorar o dia-a-dia da nossa sociedade VIVER SEM DOR Dossier de Imprensa da Fundação Grünenthal A todas as pessoas anónimas que contribuem para melhorar o dia-a-dia da nossa sociedade OBRIGADO A Fundação Grünenthal dedica-se há mais de dez

Leia mais

Uma experiência de cooperação. Aida Cruz Mendes, 2011

Uma experiência de cooperação. Aida Cruz Mendes, 2011 Formação de enfermeiros em Cabo Verde Uma experiência de cooperação Aida Cruz Mendes, 2011 acmendes@esenfc.pt Este programa de cooperação nasce no seguinte contexto Desafios em saúde Transição epidemiológica

Leia mais

Conselho Local de Ação Social

Conselho Local de Ação Social Conselho Local de Ação Social Índice Introdução... 6 Eixo I - Demografia... 7 Eixo II Educação/Nível de Instrução... 8 Eixo III Economia... 11 Eixo IV Grupos Vulneráveis... 13 Avaliação.26 2 Ficha Técnica

Leia mais

TRATAMENTO DA DIABETES TIPO 2 NO AMBULATÓRIO

TRATAMENTO DA DIABETES TIPO 2 NO AMBULATÓRIO ACÇÃO DE FORMAÇÃO Nº 04 / 2016 TRATAMENTO DA DIABETES TIPO 2 NO AMBULATÓRIO INTRODUÇÃO: Em 2035 teremos, a nível mundial, o dobro do número de pessoas com Diabetes, com mais expectativas e tratamento mais

Leia mais

PLANO DO CURSO DE ATUALIZAÇÃO NA ATENÇÃO INTERSETORIAL AO USO PREJUDICIAL EM ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS - CIAD 2016

PLANO DO CURSO DE ATUALIZAÇÃO NA ATENÇÃO INTERSETORIAL AO USO PREJUDICIAL EM ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS - CIAD 2016 PLANO DO CURSO DE ATUALIZAÇÃO NA ATENÇÃO INTERSETORIAL AO USO PREJUDICIAL EM ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS - CIAD 2016 COORDENAÇÃO: MARCO AURELIO SOARES JORGE EPSJV/FIOCRUZ PILAR RODRIGUEZ BELMONTE EPSJV/FIOCRUZ

Leia mais

Instituto Gineste-Marescotti Portugal

Instituto Gineste-Marescotti Portugal Instituto Gineste-Marescotti Portugal APRESENTAÇÃO DE EMPRESA Instituto Gineste-Marescotti (IGM Portugal) Morada : Rua do Vale, n.33;2460-576 - Alcobaça Tel : (+351) 913 821 326 Site: www.humanitude.pt

Leia mais

Formação de Arte-Terapeuta Institucional

Formação de Arte-Terapeuta Institucional Sociedade Portuguesa de Arte-Terapia & Universidade da Madeira Formação de Arte-Terapeuta Institucional Sob Supervisão Nível I MADEIRA Universidade da Madeira Sociedade Portuguesa de Arte-Terapia A Sociedade

Leia mais

Relatório do Curso Desastres e Desenvolvimento- Maputo, 4 a 8 de Abril 2009

Relatório do Curso Desastres e Desenvolvimento- Maputo, 4 a 8 de Abril 2009 Relatório do Curso Desastres e Desenvolvimento- Maputo, 4 a 8 de Abril 2009 1. Introdução Entre os dias 04 a 08 de Maio de 2009 realizou-se em Maputo, no Residencial Hoyo-Hoyo o Curso Desastres e Desenvolvimento.

Leia mais

GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS

GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS Ministério da Saúde Administração Regional de Saúde do Algarve, IP GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS grupotecnicodeferidas@arsalgarve.min-saude.pt Estudos Estudo realizado na Região em 2005 (CC Infecção/Centro

Leia mais

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã Plano de Acção 2006/2007 Rede Social Concelho da Lourinhã E I X O I Intervenção Dirigida a Grupos Específicos EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 existem

Leia mais

DECISÃO COREN-MA Nº 09/2014

DECISÃO COREN-MA Nº 09/2014 DECISÃO COREN-MA Nº 09/2014 Define as Atribuições do Enfermeiro Responsável Técnico no âmbito do Estado do Maranhão. O Conselho Regional de Enfermagem do Maranhão Coren/MA, em observância aos dispositivos

Leia mais

Curso de Mediaçã o de Conflitos

Curso de Mediaçã o de Conflitos Curso de Mediaçã o de Conflitos Objetivos Gerais/Competências visadas: Dotar os formandos de um conjunto de competências que permitam problematizar, analisar e refletir sobre situações práticas de gestão

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO

GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO Índice: DIAGNÓSTICO... 51 OBJECTIVO GERAL: PROMOVER OS DIREITOS DA CRIANÇA JUNTO

Leia mais

O PROCESSO DE TRANSIÇÃO DO CUIDADOR INFORMAL DA PESSOA COM AVC

O PROCESSO DE TRANSIÇÃO DO CUIDADOR INFORMAL DA PESSOA COM AVC CONGRESSO INTERNACIONAL DE ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO II SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATUALIDADES EM ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO ACRESCENTAR QUALIDADE DE VIDA A reabilitação e cronicidade O PROCESSO DE TRANSIÇÃO

Leia mais